Coordenação Geral de Investigação por Análise do DNA in vivo e post mortem da Defensoria Pública Geral do Estado do Rio de Janeiro.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Coordenação Geral de Investigação por Análise do DNA in vivo e post mortem da Defensoria Pública Geral do Estado do Rio de Janeiro."

Transcrição

1 INVESTIGAÇÃO DE VÍNCULO GENÉTICO POR ANÁLISE DO DNA: OS DADOS SEMPRE OFERECEM SUPORTE AS CONCLUSÕES? Mary Christina Pitta Pinheiro de Souza Melgaço 1, André Luís dos Santos Figueiredo 2, 3, Eduardo Ribeiro Paradela 2, 3 1 Coordenação Geral de Investigação por Análise do DNA in vivo e post mortem da Defensoria Pública Geral do Estado do Rio de Janeiro. 2 DNA Forense Peritos Associados e Análises Laboratoriais LTDA. 3 Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) Laboratório de Vínculo Genético (VINGENE). Resumo Os exames para a identificação humana por análise do DNA podem ser utilizados para economiz ar tempo e recursos do sistema judiciário. Contudo, a falta de padrões e procedime ntos de segurança na execução desta modalidade de exames afeta a credibilidade de muitos dos serviços oferecidos em território nacional. Uma das primeiras questões que um operador do direito deve indagar ao receber um laudo pericial de análise de DNA é se a evidência deve ou não sofrer nova análise. Um questiona me nt o chave neste ponto é: os dados oferecem suporte às conclusões? Neste artigo são apresenta das algumas das situações de erro verificadas pela Coordenação Geral de Investigação por Análise do DNA in vivo e post mortem da Defensoria Pública Geral do Estado do Rio de Janeiro ao longo de seu tempo de atuação. Como os equívocos foram pronta me n te identificados através da rotineira conferência de laudos, evitou- se que injustiças fossem cometidas em virtude das falhas. Introdução Os exames para a identificação humana por DNA podem ser utilizados para rapidamen te estabelecer vínculo genético, eliminar falsas suspeitas ou associar criminosos a cenas de crime e estas entre si, acarretando significativa economia de tempo e dinheiro à Justiça. Contudo, ao contrário do que muitos imaginam, as técnicas envolvidas nas tipagens genéticas não são isentas de erros (PARADELA et al, 2006, MELGAÇO, 199). Nestes exames, a validade dos resultad os depen de de vários fatores, dentre os quais se destaca o cálculo das freqüências populacionais dos marcadores utilizados, uma vez que pode haver variações entre grupos populacionais (EVETT e WEIR, 199; WEIR, 1996). Para investigações de paternidade, por exemplo, o índice mínimo desejado para que se possa afirmar este grau de parentesco entre um indivíduo e seu suposto pai é de 99,99%. De acordo com o número e o tipo de marcado res genéticos empregado s, as variações populacionais podem interferir no índice de paternida de (MELENDEZ, 2001). A expressão estatística dos resultados deve também levar em consideração a presença ou não de misturas de material biológico, como é freqüente me nt e encontrado em casos de abuso sexual. Há casos em que os profissionais respon sáveis não levam em consideração tais aspectos, fazen do 1

2 pairar dúvidas a cerca de seus resultados (PARADELA et al., 2006). Caso 1: Investigação de Paternidade por DNA com Suposto Pai falecido Histórico Um casal (investigantes) deseja saber se determinada pessoa (investigado) é seu neto, ainda que o Suposto Pai (SP) da mesma tenha falecido. Nestes casos, devese ressaltar que quanto maior o número de indivíduos aparenta dos analisados (encaminhados), mais informativo será o resultado do teste de vínculo genético proposto Coleta de material Além da coleta de material biológico do indivíduo cuja paternidade se encontra sob investigação e de sua mãe biológica, na ausência do SP (falecido) coletou- se material biológico de três irmãos deste, identificados como (I 1 SPF), (I 2 SPF), (I 3 SPF), como parâmetro genético de origem paterna do investigado Técnica utilizada Utilizou- se a comparação de marcadores STR ( short tandem repeats ) amplificados pela Reação em Cadeia da Polimerase (PCR). Foram analisados cromoss om o s autossômicos (resultados apresenta dos na Tabela 1) e o cromossomo sexual masculino Y (resultados apresentados na Tabela 2) Resultados Os resulta dos foram apresenta d os na forma de tabelas. A Tabela 1 relaciona os alelos identificados na análise de loci STR presentes em cromosso m o s autossô micos e a Tabela 2 apresenta os alelos tipados na investigação de locais gênicos no cromoss om o sexual masculino (Y) Conclusões apresentada s no laudo Através do perfil genético de (I 1 SP), (I 2 SP), (I 3 SP) foi reconstituído total ou parcialmente em cada locus autossô mico o padrão genético de seus progenitores, verificando se o investigado apresenta herança paterna compatível com a hipótese de ser neto biológico do casal de investigantes. O resultado das tipagens em loci STR possibilitou o cálculo de um índice 2

3 cumulativo de concordância igual a 27,60, o que expressa uma possibilidade aproxima da de 99,9% a favor do investigado ser o neto biológico dos investigantes. Ainda assim, no locus DS21S foi excluída a possibilidade do investigado ser neto biológico dos investigantes. Todavia, a referida discordância pode ser decorrente de evento mutacional tanto materno quanto paterno. Acrescentand o - se o estudo das tipagens dos irmãos do (SP) em onze loci do cromoss om o sexual masculino (Y), verificou- se a ocorrência de uma única discordância, no locus DYS390, entre o haplótipo Y do investigado e aquele compar tilhado pelos três irmãos do (SP). Através da análise da Tabela 2 pode ser verificado que no locus DYS390 do cromossom o Y do investigado está presente o alelo 24, enquanto nos seus supostos tios está presente o alelo 25. Esta discordância pode dever- se a um evento mutacional que resultou na perda de uma unidade de repetição in tanden na trans missão do patrimônio genético do progenitor do (SP) para este ou deste para o seu suposto filho. Acrescenta- se que tendo em vista que na coleta de amostras biológicas das partes foi informa da a existência de outros irmãos do (SP), o laboratório respon sável pelo exame sugere a participação futura dos mesmo s. Com isto, será possível uma reconstituição melhor dos genótipos dos progenitores do (SP), o que permitirá elevar a probabilidade de certeza do vínculo genético ou a não confirmação deste vínculo entre os irmãos do (SP) falecido e o investigado. Tabela 1: Regiões STR analisadas no caso 1 (cromosso m os autossô micos). Locus Mãe do investiga do TPOX D2S FGA 22,2 23 CSF1PO D5S1 D7S20 DS79 THO1 6 6 Investiga do 9* 20* * * * * * 6 9* I 1 SP I 2 SP I 3 SP f% Índice de concordânc ia 9* 9* 13,3 2, * * * 15 9* 17 20* * * * 9* ,5 20* ,4 0,25 * 33, 3 1,73 5,32 4,95 16,9 1,72 9 0, * 15,5 1,6 9,3 4 3

4 vwa 16 * * * *,67 3, D13S317 9* 13 6,9 3,62 9* 9* D16S ,9 1,25 * * * D1S51 15* 15*,9 1,93 15* 20 15* 20 D19S * 15,0 3,57 15* 15* 15* 15* 6 D21S ,2 30,2* 29 31,2 2 Ameloge nin X X X X X N/A N/A a X Y Y Y Y Índice cumulativo de concordância : 27,60 * - alelo paterno obrigatório; f% - freqüência do alelo paterno obrigatório; N/A não aplicável. Tabela 2: Regiões STR analisadas no caso 1 (cromosso m os sexuais). Locus Investigado I 1 SP I 2 SP I 3 SP DYS DYS DYS35,,,, DYS DYS39I DYS391 DYS39II DYS19 DYS DYS43 DYS437 Comentários sobre o caso 1 Neste caso, o laboratório procedeu a coleta das amostras dos irmãos do (SP) e a sua posterior análise embora surgissem dúvidas (relatadas nas conclusões do laudo) a cerca da necessidade de investigação dos outros irmãos do (SP). De fato, em uma situação desta deve- se coletar material do maior número possível de parentes próximos, visto que mais informações contribue m para a obtenção de 4

5 um índice cumulativo de concordância maior em caso de inclusão. Contu do, o laboratório somente deveria ter procedido a análise de DNA quando todas as amostras estivessem reunidas a fim de não compro mete r suas afirmações consubstanciadas no laudo, confor me ocorreu ao ser mencionado que a presença de mais parentes poderia elevar a probabilidade de certeza do vínculo genético ou a não confirmação deste vínculo entre os irmãos do (SP) e o investigado. Note- se que o mesmo laudo que afirma haver o vínculo genético agora infere que a presença de mais irmãos do (SP) poderia excluir tal certeza. Isto, por si só, já seria o suficiente para gerar dúvidas sobre as conclusões finais da perícia por DNA em questão. Adicionalmente, os resultados apresenta d os no laudo indicam um índice cumulativo de concordâ ncia de aproximada m e nte 99,9%, o que remete a uma chance de erro em cada mil análises. Vale ressaltar que este é considerado um valor baixo para muitas análises, conforme discutido a seguir. A exclusão verificada nas tipagens relativas ao locus D21S foi explicada como fruto de eventos mutacionais. Entretanto, quando não ocorrer coincidência em no mínimo dois loci, outros marcadores devem ser analisados para ser certificada a exclusão ou confirmada a ocorrência de mutação, até que se obtenha um índice de concordância suficientemen te aceitável. Em caso de não coincidência, deverão ser estudados e incluídos no laudo tanto as ocorrências das exclusões (inexistência de perfil coincidente para n loci) como as possibilidades de ocorrência de mutação (se disponível, é desejável a inclusão de informações associadas à taxa de mutação publicada para a situação). As mutações e taxas em que ocorrem deverão ser consideradas nos cálculos estatísticos de probabilidades de coincidências (BAN, 2000; AABB, 1999; BRINKMANN et al., 1999; WEIR, 1996). Para os casos de aplicação criminal ou reconstituição de perfil genético onde for considerada a ocorrência de mutação, o Índice de Paternidade parcial do locus onde foi detectado o evento mutacional será calculado a partir de fórmula matemá tica que inclua a taxa de mutação do locus (µ) e o poder médio de exclusão do mesmo ( Ă) ( AABB, 1999; AITKEN, 1995). A exclusão anotada para o locus DYS390 (cromosso m o Y) também recebeu explicação como evento mutacional. Quando da utilização de marcadores uniparen tais (cromosso m o Y e DNA mitocond rial) para os propósitos de investigação de vínculo genético, devem ser seguidas as seguintes normas: se houver no mínimo duas diferenças de nucleotídeos entre as amostras questionada s e de referência, as amostras podem ser excluídas como sendo originadas da mesma fonte ou linhagem; se houver somente uma diferença de polimorfismos entre as amostras questionada s e referência, o resultado será dado como inconclusivo; duas ou mais exclusões são consideradas definitivas para excluir o vínculo (KAYSER e SAJANTILA, 2001). Caso amostras do casal de supos tos avós fossem utilizadas poder- se- ia reconstituir o perfil genético do suposto pai com menor gasto de tempo e recurso s e sem gerar as dúvidas observadas neste caso. Além disto, a genética forense mostra que não é tão incomu m a ocorrência de filhos fruto de relações 5

6 fora do casamento (PARADELA e FIGUEIREDO, 2007; FONSECA, 2005). Um suposto tio que não fosse filho do mesmo pai poderia complicar sobremaneira as análises se esta informação não estivesse disponível (MELGAÇO, 2000; 199; 1997). Vale ressaltar que a Coordenação Geral de Investigação por Análise do DNA in vivo e post mortem da Defensoria Pública Geral do Estado do Rio de Janeiro citou esta possibilidade no decorrer do processo. Deve- se notar pelos dados apresenta do s nas Tabelas 1 e 2 que os alelos paternos obrigatórios não foram detectados nas amostras de referência paterna (tios) em alguns dos marcadores empregados. No locus FGA, onde o alelo paterno obrigatório é o número 26, as referências paternas possuem somente os alelos 21 e 22. De acordo com as combinações possíveis, os dois avós apresenta m o alelo 22, sendo que ao menos um no casal possui o alelo 21, o qual poderia estar presente em ambos. Deste modo, os supostos avós apresenta m as seguintes possibilidades para o local gênico FGA: 22, 22; 21, 22 ou 22, (?), onde (?) represen ta um alelo desconhecido que pode coincidir ou não com o alelo paterno obrigatório (26). Para o locus DS79 verifica- se situação semelhante. O alelo paterno obrigatório () não está presente nas tipagens das referências paternas, mas não se exclui a possibilidade deste ser encontra do na carga genética de algum dos supostos avós, os quais podem apresentar:,, já que ambos necessariamente possue m o alelo ;, 15, visto que ao menos um apresenta o alelo 15; ou, (?), podendo ou não (?) ser igual ao alelo paterno obrigatório (). Note- se ainda que na maioria nos locais gênicos avaliados (TPOX, D2S133, D3S135, CSF1PO, D7S20, THO1, D16S539, D1S51 e D19S433) a freqüência do alelo paterno obrigatório é superior a %, ou seja, este pode ser encontra d o em mais de pessoas em cada grupo de 0 na população utilizada como referencial. O correto seria aumenta r o número de marcadores genéticos utilizados para atingir melhor índice de concordância ou afastar definitivamente as possibilidades de existência de vínculo genético entre as pessoas avaliadas. Portanto, as análises relatadas neste caso não deveriam ser aceitas na forma em que foram apresentadas por terem sido insuficientes e, sobretudo, inconclusivas. Caso 2: Dois exames, dois resultados. Investigação de Paternidade Envolvendo o Trio: Mãe, Criança e Suposto Pai Histórico A mãe da criança cuja paternida de está sob investigação conviveu com um home m (H1) e deste relaciona ment o nasceu uma criança que não foi registrada por ele, pois antes do parto o relacionamen to havia terminado e o mesmo desaparecido. Cerca de cinco anos depois, a supracitada mãe casou- se com outro home m (H2). Este senhor veio a registrar a criança (menina) já com cinco anos de idade. Ao reparar no comporta me n t o anormal de sua filha, a mãe investigou e descobriu que (H2) abusava sexualmente da mesma. Houve necessidade de investigação de paternidade por análise de DNA para provar que (H2) não era o 6

7 pai biológico da criança em questão (investigada) para acelerar o divórcio e enqua dr á- lo na lei pelo crime que cometera. A realização do exame indicou que (H2) poderia ser incluído como pai da menina (resultados na Tabela 3), o que levou a sua mãe ao desespero. Tal fato acarretou a realização de um segund o exame de DNA, relatando - se exclusão da possibilidade de paternida de (resultados apresentados na Tabela 4) Conclusões apresenta das nos laudos Conclusão do primeiro exame: Com base na análise da trans missão dos alelos paternos obtidos pelos marcadores moleculares do tipo STR em nove locais gênicos independen tes, o suposto pai (H2) não pode ser excluído como pai biológico da menor analisada. O índice cumulativo de inclusão de 349 mostra a probabilidade de 99,7% de (H2) ser o pai da criança. Conclusão do segundo exame: Com base na análise da trans missão dos alelos paternos obtidos pelos marcadores moleculares em seis locais gênicos independe ntes e quatro locais gênicos do cromosso m o X (marcadores moleculares do tipo VNTR vide nota explicativa), o SP não compar tilha alelos em nove regiões, o que exclui a possibilidade de (H2) ser o pai da investigada. Tabela 3: Resultados apresenta d os para as tipagens no primeiro exame (caso 2). Locus TPOX CSF1PO D7S20 LPL DS79 THO1 vwa D13S317 Suposto Pai (H2) Investigada Mãe IP , ,3 1,79 3,57 1,5 1,61 7

8 Locus D16S539 Suposto Pai (H2) Investigada Mãe IP 1,5 Tabela 4: Resultados apresenta dos para as tipagens no segundo exame (caso 2). Locus/ Sonda D1S7 MS1 D2S44 YNH24 D5S0 LH1 D7S467 AC415 DS2 TBQ7 D17S26 EDF52 HPRTB DXS1 DXS603 DXS995 Suposto Pai (H2) Investigada Mãe IP , Comentários sobre o caso 2 No primeiro exame, a aceitação de um índice cumulativo de paternidad e de apenas 349 (probabilidade aproximada de 99,7% de haver o vínculo genético investigado) deveria ter chama do a atenção do perito respons ável. O fato de suposto pai (H2) possuir o alelo paterno obrigatório nas nove regiões STR estudadas não confirma por si só que ele é o pai biológico da investigada. Tal sentença somente poderia ser assu mida após a análise estatística dos resultad os. Os alelos em comum entre as partes avaliadas são comuns na população, razão pela qual o referido índice foi inferior ao aceitável.

9 Na prática, o índice cumulativo de paternidade de 349 representa que um homem a cada 349 na população compartilha com o suposto pai a combinação de alelos paternos obrigatórios encontra da. Em uma partida de futebol de grande apelo popular hipotética em que homens fossem ao estádio, mais de 170 destes iriam ter em comum com H2 tais alelos. Além disso, a probabilidade de 99,7% de haver o vínculo genético investigado é considerada insuficiente por muitos, visto que representa margem de erro de mais de um em cada grupo de mil exames realizados (EVETT e WEIR, 199; WEIR, 1996). Na situação apresentada, se não houvesse resistência na aceitação do primeiro resultado por parte da mãe da menina analisada, a falta de critérios do perito respon sável poderia ter criado sérios problemas familiares e dificultado uma avaliação criminal de abuso sexual contra menor. Deve- se notar que embora no segun do exame tenha sido empregado o mesmo número de marcadores genéticos, escolheu- se um grupo mais polimórfico que foi capaz de facilmente excluir a existência de vínculo genético. Tanto marcadores STR quanto VNTR podem ser empregados sem receios para as tipagens por análise de DNA. Contu do, cabe ao perito avaliar a melhor técnica e o melhor grupo de marcadores para cada caso. Em estudo de locais gênicos representa dos por STR, o FBI recomen d a o uso mínimo de 13 loci (AABB, 1999). Caso 3: Um caso, dois exames e dois resultados Histórico No primeiro exame foram analisadas as seguintes pessoas para verificar paternida de com Suposto Pai (SP) falecido: Investigada (I); sua Mãe (M); Uma filha registrada do (SP) (FRSP) e a Mãe da (FRSP) (MRFSP). Na segunda análise foi incluída a Mãe do Suposto Pai (MSP) Conclusões do primeiro laudo: a Investigada (I) e a sua suposta irmã (FRSP) não apresentam parentesco (resultados apresentados na Tabela 5) Conclusões do segundo laudo: Neste processo, verificou- se a possibilidade de parentesco indicada com um Índice Cumulativo de Concordância de , expressa ndo isto uma possibilidade superior a 99,99% a favor de (I) ser relacionada através de seu (SP) com (MSP). A pessoa (FSP), embora registrada legalmente, não era filha biológica de (SP) (resultados na Tabela 6). 9

10 Tabela 5: Resultados apresentados para as tipagens no primeiro exame (caso 3). Locus / Sonda D1S7 MS1 D2S44 YNH24 D5S0 LH1 D4S139 PH30 D6S132 SLI90 DS35 CEB42 M I FRSP MFSP DS TBQ * alelo paterno obrigatório 7940* * * 3 240* * 4600* * 7940* * * * 7690* * 3550*

11 Tabela 5: Resultados apresenta dos para as tipagens no segundo exame (caso 3). Locus / Sonda D1S7 MS1 D2S44 YNH24 D5S0 LH1 D4S139 PH30 D6S132 SLI90 D7S467 AC415 DS2 TBQ7 D16S5 SLI779 M I MSP Índice de Concordância * alelo paterno obrigatório Comentários sobre o caso * * * * * 3000 * * 1940 * ,63 NI NI NI 4,00 25,00 NI 25,00 Índice cumulativo de concordância : É preciso ter em mente que nem todos os filhos registrados, nascidos dentro ou não do casamento, são obrigatoriamente biológicos (MELGAÇO, 2000; 199). O fato de se entender um (a) filho (a) registrado (a) como obrigatoriamente sendo um (a) filho (a) biológico (a) pode comprome te r a realização de Justiça, como haveria ocorrido neste caso não fosse o bom senso empregado pela Coordenação Geral de Investigação por Análise do DNA in vivo e post mortem da Defensoria Pública Geral do Estado do Rio de Janeiro neste caso. De fato, ao se comparar (FRSP) e a (MSP) pode- se notar que as mesmas não possue m vínculo biológico do tipo avó- neta. Tais circunstâncias poderiam ter levado a errônea interpretação de que a Investigada não é filha biológica de seu Suposto Pai. Ao se utilizar um

12 número maior de referências, foi possível verificar quais relações de parentesco biológico eram efetivamente verdadeiras. Em situações como esta, não é aceitável optar sempre pelo caminho mais rápido e fácil, sendo por vezes importan te se proceder a análise dos restos mortais do (SP), procedimento feito pela Coordenação Geral de Investigação por Análise do DNA in vivo e post morte m da Defensoria Pública Geral do Estado do Rio de Janeiro. Consideraçõe s finais A evolução da ciência possibilitou o emprego de novas ferrament as à Justiça. A criminalística faz uso de profissionais com diversas formações na busca da interpretação científica de evidências. Para demons tra r - se apto a auxiliar o juiz ou o júri na busca da verdade, o perito deve comprovar formação acadêmica, conhecimento e experiência em sua área de atuação. Para a aceitação de um trabalho pericial, dois componen te s devem ser considerados: a acurácia (validade) e a consistência (reprodutibilidade) das análises. Em análises de DNA, é preciso informar honesta me nte as limitações dos testes, quando estas existirem. Qualquer falha entre a coleta de amostras e a divulgação dos resultado s pode levar a conclusões equivocadas em exames por DNA. Por isso, é necessário adotar critérios rigorosos para a liberação de laudos técnicos. Todos os cuidados devem ser tomados para evitar situações como as verificadas em casos que ficaram famosos por problemas no curso da investigação genética, como McCarty versus State (Oklahoma City) e New York State versus Castro, ambos nos Estados Unidos da América. No primeiro processo citado, erros do laboratório levaram aos advogados membros da National Association of Criminal Defense Lawyers daquele país a requerer com sucesso a reabertur a de todos os casos envolvendo condenações baseadas nos testes de DNA executados pelo laboratório em questão. No segundo caso, onde pela primeira vez no continente americano a prova de DNA não foi aceita em juízo, houve emprego de procedimen to s impróp rios para a interpretação dos resultados. O fato de duas amostras possuirem o mesmo perfil para um grupo de marcadores genéticos em especial não significa obrigatoria mente que a sua origem seja a mesma. A interpretação dos testes depende das freqüências populacionais para cada marcador genético utilizado. Quando a tipagem genética de duas amostras é igual, torna- se necessário expressar numericame n te a significância deste evento. O número de marcadores empregados, a presença de subestr ut ur a s na composição da população e mistura de amostras podem interferir nos resultados. Todas as etapas empreendidas para a tipagem do DNA, desde a coleta até a interpretação do significado estatístico dos dados obtidos, serão consubstanciadas em uma peça pericial escrita que servirá aos interesses de seus leitores. Em exames de vínculo genético, a expressão estatística dos achados laboratoriais indica a margem de erro prevista para os exames, sendo desejável a

13 obtenção de resultados superiores a 99,9999%, já que 99% indica 99 acertos em 0 inclusões ou um erro em 0; 99,99% representa acertos em.000 inclusões ou um erro em.000; 99,9999% reflete acertos em 1 milhão de inclusões ou um erro em 1 milhão e 99,999999%, acertos em 0 milhões de inclusões. Em instância final, o laudo poderá ainda servir como elemento de convicção para os operadores do direito nas ações judiciais. São recomendações básicas de quesitos para a elaboração do laudo pericial de análise de DNA: identificação do número do inquérito policial ou processo judicial; identificação das partes envolvidas e amostras; informação da etnia (raça) dos envolvidos, quand o possível e relevante; citação da metodologia empregada na coleta e armazena m en t o de materiais e, se necessário, esclarecimento dos cuidados empreendidos para manutenção da cadeia de custó dia destes materiais. Em adição, o laudo deve conter informações bibliográficas a cerca das metodologias utilizadas para a extração, quantificação e amplificação do DNA; forma de identificação dos alelos obtidos nos testes e funda me nt os empregados para os cálculos estatísticos (CHANNELL, 2000). As freqüências estatísticas utilizadas como base para os cálculos também devem ser mencionadas (US CONGRESS, 1990). Referências bibliográficas AABB. Apparent Mutations Observed at the 13 CODIS STR Loci in the Course of Paternity Testing [Internet] Disponível em /www.cstl.nist.gov/div31 /strbase / m u tation.htm. Acesso em /04 /2007. Aitken CGG. Statistics and the evaluation of evidence for forensic scientists. New York, Wiley Ban JD. Interpreta tion of STR profiles- commu nity guidelines. Presentation in the 3 rd annual fluorescent STR megaplex technology workshop. SC, USA, Brinkmann B, Klintschar M, Neuhuber F, Huhne J, Rolf B. Mutation rate in human microsatellites: influence of the structure and length of the tandem repeat. Am J Hum Genet May; 64(5):73-4. Channell K. Writing a complicated STR report. Presentation in the 3 rd annual fluorescent STR megaplex technology workshop. SC, USA, Evett, IW & Weir, BS. Interpreting DNA Evidence: Statistical Genetics for Forensic Scientists. Sinauer Associates Ed, Sunderland, MA, US, 199. Fonseca C. Paternidade brasileira na era do DNA: a certeza que pariu a dúvida. Cuad. Antropol. Soc. n o.22, p ISSN

14 Kayser M, Sajantila A. Mutations at Y- STR loci: implications for paternity testing and forensic analysis. For Sci International (2001) 6-1. Melendez E: Razão de verossimilhança em casos complexos. Anais do III simpósio latino- americano de identificação humana. Curitiba, PR Melgaço, MCP. DNA e Paternidade: Quando o Suposto Pai é falecido. Revista de Direito da Defensoria. 16, Melgaço, MCP. DNA e Paternidade: Falsa. Revista de Direito da Defensoria., 199. Melgaço, MCP. DNA e Paternidade: O que você deve saber. Revista de Direito da Defensoria., Paradela ER, Figueiredo ALS. Genética Forense - Coleta, Documentação e Transferência de Evidências Biológicas Destinadas a Testes Forenses de DNA. Trinolex, São Paulo, /01 / [Internet]. Disponível / w ww.trinolex.com / a r tigos_view.asp?icaso = a r tigos&id= Acesso em 02/05 /2007. Paradela ER, Figueiredo ALS. As tipagens por análise de DNA e a sociedade. Portal da Associação de Magistrados Brasileiros (AMB), Disponível em /www.amb.com.br, Acesso em 09/04 /2007. Paradela ER, Figueiredo ALS, Smarra ALS. A identificação humana por DNA: aplicações e limites. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, 30, 30/06 / [Internet]. ISSN Disponível em / w w w.ambitojuridico.com.br / site /i n d ex.ph p n_link = revista_artigos_leitura&artigo_id = Acesso em 02/05 /2007. US Congress, Office of Technology Assessment: Genetic witness: forensic uses of DNA tests. OTA- BA- 43. US Government Printing Office. Washington, DC Weir BS. Genetic Data Analysis II.Sinauer Associates Ed. Sunderland, MA, US, Notas esclarecedoras: Amelogenina - A amelogenina é um loci presente nos cromosso m o s sexuais que permite, através da técnica da PCR, identificar o sexo de um indivíduo. Herança de cromosso mo Y - A espécie humana possui dois cromosso m o s sexuais, chamados de X e Y. Os homens são XY e as mulheres são XX. O cromoss om o Y é responsável pelas características masculinas e contém genes

15 para a formação dos testículos e para a produção de espermat oz óides. O cromoss om o Y tem herança de pai para filho. Marcadores STR ( short tande m repeats ) - seqüências que apresenta m repetições com unidade básica de 2-7 pares de base e o polimorfismo, assim como nos loci VNTR, também está baseado no número de repetições. Devido ao pequeno tamanho, geralmente menor que 350 pares de base, alelos STR podem ser analisados após amplificação pela técnica PCR. Marcadores VNTR ( Varoable Number of Tandem Repeats ) - Em alguns cromoss om o s huma nos existem certas regiões em que uma pequena seqüência de DNA é repetida várias vezes. Essas regiões foram inicialmen te empregad as para fins de identificação humana na década de 190 por Alec Jeffreys. Elas se constitue m em diferentes marcadores genéticos e possue m segregação mendeliana. Esses marcadores apresenta m deter minadas seqüências que se repetem até centenas de vezes e são denominados Variable Number of Tandem Repeats ou VNTR. Habitualmente, essas regiões estão localizadas entre sítios de corte de enzimas de restrição, sendo, pois, possível "cortar" essa seqüência para análise. Reação em Cadeia da Polimerase (PCR) - A PCR é um método in vitro que sintetiza seqüências específicas de DNA. Esta reação utiliza um DNA que é usado como "molde" (template em inglês) e primers, que são oligonucleotídeos (pequenas seqüências que complementa m o DNA), que hibridam com o molde de DNA para que a molécula seja copiada. A copia do molde é catalisada pela enzima Taq polimerase. Uma série de ciclos repetitivos faz com que o molde seja separado em suas hemi- hélices, os primers hibridem com o molde, a polimerase catalise a ligação de nucleotídeos para formar uma nova cópia da região de interesse do DNA. Como cada cópia produ zida em um ciclo pode servir de molde no próximo ciclo, a cópia do DNA ocorre de forma exponencial. Em aproxima da me n te 20 ciclos, a concentração de DNA aumenta aproximada m en te um milhão de vezes. 15

Coordenação Geral de Investigação por Análise do DNA in vivo e post mortem da Defensoria Pública Geral do Estado do Rio de Janeiro.

Coordenação Geral de Investigação por Análise do DNA in vivo e post mortem da Defensoria Pública Geral do Estado do Rio de Janeiro. 1 PERÍCIAS EM DNA: A COISA CERTA PODE SER FEITA DE FORMA ERRADA? UM ESTUDO DE CASO HIPOTÉTICO. Mary Christina Pitta Pinheiro de Souza Melgaço 1, André Luís dos Santos Figueiredo 2, 3, Eduardo Ribeiro Paradela

Leia mais

GENÉTICA FORENSE E PATERNIDADE

GENÉTICA FORENSE E PATERNIDADE GENÉTICA FORENSE E PATERNIDADE Alessandra Dias Laboratório de Biologia Molecular O primeiro teste de DNA para investigação de paternidade era feito através do sistema de HLA, entretanto o resultado era

Leia mais

Importância do rigor técnico-científico dos exames de DNA Relato de casos

Importância do rigor técnico-científico dos exames de DNA Relato de casos Importância do rigor técnico-científico dos exames de DNA Relato de casos Autora: Cristiane Lommez de Oliveira Bióloga. Mestre em Bioquímica e Imunologia pela UFMG. Atua desde 1992 nas áreas de Biologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA RAZÃO DE PROBABILIDADE BAYESIANA COMO EVIDÊNCIA PARA TESTE DE VÍNCULO DE PATERNIDADE Curitiba 2012 I Dianna Lo Wai Yan Maurício Fernandes do Nascimento

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A investigação de paternidade por análise de DNA André Luís dos Santos Figueiredo Eduardo Ribeiro Paradela * Em termos de impacto social, é muito difícil estabelecer um paralelo

Leia mais

DIFERENCIAIS: TIPOS DE EXAMES. Investigação de paternidade e/ou maternidade

DIFERENCIAIS: TIPOS DE EXAMES. Investigação de paternidade e/ou maternidade HOME O laboratório Sabin, desde 2002, emprega a biologia molecular no estudo do DNA. Essa tecnologia é conhecida pela alta qualidade nos procedimentos adotados que asseguram os resultados dos exames oferecidos.

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE EXAMES DE DNA EM PERÍCIAS CRIMINAIS

PADRONIZAÇÃO DE EXAMES DE DNA EM PERÍCIAS CRIMINAIS PADRONIZAÇÃO DE EXAMES DE DNA EM PERÍCIAS CRIMINAIS 1) Objetivos a) Assegurar a qualidade, integridade e segurança em exames periciais envolvendo a utilização de DNA; b) Estabelecer os procedimentos para

Leia mais

Investigação de paternidade na ausência do suposto pai. Paternity testing father is absent

Investigação de paternidade na ausência do suposto pai. Paternity testing father is absent Saúde, Ética & Justiça, 5/7(1-2):6-11, 2000-2002. Investigação de paternidade na ausência do suposto pai Paternity testing father is absent Silvia O. SAMPAIO 1 ; J.R.R. PINHO 2 ; C.B. GRANJA 3 ; A.C. GOLDBERG

Leia mais

EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO

EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO CUNHA, Marielton dos Passos 1 ; OLIVEIRA, Bruno Francesco Rodrigues de 1 ; RESENDE, Isa Murielly

Leia mais

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva PCR MARCADORES MOLECULARES Prof. Dr. José Luis da C. Silva Histórico da PCR Kornberg (1960) Isolou e caracterizou a DNA polimerase. O isolamento desta enzima possibilitou o desenvolvimento da síntese in

Leia mais

Dúvidas Frequentes 1) O que é o teste de paternidade por DNA?

Dúvidas Frequentes 1) O que é o teste de paternidade por DNA? Dúvidas Frequentes 1) O que é o teste de paternidade por DNA? A análise em DNA é o meio mais preciso disponível atualmente para a determinação de paternidades ou maternidades duvidosas. É a extrema sensibilidade

Leia mais

LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA

LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA IDENTIFICAÇÃO HUMANA Identificação pelo DNA - Identificação Médico-Legal - Perícias Odontológicas VOLUME II Editora Millennium CAMPINAS/SP

Leia mais

Manual da Oficina Prática de Genética, Genoma e Biotecnologia. Quarto Módulo

Manual da Oficina Prática de Genética, Genoma e Biotecnologia. Quarto Módulo www.odnavaiaescola.org Todos os direitos reservados à DNA Goes to School, Inc. 2003 Manual da Oficina Prática de Genética, Genoma e Biotecnologia Quarto Módulo Multiplicando o nosso DNA Kary Mullis A técnica

Leia mais

DNA profiling parte 2

DNA profiling parte 2 Faculdade Milton Campos Curso Lato Sensu em Medicina Legal Disciplina: Bioinformática e Investigação Criminal Professor: Eduardo Campos dos Santos DNA profiling parte 2 Belo Horizonte Outubro/Novembro

Leia mais

A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES. Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO

A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES. Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO PROCEDIMENTO PARTE 1 Determinação dos genótipos dos pais 1.1. Observar a aparência

Leia mais

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA A eletroforese em gel de agarose consiste no método mais usado para separar, identificar, analisar, caracterizar e purificar fragmentos de DNA. Uma molécula de DNA, quando exposta a um campo elétrico,

Leia mais

Base de Dados de Perfis Genéticos

Base de Dados de Perfis Genéticos Base de Dados de Perfis Genéticos Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa Instituto Nacional de Medicina Legal Cadeira: Medicina Legal e Ciências Forenses Janeiro de 2010 Introdução Definição Conjunto

Leia mais

ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA 3º Trimestre/2014 GABARITO

ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA 3º Trimestre/2014 GABARITO NOME: ANO: 2º EM Nº: PROF.(A): Claudia Lobo DATA: ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA 3º Trimestre/2014 GABARITO 1. A fenilcetonúria é uma doença que tem herança autossômica recessiva. Considere

Leia mais

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR) Uma das dificuldades dos pesquisadores frente à análise baseada no DNA é a escassez deste. Na medicina forense pode-se ter

Leia mais

Segurança pública: determinação de identidade genética pelo DNA

Segurança pública: determinação de identidade genética pelo DNA Segurança pública: determinação de identidade genética pelo DNA Sérgio D. J. Pena * INTRODUÇÃO Do ponto de vista social, a determinação de identidade genética pelo DNA constitui um dos produtos mais revolucionários

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você!

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! CANAL MÉDICO Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! A equipe do canal médico do laboratório Alvaro, é formada por bioquímicos, biomédicos e médicos com grande experiência

Leia mais

Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso?

Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso? Aluno: nº Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso? OBJETIVOS Compreender a importância prática da Engenharia Genética na identificação das pessoas. Conhecer os princípios básicos da manipulação

Leia mais

Variabilidade genética. Variabilidade Genética. Variação genética e Evolução. Conceitos importantes

Variabilidade genética. Variabilidade Genética. Variação genética e Evolução. Conceitos importantes Variabilidade genética Conceitos importantes Variação genética: variantes alélicos originados por mutação e/ou recombinação Diversidade ou variabilidade genética: medida da quantidade de variabilidade

Leia mais

Técnicas moleculares

Técnicas moleculares Técnicas moleculares PCR Reação em Cadeia da Polimerase Inventada em 1983 por Kary Mullis é uma das técnicas mais comuns utilizadas em laboratórios de pesquisas médicas e biológicas Kary Mullis ganhou

Leia mais

Hereditariedade. Leis da hereditariedade GENÉTICA

Hereditariedade. Leis da hereditariedade GENÉTICA Hereditariedade Definição: É a transferência de informações sobre as características próprias de um ser vivo para outro, de geração para geração, por meio dos gametas ou por transferência direta deácidos

Leia mais

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013 1. (Fuvest 92) Nos anos 40, o famoso cineasta Charlie ChapIin foi acusado de ser o pai de uma criança, fato que ele não admitia. Os exames de sangue revelaram que a mãe era do grupo A, a criança do grupo

Leia mais

Mecanismos de Herança

Mecanismos de Herança Mecanismos de Herança Andréa Trevas Maciel Guerra Depto. De Genética Médica FCM - UNICAMP Mecanismo de Herança Conceitos básicos Herança Monogênica Herança mitocondrial Imprinting Autossomos (1 a 22) Autossomos

Leia mais

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs João Meidanis Scylla Bioinformática e UNICAMP III Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas Gramado, RS Maio 2005 MINI-CURSO - AGENDA 1. Primeiro Dia

Leia mais

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano DNA A molécula da vida Prof. Biel Série: 9º ano DNA FINGER-PRINTING A expressão DNA "Finger-Print" (ou Impressões Genéticas) designa uma técnica de separação de segmentos de DNA que permite a identificação

Leia mais

ENSINO MÉDIO. Disciplina: BIOLOGIA Professor: GUSTAVO Série: 2ª ABC

ENSINO MÉDIO. Disciplina: BIOLOGIA Professor: GUSTAVO Série: 2ª ABC ENSINO MÉDIO Disciplina: BIOLOGIA Professor: GUSTAVO Série: 2ª ABC 1- A Doença de Huntington (DH) é uma anomalia autossômica com caráter dominante, cuja manifestação ocorre na fase adulta, com uma progressiva

Leia mais

HLA HLA. HEMOSC Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina. Tipagem HLA ROTINA DE EXAMES DE HISTOCOMPATIBILIDADE PARA TRANSPLANTE

HLA HLA. HEMOSC Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina. Tipagem HLA ROTINA DE EXAMES DE HISTOCOMPATIBILIDADE PARA TRANSPLANTE HEMSC Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina RTINA DE EXAMES DE HISTCMPATIBILIDADE PARA TRANSPLANTE LABRATÓRI RI DE IMUNGENÉTICA Farmacêutica-Bioquímica: Mariana Chagas Laboratório rio de

Leia mais

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR Engenharia Molecular Kit Autossômico GEM EM-22plex sem extração Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução STRs (short tandem repeats) são sequências repetitivas de 3 a 7 pares de bases encontradas

Leia mais

TRANSMISSÃO DA VIDA ÉTICA E MANIPULAÇÃO GÊNICA

TRANSMISSÃO DA VIDA ÉTICA E MANIPULAÇÃO GÊNICA TRANSMISSÃO DA VIDA ÉTICA E MANIPULAÇÃO GÊNICA OS FUNDAMENTOS DA HEREDITARIEDADE EXPERIMENTO Teste de paternidade 1. Resumo Essa aula propõe a simulação de um teste de paternidade por meio da análise de

Leia mais

Do Corpo Humano ao DNA. Noções de Biologia Molecular. Nucleotídeos - DNA RNA. Dogma central. Prof a. Dr a. Mônica B.

Do Corpo Humano ao DNA. Noções de Biologia Molecular. Nucleotídeos - DNA RNA. Dogma central. Prof a. Dr a. Mônica B. Do Corpo Humano ao DNA Noções de Biologia Molecular Prof a. Dr a. Mônica B. Melo FCM - SCSP - Estrutura dos ácidos nucléicos (DNA, RNA) - Replicação - Transcrição - Processamento - Tradução -Mutações -

Leia mais

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Síndrome de Down - Parte I

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Síndrome de Down - Parte I Síndrome de Down - Parte I Conteúdos: Tempo: Síndrome de Down 5 minutos Objetivos: Auxiliar o aluno na compreensão do que é síndrome de Down Descrição: Produções Relacionadas: Neste programa de Biologia

Leia mais

Aula DNA Forense. Arthur Estivalet Svidzinski

Aula DNA Forense. Arthur Estivalet Svidzinski Aula DNA Forense Arthur Estivalet Svidzinski Odontologia. 1. Perícia odonto-legal, peritos, documentos médicos, laudos periciais, modelos e interpretação, ética odontológica. 2. Perícia odontológica nos

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

LINKAGE E OS MAPAS GENÉTICOS

LINKAGE E OS MAPAS GENÉTICOS Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Linkage e os Mapas Genéticos Humanos LINKAGE E OS MAPAS GENÉTICOS Os trabalhos de Gregor Mendel não foram

Leia mais

MUTAÇÃO. O que é mutação? - Alteração no material genético.

MUTAÇÃO. O que é mutação? - Alteração no material genético. Universidade Federal do Piauí Núcleo de Estudos em Genética e Melhoramento (GEM) CNPJ: 12.597.925/0001-40 Rua Dirce de Oliveira,3597- Socopo/Teresina-PI Mutação MARIANE DE MORAES COSTA Teresina, 01 de

Leia mais

No início do século XX, o austríaco Karl Landsteiner, misturando o sangue de indivíduos diferentes, verificou que apenas algumas combinações eram

No início do século XX, o austríaco Karl Landsteiner, misturando o sangue de indivíduos diferentes, verificou que apenas algumas combinações eram No início do século XX, o austríaco Karl Landsteiner, misturando o sangue de indivíduos diferentes, verificou que apenas algumas combinações eram compatíveis. Descobriu, assim, a existência do chamado

Leia mais

16.02. A recombinação genética ocorre em todos os pares de cromossomos das células humanas que estão em meiose.

16.02. A recombinação genética ocorre em todos os pares de cromossomos das células humanas que estão em meiose. BIO 6E aula 16 16.01. A pleiotropia ocorre quando um gene influencia mais de uma característica. Em genes que estão localizados no mesmo par de cromossomos porém distante um do outro, a maioria dos gametas

Leia mais

Lista de Exercícios Herança Sexual

Lista de Exercícios Herança Sexual Meus queridos alunos, preparei para vocês uma lista de atividades abordando o conteúdo estudado por nós esta semana. Espero que vocês aproveitem o final de semana para resolver esses exercícios segundo

Leia mais

NOVOS TESTES DE DNA NA INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE COM SUPOSTO PAI FALECIDO

NOVOS TESTES DE DNA NA INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE COM SUPOSTO PAI FALECIDO NOVOS TESTES DE DNA NA INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE COM SUPOSTO PAI FALECIDO MARIA REGINA JOBIM Mestre em Genética e Biologia Molecular pela UFRGS. GISELE EWALD Mestre em Genética e Biologia Molecular pela

Leia mais

Os exames. de DNA nos tribunais

Os exames. de DNA nos tribunais Avanços científicos ocorridos nas últimas décadas alteraram as investigações policiais: se antes as impressões digitais e outras pistas eram usadas para desvendar os crimes, hoje pode-se extrair DNA de

Leia mais

09 Mutações não interferem no polimorfismo genético e não constituem modificações hereditárias.

09 Mutações não interferem no polimorfismo genético e não constituem modificações hereditárias. LISTA DE EXERCÍCIOS 01 Para a realização do exame de paternidade, a perícia, geralmente, é realizada no campo médico-legal por meio da pesquisa do DNA. Porém, pode ocorrer que, sendo esta impossível por

Leia mais

Ancestralidade Materna polimorfismos matrilínea DNA Mitocondrial (mtdna).

Ancestralidade Materna polimorfismos matrilínea DNA Mitocondrial (mtdna). Ancestralidade Materna A atual população dos países latino-americanos foi gerada por um complexo processo de mistura genética entre ameríndios, europeus e africanos. As porcentagens relativas destas três

Leia mais

Um estudante de 23 anos, doador de sangue tipo universal, é moreno, tem estatura mediana e pesa 85 kg. Todas as alternativas apresentam

Um estudante de 23 anos, doador de sangue tipo universal, é moreno, tem estatura mediana e pesa 85 kg. Todas as alternativas apresentam Um estudante de 23 anos, doador de sangue tipo universal, é moreno, tem estatura mediana e pesa 85 kg. Todas as alternativas apresentam características hereditárias desse estudante que são influenciadas

Leia mais

O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário

O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário que a mutação esteja em homozigose (doença autossômica

Leia mais

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Mendel, o pai da genética - Parte I. Os fundamentos da hereditariedade: Biografia de Gregor Mendel

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Mendel, o pai da genética - Parte I. Os fundamentos da hereditariedade: Biografia de Gregor Mendel Mendel, o pai da genética - Parte I Conteúdos: Tempo: Objetivos: Descrição: Produções Relacionadas: Os fundamentos da hereditariedade: Biografia de Gregor Mendel 5 minutos para cada áudio. Avaliar se o

Leia mais

Biologia: Genética e Mendel

Biologia: Genética e Mendel Biologia: Genética e Mendel Questão 1 A complexa organização social das formigas pode ser explicada pelas relações de parentesco genético entre os indivíduos da colônia. É geneticamente mais vantajoso

Leia mais

BIOLOGIA. Professor (a): Robyson 3º Ano Matutino 1 Bimestre. Aluno (a): Nº. a) 15% b) 25% c) 50% d) 100% e) 0%

BIOLOGIA. Professor (a): Robyson 3º Ano Matutino 1 Bimestre. Aluno (a): Nº. a) 15% b) 25% c) 50% d) 100% e) 0% Lista: BIOLOGIA 01 Professor (a): Robyson 3º Ano Matutino 1 Bimestre ata: 18 / 03 / 2015 Aluno (a): Nº 01. (UFPE) Renato (III.1), cuja avó materna e avô paterno eram albinos, preocupado com a possibilidade

Leia mais

Modelagem de um Ambiente para Análise de DNA em Genética Forense

Modelagem de um Ambiente para Análise de DNA em Genética Forense Dissertação de Mestrado Modelagem de um Ambiente para Análise de DNA em Genética Forense FelipeJosédeQueirozSarmento Biólogo felipesarmento@yahoo.com.br Orientadora: Prof a.dr a. Eliana Silva de Almeida

Leia mais

Genética Grupos sanguíneos

Genética Grupos sanguíneos Genética Grupos sanguíneos 1- Em um banco de sangue, existe o seguintes estoque: 12 litros de sangue do tipo A, 7 litros de sangue do tipo B, 3 litros de sangue do tipo AB e 10 litros de sangue do tipo

Leia mais

Métodos Estatísticos para análise. de Y-STRs. em Genética Forense

Métodos Estatísticos para análise. de Y-STRs. em Genética Forense UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL Métodos Estatísticos para análise de Y-STRs em Genética Forense Cláudia Isabel Vieira da Silva Mestrado

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: ( ) Fundamental (x) Médio SÉRIE: _3ª TURMA: TURNO: DISCIPLINA: _BIOLOGIA PROFESSOR: Silas Miranda 01- A genealogia abaixo apresenta

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC Laboratório de Análises Genéticas DNA UDESC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC Laboratório de Análises Genéticas DNA UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC Laboratório de Análises Genéticas DNA UDESC PROPOSTA DE IMPLANTAÇAO DE COLETA DE MATERIAL GENÉTICO PARA ANÁLISE DE VÍNCULO DE PATERNIDADE PELO DNA, DURANTE

Leia mais

Diversidade Genética das Populações Amazônicas

Diversidade Genética das Populações Amazônicas PAINEL I Particularidades genéticas das populações amazônicas e suas possíveis implicações Coordenação de Mesa: Wim Degrave. Diversidade Genética das Populações Amazônicas Sidney dos Santos Será apresentado

Leia mais

ARTIGO Estimativa da taxa de mutação de 15 locos autossômicos de microssatélites na população de Goiânia, GO

ARTIGO Estimativa da taxa de mutação de 15 locos autossômicos de microssatélites na população de Goiânia, GO Revista Brasileira de Biociências Brazilian Journal of Biosciences Instituto de Biociências UFRGS ARTIGO Estimativa da taxa de mutação de 15 locos autossômicos de microssatélites na população de Goiânia,

Leia mais

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO Conteúdos abordados -Relembrar alguns conceitos da Replicação do DNA in vivo Aplicação no Laboratório Clínico - PCR -Algumas

Leia mais

O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS

O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br AULA 01 O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Conflito de interesses - duas pessoas possuem interesse sobre o mesmo bem

Leia mais

Manual Técnico. quantificação de DNA humano em análises forenses. Para WWW.GENOMIC.COM.BR

Manual Técnico. quantificação de DNA humano em análises forenses. Para WWW.GENOMIC.COM.BR Kit Genomic de Quantificação de DNA Manual Técnico Para quantificação de DNA humano em análises forenses WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução Na maioria dos casos forenses, as amostras recebidas apresentam-se

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL PELO DNA

IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL PELO DNA IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL PELO DNA Antônio Alberto Machado, professor livre docente da Unesp/Franca-SP As técnicas de investigação e de prova criminal experimentaram uma verdadeira revolução com o desenvolvimento

Leia mais

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Relatório A arte em movimento: a célula Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Introdução No dia 6 Agosto, iniciamos o nosso estágio no

Leia mais

Genética Humana. Faculdade Anísio Teixeira. Prof João Ronaldo Neto

Genética Humana. Faculdade Anísio Teixeira. Prof João Ronaldo Neto Genética Humana Faculdade Anísio Teixeira Prof João Ronaldo Neto Jan/2012 Herança Multifatorial Herança Monogênica Herança Cromossômica Padrões de Herança Distúrbios Monogênicos São determinados por um

Leia mais

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA Analise a seguinte situação hipotética (1): Uma equipe de pesquisadores está realizando um inventário da biodiversidade de uma área tropical ainda inexplorada, porém já sofrendo grande impacto de fragmentação

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial Edirlei Soares de Lima INF 1771 Inteligência Artificial Aula 04 Algoritmos Genéticos Introdução Algoritmos genéticos são bons para abordar espaços de buscas muito grandes e navegálos

Leia mais

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 8 nº 12 2013. Síndrome do X Frágil

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 8 nº 12 2013. Síndrome do X Frágil Cadernos de Informação Científica Ano 8 nº 12 2013 Síndrome do X Frágil C a d e r n o s d e I n f o r m a ç ã o C i e n t í f i c a definição e causas A síndrome do X frágil (SXF), também conhecida como

Leia mais

Assistência técnica em genética forense: esferas de atuação e o mercado de trabalho no Brasil

Assistência técnica em genética forense: esferas de atuação e o mercado de trabalho no Brasil Assistência técnica em genética forense: esferas de atuação e o mercado de trabalho no Brasil Maria Elizabeth Menezes,MSc,Ph.D MELMENEZES2001@YAHOO.COM A assistência técnica na área de genética forense

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CNII

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CNII SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CNII Título do Podcast Área Segmento Duração Por que você se parece com sua avó? A genética vai ajudá-lo a entender como isso é possível! Ciências Ciências da Natureza

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO. PROJETO DE LEI Nº. 3.078, DE 2000 (Apenso o Projeto de Lei nº. 6.

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO. PROJETO DE LEI Nº. 3.078, DE 2000 (Apenso o Projeto de Lei nº. 6. COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI Nº. 3.078, DE 2000 (Apenso o Projeto de Lei nº. 6.079/2002) Dispõe sobre a coleta de amostras de materiais orgânicos para identificação

Leia mais

O AR. Do sopro da vida ao DNA

O AR. Do sopro da vida ao DNA O AR Do sopro da vida ao DNA O ar e a mitologia Antes de tudo existir havia o Caos. Uma força misteriosa criou o disco terrestre (Gaia) e a abóbada celeste (Urano), enchendo o universo de ar e luz. Da

Leia mais

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Patologia x Genética Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Lucas Brandão Patologia Clínica Definição: Fornece informações ao médico, de modo a proporcionar-lhe os meios necessários para

Leia mais

Genética III: Genética Humana

Genética III: Genética Humana Genética III: Genética Humana 1. Genética Humana As árvores genealógicas são usadas para mostrar a herança de doenças genéticas humanas. Uma árvore genealógica na qual é possível rastrear o padrão de herança

Leia mais

Entendendo a herança genética. Capítulo 5 CSA 2015

Entendendo a herança genética. Capítulo 5 CSA 2015 Entendendo a herança genética Capítulo 5 CSA 2015 Como explicar as semelhanças entre gerações diferentes? Pai e filha Avó e neta Pai e filho Avó, mãe e filha Histórico Acreditava na produção, por todas

Leia mais

DNA barcoding é um método que utiliza um trecho do DNA de cerca de 650 nucleotídeos como marcador para caracterizar espécies. Trata-se de uma sequência extremamente curta em relação à totalidade do genoma,

Leia mais

CONSANGUINIDADE EM ANIMAIS

CONSANGUINIDADE EM ANIMAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL CONSANGUINIDADE EM ANIMAIS 1. CONSANGUINIDADE A consangüinidade

Leia mais

Genética Conceitos Básicos

Genética Conceitos Básicos Genética Conceitos Básicos O que é genética? É o estudo dos genes e de sua transmissão para as gerações futuras. É dividida em: Genética Clássica Mendel (1856 1865) Genética Moderna Watson e Crick (1953).

Leia mais

Sobre a alteração cromossômica referida no texto, afirma-se que:

Sobre a alteração cromossômica referida no texto, afirma-se que: 01 - (UEPA) Pela primeira vez, cientistas conseguiram identificar uma maneira de neutralizar a alteração genética responsável pela Síndrome de Down. Em um estudo feito com células de cultura, pesquisadores

Leia mais

PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler

PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler Tópicos (1) Estratégias gerais de estudo de sequências de DNA específicas em populações de DNA complexas Requisitos da reacção de polimerização em cadeia

Leia mais

INPA INSTITUTO DE PESQUISAS APLICADAS

INPA INSTITUTO DE PESQUISAS APLICADAS Portal Unieducar www.unieducar.org.br e-learning Seminário de Biodireito O SEIS SIGMA COMO ESTRATÉGIA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE E DA LUCRATIVIDADE EM LABORATÓRIOS DE GENÉTICA FORENSE A IMPORTÂNCIA DO

Leia mais

Glossário genético. Informação para doentes e familiares. Revisão do texto e tradução de Jorge Sequeiros. Agosto 2008

Glossário genético. Informação para doentes e familiares. Revisão do texto e tradução de Jorge Sequeiros. Agosto 2008 12 Glossário genético Revisão do texto e tradução de Jorge Sequeiros Agosto 2008 Modificado a partir de um glossário originalmente produzido por London IDEAS Genetic Knowledge Park. Este trabalho foi apoiado

Leia mais

Curso Forense Computacional

Curso Forense Computacional Curso Forense Computacional Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado de Segurança da Informação no Brasil e exterior. Os cursos são ministrados em português,

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 55 HERANÇA LIGADA AO SEXO

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 55 HERANÇA LIGADA AO SEXO BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 55 HERANÇA LIGADA AO SEXO Mulher portadora Homem não afectado Gene normal Gene alterado Mulher portadora Mulher não afectada Homem não afectado Homem afectado Homem afectado

Leia mais

Impugnação de paternidade

Impugnação de paternidade SEM REVISÃO Impugnação de paternidade Wilson Jóia Procurador de Justiça SP Os principais doutrinadores brasileiros tais como Silvio Rodrigues, Washington de Barros Monteiro e Maria Helena Diniz, no importante

Leia mais

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS PIOS Cristiane Kioko Shimabukuro Dias Pós-doutorado - FAPESP E-mail: crisdias@ibb.unesp.br Laboratório de Biologia e Genética de Peixes - Departamento

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA. Carga Horária: 100 horas/aula

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA. Carga Horária: 100 horas/aula FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA Código: CBIGEBA Créditos: 05 Período: 3 o (terceiro período) Disciplina: Genética Básica

Leia mais

Dominância Incompleta Codominância Alelos Múltiplos (polialelismo) Alelos Letais Epistasia (interação génica)

Dominância Incompleta Codominância Alelos Múltiplos (polialelismo) Alelos Letais Epistasia (interação génica) Dominância Incompleta Codominância Alelos Múltiplos (polialelismo) Alelos Letais Epistasia (interação génica) Dominância Incompleta Codominância Alelos Múltiplos (polialelismo) Alelos Letais Epistasia

Leia mais

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações BSc. Daniel Perez Vieira (Protozoologia-IMTSP/ Laboratório de Biologia Molecular-IPEN) Aula 3 - Análise dos produtos: Qualitativa e Semi- Quantitativa

Leia mais

Reacção em cadeia da polimerase (PCR -Polymerase chain reaction)

Reacção em cadeia da polimerase (PCR -Polymerase chain reaction) Reacção em cadeia da polimerase (PCR -Polymerase chain reaction) - Realiza a replicação selectiva e rápida de uma sequência específica de nucleotídeos a partir de uma mistura complexa de DNAs amplificação

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 2

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 2 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 2 Módulo 25 Questão 01 A Ao analisarmos os dados temos: B determina coloração acinzentada bb determina coloração preta Alelo epistático em outro cromossomo: A determina coloração

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 025/05

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 025/05 DELIBERAÇÃO Nº 25/5 Cria as disciplinas Eletivas Restritas: Tópicos Especiais em Biologia Forense, Estágio em Biologia Forense I e Estágio em Biologia Forense II para o Curso de Ciências Biológicas, e

Leia mais

PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* REPUBLICAÇÃO** CÓD. PERICIA CO-N-SE

PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* REPUBLICAÇÃO** CÓD. PERICIA CO-N-SE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* REPUBLICAÇÃO** CÓD. PERICIA CO-N-SE Os currículos e as fichas de cadastro deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO. 2. O Dogma Central da Biologia Molecular

PROGRAMA TEÓRICO. 2. O Dogma Central da Biologia Molecular PROGRAMA TEÓRICO 1. As moléculas da Biologia Molecular: DNA, RNA e proteínas Aspectos particulares da composição e estrutura do DNA, RNA e proteínas. EG- Características bioquímicas dos ácidos nucleicos,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA Público alvo: Estudantes de 3º ano do ensino médio Local: Escolas de ensino médio e/ou cursos pré-vestibulares Carga horária: 12 horas Organização: HELIX

Leia mais

Resumo Auditoria e Pericia Ambiental

Resumo Auditoria e Pericia Ambiental Resumo Auditoria e Pericia Ambiental Inspirada na Auditoria Contábil, elemento integrante dos sistemas de gestão empresarial, a Auditoria Ambiental surgiu na década de 70 nos Estados Unidos visando à redução

Leia mais