GLAUCIO LIMA FONTE BOA CAFÉ CERTIFICADO - DA ORIGEM AO DESTINO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GLAUCIO LIMA FONTE BOA CAFÉ CERTIFICADO - DA ORIGEM AO DESTINO"

Transcrição

1 GLAUCIO LIMA FONTE BOA CAFÉ CERTIFICADO - DA ORIGEM AO DESTINO ORIENTADOR: Prof. Felippe Cauê Serigati Uberaba/MG Novembro/ 2010

2 GLAUCIO LIMA FONTE BOA CAFÉ CERTIFICADO DA ORIGEM AO DESTINO Trabalho apresentado ao curso MBA em Gestão Estratégica do Agronegócio, Pós- Graduação lato sensu, Nível de Especialização. Programa FGV Management ORIENTADOR: Prof. Felippe Cauê Serigati Uberaba/MG Novembro/ 2010

3 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS PROGRAMA FGV MANAGEMENT MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DO AGRONEGÓCIO O Trabalho de Conclusão de Curso Café Certificado da Origem ao destino elaborado por Glaucio Lima Fonte Boa, e aprovado pela Coordenação Acadêmica do curso de MBA em Gestão Estratégica do Agronegócio, foi aceito como requisito parcial para a obtenção do certificado do curso de pós-graduação, nível de especialização do Programa FGV Management. Data: Coordenador Acadêmico: Prof.: Dr. Roberto Mário Perosa Junior Orientador: Prof.: Felippe Cauê Serigati

4 DECLARAÇÃO A Savassi Café Certificações Agrícolas do Brasil Ltda., representada neste documento pelo Sr. Glaucio Lima Fonte Boa, Sócio Administrador, autoriza a divulgação das informações e dados coletados em sua organização, na elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso intitulado Café Certificado da origem ao destino, realizado pelo aluno Glaucio Lima Fonte Boa, do curso de MBA em Gestão Estratégica do Agronegócio, do Programa FGV Management, com o objetivo de publicação e/ ou divulgação em veículos acadêmicos. Patrocínio/MG, 01 de Novembro de 2010 Glaucio Lima Fonte Boa Sócio Administrador Savassi Café Certificações Agrícolas do Brasil Ltda.

5 TERMO DE COMPROMISSO O aluno Glaucio Lima Fonte Boa, abaixo assinado, do curso de MBA em Gestão Estratégica do Agronegócio, Turma ISBE4/ZMBAAGRI do Programa FGV Management, realizado nas dependências do ISBE (Instituto Sul Brasileiro de Ensino), no período de 15/11/2008 a 02/10/2010, declara que o conteúdo do Trabalho de Conclusão de Curso intitulado Café Certificado da origem ao destino, é autêntico, original e de sua autoria exclusiva. Patrocínio/MG, 01 de Novembro de 2010 Glaucio Lima Fonte Boa

6 "É no auge da seca, que o ipê-amarelo, árvore símbolo das Minas Gerais, estende sua última radicela, em busca da última gota d'água, para então convertê-la em seiva e a partir daí, produzir sua melhor florada. Roberto Rodrigues, (Palavras proferidas pelo então na época Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, em solenidade realizada no Palácio da Liberdade, na qual recebeu o título de Cidadão Honorário do Estado de Minas Gerais das mãos do Governador do Estado de Minas Gerais Aécio Neves da Cunha)

7 AGRADECIMENTOS Meus primeiros agradecimentos vão para minha esposa Michele pelo apoio nesses anos de luta e dedicação ao curso em Uberaba. A minha família que mesmo a distância sempre me apoiou nessa longa caminhada. Aos meus amigos Marcus e Ronaldo pelo todo suporte dado durante as minhas ausências na empresa durante o período das aulas em Uberaba. A todos os colegas, professores e as meninas da FGV/ISBE Uberlândia que nos acompanharam durante todo o curso. E dedico principalmente ao meu grande Deus todo poderoso que me forneceu forças para encarar essa árdua caminhada de novos conhecimentos adquiridos.

8 BIOGRAFIA GLAUCIO LIMA FONTE BOA, filho de Dayse Lima Fonte Boa e Pedro Otaliba Carvalho Fonte Boa, nasceu em 3 de março de 1979, no município de Guarapari, estado do Espírito Santo. Em 1997, ingressou na Universidade Federal do Espírito Santo, graduando-se em Engenheiro Agrônomo em julho de Em agosto de 2002, ingressou na empresa exportadora de café Comércio e Indústrias Brasileiras - Coinbra S/A como assistente comercial, onde permaneceu até janeiro de Entre 2002 e 2005, enquanto naquela casa, trabalhou nos seguintes estados: Espírito Santo, Minas Gerais, São Paulo, Rondônia e Bahia, sempre na área de pós colheita/controle de qualidade/pesquisa e comercialização. Desde 2006 trabalha na área de certificação agrícola como auditor de campo e auditor líder nas normas da Utz Certified, Café do Cerrado, IN MAPA/INMETRO, ISO 9001/14001 e Em novembro de 2008, ingressou no MBA Gestão Estratégica do Agronegócio da Fundação Getúlio Vargas, como discente do curso.

9 SUMÁRIO Página RESUMO... i ABSTRACT... ii LISTA DE QUADROS... iii LISTA DE FIGURAS... iv LISTA DE SIGLAS... v 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS DO TRABALHO Metodologia Coletas de dados O Mercado de café certificado PRINCIPAIS ORIGENS E DESTINOS DE CAFÉ CERTIFICADO Cafés certificados nos Estados Unidos Cafés certificados na Alemanha Cafés certificados no Japão Cafés certificados na Itália Cafés certificados na França PRINCIPAIS COMPRADORES DE CAFÉ CERTIFICADO UTZ CERTIFIED VALORES DE MERCADO PARA CAFÉS CONVENCIONAIS E CERTIFICADO TENDÊNCIAS DO MERCADO DE CAFÉ CERTIFICADO CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 24

10 i RESUMO Café Certificado - da origem ao destino O presente trabalho teve como objetivo central demonstrar as diferenças de preços praticados entre o produtor (origem) e o consumidor (destino) final de cafés certificado Utz Certified, isto é, o presente trabalho visa mostrar as distribuições de margens adquiridas na cadeia do agronegócio de café certificado com intuito de incentivar a produção de cafés de qualidade com certificação garantida, visto que esse mercado está em plena ascensão no mundo, tanto no consumo quanto na produção. Foram analisados durante 2 anos os preços praticados em café certificado e convencional na região do cerrado mineiro (origem) e os valores finais comercializados nas principais redes de cafeterias (destino) da Europa, Estados Unidos e Japão. Como conclusão o estudo demonstra as grandes diferenças monetárias de preços praticados na origem até o destino final do nosso café certificado. Palavras-chave: Agronegócio café; Café certificado; Café sustentável; Certificação de café.

