INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr."

Transcrição

1 INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS Prof. Carlos Falcão Jr.

2 Conformação de Materiais Metálicos Estampagem É um processo de conformação mecânica, que compreende um conjunto de operações por intermédio das quais uma chapa plana é submetida a transformações, adquirindo nova forma Tal conformação é realizada com o auxílio de prensas de estampagem A estampagem compreende as seguintes operações: corte, dobra e repuxo

3 Conformação de Materiais Metálicos Estampagem Corte é um processo no qual são obtidas determinadas formas geométricas, a partir de chapas, submetidas a ação de uma ferramenta ou punção de corte, aplicada por intermédio de uma prensa que exerce pressão sobre a chapa Daí, ocorre um desprendimento brusco de um pedaço da chapa O punção deve apresentar seção conforme o contorno desejado para a peça, assim como o contorno da matriz

4 CORTE

5 Conformação de Materiais Metálicos Estampagem Dobra é um processo de conformação de materiais metálicos, na qual se obtém elementos relativamente curtos Para isso, são usadas matrizes montadas em prensas de estampagem Dois fatores devem ser considerados na dobra: curvatura e elasticidade

6 DOBRA

7 Conformação de Materiais Metálicos Estampagem Repuxo é um processo de estampagem no qual chapas metálicas são conformadas no formato de copo, ou seja, de um objeto oco Aplicações mais comuns: cápsulas, carrocerias, pára-choques de automóveis, estojos, tubos etc. Não modifica a espessura das chapas. Nele, são usados lubrificantes a fim de diminuir a resistência ao deslizamento, evitar peças defeituosas e desgaste prematuro

8 REPUXO

9 Produz até mesmo peças de turbinas e asas de avião Conformação de Materiais Metálicos Forjamento INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS Processo de conformação mecânica efetuado por esforço de compressão sobre um material dúctil, de tal forma que este assuma o contorno ou o perfil da ferramenta de corte Geralmente, é realizado a quente Porém, sendo realizado a frio, produz várias peças de tamanho pequeno como parafusos, pinos, porcas, engrenagens.

10 Materiais Cerâmicos Conceito de Cerâmica Material proveniente da produção de artefatos a partir de argilas, que torna-se muito plástico e fácil de moldar quando umedecido Após submetido a uma secagem lenta à sombra para retirar a maior parte da água, a peça moldada é submetida a altas temperaturas que lhe atribuem rigidez e resistência

11 Materiais Cerâmicos Principais Matérias-primas Feldspatos potássicos Sílica Argila INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS Podem apresentar, ainda, aditivos para o incremento de seu processamento ou de suas propriedades finais

12 Materiais Cerâmicos Cerâmica Industrial Construção civil fabricação de pisos, azulejos, revestimentos, tijolos, lajes e telhas Setor Cerâmica Tecnológica fabricação de componentes de alta resistência ao calor e de grande resistência à compressão Pesquisas na área de cerâmicas aproveitamento de várias das propriedades físicas e químicas de um grande número de materiais

13 Materiais Cerâmicos Características possuem ligações covalentes e iônicas alta temperatura de fusão duros e frágeis; em geral, baixa tenacidade e ductilidade ligações fortes excelente estabilidade química usualmente, isolantes elétricos e térmicos

14 Materiais Cerâmicos Processo de Fabricação Podem diferir de acordo com o tipo de peça ou material desejado. De um modo geral, compreende as etapas de: preparação da matéria-prima e da massa formação das peças tratamento térmico acabamento

15 Materiais Cerâmicos Preparação da Matéria-prima Matéria-prima natural em depósitos espalhados na crosta terrestre Mineração os materiais devem ser beneficiados, isto é, desagregados ou moídos classificados, de acordo com a granulometria purificados. Matérias-primas sintéticas, geralmente, são fornecidas prontas para uso, necessitando apenas, em alguns casos, de um ajuste de granulometria.

16 Materiais Cerâmicos Preparação da Massa Composição de duas ou mais matériasprimas, além de aditivos e água ou outro meio Etapa fundamental do processo de fabricação de produtos cerâmicos dosagem das matérias-primas e dos aditivos, que deve seguir com rigor as formulações de massas, previamente estabelecidas Os diferentes tipos de massas são preparados de acordo com a técnica a ser empregada para dar forma às peças

17 Materiais Cerâmicos Formação das Peças A escolha de um processo para dar forma às peças cerâmicas depende de fatores econômicos, da geometria e das características do produto Os métodos são: colagem, prensagem, extrusão e torneamento

18 Materiais Cerâmicos Tratamento Térmico O processamento térmico é de fundamental importância para obtenção dos produtos cerâmicos Dele dependem o desenvolvimento das propriedades finais destes produtos Esse tratamento compreende as etapas de secagem e queima.

