Coordenação Geral de Investigação por Análise do DNA in vivo e post mortem da Defensoria Pública Geral do Estado do Rio de Janeiro.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Coordenação Geral de Investigação por Análise do DNA in vivo e post mortem da Defensoria Pública Geral do Estado do Rio de Janeiro."

Transcrição

1 1 PERÍCIAS EM DNA: A COISA CERTA PODE SER FEITA DE FORMA ERRADA? UM ESTUDO DE CASO HIPOTÉTICO. Mary Christina Pitta Pinheiro de Souza Melgaço 1, André Luís dos Santos Figueiredo 2, 3, Eduardo Ribeiro Paradela 2, 3 1 Coordenação Geral de Investigação por Análise do DNA in vivo e post mortem da Defensoria Pública Geral do Estado do Rio de Janeiro. 2 DNA Forense Peritos Associados e Análises Laboratoriais LTDA. 3 Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) Laboratório de Vínculo Genético (VINGENE). Resumo A introdução das técnicas para identificação humana por análise de DNA nos tribunais de países como os Estados Unidos da América foi cercada de desconfiança por uma significativa parcela da comunidade científica e dos operadores do direito. Esta objeção se deveu, em parte, a inexistência de regras definidas e padronizada s para os laboratórios envolvidos nestes exames. Embora tal período de crítica tenha contribuído para o estabelecimento de rígidos critérios para os serviços prestados, falhas ainda podem ocorrer. Neste artigo, é apresenta do um caso criminal hipotético em que se aplicou a genética forense como ferramenta investigativa. O objetivo é demonstr ar algumas possibilidades de erro já descritas na literatura especializada. 1. Introdução Na área criminal, um dos propósitos da identificação humana por DNA (genotipagem) é testar uma hipótese de que determina da pessoa é a fonte doadora de uma evidência biológica. Dentre os possíveis resultados desta investigação constam a exclusão - as amostras biológicas possue m origens diferentes; o laudo com resultados inconclusos - não é possível deter minar, com base nos resultados dos testes, se as amostras provêm ou não do mesmo doador; a inclusão (ou não exclusão) - as genotipagens são similares e originara m - se da mesma fonte. Esta última conclusão de similaridade genética meramen te descreve o fato de que não foram detectadas diferenças entre duas amostras através dos testes realizados (INMAN e RUDIM, 1997). As genotipagens de regiões STR através da técnica da PCR (reação em cadeia da polimerase) podem apresentar similaridades em três circunstâ ncias: 1- As amostras possue m a mesma fonte: a evidência biológica (mancha de sangue, saliva, esper ma etc) se origina da mesma pessoa que cedeu a amostra utilizada como referência; 2- A similaridade é coincidência: o doador da amostra referência e o verdadeiro doador do material biológico possue m alelos coincidentes em relação aos marcadores examinados; 1

2 2 3- A similaridade é acidental: isto decorre de erros durante os processos de coleta e/ou análise das amostras. Em casos de abuso sexual e em cenas de múltiplos assassinatos, por exemplo, é comum a análise de amostras contendo mistura de DNA de duas ou mais pessoas. Há situações em que os profissionais responsáveis não levam em consideração tais aspectos, fazend o pairar dúvidas a cerca de seus resultad os (PARADELA et al., 200). Em relação às investigações criminais, cada rastro biológico encontrado na cena de um crime ou no corpo da vítima pode represen tar um vestígio ou uma prova funda men tal para elucidar questões. Portanto, deve haver um cuidado absoluto no levanta ment o dos vestígios de material orgânico, quando todo e qualquer material passa a ter relevância. Sabese que a exposição do DNA a fatores como luz solar, microorganis mo s e compo nen tes químicos pode provocar a degradação da molécula. Logo, quanto melhor for a coleta e a preservação do material coletado, melhor será a análise do material genético extraído (PARADELA e FIGUEIREDO, 2007). Os erros mais comuns nas genotipagens envolvem troca ou contaminação de amostras e análise incorreta dos dados. Tal fato pode ser constatado a partir de algumas manchetes publicadas nos últimos cinco anos, tais como: DNA errors lead to murder case review (The Times on line, fevereiro de 2007); Forensic lab errors in hundreds of crime cases (The Guardian,fevereiro de 2007); POLICE FORENSICS: DNA mix- up prompt s audit at lab (Las Vegas Review- Journal, abril de 2002); Audit calls for changes in police DNA lab (Las Vegas Review- Journal, maio de 2002); Laboratório do PR é condenado por erro em exame de DNA (Folha de Londrina, julho de 200); More than 200 cases reopened after DNA error (The Independent, maio de 2007). Entretanto, se os exames forem corretamen te executados, as amostras estiverem em condições para análise (a degradação do DNA pode interferir nos resultados) e os cálculos forem apropriada me n te executados, a confiabilidade dos testes de DNA é absoluta. A seguir é apresenta do um caso hipotético de investigação de abuso sexual que exemplifica algumas das falhas descritas na literatura em análises desta nature z a. 2. O caso hipotético O caso: violência sexual contra mulher com vestígios de sêmen detectados no raspado vaginal coletado da vítima O laudo: o documen to em que a análise do material genético é apresenta d a informa a comparação de marcadores genéticos STR (regiões curtas repetidas in tanden) presentes nas seguintes amostras: EVIDÊNCIA BIOLOGICA - esfregaço vaginal coletado da vítima (V); AMOSTRAS REFERÊNCIA - amostras biológicas (sangue) cedidas pela vítima e pelo principal suspeito (S1). De acordo com o laudo, os alelos encontra dos foram visualizados com auxílio de 2

3 3 fluorescência e a razão de verossimilhança foi deter minada, não excluindo (S1) como doador das células esper máticas encontrada s na evidência biológica. Os resultados são parcialmente apresenta dos na Tabela 1. Tabela 1 Tipagens e avaliação dos resultados. locus V Evidência biológica F13B TPOX S Freqüência alélica 25,9 () 40,2 (10) 4 () 29(11) AVALIAÇÃO DOS DADOS DO LAUDO O estu d o dos picos de intensi da d e das bandas se faz necessário para deter mi n a r os componentes principal e secundário na mistu ra e eliminar a hipótese de o alelo encon t ra d o no esfregaço vaginal ser um STUTTER BAND (stutter band: tamb é m conhecido como banda fantas ma) relativo ao alelo 9 provenien te da vítima. Tais bandas são artefato s da reação em cadeia da polime ras e e pode m provocar equívocos de interpr e ta ção se certos cuidados não forem tomados. A análise dos picos de intensid a d e das bandas se faz necessária para deter mi n a r se o siste ma de amplificação usou como molde o material das células do acusa do e da vítima ou some n t e as desta última, visto que há coincidência alélica nas amos tra s de V e S1. Em casos de esfregaços vaginais conte n d o mistu ra de material biológico e send o o comp o n e n t e masculino predominante men te constit uíd o de células esper m á ticas é comu m a amplificação preferencial da principal contribuin te, ou seja, a vítima. 3

4 4 F13A0 1 vwa D13S ,2 () 25,4 (1) 23,4 (17) 27,1 (12) O alelo 13 prese n te na amos t ra de V não é verificado no prepa ra d o advind o do esfregaço vaginal. Isto pode decorrer do fenô me n o conhecido como AMPLIFICAÇÃO DIFERENCIAL, que é um artefato caracteriza d o pela diferença na eficácia de amplificação entre dois alelos (GILL et al, 1997; LYGO et al, 1994). Problema s no curso dos processo s de amplificação e detecção de alelos invalida m o uso deste locus, pois não se pode deter min a r com absoluta precisão se o material das células esper m á tica s foi amplificad o. Desta forma, a razão de verossi milha nça apresen ta d a no laudo deve ser recalculada. A deter min ação dos picos de intensida d e das bandas se faz necessária para determinar os componentes principal e secun dá rio na mist u ra e eliminar a hipóte se de o alelo 1 encon tra d o no esfregaço vaginal ser um STUTTER BAND relativo ao alelo 17 provenien te do DNA de V. A deter min ação dos picos de intensida d e das bandas se faz necessária para determinar os componentes principal e secun dá rio na mist u ra e eliminar a hipóte se de o alelo 12 encont ra d o no esfregaço vaginal ser um STUTTER BAND relativo ao alelo 13 provenie nte do DNA de V Análise do laudo técnico hipotético O uso de reações MULTIPLEX empregando corantes fluorescentes associado à detecção automatiza d a para determinação de alelos STR pela técnica da PCR fornece não só informação qualitativa dos alelos presentes na amostra (tipagem), mas também informação quantitativa referente às intensidades relativas das bandas. Como conseqüência, isto possibilita aferir a quantidade de DNA amplificado (CLAYTON et al, 199). Com freqüência, é possível separar as contribuições principal e secundária em misturas simples (BAN, 2000; CLAYTON et al, 199; EVETT et al, 199) e determinar a presença de STUTTER BANDS, bandas extras geradas pelo desliza mento da enzima TAQ POLIMERASE e que apresenta m uma unidade de repetição a menos que a verdadeira (GILL et al, 1997). Vale ressaltar que tal artefato de técnica é comum nas reações MULTIPLEX utilizadas neste caso. 4

5 5 No laudo técnico em questão não é mencionada a avaliação dos picos de intensidade ( PEAK AREAS ) das bandas referentes aos alelos identificados. Tal análise é importante para eliminar eventuais interpretações equivocadas dos resultados (BAN, 2000; CHANNELL, 2000; GUTIN et al, 1999; EVETT et al, 199; GILL et al, 199) e deter minar as freqüências estatísticas consideran d o - se somente os loci para os quais não há múltiplas possibilidades interpreta tivas. Todo o processo envolvido na análise de DNA é importante e a interpretação adequada dos resultados é essencial (MELENDEZ, 2001). As análises estatísticas são utilizadas para interpretar os resultados das genotipagens (SALDANHA, 2001). Quando o teste falha em excluir um acusado como possível contribuinte para uma evidência, deve- se calcular a representatividade estatística do emparelhame nt o (MELGAÇO, 199). Este cálculo depende da freqüência dos alelos encontra dos em determinado grupo populacional (MONSON e BUDOWLE, 199; ROEDER, 1994; WEIR, 199). A análise de misturas pode ser complexa uma vez que várias combinações de genótipos podem ser consideradas, de acordo com cada situação (CURRAN et al, 1999). Existem diferentes estratégias para tratament o estatístico de misturas (MAIA et al, 2001; SZAKACS, 2001). Embora o tipo de cálculo para deter minação da razão de verossimilhança utilizada neste caso seja reconhecida por alguns autores como uma maneira apropriada para interpretar evidências (AIKEN, 1995; EVETT e WEIR, 199), outros tratamen t o s estatísticos poderiam ser utilizado s para validar os resultados em situações que envolvem misturas de materiais biológicos (SZAKACS, 2001; CURRAN et al, 1999; WEIR et al, 199). Tais metodologias levam em consideração diferentes hipóteses para constr ução do perfil alélico em misturas como a encontra da no esfregaço vaginal da vítima. Considerações finais Em análises forenses de DNA, os resultados podem incluir ou excluir suspeitos como doadores de amostras encontradas em cenas de crime ou no corpo da vítima. O mesmo acontece quando o propósito do estudo é investigar a existência de vínculo genético, pode- se incluir ou excluir a possibilidade de ocorrência do parentesco analisado. As exclusões não requerem análise estatística desde que sejam absolutas, ou seja, haja diferenças entre as amostras que não justificadas por outra razão. As inclusões, por sua vez, devem ser analisadas estatisticamente, pois é preciso saber a freqüência em que o emparelhamento pode ocorrer. 3. Consideraçõe s gerais Para a aceitação de um trabalho pericial, dois componentes devem ser considerados: a acurácia (validade) e a consistência (reprodutibilidade) das análises. Em análises de DNA, o perito deve informar honesta m en te as limitações dos testes, quando estas existirem. Qualquer falha entre a coleta de amostras e a 5

6 divulgação dos resulta dos pode levar a conclusões equivocadas em exames de DNA. São recomendações básicas de quesitos para a elaboração do laudo pericial de análise de DNA: identificação do número do inquérito policial ou processo judicial; identificação das partes envolvidas e amostras; informação da etnia (raça) dos envolvidos, quand o possível e relevante; citação da metodologia empregada na coleta e armazena m en t o de materiais e, se necessário, esclarecimento dos cuidados empreendidos para manutenção da cadeia de custó dia destes materiais. Em adição, o laudo deve conter informações bibliográficas a cerca das metodologias utilizadas para a extração, quantificação e amplificação do DNA; forma de identificação dos alelos obtidos nos testes e funda me nt os empregados para os cálculos estatísticos (CHANNELL, 2000). As freqüências estatísticas utilizadas como base para os cálculos também devem ser mencionadas (US CONGRESS, 1990). 4. Conclusõe s O fato de duas amostras terem o mesmo perfil para um grupo de marcadores genéticos em especial não significa, obrigatoriamente, que elas possu a m a mesma origem. Quando a tipagem genética de duas amostras é igual, torna- se necessário expressar numericamente a significância deste evento. O número de marcadores empregados, a presença de subestr ut u r a s na população e a mistura de amostras podem interferir nos resultados. A expressão estatística dos resultados deve basear- se na presença ou não de misturas de material biológico, como é freqüentemente observado em casos de abuso sexual. Uma questão funda me nt al no uso do DNA como evidência é a validação científica dos métodos de análise. Em outras palavras, é preciso ter garantias científicas de que os testes podem inequivocamente identificar inclusões e exclusões para cada marcador genético utilizado. Inicialmente, a credibilidade dos testes deve partir da nature za das amostras biológicas utilizadas. Com freqüência, as amostras são encontra d as em superfícies não- estéreis, podend o sofrer danos após contato com a luz solar, microorganis mos e solventes. Existem procedimentos que podem minimizar a ação destes fatores de degradação do DNA. Entretanto, muitos cuidados devem ser tomados para evitar equívocos na interpretação. A amplificação pela PCR (reação em cadeia da polimerase) que é largamente empregada nas tipagens genéticas, pode produzir falhas e artefatos quand o a qualidade do material biológico está compro me tid a. Amostras parcialmente degrada das podem proporcionar, por exemplo, a amplificação preferencial de alelos e o surgimento das bandas fantasm as ( stutter bands ). No primeiro caso, tem- se a amplificação de um alelo em detrimento do outro. Isto pode gerar a falsa impressão de se tratar de um indivíduo homozigoto ao invés de heterozigoto para o locus em estudo. Já as bandas fantasm as decorrem de falhas no processo que geram bandas com uma unidade de repetição a menos que a do alelo original. Deste modo, pode- se interpretar equivocada men te o resultado como um falso heterozigoto ou identificar um alelo erronea men te.

7 7 Na atualidade, existem tecnologias, como os leitores por fluorescência capazes de dirimir dúvidas e evitar erros desta nature za. Contudo, estes equipamen tos são caros e poucos técnicos no Brasil estão capacitados a operálos. Outro fator importante é a reprodu tibilidade dos testes. Em Ciência, é preciso que os resultados sejam passíveis de reprodução para que sejam aceitos como verdade científica. No campo forense, não é incomu m a necessidade de repetição das tipagens. Isto pode encarecer o processo, mas não deve ser descartado, principalmente quando o que está sob suspeita é o teste em si. Para as análises de DNA, diversos quesitos podem ser postulados para a interpretação dos dados, incluindo- se neste ponto a escolha e o uso apropriad o das técnicas; as supracita das freqüências populacionais empregadas para os cálculos e o tipo de análise estatística empregada; os controles de qualidade adotado s; a documen tação dos procedimen to s; a qualidade dos equipamen to s e reagentes utilizados e a capacitação técnica dos profissionais envolvidos. Todas as etapas empreendidas para a tipagem do DNA, desde a coleta até a interpretação do significado estatístico dos dados obtidos, serão consubstanciadas em uma peça pericial escrita que servirá aos interesses de seus leitores. Em instância final, o laudo poderá ainda servir como elemen to de convicção para juizes, promotores e advogados nas ações penais. Cabe a advogados, juizes e a comunidade científica estar atentos ao fato de que os testes absoluta me n te não são infalíveis, como ocorre com qualquer outra atividade humana. Deve- se implementar no Brasil, confor me já ocorre em outros países, rigorosos padrões de qualidade para garantir a credibilidade de tão importante ferramenta. 4. Referências bibliográficas Ban JD. Interpreta tion of STR profiles- commu nity guidelines. Presentation in the 3 rd annual fluorescent STR megaplex technology workshop. SC, USA, Channell K. Writing a complicated STR report. Presentation in the 3 rd annual fluorescent STR megaplex technology workshop. SC, USA, Clayton TM, Whitaker JP, Sparkes R, Gill P. Analysis and interpretation of mixed forensic stains using DNA STR profile. Forensic Sci. Int. 91: Curran JM, Triggs CM, Buckleton J, Weir BS. Interpreting DNA mixtures in structure d populations. J. Forensic Sci.. 44 (5): Evett IW, Weir BS. Interpreting DNA Evidence: Statistical Genetics for Forensic Scientists. Sinauer Associates Ed, Sunderland, MA, US, 199. Gill P, Sparkes R, Kimpton C. Development of guidelines to desiguinate alleles using STR Multiplex systems. Forensic Sci. Int. 9:

8 Gutin S, Scholl T, Thomas A. Advancement in allele- calling accuracy and throughput. Proceedings of the 10 th International Symposium on Human Identification. FL, USA Inman K, Rudin N. An introduction to forensic DNA samples. CRC Press Lygo JE, Johnson P, Holdaway J, Woodroffe S, Whitaker JP, Clayton TM, Kimpton CP, Gill P: The validation of short tandem repeat (STR) loci for use in forensic casework. Int. J. Leg. Med. 107: Maia FAS, Paula KAA, Dalton GC. Análise de mistura de material genético em crimes sexuais envolvendo dois suspeitos. Anais do III simpósio latinoamericano de identificação humana. Curitiba, PR Melendez E. Razão de verossimilhança em casos complexos. Anais do III simpósio latino- americano de identificação humana. Curitiba, PR Melgaço, MCP. DNA e Paternidade: Falsa Exclusão. Revista de Direito da Defensoria. 12, 199. Monson KL, Budowle B. Effect of reference database on frequency estimates of polymerase chain reaction (PCR) Based DNA profiles. J. Forensic Sci. 43 (3): Paradela ER, Figueiredo ALS. Genética Forense - Coleta, Documentação e Transferência de Evidências Biológicas Destinadas a Testes Forenses de DNA. Trinolex, São Paulo, 11/01 / [Internet]. Disponível / w ww.trinolex.com / a r tigos_view.asp?icaso = a r tigos&id= Acesso em 02/05 /2007. Paradela ER, Figueiredo ALS, Smarra ALS. A identificação humana por DNA: aplicações e limites. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, 30, 30/0 / [Internet]. ISSN Disponível em / w w w.ambitojuridico.com.br / site /i n d ex.ph p n_link = revista_artigos_leitura&artigo_id = Acesso em 02/05 /2007. Roeder K. DNA fingerprint: a review of the controversy. Statstical Sci. 9(2): Saldanha G. Software para cálculos estatísticos de casos de investigação de vínculo genético. Anais do III simpósio latino- americano de identificação humana. Curitiba, PR Szakacs N. Perspective on DNA casework: unusu al exhibits mixture interpretatio n and profiles from inhibited PCR mixtures. Anais do III simpósio latino- americano