11 ii ABSTRACT Coffee Certificate - from source to destination This work has to demonstrate central differences in prices between the producer and the consumer (target) end of Utz Certified coffee, that is, this work has to show the distributions of margins acquired in coffee agribusiness chain certificate to encourage the production of quality coffees with certification guaranteed, since that market is in full ascension in the world, both in consumption and production. were analyzed during 2 years prices in conventional coffee certificate and in the region of the cerrado mineiro (source) and the final values marketed in major networks coffee bar (target) of Europe, USA and Japan. As a conclusion the study demonstrates the large differences in prices monetary origin to the end destination of our Certified coffee. Keywords: Coffee agribusiness; Certified coffee; Sustainable coffee; Coffee certification.

12 iii LISTA DE QUADROS Página QUADRO 1 Cadeia produtiva do café...6 QUADRO 2 Características da Certificação Utz Certified...11 QUADRO 3 Total de café convencional produzido em Mil. Sacas de 60 kg no Mundo, Brasil e na região do Cerrado Mineiro e de café Certificado Utz Certified no Cerrado Mineiro...15 QUADRO 4 Comparativo de preços de uma saca de café verde em grão cru, café torrado Torrado/moído e café para espresso convencional e certificado Utz...20 QUADRO 5 Comparativo de peso de uma saca de café verde em grão cru, café torrado Torrado/moído e café para espresso usando os padrões de torra existentes...21

13 iv LISTA DE FIGURAS Página FIGURA 1 Evolução do consumo interno de café em grão cru no Brasil...8 FIGURA 2 Preço médio (R$/Saca de 60 kg) recebido nas transações entre produtores da região de Patrocínio/MG de café Tipo 6 COB, bica corrida, bebida dura convencional e certificado Utz Certified FIGURA 3 Preço médio (R$/Saca de 60 kg) recebido nas transações entre produtores da região de Patrocínio/MG de café Tipo 6 COB, bica corrida, bebida dura convencional e certificado Utz Certified FIGURA 4 Volume de vendas de café Certificado Utz Certified no mundo no total e por países produtores (origens)

14 v LISTA DE SIGLAS ABIC AIC CECAFE CONAB CI FAO INMETRO MBA MAPA OIC SCAA ITC Associação Brasileira da Indústria de Café Acordo Internacional do Café Conselho de Exportadores de Café do Brasil Companhia Nacional de Abastecimento Consumers International Food and Agriculture Organization of the United Nations Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Master Business in Administration Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Organização Internacional do Café Specialty Coffee American Association International Trade Centre

15 1 1 INTRODUÇÃO A busca por qualidade na indústria de alimentos apresentou um crescimento constante na última década, fruto de mudanças nas preferências dos consumidores. Muitos deles estão dispostos a pagar mais por produtos que possuam alguns atributos desejados, que podem incluir parâmetros tangíveis ou intangíveis. Essas possibilidades de segmentação e diferenciação estão entre os fatores mais relevantes que influenciam a competitividade dos produtos certificados. Em conseqüência disso, alguns atributos de qualidade, passíveis de certificação, estão sendo incorporados como instrumento de concorrência do produto final. A crescente demanda, particularmente em países desenvolvidos, por produtos saudáveis e corretos sob o aspecto social possibilita a incorporação de novos atributos de qualidade. Setores como aqueles voltados a complexos agroindustriais têm, ao longo dos anos, se mostrado como importantes contribuintes para a formação de uma pauta de exportação nacional. Estes setores historicamente ligados à agricultura, ao longo dos anos passaram por processos de evolução, favorecendo, inclusive, o surgimento de segmentos industriais e de serviços. Um dos casos mais emblemáticos diz respeito ao agronegócio do café brasileiro, que se solidificou em meados do século XVIII e financiou todo o processo de desenvolvimento do país: desde as estradas de trem até o surgimento do parque industrial nacional, rumo ao processo de diversificação econômica e a respectiva política de substituição das exportações. No seio destas mudanças proporcionadas pela lavoura cafeeira, pode-se citar o surgimento da indústria de café torrado e moído brasileira, no final do século XIX. O segmento de cafés especiais certificados, representa atualmente cerca de 12% do mercado internacional da bebida (SCAA, 2010). Os atributos de qualidade do café cobrem uma ampla gama de conceitos, que vão desde características físicas, como origem,

16 2 variedade, cor e tamanho, até preocupações de ordem ambiental e social, como sistemas de produção e as condições da mão de obra. Nos cafés certificados, que além de atributos físicos, como aroma e sabor, também incorporam preocupações de ordem ambiental e social, o problema de mensuração das informações pelo consumidor é muito mais complexo. Também conhecidos como cafés conscientes, esses segmentos estão ampliando sua parcela no mercado de cafés especiais, dado o aumento da preocupação com as dimensões ambientais e sociais nos padrões de consumo, o que tem estimulado as preferências por bem produzidas de forma sustentável. O consumidor, contudo, não consegue distinguir, mesmo após saborear a bebida, se ela possui os atributos por ele desejados. São os chamados bens de crença. Nesses casos, o fortalecimento da confiança no organismo certificador estimula a comprovação dos atributos contidos no selo impresso na embalagem. Para isso, é necessário criar uma reputação, ou seja, relações de confiança, que só se estabelecem no longo prazo. Além disso, é preciso monitorar ou rastrear todo o caminho do produto ao longo do sistema produtivo, para reduzir perdas de informação ao longo do processo. O preço, prêmio obtido na comercialização de cafés certificados, representa um incentivo ao comportamento oportunista, estimulando o ingresso de novas empresas no negócio que podem querer vender seus produtos rotulados, sem que eles na verdade contenham os atributos necessários para essa rotulação. Essa atitude pode ser reduzida pelo monitoramento e pela certificação do produto. A certificação é um instrumento para reduzir a assimetria de informações entre os agentes e melhorar a capacidade dos consumidores para identificar atributos de qualidade específicos, que são muito difíceis de observar. A escolha do consumidor é o principal fator que leva o produtor de café a certificar seu produto. Esse consumidor, por sua vez, é motivado pela boa qualidade do café e também por suas implicações positivas sobre as condições de trabalho na agricultura e sobre o meio ambiente (CI, 2005). No Brasil, a cultura da certificação vem crescendo, porém quase toda produção se destina ao mercado internacional. Ao mesmo tempo, há divergências sobre a possibilidade ou não

17 3 de se desenvolver uma demanda por cafés sustentável certificado no mercado brasileiro que por enquanto deve girar em torno de 5% (ABIC, 2009) do café consumido no país. Alguns especialistas argumentam que pode até haver um crescimento na demanda. Porém, ela ficaria restrita a um nicho de mercado devido ao preço do café certificado, bem mais elevado que o do café convencional. A difusão dos benefícios dessas práticas e a boa qualidade do produto podem tornar-se ótimos motivos para o consumo de café sustentável certificado. O café é um dos produtos agrícolas mais comercializados no mundo. É produzido em mais de 60 países em desenvolvimento e consumido principalmente nesses países, onde as vendas anuais no varejo são superiores a US$72 bilhões (OIC, 2008). Em pelo menos 14 países, o café representa 10% ou mais dos ganhos com exportação e, no caso de 3 países menos desenvolvidos Burundi, Etiópia e Uganda representa mais de 50% (OIC, 2008). Estima-se que 26 milhões de pessoas dependam da produção de café para sobreviver e 100 milhões de pessoas estejam envolvidas no setor desde a produção (origem) até o processamento e venda (destino). Três países Brasil, Colômbia e Vietnã respondem por quase 60% da produção mundial (FAO, 2009). Entre 1997 a 2001 os preços do café caíram nominalmente em 70%, valor abaixo do custo de produção em muitos países produtores (FAO, 2004), com drásticas conseqüências para a sobrevivência rural. A queda nos preços mundiais do café entre 2000 e 2003 levou muitas organizações a focalizarem sua atenção nos impactos adversos sobre os cafeicultores, comparando-os com a situação saudável das companhias envolvidas com o comércio, torrefação e varejo, nos países desenvolvidos. Os preços têm melhorado, porém ainda se mantém relativamente baixos e muito variáveis. Muita esperança tem sido colocada nessas iniciativas emergentes de sustentabilidade do café, com o objetivo de pagar aos cafeicultores um preço justo, pra que possam investir em melhorias nas condições sociais e ambientais da produção de café. Rótulos e afirmações podem oferecer opções e oportunidades para comunicar aos consumidores o valor agregado. Os consumidores podem utilizar seu poder de compra para dar suporte aos produtos que oferecem essas expectativas, não apenas em termos de qualidade, mas também quanto às características econômicas, sociais e ambientais de sua produção, e evitar os produtos que não as apresentem.

18 4 Mas os consumidores têm sido confrontados com a crescente complexidade das questões éticas e ambientais reivindicadas pelo café e há preocupação sobre a confusão e a descrição dos critérios estabelecidos. Também existe um temor de que a certificação se constitua em um requerimento adicional para se entrar no mercado e uma barreira para os pequenos produtores. Nesse caso a certificação pode trazer vantagens às grandes empresas produtoras e pode ser irrelevante para a maioria das pequenas propriedades produtoras de café. A questão-chave é quanto as iniciativas de certificação podem contribuir para solucionar os problemas sociais, econômicos e ambientais da produção de café e melhorar o nível de vida dos cafeicultores. Uma questão importante é a reação do consumidor à presença de diferentes tipos de café certificado nas prateleiras do varejo e cafeterias. A reação do consumidor depende de diversos fatores, relacionados a sua renda, às aspirações e à ética, assim como do impacto real da certificação sobre os produtores e como isso é comunicado ao consumidor. Geralmente, há uma distância entre a realidade e o que é percebido. 2 OBJETIVO DO TRABALHO O objetivo central do presente trabalho é analisar e rastrear os valores praticados no mercado de cafés certificados Utz Certified, da origem (produtor) até o consumidor final (destino) durante os anos de 2009 e 2010, compreendendo o funcionamento da cadeia produtiva do café certificado e descobrir os fatores que influenciam os preços dos cafés sustentáveis e convencionais ao longo da cadeia produtiva do café certificado. 2.1 Metodologia O presente trabalho optou pelo uso do método da análise e da consolidação dos preços praticados no mercado nacional (origem) e no mercado internacional (destino) de café certificado. 2.2 Coletas de dados Para a coleta de dados desta pesquisa, foram utilizados os seguintes recursos: 1. Contato telefônico;

19 5 2. Produção de release com base nos sites institucionais selecionados; 3. Pesquisa documental. 2.3 O mercado de café certificado Os programas de certificação têm emergido como um modelo pra incentivar e aumentar os padrões de desenvolvimento econômico, social e ambiental da produção e comercialização de café. Há duas espécies principais de café: Coffea arabica, denominado café arábica, que representa em torno de 65% da oferta e Coffea canephora, denominado café robusta, que representa 35% (OIC, 2009) e há 20 anos representava apenas 25%. O arábica alcança preços mais elevados, porém o robusta é produzido com maior facilidade e mais resistente a doenças e pragas, e pode ser cultivado em menores altitudes (SCHOLER, M., 2004). O arábica é produzido principalmente na América Latina, mas há também grande oferta na Etiópia, Quênia, Índia e Papua Nova Guiné. O robusta é produzido principalmente no Vietnã e no Brasil. O café passa por diferentes segmentos, desde o produtor até o varejista: processamento primário (produção), exportação, importação, torrefação, atacado e varejo (destino). Os principais segmentos são mostrados no Quadro 1. A natureza da cadeia produtiva do café e as relações entre os agentes dos diferentes segmentos e entre segmentos têm se alterado nos últimos 15 anos. Entre 1962 e 1989, o café esteve sujeito a um acordo internacional, o Acordo Internacional do Café (AIC). Cotas de exportação eram acordadas entre os países signatários, com o objetivo de prevenir flutuações na oferta e nos preços e garantir que os preços permanecessem em um nível razoável, em relação aos custos de produção. O AIC terminou em 1989 e ocorreram também outras mudanças significativas no mercado internacional. Muitos países produtores tinham escritórios de comercialização de café controlados pelo Estado, os quais compravam a produção dos cafeicultores e a exportavam, garantindo que as cotas do AIC fossem cumpridas. O movimento de ajustes estrutural, de 1989 em diante, resultou na quebra dos escritórios estatais de comercialização, e sua substituição por negociantes e exportadores privados, fazendo com que novos produtores entrassem no mercado.

20 6 O crescimento na comercialização começou a se intensificar após o colapso do AIC em Houve um período de reestruturação, no qual empresas de tamanho médio faliram, fundiram-se a outras ou foram incorporadas por negociantes mais importantes (Ponte, S. 2001). Cinco companhias, Dreyfus (França) ED&F Man/Mercon (Reino Unido), Eisa (Brasil), Neumann (Alemanha) e Volcafé (Suiça) representavam cerca de 40% do volume total de café verde comercializado no mundo (ITC, 2002). O setor de torrefação está consolidado como um setor em que quatros companhias Sara Lee, Kraft Food/Philip Morris, Procter and Gamble e Nestlé compram metade do café verde comercializado, e as dez maiores companhias responderam por 60%-65% das vendas de todo o café processado em Tem havido pouca integração vertical entre torrefadores e compradores internacionais, com exceção da Tchibo, a qual integra verticalmente todos os segmentos da produção na Tanzânia (Ponte, S. 2001). Alguns torrefadores se abastecem de exportadores locais, assim como alguns comerciantes internacionais, para reduzir sua dependência de outros agentes. Quadro 1. A cadeia produtiva do café Cultivo (origem) Uma vez plantado, o cafeeiro leva de três a cinco anos para atingir plena produção, mas pode continuar produzindo por pelo menos 20 anos. Significa que, em curto prazo, a oferta é preço-inelástica. Alguns fatores que podem afetar significativamente a oferta são a geada, a seca e doenças e pragas nos grãos. O café pode ser cultivado sombreado ou a pleno sol. Os principais fatores que afetam a qualidade do café nessa etapa, e que desde então afetam o preço do produto, é a escolha da espécie, se arábica ou robusta, e a altitude na qual o café é cultivado. Altitudes maiores geralmente resultam em café de melhor qualidade. Outro fator que afeta a qualidade do café é o método de colheita (quanto maior for a quantidade de frutos verdes colhido, pior será a qualidade). Processamento primário (origem) Normalmente, é realizado nas fazendas ou propriedades, porém, ocasionalmente, os produtores vendem cerejas não processadas a comerciantes locais. Existem dois tipos principais de processamento na fazenda: via seca (natural) e via úmida (lavados). Daí se origina a futura distinção e classificação do café arábica em café não lavado ou natural, resultante do método de processamento a seco, e café lavado, resultantes do processamento úmido. O café obtido pelo processamento úmido é normalmente considerado como de melhor qualidade e mais homogêneo, com poucos grãos defeituosos. Portanto, recebe os preços mais elevados. O processamento via seca é utilizado em 95% do café arábica do Brasil, em muitos arábicas da Etiópia e Haiti, e em quase todos os robustas. O processamento via úmido é utilizado na maioria dos outros cafés arábicas.

21 7 Processamento secundário beneficiamento/descascamento (origem) Os cafeicultores vendem o café seco em coco ou em pergaminho para maquinista, diretamente ou por meio de algum intermediário local ou, em alguns casos, pagam ao maquinista para beneficiar o café. As grandes propriedades fazem suas operações de beneficiamento no próprio local. O beneficiamento remove a casca e o pergaminho dos frutos secos inteiros oriundos do processamento seco ou apenas o pergaminho, no caso do processamento úmido. Após o descascamento, segue-se uma série de operações comuns aos dois tipos de processamento seco e úmido, tais como limpeza, classificação em peneiras, escolha e seleção de grãos. Exportação/importação Do beneficiamento, o café segue para uma companhia de comercialização, diretamente ou via intermediário, para a exportação e com menor freqüência para companhias locais de torrefação, para consumo doméstico. Torrefações (destino) As torrefações de café, normalmente, estão localizadas nos países consumidores ou perto do ponto final de venda, pois a vida de prateleira do café torrado é curta, quando comparada à do café verde em grão (FITTER et all, 2001). Elaborar blends dos diferentes tipos de café para obter os sabores desejados também é importante atividade dos torrefadores. Varejo/Cafeterias (destino) Os grãos torrados (inteiros ou moídos) são vendidos aos varejistas, cafeterias ou redes de alimentação, diretamente ou por meio de um atacadista.

22 8 FIGURA 1 Evolução do consumo interno de café em grão cru no Brasil ABIC, Através dos blends, os torrefadores são capazes de combinar a utilização de quatro tipos de café (robustas, arábicas não lavados, arábicas lavados de média qualidade e arábicas lavados de alta qualidade), de acordo com o preço e a disponibilidade dos cafés, mantendo um sabor consistente. Mais recentemente, novas tecnologias, tal como limpeza com vapor, têm permitido que os torrefadores utilizem grãos de menor qualidade em seus blends, reduzindo custos. No varejo muitas tendências são notadas: Aumento da concentração das cadeias de supermercado. Encurtamento das cadeias de suprimento com supermercados eliminando uma série de intermediários. Aumento do consumo de café fora de casa, com aumento da popularidade do café cultural e emergência de cadeias de cafés globais, como a Starbucks.

23 9 O café está associado a uma série de preocupações com implicações econômicas, sociais e ambientais inter-relacionadas: Declínio e flutuação dos preços, os quais têm causado efeito recorrente sobre o bem-estar social e impacto ambiental. Declínio dos rendimentos dos países produtores e cafeicultores. Condições de pobreza para os cafeicultores e trabalhadores das fazendas de café. Deterioração do ambiente local. Preocupação com o fornecimento de café no presente e para as gerações futuras. Tem sido comum as empresas atribuírem a seus produtos apelos ambientais e sociais freqüentemente sem sustentação, originando preocupação com a roupagem verde. A certificação objetiva orientar essa preocupação, de maneira que terceiros dêem uma garantia de que as ações da empresa estão em conformidade com requisitos específicos e decidam-se a opção de utilizar o selo pode ser concedida. Um programa típico de certificação consiste dos seguintes elementos: Um conjunto de processos e condutas-padrão é freqüentemente reunido em um código de procedimentos, cobrindo diversos aspectos da produção de um determinado produto, tal como impacto ambiental, considerações sobre saúde segurança, relações com a comunidade local e direitos dos trabalhadores. Verificação de conformidade e conduta de acordo com aqueles padrões, realizada por uma organização independente, em geral separada do corpo principal da certificadora a verificação inicial é seguida por auditorias periódicas, normalmente anuais, com alguns programas utilizando também inspeções ao acaso e sem aviso prévio.

24 10 Um sistema de credenciamento da organização certificadora, que proporciona o serviço de avaliação. Um selo disponível ao produtor, para comunicar aos compradores/consumidores, que o produto está de acordo com os padrões do programa de certificação. Dessa forma, os produtores podem, na teoria, se beneficiar do valor extra que os consumidores pagam por produtos com elevados padrões ambientais ou sociais, como demonstrado no selo. Certificação da cadeia de custódia, para aqueles que manipulam o produto exportadores, processadores, ou um sistema de rastreabilidade para proporcionar a certeza de que, no varejo, o produto seja proveniente de um fornecedor certificado e que não tenha fraudado o selo ou misturado produtos certificados com não certificados. A palavra Utz, que significa bom na língua Mayan, da Guatemala, foi fundada em 1997 por produtores de café guatemaltecos e uma torrefadora européia, Ahold Coffee Company, com o objetivo de bonificar torrefadores e marcas para responderem ao crescimento da demanda por café a fim de garantir a responsabilidade na produção. A certificação Utz Certified apresenta um conjunto amplo de critérios, que compreende práticas agrícolas adequadas para a produção de café e para o bem-estar dos trabalhadores, incluindo o acesso à saúde e educação. Enfatiza muito a rastreabilidade, segurança do alimento e a qualidade do café produzido, além das boas práticas de produção. A certificação Utz Certified também objetiva canalizar a assistência técnica aos produtores, para melhorar o gerenciamento das fazendas e reduzir os custos de produção e aumentar o acesso ao crédito. Seus principais destinos são os mercados europeus, japonês e norte americano, mercados estes eu prezam muito pela rastreabilidade e qualidade do café consumido. A certificação desperta preocupações com relação às dificuldades de acesso dos pequenos produtores ao sistema, devido aos custos fixos dos processos de implantação das benfeitorias e de auditoria. Esses custos são relativamente maiores para os pequenos produtores. A certificação Utz Certified é dirigida a todos os produtores, tanto os pequenos, médios e grandes, e não há restrição em relação a regiões no mundo a serem certificadas, ou seja, certifica-se tanto propriedades que cultivam a espécie Arábica quanto o robusta (Conilon).

