ANEXO B: Exemplos de Negócios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO B: Exemplos de Negócios"

Transcrição

1 ANEXO B: Exemplos de Negócios Nas seguintes anotações serão fornecidos um número de exemplos de empreendimentos bem sucedidos e seus usos dos recursos de energia renovável. Esses resumos demonstram uma variedade de oportunidades existentes e fornecem "insights" para a estrutura de cada negócio, abordagens que foram bem sucedidas e os desafios de desenvolver uma abordagem com características similares de um negócio para o lançamento dos serviços de energia rural que possam ser necessárias. Os negócios descritos são: Kanata - Bolívia Mae Ya - Tailândia SELCO - Índia SOLUZ República Dominicana RAPS África do Sul NOOR - Marrocos Riberalta - Bolívia Gam-Solar Gambia Centros de Inovação de Indústrias Rurais (RIIC) - Botsuana Kanata é um projeto de hidrelétrica de 7.4 MW localizado em Cochabamba, Bolívia. Sua operação permite a produção de eletricidade para utilidade local de 30% de aumento de água potável disponível para a cidade de Cochabamba, cidade que sofre de condições regulares de seca. O projeto possibilita o escoamento de uma barragem de alta altitude existente. No início, a água passava pelo canal aberto e um sulco que estavam fornecendo a água potável para a cidade. Este sistema de transporte perdia grande parte da água devido ao derramamento que ocorria quando a água estava descendo do reservatório. O patrocinador do projeto recebeu uma concessão do governo boliviano estatal em 1995 para explorar hidrelétrica. As companhias municipais de fornecimento de água conservaram seus direitos de consumação. O projeto foi desenhado para que pudesse reabilitar o canal aberto e a comporta seria construída para resgatar 100% da corrente de água e então direcioná-la à turbina de uma pequena hidrelétrica. As atividades iniciais incluíram a construção de uma baia (forebay), instalações de facilidades, pedidos de licitações para fornecedores de equipamento e dívida, compromisso de capital de contrapartida dos investidores. A energia de Kanata começou a alimentar a rede boliviana em maio de 1999, tornando-se, com isto, o primeiro Projeto Independente de Produção de Energia do tipo no país e substituindo gerações térmicas. O desenvolvimento da hidrelétrica forneceu uma linha de rede de 4 km que também proporcionou a expansão de distribuição elétrica para as comunidades rurais da região dos arredores do projeto, que não tinham eletricidade.

2 A usina hidrelétrica de Mae Ya está localizada em um dos Parques Nacionais da Tailândia, no rio Mae Ya, ao norte do país, e pertence e é dirigida pela Autoridade Provincial de Eletricidade (PEA). A comporta é um cano de aço com um diâmetro de 900 mm e 370 m de largura. A central da turbina é localizada 100 m abaixo e adjacente ao rio onde uma turbina Turgo de 1.15 MW está localizada. O gerador está conectado à rede local por meio de linhas de transmissão de energia, montadas em pólos que estão acima. O pico de fluxo é de 1.37 m³/s mas há uma variação sazonal. Para resolver um dos problemas críticos das facilidades de hidrelétrica na Tailândia - sedimento altamente abrasivo - uma unidade de dessalinização foi construída em Mae Ya atrás do açude. A usina está em operação desde 1991 executando a 55% do fator de carga. VACVINA, uma agência vietnamita de desenvolvimento rural estabeleceu um pequeno empreendimento para distribuição e instalação residenciais de sistemas de biogás. Esses biodigestores tamanho família são vendidos a fazendeiros locais e são abastecidos por restos de porcos domésticos ou de aves domésticas. Os sistemas são construídos com material de plástico laminado, encanamento e produz gás metano próprio para cozinhar. Mais de desses sistemas foram instalados e as vendas continuam. O trabalho de desenvolvimento tecnológico continua em Vacvina onde foi desenhada e instalada uma unidade mais robusta que pode usar tijolos/gesso para construção ou reforço do concreto. Essas unidades usam bem menos espaço terrestre que as unidades plásticas e permitem sua colocação debaixo de chiqueiros e/ou outras estruturas de uma fazenda. A companhia VAC tem planos de instalar algo em torno de sistemas de biogás residenciais até o ano de Com o financiamento, a empresa está implementando um negócio que permite compra em grande quantidade de materiais, uma promoção continuada da tecnologia e treinamento de técnicos locais em instalação e manutenção dos sistemas. O financiamento está sendo feito na base de parcerias de risco pois o pagamento de volta será feito na base de "dignidade" de pagamento recebido por cada venda de um sistema de biogás. A Companhia Solar de Luz Elétrica (SELCO) é uma companhia de serviço de energia solar que negocia pequenas escalas de sistemas de fotovoltáico (PV) no sul da Índia. A companhia também tem subsidiárias no Vietnã e no Sri Lanka. Esses sistemas de energia renováveis oferecem uma alternativa acessível e sustentável para a iluminação e comunicação de residências nas áreas rurais que não tem o serviço da rede elétrica e fornecem um backup estável para residências na rede. O mercado atual para sistemas residenciais que não constam na rede, áreas rurais dos estados no sul de Karnataka, Andhra Pradesh, norte de Kerala e Tamil Nadu é estimado em residências. A SELCO estabeleceu marketing, vendas, instalações e operações de serviços nas áreas de Karnataka e Andhra Pradesh para servir seu mercado por meio de vendas dos sistemas à vista e a credito. A SELCO (Índia) também formou 2

