Introdução ao Laboratório

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução ao Laboratório"

Transcrição

1 SISTEMAS DIGITAIS LEIC-T, LERC, LEE Ano lectivo de 2012/2013 Trab0 Introdução ao Laboratório 1 Introdução O objectivo deste trabalho de laboratório é efectuar a adaptação ao ambiente do laboratório da disciplina de Sistemas Digitais. Embora este trabalho não seja avaliado, a sua realização é obrigatória para todos os alunos que frequentam o referido laboratório. Como a sessão de laboratório tem a duração de apenas 90 minutos, deve estudar este guia atentamente antes da aula, de forma a conseguir realizar todas as actividades propostas. Caso tenha dúvidas contacte o corpo docente no horário de dúvidas disponível na página da cadeira, ou por . Os trabalhos de laboratório compreendem 4 fases: 1. Projecto do circuito que cumpra a funcionalidade pretendida. O resultado é um esquema lógico do circuito, desenhado com um software específico (Circuit Maker). 2. Simulação do circuito lógico de modo a verificar se cumpre as funcionalidades pretendidas, usando igualmente o Circuit Maker. 3. Desenho do esquema eléctrico do circuito, considerando os circuitos integrados a usar e as ligações entre as portas lógicas dos vários circuitos integrados. (Fritzing). 4. Montagem e teste do circuito eléctrico no laboratório, utilizando uma base e uma régua de montagem para interligar com fios eléctricos os circuito integrados escolhidos. 2 Objectivos do trabalho Pretende-se com neste trabalho projectar um circuito com três entradas S2, S1 e S0, que dê saída 1 lógico quando e só quando as entradas forem S2=1 S1=0, S0=1, como se pode observar tabela de verdade seguinte. Deve ser usado um único circuito integrado. Entradas Saída S2 S1 S0 L

2 3 Projecto do circuito lógico No caso de um projecto normal serão os alunos a projector o circuito, mas no caso do trabalho introdutório é dada ma solução que utilisa três portas lógicas NAND de três entradas. Figura 1: Esquema do circuito lógico. (Ficheiro: Trab0.CKT) Para copiar o circuito lógico do Circuit Maker para Word: Circuit Maker: Edit -> Copy to clipboard; Word: Paste. 4 Simulação do circuito lógico Os alunos terão de simular o funcionamento do circuito, para verificar se ele efectivamente está bem projectado. Para tal vão ter de colocar nas entradas V3, V2, V1 todas as combinações binárias possíveis. Como são três variáveis o número de combinações é de 2 3 = 8. Figura 2: Esquema do circuito lógico, com informação para simulação ESTA SIMULAÇÃO TEM DE SER MOSTRADA AO DOCENTE, PARA VERIFICAÇÃO DE QUE TODOS OS ALUNOS DO GRUPO SABEM FAZER SIMULAÇÕES DE CIRCUITOS LÓGICOS.

3 4 Projecto do circuito eléctrico 4.1 Desenho do esquema eléctrico Após termos o circuito lógico simulado podemos desenhar o seu circuito eléctrico, que consiste num esquema que contém os circuitos integrados a usar e na interligação das entradas e saídas das portas lógicas dos circuitos integrados utilizados e respectivos pinos de alimentação. Podemos começar por usar o circuito lógico anterior ao qual adicionamos informação do número dos pinos, seleccionando com o botão direito do rato o Edit Pin Data -> Show Designations: S2 0V L1 S1 5V U2B U2A U2C 8 S0 0V Figura 3: Esquema Circuit Maker com informação dos pinos das gates Para desenhar o esquema eléctrico detalhado e de montagem vamos usar a aplicação Fritzing ( Escolhemos a vista Esquema do referido programa e inserimos na área de trabalho o circuito integrado 7410 (ou 74HCT10) que contém 3 portas lógicas NAND, a régua de interruptores e os LEDs da base. De seguida fazemos as ligações correspondentes ao circuito lógico anterior, resultando o seguinte esquema. (File -> Export > To jpg) Figura 4: Esquema do circuito eléctrico (fritzing-esquema). Ficheiro: Trab0.fz

4 4.2 Desenho da montagem do circuito eléctrico em breadboard O programa Fritzing permite a partir da vista Esquema criar automaticamente o desenho da montagem na base, através da vista Breadboard. É de notar contudo que é necessário alterar a posição dos componentes e dos fios pois em geral eles ficam em posição incorrecta. Após reajustar a posição dos componentes obtém-se um desenho similar ao do desenho seguinte. Figura 5: Vista do circuito eléctrico (fritzing-breadboard). (Ficheiro: Trab0.fz) Este esquema servirá de base à montagem do circuito real no laboratório. No centro do circuito está representado o breadboard, estando inserido nele um circuito integrado 74LS10 (ou 74HCT10). Em baixo estão indicados os interruptores da base, em cima os LEDs. Os fios de interligação estão representados em azul. Notar ainda a verde as interligações internas do breadboard. 5 Montagem do circuito eléctrico no laboratório Após ler as instruções contidas no ANEXO e se familiarizar com o equipamento fornecido (régua de montagem, base de montagem, ponta de prova), efectue a montagem e teste do circuito anterior. 5.1 Teste à alimentação da Base de Montagem Ligue a alimentação da base no Interruptor e verifique que a luz acende. Se isto não acontecer, verifique se: A base está ligada na tomada da bancada e se não estiver ligada, ligue-a. O disjuntor da bancada está ligado e se não estiver, ligue-o.

5 Se após realizar estas verificações a situação persistir peça ajuda ao docente Teste às entradas e saídas Descarne as pontas de um fio e ligue uma delas a um interruptor e a outra a um Led. Verifique que: Se o interruptor estiver para cima o Led fica aceso. Se o interruptor estiver para baixo o Led fica apagado, tal como os restantes Leds que não estão ligados a nada. Repita a experiência com os botões de pressão Montagem do circuito no Breadboard 1. Coloque o breadboard sobre a mesa e coloque o integrado 74HCT10 conforme indicações dadas. 2. Efectue a ligação do pin 14 (Vcc) à régua de barramento superior e do pino 7 (GND) è régua de barramento inferior. 3. Efectue as restantes ligações do circuito conforme indicados nas figuras 3 e 4. Não esquecer as ligações aos 3 interruptores da base e ao Led da mesma. Verifique se o total de fios usados é Ligue o Breadboard à alimentação da base, ligando um fio da régua de barramento superior a +5V e outro fio da régua de barramento inferior a GND (Ground). 5. Teste o funcionamento do circuito variando as posições dos 3 interruptores desde V 3 V 2 V 1 =000 a 111 e verifique o que se passa com o led. Relembra-se que o Led só deve acender se V 3 V 2 V 1 = Se verificar que o funcionamento do circuito não está correcto, utilize a ponta de prova para comparar os valores lógicos existentes no circuito com os valores no simulador. Comece a comparação a partir da saída do circuito até encontrar uma discrepância entre o valor que existe e que deveria existir. Procure a causa (fio trocado, fio em falta, etc.) e corrija-a. Sempre que tiver dificuldades em fazer o que lhe é pedido, solicite a ajuda do docente! Esclareça todas as suas dúvidas com o docente. ESTA MONTAGEM TEM DE SER MOSTRADA AO DOCENTE, PARA VERIFICAÇÃO DE QUE TODOS OS ALUNOS DO GRUPO SABEM FAZER MONTAGEM E TESTE DE CIRCUITOS LÓGICOS.

6 ANEXO INFORMATIVO Equipamento disponível no laboratório No laboratório de Sistemas Digitais são montados e testados circuitos digitais previamente projectados pelo seu grupo de trabalho para as especificações definidas nos enunciados. Estes circuitos são construídos utilizando diversos Circuitos Integrados que são inseridos numa Régua de Montagem ( Breadboard ), tendo por base o projecto elaborado por cada grupo de trabalho. Depois do circuito montado, segue-se a fase de testes, na qual deverá verificar se o circuito cumpre os requisitos, isto é, se funciona como pretendido. O teste do circuito é realizado com recurso a um equipamento especial designado por Base de Montagem ou Bancada de Ensaio. Quando se testa o circuito, acontece muitas vezes que o comportamento que se obtém não é o esperado. Quando esta situação acontece é necessário proceder à sua correção. A deteçao de erros é uma tarefa que deve ser realizada com recurso a outro equipamento especial, a Ponta de Prova. As primeiras actividades que vão realizar destinam-se a permitir que se familiarize com estes equipamentos, de forma a facilitar a realização dos próximos trabalhos. A1. Circuitos Integrados Um circuito integrado contém um conjunto de circuitos que implementam uma dada função lógica. Nas funções lógicas mais simples, o mesmo circuito integrado pode disponibilizar vários circuitos com a mesma função lógica. Por exemplo, o circuito integrado 74HCT10, que será utilizado neste trabalho contém 3 funções lógicas chamadas NAND. Do ponto de vista exterior, um circuito é constituído por uma caixa de plástico preto ou de cerâmica, com um conjunto de pinos metálicos, que permitem aceder as suas entradas e às suas saídas e dois pinos para efectuar a alimentação eléctrica do circuito. A numeração dos pinos ilustrada na Figura A1 é feita usando como referência uma cavidade em forma de semi-círculo (por vezes tem outros formatos). Colocando o circuito integrado numa mesa, com a cavidade virada para cima e para o lado esquerdo, o pino 1 é o que se situa em baixo da cavidade (do lado esquerdo). Os restantes pinos são numerados no sentido anti-horário dos ponteiros do relógio. Normalmente, a alimentação do circuito é feita com uma tensão de +5V através de dois pinos: O Vcc para ligar aos 5V, que usualmente é o último pino (localizado em cima à esquerda, por cima da cavidade). O GND para ligar a massa, que em geral é o último pino da parte inferior, à direita. 6

7 74HCT10 Figura A1: Numeração dos pinos dum circuito integrado Cada circuito integrado tem um código que identifica a sua família e a função que ele executa. Por exemplo, o circuito 74HCT10, pertence à família 74HCT e o número 10 determina que ele executa a função NAND de três entradas. Existem catálogos (em papel e disponíveis na INTERNET) que contêm a descrição dos diversos circuitos integrados. Para cada circuito existe uma folha de dados (em inglês DataSheet), que contém a descrição da estrutura interna do circuito e da ligação aos pinos (em inglês pinout) e a sua tabela de verdade. Na A2 apresenta-se o pinout do referido circuito que foi recolhida da folha de dados. É com base no pinout que se elabora o esquema de ligações,, isto é, o esquema eléctrico do circuito. Figura A2: Extracto do catálogo do circuito 74HCT10 pinout A.2. Régua de Montagem (breadboard) Uma régua de montagem ou placa de montagem também conhecida por breadboard, em inglês, designa um suporte de plástico com contactos metálicos colocados no seu interior, alguns deles ligados, sobre a qual irão ser colocados circuitos integrados e demais componentes electrónicos que constituem o circuito digital a montar e testar. Um breaboard típico é constituído por uma régua de integrados central (2) e duas réguas de barramentos para ligação às tensões de alimentação, uma superior (1) e outra inferior (3), como mostra a Figura A3. Neste exemplo pode observar-se um circuito integrado inserido na régua central. Pode-se ver ainda dois fios a sair de cada uma das réguas de barramentos, para ligar às tensões de alimentação da base. 7

8 3 Figura A3: Breadboard com uma régua de integrados e duas réguas de barramentos As réguas de integrados são constituídas por matrizes de orifícios espaçados de 0,1 polegadas (2,54 mm), divididas horizontalmente em duas metades, separadas por um sulco central (a tracejado na figura). Este sulco serve para facilitar a colocação e remoção dos integrados, a qual deve ser feita com recurso a uma pinça. Os integrados devem ser colocados com a cavidade para o lado esquerdo, e os pinos da parte superior inseridos na metade de cima da régua e os da parte inferior inseridos na metade de baixo. Em cada metade da régua de integrados todos os orifícios duma mesma coluna estão interligados entre si. Desta forma, quando se quer ligar um pino de um integrado a outro pino de outro integrado, a ponta do fio pode ser enfiada em qualquer orifício da coluna onde se localiza o pino que se pretende ligar. Uma régua de barramentos contém em geral apenas duas linhas horizontais. A ligação entre orifícios é feita de maneira diferente: são as linhas que estão internamente interligadas entre si e não as colunas. (Nota: em algumas réguas as linhas estão separadas a meio, formando duas metades independentes) A.3. Base de montagem Uma base de montagem serve para trabalhar com as réguas de montagem, onde se montam os circuitos que utilizam a alimentação eléctrica e as entradas e saídas da base. A Figura A4 mostra uma base de montagem semelhante à que se irá usar no laboratório, onde estão numerados os itens que poderá usar com mais frequência, nomeadamente: mente: o interruptor eléctrico (item 0), dispositivos de saída (itens 1e 2) e dispositivos de entrada (itens 3 e 4). Note-se que as réguas de montagem usadas são as referidas na secção anterior e não as que a fotografia mostra. O interruptor geral da alimentação serve para ligar as fontes de tensão e tem uma luz acesa quando está ligado. Em Sistemas digitais vai ser usada a fonte de tensão de 5 V. 8

9 Figura A4: Base de montagem disponível no Laboratório Existem 8 Leds (1), cada um dos quais se ilumina quando a saída do circuito que lhe está ligado tem o valor lógico 1. Para os utilizar basta ligar um fio da saída do circuito que se pretende testar ao orifício que se encontra por baixo do Led respectivo. Os displays de 7 segmentos (2) servem para representar números no código BCD, representando cada um dos displays um algarismo. Existem 8 interruptores (3) que, quando colocados para cima, colocam a entrada no valor lógico 1 e quando se colocam para baixo colocam a entrada a 0. Para ligar um interruptor a uma entrada dum circuito introduz-se um fio no orifício localizado imediatamente acima do interruptor. Os 2 botões de pressão (4) são interruptores que mudam de valor cada vez que são premidos. Habitualmente os interruptores, os leds e as alimentações disponibilizam dois orifícios. Ambos estão ligados ao mesmo ponto, sendo indiferente qual é empregue. O objectivo é permitir a ligação de mais do que um fio a um ponto, mas nos leds apenas um deve ser ligado, para evitar curto-circuitos. A.4. Ponta de Prova 9

10 A ponta de prova é um equipamento simples ilustrado na Figura A5 que lhe permite determinar o nível lógico num dado ponto do circuito, sendo muito útil na descoberta e correcção de erros. No entanto o seu uso só é eficaz se utilizar um método sistemático de diagnóstico de erros. Figura A5: Ponta de prova Para proceder ao teste terá de alimentar a ponta de prova, ligando o fio vermelho Vcc (+5V) e o fio preto GND (massa). A ponta de prova tem três leds que servem para indicar um determinado estado lógico quando acesos: um deles, normalmente de cor vermelha, corresponde ao valor lógico 1; outro, de cor verde, corresponde ao valor lógico 0; um terceiro led, de cor amarela, intermitente identifica situações em que o valor lógico oscila entre 0 e 1. Para a verificação do estado do circuito num dado ponto, a extremidade metálica da ponta de prova deve ser encostada no pino do circuito integrado no ponto de circuito que se pretende analisar. A ponta não deve ser introduzida nos orifícios das Placas pois isso não garante um bom contacto. 10

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Sistemas Digitais 2010/2011 Instituto Superior Técnico - Universidade Técnica de Lisboa

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Sistemas Digitais 2010/2011 Instituto Superior Técnico - Universidade Técnica de Lisboa SISTEMAS DIGITAIS Ambiente de Trabalho e Portas Lógicas (Hardware) Objectivo: Este trabalho destina-se a pôr os alunos em contacto com o equipamento do laboratório, com os componentes a utilizar e com

Leia mais

Ficha 1. Conjunto de informação básica, essencial para utilizar sensores e actuadores.

Ficha 1. Conjunto de informação básica, essencial para utilizar sensores e actuadores. Ficha 1 Conjunto de informação básica, essencial para utilizar sensores e actuadores. Sítio: Elearning UAb Unidade curricular: FATAC - Sensores e Actuadores (DMAD 2013-14) Livro: Ficha 1 Impresso por:

Leia mais

Instruções para a realização dos trabalhos práticos

Instruções para a realização dos trabalhos práticos Instruções para a realização dos trabalhos práticos 1- Material e instruções para montagem Circuitos integrados ESTV-ESI-Sistemas Digitais-Instruções para os Trabalhos Práticos 1/7 Os circuitos integrados

Leia mais

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa Sistemas Digitais Guia de Implementação de Circuitos na Placa de Desenvolvimento Horácio

Leia mais

1 Utilizando o Protoboard

1 Utilizando o Protoboard Ensino Médio Integrado em Automação Industrial Sistemas Digitais e Projeto Integrador Professor: Rafael Garlet de Oliveira 1 Utilizando o Protoboard Aula Prática 1 É um equipamento utilizado para montagens

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES 1. RESUMO Verificação das relações entre tensões e correntes no circuito primário e secundário de um transformador ideal. Realização da experiência do

Leia mais

LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS

LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS 1. RESUMO Determinação da dependência espectral da atenuação numa fibra óptica de plástico. Verificação do valor da abertura numérica da fibra. 2. INTRODUÇÃO

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM 1. RESUMO GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM Validação, por parte dos alunos, da expressão R = ρ RLApara o cálculo da resistência de um condutor cilíndrico. Determinação da resistência total

Leia mais

Exercício Opcional: FAMILIARIZAÇÃO COM O SOFTWARE CIRCUIT MAKER 2000

Exercício Opcional: FAMILIARIZAÇÃO COM O SOFTWARE CIRCUIT MAKER 2000 Laboratório de Sistemas Digitais /0 Exercício Opcional: FAMILIARIZAÇÃO COM O SOFTWARE CIRCUIT MAKER 000 OBJETIVO Aprender a utilizar o Editor de Esquemáticos e o Simulador Lógico Criar e simular os esquemáticos

Leia mais

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter Powerline Adapter Note! Não expor o Powerline Adapter a temperaturas extremas. Não deixar o dispositivo sob a luz solar directa ou próximo a elementos aquecidos. Não usar o Powerline Adapter em ambientes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EEL5105 Circuitos e Técnicas Digitais Prof. Eduardo L. O. Batista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EEL5105 Circuitos e Técnicas Digitais Prof. Eduardo L. O. Batista UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EEL5105 Circuitos e Técnicas Digitais Prof. Eduardo L. O. Batista EXPERIMENTO 1 INTRODUÇÃO AO LABORATÓRIO A. Introdução O Quartus II é um software utilizado para

Leia mais

Manual de Actualização de Firmware para câmaras fotográficas digitais Cyber-shot da Sony - DSC-F828

Manual de Actualização de Firmware para câmaras fotográficas digitais Cyber-shot da Sony - DSC-F828 Manual de Actualização de Firmware para câmaras fotográficas digitais Cyber-shot da Sony - DSC-F828 O termo "Firmware" refere-se ao software da sua câmara Cyber-shot. Pode actualizar este software para

Leia mais

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter Powerline Adapter Note! Não expor o Powerline Adapter a temperaturas extremas. Não deixar o dispositivo sob a luz solar directa ou próximo a elementos aquecidos. Não usar o Powerline Adapter em ambientes

Leia mais

Curso de Formação Especializada em BE/CRE Módulo: Software Educativo e aprendizagem com as TIC

Curso de Formação Especializada em BE/CRE Módulo: Software Educativo e aprendizagem com as TIC Módulo: Software Educativo e aprendizagem com as TIC Trabalho realizado pelas professoras: Graça Pedrosa Ivone Pedroso Outubro 2003 Introdução Concordando com Papert, pensamos que a aprendizagem tipo familiar

Leia mais

Práticas de laboratório de Eletrônica Digital

Práticas de laboratório de Eletrônica Digital Universidade Federal de Uberlândia Práticas de laboratório de Eletrônica Digital Prof. Dr. Alan Petrônio Pinheiro Faculdade de Engenharia Elétrica Curso de Engenharia Eletrônica e de Telecomunicações (campus

Leia mais

Capítulo 3 - Trabalhando com circuitos digitais

Capítulo 3 - Trabalhando com circuitos digitais Prof. Alan Petrônio Pinheiro Apostila de MultiSim 17 Capítulo 3 - Trabalhando com circuitos digitais O primeiro passo para se trabalhar com circuitos digitais é inserir portas lógicas. Para isto, dispomos

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS LETI, LEE Ano lectivo de 2013/2014 Trabalho 3 Latches e Flip-Flops

SISTEMAS DIGITAIS LETI, LEE Ano lectivo de 2013/2014 Trabalho 3 Latches e Flip-Flops SISTEMAS DIGITAIS LETI, LEE Ano lectivo de 2013/2014 Trabalho 3 Latches e Flip-Flops 1. Introdução Este trabalho foi concebido para que os alunos se familiarizem com o uso de latches e flip-flop. Inicia-se

Leia mais

Comutador USB KVM Comutador USB KVM com áudio, 2 portas Comutador USB KVM com áudio, 4 portas Manual

Comutador USB KVM Comutador USB KVM com áudio, 2 portas Comutador USB KVM com áudio, 4 portas Manual Comutador USB KVM Comutador USB KVM com áudio, 2 portas Comutador USB KVM com áudio, 4 portas Manual DS-11403 (2 portas) DS-12402 (4 portas) NOTA Este equipamento foi testado e está em conformidade com

Leia mais

Circuitos Lógicos. Aulas Práticas

Circuitos Lógicos. Aulas Práticas Circuitos Lógicos Aulas Práticas A Protoboard A Protoboard A Protoboard é um equipamento que permite interconectar dispositivos eletrônicos tais como resistores, diodos, transistores, circuitos integrados

Leia mais

Manual de Instruções para a Placa de Testes da FPGA Max3064A da Altera

Manual de Instruções para a Placa de Testes da FPGA Max3064A da Altera Instituto Superior de Engenharia do Porto ISEP Manual de Instruções para a Placa de Testes da FPGA Max304A da Altera Ano lectivo 2004/2005 3º do Bacharelato do curso de Engenharia Electrotécnica Electrónica

Leia mais

Guia de Instalação, Programação e Funcionamento. Conteúdo. Bem-vindo! Programador Fácil de Programar (STPi)

Guia de Instalação, Programação e Funcionamento. Conteúdo. Bem-vindo! Programador Fácil de Programar (STPi) Bem-vindo Programador Fácil de Programar (STPi) Guia de Instalação, Programação e Funcionamento Obrigado por ter adquirido o programador Rain Bird fácil de programar Nas páginas seguintes, vai encontrar

Leia mais

Manual do Utilizador. Janeiro de 2012.

Manual do Utilizador. Janeiro de 2012. Janeiro de 2012. Índice 1. Introdução 2 Geral 2 Específico 2 Configurável 2 2. Acesso ao adapro 3 3. Descrição 4 Descrição Geral. 4 Funcionalidades específicas de um processador de textos. 5 Documento

Leia mais

Catálogo Nacional de Compras Públicas. Manual de Fornecedores

Catálogo Nacional de Compras Públicas. Manual de Fornecedores 10 de Julho de 2009 Índice 1. Introdução... 3 1.1. Objectivo... 3 2. Fornecedor... 4 2.1. AQs/CPAs... 4 2.2. Contratos... 4 2.3. Grupos AQ/CPA... 5 3. Carregamento e Actualização do Catálogo... 7 3.1.

Leia mais

ACENDENDO AS LUZES. Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre

ACENDENDO AS LUZES. Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre ACENDENDO AS LUZES Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre Projeto 1 LED piscante Neste capitulo, todos os projetos utilizam luzes LED s de diversas formas. Em relação ao hardware,

Leia mais

LABORATÓRIO N.º 1 Uso do Módulo Digital e Iniciação a Eletrônica Digital

LABORATÓRIO N.º 1 Uso do Módulo Digital e Iniciação a Eletrônica Digital 2014.02 LABORATÓRIO N.º 1 Uso do Módulo Digital e Iniciação a Eletrônica Digital Nome do Aluno(a) I PRIMEIROS CONTATOS COM A I.1- Introdução Na primeira parte das atividades deste roteiro o aluno entrará

Leia mais

GeoMafra SIG Municipal

GeoMafra SIG Municipal GeoMafra SIG Municipal Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar a

Leia mais

ZS Rest. Manual Profissional. BackOffice Mapa de Mesas. v2011

ZS Rest. Manual Profissional. BackOffice Mapa de Mesas. v2011 Manual Profissional BackOffice Mapa de Mesas v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar ZSRest Backoffice... 3 4. Confirmar desenho de mesas... 4 b) Activar mapa de mesas... 4 c) Zonas... 4 5. Desenhar

Leia mais

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador MATRÍCULA ELECTRÓNICA Manual do Utilizador ÍNDICE 1 PREÂMBULO... 2 2 UTILIZAÇÃO PELOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO... 3 2.1 Matrícula Electrónica - Acesso através do Portal das Escolas... 3 2.2 Registo de

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES MANUAL DE APOIO Este manual de apoio destina-se aos docentes do ensino oficial que pretendam requerer autorização para acumular funções. Exceptuam-se aqueles que se encontram na situação

Leia mais

Electrónica Digital 2. Xilinx Webpack

Electrónica Digital 2. Xilinx Webpack Electrónica Digital 2 Xilinx Webpack (ver 5.2) Notas para iniciação (Outubro 2003) António Cunha Prefácio Este texto tem como objectivo introduzir os primeiros conceitos sobre a utilização de um CAD para

Leia mais

Criação de Páginas Web - MS Word 2000

Criação de Páginas Web - MS Word 2000 Gestão Comercial e da Produção Informática I 2003/04 Ficha de Trabalho N.º 9 Criação de Páginas Web - MS Word 2000 1. Criação de uma página Web (HTML): Escreva o seu texto e introduza as imagens pretendidas

Leia mais

Seu manual do usuário EPSON LQ-630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/1120693

Seu manual do usuário EPSON LQ-630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/1120693 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Características Quatro zonas com capacidade de teste/isolamento. Dois circuitos de alarme com possibilidade de isolamento. Fonte de alimentação

Leia mais

Manual de Laboratório

Manual de Laboratório UAC DM Fernando Henriques I - Introdução Os Sistemas Digitais são constituídos por uma combinação de dispositivos que manipulam informação representada por dígitos. Na maioria das vezes a informação é

Leia mais

Manual do Utilizador MAC OS

Manual do Utilizador MAC OS Manual do Utilizador MAC OS Impressoras de Rede / Sistemas Operativos MAC OS Versão 1.1, Setembro de 2012 Quaisquer duvidas podem ser esclarecidas através do email: si@esmae-ipp.pt Serviços de Informática,

Leia mais

Impressoras Multifunções

Impressoras Multifunções 2011 Impressoras Multifunções Manual de Procedimentos Ctec ESES 13 08 2011 Impressoras Multifunções INDICE LIBERTAR AS IMPRESSÕES, COPIAR OU DIGITALIZAR 3 EFECTUAR CÓPIAS 5 EFECTUAR DIGITALIZAÇÕES ATRAVÉS

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 3 CRIAÇÃO DE ENTIDADES...12 4 DEPENDÊNCIAS...17 5 BANCOS, SEGURADORAS E CONSERVATÓRIAS...

Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 3 CRIAÇÃO DE ENTIDADES...12 4 DEPENDÊNCIAS...17 5 BANCOS, SEGURADORAS E CONSERVATÓRIAS... Índice 1 INTRODUÇÃO...2 1.1 JANELA ÚNICA DE ENTIDADES...3 1.2 PERMISSÕES POR UTILIZADOR...4 1.3 RESTRIÇÕES À VISUALIZAÇÃO/MANIPULAÇÃO...6 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 2.1 CRITÉRIOS DE PESQUISA...8 2.2 LISTA

Leia mais

Domine o Word 2007. Professor: Rafael Henriques. Ano Lectivo 2010/2011

Domine o Word 2007. Professor: Rafael Henriques. Ano Lectivo 2010/2011 Domine o Word 2007 1 Professor: Rafael Henriques Ano Lectivo 2010/2011 Sumário Introdução aos Processadores de texto; Microsoft Word 2007 O ambiente de trabalho O Friso Os Tabuladores do Word 2007; Realização

Leia mais

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6 MANUAL DO UTILIZADOR A informação contida neste manual, pode ser alterada sem qualquer aviso prévio. A Estratega Software, apesar dos esforços constantes de actualização deste manual e do produto de software,

Leia mais

Laboratório de Arquitectura de Computadores IST - Taguspark 2008/2009 Introdução aos sistemas binários Guião 1 9 a 13 de Março 2009

Laboratório de Arquitectura de Computadores IST - Taguspark 2008/2009 Introdução aos sistemas binários Guião 1 9 a 13 de Março 2009 Laboratório de Arquitectura de Computadores IST - Taguspark 2008/2009 Introdução aos sistemas binários Guião 9 a 3 de Março 2009 (Semana 2) Objectivos Com este trabalho pretende-se que os alunos se familiarizem

Leia mais

INSTALAÇÕES DO EDIFÍCIO (Solar térmica) Manual do Utilizador

INSTALAÇÕES DO EDIFÍCIO (Solar térmica) Manual do Utilizador 2 IMPORTANTE: ESTE TEXTO REQUER A SUA ATENÇÃO E A SUA LEITURA A informação contida neste documento é propriedade da Ingenieros, S.A. e nenhuma parte dela pode ser reproduzida ou transferida sob nenhum

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Agosto/2004 V2 INTRODUÇÃO Este guia foi preparado para auxilio às aulas de laboratório para o curso de Engenharia

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E MEDIDAS

INSTRUMENTAÇÃO E MEDIDAS INSTRUMENTAÇÃO E MEDIDAS TRABALHO N.º1 ACCIONAR DISPOSITIVOS EXTERNOS ATRAVÉS DA PORTA PARALELA Duração do trabalho 2 aulas práticas CIRCUITO 1 Objectivos Compreender o funcionamento da porta paralela

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Guia do Utilizador Versão 4.0 Agosto/ 2014 Índice 1. Introdução 2. Criar/ Validar Folhas de Férias 3. Acesso à funcionalidade 4. Inserir/ Consultar Folhas de Férias 5. Comprovativo

Leia mais

Laboratório de Arquitetura de Computadores IST - Taguspark 2014/2015 Introdução ao simulador Guião 1 23 a 27 fevereiro de 2015

Laboratório de Arquitetura de Computadores IST - Taguspark 2014/2015 Introdução ao simulador Guião 1 23 a 27 fevereiro de 2015 Laboratório de Arquitetura de Computadores IST - Taguspark 2/25 Introdução ao simulador Guião 23 a 27 fevereiro de 25 (Semana 2) Objectivos Com este trabalho pretende-se que os alunos se familiarizem com

Leia mais

Manual de instruções BIOMUDA

Manual de instruções BIOMUDA Manual de instruções BIOMUDA Helder Cardoso Introdução Instalação 2 Introdução O programa Biomuda, gentilmente cedido pelo Instituto Catalão de Ornitologia (ICO) e adaptado para Português, é uma ferramenta

Leia mais

FIGURA. 2.2 ECRÃ DE TRABALHO

FIGURA. 2.2 ECRÃ DE TRABALHO Noções Básicas FIGURA. 2.2 ECRÃ DE TRABALHO 2.2.1 Painel de Tarefas (Task Pane) O painel de tarefas constitui a grande novidade do ecrã de trabalho desta nova versão do Word. Para utilizadores menos experientes,

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Iniciação para docentes Universidade Atlântica Versão: 1 Data: Fevereiro 2010 Última revisão: Fevereiro 2010 Autor: Ricardo Gusmão Índice Introdução... 1 Registo no Moodle...

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

Notas sobre o simulador de circuitos digitais Digital Works

Notas sobre o simulador de circuitos digitais Digital Works 1. Introdução UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Informática - Sistemas Lógicos Notas sobre o simulador de circuitos digitais Digital Works O Digital Works é uma ferramenta gráfica de simulação

Leia mais

SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS (M422)

SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS (M422) ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS (M422) TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉCTRICOS EM REGIME FORÇADO

Leia mais

Manual do Utilizador. Impressoras de Rede / Sistemas Operativos Windows. Versão 1.3, Novembro de 2013

Manual do Utilizador. Impressoras de Rede / Sistemas Operativos Windows. Versão 1.3, Novembro de 2013 Manual do Utilizador Impressoras de Rede / Sistemas Operativos Windows Versão 1.3, Novembro de 2013 Quaisquer duvidas podem ser esclarecidas através do email: si@esmae-ipp.pt Serviços de Informática, ESMAE

Leia mais

Digitalização no laboratório da barra de sobredentadura de implantes NobelProcera Implant Bars Overdenture

Digitalização no laboratório da barra de sobredentadura de implantes NobelProcera Implant Bars Overdenture Digitalização no laboratório da barra de sobredentadura de implantes NobelProcera Implant Bars Overdenture Guia Rápido versão 2 Desfrute da melhor eficiência proporcionada pela NobelProcera com a digitalização

Leia mais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais CAD 2 Rua Comendador Santos da Cunha, 304, Ap. 2330 4701-904 Braga Tel: 00 351 253 20 94 30 Fax: 00

Leia mais

Verificar o conteúdo da embalagem

Verificar o conteúdo da embalagem Verificar o conteúdo da embalagem suporte de papel CD-ROM do guia do Utilizador e do software da impressora pacote de tinteiros (contém tinteiros a cores e preto.) Utilização diária Instalação cabo de

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais Análise de Circuitos LEE 2006/07 Guia de Laboratório Trabalho 2 Amplificadores Operacionais INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Paulo Flores 1 Objectivos

Leia mais

Microsoft Office FrontPage 2003

Microsoft Office FrontPage 2003 Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão Área Interdepartamental de Tecnologias de Informação e Comunicação Microsoft Office FrontPage 2003 1 Microsoft Office FrontPage 2003 O Microsoft

Leia mais

Moldura Digital para Fotografias

Moldura Digital para Fotografias DENVER DPF 741 Manual do Utilizador Moldura Digital para Fotografias ATENÇÃO O cabo de alimentação com adaptador/dispositivo para desligar o aparelho deve estar facilmente acessível e deve poder ser desligado

Leia mais

1.4.5 Ligar outros serviços de armazenamento

1.4.5 Ligar outros serviços de armazenamento Configurar o Word FIGURA 1.26 Serviços ligados 1.4.5 Ligar outros serviços de armazenamento O Microsoft Office 2013 apenas tem disponíveis ligações a serviços de armazenamento proprietários da Microsoft.

Leia mais

Microcontrolador Modelix 3.6

Microcontrolador Modelix 3.6 Curso de Robótica 1 Curso de Robótica Introdução à robótica O desenvolvimento da robótica surgiu da necessidade de se aperfeiçoar processos de fabricação, no sentido de melhorar a qualidade dos produtos.

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS INTRODUÇÃO AO AMBIENTE DE PROJECTO DO XILINX ISE 10.1 PEDRO TOMÁS, PAULO LOPES, HORÁCIO NETO

SISTEMAS DIGITAIS INTRODUÇÃO AO AMBIENTE DE PROJECTO DO XILINX ISE 10.1 PEDRO TOMÁS, PAULO LOPES, HORÁCIO NETO INTRODUÇÃO AO AMBIENTE DE PROJECTO DO XILINX ISE 10.1 PEDRO TOMÁS, PAULO LOPES, HORÁCIO NETO REVISÃO DE NOVEMBRO DE 2012 INTRODUÇÃO O Xilinx ISE é um ambiente integrado de projecto de circuitos digitais.

Leia mais

Montagem da Placa do Controlador

Montagem da Placa do Controlador Montagem da Placa do Controlador A placa de circuito impresso (PCI) do controlador é fornecida com serigrafia, pelo que se torna relativamente fácil proceder à implantação dos componentes e respectivas

Leia mais

Usar o Multímetro O Multímetro:

Usar o Multímetro O Multímetro: Usar o Multímetro Usar um multímetro é algo muito importante para quem trabalha em informática, na área da electrotecnia e electrónica, é um aparelho que nos permite fazer medições de grandezas eléctricas.

Leia mais

LeYa Educação Digital

LeYa Educação Digital Índice 1. Conhecer o 20 Aula Digital... 4 2. Registo no 20 Aula Digital... 5 3. Autenticação... 6 4. Página de entrada... 7 4.1. Pesquisar um projeto... 7 4.2. Favoritos... 7 4.3. Aceder a um projeto...

Leia mais

Guia de Depósito Teses

Guia de Depósito Teses Guia de Depósito Teses Descreva o documento que está a depositar Página 1 Se seleccionar todas as opções nesta página, visualizará um formulário diferente, modificado com o intuito de capturar informações

Leia mais

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Enunciado do 2º Trabalho de Laboratório CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS MODELAÇÃO E SIMULAÇÃO DE CIRCUITOS DE CONVERSÃO ANALÓGICO-DIGITAL E DIGITAL-ANALÓGICO

Leia mais

GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante com dois sensores Instruções de instalação e funcionamento

GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante com dois sensores Instruções de instalação e funcionamento Labkotec Oy Myllyhaantie 6 FI-33960 PIRKKALA FINLAND Tel: + 358 29 006 260 Fax: + 358 29 006 1260 19.1.2015 Internet: www.labkotec.fi 1/12 GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante

Leia mais

MANUAL DRIVELINK DRIVELINK

MANUAL DRIVELINK DRIVELINK MNUL RIVELINK RIVELINK XX Índice 1. Características 1 2. Componentes e acessórios 1 3. Resumo da unidade 2 4. Instalação do hardware 3 5. Instalação do software 4 6. Software de cópia de segurança 4 6.1

Leia mais

Comece aqui. Alinhar os tinteiros sem um computador

Comece aqui. Alinhar os tinteiros sem um computador Comece aqui Alinhar os tinteiros sem um computador Certifique-se de que segue os passos descritos na Folha de Instalação para instalar o hardware. Para optimizar a qualidade de impressão, proceda do modo

Leia mais

Manual de Access 2007

Manual de Access 2007 Manual de Access 2007 Índice Introdução... 4 Melhor que um conjunto de listas... 5 Amizades com relações... 6 A Estrutura de uma Base de Dados... 8 Ambiente do Microsoft Access 2007... 9 Separadores do

Leia mais

Manual de Utilização do Sítio da Disciplina

Manual de Utilização do Sítio da Disciplina UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI Manual de Utilização do Sítio da Disciplina para: Docentes Versão 7.00 Palma de Cima 1649-023 Lisboa Portugal Tel. 21 721 42 19 Fax 21721 42 79 helpdesk@lisboa.ucp.pt

Leia mais

Portas Lógicas Básicas: Parte 2 Simulação Lógica

Portas Lógicas Básicas: Parte 2 Simulação Lógica Laboratório 1 - continuação Portas Lógicas Básicas: Parte 2 Simulação Lógica 5. Introdução à Simulação Lógica Neste laboratório, você tomará contato com a ferramenta de projeto digital Max+Plus II, da

Leia mais

Usando o Excel ESTATÍSTICA. A Janela do Excel 2007. Barra de título. Barra de menus. Barra de ferramentas padrão e de formatação.

Usando o Excel ESTATÍSTICA. A Janela do Excel 2007. Barra de título. Barra de menus. Barra de ferramentas padrão e de formatação. Barra de deslocamento ESTATÍSTICA Barra de menus Barra de título Barra de ferramentas padrão e de formatação Barra de fórmulas Conjuntos e Células (Intervalos) Área de trabalho Separador de folhas Barra

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011 Manual Avançado Instalação em Rede v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Hardware... 3 b) Servidor:... 3 c) Rede:... 3 d) Pontos de Venda... 4 4. SQL Server... 5 e) Configurar porta estática:... 5 5.

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação 9º ANO. Escola Básica José Afonso. Professora Marta Caseirito

Tecnologias da Informação e Comunicação 9º ANO. Escola Básica José Afonso. Professora Marta Caseirito Tecnologias da Informação e Comunicação 9º ANO Escola Básica José Afonso Professora Marta Caseirito Grupo 1 1. As questões seguintes são de escolha múltipla. Nas afirmações seguintes assinale com X aquela

Leia mais

Guia "Web Connect" Versão 0 POR

Guia Web Connect Versão 0 POR Guia "Web Connect" Versão 0 POR Modelos aplicáveis Este Manual do Utilizador aplica-se aos seguintes modelos: ADS-2500W e ADS-2600W Definições de notas Ao longo deste Manual do Utilizador, é utilizado

Leia mais

Guia de Utilização. Acesso Universal

Guia de Utilização. Acesso Universal Guia de Utilização Índice PREÂMBULO...3 ACESSO À PLATAFORMA...3 ÁREA DE TRABALHO...4 APRESENTAR PROPOSTAS...9 RECEPÇÃO DE ADJUDICAÇÃO...18 PARAMETRIZAÇÃO DA EMPRESA...19 Acesso universal Proibida a reprodução.

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DAS PARTICIPAÇÕES DO ESTADO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DAS PARTICIPAÇÕES DO ESTADO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DAS PARTICIPAÇÕES DO ESTADO SIPART (versão Setembro/2004) Manual de Utilização ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. ACEDER À APLICAÇÃO...4 3. CRIAR NOVO UTILIZADOR...5 4. CARACTERIZAÇÃO GERAL

Leia mais

1.4.4 Configurar serviços de armazenamento

1.4.4 Configurar serviços de armazenamento 1.4.4 Configurar serviços de armazenamento Esta versão do Office permite guardar os documentos na nuvem do OneDrive, de modo que possa posteriormente aceder aos seus conteúdos a partir de qualquer dispositivo

Leia mais

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor 20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor Manual do Utilizador Professor... 1 1. Conhecer o 20 Escola Digital... 4 2. Autenticação... 6 2.1. Criar um registo na LeYa Educação... 6 2.2. Aceder ao

Leia mais

Google Sites. A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1

Google Sites. A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1 Google Sites A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1 1. Google Sites A Google veio anunciar que, para melhorar as funcionalidades centrais do Grupos Google, como listas de discussão

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Central de Iluminação de Emergência 12 V(cc), 20 A, com Capacidade de 240 W. Código AFB240 A central de iluminação de emergência é alimentada pela rede elétrica predial (110 ou 220 volts) e também possui

Leia mais

Trabalho Prático Sistema de Armazenagem Relatório Scada

Trabalho Prático Sistema de Armazenagem Relatório Scada Trabalho Prático Sistema de Armazenagem Relatório Scada Docente: Paulo Portugal Daniel Eduardo Miranda dos Santos ee04245 2004/2005 Índice Índice Objectivos 2 Introdução 3 Organização das variáveis para

Leia mais

Guião do Trabalho Laboratorial Nº 11 Controlo de um Elevador Hidráulico

Guião do Trabalho Laboratorial Nº 11 Controlo de um Elevador Hidráulico SISEL Sistemas Electromecânicos Guião do Trabalho Laboratorial Nº 11 Controlo de um Elevador Hidráulico GRIS Group of Robotics and Intelligent Systems Homepage: http://www.dee.isep.ipp.pt/~gris Email:

Leia mais

GeoMafra Portal Geográfico

GeoMafra Portal Geográfico GeoMafra Portal Geográfico Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar

Leia mais

Guia de Imprimir/Digitalizar Portátil para o Brother iprint&scan

Guia de Imprimir/Digitalizar Portátil para o Brother iprint&scan Guia de Imprimir/Digitalizar Portátil para o Brother iprint&scan Versão G POR Definições de notas Ao longo deste Manual do Utilizador, é utilizado o seguinte ícone: As Notas indicam o que fazer perante

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Departamento de Engenharia Electrotécnica PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 1º ano 2º semestre Trabalho Final Reservas de viagens

Leia mais

Manual do Usuário Sistema Viva-Voz Bluetooth

Manual do Usuário Sistema Viva-Voz Bluetooth Este equipamento opera em caráter secundário, isto é, não tem direito a proteção contra interferência prejudicial, mesmo de estações do mesmo tipo e não pode causar interferência a sistemas operando em

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR DO BACKUP HD SERIES

MANUAL DO UTILIZADOR DO BACKUP HD SERIES MANUAL DO UTILIZADOR DO BACKUP HD SERIES OBRIGADO por ter adquirido a aplicação ClickFree Backup. Estas instruções foram reunidas para o ajudar a utilizar o produto, mas de um modo geral esperamos que

Leia mais

EMP Multi Screen Adjustment. Guia de Funcionamento

EMP Multi Screen Adjustment. Guia de Funcionamento EMP Multi Screen Adjustment Guia de Funcionamento Simbologia Utilizada no Manual 1 IMPORTANTE Indica operações que podem provocar danos ou ferimentos se não se tiver os cuidados devidos. NOTA Indica informações

Leia mais

FAQ s para os Administradores do Sistema

FAQ s para os Administradores do Sistema FAQ s para os Administradores do Sistema Este documento disponibiliza FAQ s sobre vários temas. Clique sobre o tema que lhe interessa para aceder às respetivas FAQ s. FAQ s sobre a credenciação do Administrador

Leia mais

Simulação de Circuitos Microcontrolados com o Proteus

Simulação de Circuitos Microcontrolados com o Proteus Universidade Federal do Pará Laboratório de Processamento de Sinais (LaPS) Simulação de Circuitos Microcontrolados com o Proteus Flávio Hernan Figueiredo Nunes flaviohernanfnunes@gmail.com 25 de janeiro

Leia mais

Campus de Gualtar 4710-057 Braga P. Serviço de Comunicações

Campus de Gualtar 4710-057 Braga P. Serviço de Comunicações Campus de Gualtar 4710-057 Braga P Serviço de Comunicações Configuração da rede eduroam em Mac OS X Pré-requisitos: Versões do sistema operativo anteriores à 10.3.x não funcionam. Faça a actualização ao

Leia mais

BearingNet - Inventário

BearingNet - Inventário Contenuto Introdução... 2 Tabela O Seu Inventário... 3 Adicionar inventário... 4 Editar ou Eliminar Inventário... 5 Tabela de Manutenção de Inventário... 7 O seu inventário/ Lista de pedido de stock...

Leia mais

SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL

SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL Manual de Utilização Direcção dos Serviços de Economia do Governo da RAEM Novembro de 2014 SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL Manual

Leia mais

Bases de Dados. Lab 1: Introdução ao ambiente. Figura 1. Base de dados de exemplo

Bases de Dados. Lab 1: Introdução ao ambiente. Figura 1. Base de dados de exemplo Departamento de Engenharia Informática 2012/2013 Bases de Dados Lab 1: Introdução ao ambiente 1º semestre O ficheiro bank.sql contém um conjunto de instruções SQL para criar a base de dados de exemplo

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Microsoft Word Folha

Leia mais

Arranque do FrontOffice

Arranque do FrontOffice TOUCH Arranque do FrontOffice O FrontOffice Touch-Screen do Gespos permite-nos criar várias páginas com uma grande variedade de botões. Esses botões poderão ser usados para chamar artigos e funções. O

Leia mais