INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Daniel da Costa Parrella CERÂMICAS METAL- FREE: UMA REVISÃO DE LITERATURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Daniel da Costa Parrella CERÂMICAS METAL- FREE: UMA REVISÃO DE LITERATURA"

Transcrição

1 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Daniel da Costa Parrella CERÂMICAS METAL- FREE: UMA REVISÃO DE LITERATURA Montes Claros 2014

2 DANIEL DA COSTA PARRELLA CERÂMICAS METAL- FREE: UMA REVISÃO DE LITERATURA Monografia apresentada ao Programa de Pós-graduação do Instituto de Ciências da Saúde FUNORTE/SOEBRAS, Núcleo Montes Claros, como requisito parcial para título de Especialista em Prótese Dental. Orientador: Prof. Silvio T. Carvalho Montes Claros 2014

3 RESUMO O desejo de pacientes e profissionais por tratamentos com excelência estética e funcional desencadeou uma busca incessante por alternativas restauradoras que possibilitem opções que substituam tratamentos com base nas metalocerâmicas. Pois, apesar de mecanicamente seguras e das infinitas técnicas desenvolvidas para mascarar a estrutura metálica, as metalocerâmicas não podem ser comparadas a translucidez do dente. A indústria odontológica vai de encontro às expectativas dos pacientes e também do profissional, buscando inovação em materiais dentários altamente estéticos, com as caracterizações o mais próximo possível do dente natural. O objetivo desta pesquisa foi avaliar, por meio de uma revisão de literatura, os sistemas cerâmicos livres de metal, além de classificar, de forma objetiva, os sistemas cerâmicos utilizados em restaurações com cerâmicas metal-free, verificando as vantagens e desvantagens de cada um deles. Diante da gama de materiais cerâmicos livres de metais disponíveis, pode-se concluir que para se garantir ótimos resultados estéticos e funcionais, independe do material, mas sim, da indicação adequada, técnicas e manejo dos materiais aliados ao conhecimento da forma e função dos componentes dentários, uma decisão que caberá ao profissional. Palavras-Chave: Cerâmica pura; materiais dentários; estética dentária.

4 ABSTRACT The desire of patients and professionals for treatments with excellent aesthetic and functional unleashed a relentless pursuit of alternative restorative options that make it possible to replace treatments based on PFM. For though mechanically safe and endless techniques developed to mask the metallic structure, the PFM can not be compared the translucency of the tooth. The dental industry will meet the expectations of patients and also the professional seeking innovation in highly esthetic dental materials with characterizations as close to the natural tooth. The aim of this study was to evaluate, through a literature review, the metal-free ceramic systems and sorting, objectively, the systems used in ceramic restorations with ceramic metal-free by checking the advantages and disadvantages of each them. Given the range of metal-free ceramic materials available, it can be concluded that in order to ensure optimal functional and aesthetic results, depend on the material, but rather, the appropriate indication, techniques and handling of materials combined with the knowledge of the form and function of the components dental, a decision will be up to the professional. Keywords: Ceramics pure, dental materials, dental esthetics

5 LISTA DE FIGURAS FIGURA 01 - Coroas totais de cerâmica pura...13 FIGURA 02 Quadro resumo dos principais sistemas cerâmicos livres de metal e suas indicações...13 FIGURA 02 A - Quadro resumo dos tipos de cerâmicas e as principais marcas comerciais...14 FIGURA 03 - Facetas Laminadas de cerâmica Feldspática Convencional...15 FIGURA 04 - Cerâmicas Feldspáticas com alto teor de leucita Facetas laminadas em sistema IPS Empress (1ª geração)...17 FIGURA 05 - Incisivos superiores restaurados com resina composta...19 FIGURA 05 A - Caso finalizado. Coroas totais em sistema IPS Empress II...19 FIGURA 06 - Facetas laminadas e coroa total em sistema IPS e.max CAD. Prova das facetas laminadas. Acabamento e retoques. Facetas laminadas finalizadas, antes e depois do glaze final...20 FIGURA 06 A - Restaurações cerâmicas em sistema IPS e.max CAD finalizadas...21 FIGURA 07 - Facetas Laminadas e coroa total em sistema IPS e.max CAD. Escaneamento do modelo duplicado. Fresagem dos blocos de cerâmica feldspática para construção de restaurações com seus contornos praticamente finais...22 FIGURA 08 - Coroas anteriores em sistema In Ceram Alumina. Situação clínica inicial. Coroas metaloplásticas mostrando completo fracasso estético e funcional...23 FIGURA 08 A - Caso clínico com coroas em In Ceram Alumina finalizado...23 FIGURA 09 - Modelo de trabalho, infraestrutura de prótese parcial fixa de três elementos em sistema Procera Alumina. Prova clínica da infraestrutura. Prótese parcial fixa finalizada no modelo do trabalho. Caso clínico finalizado...24 FIGURA 10 - Modelo de trabalho de um caso de prótese parcial fixa de três elementos e coroa unitária do elemento 1.4. Infraestrutura da prótese parcial fixa e copping em Cerec Alumina...25

6 FIGURA 10 A - Resultado clínico...25 FIGURA 11 - Infraestrutura sintetizada, no modelo de trabalho pronta para prova clínica. Prova clínica da infraestrutura em zircônia do sistema Lava. Prótese parcial fixa de três elementos finalizada no modelo de trabalho. A infraestrutura recebeu cerâmica de cobertura. Prótese parcial fixa finalizada...26 FIGURA 11 A - Resultado final mostrando excelente qualidade e harmonização estética...27 FIGURA 12 - Prótese pacial fixa com infraestrutura em Procera finalizada, após a aplicação feldspática de cobertura...27 FIGURA 13 - Modelo de trabalho troquelizado e recortado. Secção em bloco, objetivando minimizar distorções, devido à impossibilidade de soldagem. Infraestrutura em In Ceram Zircônia. Prova clínica da infraestrutura. Caso finalizado...28

7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO RETROSPECTIVA DA LITERATURA Uma breve revisão histórica Cerâmicas Metal-free Cerâmicas Feldspáticas Convencionais Cerâmicas Feldspáticas com alto teor de leucita Sistema IPS Empress (Invoclar Vivadent, Liechtenstein) Cerâmicas de Dissilicato de Lítio Sistema IPS-Empress II (Ivoclar Vivadent, Liechtenstein) Sistema IPS E.Max (Ivoclar Vivadent, Liechtenstein) Sistemas cerâmicos prensados e fresados Sistemas CAD-CAM Cerâmicas Alumizadas Cerâmicas à base de zircônia PROPOSIÇÃO DISCUSSÃO CONCLUSÃO...33 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...35

8 7

9 8 1 INTRODUÇÃO A limitação estética das restaurações com base nas metalocerâmicas impulsionou o desenvolvimento de novos materiais de infraestrutura totalmente cerâmicos. Nos últimos anos, novos sistemas cerâmicos com melhores propriedades mecânicas e principalmente estéticas têm sido introduzidos no mercado. Deste modo, as restaurações cerâmicas vêm substituindo cada vez mais as restaurações convencionais com infraestrutura metálica, principalmente, devido a sua superioridade estética. Mas, apesar das ótimas qualidades estéticas, é preciso avaliar a resistência, estabilidade de cor e precisão de adaptação marginal para o sucesso do tratamento restaurador. A cerâmica preenche todos os critérios necessários exigidos para um material restaurador, ótimas qualidades estéticas, propriedades biológicas, mecânicas e funcionais. Com a evolução dos materiais cerâmicos, buscou-se a substituição do metal com a fim de melhorar as qualidades estéticas. O interesse por materiais mais estéticos na odontologia restauradora tem proporcionado um aprimoramento das cerâmicas e de suas propriedades. Pois, além de garantirem um resultado estético excelente, elas apresentam vantagens incontestáveis como a estabilidade de cor, biocompatibilidade, resistência ao manchamento e ao desgaste. Diante da gama de materiais cerâmicos disponíveis no mercado, torna-se importante questionar qual melhor material a ser indicado ao paciente. A principal hipótese para a questão é que com todo o processo evolutivo das cerâmicas odontológicas, é imprescindível que o profissional saiba quais os tipos, indicações, vantagens e desvantagens de cada sistema cerâmico para que o mesmo possa oferecer um tratamento reabilitador mais adequado para seu paciente. O interesse dos pacientes por tratamentos mais estéticos estimula profissionais de odontologia a buscar melhores materiais restauradores. Essa busca desencadeou uma revolução industrial e tecnológica e consequentemente apontou uma gama de opções restauradoras livres de metal, pois as cerâmicas foram desenvolvidas com intuito de atender a demanda por materiais mais estéticos e resistentes. Porém com tantas opções é possível haver dúvidas para decidir sobre qual alternativa a ser utilizada. Sendo assim, este estudo, justifica-se pela necessidade de avaliar, por meio de uma revisão de literatura, os sistemas

10 9 cerâmicos livres de metal, além de classificar, de forma objetiva, os sistemas cerâmicos utilizados em restaurações com cerâmicas metal-free, verificando as vantagens e desvantagens de cada um deles.

11 10 2 RETROSPECTIVA DA LITERATURA 2.1 Uma breve revisão histórica A procura dos pacientes por tratamentos de reabilitação em excelência estética, bem como o desejo dos profissionais da Odontologia em buscar melhores soluções protéticas, tem motivado, nos últimos tempos, o melhoramento dos materiais restauradores. Consequentemente, a Odontologia restauradora passou por uma revolução industrial e tecnológica, possibilitando aos cirurgiões dentistas opções restauradoras com alta eficiência (SPAGNOL, 2008). O emprego das porcelanas na Odontologia está relacionado ao progresso dos materiais e das técnicas restauradoras. A porcelana surgiu na China 1000 anos D.C., mas era valorizada apenas como peça de arte. Somente há 200 anos é que foi apontada para uso odontológico, por Alexis Duchateau, no intuito de melhorar a sua estética, substituiu a sua prótese confeccionada com dentes de hipopótamo, por dentes cerâmicos (CHAIN et al., 2000). Noort (2004) discorre que Charles Henry Land, após vários experimentos com materiais cerâmicos, projetou um método de manuseio de inlays cerâmicos, confeccionados sobre uma lâmina de platina. Ainda que a realização tenha sido bem sucedida, a sua aplicação foi bastante limitada, já que as técnicas de cocção da porcelana ainda não estavam totalmente dominadas e esclarecidas e as técnicas de fixação das coroas sobre seus preparos eram apenas por justaposição dos cimentos. Com a invenção do forno elétrico e da porcelana de baixa fusão em 1898, Land, pode realizar a construção de coroas totalmente cerâmicas sobre uma lâmina de platina. Porém, apenas em 1903, após o aperfeiçoamento das cerâmicas fundidas a altas temperaturas, é que foi possível a introdução das coroas de jaqueta de porcelana, abrindo de forma definitiva a entrada da cerâmica na Odontologia restauradora. Para Chain et al. (2000), a indústria cinematográfica de Hollywood, como exigia cada vez mais um belo sorriso de seus artistas, contribuiu para os avanços odontológicos. A exigência do sorriso mais bonito fez com que, no início da década de 30, Charles Pincus desenvolvesse e restaurasse o sorriso de alguns artistas, utilizando-se de finas lâminas de cerâmica fixadas aos dentes por um pó adesivo.

12 11 Ao longo dos anos, muitos pesquisadores buscaram minimizar essas deficiências estruturais. Em meados da década de 50, introduziu-se a técnica da infraestrutura metálica para promover um suporte para o material cerâmico, com o intuito de reforçar as restaurações cerâmicas. Surgiram, assim, as coroas metalocerâmicas, com uma subestrutura metálica na forma de um coping, tornando as restaurações compostas metalcerâmica mais resistente. Para tanto, utiliza-se uma porcelana opaca, cujo papel é impedir que a luz atingisse a superfície do metal, que se torna mais crítica quando associada à translucidez cada vez maior das cerâmicas, causando a redução da qualidade estética. Essa modalidade de restauração foi, então, conquistando cada vez mais adeptos, pois preenche os quesitos estéticos, biológicos, mecânicos e funcionais exigidos de um material restaurador, além da resistência ao manchamento e ao desgaste (OLIVEIRA, 2012). Estruturalmente, as cerâmicas sofreram modificações, com a finalidade de se tornarem mais resistentes, podendo ser utilizadas como materiais restauradores, dispensando infraestrutura metálica de suporte (SPAGNOL, 2008). Para Kina (2005), muito se tem estudado sobre alternativas para o fortalecimento das estruturas cerâmicas de coroas e pontes com objetivo de minimizar o risco de fraturas e outros insucessos, sem a necessidade da utilização de subestruturas metálicas. Segundo Martins et al. (2010), houve uma busca por sistemas totalmente cerâmicos, livres de estruturas metálicas, capazes de promover uma melhor distribuição da reflexão da luz e, consequentemente, uma melhor estética. Neste sentido, Bottino et al. (2001) apontaram que o maior benefício das restaurações livres de metal é admitir uma melhor transmissão de luz através das estruturas dentais. Peixoto & Akaki (2008) discutiram que muitos sistemas cerâmicos têm sido desenvolvidos, devido às suas qualidades ópticas superiores e de suas propriedades mecânicas. Porém, há diferenças entre as várias classes de materiais, prova disso, é que vários tipos são utilizados em diversas indicações clínicas. Como exemplo, as cerâmicas à base de sílica, como as porcelanas feldspáticas, oferecem excelentes qualidades ópticas e, em detrimento disso, são aplicadas em situações em que exige mais estética. Contudo, por causa de sua menor resistência, elas devem ser reforçadas por uma subestrutura metálica ou por cimentação adesiva. Em função dos problemas estéticos causados pela dificuldade da passagem de luz das

13 12 próteses metalo-cerâmicas, foram desenvolvidas novas tecnologias para produzir materiais cerâmicos com resistência suficiente para serem empregados em próteses fixas, sem a necessidade de haver o substrato metálico. Atualmente, estes problemas foram amenizados com a chegada dos novos sistemas, como as cerâmicas In-ceram Alumina, In-Ceram Zircônia e o Sistema Procera, que proporcionam boa perspectiva clínica. De acordo com os procedimentos laboratoriais de fabricação, as cerâmicas são divididas em cinco categorias: cerâmicas convencionais, fundidas, prensadas, infiltradas e computadorizadas. As cerâmicas feldspáticas ou convencionais são constituídas basicamente de feldspato, quartzo e caulim. Apresentam-se sob forma de pó, que é misturado com água destilada ou outro veículo apropriado, sendo então esculpidas em camadas, sobre um troquel refratário, lâmina de platina ou sobre uma liga metálica (CHAIN et al., 2000). As cerâmicas fundidas consistem em barras cerâmicas sólidas, as quais utilizam a técnica da cera perdida e centrífuga para fundição na confecção das restaurações. As cerâmicas prensadas, por sua vez, vêm na forma de blocos sólidos de cerâmica, fundidas sob alta temperatura e pressionadas dentro dos moldes criados pela técnica da cera perdida. As cerâmicas computadorizadas são confeccionadas a partir de blocos cerâmicos, usinados por meio de um sistema computadorizado (sistema CAD-CAM, computeraided-design - computer-aidedmanufacturing). E, finalmente, as cerâmicas infiltradas são compostas por dois componentes: pó (óxido de alumínio ou corpo), o qual é fabricado como substrato poroso e um vidro, geralmente composto por porcelana feldspática, que é infiltrado dentro do substrato poroso em alta temperatura (PAGANI et al., 2003). 2.2 Cerâmicas Metal-free Com o objetivo de excluir a necessidade do emprego de um coping metálico e melhorar a resistência, a fim de possibilitar a confecção de restaurações mais estéticas e semelhantes à estrutura dentária, desenvolveram-se as cerâmicas metal-free (FIG. 01). Foi uma busca incessante por material restaurador ideal, visando preencher as necessidades clínicas, técnicas e estéticas dos pacientes. A cultura do sorriso branco e perfeito, que se associa à saúde e à beleza, acabou

14 13 alavancar e estimular o desenvolvimento de sistemas totalmente cerâmicos (OLIVEIRA, 2012). FIGURA 01 Coroas totais de cerâmica pura Fonte: OLIVEIRA (2012) Peixoto & Akaki (2008) afirmam que próteses livres de metal apontam ao sucesso clínico, funcional e estético, embora necessitem de boa indicação e confecção. Bem como, garantem Rosa et al. (2001) que os sistemas cerâmicos disponíveis atualmente no mercado apresentam vantagens significativas sobre as próteses metalocerâmicas. Dentre elas, o fato das próteses livres de metal não possuírem zona de sombreamento na região cervical e de não apresentarem correntes galvânicas, contribuindo para a manutenção da saúde periodontal e pulpar. As vantagens estéticas são ainda maiores, principalmente pela translucidez que podem oferecer. O quadro a seguir (FIG 02) resume os sistemas cerâmicos livres de metal, bem como suas indicações, os tipos cerâmicos e as principais marcas comerciais (FIG 02 A). FIGURA 02 Quadro resumo dos principais sistemas cerâmicos livres de metal e suas indicações. Fonte: OLIVEIRA (2012).

15 14 FIGURA 02 A Quadro resumo dos tipos de cerâmicas e as principais marcas comerciais. Fonte: OLIVEIRA (2012) Cerâmicas Feldspáticas Convencionais A porcelana é apresentada comercialmente em forma de pó, tendo como principais componentes quartzo (representa a fase cristalina e tem a função de reforçar a estrutura cerâmica); o feldspato (responsável pelo escoamento e pela formação da fase vítrea em detrimento da união com os óxidos metálicos durante fusão da porcelana) e óxidos metálicos (responsável por reforçar a fase vítrea) (CONCEIÇÂO, 2010). Para Oliveira (2012), as cerâmicas odontológicas convencionais, em detrimento de suas características físicas excepcionais, são classificadas como vidros. São compostas basicamente pela adição de um composto feldspático, feldspato de potássio ou sódico e por sílica. A obtenção do material cerâmico ocorre a partir da fusão de óxidos em temperaturas elevadas. A translucidez do material é decorrente exatamente da matriz vítrea, ao passo que a resistência advém dos núcleos cristalinos. Há pequena participação de alumina (AL 2 O 3 ) na composição,

16 15 porém, em baixas concentrações, com o objetivo de apenas melhorar a resistência do material. Ainda para o autor, embora as cerâmicas feldspáticas convencionais apresentem algumas deficiências, como sua fragilidade por serem friáveis pelo seu baixíssimo módulo de elasticidade, depois de cimentadas adesivamente, apresentam um aumento de resistência. Para tanto, faz-se necessário preparos mais invasivos, para ter uma espessura de material restaurador suficiente para suportar os esforços mastigatórios habituais. Segundo Kina (2005), as qualidades mecânicas das cerâmicas feldspáticas convencionais apresentam comportamento pouco plástico, com propriedades tensionais precárias, tornando-as um material com baixa maleabilidade e sensivelmente friável, sendo contra indicado em regiões de suporte de carga ou stress mastigatório. Desta forma, diferentes mecanismos foram considerados para melhorar suas características, reduzindo seu potencial de falhas sobre stress. Tradicionalmente estes mecanismos envolvem o fortalecimento das estruturas cerâmicas através de um suporte interno, que apresente resistência adequada e união efetiva às suas estruturas, de modo a transmitir as tensões de um substrato a outro. As porcelanas feldspáticas (FIG. 03) oferecem excelentes qualidades ópticas e são, por isso, aplicadas em situações que requer mais estética. Porém, devida sua menor resistência, elas necessitam de reforço metálico em sua subestrutura ou de cimentação adesiva. Mas, em detrimento problemas estéticos causados pela dificuldade de passagem de luz nas próteses metalo-cerâmicas é que foram desenvolvidas novas tecnologias na produção de materiais cerâmicos, que sejam resistentes para serem aplicados em próteses fixas sem necessidade de substrato metálico (ROSA; GRESSLER, 2001). FIGURA 03 Facetas Laminadas de cerâmica Feldspática Convencional Fonte: OLIVEIRA (2012).

17 16 Ao longo dos anos, são estudadas alternativas para o fortalecimento das estruturas cerâmicas para coroas e pontes com objetivo de minimizar o risco de fraturas e outros insucessos, sem a necessidade da utilização de subestruturas metálicas. Um grande avanço foi o surgimento das técnicas de tratamento e adesão de superfícies cerâmicas, que possibilitaram que cerâmica vítrea pudesse ser colada efetivamente a estruturas dentárias através de sistemas adesivos, utilizando assim o próprio preparo dentário como reforço de sua estrutura, o que garantiu a otimização na utilização de técnicas como laminados cerâmicos, inlays, onlays e coroas unitárias, embora não resolvesse efetivamente seus problemas mecânicos. (KINA, 2005). Atualmente, ainda são empregadas as cerâmicas feldspáticas convencionais em restaurações de cerâmica pura, devido aos benefícios da cimentação adesiva, preferencialmente em restaurações parciais em dentes posteriores e anteriores, inlays/onlays e facetas laminadas, respectivamente. Embora com excelentes propriedades estéticas, as coroas cerâmicas feldspáticas convencionais são significativamente inferiores aos sistemas mais modernos, tanto aquelas que empregam um coping cerâmico de alumina ou zircônia, quanto os sistemas que trabalham com cerâmicas feldspáticas reforçadas. As cerâmicas reforçadas se caracterizam basicamente por acrescentar uma maior quantidade da fase cristalina em relação à cerâmica feldspática convencional. Diversos cristais têm sido empregados, como a alumina, a leucita, o dissilicato de lítio e a zircônia, os quais atuam como bloqueadores da propagação de fendas quando a cerâmica é submetida a tensões (OLIVEIRA, 2012) Cerâmicas Feldspáticas com alto teor de leucita Sistema IPS Empress (Invoclar Vivadent, Liechtenstein) A leucita pode ser utilizada em trabalhos com metal ou livres de metal, por se tratar de um mineral com alto coeficiente de expansão térmica que age como uma fase de reforço, conferindo uma maior resistência flexural (GOMES et al., 2008). Craig & Powers (2004) afirmam que o aumento em peso de leucita em 45% gera um alto coeficiente de contração térmica provocando tensões de

18 17 compressão, assim, essas tensões podem agir como barreiras de rachaduras, aumentando a resistência da fase vítrea. De acordo com Oliveira (2012), a primeira geração do sistema (IPS Empress), é uma cerâmica feldspática reforçada com cristais de leucita (FIG. 04), essa adição mostrou-se eficaz na prevenção e propagação de trincas internas na matriz vítrea, tornando a cerâmica mais resistente e mantendo um padrão de excelência de características ópticas das feldspáticas. FIGURA 04 - Cerâmicas Feldspáticas com alto teor de leucita Facetas laminadas em sistema IPS Empress (1ª geração). Fonte: OLIVEIRA (2012). Esse sistema baseia-se na técnica de cera perdida, com o uso de um vidro injetado, em que pastilhas de vidro pré-ceramizados na cor desejada são derretidas e injetadas sob pressão hidrostática a vácuo dentro do material de revestimento, permitindo um excelente grau de adaptação da restauração cerâmica ao preparo protético. Dessa forma, as restaurações são alcançadas por completo em relação à sua morfologia e aos contornos finais, porém, sem características estéticas e cor, que são obtidas por meio de maquiagem e pintura. Embora este sistema esteja disponível em várias tonalidades, ela tem a limitação de confeccionar restaurações monocromáticas (CHAIN et al., 2000; OLIVEIRA, 2012). Peixoto & Akaki (2008) discorrem que o sistema IPS-Empress é suficiente para dispensar a infraestrutura metálica, apresentando melhor translucidez, brilho e dispersão de luz. É um sistema biocompatível e possui radiopacidade e capacidade abrasiva compatível com os dos dentes naturais. Houve uma evolução no resultado estético final, em detrimento dos avanços no processo laboratorial de obtenção associado a uma melhoria na composição básica das pastilhas de cerâmica, com a incorporação de cristais de

19 18 leucita menores e distribuídos homogeneamente, melhorando assim, os aspectos mecânicos e os níveis de translucidez. Sendo indicado em facetas laminadas, inlays/onlays e coroas totais (OLIVEIRA, 2012) Cerâmicas de Dissilicato de Lítio Sistema IPS-Empress II (Ivoclar Vivadent, Liechtenstein) É um tipo de cerâmica aquecida e prensada para confecção de próteses. Um exemplo desta é o sistema IPS-Empress II é basicamente a porcelana vítrea de dissilicato de lítio, com teor cristalino superior a 60 % em volume, que apresenta resistência flexural de aproximadamente 350MPa (PEIXOTO & AKAKI, 2008). Suas propriedades proporcionam um material com maior resistência flexural após o procedimento de prensagem e aumenta a tenacidade do material. Está indicado para coroas em geral. As porcelanas feldspáticas reforçadas com leucita, juntamente àquelas a base de dissilicato de lítio, são igualmente classificadas em vidros ceramizados prensados (DENRY, 2004). A incorporação de dissilicato de lítio garantiu melhor resistência à flexão. Os cristais de dissilicato de lítio se dispõem dispersos e entrelaçados na matriz vítrea, aumentando capacidade de prevenir a propagação de trincas. Este sistema tem indicações mais abrangentes, pois pode atuar como uma subestrutura na forma de um coping, recebendo uma cerâmica de cobertura, ou mesmo atuar como restauração de contornos finais, como na geração anterior, recebendo maquiagem. Salienta-se a excelência estética, principalmente, em propriedades ópticas, apresentando restaurações com aparência muito próxima dos dentes naturais. Indicados em sistemas cerâmicos inlays/onlays, próteses parciais e fixas múltiplas três elementos, idealmente até segundo pré-molares (OLIVEIRA, 2012). Chain et al. (2000) apontam que a vantagem de se utilizar cristais de lítio dissilicato é o fato de estes possuírem um índice de refração semelhante ao da matriz vitrosa, o que permite que se aumente seu volume em até 60% sem perder a translucidez e, consequentemente, alterar a estética, como acontecia com o sistema IPS-Empress quando se aumentava o volume de cristais de leucita além de 40 %. A figura 05 exemplifica um caso em que o paciente apresentava os quatro incisivos superiores extensamente restaurados com resina composta, comprometendo sobremaneira a estética do sorriso, já a figura 05 A, apresenta o caso já finalizado

20 19 onde foram realizadas quatro coroas totais com cerâmica de dissilicato de lítio em sistema IPS-Empress II. FIGURA 05 Incisivos superiores restaurados com resina composta. Fonte: OLIVEIRA (2012) FIGURA 05 A Caso finalizado. Coroas totais em sistema IPS Empress II. Fonte: OLIVEIRA (2012) Sistema IPS E.Max (Ivoclar Vivadent, Liechtenstein) Este sistema permite a confecção de todos os tipos de restaurações, pois foi melhorado com a incorporação de dissilicato de lítio (IPS e.max Press), dando continuidade a técnica da cera perdida e desenvolvendo outro tipo de pastilha cerâmica, com fluorapatita (IPS e.max ZirPress) para ser sobreinjetada sobre infraestruturas de zircônia (OLIVEIRA, 2012). Carvalho et al. (2012) dispõe que a cerâmica IPS e.max Press apresenta duas fases cristalinas e uma fase vítrea em sua composição; a fase cristalina principal é formada por cristais alongados de dissilicato de lítio e a segunda fase é composta por ortofosfato de lítio, a matriz vítrea envolve ambas as fases cristalinas. Restaurações com o sistema IPS e.max Press exibem uma taxa de sobrevida variando de 96% em quatro anos e meio para 91% em sete anos. A fratura frágil de

21 20 um material normalmente é iniciada num defeito interno ou de superfície na forma de microtrincas que agem como concentradoras de esforços. A fase cristalina é geralmente mais resistente do que a fase vítrea, por isso a trinca normalmente se originará na fase vítrea. A dimensão destas microtrincas pode ser limitada pela distância entre os cristais. Oliveira (2012) salienta que há possibilidade de trabalho com a tecnologia CAD/CAM. Estão disponíveis blocos de cerâmica para serem processados (IPS e.max CAD, à base de dissilicato de lítio, e IPS e.max ZirCAD, à base de óxido de zircônia). No processamento CAD/CAM é empregada a tecnologia CEREC in Lab (Sirona, Alemanha), em que quando são empregados, por exemplo, blocos IPS e.max CAD, há possibilidade de condicionamento ácido e silanização, permitindo a adesão da restauração quando cimentada. Objetivando atender a todos o sistema IPS e.max, desenvolveu-se a cerâmica IPS e.max CERAM, à base de nanofluorapatita, a fim de estratificar todo tipo de infraestrutura, abrangendo todo espectro de indicações protéticas. A figura 06 é um exemplo de facetas laminadas e coroa total em sistema IPS e.max CAD, representa o processo de prova das facetas laminadas, acabamento e retoques no contorno e perfil de emergência, recorte com disco diamantado da borda incisal para estabelecer espaço de aplicação da camada de cerâmica com efeitos de opalescência e elevada translucidez e as facetas antes e depois da glaze final, e a figura 06 A restaurações cerâmicas finalizadas. FIGURA 06 Facetas laminadas e coroa total em sistema IPS e.max CAD. Prova das facetas laminadas. Acabamento e retoques. Facetas laminadas finalizadas, antes e depois do glaze final. Fonte: OLIVEIRA (2012).

22 21 FIGURA 06 A Restaurações cerâmicas em sistema IPS e.max CAD finalizadas. Fonte: OLIVEIRA (2012) Sistemas cerâmicos prensados e fresados Sistemas CAD-CAM Chain et al. (2000) pontuam que este sistema utiliza-se de pequenos blocos de vidro ceramizados e pré-prensados que são desgastados por discos ou outros instrumentos até as dimensões obtidas por uma imagem escaneada do preparo. Carvalho et al. (2012) salientam que os materiais utilizados para a fresagem da estrutura protética são blocos pré-fabricados dos seguintes materiais: cerâmica de vidro reforçada com Leucita, alumina reforçada com vidro, alumina densamente sinterizada, Zircônia Tetragonal Policristalina estabilizada por Itrio (Y- TZP) com sinterização (parcial ou total), titânio, ligas preciosas, ligas não-preciosas e acrílicos de resistência reforçada. Existem três fases: primeira, aquisição dos dados informativos sobre a morfologia dos preparos chamada de escaneamento (ótica, mecânica ou laser); segunda, um Software para elaboração dos dados obtidos e para as aplicações do procedimento de fresagem; e a terceira fase, uma máquina automática, que seguindo as informações do software, produz a peça a partir dos blocos do material desejado. A principal vantagem deste sistema é a possibilidade de trabalhar com materiais muito resistentes, como a zircônia, uma vez que atualmente, a zircônia é a cerâmica mais resistente disponível para utilização em odontologia. Conceição (2010) ressalta que a tecnologia CAD/CAM associada às restaurações de cerâmicas permite a confecção de restaurações tipo inlay/onlay, laminados, coroas unitárias muitas vezes em apenas uma sessão clínica, diminuindo ou evitando a fase laboratorial. O emprego desta tecnologia apresenta resultados positivos, embora o custo ainda seja bastante elevado. Entretanto, no futuro com

www.laboratoriojulio.com.br TELEFAX: (11) 3082-0306 R. Navarro de Andrade, 155 Pinheiros São Paulo SP CEP 05418-020

www.laboratoriojulio.com.br TELEFAX: (11) 3082-0306 R. Navarro de Andrade, 155 Pinheiros São Paulo SP CEP 05418-020 O Laboratório Julio utiliza produtos com qualidade garantida: www.laboratoriojulio.com.br TELEFAX: (11) 3082-0306 R. Navarro de Andrade, 155 Pinheiros São Paulo SP CEP 05418-020 V I S Ã O & I N S P I R

Leia mais

RESTAURAÇÕES TOTALMENTE CERÂMICAS: CARACTERÍSTICAS, APLICAÇÕES CLÍNICAS E LONGEVIDADE

RESTAURAÇÕES TOTALMENTE CERÂMICAS: CARACTERÍSTICAS, APLICAÇÕES CLÍNICAS E LONGEVIDADE RESTAURAÇÕES TOTALMENTE CERÂMICAS: CARACTERÍSTICAS, APLICAÇÕES CLÍNICAS E LONGEVIDADE Luís Henrique Araújo Raposo Letícia Resende Davi Paulo Cézar Simamoto Júnior Flávio Domingues das Neves Paulo Vinícius

Leia mais

SISTEMAS CERÂMICOS SEM METAL

SISTEMAS CERÂMICOS SEM METAL 1 ETEC PHILADELPHO GOUVÊA NETTO LESSANE CARLA LOZANO SISTEMAS CERÂMICOS SEM METAL SÃO JOSÉ DO RIO PRETO 2009 2 ETEC PHILADELPHO GOUVÊA NETTO LESSANE CARLA LOZANO SISTEMAS CERÂMICOS SEM METAL Trabalho de

Leia mais

Cercon CAD/CAM. Soluções Flexíveis, econômicas, prontas para o futuro

Cercon CAD/CAM. Soluções Flexíveis, econômicas, prontas para o futuro Cercon CAD/CAM Soluções Flexíveis, econômicas, prontas para o futuro O que você considera mais importante ao investir em soluções de CAD/CAM? Flexibilidade Quão importante é a flexibilidade para produção

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Ciências da Saúde Departamento de Odontologia EMANUELLE DE CARLI

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Ciências da Saúde Departamento de Odontologia EMANUELLE DE CARLI UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Ciências da Saúde Departamento de Odontologia EMANUELLE DE CARLI RESTAURAÇÕES CERÂMICAS DE ZIRCÔNIO: UMA REVISÃO MARINGÁ 2006 2 EMANUELLE DE CARLI RESTAURAÇÕES

Leia mais

Nós acreditamos. Conheça o seu novo laboratório!

Nós acreditamos. Conheça o seu novo laboratório! Nós acreditamos. Conheça o seu novo laboratório! Bons profissionais procuram bons parceiros e fornecedores. Trabalhar com profissionais diferenciados, prestando serviços de alta qualidade é a nossa prioridade.

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS ZIRCÔNIA COMO MATERIAL DE ESCOLHA PARA INFRA-ESTRUTURA DE PRÓTESES FIXAS REVISÃO DE LITERATURA

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS ZIRCÔNIA COMO MATERIAL DE ESCOLHA PARA INFRA-ESTRUTURA DE PRÓTESES FIXAS REVISÃO DE LITERATURA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS BRUNO SEEMANN VIEIRA ZIRCÔNIA COMO MATERIAL DE ESCOLHA PARA INFRA-ESTRUTURA DE PRÓTESES FIXAS REVISÃO DE LITERATURA Florianópolis, 2011 BRUNO SEEMANN VIEIRA

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso

Trabalho de Conclusão de Curso Trabalho de Conclusão de Curso Tecnologia CAD/CAM Odara Íris Petter Universidade Federal de Santa Catarina Curso de Graduação em Odontologia UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA

Leia mais

TIOMI SUGUIURA MAKINO INDICAÇÕES E AS PROPRIEDADES DO SISTEMA EMPRESS

TIOMI SUGUIURA MAKINO INDICAÇÕES E AS PROPRIEDADES DO SISTEMA EMPRESS TIOMI SUGUIURA MAKINO INDICAÇÕES E AS PROPRIEDADES DO SISTEMA EMPRESS CAMPO GRANDE 2011 TIOMI SUGUIURA MAKINO INDICAÇÕES E AS PROPRIEDADES DO SISTEMA EMPRESS Trabalho apresentado ao curso de pósgraduação

Leia mais

Marcação dos contatos: Ajuste interno e dos contornos proximais: Carbono líquido ou Base leve silicone e carbono Accufilm;

Marcação dos contatos: Ajuste interno e dos contornos proximais: Carbono líquido ou Base leve silicone e carbono Accufilm; DEFINIÇÃO AJUSTES E CIMENTAÇÃO Desgaste e polimento necessários para o correto assentamento da peça protética sobre o preparo, garantindo o vedamento marginal e um adequado equilíbrio de contatos proximais

Leia mais

CURSO EXTENSIVO DE ENCERAMENTO E CERÂMICA

CURSO EXTENSIVO DE ENCERAMENTO E CERÂMICA Dr. Dario Adolfi Dr. Ivan Ronald Huanca Duração: 6 meses/módulos de 2 dias. Datas: 11 e 12 de março de 2010 8 e 9 de abril de 2010 13 e 14 de maio de 2010 17 e 18 de junho de 2010 15 e 16 de julho de 2010

Leia mais

CEREC. Feito para inspirar.

CEREC. Feito para inspirar. SOLUÇÕES CAD/CAM PARA O dentista CEREC. Feito para inspirar. sirona.com.br CEREC NO CONSULTÓRIO: CLINICAMENTE SEGURO. Mais de 28 anos de experiência por um bom motivo: tudo está sob seu controle com CEREC,

Leia mais

Próteses Straumann CARES. Mais que eficiência. Soluções efetivas para seu fluxo de trabalho.

Próteses Straumann CARES. Mais que eficiência. Soluções efetivas para seu fluxo de trabalho. Próteses Straumann CARES Mais que eficiência. Soluções efetivas para seu fluxo de trabalho. PRÓTESES STRAUMANN CARES Experimente as soluções protéticas com Straumann CARES O mercado de restaurações dentárias

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PRÓTESE DENTÁRIA 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: a) Tratamento endodôntico. b) Perda da estrutura

Leia mais

Injete essa Idéia. WOLCAM PRESS Inject Sistem SISTEMA DE CERÂMICA PRENSADA

Injete essa Idéia. WOLCAM PRESS Inject Sistem SISTEMA DE CERÂMICA PRENSADA Injete essa Idéia WOLCAM PRESS Inject Sistem SISTEMA DE CERÂMICA PRENSADA www.wolcampress.com.br 0xx62 3210 3671 Manual Técnico CTO-Central de cursos- 0xx19 3405 6545 www.overtec.com.br Índice: I. Sistema

Leia mais

ESTÁGIO ATUAL DAS CERÂMICAS ODONTOLÓGICAS EARLY STAGE OF ODONTOLOGIC CERAMICS

ESTÁGIO ATUAL DAS CERÂMICAS ODONTOLÓGICAS EARLY STAGE OF ODONTOLOGIC CERAMICS ARTIGO DE REVISÃO / Review Article ESTÁGIO ATUAL DAS CERÂMICAS ODONTOLÓGICAS EARLY STAGE OF ODONTOLOGIC CERAMICS Cátia Maria Fonseca GUERRA 1 Cristiana Abrantes da Fonte NEVES 2 Elvia Christina Barros

Leia mais

Laminados cerâmicos - relato de caso. Ceramic laminates - case report

Laminados cerâmicos - relato de caso. Ceramic laminates - case report 246 COLUNA VISÃO CLÍNICA Laminados cerâmicos - relato de caso Ceramic laminates - case report Weider Silva 1 Moises Cronemberger 2 Gil Montenegro 3 Lêndiel Olímpio 4 Tarcísio Pinto 5 Resumo Os parâmetros

Leia mais

SEQUÊNCIA DE POLIMENTO DE CERÔMEROS

SEQUÊNCIA DE POLIMENTO DE CERÔMEROS SEQUÊNCIA DE POLIMENTO DE CERÔMEROS Dr. Alex Antônio Maciel de Oliveira Especialista em Implantodontia Consultor científico do Sistema Friccional de Implantes Kopp Contato: alexamaciel@hotmail.com Nos

Leia mais

Metalocerâmica, IPS Empress I, II e IPS e.max: uma revisão de literatura.

Metalocerâmica, IPS Empress I, II e IPS e.max: uma revisão de literatura. 0 Instituto de Ciências da Saúde FUNORTE/SOEBRAS Nilton Campos Junior Metalocerâmica, IPS Empress I, II e IPS e.max: uma revisão de literatura. Lages, 2011. 1 Nilton Campos Junior Metalocerâmica, IPS Empress

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 55

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 55 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 55 QUESTÃO 17 A Prótese Dentária é considerada uma especialidade odontológica de rico intercâmbio com as outras especialidades da odontologia. Esse intercâmbio

Leia mais

APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO SISTEMA CAD/CAM

APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO SISTEMA CAD/CAM APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL Data: 24 a 27 de novembro de 2015 Atualmente existe uma forte tendência no mercado mundial sobre os Sistemas CAD/CAM. A proposta deste programa é brindar-lhes com toda

Leia mais

HEITOR DE ALMEIDA SOUZA COROAS TOTAIS METAL-FREE EM DENTES ANTERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO

HEITOR DE ALMEIDA SOUZA COROAS TOTAIS METAL-FREE EM DENTES ANTERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO HEITOR DE ALMEIDA SOUZA COROAS TOTAIS METAL-FREE EM DENTES ANTERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO Londrina 2013 HEITOR DE ALMEIDA SOUZA COROAS TOTAIS METAL-FREE EM DENTES ANTERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO

Leia mais

LETÍCIA CAROLINA SAMPAIO REABILITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DE DENTES ANTERIORES POR MEIO DE COROAS TOTALMENTE CERÂMICAS: RELATO DE CASO CLÍNICO

LETÍCIA CAROLINA SAMPAIO REABILITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DE DENTES ANTERIORES POR MEIO DE COROAS TOTALMENTE CERÂMICAS: RELATO DE CASO CLÍNICO LETÍCIA CAROLINA SAMPAIO REABILITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DE DENTES ANTERIORES POR MEIO DE COROAS TOTALMENTE CERÂMICAS: RELATO DE CASO CLÍNICO Londrina 2014 LETÍCIA CAROLINA SAMPAIO REABILITAÇÃO ESTÉTICA

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Adriana Cláudia de Oliveira

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Adriana Cláudia de Oliveira Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Adriana Cláudia de Oliveira A tecnologia CAD/CAM e a importância das linhas de referências Faciais na busca da e estética CURITIBA 2010 Adriana

Leia mais

Catálogo. Linha Laboratorial. Fotos meramente ilustrativas. Máxima qualidade em produtos odontológicos nacionais e importados

Catálogo. Linha Laboratorial. Fotos meramente ilustrativas. Máxima qualidade em produtos odontológicos nacionais e importados Catálogo Linha Laboratorial Fotos meramente ilustrativas. Máxima qualidade em produtos odontológicos nacionais e importados Creation CC Cerâmica feldspática para aplicação sobre refratário e ligas metálicas

Leia mais

Técnicas de fundição. Técnicas De Fundição. Page 1 1. Odontologia: tem por função restituir ao dente: Saúde Forma Função Estética

Técnicas de fundição. Técnicas De Fundição. Page 1 1. Odontologia: tem por função restituir ao dente: Saúde Forma Função Estética Disciplina Titulo da aula Expositor Slides 34 Materiais Dentários I Técnicas de fundição Prof. Dr. Eclérion Chaves Duração Aproximadamente 1:30 Plano de aula Publicado em: http://usuarios.upf.br/~fo/disciplinas/materiais%20dentarios/materiais1.htm

Leia mais

ConScientiae Saúde ISSN: 1677-1028 conscientiaesaude@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil

ConScientiae Saúde ISSN: 1677-1028 conscientiaesaude@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil ConScientiae Saúde ISSN: 1677-1028 conscientiaesaude@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Romão, Waldyr; Rosa de Oliveira, Flávio Sistemas cerâmicos reforçados e suas indicações ConScientiae Saúde,

Leia mais

Cerâmicas odontológicas: o estado atual. (Ceramic in dentistry: current situation)

Cerâmicas odontológicas: o estado atual. (Ceramic in dentistry: current situation) Cerâmica 54 (2008) 319-325 319 Cerâmicas odontológicas: o estado atual (Ceramic in dentistry: current situation) E. A. Gomes, W. G. Assunção, E. P. Rocha, P. H. Santos R. José Bonifácio, 1193, Vila Mendonça,

Leia mais

BRADENT. Alumina BRADENT. Manual Técnico. i m p o r t s

BRADENT. Alumina BRADENT. Manual Técnico. i m p o r t s BRADENT i m p o r t s Alumina Manual Técnico Rua Indochina, 201 - Jardim Fontana CEP.: 06713-030 - Cotia - SP - Brasil Tel/Fax.: 55 11 3726-5953 Mais informações no Web Site www.bradent.com.br BRADENT

Leia mais

Restabelecimento estético anterior: clareamento, facetas e coroas em cerâmica

Restabelecimento estético anterior: clareamento, facetas e coroas em cerâmica Restabelecimento estético anterior: clareamento, facetas e coroas em cerâmica Mariana Veras Godeiro Cirurgiã-dentista graduada pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN. Especialista em Dentística

Leia mais

Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível

Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível Weider Silva Especialista em Dentística. Especialista em Prótese. Especialista em Implantodontia. Professor do Curso de Especialização de Dentística

Leia mais

Laura Tagliari Costa LAMINADOS CERÂMICOS COM DIFERENTES PREPAROS DA ESTRUTURA DENTÁRIA: REVISÃO LITERÁRIA

Laura Tagliari Costa LAMINADOS CERÂMICOS COM DIFERENTES PREPAROS DA ESTRUTURA DENTÁRIA: REVISÃO LITERÁRIA 1 Laura Tagliari Costa LAMINADOS CERÂMICOS COM DIFERENTES PREPAROS DA ESTRUTURA DENTÁRIA: REVISÃO LITERÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA PUCRS PARA A OBTENÇÃO DO TÍTULO DE CIRURGIÃ-DENTISTA

Leia mais

Técnica Laboratorial Laboratory technique

Técnica Laboratorial Laboratory technique Técnica Laboratorial Laboratory technique Juliana Nerculini Alexandretti 1 Metalocerâmica do dia a dia Everyday metal-ceramic Resumo As coroas metalocerâmicas são muito utilizadas pelo fato de proporcionar

Leia mais

Harmonia. Caso Selecionado. Sidney Kina e José Carlos Romanini

Harmonia. Caso Selecionado. Sidney Kina e José Carlos Romanini Caso Selecionado Harmonia Sidney Kina e José Carlos Romanini Na busca para encontrar uma composição agradável no sorriso, alguns fatores de composição estética devem ser observados, para orientação na

Leia mais

Cimentos para cimentação

Cimentos para cimentação Curso de Auxiliar em Saude Bucal - ASB Faculdade de Odontologia - UPF Requisitos de um agente cimentante ideal Cimentos para cimentação Ser adesivo; Ser insolúvel no meio bucal; Permitir bom selamento

Leia mais

SÍNTESE QUÍMICA DE NANOCERÂMICAS VISANDO APLICAÇÕES EM ODONTOLOGIA

SÍNTESE QUÍMICA DE NANOCERÂMICAS VISANDO APLICAÇÕES EM ODONTOLOGIA Ciências da Vida - Odontologia SÍNTESE QUÍMICA DE NANOCERÂMICAS VISANDO APLICAÇÕES EM ODONTOLOGIA Moysés Barbosa de Araújo Junior 1 Alejandra Hortencia Miranda González 2 Palavras-chaves Nanocerâmicas;

Leia mais

2 Revisão da Literatura

2 Revisão da Literatura 15 2 Revisão da Literatura Com o objetivo de avaliar e comparar a resistência de materiais totalmente cerâmicos e suas terminações cervicais utilizadas na confecção de próteses fixas investigou-se na literatura

Leia mais

Classificação dos Núcleos

Classificação dos Núcleos OBJETIVO Núcleos Permitir que o dente obtenha características biomecânicas suficientes para ser retentor de uma prótese parcial fixa. Classificação dos Núcleos Núcleos de Preenchimento Núcleos Fundidos

Leia mais

SISTEMAS CERÂMICOS METAL FREE

SISTEMAS CERÂMICOS METAL FREE SISTEMAS CERÂMICOS METAL FREE Alexandre Carvalho Pedrosa 1 Orientador: Professor Francisco Girundi 2 RESUMO Os sistemas de cerâmicas atuais puras têm tido grande avanço tecnológico, permitindo o seu uso

Leia mais

APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO SISTEMA CAD/CAM

APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO SISTEMA CAD/CAM APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO SISTEMA CAD/CAM DATA à definir Atualmente existe uma forte tendência no mercado mundial sobre os Sistemas CAD/CAM. A proposta deste programa é brindar-lhes com toda

Leia mais

Resinas compostas: o estado da arte

Resinas compostas: o estado da arte Caso Selecionado Resinas compostas: o estado da arte Maurício U. Watanabe Na Odontologia atual, a resina composta é o material de eleição quando se trata de reconstruções de coroas fraturadas de dentes

Leia mais

Ponto de Contato. Reabilitação Estética Sobre Implante em Função Imediata. Aesthetic rehabilitation with implants in immediate function

Ponto de Contato. Reabilitação Estética Sobre Implante em Função Imediata. Aesthetic rehabilitation with implants in immediate function Ponto de Contato Reabilitação Estética Sobre Implante em Função Imediata Aesthetic rehabilitation with implants in immediate function José Norberto Garcia Nesello* Manoel Martin Junior** Carlos Marcelo

Leia mais

FORMAÇÃO EM IMPLANTOLOGIA E PRÓTESE FIXA

FORMAÇÃO EM IMPLANTOLOGIA E PRÓTESE FIXA 28 Maio - 2 Junho 2012 FORMAÇÃO EM IMPLANTOLOGIA E PRÓTESE FIXA curriculum v vitae curric u Prof. Dr. Fernando Almeida Phd 2006 FMDUP - Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto. Administrador

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Cibele Cândida de Almeida Kintopp

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Cibele Cândida de Almeida Kintopp UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Cibele Cândida de Almeida Kintopp SISTEMAS COMPUTADORIZADOS UTILIZADOS PARA CONFECÇÃO DE RESTAURAÇÕES PROTÉTICAS: CAD-CAM. RELATO DE CASO CLíNICO. CURITIBA 2010 Cibele Cândida

Leia mais

Coluna Visão Protética

Coluna Visão Protética Coluna Visão Protética 88 PROSTHESIS Prosthes. Lab. Sci. 2013; 2(6):88-97. L A B O R A T O R Y i n Gustavo Bertholdo 1 Elson Bertholdo 2 Eduardo Souza Junior 3 Luis Gustavo Barrote Albino 4 Thays Bertoldo

Leia mais

SOLUÇÕES CAD/CAM PARA O LABORATÓRIO DENTAL

SOLUÇÕES CAD/CAM PARA O LABORATÓRIO DENTAL SOLUÇÕES CAD/CAM PARA O LABORATÓRIO DENTAL Sistema inlab O melhor resultado estético. sirona.com.br ARTE E HABILIDADE SÃO SINÔNIMOS. A inovadora tecnologia inlab ajuda você a desenvolver ao máximo suas

Leia mais

REABILITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DO SORRISO: RELATO DE CASO CLÍNICO

REABILITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DO SORRISO: RELATO DE CASO CLÍNICO REABILITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DO SORRISO: RELATO DE CASO CLÍNICO AESTHETIC AND FUNCTIONAL REHABILITATION OF THE SMILE: A CASE REPORT Rebeca Barroso BEZERRA 1 Lívia Daniella Alves PORTELLA Pitta 2 Dayane

Leia mais

CELTRA CAD E DUO. Porcelana/Cerâmica Odontológica. Instruções de Uso. Apresentação. Composição. Indicações de Uso.

CELTRA CAD E DUO. Porcelana/Cerâmica Odontológica. Instruções de Uso. Apresentação. Composição. Indicações de Uso. Apresentação 5365410005 - CELTRA Cad FC LT A1 C14 (6PCS); ou 5365410011 - CELTRA Cad FC LT A2 C14 (1PCS) ; ou 5365410021 - CELTRA Cad FC LT A3 C14 (1PCS) ; ou 5365410025- CELTRA Cad FC LT A3 C14 (6PCS)

Leia mais

ODONTOLOGIA ESTÉTICA

ODONTOLOGIA ESTÉTICA ODONTOLOGIA ESTÉTICA O sorriso enaltece os dentes que podem assim como outros elementos da face denunciar a idade cronológica do ser humano por meio de desgastes ou mesmo pela alteração da cor. Nesse contexto,

Leia mais

SIMPLES E EFICIENTES PROCEDIMENTOS PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE DENTES NATURAIS E IMPLANTES

SIMPLES E EFICIENTES PROCEDIMENTOS PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE DENTES NATURAIS E IMPLANTES PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE Dr. Dario Adolfi Dr. Oswaldo Scopin de Andrade Dr. Maurício Adolfi Data: 7 a 11 de outubro de 2013 OBJETIVOS: Saiba como planejar uma reabilitação total e mostrar ao paciente

Leia mais

ROSÂNGELA MARIA BASEGIO MERIGHI TIPO DE PREPARO PARA LENTE DE CONTATO DENTÁRIA E FACETA LAMINADA INDIRETA.

ROSÂNGELA MARIA BASEGIO MERIGHI TIPO DE PREPARO PARA LENTE DE CONTATO DENTÁRIA E FACETA LAMINADA INDIRETA. ROSÂNGELA MARIA BASEGIO MERIGHI TIPO DE PREPARO PARA LENTE DE CONTATO DENTÁRIA E FACETA LAMINADA INDIRETA. CAMPO GRANDE - MS 2013 2 ROSÂNGELA MARIA BASEGIO MERIGHI TIPO DE PREPARO PARA LENTE DE CONTATO

Leia mais

ORIENTAÇÕES DE PREPARO DO DENTE

ORIENTAÇÕES DE PREPARO DO DENTE ORIENTAÇÕES DE PREPARO DO DENTE NEODENT DIGITAL Índice Fluxos de trabalho que se adaptam às suas necessidades 1. INFORMAÇÕES GERAIS... 04 2. OPÇÕES DE MATERIAIS RESTAURADORES... 05 A tecnologia CAD/CAM

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA SANDRA MARIA PANIZZON SPAGNOL

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA SANDRA MARIA PANIZZON SPAGNOL UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA SANDRA MARIA PANIZZON SPAGNOL ADAPTAÇÃO MARGINAL EM PRÓTESE FIXA LIVRE DE METAL PASSO FUNDO 2008 SANDRA

Leia mais

Serviços preliminares

Serviços preliminares Vazagem de modelo em gesso tipo lv Vazagem de modelo em gesso sintético colocação de gengiva em silicone (elemento) colocação de gengiva em silicone total Vazagem do modelo de transferência Montagem em

Leia mais

Aprovados sem restrições para cavidades oclusais. Diamond

Aprovados sem restrições para cavidades oclusais. Diamond Grandio SO Heavy Grandio SO Heavy Aprovados sem restrições para cavidades oclusais Com o lançamento do compósito compactável, a VOCO introduziu no mercado um material de restauração semelhante ao dente

Leia mais

Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c. Ufi Gel SC / P Ufi Gel hard / C. aplicação

Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c. Ufi Gel SC / P Ufi Gel hard / C. aplicação Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c Ufi Gel SC / P Ufi Gel hard / C O sistema reembasador para qualquer aplicação Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c O sistema reembasador para qualquer aplicação A atrofia do osso alveolar

Leia mais

Trabalho De Conclusão De Curso

Trabalho De Conclusão De Curso Trabalho De Conclusão De Curso O estado da arte dos fragmentos e lâminas cerâmicas ultrafinos na odontologia restauradora Stefani do Amaral Arcari Universidade Federal de Santa Catarina Curso de Graduação

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UNIÃO ENTRE INFRA-ESTRUTURAS DE ZIRCÔNIA E PORCELANAS DE COBERTURA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UNIÃO ENTRE INFRA-ESTRUTURAS DE ZIRCÔNIA E PORCELANAS DE COBERTURA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-graduação em Odontologia AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UNIÃO ENTRE INFRA-ESTRUTURAS DE ZIRCÔNIA E PORCELANAS DE COBERTURA LUCILIA FONSECA

Leia mais

CURSOS ICMDS PROSTODONTIA

CURSOS ICMDS PROSTODONTIA CURSOS ICMDS PROSTODONTIA OBJECTIVOS Aprimorar a pratica clinica dos profissionais que praticam Prostodontia no seu dia dia e buscam a exelência no planeamento Estético, Mock up, Metal Free, nos Preparos

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Cristina Rech Grandi Molin

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Cristina Rech Grandi Molin Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Cristina Rech Grandi Molin Adaptação marginal de infraestruturas de próteses dentossuportadas obtidas por diferentes técnicas: Revisão de literatura

Leia mais

As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição

As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição O que possuem em comum equipamentos e peças tão diversos como torneiras, chuveiros, grampeadores, lanternas, peças para luminotécnica, alto-falantes

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS. Silvio Henrique Brito de Araújo COROAS DE PORCELANA

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS. Silvio Henrique Brito de Araújo COROAS DE PORCELANA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS Silvio Henrique Brito de Araújo COROAS DE PORCELANA Montes Claros 2012 1 SILVIO HENRIQUE BRITO DE ARAÚJO COROAS DE PORCELANA Monografia apresentada ao Programa

Leia mais

LESSANDRO MACHRY FACETAS EM PORCELANAS

LESSANDRO MACHRY FACETAS EM PORCELANAS LESSANDRO MACHRY FACETAS EM PORCELANAS FLORIANÓPOLIS 2003 LESSANDRO MACHRY FACETAS EM PORCELANA Monografia apresentada A. Escola Aperfeiçoamento Profissional ABO-SC para obtenção do titulo de Especialista

Leia mais

Guillaume Esteves Veloso. Sistema CEREC Chairside

Guillaume Esteves Veloso. Sistema CEREC Chairside Guillaume Esteves Veloso Sistema CEREC Chairside Universidade Fernando Pessoa Faculdade de Ciências da Saúde Porto, 2008 Guillaume Esteves Veloso Sistema CEREC Chairside Universidade Fernando Pessoa Faculdade

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aulas 7 1º sem.

Leia mais

Tecnologias CAD/CAM a serviço da Odontologia

Tecnologias CAD/CAM a serviço da Odontologia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA MESTRADO EM ODONTOLOGIA TECNOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA PROFESSORAS: CARMEM DOLORES VILARINHO SOARES DE MOURA

Leia mais

Structur 2 SC / Structur Premium

Structur 2 SC / Structur Premium Structur Structur 2 SC / Structur Premium Excelentes provisórios com Structur Fácil aplicação O tratamento protético dos seus pacientes, em particular o tratamento provisório, requer a utilização de produtos

Leia mais

Protemp TM 4. Material Provisório à Base de Bisacril. Restauração provisória. qualidade. com a 3M ESPE

Protemp TM 4. Material Provisório à Base de Bisacril. Restauração provisória. qualidade. com a 3M ESPE Protemp TM 4 Material Provisório à Base de Bisacril Restauração provisória com a qualidade 3M ESPE Protemp TM 4 Com 40 anos de experiência em materiais provisórios e amplo conhecimento em produtos com

Leia mais

VITA ENAMIC O conceito

VITA ENAMIC O conceito O conceito VITA Farbkommunikation E En VITA Farbkommunikation Versão 03.15 VITA shade, VITA made. A fórmula de sucesso En : Resistência + Elasticidade = Confiabilidade² MARCOS DOS MATERIAIS DENTÁRIOS CAD/CAM

Leia mais

Roland DWX-4. Equipamento compacto. Grandes oportunidades.

Roland DWX-4. Equipamento compacto. Grandes oportunidades. Roland DWX-4. Equipamento compacto. Grandes oportunidades. Roland DWX-4. Equipamento de fresagem odontológica A Roland está liderando a revolução odontológica. Hoje a tecnologia odontológica digital está

Leia mais

avaliação dos modos de descolagem e a presença de fraturas no esmalte, após os ensaios mecânicos.

avaliação dos modos de descolagem e a presença de fraturas no esmalte, após os ensaios mecânicos. da resistência ao cisalhamento destes materiais, com e sem condicionamento ácido do esmalte, após 48 horas e 10 dias; verificação da influência do período dos ensaios mecânicos sobre a resistência ao cisalhamento;

Leia mais

01* 02* 01* 02* 01* 02* 1 20 1 20 2 40 33

01* 02* 01* 02* 01* 02* 1 20 1 20 2 40 33 Organização Curricular PERÍODO LETIVO COMPONENTES CURRICULARES MATRIZ CURRICULAR 1º SEMESTRE / 1º MÓDULO CARGA HORÁRIA (horas-aulas) CARGA HORÁRIA TEÓRICA PRÁTICA TOTAL TOTAL (horasrelógio) Confecção de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE ODONTOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE ODONTOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE ODONTOLOGIA TECNOLOGIA CEREC NA ODONTOLOGIA Marcus Martins Guimarães Belo Horizonte, Setembro 2012 1 Marcus Martins Guimarães Tecnologia Cerec na Odontologia

Leia mais

VITRO-CERAM ALUMINA. Alumina infiltrada com vidro para copings e estruturas de próteses fixas de porcelana sem metal.

VITRO-CERAM ALUMINA. Alumina infiltrada com vidro para copings e estruturas de próteses fixas de porcelana sem metal. VITRO-CERAM ALUMINA Alumina infiltrada com vidro para copings e estruturas de próteses fixas de porcelana sem metal Instruções de Uso Introdução Nos últimos anos o desenvolvimento de porcelanas com extraordinárias

Leia mais

RESTAURAÇÃO PROTÉTICA COM FACETAS INDIRETAS DE IN-CERAM ALUMINA

RESTAURAÇÃO PROTÉTICA COM FACETAS INDIRETAS DE IN-CERAM ALUMINA RESTAURAÇÃO PROTÉTICA COM FACETAS INDIRETAS DE IN-CERAM ALUMINA PROSTHETIC RESTORATION WITH LAMINATE VENNERS INDIRECT OF IN-CERAM ALUMINA Marcelo Coelho GOIATO 1 Aldiéris Alves PESQUEIRA 2 Daniela Micheline

Leia mais

Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 C U R S O O D O N T O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: ODONTOLOGIA PRÉ-CLÍNICA II Código: ODO-028 Pré-requisito:

Leia mais

IPS e.max: harmonização do sorriso

IPS e.max: harmonização do sorriso Artigo Clínico IPS e.max: harmonização do sorriso Victor Grover Rene Clavijo*, Niélli Caetano de Souza*, Marcelo Ferrarezi de Andrade** Resumo Neste artigo será relatada a reabilitação do sorriso com o

Leia mais

Era o que você esperava? Não, superou todas as minhas expectativas. Ficou lindo. SIRONA.COM.BR

Era o que você esperava? Não, superou todas as minhas expectativas. Ficou lindo. SIRONA.COM.BR É o sonho de consumo de qualquer pessoa ter uma máquina dessa, inclusive o meu. Com o equipamento vou poder ajudar as pessoas a terem o sorriso como o meu e a praticidade também. O que você achou de ser

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Marcos Anito Loss

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Marcos Anito Loss 0 Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Marcos Anito Loss Análise do comportamento de próteses cerâmicas com infraestrutura de zircônia para elementos posteriores CURITIBA 2012 1

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

Associação Odontológica Norte do Paraná AONP. Metal Free. João Fernando Souza Bazzo

Associação Odontológica Norte do Paraná AONP. Metal Free. João Fernando Souza Bazzo Associação Odontológica Norte do Paraná AONP Metal Free João Fernando Souza Bazzo Londrina Associação Odontológica Norte do Paraná AONP Metal Free João Fernando Souza Bazzo Monografia apresentada ao curso

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Materiais Professora: Patrícia Cé Introdução AULA I Vernizes Cimento de hidróxido de Cálcio Cimento de Ionômero de Vidro Cimento de

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROTESE DENTÁRIA 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: a) Polígonos de Roy e de Kent. b) Polígono

Leia mais

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst Técnica 1: Faceta I.Dente vital e preparo protético pronto. 1. Medir a altura e a largura do dente homológo do

Leia mais

Caso Selecionado. Como o olhar analítico da Odontologia Estética reconstrói um sorriso

Caso Selecionado. Como o olhar analítico da Odontologia Estética reconstrói um sorriso Como o olhar analítico da Odontologia Estética reconstrói um sorriso Marcelo Moreira*, Marcelo Kyrillos**, Luis Eduardo Calicchio***, Hélio Laudelino G. de Oliveira****, Márcio J. A. de Oliveira*****,

Leia mais

A FÁBULA DA ZIRCONIA

A FÁBULA DA ZIRCONIA LabPro 2 Artigo Técnico A FÁBULA DA ZIRCONIA Histórias do mundo de especialistas em zirconia T.D. Luca Nelli Na sua primeira visita ao laboratório, Maria era uma mulher infeliz. A higiene oral era um conceito

Leia mais

INDICAÇÕES E CONTRA-INDICAÇÕES DA CERÂMICA METAL- FREE NA CONFECÇÃO DE PRÓTESES FIXAS

INDICAÇÕES E CONTRA-INDICAÇÕES DA CERÂMICA METAL- FREE NA CONFECÇÃO DE PRÓTESES FIXAS UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE UNIVALE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACS. CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA Flavyany Dal Col Ferreira INDICAÇÕES E CONTRA-INDICAÇÕES DA CERÂMICA METAL- FREE NA

Leia mais

Protocolo para laminados cerâmicos: Relato de um caso clínico

Protocolo para laminados cerâmicos: Relato de um caso clínico rtigo Inédito Protocolo para laminados cerâmicos: Relato de um caso clínico Oswaldo Scopin de ndrade*, José Carlos Romanini** RESUMO literatura científica atual preconiza para a dentição anterior a opção

Leia mais

Fundamentos de Prótese Parcial Fixa

Fundamentos de Prótese Parcial Fixa Fundamentos de Prótese Parcial Fixa Roteiro de estudo - Preparo do Dente: 1. Técnica da silhueta modificada. 2. Desgaste do dente com ponta diamantada (PD) 1,4 mm na região cervical e terço médio respeitando

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

Restabelecimento da Estética e Função em Paciente com Amelogênese Imperfeita: Relato de um Caso Clínico

Restabelecimento da Estética e Função em Paciente com Amelogênese Imperfeita: Relato de um Caso Clínico CASO CLÍNICO Restabelecimento da Estética e Função em Paciente com Amelogênese Imperfeita: Relato de um Caso Clínico Recovering Function and Aesthetic for a Patient with Amelogenesis Imperfecta: Clinical

Leia mais

PORTUGUÊS 100% BRANCO. Próteses dentárias sem metal feitas em zirconia de grande qualidade

PORTUGUÊS 100% BRANCO. Próteses dentárias sem metal feitas em zirconia de grande qualidade PORTUGUÊS 100% BRANCO Próteses dentárias sem metal feitas em zirconia de grande qualidade 100% BRANCO O zircónio é o mineral mais antigo e frequente na crosta terreste. Desse elemento consegue-se um material

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Felipe Sczepanski

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Felipe Sczepanski Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Felipe Sczepanski Reabilitação protética fixa sobre implantes em maxila, com estrutura em zircônia Relato de caso clínico CURITIBA 2010 Felipe

Leia mais

Clinical Update. Uso Combinado de TPH - ESTHET-X na Resolução de Fratura em Dentes Anteriores - Relato de Caso Clínico. Introdução.

Clinical Update. Uso Combinado de TPH - ESTHET-X na Resolução de Fratura em Dentes Anteriores - Relato de Caso Clínico. Introdução. Uso Combinado de TPH - ESTHET-X na Resolução de Fratura em Dentes Anteriores - Relato de Caso Clínico PEREIRA, Marcelo Agnoletti Especialista em Dentística restauradora FUNBEO-FOB-USP Mestre em Dentística

Leia mais

Módulo I: MATERIAIS DE MOLDAGEM

Módulo I: MATERIAIS DE MOLDAGEM SUBSECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE ODONTOLOGIA CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS ODONTOLÓGICAS Módulo I: MATERIAIS DE MOLDAGEM

Leia mais

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho MATERIAIS COMPÓSITOS Histórico Adobes reforçados com palha Egito 5000 anos. Concreto reforçado com barras de metal século XIX. Fibras de vidro 1970 Conceito São materiais formados por dois ou mais constituintes

Leia mais

LEANDRO ASSUNÇÃO MOREIRA ADAPTAÇÃO MARGINAL DAS CERÂMICAS À BASE DE ZIRCÔNIA

LEANDRO ASSUNÇÃO MOREIRA ADAPTAÇÃO MARGINAL DAS CERÂMICAS À BASE DE ZIRCÔNIA LEANDRO ASSUNÇÃO MOREIRA ADAPTAÇÃO MARGINAL DAS CERÂMICAS À BASE DE ZIRCÔNIA Monografia apresentada ao Departamento de Odontologia Restauradora da UFMG para obtenção do título de Especialista em Dentística

Leia mais

Qualidade de vida com implantes dentários 1

Qualidade de vida com implantes dentários 1 DENTES BONITOS Qualidade de vida com implantes dentários 1 VOCÊ PODE REALMENTE IMPLANTAR ALEGRIA? Algumas vezes uma pequena peça de titânio pode revitalizar o seu sorriso e estimular a sua autoconfiança.

Leia mais