3 parceria com fornecedores locais de componentes de sistemas de balanço que resultou na redução dos custos. A SELCO (Índia) teve seu sucesso inicial ao demonstrar demanda do mercado, resultando em ofertas de financiamento por parte de vários bancos rurais para vendas a credito. Isto permitiu que a SELCO (Índia) penetrasse no mercado residencial rural. O desenvolvimento bem sucedido da SELCO demonstrou para ambos setores, público e privado, a viabilidade comercial dos sistemas PV residencial rural e é visto como modelo de replicação pela índia e todo mercado emergente. Soluz é uma companhia que cresceu devido a esforços internacionais e locais não governamentais que financiaram demonstrações bem sucedidas na América Central, mostrando que o mercado para financiamento de credito de sistemas PV residenciais em vilarejos rurais onde não há eletricidade existe, especificamente na República Dominicana e em Honduras. Porém, esses negócios também demonstraram que iniciativas com base em dinheiro e crédito só alcançariam 20% da população das áreas rurais sem eletricidade. Esta percepção fez com que a SOLUZ desenvolvesse uma estratégia de providenciar serviços residências de energia a preço acessível por meio de aluguel, permitindo àqueles que não podiam pagar o serviço à vista ou a crédito. Em 1993, $ foi fornecido a Soluz para implementar um protótipo demonstrando seus modelos SEED, Distribuição de Energia Elétrica Solar, que é suprimento dos sistemas residenciais solares (SHS) em uma taxa mensal para bases de serviços. Este trabalho de viabilidade técnica e econômica produziu um caso de demonstração mensurável e um plano de negócio. Na República Dominicana, a Soluz Dominicana está seguindo uma estratégia para as operações da companhia crescerem a um nível de 5000 sistemas até o ano Já foi feito um trabalho bem sucedido no que diz respeito às instalações de sistemas no campo com uma coleção de pagamento em ordem excedente a 95%. Sua estratégia de taxa-por-serviço (taxas mensais de US$10 - US$20 por residência) é reconhecida pela indústria como inovadora e bem sucedida. A Soluz procura melhorar os benefícios de suas operações locais: tem reunido uma forte equipe dominicana e maximizado o uso de produtos e serviços locais. Soluz também estabeleceu um serviço taxa-por-serviço em Honduras. RAPS é um empreendimento recentemente criado com um âmago de atividade de negócio para fornecer eletricidade e outros produtos de energia para a comunidade rural da África do Sul. A estratégia é de estabelecer lojas de energia de propriedade privada, chamadas de lojas RAPS, para supervisionar os serviços e manutenção dos sistemas solares PV, assim como também fornecer produtos e equipamentos de energia complementares. As lojas locais seriam estabelecidas como franquias da RAPS e receberiam treinamento intensivo dado pela RAPS e padronização de produtos e serviços. Uma característica inovadora da RAPS está no plano de implementação do uso do sistema de pré- 3