19 Materiais Cerâmicos Acabamento A maioria dos produtos é retirada dos fornos, inspecionada e remetida ao consumo Porém, alguns produtos requerem processamento adicional para atender a algumas características, que não podem ser obtidas durante o processo de fabricação O processamento pós-queima recebe o nome genérico de acabamento e pode incluir polimento, corte, furação etc. Após isso, podem ainda passar por esmaltação e decoração

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

FORJAMENTO FORJAMENTO FORJAMENTO O FORJAMENTO É A TRANSFORMAÇÃO DOS METAIS NUMA FORMA ÚTIL POR PRENSAGEM OU MARTELAGEM

FORJAMENTO FORJAMENTO FORJAMENTO O FORJAMENTO É A TRANSFORMAÇÃO DOS METAIS NUMA FORMA ÚTIL POR PRENSAGEM OU MARTELAGEM FORJAMENTO O FORJAMENTO É A TRANSFORMAÇÃO DOS METAIS NUMA FORMA ÚTIL POR PRENSAGEM OU MARTELAGEM FORJAMENTO Martelo de forjar: aplica golpes de impacto rápidos sobre a superfície do metal (def. camadas

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 Forjamento Ferreiro - Uma das profissões mais antigas do mundo. Hoje em dia, o martelo e a bigorna foram substituídos por máquinas e matrizes

Leia mais

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento Prof. Msc. Marcos Dorigão Manfrinato prof.dorigao@gmail.com Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento 1 Introdução: O forjamento

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário.

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário. Estampagem A estampagem é o processo de fabricação de peças, através do corte ou deformação de chapas em operação de prensagem geralmente a frio. A conformação de chapas é definida como a transição de

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

MATERIAIS PARA ENGENHARIA DE PETRÓLEO - EPET069 - Conformação dos Metais

MATERIAIS PARA ENGENHARIA DE PETRÓLEO - EPET069 - Conformação dos Metais MATERIAIS PARA ENGENHARIA DE PETRÓLEO - EPET069 - Conformação dos Metais CONFORMAÇÃO DOS METAIS Fundamentos da Conformação Plástica Diagrama Tensão x Deformação CONFORMAÇÃO DOS METAIS Fundamentos da Conformação

Leia mais

Tecnologia Mecânica. Programa. Processamento Mecânico de Materiais Metálicos. Fundamentos. Estampagem. Luís Alves. Corte Arrombamento.

Tecnologia Mecânica. Programa. Processamento Mecânico de Materiais Metálicos. Fundamentos. Estampagem. Luís Alves. Corte Arrombamento. Tecnologia Mecânica Programa Processamento Mecânico de Materiais Metálicos Fundamentos Estampagem Luís Alves Corte Arrombamento Forjamento Hydroforming Bárbara Gouveia Tecnologia Mecânica 1 Tecnologia

Leia mais

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira.

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira. Conjunto de processos: Corte, Dobramento/curvamento (calandragem), Embutimento (estamp. profunda), Cunhagem, Perfilamento, Repuxamento. Processo a frio, Produto acabado, Matéria prima laminada, Forma volumétrica,

Leia mais

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA Os processos de conformação mecânica são processos de fabricação que empregam a deformação plástica de um corpo metálico, mantendo sua massa e integridade. Alguns

Leia mais

O comportamento em relação ao processo de fabricação e do modo como à peça será usada, devem ser previstos quando especificamos o material.

O comportamento em relação ao processo de fabricação e do modo como à peça será usada, devem ser previstos quando especificamos o material. 1 1. MATERIAIS. Os materiais são constituídos de átomos, e são estes que determinam se o material é um plástico, madeira, metal ou ar... (é a estrutura geral do átomo que diferencia um material do outro).

Leia mais

Materiais têm personalidade?

Materiais têm personalidade? Materiais têm personalidade? Introdução O pior é que têm! Como? Pense um pouco. Por que o plástico é plástico? Por que o alumínio é mais leve que o ferro? Por que a borracha depois de esticada volta a

Leia mais

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA AS VÁRIAS V MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA Forjado Sinterizado Usinado Fundido A diferença estará apenas nos custos e tempos de fabricação? 1 EVOLUÇÃO DAS PROPRIEDADES COM O TRATAMENTO TERMOMECÂNICO

Leia mais

SUPORTE LATERAL componentes. VARANDA componentes. SUPORTE LATERAL componentes. Tel: 55 11 4177-2244 plasnec@plasnec.com.br l www.plasnec.com.

SUPORTE LATERAL componentes. VARANDA componentes. SUPORTE LATERAL componentes. Tel: 55 11 4177-2244 plasnec@plasnec.com.br l www.plasnec.com. VARANDA 5 6 9 SUPORTE LATERAL 12 4 7 10 8 Código: 17010101 Descrição: Conjunto suporte lateral regulável Ø 13mm: 1 - Manopla - PA rosca M10 SS 304 2 - Arruela - M12 24mm SS 304 3 - Olhal - M10 PA M10 SS

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aulas 7 1º sem.

Leia mais

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO Amanda Alves PEIXOTO 1 Chelinton Silva SANTOS 1 Daniel Moreira da COSTA 1 Rosângela Chaves dos Santos GUISELINI 1 Eduardo Tambasco MONACO 2 RESUMO Este trabalho visa

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA II (EM307) 2º Semestre 2005/06. 4. Processamento de Materiais Cerâmicos

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA II (EM307) 2º Semestre 2005/06. 4. Processamento de Materiais Cerâmicos MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA II (EM307) 2º Semestre 2005/06 4. Processamento de Materiais Cerâmicos F. Jorge Lino Alves 1 Resumo 4. Processamento de Materiais Cerâmicos Processos utilizados na fabricação

Leia mais

Metalurgia Portuguesa do Tungsténio, Lda Zona Industrial, Lda - Apartado 24 3854-909 Albergaria-a-Velha Portugal Tel.: 234 529 800 - Fax: 234 529 801

Metalurgia Portuguesa do Tungsténio, Lda Zona Industrial, Lda - Apartado 24 3854-909 Albergaria-a-Velha Portugal Tel.: 234 529 800 - Fax: 234 529 801 28 de Setembro 2007 Localização A DURIT está localizada no centro de Portugal, distrito de Aveiro, na Zona Industrial de Albergaria-a-Velha. Instalações 1983 1995 2000 Empresa Certificada Em 1992, pela

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 10 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 31 A principal diferença entre um ferro fundido e um aço (aço carbono) é o teor de carbono. Portanto os percentuais de carbono nestes elementos são: Ferro

Leia mais

Desenvolvimento de Selos Mecânicos de Alta Precisão em Metal Duro

Desenvolvimento de Selos Mecânicos de Alta Precisão em Metal Duro Desenvolvimento de Selos Mecânicos de Alta Precisão em Metal Duro O desenvolvimento de peças e componentes mecânicos através da metalurgia do pó vem sendo crescentemente utilizado. Destes materiais, o

Leia mais

PROCESSOS P R O F E S S O R V I N I C I U S S I L V A

PROCESSOS P R O F E S S O R V I N I C I U S S I L V A PROCESSOS A F A B R I C A Ç Ã O D E U M P R O D U T O E N V O L V E A T I V I D A D E S D I V E R S I F I C A D A S, S I M U L T Â N E A S O U N Ã O, C O M D I F E R E N T E S N Í V E I S D E C O M P L

Leia mais

Aplicações. Clinching. Montagem. Inserção. Rebitagem. Estampagem. Cunhagem. Fixação. Prensagem. Dobra. TOX -Sistemas de Produção

Aplicações. Clinching. Montagem. Inserção. Rebitagem. Estampagem. Cunhagem. Fixação. Prensagem. Dobra. TOX -Sistemas de Produção Aplicações Clinching Montagem Inserção TOX PRESSOTECHNIK Soluções práticas em primeira mão Rebitagem Estampagem Cunhagem Fixação Prensagem Dobra TOX -Sistemas de Produção Atuadores modulares TOX -Cilindro

Leia mais

100% Material ecológico e natural. Placas refratárias. Soluções de isolamento refratário para altas temperaturas de até 1300 C

100% Material ecológico e natural. Placas refratárias. Soluções de isolamento refratário para altas temperaturas de até 1300 C Soluções de isolamento refratário para altas temperaturas de até 1300 C Resistência ao choque térmico 100% Material ecológico e natural Dados técnicos Formato Espesor Densidad 2440 x 1220 mm 10-40 mm (120

Leia mais

Dobramento. e curvamento

Dobramento. e curvamento Dobramento e curvamento A UU L AL A Nesta aula você vai conhecer um pouco do processo pelo qual são produzidos objetos dobrados de aspecto cilíndrico, cônico ou em forma prismática a partir de chapas de

Leia mais

Vidros Vidro Acidado Submetido à solução ácida que age no vidro, de maneira controlada, criando texturas, desenhos e letras e promovendo um aspecto de translucidez. Pode ser fabricado artesanal ou industrialmente

Leia mais

Materiais de construção de máquinas

Materiais de construção de máquinas Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03204 Mecânica Aplicada * Materiais de construção de máquinas 1. Introdução

Leia mais

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho CONCEITOS Materiais e Processos de Produção ESTRUTURA DA MATÉRIA ÁTOMOS PRÓTONS NÊUTRONS ELÉTRONS MOLÉCULAS ESTADOS DA MATÉRIA TIPO DE LIGAÇÃO ESTRUTURA (ARRANJO) IÔNICA COVALENTE METÁLICA CRISTALINO AMORFO

Leia mais

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado INTRODUÇÃO Extrusão - processo no qual um tarugo de metal é reduzido em sua seção transversal quando forçado a fluir através do orifício de uma matriz,

Leia mais

METAL DURO POR ESPECIALISTAS

METAL DURO POR ESPECIALISTAS METAL DURO POR ESPECIALISTAS A Durit emprega mais de 350 pessoas em todo o mundo. Os seus principais mercados são a Europa e a América do Sul Metal Duro sinterizado - caracterizado pela sua resistência.

Leia mais

Aluminas hidratadas e calcinadas Desenvolvidas com o mais rigoroso controle de processo e qualidade

Aluminas hidratadas e calcinadas Desenvolvidas com o mais rigoroso controle de processo e qualidade Aluminas hidratadas e calcinadas Desenvolvidas com o mais rigoroso controle de processo e qualidade A Fórmula da Produtividade As aluminas hidratadas Alcoa são empregadas na produção de policloreto de

Leia mais

2.2.1 PRENSAGEM. Alteração do comportamento de um ligante com a adição de plastificante. PVA com PEG

2.2.1 PRENSAGEM. Alteração do comportamento de um ligante com a adição de plastificante. PVA com PEG PVA com PEG Alteração do comportamento de um ligante com a adição de plastificante Prensagem de Al 2 O 3 : ligante + plastificante PVA + PEG Alteração do comportamento de um ligante com a adição de plastificante

Leia mais

MDF RINO. não é tudo igual. PROCURE O

MDF RINO. não é tudo igual. PROCURE O MDF não é tudo igual. PROCURE O RINO. Quer MDF assegurado, fabricado com a mais avançada tecnologia mundial, produzido pela empresa que é sinônimo de qualidade? PROCURE O RINO. Tecnologia, qualidade e

Leia mais

Corte e dobra. Nesta aula, você vai ter uma visão geral. Nossa aula. Princípios do corte e da dobra

Corte e dobra. Nesta aula, você vai ter uma visão geral. Nossa aula. Princípios do corte e da dobra A U A UL LA Corte e dobra Introdução Nesta aula, você vai ter uma visão geral de como são os processos de fabricação por conformação, por meio de estampos de corte e dobra. Inicialmente, veremos os princípios

Leia mais

Extrusão Princípios de Funcionamento

Extrusão Princípios de Funcionamento 1) Taxa de Compressão (RC) -Descrição da rosca de acordo com a taxa de compressão (baixa ou alta taxa de compressão). RC = h i / h f RC = 2 corresponde a baixa taxa de compressão RC = 4 corresponde a alta

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 09 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO S.A. IPT CENTRO TECNOLÓGICO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO - CETAC

Leia mais

Compósitos. Os materiais compostos são formados apenas por duas fases: MATRIZ, que é contínua e envolve a outra fase, denominada FASE DISPERSA,

Compósitos. Os materiais compostos são formados apenas por duas fases: MATRIZ, que é contínua e envolve a outra fase, denominada FASE DISPERSA, Os materiais compostos são formados apenas por duas fases: MATRIZ, que é contínua e envolve a outra fase, denominada FASE DISPERSA, As propriedades são obtidas através da quantidade, da geometria da fase

Leia mais

INTRODUÇÃO REDUZIR OS IMPACTOS AMBIENTAIS. POR OUTRO

INTRODUÇÃO REDUZIR OS IMPACTOS AMBIENTAIS. POR OUTRO INTRODUÇÃO OS METAIS SÃO ATUALMENTE ESSENCIAIS PARA O NOSSO COTIDIANO. OS QUE SÃO MAIS UTILIZADOS SÃO O ALUMÍNIO (EM LATAS), O COBRE (NOS CABOS DE TELEFONE), O CHUMBO (EM BATERIAS DE AUTOMÓVEIS), O NÍQUEL

Leia mais

Aquecedor Solar Tubos de Vácuo.

Aquecedor Solar Tubos de Vácuo. Aquecedor Solar Tubos de Vácuo. Manual de instalação Ultrasolar Tel: (11) 3361 3328 Fax: (11) 3361 5810 www.ultrasolar.com.br Aquecedor Solar de Agua. Os aquecedores solares de água a vácuo Ultrasolar,

Leia mais

As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição

As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição O que possuem em comum equipamentos e peças tão diversos como torneiras, chuveiros, grampeadores, lanternas, peças para luminotécnica, alto-falantes

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

POLÍMEROS TERMOPLÁSTICOS E TERMOFIXOS. Os polímeros podem ser classificados em termoplásticos e termofixos. TERMOPLÁSTICOS

POLÍMEROS TERMOPLÁSTICOS E TERMOFIXOS. Os polímeros podem ser classificados em termoplásticos e termofixos. TERMOPLÁSTICOS Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Teófilo Otoni - MG Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira POLÍMEROS TERMOPLÁSTICOS

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos Aula 08 Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) e Termo-Químicos Prof. Me. Dario de Almeida Jané Tratamentos Térmicos Parte 2 - Introdução - - Recozimento - Normalização - Têmpera - Revenido

Leia mais

Vidro comun ou vidro Float

Vidro comun ou vidro Float Vidros Vidro comun ou vidro Float O vidro comum é a composição básica do vidro, antes de receber qualquer tipo de tratamento. Ele é feito a partir da mistura de sílica (areia), potássio, alumina, sódio

Leia mais

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto ESTRUTURAS Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAREDES DE TIJOLO Assentamento dos tijolos: Quanto a colocação (ou dimensão das paredes) dos tijolos, podemos classificar as paredes em: cutelo, de meio tijolo,

Leia mais

Internacional SOLUTIONS

Internacional SOLUTIONS Internacional SOLUTIONS SILICONE NEUTRO Silicone neutro Impermeabilizante de uso profissional. Inodoro e com fungicida. ADERE EM: Madeira, concreto, tijolo, vidro, PVC, plástico, alumínio, etc. APLICAÇÃO:

Leia mais

PAINÉIS E PAREDES DE MADEIRA

PAINÉIS E PAREDES DE MADEIRA PAINÉIS E PAREDES DE MADEIRA As paredes de madeira dividem-se em: Paredes Estruturais Divisão e fechamento de ambientes Suportar cargas verticais e transmití-las as fundações Suportar cargas horizontais

Leia mais

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho MATERIAIS COMPÓSITOS Histórico Adobes reforçados com palha Egito 5000 anos. Concreto reforçado com barras de metal século XIX. Fibras de vidro 1970 Conceito São materiais formados por dois ou mais constituintes

Leia mais

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle.

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle. CONCEITO Light (LSF estrutura em aço leve) é um sistema construtivo racional e industrial. Seus principais componentes são perfis de aço galvanizado dobrados a frio, utilizados para formar painéis estruturais

Leia mais

DIVERSIDADE DE APLICAÇÕES PARA VÁRIOS SEGMENTOS

DIVERSIDADE DE APLICAÇÕES PARA VÁRIOS SEGMENTOS ALUMÍNIO ALUMÍNIO DIVERSIDADE DE APLICAÇÕES PARA VÁRIOS SEGMENTOS ALUMÍNIO VANTAGENS O é um metal leve, macio e resistente, muito maleável e dúctil, apto para a mecanização e fundição, além de ter uma

Leia mais

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas.

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas. ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço Menor tempo de execução: A estrutura metálica é projetada para fabricação industrial e seriada, de preferência, levando a um menor tempo de fabricação

Leia mais

Introdução aos Materiais Cerâmicos

Introdução aos Materiais Cerâmicos Introdução aos Materiais Cerâmicos Bibliografia Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, 5ed., cap 13 e 14, 2002. Shackelford, J.F. Ciências dos Materiais, Pearson Prentice

Leia mais

SISTEMA Firestone DE COBERTURA Rubber GarD EPDM EPDM. Firestone. Um fornecedor. Garantia completa.

SISTEMA Firestone DE COBERTURA Rubber GarD EPDM EPDM. Firestone. Um fornecedor. Garantia completa. SISTEMA Firestone DE COBERTURA Rubber GarD Firestone. Um fornecedor. Garantia completa. SISTEMA Firestone DE Cobertura Rubber GarD Solução superior Para coberturas Os Sistemas de Cobertura Firestone RubberGard

Leia mais

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO www.sinto.com.br JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO O Jateamento com abrasivo é um método de trabalho a frio que consiste no arremesso de partículas contra uma determinada superfície, a elevadas velocidades,

Leia mais

FICHA TÉCNICA - MASSA LEVE -

FICHA TÉCNICA - MASSA LEVE - FICHA TÉCNICA - MASSA LEVE - Massa Leve é um aditivo capaz de produzir concreto poroso de baixa massa especifica aparente, com ótima estabilidade, isto é, com reduzida queda de volume na aplicação. Características

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos Classificação dos materiais pétreos Fabricação de blocos cerâmicos Pedras naturais: encontradas in natura, usadas normalmente após beneficiamento. Ex.: agregados, placas de rocha para revestimento. Pedras

Leia mais

PETG DATASHEET. www.vick.com.br

PETG DATASHEET. www.vick.com.br Pág. 1 / 5 Um plástico que pode ser parafusado, estampado à quente, cortado, facilmente termoformado, ou mesmo dobrado a frio sem lascar, esbranquiçar, rachar ou ficar irregular. É um plástico econômico

Leia mais

AÇOS PARA FERRAMENTAS

AÇOS PARA FERRAMENTAS AÇOS PARA FERRAMENTAS FEA Processo de Fabricação de Aços Convencionais e s Lingotamento Convencional Forno Panela VD Lingotamento Contínuo ACIARIA Processo Fusão (Convencional): FEA (Forno Elétrico Arco)

Leia mais

BALINIT resultados magníficos em puncionamento e conformação

BALINIT resultados magníficos em puncionamento e conformação BALINIT resultados magníficos em puncionamento e conformação A fórmula de sucesso para garantir a eficácia em puncionamento e conformação Os revestimentos extra-duros BALINIT possuem apenas algumas milésimas

Leia mais

Ensaiar é preciso! Como você se sentiria se a chave que acabou

Ensaiar é preciso! Como você se sentiria se a chave que acabou A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Ensaiar é preciso! Introdução Como você se sentiria se a chave que acabou de mandar fazer quebrasse ao dar a primeira volta na fechadura? Ou se a jarra de

Leia mais

Qualificação de Procedimentos

Qualificação de Procedimentos Qualificação de Procedimentos Os equipamentos em geral são fabricados por meio de uniões de partes metálicas entre si empregando-se soldas. Há, portanto a necessidade de se garantir, nestas uniões soldadas,

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT FICHA TÉCNICA DO PRODUTO PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT FICHA TÉCNICA DO PRODUTO PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT É uma tinta isolante térmica, composta de polímeros acrílicos elastoméricos, microesferas de cerâmicas, e aditivos especiais

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

Especialista em Soluções. Especialista em Soluções. Diamantados 03

Especialista em Soluções. Especialista em Soluções. Diamantados 03 R 0920 110 1 0920 110 2 0920 110 3 10 0920 110 1 0920 110 2 0920 110 3 110 Diamantados 03 R 0920 110 10 0920 110 20 0920 110 30 10 0920 110 10 0920 110 20 0920 110 30 110 Diamantados 04 0920 350 0 0920

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

Processamento de materiais cerâmicos + H 2 O. Ivone

Processamento de materiais cerâmicos + H 2 O. Ivone + H 2 O Ivone Umidade (%) Colagem 100 Líquido Plástico Semi-Sólido Índice de Plasticidade - IP Limite de Liquidez - LL Limite de Plasticidade - LP COLAGEM EXTRUSÃO Sólido Limite de Contração - LC PRENSAGEM

Leia mais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Trabalho realizado por: Leonardo Vieira R. da Silveira Marcelo Henrique G. Bueno Ralf Marcelo. S. de Oliveira Professor: Renato de Sousa Dâmaso Disciplina:

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

V 2. 1.7 Perda de carga localizada (h L. Borda-Belanger formulou que

V 2. 1.7 Perda de carga localizada (h L. Borda-Belanger formulou que 1.7 Perda de carga localizada (h L ) Borda-Belanger formulou que h L K l V 2 2g onde k L é um coeficiente de perda de carga localizada que é função do número de Reynolds e da geometria da peça. É obtido

Leia mais

Desempenamento. desempenamento de uma barra

Desempenamento. desempenamento de uma barra A UU L AL A Desempenamento Na área mecânica e metalúrgica, desempenar é a operação de endireitar chapas, tubos, arames, barras e perfis metálicos, de acordo com as necessidades relativas ao projeto de

Leia mais

Solução de problemas tecnológicos e de gestão

Solução de problemas tecnológicos e de gestão Solução de problemas tecnológicos e de gestão para micro, pequenas e médias empresas Programa de Apoio Tecnológico às Micro, Pequenas e Médias Empresas do Estado de São Paulo Extensão Tecnológica Programa

Leia mais

ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 3. Manual de instalação, uso e manutenção.

ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 3. Manual de instalação, uso e manutenção. ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 3 Manual de instalação, uso e manutenção. Parabéns, ao adquirir o Ecofogão, você tem em mãos uma das tecnologias mais simples, eficiente e limpa atualmente disponível, para o

Leia mais

REINVENTANDO O ISOLAMENTO ACÚSTICO E SUSTENTÁVEL

REINVENTANDO O ISOLAMENTO ACÚSTICO E SUSTENTÁVEL REINVENTANDO O ISOLAMENTO ACÚSTICO E SUSTENTÁVEL Reinventing how cork engages the world. A REINVENÇÃO DO CONFORTO E DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Maximizando o conforto e a eficiência energética com ACOUSTICORK.

Leia mais

TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCAS PARA APLICAÇÃO GERAL LENOX-TWILL DESENVOLVIDAS PARA FURAR UMA AMPLA GAMA DE MATERIAIS, PROPORCIONANDO DESEMPENHO EFICIENTE COM EXCELENTE

Leia mais

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK.

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. Mario Henrique de Cerqueira Engenheiro de Desenvolvimento Ambiental - Tetra Pak 1. Introdução

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano 19 Sistema de Refrigeração - Tópicos Introdução Meios refrigerantes Tipos de Sistemas de Refrigeração Sistema de refrigeração a ar Sistema de refrigeração a água Anticongelantes

Leia mais

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base).

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). Etapas do processo: - obtenção dos pós metálicos - mistura

Leia mais

vendas1@juntasamf.com.br

vendas1@juntasamf.com.br À Sr( a) Ref.: Apresentação para Cadastro de Fornecedor Prezados Senhores, Vimos através desta, apresentar a Juntas AMF Ind. e Com. de Peças Ltda., uma empresa que já se tornou referencia no mercado de

Leia mais

Motivação. Soldagem de lanterna veicular pelo processo de vibração linear. Plásticos. Objetivo. Plásticos. Plásticos

Motivação. Soldagem de lanterna veicular pelo processo de vibração linear. Plásticos. Objetivo. Plásticos. Plásticos Motivação Soldagem de lanterna veicular pelo processo de vibração linear Por que autopeças? Por que plástico? Por que um processo de transformação de plástico? Por que solda por vibração linear? Alejandro

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 19/08/2008 1 CONFORMAÇÃO MECÂNICA Em um ambiente industrial, a conformação mecânica é qualquer operação durante a qual se aplicam esforços mecânicos

Leia mais

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios A Fundição Injectada de Alumínio Princípios e Desafios O Passado... Os primeiros exemplos de fundição por injecção (em oposição à fundição por gravidade) ocorrem em meios do século XIX (1800). A patente

Leia mais

Parede de Garrafa Pet

Parede de Garrafa Pet CONCEITO As paredes feitas com garrafas pet são uma possibilidade de gerar casas pré fabricadas através da reciclagem e é uma solução barata e sustentável. As garrafas pet são utilizadas no lugar dos tijolos

Leia mais

Sistemas de Impermeabilização

Sistemas de Impermeabilização Sistemas de Impermeabilização Projecto de Construção CET Seia Eng. Sá Neves Eng. Sá Neve Sistema invertido ou tradicional : Os sistemas em cobertura invertida são os mais aconselháveis devido a maior durabilidade

Leia mais

SOLDAGEM. Figura 1 Lado da solda de uma PCI.

SOLDAGEM. Figura 1 Lado da solda de uma PCI. INSTITUTO FEDERAL SANTA CATARINA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Vidros para construção civil

Vidros para construção civil Vidros para construção civil Conceito de Vidro: Vidros industriais: Produtos inorgânicos obtidos por fusão e resfriamento sem cristalização Vidro ordinário ou neutro para construção civil: Solução amorfa

Leia mais

BERÇO METÁLICO PARA TRANSPORTE DE BOBINAS DE AÇO

BERÇO METÁLICO PARA TRANSPORTE DE BOBINAS DE AÇO BRASIAÇO INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. BERÇO METÁLICO PARA TRANSPORTE DE BOBINAS DE AÇO APRESENTAÇÃO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE PRODUTO JUATUBA, 27 DE FEVEREIRO DE 2015 1. INTRODUÇÃO Localizada na cidade

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Materiais Cerâmicos Prof. Ederaldo Azevedo Aula 3 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br PRODUTOS DE CERÂMICA: TELHAS E TIJOLOS APARENTES São produtos de melhor qualidade, usado nos casos em que

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias Estruturas Metálicas Módulo I Normas e Matérias NORMAS DE ESTRUTURA ABNT NBR 8800/2008 PROJETO E EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE AÇO EM EDIFICIOS - ABNT NBR 6120/1980 Cargas para o cálculo de estruturas de edificações

Leia mais

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO CINTAS QUALITY FIX Condições gerais de segurança... 4 As cores na movimentação... 5 Fator de Segurança... 5 A etiqueta azul de rastreabilidade... 6 Dicas de movimentação... 6 Certificado

Leia mais

Buchas. Não se sabe quem inventou a roda. Supõe-se. Bucha

Buchas. Não se sabe quem inventou a roda. Supõe-se. Bucha A U A UL LA Buchas Introdução Não se sabe quem inventou a roda. Supõe-se que a primeira roda tenha sido um tronco cortado em sentido transversal. Com a invenção da roda, surgiu, logo depois, o eixo. O

Leia mais

Brocas para Concreto. Conjuntos de Brocas para Concreto Conjuntos Combinados Brocas para Furar Vidro Brocas SDS Max Brocas SDS Plus - Speedhammer

Brocas para Concreto. Conjuntos de Brocas para Concreto Conjuntos Combinados Brocas para Furar Vidro Brocas SDS Max Brocas SDS Plus - Speedhammer Conjuntos de Brocas para Concreto Conjuntos Combinados Brocas para Furar Vidro Brocas SDS Max Brocas SDS Plus Speedhammer 37 39 41 41 42 Brocas para Concreto Brocas para furação de paredes de concreto,

Leia mais

Superior ao padrão A referência em correntes

Superior ao padrão A referência em correntes Superior ao padrão A referência em correntes Correntes ANSI com desempenho superior Aumentam a confiança Reduzem o período de manutenção Diminuem os custos do equipamento Tsubaki: A alternativa para corrente

Leia mais

Componentes para telhas Brasilit

Componentes para telhas Brasilit Componentes para telhas Brasilit Selamax Selante Selante elástico para elástico colagem para e vedação colagem e vedação SolarMaxxi Manta impermeável, térmica e acústica LitFoil e LitFoil Plus Mantas térmicas

Leia mais

USO E APLICAÇÕES. Módulo 4 Conhecendo o Vidro

USO E APLICAÇÕES. Módulo 4 Conhecendo o Vidro USO E APLICAÇÕES Módulo 4 Conhecendo o Vidro SEGMENTAÇÃO DO MERCADO ESQUADRIAS FACHADAS BOX ESPELHOS DIVISÓRIAS MÓVEIS COBERTURA GUARDA CORPOS REVESTIMENTOS MOLDURAS DECORAÇÃO OUTROS... COMO ESCOLHER O

Leia mais