9 9 de identificação humana. Curitiba, PR US Congress, Office of Technology Assessment: Genetic witness: forensic uses of DNA tests. OTA- BA- 43. US Government Printing Office. Washington, DC Weir BS. Genetic Data Analysis II. Sinauer Associates Ed. Sunderland, MA, US, 199. Notas esclarecedoras: Marcadores STR ( short tande m repeats ) - seqüências que apresenta m repetições com unidade básica de 2-7 pares de base e o polimorfismo, assim como nos loci VNTR, também está baseado no número de repetições. Devido ao pequeno tamanho, geralmente menor que 350 pares de base, alelos STR podem ser analisados após amplificação pela técnica PCR. Reação em Cadeia da Polimerase (PCR) - A PCR é um método in vitro que sintetiza seqüências específicas de DNA. Esta reação utiliza um DNA que é usado como "molde" (template em inglês) e primers, que são oligonucleotídeos (pequenas seqüências que complementa m o DNA), que hibridam com o molde de DNA para que a molécula seja copiada. A copia do molde é catalisada pela enzima Taq polimerase. Uma série de ciclos repetitivos faz com que o molde seja separado em suas hemi- hélices, os primers hibridem com o molde, a polimerase catalise a ligação de nucleotídeos para formar uma nova cópia da região de interesse do DNA. Como cada cópia produ zida em um ciclo pode servir de molde no próximo ciclo, a cópia do DNA ocorre de forma exponencial. Em aproxima da me n te 20 ciclos, a concentração de DNA aumenta aproximada me n te um milhão de vezes. 9

Coordenação Geral de Investigação por Análise do DNA in vivo e post mortem da Defensoria Pública Geral do Estado do Rio de Janeiro.

Coordenação Geral de Investigação por Análise do DNA in vivo e post mortem da Defensoria Pública Geral do Estado do Rio de Janeiro. INVESTIGAÇÃO DE VÍNCULO GENÉTICO POR ANÁLISE DO DNA: OS DADOS SEMPRE OFERECEM SUPORTE AS CONCLUSÕES? Mary Christina Pitta Pinheiro de Souza Melgaço 1, André Luís dos Santos Figueiredo 2, 3, Eduardo Ribeiro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA RAZÃO DE PROBABILIDADE BAYESIANA COMO EVIDÊNCIA PARA TESTE DE VÍNCULO DE PATERNIDADE Curitiba 2012 I Dianna Lo Wai Yan Maurício Fernandes do Nascimento

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE EXAMES DE DNA EM PERÍCIAS CRIMINAIS

PADRONIZAÇÃO DE EXAMES DE DNA EM PERÍCIAS CRIMINAIS PADRONIZAÇÃO DE EXAMES DE DNA EM PERÍCIAS CRIMINAIS 1) Objetivos a) Assegurar a qualidade, integridade e segurança em exames periciais envolvendo a utilização de DNA; b) Estabelecer os procedimentos para

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A investigação de paternidade por análise de DNA André Luís dos Santos Figueiredo Eduardo Ribeiro Paradela * Em termos de impacto social, é muito difícil estabelecer um paralelo

Leia mais

GENÉTICA FORENSE E PATERNIDADE

GENÉTICA FORENSE E PATERNIDADE GENÉTICA FORENSE E PATERNIDADE Alessandra Dias Laboratório de Biologia Molecular O primeiro teste de DNA para investigação de paternidade era feito através do sistema de HLA, entretanto o resultado era

Leia mais

Importância do rigor técnico-científico dos exames de DNA Relato de casos

Importância do rigor técnico-científico dos exames de DNA Relato de casos Importância do rigor técnico-científico dos exames de DNA Relato de casos Autora: Cristiane Lommez de Oliveira Bióloga. Mestre em Bioquímica e Imunologia pela UFMG. Atua desde 1992 nas áreas de Biologia

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC Laboratório de Análises Genéticas DNA UDESC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC Laboratório de Análises Genéticas DNA UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC Laboratório de Análises Genéticas DNA UDESC PROPOSTA DE IMPLANTAÇAO DE COLETA DE MATERIAL GENÉTICO PARA ANÁLISE DE VÍNCULO DE PATERNIDADE PELO DNA, DURANTE

Leia mais

09 Mutações não interferem no polimorfismo genético e não constituem modificações hereditárias.

09 Mutações não interferem no polimorfismo genético e não constituem modificações hereditárias. LISTA DE EXERCÍCIOS 01 Para a realização do exame de paternidade, a perícia, geralmente, é realizada no campo médico-legal por meio da pesquisa do DNA. Porém, pode ocorrer que, sendo esta impossível por

Leia mais

DIFERENCIAIS: TIPOS DE EXAMES. Investigação de paternidade e/ou maternidade

DIFERENCIAIS: TIPOS DE EXAMES. Investigação de paternidade e/ou maternidade HOME O laboratório Sabin, desde 2002, emprega a biologia molecular no estudo do DNA. Essa tecnologia é conhecida pela alta qualidade nos procedimentos adotados que asseguram os resultados dos exames oferecidos.

Leia mais

DNA profiling parte 2

DNA profiling parte 2 Faculdade Milton Campos Curso Lato Sensu em Medicina Legal Disciplina: Bioinformática e Investigação Criminal Professor: Eduardo Campos dos Santos DNA profiling parte 2 Belo Horizonte Outubro/Novembro

Leia mais

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR) Uma das dificuldades dos pesquisadores frente à análise baseada no DNA é a escassez deste. Na medicina forense pode-se ter

Leia mais

Os exames. de DNA nos tribunais

Os exames. de DNA nos tribunais Avanços científicos ocorridos nas últimas décadas alteraram as investigações policiais: se antes as impressões digitais e outras pistas eram usadas para desvendar os crimes, hoje pode-se extrair DNA de

Leia mais

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA A eletroforese em gel de agarose consiste no método mais usado para separar, identificar, analisar, caracterizar e purificar fragmentos de DNA. Uma molécula de DNA, quando exposta a um campo elétrico,

Leia mais

Manual Técnico. quantificação de DNA humano em análises forenses. Para WWW.GENOMIC.COM.BR

Manual Técnico. quantificação de DNA humano em análises forenses. Para WWW.GENOMIC.COM.BR Kit Genomic de Quantificação de DNA Manual Técnico Para quantificação de DNA humano em análises forenses WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução Na maioria dos casos forenses, as amostras recebidas apresentam-se

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 025/05

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 025/05 DELIBERAÇÃO Nº 25/5 Cria as disciplinas Eletivas Restritas: Tópicos Especiais em Biologia Forense, Estágio em Biologia Forense I e Estágio em Biologia Forense II para o Curso de Ciências Biológicas, e

Leia mais

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA Analise a seguinte situação hipotética (1): Uma equipe de pesquisadores está realizando um inventário da biodiversidade de uma área tropical ainda inexplorada, porém já sofrendo grande impacto de fragmentação

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

Dúvidas Frequentes 1) O que é o teste de paternidade por DNA?

Dúvidas Frequentes 1) O que é o teste de paternidade por DNA? Dúvidas Frequentes 1) O que é o teste de paternidade por DNA? A análise em DNA é o meio mais preciso disponível atualmente para a determinação de paternidades ou maternidades duvidosas. É a extrema sensibilidade

Leia mais

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS PIOS Cristiane Kioko Shimabukuro Dias Pós-doutorado - FAPESP E-mail: crisdias@ibb.unesp.br Laboratório de Biologia e Genética de Peixes - Departamento

Leia mais

Manual da Oficina Prática de Genética, Genoma e Biotecnologia. Quarto Módulo

Manual da Oficina Prática de Genética, Genoma e Biotecnologia. Quarto Módulo www.odnavaiaescola.org Todos os direitos reservados à DNA Goes to School, Inc. 2003 Manual da Oficina Prática de Genética, Genoma e Biotecnologia Quarto Módulo Multiplicando o nosso DNA Kary Mullis A técnica

Leia mais

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva PCR MARCADORES MOLECULARES Prof. Dr. José Luis da C. Silva Histórico da PCR Kornberg (1960) Isolou e caracterizou a DNA polimerase. O isolamento desta enzima possibilitou o desenvolvimento da síntese in

Leia mais

Técnicas moleculares

Técnicas moleculares Técnicas moleculares PCR Reação em Cadeia da Polimerase Inventada em 1983 por Kary Mullis é uma das técnicas mais comuns utilizadas em laboratórios de pesquisas médicas e biológicas Kary Mullis ganhou

Leia mais

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano DNA A molécula da vida Prof. Biel Série: 9º ano DNA FINGER-PRINTING A expressão DNA "Finger-Print" (ou Impressões Genéticas) designa uma técnica de separação de segmentos de DNA que permite a identificação

Leia mais

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Relatório A arte em movimento: a célula Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Introdução No dia 6 Agosto, iniciamos o nosso estágio no

Leia mais

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu PCR tempo real PCR quantitativo 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu Aspectos Básicos um dos métodos atuais de aferir o nível de expressão de genes mas não é o único: Northern blotting (quantificação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS TÉCNICAS DE ANÁLISE DO ADN NA MEDICINA FORENSE EM MACAU

DESENVOLVIMENTO DAS TÉCNICAS DE ANÁLISE DO ADN NA MEDICINA FORENSE EM MACAU DESENVOLVIMENTO DAS TÉCNICAS DE ANÁLISE DO ADN NA MEDICINA FORENSE EM MACAU Secção de Bioquímica do Departamento de Ciências Forenses Técnica de 1ª Classe Técnico de 2ª Classe Wu Kit Ian Ng Chok Kei Resumo:

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além "PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO E INVESTIGAÇÃO DE DEFICIENCIAS GÊNICAS COM UTILIZAÇÃO DE FLUORESCÊNCIA, OU PROCESSO PCR MULTIPLEX FLUORESCENTE". Trata o presente relatório da descrição detalhada acompanhada

Leia mais

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR Engenharia Molecular Kit Autossômico GEM EM-22plex sem extração Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução STRs (short tandem repeats) são sequências repetitivas de 3 a 7 pares de bases encontradas

Leia mais

Segurança pública: determinação de identidade genética pelo DNA

Segurança pública: determinação de identidade genética pelo DNA Segurança pública: determinação de identidade genética pelo DNA Sérgio D. J. Pena * INTRODUÇÃO Do ponto de vista social, a determinação de identidade genética pelo DNA constitui um dos produtos mais revolucionários

Leia mais

PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs)

PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs) Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Curso de Licenciatura em Biologia Marinha e Pescas PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs)

Leia mais

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Patologia x Genética Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Lucas Brandão Patologia Clínica Definição: Fornece informações ao médico, de modo a proporcionar-lhe os meios necessários para

Leia mais

Base de Dados de Perfis Genéticos

Base de Dados de Perfis Genéticos Base de Dados de Perfis Genéticos Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa Instituto Nacional de Medicina Legal Cadeira: Medicina Legal e Ciências Forenses Janeiro de 2010 Introdução Definição Conjunto

Leia mais

Investigação de paternidade na ausência do suposto pai. Paternity testing father is absent

Investigação de paternidade na ausência do suposto pai. Paternity testing father is absent Saúde, Ética & Justiça, 5/7(1-2):6-11, 2000-2002. Investigação de paternidade na ausência do suposto pai Paternity testing father is absent Silvia O. SAMPAIO 1 ; J.R.R. PINHO 2 ; C.B. GRANJA 3 ; A.C. GOLDBERG

Leia mais

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações BSc. Daniel Perez Vieira (Protozoologia-IMTSP/ Laboratório de Biologia Molecular-IPEN) Aula 3 - Análise dos produtos: Qualitativa e Semi- Quantitativa

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs João Meidanis Scylla Bioinformática e UNICAMP III Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas Gramado, RS Maio 2005 MINI-CURSO - AGENDA 1. Primeiro Dia

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

LOCALÍSTICA FORENSE. Rogéria M. Ventura, Ph D FMU - 2011

LOCALÍSTICA FORENSE. Rogéria M. Ventura, Ph D FMU - 2011 LOCALÍSTICA FORENSE Rogéria M. Ventura, Ph D FMU - 2011 PERÍCIA CRIMINAL INVESTIGAÇÃO DO CRIME Chegada do perito investigador ao local do crime e certificação da preservação; Reconhecimento inicial da

Leia mais

ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS

ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS AEQ-FUNED 1. INTRODUÇÃO Ensaio de proficiência avalia o desempenho de um laboratório, comparando-o com os de mesma

Leia mais

Reação em Cadeia Da Polimerase

Reação em Cadeia Da Polimerase Reação em Cadeia Da Polimerase X Jornada Farmacêutica IV Amostra 2010 Sueli Massumi Nakatani LACEN-PR Um Pouco de História... Um Pouco de História... 1983 Kary Mullis for his invention of the polymerase

Leia mais

Técnicas Moleculares

Técnicas Moleculares Biologia Molecular no Diagnóstico de Infecção :HPV Maria Elizabeth Menezes,MSc;Ph.D e-mail:melmenezes@dnanalise.com.br DNAnálise Laboratório Técnicas Moleculares HIBRIDIZAÇÃO IN SITU SEQÜENCIAMENTO PCR

Leia mais

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala Técnicas de biologia molecular da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala os mesmos genes, qual a diferença? Dogma central Localizando alvos Técnicas iniciais para evidenciar

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL PELO DNA

IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL PELO DNA IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL PELO DNA Antônio Alberto Machado, professor livre docente da Unesp/Franca-SP As técnicas de investigação e de prova criminal experimentaram uma verdadeira revolução com o desenvolvimento

Leia mais

Reacção em cadeia da polimerase (PCR -Polymerase chain reaction)

Reacção em cadeia da polimerase (PCR -Polymerase chain reaction) Reacção em cadeia da polimerase (PCR -Polymerase chain reaction) - Realiza a replicação selectiva e rápida de uma sequência específica de nucleotídeos a partir de uma mistura complexa de DNAs amplificação

Leia mais

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO Conteúdos abordados -Relembrar alguns conceitos da Replicação do DNA in vivo Aplicação no Laboratório Clínico - PCR -Algumas

Leia mais

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você!

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! CANAL MÉDICO Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! A equipe do canal médico do laboratório Alvaro, é formada por bioquímicos, biomédicos e médicos com grande experiência

Leia mais

Modelagem de um Ambiente para Análise de DNA em Genética Forense

Modelagem de um Ambiente para Análise de DNA em Genética Forense Dissertação de Mestrado Modelagem de um Ambiente para Análise de DNA em Genética Forense FelipeJosédeQueirozSarmento Biólogo felipesarmento@yahoo.com.br Orientadora: Prof a.dr a. Eliana Silva de Almeida

Leia mais

PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler

PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler Tópicos (1) Estratégias gerais de estudo de sequências de DNA específicas em populações de DNA complexas Requisitos da reacção de polimerização em cadeia

Leia mais

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE Rio de Janeiro e Manaus testam para o Ministério da Saúde uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose pulmonar Que novo teste é este? O Xpert MTB/RIF é um método

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

Rede de cientistas cria "guia" do DNA

Rede de cientistas cria guia do DNA Rede de cientistas cria "guia" do DNA Pacotão de estudos faz a análise mais completa do DNA Na maior série de descobertas sobre o DNA humano desde a realização do projeto genoma humano em 2003, 442 cientistas

Leia mais

Polymerase Chain Reaction

Polymerase Chain Reaction Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciências Básicas da Saúde Laboratório de Virologia Polymerase Chain Reaction Equipe de Virologia UFRGS & IPVDF www.ufrgs.br/labvir PCR Desenvolvida

Leia mais

Aula DNA Forense. Arthur Estivalet Svidzinski

Aula DNA Forense. Arthur Estivalet Svidzinski Aula DNA Forense Arthur Estivalet Svidzinski Odontologia. 1. Perícia odonto-legal, peritos, documentos médicos, laudos periciais, modelos e interpretação, ética odontológica. 2. Perícia odontológica nos

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso?

Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso? Aluno: nº Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso? OBJETIVOS Compreender a importância prática da Engenharia Genética na identificação das pessoas. Conhecer os princípios básicos da manipulação

Leia mais

INPA INSTITUTO DE PESQUISAS APLICADAS

INPA INSTITUTO DE PESQUISAS APLICADAS Portal Unieducar www.unieducar.org.br e-learning Seminário de Biodireito O SEIS SIGMA COMO ESTRATÉGIA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE E DA LUCRATIVIDADE EM LABORATÓRIOS DE GENÉTICA FORENSE A IMPORTÂNCIA DO

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE ENSAIO DE PCR EM TEMPO REAL EM FORMATO MULTIPLEX APLICADO AO DIAGNÓSTICO DE INFECÇÕES POR HTLV-1 E HTLV-2

PADRONIZAÇÃO DE ENSAIO DE PCR EM TEMPO REAL EM FORMATO MULTIPLEX APLICADO AO DIAGNÓSTICO DE INFECÇÕES POR HTLV-1 E HTLV-2 PADRONIZAÇÃO DE ENSAIO DE PCR EM TEMPO REAL EM FORMATO MULTIPLEX APLICADO AO DIAGNÓSTICO DE INFECÇÕES POR HTLV-1 E HTLV-2 Gonçalves MG 1, Fukasawa LO 1, Alencar WK 2, Caterino-de-Araujo A 1 1 Instituto

Leia mais

Rev. 04 Out/2013. a) Preparo da etapa de amplificação real time área de pós PCR:

Rev. 04 Out/2013. a) Preparo da etapa de amplificação real time área de pós PCR: RTSD01-II Fator II G20210A Q PCR Alert Kit Rev. 04 Out/2013 Instruções de Uso USO PRETENDIDO O produto FATOR II Q-PCR Alert é um kit para teste de amplificação quantitativa de ácidos nucleicos para a determinação

Leia mais

Sequenciamento de genomas procariotos utilizando tecnologia de nova geração. Introdução ao sequenciamento de nova geração 4/11/14

Sequenciamento de genomas procariotos utilizando tecnologia de nova geração. Introdução ao sequenciamento de nova geração 4/11/14 4/11/14 Aula 2 Sequenciamento de genomas procariotos utilizando tecnologia de nova geração Introdução ao sequenciamento de nova geração Ana Marcia de Sá Guimarães, Méd Vet, MSc, PhD Aula 2 Tópicos 1. Sequenciamento

Leia mais

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C.

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. A) DIAGNÓSTICO ETAPA I - TRIAGEM SOROLÓGICA ( ANTI-HCV ) ETAPA II CONFIRMAÇAO

Leia mais

ANO LECTIVO 2011-12 WORKSHOPS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES

ANO LECTIVO 2011-12 WORKSHOPS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES ANO LECTIVO 2011-12 WORKSHOPS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES 1 3º CICLO a quente e a frio Técnicas de gelificação a quente e a frio e esferificação de líquidos.

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO

EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO CUNHA, Marielton dos Passos 1 ; OLIVEIRA, Bruno Francesco Rodrigues de 1 ; RESENDE, Isa Murielly

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA Público alvo: Estudantes de 3º ano do ensino médio Local: Escolas de ensino médio e/ou cursos pré-vestibulares Carga horária: 12 horas Organização: HELIX

Leia mais

Monitoramento do Quimerismo Linfo-hematopoético após Transplante de Células-tronco Hematopoéticas

Monitoramento do Quimerismo Linfo-hematopoético após Transplante de Células-tronco Hematopoéticas Monitoramento do Quimerismo Linfo-hematopoético após Transplante de Células-tronco Hematopoéticas 5 Rocio Hassan Martin H. Bonamino Ilana Zalcberg Renault INTRODUÇÃO O conceito de que a capacidade curativa

Leia mais

LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA

LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA IDENTIFICAÇÃO HUMANA Identificação pelo DNA - Identificação Médico-Legal - Perícias Odontológicas VOLUME II Editora Millennium CAMPINAS/SP

Leia mais

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM*

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* (*organismos geneticamente modificados) 1ª Edição - Novembro 2006 Programa de Certificação de Alimentação Humana,

Leia mais

Sequenciamento de DNA

Sequenciamento de DNA Sequenciamento de DNA Figure 8-50a Molecular Biology of the Cell ( Garland Science 2008) Método de Sanger Reação de síntese de DNA por uma DNA polimerase A incorporação de um dideoxinucleotídeo interrompe

Leia mais

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio.

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio. PROJETO: Análise Genética das Populações de Myrciaria dubia (camu-camu) e Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influencia da UHE Santo Antônio. Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma)

Leia mais

Assistência técnica em genética forense: esferas de atuação e o mercado de trabalho no Brasil

Assistência técnica em genética forense: esferas de atuação e o mercado de trabalho no Brasil Assistência técnica em genética forense: esferas de atuação e o mercado de trabalho no Brasil Maria Elizabeth Menezes,MSc,Ph.D MELMENEZES2001@YAHOO.COM A assistência técnica na área de genética forense

Leia mais

CAPACITAÇÃO TÉCNICA PARA COLETA DE DURANTE AUDIÊNCIA

CAPACITAÇÃO TÉCNICA PARA COLETA DE DURANTE AUDIÊNCIA Laboratório de Análises Genéticas - DNA UDESC Secretaria de Estado da Saúde - SES SC Consórcio Intermunicipal de Saúde - AMURES Programa de DNA em Audiência em SC - PRODNASC CAPACITAÇÃO TÉCNICA PARA COLETA

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses Funcionamento da Base de Dados de Perfis de ADN Francisco Corte-Real Council Resolution of 9 June

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 5, DE 29 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 5, DE 29 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 5, DE 29 DE MAIO DE 2014. Dispõe sobre a instituição da Comissão da Qualidade, e os requisitos técnicos para a realização de auditorias nos laboratórios e bancos que compõem a Rede Integrada

Leia mais

HLA HLA. HEMOSC Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina. Tipagem HLA ROTINA DE EXAMES DE HISTOCOMPATIBILIDADE PARA TRANSPLANTE

HLA HLA. HEMOSC Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina. Tipagem HLA ROTINA DE EXAMES DE HISTOCOMPATIBILIDADE PARA TRANSPLANTE HEMSC Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina RTINA DE EXAMES DE HISTCMPATIBILIDADE PARA TRANSPLANTE LABRATÓRI RI DE IMUNGENÉTICA Farmacêutica-Bioquímica: Mariana Chagas Laboratório rio de

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PROTOCOLOS DE EXTRAÇÃO DE DNA DAS ESPÉCIES DE AVES Oryzoborus angolensis e Oryzoborus maximiliani

PADRONIZAÇÃO DE PROTOCOLOS DE EXTRAÇÃO DE DNA DAS ESPÉCIES DE AVES Oryzoborus angolensis e Oryzoborus maximiliani 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PADRONIZAÇÃO DE PROTOCOLOS DE EXTRAÇÃO DE DNA DAS ESPÉCIES DE AVES Oryzoborus angolensis e Oryzoborus maximiliani Paulo Henrique Godoy Teles 1 ; Adriana

Leia mais

Estudo populacional de 6 STRs (TH01, TPOX, CSF1PO, D7S820, D13S317 e D16S539) na região Centro de Portugal

Estudo populacional de 6 STRs (TH01, TPOX, CSF1PO, D7S820, D13S317 e D16S539) na região Centro de Portugal Estudo populacional de 6 STRs (TH01, TPOX, CSF1PO, D7S820, D13S317 e D16S539) na região Centro de Portugal Licínio Manco, Pedro Arede, Isabel Silva, Manuela Alvarez, Augusto Abade Departamento de Antropologia

Leia mais

Biologia Avançada Jatropha curcas L.

Biologia Avançada Jatropha curcas L. 1 Pesquisadores: Hugo Bruno C. Molinari Betania F. Quirino Biologia Avançada Jatropha curcas L. Maior banco de informações moleculares em todo o mundo Gerar ferramentas para subsidiar programa de Melhoramento

Leia mais

FORENSIC Training Seminars

FORENSIC Training Seminars FORENSIC Training Seminars FORENSIC Training Seminars Temos o prazer de apresentar a nossa proposta comercial para um programa de treinamento abaixo discriminado, que julgamos pó ser útil à sua organização:

Leia mais

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja SOUZA, R.C. 1 ; SANTOS, M.A. 2 ; HUNGRIA, M. 3 1 Centro Universitário Filadélfia - Unifil, renata@ cnpso.embrapa.br; 2 Escola

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Amazônia Oriental Belém, PA 2015 DIVERGÊNCIA GENÉTICA ENTRE MATRIZES DE

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP N.º 25/2001

RESOLUÇÃO CFP N.º 25/2001 RESOLUÇÃO CFP N.º 25/2001 Define teste psicológico como método de avaliação privativo do psicólogo e regulamenta sua elaboração, comercialização e uso. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso das atribuições

Leia mais

Kit para calibração de PCR pht

Kit para calibração de PCR pht Kit para calibração de PCR pht Itens fornecidos: Tampões ( concentrado) Composição ( concentrado) I0 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton X-100 IB 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton

Leia mais

Novas Tecnologias de Sequenciamento

Novas Tecnologias de Sequenciamento Novas Tecnologias de Sequenciamento Tecnologias de sequenciamento Sanger (Capilaridade) Uma das inovações tecnológicas de maior influência na pesquisa biológica, desde que foi lançada em 1977 Abordagem

Leia mais

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa Reação Ag-Ac in vitro Testes sorológicos Uso de soro ou outros fluidos biológicos de paciente p/ diagnóstico laboratorial Demonstração de anticorpos específicos

Leia mais

MUTAÇÃO. O que é mutação? - Alteração no material genético.

MUTAÇÃO. O que é mutação? - Alteração no material genético. Universidade Federal do Piauí Núcleo de Estudos em Genética e Melhoramento (GEM) CNPJ: 12.597.925/0001-40 Rua Dirce de Oliveira,3597- Socopo/Teresina-PI Mutação MARIANE DE MORAES COSTA Teresina, 01 de

Leia mais

USO DE TECNOLOGIAS MOLECULARES

USO DE TECNOLOGIAS MOLECULARES USO DE TECNOLOGIAS MOLECULARES P= G+A VP = VG + VA Uso de marcadores no estudo de características quantitativas Características quantitativas Controladas por vários genes de pequeno efeito Sofrem maior

Leia mais

1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta.

1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta. 1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta. I. Por expressa determinação legal não se aplicam aos crimes praticados com violência

Leia mais

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 3: Resposta a Incidentes de Segurança A tecnologia

Leia mais

Biologia Molecular de Corinebactérias Produtoras de Aminoácidos: Análise do Genoma de Brevibacterium lactofermentum ATCC 13869

Biologia Molecular de Corinebactérias Produtoras de Aminoácidos: Análise do Genoma de Brevibacterium lactofermentum ATCC 13869 Biologia Molecular de Corinebactérias Produtoras de Aminoácidos: Análise do Genoma de Brevibacterium lactofermentum ATCC 13869 António Carlos Matias Correia Dissertação apresentada à Universidade de Aveiro

Leia mais

Sequenciamento de genomas

Sequenciamento de genomas Sequenciamento de genomas 1 o genoma completo vírus OX174 5.000 nt (Sanger et al. 1977) em 1977 1000 pb sequenciados por ano neste ritmo genoma E. coli K-12 4.6-Mbp levaria mais de 1000 anos para ser completo

Leia mais

REQUIREMENTS TRACEABILITY MATRIX: AUTOMATIC GENERATION AND VISUALIZATION

REQUIREMENTS TRACEABILITY MATRIX: AUTOMATIC GENERATION AND VISUALIZATION REQUIREMENTS TRACEABILITY MATRIX: AUTOMATIC GENERATION AND VISUALIZATION Seminário da disciplina Engenharia de Requisitos Aluno: Eliaquim Lima Sá Neto (elsn@cin.ufpe.br) Autores 2 Sandra Fabbri Professora

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira) Altera os arts. 161, 162, 164, 165, 169 e 292 do Decreto-Lei n o 3.689, de 3 de outubro de 1941- Código

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme)

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme) CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme) Genética Humana, LCS 3º Ano,1º Semestre, 2012-2013 2ª Aula Sumário Quantificação de DNA cromossomal e avaliação do grau de pureza por espectrofotometria

Leia mais

The next generation sequencing

The next generation sequencing The next generation sequencing Cesar Martins (cmartins@ibb.unesp.br) Departamento de Morfologia Instituto de Biociências, UNESP Universidade Estadual Paulista Botucatu, SP 1 Métodos Atuais Sequenciamento

Leia mais

Implementac a o do Alelo Animal/ Animal GRIN no Brasil. Samuel Rezende Paiva Embrapa Labex EUA Recursos Genéticos

Implementac a o do Alelo Animal/ Animal GRIN no Brasil. Samuel Rezende Paiva Embrapa Labex EUA Recursos Genéticos Implementac a o do Alelo Animal/ Animal GRIN no Brasil Samuel Rezende Paiva Embrapa Labex EUA Recursos Genéticos O Que é o Alelo Animal? PORTAL ALELO, lançamento final 2013: https://www.embrapa.br/alelo

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

PROJETOS DE PESQUISA: INICIAÇÃO A METODOLOGIA ENGENHARIA

PROJETOS DE PESQUISA: INICIAÇÃO A METODOLOGIA ENGENHARIA MOSTRATEC-FEBRACE FEBRACE-CIÊNCIA CIÊNCIA JOVEM INTEL PROJETOS DE PESQUISA: INICIAÇÃO A METODOLOGIA CIENTÍFICA E MÉTODO DE ENGENHARIA Dalva Inês de Souza 2008 Seja ético, referencie o que você usa como

Leia mais