LUCAS ROBERTO BECHERT SCHMITZ. Construção de um gerador gráfico de consultas SQL via Web utilizando a plataforma.net. Palmas 2004

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LUCAS ROBERTO BECHERT SCHMITZ. Construção de um gerador gráfico de consultas SQL via Web utilizando a plataforma.net. Palmas 2004"

Transcrição

1 i LUCAS ROBERTO BECHERT SCHMITZ Construção de um gerador gráfico de consultas SQL via Web utilizando a plataforma.net Palmas 2004

2 ii LUCAS ROBERTO BECHERT SCHMITZ Construção de um gerador gráfico de consultas SQL via Web utilizando a plataforma.net Relatório apresentado como requisito parcial da disciplina de Prática de Sistemas de Informação I (Estágio) do curso de Sistemas de Informação, orientado pelo Prof. Jackson Gomes de Souza Palmas 2004

3 iii LUCAS ROBETO BECHERT SCHMITZ Construção de um gerador gráfico de consultas SQL via Web utilizando a plataforma.net Relatório apresentado como requisito parcial da disciplina de Prática de Sistemas de Informação I (Estágio) do curso de Sistemas de Informação, orientado pelo Prof. Jackson Gomes de Souza Aprovado em julho de 2004 BANCA EXAMINADORA Prof. Jackson Gomes de Souza Centro Universitário Luterano de Palmas Prof. Fernando Luiz de Oliveira Centro Universitário Luterano de Palmas Profª. Parcilene Fernandes de Brito Centro Universitário Luterano de Palmas Palmas 2004

4 iv De que valem leis, onde falta nos homens o sentimento da justiça? (Obras Completas de Rui Barbosa, v. 16, t. 5, p. 225.)

5 v AGRADECIMENTOS Agradeço, primeiramente a Deus, tanto por sua bondade em conceder a mim e a todas demais pessoas com quem convivo, uma grande dádiva; quanto por me motivar a ser o que fui, que sou e que pretendo ser a partir desse momento por meio de meus esforços. Agradeço à minha família, que mesmo não podendo estar juntos a mim em todos os momentos nos últimos anos, sempre me deram força para acreditar em meus sonhos e condições para continuar essa caminhada. Agradeço ao meu orientador, o professor Jackson, que sabiamente me orientou no decorer deste trabalho, indicando sempre o melhor caminho para encontrar as respostas necessárias, isso quando já não as respondia. Agradeço aos professores que, através de suas aulas e de atendimentos extraclasse, me passaram parte de seu conhecimento: Ademildo, Aline, Andrés, Augusto, Cristina, Deise, Eduardo Leal, Eduardo Piveta, Fabiano, Fernando, Flávio, Jackson (olha ele de novo), João Nunes, Madianita, Madson, Mário Sérgio, Parcilene, Ricardo e Thereza. Agradeço aos grandes amigos que conheci nesta instituição: André (Rincon), Carlos Eduardo (Careli), Edeilson (Ed), Jorge (Trial), Leandro (Macieira). Agradeço também aos demais amigos, colegas de sala de alua e demais conhecidos; não citarei nomes para não correr o risco de cometer injustiças ao esquecer de alguém. Agradeço também ao leitor que neste momento me prestigia ao ler este trabalho. A ordem dos nomes citados acima não indica preferência, afinal, isto nem mesmo eu sei responder. Os nomes contidos nos parágrafos estão em ordem alfabética.

6 vi SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS...VIII LISTA DE TABELAS...IX LISTA DE ABREVIATURAS... X 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA JAVASCRIPT E DHTML JavaScript DynAPI Modelo de objetos do browser DHTML ASP.NET ADO.NET NET Framework Data Provider Connection Command DataReader DataAdapter DataSet BANCOS DE DADOS RELACIONAIS Linguagem de Consulta ao Banco SQL MATERIAL E MÉTODOS LOCAL E PERÍODO MATERIAL METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO MODELAGEM DO SISTEMA INTERPRETAÇÃO DO ESQUEMA RELACIONAL DO MICROSOFT SQL SERVER INTERFACE GRÁFICA GERAÇÃO DA CONSULTA SQL COMUNICAÇÃO COM O BANCO DE DADOS E EXIBIÇÃO DE REGISTROS CONSIDERAÇÕES FINAIS TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE A - CÓDIGO REFERENTE À CLASSE BANCO APÊNDICE B - CÓDIGO REFERENTE À CLASSE VALIDA APÊNDICE C - CÓDIGO REFERENTE À CLASSE CONSULTA... 66

7 APÊNDICE D - CÓDIGO REFERENTE À CLASSE TABELA vii

8 viii LISTA DE FIGURAS Figura 1: Visão simplificada da arquitetura do sistema Figura 2: Exemplo de código em JavaScript Figura 3: Exemplo de código para a utilização da DynAPI Figura 4: Código com a utilização da DynAPI para a crição de uma nova Layer Figura 5: OZ (2004) Hierarquia de objetos do Browser Figura 6: Modelo compilação ASP. Fonte AÉCE (2004) Figura 7: Modelo compilação ASP.NET. Fonte AÉCE (2004) Figura 8: Preenchendo um menu de seleção HTML com ASP tradicional Figura 9: Preenchendo um DropDownList com ASP.NET Figura 10: MSDN (2004) Arquitetura do ADO.NET Figura 11: Formas de acesso a fontes de dados Figura 12: Exemplo de utilização do SqlConnection Figura 13: Exemplo de utilização do objeto SqlCommand Figura 14: Exemplo de utilização do objeto SqlDataReader Figura 15: Exemplo de utilização do objeto SqlDataAdapter Figura 16: Exemplo de utilização do objeto DataSet Figura 17: Representação da tabela tbproduto em uma base de dados relacional.. 35 Figura 18: Consulta básica utilizando a linguagem SQL Figura 19: Tabela retornada como resultado da consulta apresentada na Figura anterior (18). 37 Figura 20: Consulta com a cláusula WHERE Figura 21: Consulta com o operador de comparação BETWEEN na cláusula WHERE. 38 Figura 22: Exemplo de consulta SQL com a cláusula de ordenação ORDER BY Figura 23: Modelo de Classes do Sistema desenvolvido nesse trabalho Figura 24: Implementação do método retornartabelas() da classe Banco. 50 Figura 25: Interface gráfica do sistema Figura 26: Código responsável por montar a cláusula FROM a partir da interface gráfica 53 Figura 27: Trecho de código responsável por apresentar ao usuário o resultado da consulta. 54

9 ix LISTA DE TABELAS Tabela 1: Relação entre Web Controls e elementos HTML Tabela 2: Cronograma de atividades para o desenvolvimento do trabalho

10 x LISTA DE ABREVIATURAS ASP = Active Server Pages ASP.NET = Active Server Pages.NET API = Application Program Interface BOM = Browser Object Model CLR = Common Language Runtime CSS = Cascading Style Sheets DHTML = Dynamic HTML HTML = Hyper Text Markup Language IIS = Internet Information Services MSIL = MicroSoft Intermediate Language SQL = Structured Query Language W3C = World Wide Web Consortium

11 xi RESUMO Este trabalho propõe a implementação de um utilitário Web semelhante ao criador gráfico de consultas já existente em alguns gerenciadores de bancos de dados para desktop. Com este gerador gráfico de consultas, o usuário poderá, entre outras funcionalidades, visualizar uma lista de tabelas existentes no banco de dados, visualizar uma lista de campos de cada tabela e selecionar os campos de uma tabela para que os mesmos possam ser exibidos na consulta. A utilização do utilitário desenvolvido neste trabalho será de grande importância no sentido de facilitar ao usuário o acesso às informações, uma vez que através do sistema o próprio usuário irá montar suas consultas. Palavras-chaves: DHTML, SQL, plataforma.net

12 xii ABSTRACT This work purposes the implementation of a web utility seem to the graphic query creator that already exists in some desktop database managers. With this graphic query generator, the user can, among other functionality, to visualize a list of tables that exists in the database, to visualize a list of columns of each table and to select the columns from a table for the exhibition of them on the query. The use of the utility developed in this work will be of great importance for making easy to the user the access to the information, because through the system that user will construct his own queries. Keywords: DHTML, SQL,.NET plataform

13 13 1 INTRODUÇÃO Os sistemas voltados para a Web vêm ganhando cada vez mais espaço. Estes sistemas tornam-se complexos, possuindo funcionalidades de acesso a bancos de dados e gerenciamento de transações. Geralmente, quando um usuário do sistema deseja visualizar informações do banco de dados, acessa as funcionalidades de relatórios já implementadas no sistema; quando algum relatório com informações das quais ele necessita não existe disponível no sistema, o usuário pode tentar entrar em contato com a equipe de desenvolvimento e solicitar que essa nova funcionalidade seja implementada. Esta situação pode gerar dificuldades tanto para o desenvolvedor, que precisará implementar a funcionalidade, quanto para o usuário, que muitas vezes não dispõe de tempo para esperar que a funcionalidade solicitada seja fornecida. Este trabalho propõe a implementação de um utilitário semelhante ao criador gráfico de consultas já existente em alguns gerenciadores de bancos de dados para desktop, tais como o SQL Server Enterprise Manager e o Microsoft Access. Com este gerador gráfico de consultas, o usuário poderá, entre outras funcionalidades: visualizar uma lista de tabelas existentes no banco de dados, visualizar uma lista de campos de cada tabela e selecionar os campos de uma tabela. O diferencial deste trabalho é que o gerador de consultas será acessível via Web. O modelo gráfico da consulta é uma representação visual das tabelas que estão selecionadas para a consulta e dos campos que serão exibidos. Ainda, os relacionamentos entre as tabelas também são representados (na forma de ligações entre as tabelas). O sistema criará a representação em linguagem SQL a partir do modelo gráfico criado pelo usuário. À medida que o modelo gráfico é modificado, a consulta também é modificada, para ficar de acordo com as modificações realizadas na estrutura do modelo gráfico. Caso o usuário que esteja utilizando o sistema tenha um conhecimento maior sobre a linguagem SQL, ele pode alterar a consulta diretamente. Uma representação da arquitetura do sistema pode ser vista na Figura 1.

14 14 Figura 1: Visão simplificada da arquitetura do sistema. Como visto na Figura 1, o sistema funcionaria da seguinte maneira: a aplicação faz um acesso a uma base de dados para fornecer ao usuário a lista das tabelas disponíveis e dos seus respectivos campos. Após conhecer a estrutura da base de dados o usuário monta a consulta desejada tanto através da parte gráfica (DHTML), como na linguagem SQL através de um editor de texto simples. Ao terminar de definir a consulta e executá-la, o sistema faz um novo acesso à base de dados, agora para buscar o resultado da consulta gerada pelo usuário. Por fim é retornado o resultado da consulta em forma de uma tabela com os campos e seus respectivos valores em cada um dos registros retornados. O texto deste trabalho está organizado da seguinte forma: na seção 2 é apresentada a revisão de literatura, que traz as informações necessárias para se entender as tecnologias utilizadas no desenvolvimento deste trabalho. A seção 3 traz uma descrição dos mateiais e métodos que foram seguidos e utilizados para a realização do trabalho. Na seção 4, são demonstrados os resultados obtidos através da finalização do trabalho e algumas propostas de trabalhos futuros. Por fim, na seção 5 são descritas as considerações finais e na 6 são descritas as referências utilizadas durante o desenvolvimento do trabalho.

15 15 2 REVISÃO DE LITERATURA Como parte integrante deste trabalho, foi realizada uma revisão bibliográfica sobre os recursos a serem utilizados no decorrer do desenvolvimento do mesmo. Entre estes estão os disponibilizados na plataforma.net, como os recursos de programação Web e de acesso a banco de dados. Outro recurso utilizado foi a DynAPI, uma biblioteca de classes Cross-Browser para códigos JavaScript. Estes e os demais itens utilizados serão vistos com mais detalhes através das próximas seções. 2.1 JavaScript e DHTML Nesta seção serão esplanadas as tecnologias utilizadas para a criação da interface gráfica da geração da consulta SQL por parte do usuário. Entre essas tecnologias estão o JavaScript e a DHTML JavaScript FEATHER (1997) afirma que em um esforço da Netscape para expandir as funcionalidades de seu browser, esta desenvolveu uma linguagem de programação que pode ser embutida em páginas Web. Inicialmente essa linguagem foi chamada de LiveScript, mas logo foi rebatizada para JavaScript, aproveitando a popularidade da linguagem de programação Java da Sun Microsystems. JavaScript possui uma sintaxe muito próxima a Pascal, C e C++. Para FEATHER (1997) JavaScript é uma linguagem dirigida por eventos e estes são definidos pelas ações que podem ocorrer em uma página Web, como por exemplo, um

16 16 botão ser clicado, o mouse ser arrastado ou o botão do mouse ser clicado. Sendo assim, sempre que algum evento ocorre na página, um código JavaScript pode ser acionado. JavaScript é uma linguagem de script utilizada para tornar as páginas mais interativas com o usuário. Algumas características de JavaScript são definidas por W3SCHOOLS-JS (2004): Projetado para adicionar interatividade a páginas HTML É uma linguagem de programação leve; É usualmente embutida no código HTML; É uma linguagem interpretada; Suportada pela maiora dos browsers; Pode alterar o código HTML dinamicamente; Orientada a eventos; Um exemplode código JavaScript é demonstrado na Figura 2. 1: <HTML> 2:... 3: <script language = "JavaScript"> 4: function colorir(obj) 5: { 6: obj.style.backgroundcolor = "green"; 7: obj.style.fontcolor = "black"; 8: } 9: </script> 10:... 11: <BODY> 12: <input type = "button" id = "teste" value = "colorir" onclick = "javascript:colorir(this)"> 13: </BODY> 14: </HTML> Figura 2: Exemplo de código em JavaScript. A Figura 2 traz um exemplo da utilização do JavaScript. Como pode ser visto, a linha 3 demonstra o início de um código JavaScript, através da tag <script> e da definição do atributo language como sendo igual a JavaScript. As linhas de 4 a 8 trazem o código que define uma função denominada colorir, que altera algumas propriedades do objeto obj, passado como parâmetro. A linha 9 traz a finalização do

17 17 código JavaScript através da tag </script>. A função colorir foi chamada apartir da ocorrência do evento onclick definido na linha 12. O objeto obj que tem suas propriedades alteradas é o próprio botão, já que como pode ser observado também na linha 12, quando se define o evento onclick para o botão, é chamada a função JavaScript colorir e a ela é passado o parâmetro this, que em JavaScript significa o próprio objeto, ou seja, o botão que chama a função. Para atender a um dos requisitos do trabalho, o de possuir um código Cross- Browser, ou seja, funcionar independentemente do Browser que o cliente utiliza, utilizouse uma API para a construção dos códigos JavaScript Cross-Browser, a DynAPI, que será descrita na próxima subseção DynAPI DYNAPI (2004) define a DynAPI como sendo uma biblioteca JavaScript Cross- Browser usada para criar componentes HTML dinâmicos em uma página Web. Esta biblioteca é de domínio público (código livre) e existem várias versões disponíveis para download no seguinte endereço: <http://sourceforge.net/project/showfiles.php?group_id=5757>. Seus principais objetos são: DynObject; DynLayer; DynDocument; Para utilizá-la devem ser seguidos alguns passos, como se estivesse adicionando arquivos de cabeçalho em um programa feito em uma linguagem de programação convencional (em linguagem C, por exemplo, #include <arquivo.h>). A forma de adicionar a biblioteaca DynAPI em códigos JavaScript é demonstrada na Figura 3, a seguir. 1: <script language="javascript" src="dynapi/src/dynapi.js"> 2: DynAPI.setLibraryPath('dynapi/src/lib/'); 3: DynAPI.include('dynapi.api.*'); 4: DynAPI.include('dynapi.api.dynlayer.js'); 5: DynAPI.include('dynapi.api.dyndocument.js'); 6:... 7: </script> 8:...

18 18 Figura 3: Exemplo de código para a utilização da DynAPI A Figura 3 demonstra um trecho de código necessário para a utilização de alguns dos objetos e métodos da DynAPI. Na linha 1, tem-se o trecho responsável por adicionar à página o arquivo dynapi.js que é a base para a utilização da DynAPI. A seguir, na linha 2, o caminho de onde serão buscados os demais arquivos da biblioteca é definido, através do método setlibrarypath, que recebe como parâmetro o endereço físico de onde estão os arquivos da biblioteca. Ainda no mesmo script podem ser adicionados outros arquivos da DynAPI, dependendo dos objetos com os quais se deseje trabalhar; como, por exemplo, na linha 4 é adicionada a classe responsável para o trabalho com layers, a dynapi.api.dynlayers.*. As layers são representadas em HTML pelos elementos DIV e SPAN. Suas características serão melhor detalhadas na subseção que trata a DHTML. Um trecho de código utilizando as classes adicionadas ao documento pode ser visualizado na Figura 4. 1:... 2: function criarlayer() 3: { 4: var novalayer = new DynLayer(); 5: novalayer.setid( id ); 6: novalayer.setsize(200,100); 7: novalayer.sethtml( <p>novalayer</p> ); 8: novalayer.setbgcolor( #CCCCCC ); 9: novalayer.moveto(300,10); 10: DynAPI.document.addChild(novaLayer); 11: DragEvent.enableDragEvents(novaLayer); 12: DragEvent.setDragBoundary(novaLayer); 13: } 14:... Figura 4: Código com a utilização da DynAPI para a crição de uma nova Layer. A Figura 4 apresenta um código JavaScript com a utilização da DynAPI para acrescentar uma layer à página dinamicamente, além de fazer modificações em algumas de suas propriedades e possibilitar que a mesma seja movimentada pelo usuário. Essas ações estão representadas nas seguintes linhas do código: Linha 4: a layer é criada; Linhas 5 a 9: algumas propriedades são modificadas, na seguinte ordem: o 5: Identificador da layer tem seu valor definido como "id";

19 19 o 6: O tamanho a layer é modificado para 200 pixels de largura e 100 pixels de altura; o 7: O texto HTML "<p>nova Layer</p>" é definido como conteúdo da layer; o 8: A cor de fundo da layer passa a ser #CCCCCC (cinza); o 9: A layer é posiciona na página com as coordenadas (x,y) = (300,10), ou seja, 300 no sentido da esquerda para a direita e 10 no sentido de cima para baixo; A linha 10 adiciona a layer ao documento HTML. A partir desse momento o usuário passa a visualizá-la em seu browser; As linhas 11 e 12 são responsáveis por tornar a layer movimentável pelo usuário através da classe DragEvent, que trata os eventos de movimentação do mouse de forma que o usuário possa mover a layer para qualquer local na janela do navegador onde se encontra o documento Modelo de objetos do browser KANTOR (2003) diz que a janela que utilizamos para exibir documentos HTML é interpretada pelo browser como uma coleção de objetos. Essa coleção de objetos é conhecida como BOM (Browser Object Model). A Figura 5 ilustra o modelo hierárquico dos objetos do browser. Esses objetos permitem toda manipuação feita em uma página web.