4 pagamento. Com este sistema, os usuários podem comprar fichas ou cartões das franquias ou nos locais designados pela comunidade. Essas fichas ou cartões são inseridos no sistema solar residencial e a energia pode ser acessada - sem as fichas pré-pagas, o sistema não funcionará. Esta estratégia de coleção reduz o risco de não receber o pagamento mensal dos usuários. RAPS evoluiu juntamente com o programa nacional do governo para expandir o fornecimento de energia em áreas rurais. O plano de negócio da RAPS tem base na concessão feita pelo governo. Este programa estabelece concessões rurais a residências. Seguindo o processo da proposta, companhias privadas foram selecionadas para implementar a taxa pelo serviço PV do programa rural de eletrificação, recebendo um subsídio de ~3000 Rand por residência (~US$450) como parte do programa. A RAPS foi selecionada como uma das concessionárias. O processo de aprovação e regulamentação do governo para as concessões não tem avançado tanto quanto era originalmente previsto. Enquanto a RAPS ainda está na fila para participar, tem procurado oportunidades adicionais de negócio, já que o processo de concessão está atrasado. NOOR Web é uma companhia privada de quatro anos e tem sede principal em Marrakesh, Marrocos onde foi estabelecida para fornecer serviço de energia para a grande população rural de Marrocos que não tem acesso à eletricidade. A NOOR serve a este mercado por meio de duas principais estratégias, primeiro, habilitando empreendimentos locais a abrirem e operarem seus próprios DAR NOORs, ou butiques solares -- diretamente na vila-- para fornecer aos vizinhos suas necessidades ao recarregar suas baterias e vender sistemas solares residenciais e outros itens apropriados incluindo baterias, equipamento elétrico e aparelhos de TVs de baixa voltagem; e segundo, fornecer, dentro de um contrato com agências governamentais marroquinas e estrangeiras, assim como organizações de caridade não governamentais, equipamento, instalação, manutenção e serviço pós-venda de sistemas fotovoltáicos para a população rural. Após um tempo, a estratégia da companhia expandiu de um conceito de estação de carregar baterias para uma onde numerosas estratégias de distribuição serão incorporadas, incluindo serviço por crédito, dinheiro e taxa. Essa evolução foi influenciada por inúmeras mudanças na estratégia de eletrificação da Utilidade Nacional (ONE) para introduzir energia solar com base na sua difusão. Enquanto isto, o impacto significativo na habilidade da NOOR se desenvolver resultou em uma nova oportunidade de negócio. Em 1998, a NOOR foi premiada com um contrato de unidades para agir por parte da ONE na instalação e manutenção de sistemas PV nas áreas residências rurais. Riberalta é uma usina de biomassa de 1MW na Bolívia que usa 2 toneladas de palhas de nozes da Amazônia (Brasil)/hora e resíduos de pedaços de madeira de serrarias locais para produzir eletricidade que pode alimentar um sistema de distribuição existente. Anteriormente à operação da usina, as palhas das nozes eram despejadas nos rios locais, criando uma quantidade significativa de 4

5 poluição, e a eletricidade era produzida pelo uso de combustível diesel. Ambas foram alteradas com o resultado deste negócio. O negócio se tornou operacional em Desde esta época, o negócio tem encontrado barreiras institucionais e econômicas significativas que têm impedido a produção na sua capacidade total e diminuindo a demanda de energia da Riberalta. Primeiro, os outros geradores de diesel que, combinados às usinas de biomassa produziam na capacidade total para o sistema Riberalta, pararam de funcionar, transferindo toda a carga de responsabilidade à usina de biomassa. Isto impediu a manutenção necessária e exigiu que a usina de biomassa continuasse em operação. Além disso, houve uma complicação com a palha de nozes resultado do excesso de umidade nas palhas. Por último, os operadores do sistema de Riberalta, a Cooperativa Elétrica de Riberalta (CER), não executaram as melhorias institucionais e de procedimento exigidas pelo principal financiador do negócio, a Associação de Cooperativas Nacionais de Eletricidade Rural (NRECA). Em conseqüência, a NRECA tomou posse da usina de operações e está agora no processo de implementação da manutenção exigida e da atualização técnica. A resposta da comunidade Riberalta também foi de impacto quando do sucesso do negócio. Inicialmente, a comunidade deu apoio. Porém, quando o sistema de diesel fechou, a culpa foi toda jogada na usina de biomassa. O que a comunidade falhou em reconhecer foi que, sem a usina de biomassa, quando o diesel falhou, não teria havido fornecimento de energia. Gam-Solar está focado em (1) eletrificação de escala solar em residências e aquecimento nas partes rurais da Gâmbia e (2) maiores escalas de aquecimento de água solar nos hotéis.no presente, Gam-Solar planeja instalar mais de 240 sistemas de água quente em residências rurais ou sistemas PV de eletricidade e incumbir-se de converter um hotel de grande porte para energia solar de água aquecida. A segunda parte da atividade do planejado é trazer a companhia à auto-suficiência financeira no prazo do final de A estratégia da Gam-Solar é se alinhar com outras entidades bem estabelecidas de seu país, que visam negócios de energia rural, e se juntar a companhias internacionais de energia para concluirem a conversão de energia em hotéis de portes maiores. A companhia acredita que uma aliança permitirá estabelecer sua presença tanto no mercado rural quanto no urbano, sem ter que constituir uma equipe substancial e aumentar despesas gerais. Produto limitado e diversificação (grande e pequeno, rural ou urbano, residência ou hotel, água aquecida ou eletrificação) é um segundo elemento estratégico. Os produtos Gam-Solar são acessíveis a grande segmento da população rural como a combinação de suas ofertas pequenas, mas também de sistemas de tamanho médio, e suas parcerias com organizações oferecendo empréstimos a ciclos com base na agricultura. O Centro de Inovação de Indústria Rural (RIIC), centro nacional de apropriação de tecnologia da Botsuana, desenhos e fabricação de tecnologia 5

6 está direcionada a criação de empregos e desenvolvimento sustentáveis, especialmente nas áreas rurais. A RIIC também oferece cursos curtos em treinamento de habilidades para gerar renda para as pessoas da vila. Por intermédio da RIIC, o governo da Botsuana estará disponibilizando empréstimos para residências rurais, a serem pagos no período de 4 anos em prestações de sistemas PV. É exigido dos clientes que paguem um deposito não reembolsável e façam pagamentos mensais. Utensílios que podem ser usados com eletricidade PV incluem: bombeamento de água, sistema de iluminação, TVs, rádios, refrigeração de vacinas e máquinas de costura. 6

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas 1. OBJETIVO DO GUIA DE FERRAMENTAS Então você está pensando em começar ou expandir um negócio de energia limpa? Este é um guia passo a passo para que seu negócio

Leia mais

ANEXO A: Introdução a Tecnologias Energéticas Sustentáveis

ANEXO A: Introdução a Tecnologias Energéticas Sustentáveis ANEXO A: Introdução a Tecnologias Energéticas Sustentáveis Na informação que segue será fornecida uma visão de cada tecnologia: PV Solar Hidroelétrica Biomassa Eólico e Sistemas Híbridos Aquecedores Solares

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

O desenvolvimento de recursos energéticos renováveis e alternativos: o papel do comissário Jeff Davis Comissário Comissão de Serviços Públicos do Missouri 1 Recursos energéticos renováveis e alternativos:

Leia mais

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira.

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. 1 Sumário Produção de Energia Elétrica no Brasil e o no Mundo Características de Usinas

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo São Paulo 2008 1. Introdução. Este estudo tem como finalidade demonstrar a capacidade

Leia mais

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração;

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração; GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DEFINIÇÃO A geração distribuída de eletricidade consiste na produção da eletricidade no local de seu consumo, ou próximo a ele; Eventuais excedentes desta geração podem ser vendidos

Leia mais

Conceito Geral. Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência.

Conceito Geral. Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência. Microgeração Conceito Geral Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência. Meio para produção de energia através de instalações de pequena escala, utilizando

Leia mais

UNICAMP IFGW Projeto de F 809. Energia Eólica. Nome do aluno: Bruno Ferreira de Camargo Yabu-uti RA: 008201 Nome do orientador: Pedro Raggio

UNICAMP IFGW Projeto de F 809. Energia Eólica. Nome do aluno: Bruno Ferreira de Camargo Yabu-uti RA: 008201 Nome do orientador: Pedro Raggio UNICAMP IFGW Projeto de F 809 Energia Eólica Nome do aluno: Bruno Ferreira de Camargo Yabu-uti RA: 008201 Nome do orientador: Pedro Raggio 1 1. Objetivos: -Construir um aparato que ilustre didaticamente

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa

Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa Prof. Augusto C. Pavão Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa O problema energético global. Aproveitamento das energias solar, eólica, hidráulica e da biomassa. Energia solar e as

Leia mais

Como Economizar US$ 36 Bilhões em Eletricidade

Como Economizar US$ 36 Bilhões em Eletricidade Como Economizar US$ 36 Bilhões em Eletricidade (sem desligar as luzes) UMA PESQUISA SOBRE A PRODUTIVIDADE ENERGÉTICA NAS AMERICAS CONTINUE POR FAVOR 6 1,9 1 0,1 4 3 14 4 8 O Futuro Sem Eficiência Uma maneira

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Armazenamento de Energia Renovável

Armazenamento de Energia Renovável Solar Eólico Armazenamento de Energia Renovável Biomassa Eficiência Energética Comercial Parques Público Rural Industrial Residencial MICRO E MINIGERAÇÃO DE ENERGIA A ANEEL permitiu aos consumidores através

Leia mais

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Seminário - ABDIB ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Romeu Donizete Rufino Diretor da ANEEL 8 de dezembro de 2010 São Paulo - SP 1997 1998 1999 2000 2001 2002 Início das atividades,

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída (GD) Estudo de caso: Porto de Santos AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída

Leia mais

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País SETEMBRO 23, 2014 by ABEGAS REDACAO in NOTÍCIAS Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) constatou grandes atrasos nas obras de geração e transmissão

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Qualidade do Gasto Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária

Leia mais

Painel Energias Limpas

Painel Energias Limpas Painel Energias Limpas Délio Malheiros Secretário Municipal de Meio Ambiente Vice Prefeito Prefeitura de Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil Santa Fé, 11 a 13 de setembro de 2013. 1 Energia Solar no

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd

www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd Energias Renováveis e o Desenvolvimento Social 1. Apresentação da Instituição 2. Projectos da Área das Energias Renováveis e Impactes

Leia mais

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA Iria Müller Guerrini, No Brasil a maior quantidade de energia elétrica produzida provém de usinas hidrelétricas (cerca de 95%). Em regiões rurais e mais distantes das hidrelétricas

Leia mais

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Fimai/Simai/ Câmara Ítalo - Brasileira Elaborada por: Eng. Marcio Takata Novembro/ 2010 Contexto Fonte: Apresentação Solvis Energia - Tendências

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia

Fontes Alternativas de Energia Fontes Alternativas de Energia Fontes de Energia Fontes Primárias Fontes Renováveis Fontes Não Renováveis Geotérmica Gravitacional Solar Nuclear Oceânica Eólica Hidráulica Fontes Secundárias Madeira Cana

Leia mais

Energia sustentável SEÇÃO 3. 3.1 Energia e desenvolvimento SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

Energia sustentável SEÇÃO 3. 3.1 Energia e desenvolvimento SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL SEÇÃO 3 Energia sustentável O desenvolvimento econômico baseado na queima de combustíveis fósseis está contribuindo enormemente para a mudança climática, pois a utilização destes resulta na emissão de

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2013

PROJETO DE LEI Nº DE 2013 PROJETO DE LEI Nº DE 2013 Dispõe sobre as atividades relativas a geração, transporte, filtragem, estocagem e geração de energia elétrica térmica e automotiva com biogás, e dá outras providências. Art.

Leia mais

GESTÃO INTEGRAL DE RESÍDUOS MUNICIPAIS INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS

GESTÃO INTEGRAL DE RESÍDUOS MUNICIPAIS INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS GESTÃO INTEGRAL DE RESÍDUOS MUNICIPAIS INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS O Instituto Brasil Ambiente apresenta uma proposta de Gestão Integral de Resíduos Municipais desenvolvida pelo Prof. Dr.

Leia mais

VIII CONSE VIII CONSE. Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012. Apresentação. Carlos Monte

VIII CONSE VIII CONSE. Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012. Apresentação. Carlos Monte VIII CONSE Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012 Apresentação Carlos Monte Conceitos Gerais A Engenharia é a profissão do Crescimento. Mais emprego, melhores sálarios e inclusão social com distribuição

Leia mais

Geração de Energia Elétrica. Aula 2 Introdução ao Sistema de Energia Elétrica (SEE)

Geração de Energia Elétrica. Aula 2 Introdução ao Sistema de Energia Elétrica (SEE) Geração de Energia Elétrica Aula 2 Introdução ao Sistema de Energia Elétrica (SEE) 1 Evolução do SEE (~100 anos) SISTEMAS ISOLADOS Sistemas de pequeno porte (necessidades locais) Pequena complexidade operacional

Leia mais

ÍNDICE. Liderança mundial em soluções energéticas inteligentes. Por que os serviços globais da SunEdison se destacam? Serviços Globais da SunEdison

ÍNDICE. Liderança mundial em soluções energéticas inteligentes. Por que os serviços globais da SunEdison se destacam? Serviços Globais da SunEdison SUNEDISON SERVIÇOS GLOBAIS 2015 2 ÍNDICE Liderança mundial em soluções energéticas inteligentes 1. Sobre a SunEdison 2. Dados relevantes da SunEdison 5 6 Por que os serviços globais da SunEdison se destacam?

Leia mais

ENTERPRISE EUROPE NETWORK. Título: Empresa da Eslováquia certificada especializada na produção de painéis fotovoltaicos de alta qualidade.

ENTERPRISE EUROPE NETWORK. Título: Empresa da Eslováquia certificada especializada na produção de painéis fotovoltaicos de alta qualidade. Tipo de parceria:joint venture Empresa da Eslováquia certificada especializada na produção de painéis fotovoltaicos de alta qualidade. Empresa da Eslováquia certificadaespecializada na produção de painéis

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - SEP PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA Visão global de um sistema

Leia mais

O que pode fornecer um sistema FV?

O que pode fornecer um sistema FV? O que pode fornecer um sistema FV? Eletricidade (CA/CC) Sistema de Iluminação Casa Solar, West Bengal, India mas também Fiabilidade Simplicidade Modularidade Imagem Silêncio Componentes dos Sistemas FV

Leia mais

Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar.

Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar. Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar. Prof. Dr. Luiz Roberto Carrocci Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Campus de Guaratinguetá Definições a) Energia

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Fotovoltaica Energia Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo São Paulo 12/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais de toda a cadeia produtiva do

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

PROGRAMA PRODUTOR SOLAR

PROGRAMA PRODUTOR SOLAR PROGRAMA PRODUTOR SOLAR COOPERATIVA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS A TESLA ENERGIA é uma cooperativa uma empresa social de energias renováveis, que alia à sua natureza social o apoio a projetos de solidariedade,

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

Termoelétricas Ou Termelétricas

Termoelétricas Ou Termelétricas Termoelétricas Ou Termelétricas É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada em forma de calor, normalmente por meio da combustão de algum

Leia mais

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

Para produzir energia elétrica e

Para produzir energia elétrica e Produção de energia elétrica A UU L AL A uma notícia de jornal: Leia com atenção o texto a seguir, extraído de Seca agrava-se em Sobradinho e ameaça causar novo drama social no Nordeste Para produzir energia

Leia mais

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz Efeitos da Corrente Elétrica Prof. Luciano Mentz 1. Efeito Magnético Corrente elétrica produz campo magnético. Esse efeito é facilmente verificado com uma bússola e será estudado no eletromagnetismo. 2.

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

EBARA INDÚSTRIAS MECÂNICAS E COMÉRCIO LTDA. YOUR LIFE, OUR QUALITY, WORLDWIDE

EBARA INDÚSTRIAS MECÂNICAS E COMÉRCIO LTDA. YOUR LIFE, OUR QUALITY, WORLDWIDE EBARA INDÚSTRIAS MECÂNICAS E COMÉRCIO LTDA. YOUR LIFE, OUR QUALITY, WORLDWIDE QUALIDADE DESDE 1912 Fundada em 1912, no Japão, a EBARA é atualmente um dos principais fabricantes mundiais de máquinas industriais,

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 MÁQUINAS TÉRMICAS MOTORES A PISTÃO Também conhecido como motor alternativo, por causa do tipo de movimento do pistão.

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE IGUATEMI, REFERÊNCIA EM GESTÃO DO LIXO NO MATO GROSSO DO SUL:

LOCALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE IGUATEMI, REFERÊNCIA EM GESTÃO DO LIXO NO MATO GROSSO DO SUL: LOCALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE IGUATEMI, REFERÊNCIA EM GESTÃO DO LIXO NO MATO GROSSO DO SUL: Iguatemi, cidade localizada na região Cone Sul do Estado de Mato Grosso do Sul. População de aproximadamente 15

Leia mais

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 COGEN Associação da Indústria de Cogeração de Energia A COGEN Associação

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS 2006-2010

PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS 2006-2010 PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS 2006-2010 MISSÃO Atuar de forma segura e rentável, com responsabilidade social e ambiental, nas atividades da indústria de óleo, gás e energia, nos mercados

Leia mais

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Sílvio Roberto Areco Gomes ABRAGE São Paulo 05 de junho de 2008 ROTEIRO A ABRAGE Situação Atual do Armazenamento

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

Agenda de Ação para a Energia Sustentável para Todos (SE4ALL) Guiné-Bissau

Agenda de Ação para a Energia Sustentável para Todos (SE4ALL) Guiné-Bissau Agenda de Ação para a Energia Sustentável para Todos (SE4ALL) Guiné-Bissau Status: adoptado pelo Concelho de Ministros Júlio António Raul, Director das Energias Renováveis Contexto Julho 2013: Adopção

Leia mais

Classificação dos Sistemas Fotovoltaicos

Classificação dos Sistemas Fotovoltaicos Só Elétrica Indústria e Comércio de Equipamentos Elétricos Rua Duque de Caxias, 796 Centro Joaçaba CEP: 89600-000 Fone: (49) 3522-2681 Um sistema fotovoltaico é uma fonte de potência elétrica, na qual

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

Zillo Lorenzetti projeto de cogeração com bagaço

Zillo Lorenzetti projeto de cogeração com bagaço Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC a) Contribuição para a sustentabilidade ambiental local O consiste na queima do bagaço de canade-açúcar para geração de energia para uso próprio e para exportação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 13 - Energia Solar. Sorocaba, Maio de 2015

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 13 - Energia Solar. Sorocaba, Maio de 2015 Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 13 - Energia Solar Sorocaba, Maio de 2015 ENERGIA SOLAR Sol: imenso reator de fusão nuclear onde converte-se,

Leia mais

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS Novas Tendências de Certificação de Sustentabilidade Vanda Nunes - SGS A HISTÓRIA DA SGS Maior empresa do mundo na área de testes, auditorias, inspeções e certificações. Fundada em 1878, na cidade de Rouen,

Leia mais

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa Índice 3 Resultados da pesquisa 17 Conclusão 19 Questionário utilizado na pesquisa Esta pesquisa é uma das ações previstas no Plano de Sustentabilidade para a Competitividade da Indústria Catarinense,

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Formas de uso da água

Formas de uso da água Formas de uso da água INTRODUÇÃO A água é utilizada para várias atividades humanas: uso doméstico, geração de energia, irrigação, navegação, lazer, entre outras atividades. Distribuição relativa do consumo

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

Gerenciamento de Energia

Gerenciamento de Energia Gerenciamento de Energia Mapa do Cenário Brasileiro Capacidade total de quase 88.500MW; Geração de 82.000MW; Transmissão de 80.000Km maiores que 230kV; mais de 530 usinas e subestações; 47 milhões de consumidores.

Leia mais

Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano

Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano Page 1 of 5 Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano Carolina Medeiros, da Agência CanalEnergia, Reportagem Especial

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

NOSSA CAIXA DESENVOLVIMENTO. JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento

NOSSA CAIXA DESENVOLVIMENTO. JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento NOSSA CAIXA DESENVOLVIMENTO JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento 21.10.2011 QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com início de atividades em Março/2009

Leia mais

Fique ligado na energia!

Fique ligado na energia! A U A UL LA 3 Fique ligado na energia! Todos os processos vitais do planeta - circulação das águas e dos ventos, a fotossíntese, entre outros - dependem de energia. A principal fonte de energia na Terra

Leia mais

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Indicadores Socioeconómicos Rendimento per capita de 2010 foi de US$3.215, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização:

Leia mais

Energias Renováveis Palestrante: Lucas Redecker Secretário de Minas e Energia do RS

Energias Renováveis Palestrante: Lucas Redecker Secretário de Minas e Energia do RS Energias Renováveis Palestrante: Lucas Redecker Secretário de Minas e Energia do RS Dia: 15 desetembro/2015 Local: Auditório Central do Colégio Teutônia Horário: 19h30min Configuração dos Sistemas de Distribuição

Leia mais

ENERGIA EÓLICA : Potencial / oportunidades para aplicação turbinas eólicas de pequeno porte

ENERGIA EÓLICA : Potencial / oportunidades para aplicação turbinas eólicas de pequeno porte ENERGIA EÓLICA : Potencial / oportunidades para aplicação turbinas eólicas de pequeno porte Palestrante: Profa Dra Eliane Amaral Fadigas Instituição: USP - Universidade de São Paulo Escola Politécnica

Leia mais

UNICAMP IFGW Relatório parcial do projeto de F 809. Energia Eólica

UNICAMP IFGW Relatório parcial do projeto de F 809. Energia Eólica UNICAMP IFGW Relatório parcial do projeto de F 809 Energia Eólica Nome do aluno: Bruno Ferreira de Camargo Yabu-uti RA: 00801 Nome do orientador: Pedro Raggio 1 1. Objetivos: -Construir um aparato que

Leia mais

Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia

Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia A geracao de eletricidade Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia valdemir cunha/horizonte Unidades geradoras da usina hidrelétrica de Promissão, no

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Belo Horizonte, 26 de Abril de 2011 Jim Michelsen SCS Engineers & Frederico

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS: VANTAGENS E DESVANTAGENS

ENERGIAS RENOVÁVEIS: VANTAGENS E DESVANTAGENS ENERGIAS RENOVÁVEIS: VANTAGENS E DESVANTAGENS 1. BIOMASSA O termo biomassa refere-se a uma série de produtos e sub-produtos agrícolas e florestais, assim como resíduos diversos de origem animal e humana

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

MPX ENERGIA S.A. CNPJ/MF: 04.423.567/0001-21 Companhia Aberta BOVESPA: MPXE3

MPX ENERGIA S.A. CNPJ/MF: 04.423.567/0001-21 Companhia Aberta BOVESPA: MPXE3 MPX ENERGIA S.A. CNPJ/MF: 04.423.567/0001-21 Companhia Aberta BOVESPA: MPXE3 FATO RELEVANTE MPX e E.ON Formam Joint Venture para Promover Crescimento no Brasil -- E.ON alcançará 10% de participação na

Leia mais

Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria

Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria Institucional Quem somos? O Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD) é o órgão

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas,

A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas, A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas, na Rodovia AM-010 KM-20. A Manauara nasceu do desejo de contribuir para um país mais

Leia mais

Há que considerar 3 escalas de tempo

Há que considerar 3 escalas de tempo Há que considerar 3 escalas de tempo 1. HOJE (2001 2011) Gestão segura do SIN num cenário de geração de 2.000 MWmédios térmicos na base e mais 8.000 MWmédios térmicos complementares 2. AMANHÃ (2011 2020)

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

Universidade Federal do Paraná BIOMASSA. Disciplina: Planejamento de Sistemas Elétricos de Potência Aluno: Paulo Ricardo Vriesman da Silva

Universidade Federal do Paraná BIOMASSA. Disciplina: Planejamento de Sistemas Elétricos de Potência Aluno: Paulo Ricardo Vriesman da Silva Universidade Federal do Paraná BIOMASSA Disciplina: Planejamento de Sistemas Elétricos de Potência Aluno: Paulo Ricardo Vriesman da Silva Curitiba, Julho de 2013 AGENDA - INTRODUÇÃO - BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR

Leia mais

ECONOMIZAR DINHEIRO USANDO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA.

ECONOMIZAR DINHEIRO USANDO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA. ECONOMIZAR DINHEIRO USANDO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA. 1 Quase todas as fontes de energia hidráulica, biomassa, eólica, combustíveis fósseis e energia dos oceanos são formas indiretas de energia solar.

Leia mais

FERRAMENTAS ESTACIONÁRIAS

FERRAMENTAS ESTACIONÁRIAS FERRAMENTAS ESTACIONÁRIAS Linha FERRAMENTAS ESTACIONÁRIAS Alta performance nos trabalhos manuais As ferramentas estacionárias são indicadas para trabalhos domésticos, artesanatos, carpintarias, marcenarias,

Leia mais

INSTRUMENTOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS PARA GIRH. Aplicação de instrumentos financeiros

INSTRUMENTOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS PARA GIRH. Aplicação de instrumentos financeiros INSTRUMENTOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS PARA GIRH Aplicação de instrumentos financeiros Metas e objetivos da sessão Examinar em maior detalhe o que foi apresentado no Capítulo 5 em relação às principais

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Penna) Dispõe sobre a criação do Plano de Desenvolvimento Energético Integrado e do Fundo de Energia Alternativa. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Ficam instituídos

Leia mais

1.2. Estado da arte.

1.2. Estado da arte. 1. Introdução A história recente do Sistema Elétrico Brasileiro é interessante. Depois de um longo período de monopólio estatal, o setor passou por profundas mudanças legais para tentar aumentar a eficiência

Leia mais

III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013

III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013 III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013 PRINCIPAIS INDICADORES DO SETOR DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais