1. Porque a RAS e a Rainforest Alliance estão adotando esta nova certificação?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Porque a RAS e a Rainforest Alliance estão adotando esta nova certificação?"

Transcrição

1 MAIO 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Certificação de Cadeia de Custódia* Empresas alimentícias, varejistas, governos, ONGs e consumidores estão cada vez mais interessados em conhecer as origens dos produtos agrícolas. O selo Rainforest Alliance Certified está assegurado pela rastreabilidade desde a fazenda até o supermercado. Através da contribuição de especialistas em cadeias de valor da indústria, a Rainforest Alliance e a Rede de Agricultura Sustentável (RAS) vêm refinando nosso sistema de certificação de Cadeia de Custódia. Em maio de 2012 uma nova Norma e Política entrarão em vigor para garantir a rastreabilidade, assim como tornar o sistema mais amigável. 1. Porque a RAS e a Rainforest Alliance estão adotando esta nova certificação? A certificação de Cadeia de Custódia é a pedra angular de qualquer certificação crível. Como parte do seu novo programa de acreditação, o qual está baseado no cumprimento da ISO65 e em critérios adicionais da RAS, a Rainforest Alliance e a RAS encontraram a necessidade de aprimorar seu sistema de Cadeia de Custódia a um programa global de certificação. O novo sistema está desenhado para complementar nossos sistemas de rastreabilidade e Uso do Selo. O programa de acreditação tem como objetivo melhorar a credibilidade, competitividade e eficiência de nossa certificação. A partir de julho de 2012, cinco Organismos de Certificação (OC) recentemente acreditadas darão início à emissão de certificados a fazendas, grupos de fazendas e operações de Cadeia de Custódia. Quando o sistema estiver operando completamente, outras OCs poderão aplicar para obter sua acreditação. As atualizações sobre o sistema de acreditação podem ser encontradas na página eletrônica da RAS ( Este documento tem finalidade informativa. Em caso de dúvidas prevalece a redação da Norma e Política de Cadeia de Custódia. Página 1

2 2. Quem precisa da certificação de Cadeia de Custódia? O sistema de Cadeia de Custódia se aplica para qualquer Operador Participante que possua legalmente ou manipule um produto proveniente de uma fazenda certificada e que cumpra com qualquer das seguintes categorias: Fazendas certificadas que manipulam, compram ou misturam produto procedente de fazendas não certificadas. Administradores de grupos certificados que manipulam, compram ou misturam produto procedente de fazendas não certificadas. Entidades que compram ou vendem produto de fazendas certificadas ou de administradores de grupo e que o misturam com produto de fazendas não certificadas ou de administradores de grupo não certificados; Entidades que exportam, importam ou comercializam, sirvam de intermediários, depósitos ou realizam leilões, que manipulam e declaram produtos procedentes de fazendas certificadas ou administradores de grupo como Rainforest Alliance Certified; Entidades que processam, vendem ou empacotam produto final com declaração Rainforest Alliance Certified; Entidades que recebem a aprovação para o uso do selo Rainforest Alliance Certified no empacotamento do produto final. Encontre alguns exemplos ao final deste documento. 3. Quem não precisa solicitar uma auditoria de Cadeia de Custódia? O sistema de Cadeia de Custódia não se aplica para: Fazendas certificadas que não manipulam, compram ou misturam produtos de fazendas que não estão certificadas; Administradores de grupo certificados que não manipulam, compram ou misturam produtos de fazendas que não estão certificadas; Entidades que apenas oferecem serviços financeiros e que atuam em nome de uma terceira parte, a qual declara o produto procedente de fazendas certificadas; Entidades que apenas oferecem serviços de transporte, armazenamento ou corretor e que se responsabilizam pela posse física, mas não pela posse legal do produto; Entidades subcontratadas ou qualquer atividade de terceirização na qual não toma posse legal do produto Rainforest Alliance Certified; Entidades que vendem no varejo ao consumidor final e que tem a posse física do produto que leva o selo Rainforest Alliance Certified no pacote final; Entidades e sua posterior cadeia de abastecimento que não desejam reconhecer, oferecer ou comercializar seu produto como Rainforest Alliance Certified ou que não desejam fazer nenhuma declaração a esse respeito. Encontre alguns exemplos ao final deste documento. Página 2

