JULIANA SILVEIRA MACIEL PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM DENTES PERMANENTES NA FAIXA ETÁRIA DE 6 A 12 ANOS NO MUNICÍPIO DE NIOAQUE/MS.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JULIANA SILVEIRA MACIEL PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM DENTES PERMANENTES NA FAIXA ETÁRIA DE 6 A 12 ANOS NO MUNICÍPIO DE NIOAQUE/MS."

Transcrição

1 JULIANA SILVEIRA MACIEL PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM DENTES PERMANENTES NA FAIXA ETÁRIA DE 6 A 12 ANOS NO MUNICÍPIO DE NIOAQUE/MS. CAMPO GRANDE 2011

2 1 JULIANA SILVEIRA MACIEL PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM DENTES PERMANENTES NA FAIXA ETÁRIA DE 6 A 12 ANOS NO MUNICÍPIO DE NIOAQUE/MS. Trabalho apresentado à Universidade Federal de Mato Grosso do Sul como requisito para conclusão do curso de Pós-Graduação (nível de especialização) em Atenção Básica em Saúde da Família. Tutor de Formação: Edílson José Zafalon CAMPO GRANDE 2011

3 2 JULIANA SILVEIRA MACIEL PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM DENTES PERMANENTES NA FAIXA ETÁRIA DE 6 A 12 ANOS NO MUNICÍPIO DE NIOAQUE/MS. Trabalho apresentado à Universidade Federal de Mato Grosso do Sul como requisito para conclusão do Curso de Pós-Graduação (nível de especialização) em Atenção Básica em Saúde da Família. COMISSÃO EXAMINADORA Tutor de Formação Edílson José Zafalon Tutora Especialista Maisse Fernandes de Oliveira Rotta Orientadora de Aprendizagem Jacinta de Fátima Franco Machado Campo Grande, de de.

4 3 Ao meu noivo pela sua compreensão e incentivo para a realização deste trabalho, cuja frase o identifica: A autoconfiança é o primeiro requisito para grandes realizações.

5 4 AGRADECIMENTOS A Deus, nosso Pai Eterno de amor e bondade, que nos ampara e ilumina. Aos meus pais, que sempre me aconselham a lutar e seguir o caminho certo, com amor e carinho. Ao Professor Orientador, Edilson José Zafalon, que me ensinou a ver o que é realmente o PSF, pelo seu apoio.

6 5 RESUMO Na maioria dos municípios brasileiros, a saúde bucal constitui ainda um grande desafio aos princípios do Sistema Único de Saúde. Dentro desse contexto, a cárie dentária ainda se configura em um dos principais problemas a serem equacionados. Apesar da importante redução nos níveis de cárie, é fundamental que esta doença continue sendo monitorada para acompanhar as tendências de sua evolução, assim como a avaliação de seus impactos. Este estudo tem como objetivo verificar a prevalência da doença cárie dentária em escolares, na faixa etária dos 6 aos 12 anos de idade, na cidade de Nioaque (MS), comparando os resultados coletados no âmbito regional e nacional e relacionando à meta proposta pela Organização Mundial de Saúde. Os valores obtidos para o CPO-D foram de 0,24 na idade de 6 anos, de 0,86 na idade de 7 anos, 0,96 na idade de 8 anos, de 0,97 na idade de 9 anos, de 1,1 na idade de 10 anos, de 1,07 na idade 11 anos e de 1,66 na idade de 12 anos. Foi possível observar que o índice CPO-D da cidade de Nioaque - MS se apresenta aquém das metas da OMS e os seus objetivos não foram alcançados. Em comparação aos resultados do âmbito nacional e regional, pôde-se observar que houve uma expressiva redução da prevalência de cárie em crianças de idade escolar, e os fatores apontados como prováveis responsáveis pelo declínio da cárie são a fluoretação das águas de abastecimento público no município e os programas preventivos. Palavras-chaves: Saúde Pública, Saúde Bucal, Programa de Saúde da Família.

7 6 ABSTRACT Oral health, in most cities is still a major challenge to the principles of the Unified Health System. Within this context, tooth decay is still configured in one of the major oral health problems to be solved. Despite the significant reduction in levels of caries, it is essential that this disease continues to be monitored to follow the trends of its evolution, as well as evolution of their impacts. This study aimed to determine the prevalence of dental caries in children aged 6 to 12 years of age in the city of Nioaque (MS) compared with the results colleted at the regional and national level and relate to the goal propused by the World Health Organization. Values of DMFT were 0,24 at the age of 6 years, 0,86 at the age 7 years, 0,96 at the age 8, from 0,97 at the age of 9 years, of 1,1 at the age of 10 years, from 1,07 at the age 11 years and 1,66 at the age of 12 years. It was observed that the DMFT index Nioaque City MS presents itself short of the WHO and its objectives were not achieved. Compared to the results of national and regional levels, we observed that there was as significant reduction of caries prevalence in children of school age and the factors identified as likely responsible for the decrease in dental caries are the fluoridation of public water supplies in the country and the programs preventive. Key words: Public Health, Oral Health Program, Family Health.

8 7 LISTA DE ABREVIATURAS OMS SUS PSF DMFT CPO-D CPO-D ceo-d Organização Mundial da Saúde Sistema Único de Saúde. Programa de Saúde da Família Decayed/Missing/Filled Teeth - Indicador do perfil da saúde bucal, denominado em inglês Indicador do perfil da saúde bucal em português Dentes cariados, perdidos e obturados (dentes permanentes) Dentes cariados, extraídos e obturados (dentes decíduos)

9 8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA OBJETIVO METODOLOGIA RESULTADOS DISCUSSÃO CONCLUSÃO...33 REFERENCIAS...34 ANEXO

10 9 1 INTRODUÇÃO Na maioria dos municípios brasileiros, a saúde bucal constitui ainda um grande desafio aos princípios do Sistema Único de Saúde, principalmente no que se refere à universalização e à equidade do atendimento. Dentro desse contexto, a cárie dentária ainda se configura em um dos principais problemas a serem equacionados. Entretanto, reduções significativas têm sido encontradas na prevalência e na severidade da cárie dentária (GOMES et al., 2004). Mensurar o estado de saúde de uma população é, portanto, uma tarefa complexa, porém necessária, para que sejam feitos diagnósticos e realizadas intervenções, assim como, avaliado o impacto produzido nessa população. Para medir a incidência de cárie, foi criado um método de avaliação, que é aceito por toda a comunidade internacional, como um indicador do perfil da saúde bucal, denominado DMFT, em inglês, ou CPO-D, em português. É um índice recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para medir e comparar a incidência de cárie dentária em populações, em que seu valor expressa a média de dentes cariados, perdidos e obturados (CARVALHO; DOLIVEIRA, 2008; CYPRIANO, SOUSA e WADA, 2005). No Brasil, o primeiro levantamento ocorreu em 1986 pelo Ministério da Saúde e, de lá pra cá, aconteceram mais três experiências em nível nacional (1996, 2000 e 2003) que foram consideradas cercadas de deficiência e dificuldade pela falta de total padronização nos levantamentos de dados (CARVALHO; DOLIVEIRA, 2008). Entretanto, nos últimos anos, tem sido observada uma redução no índice do CPO-D em nível nacional e, principalmente, em localidades socioeconomicamente mais desenvolvidas, provavelmente devido à expansão da fluoretação da água de abastecimento público em algumas regiões, além da disponibilidade de dentifrícios fluoretados no país a partir de Durante décadas, a política de saúde bucal no Brasil foi centrada na prestação de assistência à doença, mas ainda uma grande parcela da população brasileira não tem acesso a cuidados odontológicos. Pela Portaria nº de 28 de dezembro de 2000, o Ministério da Saúde estabelece incentivo financeiro para a reorganização da atenção à saúde bucal dos municípios (BRASIL, 2000).

11 10 Inseriu-se assim, a Odontologia no programa e, consequentemente, a possibilidade de ampliar e reorientar a atenção odontológica no Brasil (OLIVEIRA; SALIBA, 2005).

12 11 2 REVISÃO DE LITERATURA 2.1 A CÁRIE DENTÁRIA A cárie dentária é uma doença infecciosa e transmissível que resulta da colonização da superfície do esmalte por micro-organismos, especialmente os Streptococcus mutans que, metabolizando carboidratos fermantáveis (sacarose, p. ex.), produzem ácidos. Essa acidez localizada, provocada pela disponibilidade de açúcar, leva à dissolução do fosfato de cálcio das camadas superficiais da estrutura de esmalte, liberando fosfato e cálcio para o meio bucal. A partir de um determinado momento essa perda de mineral atinge tal grau que observa-se a formação de uma cavidade (NARVAI, 2000). A cárie dentária é uma doença multifatorial que, para desenvolver-se, necessita da interação em condições críticas de três fatores primários representados pelo hospedeiro portador de dentes susceptíveis, colonização bucal por microorganismos cariogênicos e consumo freqüente de carboidratos fermentáveis (CORTELLI et al., 2004). Nos dias atuais, embora seja uma doença de alta prevalência, seu controle é perfeitamente viável e pode-se almejar sua erradicação, se as ações corretas forem tomadas (LAURIS, 2006). 2.2 O SUS E O PSF Com a implantação do Sistema Único de Saúde (SUS), em 1988, ficam definidos os princípios que devem nortear o novo sistema: a universalidade, a equidade, a descentralização, a hierarquização e a participação comunitária, por meio de controle social, trazendo um grande desafio para a saúde bucal coletiva, que é reformular suas práticas para responder às diretrizes do SUS (OLIVEIRA; SALIBA, 2005). Na maioria dos municípios brasileiros, a saúde bucal constitui ainda um grande desafio aos princípios do Sistema Único de Saúde, principalmente no que se refere à universalização e à equidade do atendimento (SILVA et al., 2009). Em 1994, como estratégia de reestruturação do SUS, foi criado o Programa de Saúde da Família (PSF), mas a Odontologia não foi incluída imediatamente

13 12 neste, visto que sua inclusão só ocorreu 6 anos após, motivada pela situação caótica da saúde bucal da população brasileira, através da assinatura da Portaria de 28/12/2000, pelo Ministro da Saúde José Serra. Essa inclusão visava ao aumento da cobertura de atendimento odontológico no Brasil, através da implantação de ações e serviços de saúde bucal na atenção básica. A saúde brasileira passou por muitas mudanças. A principal foi a criação do Sistema Único de Saúde (SUS), em 1988, com o principal objetivo de corrigir a prática hospitaldependente, que tanto desagradava à população, e possibilitar um acesso mais democrático a ações e serviços de saúde (SILVA, 2010). 2.3 SAÚDE BUCAL PARA TODOS Quando se fala em qualidade de vida da população, a saúde bucal adquire maior importância; assim, é essencial a busca de mecanismos que ampliem o âmbito de suas ações e viabilizem mudanças no perfil epidemiológico brasileiro. A luta pela saúde bucal está diretamente vinculada à melhoria de fatores condicionantes sociais, políticos e econômicos, o que referenda a responsabilidade e dever do Estado em sua execução (OLIVEIRA; SALIBA, 2005). A saúde bucal da população brasileira tem sido pouco analisada ao longo dos anos e o conhecimento desta é de fundamental importância para a elaboração de políticas de saúde (MARTINS et al., 2005). A saúde bucal é um importante integrante da saúde dos indivíduos, proporcionando uma comunicação efetiva, uma alimentação variada e, sobretudo, aumento da qualidade de vida, autoestima e convívio social. Os levantamentos básicos de saúde bucal fornecem uma base importante para estimar o estado atual de saúde bucal de uma população e suas necessidades futuras aos cuidados de saúde bucal, sendo um importante instrumento para o planejamento de ações de promoção de saúde. Além disso, a condição de higiene bucal, e não somente a presença da doença, pode permitir um conhecimento da população no que tange ao controle de placa dentária e à educação em saúde (SILVA et al., 2010).

14 LEVANTAMENTO EPIDEMIOLÓGICO DE SAÚDE BUCAL Os levantamentos epidemiológicos são importantes para o conhecimento da prevalência e tipologia das doenças bucais, podendo, a partir de dados coletados, planejar, executar e avaliar ações de saúde. Para a realização destes levantamentos, o estabelecimento de uniformidade metodológica de critérios e de procedimentos facilita a viabilização de sua reprodução, validade e confiabilidade nas mesmas condições, em qualquer situação ou lugar, por profissionais da área de Saúde Bucal ou Saúde Coletiva. Os examinadores devem estar bem familiarizados com os critérios de diagnóstico utilizados, além de devidamente calibrados e treinados (OLIVEIRA et al., 1998). No Brasil, o primeiro levantamento nacional revelou alta prevalência de cárie em todas as idades, no ano de Entretanto, nos últimos anos, tem sido observada uma redução no índice CPO-D em nível nacional, e principalmente em localidades socioeconomicamente mais desenvolvidas, provavelmente devido à expansão de fluoretação da água de abastecimento público, em algumas regiões, além da disponibilidade de dentifrícios fluoretados no país, a partir de Na região Centro-Oeste, o índice de cárie (CPO-D) aos 12 anos de idade foi igual a 8,5 em 1986 e 5,4 em 1993, apresentando-se acima da média do país (FREIRE et al., 1999). No primeiro estudo epidemiológico de saúde bucal de abrangência nacional, realizado em 1986 pelo Ministério da Saúde, detectou-se que a cárie dentária atingiu um índice CPO-D de 6,7 aos 12 anos de idade, sendo a prevalência superior a 90%. Esta situação era distanciada da meta preconizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para o ano de 2000 (CPO-D aos 12 anos de idade menor ou igual a 3,0). Entretanto, um estudo mais recente (1996) apontou significativa queda da severidade de cárie aos 12 anos no País, apresentando um CPO-D médio de 3,1 e prevalência de 75% (TRAEBERT et al., 2001). Quando os três levantamentos epidemiológicos brasileiros são analisados mais detalhadamente, observa-se uma tendência à polarização na distribuição da doença, isto é, os valores mais altos do CPO-D concentram-se em um reduzido número de indivíduos. Em 1996, um levantamento epidemiológico de saúde bucal (cárie dental), realizado em todas as capitais brasileiras, apontou um CPO-D médio

15 14 de 3,06 aos 12 anos de idade, o qual estava bastante próximo da meta estabelecida para o ano de 2000 pela OMS (CPO-D 3,0 aos 12 anos) (CARDOSO et al., 2003). Houve uma queda expressiva na prevalência da cárie dentária, devido aos múltiplos fatores, entre os quais se identifica a fluoretação das águas de abastecimento público, os dentifrícios fluoretados e os programas preventivos. As metas propostas pela OMS-FDI para o ano de 2010 foram: índice CPO-D aos 12 anos menor que 1 e 90% das crianças de 5 anos de idade livres de cárie (NARVAI, CASTELLANOS e FRAZÃO, 2000; GOMES et al., 2004; CORTELLI et al., 2004). No Brasil, o levantamento epidemiológico em saúde bucal, realizado pelo Ministério da Saúde, em 1986, revelou CPOD (dentes cariados, perdidos e obturados) de 6,65 aos 12 anos de idade; dados que, na época, colocaram o país dentre os que apresentavam as maiores prevalências de cárie do mundo. Em 1996, o CPOD aos 12 anos de idade passou de 6,65 para 3,06, revelando um declínio de 53,9% nos dados médios observados. Esse segundo levantamento epidemiológico, realizado em escolares de 6 a 12 anos de idade, também demonstrou para a dentição permanente uma correlação direta entre aumento do índice CPOD e aumento da idade. Em relação às expectativas mundiais, a Organização Mundial da Saúde havia estipulado como meta para o ano de 2000 um índice CPOD aos 12 anos igual a 3. Embora satisfatório nesse ano, para 2010 a Instituição preconizou CPOD menor que 1 em crianças com idade inferior a 12 anos, estabelecendo também como meta a ausência total de cáries em 90% das crianças entre 5 e 6 anos de idade (NARVAI, CASTELLANOS e FRAZÃO, 2000; GOMES et al., 2004; CORTELLI et al., 2004). Os levantamentos mais recentes com abrangência nacional foram realizados em 1986, 1993 e 1996, e permitiram identificar uma expressiva redução da prevalência de cárie em crianças de idade escolar (MELLO; ANTUNES, 2004). No ano 2000, o Ministério da Saúde iniciou a discussão sobre um amplo projeto de levantamento epidemiológico que avaliasse os principais agravos em diferentes grupos etários e que incluísse tanto a população urbana como a rural. Esse projeto, hoje identificado como SB Brasil (Condições de Saúde Bucal na População Brasileira), teve início em 1999, com a criação do Subcomitê responsável pela elaboração e execução do Projeto. Em 2001, foram realizados estudos piloto em duas cidades dos diferentes portes populacionais: Canela, no Rio Grande do Sul,

16 15 e Diadema, em São Paulo. A realização do levantamento envolveu a participação de várias instituições e entidades odontológicas (BRASIL, 2004). Três grandes levantamentos epidemiológicos nacionais foram realizados, visando a retratar a saúde bucal da população, sendo conhecida a importância destes estudos para a implementação de políticas assistenciais (GARCIA; MENEZES, 2005). Foram investigados os principais pontos dos quatro levantamentos de base nacional, realizados em 1986, 1993, 1996 e O último foi considerado mais abrangente, sendo investigadas várias condições, de forma inédita, com destaque para as questões subjetivas (MARTINS et al., 2005). A epidemiologia da cárie dentária é necessária para se estabelecer sua prevalência, evolução ao longo do tempo, grupos sociais mais afetados e verificação da eficácia dos métodos adotados para seu controle (LAURIS, 2006). 2.5 REDUÇÃO DA PREVALÊNCIA DE CÁRIE E AÇÕES DE PREVENÇÃO Estudos epidemiológicos têm demonstrado alteração nos padrões de cárie nas diferentes regiões do mundo. Na maioria dos países desenvolvidos, tem havido um declínio na prevalência e severidade da doença, provavelmente graças ao aumento da exposição ao flúor e a modificações no padrão e na quantidade de consumo de açúcar, associados à melhoria nas condições de vida, maior acesso aos serviços odontológicos e ampliação das ações de promoção e educação em saúde bucal (FREIRE et al., 1999). A descoberta do efeito preventivo do flúor transformou, ao longo do século, no principal agente utilizado no enfrentamento da doença em todo o mundo. Em vários países e também no Brasil, produtos fluorados têm sido apontados como os principais responsáveis pelo declínio observado na prevalência da cárie (NARVAI, 2000). A maior exposição da população brasileira ao flúor da água e dos dentifrícios fluoretados tem sido apontada como principal responsável pela redução da prevalência de cárie. Os fatores apontados como prováveis responsáveis pelo declínio na prevalência de cárie no Brasil são: o aumento e a universalização da exposição das pessoas ao flúor em suas variadas formas de aplicação, com destaque especial para a água de abastecimento e os dentifrícios fluoretados, a

17 16 maior ênfase nas atividades de promoção de saúde, a melhoria nas condições globais de saúde e qualidade de vida e a mudança nos critérios de diagnóstico de cárie. No entanto, certas comunidades brasileiras não foram beneficiadas da mesma maneira por esse implemento na saúde bucal, pois existem determinadas características presentes nestes locais, como ausência de fluoretação da água de abastecimento, falta de acesso a programas preventivos e baixo nível sócioeconomico-cultural, que tornam as pessoas suscetíveis a concentrarem níveis mais elevados da doença (CARDOSO et al., 2003). O aumento da exposição ao flúor também é um fator de grande relevância no controle da cárie dentária. Independente da fonte, a exposição ao flúor associada a outras medidas preventivas podem se responsáveis por um relativo controle de lesões cariosas. Considerando que os fatores etiológicos principais da cárie dentária compreendem hospedeiro susceptível, microbiota cariogênica e substrato acidogênico interagindo em condições críticas em um determinado período de tempo (CORTELLI et al., 2004). Por se tratar de doença disseminada na população, a estratégia de controle da cárie mais adequada é a coletiva, e dentre as ações mais efetivas na prevenção desta doença, destacam-se os métodos educativos que visam à adequação de hábitos de higiene e alimentação da população. Além disso, outras ações de saúde pública, como a fluoretação das águas de abastecimento público e controle do flúor em dentifrícios, bebidas e alimentos agem como complemento para sua não ocorrência (LAURIS, 2006). O Paraná oferece acesso a, aproximadamente, 85% da população à água fluoretada e por meio de um programa para escolares, iniciado em 1980, incentiva o bochecho com flúor e escovação dentária semanal nas escolas, em todos os Municípios do Estado (CARVALHO; DOLIVEIRA, 2008). O hábito da escovação dentária é adquirido durante o processo de socialização da criança, devendo ser ensinado nos estágios iniciais da infância, a fim de tornar-se uma tarefa rotineira e de fácil execução (SILVA et al., 2010). 2.6 SITUAÇÃO SÓCIO-ECONÔMICA NA SAÚDE BUCAL Em países subdesenvolvidos, não tem ocorrido redução do comprometimento da saúde dentária, uma vez que a condição sócio-econômica da população parece

18 17 exercer influência direta na prevalência da doença, ressaltando a necessidade de mudanças sociais, e não apenas modificações de hábitos individuais (CORTELLI et al., 2004). As desigualdades sócioeconômicas resultam em efeitos sobre a saúde geral e saúde bucal. Comunidades caracterizadas por grandes desigualdades apresentam mais problemas de saúde bucal que aquelas nas quais as desigualdades são menores. Indivíduos com baixa renda possuem mais problemas de saúde bucal e usam menos os serviços odontológicos, quando comparados a indivíduos com melhores condições econômicas pela dificuldade de acesso aos serviços públicos (SILVA et al., 2009). A cárie dentária é uma doença bastante prevalente, principalmente em comunidades com carências sócioeconômicas (SANTOS, 2010). 2.7 METAS DA OMS (ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE) Para o ano de 2010 foram divulgadas novas metas em saúde bucal relativas à cárie dentária; entre tais metas, há duas que se referem às crianças e definem que aos 5 anos, 90% das crianças devem estar livres de cárie e que aos 12 anos o CPOD seja menor que 1% (NARVAI, 2002, NARVAI, CASTELLANOS e FRAZÃO, 2000; GOMES et al., 2004; CORTELLI et al., 2004). As metas em saúde bucal para o ano de 2000 preconizam que 50% das crianças de 5 anos de idade estariam livres de cáries; aos 12 anos de idade, CPO-D menor e/ou igual a 3,0; aos 18 anos, 85% com todos os dentes presentes na boca; na faixa de anos, 75% com 20 ou mais dentes presentes na boca; e entre 65 e 74 anos, 50% com 20 ou mais dentes presentes na boca. Apesar das controversas, existem metas em saúde bucal para o ano de 2010, dentre elas: aos 5 anos, 90% livres de cárie; CPO-D menor que 1, aos 12 anos; aos 18 anos de idade, todos os dentes presentes na boca; entre 35 e 44 anos, 20 ou mais dentes, em 90% da população e, no máximo 2% de desdentados; e entre 65 e 74 anos, no máximo 5% de desdentados (SILVA et al., 2010).

19 CÁRIE DENTÁRIA NO BRASIL ( ) Foi analisada a evolução da experiência de cárie dentária entre escolares brasileiros, no período de 1980 a 2003, além de determinar a distribuição da cárie e o acesso dessa população ao tratamento da doença. A experiência de cárie em dentes permanentes de escolares brasileiros foi identificada na idade índice de 12 anos, de acordo com a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS). Os valores de CPOD indicaram um nível alto de cárie dentária, nos anos 1980, declinando para um nível moderado nos anos Em 2003, o valor do CPOD ainda era moderado (2,8). Entre 1980 e 2003, o declínio nos valores do CPOD foi de 61,7%. A porcentagem de escolares com CPOD igual a zero aumentou de 3,7% em 1986, para 31,1% em Por outro lado, enquanto no segmento menos atingido pela doença (CPOD de 1 a 3), o índice de cuidados aumentou de 26,3% em 1986, para 34,7% em 2003, no segmento com CPOD de 4 a 5 o índice de cuidados caiu de 50,2% em 1986, para 39,3% em No segmento com CPOD de 6 ou mais, o índice de cuidados se manteve estável (28%). Aproximadamente 20% da população passou a concentrar cerca de 60% da carga de doença (NARVAI et al., 2006). 2.9 DADOS DE CPO-D NO BRASIL No ano de 1994, na cidade de Paulínia, Estado de São Paulo, realizou-se um levantamento epidemiológico de cárie dentária com o intuito de comparar a atual prevalência com os dados de um estudo prévio de Foram examinados escolares de 7 a 14 anos de idade, de ambos os sexos por 10 dentistas previamente calibrados, utilizando os índices CPOD e CPOS. Verificou-se que houve uma queda da prevalência de cárie em 67,8% em relação aos dados de Observou-se uma inversão dos componentes do índice CPOD: em 1980, prevalecia o componente cariado (69,5%), enquanto que o componente obturado prevaleceu, em 1994 (79%). Em 1994, o índice CPOD variou de 0,4 aos 7 anos de idade até o máximo de 4,3 aos 14 anos. Os componentes extraídos e a extração indicada praticamente desapareceram, no ano de 1994 (MOREIRA, PEREIRA e OLIVEIRA, 1996). Foi feita uma amostra constituída por escolares de 6 a 12 anos de idade, de ambos os sexos, que freqüentavam 25 escolas públicas na zona urbana de 9 municípios do interior do Estado de Goiás. A percentagem de escolares livres

20 19 de cárie foi muito baixa em todas as idades, sendo 4,4% aos 12 anos. O índice CPO-D variou de 0,41 aos 6 anos a 5,19 aos 12 anos. O índice ceo-d, nesta faixa etária, variou de 4,93 a 0,29. As necessidades de tratamento superaram as necessidades atendidas, tanto na dentição decídua quanto na permanente. A alta prevalência de cárie em escolares do interior de Goiás sugere a necessidade de se implantar medidas educativas e preventivas em saúde bucal que intervenham nos reais determinantes da doença na população (FREIRE et al., 1999). Foi estudada a evolução da prevalência de cárie em dentes permanentes da população infantil do Município de São Paulo, SP, no período de , com base no levantamento epidemiológico, em escolares das redes públicas de ensino. Foram examinados escolares de 103 unidades das redes de ensino público e privado. Foi observada uma situação de prevalência muito alta de cárie dentária, nos anos 60 e 70, a população de referência evoluiu na idade índice de 12 anos, para um quadro de baixa prevalência. Entre 1986 e 1996, o declínio na cárie dentária aos 12 anos de idade, foi de 68,2% entre os escolares do Município de São Paulo. O primeiro estudo científico sobre a situação de cárie dentária em escolares de São Paulo foi publicado em 1970, quando foi encontrado o valor de 6,91 para o índice CPO-D na idade índice de 12 anos. Em 1983, um outro levantamento foi feito pela Secretaria Municipal de Educação, entre escolares da rede municipal de ensino, quando o valor detectado foi de 7,53. Em 1986, foi realizado outro levantamento, sob supervisão do Ministério da Saúde, quando o valor foi de 6,47. A cárie dentária apresentava uma prevalência muito alta; desde então, foi verificada a tendência de declínio com o CPO atingindo o valor de 2,06 aos 12 anos de idade. No período , esse declínio foi expressivo: 68,2%. Tendo em vista as metas da OMS-FDI para o ano de 2000, destaca-se que 73,7% da população registraram, aos 12 anos, valores menores ou iguais a 3 para o índice CPO. Foi admitida a validade do índice CPO como instrumento adequado para estimar a prevalência de cárie, ainda que algumas mudanças nos critérios, utilizados nos diferentes estudos, possam implicar diferenças nos resultados. Não se conhece a relevância dessas diferenças, pois não se dispõe de pesquisas brasileiras sobre o assunto. Tampouco, tem sido relatadas pesquisas dirigidas ao desenvolvimento de fatores de correção para tais diferenças, de modo a permitir comparações entre os valores. Admite-se que são válidos e confiáveis os valores obtidos em cada um dos levantamentos, independente das características dos seus planos amostrais, e que,

21 20 tais valores refletem a situação da cárie nos períodos mencionados. Importa salientar que nos anos 70 e início dos 80, era maior a prevalência da doença entre escolares, as técnicas de exame epidemiológico preconizavam a utilização vigorosa da sonda exploradora em fóssulas, fissuras e espaços proximais. Tal recomendação foi abandonada a partir do final dos anos 80 (NARVAI, CASTELLANOS e FRAZÃO, 2000). Foi investigada a prevalência e a severidade da cárie dentária e as necessidades de tratamento em escolares de 6 e 12 anos de idade, comparando-se os alunos de escolas públicas com os de privadas. Foi estudada a população de escolares do município de Blumenau, SC, a partir de uma amostra de escolares, representativa de quatro estratos: escolares de 6 anos de escolas públicas, de 6 anos de escolas privadas, de 12 anos de escolas pública e de 12 anos de escolas privadas. A prevalência de cárie da dentição decídua, em escolares de 6 anos, foi de 60,9% em escolas públicas e de 34,9% em escolas privadas. O índice CEO-D, aos 6 anos de idade, foi de 2,98 em escolas públicas, 1,32 em privadas e 2,42 na população estudada (média ponderada entre.escolares da rede pública e privada). Já aos 12 anos de idade, em escolas públicas, o componente do índice CPO-D com maior peso foi o restaurado (O): 64,3%. Na idade da 12 anos, em escolas públicas, pôde-se constatar que 53% não apresentaram qualquer necessidade de tratamento. A prevalência de cárie na dentição permanente, em escolares de 12 anos, foi de 54,7% e o índice CPO-D foi de 1,46 para as escolas públicas. A baixa taxa de resposta em escolas privadas, referente ao estrato de 12 anos de idade, inviabilizou o relato dos resultados para este estrato (TRAEBERT et al., 2001). Foi realizado um estudo para conhecer a prevalência e severidade da cárie dental e a necessidade de tratamento odontológico na população escolar de 6 a 12 anos de idade, em dois pequenos municípios brasileiros, São João do Sul (n= 803) e de Treviso (n= 382), ambos situados em Santa Catarina. As prevalências de cáries encontradas foram 62,1% em São João do Sul e 63,6% em Treviso. Os índices CPO-Ds foram de 1,91 para São João do Sul e de 1,84 para Treviso. Em ambos os municípios a principal necessidade foi de tratamento simples, principalmente o restaurador (TRAEBERT et al., 2002). Foi realizado um estudo que apresenta dados de cárie dentária e fluorose em sete municípios representativos da região de Sorocaba, São Paulo, Brasil, que

22 21 possuem ou não flúor nas águas de abastecimento público. Obteve-se o resultado de 37,6% de crianças livres de cárie, aos 5 anos (ceod=0) e o índice ceod foi de 3,1. Aos 12 anos, 32,3% dos escolares tinham CPO-D =0 e o índice CPO-D foi de 2,6, sendo a região considerada de baixa prevalência de cárie. Nos municípios com água fluoretada, a proporção de crianças livres de cárie, aos 12 anos, foi maior (p=0,019) e o índice ceod foi menor (p= 0,001). A prevalência de fluorose nas crianças examinadas foi de 12,7%, estando dentro dos limites aceitáveis, segundo o índice de fluorose dentária da comunidade (CYPRIANO et al., 2003). Foi avaliada a distribuição da cárie em uma população de 437 crianças, com idades entre 6 e 12 anos, residentes em uma cidade sem sistema de fluoretação da água de abastecimento e sem programa odontológico preventivo, podendo, com isso, orientar futuras ações de saúde com melhor desempenho no que diz respeito à relação custo-efetividade. Foi realizado exame clínico em todas as crianças para avaliação dos índices CPO-S e ceo-s, o que representa o número de superfícies dentárias cariadas, perdidas, restauradas ou com extração indicada. A análise de freqüência acumulada da doença em relação à frequência acumulada da população mostrou que 37% das crianças concentravam 70% da doença, com um ceo-s + CPO-S médio de 28,6. Essa distribuição evidencia o fenômeno da polarização, no qual uma pequena parcela da população concentra a maior parte da doença e das necessidades de tratamento (CARDOSO et al., 2003). No ano de 2000, realizou-se um levantamento epidemiológico em Paulínia, São Paulo, Brasil, com o objetivo de verificar a prevalência dos problemas de saúde bucal, utilizando-se o índice CPO-D e os critérios de diagnóstico da Organização Mundial da Saúde. A amostra foi probabilística e totalizou indivíduos, nas diferentes faixas etárias. Em crianças de 5 anos de idade, o índice ceod foi de 1,90, com 54,2% de crianças sem experiência de cárie. Aos 12 anos o CPOD foi de 1,0, com 46,4% de crianças livres de cárie. A prevalência de fluorose nos escolares foi de 30,5%, e a maioria dessas crianças apresentou fluorose muito leve (22,9%). A prevalência de opacidades e hipoplasias foi de 9,1%. Entre os adultos examinados, o índice de cuidados foi de 55,4 e em média 21,3 dentes apresentaram experiência de cárie. Nos idosos o CPOD foi ainda mais elevado (29,50), sendo composto predominantemente por dentes extraídos (93,0 %) (GOMES et al., 2004). Foi mensurada a prevalência de cárie dentária em escolares residentes na área rural de Itapetininga, São Paulo, Brasil. Uma única dentista efetuou o exame

23 22 bucal de 291 crianças, de 5 a 12 anos em escolas rurais, seguindo os critérios da Organização Mundial da Saúde. Características sócioeconômicas e hábitos das crianças foram informados pelos pais ou responsáveis. Dados secundários relativos aos escolares da área urbana foram utilizados para análise comparativa. Os índices de cárie observados foram: ceo-d (5 anos) de 2,63 e CPO-D (12 anos) de 2,45. O componente cariado correspondeu a 85,6% do ceo-d e 34,2% do CPO-D, indicando a menor utilização de serviços odontológicos pelas crianças com cáries na dentição decídua. A baixa incorporação no tratamento odontológico restaurador, nas crianças de cinco anos de idade, é indicativo da falta de conhecimento dos pais sobre a importância da dentição decídua. A prevalência de cárie foi mais elevada na área rural que na área urbana de Itapetininga (MELLO; ANTUNES, 2004). Foi avaliado o risco de cárie em escolares de nível sócioeconômico baixo e com acesso limitado a serviços odontológicos. Neste estudo foram incluídas 211 crianças de 6 a 11 anos de idade. Deve-se salientar que 185 crianças realizavam a escovação sem supervisão dos pais ou responsáveis, e 31 crianças usavam a mesma escova dentária com outro membro da família. Algumas crianças escovavam os dentes uma única vez ao dia e apenas 7 crianças não possuíam escova dentária e não realizavam a escovação. O valor médio do índice CPOD para a população estudada foi de 5,1 e os valores médios para as crianças de 6 anos foi de 4,66; para as crianças de 7 anos foi de 5,56; para as crianças de 8 anos foi de 5,73; para as crianças de 9anos foi de 5,2; para as crianças de 10 anos foi de 4,42; e para as crianças de 11 anos de idade foi de 4,37. De acordo com os dados microbiológicos, 165 crianças apresentaram baixo risco de cárie (CPOD = 4,9) e 46 risco intermediário (CPOD = 6) (CORTELLI et al., 2004). Na região Centro-Oeste, o índice de cárie (CPO-D), aos 12 anos de idade, foi igual a 8,5 em 1986 (Ministério da Saúde, 1988) e 5,4 em 1993, apresentando-se acima da média do País (OLIVEIRA; SALIBA, 2005). A polarização da doença cárie tem sido observada em muitos países, onde se verifica que o declínio da experiência de cárie é desigual e mais evidente nos grupos privilegiados da sociedade. A Organização Mundial de Saúde previa como meta para o ano de 2000 uma prevalência de 50% de crianças livres de cárie na faixa etária de 5-6 anos de idade. A implemantação de programas de atenção precoce é uma alternativa viável já que seus resultados positivos, em relação à redução da

24 23 cárie dentária, vêm sendo claramente demonstrados na literatura (GARCIA; MENEZES, 2005). No período compreendido entre os anos de 1998 e 2001, realizaram-se levantamentos epidemiológicos em saúde bucal em 30 municípios localizados na região de Campinas, Estado de São Paulo. Os municípios foram divididos de acordo com a escala de severidade que sugere o índice CPOD aos 12 anos, utilizado como um indicador do estado de saúde entre diferentes populações. Tal escala indica uma prevalência muito baixa, quando o CPOD varia de 0 a 1,1; baixa prevalência, quando a variação é de 1,2 a 2,6; prevalência moderada, quando o intervalo é de 2,7 a 4,4; prevalência alta, quando varia de 4,5 a 6,5; e muito alta, quando o CPOD é igual ou maior que 6,6. Considerando a média CPOD, em cada localidade, obtiveram-se três grupos de prevalência (baixa, moderada e alta); um município foi considerado de prevalência muito baixa (n= 125), 13 municípios foram classificados como sendo de baixa prevalência de cárie, totalizando exames bucais. Foram considerados como moderada prevalência de cárie, 14 municípios (n=1.018) e dois municípios foram classificados como alta prevalência de cárie (n= 188). Nenhum município apresentou CPOD 6,6 e assim não se obteve amostra para a prevalência muito alta. Excluíram-se os escolares do município de prevalência muito baixa, pois o tamanho da amostra não foi suficiente para as amostras. Foram selecionados dados epidemiológicos de escolares de 12 anos de idade, verificando-se o CPOD em cada localidade, para os quais foram estimados os índices simplificados. A correlação entre o índice CPOD e os índices simplificados variou de 0,82 a 0,95 (p<0,05). Não foram observadas diferenças significantes (p>0,05) entre as médias do índice CPOD com o índice simplificado CPO em 2 hemiarcos nas prevalências estudadas, o que não ocorreu com o CPO em 6 dentes. A proporção de dentes cariados, perdidos e obturados também foi semelhante entre o CPO em 2 hemiarcos e o CPOD (p>0,05) (CYPRIANO et al., 2005). A experiência de cárie de pré-escolares da rede pública foi comparada à privada da cidade do Recife-PE. Foram examinados pré-escolares, sendo pertencentes à rede pública e à rede privada de ensino. Foi observado um aumento do índice de cárie com a idade e as crianças de 3 a 5 anos, inseridas na rede pública, foram aquelas que demonstraram um maior comprometimento da saúde bucal, considerado o ceod (p < 0,0001). A maior prevalência de cárie foi em pré-escolares da rede pública, em especial na idade de 5 anos (59,92%). Foi

25 24 observado um maior percentual de crianças acometidas por cárie nas escolas públicas, e nas instituições particulares registrou-se um baixo índice de ceod, provavelmente pelo maior acesso desta população a cuidados precoces. Este fato reflete a polarização da doença cárie, ou seja, uma concentração maior da doença e das necessidades de tratamento em uma parcela da população. A experiência de cárie em pré-escolares está condicionada ao fator idade e nível socioeconômico, numa relação em que maior a idade e pior o nível socioeconômico, maior a prevalência de cárie (GARCIA; MENEZES, 2005). Foi analisada a evolução da experiência de cárie dentária entre escolares brasileiros, no período de 1980 a 2003, e determinada a distribuição de cárie e o acesso dessa população ao tratamento da doença. Foi empregado o índice de dentes permanentes cariados, perdidos e restaurados (CPOD). Os valores de CPOD indicaram um nível alto de cárie dentária nos anos 1980, declinando para um nível moderado nos anos Em 2003, o valor do CPOD ainda era moderado (2,8) (Figura 2). Entre 1980 e 2003, o declínio de valores do CPOD foi de 61,7%. A percentagem em escolares com CPOD igual a zero aumentou de 3,7% em 1986, para 31,1% em Por outro lado, enquanto no segmento menos atingido pela doença (CPOD de 1 a 3), o índice de cuidados aumentou de 26,3% em 1986, para 34,7% em No segmento com CPOD de 4 a 5 anos, o índice de cuidados caiu de 50,2% em 1986, para 39, 3% em No segmento com CPOD de 6 ou mais, o índice de cuidados se manteve estável (28,0%). Aproximadamente 20% da população passou a concentrar cerca de 60% da carga de doença. Um declínio relevante do CPOD foi observado no período do estudo, sendo a hipótese explicativa mais plausível a elevação no acesso à água e ao creme dental fluorados e às mudanças nos programas de saúde bucal coletiva (NARVAI et al., 2006). Foram avaliadas as diferenças na experiência de cárie em escolares de 4 a 14 anos de idade, no meio urbano e meio rural da cidade de Igaratinga, Minas Gerais. Foram examinadas 744 escolares, sendo que a análise dos dados permitiu observar a relação estatisticamente significativa do índice de cárie dentária nas diferentes regiões (rural e urbana). Observou-se que o ceo-d e o CPO-D menos elevados eram na área urbana, que possuía água fluoretada. O ceo-d e o CPO-D médios foram de 1,13 e 0,8 respectivamente para a área urbana. Para a área rural a média do ceo-d foi de 1,71 e do CPO-D foi de 2,06. Nesse caso, sublinha-se a importância da fluoratação das águas de abastecimento público (SILVA et al., 2009).

26 25 A população do estudo foi constituída por moradores ribeirinhos e não indígenas, das margens dos rios Machado e Preto, que situam-se nos limites dos municípios de Porto Velho e Machadinho do Oeste, na região Norte do estado de Rondônia. Foram avaliadas as seguintes condições: cárie dentária decídua e permanente (ceo-d e CPO-D), Índice de Performance de Higiene Oral (Personal Hygiene Performance) e Índice Periodontal Comunitário (IPC). Foram avaliadas as condições dentárias de 237 indivíduos, distribuídos da seguinte maneira: 4 a 5 anos (n=55); 12 anos (n=51); 18 anos (n=41); 35 a 44 anos (n=67); e 65 a 74 anos (n=23). Observou-se entre 4 e 5 anos de idade, índice ceo-d 4,30 (± 3,48) e 19,64% livres de cárie; aos 12 anos de idade, CPO-D 2,65 (± 3,01) e 30,76% livres de cárie; aos 18 anos de idade, CPO-D 5,41 (± 5,33) e 19,51% livres de cárie; entre 35 e 44 anos, CPO-D 17,74 (± 8,61) e 2,98% livres de cárie; entre 65 e 74 anos, CPO-D 21,56 (11,95) e 4,34% livres de cárie. Quanto ao Índice de Performance de Higiene Oral, observou-se que a educação em saúde bucal traz melhores condições de higiene, haja vista a queda acentuada na maioria das comunidades estudadas. No Índice Periodontal Comunitário, notou-se uma queda entre os valores do índice, porém ainda com elevada presença de cálculo e também de quadrantes excluídos (SILVA et al., 2010). Foi verificada a prevalência de lesões de cárie em pré-escolares e escolares do município de Piracicaba, estado de São Paulo, além de investigar os determinantes sociais de saúde, possivelmente associados. Foram examinados escolares de 5 e 12 anos, provenientes de escolas da rede pública e da rede privada de ensino. O número amostral foi de 596 crianças. Foram examinadas 408 crianças de 5 anos e 188 escolares de 12 anos. Na dentição decídua, o índice ceod, aos 5 anos, foi de 1,65 (dp = 2,51), sendo que 51,5 estavam livres de lesões de cárie. Observou-se que os componentes de maior relevância para a determinação da prevalência de cárie dentária foram: dentes cariados (73,38%), seguidos de obturados (23,37%) e extraídos (3,25%). Nos escolares de 12 anos de idade, o CPOD foi de 1,88 (dp = 2,41), sendo que 43,1% estavam livres de lesões cariosas. Na dentição permanente, os componentes de maior relevância para a determinação da prevalência do índice foram: dentes obturados (60,84%), seguidos de dentes cariados (37,76%) e dentes perdidos (1,40%) (CATANI et al., 2010). Foi verificada a prevalência de cárie dentária em 1º molar em crianças de 6 a 12 anos de idade, no bairro do Novo Jockey, situado na cidade de Campos dos

27 26 Goytacazes-RJ. A amostra constituiu-se de 27 crianças, em sua maioria com um perfil socioeconômico carente. Os resultados obtidos identificaram que 74% das crianças tem pelo menos 1 molar permanente cariado e que 26% não tem nenhum molar permanente cariado. Ressalta-se que o tamanho da amostra do estudo (27) é pouco significativa, pois infelizmente, esta pesquisa foi afetada pela suspensão do Programa de Saúde da Família, o que inviabilizou a coleta de mais dados (SANTOS, 2010) LEVANTAMENTO EPIDEMIOLÓGICO EM MATO GROSSO DO SUL O levantamento epidemiológico, realizado pela Divisão de Saúde Bucal da Secretaria de Estado de Saúde, em Campo Grande-MS, em 1992, revelou que o CPO-D médio, dos escolares de 12 anos da rede estadual, foi de 6,9; enquanto o levantamento epidemiológico, realizado pela Divisão da SESAU, do município de Campo Grande, no mesmo ano, apontou que o índice CPO-D médio, dos escolares de 12 anos da rede municipal, foi de 3,3 atingindo um CPO-D médio de 5,1 dentes comprometidos pela cárie (PMCG, 1992; MS, 1992). O Plano Municipal de Saúde da PMCG relatou que a SESAU do município, realizou o seu último levantamento epidemiológico em 1999, encontrando, aos 12 anos, um índice CPO-D de 2,56, apresentando uma redução de 25,8% em relação aos dados encontrados no levantamento também realizado pela SESAU, em 1996, quando o índice era de 3,45 aos 12 anos (FRANCELINO, 2006). Foram examinadas 240 crianças, de ambos os sexos, matriculadas na Rede Pública de Ensino do Município de Campo Grande-MS, 12 anos de idade, no período de 2000 a O CPO-S atingiu valores de 3,65; 4,26 e 4,25 e CPO-S 8,35; 9,11 e 9,09 superfícies com experiência de cárie dentária, respectivamente para os grupos com cinco anos e três anos de assistência (FRANCELINO, 2006).

28 27 3 OBJETIVO 3.1 Objetivo Geral - Verificar a prevalência da doença cárie dentária em escolares, na faixa etária dos 6 aos 12 anos de idade. - Comparar os resultados coletados no âmbito regional e nacional. 3.2 Objetivo Específico - Analisar os resultados da cidade de Nioaque (MS) e relacionar os dados levantados à meta proposta pela Organização Mundial de Saúde.

29 28 4 METODOLOGIA O levantamento epidemiológico foi realizado no ano de 2010, em escolares matriculados nas escolas públicas da rede estadual e municipal de ensino da zona urbana do município de Nioaque, Estado de Mato Grosso do Sul. Com a finalidade de obter-se um grupo representativo da população escolar, foi utilizada uma amostra aleatória, constituída por escolares de ambos os sexos, com faixa etária de 6 a 12 anos, sendo de 6 anos (n=114), 7 anos (n=136), 8 anos (n=150), 9 anos (n=160) 10 anos (n=155), 11 anos (n=157) e 12 anos (n=148). O município de Nioaque apresenta o abastecimento de água fluoretada. Os escolares são expostos ao flúor em suas variadas formas, como bochechos semanais, escovação com flúor, distribuição de dentifrícios fluoretados pelo programa do governo Brasil Sorridente e recebem, também o incentivo de cuidados à saúde bucal através de palestras educativas. A condição de saúde bucal dos escolares de Nioaque, foi verificada através do índice CPO-D (cariados, perdidos e obturados), referente à necessidade de tratamento da dentição permanente de 6 aos 12 anos de idade (ficha 1). Os exames foram realizados no pátio das escolas, sob luz natural indireta, utilizando-se espelho bucal plano e sonda exploradora número 5. A equipe de coleta de dados foi constituída por uma cirurgiã-dentista, na qualidade de examinadora, e uma assistente de saúde bucal (ASB), na qualidade de anotadora, que participaram previamente de treinamento e calibração.

30 29 5 RESULTADOS Os valores obtidos para o CPO-D, em Nioaque são: na idade de 6 anos foi de 0,24; na idade de 7 anos foi de 0,86; na idade de 8 anos foi de 0,96; na idade 9 anos foi de 0,97; na idade 10 anos foi 1,1; na idade 11 anos foi de 1,07; e na idade de 12 anos foi de 1,66 (Gráfico 1). Observa-se que, para todas as idades, os níveis estão aquém das metas propostas para o ano de 2010, pela OMS e não foram atingidas as metas. As expectativas mundiais da Organização Mundial da Saúde havia estipulado como meta para o ano de 2010 um índice CPOD menor que 1 em crianças com idade inferior a 12 anos, estabelecendo também como meta a ausência total de cáries, em 90 das crianças entre 5 e 6 anos de idade. Gráfico 1 Distribuição do índice CPO-D em crianças de 6 a 12 anos do município de Nioaque MS. CPO-D 2 1,5 1 0,5 0 0,24 0,86 0,96 0,97 1,1 1,07 1,66 6 anos 7 anos 8 anos 9 anos 10 anos 11 anos 12 anos

31 30 6 DISCUSSÃO Com a inserção do profissional cirurgião-dentista no PSF, passou-se a realizar um novo modelo de atuação sobre os problemas de saúde bucal da população, visto que houve uma reestruturação na atenção primária. Pelo fato de a Odontologia não estar presente desde o início do Programa, foram acarretados vários prejuízos no processo de integralização dos profissionais correlacionados, assim como pode ter determinado formas variadas no processo de implantação das equipes de saúde bucal (SILVA, 2010). No Brasil, as pesquisas que documentam as condições de saúde bucal do pré-escolar ainda estão sendo feitas e divulgadas em quantidade pouco expressivas. Isto provavelmente ocorre devido a pouca importância reservada à dentição decídua em relação à permanente. Este fato se torna mais grave, pois é sabido que a experiência de cárie na dentição decídua tem sido citada como forte preditor da experiência de cárie da dentição permanente. A incidência de cárie nas crianças da cidade de Recife tem seu início precocemente e aumenta com a idade, provavelmente pelo incremento de número de dentes e tempo de exposição aos fatores determinantes da doença. A polarização da doença cárie tem sido observada em muitos países, onde se observa que o declínio da experiência de cárie é desigual e mais evidente nos grupos privilegiados da sociedade (GARCIA; MENEZES, 2005). Constatou-se que foram alcançadas as metas de saúde bucal, propostas pela OMS, para o ano de 2000, nas idades de 5, 12 e 18 anos, aproximando-se da meta para 2010, aos 12 anos, e comparando-se a padrões internacionais no que se refere também ao tratamento da cárie dentária. Deve-se destacar a importância do conhecimento das condições de saúde bucal e o planejamento das ações odontológicas, devendo o Sistema Único de Saúde garantir a promoção de saúde, a intervenção precoce e a reabilitação das doenças bucais (GOMES et al., 2004). A despeito da melhora, a distribuição da cárie ainda é desigual. Os dentes atingidos por cárie passaram a se concentrar numa proporção menor de indivíduos. Ademais, não se alterou a proporção de dentes cariados não tratados. A redução das disparidades socioeconômicas e medidas de saúde públicas, dirigidas aos grupos mais vulneráveis, permanecem como um desafio para todos que formulam e implementam as políticas públicas no Brasil (NARVAI et al., 2006).

32 31 O controle de fatores relacionados com o desenvolvimento e progressão da doença cárie, tais como consumo de sacarose, presença de micro-organismos específicos, condição socioeconômica, acesso a serviços odontológicos e hábitos dos indivíduos é de fundamental importância para se obter uma redução significativa dos níveis de CPOD (CORTELLI et al., 2004). Muitas vezes, as áreas rurais brasileiras apresentam piores indicadores de renda, saneamento básico e níveis de escolaridade que as respectivas áreas urbanas, acredita-se que isto possa configurar um importante polo de concentração para os agravos à saúde bucal. Pouco conhecimento se tem a respeito do comportamento das principais doenças bucais nos pequenos municípios brasileiros, notadamente aqueles eminentemente rurais. A dieta está mudando nas áreas rurais do Brasil, em função do maior acesso aos produtos industrializados e ao açúcar, o que pode provocar um aumento na prevalência de cárie dentária nessas populações (MELO; ANTUNES, 2004). Os dados coletados neste estudo indicaram apenas uma das cinco metas para o ano de 2000, sendo que nenhuma das metas para o ano de 2010 foram atingidas: aos cinco anos de idade, apenas 2 crianças (dentre 19 examinadas) apresentaram o ceo-d zero, perfazendo 10,53%; aos 12 anos de idade, o CPO-D foi de 2,65%; aos 18 anos de idade, 46,34% apresentaram todos os dentes presentes na boca; entre os indivíduos de 35 a 44 anos de idade, apenas 29,85% apresentaram 20 ou mais dentes na boca; e 34,32% são desdentados totais (n= 23); entre 65 e 74 anos de idade, apenas 17,30% apresentaram 20 ou mais dentes na boca, sendo 52,17% desdentados totais (n=12) (SILVA et al., 2010). Embora o município apresente um baixo índice CPO-D, a participação do componente dente cariado, na composição do valor total, reflete a dificuldade dos serviços assistenciais em assegurar o completo atendimento às necessidades das crianças de 6 a 12 anos de idade. Tais características epidemiológicas traduzem os entraves encontrados pelo sistema de saúde para tornar realidade os princípios constitucionais da universalização e equidade das ações e serviços de saúde, também na área odontológica. No Brasil, estudos pioneiros realizados nos anos 50 e 60 colaboraram na eficácia preventiva da fluoretação das águas. No período de 1986 a 1996, com 42% da população recebendo água fluoretada, a queda da prevalência da cárie entre crianças de 12 anos de idade foi de 53%. Além da água fluoretada, também os

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Feira da Mata sorrindo para o futuro Área temática Estudos Epidemiológicos / Comunicação, Promoção e Educação em Saúde Lotação Feira

Leia mais

Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA

Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA Autores: Ana Cláudia Morandini Sanchez, CD Serviço de saúde: Unidade de Saúde da Família VILA ANA Palavras-chaves: cárie dentária,

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola A avaliação e promoção de saúde bucal é ação essencial que integra o Componente I do Programa Saúde

Leia mais

5 50% ceo = zero 40% 12 CPO-D < 3,0 CPO-D = 2,78. 18 80 % com todos os dentes 55% 35-44 75% com 20 ou mais dentes 54%

5 50% ceo = zero 40% 12 CPO-D < 3,0 CPO-D = 2,78. 18 80 % com todos os dentes 55% 35-44 75% com 20 ou mais dentes 54% Saúde e sociedade: desafios para a epidemiologia em saúde bucal 3/10/2011 20:02 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Metas da OMS para o ano 2000 e a situação brasileira IDADE META DA OMS PARA 2000 SB Brasil

Leia mais

Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC)

Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC) ISSN 1806-7727 Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC) Evaluated the prevalence of dental caries

Leia mais

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES:

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES: SAÚDE BUCAL INTRODUÇÃO A evolução da Odontologia enquanto ciência da saúde é uma realidade incontestável. Dentro deste contexto de mudanças de paradigma, no qual a Promoção de Saúde toma o lugar da prática

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

Indicador 24. Cobertura de primeira consulta odontológica programática

Indicador 24. Cobertura de primeira consulta odontológica programática Indicador 24 Cobertura de primeira consulta odontológica programática É o percentual de pessoas que receberam uma primeira consulta odontológica programática no Sistema Único de Saúde (SUS), A primeira

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL MESTRADO PROFISSIONAL SAÚDE PÚBLICA BASEADA EM EVIDÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL MESTRADO PROFISSIONAL SAÚDE PÚBLICA BASEADA EM EVIDÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL MESTRADO PROFISSIONAL SAÚDE PÚBLICA BASEADA EM EVIDÊNCIAS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO AVALIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA DE CÁRIE E UTILIZAÇÃO DO SERVIÇO

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA NOS ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL ADELMO SIMAS GENRO, SANTA MARIA, RS: UMA ANÁLISE DESCRITIVA PARCIAL 1

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA NOS ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL ADELMO SIMAS GENRO, SANTA MARIA, RS: UMA ANÁLISE DESCRITIVA PARCIAL 1 Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 7, n. 1, p. 121-125, 2006. 121 ISSN 1982-2111 PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA NOS ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL ADELMO SIMAS GENRO, SANTA MARIA, RS:

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE NA COMUNIDADE

Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE NA COMUNIDADE Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE BUCAL DA FAMÍLIA: A BOCA E A SAÚDE NA COMUNIDADE Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE BUCAL DA FAMÍLIA:

Leia mais

CÁRIE DENTÁRIA: CONSCIENTIZANDO ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA- RS

CÁRIE DENTÁRIA: CONSCIENTIZANDO ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA- RS CÁRIE DENTÁRIA: CONSCIENTIZANDO ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA- RS SANTOS, Aniúsca V¹; MANGGINI, Bruna K¹; MACIESKI, Franciele¹; SOARES, Jéssica Cavalheiro 1 ; TAMANHO, Jiana¹;

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

Declínio na Experiência de Cárie em Dentes Permanentes de Escolares Brasileiros no Final do Século XX

Declínio na Experiência de Cárie em Dentes Permanentes de Escolares Brasileiros no Final do Século XX Odontologia e Sociedade 1999 Vol. 1, No. 1/2, 25-29, 1999. Printed in Brazil. Artigo Declínio na Experiência de Cárie em Dentes Permanentes de Escolares Brasileiros no Final do Século XX Dental Caries

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO LÍVIA CRISTINA FRIAS DA SILVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Ms. Maria de Fátima Lires Paiva Orientadora São Luís 2004 INTRODUÇÃO Sistema Único de Saúde - Universalidade

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA PROGRAMA PARA A PREVENÇÃO DA CÁRIE DENTÁRIA E DA DOENÇA PERIODONTAL Serviço de Odontologia

Leia mais

Projeto SB Brasil 2003

Projeto SB Brasil 2003 Projeto SB Brasil 2003 MINISTÉRIO DA SAÚDE Condições de Saúde Bucal da População Brasileira 2002-2003 Resultados Principais Série C. Projetos, Programas e Relatórios Brasília DF 2004 2004 Ministério da

Leia mais

Sorriso de criança... Questão de educação!

Sorriso de criança... Questão de educação! Cidade Sorridente Sorriso de criança... Questão de educação! Dados oficiais (Mesmo entre os cidadãos com renda mensal acima de 6 SM) O Brasil é campeão mundial de cárie 60% dos dentes cariados estão sem

Leia mais

MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO DIAS, Larissa Nadine Silva 1 FARIAS, Luciana Lombardi Pedrosa de 2 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 3 RESUMO A adolescência

Leia mais

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/SAÚDE DA FAMÍLIA III CONCURSO NACIONAL DE EXPERIÊNCIAS EM SAÚDE DA FAMÍLIA 05 A 08 DE AGOSTO DE 2008 -

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Polarização da cárie em município sem água fluoretada. Polarization of dental caries in a Brazilian city without fluoridated water

Polarização da cárie em município sem água fluoretada. Polarization of dental caries in a Brazilian city without fluoridated water ARTIGO ARTICLE 7 Polarização da cárie em município sem água fluoretada Polarization of dental caries in a Brazilian city without fluoridated water Luciana Cardoso Cassiano Rösing Paulo Kramer Carolina

Leia mais

Pesquisa de Condições de Vida 2006. Gráfico 24 Distribuição dos indivíduos, segundo condição de posse de plano de saúde (1) Estado de São Paulo 2006

Pesquisa de Condições de Vida 2006. Gráfico 24 Distribuição dos indivíduos, segundo condição de posse de plano de saúde (1) Estado de São Paulo 2006 Pesquisa de Condições de Vida Acesso e utilização dos serviços de saúde A posse de planos ou convênios privados é uma das formas de distinguir a parcela da população dependente exclusivamente dos serviços

Leia mais

Paulínia, São Paulo, Brasil: situação da cárie dentária com relação às metas OMS 2000 e 2010

Paulínia, São Paulo, Brasil: situação da cárie dentária com relação às metas OMS 2000 e 2010 866 NOTA RESEARCH NOTE Paulínia, São Paulo, Brasil: situação da cárie dentária com relação às metas OMS 2000 e 2010 Dental caries in Paulínia, São Paulo State, Brazil, and WHO goals for 2000 and 2010 Patrícia

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ.

EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ. EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ. Wilton Wilney Nascimento Padilha 1 Fátima Regina Nunes de Sousa 2 Yana Talita de Souza 3 Dayane Franco Mangueira 3 Renata

Leia mais

Condições de saúde bucal em escolares de Vassouras/RJ: uma pesquisa epidemiológica

Condições de saúde bucal em escolares de Vassouras/RJ: uma pesquisa epidemiológica Marcos Alex Mendes da Silva 1 Maria Cristina Almeida de Souza 2 Carlos Roberto Teixeira Rodrigues 3 Rachel Ferreira Bello 4 Conditions of oral health in school children from Vassouras/RJ: an epidemiological

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Promoção de saúde, paciente infantil, extensão

PALAVRAS CHAVE: Promoção de saúde, paciente infantil, extensão TÍTULO:PROGRAMA DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA À CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA AUTORES: Mesquita, M. F, Menezes, V. A*., Maciel, A. E.**, Barros, E.S INSTITUIÇÃO:Faculdade de Odontologia de Pernambuco. FOP/UPE

Leia mais

Saúde Bucal Coletiva. 1/9/2008 16:10 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1

Saúde Bucal Coletiva. 1/9/2008 16:10 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Promoção e Prevenção em Saúde Bucal Coletiva 1/9/2008 16:10 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 S 2 1 Programa Promoção de saúde bucal baseada em evidências científicas Estratégias comuns de prevenção de

Leia mais

Ciência & Saúde Coletiva, v.11, n.1, 2006

Ciência & Saúde Coletiva, v.11, n.1, 2006 www.pgops.dod.ufrn.br Epidemiologia e Modelos Assistenciais Produção de Conhecimento Diagnóstico, planejamento e avaliação das ações e serviços Dados e informações geradas pelos serviços Produção de dados

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

3.1 Planejar, organizar e realizar oficinas de mapeamento participativo utilizando técnicas de educação popular e promoção da saúde;

3.1 Planejar, organizar e realizar oficinas de mapeamento participativo utilizando técnicas de educação popular e promoção da saúde; EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 05/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL Atualizado por Danusa em Nov/2007 ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL Para organizar um serviço local de atenção à saúde é necessário que o administrador, coordenador, gerente

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

Santa Catarina. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Santa Catarina (1991, 2000 e 2010)

Santa Catarina. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Santa Catarina (1991, 2000 e 2010) Santa Catarina Em 21, no estado de Santa Catarina (SC), moravam 6,3 milhões de pessoas, onde parcela relevante (6,9%, 43,7 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 293 municípios,

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios

IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios O Suplemento de Esporte da Pesquisa de Informações Básicas Municipais do IBGE (Munic) mostra que, apesar de 93,6% das cidades brasileiras

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

GASTOS PÚBLICOS NOS CENTROS ESPECIALIZADOS EM ODONTOLOGIA SITUADOS EM FORTALEZA-CEARÁ Cleonice Moreira Cordeiro 1

GASTOS PÚBLICOS NOS CENTROS ESPECIALIZADOS EM ODONTOLOGIA SITUADOS EM FORTALEZA-CEARÁ Cleonice Moreira Cordeiro 1 GASTOS PÚBLICOS NOS CENTROS ESPECIALIZADOS EM ODONTOLOGIA SITUADOS EM FORTALEZACEARÁ Cleonice Moreira Cordeiro 1 Introdução Vera Maria Câmara Coelho 2 O estudo analisou os gastos nos Centros Especializados

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010)

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010) Rio de Janeiro Em, no estado do Rio de Janeiro (RJ), moravam 16 milhões de pessoas, onde 8,9% (1,4 milhões) tinham 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 92 municípios, dos quais sete (7,6%)

Leia mais

Impacto do Programa de Saúde da Família na redução da mortalidade infantil em municípios brasileiros

Impacto do Programa de Saúde da Família na redução da mortalidade infantil em municípios brasileiros Universidade Federal da Bahia - Instituto de Saúde Coletiva Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Doutorado em Saúde Pública Impacto do Programa de Saúde da Família na redução da mortalidade infantil

Leia mais

Objetivos. 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010. 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003

Objetivos. 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010. 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003 Objetivos 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003 3. Avaliar o impacto do Programa Brasil Sorridente 4. Planejar

Leia mais

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber

Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber Perda localizada dos tecidos calcificados dos dentes, decorrentes da fermentação de carboidratos da dieta por microrganismos do biofilme Princípios

Leia mais

Lions Clube Centro-São José dos Campos

Lions Clube Centro-São José dos Campos Lions Clube Centro-São José dos Campos Projeto Transformação BRASIL Transformação é um projeto que visa ampliar as oportunidades educativas, investindo no desenvolvimento do potencial de cada criança e

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

PROJETO DE LEI N /2012

PROJETO DE LEI N /2012 PROJETO DE LEI N /2012 EMENTA: INCLUI COMO ITEM OBRIGATÓRIO NA CESTA BÁSICA COMERCIALIZADA NO MUNICÍPIO DE (sua cidade), ESCOVAS DENTAIS INFANTIL E ADULTA, CREME DENTAL E FIO DENTAL. A Câmara Municipal

Leia mais

ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA

ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA Áreas temáticas: Educação e Saúde Coordenador: Profª Norma Suely Falcão De Oliveira Melo Equipe executora: Orientadoras: Profª Norma Suely Falcão De Oliveira Melo (coordenador);

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca Escola de Governo em Saúde

Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca Escola de Governo em Saúde Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca Escola de Governo em Saúde PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO EM INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE Responsável: Profª

Leia mais

ABRA A BOCA CONTRA O CÂNCER BUCAL

ABRA A BOCA CONTRA O CÂNCER BUCAL Protocolo Nº: 002-S. Unidade(s) de aprendizagem ou disciplina de referência: Diagnóstico Bucal ( Unidade de Aprendizagem); Patologia Buco Dental e Estomatologia I e II ( disciplina de referência) Ementa:

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DE 12 ANOS DE IDADE EM 2002 E 2007 EM LAJEADO, RS

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DE 12 ANOS DE IDADE EM 2002 E 2007 EM LAJEADO, RS OS IMPACTOS DAS MUDANÇAS NA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NOME SOBRE DO A SAÚDE... ARTIGO 25 PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DE 12 ANOS DE IDADE EM 2002 E 2007 EM LAJEADO, RS PREVALENCE OF DENTAL

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FIA 2011. Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FIA 2011. Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas 1. APRESENTAÇÃO Faça um resumo claro e objetivo do projeto, considerando a situação da criança e do adolescente, os dados de seu município, os resultados da

Leia mais

PROJETO VIGILANTES DO SORRISO

PROJETO VIGILANTES DO SORRISO PROJETO VIGILANTES DO SORRISO Juliana Santos Oliveira NOVAFAPI Cosme José Albergaria da Silva Filho NOVAFAPI Marissol Antunes Fernandes NOVAFAPI Adriana Oquendo Machado NOVAFAPI INTRODUÇÃO O PETI (Programa

Leia mais

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil A OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) divulgou nesta terça-feira os resultados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos,

Leia mais

ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL.

ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL. ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL. Araújo Leônidas, Florentino Júnio; Iturri de La Mata, José Antonio; Queiroga de

Leia mais

TÉCNICAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DA CÁRIE DENTÁRIA EM CRIANÇAS

TÉCNICAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DA CÁRIE DENTÁRIA EM CRIANÇAS TÉCNICAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DA CÁRIE DENTÁRIA EM CRIANÇAS Kelin Angélica Zonin* Róger Reche* Leodinei Lodi** *Acadêmicos do curso de Odontologia da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai

Leia mais

Mesa Redonda: PNE pra Valer!

Mesa Redonda: PNE pra Valer! Mesa Redonda: PNE pra Valer! Construindo o futuro ou reeditando o passado? Um esboço comparativo entre a Lei 10.172/2001 e o PL 8035/2010 Idevaldo da Silva Bodião Faculdade de Educação da UFC Comitê Ceará

Leia mais

BIOESTATÍSTICA x EPIDEMIOLOGIA EPIDEMIOLOGIA

BIOESTATÍSTICA x EPIDEMIOLOGIA EPIDEMIOLOGIA BIOESTATÍSTICA x EPIDEMIOLOGIA EPIDEMIOLOGIA Conceito: É o estudo da distribuição do estado ou eventos de saúde- doença e de seus determinantes em populações específicas, e a aplicação desse estudo para

Leia mais

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DA ATENÇÃO NUTRICIONAL À DESNUTRIÇÃO INFANTIL

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DA ATENÇÃO NUTRICIONAL À DESNUTRIÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DA ATENÇÃO NUTRICIONAL À DESNUTRIÇÃO INFANTIL Cenário

Leia mais

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 RESULTADOS DA PNAD 2011 EDUCAÇÃO Apresentação 2 Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento (Seplan) José Sergio Gabrielli

Leia mais

Planos Municipais de Educação ORIENTAÇÕES TÉCNICAS. Um Bom Diagnóstico

Planos Municipais de Educação ORIENTAÇÕES TÉCNICAS. Um Bom Diagnóstico Planos Municipais de Educação ORIENTAÇÕES TÉCNICAS Um Bom Diagnóstico Tendo em vista o grande desafio nacional: construir planos consonantes ao PNE; as premissas de trabalho pactuadas; as cinco etapas

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade.

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil Ruth Rangel * Fernanda Azevedo * Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Resumo A redução das desigualdades sociais tem sido

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em

Leia mais

A classificação dos domicílios indígenas no Censo Demográfico 2000 e seus impactos na análise de indicadores de saúde

A classificação dos domicílios indígenas no Censo Demográfico 2000 e seus impactos na análise de indicadores de saúde FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - FIOCRUZ ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA - ENSP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DE EPIDEMIOLOGIA EM SAÚDE PÚBLICA A classificação dos domicílios indígenas no Censo Demográfico 2000 e

Leia mais

A DEMANDA POR EDUCAÇÃO INFANTIL NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO E OS DESAFIOS PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS

A DEMANDA POR EDUCAÇÃO INFANTIL NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO E OS DESAFIOS PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS 1 A DEMANDA POR EDUCAÇÃO INFANTIL NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO E OS DESAFIOS PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS A importância dos cuidados com as crianças na primeira infância tem sido cada vez mais destacada

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

Pesquisa inédita faz paralelo entre sistema de educação infantil português e brasileiro

Pesquisa inédita faz paralelo entre sistema de educação infantil português e brasileiro Pesquisa inédita faz paralelo entre sistema de educação infantil português e brasileiro O estudo Educação Infantil em Debate - a Experiência de e a Realidade eira faz um paralelo entre as soluções encontradas

Leia mais

REFERENCIA INSTITUCIONAL:

REFERENCIA INSTITUCIONAL: TITULO: Programa de Integração Docente Assistencial entre a Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e a Secretaria Municipal de Saúde de Diadema - PIDA-DIADEMA EIXO: Extensão, Docência e Investigação

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB 6º SINPLO Simpósio Internacional de Planos Odontológicos Fabiana Car Pernomiam 2011 Ergonomia racionalizar o trabalho, possibilitar

Leia mais

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB -

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - 1 MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - Porto Alegre, 2014. 1 2 S ODONTOLÓGICOS PARA AUXILIARES E TÉCNICOS EM SAÚDE BUCAL Tabela 1: Tipos de Procedimentos Odontológicos para

Leia mais

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO BARROS, Ítala Santina Bulhões 1 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 2 SILVA, Ariadne Estffany Máximo da

Leia mais