ESPELHO DE EMENDA DE APROPRIAÇÃO DE DESPESA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESPELHO DE EMENDA DE APROPRIAÇÃO DE DESPESA"

Transcrição

1 PLN 6 / 9 - LOA Apoio a estudos de viabilidade e projetos de pesquisas em energia hidrelétrica e outras energias renováveis Aprop.- Inclusão Data: 18/11/9 Página: 1 de 6 ÁREA DE GOVERNO Minas e Energia MODALIDADE DE INTERVENÇÃO TIPO DE REALIZAÇÃO PRETENDIDA 99 Atipica / Outras 5 *Atípico (não previsto na geratriz) 9 - UO Genérica - Área Gov X.9999 Apoio a estudos de viabilidade e projetos de pesquisas em energia hidrelétrica e outras energias renováveis Estudo realizado(unidade) AÇÃO ATÍPICA AÇÃO Ação Atípica OBJETIVO Estudo que identifique qual a melhor forma de viabilização dos recursos naturais renováveis, inclusive aproveitamento hidrelétrico. FINALIDADE A proposta objetiva gerar novas oportunidades de estudo e pesquisa em fontes renováveis de energia bem como da disseminação dessas fontes possibilitando uma maior participação na matriz energética nacional e uma contribuição mais intensa do setor ao combate à emissão de gases poluentes. Estudo realizado(unidade) TIPO DA AÇÃO Projeto INÍCIO DA AÇÃO 1/1 CUSTO TOTAL (R$) META TOTAL 6.. TÉRMINO DA AÇÃO 1/1 ACRÉSCIMOS À PROGRAMAÇÃO (EM R$ 1,) 9 Aplic. Diretas Reserva de Contingência 99 A Definir Em geral as energias renováveis custam muito caro e vem sendo este um dos principais obstáculos para o seu uso mais intensivo. Há a necessidade de incentivos específicos que aumentem sua competitividade econômica, e estimulem um maior uso principalamente em programas sociais direcionados à população. Devido ao grande potencial hídrico, especialmente na região norte, é necessário que este potencial seja explorado Com. Minas e Energia

2 PLN 6 / 9 - LOA ESPELHO DE EMENDA DE REMANEJAMENTO DE DESPESA Apoio a Iniciativas de Uso Produtivo de Energia Elétrica Rem.- Acréscimo Data: 18/11/9 Página: de M. de Minas e Energia A9.1 Apoio a Iniciativas de Uso Produtivo de Energia Elétrica Projeto apoiado(unidade) 6 ACRÉSCIMOS À PROGRAMAÇÃO (EM R$ 1,) 9 9 Aplic. Diretas Aplic. Diretas Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas 9 Aplic. Diretas Com. Minas e Energia

3 PLN 6 / 9 - LOA ESPELHO DE EMENDA DE REMANEJAMENTO DE DESPESA Data: 18/11/9 Página: de 6 A presente emenda visa alocar recursos financeiros em apoio a Iniciativas de Uso Produtivo de Energia Elétrica, oriundo do Programa do Ministério de Minas e Energia Luz para todos em nível nacional.

4 PLN 6 / 9 - LOA Construção do Protótipo de Reator Nuclear Aprop.- Acréscimo Data: 18/11/9 Página: de Comando da Marinha Construção do Protótipo de Reator Nuclear Protótipo construído(% de execução física) 9 ACRÉSCIMOS À PROGRAMAÇÃO (EM R$ 1,) 9 Aplic. Diretas Reserva de Contingência 99 A Definir Esta proposta de emenda visa a obter recursos para o Programa Nuclear da Marinha, a ser investido no desenvolvimento e fabricação de um motor elétrico de pólos permanentes para o Laboratório de Geração de Energia Núcleo Elétrica (LABGENE), de potência de 7, MWe, a ser fabricado no Brasil, envolvendo a participação da Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), com a expectativa de geração de 6 empregos diretos/indiretos. Este tipo de motor possui amplas aplicações, particularmente na indústria naval Com. Minas e Energia

5 PLN 6 / 9 - LOA Fabricação do combustível nuclear Aprop.- Acréscimo Data: 18/11/9 Página: 5 de INB Fabricação do Combustível Nuclear Elemento combustível produzido(unidade) 1 ACRÉSCIMOS À PROGRAMAÇÃO (EM R$ 1,) 9 Aplic. Diretas Reserva de Contingência 99 A Definir O Plano de Energia - PNE do Ministério de Minas e Energia contempla a energia nuclear com 5.5 MW para atendimento da demanda de energia elétrica necessária para o crescimento do País. A INB é responsável pela produção do combustível nuclear para as nossas Usinas Termonucleares e precisa ter capacidade para atender a esta nova demanda. Os recursos financeiros serão aplicados nas seguintes atividades: a) Enriquecimento de Urânio - Etapa mais importante do ciclo do combustível nuclear, com tecnologia estratégia desenvolvida pela Marinha decorrente do esforço brasileiro de vários anos, necessita de recursos financeiros para aumentar a capacidade de produção de máquinas ultracentrífugas pela Marinha, diminuindo a dependência do exterior e economizando, de imediato, US$ milhões anuais em dividas. b) Conversão - Atividade também fundamental do ciclo do combustível nuclear, atualmente contratada integralmente no exterior. É imprescindível para a INB implantar uma Fábrica de Conversão no Brasil de modo a eliminar esta dependência. Para tal, é necessário iniciar, imediatamente, a implantação desse projeto. c) Produção do Elemento Combustível - Para atender à demanda do PNE, é fundamental a modernização do parque industrial da INB, de forma a aumentar a produtividade na fabricação dos elementos combustíveis que abastecem os reatores das usinas nucleares, introduzindo novos processos e equipamentos que demandarão a participação da indústria nacional. d) Implantação da Unidade de Produção de Tubos - TREZ - Os elementos combustíveis, onde são alojadas as pastilhas de urânio, são fabricados com tubos de ligas especiais, sem costura, que são adquiridos no exterior ao valor de US$ 6 milhões/ano. A INB necessita eliminar também esta dependência, desenvolvendo e instalando uma unidade de produção de tubos, processo este que gera efeito de arrasto tecnológico para a indústria nacional Com. Minas e Energia

6 PLN 6 / 9 - LOA Reforma de Unidades Regionais do DNPM Aprop.- Acréscimo Data: 18/11/9 Página: 6 de DNPM A.1 Reforma de Unidades Regionais do DNPM Prédio reformado(% de execução física) 1 ACRÉSCIMOS À PROGRAMAÇÃO (EM R$ 1,) 9 Aplic. Diretas Reserva de Contingência 99 A Definir Os recursos aqui solicitados têm o objetivo de resolver problemas inadiáveis, como dar continuidade ao processo de reforma dos vários edifícios do DNPM espalhados pelos seus 5 Distritos Regionais mais a Sede em Brasília. Muitos dos prédios estão em situação bastante precária necessitando urgentemente de reformas e o orçamento disposto no PL (R$ 8,5 milhões) é insuficiente para realizar as obras que fazem necessárias e urgentes Com. Minas e Energia

ESPELHO DE EMENDA DE APROPRIAÇÃO DE DESPESA

ESPELHO DE EMENDA DE APROPRIAÇÃO DE DESPESA Avaliação dos Recursos Minerais do Brasil Página: 1 de 5 CPRM 22.663.1115.2399.0001 Avaliação dos Recursos Minerais do Brasil Relatório elaborado(unidade) 100 9 Reserva de Contingência 00 Res. de Contingencia

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

ETAPAS NA PRODUÇÃO DE COMBUSTIVEL PARA UMA USINA NUCLEAR

ETAPAS NA PRODUÇÃO DE COMBUSTIVEL PARA UMA USINA NUCLEAR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ETAPAS NA PRODUÇÃO DE COMBUSTIVEL PARA UMA USINA NUCLEAR Lucas Ferreira de Souza 1, Luana Thayse Moreira 2, Arquimedes Luciano 3 RESUMO: O Programa de

Leia mais

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013 Apimec Florianópolis Dezembro 2013 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro

Leia mais

Termoelétricas Ou Termelétricas

Termoelétricas Ou Termelétricas Termoelétricas Ou Termelétricas É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada em forma de calor, normalmente por meio da combustão de algum

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 Altera dispositivos da Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de 1996, e da Lei nº 10.848, de 15 de março de 2004, para promover a geração e o consumo

Leia mais

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010)

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010) Aspectos Químicos Basicamente, a química envolvida nas matrizes energéticas se relaciona à obtenção de energia a partir de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e a partir de fissão nuclear.

Leia mais

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira ERSE Mesa Redonda Energia Eólica Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

Isaias Quaresma Masetti. Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br

Isaias Quaresma Masetti. Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br Inovação Tecnológica Frente aos Desafios da Indústria Naval Brasileira Isaias Quaresma Masetti Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br ... O maior obstáculo à indústria

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

Usina Hidrelétrica de Belo Monte

Usina Hidrelétrica de Belo Monte Usina Hidrelétrica de Belo Monte PA Ao dar continuidade ao maior programa de infraestrutura do Brasil desde a redemocratização, o Governo Federal assumiu o compromisso de implantar um novo modelo de desenvolvimento

Leia mais

Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios

Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Energia: Recursos Energéticos e Desafios Estratégicos Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios 24 de agosto de 2009 Nelson Hubner

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS Apresentação no Senado Federal Aquilino Senra COPPE/UFRJ 23/03/2011 AS PRINCIPAIS ÁREAS DA ENGENHARIA NUCLEAR TECNOLOGIA NUCLEAR

Leia mais

Renovação de Concessões de Geração e Oportunidades de Maximização da Energia Assegurada

Renovação de Concessões de Geração e Oportunidades de Maximização da Energia Assegurada Desenhando o futuro... Renovação de Concessões de Geração e Oportunidades de Maximização da Energia Assegurada Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Uberlândia, 29 de maio de 2009 1 Empresas Associadas

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA DE APROPRIAÇÃO DE DESPESA

ESPELHO DE EMENDA DE APROPRIAÇÃO DE DESPESA S AO PLN 0038 / 008 - - LOA Página: 6015 de 984 1 de 13 1405 - Mário Heringer 14050001 MODALIDADE DA TIPO DE Desenv. Urbano - Habit. Saneam. e Infra-Estrutura 078 Apoio a/o/aos 30 Infra-Estrutura Urbana

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração e às s Fontes Alternativas de Energia Raquel Batissaco Duarte Gerente Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Fontes Alternativas de Energia Belo Horizonte,

Leia mais

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Gilberto Hollauer Departamento de Planejamento Energético SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO Brasília, Brasília, 13 de 5 setembro de

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

CARVÃO MINERAL & COMBUSTÍVEL ESTRATÉGICO PARA SANTA CATARINA E O BRASIL

CARVÃO MINERAL & COMBUSTÍVEL ESTRATÉGICO PARA SANTA CATARINA E O BRASIL CARVÃO MINERAL & COMBUSTÍVEL ESTRATÉGICO PARA SANTA CATARINA E O BRASIL Fernando Luiz Zancan Associação Brasileira do Carvão Mineral - ABCM Assembléia Legislativa de Santa Catarina Florianópolis/SC - 09

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Inserção da energia eólica na

Inserção da energia eólica na Inserção da energia eólica na matriz de geração brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O papel das energias renováveis

Leia mais

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como 1 INTRODUÇÃO Energia nuclear Energia nuclear, energia liberada durante a fissão ou fusão dos núcleos atômicos. As quantidades de energia que podem ser obtidas mediante processos nucleares superam em muito

Leia mais

AMAZÔNIA AZUL TECNOLOGIAS DE DEFESA SA

AMAZÔNIA AZUL TECNOLOGIAS DE DEFESA SA DE DE Decisão do CDPNB em 16 de agosto de 2008 Apresentada ao Congresso Nacional em 20 de março de 2012 pelo PL 3538/12 Exposição de Motivos Interministerial Nº 00097/MD/MP/MF Criada pela LEI Nº 12.706,

Leia mais

Energia, Riqueza e População

Energia, Riqueza e População Energia, Riqueza e População Legenda - Colunas à Esquerda: Crescimento relativo da oferta total de energia - Colunas Centrais: Crescimento relativo do Produto Interno Bruto (PIB) - Colunas à Direita: :

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Qualidade do Gasto Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius

Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius Temas a serem abordados: 1. Matriz de energia elétrica 2. Distintas tecnologias 3. Combustível solar 4. Motivação

