DESCRITIVO TÉCNICO SEGURANÇA DO TRABALHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESCRITIVO TÉCNICO SEGURANÇA DO TRABALHO"

Transcrição

1 DESCRITIVO TÉCNICO SEGURANÇA DO TRABALHO 44

2 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com a Constituição, os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta ocupação na Competição. O Descritivo Técnico consiste no seguinte: 1. INTRODUÇÃO COMPETÊNCIAS E ESCOPO DO TRABALHO O PROJETO TESTE GERENCIAMENTO E COMUNICAÇÕES DA OCUPAÇÃO AVALIAÇÃO EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA ESPECÍFICAS DA OCUPAÇÃO MATERIAIS E EQUIPAMENTOS José Luis Gonçalves Leitão Presidente do Comitê Técnico Data: 11/4/2012 Descritivo Técnico 1 de 13

3 1. INTRODUÇÃO 1.1 Nome e descrição da ocupação O nome da ocupação é Segurança do Trabalho Descrição da ocupação O Técnico em Segurança do Trabalho é responsável por ações de Prevenção, Proteção e Educação do trabalhador em seus ambientes de trabalho, conscientizando trabalhadores para prevenção de doenças e acidentes de trabalho, aplicando procedimentos técnicos e operacionais com base nas normas, legislação vigente e bom senso, atuando preventivamente em situações de risco e interagindo com as diversas áreas da empresa, na execução das políticas de gestão em segurança do trabalho. 1.2 Escopo da aplicação Todos Especialistas e Competidores deverão conhecer este Descritivo Técnico Em caso de divergência entre as línguas em que são publicados os Descritivos Técnicos, prevalecerá a versão em português Em caso de divergência entre normas de segurança do trabalho nacionais, prevalecerá a que contribui com mais segurança ao trabalhador. Será necessária uma justificativa em relação as normas brasileiras ou de consenso. 1.3 Documentos associados Como este Descritivo Técnico contém apenas informações específicas da ocupação, deverá ser usado em conjunto com os seguintes documentos: RC Regulamento da Competição; RON Recursos on-line conforme indicados neste documento; PSSO Programa de Saúde e Segurança Ocupacional. 2. COMPETÊNCIAS E ESCOPO DO TRABALHO. O escopo do trabalho consiste em uma resolução da situação proposta que está baseada em competências profissionais, conhecimento e domínio técnico da ocupação. 2.1 Especificação das competências É apresentada ao competidor uma situação proposta contemplando elementos necessários para a resolução, dentro de prazos e condições determinadas, exigindo assim uma atitude ativa e um esforço para demonstrar suas competências. Contemplar soluções que atendam aos padrões de qualidade, considerando o tempo previsto e os recursos disponíveis. Elaborar situações para a resolução de problemas, no âmbito da situação proposta. Data: 11/4/2012 Descritivo Técnico 2 de 13

4 Registrar as circunstâncias, contextualizando soluções mediante ao proposto. As seguintes habilidades poderão ser testadas em um ou mais dos módulos presentes na prova: 1. Identificação das características da empresa e do processo de produção: Identificar as características construtivas. Identificar a população usuária das instalações. Identificar o maquinário e ferramental utilizados. Identificar as matérias primas, subprodutos e resíduos. Identificar o processo de produção. Identificar áreas de apoio e bem estar. 2. Executar os procedimentos de segurança do trabalho, em conformidade com as normas vigentes: Inspecionar locais, instalações e equipamentos da empresa, observando as condições de trabalho, para determinar fatores e riscos de acidentes. Identificar e analisar qualitativamente os riscos (Físico, Químico, Biológico, Ergonômico e de Acidente) nos ambientes de trabalho. Comunicar os resultados de suas inspeções, elaborando relatórios técnicos. Propor medidas de controle que reduzam, neutralizam ou eliminam os riscos oriundos do processo produtivo. Analisar incidentes (quase acidentes) e acidentes ocorridos. Identificar e especificar EPI e EPC. Definir procedimentos seguros. Organizar documentação específica de segurança do trabalho. Implantar programas de prevenção de acidentes do trabalho. 3. Executar os procedimentos de higiene ocupacional, em conformidade com as normas vigentes: Avaliar de forma quantitativa os riscos presentes nos ambientes de trabalho. Ler e interpretar os resultados obtidos das avaliações quantitativas. Apresentar parecer técnico conclusivo acerca dos riscos avaliados. Analisar casos ou suspeitas de doenças ocupacionais. Definir procedimentos seguros. Organizar documentação específica de segurança do trabalho. 4. Executar os procedimentos técnicos para melhoria das condições de trabalho (redução do estresse, desconforto físico ou psicológico): Analisar queixas dos trabalhadores. Elaborar programas de melhoria das condições de trabalho. Monitorar a implantação de melhorias das condições de trabalho. 5. Atuar preventivamente e em situações de risco, a fim de proteger vidas, o patrimônio da empresa e o meio ambiente. Inspecionar os postos de combate a incêndios, para certificar-se de suas perfeitas condições de funcionamento e sinalização; Criar equipe de atendimento a emergências. Elaborar plano de emergência Data: 11/4/2012 Descritivo Técnico 3 de 13

