INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS ZIRCÔNIA COMO MATERIAL DE ESCOLHA PARA INFRA-ESTRUTURA DE PRÓTESES FIXAS REVISÃO DE LITERATURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS ZIRCÔNIA COMO MATERIAL DE ESCOLHA PARA INFRA-ESTRUTURA DE PRÓTESES FIXAS REVISÃO DE LITERATURA"

Transcrição

1 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS BRUNO SEEMANN VIEIRA ZIRCÔNIA COMO MATERIAL DE ESCOLHA PARA INFRA-ESTRUTURA DE PRÓTESES FIXAS REVISÃO DE LITERATURA Florianópolis, 2011

2 BRUNO SEEMANN VIEIRA ZIRCÔNIA COMO MATERIAL DE ESCOLHA PARA INFRA-ESTRUTURA DE PRÓTESES FIXAS REVISÃO DE LITERATURA Monografia apresentada ao Programa de Especialização em Prótese Dentária do ICS FUNORTE/SOEBRÁS NÚCLEO FLORIANÓPOLIS, como parte dos requisitos para obtenção do título de Especialista. ORIENTADOR: Dr. Silvio Teodoro de Carvalho Florianópolis, 2011

3 RESUMO Há décadas as cerâmicas fundidas ao metal tem sido o material de escolha para fabricação de próteses fixas. Contudo, a crescente demanda cada vez mais exigente por estética tem impulsionado uma evolução dos materiais cerâmicos. Com o objetivo de substituir o metal desses trabalhos, as infra-estruturas de cerâmicas a base de zircônia tem se destacado no estágio atual da evolução das cerâmicas odontológicas. A tecnologia empregada através dos sistemas CAD/CAM é aliada dos avanços conquistados na busca de restaurações livres de metal, através da usinagem de cerâmicas mais resistentes para as infra-estruturas com precisão. Devido a suas excelentes propriedades mecânicas, que se deve a uma propriedade peculiar das cerâmicas a base de zirconia chamada transformação de endurecimento, este é atualmente o material mais promissor na tentativa de substituir o metal das coroas metalo-cerâmicas, especialmente em próteses parciais em área posterior, sem prejuízos de resistência e com uma enorme vantagem estética. O objetivo desta revisão foi apresentar o atual estágio das cerâmicas odontológicas para infra-estruturas de próteses fixas, descrevendo os principais processos fabricação e enfatizando as cerâmicas a base de zircônia. Palavras-chaves: Zirconia. Infra-estruturas. Prótese parcial fixa. CAD/CAM.

4 ABSTRACT For decades the ceramics fused to metal has been the material of choice for fabrication of fixed prostheses. However, the growing demand increasingly demanding for aesthetic has driven an evolution of ceramic materials. In order to replace the metal of these works, the zircônia-based ceramic infraestructure has excelled at this stage of the evolution of dental ceramics. The technology used by the CAD / CAM systems is coupled with the advances made in the search for metal-free restorations, through the accurately machining of ceramics more resistant to the infrastructure. Due to its excellent mechanical properties, which is due to a peculiar property of zirconia-based ceramic call transformation thoughening, this is the most promising material currently in an attempt to replace the metal of the metal-ceramic crowns, especially in partial dentures in the posterior zone, without resistance decreases and with a great aesthetic advantage. The objective of this review was to present the current status of dental ceramics for fixed prostheses infraestructures, describing the main manufacturing processes end emphasizing the zirconia-based ceramics. Key words: Zirconia. Infrastructures. Fixed partial denture. CAD/CAM.

5 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Esquema mostrando as três fases cristalográficas da cerâmica a base de zircônia...44 Figura 2 - Esquema mostrando o início da formação de trinca na estrutura a base de zircônia...48 Figura 3 - Esquema ilustrando a transformação de endurecimento...49 Figura 4 - A diferença dimensional das estruturas confeccionadas por usinagem mole que serão compensadas durante a sinterização final...52 Figura 5 - Os principais tipos de términos cervicais para próteses fixas...71 Figura 6 - Esquema ilustrando os tipos de término cervical mais recomendados para confecção de próteses fixas livres de metal...71 Figura 7 - Esquema ilustrando os tipos de término cervical que não são indicados para confecção de próteses fixas livres de metal...72 Figura 8 - Esquema mostrando a espessura ideal para confecção de próteses livres de metal...73 Figura 9 - Infra-estrutura cerâmica fraturada...76

6 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Métodos de fabricação das cerâmicas para próteses fixas e as respectivas fases cristalinas utizadas...24 Tabela 2 - Principais cerâmicas para infra-estrutura de próteses fixas...34 Tabela 3 - Alguns sistemas CAD-CAM disponíveis em Odontologia, fabricantes e Website...55 Tabela 4 - Sistemas CAD/CAM atuais para usinagem de Y-TZP...61 Tabela 5 - Materiais cerâmicos e sistemas CAD/CAM com indicações e resistência...64 Tabela 6 - Processos de fabricação, do que se compõe a fase cristalina, resistência à fratura, nome do sistema cerâmico e fabricante...65 Tabela 7 - Diferentes cerâmicas e suas indicações...68 Tabela 8 - Sistemas cerâmicos descritos na literatura e áreas dos conectores indicadas...77 Tabela 9 - Cerâmicas condicionáveis e não-condicionáveis...79

7 LISTA DE ABREVIATURAS µm - Micrometros AL Alumina CAD/CAM Computer Assisted Design/Computer Assisted Machining FSZ Zircônia Totalmente Estabilizada HIP High Isostatic Pressure (prensagem isostática quente) MPa Mega Pascal PPFs Próteses Parciais Fixas PSZ Zircônia Parcialmente Estabilizada TZP Zircônia Tetragonal Policristalina YZ Óxido de ítrio ZTA Alumina Reforçada por Zirconia

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROPOSIÇÃO RETROSPECTIVA DA LITERATURA HISTÓRICO AS CERÂMICAS ODONTOLÓGICAS Porcelanas feldspáticas Vidros ceramizados ou cerâmicas feldspáticas reforçadas Cerâmicas infiltradas por vidro Cerâmicas essencialmente de óxidos ou cerâmicas densas PROCESSOS DE FABRICAÇÃO DAS CERÂMICAS Condensação de pó Sinterização Prensagem por calor ou Injeção Técnica de infiltração (slip-casting) Fresagem ou usinagem SISTEMAS CERÂMICOS Cerâmicas de cobertura Infra-estruturas cerâmicas Exemplos de sistemas cerâmicos com cerâmicas a base de zirconia Sistema in-ceram (VITA) Sistema IPS e.max (Ivoclar Vivadent) Sistema procera (Nobel Biocare) Cercon zirconia (Dentsply-Degussa) PROPRIEDADES MECÂNICAS DAS CERÂMICAS CERÂMICAS A BASE DE ZIRCÔNIA Zircônia parcialmente estabilizada por óxido de ítrio (Y-TZP) Alumina reforçada por zirconia (ZTA) USINAGEM DE CERÂMICAS A BASE DE ZIRCONIA Sistemas CAD/CAM Sistema CEREC Procera...56

9 LAVA Cercon Zirkonzahn Everest DCS-PRECIDENT PROPRIEDADES MECÂNICAS DAS CERÂMICAS À BASE DE ZIRCONIA CONSIDERAÇÕES CLÍNICAS Indicações Preparo dental Considerações para infra-estruturas de próteses parciais fixas Cimentação DISCUSSÃO CONCLUSÕES...91 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...92

10 1 INTRODUÇÃO As próteses fixas unitárias e parciais são realizadas com frequência em Odontologia a fim de restaurar elementos e solucionar ausências dentais, tendo como principal objetivo restabelecer a função mastigatória, garantindo assim um equilíbrio ao sistema estomatognático (Costa et al., 2011). Há décadas as restaurações metalo-cerâmicas (infra-estruturas metálicas revestidas por cerâmicas) tem sido a escolha ideal para fabricação de próteses parciais fixas. Recentemente, novos sistemas cerâmicos foram desenvolvidos para desempenhar este papel devido à inerente desvantagem estética de uma infraestrutura metálica. Entretanto, apesar do desenvolvimento de novos materiais e rotas de processamento, a cerâmica é um material frágil por natureza, e sua baixa resistência a fratura e baixa resistência flexural vem a tona quando se discute a possibilidade de confecção de próteses parciais fixas com infra-estruturas totalmente cerâmicas (Andreiuolo, 2007). Zarone et al. (2011) afirmam que desde o desenvolvimento da porcelana fundida ao metal, as próteses metalo-cerâmicas têm dominado como material de escolha para próteses parciais fixas graças às suas boas propriedades mecânicas e mesmo aos resultados estéticos satisfatórios, juntamente com uma qualidade clinicamente aceitável de adaptação marginal e interna. A previsibilidade e consistência de resultados clínicos positivos, validada por longo prazo de evidências científicas, a facilidade e precisão dos processos de fundição convencional, bem como os resultados das raras reações adversas às ligas preciosas fizeram as coroas e pontes com infra-estruturas metálicas cada vez mais populares e generalizadas ao longo do tempo. Contudo, o crescente apelo estético dos dias atuais levou as pessoas a procurarem por tratamentos restauradores de elevado padrão de estética. Neste contexto, as porcelanas guardam posição de destaque na odontologia moderna, pois sua cor, translucidez e vitalidade não podem ser superadas por nenhum outro material (Andreiuolo, 2007). Além disso, as cerâmicas, de modo geral, são cromaticamente estáveis e placa-repelentes, com mudança de cor ao longo do tempo insignificante e menor retenção de biofilme (Ahmad, 2006). Com a priorização da estética, a cerâmica dental vem se destacando na

11 11 Odontologia. Além da estética, sua biocompatibilidade, estabilidade química, resistência mecânica e alta resistência ao desgaste incentivam o seu uso, que já é possível inclusive para infra-estruturas de próteses fixas, proporcionando próteses livres de metal (Pinheiro, 2008). Coroas e próteses parciais fixas feitas exclusivamente de cerâmica têm algumas vantagens sobre sistemas cerâmicos de metal. Elas são vantajosas do ponto de vista estético, pois não requerem cobertura da infra-estrutura metálica, que pode deixar partes expostas do metal ou partes escuras nas áreas marginais. Além do mais, elas são superiores em relação à corrosão, galvanismo e biocompatibilidade. Próteses livres de metal não possuem zona de sombreamento na região cervical, além de não apresentarem correntes galvânicas, o que contribui para a manutenção da saúde periodontal e pulpar. As vantagens estéticas são ainda maiores, principalmente pela translucidez que podem oferecer (Peixoto & Akaki, 2008). Apesar da crescente demanda para o uso de cerâmicas puras que vêm ganhando um papel importante neste cenário, devido as suas boas propriedades e grande capacidade de reproduzir os dentes naturais com naturalidade, a sua baixa capacidade de se deformar elasticamente e baixa resistência flexural torna o seu uso em áreas de forte carregamento limitado. Dessa forma, a indicação de uma prótese parcial fixa confeccionada com cerâmica pura, ou seja, infra-estrutura cerâmica ao invés de metálica tem sido restringida aos dentes anteriores ou posteriores envolvendo apenas um pôntico em áreas de baixo carregamento oclusal (Costa et al., 2011). Entretanto, desde o surgimento do primeiro dente de porcelana até os dias de hoje, o avanço tecnológico proporcionou o desenvolvimento de vários sistemas cerâmicos na odontologia. Estes novos sistemas tentam superar as características de fragilidade e baixa tenacidade à fratura dos materiais cerâmicos que limitaram a sua utilização (Pinheiro, 2008). Atualmente os sistemas CAD/CAM (Computer Assisted Design/Computer Assisted Machining) com scanners para captura de imagens sem contato e em três dimensões, transformam o sistema de fresagem de cerâmicas de alta resistência em um processo preciso e confiável. Esta tecnologia tem dado considerável impulso à difusão e evolução do uso de cerâmicas em infra-estruturas de próteses fixas (Martins et al., 2010).

12 12 Como tendência atual os profissionais têm procurado reduzir o emprego das subestruturas metálicas das restaurações para obter uma estética melhor. Estas modificações ( prótese metal free ) têm sido possíveis devido ao aprimoramento das propriedades dos materiais cerâmicos, os quais possuem maior tenacidade à fratura e garantem menor fragilidade das próteses. Para a confecção das próteses sem metal são usadas cerâmicas a base de alumina (Al 2 O 3 ), de zircônia (ZrO 2 ) ou a combinação de ambas. A alumina apresenta elevada dureza, estabilidade química, inércia biológica e resistência ao atrito e ao desgaste, mas tem baixa tenacidade. A tenacidade à fratura, medida pela energia necessária para ocorrer a propagação da trinca no material é uma propriedade essencial que as cerâmicas devem apresentar para aplicações em próteses. Com o uso da zircônia é possível controlar a dureza, aumentar a tenacidade à fratura em relação à Alumina e melhorar o desempenho das próteses (Santos & Elias, 2008). A necessidade de melhores propriedades mecânicas em regiões sujeitas a maiores cargas mastigatórias levou à introdução da zircônia na odontologia (Andreiuolo, 2007). A recente introdução de cerâmicas a base de zircônia como um material odontológico restaurador tem gerado considerável interesse na comunidade odontológica, que tem sido expressa com extensiva investigação industrial e clínica (Koutayas et al., 2009). Durante a última década, a tecnologia de zircônia tem impulsionado um rápido desenvolvimento das próteses fixas metal-free que podem fornecer elevada biocompatibilidade, excelente estética e muita resistência (Vagkopoulou et al., 2009). As propriedades mecânicas do zircônia são as maiores já reportadas para qualquer cerâmica odontológica (Denry & Kelly, 2008). As cerâmicas a base de Zirconia são as mais fortes e mais resistentes disponíveis para uso na odontologia que se tem hoje. Estas cerâmicas têm o potencial de permitir a confecção de estruturas de próteses fixas com até quatro elementos em áreas de alta tensão como a região posterior, o que nenhuma outra cerâmica pode proporcionar com segurança até então (McLaren & Giordano, 2005).

13 2 PROPOSIÇÃO Estamos vivendo hoje num tempo em que se valoriza muito a estética. Quando se trata de próteses dentárias, requer-se funcionalidade, saúde, conforto e acima de tudo, estética. As cerâmicas têm evoluído muito nos últimos anos e recebido muita ênfase através de estudos e investimentos em novas tecnologias. Tem-se buscado nelas as propriedades ideais para restauração de elementos dentários perdidos ou danificados, pois além de cumprirem satisfatoriamente seu papel funcional, possui estética insuperável se comparadas a qualquer outro material odontológico. Um dos desafios atuais na área das próteses parciais fixas é a substituição das infra-estruturas metálicas por infra-estruturas de cerâmicas, especialmente em região posterior. Para isso se tornar uma realidade, é necessário uma cerâmica de qualidade superior, para que resista aos esforços mastigatórios e ao meio bucal. O uso de cerâmicas reforçadas como infra-estruturas de próteses parciais fixas, em especial as cerâmicas a base de zircônia, é relativamente recente, está em plena expansão e em evidência no mercado. Portanto, requer o conhecimento e a atualização constante por parte dos profissionais que pretendem fazer uso desses materiais. Não menos importante é obter uma noção básica dos fenômenos que englobam os processos de fabricação até os diferentes tipos de cerâmicas disponíveis no mercado para que se possa compreender as diferentes vantagens e indicações de cada sistema cerâmico. Além disso, conforme Correia et al. (2006), durante os últimos 20 anos, verificou-se um grande desenvolvimento da tecnologia CAD/CAM e à maquinação das restaurações protéticas, tornando importante a realização de uma revisão sobre alguns sistemas CAD/CAM disponíveis em Odontologia. Têm-se as cerâmicas a base de zircônia como promissoras por seus resultados em próteses fixas em região posterior apresentados até então, porém, faz-se necessário, ainda, muita pesquisa para garantir a segurança de seu uso em longo prazo, sendo de fundamental importância, portanto, manter-se a par dos estudos mais recentes. Por isso foi realizado neste trabalho uma revisão de literatura, para informar e

14 14 atualizar os profissionais da área odontológica, em especial especialistas em próteses dentárias, sobre as características das cerâmicas, especialmente a base de zircônia, para melhor conhecer e ter critérios na escolha ou não deste material na prática clínica.

15 3 RETROSPECTIVA DA LITERATURA 3.1 HISTÓRICO Provavelmente as cerâmicas foram os primeiros materiais a serem fabricados artificialmente pelo homem (Peixoto & Akaki, 2008). A palavra cerâmica é originária da palavra grega keramos que significa argila. Dados encontrados a quase 13 mil anos mostram evidências dos primeiros indícios de cerâmica nas escavações do Vale do Nilo, no Egito. Desde o século X, a China já dominava a tecnologia da arte em cerâmica, a qual apresentava estrutura interna firme e cor muito branca, chegando na Europa apenas no século XVII onde ficou conhecida como louças de mesa. A partir de então, muito esforço por parte dos europeus foi dispensado a fim de copiar a composição da porcelana chinesa. Entretanto, somente em 1717 é que se descobriu o segredo dos chineses, que confeccionavam a cerâmica a partir de três componentes básicos: caulim (argila chinesa), sílica (quartzo) e feldspato (mistura de silicatos de alumínio, potássio e sódio) (Gomes et al., 2008). Assim, em 1720 os europeus desenvolveram uma porcelana fina e translúcida comparável à porcelana chinesa, composta por feldspato e óxido de cálcio como fundente, sendo que a queima era realizada em alta temperatura (Gomes et al, 2008). Em 1789 um dentista francês chamado De Chemant confeccionou pela primeira vez uma prótese dentária de porcelana (Dehailan, 2009; Gomes et al, 2008). No final do século XIX surgiram as próteses parciais fixas em cerâmica, denominadas de coroas de jaquetas, que passaram a ser amplamente utilizadas, desde que foi patenteada e desenvolvida a técnica da folha de platina (Gomes et al, 2008). Na virada do século XIX para o XX, houve um grande entusiasmo pela confecção de restaurações cerâmicas. Isso ocorreu pelo fato de a cerâmica feldspática, a única existente na época, apresentar características desejáveis como substituta dos dentes naturais, como translucidez, estabilidade química, coeficiente de expansão térmica próximo ao da estrutura dentária, baixa condutividade térmica, compatibilidade biológica e alta resistência à compressão. Contudo, a cerâmica feldspática apresenta algumas desvantagens como friabilidade e alta resistência à

16 16 abrasão que limitaram seu emprego na época. Além disso, os cimentos usados antes do advento da odontologia adesiva eram friáveis, altamente solúveis e influíam na cor e estética das cerâmicas. Somado a isso, o elevado índice de fraturas restringiu o uso da cerâmica feldspática a locais de baixas tensões, limitando seu emprego. Mais tarde, com o surgimento das restaurações metalocerâmicas (infraestruturas metálicas), a cerâmica feldspática passou a ser amplamente utilizada, tanto na confecção de restaurações unitárias como em próteses fixas de vários elementos (Conceição, 2005). Em 1950, adicionou-se leucita na formulação da porcelana visando aumentar o coeficiente de expansão térmica e possibilitar sua fusão com certas ligas áureas para confecção de coroas totais e próteses parciais fixas (PPFs) (Gomes et al, 2008). A porcelana feldspática foi a primeira a ser empregada na odontologia e, até hoje, tem grande aceitação clínica (Guerra et al., 2007). Os sistemas metalocerâmicos de que conhecemos estão disponíveis desde 1960 e utilizam deste tipo de cerâmica (Denry & Holloway, 2010). Nessa década, McLean & Hughes desenvolveram uma subestrutura que se baseava no reforço do vidro felspático com alumina. O material consistia de um vidro feldspático contendo 40-50% de alumina. As partículas de alumina, por serem mais resistentes que as do vidro, atuariam impedindo a propagação da trinca. Este sistema conseguiu elevar a resistência à flexão. Mas apesar de um considerável aumento na resistência à flexão dessas subestruturas, este sistema ainda não era indicado para uso na região posterior e pouco recomendável mesmo para dentes anteriores. Isto significava que subestruturas mais resistentes eram necessárias (Andreiuolo, 2007). Em 1983 foi desenvolvido o sistema IPS Empress, na Universidade de Zurique, na Suíça, também conhecido como cerâmica prensada reforçada por leucita, porém, somente em 1990 foi lançado ao mercado pela empresa Ivoclar Vivadent (Guerra et al., 2007; Ahmad, 2006). Com o objetivo de criar uma cerâmica que alcançasse as propriedades das próteses metalo-cerâmicas, para possibilitar a confecção de próteses de dentes posteriores com infra-estruturas cerâmicas, surgiu uma porcelana aluminizada infiltrada de vidro com alto teor de alumina. A primeira marca comercializada foi o In- Ceram (Vita) introduzida por Sadoun em 1985 (Guerra et al., 2007). O In-Ceram é o sistema mais antigo de próteses totalmente cerâmicas em uso no mercado, também o primeiro indicado para próteses parciais fixas de até 3 elementos em

17 17 região anterior (Fonseca, 2008; Andreiuolo, 2007). Em 1993 foi descrito o sistema cerâmico Procera Allceram (Nobel Biocare), o qual consiste na obtenção de uma infra-estrutura com 99,5% de alumina (Gomes et al., 2008). Duret, já na década de 70, introduzia a tecnologia CAD/CAM, originalmente destinada a fresagem apenas de blocos de cerâmica totalmente sinterizados (Denry & Holloway, 2010). Nos anos 1990, com a utilização da tecnologia CAD/CAM na odontologia, os substratos de alumina pura fizeram sua primeira aparição em próteses parciais fixas através dos sistemas Procera (Nobel Biocare, Suécia) e Techceram (Techceram LTDA, Inglaterra). Atualmente a Vita também já disponibiliza blocos de alumina densa para o sistema CEREC (Andreiuolo, 2007). Objetivando o uso do sistema de cerâmica aquecida e prensada para confecção de próteses parciais fixas, em 1999, o mercado recebeu um novo material cerâmico, o IPS Empress 2, no qual a infra-estrutura, à base de dissilicato de lítio, confere maior resistência à cerâmica (Peixoto & Akaki, 2008). O Empress 2 (Ivoclar- Vivadent) foi lançado em 1998, com propriedades mecânicas superiores em comparação com uma Empress 1, sem comprometer a qualidades estéticas. (Ahmad, 2006). No entanto, este sistema não é indicado para confecção de infraestruturas de próteses parciais fixas ou unitárias em área de grande força oclusal (Henriques et al, 2008). Pesquisas e desenvolvimento em zircônia como biomaterial foram iniciados no final dos anos 60 do último século, quando Helmer e Driskell publicaram o primeiro trabalho sobre diferentes aplicações de cerâmicas a base de zircônia (Koutayas et al., 2009). O primeiro uso recomendado de zircônio como um biomaterial de cerâmica foi em forma de cabeça femural para a Total reposição do Quadril (Pilathadka et al., 2007). Presente na área biomédica desde a década de 80, sendo usada especialmente em próteses de quadril (cabeça femural), a forma de zircônia parcialmente estabilizada tem sido promovida como apropriada para uso odontológico desde o fim da década de 1990, devido à sua excelente resistência à fratura (Vagkopoulou et al., 2009). O zircônio é um metal cinza prateado, que pode ocorrer na tonalidade azul escura, dúctil, refratário, com elevada resistência à tração, alta dureza e resistente à

18 18 corrosão. No que concerne a propriedades físico-químicas, o zircônio é pouco reativo. Na indústria química é usado em equipamento resistente à corrosão, e na indústria eletrônica compõe-se em placas e filamentos (Silva, 2001). Atualmente, a zircônia é usado extensivamente para fins industriais (Vagkopoulou et al., 2009; Pilathadka et al., 2007). O interesse na utilização da zircônia como biomaterial odontológico partiu de sua boa estabilidade química e dimensional, resistência mecânica, dureza, e um módulo de elasticidade da mesma ordem de grandeza do aço inoxidável (Andreiuolo, 2007). Os principais sistemas cerâmicos a base de zircônia surgiram em meados da década de 80 e utilizam blocos cerâmicos pré-fabricados e sua combinação com o sistema CAD/CAM (Pinheiro, 2008). A partir de 2001, quando uma nova técnica de confecção de infra-estruturas de próteses fixas foi possível, a de usinagem direta de cerâmica pré-sinterizada, seu uso difundiu-se amplamente e vários fabricantes passaram a oferecer este produto para restaurações de cerâmica pura (Parker, 2007; Denry & Holloway, 2010). 3.2 AS CERÂMICAS ODONTOLÓGICAS O conceito de cerâmica, em seu aspecto mais amplo, compreende todos os produtos químicos inorgânicos (exceto os metais e suas ligas) que são obtidos pelo homem por meio da queima de minerais em altas temperaturas. Os produtos cerâmicos são obtidos a partir de matérias-primas naturais ou sintéticas. É conveniente separar o conceito de cerâmica e porcelana. Toda porcelana é uma cerâmica, mas uma cerâmica pode ser uma porcelana, um vidro ou um simples tijolo (Fonseca, 2008). Existem vários tipos de cerâmicas. De maneira geral, elas são classificadas em 10 grupos: Cerâmica vermelha, cerâmica branca, cerâmica de revestimento, refratários, cerâmicas de alta tecnologia, isolantes térmicos, vidros, cimento, cal e abrasivos. Destas, são de interesse odontológico somente as cerâmicas brancas, as de alta tecnologia e os vidros (Fonseca, 2008). As cerâmicas usadas na Odontologia diferem quanto à estrutura, propriedades, processo de fabricação e consequentemente suas indicações. Mas, podemos agrupar as cerâmicas de uso odontológico dentro de 3 grupos principais:

19 19 Porcelanas feldspáticas, vidros ceramizados e cerâmicas essencialmente de óxidos (Fonseca, 2008). Para Ahmad (2006), as cerâmicas odontológicas são separadas em três categorias: À base de sílica, de alumina e de zircônia. A estrutura básica da maioria das cerâmicas odontológicas apresenta uma fase cristalina e uma fase vítrea. Os cristais são circundados pela fase vítrea e têm como característica a repetição regular das cadeias, enquanto que os vidros apresentam uma estrutura espacial amorfa. Esse arranjo espacial dos cristais é responsável pela resistência mecânica e ao ataque de agentes químicos, como ácido fluorídrico. Essa fase cristalina apresenta-se opaca, enquanto a fase amorfa (vítrea) apresenta menor resistência química e é responsável pela translucidez (Dehailan, 2009). Segundo Gomes et al. (2008), as cerâmicas odontológicas são compostas por elementos metálicos (alumínio, cálcio, lítio, magnésio, potássio, sódio, lantânio, estanho, titânio e zircônio) e substâncias não metálicas (silício, boro, flúor e oxigênio). A matriz vitrosa é composta por uma cadeia básica de óxido de silício (SiO 4 ), sendo que a proporção Si:O está relacionada com a viscosidade e expansão térmica da porcelana. Já a quantidade e natureza da fase cristalina ditam as propriedades mecânicas e ópticas. Além disso, a formulação da porcelana deve ser feita de modo a apresentar propriedades, como fundibilidade, moldabilidade, injetabilidade, usinabilidade, cor, opacidade, translucidez, resistência à abrasão, resistência e tenacidade à fratura (Gomes et al., 2008). As cerâmicas podem ser de alta, média, baixa ou ultra-baixa fusão. As de alta fusão possuem faixa de fusão de a C; As de média de a C e de baixa 870 a 965 C, ultra-baixa menor de 870 C (Craig & Powers, 2004). As de média e baixa fusão são as usadas normalmente como cerâmicas de cobertura. As de alta são consideradas superiores em resistência, insolubilidade, transparência e na manutenção da precisão da forma durante queimas repetitivas. A principal vantagem da de alta é poder sofrer reparos, acréscimos, corantes ou glazeamento sem distorções (Craig & Powers, 2004). As cerâmicas com maior qualidade estética possuem alto teor de vidro. Estas cerâmicas predominantemente vítreas imitam melhor as propriedades ópticas do esmalte e da dentina. Os fabricantes controlam seus efeitos ópticos acrescentando pequenas quantidades de partículas de carga, que podem ser partículas cristalinas

20 20 de vidros de alta fusão. Essas cerâmicas são usadas para cobertura. As cerâmicas chamadas policristalinas não contém vidro. Os átomos e moléculas se arranjam de forma regular tornando-as mais resistentes e menos suscetíveis à propagação de trincas. Isso possibilida seu uso como infra-estruturas de reforço, proporcionando próteses fixas livres de metal (Dehailan, 2009) Porcelanas feldspáticas É a cerâmica tradicional ou convencional, encontrada nas próteses metalocerâmicas. Foram as primeiras cerâmicas modernas de uso odontológico e têm esse nome porque sua principal matéria-prima é o feldspato. A cerâmica feldspática é composta por uma matriz de vidro e uma ou mais fases cristalinas (Guerra et al., 2007). Feldspato é um mineral abundante na natureza. Na cerâmica, sua função é a de fundente, pois seu ponto de fusão é menor do que a maioria do outros componentes, servindo de cimento para as partículas das varias substâncias cristalinas, além de outros aspectos, como as reações físico-químicas (Ramos, 2001). As propriedades mecânicas das porcelanas feldspáticas são as mais baixas dentre os materiais cerâmicos utilizados em odontologia devido a grande quantidade de fase vítrea (Denry & Holloway, 2010). Nas palavras de Gomes et al. (2008), essas cerâmicas possuem translucidez semelhante aos dentes, são resistentes à compressão, apresentam baixa temperatura de fusão, o que diminui o potencial de distorção do coping metálico, não corroem e são resistentes aos fluídos orais. No entanto, apresentam baixa resistência à flexão (60 MPa) e elevada dureza, a qual poderá provocar abrasão dos dentes opostos. São indicadas como material para recobrimento das coroas metalcerâmicas e próteses parciais fixas Vidros ceramizados ou cerâmicas feldspáticas reforçadas Estão incluídos dentro do grupo dos vidros por Fonseca (2008). No entanto, devido às semelhanças, Ahmad (2006) inclui as porcelanas feldspáticas e os vidros ceramizados no mesmo grupo, que chama de porcelanas a base de sílica. Os vidros ceramizados (glass ceramics) são um grupo de materiais obtidos

21 21 através da cristalização controlada e dirigida de certos vidros, o que faz com que eles tenham características próprias dos vidros e das cerâmicas. São sólidos policristalinos compostos de uma matriz vítrea e uma fase cristalina, onde um processo térmico controlado promove um crescimento desses cristais (cristalização) (Chain et al., 2000). Esta classe de materiais consiste de uma matriz vítrea circunjacente a uma segunda fase de cristais individuais. As suas propriedades mecânicas dependem do tamanho e da densidade desses cristais e da interação entre os cristais e a matriz vítrea. Esses cristais têm o papel de retardar a propagação de trincas e, em consequência, elevar a sua tenacidade a fratura principalmente através do mecanismo de deflexão das trincas (Andreiuolo, 2007). A leucita também funciona como uma fase de reforço; o maior conteúdo de leucita (comparado com a porcelana feldspática convencional) resulta em maior resistência flexural e contribui para um alto coeficiente de contração térmica (Gomes et al., 2008). Chain et al. (2000) diz que nas vitro-cerâmicas os cristais de leucita encontram-se mais homogeneamente distribuídos do que nas porcelanas. Além da leucita como fase cristalina, outras vitro-cerâmicas apresentam cristais diferentes como o dissilicato de lítio (Sistema Empress 2). A porcelana feldspática reforçada por leucita está disponível nas seguintes formas comerciais: Optec HSP, Optimal Pressable Ceramic (OPC), Finesse All- Ceramic e IPS Empress, VITA VMK 68, e outras (Henriques et al., 2008). As vitro-cerâmicas à base de leucita (Empress 1) apresentam propriedades mecânicas semelhantes às das porcelanas, portanto também são indicadas para a construção de inlays, onlays, facetas e recobrimento de infra-estruturas cerâmicas. Já a vitrocerâmica Empress 2, por apresentar propriedades mecânicas superiores às das porcelanas e das outras vitro-cerâmicas, é utilizada como infraestrutura de coras totais e próteses fixas de até 3 elementos (Chain et al., 2000). Os sistemas que contêm o dissilicato de lítio como fase cristalina principal apresentam como vantagens superiores níveis de resistências flexural e à fratura, a qual estende o seu leque de aplicações, podendo ser usados como infra-estrutura de coroas unitárias. Esse sistema cerâmico apresenta-se nas formas do IPS Empress 2 e do OPC 3G All Ceramic System (Henriques et al., 2008).

22 Cerâmicas infiltradas por vidro A adição de cristais a uma matriz vítrea, limitava a quantidade de fase cristalina em cerca de vol. %. Uma abordagem alternativa foi desenvolvida nos anos 1980, onde subestruturas cerâmicas de alta resistência mecânica eram infiltradas com vidro, aumentando assim o volume percentual de fase cristalina na subestrutura. Este sistema, denominado In-Ceram (Vita Zahnfabrik) possibitou a obtenção de subestruturas com conteúdo de cerca de 85% de fase cristalina (Leal et al., 2002). Este sistema foi concebido para melhorar os problemas associados à fragilidade da porcelana, e tem sido comercializado pela empresa Vita Zahnfabrik (Alemanha). O sistema conhecido como o In-Ceram Vita é constituído por uma infraestrutura semelhante à que cobre o coping da metalo-cerâmica. Portanto, não é utilizado um metal, e sim um pó cerâmico de óxido de aluminio extremamente fino (4 µm) oferecendo novas alternativas para coroas metalo-cerâmicas, apresentando alta resistência, contendo pelo menos setenta por cento de alumina pura com vinte por cento de transmissão de luz (Leal et al., 2002). O sistema In-Ceram é disponível atualmente tendo como base três materiais distintos, designados para regiões específicas da boca, de acordo com o grau de translucidez e resistência mecânica desejadas. O In-Ceram Espinélio é o mais translúcido e com resistência moderada (350 MPa), sendo indicado para coroas unitárias anteriores. O In-Ceram Alumina possui resistência intermediária (500 MPa) e boa translucidez, sendo indicado para próteses parciais fixas anteriores, além de coroas unitárias anteriores. Já o In-Ceram Zircônia, possui alta resistência (700 MPa) e baixa translucidez, sendo indicado para próteses parciais fixas de três elementos posteriores e coroas unitárias posteriores (Giordano, 2003 apud Andreiuolo, 2007). Na técnica do In-Ceram Alumina, um núcleo poroso de alumina parcialmente sinterizado é infiltrado com um vidro de lantânio de baixa viscosidade. Após a infiltração a contração da peça é de apenas 0,20%. Este foi o primeiro sistema restaurador indicado para a fabricação de próteses parciais fixas anteriores de três elementos. A subestrutura obtida pode então ser recoberta por uma porcelana indicada pelo fabricante para obtenção de forma e estética desejadas. Subestruturas de In- Ceram Alumina também podem ser fabricadas a partir de

23 23 blocos cerâmicos pré-sinterizados (VITA In-Ceram Alumina Blanks, Bad Sackingen, Alemanha), por meio da tecnologia CAD/CAM (Tinschert et al., 2001 apud Andreiuolo, 2007). O In-Ceram Zircônia (ZTA) foi desenvolvido para propiciar subestruturas resistentes às forças mastigatórias mais intensas. O ZTA é um compósito aluminazircônia-vidro. A alumina tenacificada por zircônia (ZTA) é baseada na adição de 33% em peso de zircônia à alumina, sendo capaz de produzir subestruturas com resistência à flexão de cerca de 700 MPa (Andreiuolo, 2007). Este sistema é indicado para coroas posteriores e próteses parciais fixas de até três elementos anteriores e posteriores. A melhora nas propriedades mecânicas dessa cerâmica se dá pelo mecanismo de tenacificação por transformação observado na zircônia (Garvie et al., 1975; McLaren & White, 1999; Chong et al., 2002 apud Andreiuolo, 2007) Cerâmicas essencialmente de óxidos ou cerâmicas densas As cerâmicas essencialmente de óxidos estão incluídas dentro do grupo das cerâmicas de alta tecnologia e podem ser chamadas de cerâmicas densas. Podem ser compostas de óxidos de alumínio, de lítio, de magnésio e de zircônia (Fonseca, 2008). Ahmad (2006) as separa em: a base de alumina e a base de Zircônia. Andreiuolo (2007) coloca esta classe de cerâmicas como densas. As cerâmicas essencialmente de óxidos são muito superiores aos vidros e às porcelanas feldspáticas quanto à resistência flexural e dureza. Com relação à estética, as porcelanas provenientes do feldspato e a maioria dos vidros possuem alta translucidez, o que dá ao fabricante a possibilidade de acrescentar corantes e opacificadores que permitem que estas cerâmicas tenham as propriedades de cor e translucidez dos dentes naturais, sendo portanto, mais estéticas. Por sua vez, as cerâmicas essencialmente de óxidos são altamente opacas, com propriedades estéticas reduzidas (Fonseca, 2008). Parecia óbvio que a evolução natural das subestruturas reforçadas fossem subestruturas densas. Com a utilização da tecnologia CAD/CAM na odontologia, os substratos de alumina densa fizeram sua primeira aparição através dos sistemas Procera (Nobel Biocare, Suécia) e Techceram (Techceram LTDA, Inglaterra). Atualmente a Vita também já disponibiliza blocos de alumina densa para o sistema

24 24 CEREC. Além disso já existem sistemas que viabilizam a confecção de subestruturas de zircônia densa, como o Procera (Nobel Biocare), o LAVA (3M/ESPE), o Cercon (Dentsply/Degussa), o DCS Preci-fit (Popp dental), e os blocos de YZ da Vita para o CEREC (Sirona). Estes sistemas seduzem pela sua superior resitência mecânica, quando comparados a sistemas compósitos que incorporam vidro (Giordano, 2003 apud Andreiuolo, 2007). 3.3 PROCESSOS DE FABRICAÇÃO DAS CERÂMICAS Os processos de confecção das restaurações cerâmicas odontológicas podem variar. Para Fonseca (2008), uma restauração cerâmica pode ser obtida por: sinterização, fresagem e prensagem, ou por associação desses métodos. Em função da técnica, a cerâmica para a confecção de restaurações protéticas pode ser apresentada na forma de pó, pastilha ou bloco. Uma diferença importante durante os processos de confecção das próteses refere-se ao escoamento. Enquanto os vidros e porcelanas feldspáticas são susceptíveis ao escoamento quando expostos a altas temperaturas, as cerâmicas essencialmente de óxidos ou densas não o são (Fonseca, 2008). Dehailan (2009) classifica as cerâmicas de acordo com os modos de fabricação em: Condensação de pó; Prensadas em altas temperaturas, Fundidas e injetadas (Slip-Casting) e Craig e Powers (2004) citam também a técnica de infiltração e CAD/CAM. Os processos de fabricação das cerâmicas para próteses fixas e as fases cristalinas utilizadas podem ser mostrados na tabela 1. Tabela 1 - Métodos de fabricação das cerâmicas para próteses fixas e as respectivas fases cristalinas utizadas. Metalo- Cerâmicas Método de fabricação Sinterização Prensagem por calor no metal Fase Cristalina Leucita Leucita, leucita & fluorapatita

25 25 Sinterização Prensagem por calor Prensagem e sinterização Slip-cast e Infiltração por vidro Cerâmica Pura Usinagem mole e infiltração por vidro Usinagem mole e sinterização Usinagem mole, sinterização e prensagem por calor Usinagem dura Usinagem dura e tratamento térmico Fonte: Denry & Holloway (2010). Leucita Leucita, Dissilicato de Lítio Alumina Alumina, Spinel, Alumina-Zirconia Alumina, Alumina-Zirconia Alumina, Zirconia Zirconia/cerâmica vítra - leucita e fluorapatita Zircônia, leucita Dissilicato de Lítio Condensação de pó É considerada o modo tradicional para a fabricação de uma restauração de cerâmica. Neste tipo de processamento, o técnico em laboratório de prótese constrói as restaurações de porcelana a partir de um pó e um líquido fornecidos pelos fabricantes. Esta técnica envolve a aplicação de porcelana líquida usando um pincel especial, seguido da compactação da porcelana através da remoção do excesso de umidade. A porcelana é então queimada a vácuo o que permite a compactação adicional. Cerâmicas fabricadas por esta técnica apresentam um grande grau de translucidez e são altamente estéticas, e são utilizados principalmente como camadas de recobrimento (Dehailan, 2009). A condensação de pó é utilizada na produção de porcelanas feldspáticas. A fase vítrea durante a queima amolece possibilitando a coalescência das partículas do pó de porcelana. Este processo é também chamado de sinterização de fase líquida. Esta sinterização ocorre a uma temperatura relativamente elevada, permitindo a formação de um sólido denso (Dehailan, 2009). Exemplos de sistemas que utilizam esta técnica: - Duceram LFC (Dentsply) - Finesse low fusing (Dentsply) - IPS e.max Ceram (Ivoclar-Vivadent) - IPS Eris (Ivoclar-Vivadent) - Lava Ceram (3M ESPE) - Vita D (Vita Zahnfabrik) - Vitadur Alpha (Vita Zahnfabrik) - Vita N (Vita Zahnfabrik) (Dehailan, 2009) Sinterização A sinterização é um processo de aquecimento que promove união entre partículas com o intuito de compactá-las. É o processo de queima para assegurar a densificação (Craig & Powers, 2004). Não há fusão nem reações químicas

26 26 importantes, apenas ocorre o amolecimento da fase vítrea em determinada temperatura, a qual engloba os cristais. Normalmente as cerâmicas são prensadas por alta pressão e depois devem ser aquecidas por algumas horas para dar resistência e adesão às partículas. As porcelanas e os vidros quando trabalhadas pela técnica de pó-líquido e sinterizadas, são insuperáveis quanto à estética, pois permitem inúmeras possibilidades de caracterizações e individualizações das restaurações, diferente dos vidros fundidos e prensados e das cerâmicas fresadas, que são monocromáticas (Fonseca, 2008). Após a construção da restauração pela técnica de condensação de pó (também chamada de corpo verde nesta fase), esta é levada a um forno específico para porcelanas odontológicas, no qual se dá o processo de sinterização propriamente dito (ou queima). O objetivo da sinterização é unir as partículas do pó, aumentando a densidade da massa por meio dar redução das porosidades (Dehailan, 2009). Craig & Powers (2004) explicam que há dois tipos principais de cerâmica usam essa técnica: cerâmica a base de alumina e cerâmica reforçada por leucita. A cerâmica a base de alumina é um exemplo de aumento de resistência pela dispersão da fase cristalina. A sua dispersão em uma matriz vítrea de coeficiente de expansão térmica similar resulta no fortalecimento significativo do núcleo. Tem sido proposto que a união excelente entre alumina e a fase vítrea é responsável por esse aumento na resistência comparado com a cerâmica reforçada por leucita. A reforçada por leucita é uma porcelana feldpática reforçado com 45% de volume de leucita tetragonal e está disponível para confeccionar restaurações de cerâmica pura sinterizada. Esse maior conteúdo de leucita resulta em maior resistência flexural e alto coeficiente de contração térmica. Restaurações de cerâmica pura sinterizadas estão sendo lentamente substituídas por restaurações cerâmicas prensadas por calor, que possuem uma técnica mais simplificada (Craig & Powers, 2004). No caso da cerâmica de Y-TZP (Zirconia densa), o processo de sinterização tem um forte impacto na estabilidade e propriedades mecânicas do produto final, pois elas ditam o tamanho de grão, que por sua vez influencia nas propriedades da Y-TZP (Denry & Kelly, 2008) Prensagem por calor ou Injeção

27 27 As cerâmicas prensadas ou injetadas podem ser vistas como técnica Press. As cerâmicas prensadas são restaurações que utilizam a técnica da cera perdida associada à injeção da cerâmica para o interior do revestimento, a partir da fundição de pastilhas cerâmicas. Estas são fundidas e injetadas sob calor e pressão para dentro de um revestimento, preenchendo o espaço ocupado anteriormente pela cera (Fonseca, 2008). Os vidros prensados por calor ou injetados são também chamados termoinjetáveis (Gomes et al., 2008). Os vidros e porcelanas feldspáticas têm temperatura de escoamento iniciada por volta dos 950 C. Nessa temperatura podem ser modelados, mas exigem certa força de compressão (prensagem) e são feitos através da técnica da cera perdida. A peça obtida é de cor única. Sua cobertura necessitará de maquiagem (pintura extrínseca) ou será de vidro ceramizado em pó pela técnica da estratificação (pó-líquido) (Dehailan, 2009). As cerâmicas injetadas podem ser prensadas ou fundidas. O processo de fundição é realizado pela combinação da técnica da cera perdida e injeção do vidro fundido por meio da centrifugação, da mesma forma que a prensagem. A diferença é que nesta, a cerâmica não derrete, apenas muda de estado (Henriques et al., 2008). Os vidros ceramizados utilizam estas técnicas de confecção. Eles dividem-se basicamente em fundidos e prensados (Dehailan, 2009). Em Dehailan (2009) consta que as cerâmicas prensáveis estão disponíveis como barras de vitrocerâmica, que são fornecidos pelos fabricantes. A vantagem desta técnica é que ela utiliza a experiência que o técnico de laboratório já tem intimidade com o método de cera perdida devido ao método de fabricação das ligas de metal. IPS Empress e IPS Empress 2 (Ivoclar Vivadent) são representantes de materiais utilizando técnica de prensagem por calor para a fabricação. Ela é usada na odontologia para produzir coroas de cerâmica pura como inlays, onlays, facetas e mais recentemente, próteses parciais fixas. A prensagem pelo calor auxilia na prevenção de poros grandes, promovendo uma boa dispersão da fase cristalina dentro da matriz vítrea. As propriedades mecânicas dos vários sistemas cerâmicos são maximizadas com os cristais de alta densidade e de tamanho pequeno (Craig & Powers, 2004). As vantagens das cerâmicas prensadas pelo calor incluem boa estética para os reforçados por leucita, alta resistência (mas maior opacidade) para os a base de

28 28 dissilicato de lítio e capacidade de utilizar a bem conhecida técnica da cera perdida. Os tempos de processamento são curtos e a adaptação marginal está dentro de uma faixa aceitável (Craig & Powers, 2004) Técnica de infiltração (slip-casting) As cerâmicas infiltradas são compostas por dois componentes: pó (oxido de alumínio ou corpo), que é fabricado como substrato poroso, e um vidro, geralmente composto por porcelana feldspática, que é infiltrado dentro do substrato poroso em alta temperatura (Cacko, 2007). O processo de infiltração de vidro fundido sobre uma estrutura porosa de cristais de óxido de alumínio é denominado slip casting (Fonseca, 2008). Esta técnica envolve a formação de um molde, geralmente de gesso, da estrutura desejada através, por exemplo, da técnica de cera perdida, e então a cerâmica é injetada no molde formado. O quadro é então removido do molde para sinterização parcial. A cerâmica resultante desse processo é muito fraca e porosa e deve ser infiltrada com vidro ou ser totalmente sinterizada antes da aplicação da cerâmica de revestimento (Dehailan, 2009). O processo de infiltração por vidro na cerâmica porosa formada é único, no qual o vidro derretido é direcionado nos poros por ação de capilaridade em alta temperatura. Os materiais processados por essa técnica são propensos a mostrar redução na porosidade, poucos efeitos provindos do processamento e maior tenacidade do que porcelanas feldspáticas convencionais (Craig & Powers, 2004) Fresagem ou usinagem A usinagem é uma opção a ser utilizada como método de fabricação de restaurações cerâmicas metal-free para inlays, onlays, facetas e próteses fixas unitárias ou parciais (Gomes et al., 2008). Blocos pré-fabricados de cerâmicas, já sinterizados ou fundidos, são usinados por meio de processos computadorizados (sistemas CAD/CAM). O desenvolvimento dos sistemas CAD/CAM para uso na profissão odontológica começou nos anos 70 com Duret na França, ALtschuler nos EUA, e Mormann e Brandestini na Suiça (Touati et al., 2000).

29 29 Os sistemas CAD/CAM, inicialmente, foram utilizados para a fabricação de coroas e pontes combinados com infra-estrutura de titânio, cobertos por porcelanas de baixa fusão. Atualmente, tanto cerâmicas feldspáticas quanto vítreas podem ser fresadas segundo esta tecnologia. O processo de fresagem por computador é realizado sobre blocos de porcelana pré-sinterizados a seco e fabricados industrialmente, sob rigoroso controle, os quais são reduzidos por desgaste ou sonoerosão (ultrassom) com o auxílio de tecnologia digital. Como resultado, esta técnica produz uma réplica de porcelana a partir de um padrão virtual obtido sobre uma imagem óptica (escaneamento do modelo, por exemplo). O conceito desta tecnologia de fresagem baseia-se na captura da imagem por um leitor óptico ou a laser. A imagem capturada é transportada para um programa de desenho onde o contorno do preparo e a forma da restauração final são realizados. Estas informações são então enviadas a uma unidade fresadora que inicia a fabricação da restauração protética. A imagem real dos preparos pode ser capturada através de uma câmera óptica intra-oral com infravermelho, que escaneia diretamente a superfície do preparo, ou através de um leitor a laser. Neste segundo caso, o profissional precisa realizar uma moldagem do preparo para obtenção de um modelo, sendo este sim, escaneado. Outros sistemas ainda necessitam que o técnico realize o enceramento da estrutura sobre o troquel, para que o padrão em cera, ou em resina seja escaneado (Sistema Cercon) (Guerra et al., 2007). Os materiais cerâmicos utilizados para a tecnologia CAD/CAM podem ser classificados com base na composição química que apresentam, mais precisamente como cerâmicas feldspáticas, aluminizadas e vítreas, ou simplesmente definidos cerâmicas para coroas e infra-estruturas fresadas (Bottino et al., 2009). Os sistemas cerâmicos CAD/CAM, permitem que se trabalhe com cerâmicas de diferentes composições químicas (feldspáticas, leucíticas, aluminizadas, a base de zircônia) sob forma de blocos pré-manufaturados (Bottino et al., 2009). Dentre as vantagens do sistema CAD/CAM destacam-se a rapidez nos procedimentos e maior resistência devido à alta qualidade dos blocos cerâmicos. A resistência à flexão e a tenacidade difere dos materiais cerâmicos que compõe o sistema In-Ceram. Além da indicação principal para a confecção de coroas e próteses parciais fixas o sistema também pode ser usado como forma alternativa para confecção de próteses fixas adesivas, núcleos e pinos, pilares para implantes, entre outros (Fonseca, 2008).

www.laboratoriojulio.com.br TELEFAX: (11) 3082-0306 R. Navarro de Andrade, 155 Pinheiros São Paulo SP CEP 05418-020

www.laboratoriojulio.com.br TELEFAX: (11) 3082-0306 R. Navarro de Andrade, 155 Pinheiros São Paulo SP CEP 05418-020 O Laboratório Julio utiliza produtos com qualidade garantida: www.laboratoriojulio.com.br TELEFAX: (11) 3082-0306 R. Navarro de Andrade, 155 Pinheiros São Paulo SP CEP 05418-020 V I S Ã O & I N S P I R

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aulas 7 1º sem.

Leia mais

Nós acreditamos. Conheça o seu novo laboratório!

Nós acreditamos. Conheça o seu novo laboratório! Nós acreditamos. Conheça o seu novo laboratório! Bons profissionais procuram bons parceiros e fornecedores. Trabalhar com profissionais diferenciados, prestando serviços de alta qualidade é a nossa prioridade.

Leia mais

RESTAURAÇÕES TOTALMENTE CERÂMICAS: CARACTERÍSTICAS, APLICAÇÕES CLÍNICAS E LONGEVIDADE

RESTAURAÇÕES TOTALMENTE CERÂMICAS: CARACTERÍSTICAS, APLICAÇÕES CLÍNICAS E LONGEVIDADE RESTAURAÇÕES TOTALMENTE CERÂMICAS: CARACTERÍSTICAS, APLICAÇÕES CLÍNICAS E LONGEVIDADE Luís Henrique Araújo Raposo Letícia Resende Davi Paulo Cézar Simamoto Júnior Flávio Domingues das Neves Paulo Vinícius

Leia mais

Marcação dos contatos: Ajuste interno e dos contornos proximais: Carbono líquido ou Base leve silicone e carbono Accufilm;

Marcação dos contatos: Ajuste interno e dos contornos proximais: Carbono líquido ou Base leve silicone e carbono Accufilm; DEFINIÇÃO AJUSTES E CIMENTAÇÃO Desgaste e polimento necessários para o correto assentamento da peça protética sobre o preparo, garantindo o vedamento marginal e um adequado equilíbrio de contatos proximais

Leia mais

Cimentos para cimentação

Cimentos para cimentação Curso de Auxiliar em Saude Bucal - ASB Faculdade de Odontologia - UPF Requisitos de um agente cimentante ideal Cimentos para cimentação Ser adesivo; Ser insolúvel no meio bucal; Permitir bom selamento

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Daniel da Costa Parrella CERÂMICAS METAL- FREE: UMA REVISÃO DE LITERATURA

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Daniel da Costa Parrella CERÂMICAS METAL- FREE: UMA REVISÃO DE LITERATURA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Daniel da Costa Parrella CERÂMICAS METAL- FREE: UMA REVISÃO DE LITERATURA Montes Claros 2014 DANIEL DA COSTA PARRELLA CERÂMICAS METAL- FREE: UMA REVISÃO DE LITERATURA Monografia

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Ciências da Saúde Departamento de Odontologia EMANUELLE DE CARLI

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Ciências da Saúde Departamento de Odontologia EMANUELLE DE CARLI UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Ciências da Saúde Departamento de Odontologia EMANUELLE DE CARLI RESTAURAÇÕES CERÂMICAS DE ZIRCÔNIO: UMA REVISÃO MARINGÁ 2006 2 EMANUELLE DE CARLI RESTAURAÇÕES

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

Cercon CAD/CAM. Soluções Flexíveis, econômicas, prontas para o futuro

Cercon CAD/CAM. Soluções Flexíveis, econômicas, prontas para o futuro Cercon CAD/CAM Soluções Flexíveis, econômicas, prontas para o futuro O que você considera mais importante ao investir em soluções de CAD/CAM? Flexibilidade Quão importante é a flexibilidade para produção

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

Cerâmicas odontológicas: o estado atual. (Ceramic in dentistry: current situation)

Cerâmicas odontológicas: o estado atual. (Ceramic in dentistry: current situation) Cerâmica 54 (2008) 319-325 319 Cerâmicas odontológicas: o estado atual (Ceramic in dentistry: current situation) E. A. Gomes, W. G. Assunção, E. P. Rocha, P. H. Santos R. José Bonifácio, 1193, Vila Mendonça,

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso

Trabalho de Conclusão de Curso Trabalho de Conclusão de Curso Tecnologia CAD/CAM Odara Íris Petter Universidade Federal de Santa Catarina Curso de Graduação em Odontologia UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA

Leia mais

Processo de fundição: Tixofundição

Processo de fundição: Tixofundição Processo de fundição: Tixofundição Disciplina: Processos de Fabricação. Professor Marcelo Carvalho. Aluno: Gabriel Morales 10/44940. Introdução O processo de fabricação conhecido como fundição pode ser

Leia mais

SISTEMAS CERÂMICOS SEM METAL

SISTEMAS CERÂMICOS SEM METAL 1 ETEC PHILADELPHO GOUVÊA NETTO LESSANE CARLA LOZANO SISTEMAS CERÂMICOS SEM METAL SÃO JOSÉ DO RIO PRETO 2009 2 ETEC PHILADELPHO GOUVÊA NETTO LESSANE CARLA LOZANO SISTEMAS CERÂMICOS SEM METAL Trabalho de

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PRÓTESE DENTÁRIA 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: a) Tratamento endodôntico. b) Perda da estrutura

Leia mais

Aprovados sem restrições para cavidades oclusais. Diamond

Aprovados sem restrições para cavidades oclusais. Diamond Grandio SO Heavy Grandio SO Heavy Aprovados sem restrições para cavidades oclusais Com o lançamento do compósito compactável, a VOCO introduziu no mercado um material de restauração semelhante ao dente

Leia mais

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho CONCEITOS Materiais e Processos de Produção ESTRUTURA DA MATÉRIA ÁTOMOS PRÓTONS NÊUTRONS ELÉTRONS MOLÉCULAS ESTADOS DA MATÉRIA TIPO DE LIGAÇÃO ESTRUTURA (ARRANJO) IÔNICA COVALENTE METÁLICA CRISTALINO AMORFO

Leia mais

1. Introdução. 2. Fios ortodônticos. Centro de Pós Graduação em Ortodontia

1. Introdução. 2. Fios ortodônticos. Centro de Pós Graduação em Ortodontia 1. Introdução O alinhamento e o nivelamento é o primeiro estágio do tratamento ortodôntico com aparelho fixo. Alinhamento significa colocar os braquetes e os tubos alinhados no sentido vestibulolingual.

Leia mais

Técnicas de fundição. Técnicas De Fundição. Page 1 1. Odontologia: tem por função restituir ao dente: Saúde Forma Função Estética

Técnicas de fundição. Técnicas De Fundição. Page 1 1. Odontologia: tem por função restituir ao dente: Saúde Forma Função Estética Disciplina Titulo da aula Expositor Slides 34 Materiais Dentários I Técnicas de fundição Prof. Dr. Eclérion Chaves Duração Aproximadamente 1:30 Plano de aula Publicado em: http://usuarios.upf.br/~fo/disciplinas/materiais%20dentarios/materiais1.htm

Leia mais

Disciplina MAF 2130 Química Aplicada Turma A02

Disciplina MAF 2130 Química Aplicada Turma A02 Disciplina MAF 2130 Química Aplicada Turma A02 1 CIÊNCIAS DOS MATERIAIS Profa. Dra. Adélia Lima Email: amlsilva0603@gmail.com à Química Aplicada 2 A disciplina Química Aplicada aborda os conteúdos básicos

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse molde é (quase) para sempre Manuais ou mecanizados, de precisão, não importa qual o processo de fundição que tenhamos estudado até agora, todos tinham em comum duas coisas: o fato de que o material

Leia mais

Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível

Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível Weider Silva Especialista em Dentística. Especialista em Prótese. Especialista em Implantodontia. Professor do Curso de Especialização de Dentística

Leia mais

Protemp TM 4. Material Provisório à Base de Bisacril. Restauração provisória. qualidade. com a 3M ESPE

Protemp TM 4. Material Provisório à Base de Bisacril. Restauração provisória. qualidade. com a 3M ESPE Protemp TM 4 Material Provisório à Base de Bisacril Restauração provisória com a qualidade 3M ESPE Protemp TM 4 Com 40 anos de experiência em materiais provisórios e amplo conhecimento em produtos com

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

SISTEMAS CERÂMICOS METAL FREE

SISTEMAS CERÂMICOS METAL FREE SISTEMAS CERÂMICOS METAL FREE Alexandre Carvalho Pedrosa 1 Orientador: Professor Francisco Girundi 2 RESUMO Os sistemas de cerâmicas atuais puras têm tido grande avanço tecnológico, permitindo o seu uso

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Materiais Professora: Patrícia Cé Introdução AULA I Vernizes Cimento de hidróxido de Cálcio Cimento de Ionômero de Vidro Cimento de

Leia mais

Classificação dos Núcleos

Classificação dos Núcleos OBJETIVO Núcleos Permitir que o dente obtenha características biomecânicas suficientes para ser retentor de uma prótese parcial fixa. Classificação dos Núcleos Núcleos de Preenchimento Núcleos Fundidos

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr.

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr. INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS Prof. Carlos Falcão Jr. Conformação de Materiais Metálicos Estampagem É um processo de conformação mecânica, que compreende um conjunto de operações por intermédio

Leia mais

CURSO EXTENSIVO DE ENCERAMENTO E CERÂMICA

CURSO EXTENSIVO DE ENCERAMENTO E CERÂMICA Dr. Dario Adolfi Dr. Ivan Ronald Huanca Duração: 6 meses/módulos de 2 dias. Datas: 11 e 12 de março de 2010 8 e 9 de abril de 2010 13 e 14 de maio de 2010 17 e 18 de junho de 2010 15 e 16 de julho de 2010

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Tópico 7E Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Introdução Já vimos que a deformação plástica de um metal decorre da movimentação interna de discordâncias, fazendo com que planos cristalinos

Leia mais

Módulo: REFRATÁRIOS Agosto/2014

Módulo: REFRATÁRIOS Agosto/2014 Módulo: REFRATÁRIOS Agosto/2014 Refratários Isolantes e Cálculos de Isolação Moacir da Ressurreição Agosto 2014 1/30 Isolantes Definição Tipos Finalidade Características Formatos Processo de Fabricação

Leia mais

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP CEETEPS Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP APOSTILA DE MATERIAIS DE PROTESE MATERIAIS DE MOLDAGEM

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Cerâmicas Odontológicas

Cerâmicas Odontológicas UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DEPARTAMENTO DE BIOMATERIAIS E BIOLOGIA ORAL Disciplina ODB401 - Materiais para uso indireto Roteiro de estudos (24/04/13) Prof. Paulo Francisco Cesar

Leia mais

Injete essa Idéia. WOLCAM PRESS Inject Sistem SISTEMA DE CERÂMICA PRENSADA

Injete essa Idéia. WOLCAM PRESS Inject Sistem SISTEMA DE CERÂMICA PRENSADA Injete essa Idéia WOLCAM PRESS Inject Sistem SISTEMA DE CERÂMICA PRENSADA www.wolcampress.com.br 0xx62 3210 3671 Manual Técnico CTO-Central de cursos- 0xx19 3405 6545 www.overtec.com.br Índice: I. Sistema

Leia mais

Serviços preliminares

Serviços preliminares Vazagem de modelo em gesso tipo lv Vazagem de modelo em gesso sintético colocação de gengiva em silicone (elemento) colocação de gengiva em silicone total Vazagem do modelo de transferência Montagem em

Leia mais

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010.

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Sustentabilidade da galvanização aplicada à administração interna de resíduos de cinzas e escória na galvanização geral por imersão a quente e da

Leia mais

Vidro comun ou vidro Float

Vidro comun ou vidro Float Vidros Vidro comun ou vidro Float O vidro comum é a composição básica do vidro, antes de receber qualquer tipo de tratamento. Ele é feito a partir da mistura de sílica (areia), potássio, alumina, sódio

Leia mais

As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição

As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição O que possuem em comum equipamentos e peças tão diversos como torneiras, chuveiros, grampeadores, lanternas, peças para luminotécnica, alto-falantes

Leia mais

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base).

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). Etapas do processo: - obtenção dos pós metálicos - mistura

Leia mais

SEQUÊNCIA DE POLIMENTO DE CERÔMEROS

SEQUÊNCIA DE POLIMENTO DE CERÔMEROS SEQUÊNCIA DE POLIMENTO DE CERÔMEROS Dr. Alex Antônio Maciel de Oliveira Especialista em Implantodontia Consultor científico do Sistema Friccional de Implantes Kopp Contato: alexamaciel@hotmail.com Nos

Leia mais

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL 1 SÍNTESE DO TRABALHO A SER APRESENTADO A existência de dois poços

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

Ensaiar é preciso! Como você se sentiria se a chave que acabou

Ensaiar é preciso! Como você se sentiria se a chave que acabou A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Ensaiar é preciso! Introdução Como você se sentiria se a chave que acabou de mandar fazer quebrasse ao dar a primeira volta na fechadura? Ou se a jarra de

Leia mais

In-Ceram Zirconia: Prótese Parcial Fixa In-Ceram Zirconia: Fixed Partial Prosthesis

In-Ceram Zirconia: Prótese Parcial Fixa In-Ceram Zirconia: Fixed Partial Prosthesis CASO CLÍNICO In-Ceram Zirconia: Prótese Parcial Fixa In-Ceram Zirconia: Fixed Partial Prosthesis Renato Sussumu Nishioka* Luis Gustavo Oliveira de Vasconcellos** Karina Tiemi Tanaka*** Gilberto Duarte

Leia mais

CERÂMICAS ODONTOLÓGICAS

CERÂMICAS ODONTOLÓGICAS CERÂMICAS ODONTOLÓGICAS 1 CERÂMICAS ODONTOLÓGICAS: Introdução Classificação (tipos de cerâmicas) Resumo das propriedades gerais MICROESTRUTURA Tipo de Cerâmica PROCESSAMENTO USO CLÍNICO 2 Definição Cerâmicas:

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS 1 NITRAMET TRATAMENTO DE METAIS LTDA PABX: 11 2192 3350 nitramet@nitramet.com.br GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS Austêmpera Tratamento isotérmico composto de aquecimento até a temperatura

Leia mais

- Bibliografia Recomendada

- Bibliografia Recomendada 1 7 a aula - ELETRODOS REVESTIDOS - Bibliografia Recomendada 1) Soldagem Processos e Metalurgia Capítulo 2b 2) Normas da AWS A5.1-81, A5.5-81 e demais normas 3) Catálogo de fabricantes de eletrodos revestidos

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Cibele Cândida de Almeida Kintopp

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Cibele Cândida de Almeida Kintopp UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Cibele Cândida de Almeida Kintopp SISTEMAS COMPUTADORIZADOS UTILIZADOS PARA CONFECÇÃO DE RESTAURAÇÕES PROTÉTICAS: CAD-CAM. RELATO DE CASO CLíNICO. CURITIBA 2010 Cibele Cândida

Leia mais

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO Amanda Alves PEIXOTO 1 Chelinton Silva SANTOS 1 Daniel Moreira da COSTA 1 Rosângela Chaves dos Santos GUISELINI 1 Eduardo Tambasco MONACO 2 RESUMO Este trabalho visa

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Materiais Dentários Professora: Patrícia Cé Introdução AULA II Materiais de Moldagem Alginato Polissulfeto Poliéter Silicone de condensação

Leia mais

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira ADITIVOS 1. OBJETIVO Reforçar ou introduzir certas características 2. UTILIZAÇÃO Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira 3. FUNÇÕES BÁSICAS DOS ADITIVOS CONCRETO

Leia mais

Fibras, Esponjas e Panos

Fibras, Esponjas e Panos 3M Soluções Comerciais Núcleo Profissional Fibras, Esponjas e Panos Food Service O mercado de Profissional é um dos que mais cresce no país e, com ele, cresce também a demanda por padrões cada vez mais

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2.1. Introdução Os materiais estruturais podem ser divididos em quatro grupos: metálicos, cerâmicos, poliméricos e compósitos (Gibson, 1993). Em

Leia mais

SÍNTESE QUÍMICA DE NANOCERÂMICAS VISANDO APLICAÇÕES EM ODONTOLOGIA

SÍNTESE QUÍMICA DE NANOCERÂMICAS VISANDO APLICAÇÕES EM ODONTOLOGIA Ciências da Vida - Odontologia SÍNTESE QUÍMICA DE NANOCERÂMICAS VISANDO APLICAÇÕES EM ODONTOLOGIA Moysés Barbosa de Araújo Junior 1 Alejandra Hortencia Miranda González 2 Palavras-chaves Nanocerâmicas;

Leia mais

Guillaume Esteves Veloso. Sistema CEREC Chairside

Guillaume Esteves Veloso. Sistema CEREC Chairside Guillaume Esteves Veloso Sistema CEREC Chairside Universidade Fernando Pessoa Faculdade de Ciências da Saúde Porto, 2008 Guillaume Esteves Veloso Sistema CEREC Chairside Universidade Fernando Pessoa Faculdade

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ

METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ Prof. M.Sc.: Anael Krelling 1 O MERCADO DA METALURGIA DO PÓ Ligas de Ferro com grande precisão e elevada qualidade estrutural Materiais de difícil processamento, com alta densidade e microestrutura

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Cristina Rech Grandi Molin

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Cristina Rech Grandi Molin Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Cristina Rech Grandi Molin Adaptação marginal de infraestruturas de próteses dentossuportadas obtidas por diferentes técnicas: Revisão de literatura

Leia mais

Módulo I: MATERIAIS DE MOLDAGEM

Módulo I: MATERIAIS DE MOLDAGEM SUBSECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE ODONTOLOGIA CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS ODONTOLÓGICAS Módulo I: MATERIAIS DE MOLDAGEM

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Estruturas cerâmicas a base de zircônia

Leia mais

Introdução aos Materiais Cerâmicos

Introdução aos Materiais Cerâmicos Introdução aos Materiais Cerâmicos Bibliografia Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, 5ed., cap 13 e 14, 2002. Shackelford, J.F. Ciências dos Materiais, Pearson Prentice

Leia mais

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho MATERIAIS COMPÓSITOS Histórico Adobes reforçados com palha Egito 5000 anos. Concreto reforçado com barras de metal século XIX. Fibras de vidro 1970 Conceito São materiais formados por dois ou mais constituintes

Leia mais

Reações a altas temperaturas. Diagrama de Equilíbrio

Reações a altas temperaturas. Diagrama de Equilíbrio Reações a altas temperaturas Diagrama de Equilíbrio Propriedades de um corpo cerâmico Determinadas pelas propriedades de cada fase presente e pelo modo com que essas fases (incluindo a porosidade) estão

Leia mais

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais Fonseca, 2010: Aditivos químicos ASTM C125

Leia mais

ConScientiae Saúde ISSN: 1677-1028 conscientiaesaude@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil

ConScientiae Saúde ISSN: 1677-1028 conscientiaesaude@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil ConScientiae Saúde ISSN: 1677-1028 conscientiaesaude@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Romão, Waldyr; Rosa de Oliveira, Flávio Sistemas cerâmicos reforçados e suas indicações ConScientiae Saúde,

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph À prova de fogo Reparos externos e reabilitação estrutural para infraestruturas

Leia mais

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO www.sinto.com.br JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO O Jateamento com abrasivo é um método de trabalho a frio que consiste no arremesso de partículas contra uma determinada superfície, a elevadas velocidades,

Leia mais

Tubos OmegaBond Tecnologia Avançada

Tubos OmegaBond Tecnologia Avançada Aumento de produtividade em plantas de uréia através aumento de capacidade e melhoria de confiabilidade quanto a resistência a corrosão COMO A NOVA TECNOLOGIA AJUDA OS FABRICANTES A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA II (EM307) 2º Semestre 2005/06. 4. Processamento de Materiais Cerâmicos

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA II (EM307) 2º Semestre 2005/06. 4. Processamento de Materiais Cerâmicos MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA II (EM307) 2º Semestre 2005/06 4. Processamento de Materiais Cerâmicos F. Jorge Lino Alves 1 Resumo 4. Processamento de Materiais Cerâmicos Processos utilizados na fabricação

Leia mais

2.2.1 PRENSAGEM. Alteração do comportamento de um ligante com a adição de plastificante. PVA com PEG

2.2.1 PRENSAGEM. Alteração do comportamento de um ligante com a adição de plastificante. PVA com PEG PVA com PEG Alteração do comportamento de um ligante com a adição de plastificante Prensagem de Al 2 O 3 : ligante + plastificante PVA + PEG Alteração do comportamento de um ligante com a adição de plastificante

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 Forjamento Ferreiro - Uma das profissões mais antigas do mundo. Hoje em dia, o martelo e a bigorna foram substituídos por máquinas e matrizes

Leia mais

Calgaro. Mais de 40 anos criando resultados surpreendentes.

Calgaro. Mais de 40 anos criando resultados surpreendentes. O Laboratório Calgaro conhece bem o poder transformador de um sorriso e sabe que só é possível mudar a vida das pessoas com muita dedicação e profissionalismo. É por isso que o Calgaro é o parceiro ideal

Leia mais

29 Recuperação de guias ou vias deslizantes I

29 Recuperação de guias ou vias deslizantes I A U A UL LA Recuperação de guias ou vias deslizantes I Uma máquina foi retirada do setor de produção e levada para o setor de manutenção porque havia atingido o seu ponto de reforma. A equipe de manutenção

Leia mais

Metalocerâmica, IPS Empress I, II e IPS e.max: uma revisão de literatura.

Metalocerâmica, IPS Empress I, II e IPS e.max: uma revisão de literatura. 0 Instituto de Ciências da Saúde FUNORTE/SOEBRAS Nilton Campos Junior Metalocerâmica, IPS Empress I, II e IPS e.max: uma revisão de literatura. Lages, 2011. 1 Nilton Campos Junior Metalocerâmica, IPS Empress

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 55

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 55 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 55 QUESTÃO 17 A Prótese Dentária é considerada uma especialidade odontológica de rico intercâmbio com as outras especialidades da odontologia. Esse intercâmbio

Leia mais

2 Revisão da Literatura

2 Revisão da Literatura 15 2 Revisão da Literatura Com o objetivo de avaliar e comparar a resistência de materiais totalmente cerâmicos e suas terminações cervicais utilizadas na confecção de próteses fixas investigou-se na literatura

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO SISTEMA CAD/CAM

APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO SISTEMA CAD/CAM APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL Data: 24 a 27 de novembro de 2015 Atualmente existe uma forte tendência no mercado mundial sobre os Sistemas CAD/CAM. A proposta deste programa é brindar-lhes com toda

Leia mais

Para que possam oferecer a protecção adequada os produtos deverão ser:

Para que possam oferecer a protecção adequada os produtos deverão ser: proteção facial Proteção Facial Porquê o uso de viseiras? As viseiras são concebidas para proteger os olhos e o rosto. A protecção pode ser conferida através de uma rede metálica de malha fina ou em material

Leia mais

ODONTOLOGIA ESTÉTICA

ODONTOLOGIA ESTÉTICA ODONTOLOGIA ESTÉTICA O sorriso enaltece os dentes que podem assim como outros elementos da face denunciar a idade cronológica do ser humano por meio de desgastes ou mesmo pela alteração da cor. Nesse contexto,

Leia mais

Representante Exclusivo no Brasil

Representante Exclusivo no Brasil Representante Exclusivo no Brasil Integridade local...diversidade global. Profissionais fortes produzindo peças fundidas por centrifugação ainda mais fortes para impulsionar o sucesso de fabricantes originais

Leia mais

Adper Easy One. Adesivo Autocondicionante. Um adesivo Um frasco. Muitas vantagens

Adper Easy One. Adesivo Autocondicionante. Um adesivo Um frasco. Muitas vantagens Adper Easy One Adesivo Autocondicionante Um adesivo Um frasco Muitas vantagens Um adesivo. Uma camada. Uma única etapa. Rápido! PRATICIDADE EM UM FRASCO Com o Adper Easy One, você precisa de apenas um

Leia mais

TIOMI SUGUIURA MAKINO INDICAÇÕES E AS PROPRIEDADES DO SISTEMA EMPRESS

TIOMI SUGUIURA MAKINO INDICAÇÕES E AS PROPRIEDADES DO SISTEMA EMPRESS TIOMI SUGUIURA MAKINO INDICAÇÕES E AS PROPRIEDADES DO SISTEMA EMPRESS CAMPO GRANDE 2011 TIOMI SUGUIURA MAKINO INDICAÇÕES E AS PROPRIEDADES DO SISTEMA EMPRESS Trabalho apresentado ao curso de pósgraduação

Leia mais

CEREC. Feito para inspirar.

CEREC. Feito para inspirar. SOLUÇÕES CAD/CAM PARA O dentista CEREC. Feito para inspirar. sirona.com.br CEREC NO CONSULTÓRIO: CLINICAMENTE SEGURO. Mais de 28 anos de experiência por um bom motivo: tudo está sob seu controle com CEREC,

Leia mais

ressaltadas por autores como Sturdevant, 2 3 Gilmore et al, Celenza e Litvak, entre outros. O 4

ressaltadas por autores como Sturdevant, 2 3 Gilmore et al, Celenza e Litvak, entre outros. O 4 VERTICULADOR EMPREGO DO VERTICULADOR EM DENTÍSTICA RESTAURADORA A técnica de utilização dos verticuladores foi desenvolvida há cerca de 50 anos atualmente encontra-se em grande evidência graças a precisão

Leia mais

CIMENTO PORTLAND. A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes.

CIMENTO PORTLAND. A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes. Histórico A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes. Os romanos chamavam e sse s materiais de " caeme ntu m", termo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE CERÂMICAS À BASE DE ALUMINA E ZIRCÔNIA PARA APLICAÇÕES ODONTOLÓGICAS RESUMO

CARACTERIZAÇÃO DE CERÂMICAS À BASE DE ALUMINA E ZIRCÔNIA PARA APLICAÇÕES ODONTOLÓGICAS RESUMO 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 1 CARACTERIZAÇÃO DE CERÂMICAS À BASE DE ALUMINA E ZIRCÔNIA PARA APLICAÇÕES ODONTOLÓGICAS D. R. R. Lazar 1, V. Ussui 1, M. C. Bottino 1, L. F. Valandro 2, M.

Leia mais

Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais

Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais Khalil Elias Khalil Ajaime. Itapeva São Paulo

Leia mais

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA Os processos de conformação mecânica são processos de fabricação que empregam a deformação plástica de um corpo metálico, mantendo sua massa e integridade. Alguns

Leia mais