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Sílvio Roberto Areco Gomes ABRAGE São Paulo 05 de junho de 2008 ROTEIRO A ABRAGE Situação Atual do Armazenamento

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2014

Balanço Energético Nacional 2014 Balanço Energético Nacional 2014 Relatório Síntese ano base 2013 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Maio de 2014 BEN 2014 Relatório Síntese ano base 2013 Ministério de Minas e Energia

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Brasil 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Maurício Muniz Secretário do Programa de Aceleração do Crescimento SEPAC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA DE APROPRIAÇÃO DE DESPESA

ESPELHO DE EMENDA DE APROPRIAÇÃO DE DESPESA S AO PLN 0007 / 015 - - LOA Página: 755 de 8157 1 de 17 ESPELHO DE DE APROPRIAÇÃO DE DESPESA 308 - Bebeto 3080001 MODALIDADE DA TIPO DE Agricultura e Desenvolvimento Agrário 004 Fomento a(o) 761 Setor

Leia mais

A RETOMADA DA OPÇÃO NUCLEOELÉTRICA E OS SEUS DESDOBRAMENTOS NO CONE SUL

A RETOMADA DA OPÇÃO NUCLEOELÉTRICA E OS SEUS DESDOBRAMENTOS NO CONE SUL A RETOMADA DA OPÇÃO NUCLEOELÉTRICA E OS SEUS DESDOBRAMENTOS NO CONE SUL JOÃO ROBERTO LOUREIRO DE MATTOS Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear CDTN Comissão Nacional de Energia Nuclear- CNEN Tel.

Leia mais

O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil.

O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil. Eficiência Energética e a Nova Regulamentação do PEE ANEEL O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Leia mais

DISCUTINDO O FUTURO DA SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA NO BRASIL

DISCUTINDO O FUTURO DA SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA NO BRASIL DISCUTINDO O FUTURO DA SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA NO BRASIL SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 Ciência e tecnologia para o desenvolvimento social Prof. Me. Willian J. Ferreira Prof. Dr. Getulio

Leia mais

CARVÃO MINERAL Desenvolvimento Econômico e Social

CARVÃO MINERAL Desenvolvimento Econômico e Social CARVÃO MINERAL Desenvolvimento Econômico e Social Eng. Fernando Luiz Zancan - ABCM Belo Horizonte, 17 de Setembro de 2015 170915 A curva do esquecimento de Ebbinghaus www.carvaomineral.com.br Contato:

Leia mais

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA Iria Müller Guerrini, No Brasil a maior quantidade de energia elétrica produzida provém de usinas hidrelétricas (cerca de 95%). Em regiões rurais e mais distantes das hidrelétricas

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa

Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa Prof. Augusto C. Pavão Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa O problema energético global. Aproveitamento das energias solar, eólica, hidráulica e da biomassa. Energia solar e as

Leia mais

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Indicadores Socioeconómicos Rendimento per capita de 2010 foi de US$3.215, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização:

Leia mais

AMAZÔNIA AZUL TECNOLOGIAS DE DEFESA SA

AMAZÔNIA AZUL TECNOLOGIAS DE DEFESA SA Nosso objeto social Promover, desenvolver, absorver e manter tecnologias necessárias às atividades nucleares do Programa Nuclear Brasileiro e Programa Nuclear da Marinha. Promover, desenvolver, absorver

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR rimeira Semana de Engenharia Nuclear e Ciências das Radiações - UFMG 29/05/2012 Ilson Soares Chefe da Divisão de Treinamento SUMÁRIO INSTITUIÇÕES

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Brasília, 22 de janeiro de 2008 NOTAS SOBRE O BALANÇO DE UM ANO DO PAC AVALIAÇÃO GERAL Pontos positivos e destaques: 1)

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e Crédito 01.06.2015

JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e Crédito 01.06.2015 JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e Crédito 01.06.2015 Instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE DESPESA

ESPELHO DE EMENDAS DE DESPESA S AO PLN0015 / 2006 - - LOA ESPELHO DE S DE DESPESA 1 de 8 AUTOR DA MODALIDADE DA 5207907 - Flores de Goiás Acréscimo de Despesa 80090001 5101 - Ministério da Integração Nacional 20.607.079.5252.0101 Implantação

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 42/2015: Obter subsídios acerca da solicitação da Enguia Gen PI Ltda. e da Enguia Gen CE Ltda. para rescisão amigável de seus Contratos

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Infraestrutura do ITA (PG-EIA) é um dos pioneiros do país em sua área e lançou as bases para

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

MATRIZ ENERGÉTICA DO ARARIPE QUEBRANDO PARADIGMAS. MILTON MATOS ROLIM Dr. Sc. Coordenador de Pesquisa - CTAraripe

MATRIZ ENERGÉTICA DO ARARIPE QUEBRANDO PARADIGMAS. MILTON MATOS ROLIM Dr. Sc. Coordenador de Pesquisa - CTAraripe MATRIZ ENERGÉTICA DO ARARIPE QUEBRANDO PARADIGMAS. MILTON MATOS ROLIM Dr. Sc. Coordenador de Pesquisa - CTAraripe SUGESTÕES EM MATRIZ ENERGÉTICA IMEDIATO (CURTISSIMO PRAZO) Viabilização dos Planos de Manejo

Leia mais

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Fimai/Simai/ Câmara Ítalo - Brasileira Elaborada por: Eng. Marcio Takata Novembro/ 2010 Contexto Fonte: Apresentação Solvis Energia - Tendências

Leia mais

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída Dep. Engeharia Mecânica Escola Politécnica Universidade de São Paulo Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída Experiências de Sucesso e Perspectivas: a Percepção da Academia Escola Politécnica

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica www.abinee.org.br EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eng. Fabián Yaksic Gerente do Departamento de Tecnologia e Política Industrial São Paulo, 5 junho 2012 ABINEE

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA 15-09-2011 Agostinho Figueira TÓPICOS: 1. Política energética 2. Integração de fontes de energia renovável 3. Sistema electroprodutor Fontes renováveis 4. Plano de acção -

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País SETEMBRO 23, 2014 by ABEGAS REDACAO in NOTÍCIAS Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) constatou grandes atrasos nas obras de geração e transmissão

Leia mais

2, 3 e 4 de Agosto de 2011 Windsor Barra Hotel - Rio de Janeiro

2, 3 e 4 de Agosto de 2011 Windsor Barra Hotel - Rio de Janeiro 2, 3 e 4 de Agosto de 2011 Windsor Barra Hotel - Rio de Janeiro Um evento consolidado que reúne os principais agentes do mercado de energia O Energy Summit, cuja missão é orientar os tomadores de decisão

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira continuarácrescendo firmemente nos

Leia mais

A questão da energia: na perspectiva brasileira

A questão da energia: na perspectiva brasileira A questão da energia: na perspectiva brasileira Resen AnSegurançaCar Resenha Desenvolvimento / Segurança Joana Laura M. Nogueira 24 de abril de 2008 A questão da energia: a perspectiva brasileira Resenha

Leia mais

Destaques do Plano de Trabalho do Governo Chinês para 2015

Destaques do Plano de Trabalho do Governo Chinês para 2015 INFORMATIVO n.º 25 MARÇO de 2015 Esta edição do CEBC Alerta lista os principais destaques do Plano de Trabalho do governo chinês para 2015, apresentado pelo Primeiro-Ministro Li Keqiang e divulgado pela

Leia mais

Título da Apresentação. ABINEE TEC 2012 Programas de Financiamento para a Sustentabilidade na Indústria

Título da Apresentação. ABINEE TEC 2012 Programas de Financiamento para a Sustentabilidade na Indústria Título da Apresentação ABINEE TEC 2012 Programas de Financiamento para a Sustentabilidade na Indústria Setembro de 2012 Agenda A FINEP Inovação Programa Inova Brasil Sustentabilidade e Prioridades Brasil

Leia mais

I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG

I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG Belo Horizonte, 29-31 de Maio de 2012 TECNOLOGIA DOS REATORES NUCLEARES DE POTÊNCIA E DE PESQUISA Dr. Clarysson

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 MÁQUINAS TÉRMICAS MOTORES A PISTÃO Também conhecido como motor alternativo, por causa do tipo de movimento do pistão.

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA DE APROPRIAÇÃO DE DESPESA

ESPELHO DE EMENDA DE APROPRIAÇÃO DE DESPESA Página: 8032 de 10079 1 de 14 2283 - Romeu Tuma 22830001 MODALIDADE DA TIPO DE Saúde 003 Hospitais, Policlínicas, Unidades de Atenção Especializada 552 Implantação/Aparelham/Adequação Unid Saúde/ Aquis

Leia mais

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL Política energética sustentável: objetivos Segurança de suprimentos Compatibilidade ambiental Mix energético balanceado Eficiência econômica Carvão mineral no mundo

Leia mais

Palavra da ABEEólica. Atenciosamente, Elbia Melo

Palavra da ABEEólica. Atenciosamente, Elbia Melo BOLETIM ANUAL DE GERAÇÃO EÓLICA - 2012 Palavra da ABEEólica energia eólica tem experimentado um exponencial e virtuoso crescimento no Brasil. De 2009 a 2012, nos leilões dos quais a fonte eó- A lica participou,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 AGOSTO DE 2005 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 1 2 OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA 2 3 CONTEÚDO DO TRABALHO 2 3.1 ESTUDOS DE FUNDAMENTAÇÃO SOBRE ECONOMIA E ENERGIA

Leia mais

PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL

PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL Marcelo Cavalcanti Guerra Recife, 22 de julho de 2014. 11 PRODUÇÃO / CONSUMO ETANOL BRASIL ÚLTIMOS 5 ANOS ANIDRO (M3) HIDRATADO (M3) ANO PRODUÇÃO

Leia mais

O PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO *

O PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO * O PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO * Pedro Silva Barros** Antonio Philipe de Moura Pereira*** 1 Introdução As origens do Programa Nuclear Brasileiro (PNB) remetem aos anos 1930 e 1940, com as primeiras pesquisas

Leia mais

POLÍTICA DE PREÇOS PARA O GÁS NATURAL NO BRASIL

POLÍTICA DE PREÇOS PARA O GÁS NATURAL NO BRASIL POLÍTICA DE PREÇOS PARA O GÁS NATURAL NO BRASIL GRUPO DE TRABALHO Coordenação: GEOBERTO ESPÍRITO SANTO VICE-PRESIDENTE DE PLANEJAMENTO ENERGÉTICO Rio de Janeiro, 1 de junho de 2012. PLANO DECENAL DE EXPANSÃO

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

Perspectivas para a Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Câmara de Tecnologia FIESC 29 de agosto de 2013 Paula Scheidt Manoel

Perspectivas para a Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Câmara de Tecnologia FIESC 29 de agosto de 2013 Paula Scheidt Manoel Perspectivas para a Energia Solar Fotovoltaica no Brasil Câmara de Tecnologia FIESC 29 de agosto de 2013 Paula Scheidt Manoel Instituto Ideal Criado em fevereiro de 2007, com sede em Florianópolis tem

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2006

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2006 Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2006 IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 10803/2006-9 Ano Orçamento: 2006 UF: RJ Nome do PT: Implantação de Unidade de Enriquecimento

Leia mais

A AMAZÔNIA E O NUCLEAR

A AMAZÔNIA E O NUCLEAR A AMAZÔNIA E O NUCLEAR Witold Lepecki * 1. AMAZÔNIA: CASA DE FORÇA DO BRASIL Segundo o Plano Nacional de Energia até 2030, elaborado pela Empresa de Planejamento Energético (EPE) do MME No cenário de referência,

Leia mais

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica DEMANDA GT Arranjos alternativos para geração eólica OBJETIVOS Desenvolver uma turbina eólica de eixo vertical de pás fixas, de pequeno porte e custo reduzido. Realizar ensaios de rendimento do equipamento

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015 Ministério das Relações Exteriores Assessoria de Imprensa do Gabinete Nota nº 259 30 de junho de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO O Brasil tem o programa mais bem sucedido de substituição de combustível fóssil por combustível renovável no mundo. Esse resultado só foi possível pela resposta do

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL CONDICIONANTES PARA OS INVESTIMENTOS E PERSPECTIVAS DE ATENDIMENTO DO MERCADO II Seminário Energia e Meio Ambiente Perspectivas Legais Manaus,

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais