Oficina de Teatro Ação de formação acreditada ( modalidade Curso) Conselho Científico da Formação Contínua/Acc /14

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Oficina de Teatro Ação de formação acreditada ( modalidade Curso) Conselho Científico da Formação Contínua/Acc /14"

Transcrição

1 Oficina de Teatro Ação de formação acreditada ( modalidade Curso) Conselho Científico da Formação Contínua/Acc /14 Duração: 25 horas presenciais Número de Créditos: 1 Destinatários: Educadores de Infância, Professores dos Ensino Básico e Secundário e Professores de Educação Especial. Objetivos: O curso de Teatro organiza- se em torno de um conjunto de reflexões sobre metodologias pedagógicas e estratégias de comunicação, tendo em vista o trabalho na sala de aula ou com grupos de Teatro na Escola. Neste contexto, destacam- se os seguintes objetivos gerais: Valorizar o Teatro como forma de arte; Promover o contacto direto com um conjunto de práticas teatrais; Incentivar um contacto mais próximo com os públicos escolares, articulando a relação entre a Educação e a Cultura; Fomentar o conhecimento de diferentes correntes dramatúrgicas portuguesas, clássicas e contemporâneas; Valorizar os conteúdos curriculares de diferentes disciplinas nos vários níveis de ensino; Mobilizar os conhecimentos e as atividades mais ajustadas ao desenvolvimento da criatividade e do espírito crítico. Ao nível específico, este curso de teatro pretende: Trabalhar a linguagem do corpo: - Abordagem à disponibilidade corporal; - Tomada de consciência do corpo e do gesto/movimento; - Jogo das emoções; - Relacionamento com os outros; - Jogo dramático; - O real e o ficcional; Desenvolver as capacidades expressivas, gestuais, corporais e vocais dentro das componentes espaço- tempo; Potenciar a exploração dos sentidos (visão, audição...), o seu apuramento e particularização; Integrar a palavra/sentido do texto no jogo corporal de movimento/relacionamento; Apropriar os sons e os sentidos das palavras a partir da sua fisicalidade e da corporização das imagens; Articular as relações entre o corpo e o espaço cénico; Sensibilizar para o prazer da leitura; Experimentar leituras encenadas enquanto processos parateatrais que podem partir de um texto narrativo, dramático ou mesmo lírico;

2 Adquirir consciência da voz/expressão oral; Analisar os diferentes aspetos da utilização da palavra (a dicção, a respiração, a colocação da voz, a articulação); Demonstrar a necessidade do uso intencional de ações e palavras; Desenvolver as capacidades de observação, análise, síntese, memorização, percepção visual e concentração. CONTEÚDOS I O Corpo como Meio de Expressão Conhecimento do Eu e relacionamento com os outros e o espaço: agir, estar, ver e ser visto, mexer- se, tocar, transformar- se, criar espaços, interpretar e representar; Jogos de movimentos: a relação corpo/espaço; Simbologia de objetos e ambiências; Jogos dramáticos: a exploração da sensibilidade/imaginação. II- Textos e Construção do Personagem Analogia Sinais (Signo): improvisações livres e improvisações intencionais e estruturadas; Leitura de textos dramáticos e a sua análise: códigos da linguagem dramática noção e prática da situação cénica, personagem e contexto teórico; Técnicas de leitura em voz alta: exercícios de ritmos, dicção, respiração, colocação de voz, articulação, volume; Apreensão físico- afetiva dos textos; Criação de personagens/tipos, utilizando diferentes intenções; Experimentação prática a partir de textos diversos. III- Criação e Comunicação: Voz, Movimento, Coordenação Interpretação/representação; Jogos de improviso dramático (espontâneo ou orientado) enfatizando contrastes e intenções opostas; Capacidade de escuta e de resposta; Relação do corpo no espaço de representação: consigo e com os outros elementos atores, objetos e audiência. IV Espaço de Representação Diferentes espaços cénicos: convencionais e não convencionais.

3 REGIME DE AVALIAÇÃO DOS FORMANDOS: Os formandos serão avaliados utilizando a tabela de 1 a 10 valores, conforme indicado na Carta Circular CCPFC- 3/2007 Setembro de 2007, utilizando os parâmetros de avaliação estabelecidos pela DGE e respeitando os dispositivos legais da avaliação contínua, nomeadamente: Participação/preparação de materiais/pesquisa:50% Produção de trabalhos:50%

4 CRONOGRAMA / OFICINA DE TEATRO Sessão Data (2014) Horário N.º de Tema Genérico N.º horas h00-16h00 2h Apresentação da Formação TOTAL 25 horas 16h20-19h00 2h40 O Corpo como meio de Expressão 14h00-16h00 2h O Corpo como meio de Expressão 16h20-19h00 2h40 Criação e Comunicação: Voz 21h h40 Exercício de análise de um espetáculo de teatro (inclui ver espetáculo e conversa com respetiva equipa artística) 14h00-16h00 2h Texto e Construção da Personagem 16h20-19h00 2h40 Texto e Construção da Personagem /Espaços de Representação 14h00-16h00 2h Criação e Comunicação: Voz, Movimento, Coordenação 16h20-19h00 2h40 Criação e Comunicação: Voz, Movimento, Coordenação 14h00-15h00 1h Criação e Comunicação: Voz, Movimento, Coordenação 15h20-18h00 2h40 Elaboração e apresentação de trabalho/avaliação

5 No sentido de um maior estreitamento da relação entre os professores e as companhias e estruturas teatrais, esta formação procura proporcionar conhecimentos nos vários domínios da criação teatral. Ao possibilitar o acesso a um espaço de criação e ao processo criativo de um espetáculo, pretende assim fornecer ferramentas de análise, fruição e crítica para que os professores possam orientar de melhor forma os seus alunos quando os acompanharem ao teatro. Tendo igualmente o objetivo de proporcionar o desenvolvimento de competências artísticas para que possam depois, no contexto de aula, desenvolver com os seus alunos atividades teatrais. PLANIFICAÇÃO Na 1ª sessão serão apresentados os conteúdos a abordar e os objetivos da formação. Na 3 ª sessão será feito o exercício de análise do espetáculo Monstros S.A. (sem abrigo), a partir de textos de Roland Dubillard, encenação de Filipe Crawford, F. C. Produções Teatrais, em cena no Teatro Municipal de Bragança. Nesta sessão os formandos assistirão ao espetáculo e terão uma conversa com a respetiva equipa artística, onde serão abordadas as diferentes áreas criativas que compõe a criação teatral (som, luz, cenário, figurinos, adereços, interpretação, dramaturgia, encenação, produção). Na 2ª sessão e da 4ª à 10ª sessão serão trabalhadas as áreas- conteúdo desta formação partindo de uma componente essencialmente prática para a apropriação de conhecimentos. A 10ª sessão será uma aula de conclusão/integração de toda a aprendizagem realizada. A 11ª sessão consiste na realização do trabalho que representa 50% da avaliação. Os formandos terão de apresentar uma proposta de análise do espetáculo produzido pela companhia Teatro da Terra, onde apliquem os conhecimentos adquiridos ao longo da formação, para o efeito será fornecido previamente material e informação sobre o teor do exercício.

6 Formadora: Cristiana Castro Formada em Interpretação na Academia Contemporânea do Espetáculo e licenciada em Teatro/Atores na Escola Superior de Teatro e Cinema. Ao longo do seu percurso como atriz destaca o trabalho desenvolvido com a companhia de teatro O Bando, Panmixia, Pedro Fiuza e o Grupo de Pesquisa Vocal, dirigido por Sara Belo, desenvolveu também trabalhos de sua autoria ou em parcerias. Nos últimos cinco anos trabalhou como professora de Expressão Dramática e fez várias oficinas de teatro com crianças e com adultos. É formadora do Curso de Formação Teatral da Academia Contemporânea do Espetáculo.

ARTES CÊNICAS Cenografia: Segunda-feira 16h55 às 18h30 14 vagas Dramaturgia I: Segunda-feira 18h35 às 20h10 15 vagas Dramaturgia II:

ARTES CÊNICAS Cenografia: Segunda-feira 16h55 às 18h30 14 vagas Dramaturgia I: Segunda-feira 18h35 às 20h10 15 vagas Dramaturgia II: ARTES CÊNICAS Cenografia: A disciplina trabalhará a criação da cenografia para um espetáculo teatral. Desenvolverá os processos de análise dramatúrgica, pesquisa sobre as especificidades do texto teatral,

Leia mais

Plano de formação e atividades ª fase Ações financiadas pela C.M. Sintra

Plano de formação e atividades ª fase Ações financiadas pela C.M. Sintra 1 Plano de formação e atividades 2016 1ª fase Ações financiadas pela C.M. Sintra - A emergência da escrita no pré-escolar. Uma abordagem à escrita em contexto pré-escolar Formadora: Manuela Guedes Destinatários:

Leia mais

Escola Secundária Dr. Ginestal Machado

Escola Secundária Dr. Ginestal Machado Escola Secundária Dr. Ginestal Machado Planificação anual de Movimento Curso técnico profissional de Artes do Espetáculo - Interpretação MODULO 1 CONSCIENCIALIZAÇÃO CORPORAL - Compreender a importância

Leia mais

Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017

Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Perfil de aprendizagens específicas do aluno à saída 1.º Ciclo do Ensino Básico Tendo em atenção as características estruturais e humanas das Escolas

Leia mais

ARTE EDUCAÇÃO E ARTETERAPIA NO AMBIENTE ESCOLAR MÓDULO I: OFICINA DE TEATRO

ARTE EDUCAÇÃO E ARTETERAPIA NO AMBIENTE ESCOLAR MÓDULO I: OFICINA DE TEATRO ARTE EDUCAÇÃO E ARTETERAPIA NO AMBIENTE ESCOLAR MÓDULO I: OFICINA DE TEATRO Profa. Ms. Ana Cláudia Ramos OFICINA DE TEATRO NO CONTEXTO ESCOLAR Como o teatro vem sendo concebido na escola? Qual a importância

Leia mais

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 ÁREAS COMPONENTES OBJETIVOS ATIVIDADES/ESTRATÉGIAS ÁREA DA FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIA Construção da identidade e da auto estima

Leia mais

Ser capaz de planificar e desenvolver um projecto de Expressão Dramática.

Ser capaz de planificar e desenvolver um projecto de Expressão Dramática. Curso Animação Sociocultural Ano letivo 2015/2016 Unidade Curricular Ateliê de Expressão Dramática ECTS 6 Regime Obrigatório Ano 3.º Semestre 2.º semestre Horas de trabalho globais Docente (s) Marisa Filipa

Leia mais

CURSO: ARTE EM AÇÃO - LITERATURA

CURSO: ARTE EM AÇÃO - LITERATURA CURSO: ARTE EM AÇÃO - LITERATURA Docente: Mariana Felix de Oliveira Carga Horária Total do Projeto: 295 hrs Resumo: A oficina de literatura é uma das três vertentes que compõe o projeto Arte em ação. Terá

Leia mais

CURSO DE ARTES CÊNICAS 2007/2 BACHARELADO EM INTERPRETAÇÃO

CURSO DE ARTES CÊNICAS 2007/2 BACHARELADO EM INTERPRETAÇÃO CURSO DE ARTES CÊNICAS 2007/2 BACHARELADO EM INTERPRETAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS PRÉ-REQUISITO CR CHS AULAS PR ART501 Jogos Teatrais I - 3 60 2 2 1º ART503 Expressão Vocal I - 3 60 2 2 1º ART507

Leia mais

Planificação das aulas de Expressão Musical na Escolinha da Tia Ló. 3º ano ( )

Planificação das aulas de Expressão Musical na Escolinha da Tia Ló. 3º ano ( ) Planificação das aulas de Expressão Musical na Escolinha da Tia Ló 3º ano (15.15 15.45) 1.ª FASE Motivação e Organização geral 15/09 (sala de aula) Musicais Reconhecer a musica como forma de comunicação

Leia mais

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO:

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PIBID- Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: Ensino Fundamental I- TURMA: 3º

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes Comunicação das Artes do Corpo

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes Comunicação das Artes do Corpo Deliberação nº 36/2011, publicada em 28 de junho de 2011. Matriz Curricular - ingressantes a partir de 2011 1 Artes do Corpo: os fundamentos na história da Arte Corpo e Voz Anatomia Corpo na Cultura -

Leia mais

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância Colégio Valsassina Modelo pedagógico do jardim de infância Educação emocional Aprendizagem pela experimentação Educação para a ciência Fatores múltiplos da inteligência Plano anual de expressão plástica

Leia mais

Objetivo: Apresentar o Caderno V de modo a compreender sua concepção metodológica a partir de oficinas.

Objetivo: Apresentar o Caderno V de modo a compreender sua concepção metodológica a partir de oficinas. Pacto Nacional Para o Fortalecimento do Ensino Médio Encontro de Planejamento Professor Formador de IES Duílio Tavares de Lima 03/2015 CADERNO 5 - Áreas de conhecimento e integração curricular Tema: Apresentação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Departamento da Educação Pré-Escolar Planificação Mensal Ano Letivo 2015/2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Departamento da Educação Pré-Escolar Planificação Mensal Ano Letivo 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Departamento da Educação Pré-Escolar Planificação Mensal Ano Letivo 2015/2016 MÊS: maio Área de Conteúdo Domínio Objetivos Estratégias Formação Pessoal e Social

Leia mais

Sensibilizar para o Desperdício Alimentar

Sensibilizar para o Desperdício Alimentar Sensibilizar para o Desperdício Alimentar 1. Descrição Sensibilizar para o Desperdício Alimentar 2. Razões justificativas da ação: Problema/Necessidade de formação identificado A nível mundial, são muitas

Leia mais

1. DESIGNAÇÃO DA AÇÃO DE FORMAÇÃO. Educação Musical no Pré-escolar e Ensino Básico - CCPFC/ACC- Destinatários: Educadores e professores do 1º CEB

1. DESIGNAÇÃO DA AÇÃO DE FORMAÇÃO. Educação Musical no Pré-escolar e Ensino Básico - CCPFC/ACC- Destinatários: Educadores e professores do 1º CEB 1. DESIGNAÇÃO DA AÇÃO DE FORMAÇÃO Educação Musical no Pré-escolar e Ensino Básico - CCPFC/ACC- Modalidade: Oficina de Formação Destinatários: Educadores e professores do 1º CEB Duração: 25HP + 25 HNP RAZÕES

Leia mais

Teatro para todos EMEIEF Prof. Ernesto Marcondes Rangel

Teatro para todos EMEIEF Prof. Ernesto Marcondes Rangel Teatro para todos EMEIEF Prof. Ernesto Marcondes Rangel Professor(es) Apresentador(es): Plinio de Oliveira Macedo Junior Realização: Foco do Projeto O fazer teatral é uma ferramenta pedagógica de grande

Leia mais

Designação do Módulo: Técnicas de Animação

Designação do Módulo: Técnicas de Animação Módulo N.º 3258 Designação do Módulo: Técnicas de Animação Planificar e dinamizar a animação com caráter interdisciplinar, como forma de desenvolver competências e autonomias. Expressão livre e animação

Leia mais

Cursos do Conservatório Vocacionais. Cursos Profissionais

Cursos do Conservatório Vocacionais. Cursos Profissionais Cursos do Conservatório Vocacionais Piano, Canto, Violino, Guitarra, Saxofone, Harpa e de um modo geral todos os instrumentos de orquestra. Cursos Profissionais A Escola Profissional das Artes da Madeira

Leia mais

Planificação das aulas de Expressão Musical na Escolinha da Tia Ló. 4º ano ( )

Planificação das aulas de Expressão Musical na Escolinha da Tia Ló. 4º ano ( ) Planificação das aulas de Expressão Musical na Escolinha da Tia Ló 4º ano (13.45 14.15) 1.ª FASE Motivação e Organização geral 15/09 (sala de aula) Musicais Reconhecer a musica como forma de comunicação

Leia mais

PROGRAMA DE OFICINA de ARTES DISCIPLINA DE OFERTA DE ESCOLA

PROGRAMA DE OFICINA de ARTES DISCIPLINA DE OFERTA DE ESCOLA PROGRAMA DE OFICINA de ARTES DISCIPLINA DE OFERTA DE ESCOLA Oficina de Artes é uma disciplina cujo nome releva da noção de ofício, no sentido que lhe é conferido atualmente pelo operador plástico, enquanto

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de Artes do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos / 2013

Conteúdo Básico Comum (CBC) de Artes do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos / 2013 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO CURSO DE FORMAÇÃO DE ATORES DE TEATRO MUSICAL CONCEITO E OBJETIVOS 1.1 Enquadramento A EDSAE - Escola de Dança e Teatro Musical é uma instituição que promove a formação de profissionais

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Fernão de Magalhães Departamento Curricular do 1º Ciclo Ano Letivo 2015/2016 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Avaliação das Atitudes/Comportamentos

Leia mais

período 5º Semana anterior ao Carnaval espírito natalício período 6º Promover o contacto com a cultura Norte-Americana

período 5º Semana anterior ao Carnaval espírito natalício período 6º Promover o contacto com a cultura Norte-Americana INGLÊS 2º CICLO PLANO DE ATIVIDADES DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS 2012-2014-2015 ANO ATIVIDADE OBJETIVOS/ OPERACIONALIZAÇÃO CALENDARIZAÇÃO Christmas Cards / Christmas Promover o contacto com a cultura anglo-saxónica,

Leia mais

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) Currículo dos Cursos (por estrutura)

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) Currículo dos Cursos (por estrutura) Ano do Currículo/Versão: 20/1 - Resolução UNIRIO Nº 4.150, DE 09 DE JULHO DE 2013 Exigida Máxima Créditos Exigidos Créditos Máximo Hora: 1:15 Estrutura Curricular: Créditos Mínimo : Mínima : 540 1.EIXO

Leia mais

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias Ano 02

Leia mais

Competências gerais. Princípios e valores orientadores do currículo. Competências gerais

Competências gerais. Princípios e valores orientadores do currículo. Competências gerais Currículo Nacional do Ensino Básico Competências Essenciais Competências gerais Princípios e valores orientadores do currículo A clarificação das competências a alcançar no final da educação básica toma

Leia mais

Curso: Educação de Infância. Tema: O Rapaz de Bronze As Flores Data : 8/ Objectivos Específicos. Actividade proposta 2/3/4/5 anos

Curso: Educação de Infância. Tema: O Rapaz de Bronze As Flores Data : 8/ Objectivos Específicos. Actividade proposta 2/3/4/5 anos Ano lectivo: 2005/2006 Estagiária: Curso: Educação de Infância 4º Ano Educadora Cooperante: Tema: O Rapaz de Bronze As Flores Data : 8/9.05.06 Áreas Domínios Objectivos Gerais Objectivos Específicos Actividade

Leia mais

PROGRAMA AEC s Atividades Lúdico Expressivas 2015/2016

PROGRAMA AEC s Atividades Lúdico Expressivas 2015/2016 PROGRAMA AEC s Atividades Lúdico Expressivas 2015/2016 1º, 2º e 3º anos de escolaridade I-INTRODUÇÃO Segundo o Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, as atividades lúdico-expressivas integram uma ou mais

Leia mais

PLANO DE CURSO. Código: FIS09 Carga Horária: 60 Créditos: 03 Pré-requisito: Período: IV Ano:

PLANO DE CURSO. Código: FIS09 Carga Horária: 60 Créditos: 03 Pré-requisito: Período: IV Ano: PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Licenciatura em Educação Física Disciplina: Educação Física na Infância Professor: Gilson Pereira Souza E-mail: professorgilsonpereira@gmail.com Código:

Leia mais

PLANEJAMENTO Julho. Professor (a): Janete Neusa Perin NOME DO LIVRO: Objetivo geral:

PLANEJAMENTO Julho. Professor (a): Janete Neusa Perin NOME DO LIVRO: Objetivo geral: PLANEJAMENTO Julho NOME DO LIVRO: Estratégias de outras áreas do conhecimento A BRUXA SALOMÉ Leitura e escrita; Oralidade; Dias da Semana; Rimas. -Desenvolver o gosto pela leitura, valorizando a como fonte

Leia mais

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico 1º Ciclo Ao longo do 1º ciclo do Ensino Básico, todos os alunos devem desenvolver as competências gerais do Ensino Básico. Competências Gerais do Ensino Básico 1. Mobilizar saberes culturais, científicos

Leia mais

Critérios de Avaliação Jardim de Infância

Critérios de Avaliação Jardim de Infância CASA DE INFÂNCIA DE SANTO ANTÓNIO Departamento Curricular de Creche e Jardim de Infância Critérios de Avaliação Jardim de Infância Horta 2016/2017 2 Critérios de Avaliação Jardim de Infância A avaliação

Leia mais

Critérios de Avaliação Disciplina: Orquestra de Sopros 2º CICLO

Critérios de Avaliação Disciplina: Orquestra de Sopros 2º CICLO 2º CICLO DOMÍNIO DA CRITÉRIOS GERAIS PERFIL DO ALUNO: DESCRITORES GERAIS INSTRUMENTOS INDICADORES DE % Coordenação psico-motora. Sentido de pulsação/ritmo/harmonia/ fraseado. COGNITIVOS: APTIDÕES CAPACIDADES

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2. Actividades Rítmicas Expressivas: Danças Sociais (latino-americanas)

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2. Actividades Rítmicas Expressivas: Danças Sociais (latino-americanas) CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

Currículo da Oferta de Escola Música

Currículo da Oferta de Escola Música Departamento de Expressões Currículo da Oferta de Escola Música Competências Específicas As competências específicas a desenvolver na disciplina de Música são aqui apresentadas em torno de quatro grandes

Leia mais

ÁREAS OBJETIVOS ATIVIDADES

ÁREAS OBJETIVOS ATIVIDADES Ano lectivo 2015/2016 Departamento de Educação Pré-escolar PLANIFICAÇÃO 3º PERÍODO 3 e 4 ANOS ÁREAS OBJETIVOS ATIVIDADES - Atividades na sala e no exterior; - Pequenos registos individuais e coletivos;

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA

CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

Clube de Teatro Afonso de Paiva

Clube de Teatro Afonso de Paiva Agrupamento de Escolas Afonso de Paiva Escola Básica Afonso de Paiva Clube de Teatro Afonso de Paiva PROJETO PARA O ANO LETIVO 2016-2017 O teatro é a poesia que sai do livro e se faz humana. (Frederico

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE PTD

PLANO DE TRABALHO DOCENTE PTD Professor-Carlos Juscimar de Souza Série: 1º Turma:D Período:NOTURNO Ano: 2014 ESTRUTURANTE: ESPECÍFICO: Objetivo/Justificativa Metodologia Critério de. História Conhecer, contextualizar e da Arte: desenvolver

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) Instituto de Filosofia, Artes e Cultura (IFAC) Departamento de Música (DEMUS)

Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) Instituto de Filosofia, Artes e Cultura (IFAC) Departamento de Música (DEMUS) 1 Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) Instituto de Filosofia, Artes e Cultura (IFAC) Departamento de Música (DEMUS) Curso de Licenciatura em Música DISCIPLINAS ELETIVAS / EMENTAS Análise Musical

Leia mais

RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA AÇÃO:

RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA AÇÃO: PLANO DE FORMAÇÃO A PLATAFORMA FITESCOLA COMO INSTRUMENTO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS NA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E NO DESPORTO ESCOLAR RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA AÇÃO:

Leia mais

ONDAS ATIVIDADES EXPERIMENTAIS DE FÍSICA PARA O 11ºANO

ONDAS ATIVIDADES EXPERIMENTAIS DE FÍSICA PARA O 11ºANO ONDAS ATIVIDADES EXPERIMENTAIS DE FÍSICA PARA O 11ºANO Modalidade: Curso de Formação Registo de Acreditação: CCPFC/ACC-77933/14 Duração: 25 horas presenciais Destinatários: Professores do Grupo 510 do

Leia mais

2013/2014 Ação n.º 9 VAMOS FAZER PATCHWORK COM MATEMÁTICA: RECURSÕES E OUTROS TEMAS FUNDAMENTAÇÃO OBJETIVOS

2013/2014 Ação n.º 9 VAMOS FAZER PATCHWORK COM MATEMÁTICA: RECURSÕES E OUTROS TEMAS FUNDAMENTAÇÃO OBJETIVOS VAMOS FAZER PATCHWORK COM MATEMÁTICA: RECURSÕES E OUTROS TEMAS FUNDAMENTAÇÃO É nossa convicção que a compreensão e a motivação para o estudo de certos assuntos podem ser fortemente beneficiados através

Leia mais

Escola Secundária Dr. Ginestal Machado

Escola Secundária Dr. Ginestal Machado Escola Secundária Dr. Ginestal Machado Planificação Anual da Disciplina de Voz 10º ano Curso Técnico Profissional de Artes do Espetáculo - Interpretação Departamento de Ciências Sociais e Humanas Ano Letivo

Leia mais

Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) MATRIZ CURRICULAR. Móduloe 1 Carga horária total: 400h

Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) MATRIZ CURRICULAR. Móduloe 1 Carga horária total: 400h Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Móduloe 1 Carga horária total: 400h Projeto Integrador I 40 Não tem Aprendizagem Infantil

Leia mais

De acordo com o lema A variedade dá sabor à vida, elaboramos a seguinte planificação anual, tendo em conta a articulação horizontal.

De acordo com o lema A variedade dá sabor à vida, elaboramos a seguinte planificação anual, tendo em conta a articulação horizontal. PRIMEIRO PERÍODO PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DO 1.º CICLO ANO LETIVO 2011-2012 De acordo com o lema A variedade dá sabor à vida, elaboramos a seguinte planificação anual, tendo em conta a articulação horizontal.

Leia mais

MARIA CRISTINA BRITO. 4ª feira 9 às 13 horas. Ester Leão (2º andar) 15 vagas

MARIA CRISTINA BRITO. 4ª feira 9 às 13 horas. Ester Leão (2º andar) 15 vagas 1 NOME DA DISCIPLINA: SALA O ATOR NO TEATRO DA CRUELDADE DE ANTONIN ARTAUD 2 MARIA CRISTINA BRITO 4ª feira 9 às 13 horas Ester Leão (2º andar) Interpretação I e II / ou / Atuação Cênica I e II / e / O

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação Ano letivo de 2012/2013

Critérios Específicos de Avaliação Ano letivo de 2012/2013 Departamento de Expressões e Representação Ano Letivo 2012/2013 Disciplina de Modelação e Animação 3D - 11º e 12º ano Critérios Específicos de Avaliação Ano letivo de 2012/2013 1. Introdução à disciplina

Leia mais

CURSO DE DANÇA MANUAL DO CANDIDATO

CURSO DE DANÇA MANUAL DO CANDIDATO CURSO DE DANÇA MANUAL DO CANDIDATO PROCESSO SELETIVO DE CERTIFICAÇÃO EM HABILIDADES ESPECÍFICAS UFU 2013-2 EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS 10/2013 Composição da Certificação A Certificação de Habilidades Específicas

Leia mais

Externato Cantinho Escolar. Plano Anual de Atividades

Externato Cantinho Escolar. Plano Anual de Atividades Externato Cantinho Escolar Plano Anual de Atividades Ano letivo 2016 / 2017 Pré-escolar e 1º Ciclo Receção dos Fomentar a integração da criança no meio escolar. Promover a socialização dos alunos. Receção

Leia mais

PROGRAMA CINEMA E TEATRO À SERVIÇO DA CIDADANIA E DO COMPORTAMENTO SUSTENTÁVEL

PROGRAMA CINEMA E TEATRO À SERVIÇO DA CIDADANIA E DO COMPORTAMENTO SUSTENTÁVEL PROGRAMA CINEMA E TEATRO À SERVIÇO DA CIDADANIA E DO COMPORTAMENTO SUSTENTÁVEL Oficinas de Cine Clube O projeto pretende oferecer aos jovens a oportunidade de atuarem como agentes culturais da comunidade

Leia mais

1. Princípios orientadores e funções da avaliação Objetivos da avaliação Processos de avaliação Avaliação Diagnóstica 3

1. Princípios orientadores e funções da avaliação Objetivos da avaliação Processos de avaliação Avaliação Diagnóstica 3 Índice 1. Princípios orientadores e funções da avaliação 2 2. Objetivos da avaliação 2 3. Processos de avaliação 3 3.1. Diagnóstica 3 3.2. Formativa 3 3.3. Instrumentos de avaliação 4 3.3. Períodos de

Leia mais

Currículo Referência em Dança Ensino Médio

Currículo Referência em Dança Ensino Médio Currículo Referência em Dança Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas Sugestão de Atividades - Conhecer a área de abrangência profissional da arte/dança e suas características;

Leia mais

X TROFÉU OMAR Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental, Ensino Médio e Cursos Técnicos do município de Três de Maio.

X TROFÉU OMAR Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental, Ensino Médio e Cursos Técnicos do município de Três de Maio. X TROFÉU OMAR 2012 Num filme o que importa não é a realidade, mas o que dela possa extrair a imaginação Charles Chaplin Promoção: Grêmio Estudantil SETREM (GESE). Modalidade: Curtas-metragens. Público

Leia mais

ESTRUTURA DO ESPETÁCULO

ESTRUTURA DO ESPETÁCULO ESTRUTURA DO ESPETÁCULO Grupo Um grupo teatral deve pesquisar acerca do conhecimento da história do teatro, épocas, instruir-se, informar-se, discutir, participar, descobrir-se, criar, questionar e divulgar

Leia mais

Crianças e Jovens PRÉ-BALLET, BALLET E DANÇA CRIATIVA. Com Maria João Lopes

Crianças e Jovens PRÉ-BALLET, BALLET E DANÇA CRIATIVA. Com Maria João Lopes Crianças e Jovens PRÉ-BALLET, BALLET E DANÇA CRIATIVA Com Maria João Lopes Pré-ballet/Dança Criativa 3-5 anos 4ª feira, 17h15-18h Ballet 6-9 anos 4ª feira, 18h - 19h A Dança Criativa/Ballet é um processo

Leia mais

PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FISCAL. PROJETO: CIDADANIA: APRENDENDO PARA A VIDA Profª Medianeira Garcia Geografia

PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FISCAL. PROJETO: CIDADANIA: APRENDENDO PARA A VIDA Profª Medianeira Garcia Geografia PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FISCAL PROJETO: CIDADANIA: APRENDENDO PARA A VIDA Profª Medianeira Garcia Geografia INTRODUÇÃO O projeto foi organizado por acreditarmos que o papel da escola e sua função

Leia mais

1.1. Creche Objectivos gerais

1.1. Creche Objectivos gerais 1.1. Creche 1.1.1. Objectivos gerais Os processos de ensino e aprendizagem deverão contribuir nesta primeira etapa da Educação para a Infância, para que as crianças alcancem os seguintes objectivos: -

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Resolução do teste diagnóstico

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Resolução do teste diagnóstico ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL Ensino Secundário Profissional DISCIPLINA: Português ANO: 12º ANO LETIVO 2011/2012 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO LÍNGUA ESTRANGEIRA ALEMÃO Profª Lourdes Sufredini Profª Luciane Probst Unidade de Ensino I Prédio João

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES Junho de 2014 a junho de 2016

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES Junho de 2014 a junho de 2016 PLANEJAMENTO ESTRATEGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES Junho de 2014 a junho de 2016 Apresentação O Curso de Licenciatura em Artes da tem como meta principal formar o professor de artes através de

Leia mais

Seminário A infância em debate. Uma leitura a partir de Portugal: resposta educativa para as crianças dos 3 aos 6 anos. Salamanca 27 a 30 Abril 2015

Seminário A infância em debate. Uma leitura a partir de Portugal: resposta educativa para as crianças dos 3 aos 6 anos. Salamanca 27 a 30 Abril 2015 Seminário A infância em debate. Uma leitura a partir de Portugal: resposta educativa para as crianças dos 3 aos 6 anos. Salamanca 27 a 30 Abril 2015 Amélia de Jesus Marchão ameliamarchao@esep.pt 1 Objetivo

Leia mais

Desenvolvimento da capacidade de expressão e comunicação - Interpretação e comunicação

Desenvolvimento da capacidade de expressão e comunicação - Interpretação e comunicação Educação Musical º ANO C Ano Letivo: 0/0. Introdução / Finalidades A música enquanto disciplina tem como um dos objetivos fundamentais o desenvolvimento do pensamento musical dos alunos, através da compreensão

Leia mais

Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 8º ANO LETIVO 2013/2014

Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 8º ANO LETIVO 2013/2014 ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 8º ANO LETIVO 2013/2014 Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus

Leia mais

CURSO DE DANÇA MANUAL DO CANDIDATO

CURSO DE DANÇA MANUAL DO CANDIDATO CURSO DE DANÇA MANUAL DO CANDIDATO PROCESSO SELETIVO DE CERTIFICAÇÃO EM HABILIDADES ESPECÍFICAS UFU 2013-1 Edital UFU/PROGRAD/DIRPS 02/2013 Composição da Certificação A Certificação de Habilidades Específicas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICAS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS ITAJAÍ PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO Unidade Curricular:

Leia mais

CURSO: MÚSICA LICENCIATURA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: MÚSICA LICENCIATURA EMENTAS º PERÍODO CURSO: MÚSICA LICENCIATURA EMENTAS - 2016.2 2º PERÍODO DISCIPLINA: LINGUAGEM E ESTRUTURAÇÃO MUSICAL II Teoria e Percepção Musical II. Desenvolvimento da leitura musical em quatro claves de referência:

Leia mais

ANEXO III DA ENTREVISTA ITEGO BASILEU FRANÇA

ANEXO III DA ENTREVISTA ITEGO BASILEU FRANÇA ANEXO III DA ENTREVISTA ITEGO BASILEU FRANÇA CÓD. Cargo Modalidade/Tema 200 Arquivista Avaliação prática: Digitalizar um trecho de uma obra sinfônica no programa Finale. 201 Assistente de comunicação Entrevista

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL:

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: Domínio Cognitivo e Motor (Código A71) Educadores de Infância e Professores dos 1º, 2º e 3º ciclos do ensino básico e do ensino secundário Curso de

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português Ensino Básico Ano letivo: 16/17 5º ANO Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz: Domínios Interpretar discursos orais breves (Referir

Leia mais

Plano de Intervenção

Plano de Intervenção Plano de Intervenção 201415 Os agrupamentos de escolas que já integram a Rede aler+ são convidados a apresentarem um Plano de Intervenção que evidencie a centralidade da leitura e envolva os jardins de

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Jardim de Infância

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Jardim de Infância PL ANUAL DE ATIVIDADES Jardim de Infância LETIVO 2016/2017 Para além do trabalho previsto no projeto de sala, não podemos deixar de referir algumas atividades que surgem como comemoração de algumas datas

Leia mais

Escola: AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS

Escola: AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS e Comunicação Formação Pessoal e Social Escola: AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS Nome: Idade: 4 anos Sala: Educação pré-escolar Ano letivo / 1º período Assiduidade Presenças: Faltas: Sabe o seu nome e idade.

Leia mais

CURSO DE DANÇA MANUAL DO CANDIDATO

CURSO DE DANÇA MANUAL DO CANDIDATO CURSO DE DANÇA MANUAL DO CANDIDATO PROCESSO SELETIVO DE CERTIFICAÇÃO EM HABILIDADES ESPECÍFICAS UFU 2015-1 EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS 02/2015 Composição da Certificação A Certificação de Habilidades Específicas

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 1ºano Curso Acompanhante de Crianças ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

851 Tecnologia de Proteção do Ambiente

851 Tecnologia de Proteção do Ambiente 851 Tecnologia de Proteção do Ambiente Educação Ambiental de Adultos Destinatários Público em geral. Requisitos de acesso 9º ano de escolaridade. Modalidade de Formação Formação Continua. Objetivo Geral

Leia mais

PROJETO: SOU LETRANDO.

PROJETO: SOU LETRANDO. PROJETO: SOU LETRANDO. Acadêmicos: Thainara Lobo e Ailton Ourique Escola Estadual de Ensino Fundamental Dr Mário Vieira Marques (CIEP) São Luiz Gonzaga, 2016 1.TEMA Projeto de Leitura: Sou Letrando. 2.PROBLEMA

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO AOS EMPREGADORES. Caracterização das entidades empregadoras

RESULTADOS DO INQUÉRITO AOS EMPREGADORES. Caracterização das entidades empregadoras Aplicado em junho de 06. Caracterização das entidades empregadoras Caracterização das entidades empregadoras Fundação/Instituição/Associação cultural sem fins lucrativos 8 Cooperativa cultural Companhia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE LETRAS E ARTES ESCOLA DE TEATRO BACHARELADO EM ATUAÇÃO CÊNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE LETRAS E ARTES ESCOLA DE TEATRO BACHARELADO EM ATUAÇÃO CÊNICA 1 MAPA DE EQUIVALÊNCIAS ENTRE AS S PERÍODO AIT0001 Interpretação I AIT0074 Atuação Cênica I AIT0008 AEM0032 ATT0046 ATT0020 AEM0007 ADR0031 ADR0001 Expressão Corporal I Música e Ritmo Cênico I Fundamentos

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS OLIVIA EVANGELISTA BENEVIDES THIANE ARAUJO COSTA TRABALHANDO A MATEMÁTICA DE FORMA DIFERENCIADA A

Leia mais

Projeto Referencial Aprender com a Biblioteca Escolar. Agrupamento de Escolas de Arganil Escola Básica 1 de Arganil Turma 3º A

Projeto Referencial Aprender com a Biblioteca Escolar. Agrupamento de Escolas de Arganil Escola Básica 1 de Arganil Turma 3º A Projeto Referencial Aprender com a Biblioteca Escolar Agrupamento de Escolas de Arganil Escola Básica 1 de Arganil Turma 3º A Área de Trabalho: Literacia de Informação Atividades: 7 Dicas para evitar o

Leia mais

Ensino Básico: 1.º CICLO ANO DE ESCOLARIDADE: 4.º

Ensino Básico: 1.º CICLO ANO DE ESCOLARIDADE: 4.º DISCIPLINA: EXPRESSÕES ARTÍSTICAS CÓDIGO DA PROVA: 23 Ensino Básico: 1.º CICLO ANO DE ESCOLARIDADE: 4.º 1. Introdução O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à frequência

Leia mais

Instituto Politécnico da Guarda. Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto. Catarina José Camacho de Caires nº 6509

Instituto Politécnico da Guarda. Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto. Catarina José Camacho de Caires nº 6509 Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto Didáctica da Expressões Expressão Dramática Plano de sessão Catarina José Camacho de Caires nº 6509 Sessão n.º 25 Idade

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALE DE MILHAÇOS CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DE PORTUGUÊS DO 1.º CICLO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALE DE MILHAÇOS CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DE PORTUGUÊS DO 1.º CICLO CRITÉRIOS GERAIS DE DE PORTUGUÊS DO 1.º CICLO ORALIDADE Respeitar regras da interação discursiva; Escutar discursos para aprender e construir conhecimentos; Utilizar técnicas para registar e reter a informação.

Leia mais

Currículo. Identificação de Aprendizagens Essenciais. 25/10/ Lisboa

Currículo. Identificação de Aprendizagens Essenciais. 25/10/ Lisboa Currículo Identificação de Aprendizagens Essenciais 25/10/2016 - Lisboa Enquadramento 12 anos da escolaridade obrigatória Características dos documentos curriculares Resultados do inquérito nacional aos

Leia mais

CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO DO ISCE DE FELGUEIRAS

CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO DO ISCE DE FELGUEIRAS - CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO DO ISCE DE FELGUEIRAS REGULAMENTO PROJETO E SEMINÁRIOS DE INVESTIGAÇÃO O Conselho Técnico-Científico do ISCE Douro, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou,

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

01 - Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas do quotidiano;

01 - Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas do quotidiano; COLÉGIO TERESIANO DE BRAGA PLANIFICAÇÃO ANUAL - EDUCAÇÃO VISUAL E TECNOLÓGICA COMPETÊNCIAS GERAIS 01 - Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar

Leia mais

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA. Alda Amaro Dr. João Paulo Trigueiros Expressões Artes Visuais (600)

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA. Alda Amaro Dr. João Paulo Trigueiros Expressões Artes Visuais (600) Direcção Regional de Educação do Centro AULA ASSISTIDA Nº 16 PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA EM ARTES VISUAIS ANO LECTIVO 2011/2012 PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA IDENTIFICAÇÃO PROFESSOR ESTAGIÁRIO

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Ação n.º 28/2010

Relatório Final de Avaliação. Ação n.º 28/2010 Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Ação n.º 28/2010 Competências Digitais (Nível 1) Curso C Agrupamento de Escolas Duarte

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO MUSICAL - 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO MUSICAL - 6.º ANO DE EDUCAÇÃO MUSICAL - 6.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO PERFIL DO ALUNO ATINGIR NO FINAL DE CICLO O aluno canta a solo e em grupo, com intencionalidade expressiva, canções em diferentes tonalidades

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina DAN261 Folclore e Danças Brasileiras III

Programa Analítico de Disciplina DAN261 Folclore e Danças Brasileiras III Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Artes e Humanidades - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES EDUCAÇÃO MUSICAL PLANIFICAÇÃO ANUAL 6º ANO 2016/2017 Metas Conceitos Conteúdos Objetivos Avaliação

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO AOS EMPREGADORES. Caracterização das entidades empregadoras

RESULTADOS DO INQUÉRITO AOS EMPREGADORES. Caracterização das entidades empregadoras Aplicado em maio de 0 Total de respondentes: entidades (num universo de 06 convidadas a responder). Caracterização das entidades empregadoras Caracterização das entidades empregadoras Fundação/Instituição/Associação

Leia mais

Nome do Aluno: Data de Nascimento: / / EA EM APRENDIZAGEM S - SIM NO NÃO OBSERVADO N - NÃO. 1. Área de Formação Pessoal e Social

Nome do Aluno: Data de Nascimento: / / EA EM APRENDIZAGEM S - SIM NO NÃO OBSERVADO N - NÃO. 1. Área de Formação Pessoal e Social 4 Anos Nome do Aluno: Data de Nascimento: / / Momentos de Avaliação A Educadora de Infância O Encarregado de Educação 1º Período / / 2º Período / / 3º Período / / Código de Avaliação S - SIM N - NÃO EA

Leia mais

CÓD ANO LETIVO 2015/2016. Introdução. curricular vertical, nas disciplinas de Educação Visual, Educação Tecnológica (2.

CÓD ANO LETIVO 2015/2016. Introdução. curricular vertical, nas disciplinas de Educação Visual, Educação Tecnológica (2. AGRUPAMENTO ESCOLAS DE ABAÇÃO CÓD. 152924 ANO LETIVO 2015/2016 Educação Visual (2º Ciclo) Educação Tecnológica (2ºCiclo) Educação Visual (3º Ciclo) Educação Tecnológica (3º Ciclo) Introdução Este documento

Leia mais

Perspectivas Musicais na Educação Infantil. Edmar Brasil Ferreira ParalaPracá

Perspectivas Musicais na Educação Infantil. Edmar Brasil Ferreira ParalaPracá Perspectivas Musicais na Educação Infantil Edmar Brasil Ferreira ParalaPracá - 2011 Ementa Reflexão sobre a produção sonora contemporânea e suas implicações para o viver em sociedade. Apresentação das

Leia mais