O Imaginário Infantil em Georges Méliès Uma experiência pedagógica para desenvolver a criatividade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Imaginário Infantil em Georges Méliès Uma experiência pedagógica para desenvolver a criatividade"

Transcrição

1 O Imaginário Infantil em Georges Méliès Uma experiência pedagógica para desenvolver a criatividade O Cinema e a Literatura como base de um Projecto Educativo André Mantas

2 Educação pelos Media A Educação pelos Média, visando desenvolver uma verdadeira literacia mediática, afigura-se actualmente como um objectivo prioritário na formação de cidadãos na Comunidade Europeia. Ela deve fazer parte das políticas educativas e currículos programáticos, oferecendo aos alunos competências essencial na sua formação pessoal e social.

3 "(...) uma tarefa urgente da educação visual é ajudar os jovens a adquirir critérios que lhes permitam decidir se devem ou não confiar numa dada imagem. Ensiná-los a serem críticos e não a consumi-las" Martin Kemp

4 Tecnologias de Informação e Comunicação Metas de Aprendizagem do 2º Ciclo O desenvolvimento das metas na área das TIC foi equacionado numa perspectiva transversal e em estreita articulação com as restantes áreas científicas ( ) Produção O aluno concebe e desenvolve, com orientação e apoio do professor, trabalhos escolares, recorrendo a diferentes ferramentas digitais, para exprimir e representar conhecimentos, ideias e sentimentos. O aluno cria documentos digitais originais, ( ) para exprimir conhecimentos, ideias, emoções e sentimentos, utilizando ferramentas que permitam a edição de texto, imagem, som e vídeo.

5 Cinema Assumindo o seu papel de integrador de várias artes, o Cinema torna-se fundamental no cruzamento entre a literacia mediática com a educação artística. O Cinema pode ser um objecto privilegiado no desenvolvimento da literacia mediática e artística.

6 A Magia de Georges Méliès A fantasia chegou ao cinema através de Georges Méliès. As suas influências e as histórias de fantasia que recria aproximam-se do imaginário infantil.

7 A Fantasia segundo Bruno Munari MUNARI, Bruno, Fantasia, Lisboa, Edições 70, Inversão de uma situação através do uso dos contrários e dos opostos -Multiplicação das partes de um conjunto -Relações por afinidades visuais -Mudanças de cor, matéria, lugar, função, movimento, dimensão ou peso. -Seres antropomórficos As crianças, espontaneamente, manifestam estas características através dos desenhos infantis e do seu pensamento, reagindo positivamente quando as vêm representadas numa imagem plástica, visual, ou numa história que lhes é contada.

8 Características da fantasia e linguagem plástica infantil em Méliès A Humanização de animais, astros ou objectos é frequente no desenho infantil.

9 A Mudança de Lugar ou de Função é também comum nas manifestações gráficas e plásticas infantis.

10 Em muitos filmes de Méliès, os meios de transporte mudam as suas rotas habituais. As carroças e os comboios passam a movimentar-se no ar

11 A Mudança de Dimensão surge na linguagem gráfico-plástica infantil associada à perspectiva afectiva.

12 A Multiplicação de Formas ou das partes de um conjunto surge muitas vezes representada nos desenhos infantis.

13 Os Seres Antropomórficos e as criaturas de encantar fazem parte da fantasia e do imaginário infantil. São comuns nos filmes de Méliès.

14 A Cor Simbólica é comum nos desenhos infantis. Algumas películas de Méliès foram coloridas manualmente, sendo a cor utilizada com o mesmo fim.

15 O Universo Infantil explicitamente representado num filme de Méliès. Neste filme os brinquedos que ganham vida ou alteram a sua dimensão.

16 As Influências na Obra - Espectáculos populares entre as camadas mais baixas: o circo, a magia e ilusionismo, a pantomina, vaudeville - Lendas e Contos do património oral popular e mitologia - Imaginário da ficção científica nas histórias de Cyrano de Bergerac ou H. George Wells - Histórias da literatura infanto-juvenil

17 Gravuras de Gustave Doré a partir da obra de La Fontaine Cinderela

18 Barba-Azul

19 Barba-Azul

20 A Bela Adormecida

21 A Bela Adormecida

22 Desenvolvimento das Unidades de Trabalho Valorização do papel da arte, e da educação artística e fílmica. Introdução à obra de Méliès através de um conhecimento abrangente da sua obra. Exploração nos domínios plástico e audiovisual.

23 Uma (Nova) viagem à Lua Trabalho produzido por um grupo de alunos, misturando imagens captadas pelos próprios e fotogramas de Méliès.

24 Experiências em edição de imagem Experiência 1 Experiência 2 (Realizada na aula) (Realizada em casa, autonomamente) André Brito / Sara Costa Filipe Pereira

25 A Aula Diabólica Trailer de A Aula Diabólica Homenagem a Georges Méliès

26 Algumas considerações Papel activo dos alunos em todo o processo criativo. Incorporação da linguagem visual de Méliès na concepção das peças audiovisuais. Transversalidade das áreas de conhecimento. Os conhecimentos sobre Cinema que os alunos cedo demonstraram foi essencial no desenvolvimento e nos resultados do projecto.

27 As Influências Literárias

28 Cendrillon (1899) Cendrillon (1899)

29 O Tempo, causa do desmoronar do sonho de Cinderela, aparece várias vezes materializado em relógios que ganham vida

30

31 Barbe-Blue (1901)

32 Os elementos mágicos e o sonho introduzidos por Méliès A figura de um Ser Diabólico surge das páginas da Bíblia, influenciando a consciência da esposa do Barba-Azul

33 Após a descoberta macabra, uma Fada confirma à mulher do Barba-Azul que é impossível limpar o sangue da chave.

34 O Sonho

35 Le Voyage de Gulliver à Lilliput et chez les Gèants (1902)

36

37 Planos aproximados, invulgares na obra de Méliès

38 La Voyage dans la Lune (1902) Méliès materializa através do cinema uma fantasia que habita no Homem desde sempre: uma viagem à Lua. Já anteriormente muitos escritores haviam descrito estas imagens, como Cyrano de Bérgerac ou H. George Wells.

39 A obra de H. George Wells reflectia os avanços tecnológicos de um novo mundo civilizado. Méliès explora este novo mundo em muitos dos seus filmes.

40 André Mantas

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DO ESTORIL Departamento 1º Ciclo

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DO ESTORIL Departamento 1º Ciclo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DO ESTORIL Departamento 1º Ciclo ELEMENTOS DE AVALIAÇÃO Serão tidos em consideração os elementos de avaliação a seguir enumerados, essenciais para o desenvolvimento do

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo. Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo. Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa mluz.antunes@estesl.ipl.pt Missão da Biblioteca Escolar A biblioteca escolar oferece um serviço

Leia mais

Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) MATRIZ CURRICULAR. Móduloe 1 Carga horária total: 400h

Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) MATRIZ CURRICULAR. Móduloe 1 Carga horária total: 400h Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Móduloe 1 Carga horária total: 400h Projeto Integrador I 40 Não tem Aprendizagem Infantil

Leia mais

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Iª JORNADAS IGOT DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Maria Helena Esteves 7 de Setembro de 2013 Apresentação O que é a Educação para a Cidadania Educação

Leia mais

Educação Pré-Escolar

Educação Pré-Escolar Educação Pré-Escolar Sendo a primeira etapa na educação básica, as competências gerais para a Educação Pré Escolar constituem um conjunto de princípios para apoiar o Educador de Infância na sua prática,

Leia mais

Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017

Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Perfil de aprendizagens específicas do aluno à saída 1.º Ciclo do Ensino Básico Tendo em atenção as características estruturais e humanas das Escolas

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo D. Manuel I de Beja

Escola Secundária com 3º Ciclo D. Manuel I de Beja Escola Secundária com 3º Ciclo D. Manuel I de Beja Psicologia B 12º ano Ano lectivo 2011/2012 Critérios de avaliação Competências: Equacionar a Psicologia no panorama geral das ciências; Capacidades de

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA IMAGEM Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA IMAGEM Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA IMAGEM Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4.

Leia mais

Desenho e cálculo do perímetro de polígonos utilizando o Scratch

Desenho e cálculo do perímetro de polígonos utilizando o Scratch Desenho e cálculo do perímetro de polígonos utilizando o Scratch 1.º ciclo /4.º ano Pedro Silva dezembro de 2011 Planificação das atividades Designação: Desenho e cálculo do perímetro de polígonos utilizando

Leia mais

A Educação para os Media em Portugal

A Educação para os Media em Portugal A Educação para os Media em Portugal Experiências, Actores e Contextos Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade Novembro de 2009 1. Enquadramento Teórico A Educação para os Media é hoje uma área-chave

Leia mais

OFICINA DAS CORES. Eduardo Dias Mattos. Artes Visuais. Professor. Escola Estadual Júlio Conceição Cubatão / SP. DER-Santos

OFICINA DAS CORES. Eduardo Dias Mattos. Artes Visuais. Professor. Escola Estadual Júlio Conceição Cubatão / SP. DER-Santos OFICINA DAS CORES Professor Eduardo Dias Mattos Escola Estadual Júlio Conceição Cubatão / SP DER-Santos 2016 Artes Visuais Introdução O Projeto foi criado em 2006 pelo Arte Educador, Professor Eduardo

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação Forma e Design (prática laboratorial) Área Científica: Design de Produto Ciclo de Estudos: Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 1º ECTS:

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

1.1. Creche Objectivos gerais

1.1. Creche Objectivos gerais 1.1. Creche 1.1.1. Objectivos gerais Os processos de ensino e aprendizagem deverão contribuir nesta primeira etapa da Educação para a Infância, para que as crianças alcancem os seguintes objectivos: -

Leia mais

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico 1º Ciclo Ao longo do 1º ciclo do Ensino Básico, todos os alunos devem desenvolver as competências gerais do Ensino Básico. Competências Gerais do Ensino Básico 1. Mobilizar saberes culturais, científicos

Leia mais

Currículo da Oferta de Escola Música

Currículo da Oferta de Escola Música Departamento de Expressões Currículo da Oferta de Escola Música Competências Específicas As competências específicas a desenvolver na disciplina de Música são aqui apresentadas em torno de quatro grandes

Leia mais

Que Serviços de Nova Geração para a Educação? Museu da Electricidade 8 de Julho de 2009

Que Serviços de Nova Geração para a Educação? Museu da Electricidade 8 de Julho de 2009 Que Serviços de Nova Geração para a Educação? Museu da Electricidade 8 de Julho de 2009 plano tecnológico da educação objectivo estratégico e metas objectivo estratégico colocar Portugal entre os cinco

Leia mais

Competências gerais. Princípios e valores orientadores do currículo. Competências gerais

Competências gerais. Princípios e valores orientadores do currículo. Competências gerais Currículo Nacional do Ensino Básico Competências Essenciais Competências gerais Princípios e valores orientadores do currículo A clarificação das competências a alcançar no final da educação básica toma

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DE UTILIZAÇÃO DO MATERIAL ESCOLAR 2017 Baby visto Márcia/CPS. Unidade de Aprendizagem

PLANO DE AÇÃO DE UTILIZAÇÃO DO MATERIAL ESCOLAR 2017 Baby visto Márcia/CPS. Unidade de Aprendizagem Material *itens da lista anexa Quantidade PLANO DE AÇÃO DE UTILIZAÇÃO DO MATERIAL ESCOLAR 2017 Baby visto Márcia/CPS Data de utilização Unidade de Aprendizagem Descrição da atividade didática Livros de

Leia mais

PREPARAÇÃO DE PROJETOS, FORMAS DE REGISTRO E AVALIAÇÃO

PREPARAÇÃO DE PROJETOS, FORMAS DE REGISTRO E AVALIAÇÃO PREPARAÇÃO DE PROJETOS, FORMAS DE REGISTRO E AVALIAÇÃO Profª. Ms. Fabiana Chinalia FACULDADES COC 11 e 12 de maio http://verainfedu.files.wordpress.com/2008/10/legal1.gif Vamos conversar um pouco sobre

Leia mais

MONOCICLO. MALABARISMO. MODELAGEM DE BALÕES. MAGIA. ACROBACIA. ANDAS. TEATRO. ESPECTÁCULOS. E OUTRAS ARTES

MONOCICLO. MALABARISMO. MODELAGEM DE BALÕES. MAGIA. ACROBACIA. ANDAS. TEATRO. ESPECTÁCULOS. E OUTRAS ARTES MONOCICLO. MALABARISMO. MODELAGEM DE BALÕES. MAGIA. ACROBACIA. ANDAS. TEATRO. ESPECTÁCULOS. E OUTRAS ARTES http://www.youtube.com/watch?v=7fwryv3doke http://www.youtube.com/watch?v=kqycmszui4i Em parceria

Leia mais

Uma história lida por uma história contada

Uma história lida por uma história contada Projeto Uma história lida por uma história contada O projeto Uma história lida por uma história contada surgiu de uma atividade desenvolvida pelo Clube de Leitura dinamizado pela Biblioteca Escolar e foi

Leia mais

arte bruta nas belas-artes

arte bruta nas belas-artes arte bruta nas belas-artes a arte com a doença e a deficiência mental Jean Dubuffet, em 1945, caracterizou o conceito de Art Brut numa perspetiva espontânea e livre de qualquer influência, como resultado

Leia mais

Oficina de Teatro Ação de formação acreditada ( modalidade Curso) Conselho Científico da Formação Contínua/Acc /14

Oficina de Teatro Ação de formação acreditada ( modalidade Curso) Conselho Científico da Formação Contínua/Acc /14 Oficina de Teatro Ação de formação acreditada ( modalidade Curso) Conselho Científico da Formação Contínua/Acc- 76517/14 Duração: 25 horas presenciais Número de Créditos: 1 Destinatários: Educadores de

Leia mais

Ser capaz de planificar e desenvolver um projecto de Expressão Dramática.

Ser capaz de planificar e desenvolver um projecto de Expressão Dramática. Curso Animação Sociocultural Ano letivo 2015/2016 Unidade Curricular Ateliê de Expressão Dramática ECTS 6 Regime Obrigatório Ano 3.º Semestre 2.º semestre Horas de trabalho globais Docente (s) Marisa Filipa

Leia mais

O Referencial de Educação para os Media: currículo, contexto, capacitação. Manuel Pinto CECS Universidade do Minho

O Referencial de Educação para os Media: currículo, contexto, capacitação. Manuel Pinto CECS Universidade do Minho O Referencial de Educação para os Media: currículo, contexto, capacitação Manuel Pinto CECS Universidade do Minho Trajetórias 1982: Declaração de Grünwald, UNESCO 1988: CRSE - Proposta de Reforma Global

Leia mais

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ-UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DOS ANOS

Leia mais

01 - Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas do quotidiano;

01 - Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas do quotidiano; COLÉGIO TERESIANO DE BRAGA PLANIFICAÇÃO ANUAL - EDUCAÇÃO VISUAL E TECNOLÓGICA COMPETÊNCIAS GERAIS 01 - Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar

Leia mais

PROGRAMA DE OFICINA de ARTES DISCIPLINA DE OFERTA DE ESCOLA

PROGRAMA DE OFICINA de ARTES DISCIPLINA DE OFERTA DE ESCOLA PROGRAMA DE OFICINA de ARTES DISCIPLINA DE OFERTA DE ESCOLA Oficina de Artes é uma disciplina cujo nome releva da noção de ofício, no sentido que lhe é conferido atualmente pelo operador plástico, enquanto

Leia mais

Ciências Naturais 5º ano

Ciências Naturais 5º ano Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Escola E.B.,3 Dr. António Chora Barroso Ciências Naturais 5º ano Planificação a Longo Prazo 013/014 Planificação, finalidades e avaliação Grupo Disciplinar

Leia mais

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA EB1/PE DE ÁGUA DE PENA 2010 2014 1.Introdução 2.Enquadramento legal 3.Diagnóstico avaliação do projecto anterior 4.Identificação de prioridades de intervenção 5.Disposições finais 6.Avaliação 1.Introdução

Leia mais

Ciências Naturais 6º ano

Ciências Naturais 6º ano Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Escola E.B. 2,3 Dr. António Chora Barroso Ciências Naturais 6º ano Planificação a Longo Prazo 2013/2014 Planificação, finalidades e avaliação Grupo Disciplinar

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Fernão de Magalhães Departamento Curricular do 1º Ciclo Ano Letivo 2015/2016 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Avaliação das Atitudes/Comportamentos

Leia mais

Guião de exploração pedagógica painel 8. Autoria: Maria José Marques

Guião de exploração pedagógica painel 8. Autoria: Maria José Marques Autoria: Maria José Marques A Exposição Itinerante Santillana é da autoria de Maria José Marques e foi exibida pela primeira vez na Universidade de Verão Santillana, nos dias 9, 10 e 11 de julho de 2012,

Leia mais

CONTAR UMA HISTÓRIA É DAR UM PRESENTE DE AMOR.

CONTAR UMA HISTÓRIA É DAR UM PRESENTE DE AMOR. CONTAR UMA HISTÓRIA É DAR UM PRESENTE DE AMOR. LEWIS CARROL Elaborado pelas assessoras Patrícia Ribeiro e Rosinara Nascimento, em 2011, nas oficinas pedagógicas para as educadoras, ocorridas nas Livrarias

Leia mais

HISTÓRIAS DA CLÉO. Proposta de projeto literário em dois atos

HISTÓRIAS DA CLÉO. Proposta de projeto literário em dois atos HISTÓRIAS DA CLÉO Proposta de projeto literário em dois atos 1. Intervenção artística literária Histórias da Cléo 2. Palestra Leitura literária, promoção e formação do mediador Aspectos Gerais 1 - Apresentação:

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OFICINA DE ILUMINAÇÃO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OFICINA DE ILUMINAÇÃO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular OFICINA DE ILUMINAÇÃO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OFICINA DE ILUMINAÇÃO Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OFICINA DE ILUMINAÇÃO Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular OFICINA DE ILUMINAÇÃO Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

projecto de arquitectura 1

projecto de arquitectura 1 Instituto superior técnico mestrado integrado em arquitectura ano lectivo 2011.12 projecto de arquitectura 1 docentes: Teresa Heitor (resp) Alexandra Alegre Vitor C. Araújo Pedro Snow articulação com plano

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO A Serigrafia como Técnica de Impressão Aplicada ao Contexto de Ensino - Aprendizagem Acção 04 / 2009

DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO A Serigrafia como Técnica de Impressão Aplicada ao Contexto de Ensino - Aprendizagem Acção 04 / 2009 1 DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO A Serigrafia como Técnica de Impressão Aplicada ao Contexto de Ensino - Aprendizagem Acção 04 / 2009 N.º Acreditação: CCPFC/ACC- 56951/09 Modalidade: Oficina de Formação

Leia mais

Monteiro Lobato e Sítio do Picapau Amarelo nas práticas pedagógicas de alfabetização.

Monteiro Lobato e Sítio do Picapau Amarelo nas práticas pedagógicas de alfabetização. Monteiro Lobato e Sítio do Picapau Amarelo nas práticas pedagógicas de alfabetização. A Literatura Infantil corresponde a um importante instrumento de construção de aprendizagem, tanto no que se refere

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS E.M. Cléia Carmelo da Silva

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS E.M. Cléia Carmelo da Silva A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS E.M. Cléia Carmelo da Silva Professor(es) Apresentador(es): Sandra Mara De Jesus Miquelini Fernandes Realização: Foco do Projeto Utilização dos contos de fada e de brincadeiras

Leia mais

Fundamentos Pedagógicos e Estrutura Geral da BNCC. BNCC: Versão 3 Brasília, 26/01/2017

Fundamentos Pedagógicos e Estrutura Geral da BNCC. BNCC: Versão 3 Brasília, 26/01/2017 Fundamentos Pedagógicos e Estrutura Geral da BNCC BNCC: Versão 3 Brasília, 26/01/2017 1 INTRODUÇÃO 1.3. Os fundamentos pedagógicos da BNCC Compromisso com a formação e o desenvolvimento humano global (dimensões

Leia mais

Módulo 1 Gestão e Implementação de Projectos 30 horas 40 tempos 5 semanas lectivas (contacto directo)

Módulo 1 Gestão e Implementação de Projectos 30 horas 40 tempos 5 semanas lectivas (contacto directo) Docente: Susana Contino Proposta de: PLANIFICAÇÃO DE PROJECTO E PRODUÇÃO MULTIMÉDIA 3º Ano do Curso Profissional de Multimédia Escola Secundária Cidadela - Ano lectivo 2010-2011 Módulo 1 Gestão e Implementação

Leia mais

Plano Nacional de Leitura

Plano Nacional de Leitura 2012-2014 Plano Nacional de Leitura 1 I. O que motivou o projeto? Centralidade da leitura Leitura como ponto de partida para: - Aprender (competência transversal ao currículo) - Colaborar - Interagir /

Leia mais

1 CASA DO CORETO pág.3 Breve apresentação / Imagens. 2 LUA CHEIA teatro para todos pág.7 Missão e Objectivos / Áreas de Intervenção

1 CASA DO CORETO pág.3 Breve apresentação / Imagens. 2 LUA CHEIA teatro para todos pág.7 Missão e Objectivos / Áreas de Intervenção PREÂMBULO pág.2 1 CASA DO CORETO pág.3 Breve apresentação / Imagens 2 LUA CHEIA teatro para todos pág.7 Missão e Objectivos / Áreas de Intervenção 3 Declaração Relevância Cultural C.M.Lisboa pág.9 www.luacheia.pt

Leia mais

Guião de visionamento do filme ESTÓRIA DO GATO E DA LUA, de Pedro Serrazina, 1995

Guião de visionamento do filme ESTÓRIA DO GATO E DA LUA, de Pedro Serrazina, 1995 Por Dentro do Filme II / Construção de Guiões de trabalho Julho 2011 Tavira André Mantas Guião de visionamento do filme ESTÓRIA DO GATO E DA LUA, de Pedro Serrazina, 1995 Planificação de actividades para

Leia mais

Metodologia do Projecto

Metodologia do Projecto Metodologia do Projecto Índice 1. O Método 2. As Actividades 3. O Projecto 4. Fases da Metodologia do Projecto 5. Papel do Dirigente 6. Notas soltas 1. O Método Escutista Fonte: Escutismo: um sistema educativo,

Leia mais

1 - Educação Pré- Escolar (Despacho n.º 5220/97, de 4 de agosto) 2-1.º Ciclo do Ensino Básico (DL n.º 139/2012, de 5 de julho, com as alterações

1 - Educação Pré- Escolar (Despacho n.º 5220/97, de 4 de agosto) 2-1.º Ciclo do Ensino Básico (DL n.º 139/2012, de 5 de julho, com as alterações 1 - Educação Pré- Escolar (Despacho n.º 5220/97, de 4 de agosto) 2-1.º Ciclo do Ensino Básico (DL n.º 139/2012, de 5 de julho, com as alterações introduzidas pelo DL n.º 91/2013, de 10 de julho) 3-2.º

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOMOTRICIDADE Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOMOTRICIDADE Ano Lectivo 2011/2012 UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA Programa da Unidade Curricular PSICOMOTRICIDADE Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

II Encontro Bibliotecas de Bragança. Ler o Mundo: passaporte para o futuro. Agrupamento de Escolas André Soares. Ler. Projeto de leitura

II Encontro Bibliotecas de Bragança. Ler o Mundo: passaporte para o futuro. Agrupamento de Escolas André Soares. Ler. Projeto de leitura o Mundo: passaporte para o futuro Agrupamento de Escolas André Soares Génese do projeto II Encontro Bibliotecas de Bragança Pontos fracos Decréscimo de participação dos alunos do 3º ciclo nas atividades

Leia mais

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

Seminário A infância em debate. Uma leitura a partir de Portugal: resposta educativa para as crianças dos 3 aos 6 anos. Salamanca 27 a 30 Abril 2015

Seminário A infância em debate. Uma leitura a partir de Portugal: resposta educativa para as crianças dos 3 aos 6 anos. Salamanca 27 a 30 Abril 2015 Seminário A infância em debate. Uma leitura a partir de Portugal: resposta educativa para as crianças dos 3 aos 6 anos. Salamanca 27 a 30 Abril 2015 Amélia de Jesus Marchão ameliamarchao@esep.pt 1 Objetivo

Leia mais

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ANDRÉ DE GOUVEIA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO outubro

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA ARTE E EXPRESSIVIDADE Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA ARTE E EXPRESSIVIDADE Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA ARTE E EXPRESSIVIDADE Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO. Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO. Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe Sumário Introdução 2 PONTOS DE PARTIDA: Currículo Nacional do Ensino Básico publicado em 2001. O Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO III - TECNOLOGIAS DIGITAIS AVANÇADAS Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO III - TECNOLOGIAS DIGITAIS AVANÇADAS Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular OPÇÃO III TECNOLOGIAS DIGITAIS AVANÇADAS Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

COMUNICADO SME nº 73/2015

COMUNICADO SME nº 73/2015 1 COMUNICADO SME nº 73/2015 PROCESSO SELETIVO DE PROJETOS PARA DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES EDUCATIVAS COMPLEMENTARES ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO 1. Nome: 2. RG: Telefone: 3. E-Mail: 4. Unidade Escolar

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES do Trigal CAMPOS INTERVENÇÃO PROJETO EDUCATIVO ATIVIDADES OBJETIVOS RESPONSÁVEIS DATA LOCAL DESTINATÁRIOS CPI 3 Receção aos novos alunos e formação de utilizadores -Motivar para a utilização da ; -Informar

Leia mais

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André Objetivos Gerais: Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André # Promover as competências necessárias para as práticas de leitura e escrita autônomas

Leia mais

PROTOCOLO Setúbal, 15 de Fevereiro de 2006

PROTOCOLO Setúbal, 15 de Fevereiro de 2006 PROTOCOLO Setúbal, 15 de Fevereiro de 2006 I Introdução A ACADEMIA MORANGOS é uma marca nacional de Academias Infantis. Através de espaços pensados especialmente para crianças dos 4 aos 12 anos, dotados

Leia mais

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 ÁREAS COMPONENTES OBJETIVOS ATIVIDADES/ESTRATÉGIAS ÁREA DA FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIA Construção da identidade e da auto estima

Leia mais

Externato Cantinho Escolar. Plano Anual de Atividades

Externato Cantinho Escolar. Plano Anual de Atividades Externato Cantinho Escolar Plano Anual de Atividades Ano letivo 2016 / 2017 Pré-escolar e 1º Ciclo Receção dos Fomentar a integração da criança no meio escolar. Promover a socialização dos alunos. Receção

Leia mais

Pretende-se com esta comunicação apresentar o Projecto Ideia/O Nosso Sonho na sua dimensão mais criativa.

Pretende-se com esta comunicação apresentar o Projecto Ideia/O Nosso Sonho na sua dimensão mais criativa. Pretende-se com esta comunicação apresentar o Projecto Ideia/O Nosso Sonho na sua dimensão mais criativa. A Cooperativa de Ensino O Nosso Sonho e a Ideia são duas Instituições associadas, sediadas na Freguesia

Leia mais

APRENDIZAGEM EXPERIENCIAL INFORMAL 1º semestre

APRENDIZAGEM EXPERIENCIAL INFORMAL 1º semestre APRENDIZAGEM EXPERIENCIAL INFORMAL 1º semestre OBJECTIVO: The creative act in which a work of architecture comes into being goes beyond all historical and technical knowledge. Its focus is on the dialogue

Leia mais

A avaliação visa certificar as diversas aprendizagens e competências adquiridas pelo aluno, no final de cada ciclo ( ).

A avaliação visa certificar as diversas aprendizagens e competências adquiridas pelo aluno, no final de cada ciclo ( ). Externato da Luz Ano Lectivo 2009 / 2010 Critérios de Avaliação Departamento de Ciências Humanas e Sociais Agrupamento História (3º Ciclo) Professor: Pedro Machado A avaliação é um elemento integrante

Leia mais

Planificação anual de Português 12º ano

Planificação anual de Português 12º ano Planificação anual de Português 12º ano 1 OBJETIVOS Desenvolver os processos linguísticos, cognitivos e metacognitivos necessários à operacionalização de cada uma das competências de compreensão e produção

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR Prof. Me. Luana Serra Secretaria Municipal de Educação de Santos DOCUMENTO PRELIMINAR PARA A CONSTRUÇÃO DA DA EDUCAÇÃO INFANTIL Material adaptado de Beatriz Ferraz Educação Infantil na BNCC A Base Nacional

Leia mais

PROJETO ESPECIAL DE AÇÃO

PROJETO ESPECIAL DE AÇÃO PROJETO ESPECIAL DE AÇÃO - 2013 PORTARIA Nº 1.566 DE 18/03/08 Nome da Unidade Educacional EMEI MÁRIO SETTE Diretoria Regional de Educação CAMPO LIMPO Modalidade (art.2º): A tematização das práticas desenvolvidas

Leia mais

NA EDUCAÇÃO INFANTIL, A TAREFA DE ENSINAR É MUITO SÉRIA. entusiasmo pela

NA EDUCAÇÃO INFANTIL, A TAREFA DE ENSINAR É MUITO SÉRIA. entusiasmo pela NA EDUCAÇÃO INFANTIL, A TAREFA DE ENSINAR É MUITO SÉRIA. desco entusiasmo pela berta só o é anglo. ENSINAR É UMA TAREFA MUITO SÉRIA. MAS ISSO NÃO QUER DIZER QUE NÃO POSSA VIR ACOMPANHADA DE AFETO E DE

Leia mais

FORMAÇÃO CÍVICA E HUMANA

FORMAÇÃO CÍVICA E HUMANA Escola Secundária/3 de Barcelinhos ANO LETIVO 2012-2013 FORMAÇÃO CÍVICA E HUMANA 3.º Ciclo Ensino Básico A) ORIENTAÇÕES PROGRAMÁTICAS B) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ÍNDICE A) ORIENTAÇÕES PROGRAMÁTICAS 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Plano de Formação do CFAERC para Pessoal Docente 2015/ /2016

Plano de Formação do CFAERC para Pessoal Docente 2015/ /2016 Refª 1 2 Designação da ação Programa e metas curriculares de Matemática A para o ensino secundário ** Avaliação e qualidade das aprendizagens (II Encontro do CFAERC) * 3 Workshop Ferramentas web 2.0 (1)

Leia mais

Justificativas para a Lista de Material Pedagógico Berçário 1

Justificativas para a Lista de Material Pedagógico Berçário 1 PLANO DE UTILIZAÇÃO 2017 Justificativas para a Lista de Material Pedagógico Berçário 1 01- Livro de história (plástico ou tecido): usado como recurso lúdico-pedagógico para incentivar o interesse pela

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 CURSO OBJETIVOS Oferecer aos alunos e profissionais interessados no assunto, subsídios

Leia mais

CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Conhecer materiais riscadores e respetivos suportes físicos. Dominar materiais básicos de desenho técnico. Dominar a aquisição de conhecimento prático. Compreender a geometria enquanto elemento de organização

Leia mais

Introdução. 2. O domínio da Língua Portuguesa, ferramenta essencial de acesso ao conhecimento

Introdução. 2. O domínio da Língua Portuguesa, ferramenta essencial de acesso ao conhecimento Agrupamento de Escolas de Torre de Dona Chama Biblioteca Escolar/Área de Projecto Novas leituras, outros horizontes Ano Lectivo 2010/2011 ÍNDICE Introdução 3 1. A Escola novos desafios 3 2. O domínio da

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÂO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS 2º CICLO ANO LETIVO 2015 / 2016 DOMÍNIOS DE APRENDIZAGEM DOMÍNIOS DE REFERÊNCIA PONDERAÇÃO INSTRUMENTOS DE

Leia mais

II Partilhar para Crescer: Encontro de Bibliotecas do Distrito de Coimbra. Apresentação da Biblioteca Municipal de Oliveira do Hospital

II Partilhar para Crescer: Encontro de Bibliotecas do Distrito de Coimbra. Apresentação da Biblioteca Municipal de Oliveira do Hospital II Partilhar para Crescer: Encontro de Bibliotecas do Distrito de Coimbra Apresentação da Biblioteca Municipal de Oliveira do Hospital A Biblioteca Pública deve estar centrada nas pessoas: instituição

Leia mais

PROJETO DO 3º BIMESTRE PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E ESTAÇÕES DO ANO

PROJETO DO 3º BIMESTRE PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E ESTAÇÕES DO ANO CRECHE MUNICIPAL TERTULIANA MARIA DE ARRUDA SOUZA MÂE NHARA PROJETO DO 3º BIMESTRE PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E ESTAÇÕES DO ANO CUIABÁ 2015 INTRODUÇÃO Partindo do pressuposto de que a creche é um espaço

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Semiótica Área Científica: CSH Som e Imagem Ciclo de Estudos: 1º Ciclo - Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 2º ECTS: 3 Tempo de Trabalho:

Leia mais

O CONTO DE FADAS: O MÍTICO E O MARAVILHOSO NA LITERATURA INFANTO-JUVENIL

O CONTO DE FADAS: O MÍTICO E O MARAVILHOSO NA LITERATURA INFANTO-JUVENIL O CONTO DE FADAS: O MÍTICO E O MARAVILHOSO NA LITERATURA INFANTO-JUVENIL Hilda Rodrigues da Costa 1 Introdução Podemos afirmar que o conto de fadas é um processo de interação e conhecimento por meio da

Leia mais

Grupo de Informática Disciplina de Pl PLANO CURRICULAR 12º ANO /2016

Grupo de Informática Disciplina de Pl PLANO CURRICULAR 12º ANO /2016 Curso Formação Geral Formação específica Matemática A (disciplina Curso Ciências e Tecnologia A - Biologia Química Física Geologia B - Psicologia B Inglês Aplicações Informáticas B (ver síntese pp. 4 e

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação História do Audiovisual I Área Científica CSH Som e Imagem Ciclo de Estudos 1º Ciclo - Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 1º ECTS: 3

Leia mais

Aprova os perfis específicos de desempenho profissional do educador de infância e do professor do 1.º ciclo do ensino básico

Aprova os perfis específicos de desempenho profissional do educador de infância e do professor do 1.º ciclo do ensino básico Legislação Decreto-Lei n.º 241/2001, de 30 de Agosto Aprova os perfis específicos de desempenho profissional do educador de infância e do professor do 1.º ciclo do ensino básico Pelo Decreto-Lei n.º 240/2001,

Leia mais

Título: Viajando pelo Universo da Leitura Justificativa:

Título: Viajando pelo Universo da Leitura Justificativa: Título: Viajando pelo Universo da Leitura Justificativa: Sabendo que o aluno tem pouco contato com a leitura em seu ambiente familiar, apresentando na escola dificuldades de aprendizagem, decorrentes dessa

Leia mais

Objetivo: Apresentar o Caderno V de modo a compreender sua concepção metodológica a partir de oficinas.

Objetivo: Apresentar o Caderno V de modo a compreender sua concepção metodológica a partir de oficinas. Pacto Nacional Para o Fortalecimento do Ensino Médio Encontro de Planejamento Professor Formador de IES Duílio Tavares de Lima 03/2015 CADERNO 5 - Áreas de conhecimento e integração curricular Tema: Apresentação

Leia mais

CIDADANIA E MUNDO ATUAL

CIDADANIA E MUNDO ATUAL CIDADANIA E MUNDO ATUAL COMPETÊNCIAS (1) TRANSVERSAIS Promoção da educação para a cidadania A língua materna enquanto dimensão transversal Utilização das novas tecnologias de informação Competências Transversais

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE EMÍDIO NAVARRO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE EMÍDIO NAVARRO A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo. Peter Drucker A escola é uma âncora de identidades e temperamentos, modelando-se numa diversidade de expectativas, desígnios e projetos. A ESEN acolhe estas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO MINHO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CALENDÁRIOS DE EXAMES

UNIVERSIDADE DO MINHO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CALENDÁRIOS DE EXAMES UNIVERSIDADE DO MINHO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CALENDÁRIOS DE EXAMES ANO LETIVO 2016/2017 ÉPOCA ESPECIAL Calendário de Exames da Época Especial 1º semestre Ano Letivo 2016/2017 DATA: De 17 a 29 de julho de

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA ARTE E EXPRESSIVIDADE Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA ARTE E EXPRESSIVIDADE Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA ARTE E EXPRESSIVIDADE Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

MARIONETAS E FORMAS DE ENCANTAR OUTUBRO NO MUSEU

MARIONETAS E FORMAS DE ENCANTAR OUTUBRO NO MUSEU MARIONETAS E FORMAS DE ENCANTAR OUTUBRO NO MUSEU Sozinho, com os amigos, em família ou com a criançada: há quanto tempo não visita o Museu da Marioneta? Exposições, visitas orientadas, visitas guiadas,

Leia mais

Desenvolvimento da capacidade de expressão e comunicação - Interpretação e comunicação

Desenvolvimento da capacidade de expressão e comunicação - Interpretação e comunicação Educação Musical º ANO C Ano Letivo: 0/0. Introdução / Finalidades A música enquanto disciplina tem como um dos objetivos fundamentais o desenvolvimento do pensamento musical dos alunos, através da compreensão

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

O DIVERTIDO PRAZER DE LER

O DIVERTIDO PRAZER DE LER O DIVERTIDO PRAZER DE LER Para aprofundar nossos conhecimentos acadêmicos e aperfeiçoamento profissional, desenvolver competência, habilidades de leitura formamos leitores críticos e capacitados para lutar

Leia mais

SUGESTÕES DE AVALIAÇÃO

SUGESTÕES DE AVALIAÇÃO UNIDADE 1 EU E OS OUTROS *Perceber a diversidade étnica física e de gênero no seu meio de convivência. *Reconhecer mudanças e permanências nas vivências humanas, presentes na sua realidade e em outras

Leia mais

AS CORES E OS DA SEMANA. projeto pedagógico. Rua Tito, 479 Lapa São Paulo SP. (11)

AS CORES E OS DA SEMANA. projeto pedagógico. Rua Tito, 479 Lapa São Paulo SP. (11) projeto pedagógico AS CORES E OS DIAS DA SEMANA AS CORES E OS D IAS DA SEMANA TEXTO EM LETRA BASTÃO Rua Tito, 479 Lapa São Paulo SP CEP 05051-000 divulgação escolar (11) 3874-0884 divulga@melhoramentos.com.br

Leia mais

Tecnologia no mundo, tecnologia na escola. Currículo e inovação pedagógica

Tecnologia no mundo, tecnologia na escola. Currículo e inovação pedagógica Tecnologia no mundo, tecnologia na escola Currículo e inovação pedagógica PAUTA: 1. O QUE É CURRÍCULO? 2. O QUE QUER O CURRÍCULO ESCOLAR NA ATUALIDADE? 3. LER, ESCREVER, PESQUISAR, PENSAR NO CONTEXTO DAS

Leia mais

Planificação Anual Música 3.º Ciclo

Planificação Anual Música 3.º Ciclo Planificação Anual Música 3.º Ciclo Domínios Objetivos Gerais Organizadores da Aprendizagem Desenvolvimento de competências no domínio de práticas vocais e instrumentais diferenciadas; Desenvolvimento

Leia mais