25 11 Quadro 2. Característica da Certificação Utz Certified Missão Habilitar produtores de café e marcas a mostrarem seu compromisso com o desenvolvimento sustentável em um mercado específico. Histórico e evolução Iniciou-se em 1997 como iniciativa de produtores e da indústria na Guatemala. Tornou-se uma ONG independente em A primeira certificação de propriedade cafeeira ocorreu em Requisitos Boas práticas agrícolas e bem estar do trabalhador. Baseia-se em uma adaptação dos padrões do EurepGAP. Foco de mercado e incentivos Marca líderes e negócios com empresas. Até novembro de 2010, foram certificados produtores (arábica e robusta) em 21 países, a maioria na América Latina, mas também na Ásia (Índia, Indonésia, Papua Nova Guiné e Vietnã) e África (Etiópia, Tanzânia, Uganda, Zâmbia, Burindi e Quênia). O programa está em plena ascensão, até novembro de 2010, Sacas de 60 kg de café verde foram vendidas como certificadas Utz Certified no mundo, deste total Sacas de 60kg (39,8%) provenientes do Brasil. Nesse período 392 propriedades no mundo estavam certificadas, sendo que 148 (45%) propriedades são do Brasil. O objetivo principal da Utz Certified é melhorar os termos de comercialização para os produtores, mas o programa não intervém nas negociações de preço, também não há nenhum tipo de prêmio ou preço mínimo como em outros programas. A política de preços estabelece que os produtores podem ser recompensados com um prêmio acima de zero por estar em conformidade com o código de conduta que se tanto um torrefador ou um produtor pagar ou aceitar um preço baixo ou nenhum prêmio, poderão ser excluídos do programa.

CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA

CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA Imperial Estação Agronômica de Campinas 27/06/1887 Centro de Café Alcides Carvalho INTRODUÇÃO O Agronegócio

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

Data: ABN. Cafés especiais do Brasil consolidam novos mercados

Data: ABN. Cafés especiais do Brasil consolidam novos mercados Veículo: Assunto: Data: ABN 28/09/2012 Cafés especiais do Brasil consolidam novos mercados http://www.abn.com.br/editorias1.php?id=71860 Que o Brasil há muitos anos produz cafés de qualidade excepcional

Leia mais

Artigo: Naufrágio Orgânico. Por Celso Vegro e Eduardo Heron

Artigo: Naufrágio Orgânico. Por Celso Vegro e Eduardo Heron Artigo: Naufrágio Orgânico Por Celso Vegro e Eduardo Heron Antes que se renegue a estes analistas, alertamos que desde sempre prestigiamos o movimento orgânico, participando, ainda quando estudante de

Leia mais

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 10 janeiro 2007 Original: inglês P

Leia mais

ICC 115-8. O café na Federação Russa. Conselho Internacional do Café 115. a sessão 28 setembro 2 outubro 2015 Milão, Itália.

ICC 115-8. O café na Federação Russa. Conselho Internacional do Café 115. a sessão 28 setembro 2 outubro 2015 Milão, Itália. ICC 115-8 18 agosto 215 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 115. a sessão 28 setembro 2 outubro 215 Milão, Itália O café na Federação Russa Antecedentes Cumprindo o disposto no Artigo 34

Leia mais

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento Seção 2/D Cadeia de Fornecimento www.bettercotton.org Orientação Esta seção descreve como a BCI criará um fardo 100% Better Cotton e conectará a oferta de Better Cotton com sua demanda, estabelecendo um

Leia mais

O MERCADO DO CAFÉ NA GRÉCIA

O MERCADO DO CAFÉ NA GRÉCIA O MERCADO DO CAFÉ NA GRÉCIA Fonte: ( A Guerra de 1 euro do Expresso, Maria Basileiou. Jornal Ta Nea, 21/01/2010) [13] Introdução Dados macroeconômicos Importações gerais gregas do café em grão As importações

Leia mais

ICC 115-7 COFFEE IN CHINA. 10 agosto 2015 Original: inglês. o café na China.

ICC 115-7 COFFEE IN CHINA. 10 agosto 2015 Original: inglês. o café na China. ICC 115-7 10 agosto 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 115. a sessão 28 de setembro 2 de outubro de 2015 Milão, Itália O café na China COFFEE IN CHINA Antecedentes Cumprindo o disposto

Leia mais

A TERCEIRA ONDA DO CONSUMO DE CAFÉ

A TERCEIRA ONDA DO CONSUMO DE CAFÉ A TERCEIRA ONDA DO CONSUMO DE CAFÉ Eduardo Cesar Silva Elisa Reis Guimarães Lavras, MG Julho de 2012 Eduardo Cesar Silva Mestre em Administração (UFLA). Coordenador do Bureau de Inteligência Competitiva

Leia mais

Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização

Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização 1.1 Café Diagnóstico Desde meados da década de 90, a produção mundial de café tem apresentado aumentos significativos, mas que não estão

Leia mais

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ Planejamento Boa Gestão Consciência Política Sustent bilidade Participação

Leia mais

Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013

Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013 Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013 Entre janeiro/13 e novembro/13 o Coffea arabica (Arábica) apresentou

Leia mais

ICC 110 15. 20 março 2013 Original: inglês P. Conselho Internacional do Café 110. a sessão 4 8 março 2013 Londres, Reino Unido

ICC 110 15. 20 março 2013 Original: inglês P. Conselho Internacional do Café 110. a sessão 4 8 março 2013 Londres, Reino Unido ICC 110 15 20 março 2013 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 110. a sessão 4 8 março 2013 Londres, Reino Unido Relatório sucinto do Seminário sobre tendências nos novos mercados consumidores

Leia mais

ICC 109 8. 14 setembro 2012 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 109 a sessão 24 28 setembro 2012 Londres, Reino Unido

ICC 109 8. 14 setembro 2012 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 109 a sessão 24 28 setembro 2012 Londres, Reino Unido ICC 109 8 14 setembro 2012 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 109 a sessão 24 28 setembro 2012 Londres, Reino Unido Tendências do consumo de café em países importadores selecionados Antecedentes

Leia mais

Sustentabilidade. Transformações na cadeia do café e o papel do torrador. www.utzcertified.org

Sustentabilidade. Transformações na cadeia do café e o papel do torrador. www.utzcertified.org Sustentabilidade Transformações na cadeia do café e o papel do torrador www.utzcertified.org Definições de Sustentabilidade Development that meets the needs of the present without compromising the ability

Leia mais

ICC 109 13. 12 outubro 2012 Original: inglês. Plano de Promoção e Desenvolvimento de Mercado

ICC 109 13. 12 outubro 2012 Original: inglês. Plano de Promoção e Desenvolvimento de Mercado ICC 109 13 12 outubro 2012 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 109. a sessão 24 28 setembro 2012 Londres, Reino Unido Plano de Promoção e Desenvolvimento de Mercado Antecedentes Este documento

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov.

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov. CAFÉ Jorge Queiroz 1. MERCADO INTERNACIONAL Segundo o USDA, a produção mundial de café deverá atingir no ano 2009/2010, um total de 127,4 milhões de sacas. Entretanto, a OIC (Organização Internacional

Leia mais

Perguntas e respostas Mais Qualidade

Perguntas e respostas Mais Qualidade Perguntas e respostas Mais Qualidade O que é o Programa Mais Qualidade? O Mais Qualidade é um programa da Bayer CropScience que tem como objetivo a obtenção de frutas com qualidade superior. Tudo isso

Leia mais

Press release. Café de Atitude: A nova estratégia da Região do Cerrado Mineiro.

Press release. Café de Atitude: A nova estratégia da Região do Cerrado Mineiro. Press release Café de Atitude: A nova estratégia da Região do Cerrado Mineiro. Café de Atitude: a nova estratégia da Região do Cerrado Mineiro Em evento realizado em Uberlândia (MG), na noite do dia 19

Leia mais

Data: 24/11/2012 Assunto:

Data: 24/11/2012 Assunto: Veículo: Rede Lajeado Data: 24/11/2012 Assunto: Pesquisa e indústria incrementam consumo do café pelos brasileiros http://www.redelajeado.com.br/2012/11/24/pesquisa-e-industria-de-cafe-incrementam-consumo-doproduto-pelos-brasileiros/

Leia mais

WP Board No. 980/05 Rev. 1

WP Board No. 980/05 Rev. 1 WP Board No. 980/05 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 12 janeiro 2006 Original: inglês Projetos/Fundo

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Por Paulo Botti, presidente da Terra Brasis, resseguradora local Nascido em 2008 após árduo trabalho e amplo diálogo entre

Leia mais

Proprietários de uma fazenda

Proprietários de uma fazenda enviaram uma amostra para o concurso. Além do prêmio de 50 mil dólares, que Mônica usou para comprar um carro novo, a cafeicultora ajudou a divulgar a cidade de Araponga, MG, e contribuiu para a consolidação

Leia mais

EVITANDO NOVAS CRISES E CRIANDO A CAFEICULTURA DO FUTURO

EVITANDO NOVAS CRISES E CRIANDO A CAFEICULTURA DO FUTURO EVITANDO NOVAS CRISES E CRIANDO A CAFEICULTURA DO FUTURO A cafeicultura brasileira, vitimada por longo período de preços baixos, empreendeu um esforço imenso para tornar-se mais eficiente e ganhar competitividade.

Leia mais

Bureau de Inteligência Competitiva do. Café. Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013. www.icafebr.

Bureau de Inteligência Competitiva do. Café. Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013. www.icafebr. Bureau de Inteligência Competitiva do Café Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013 www.icafebr.com PARA TER ACESSO AOS DEMAIS RELATÓRIOS DO BUREAU, NOTÍCIAS E COTAÇÕES, ACESSE:

Leia mais

EB 3945/08. 1 maio 2008 Original: inglês. Programa de atividades. Junta Executiva 267 a reunião 20 e 22 maio 2008 Londres, Inglaterra

EB 3945/08. 1 maio 2008 Original: inglês. Programa de atividades. Junta Executiva 267 a reunião 20 e 22 maio 2008 Londres, Inglaterra EB 3945/08 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 1 maio 2008 Original: inglês Programa de atividades

Leia mais

Dossier documentaire

Dossier documentaire DCL PO 06/12 02 Dossier documentaire Page 1 sur 8 DCL PORTUGAIS Diplôme de Compétence en Langue Session du vendredi 1 juin 2012 Dossier documentaire Support de la phase 1 Document 1 Document 2 E mail Carte,

Leia mais

Círculo do Café de Qualidade - CCQ Passo a Passo

Círculo do Café de Qualidade - CCQ Passo a Passo 1. O que é? O Círculo do Café de Qualidade é uma evolução em relação ao PQC ABIC, lançado em 2004, e está inserido dentro das diretrizes da ABIC de aumento do consumo interno de café no Brasil, visando

Leia mais

5 Conclusões. Estratégias Café Verde. peneiras) peneiras) cereja descascado) - certificação orgânica internacional (IBD)

5 Conclusões. Estratégias Café Verde. peneiras) peneiras) cereja descascado) - certificação orgânica internacional (IBD) 5 Conclusões A partir do objetivo principal deste estudo, que buscava identificar as estratégias de marketing adotadas pela empresas Alfa e Beta para comercializar o seu produto no exterior, bem como os

Leia mais

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O presente boletim tem o objetivo de apresentar a situação atual do mercado, por meio dos dados disponibilizados pelo USDA, CONAB e MAPA. Apresenta-se, posteriormente, a

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

PJ 4/11. 10 janeiro 2011 Original: inglês. Comitê de Projetos 1. a reunião 30 março 2011 Londres, Reino Unido

PJ 4/11. 10 janeiro 2011 Original: inglês. Comitê de Projetos 1. a reunião 30 março 2011 Londres, Reino Unido PJ 4/11 10 janeiro 2011 Original: inglês P Comitê de Projetos 1. a reunião 30 março 2011 Londres, Reino Unido Estudo da sustentabilidade da cadeia da oferta de café versus adaptação às mudanças climáticas

Leia mais

2. O Comitê adotou o projeto de ordem do dia que figura no documento PC-58/09 Rev. 1.

2. O Comitê adotou o projeto de ordem do dia que figura no documento PC-58/09 Rev. 1. PC 60/10 24 março 2010 Original: inglês P Decisões e Resoluções adotadas pelo Comitê de Promoção em sua 17 a reunião 1. O Comitê de Promoção, presidido pelo Sr. Mick Wheeler, de Papua-Nova Guiné, reuniu-se

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O R E G U L A M E N T O ARTIGO 1 O 10º Concurso Nacional ABIC de Qualidade do Café e a 10ª Edição Especial dos Melhores Cafés do Brasil, instituídos pela ABIC, têm como objetivo incentivar a produção de

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS SAFRA 2008/2009 67% Exportação 89% Café verde 18% Alemanha 18% EUA 10% Japão 9% Itália CAFÉ 49,2 milhões de sacas de

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 O que é um produto inovador? Dois caminhos para oferecer melhores medicamentos aos

Leia mais

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO WESP-GUTERRES, Caroline 1 ; TEIXEIRA, José Domingos Lemos 1 ; ARALDI,Daniele Furian 2 Palavras-Chave: Brasil. Consumo de carne. Bovinocultura. Introdução

Leia mais

André Criação e Atendimento. Edson E-commerce e Atendimento. Juciellen Web Design e Programação. Talita Planejamento e Projeto

André Criação e Atendimento. Edson E-commerce e Atendimento. Juciellen Web Design e Programação. Talita Planejamento e Projeto Integrantes André Criação e Atendimento Edson E-commerce e Atendimento Juciellen Web Design e Programação Talita Planejamento e Projeto Vanessa Criação e Conteúdo Briefing Histórico da Empresa - Características

Leia mais

ICC 111 8. 15 agosto 2013 Original: francês. Conselho Internacional do Café 111. a sessão 9 12 setembro 2013 Belo Horizonte, Brasil.

ICC 111 8. 15 agosto 2013 Original: francês. Conselho Internacional do Café 111. a sessão 9 12 setembro 2013 Belo Horizonte, Brasil. ICC 111 8 15 agosto 2013 Original: francês P Conselho Internacional do Café 111. a sessão 9 12 setembro 2013 Belo Horizonte, Brasil O café na China Antecedentes Consoante os objetivos do Acordo Internacional

Leia mais

WP Board No. 934/03. 7 maio 2003 Original: inglês. Junta Executiva 21-23 maio 2003 Londres, Inglaterra

WP Board No. 934/03. 7 maio 2003 Original: inglês. Junta Executiva 21-23 maio 2003 Londres, Inglaterra WP Board No. 934/03 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 7 maio 2003 Original: inglês Junta Executiva

Leia mais

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Faculdade de Comunicação e Artes Habilitação em Jornalismo Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Economia Brasileira Professora Eleonora Bastos Horta Dayse dos Santos Frederico

Leia mais

Emergência de cadeias de valor de produtos básicos sustentáveis na Ásia

Emergência de cadeias de valor de produtos básicos sustentáveis na Ásia Emergência de cadeias de valor de produtos básicos sustentáveis na Ásia Sr. a Lakshmi Venkatachalam Vice Presidente (Setor Privado e Operações de Cofinanciamento) Sumário Desafios da segurança alimentar

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

COMO ESCOLHER O NEGÓCIO DE MARKETING MULTINÍVEL QUE MAIS COMBINA COM SEU PERFIL

COMO ESCOLHER O NEGÓCIO DE MARKETING MULTINÍVEL QUE MAIS COMBINA COM SEU PERFIL 1 COMO ESCOLHER O NEGÓCIO DE MARKETING MULTINÍVEL QUE MAIS COMBINA COM SEU PERFIL Celso Silva 2 Sobre o autor Celso Silva é nascido no Rio de Janeiro, em 24 de fevereiro de 1950. Aos 17 anos ingressou

Leia mais

MBA em Gestão de Ativos.

MBA em Gestão de Ativos. /biinternational /biinternational MBA em Gestão de Ativos. Unidade WTC www.biinternational.com.br O B.I. International O B.I. International é uma escola de educação executiva que propõe um Modelo Único

Leia mais

O valor da certificação acreditada

O valor da certificação acreditada Certificado uma vez, aceito em toda parte O valor da certificação acreditada Relatório de Pesquisa Publicado em maio de 212 Em 21/11, o IAF realizou uma pesquisa mundial para capturar o feedback de mercado

Leia mais

1. O Comitê de Promoção, presidido pelo Dr. Ernesto Illy, reuniu-se pela nova vez sob a égide do Convênio de 2001 em 25 de maio de 2006.

1. O Comitê de Promoção, presidido pelo Dr. Ernesto Illy, reuniu-se pela nova vez sob a égide do Convênio de 2001 em 25 de maio de 2006. PC 37/06 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 5 junho 2006 Original: inglês P Decisões e Resoluções

Leia mais

ACADEMIA DO CAFÉ Rua Grão Pará, n.º 1.024, Bairro Funcionários Belo Horizonte - MG CEP 30150-341

ACADEMIA DO CAFÉ Rua Grão Pará, n.º 1.024, Bairro Funcionários Belo Horizonte - MG CEP 30150-341 A Semana Internacional do Café institui a RODADA DE NEGÓCIOS & COFFEE OF THE YEAR 2014, que serão realizados durante a Semana Internacional de Café - 9º Espaço Café Brasil, no período de 15 a 18 de setembro

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO:

INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO: INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO: O Estado do Espírito Santo encontra-se como o segundo maior produtor nacional de café, destacando-se o plantio das espécies Arábica e Conilon, sendo

Leia mais

Relatório Anual Café RAC Brasil 2012. Elaborado por: Piracicaba, 2013

Relatório Anual Café RAC Brasil 2012. Elaborado por: Piracicaba, 2013 Relatório Anual Café RAC Brasil 2012. Elaborado por: Piracicaba, 2013 Introdução O presente relatório tem objetivo de demonstrar o comportamento de parte da cadeia produtiva do café certificado RAC Rainforest

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Klako Group. Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária. Otimização e Controle de Qualidade. Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen

Klako Group. Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária. Otimização e Controle de Qualidade. Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen Klako Group Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária Otimização e Controle de Qualidade Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen Visite nossa site http://www.klakogroup.com Nossa Empresa Klako Group

Leia mais

A nova classe média vai às compras

A nova classe média vai às compras A nova classe média vai às compras 18 KPMG Business Magazine Cenário é positivo para o varejo, mas empresas precisam entender o perfil do novo consumidor Nos últimos anos o mercado consumidor brasileiro

Leia mais

1. Porque a RAS e a Rainforest Alliance estão adotando esta nova certificação?

1. Porque a RAS e a Rainforest Alliance estão adotando esta nova certificação? MAIO 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Certificação de Cadeia de Custódia* Empresas alimentícias, varejistas, governos, ONGs e consumidores estão cada vez mais interessados em conhecer as origens dos produtos

Leia mais

ED 2180/14. 15 maio 2014 Original: espanhol. Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café

ED 2180/14. 15 maio 2014 Original: espanhol. Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café ED 2180/14 15 maio 2014 Original: espanhol P Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café 1. O Diretor Executivo apresenta seus cumprimentos e, em nome da Colômbia, encaminha aos Membros

Leia mais

MERCADO PARA O CAFÉ EM GRÃO DO ACRE 1

MERCADO PARA O CAFÉ EM GRÃO DO ACRE 1 ISSN 1-8668 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Acre Ministério da Agricultura e do Abastecimento BR-364, km 14 (Rio Branco/Porto Velho), Caixa Postal 392, 6998-97, Rio Branco-AC Telefones:

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Perspectivas do consumo mundial de café

Perspectivas do consumo mundial de café Perspectivas do consumo mundial de café 19º Seminário Internacional de Café de Santos 9 e 10 de maio de 2012 Praia de Pernambuco, Guarujá SP Robério Oliveira Silva Diretor Executivo Resumo Produção mundial

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

WP Council 242/13 Add. 1

WP Council 242/13 Add. 1 WP Council 242/13 Add. 1 1 julho 2014 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 113. a sessão 22 26 setembro 2014 Londres, Reino Unido Atividades de rotina Programa de Atividades da Organização

Leia mais

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas?

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Professor e consultor Álvaro Camargo explica a importância dos processos de aproveitamento de lições aprendidas nas organizações

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br CLIPPING Acesse: www.cncafe.com.br Após altas, produtor não deve exercer opção de venda de café Valor Econômico Tarso Veloso e Carine Ferreira Após a sequência de altas do café arábica na bolsa de Nova

Leia mais

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1 LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 Visão Brasil As cinco principais tendências em atração de talentos que você precisa saber 2013 LinkedIn Corporation. Todos os direitos reservados.

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Novembro 2009

SUMÁRIO EXECUTIVO. Novembro 2009 SUMÁRIO EXECUTIVO Novembro 2009 1 Introdução A Biomm se dedica ao desenvolvimento de processos de produção baseados na biotecnologia, área em que a sua equipe foi pioneira no Brasil desde os anos 1970.

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Rafael Ribeiro Vinhal

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Rafael Ribeiro Vinhal INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM Rafael Ribeiro Vinhal COFFEE EXPORT - HEDGE CAMBIAL VIA MERCADO FUTURO DE DÓLAR São Paulo 2012 Rafael Ribeiro Vinhal Coffee

Leia mais

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas O PERFIL DA CACHAÇA CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SETOR No mercado de cachaça, existem dois tipos da bebida: a caninha industrial e a cachaça artesanal de alambique. A primeira possui teor alcoólico de 38%

Leia mais

PM 44/15. 20 março 2015 Original: inglês. Relatório do Comitê de Promoção e Desenvolvimento de Mercado sobre a reunião realizada em 4 de março de 2015

PM 44/15. 20 março 2015 Original: inglês. Relatório do Comitê de Promoção e Desenvolvimento de Mercado sobre a reunião realizada em 4 de março de 2015 PM 44/15 20 março 2015 Original: inglês P Relatório do Comitê de Promoção e Desenvolvimento de Mercado sobre a reunião realizada em 4 de março de 2015 Item 1: Adoção da ordem do dia... 2 Item 2: Eleição

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Risco: um modelo para a mitigação

Risco: um modelo para a mitigação Risco: um modelo para a mitigação Uma perspectiva dos produtores Que é risco? Uma perspectiva dos produtores Quem vai receber meu café (menos de 24 horas) após a apanha? Como vou conseguir o melhor preço

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

2. O Comitê adotou o projeto de ordem do dia que figura no documento PM 6/11 Rev. 1.

2. O Comitê adotou o projeto de ordem do dia que figura no documento PM 6/11 Rev. 1. PM 10/11 13 outubro 2011 Original: inglês P Relatório do Comitê de Promoção e Desenvolvimento de Mercado sobre a reunião de 30 de setembro de 2011 1. O Comitê de Promoção e Desenvolvimento de Mercado,

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Texto use sempre a fonte Arial Café Produzido com Atitude Ético,rastrável e de alta qualidade

Texto use sempre a fonte Arial Café Produzido com Atitude Ético,rastrável e de alta qualidade Café Produzido com Atitude Ético,rastrável e de alta qualidade Francisco Sérgio de Assis Diretor Pres. da Federação dos Cafeicultores do Cerrado Quem Título Somos: Uma Texto origem use produtora sempre

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

Marketing em Design. 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing. Profª Ms. Angela Maria Ramos

Marketing em Design. 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing. Profª Ms. Angela Maria Ramos Marketing em Design 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing Profª Ms. Angela Maria Ramos 4. Planejamento de novos negócios, redução de negócios superados Os planos da empresa para seus negócios

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil

Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil Chrystiano Pinto de RESESNDE 1 ; Marco Antônio Pereira LOPES 2 ; Everton Geraldo de MORAIS 3 ; Luciano Donizete GONÇALVES 4 1 Aluno do curso

Leia mais

A indústria de máquinas-ferramenta. Mauro Thomaz de Oliveira Gomes, Mary Lessa Alvim Ayres, Geraldo Andrade da Silva Filho

A indústria de máquinas-ferramenta. Mauro Thomaz de Oliveira Gomes, Mary Lessa Alvim Ayres, Geraldo Andrade da Silva Filho A indústria de máquinas-ferramenta Mauro Thomaz de Oliveira Gomes, Mary Lessa Alvim Ayres, Geraldo Andrade da Silva Filho FERRAMENTA Mauro Thomaz de Oliveira Gomes Mary Lessa Alvim Ayres Geraldo Andrade

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Esta aula tratará da análise comparativa do processo de desenvolvimento da China e da Índia, países que se tornaram

Leia mais

ATENÇÃO. www.poscolheita.com.br. juarez@ufv.br ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO:

ATENÇÃO. www.poscolheita.com.br. juarez@ufv.br ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO: ATENÇÃO ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO: www.poscolheita.com.br juarez@ufv.br CAFEICULTURA DE MONTANHA & CAFÉ COM QUALIDADE Tecnologias

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

VISÃO 2020 Webinário para atualização e contribuição das partes interessadas 11 de maio de 2015 Vision 2020 Webinar for stakeholder update and input

VISÃO 2020 Webinário para atualização e contribuição das partes interessadas 11 de maio de 2015 Vision 2020 Webinar for stakeholder update and input VISÃO 2020 Webinário para atualização e contribuição das partes interessadas 11 de maio de 2015 Webinário da Visão 2020 de atualização e contribuição das partes interessadas Propósito deste webinário 1.

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Capetinga e Sassafrás

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Capetinga e Sassafrás Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Capetinga e Sassafrás Cultivo(s): Café (Coffea arabica L.) Data do Resumo Público: 04 de janeiro de 2012 Data de Entrega do Relatório:

Leia mais

Ref: Proposta de convênio para a participação nos MBAs da Fundação Getúlio Vargas em Goiânia, para 2005.

Ref: Proposta de convênio para a participação nos MBAs da Fundação Getúlio Vargas em Goiânia, para 2005. Goiânia, 10 de dezembro de 2004. Sra. Maria D Abadia de Oliveira Borges Brandão Gerente Executiva da Escola de Governo Escola de Governo do Estado de Goiás Ref: Proposta de convênio para a participação

Leia mais