20 20 Figura 5: OZ (2004) Hierarquia de objetos do Browser. Conforme apresentado na Figura 5, o objeto principal dessa hierarquia é o Window. À partir dele temos outros três objetos, conforme apresentam KANTOR (2003) e OZ (2004): document: que representa todo o documento HTML a ser exibido; history: que contém o histórico dos documentos acessados pelo usuário; location: que mantém informações da localização (URL) do documento atual; O objeto document por sua vez, traz outros objetos como: Anchor, Applet, Area, Form, Image e Link, que são utilizadas de forma a estruturar o documento. Esses objetos, que também são tratados neste trabalho como elementos, possuem características específicas que definem sua forma, coloração, tamanho e posicionamento em um documento HTML DHTML DHTML é um conjunto de tecnologias que disponibilizam as ferramentas necessárias para tornar dinâmica a linguagem HTML. Para UPHOSTING (2004) DHTML disponibiliza, entre outras funcionalidades: Animação: através da movimentação de elementos em uma página; Formatação e posicionamento: através da flexibilidade para formatar elementos HTML como: alterar a cor, o tamanho, a fonte, o posicionamento e outras características; Interação: através de uma linguagem de programação do lado do cliente, como o JavaScript, para gerar essa interação com o usuário. DHTML pode ser definido como a capacidade que os browsers têm de adicionar movimento e interatividade aos vários elementos que compõe uma página web. Isto é possível através de uma combinação entre HTML, CSS e Javascript (SILVA, 2001).

21 21 O principal componente dinâmico a ser utilizado neste trabalho é a layer. Em HTML uma layer é representada pelos elementos LAYER (para o Browser Netscape Navigator) e DIV ou SPAN (para outros Browsers). Para W3C (2004) os elementos DIV e SPAN oferecem um mecanismo genérico para adicionar estrutura aos documentos. W3C (2004) afirma ainda que esses elementos definem conteúdo de forma inline (caso do elemento SPAN) ou blocos de conteúdo (caso do elemento DIV). Entre as principais características desses elementos estão (MSDN, 2004): Propriedades o id: String identificadora do elemento; o outerhtml: conteúdo HTML do elemento; o clientheight: altura do elemento; o clientleft: distância entre o lado esquerdo do elemento e o limite esquerdo do documento ao qual ele pertence; o clienttop: distância entre o topo do elemento e o topo do documento em que ele está contido; o clientwidth: largura do elemento; Eventos o onclick: disparado quando o usuário clica com o botão do mouse sobre o elemento; o ondragstart: disparado quando o usuário inicia o processo de arrastar o elemento com o mouse; o ondrag: disparado continuamente enquanto o elemento está sendo arrastado; o ondragend: disparado quando o usuário solta o botão do mouse, finalizando assim, o processo de arrasto do elemento. 2.2 ASP.NET W3SCHOOLS-ASP (2004) afirma que um arquivo desenvolvido com a tecnologia ASP pode conter texto, tags HTML e scripts. ASP é uma tecnologia Microsoft e necessita do IIS (Internet Information Services), servidor Web da plataforma Windows, para ser

22 22 executado. Quando uma página ASP é solicitada, o servidor interpreta o arquivo linha-alinha processando os scripts e retorna ao cliente apenas código HTML. Segundo PAYNE (2001), o ASP.NET é mais que uma atualização do ASP clássico: apresenta um novo modelo de programação e uma grande variedade de ferramentas. MSDN (2004) diz que ASP.NET fornece um modelo unificado de desenvolvimento para a Web que inclui serviços necessários para a construção de aplicações. É parte da plataforma.net Framework e permite que se faça uso das característcas que esta oferece. MSDN (2004) afirma ainda que a plataforma.net é um componente Windows completo que apoia a construção e a execução de aplicações. Para D ANGELO (2003) a plataforma.net é um ambiente que permite o desenvolvimento de aplicações desktop (Windows ou console), aplicações para aparelhos móveis (palm-tops, celulares, etc.) e o desenvolvimento de aplicações web através da tecnologia ASP.NET. O.NET proporciona um ambiente de desenvolvimento com muitos recursos para os desenvolvedores. Pode-se dizer que o.net disponibiliza um ambiente de desenvolvimento, que possui, entre outras características (MSDN, 2004): Multi-plataforma: similar à tecnologia Java: todo o código é compilado, interpretado, depurado e transformado em uma linguagem intermediária. Na plataforma.net essa linguagem é a MSIL (Microsoft Intermediate Language). A MSIL é entendida apenas pela CLR (Common Language Runtime) da plataforma, diz D ANGELO (2003). Quando o programa é executado pela primeira vez, a CLR transforma o código MSIL em código de máquina para que este possa ser interpretado pelo processador. Sendo assim, toda aplicação construída na plataforma.net pode ser executada em qualquer sistema operacional, desde que este por sua vez, tenha uma CLR desenvolvida. Atualmente, existem projetos de implementação do.net Framework para o sistema operacional Linux. MONO (2004) apresenta que o projeto Mono é um esforço patrocinado pela Novell para o desenvolvimento de uma versão de código aberto do.net Framework. Essa versão incluirá um compilador para a linguagem C#, uma CLR e um conjunto de classes, assim como na versão da Microsoft;

23 23 Multi-dispositivos: segundo D ANGELO (2003), através da.net pode-se desenvolver programas web, desktop e também para dispositivos móveis, como telefones celulares e palm-tops; Multi-linguagem: de acordo com D ANGELO (2003), o que importa para a plataforma.net é o código MSIL e a CLR, logo, a mesma não se limita a trabalhar com apenas uma linguagem de programação. Para ser utilizada na plataforma a linguagem de programação deve ser compatível com a CLS (Common Languagem Specification), visto que a CLS é compatível com a plataforma de desenvolvimento.net e gera códigos MSIL compatíveis com a CLR, diz D ANGELO (2003). Atualmente existem três linguagens homologadas seguindo a CLS, são elas: C#, J# e VB.NET; Orientada a objetos: A.NET dá suporte total à programação orientada a objetos, o que significa também que as linguagens homologadas para a plataforma devem prover esse suporte (D ANGELO, 2003) e (MSDN, 2004); Interoperabilidade entre linguagens: D ANGELO (2003) afirma que classes escritas em determinada linguagem, após compilado o código-fonte, quando é gerada a sua correspondente MSIL, pode ser utilizada por programas desenvolvidos em outras linguagens suportadas pela Plataforma; Uma vasta biblioteca de classes: entre elas estão classes de acesso e manipulação de dados, classes de manipulação de informações transmitidas via Web, classes para trabalhar com objetos visuais, etc (D ANGELO, 2003). Analisando as informações supracitadas, pode-se dizer que a.net possui um modelo de desenvolvimento muito parecido com o modelo do Java, onde, na compilação do código-fonte do programa, um novo código, em uma outra linguagem, é gerado para que possa ser entendido em ambientes diferentes. Já que classes desenvolvidas em.net podem ser acessadas por diversos dispositivos, pode-se tomar como um exemplo a criação de uma classe denominada Professores, que conterá métodos e atributos necessários para gerenciar informações

24 24 referentes aos professores de uma instituição de ensino (por exemplo: cadastrar professores na base de dados, buscar por professores, alterar dados cadastrais, etc.). Essa classe pode ser acessada pelo sistema Web da instituição, pela aplicação desktop da máquina do departamento pessoal e pelo Palm-top do diretor quando estes desejarem, por exemplo, consultar ou cadastrar professores. Para D ANGELO (2003) a classe acessada por todos será a mesma, diferenciando apenas a forma de disponibilização das informações ao usuário. Essas formas são as extensões específicas para cada tipo de plataforma ou ambiente de desenvolvimento. Para os aplicativos acessados via Web existem APIs denominadas Web Forms e Web Controls, porém aplicativos Web também podem se utilizar das mesmas APIs para desktop. Para as aplicações desktop são utilizadas as extensões denominadas Windows Forms, extensões estas que são APIs utilizadas no desenvolvimento do layout das janelas do aplicativo. MSDN (2004) afirma que Web Controls são componentes visuais que fazem parte de plataforma.net Framework e auxiliam o desenvolvedor na criação de páginas Web. Esses componentes, em sua grande maioria, são semelhantes aos elementos HTML. A Tabela 1 trás uma relação de alguns Web Controls e os seus corresponedentes em HTML. Web Control Elemento HTML DropDownList <Select> TextBox <Input type="text"> Button <Input type="button"> Table <table> TR <tr> TD <td> Para que os Web Controls possam ser interpretados pelo Browser, antes de o servidor enviar a página ao cliente, a própria plataforma.net faz uma espécie de tradução do código, convertendo todos Web Controls em seus respectivos elementos HTML. As Figuras 6 e 7 a seguir apresentam a diferença, citada anteriormente, existente entre as formas de compilação do ASP.NET e do ASP tradicional.

25 25 Figura 6: Modelo compilação ASP. Fonte AÉCE (2004). Figura 7: Modelo compilação ASP.NET. Fonte AÉCE (2004). Conforme pode ser observado analisando as Figuras 6 e 7, existe muita diferença entre os modelos de compilação de um código ASP e de um código ASP.NET. Na tecnologia ASP o código é sempre interpretado antes do envio ao cliente, ou seja, a cada acesso a página é novamente interpretada. Enquanto que, através do modelo de compilação proposto pelo ASP.NET, as páginas primeiramente são compiladas gerando o código MSIL, depois esse código é interpretado pela CLR. Após essas etapas o cliente recebe a página solicitada. A princípio esse processo pode parecer mais demorado que o do ASP, mas vale ressaltar que uma vez feito esse processo, ele só se repete quando o arquivo original sofre alguma alteração. A modificação veio para possibilitar que aplicações desenvolvidas com a.net Framework pudessem ser executadas em qualquer sistema operacional que dá um suporte à plataforma. Além da forma de compilação, também sofreu uma modificação considerável na forma de se escrever o código. Como exemplos dessa diferença entre o ASP tradicional e o ASP.NET podem ser visualizadas as Figuras 8 e 9 a seguir.

26 26 1: Dim conn 2: Dim rs 3: Set rs = Server.CreateObject("ADODB.Recordset") 4: conn.open 5: rs.open "SELECT * FROM tbalunos",conn 6: If Not rs.eof Then 7: Response.Write ("<select name = 'DdlAlunos'>") 8: Response.Write ("<option value = 'idaluno'>nome do Aluno</option>") 9: While Not rs.eof 10: Response.Write ("<option value = " & rs("idaluno")) 11: Response.Write (">" & rs("nome") & "</option>") 12: rs.movenext 13: Wend 14: Response.Write ("</select>") 15: End If 16: rs.close 17: conn.close 18: Set rs = Nothing 19: Set conn = Nothing Figura 8: Preenchendo um menu de seleção HTML com ASP tradicional. 1: Dim conn As SqlConnection = New SqlConnection("STRING_DE_CONNECCAO") 2: Dim cmd As SqlCommand = New SqlCommand("SELECT * FROM tbalunos", conn) 3: DdlAlunos.DataTextField = "Nome do Aluno" 4: DdlAlunos.DataValueField = "idaluno" 5: conn.open() 6: DdlAlunos.DataSource = cmd.executereader 7: DdlAlunos.DataBind() 8: Conn.Close() 9:... 10: <asp:dropdownlist id="ddlalunos" runat="server"> 11:... Figura 9: Preenchendo um DropDownList com ASP.NET. Como visto acima nas Figuras 8 e 9, com a plataforma.net, o modelo de escrita do código sofreu uma grande modificação em comparação ao modelo anterior (ASP). Essa modificação se fez tanto na quantida de de classes disponíveis como na forma de utilização dessas classes. Para melhor entender essas diferenças segue-se uma explicação dos códigos acima. Na Figura 8 tem-se um código em ASP. Nas linhas 1 e 2 são criadas as variáveis que irão ficar responsáveis pela conexão com o banco de dados (conn) e por armazenar as informações consultadas (rs) - na sub-seção ADO.NET (2.2.1), esses termos de conexão com o banco de dados e armazenamento de informações serão melhor explanados. Nas

Desenvolvimento de um gerador gráfico de consultas SQL via Web utilizando a plataforma.net

Desenvolvimento de um gerador gráfico de consultas SQL via Web utilizando a plataforma.net Desenvolvimento de um gerador gráfico de consultas SQL via Web utilizando a plataforma.net Lucas Roberto Bechert Schmitz 1, Jackson Gomes de Souza 1 1 Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA)

Leia mais

19/05/2009. Módulo 1

19/05/2009. Módulo 1 ASP.NET Módulo 1 Objetivo Mostrar os conceitos fundamentais da plataforma Microsoft.Net e suas ferramentas; Apresentar os conceitos fundamentais de aplicações web e seus elementos; Demonstrar de forma

Leia mais

ADO.NET - Roteiro básico e Boas Práticas

ADO.NET - Roteiro básico e Boas Práticas ADO.NET - Roteiro básico e Boas Práticas Confuso com tantos conceitos novos, com tantas siglas e acrósticos? Qual provedor usar? Devo usar DataSet ou DataReader? Se essas e outras dúvidas te atormentam,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

Como acompanhar a evolução dos aplicativos? Console >> Desktop >> Web >> Mobile >> Cloud. Como aproveitar o melhor de cada programador?

Como acompanhar a evolução dos aplicativos? Console >> Desktop >> Web >> Mobile >> Cloud. Como aproveitar o melhor de cada programador? Como acompanhar a evolução dos aplicativos? Console >> Desktop >> Web >> Mobile >> Cloud Como aproveitar o melhor de cada programador? Clientes querem tudo pra ontem. Como atender essa necessidade? Microsoft.NET

Leia mais

DHTML - MÓDULO 1: VISÃO GERAL E INTRODUÇÃO Por Marcelo Camargo Visão geral

DHTML - MÓDULO 1: VISÃO GERAL E INTRODUÇÃO Por Marcelo Camargo Visão geral Apostila retirada de http://www.ibestmasters.com.br DHTML - MÓDULO 1: VISÃO GERAL E INTRODUÇÃO Por Marcelo Camargo Visão geral A tecnologia DHTML (Dynamic HTML) foi apresentada inicialmente como um conjunto

Leia mais

CAPÍTULO 8 Conexões de banco de dados para programadores ASP.NET

CAPÍTULO 8 Conexões de banco de dados para programadores ASP.NET CAPÍTULO 8 Conexões de banco de dados para programadores ASP.NET Para utilizar um banco de dados com um aplicativo ASP.NET, é necessário criar uma conexão de banco de dados no Macromedia Dreamweaver MX.

Leia mais

Infracontrol versão 1.0

Infracontrol versão 1.0 Infracontrol versão 1.0 ¹Rafael Victória Chevarria ¹Tecnologia em Redes de Computadores - Faculdade de Tecnologia SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) Rua Gonçalves Chaves 602-A Centro 96015-560

Leia mais

Acesso a Banco de Dados usando C# (MySql Provider)

Acesso a Banco de Dados usando C# (MySql Provider) Ambiente de Programação Visual Acesso a Banco de Dados usando C# (MySql Provider) Prof. Mauro Lopes 1-31 22 Objetivos Nesta aula iremos apresentar o ADO.NET. Esta importante parte da tecnologia.net permite

Leia mais

Acesso a Banco de Dados usando C#

Acesso a Banco de Dados usando C# Linguagem de Programação 3 Acesso a Banco de Dados usando C# Prof. Mauro Lopes 1-31 26 Objetivos Nesta aula iremos dar continuidade aos elementos de programação da Linguagem C#. Iremos aqui apresentar

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

ASP.NET. Guia do Desenvolvedor. Felipe Cembranelli. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

ASP.NET. Guia do Desenvolvedor. Felipe Cembranelli. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br ASP.NET Guia do Desenvolvedor Felipe Cembranelli Novatec Editora www.novateceditora.com.br 1 Introdução à plataforma.net A plataforma Microsoft.NET.NET é uma nova plataforma de software para desenvolvimento

Leia mais

1- ASP.NET - HTML Server Controls

1- ASP.NET - HTML Server Controls 1- ASP.NET - HTML Server Controls Os controles de servidor - Server Controls - HTML são tags HTML padrão, com exceção de possuirem o atributo : runat="server". Vejamos um código que ilustra isto: O atributo

Leia mais

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Atualizado em 24/08/2011 No final de 2007, o Serviço Técnico de Informática da UNESP Marília, disponibilizou para a comunidade acadêmica e administrativa o Sistema

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1 DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1 CAMPUS SANTO ANDRÉ CELSO CANDIDO SEMESTRE 2014 1 Características da Plataforma.NET A plataforma.net Framework 4.0 (.NET 4.0) é uma plataforma de softwares que fornece

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza PHP e Banco de Dados progweb2@thiagomiranda.net Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net PHP e Banco de Dados É praticamente impossível

Leia mais

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli Objetivo; Roteiro da Apresentação Visão Geral sobre Internet,

Leia mais

Fundament n os s da platafo f rm r a. NE N T André Menegassi

Fundament n os s da platafo f rm r a. NE N T André Menegassi Fundamentos da plataforma.net André Menegassi O que é o.net Framework?.NET é uma plataforma de software para desenvolvimento de aplicações que conecta informações, sistemas, pessoas e dispositivos através

Leia mais

Informática para Gestão de Negócios Linguagem de Programação III. Prof. Me. Henrique Dezani dezani@fatecriopreto.edu.br. Agenda

Informática para Gestão de Negócios Linguagem de Programação III. Prof. Me. Henrique Dezani dezani@fatecriopreto.edu.br. Agenda Informática para Gestão de Negócios Linguagem de Programação III Prof. Me. Henrique Dezani dezani@fatecriopreto.edu.br Professor Apresentação Agenda Ementa, Objetivo, Conteúdo Programático, Bibliografia,

Leia mais

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Apresentação da ferramenta Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com 1 Introdução Visual

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES. Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação. JavaScript

Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES. Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação. JavaScript Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES JavaScript Desenvolvimento de Sistemas para WEB Site:

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

Integrantes: Catarino Rodrigues Data: 26/10/2012. Leandro de Matos Pereira. Leandro dos Santos Marciano. Ramon Alves de Souza

Integrantes: Catarino Rodrigues Data: 26/10/2012. Leandro de Matos Pereira. Leandro dos Santos Marciano. Ramon Alves de Souza Integrantes: Catarino Rodrigues Data: 26/10/2012 Leandro de Matos Pereira Leandro dos Santos Marciano Ramon Alves de Souza Disciplina: Banco de Dados para Internet Tema do Trabalho: Tecnologias para acesso

Leia mais

FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Willian Magalhães 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6. Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos

PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6. Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6 Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos Add-on responsável pela integração do SAP Business One com o setor comercial através da internet.

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

SGCD 2.2. Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico

SGCD 2.2. Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Atualizado em 13/AGO/2012 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico No final de 2007, o Serviço Técnico de Informática da UNESP Marília, disponibilizou para a comunidade acadêmica e administrativa o Sistema

Leia mais

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base Introdução a Informática - 1º semestre AULA 14 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Explorar as propriedades na criação de bancos de dados no LibreOffice Base; Criar e explorar tabelas; Criar e explorar

Leia mais

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework Introdução ao C# Microsoft.NET (comumente conhecido por.net Framework - em inglês: dotnet) é uma iniciativa da empresa Microsoft, que visa uma plataforma única para desenvolvimento e execução de sistemas

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico

Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico Editora Carlos A. J. Oliviero Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico Orientado por Projeto 1a Edição 2 Reimpressão São Paulo 2011 Érica Ltda. Noções Livrarse Preparação muitas muita Sumário

Leia mais

www.coldfusionbrasil.com.br

www.coldfusionbrasil.com.br www.coldfusionbrasil.com.br 2000 1 O que é Cold Fusion? 3 Arquitetura Cold Fusion 3 Cold Fusion Markup Language (CFML) 4 O que devo saber para programar em CFML? 4 HTML 4 Desenho de Banco de Dados Relacionais

Leia mais

Trabalhando com banco de dados

Trabalhando com banco de dados Avançado Trabalhando com Aprenda a manipular dados no Excel com a ajuda de outros aplicativos da suíte Office Armazenar e organizar informações são tarefas executadas diariamente por todos nós. Desde o

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

Programação com Acesso a Banco de Dados

Programação com Acesso a Banco de Dados Campus Ipanguaçu Curso: Técnico em Informática Programação com Acesso a Banco de Dados AULA 17 ACESSO A BANCO DE DADOS COM JDBC PROF.: CLAYTON M. COSTA 2 011.2 Introdução Aplicação + Banco de Dados: Funcionalidade

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

ASP.NET 2.0 e PHP. Autor: Glauber de Almeida e Juarez Fernandes

ASP.NET 2.0 e PHP. Autor: Glauber de Almeida e Juarez Fernandes ASP.NET 2.0 e PHP Autor: Glauber de Almeida e Juarez Fernandes Linguagens pesquisadas ASP.NET 2.0 e PHP. 1 - ASP.NET 2.0 ASP.NET não é nem uma linguagem de programação como VBScript, php, nem um servidor

Leia mais

Programando em PHP. Conceitos Básicos

Programando em PHP. Conceitos Básicos Programando em PHP www.guilhermepontes.eti.br lgapontes@gmail.com Conceitos Básicos Todo o escopo deste estudo estará voltado para a criação de sites com o uso dos diversos recursos de programação web

Leia mais

Programando em C# Orientado a Objetos. By: Maromo

Programando em C# Orientado a Objetos. By: Maromo Programando em C# Orientado a Objetos By: Maromo Agenda Módulo 1 Plataforma.Net. Linguagem de Programação C#. Tipos primitivos, comandos de controle. Exercícios de Fixação. Introdução O modelo de programação

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração e Configuração MyABCM 4.0 Versão 4.00-1.00 2 Copyright MyABCM. Todos os direitos reservados Reprodução Proibida Índice Introdução... 5 Arquitetura, requisitos e cenários de uso do MyABCM... 7 Instalação

Leia mais

O que é o Javascript?

O que é o Javascript? O que é o Javascript? JavaScript é uma linguagem para criação de Home-Pages. Funções escritas em JavaScript podem ser embutidas dentro de seu documento HTML. Com JavaScript você tem muitas possibilidades

Leia mais

Cadastro de Orçamento Utilizando Tablet Android

Cadastro de Orçamento Utilizando Tablet Android Cadastro de Orçamento Utilizando Tablet Android Instalação, configuração e manual 1 Conteúdo Instalação... 4 Requisitos mínimos... 4 Windows 8... 5 Instalação do IIS no Windows 8... 5 Configuração do IIS

Leia mais

JDBC Java Database Connectivity

JDBC Java Database Connectivity 5 JDBC Java Database Connectivity Prof. Autor: Daniel Morais dos Reis e-tec Brasil Programação Avançada Para Web Página1 Meta Trabalhar com bancos de dados em aplicações web em JSP através das classes

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência Produto IV: ATU SAAP Manual de Referência Pablo Nogueira Oliveira Termo de Referência nº 129275 Contrato Número 2008/000988 Brasília, 30 de outubro de 2008 1 Sistema de Apoio à Ativideade Parlamentar SAAP

Leia mais

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas.

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Introdução Olá! Seja bem-vindo a apostila de Microsoft Access 2010. Access 2010 é um Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados da Microsoft, distribuído no pacote

Leia mais

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 4 O Componente Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Ano: 03/2011

Leia mais

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Thunderbird e Terra Nesta terceira edição da Coletânea de Análises de Email Marketing em Clientes de Email, apresentamos os estudos do webmail

Leia mais

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha!

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha! 1 ÍNDICE 1. IMPLEMENTAÇÃO 4 1.1 PAINEL DE CONTROLE 4 1.1.1 SENHA 4 1.1.2 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS DO LYNC 5 1.1.3 REDEFINIR SENHA 7 1.1.4 COMPRAR COMPLEMENTOS 9 1.1.5 UPGRADE E DOWNGRADE 10 1.1.5.1 UPGRADE

Leia mais

Android e Bancos de Dados

Android e Bancos de Dados (Usando o SQLite) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

GERADOR DE RELATÓRIOS WINREPORT VERSÃO 2.0. Conteúdo

GERADOR DE RELATÓRIOS WINREPORT VERSÃO 2.0. Conteúdo GERADOR DE RELATÓRIOS WINREPORT VERSÃO 2.0 Este manual foi desenvolvido com o objetivo de documentar as principais funcionalidades do Gerador de Relatórios WinReport versão 2.0. Conteúdo 1. Tela Principal...

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML INTRODUÇÃO A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation

Leia mais

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Sumário HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Linguagem HTML HTML é a abreviação de HyperText Markup Language, que pode ser traduzido como Linguagem de Marcação de Hipertexto. Não é uma linguagem

Leia mais

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Consultas... 5 3. Relatórios... 8 4. Conclusões... 11

Leia mais

Revisando sintaxes SQL e criando programa de pesquisa. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Revisando sintaxes SQL e criando programa de pesquisa. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Revisando sintaxes SQL e criando programa de pesquisa. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 5 SELECT * FROM Minha_memoria Revisando Sintaxes SQL e Criando programa de Pesquisa Ano:

Leia mais

Introdução ao Veridis Biometrics SDK VERIDIS

Introdução ao Veridis Biometrics SDK VERIDIS Introdução ao Veridis Biometrics SDK Versão do SDK: 5.0 2013 Veridis Biometrics VERIDIS BIOMETRICS Versão do Documento Versão Data Modificações 1 2 3 4 5 23/mar/2011 17/mai/2011 29/jul/2011 3/out/2011

Leia mais

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí. Conteúdo do Curso. 40% de aula teórica 60% de aula prática. O que veremos neste semestre?

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí. Conteúdo do Curso. 40% de aula teórica 60% de aula prática. O que veremos neste semestre? Curso de PHP FATEC - Jundiaí Conteúdo do Curso 40% de aula teórica 60% de aula prática O que veremos neste semestre? Linguagem PHP Banco de Dados - PostgreSQL PHP - Introdução ao PHP - Estrutura de um

Leia mais

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Prof. Gilbert Azevedo da Silva I. Objetivos Conhecer o Ambiente Integrado de Desenvolvimento (IDE) do Delphi 7, Desenvolver a primeira aplicação no Delphi 7, Aprender

Leia mais

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2.

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. 1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. Editando um Artigo 4.3. Excluindo um Artigo 4.4. Publicar

Leia mais

Guia de Consulta Rápida ASP. Rubens Prates. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida ASP. Rubens Prates. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida ASP Rubens Prates Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida ASP de Rubens Prates Copyright@2000 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados. É

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com No início A Web é criada em 1989, para ser um padrão de publicação e distribuição de textos científicos e acadêmicos.

Leia mais

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 Leitura Obrigatória ELMASRI,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS Leandro Guilherme Gouvea 1, João Paulo Rodrigues 1, Wyllian Fressatti 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leandrog.gouvea@gmail.com,

Leia mais

BrOffice.org Base. Prof. João Alberto Fabro UTFPR Curitiba

BrOffice.org Base. Prof. João Alberto Fabro UTFPR Curitiba Prof. João Alberto Fabro UTFPR Curitiba (Baseado no documento livre Introdução ao BrOffice.org Base, de Noelson Alves Duarte, Revisado em 18 de março de 2006) Formatos: Diversos, inclusive bases de dados

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web

Introdução à Tecnologia Web Introdução à Tecnologia Web JavaScript Histórico e Características Índice 1 JAVASCRIPT... 2 1.1 Histórico... 2 1.2 Aplicações de JavaScript... 2 a) Interatividade... 2 b) Validação de formulários... 2

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

Front-End Uso da Linguagem Turbo Delphi para Acesso ao Banco de Dados Mysql

Front-End Uso da Linguagem Turbo Delphi para Acesso ao Banco de Dados Mysql Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Programação Visual Prof. Clóvis Júnior Front-End Uso da Linguagem Turbo Delphi para Acesso ao Banco de Dados Mysql Estrutura

Leia mais

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Introdução Nesta sexta e penúltima edição da Coletânea de Análises de Email Marketing em Clientes de Email, apresentamos os estudos dos clientes

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO 3 DICAS PARA CRIAR UM BOM SITE 4

Sumário INTRODUÇÃO 3 DICAS PARA CRIAR UM BOM SITE 4 Sumário Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 5.988 de 14/12/73. Nenhuma parte deste livro, sem prévia autorização por escrito de Celta Informática, poderá ser reproduzida total ou parcialmente,

Leia mais

( TIAGO DOS SANTOS MENDES ) PROGRAMAÇÃO DISPOSITIVOS MOVEIS ANDROID STUDIO

( TIAGO DOS SANTOS MENDES ) PROGRAMAÇÃO DISPOSITIVOS MOVEIS ANDROID STUDIO Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática ( TIAGO DOS SANTOS MENDES ) PROGRAMAÇÃO

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

Flex. MANUAL DE USO DA FERRAMENTA FLEX O Flex como gerenciador de conteúdo

Flex. MANUAL DE USO DA FERRAMENTA FLEX O Flex como gerenciador de conteúdo 2011 MANUAL DE USO DA FERRAMENTA FLEX O Flex como gerenciador de conteúdo Aprenda como é simples utilizar a ferramenta Flex como seu gerenciador de conteúdo online. Flex Desenvolvido pela ExpandWEB 31/01/2011

Leia mais

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO ÍNDICE Relatórios Dinâmicos... 3 Requisitos de Sistema... 4 Estrutura de Dados... 5 Operadores... 6 Tabelas... 7 Tabelas x Campos... 9 Temas... 13 Hierarquia Relacionamento...

Leia mais

Instalação, configuração e manual

Instalação, configuração e manual Cardápio Moura Instalação, configuração e manual Conteúdo Instalação... 4 Requisitos mínimos... 4 Windows 8... 5 Instalação do IIS no Windows 8... 5 Configuração do IIS no WINDOWS 8... 15 Windows 7...

Leia mais

Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos

Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos Este tutorial visa preparar o computador com os softwares necessários para a utilização dos sistemas de visualização

Leia mais

Banco de Dados. Um momento crucial na organização dos dados é a forma com que cadastramos estes dados, a estrutura de armazenamento que criamos.

Banco de Dados. Um momento crucial na organização dos dados é a forma com que cadastramos estes dados, a estrutura de armazenamento que criamos. Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Este assunto é muito vasto, tentaremos resumi-lo para atender as questões encontradas em concursos públicos. Já conhecemos o conceito de dado, ou seja, uma informação

Leia mais

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Março de 2015 Introdução O acesso móvel ao site do Novell Vibe pode ser desativado por seu administrador do Vibe. Se não conseguir acessar a interface móvel do

Leia mais

Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II

Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II Apostila desenvolvida pelos Professores Ricardo Santos de Jesus e Rovilson de Freitas, para as Disciplinas de Desenvolvimento de Software I e II, nas Etecs de

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3 WORD 2007 E 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 A série... 3 01 CAPTURAS DE TELA WORD 2010... 3 02 IMAGENS 2007/2010... 5 03 NOTAS DE RODAPÉ... 13 04 NUMERAÇÃO DE PÁGINAS... 15 05 CONTAR PALAVRAS...

Leia mais