LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS"

Transcrição

1 LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS 1. RESUMO Determinação da dependência espectral da atenuação numa fibra óptica de plástico. Verificação do valor da abertura numérica da fibra. 2. INTRODUÇÃO Desde há vários anos que a transmissão em fibras ópticas de vidro é comum. No entanto, nas redes locais não é habitual a comunicação óptica nos últimos 100 metros junto do utilizador. A principal razão é os custos elevados dos equipamentos e da instalação. As fibras ópticas de plástico apresentam custos muito inferiores em relação às fibras convencionais para além de um manuseamento mais fácil. No entanto, as fibras de plástico apresentam atenuações muito superiores às fibras de vidro sendo por isso apenas indicadas para ligações de pequena distância FUNCIONAMENTO DA SESSÃO DE LABORATÓRIO As experiências são realizadas por um grupo de três alunos que têm de entregar no final da aula um relatório da sessão de laboratório. O grupo dispõe de 3 horas para a realização das montagens e elaboração do respectivo relatório. O presente guia de laboratório descreve as montagens e as experiências que têm de ser realizadas e serve simultaneamente como relatório. Cada grupo deverá entregar no final da aula uma cópia do relatório com todos os dados e resultados das experiências devidamente preenchidos, bem como pequenas descrições e justificações sobre os resultados obtidos. A composição dos grupos e o horário da respectiva sessão de laboratório são previamente marcadas com o docente da disciplina durante a aula de apresentação. Cada grupo poderá apenas comparecer no horário de laboratório previamente acordado. Impedimentos de força maior que impeçam por parte dos alunos a realização do laboratório no horário estipulado terão de ser previamente comunicados ao docente. A não comparecência de um aluno na sua sessão de laboratório equivale a sua não realização e correspondente nota de 0 valores nessa componente de avaliação. Antes da sessão de laboratório os alunos terão de ler cuidadosamente este guia de laboratório e preencher a respectiva secção de dimensionamento. Só será autorizado o acesso ao laboratório aos grupos que entreguem ao docente no início de cada sessão uma cópia do dimensionamento. Os alunos podem tirar dúvidas sobre o seu ensaio durante os horários de dúvidas da cadeira ou enviando as suas questões para o do docente 2.2. DESCRIÇÃO DO EQUIPAMENTO Nesta sessão de laboratório utilizam-se os seguintes equipamentos: Módulo de emissão, Figura 1(A). Dispõem de dois canais independentes, um gerador de funções, um mili-amperímetro e 6 fotoemissores (5 LEDs de diferentes comprimentos de onda e 1 LASER). Módulo de recepção, Figura 1(B). Dispõem de 4 fotodetectores (3 PIN e 1 APD), um receptor analógico, um receptor digital e um medidor de potência óptica. Pág. 1

2 (A) (B) Figura 1 (A) Módulo de emissão; (B) Módulo de recepção. Fibras Ópticas de PMMA. Serão utilizados diferentes troços de fibras ópticas de Polymethyl Methacrylate (PMMA) com núcleo com cerca de 1 mm de diâmetro e índice de refracção n 1 =1.49. O índice da refracção da bainha é n 2 =1.41. Na Figura 2 apresentase a dependência da constante de atenuação da fibra com o comprimento de onda. Figura 2 Curva da atenuação da fibra óptica de PMMA. Posicionador óptico. Braço óptico que permite controlar desvios longitudinais e angulares na ligação entre duas fibras ópticas. Figura 3 Posicionador óptico SEGURANÇA Antes de aplicar qualquer tensão assegure-se que todas as ligações estão correctamente efectuadas. Nenhum equipamento pode sair do laboratório. Também não é conveniente olhar para a saída das fibras, apesar de a potência envolvida ser baixa. Pág. 2

3 Data: Horário: Turma: Turno: Grupo: 3. DIMENSIONAMENTO Esta secção visa preparar os alunos para as experiências que irão realizar no laboratório. Todos os grupos terão de no início da sessão de laboratório entregar ao docente uma cópia desta secção. Para um sinal monocromático dentro do espectro visível [considere que o espectro visível se situa entre 580nm e 620nm], estime qual a sua potência óptica máxima e mínima de saída após a propagação ao longo de L=200 m de fibra óptica de PMMA. Considere que, na entrada da fibra, o sinal apresenta uma potência óptica de P in =25 µw. Determine o ângulo máximo de incidência θ max na abertura da fibra óptica de PMMA e o respectivo valor da abertura numérica (NA). Figura 4 Propagação de um raio meridional no interior de uma fibra óptica. Cálculo de θ max e da NA: Pág. 3

4 4. ESQUEMA DA MONTAGEM De seguida, enumeram-se os passos da montagem da experiência a realizar. A. Verifique que ambos os módulos de emissão e recepção se encontram desligados da tomada. No módulo de emissão os botões (P1 e P3) de controlo do ganho do canal 1 e 2 têm de ser totalmente rodados no sentido anti-horário. Realize o mesmo procedimento com os botões (P2 e P4) que regulam a corrente de alimentação dos fotoemissores I bias. B. Ligue o módulo de emissão. Seleccione para o canal 1, usando o botão INPUTS CH.1, a entrada DC (segundo LED na primeira coluna da Figura 5). Figura 5 Controlo da entrada de sinal no módulo de emissão. C. Comute o mili-amperímetro (A-METER CH.1/CH.2) do módulo de emissão para leitura da corrente de alimentação I bias no canal 1 (primeiro LED à direita do visor da Figura 6). Figura 6 Mili-amperímetro do módulo de emissão. D. No módulo de emissão seleccione para o canal 1, o fotoemissor #1 (LED a λ=526 nm), usando o botão OUTPUTS CH.1. Quando o fotoemissor estiver activo o primeiro LED na primeira coluna da Figura 7 ficará aceso. Figura 7 Controlo das saídas ópticas do módulo de emissão. Pág. 4

5 E. Retire a protecção preta do fotoemissor #1 no lado direito do módulo de emissão, Figura 8. Não se esqueça de guardar convenientemente a protecção, para tornar a colocar quando acabar a experiência. Figura 8 Saídas ópticas dos fotoemissores. F. Retire as protecções nas extremidades de um troço de fibra óptica de PMMA de 1 m. Não se esqueça de guardar convenientemente as protecções, para tornar a colocar quando acabar a experiência. Ligue o troço de fibra óptica à saída do fotoemissor #1. Note na pequena ranhura dos conectores que apenas permitem a ligação numa única posição. G. Ligue a alimentação do módulo de recepção. Seleccione para a entrada analógica (ANALOG IN), o fotodetector #4 (PIN Si 2.5 mm) [quarto LED vermelho no lado esquerdo da Figura 9]. Figura 9 Controlo das entradas analógicas do módulo de recepção. H. No medidor de potência óptica (FUNCTION OF OPTICAL METER), escolha a função de medida DC, LED verde no canto inferior esquerdo da Figura 10. Na unidade de medição de potência deverá ficar iluminado um LED verde a indicar a entrada de sinal pelo fotodetector #4. No botão preto do medidor de potência, SELECTOR WAVELENGTH (canto inferior direito da Figura 10), seleccione medições para o comprimento de onda de 526 nm. Figura 10 Medidor de potência óptica. I. Retire a protecção preta do fotodetector #4 no lado esquerdo do módulo de recepção, Figura 11. Não se esqueça de guardar convenientemente a protecção, para tornar a colocar quando acabar a experiência. Figura 11 Entradas ópticas dos fotodetectores. Pág. 5

6 J. Ligue o troço de fibra óptica à entrada do fotodetector #4. Note na pequena ranhura dos conectores que apenas permitem a ligação numa única posição. K. Chame o docente para que as ligações sejam verificadas antes de incrementar a corrente de alimentação do fotoemissor. L. Aumente a corrente do fotoemissor para I bias =15 ma (botão P2) e espere cerca de 1 minuto para que o fotoemissor estabilize. Certifique-se que, no módulo de emissão junto ao botão de controlo da intensidade da corrente, o LED vermelho de overload se encontra desligado. Caso contrário reduza ligeiramente a amplitude da corrente até o referido LED se apagar. 5. EXPERIÊNCIAS De seguida descrevem-se os resultados que têm ser obtidos pelos alunos DEPENDÊNCIA ESPECTRAL DA ATENUAÇÃO No módulo de recepção, leia o valor da potência óptica recebida em Watts [espere até que o resultado estabilize]. O botão vermelho na base do módulo de recepção permite alterar a leitura da potência entre escala linear e logarítmica. Retire o troço de fibra de 1 m e volte a liga-lo no sentido inverso. Leia novamente o valor da potência óptica recebida em Watts. Em seguida, retire o troço de fibra de 1 m e substitua-o pelo troço de 50 m (não se esqueça de guardar convenientemente as protecções da extremidade da fibra, para tornar a colocar quando acabar a experiência). Leia o novo valor de potência recebida. Ligue o troço de 50 m em sentido inverso e volte a anotar o valor de potência recebida. Desligue a fibra do fotoemissor #1 e volte a colocar a protecção no emissor. No módulo de emissão seleccione para o canal 1 o fotoemissor #2 (LED a λ=590 nm) e na sua saída óptica ligue o troço de fibra de 1m. Assegure-se que a outra extremidade deste troço de fibra se encontra ligada ao fotodetector #4. No medidor de potência do módulo de recepção, ajuste a medição para o comprimento de onda de 590 nm. Leia o valor de potência recebida. Repita este ensaio para a fibra de 1 m no sentido inverso e a fibra de 50 m em ambos os sentidos. Repita o ensaio anterior para ambas as fibras, em ambos os sentidos, mas agora com o fotoemissor #3 (LED a λ=660 nm) e, em seguida, com o fotoemissor #4 (LED a λ=850 nm). Para o fotoemissor #3 regule, no módulo de emissão, a corrente de alimentação para cerca de I bias =10.5 ma e para o fotoemissor #4 para cerca de I bias =16 ma. Certifique-se sempre que, no módulo de emissão junto ao botão de controlo da intensidade da corrente, o LED vermelho de overload se encontra desligado. Caso contrário reduza ligeiramente a amplitude da corrente até o referido LED se apagar. Relembre-se de que para cada fotoemissor é necessário reajustar, no módulo de recepção, o comprimento de onda do medidor de potência. Devido à atenuação elevada da fibra óptica de PMMA a λ=1300 nm é necessário alterar ligeiramente o procedimento anterior para a medição neste comprimento de onda. Seleccione no módulo de emissão o fotoemissor #6 (LED a λ=1300 nm) e ajuste a sua corrente de alimentação para cerca de I bias =85 ma. Ligue a fibra de 1 m à saída do fotoemissor e ligue a outra extremidade da fibra ao fotodetector #2 (PIN InGaAs 1mm). Seleccione, no módulo de recepção, para a entrada analógica o fotodetector #2. No medidor de potência do módulo de recepção, altere o selector de comprimentos de onda para seleccionar medições para o comprimento de onda de 1300 nm. Leia o valor de potência recebida. Repita este ensaio para a fibra de 1 m no sentido inverso. Com um adaptador ST-ST ligue duas fibras de 1 m entre os módulos. Leia o novo valor de potência recebida. Repita este ensaio invertendo o sentido do conjunto das duas fibras. Preencha a Tabela 1 com os valores de potência obtidos para cada comprimento de onda e represente na Figura 14, a variação da constante de atenuação com o comprimento de onda. Pág. 6

7 Com os resultados obtidos preencha a secção 7.1 do relatório e comente possíveis diferenças com o dimensionamento ABERTURA NUMÉRICA Rode totalmente no sentido anti-horário o botão P2 do módulo de emissão. Prepare o módulo de emissão para funcionar com o fotoemissor #3 (LED a λ= 660 nm). Ligue ao canal 1, o gerador de funções interno (GEN) do módulo de emissão, primeiro LED na primeira coluna da Figura 5. Junto ao referido LED, comute o interruptor S1(1) para a posição DC e altere o interruptor S1(2) para a posição AC. No gerador de funções, Figura 12, seleccione um sinal sinusoidal pressionando o botão SHAPE até o LED verde indicar SINUS. Em seguida, pressione o botão cinzento para impor uma frequência de 1 khz. Figura 12 Gerador de funções do módulo de emissão. Rode o botão do ganho do canal 1 (botão P1) totalmente no sentido horário. Incremente a corrente de alimentação até cerca de I bias =5 ma (botão P2). Certifique-se que, no módulo de emissão junto ao botão de controlo da intensidade da corrente, o LED vermelho de overload se encontra desligado. Caso contrário reduza ligeiramente a amplitude da corrente até o referido LED se apagar. Ligue um troço de fibra óptica de 1 m à saída óptica do fotoemissor #3 e ligue a outra extremidade da fibra ao conector ST no braço direito do posicionador óptico, Figura 13. Desloque ao longo do braço do posicionador, o conector ao qual acabou de ligar a fibra, o máximo no seu sentido esquerdo de modo à extremidade da fibra ficar alinhada com o eixo do disco do posicionador. Retire a tampa do fotodetector externo (PIN Si 1mm) e coloque-o no braço esquerdo do posicionador óptico, Figura 13. Se necessário desparafuse e retire o conector ST desse braço do posicionador. Verifique se o fotodetector tem o adaptador para medição ligado. Ligue o fotodetector ao módulo de recepção na entrada óptica externa #5, usando o cabo EXTERNAL SENSOR. Seleccione, no módulo de recepção, a entrada analógica do fotodetector #4 (o LED verde deverá ficar intermitente). No medidor de potência óptica, escolha a função de medida de 1 khz [LED vermelho no canto inferior esquerdo da Figura 10]. No botão preto do medidor de potência, ajuste as medições para o comprimento de onda de 660 nm. Figura 13 Montagem com o braço óptico. Alinhe os dois braços do posicionador de modo a que o dispositivo marque um ângulo de 0º e leia o valor da potência óptica no módulo de recepção. Desloque o fotodetector ao longo do braço, até que a potência medida sejam cerca de 300 nw. Rode o braço esquerdo do posicionador com o fotodetector de modo a obter um ângulo de 4º e volte a anotar o valor da potência recebida. Repita Pág. 7

8 este procedimento até 40º com intervalos de 4º. Em seguida rode novamente o posicionador para obter um ângulo de -4º e repita as leituras até -40º com intervalos de 4º. Preencha a Tabela 2 e represente na Figura 15, a potência recebida em função do ângulo entre o eixo da fibra e o fotodetector. Considere que o ângulo máximo de incidência θ max na fibra se verifica quando a potência óptica é inferior a 10% do valor segundo o eixo da fibra. Estime o valor da abertura numérica (NA) da fibra óptica de PMMA. Com os resultados obtidos preencha a secção 7.2 do relatório e comente possíveis diferenças com o dimensionamento. 6. CONCLUSÃO DA SESSÃO DE LABORATÓRIO A. No módulo de emissão, rode totalmente no sentido anti-horário o botão P1 do ganho do canal 1 e realize o mesmo procedimento com o botão P2 que regulam a corrente de alimentação dos fotoemissores I bias. B. Desligue os dois módulos (emissor e receptor). C. Torne a colocar as protecções que tirou dos conectores das fibras e das respectivas entradas e saídas nos módulos. Caso tenha tirado as tampas do fotodetector, volte a colocá-las. D. Desmonte as ligações por si efectuadas e deixe o material arrumado. Pág. 8

9 Data: Horário: Turma: Turno: Grupo: 7. RELATÓRIO Cada grupo após terminar a sessão de laboratório terá de entregar ao docente uma cópia deste relatório. Os alunos deverão preencher todos os valores solicitados, justificar os resultados obtidos e se possível efectuar a comparação com os valores teóricos estimados DEPENDÊNCIA ESPECTRAL DA ATENUAÇÃO Apresente os valores obtidos para a potência recebida com os diferentes fotoemissores e com os diferentes troços de fibra. Determine a constante de atenuação α da fibra em (db/m) nos diferentes comprimentos de onda medidos. Fotoemissor #1 (LED a λ=526 nm) #2 (LED a λ=590 nm) #3 (LED a λ=660 nm) Potência recebida (µw) 1m (A-B) 1m (B-A) 50m (A-B) 50m (A-B) Constante de atenuação α (db/m) #4 (LED a λ=850 nm) #6 (LED a λ=1300 nm) Potência recebida (nw) 1m (A-B) 1m (B-A) 2m (A-B) 2m (A-B) Constante de atenuação α (db/m) Tabela 1 Valores medidos para a potência recebida nos diferentes comprimentos de onda. Desenhe um gráfico da constante de atenuação em função do comprimento de onda. Figura 14 Variação da constante de atenuação da fibra óptica de PMMA com o comprimento de onda. Pág. 9

10 Compare o gráfico anterior com a Figura 2. Para além da atenuação, comente que outros efeitos podem limitar a propagação numa fibra óptica ABERTURA NUMÉRICA Apresente os valores obtidos para a potência recebida consoante o ângulo entre o eixo da fibra e o fotodetector. Ângulo (º) Potência (nw) Potência (%) Ângulo (º) Potência (nw) Potência (%) Tabela 2 Valores medidos para a potência recebida em função do ângulo entre o eixo da fibra e o fotodetector. Na figura 15 desenhe a percentagem de potência recebida em função do ângulo. Pág. 10

11 Figura 15 Potência recebida em função do ângulo entre o eixo da fibra e o fotodetector. Com base nas medições de potência determine o ângulo máximo θ max de incidência na fibra e o correspondente valor para a abertura numérica (NA). Compare os valores obtidos com os apresentados no dimensionamento. Pág. 11

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM 1. RESUMO GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM Validação, por parte dos alunos, da expressão R = ρ RLApara o cálculo da resistência de um condutor cilíndrico. Determinação da resistência total

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES 1. RESUMO Verificação das relações entre tensões e correntes no circuito primário e secundário de um transformador ideal. Realização da experiência do

Leia mais

Introdução ao Laboratório

Introdução ao Laboratório SISTEMAS DIGITAIS LEIC-T, LERC, LEE Ano lectivo de 2012/2013 Trab0 Introdução ao Laboratório 1 Introdução O objectivo deste trabalho de laboratório é efectuar a adaptação ao ambiente do laboratório da

Leia mais

Manual de funcionamento

Manual de funcionamento INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA DE ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES E DE COMPUTADORES Manual de funcionamento Setembro de 2012 Índice Índice Capítulo 1 - Medição

Leia mais

Fibras Ópticas Medição da abertura numérica de uma fibra óptica multimodo

Fibras Ópticas Medição da abertura numérica de uma fibra óptica multimodo Fibras Ópticas Medição da abertura numérica de uma fibra óptica multimodo Equipamento: * Mesa óptica * Fibra multimodo, 50/125 µm * Laser de He-Ne * Microscópio * Multímetro óptico * Cortador de fibra

Leia mais

Objectivo. Material necessário. Procedimento experimental. Siga o procedimento para cada uma das alíneas. A alínea 3.1deve ser feita com a

Objectivo. Material necessário. Procedimento experimental. Siga o procedimento para cada uma das alíneas. A alínea 3.1deve ser feita com a Electrónica P1 - Osciloscópio. Objectivo Iniciação ao osciloscópio Material necessário 1 osciloscópio, 1gerador de sinais, 1 fonte de tensão. Procedimento experimental Siga o procedimento para cada uma

Leia mais

Guia de Instalação, Programação e Funcionamento. Conteúdo. Bem-vindo! Programador Fácil de Programar (STPi)

Guia de Instalação, Programação e Funcionamento. Conteúdo. Bem-vindo! Programador Fácil de Programar (STPi) Bem-vindo Programador Fácil de Programar (STPi) Guia de Instalação, Programação e Funcionamento Obrigado por ter adquirido o programador Rain Bird fácil de programar Nas páginas seguintes, vai encontrar

Leia mais

Todas as medições efectuadas no osciloscópio são basicamente medições de comprimentos nesta matriz.

Todas as medições efectuadas no osciloscópio são basicamente medições de comprimentos nesta matriz. Ciências Experimentais P5: Osciloscópio. Sensibilidade, resolução e erro máximo do aparelho. 1. Objectivos Iniciação ao osciloscópio. Estimativas de sensibilidade, resolução e erro máximo do aparelho.

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 CONVERSORES DE SINAIS Por: Prof. Luis Filipe Baptista E.N.I.D.H. 2012/2013

Leia mais

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h)

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de O curso tem como objectivos específicos, dotar os participantes de conhecimentos que lhes permitam: Obter a RENOVAÇÃO da CERTIFICAÇÃO reconhecida pela ANACOM como técnico de projecto

Leia mais

Electrónica dos Sistemas Embebidos. Guia de Laboratório II

Electrónica dos Sistemas Embebidos. Guia de Laboratório II Electrónica dos Sistemas Embebidos Guia de Laboratório II IST-2014 A -Objectivos Com este guia pretende-se tomar contacto com cada um dos blocos fundamentais do sistema de comunicações em PCM. Os sinais

Leia mais

Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Osvaldo Guimarães PUC-SP

Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Osvaldo Guimarães PUC-SP 1 Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Osvaldo Guimarães PUC-SP Alguns experimentos de óptica básica Este item é composto por um conjunto de peças avulsas que permitem

Leia mais

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO TRABALHO PRÁTICO MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO Objectivo Este trabalho tem como objectivo a familiarização com alguns dos equipamentos e técnicas de medida

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Roteiro 25 Interferência sonora e batimento sonoro

Roteiro 25 Interferência sonora e batimento sonoro Roteiro 25 Interferência sonora e batimento sonoro 1 INTRODUÇÃO A interferência sonora consiste em um recebimento de duas ou mais ondas de fontes diferentes. Neste caso, teremos uma região do espaço na

Leia mais

Análise de Circuitos

Análise de Circuitos Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Análise de Circuitos 1º Trabalho de Laboratório Circuitos resistivos lineares e não lineares Leis de Kirchhoff e amplificador operacional Setembro

Leia mais

Fibras Ópticas Medição da atenuação de uma fibra óptica multimodo

Fibras Ópticas Medição da atenuação de uma fibra óptica multimodo Fibras Ópticas Medição da atenuação de uma fibra óptica multimodo Equipamento: * Mesa óptica * Fibra multimodo, 50/125 µm * Laser de He-Ne * Microscópio * Multímetro óptico * Cortador de fibra óptica *

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO MANUAL DO PRODUTO MODELO DFOL

MANUAL DO PRODUTO MANUAL DO PRODUTO MODELO DFOL DETECTOR DE FUMAÇA ÓTICO LINEAR MODELO DFOL PARA MÉDIOS E GRANDES SISTEMAS IDEAL PARA GALPÕES ALCANCE DE 20 A 100 METROS ÁREA DE COBERTURA MÁXIMA 14x100M² ECONOMIA NA INSTALAÇÃO EM GRANDES ÁREAS ONDE SE

Leia mais

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência.

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência. Ano lectivo: 200-20 Medição de Tensões e Correntes Eléctricas. Leis de Ohm e de Kirchhoff. OBJECTIO Aprender a utilizar um osciloscópio e um multímetro digital. Medição de grandezas AC e DC. Conceito de

Leia mais

CINEMA SB100 alto-falante de barra de som com energia própria

CINEMA SB100 alto-falante de barra de som com energia própria CINEMA SB100 alto-falante de barra de som com energia própria Manual de consulta rápida Obrigado por escolher este produto da JBL O alto-falante de barra de som energizado JBL Cinema SB100 é um sistema

Leia mais

Painel sinóptico BAT 100 LSN. Guia de instruções

Painel sinóptico BAT 100 LSN. Guia de instruções Painel sinóptico BAT 100 LSN pt Guia de instruções Painel sinóptico Índice pt 3 Índice 1 Instruções de segurança 4 2 Descrição funcional 4 3 Vista geral do sistema 6 4 Instalação 7 5 Ligação 11 6 Manutenção

Leia mais

LASERTECK ALINHADOR PORTÁTIL DIGITAL MODELO LTA 550 MANUAL DE USO

LASERTECK ALINHADOR PORTÁTIL DIGITAL MODELO LTA 550 MANUAL DE USO LASERTECK ALINHADOR PORTÁTIL DIGITAL MODELO LTA 550 MANUAL DE USO 2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO EQUIPAMENTO... 3 3 CARACTERÍSTICAS DOS ÂNGULOS DE MEDIÇÕES... 4 3.1 CAMBER /

Leia mais

Espectro da Voz e Conversão A/D

Espectro da Voz e Conversão A/D INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES GUIA DO 1º TRABALHO DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I Espectro da Voz e Conversão A/D Ano Lectivo de

Leia mais

Prova experimental. Sábado, 30 de Junho de 2001

Prova experimental. Sábado, 30 de Junho de 2001 Prova experimental Sábado, 30 de Junho de 001 Por favor, ler estas instruções antes de iniciar a prova: 1. O tempo disponível para a prova experimental é de 5 horas.. Utilizar apenas o material de escrita

Leia mais

AUTOMATISMO PARA PORTA SECCIONADA INDUSTRIAL MANUAL DE UTILIZAÇÃO E INSTALAÇÃO

AUTOMATISMO PARA PORTA SECCIONADA INDUSTRIAL MANUAL DE UTILIZAÇÃO E INSTALAÇÃO AUTOMATISMO PARA PORTA SECCIONADA INDUSTRIAL MANUAL DE UTILIZAÇÃO E INSTALAÇÃO Por favor leia atentamente o manual antes da instalação e utilização Rev..2 7/03/20 O cadernal foi projectado apenas para

Leia mais

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta.

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta. Escola Secundária Vitorino Nemésio Terceiro teste de avaliação de conhecimentos de Física e Química A Componente de Física 11º Ano de Escolaridade Turma C 13 de Fevereiro de 2008 Nome: Nº Classificação:

Leia mais

GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA

GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA OBJECTIVO Familiarização com os instrumentos a usar nos trabalhos práticos posteriores (osciloscópio, painel didáctico, gerador de sinais, fonte de alimentação

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais Análise de Circuitos LEE 2006/07 Guia de Laboratório Trabalho 2 Amplificadores Operacionais INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Paulo Flores 1 Objectivos

Leia mais

ÍNDICE. Informações Técnicas... 12 Posição de montagem e dimensões... 13

ÍNDICE. Informações Técnicas... 12 Posição de montagem e dimensões... 13 1 ÍNDICE Função do detector de inclinação... 4 Instalação do módulo do sensor de ângulo... 5 Instalação do display... 6 Operação da unidade de display... 7 Reporte do display... 8 Parametrização do display...

Leia mais

Seleção de Produtos. Sensor Fotoelétrico. Como especificar. TECNI-AR Ltda - Tel: 31 3362-2400 w.tecni-ar.com.br

Seleção de Produtos. Sensor Fotoelétrico. Como especificar. TECNI-AR Ltda - Tel: 31 3362-2400 w.tecni-ar.com.br Seleção de Produtos Sensor Fotoelétrico Como especificar Saída coletor PNP aberto Saída coletor NPN aberto Temporizador embutido Tipo padrão Tipo relflexivo (Tipo Difuso) Tipo feixe estreito Emissor Receptor

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI 31 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

Aparelhos de Laboratório de Electrónica

Aparelhos de Laboratório de Electrónica Aparelhos de Laboratório de Electrónica Este texto pretende fazer uma introdução sucinta às características fundamentais dos aparelhos utilizados no laboratório. As funcionalidades descritas são as existentes

Leia mais

CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC. Modelo FP4-4 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC. Modelo FP4-4 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC Modelo FP4-4 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO Introdução A FP4 é uma Central de Detecção de Incêndio Convencional, equipada com 4 zonas de detecção,

Leia mais

Instruções de Utilização. Pré-amplificador de 8 vias 0530 00

Instruções de Utilização. Pré-amplificador de 8 vias 0530 00 Instruções de Utilização Pré-amplificador de 8 vias 0530 00 Descrição das funções O pré-amplificador de 8 vias amplifica os sinais de áudio de 8 fontes como, p. ex., o rádio, o leitor de CD, etc., para

Leia mais

Análise de parâmetros ultra-sónicos no domínio da frequência

Análise de parâmetros ultra-sónicos no domínio da frequência Análise de parâmetros ultra-sónicos no domínio da frequência 1 TRABALHO LABORATORIAL Nº 4 Análise de parâmetros ultra-sónicos no domínio da frequência Introdução: Em controlo não destrutivo por ultra-sons

Leia mais

J. ROMA, Lda. MANUAL DE UTILIZAÇÃO www.jroma.pt. Detector de metais. Modelo M-97 M A N U A L D E O P E R A Ç Ã O

J. ROMA, Lda. MANUAL DE UTILIZAÇÃO www.jroma.pt. Detector de metais. Modelo M-97 M A N U A L D E O P E R A Ç Ã O Detector de metais Modelo M-97 M A N U A L D E O P E R A Ç Ã O F I S H E R R E S E A R C H L A B O R A T O R Y Pág. 1 de 9 Índice Índice... 2 Sobre o M-97... 3 Características... 3 Painel de controlo...

Leia mais

CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC. Modelo FAP2 2 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC. Modelo FAP2 2 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC Modelo FAP2 2 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO Introdução A FAP2 é uma Central de Detecção de Incêndio Convencional, equipada com 2 zonas de detecção,

Leia mais

Guia do Usuário. Registrador de Dados da Umidade + Temperatura + Pressão. Modelo RHT50

Guia do Usuário. Registrador de Dados da Umidade + Temperatura + Pressão. Modelo RHT50 Guia do Usuário Registrador de Dados da Umidade + Temperatura + Pressão Modelo RHT50 Introdução Parabéns pela sua compra do Registrador de Dados de Umidade Relativa/Temperatura/Pressão. Este registrador

Leia mais

CONTROLES E CONEXÕES DO PAINEL TRASEIRO DA BARRA DE SOM CONTROLES DO PAINEL SUPERIOR E CONTROLE REMOTO DA BARRA DE SOM. Interruptor EQ.

CONTROLES E CONEXÕES DO PAINEL TRASEIRO DA BARRA DE SOM CONTROLES DO PAINEL SUPERIOR E CONTROLE REMOTO DA BARRA DE SOM. Interruptor EQ. CONTROLES E CONEXÕES DO PAINEL TRASEIRO DA BARRA DE SOM CONTROLES DO PAINEL SUPERIOR E CONTROLE REMOTO DA BARRA DE SOM Interruptor EQ Botão Power (Ligar) Botão Source (Fonte) Botões de Volume Botão Surround

Leia mais

Microcontrolador Modelix 3.6

Microcontrolador Modelix 3.6 Curso de Robótica 1 Curso de Robótica Introdução à robótica O desenvolvimento da robótica surgiu da necessidade de se aperfeiçoar processos de fabricação, no sentido de melhorar a qualidade dos produtos.

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO. Scanner Térmico IR. Modelo IRT500

GUIA DO USUÁRIO. Scanner Térmico IR. Modelo IRT500 GUIA DO USUÁRIO Scanner Térmico IR Modelo IRT500 Introdução Obrigado por escolher o Extech Model IRT500. O IRT500 Laser Duplo que Scanner Térmico de IR é projetado com um laser duplo, um alarme audível/visual,

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA TLHO PÁTCO Nº 5 DTMNÇÃO D SSTÊNC NTN D UM PLH Objectivo - ste trabalho compreende as seguintes partes: comparação entre as resistências internas de dois voltímetros, um analógico e um digital; medida da

Leia mais

MANUAL SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO

MANUAL SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO 2015 MANUAL SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO Passo 1: O primeiro passo é determinar qual versão do Sensor de Ângulo foi incluído no seu kit. Existe uma versão Direita

Leia mais

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação ST 160 ST 160 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # Manual de Referência e Instalação Descrições 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # 3 2 Número Descrição 1 Indicador de modo 2 Antena 3 Matriz do Teclado 4 Parafuso Especificações

Leia mais

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo:

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo: LEO - MEBiom Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo: Aprender a medir tensões e correntes eléctricas com um osciloscópio e um multímetro digital

Leia mais

História da Fibra Óptica

História da Fibra Óptica História da Fibra Óptica Em 1870, o físico inglês Jonh Tyndall, demonstrou o princípio de guiamento da luz através de uma experiência muito simples, utilizando um recipiente furado com água, um balde e

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Conjunto para microondas 9,4 GHz (230 V, 50/60 Hz) Conjunto para microondas 10,5 GHz (115 V, 50/60 Hz) 1009950 (115 V, 50/60 Hz) 1009951 (230 V, 50/60 Hz) Instruções de operação 10/15

Leia mais

Actuador de Diafragma 657 de Tamanhos 30-70 e 87 da Fisher

Actuador de Diafragma 657 de Tamanhos 30-70 e 87 da Fisher Manual de Instruções Actuador 657 (30-70 e 87) Actuador de Diafragma 657 de Tamanhos 30-70 e 87 da Fisher Conteúdo Introdução................................... 1 Âmbito do Manual...........................

Leia mais

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1 Escola Secundária Vitorino Nemésio Física e Química A Componente de física 11º ano Actividade Laboratorial 2.1 Osciloscópio Nome: Turma: Nº: Classificação: docente: 1. Questão problema: Perante o aumento

Leia mais

Método Termométrico Diferencial

Método Termométrico Diferencial Método Termométrico Diferencial Neste problema vamos utilizar o método termométrico diferencial para realizar as seguintes tarefas: 1. Determinar o ponto de fusão de uma substância sólida cristalina 2.

Leia mais

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte Sistema de comunicação óptica Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte História A utilização de transmissão de informação através de sinais luminosos datam de épocas muito remotas. Acredita-se que os gregos

Leia mais

CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA

CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA CENTRO TECNOLÓGO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNA LABORATÓRIO DE ELETRÔNA ANALÓGA I Prática: 6 Assunto: Transistor Bipolar 1 Objetivos: Testar as junções e identificar o tipo de um transistor com o multímetro.

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 VERIFICAÇÃO FUNCIONAL Esta rápida verificação deve ser executada para comprovar se o instrumento está funcionando corretamente. Ligue o instrumento

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Teste para LAN 2 em 1

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Teste para LAN 2 em 1 MANUAL DE INSTRUÇÕES Teste para LAN 2 em 1 ÍNDICE Introdução Características Precauções de segurança Descrição do medidor Especificações eléctricas Funcionamento Escala automática Cabo de teste INTRODUÇÃO

Leia mais

Guia de consulta rápida

Guia de consulta rápida Guia de consulta rápida DigiFlash Smart Trigger 1 2 3 4 5 17 Smart Trigger 6 7 8 9 16 15 14 13 12 11 10 O DigiFlash Smart Trigger é um dispositivo para disparar flashes a partir de um evento externo. Pode

Leia mais

Ficha Formativa Energia do Sol para a Terra

Ficha Formativa Energia do Sol para a Terra ACTIVIDADE PRÁCTICA DE SALA DE AULA FÍSICA 10.º ANO TURMA A Ficha Formativa Energia do Sol para a Terra 1. Na figura seguinte estão representados os espectros térmicos de dois corpos negros, na zona do

Leia mais

Prova Experimental. Quinta-feira, 7 de Julho de 2005. Ler o texto completamente antes de iniciar a montagem da experiência!

Prova Experimental. Quinta-feira, 7 de Julho de 2005. Ler o texto completamente antes de iniciar a montagem da experiência! 36 a Olimpíada Internacional de Física. Salamanca (Espanha) 005 Prova Experimental Quinta-feira, 7 de Julho de 005 Ler o texto completamente antes de iniciar a montagem da experiência! Por favor, ler estas

Leia mais

Lista de Exercícios A1

Lista de Exercícios A1 1 a QUESTÃO: A figura abaixo mostra simplificadamente um sistema de televisão inter-oceânico utilizando um satélite banda C como repetidor. O satélite tem órbita geoestacionária e está aproximadamente

Leia mais

Instruções para a realização dos trabalhos práticos

Instruções para a realização dos trabalhos práticos Instruções para a realização dos trabalhos práticos 1- Material e instruções para montagem Circuitos integrados ESTV-ESI-Sistemas Digitais-Instruções para os Trabalhos Práticos 1/7 Os circuitos integrados

Leia mais

MESA DMX 512 MANUAL DE OPERAÇÃO

MESA DMX 512 MANUAL DE OPERAÇÃO MESA DMX 512 MANUAL DE OPERAÇÃO 1 - INSTRUÇÕES INICIAIS IMPORTANTE LEIA COM ATENÇÃO!. Certifique-se de que a voltagem no equipamento é compatível com a tensão da rede elétrica. Este equipamento foi desenvolvido

Leia mais

Sistema portátil PA Entretainer 3 Manual Simplificado

Sistema portátil PA Entretainer 3 Manual Simplificado Introdução Sistema portátil PA Entretainer 3 Manual Simplificado 2 X 150W estéreo Processador de efeitos incorporado com 99 efeitos 4 Entradas de Linha/Micro 2 Entradas estéreo, 2 receptores UHF de microfones

Leia mais

Decibelímetro Modelo SL130

Decibelímetro Modelo SL130 Manual do Usuário Decibelímetro Modelo SL130 Introdução Parabéns pela sua compra do Decibelímetro SL130 Extech. Desenhado para montagem em parede, mesa, ou montagem em tripé, este medidor está de acordo

Leia mais

Pocket Detective MANUAL DE UTILIZAÇÃO... 1. Pocket Detective Operação... 3. Componentes... 4. Medições de Transmissão... 4

Pocket Detective MANUAL DE UTILIZAÇÃO... 1. Pocket Detective Operação... 3. Componentes... 4. Medições de Transmissão... 4 1 Índice Pocket Detective MANUAL DE UTILIZAÇÃO... 1 Pocket Detective Operação... 3 Componentes... 4 Medições de Transmissão... 4 Medições de Reflectância... 5 Recuperar as Últimas Leituras... 5 Verificar

Leia mais

LASERTECK LTA450 MANUAL DE USO

LASERTECK LTA450 MANUAL DE USO LASERTECK LTA450 MANUAL DE USO 2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 INFORMAÇÕES TÉCNICAS... 3 3 CALIBRAGEM DOS MÓDULOS LASER (AFERIÇÃO E TEMPORIZAÇÃO)... 3 3.1 AFERIÇÃO DO LASER PONTO LONGITUDINAL...3 3.2

Leia mais

Segurança 24, Lda VIDEOGRAVADOR DIGITAL EM DISCO DURO TRANSMISOR POR TCP-IP SERVIDOR WEB MANUAL DO UTILIZADOR

Segurança 24, Lda VIDEOGRAVADOR DIGITAL EM DISCO DURO TRANSMISOR POR TCP-IP SERVIDOR WEB MANUAL DO UTILIZADOR VIDEOGRAVADOR DIGITAL EM DISCO DURO TRANSMISOR POR TCP-IP SERVIDOR WEB MANUAL DO UTILIZADOR Capítulo 4 Guia Básico de Operação 4.1 Ligar o DVR Nota: Certifique-se que liga correctamente os conectores de

Leia mais

1. Descrição do Produto

1. Descrição do Produto 1. Descrição do Produto Os repetidores óticos FOCOS/PROFIBUS AL-2431 e AL-2432 destinam-se a interligação de quaisquer dispositivos PROFIBUS, assegurando altíssima imunidade a ruídos através do uso de

Leia mais

RÁDIO PARA SISTEMAS DE TRANSPORTES

RÁDIO PARA SISTEMAS DE TRANSPORTES RÁDIO PARA SISTEMAS DE TRANSPORTES Atenção e Cuidado Os seguintes símbolos podem ser encontrados no produto ou toda a documentação. Consulte o manual do usuário para obter informações adicionais quando

Leia mais

Certificação de redes ópticas de 10GbE

Certificação de redes ópticas de 10GbE CABEAMENTO ESTRUTURADO Certificação de redes ópticas de 10GbE 70 RTI DEZ 2008 JDSU (Brasil) As redes ópticas baseadas em 10GbE exigem um bom processo de certificação. O artigo a seguir detalha os principais

Leia mais

OMNI-3MD. Placa Controladora de 3 Motores. Disponível Biblioteca para Arduino. Manual de Hardware. Outubro de 2013

OMNI-3MD. Placa Controladora de 3 Motores. Disponível Biblioteca para Arduino. Manual de Hardware. Outubro de 2013 OMNI-3MD Placa Controladora de 3 Motores Disponível Biblioteca para Arduino Manual de Hardware Outubro de 2013 Copyright 2013, SAR - Soluções de Automação e Robótica, Lda. 1 1 Índice 1 Índice... 2 2 Especificações...

Leia mais

Análise de Circuitos

Análise de Circuitos INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Secção de Sistemas e Controlo Introdução ao Osciloscópio Março de 2002 Elaborado por: António Serralheiro INTRODUÇÃO

Leia mais

Guia de laboratório de Electrónica II. Osciladores, filtros e conversão AD (3º trabalho)

Guia de laboratório de Electrónica II. Osciladores, filtros e conversão AD (3º trabalho) Instituto Superior Técnico Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Secção de Electrónica Guia de laboratório de Electrónica II Osciladores, filtros e conversão AD (3º trabalho) Grupo

Leia mais

INSTRUÇÕES SLIDE3000/5000 MOTOR INDUSTRIAL P/PORTA DE CORRER

INSTRUÇÕES SLIDE3000/5000 MOTOR INDUSTRIAL P/PORTA DE CORRER MOTOR INDUSTRIAL P/PORTA DE CORRER INSTRUÇÕES SLIDE3000/5000 A POR FAVOR LER O MANUAL COM ATENÇÃO ANTES DE PROCED- ER A INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO DO AUTOMATISMO VER.:1.02 REV.:11/2012 INFORMAÇÕES IMPORTANTES

Leia mais

RADIOBAND. jcmtechnologies. sistema de comunicação via rádio para bandas de segurança. elementos de segurança

RADIOBAND. jcmtechnologies. sistema de comunicação via rádio para bandas de segurança. elementos de segurança ES01 sistema para bandas de segurança aplicáveis ás portas enrolável basculantes deslizantes batentes seccionadas guilhotina rápidas barreiras RADIOBAND sistema de comunicação via rádio para bandas de

Leia mais

Laboratório de Física Experimental I

Laboratório de Física Experimental I Laboratório de Física Experimental I Centro Universitário de Vila Velha Multímetro e Fonte DC Laboratório de Física Prof. Rudson R. Alves 2012 2/10 Sumário Multímetro Minipa ET-1001...3 TERMINAIS (1)...3

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO SISTEMA DE INCÊNDIO MENVIER MF9300 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO PRETRÓNICA 1 CONTEÚDO Painel de Controlo e Indicadores Pag. 3 Operação do Painel Pag. 4 Geral Modo Normal Modo Programação Ligação

Leia mais

Versão 1.0 do documento Maio de 2014. Solução de Digitalização para Grandes Formatos Xerox 7742 Guia do Usuário

Versão 1.0 do documento Maio de 2014. Solução de Digitalização para Grandes Formatos Xerox 7742 Guia do Usuário Versão 1.0 do documento Maio de 2014 Solução de Digitalização para Grandes Formatos Xerox 7742 BR9918 Índice 1 Visão geral do produto...1-1 Visão geral das ferramentas do software do produto...1-1 Componentes

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2 CURSO: TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Leia mais

PROTOCOLOS DAS AULAS PRÁTICAS. LABORATÓRIOS 1 - Física e circuitos

PROTOCOLOS DAS AULAS PRÁTICAS. LABORATÓRIOS 1 - Física e circuitos PROTOCOLOS DAS AULAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIOS 1 - Física e circuitos Conteúdo P1 - Erro experimental....3 P2 - Osciloscópio.... 5 P3 - Divisor de tensão. Divisor de corrente.... 13 P4 - Fonte de tensão.

Leia mais

CENTRAL DE ALARME SEM FIO AS-321

CENTRAL DE ALARME SEM FIO AS-321 CENTRAL DE E SEM FIO AS- CARACTERÍSTICAS DO APARELHO - Central de alarme sem fio com setor misto ( com e/ou sem fio ); - Caixa plástica com alojamento para bateria selada de 7 A/H; - Carregador de bateria

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MEDIDOR DE RELAÇÃO EM TRANSFORMADORES MODELO: HMTTR-2000E HIGHMED SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DE MEDIÇÃO LTDA. Av Vila Ema, 3863 Conj 4

MANUAL DE OPERAÇÃO MEDIDOR DE RELAÇÃO EM TRANSFORMADORES MODELO: HMTTR-2000E HIGHMED SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DE MEDIÇÃO LTDA. Av Vila Ema, 3863 Conj 4 MANUAL DE OPERAÇÃO MEDIDOR DE RELAÇÃO EM TRANSFORMADORES MODELO: HMTTR-2000E HIGHMED SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DE MEDIÇÃO LTDA Av Vila Ema, 3863 Conj 4 Vila Ema São Paulo SP CEP: 032.81-001 PABX: (11) 2717-7760

Leia mais

TRABALHO 3 Circuitos RLC resposta nos domínios do tempo e da frequência

TRABALHO 3 Circuitos RLC resposta nos domínios do tempo e da frequência GUIA DE LABORATÓRIO Análise de Circuitos - LEE TRABALHO 3 Circuitos RLC resposta nos domínios do tempo e da frequência INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Leia mais

T52WA Monitor panorâmico LCD de 15 polegadas Manual do Utilizador

T52WA Monitor panorâmico LCD de 15 polegadas Manual do Utilizador T52WA Monitor panorâmico LCD de 15 polegadas Manual do Utilizador Tabela de conteúdos Conteúdo da embalagem...3 Instalação...4 Para ligar o monitor ao seu computador... 4 Para ligar o monitor à fonte de

Leia mais

2 Métodos de Medida da PMD

2 Métodos de Medida da PMD em Enlaces Ópticos 12 2 Métodos de Medida da PMD Teoria básica de medição da PMD discutida na referência 6, Test and Measurements. Neste capítulo serão abordados os aspectos mais importantes dos métodos

Leia mais

X-Tatic PRO. Índice. Disfrute el producto! SHARKOON Technologies X-TATIC PRO 2

X-Tatic PRO. Índice. Disfrute el producto! SHARKOON Technologies X-TATIC PRO 2 Guia usário X-Tatic PRO Índice 1. Conteúdo da embalagem 3 2. O controlador de volume 4 3. A unidade SCU 4 4. Indicações LED 5 4.1 Controlador de volume incorporado no cabo 5 4.2 SCU 5 4.3 Restaurar as

Leia mais

Tutorial para calibração de receptores Telecontrolli

Tutorial para calibração de receptores Telecontrolli Tutorial para calibração de receptores Telecontrolli Introdução: Muitos na Guerra de Robôs, Sumô e outras modalidades de competição com robôs utilizam módulos de rádio da empresa Telecontrolli ou similar.

Leia mais

MANUAL REDE CABEADA UTP

MANUAL REDE CABEADA UTP MANUAL REDE CABEADA UTP volt.ind.br 1-QUADRO COMPLETO 2-DISJUNTOR 3-PROTETOR ELÉTRICO 4-FONTE PRIMÁRIA VT 800 5-BATERIAS 6-PD (PONTO DE DISTRIBUIÇÃO) volt.ind.br Pág. 1 1-QUADRO COMPLETO: Equipado por

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando ZAP500 com. Encoders. HI Tecnologia. Documento de acesso publico / corporativo

Notas de Aplicação. Utilizando ZAP500 com. Encoders. HI Tecnologia. Documento de acesso publico / corporativo Notas de Aplicação Utilizando ZAP500 com Encoders HI Tecnologia Documento de acesso publico / corporativo ENA.00015 Versão 1.01 dezembro-2013 HI Tecnologia Utilizando ZAP500 com Encoders Apresentação Esta

Leia mais

Manual de instruções

Manual de instruções Manual de instruções DENVER VPL-120 Gira-discos com Mala LEIA AS INSTRUÇÕES COM ATENÇÃO ANTES DE USAR E GUARDAR NUM LOCAL SEGURO PARA REFERÊNCIA FUTURA PT-1 DESCRIÇÃO 1. Prendedor 2. Tampa do pó 3. Adaptador

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DA SILVA CURSO PROFISSIONAL DE ELECTRÓNICA AUTOMAÇÃO E COMANDO DISCIPLINA: ELECTRICIDADE E ELECTRÓNICA

ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DA SILVA CURSO PROFISSIONAL DE ELECTRÓNICA AUTOMAÇÃO E COMANDO DISCIPLINA: ELECTRICIDADE E ELECTRÓNICA --------------------- O OSCILOSCÓPIO Definição: É um aparelho que nos permite: Visualizar as formas de onda das tensões aplicadas Medir frequências e períodos dessas ondas Medir desfasagens entre duas

Leia mais

CIRCUITOS ELÉCTRICOS

CIRCUITOS ELÉCTRICOS CICUITOS ELÉCTICOS. OBJECTIO Aprender a utilizar um osciloscópio e um multímetro digital. Conceito de resistência interna de um aparelho.. INTODUÇÃO O multímetro digital que vai utilizar pode realizar

Leia mais

UNIDADE DE SAÍDA ESTENDIDA ÓPTICA ELO.2148/O MANUAL DO USUÁRIO. Junho de 2005. ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 5045840068-B

UNIDADE DE SAÍDA ESTENDIDA ÓPTICA ELO.2148/O MANUAL DO USUÁRIO. Junho de 2005. ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 5045840068-B UNIDADE DE SAÍDA ESTENDIDA ÓPTICA ELO.2148/O MANUAL DO USUÁRIO Junho de 2005 ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 5045840068-B Índice Índice... i Introdução...1-1 Conteúdo Deste Manual...1-1 Onde Obter Mais

Leia mais

5 Utilização de grafeno em domínio óptico

5 Utilização de grafeno em domínio óptico 84 5 Utilização de grafeno em domínio óptico 5.1 Introdução O presente capítulo descreve como o grafeno interage com o meio optico e destaca os procedimentos realizados para a introdução de grafeno em

Leia mais

Controle remoto por Bluetooth

Controle remoto por Bluetooth Controle remoto por Bluetooth Introdução Esse tutorial tem como objetivo, facilitar a montagem do controle e drive de potência voltado a modalidades que necessitam de controle remoto, seja robô sumo de

Leia mais

OPAL. Manual do Utilizador AMPLIADOR PORTÁTIL. (ref. 5010) Freedom Scientific

OPAL. Manual do Utilizador AMPLIADOR PORTÁTIL. (ref. 5010) Freedom Scientific OPAL AMPLIADOR PORTÁTIL Manual do Utilizador (ref. 5010) Freedom Scientific Setembro de 2006 Introdução Parabéns por ter adquirido o OPAL TM! O OPAL é um sistema de ampliação vídeo portátil que lhe permite

Leia mais

AUTOMATISMO PARA PORTA SECCIONADA INDUSTRIAL MANUAL DE UTILIZAÇÃO E INSTALAÇÃO

AUTOMATISMO PARA PORTA SECCIONADA INDUSTRIAL MANUAL DE UTILIZAÇÃO E INSTALAÇÃO AUTOMATISMO PARA PORTA SECCIONADA INDUSTRIAL MANUAL DE UTILIZAÇÃO E INSTALAÇÃO Por favor leia atentamente o manual antes da instalação e utilização Rev..2 7/03/20 O cadernal foi projectado apenas para

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Central de Iluminação de Emergência 12 V(cc), 20 A, com Capacidade de 240 W. Código AFB240 A central de iluminação de emergência é alimentada pela rede elétrica predial (110 ou 220 volts) e também possui

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA TLHO PÁTCO DETEMNÇÃO D ESSTÊNC NTEN DE UM PLH Objectivo Este trabalho compreende as seguintes partes: comparação entre as resistências internas de dois voltímetros, um analógico e um digital; medida da

Leia mais