5 Prestar atendimento de emergência Manter as condições de uso dos sistemas de emergência. Avaliar o impacto das atividades da empresa na vizinhança e comunidade. 6. Promover ações educativas em questões relativas à segurança do trabalho, saúde ocupacional e meio ambiente: Elaborar material de apoio à conscientização para prevenção de doenças e acidentes do trabalho. Realizar palestras, cursos, seminários e campanhas para funcionários, fornecedores e visitantes. Elaborar planos de treinamento. Realizar trabalhos em equipe, correlacionando conhecimentos de várias áreas de trabalho. 7. Executar políticas de gestão e saúde do trabalho, de forma integrada com as demais áreas da empresa: Organizar serviço especializado em engenharia de segurança e medicina do trabalho (SESMT). Organizar a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA). Organizar a documentação de saúde e segurança do trabalho. Elaborar plano de segurança do trabalho. Verificar o cumprimento (conformidade) das ações de Higiene e Segurança do Trabalho. Aplicar critérios estatísticos. 8. Embora as seguintes competências não sejam objeto de avaliação direta, o Competidor necessitará delas: Possuir conhecimento suficiente de operação de computadores que lhe possibilite o uso e controle de arquivos e programas. Usar impressoras. 2.2 Conhecimento teórico Conhecimento teórico é requerido, avaliado nas habilidades intelectuais (HI) e mobilizado no desenvolvimento na prática do Projeto Teste. Conhecimento das Normas Regulamentadoras do MTE. Normas de Higiene Ocupacional da FUNDACENTRO. Recomendações Técnicas FUNDACENTRO. Normas ABNT. Normas e Procedimentos de áreas específicas. Interpretação e execução de desenhos, esboços e diagramas. Conhecimento de processos. Conhecimento da OHSAS. Conhecimento dos Limites de Tolerância ACGIH e procedimentos NIOSH O conhecimento de regras e normas é essencial para a ocupação. Serão avaliados no cumprimento das competências. Data: 11/4/2012 Descritivo Técnico 4 de 13

6 2.3 Trabalho prático. As tarefas práticas serão realizadas em ambientes com situação real de trabalho. Qualquer informação necessária para o desempenho das atividades será fornecida ao competidor na forma de memorial descritivo, desenhos, leiaute das instalações, definição do número de funcionários por sexo e por turno, listagem de máquinas e ferramental, manuais e catálogos técnicos dos principais equipamentos. A partir das características da empresa o competidor deverá estabelecer um sistema de segurança do trabalho de acordo com a situação proposta no projeto teste. A coleta de informações vai exigir conhecimento, leitura e interpretação das normas inerentes à segurança do trabalho. Informações adicionais poderão ser obtidas dos manuais e catálogos técnicos. 3. O PROJETO TESTE. O Projeto Teste consiste em trabalho prático contemplando os aspectos teóricos inerentes à ocupação. 3.1 Formato/estrutura do Projeto Teste. O projeto teste será composto de 04 (quatro) módulos independentes. 3.2 Exigências na criação do Projeto Teste. Módulo 01 Avaliação de Proficiência. O módulo precisa ter inserido as seguintes operações: Esta avaliação deverá conter de 30 (trinta) a 40 (quarenta) questões objetivas com no máximo 05 (cinco) alternativas de respostas (com ou sem justificativa). Tais questões serão inerentes às normas regulamentadoras da Portaria 3214/78 do MTE e devem ser contextualizadas e desenvolvidas na forma de situação problema. Apresentação da Avaliação: Formato Papel em branco, formato A4 (21 x 29,7 cm). Fonte Arial e tamanho 11 (onze). Espaçamento Espaço entrelinhas do texto de 1,5 cm. Tempo permitido: 3 Horas (para a realização deste módulo). Módulo 02 Reconhecimento e Avaliação dos Riscos. Planejamento: 1,5 Horas Reconhecimento dos Riscos O módulo precisa ter inserido as seguintes operações: Criação de formulário para coleta de dados. Realização de inspeção de segurança, contemplando o levantamento qualitativo dos riscos físicos, químicos, biológicos, ergonômicos e de acidentes, bem como suas fontes geradoras. Descrição dos ambientes e postos de trabalho. Data: 11/4/2012 Descritivo Técnico 5 de 13

7 Levantamento das situações errôneas inerentes à segurança trabalho. Avaliação dos Riscos O módulo precisa ter inserido as seguintes operações: Selecionar instrumentos de avaliação, nos casos aplicáveis. Avaliação quantitativa dos riscos levantados durante a inspeção, seguindo parâmetros técnicos previstos em normas específicas. (NR 15, Normas de Higiene Ocupacional NHO da FUNDACENTRO, ACGIH, NIOSH, ABNT). Criar formulário próprio para coleta de dados durante a avaliação. Apresentação da Avaliação: Formato Papel em branco, formato A4 (21 x 29,7 cm). Fonte Arial e tamanho 11 (onze). Espaçamento Espaço entrelinhas do texto de 1,5 cm. Tempo permitido: 4,5 Horas (para a realização deste módulo). Módulo 03 Gestão em segurança do trabalho. Planejamento: 1 Hora O módulo precisa ter inserido as seguintes operações: Documento contemplando todas as etapas de antecipação, reconhecimento, avaliação e possíveis medidas de controle aos riscos e condições errôneas evidenciadas durante a inspeção técnica. Demonstrar os aspectos de conforto e higiene a serem atendidos. Identificar procedimentos para avaliar os riscos. Identificar procedimentos de controle dos riscos. Pareceres técnicos conclusivos inerentes às avaliações qualitativas e quantitativas. (apresentar o memorial de cálculo para avaliações quantitativas). Apresentação da Avaliação: Formato Papel em branco, formato A4 (21 x 29,7 cm). Fonte Arial e tamanho 11 (onze). Espaçamento Espaço entrelinhas do texto de 1,5 cm. Tempo permitido: 5 Horas (para a realização deste módulo). Módulo 04 Ações educativas. O módulo precisa ter inserido as seguintes operações: Estabelecer um programa, de conscientização e treinamento, adequado às ocupações escolhidas e aos riscos, antecipados, reconhecidos e avaliados. Elaborar material de apoio à conscientização para prevenção de doenças e acidentes do trabalho. Elaborar planos de treinamento. Preparar e realizar uma apresentação utilizando o PowerPoint. Data: 11/4/2012 Descritivo Técnico 6 de 13

8 Apresentação da Avaliação: Formato Papel em branco, formato A4 (21 x 29,7 cm). Fonte Arial e tamanho 11 (onze). Espaçamento Espaço entrelinhas do texto de 1,5 cm. Tempo permitido para apresentação: No máximo 10 minutos. Tempo permitido: 5 Horas (para a realização deste módulo). Formato de saída: Tabelas e documentos impressos por impressoras a laser em papel tamanho A4. Durante a Competição, a cada competidor não será permitida mais que 2 impressões de verificação de cada documento. A impressão final terá lugar ao fim de cada dia. 3.3 Desenvolvimento do Projeto Teste. O Projeto Teste proposto deve ser preparado com os modelos fornecidos pela Olimpíada do Conhecimento (www.amaricaskills.org). O software usado para textos será o Word, e para desenhos serão utilizados arquivos com extensões *.DWG. Os desenhos deverão ser disponibilizados nos formatos ISO-E. Os desenhos deverão ser produzidos com software da Autodesk Inventor. Os textos estarão disponíveis em português, e quando necessário, serão também disponibilizados em inglês e espanhol. Os módulos devem incluir: O texto do módulo; Os dados para o Competidor; A escala de pontuação para os Formulários de Avaliação Subjetiva e Objetiva, e Formulários de Resumo da Avaliação; Atenção em especial será dada ao tempo necessário para a correção do módulo; Um resumo do esquema de Avaliação para Competidores Quem desenvolve o Projeto Teste/módulos. O Avaliador líder receberá no fórum da competição os projetos testes elaborados pelos avaliadores de cada estado participante da competição. Cada Avaliador desenvolve um projeto teste e este será analisado e se estiver de acordo com o descritivo técnico será selecionado para a votação no site da através do fórum Como e onde o Projeto Teste/módulos é desenvolvido. O projeto teste é desenvolvido independentemente pelos Avaliadores da Ocupação Quando o Projeto Teste é desenvolvido. O projeto teste é desenvolvido Três meses antes da competição e apresentado com alterações para seleção. 3.4 Avaliação do Projeto Teste. Cada projeto teste / módulo alterado deverá ser acompanhado de proposta de Avaliação baseada nos critérios definidos na Seção 5. Data: 11/4/2012 Descritivo Técnico 7 de 13

9 3.4.1 A proposta de avaliação será desenvolvida pela(s) pessoa(s) que realizar (em) o projeto teste / módulo. A Avaliação é detalhada, desenvolvida e aprovada pelos Avaliadores da ocupação A Avaliação deverá ser registrada no SIAC (Sistema Integrado de Avaliação da Competição) antes da Competição. 3.5 Validação do Projeto Teste. Os projetos testes que estiverem de acordo com os preceitos estabelecidos neste descritivo serão postados no site da para que possam ser escolhidos através de votação pelos avaliadores desta ocupação. As características a serem verificadas pelo avaliador líder para a aprovação do projeto teste são: Certifique-se de que todos os documentos estejam presentes; Verifique se o Projeto Teste está conforme com os critérios de criação; Assegure-se que o Projeto Teste pode ser finalizado dentro do tempo prescrito; Assegure-se que os aspectos de avaliação propostos estão adequados; Se após a verificação for constatado que a proposta do projeto está incompleta ou não praticável, esta será descartada e substituída por outra proposta. 3.6 Seleção de Alteração do Projeto Teste. A seleção do Projeto Teste será por voto secreto dos Avaliadores, antes da Competição. Somente será permitido o voto dos Avaliadores que tenham proposto projeto teste / módulo. O projeto teste / módulo será apresentado / selecionado pelos avaliadores a partir dos desenhos e modelos físicos por eles trazidos. 3.7 Veiculação do Projeto Teste. O Projeto Teste é veiculado três meses antes da competição. 3.8 Coordenação do Projeto Teste (preparação para a Competição). A coordenação do Projeto Teste estará a cargo do Avaliador Líder e da Olimpíada do Conhecimento. 4. GERENCIAMENTO E COMUNICAÇÕES DA OCUPAÇÃO. 4.1 Fórum de Discussões. Antes da Competição, todas as discussões, comunicação, colaboração e tomadas de decisões relativas à ocupação deverão ocorrer no Fórum de Discussões específico da ocupação. Todas as decisões e comunicação relativas à ocupação só terão validade se ocorridas no fórum. O Avaliador Líder (ou Avaliador por este nomeado) será o moderador nesse fórum. Consulte o Regulamento da Competição, para cronograma de comunicação e exigências no desenvolvimento da competição. 4.2 Informações ao Competidor. Toda informação aos Competidores estará disponível no site da (www.senai.br/olimpiada). Essas informações incluem: Regulamento da Competição; Data: 11/4/2012 Descritivo Técnico 8 de 13

10 Descritivos Técnicos; Outras informações relativas à Competição. 4.3 Projetos de Teste. Projetos de Teste veiculados estarão disponíveis em (www.senai.br/olimpiada). 4.4 Gerenciamento diário. As atividades diárias dos avaliadores da ocupação serão definidas pelo Avaliador Líder e apresentada em forma de cronograma no início da competição. 5. AVALIAÇÃO. A avaliação está baseada em competências e utiliza como instrumentos de avaliação Situação Proposta que contemplam, de forma global, integrada e contínua, as etapas de planejamento, de processo de execução e de Produto, incluindo a avaliação das Qualidades Pessoais (Habilidades Intelectuais e Atitudes). Esta seção descreve o modo pelo qual os Avaliadores irão avaliar o Projeto Teste/módulos. Também define os critérios de avaliação, procedimentos e exigências na pontuação. 5.1 Critérios de avaliação. Esta seção define os critérios de avaliação e o número de pontos (subjetivos e objetivos). O total de pontos para todos os critérios deve ser de 100 pontos. A avaliação da ocupação Segurança do Trabalho abrange, de forma global, integrada e contínua, as etapas de planejamento, processo de execução e produto, incluindo a avaliação das qualidades pessoais, com os seguintes percentuais: Etapas Percentuais Planejamento 25% Processo de Execução 35% Produto 40% Planejamento: 25% Nesta etapa, o competidor deverá registrar, em formulário próprio, o seu planejamento, em função das solicitações apresentadas na Situação Proposta, quando serão avaliadas as seguintes Qualidades Pessoais: Qualidades Pessoais Avaliadas - Planejamento Capacidade de planejamento Tomada de decisão Relacionamento interpessoal e transmissão de conhecimentos Processo de Execução 35% Ao concluir o Planejamento, o competidor deverá entregá-lo a vocês, Avaliadores, que deverão reproduzi-lo e devolvê-lo ao competidor para que possa ser utilizado durante o Processo de Execução. Data: 11/4/2012 Descritivo Técnico 9 de 13

11 Na etapa de Processo de Execução, o competidor deverá se orientar pela situação proposta apresentada. Nesta etapa são avaliadas as seguintes Qualidades Pessoais: Qualidades Pessoais Avaliadas - Processo de Execução Consciência de Segurança Postura Profissional Auto controle Motivação Produto / Serviço 40% Ao concluir o Processo de Execução, o competidor deverá apresentar o seu produto / serviço aos Avaliadores. Seção Critério Pontos Subjetivo Objetivo Total A B C D Módulo 01 Avaliação de proficiência 5 5 Módulo 02 Reconhecimento e avaliação dos riscos Planejamento Processo de execução Módulo 03 Gestão em segurança Planejamento Processo de execução Módulo 04 Ações educativas 5 5 TOTAL Seção Critério Pontos Subjetivo Objetivo Total A Planejamento B Processo de execução C Avaliação de proficiência 5 5 D Reconhecimento e avaliação dos riscos E Gestão em segurança F Ações educativas 5 5 TOTAL Data: 11/4/2012 Descritivo Técnico 10 de 13

12 5.2 Pontuação subjetiva. Pontos serão atribuídos em escala de 1 a 10, ou escreva N/A Perfeito = 10 pontos; Muito bom = 9 pontos; Bom = 8 pontos; Razoavelmente bom = 7 pontos; Suficiente = 6 pontos; Médio = 5 pontos; Pobre = 4 pontos; Insuficiente = 3 pontos; Muito ruim = 2 pontos; Não pode ser avaliado = 1 ponto. Para cada item das etapas de Planejamento e Processo de Execução o desempenho será avaliado com base em pontuação, conforme os critérios de avaliação apresentados na tabela a seguir: Pontuação Critérios de Avaliação O competidor demonstrou comportamento adequado no desenvolvimento do trabalho, obtendo os resultados esperados. O competidor demonstrou comportamento não adequado no desenvolvimento do trabalho, sem comprometer o resultado. O competidor demonstrou comportamento não adequado no desenvolvimento do trabalho, comprometendo parcialmente o resultado. O competidor demonstrou comportamento não adequado no desenvolvimento do trabalho, comprometendo totalmente o resultado. 5.3 Especificações de avaliação da ocupação. Os sub-critérios de cada módulo serão elaborados pelos avaliadores designados pelo Avaliador Líder, respeitando os itens 3.2 e 5.1 (tabela com os pesos de cada critério) deste descritivo. 5.4 Procedimentos de avaliação da ocupação. Durante a avaliação dos módulos será permitido a impressão somente de 02 cópias dos formulários de avaliação. A Avaliador Líder fará a divisão dos Avaliadores em 4 grupos. Nesta divisão dos grupos o Avaliador Líder deverá manter pelo menos um Avaliador com experiência em competição anterior em cada grupo. Cada Avaliador irá avaliar o mesmo critério para todos os competidores naquele módulo. No final de cada dia será inserido a avaliação de cada competidor no SIAC. 6. EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA ESPECÍFICAS DA OCUPAÇÃO. Consulte a documentação de Saúde Ocupacional e Segurança do país-sede para normas. Postura no uso do mobiliário e instrumentos. Posicionamento dos equipamentos Uso da iluminação Data: 11/4/2012 Descritivo Técnico 11 de 13

13 Uso do espaço físico Organização do espaço físico. As exigências gerais de segurança estão no regulamento de segurança do trabalho, mas é importante lembrar que para a ocupação segurança, existem os riscos ergonômicos (principalmente de postura durante a atividade) e de acidentes, devido ao aspecto organizacional, por exemplo, gavetas abertas, e objetos espalhados pelo chão. 7. MATERIAIS E EQUIPAMENTOS. 7.1 Documento de Infraestrutura. O documento detalha todos os equipamentos, materiais e instalações que serão fornecidos pelo organizador. Encontra-se online (www.senai.br/olimpiada). O documento de infra-estrutura detalha os itens e quantidades solicitados pelos Avaliadores para a Competição. O Avaliador Líder, progressivamente, atualizará o documento de infra-estrutura, especificando quantidade, tipo e marca/modelo dos itens. A cada Competição, os Avaliadores deverão revisar e atualizar o documento de infra-estrutura em preparação para o próximo evento. O documento de infra-estrutura não inclui itens que os Competidores e/ou Avaliadores devam trazer. A versão dos softwares a ser utilizados será fornecida pelo Avaliador Líder 03 meses antes da Competição. 7.2 Materiais, equipamentos e ferramentas de responsabilidade dos participantes. Coletânea das Normas Regulamentadoras. Recomendações Técnicas do Ministério do Trabalho. Norma de Higiene Ocupacional FUNDACENTRO. Manuais técnicos. Normas da ABNT. Normas estrangeiras e internacionais OHSAS, NIOSH, ACGIH. Instrumentos autorizados. Teclado pessoal e mouse (inclusive drivers), se diferentes daqueles fornecidos pelo paíssede. O Space Mouse será permitido se a marca for aprovada pelos Avaliadores no Fórum de Discussões. Câmera fotográfica. Data: 11/4/2012 Descritivo Técnico 12 de 13

14 7.3 Materiais, equipamentos e ferramentas trazidos pelos Avaliadores. Não aplicável. 7.4 Materiais e equipamentos proibidos na área da ocupação. Todo material e equipamento trazido por Competidores terá que ser apresentado aos Avaliadores. O Avaliador Líder desclassificará quaisquer itens que possam ser considerados inadequados, ferramentas, equipamentos relacionados a ocupação, que possam dar ao Competidor vantagem desonesta. 7.5 Amostra de diagramas de oficina e estação de trabalho. Leiaute de oficina e estação de trabalho está disponível em Leiaute de oficina; Data: 11/4/2012 Descritivo Técnico 13 de 13

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

Confecção de Roupas DESCRITIVO TÉCNICO

Confecção de Roupas DESCRITIVO TÉCNICO 30 Confecção de Roupas DESCRITIVO TÉCNICO A AmericaSkills, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com a Constituição, os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem

Leia mais

Mecânica de Refrigeração DESCRITIVO TÉCNICO

Mecânica de Refrigeração DESCRITIVO TÉCNICO 38 Mecânica de Refrigeração DESCRITIVO TÉCNICO A AmericaSkills, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO DESIGN GRÁFICO

DESCRITIVO TÉCNICO DESIGN GRÁFICO DESCRITIVO TÉCNICO DESIGN GRÁFICO 40 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta ocupação na Competição.

Leia mais

Design Gráfico DESCRITIVO TÉCNICO

Design Gráfico DESCRITIVO TÉCNICO 40 Design Gráfico DESCRITIVO TÉCNICO A AmericaSkills, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

Tecnologia da Informação DESCRITIVO TÉCNICO

Tecnologia da Informação DESCRITIVO TÉCNICO 09 Tecnologia da Informação DESCRITIVO TÉCNICO A AmericaSkills, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO CONFEITARIA

DESCRITIVO TÉCNICO CONFEITARIA DESCRITIVO TÉCNICO CONFEITARIA 32 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta ocupação na Competição

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO TECNOLOGIA DA (CEGOS)

DESCRITIVO TÉCNICO TECNOLOGIA DA (CEGOS) DESCRITIVO TÉCNICO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (CEGOS) P4 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro 2005

DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro 2005 OCUPAÇÃO 0 5 DESCRITIVO TÉCNICO MECÂNICO - CAD DESENHO Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro 2005 A Comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina,

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

MARATONA DO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO DESCRITIVO TÉCNICO DA OCUPAÇÃO DE: GESTÃO HOSPITALAR

MARATONA DO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO DESCRITIVO TÉCNICO DA OCUPAÇÃO DE: GESTÃO HOSPITALAR MARATONA DO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO DESCRITIVO TÉCNICO DA OCUPAÇÃO DE: GESTÃO HOSPITALAR 2015/2016 1. INTRODUÇÃO Nome da Ocupação: Tecnologia em Gestão Hospitalar Descrição da ocupação: O tecnólogo em

Leia mais

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS Impresso em 26/08/2015 10:31:18 (Sem título Aprovado ' Elaborado por Daniel Trindade/BRA/VERITAS em 01/11/2013 Verificado por Cintia Kikuchi em 04/11/2013 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Eletricidade Industrial DESCRITIVO TÉCNICO

Eletricidade Industrial DESCRITIVO TÉCNICO 19 Eletricidade Industrial DESCRITIVO TÉCNICO A AmericaSkills, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante

Leia mais

Titulação: Especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho PLANO DE CURSO

Titulação: Especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho PLANO DE CURSO C U R S O D E E N G E N H A R I A D E P R O D U Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 Componente Curricular: Higiene e Segurança do Trabalho Código: Pré-requisito:

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Documento que aponta e descreve ações a relativas ao manejo dos resíduos sólidos, s observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Professor GILBERTO MARTIN

Plano de Trabalho Docente 2013. Professor GILBERTO MARTIN 1 Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código:059 Município:CASA BRANCA - SP Área Profissional: SAÚDE, AMBIENTE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: TÉCNICO

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Qualificação: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Qualificação: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código:059 Município: CASA BRANCA Área Profissional: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: TÉCNICO EM SEGURANÇA

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 PROERGO julho/2010 Pág. 1/7. I N D I C E 1. - APRESENTAÇÃO 2. - OBJETIVO 3. - INTRODUÇÃO 4. - EMPRESA BENEFICIADA 5. - CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013 NATAL/RN NOV/2013 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RSS Documento que aponta e descreve ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos nos estabelecimentos assistenciais de saúde Considerando as Características

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Segurança do Trabalho

Segurança do Trabalho Segurança do Trabalho CEUNES / UFES Prof. Manuel Jarufe Introdução à Segurança do Trabalho O que é a função Segurança do Trabalho? Segurança do trabalho pode ser entendida como os conjuntos de medidas

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

PLANO BÁSICO AMBIENTAL

PLANO BÁSICO AMBIENTAL ESTALEIRO ENSEADA 1/9 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE DOCUMENTOS 1. Objetivo Este procedimento define o processo de elaboração, revisão, aprovação, divulgação e controle de documentos do Estaleiro Enseada

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO Norma N-134.0002 Estabelece as diretrizes da política de segurança e saúde do trabalho na Celesc, definindo

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MAIA, Lívia Cândida 1 ; RODRIGUES, Adonay; BARBOSA, Beatriz Ribeiro Kherlakian; RESENDE, Vitor Nascimento; PORTO, Adriel Cruvinel, SANTOS, Kaio Guilherme

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO TI - SOLUÇÕES DE SOFTWARES

DESCRITIVO TÉCNICO TI - SOLUÇÕES DE SOFTWARES DESCRITIVO TÉCNICO TI - SOLUÇÕES DE SOFTWARES 09 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 Aprova as Normas Regulamentadoras - NR - do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA 2/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. CONDIÇÕES GERAIS... 3 2.1. Campo de Aplicação... 3 2.2. Responsabilidades... 3 2.2.1. Diretor do Projeto... 3 2.2.2. Diretor de Construção... 3 2.2.3. Demais Diretores e

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL É proibida a reprodução total ou parcial deste documento por quaisquer meios

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

Serviço Especializado de Segurança e Medicina do Trabalho

Serviço Especializado de Segurança e Medicina do Trabalho Serviço Especializado de Segurança e Medicina do Trabalho Sumário Abreviaturas...3 Resumo...4 Introdução...5 Cronograma dos processos...5 Análise crítica...8 Proposta de melhoria...9 Anexos...10 1 Abreviaturas

Leia mais

Aula Anterior. Capítulo 2

Aula Anterior. Capítulo 2 Capítulo 2 Clique Ciclo para de Vida editar e o estilo do Organização título do mestre Projeto O Ciclo de vida do projeto Características do ciclo de vida do projeto Relações entre o ciclo de vida do projeto

Leia mais

CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Disciplina: Segurança do Trabalho Alunos: Douglas Jeronymo Serra João Longo Profᵃ. Elizabeth Cox História da CIPA A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Aline Barbosa Pinheiro Prof. Andréia Alexandre Hertzberg Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Graduação Tecnológica

Leia mais

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013.

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013. LO N : 0019/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE 1 OBJETIVO... 1 2 CONCEITOS... 3 3 DIRETRIZES... 3 4 RESPOSABILIDADES... 5 5 DISPOSIÇÕES GERAIS... 5 2 1 OBJETIVO

Leia mais

CPC - COMITÊ PERMANENTE DE CERTIFICAÇÃO EDITAL PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO 2015

CPC - COMITÊ PERMANENTE DE CERTIFICAÇÃO EDITAL PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO 2015 EDITAL PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO 2015 Certificação de Higienistas Ocupacionais (HOC) e de Técnicos Higienistas Ocupacionais (THOC) por Prova de Títulos e Prova de Conhecimentos I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Anexo 8 da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base [informe a unidade/complexo] Anexo 1 do PGS-3209-46-63 Data - 07/10/2013 Análise Global: - [informe o número e data da análise] p. 1/27 Sumário

Leia mais

Implantação do Programa de vigilância à saúde dos trabalhadores do HGRS.

Implantação do Programa de vigilância à saúde dos trabalhadores do HGRS. Curso de Atualização Semipresencial Gestão das Condições De Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde 1. TÍTULO Implantação do Programa de vigilância à saúde dos trabalhadores do HGRS. Daniele da Silva

Leia mais

NR 35 Trabalho em Altura

NR 35 Trabalho em Altura Professor Flávio Nunes NR 35 Trabalho em Altura CLT: Art.200 www.econcursando.com.br 1 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para

Leia mais

Atestado de Conformidade NR 12

Atestado de Conformidade NR 12 TÜV Rheinland do Brasil TÜV Rheinland é um organismo de certificação, inspeção, gerenciamento de projetos e treinamento, que foi fundada na Alemanha em 1872 com o objetivo de proteger os trabalhadores

Leia mais

Secretaria da Administração

Secretaria da Administração Secretaria da Administração Procedimento para Elaboração de Programas de Segurança para Empresas Contratadas PCMSO / PPRA / PCMAT / ARO Revisão 00 2014 1. Objetivo Estabelecer as exigências mínimas sobre

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3. Procedimento de Gestão OGX PG.SMS.010 Denominação: Controle de Documentos do Sistema de Gestão de SMS SUMÁRIO Este procedimento define a sistemática e os critérios para a elaboração, revisão, aprovação

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

PLANO DE ENSINO CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA- ANO LETIVO: 2003 - SÉRIE: 3º DISCIPLINA: ANUAL - HORAS/AULA SEMANAIS: 2 HORAS - C. HORÁRIA: 68 H.

PLANO DE ENSINO CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA- ANO LETIVO: 2003 - SÉRIE: 3º DISCIPLINA: ANUAL - HORAS/AULA SEMANAIS: 2 HORAS - C. HORÁRIA: 68 H. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ESTRUTURAS E CONSTRUÇÃO CIVIL DIVISÃO DE APOIO

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

PERCEPÇÃO DO GESTOR FRENTE AO USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL SÃO JOÃO DO MANHUAÇU - MG

PERCEPÇÃO DO GESTOR FRENTE AO USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL SÃO JOÃO DO MANHUAÇU - MG CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde PERCEPÇÃO DO GESTOR FRENTE AO USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL SÃO JOÃO DO MANHUAÇU - MG WALACE NACARI

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade 08/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ?

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ? PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES AVALIAÇÃO SASSMAQ (P.COM.26.00) O SASSMAQ é um Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade, elaborado pela Comissão de Transportes da ABIQUIM, dirigido

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Introdução

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Introdução GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Introdução Considerações iniciais Qualidade: Grau de perfeição, de precisão, de conformidade a um certo padrão. É conceito multidimensional, isto é, o cliente avalia a qualidade

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONSULTA PÚBLICA do ANEXO 8 da NR-15 PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES

Leia mais

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL 5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL Instituto Algodão Social Missão Promover aos associados do setor algodoeiro a responsabilidade social empresarial, a cidadania,

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE SEGURANÇA A DO TRABALHO. Raymundo José A. Portelada Engº Op. Civil / Seg. do Trabalho e Meio Ambiente

RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE SEGURANÇA A DO TRABALHO. Raymundo José A. Portelada Engº Op. Civil / Seg. do Trabalho e Meio Ambiente RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE Raymundo José A. Portelada e Meio Ambiente PROFISSIONAIS DE A legislação que estabelece a obrigatoriedade de serviços especializados de Segurança a e Medicina

Leia mais