3 4. Se não estamos seguros sobre a necessidade de uma auditoria de Cadeia de Custódia, o que devemos fazer? Por favor, comunique-se com o Organismo de Certificação mais próximo para que estes lhe proporcionem mais instruções. Uma lista de entidades se encontra em 5. Quando vence o prazo para solicitar e receber uma auditoria? O programa de Cadeia de Custódia entra em vigência no dia 1º de maio de A RAS e a Rainforest Alliance prepararam um programa de implementação vinculado ao registro no Marketplace (todas as fazendas e entidades envolvidas na Cadeia de fornecimento de produtos de fazendas Rainforest Alliance Certified tem que registrarse no sítio eletrônico O seguinte calendário se aplica: Entidades registradas no Deve apresentar o Marketplace: Formulário de Aplicação para uma Auditoria: Antes de 1º de fevereiro de Até dia 1º de Maio de 2012 Depois de 1º de fevereiro de Dentro dos 12 meses posteriores a seu registro no Marketplace Última data para que se realize sua auditoria: 31 de outubro de 2013 Dentro dos 18 meses posteriores a seu registro no Marketplace 6. O que a RAS e a Rainforest Alliance fizeram para que o sistema de certificação de Cadeia de Custódia seja ágil? Quanto custa uma auditoria? O programa de Cadeia de Custódia melhora a credibilidade da declaração Rainforest Alliance Certified e consequentemente apoia diretamente nossa missão de conservação da biodiversidade e de melhoria de qualidade de vida nas fazendas. Para maximizar a credibilidade e ao mesmo tempo minimizar os custos, a RAS e a Rainforest Alliance criaram um programa eficiente de Cadeia de Custódia com os seguintes atributos: Altos níveis de cumprimento na primeira auditoria são premiados com auditorias de escritório nos anos dois e três do ciclo de certificação de três anos. A certificação de múltiplos sites (Multi-site) permite que as empresas que manejam produtos e processos em lugares separados possam incluí-los dentro de um mesmo certificado, reduzindo consequentemente os custos da auditoria. A certificação de Multi-site pode ter um escopo regional na Europa, Estados Unidos e Canadá e em alguns países da Ásia Pacífico. Nos países com fazendas certificadas, a certificação de Multi-site está disponível com escopo nacional. Os participantes no sistema que precisem de uma Cadeia de Custódia têm até 12 meses para aplicar para uma auditoria e 18 meses para completar sua primeira auditoria. Página 3

4 A auditoria de Cadeia de Custódia é direta e eficiente. Seu custo depende de uma variedade de fatores, incluindo: Entidade individual ou Multi-site Localização A complexidade do processo de produção O numero de instalações que o auditor precisa visitar Os Organismos de Certificação acreditados podem disponibilizar as propostas de serviço. 7. Nós não utilizamos o selo Rainforest Alliance Certified, então precisamos ter a certificação de Cadeia de Custódia? Se vocês (ou alguma entidade na sua subseguinte Cadeia de fornecimento) não deseja conhecer, oferecer ou comercializar o produto como Rainforest Alliance Certified, ou fazer declarações sobre este aspecto, então não precisam da certificação de Cadeia de Custódia. Se você não utiliza nosso selo, mas deseja fazer declarações sobre o produto Rainforest Alliance Certified e/ou vender produtos certificados a outras entidades que usam o selo, então sim você necessita a certificação de Cadeia de Custódia. 8. O que acontece se compramos produtos de um fornecedor que não possui um certificado de Cadeia de Custódia? Dado que este é um novo programa a nível global, foi dado às entidades tempo suficiente para que realizem sua primeira auditoria e obtenham a certificação (veja a tabela na pergunta 5). Este período escalonado minimiza o risco de interrupção da sua cadeia de fornecimento. Os convidamos para que comentem com seus fornecedores sobre os requerimentos da certificação de Cadeia de Custódia, por que os requerimentos podem aplicar a eles também. 9. O que implica para mim a certificação de Cadeia de Custódia? A certificação é um reconhecimento formal para vocês, seus fornecedores e clientes de que cumprem com os requerimentos de certificação da RAS e Rainforest Alliance para o processamento de produtos de fazendas Rainforest Alliance Certified. Com a certificação de Cadeia de Custódia você poderá afirmar legitimamente que seus produtos provêm de fazendas certificadas e poderá usar o selo Rainforest Alliance Certified em tais produtos, tal como se encontra estabelecido nas Diretrizes para Uso do Selo Rainforest Alliance Certified. 10. O que acontece se não aprovamos a auditoria de Cadeia de Custódia? O candidato à certificação deve implementar as ações corretivas para atender as não conformidades identificadas. Uma vez que se tomem as ações corretivas, o Organismo de Certificação pode realizar uma auditoria de verificação (ao mais tardar após quatro meses a partir da auditoria inicial) para avaliar o cumprimento novamente. Se Página 4

5 falharem nesta auditoria também, então deverão aplicar para uma nova auditoria de certificação. 11. O que acontece se perdemos a certificação de Cadeia de Custódia? Você receberá uma notificação do Organismo de Certificação a qual indicará que seu certificado foi cancelado. Doravante, não poderá vender ou transferir a posse de qualquer produto anteriormente certificado como Rainforest Alliance Certified. Você poderá vender o produto como Rainforest Alliance Certified apenas se o contrato de venda tiver data anterior a notificação de cancelamento e se o volume do produto não for superior ao volume registrado no sistema de rastreabilidade da Rainforest Alliance. Após o cancelamento, você também será desativado do sistema de rastreabilidade da Rainforest Alliance. Assim como não poderá utilizar o selo Rainforest Alliance Certified em qualquer outro produto ou pacote, material ou mídia promocional e outro tipo de documentação. No caso em que se decida reaplicar para a certificação, não poderá ser vendido qualquer produto como Rainforest Alliance Certified que se adquira após o cancelamento e anterior ao novo certificado de Cadeia de Custódia. 12. Qual é a frequência das auditorias? O ciclo de certificação dura três anos e o certificado também possui uma validade de três anos. A certificação se inicia após uma auditoria de Certificação bem sucedida. Durante a primeira e segunda auditoria anual, qualquer não conformidade menor que se encontre em auditorias prévias será avaliada, seja por meio de uma auditoria de escritório ou presencial. Estas auditorias têm que realizar-se entre 12 a 15 meses após a última auditoria. O Organismo de Certificação pode realizar uma auditoria de investigação não programada nas empresas certificadas em qualquer momento durante o ciclo de auditoria de Cadeia de Custódia. Estas auditorias atendem a reclamações sobre uma operação certificada de Cadeia de Custódia, ou servem como método de supervisão de cumprimento contínuo com o programa de Cadeia de Custódia. Se uma operação certificada completa um ciclo de três anos sem nenhuma não conformidade maior ou menor, ou sem reclamações contrárias, então o novo ciclo pode se iniciar com uma auditoria de escritório. 13. Existem critérios críticos na Certificação de Cadeia de Custódia? Não, o programa de Cadeia de Custódia tem um sistema de avaliação diferente dos demais programas de certificação de fazendas e não incluí critérios críticos. 14. Quais são os requerimentos para certificação de Cadeia de Custódia? Para poder obter a certificação de Cadeia de Custódia pela primeira vez, você deve: Página 5

6 Cumprir com o conteúdo da Norma e Política de Cadeia de Custódia. Assinar um acordo de certificação com o Organismo de Certificação. Cumprir com todos os processos administrativos definidos pelo Organismo de Certificação. Ser avaliado em uma auditoria de certificação realizada pelo Organismo de Certificação. O sistema de avaliação classifica as não conformidades como maiores e menores. Não conformidades maiores representam um risco demonstrado para a integridade do produto certificado devido à mistura com produto não certificado, há vazios significativos no sistema, pessoal sem capacitação ou violação no uso do selo. Não estão permitidas as não conformidades maiores na certificação de Cadeia de Custódia. Não conformidades menores são verificações de impacto limitado para o sistema de Cadeia de Custódia, para a integridade do produto e do selo. Estão permitidas até um máximo de 10 (de um total de 20 critérios) não conformidades menores para a certificação de Cadeia de Custódia. 15. Explique-me mais sobre a certificação de Multi-site A certificação de Multi-site é para operadores participantes que administram dois ou mais sites em que se realiza a manipulação e processamento de produto certificado. Um administrador grupal de Multi-site representa todos os sites e é responsável em manter os sistemas requeridos e a conformidade interna junto á norma de Cadeia de Custódia. Os diferentes sites não necessariamente devem ter uma relação legal entre si ou junto ao administrador de Multi-site, mas cada site dever outorgar seu consentimento para participar na certificação. A certificação de Multi-site se oferece em uma base regional na Europa, Estados Unidos e Canadá e em alguns países da Ásia Pacífico. Um escopo nacional se aplica a todos os países onde existam fazendas certificadas. Um Operador Participante pode decidir os sites que estarão incluídos no seu certificado de Multi-site e pode possuir mais de um certificado de Cadeia de Custódia (p.ex. possuir uma combinação de certificados Individual e de Multi-site). É possível incrementar um certificado de Multi-site em até um 25% do total atual de sites incluídos no escopo do certificado, sem a necessidade de uma nova auditoria externa, em caso dos novos sites terem sido internamente inspecionados com antecipação, e que cumpram com a Norma e Política de Cadeia de Custódia. O certificado outorgado incluirá os nomes e a localização de todos os sites incluídos no certificado do Operador Participante com Multi-site. Durante a auditoria presencial, o Organismo de Certificação visita uma amostra do número total de sites (o qual é determinado usando a raiz quadrada do número total de sites, p.ex. para 16 sites, se visitarão 4 sites). O auditor escolherá os sites de tal forma que estatisticamente representem a lista completa de todos os sites, processos e produtos participantes. Página 6

7 16. Somos uma operação que processa produtos Rainforest Alliance Certified e já temos a Cadeia de Custódia aprovada pela RAS. Como nos afeta esta nova certificação? A partir de 1º de maio de 2012 até 1º de setembro de 2012, seu Organismo de Certificação permitirá à você decidir se quer ser auditado de acordo com a nova norma ou de acordo aos requerimentos de 2008 para aprovação de Cadeia de Custódia. A partir de 1º de setembro 2012 em diante, já não será possível utilizar os requerimentos de Se você precisa obter a certificação de Cadeia de Custódia, então será feito de acordo com a nova Norma e Política (versão de maio de 2012). Ver também pergunta Somos uma fazenda certificada (ou grupo de fazendas) e processamos produtos que não estão certificados que provém de outras fazendas. O que acontece agora? As fazendas certificadas ou administradores de grupo que processam produtos de fazendas que não estão certificadas serão auditados de acordo com a nova Norma e Política de Cadeia de Custódia, assim como de acordo com as normas definidas nas políticas de certificação da RAS. A avaliação da fazenda com o critério crítico 1.10 sobre rastreabilidade da Norma de Agricultura Sustentável será substituída pelos critérios da Norma de Cadeia de Custódia. A avaliação do administrador de grupo, de acordo com o critério crítico 2.3 sobre rastreabilidade da Norma de Certificação de Grupo será substituída pelos critérios da Norma de Cadeia de Custódia. A auditoria de Cadeia de Custódia poderá ser realizada simultaneamente à auditoria da fazenda ou grupo. A partir de 1º de maio de 2012 até 1º de setembro de 2012, seu Organismo de Certificação lhe permitirá decidir se deseja ser auditado de acordo com a nova norma ou de acordo aos requerimentos 2008 para a aprovação de Cadeia de Custódia, em caso de você ter obtido a aprovação anteriormente. A partir de 1º de setembro de 2012 em diante, se você precisa obter a certificação de Cadeia de Custódia, então já se aplica a nova versão da Norma e Política (versão Maio 2012). 18. Onde se pode verificar quem obteve a Certificação de Cadeia de Custódia? É possível consultar na página eletrônica da RAS ( a lista completa de fazendas certificadas, grupos e operadores de Cadeia de Custódia. 19. Qual são os documentos oficiais que formam parte do programa de certificação de Cadeia de Custódia? Página 7

8 RAS/RA Política de Cadeia de Custódia, Maio de RAS/RA Norma de Cadeia de Custódia, Maio de RAS/RA Lista de Produtos Permitidos em Balanço de Massa, Maio de Diretrizes para Uso do Selo Rainforest Alliance Certified para Agricultura Sustentável. Encontre estes documentos em e Alguns exemplos de quem precisa a certificação de Cadeia de Custódia e quem não: Exemplo 1 Um produtor de café é proprietário de três fazendas de pequeno a médio porte. A fazenda principal é certificada pela RAS, compartilha suas infraestruturas e equipamentos do sistema produtivo com as outras duas fazendas e é gerenciada sob um sistema de gestão único. As fazendas não certificadas remetem o café produzido à fazenda certificada para que este seja beneficiado antes de ser comercializado. 1. A fazenda certificada precisa possuir um certificado adicional de Cadeia de Custódia? Resposta: sim. Exemplo 2 Uma empresa exportadora de café, com sede em Santos, atua em duas regiões produtoras no Brasil adquirindo café de fazendas certificadas e criando blends específicos 100% RAC. A empresa possui armazéns de rebenefício em uma das regiões e na outra contrata serviço de terceiros (dois armazéns) para o rebenefício e blendagem de café. Os armazéns subcontratados operam produtos RAC de modos distintos. O armazém I manipula somente café certificado da exportadora, sem tomar posse legal do produto, realizando trabalho com produto certificado exclusivamente para a exportadora. O armazém II também não toma posse legal do produto RAC, no entanto, recebe produto certificado de fazendas certificadas pela RAS e outras empresas, realizando trabalho com produto certificado para mais de um operador participante. 1. Qual seria o tipo de operador participante mais indicado para a empresa exportadora? Resposta: Operador Participante Multi-site. 2. O armazém II pode ser parte do escopo de certificação da empresa exportadora? Em quais condições? Resposta: Sim. Para receber produto certificado de fazendas certificadas pela RAS ou outros operadores participantes o armazém II deverá ser parte do escopo de certificação de todos os operadores. Entretanto, há a opção do armazém ser um operador certificado individual. Exemplo 3 Uma empresa torrefadora compra café de fazendas certificadas pela RAS. A empresa torra o café, prepara blends 100% RAC e empacota o produto em três formas que são comercializados no atacado e no varejo (restaurantes, padarias, Página 8

9 supermercados e cafeterias). O café é vendido torrado em grãos, torrado e moído, e em saches. Para a obtenção dos saches a empresa terceiriza o serviço enviando o café torrado e moído a uma empresa especializada. 1. A empresa que processará o sache deverá obter a certificação de cadeia de Custódia? Por quê? Resposta: Não. Por que a empresa terceirizada não toma posse legal do produto certificado em seu processamento. A responsabilidade pela garantia da rastreabilidade e cumprimento com os requisitos da certificação de Cadeia de Custódia fica a cargo do Operador Participante certificado. 2. As empresas varejistas precisam obter a certificação da RAS para utilizar o selo RAC? Por quê? Resposta: Não. Por se tratarem de empresas que comercializam o produto certificado empacotado ao cliente final. A aprovação do Uso do Selo RAC poderá ser obtida diretamente no sistema Marketplace. INFORMAÇÃO ADICIONAL Por favor, contate a Rede de Agricultura Sustentável / Rainforest Alliance através do para mais informações sobre os requerimentos de Cadeia de Custódia ou visite para encontrar o órgão certificador mais próximo que possa fornecer-lhe mais informações ou para programar uma auditoria. Página 9

POLÍTICA DE CADEIA DE CUSTÓDIA

POLÍTICA DE CADEIA DE CUSTÓDIA POLÍTICA DE CADEIA DE CUSTÓDIA Maio 2012 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance Rede de Agricultura Sustentável (RAS): Conservación y Desarrollo, Equador Fundación Interamericana de Investigación

Leia mais

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES Março de 2014 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance, 2012-2014. Este documento está disponível nos seguintes sites: www.sanstandards.org

Leia mais

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO Versão 5 Outubro de 2015 INDICE 1 Introdução 2 Utilização das Marcas de Conformidade no Produto 3 Utilização das

Leia mais

Guia passo a passo. Como se tornar um pequeno produtor certificado FSC

Guia passo a passo. Como se tornar um pequeno produtor certificado FSC Guia passo a passo Como se tornar um pequeno produtor certificado FSC INTRODUÇÃO AO FSC O que é o FSC? O FSC é uma organização independente, não governamental e sem fins lucrativos criada para promover

Leia mais

PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.Todos os direitos reservados. É permitida

Leia mais

2. AMPLITUDE 2.1. Todas as atividades que fazem parte do escopo do SGI desenvolvidas na ABCZ.

2. AMPLITUDE 2.1. Todas as atividades que fazem parte do escopo do SGI desenvolvidas na ABCZ. 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece as diretrizes para a realização de auditorias internas no SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO DA ABCZ (SGI) tendo por base todos os requisitos previstos no MANUAL DO SGI

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA)

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) ANEXO I Solicitação de Autorização de Funcionamento de Empresas Distribuidoras de Produtos Farmacêuticos (HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) A empresa interessada em desenvolver

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO ABRACO 00 de 0 OBJETIVO Esta norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Corrosão ABRACO para o funcionamento do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação em Corrosão e Proteção.

Leia mais

Gestão da Qualidade Prof. Dr. Fabiano Drozda

Gestão da Qualidade Prof. Dr. Fabiano Drozda Gestão da Qualidade Prof. Dr. Fabiano Drozda Sumário O que significa ISO?; Como surgiu?; Qual o seu propósito?; Quem é o representante da ISO no Brasil?; O que é a ISO 9001 e sobre o que trata?; Qual a

Leia mais

Política de Privacidade do Serviço OurSound para Estabelecimentos

Política de Privacidade do Serviço OurSound para Estabelecimentos Política de Privacidade do Serviço OurSound para Estabelecimentos Esta Política de privacidade explica a política do OurSound no que tange a coleta, utilização, divulgação e transferência de informações,

Leia mais

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº NIE-CGCRE-017 APROVADA EM JUN/2011 REV Nº 01/10

Leia mais

Regulamento para a Certificação de Sistemas de Gestão Da Qualidade

Regulamento para a Certificação de Sistemas de Gestão Da Qualidade Regulamento para a Certificação de Sistemas de Gestão Da Qualidade Em vigor a partir de 19/11/2015 RINA Via Corsica, 12 16128 Genova - Itália Tel.: +39 01053851 Fax: +39 0105351000 Website: www.rina.org

Leia mais

Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação )

Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação ) Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação ) Versão: 1.0, 08/03/2013 Fatos Relevantes v 1.docx 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2. PESSOAS SUJEITAS

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS. 1.1. Cliente : pessoa física ou jurídica que contrata ou utiliza os serviços da BORA DECORA.

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS. 1.1. Cliente : pessoa física ou jurídica que contrata ou utiliza os serviços da BORA DECORA. TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS 1. Definições 1.1. Cliente : pessoa física ou jurídica que contrata ou utiliza os serviços da BORA DECORA. 1.2. BORA DECORA : Marca fantasia da A+D

Leia mais

Regimento Interno do Sistema

Regimento Interno do Sistema Identificação: R.01 Revisão: 05 Folha: 1 / 14 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma planta de produção com o SELO

Leia mais

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* (*organismos geneticamente modificados) 2ª Edição - Maio 2015 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DEFINIÇÃO DO ESCOPO...

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

BICICLETAS DE USO INFANTIL

BICICLETAS DE USO INFANTIL Página: 1/12 Elaborado por: Maria Lucia Hayashi Verificado por: João Gustavo L. Junqueira Aprovado por: Regina Toscano Data Aprovação: 10/12/2013 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares

Leia mais

Protoc0lo de Certificação versão 4.0 - Julho de 2015 Documento de alterações

Protoc0lo de Certificação versão 4.0 - Julho de 2015 Documento de alterações A versão 4.0 do Protocolo de Certificação foi lançada em julho de 2015, sucedendo a versão 3.0, de setembro de 2012. Este documento proporciona uma visão geral das principais alterações que a nova versão

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras

Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Documentos Complementares 3 Siglas e Definições 4 Condições Gerais 5 Mecanismo de Avaliação da Conformidade 6 Alterações

Leia mais

Escopo do Copilot Optimize - Elaboração de Relatórios

Escopo do Copilot Optimize - Elaboração de Relatórios Descrição do serviço Copilot Optimize - Elaboração de Relatórios CAA-1013 Visão geral do serviço Esta Descrição do serviço ( Descrição do serviço ) é firmada por você, o cliente, ( você ou Cliente ) e

Leia mais

Instruções para Candidatos a Bolsa de Mestrado Sanduíche vinculados a Projetos Conjuntos da Coordenação-Geral de Cooperação Internacional

Instruções para Candidatos a Bolsa de Mestrado Sanduíche vinculados a Projetos Conjuntos da Coordenação-Geral de Cooperação Internacional Instruções para Candidatos a Bolsa de Mestrado Sanduíche vinculados a Projetos Conjuntos da Coordenação-Geral de Cooperação Internacional 1. APRESENTAÇÃO Este documento orienta a apresentação de candidaturas

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. * Revisão geral para atendimento à NBR ISO/IEC 17021-1:2015. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação 1 - Objetivo

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO RESTAURANTE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO RESTAURANTE 28/08/203. INTRODUÇÃO O Procedimento Restaurante tem por objetivo organizar o atendimento e controle dos gastos com alimentação. 2. ESCOPO Utilização do restaurante das unidades de Caieiras, Mogi das Cruzes

Leia mais

Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços.

Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços. Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços. Nesse tópico, você aprenderá a administrar listas de preços no SAP Business One. Sua empresa atualiza múltiplas listas de preços para fornecer

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015. (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08.

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015. (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08. RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08.2015) Define os requisitos do cadastro de produtos médicos. A

Leia mais

PROTOCOLO DE CERTIFICAÇÃO. Versão 4.1 Janeiro de 2016

PROTOCOLO DE CERTIFICAÇÃO. Versão 4.1 Janeiro de 2016 PROTOCOLO DE CERTIFICAÇÃO Versão 4.1 Janeiro de 2016 Cópias e traduções deste documento estão disponíveis em formato eletrônico no site da UTZ: www.utz.org Este documento foi traduzido do Inglês. Se houver

Leia mais

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 1 Visão geral O CPC 01 é a norma que trata do impairment de ativos ou, em outras palavras, da redução ao valor recuperável de ativos. Impairment ocorre quando

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Regulamento PAPSummer 2016

Regulamento PAPSummer 2016 Regulamento PAPSummer 2016 Artigo 1º Objetivos do programa, montante e designação das bolsas 1. O programa PAPSummer pretende dar a oportunidade a estudantes portugueses ( Estudante ) de desenvolver um

Leia mais

ACT DEVELOPMENT. Ficha de Inscrição para Participante ou Observador

ACT DEVELOPMENT. Ficha de Inscrição para Participante ou Observador ACT DEVELOPMENT Ficha de Inscrição para Participante ou Observador Introdução a ACT Development ACT Development é uma aliança global de igrejas que são membros do Conselho Mundial de Igrejas e as organizações

Leia mais

NORMA INTERNACIONAL FSC

NORMA INTERNACIONAL FSC Forest Stewardship Council NORMA INTERNACIONAL FSC Todos os direitos reservados Todos os direitos reservados FSC Internacional (FSC F000100) CADEIA DE CUSTÓDIA Título: Código de Referência do Documento:

Leia mais

Controle de Documentos e Registros

Controle de Documentos e Registros 1 Objetivo Estabelecer diretrizes para a elaboração e controle dos documentos e registros utilizados pelo Sistema de Gestão Integrada de Meio Ambiente, Saúde e Segurança do Trabalho Ambiental do Porto

Leia mais

REGULAMENTO DO RANKING PARAIBANO 2015

REGULAMENTO DO RANKING PARAIBANO 2015 REGULAMENTO DO RANKING PARAIBANO 2015 DO RANKING, DOS OBJETIVOS E DENOMINAÇÕES Artigo 01. O Ranking Paraibano de Tênis será realizado pelo sistema portal do tênis paraibano, localizado no endereço eletrônico

Leia mais

Orientação Técnica n.º 1/2016 PPEC 2017-2018 Procedimentos a observar na implementação das medidas

Orientação Técnica n.º 1/2016 PPEC 2017-2018 Procedimentos a observar na implementação das medidas Orientação Técnica n.º 1/2016 PPEC 2017-2018 Procedimentos a observar na implementação das medidas A revisão das Regras do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de energia elétrica (PPEC), aprovada

Leia mais

Regulamento para a Certificação dos Sistemas de Gestão da Responsabilidade Social

Regulamento para a Certificação dos Sistemas de Gestão da Responsabilidade Social Regulamento para a Certificação dos Sistemas de Gestão da Em vigor a partir de 01 de abril de 2016 RINA Via Corsica 12 16128 GÊNOVA, Itália tel +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org

Leia mais

PLANO DE SAÚDE REAL GRANDEZA - ELETRONUCLEAR PERGUNTAS & RESPOSTAS

PLANO DE SAÚDE REAL GRANDEZA - ELETRONUCLEAR PERGUNTAS & RESPOSTAS PLANO DE SAÚDE REAL GRANDEZA - ELETRONUCLEAR PERGUNTAS & RESPOSTAS CARTÃO SAÚDE Tendo em vista a disponibilização da carteira do Plano Médico, como será realizada a comprovação para filhos universitários

Leia mais

ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1

ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1 ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1 É na Operação de Serviço que se coordena e realiza as atividades e processos necessários para fornecer e gerenciar serviços em níveis acordados com o usuário e clientes

Leia mais

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção O QUE ESPERAR DO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 1 Maio de 2011 Introdução Este documento destina-se a voluntários e promotores envolvidos no SVE. Fornece informações claras a voluntários

Leia mais

NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA

NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA Março de 2014 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance, 2012-2014. www.san.ag Este documento está disponível nos seguintes sites: www.san.ag www.rainforest-alliance.org

Leia mais

Termos e Condições Gerais de Vendas

Termos e Condições Gerais de Vendas Termos e Condições Gerais de Vendas 1º Escopo da aplicação (1) As condições a seguir são aplicáveis a todos os fornecimentos e serviços (por exemplo, instalações, projetos) da BrasALPLA. Estas condições

Leia mais

Conflito de Interesses e Imparcialidade dos Auditores dos Organismos Certificadores

Conflito de Interesses e Imparcialidade dos Auditores dos Organismos Certificadores QSP Informe Reservado Nº 58 Maio/2006 Conflito de Interesses e Imparcialidade dos Auditores dos Organismos Certificadores Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QSP. Este

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares Hospital Universitário de Santa Maria

Universidade Federal de Santa Maria Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares Hospital Universitário de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares Hospital Universitário de Santa Maria Relatório de Atividades UNIDADE DE PATRIMÔNIO 2015 1 COLEGIADO EXECUTIVO EBSERH/HUSM

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 Dispõe sobre trabalho de compilação de informações contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1 / 8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:102558-2016:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Serviços de subscrição de periódicos, publicações informativas, bases de

Leia mais

Política de Divulgação de Informações Relevantes e Preservação de Sigilo

Política de Divulgação de Informações Relevantes e Preservação de Sigilo Índice 1. Definições... 2 2. Objetivos e Princípios... 3 3. Definição de Ato ou Fato Relevante... 4 4. Deveres e Responsabilidade... 5 5. Exceção à Imediata Divulgação... 7 6. Dever de Guardar Sigilo...

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 13, DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Dispõe sobre a documentação para regularização de equipamentos médicos das Classes de Risco I e II. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook

Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook Maio de 2012 Conteúdo Capítulo 1: Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook... 5 Introdução ao Conference Manager do Microsoft Outlook... 5 Instalando

Leia mais

Encontrar a oportunidade de franquia perfeita para você! Esse é o nosso negócio!

Encontrar a oportunidade de franquia perfeita para você! Esse é o nosso negócio! Encontrar a oportunidade de franquia perfeita para você! Esse é o nosso negócio! Escolher a franquia ideal pode ser uma das decisões mais difíceis que você já fez......deixe-nos torná-la mais fácil. Quem

Leia mais

CAPÍTULO XI FINANÇAS

CAPÍTULO XI FINANÇAS CAPÍTULO XI FINANÇAS A. INVESTIMENTO DOS FUNDOS DA ASSOCIAÇÃO As decisões referentes aos investimentos da associação deverão tomar como base as declarações sobre normas de investimentos para o Fundo Geral

Leia mais

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP Página 1 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o Programa de Reconhecimento da Conformidade de Cabos Profibus PA e Profibus DP, atendendo aos requisitos técnicos, visando garantir a segurança na utilização

Leia mais

Módulo 6. Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 7.4, 7.5 e 7.6

Módulo 6. Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 7.4, 7.5 e 7.6 Módulo 6 Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 7.4, 7.5 e 7.6 7.4 - Aquisição 7.4.1 - Processo de aquisição A organização deve garantir que o produto

Leia mais

5 Instrução e integração

5 Instrução e integração SEÇÃO 5 Instrução e integração no meio de trabalho Quando um novo funcionário entra para uma organização, é importante que ele receba um bom apoio para entender sua função e a organização. Instrução é

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 075, de 15 de maio de 2003. O PRESIDENTE DO

Leia mais

PCP 001 Tanques de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis.

PCP 001 Tanques de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis. rev 06 06/01/2016 Aprovado por PAG 1 / 10 1 OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo estabelecer as condições para a avaliação da conformidade do produto tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis,

Leia mais

O que significa a ABNT NBR ISO 9001 para quem compra?

O que significa a ABNT NBR ISO 9001 para quem compra? 1 O que significa a ABNT NBR ISO 9001 para quem compra? (ADAPTAÇÃO REALIZADA PELO ABNT/CB-25 AO DOCUMENTO ISO, CONSOLIDANDO COMENTÁRIOS DO INMETRO E DO GRUPO DE APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO)

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre o recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada

Leia mais

terceiros ou usar um aplicativo desenvolvido por terceiros, um cookie poderá ser colocado por essa página ou aplicativo).

terceiros ou usar um aplicativo desenvolvido por terceiros, um cookie poderá ser colocado por essa página ou aplicativo). Políticas de Privacidade Esta política descreve as formas como coletamos, armazenamos, usamos e protegemos suas informações pessoais. Você aceita essa política e concorda com tal coleta, armazenamento

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

ABNT NBR ISO. Introdução à ABNT NBR ISO 14001:2015

ABNT NBR ISO. Introdução à ABNT NBR ISO 14001:2015 ABNT NBR ISO 14001 Introdução à ABNT NBR ISO 14001:2015 A ABNT NBR ISO 14001 é uma norma aceita internacionalmente que define os requisitos para colocar um sistema da gestão ambiental em vigor. Ela ajuda

Leia mais

RESOLUÇÃO SESQV Nº 02 DE 30 DE ABRIL DE 2013.

RESOLUÇÃO SESQV Nº 02 DE 30 DE ABRIL DE 2013. RESOLUÇÃO SESQV Nº 0 DE 30 DE ABRIL DE 013. Estabelece as metas e indicadores de desempenho e fixa critério de distribuição da gratificação variável da Secretaria Especial de Envelhecimento Saudável e

Leia mais

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS.

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. As novas versões das normas ABNT NBR ISO 9001 e ABNT NBR ISO 14001 foram

Leia mais

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados. Resumo de Alterações da Versão 2.0 para a 3.0 do PCI-DSS

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados. Resumo de Alterações da Versão 2.0 para a 3.0 do PCI-DSS Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Resumo de Alterações da Versão 2.0 para a 3.0 do PCI-DSS Novembro de 2013 Introdução Este documento fornece um resumo de alterações

Leia mais

ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN

ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN Trata-se de uma adenda à primeira edição do Manual sobre a aplicação prática do Regulamento (CE) n.º 1005/2008 do Conselho, de 29 de Setembro

Leia mais

Termo de Aceitação do Site Unimed Fortaleza Aplicação da Política de Privacidade Informação Pessoal

Termo de Aceitação do Site Unimed Fortaleza Aplicação da Política de Privacidade Informação Pessoal Termo de Aceitação do Site Unimed Fortaleza Esta Política de Privacidade está destinada a informar-lhe, enquanto visitante e/ou usuário de nosso site, sobre a maneira como tratamos sua informação pessoal

Leia mais

Procuramos empreendedores com as seguintes características:

Procuramos empreendedores com as seguintes características: SOBRE A ALPARGATAS Quem nunca usou um Bamba? Ou uma calça US Top, um tênis Rainha, uma sandália Havaianas, ou jogou com uma bola Topper? A Alpargatas e suas marcas estiveram e estarão sempre presentes

Leia mais

Realização. Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil. www.fsc.org.br

Realização. Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil. www.fsc.org.br C e rtificação gr u p o em Realização Apoio Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil www.fsc.org.br 28 01 C er t ifi ca çã o emgrupo em Realização Apoio Conselho Brasileiro de Manejo Florestal

Leia mais

DEVOXX4KIDS SÃO PAULO - BRASIL. Termos e Condições de Venda

DEVOXX4KIDS SÃO PAULO - BRASIL. Termos e Condições de Venda DEVOXX4KIDS SÃO PAULO - BRASIL Termos e Condições de Venda A Globalcode Treinamentos, organizadora do Devoxx4Kids São Paulo Brasil, regula a realização de inscrição e pagamento online, para as edições

Leia mais

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia OBS: Apresentação obrigatória na primeira página do case Informações cadastrais a) Identificação: empresa b) Nome: Wal-Mart Brasil Informações sobre

Leia mais

RESOLUÇÃO SESQV Nº 006 DE 15 DE SETEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO SESQV Nº 006 DE 15 DE SETEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO SESQV Nº 00 DE 15 DE SETEMBRO DE 011. Estabelece as metas e indicadores de desempenho e fixa critério de distribuição da gratificação variável da Secretaria Especial de Envelhecimento Saudável

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO POR MEIO DA WEB

ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO POR MEIO DA WEB ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO POR MEIO DA WEB 1 Com finalidade de auxiliar nas respostas às perguntas formuladas ou de esclarecer alguma dúvida sobre questões que não foram expressas

Leia mais

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia,Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Portaria n.º 158, de 29 de agosto de 2005. O PRESIDENTE

Leia mais

Termos e Política de Privacidade

Termos e Política de Privacidade Termos e Política de Privacidade Sua privacidade é fundamental para nós. Por isso, queremos explicar-lhe os detalhes de política e práticas adotadas para proteger sua privacidade para que se sinta confortável

Leia mais

MANUAL DO ALUNO PEDAGOGIA Salvador - Bahia

MANUAL DO ALUNO PEDAGOGIA Salvador - Bahia MANUAL DO ALUNO PEDAGOGIA Salvador - Bahia Caro(a) Estudante(a) Baseado no Regulamento do Curso, o Manual do Estudante da Graduação de Pedagogia do Instituto Superior de Educação Ocidemnte ISEO resumido

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-2 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais