MERCADO BRASILEIRO DE AÇO. Edição

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MERCADO BRASILEIRO DE AÇO. Edição"

Transcrição

1 MERCADO BRASILEIRO DE AÇO Análise Setorial e Regional Edição 2015

2 INSTITUTO AÇO BRASIL MERCADO BRASILEIRO DE AÇO ANÁLISE SETORIAL E REGIONAL SÉRIES HISTÓRICAS ATÉ 2014 SÉRIES REVISADAS EM 2015 SETEMBRO / 2015 Reprodução autorizada, desde que citada a fonte.

3 O Instituto Aço Brasil, através da Gerência de Economia, procede anualmente à apuração do consumo aparente de produtos siderúrgicos e a sua distribuição segundo os setores consumidores e as regiões geográficas. 2

4 SUMÁRIO VISÃO GERAL A ECONOMIA BRASILEIRA EM CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS DISTRIBUIÇÃO DO CONSUMO APARENTE POR SETORES CONSUMIDORES FINAIS DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DAS VENDAS E IMPORTAÇÕES DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS CONSUMO APARENTE FINAL DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES E METODOLOGIA 35 ANEXO I - ESTRUTURA DE AGREGAÇÃO SETORIAL 36 ANEXO II - PRODUTOS SIDERÚRGICOS - CLASSIFICAÇÃO GERAL 42 3

5 VISÃO GERAL O Consumo Aparente 1 de produtos siderúrgicos apresentou forte queda de 8,6% em 2014 em decorrência do fraco desempenho da economia brasileira, sobretudo, do setor industrial. Após atingir 140 kg/hab. de produtos em 2013, o consumo per capita em 2014 regrediu, caindo para 126 kg/hab.. Segundo Pesquisa Industrial Mensal-Produção Física (PIM-PF) divulgada pelo IBGE, todos os setores consumidores de aço apresentaram retração em sua produção no ano de Dentre eles, o setor Automotivo foi o que registrou o pior desempenho, com queda na produção de 16,8% em relação a Ainda de acordo com a PIM-PF 2014, os setores de Máquinas e Equipamentos e Construção Civil 2 registraram, respectivamente, quedas de 5,9% e 5,7% em relação ao ano anterior. Devido ao arrefecimento da demanda dos setores consumidores, as vendas ao mercado interno de produtos siderúrgicos tiveram queda de 11,0% em 2014, alcançando o patamar de 21,7 milhões de toneladas. As vendas de produtos planos se reduziram em 13,4%, alcançando 12,1 milhões de toneladas, tendo sido impactadas principalmente pela forte queda verificada no setor Automotivo. O setor de longos também apresentou queda, tendo vendido ao mercado doméstico 9,6 milhões de toneladas, baixa de 7,8% em relação a As importações, por outro lado, se ampliaram em 7,4% no ano de 2014, mesmo com a forte queda de demanda registrada pelos principais setores consumidores, o que evidencia claramente a perda de competitividade dos produtos manufaturados brasileiros frente à concorrência de importados. Assim, o import penetration de produtos siderúrgicos se ampliou de 13,0% em 2013 para 15,2% em Com relação à balança de comércio indireto, tanto as importações quanto as exportações de aço contido apresentaram quedas em 2014, tendo sido a queda das exportações, entretanto, mais acentuada. As importações de aço contido (4,8 milhões de toneladas) se reduziram em 13,5%, enquanto as exportações (2,3 milhões de toneladas) se contraíram em 21,7%. O saldo da balança de comércio indireto permaneceu negativo pelo sexto ano consecutivo, com déficit 2,4 milhões de toneladas. Portanto, o consumo aparente final ( consumo aparente doméstico - aço contido em bens exportados + aço contido em bens importados ) novamente ficou acima do consumo aparente de produtos siderúrgicos, demonstrando que é cada vez maior a fatia de produtos em aço consumida no Brasil proveniente do exterior. É expressiva a parcela do mercado de produtos siderúrgicos atendida por distribuidores e revendedores (37,7%), bem como por meio do segmento de semi-elaboradores (13,3%). Redistribuindo-se setorialmente as vendas dos distribuidores, revendedores e de semielaboradores, foi possível calcular o consumo aparente dos setores consumidores finais. O perfil do consumo aparente setorial no Brasil sofreu algumas alterações no ano de O setor de Construção Civil confirmou sua posição como o principal consumidor de produtos siderúrgicos, ampliando a participação no Consumo Aparente para 39,1%. O setor 1 Vendas internas das empresas siderúrgicas mais importações de distribuidores e consumidores finais. Em 2015 os volumes de consumo aparente foram revisados para os anos de 2010 a A PIM-PF divulga dados sobre a Construção Civil através da produção de Insumos Típicos da Construção Civil. 4

6 Automotivo, por sua vez, perdeu participação, ficando com 19,8% do consumo em 2014, tendo sido ultrapassado pelo setor de Bens de Capital, que com 20,7% do consumo alcançou o segundo lugar dentre os maiores consumidores de produtos siderúrgicos. O setor de Utilidades Domésticas e Comerciais se manteve na quarta posição, com 7,1% da demanda, tendo sido o setor que apresentou melhor desempenho em 2014, com alta de 2,5%. O setor de Construção Civil registrou queda de 5,0% em seu consumo aparente de produtos siderúrgicos, enquanto os setores Automotivo e de Bens de Capital registraram quedas acentuadas de 17,3% e 9,1%, respectivamente, compatíveis com os resultados de produção dos mesmos apurados pelo IBGE. 5

7 CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS EM 2014 Unid.: 10 6 t Sudeste 61,4% Obs.: Em 2015 os volumes de consumo aparente foram revisados para os anos de 2010 a

8 1 - A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2014 A economia brasileira permaneceu praticamente estagnada em 2014, com alta de apenas 0,1% do PIB, tendo sido impactada, sobretudo, pela fraca atuação do setor industrial. Dentre os componentes do PIB, sob a ótica da demanda, a Formação Bruta de Capital Fixo foi o item que apresentou o pior desempenho com significativa queda de 4,4%, tendo em vista, principalmente, os baixos índices de confiança que reduziram drasticamente os investimentos. O consumo das famílias apresentou modesta elevação de 0,9% em 2014, evidenciando o esgotamento do modelo de crescimento sustentado pelo consumo. Tabela 1.a PERÍODO DE COMPARAÇÃO INDICADORES PIB AGROPEC INDUS SERV FBCF CONS. FAM Unid.: % CONS. GOV 2014/2013 0,1 0,4-1,2 0,7-4,4 0,9 1,3 Fonte: IBGE Sob a ótica da oferta, o setor de serviços foi o que apresentou o melhor desempenho, com alta de 0,7%. Enquanto o Comércio sofreu queda de 1,8%, os demais itens do setor serviços acumularam crescimento no ano de 2014, com destaque para Serviços de informação (+4,6%), Atividades imobiliárias (+3,3%) e Transporte, armazenagem e correio (+2,0%). O resultado positivo do setor Agropecuária em 2014, com alta de 0,4%, decorreu principalmente, do desempenho da agricultura, tendo como principais destaques soja (+5,8%), mandioca (+8,8%), algodão (+26,0%), arroz (+3,3%), fumo (+0,7%) e trigo (+8,0%). Vale ressaltar também que algumas culturas tiveram variação negativa, como, por exemplo, cana-de-açúcar (-6,7%), milho (-2,2%), café (-7,3%) e laranja (-8,8%). O setor industrial apresentou, mais uma vez, o desempenho mais fraco dentre as atividades econômicas. A Indústria de Transformação se contraiu em 3,2% em 2014, comprimindo ainda mais sua já reduzida participação no PIB, para 11,0%. A queda foi generalizada em todos os setores, com destaque para Veículos automotores, reboques e carrocerias, com redução de 16,7% (PIM-PF). Por outro lado, alguns subsetores mostraram atuação positiva em 2014, tais como Indústrias extrativas (+5,7%) e Produtos farmoquímicos e farmacêuticos (+2,1%). Apesar da depreciação do real em 12,8% em relação ao dólar, o saldo comercial em 2014 foi deficitário pela primeira vez em quatorze anos, ficando negativo em US$ 3,9 bilhões, o pior resultado em dezesseis anos. As exportações ficaram 7,0% abaixo do ano anterior, alcançando US$ 225,1 bilhões, enquanto que as importações apresentaram queda de 4,5% totalizando US$ 229,1 bilhões, segundo a Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio (SECEX-MDIC). A Balança Comercial de produtos manufaturados apresentou o maior déficit da história. As exportações de bens manufaturados alcançaram US$ 80,2 bilhões, enquanto que as importações atingiram US$189,5 bilhões, gerando um saldo negativo de US$ 109,3 bilhões. Desde 2005, a balança de produtos manufaturados tem sofrido com a entrada de produtos importados. 7

9 INDICADORES MACROECONÔMICOS Tabela 1.b Produto Interno Bruto 1,2 5,7 3,1 4,0 6,0 5,0-0,2 7,6 3,9 1,8 2,7 0,1 Agropecuária 8,1 2,0 0,7 4,8 3,2 5,5-3,8 6,8 3,3-2,5 7,9 0,4 Indústria 0,0 8,0 2,0 2,0 6,0 3,9-4,8 10,4 4,1 0,1 1,8-1,2 Construção Civil -8,9 11,0-2,2-1,0 9,1 4,8 7,5 13,1 8,3 2,8 4,7-2,6 Serviços 1,2 4,9 3,6 4,4 5,8 4,8 1,9 5,8 3,4 2,4 2,5 0,7 Fonte: IBGE Discriminação Taxas Reais de Variação Anual (%) Tabela 1.c Taxa Média de Desemprego Aberto Anos 2006 % da PEA (1) 10, , ,9 8, ,7 6, , , ,8 (1) PEA - População Economicamente Ativa Fonte: IBGE Anos Tabela 1.d (US$ milhões) Exportações Importações Saldo Fonte: MDIC-SECEX Balança Comercial Brasileira 8

10 Tabela 1.e Taxa Anual de Variação do IGP-DI e seus componentes (%) Var. Anual Anos IGP-DI IPA-DI IPC INCC IPCA (%) ,7 6,3 8,9 14,4 9, ,1 14,7 6,3 11,0 7, ,2-1,0 4,9 6,8 5, ,8 4,3 2,1 5,0 3, ,9 9,4 4,6 6,2 4, ,1 9,8 6,1 11,9 5, ,4-4,1 4,0 3,3 4, ,3 13,8 6,2 7,8 5, ,0 4,1 6,4 7,5 6, ,1 9,1 5,1 7,3 5, ,5 5,1 3,9 8,1 5, ,8 2,2 5,2 6,7 6,4 IGP-DI: Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna. IPA-DI: Índice de Preços por Atacado - Disponibilidade Interna (60% IGP-DI). INCC: Índice Nacional de Custo da Construção (10% IGP-DI). IPC-BR: Índice de Preços ao Consumidor - Brasil (30% IGP-DI). IPCA: Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo. Fonte: FGV/IBRE/IBGE (Conjuntura Econômica - Abril/2012). Gráfico 1.a Taxa de Câmbio (R$/US$) Gráfico 1.b Taxa Básica de Juros (Selic - %a.a.) 9

11 2 - CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS A indústria brasileira do aço obteve resultado bem aquém do esperado em A forte redução em 8,6% do consumo aparente de produtos siderúrgicos foi ocasionada pelo desempenho decepcionante dos principais setores consumidores de aço. Em 2014 foram consumidas no Brasil 25,6 milhões de toneladas de produtos siderúrgicos contra 28,0 milhões de toneladas em 2013, queda de 2,4 milhões de toneladas. A performance extremamente frágil do setor automotivo impactou diretamente o consumo de produtos planos, que teve queda de 9,9% em 2014, gerando uma demanda de 14,5 milhões de toneladas, 1,6 milhão abaixo do registrado no ano anterior. No caso do setor de longos, a redução de 6,9% no consumo deveu-se, principalmente, à fragilidade dos setores de construção civil e veículos pesados. O consumo aparente per capita de produtos siderúrgicos em 2014 mostrou redução de 10,0%, alcançando 126 kg/hab./ano. Em termos de consumo aparente final (que inclui as importações e exclui as exportações de bens que contem o aço), o consumo per capita chegou a 138 kg/hab./ano em 2014, contra os 152 observados em A evolução do consumo aparente no período 2003/2014 por tipos de aço - carbono e ligados/especiais - pode ser visualizada no Gráfico 2.a e na Tabela 2.a, a tabela 2.b mostra a evolução do consumo aparente per capita. 10

12 Gráfico 2.a EVOLUÇÃO DO CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS Unid: t Tabela 2.a EVOLUÇÃO DO CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS Anos AO CARBONO LIGADOS/ ESPECIAIS TOTAL AO CARBONO LIGADOS/ ESPECIAIS TOTAL AO CARBONO LIGADOS/ ESPECIAIS Unid.: 1.000t PRODUTOS PLANOS (1) PRODUTOS LONGOS (2) TOTAL DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS TOTAL Obs.: Em 2015 os volumes de consumo aparente foram revisados para os anos de 2010 a

13 Tabela 2.b EVOLUÇÃO DO CONSUMO APARENTE PER CAPITA DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS Anos kg prod/ kg aço hab. bruto/ hab *Série revisada em função da atualização da série de população Brasileira no Censo 2010 do IBGE. Assim como o consumo aparente, as vendas ao mercado interno de produtos siderúrgicos tiveram baixo desempenho, reduzindo-se em 11,0% para 21,7 milhões de toneladas. A queda foi mais forte no setor de planos, que se contraiu em 13,4%, enquanto no setor de longos a baixa foi de 7,8%. As importações de produtos utilizadas na formação do consumo aparente (que excluem as importações das usinas), totalizando 3,9 milhões de toneladas, apresentaram alta de 7,3% em 2014, impulsionadas, sobretudo, pela elevação nas importações de produtos planos, que subiram 12,8%. As importações de produtos longos em 2014 se mantiveram em patamares muito próximos dos registrados em 2013, com queda de 0,5%. Tabela 2.c IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE PRODUTOS EM AÇOS AO CARBONO E LIGADOS/ESPECIAIS (*) Unid.: t PRODUTOS PLANOS AÇOS AO CARBONO PLANOS AÇOS LIGADOS/ESPECIAIS LONGOS AÇOS AO CARBONO LONGOS AÇOS LIGADOS/ESPECIAIS TOTAL (*) Exclui importações realizadas pelas usinas Obs.: Em 2015 os volumes de consumo aparente foram revisados para os anos de 2010 a Com a forte queda das vendas e crescimento nas importações, verificou-se uma alta de 13,0% para 15,2% no import penetration entre 2013 e A taxa de penetração de produtos planos foi de 16,6%, acima dos 13,3% registrados em Os produtos longos também mostraram resultado pior, tendo aumentado para 13,4% ante os 12,5% registrados 12

14 no ano anterior. Apresenta-se a seguir quadro com as taxas de penetração das importações no mercado brasileiro de aço em 2014 detalhadas por grupo de produtos: Tabela 2.d TAXA DE PENETRAÇÃO DAS IMPORTAÇÕES NO MERCADO BRASILEIRO DE AÇO EM 2014 PRODUTOS PLANOS AÇOS AO CARBONO PRODUTOS PLANOS AÇOS LIGADOS/ESPECIAIS TOTAL DE PRODUTOS PLANOS PRODUTOS LONGOS AÇOS CARBONO PRODUTOS LONGOS AÇOS LIGADOS\ ESPECIAIS TOTAL DE PRODUTOS LONGOS TOTAL DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS 13,5% 55,3% 16,6% 11,3% 34,7% 13,4% 15,2% As Tabelas 2.e, 2.f e 2.g, apresentam a evolução do consumo aparente de produtos siderúrgicos discriminados por tipo de aço (carbono e ligados/especiais), relativa aos períodos ; e Registramos que, em 2015, foram revisados os volumes de consumo aparente para os anos de 2010 a

15 Tabela 2.e EVOLUÇÃO DO CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS EM AÇOS AO CARBONO E AÇOS LIGADOS/ESPECIAIS /1990 Unid.: t PRODUTOS TOTAL PRODUTOS PLANOS PRODUTOS PLANOS AÇOS AO CARBONO PLACAS NÃO REVESTIDOS BOBINAS E CHAPAS GROSSAS BOBINAS E CHAPAS FINAS A QUENTE BOBINAS E CHAPAS FINAS A FRIO REVESTIDOS FOLHAS PARA EMBALAGENS CHAPAS GALVANIZADAS PRODUTOS PLANOS AÇOS LIGADOS/ESPECIAIS CHAPAS SILICIOSAS CHAPAS INOXIDÁVEIS CHAPAS AÇO ALTO CARBONO E LIGADOS TOTAL PRODUTOS LONGOS PRODUTOS LONGOS AÇOS AO CARBONO LINGOTES, BLOCOS E TARUGOS (1) TRILHOS E ACESSÓRIOS PERFIS MÉDIOS E PESADOS PERFIS LEVES BARRAS (2) VERGALHÕES FIO-MÁQUINA / TREFILADOS (3) (4) PRODUTOS LONGOS AÇOS LIGADOS/ESPECIAIS LINGOTES, BLOCOS E TARUGOS (5) BARRAS CONSTRUÇÃO MECÂNICA (6) BARRAS DE AÇO-FERRAMENTA (7) BARRAS DE AÇO INOXIDÁVEL E VÁLVULAS FIO MÁQUINA / TREFILADOS TUBOS SEM COSTURA (8) TOTAL PRODUTOS SIDERÚRGICOS Fonte: Aço Brasil (1) - Incluido em Barras de aços carbono, no período 1980/1995. (2) - Inclui barras construção mecânica e blocos e tarugos de aço carbono/ligado, de 1980 a (3) - Até 1987 o total de fio-máquina inclui tonelagem destinada à produção de trefilados. (5) - Incluido em Barras de aços carbono, no período 1980/1995. (6) - Incluido em Barras de aços carbono, no período 1980/1995. (7) consumo barras aço-ferramenta inclui aço inox e válvula. (4) - Inclui fio-máquina de aço ligado, no período 1980/1995. (8) - Até 1995, os tubos sem costura em aço carbono estão incluídos em tubos de aços ligados. 14

16 Tabela 2.f EVOLUÇÃO DO CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS EM AÇOS AO CARBONO E AÇOS LIGADOS/ESPECIAIS /2001 Unid.: t PRODUTOS TOTAL PRODUTOS PLANOS PRODUTOS PLANOS AÇOS AO CARBONO PLACAS NÃO REVESTIDOS BOBINAS E CHAPAS GROSSAS BOBINAS E CHAPAS FINAS A QUENTE BOBINAS E CHAPAS FINAS A FRIO REVESTIDOS FOLHAS PARA EMBALAGENS CHAPAS E BOBINAS ZINCADAS POR IMERSÃO A QUENTE (HDG) CHAPAS E BOBINAS ELETROGALVANIZADAS (EG) PRODUTOS PLANOS AÇOS LIGADOS/ESPECIAIS CHAPAS SILICIOSAS CHAPAS INOXIDÁVEIS CHAPAS AÇO ALTO CARBONO E LIGADOS TOTAL PRODUTOS LONGOS PRODUTOS LONGOS AÇOS AO CARBONO LINGOTES, BLOCOS E TARUGOS (1) TRILHOS E ACESSÓRIOS PERFIS MÉDIOS E PESADOS PERFIS LEVES BARRAS (2) VERGALHÕES FIO-MÁQUINA / TREFILADOS (3) TUBOS SEM COSTURA PRODUTOS LONGOS AÇOS LIGADOS/ESPECIAIS LINGOTES, BLOCOS E TARUGOS (4) BARRAS CONTRUÇÃO MECÂNICA (5) BARRAS DE AÇO-FERRAMENTA BARRAS DE AÇO INOXIDÁVEL E VÁLVULAS FIO MÁQUINA / TREFILADOS TUBOS SEM COSTURA (6) TOTAL PRODUTOS SIDERÚRGICOS Fonte: Aço Brasil (1) - Incluido em Barras de aços carbono, no período 1980/1995. (2) - Inclui barras construção mecânica e blocos e tarugos de aço carbono/ligado, de 1980 a (4) - Incluido em Barras de aços carbono, no período 1980/1995. (5) - Incluido em Barras de aços carbono, no período 1980/1995. (3) - Inclui fio-máquina de aço ligado, no período 1980/1995. (6) - Até 1995, os tubos sem costura em aço carbono estão incluídos em tubos de aços ligados. 15

17 Tabela 2.g EVOLUÇÃO DO CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS EM AÇOS AO CARBONO E AÇOS LIGADOS/ESPECIAIS 2002/2014 Unid.: t P RODUTOS TOTAL P RODUTOS P LANOS P RODUTOS P LANOS AÇOS AO CARBONO PLACAS NÃO REVESTIDOS BOBINAS E CHAPAS GROSSAS BOBINAS E CHAPAS FINAS A QUENTE BOBINAS E CHAPAS FINAS A FRIO REVESTIDOS FOLHAS PARA EMBALAGENS CHAPAS E BOBINAS ZINCADAS POR IMERSÃO A QUENTE (HDG) CHAPAS E BOBINAS ELETROGALVANIZADAS (EG) OUTRAS ZINCADAS (ALUMÍNIO-ZINCO / PRÉ-PINTADA) P RODUTOS P LANOS AÇOS LIGADOS/ ESP ECIAIS PLACAS CHAPAS SILICIOSAS CHAPAS INOXIDÁVEIS CHAPAS AÇO ALTO CARBONO E LIGADOS TOTAL P RODUTOS LONGOS P RODUTOS LONGOS AÇOS AO CARBONO LINGOTES, BLOCOS E TARUGOS TRILHOS E ACESSÓRIOS PERFIS MÉDIOS E PESADOS PERFIS LEVES BARRAS VERGALHÕES FIO-M ÁQUINA / TREFILADOS TUBOS SEM COSTURA P RODUTOS LONGOS AÇOS LIGADOS/ ESP ECIAIS LINGOTES, BLOCOS E TARUGOS BARRAS CONTRUÇÃO MECÂNICA BARRAS DE AÇO-FERRAMENTA BARRAS DE AÇO INOXIDÁVEL E VÁLVULAS FIO MÁQUINA / TREFILADOS TUBOS SEM COSTURA TOTAL P RODUTOS SIDERÚRGICOS Fonte: Aço Brasil Obs.: Em 2015 os volumes de consumo aparente foram revisados para os anos de 2010 a

18 3 - DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS A análise setorial do consumo aparente foi desenvolvida a partir das informações de vendas das usinas para os setores consumidores, enquanto que a distribuição setorial das importações foi estimada a partir de análise das aplicações típicas dos produtos importados, atualizada no ano de Tabela 3.a DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO CONSUMO APARENTE POR TIPOS DE AÇO PRODUTOS PLANOS PRODUTOS LONGOS TOTAL Unid.: t SETORES AÇOS AO CARBONO AÇOS LIGADOS/ ESPECIAIS TOTAL PLANOS AÇOS AO CARBONO AÇOS LIGADOS/ ESPECIAIS TOTAL LONGOS AÇOS CARBONO AÇOS LIGADOS/ ESPECIAIS TOTAL PRODUTOS 1. AUTOMOTIVO BENS DE CAPITAL, MÁQS. E EQUIPS FERROVIÁRIO NAVAL AGRÍCOLA/RODOVIÁRIO ELETRO-ELETRÔNICO MECÂNICO CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIDADES DOMÉSTICAS E COMERCIAIS EMBALAGENS E RECIPIENTES SEMI-ELABORAÇÃO TUBOS C/ COSTURA DE PEQUENO DIÂMETRO (d<7") DISTRIBUIDORES E REVENDEDORES OUTROS SETORES TOTAL Tabela 3.b Unid.: % PRODUTOS PLANOS PRODUTOS LONGOS TOTAL SETORES AÇOS AO CARBONO AÇOS LIGADOS/ ESPECIAIS TOTAL PLANOS AÇOS AO CARBONO AÇOS LIGADOS/ ESPECIAIS TOTAL LONGOS AÇOS CARBONO AÇOS LIGADOS/ ESPECIAIS TOTAL PRODUTOS 1. AUTOMOTIVO 21,8% 4,3% 20,5% 3,6% 47,3% 7,5% 14,0% 24,8% 14,9% 2. BENS DE CAPITAL, MÁQS. E EQUIPS. 9,2% 24,6% 10,3% 5,3% 9,6% 5,6% 7,5% 17,4% 8,3% 2.1. FERROVIÁRIO 0,0% - 0,0% 2,0% 0,1% 1,7% 0,9% 0,2% 0,8% 2.2. NAVAL 0,9% - 0,8% 0,2% - 0,2% 0,6% - 0,5% 2.3. AGRÍCOLA/RODOVIÁRIO 2,2% 1,1% 2,2% 0,3% 2,7% 0,5% 1,4% 1,8% 1,5% 2.4. ELETRO-ELETRÔNICO 2,0% 17,5% 3,1% 0,9% - 0,8% 1,6% 9,1% 2,1% 2.5. MECÂNICO 3,9% 5,7% 4,2% 1,9% 6,3% 2,3% 3,1% 6,0% 3,4% 3. CONSTRUÇÃO CIVIL 9,6% 1,8% 9,0% 33,4% 0,4% 30,5% 19,8% 1,1% 18,3% 4. UTILIDADES DOMÉSTICAS E COMERCIAIS 5,0% 6,4% 5,1% 0,2% 0,0% 0,2% 3,0% 3,4% 3,0% 5. EMBALAGENS E RECIPIENTES 4,9% 3,1% 4,8% 0,0% 0,8% 0,1% 2,8% 2,0% 2,7% 6. SEMI-ELABORAÇÃO 10,4% 27,4% 11,6% 15,1% 18,6% 15,4% 12,4% 23,2% 13,3% 6.1 TUBOS C/ COSTURA DE PEQUENO DIÂMETRO (d<7") 8,3% 2,3% 7,8% 0,0% 0,0% 0,0% 4,7% 1,2% 4,4% 7. DISTRIBUIDORES E REVENDEDORES 38,3% 28,3% 37,6% 40,7% 9,5% 37,9% 39,3% 19,3% 37,7% 8. OUTROS SETORES 0,9% 4,1% 1,2% 1,7% 13,9% 2,7% 1,2% 8,7% 1,8% TOTAL 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 17

19 De acordo com a PIM-PF do IBGE, a indústria brasileira registrou queda de 3,2% em 2014, tendo sido o setor de Fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias o grande destaque negativo, com forte redução de 16,8%. Segundo Anfavea, as quedas no setor Automotivo foram generalizadas, ocorrendo tanto no caso de veículos leves, quanto no caso de ônibus e caminhões. Este desempenho refletiuse diretamente no consumo de aço deste setor, que apresentou baixa de 17,6%, tendo se observado reduções tanto no caso do setor de planos 17,3% quanto no de longos 18,5%. O setor de Construção Civil também apresentou desempenho negativo em De acordo com a PIM-PF (IBGE), a produção de insumos típicos da construção civil caiu 5,7%, resultado impactado, sobretudo, pela retração verificada no subsetor de construção residencial. Devido a este resultado, o consumo de aço neste setor apresentou redução de 6,0%. Ainda conforme divulgado pela PIM-PF (IBGE), a produção de Máquinas e Equipamentos em 2014 foi 5,9% menor que no ano anterior, em razão principalmente da queda dos investimentos. Assim, o consumo de aço deste setor caiu 8,2% em relação a Houve piora no consumo de vários subsetores, como Eletro-Eletrônico (-3,4%), Mecânico (-8,0%) e principalmente no segmento Agrícola/Rodoviário, que apresentou forte queda de 27,1%. O segmento Ferroviário, por outro lado, expandiu significativamente seu consumo de aço em 25,9%, enquanto o setor naval se manteve praticamente estável, com um crescimento de 0,9%. Os setores de Embalagens e Recipientes e de Utilidades Domésticas reduziram seus consumos de produtos siderúrgicos em 10,6% e 8,0%, respectivamente. Um ponto que merece ser destacado é o crescimento da parcela destinada aos segmentos de Distribuidores e Revendedores. Analisando-se os últimos cinco anos, verifica-se que em 2009 a fatia direcionada ao mercado através desses setores que era de 34,5%, avançou, em 2014, para 37,7%. A evolução da distribuição setorial do consumo aparente, relativa ao período , por tipo de aço, está detalhada nas tabelas a seguir discriminadas: - Tabela 3.c - DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS - Tabela 3.d - DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS PLANOS EM AÇOS AO CARBONO - Tabela 3.e - DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS PLANOS EM AÇOS LIGADOS/ESPECIAIS - Tabela 3.f - DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS LONGOS EM AÇOS AO CARBONO - Tabela 3.g - DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS LONGOS EM AÇOS LIGADOS/ESPECIAIS 18

20 Tabela 3.c DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO CONSUMO APARENTE Unid.: 10³ t SETORES AUTOMOTIVO BENS DE CAPITAL FERROVIÁRIO NAVAL AGRÍCOLA/RODOVIÁRIO ELETRO-ELETRÔNICO MECÂNICO CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIDADES DOMÉSTICAS E COMERCIAIS EMBALAGENS E RECIPIENTES SEMI-ELABORAÇÃO TUBOS C/ COSTURA DE PEQUENO DIÂMETRO (d<7") DISTRIBUIDORES E REVENDEDORES OUTROS SETORES TOTAL Unid.: % SETORES AUTOMOTIVO 18,9% 19,2% 16,6% 16,5% 14,9% - BENS DE CAPITAL 11,0% 9,4% 9,2% 8,3% 8,3% - FERROVIÁRIO 1,5% 0,7% 0,6% 0,6% 0,8% - NAVAL 0,4% 0,6% 0,7% 0,5% 0,5% - AGRÍCOLA/RODOVIÁRIO 1,8% 1,5% 1,5% 1,8% 1,5% - ELETRO-ELETRÔNICO 2,7% 2,6% 2,5% 2,0% 2,1% - MECÂNICO 4,5% 3,9% 3,9% 3,3% 3,3% - CONSTRUÇÃO CIVIL 14,2% 17,0% 18,4% 17,8% 18,3% - UTILIDADES DOMÉSTICAS E COMERCIAIS 2,4% 2,6% 2,6% 3,0% 3,0% - EMBALAGENS E RECIPIENTES 3,1% 2,8% 2,6% 2,8% 2,7% - SEMI-ELABORAÇÃO 12,1% 12,0% 13,6% 13,4% 13,3% TUBOS C/ COSTURA DE PEQUENO DIÂMETRO (d<7") 3,9% 4,2% 5,7% 4,6% 4,4% - DISTRIBUIDORES E REVENDEDORES 36,5% 35,4% 35,3% 36,2% 37,7% - OUTROS SETORES 1,7% 1,7% 1,7% 2,1% 1,8% TOTAL 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% Obs.: Em 2015 os volumes de consumo aparente foram revisados para os anos de 2010 a

21 Tabela 3.d DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS PLANOS EM AÇOS AO CARBONO Unid.: 10³ t SETORES AUTOMOTIVO BENS DE CAPITAL FERROVIÁRIO NAVAL AGRÍCOLA/RODOVIÁRIO ELETRO-ELETRÔNICO MECÂNICO CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIDADES DOMÉSTICAS E COMERCIAIS EMBALAGENS E RECIPIENTES SEMI-ELABORAÇÃO TUBOS C/ COSTURA DE PEQUENO DIÂMETRO (d<7") DISTRIBUIDORES E REVENDEDORES OUTROS SETORES TOTAL Unid.: % SETORES AUTOMOTIVO 24,9% 26,3% 23,2% 23,7% 21,8% - BENS DE CAPITAL 11,2% 10,8% 11,5% 9,3% 9,2% - FERROVIÁRIO 0,3% 0,3% 0,1% 0,0% 0,0% - NAVAL 0,7% 1,1% 1,0% 0,8% 0,9% - AGRÍCOLA/RODOVIÁRIO 2,0% 2,0% 2,0% 2,5% 2,2% - ELETRO-ELETRÔNICO 2,3% 2,2% 2,3% 1,8% 2,0% - MECÂNICO 5,9% 5,2% 6,0% 4,2% 4,0% - CONSTRUÇÃO CIVIL 8,7% 9,8% 9,8% 9,5% 9,6% - UTILIDADES DOMÉSTICAS E COMERCIAIS 3,5% 4,1% 4,1% 5,0% 5,0% - EMBALAGENS E RECIPIENTES 5,4% 4,9% 4,5% 4,7% 4,9% - SEMI-ELABORAÇÃO 10,3% 10,6% 13,8% 11,0% 10,4% TUBOS C/ COSTURA DE PEQUENO DIÂMETRO (d<7") 6,5% 7,3% 10,0% 8,4% 8,3% - DISTRIBUIDORES E REVENDEDORES 35,0% 32,7% 32,6% 36,0% 38,3% - OUTROS SETORES 1,0% 0,8% 0,3% 0,8% 0,9% TOTAL 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% Obs.: Em 2015 os volumes de consumo aparente foram revisados para os anos de 2010 a

22 Tabela 3.e DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS PLANOS EM AÇOS LIGADOS/ESPECIAIS Unid.: 10³ t SETORES AUTOMOTIVO BENS DE CAPITAL FERROVIÁRIO NAVAL AGRÍCOLA/RODOVIÁRIO ELETRO-ELETRÔNICO MECÂNICO CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIDADES DOMÉSTICAS E COMERCIAIS EMBALAGENS E RECIPIENTES SEMI-ELABORAÇÃO TUBOS C/ COSTURA DE PEQUENO DIÂMETRO (d<7") DISTRIBUIDORES E REVENDEDORES OUTROS SETORES TOTAL Unid.: % SETORES AUTOMOTIVO 7,3% 6,5% 7,3% 4,3% 4,3% - BENS DE CAPITAL 33,8% 33,3% 29,4% 25,7% 24,5% - FERROVIÁRIO - 0,1% - 0,3% 0,3% - NAVAL AGRÍCOLA/RODOVIÁRIO 0,9% 0,7% 0,5% 1,5% 1,1% - ELETRO-ELETRÔNICO 27,9% 28,1% 24,8% 17,7% 17,4% - MECÂNICO 5,0% 4,4% 4,1% 6,2% 5,7% - CONSTRUÇÃO CIVIL 1,3% 1,2% 1,5% 1,6% 1,9% - UTILIDADES DOMÉSTICAS E COMERCIAIS 6,8% 8,3% 8,4% 5,7% 6,4% - EMBALAGENS E RECIPIENTES 0,1% 0,6% 0,7% 3,4% 3,1% - SEMI-ELABORAÇÃO 13,8% 24,4% 26,3% 29,9% 27,4% TUBOS C/ COSTURA DE PEQUENO DIÂMETRO (d<7") 6,6% 9,5% 8,9% 2,5% 2,2% - DISTRIBUIDORES E REVENDEDORES 36,3% 25,4% 26,1% 25,7% 28,3% - OUTROS SETORES 0,6% 0,2% 0,3% 3,7% 4,1% TOTAL 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% Obs.: Em 2015 os volumes de consumo aparente foram revisados para os anos de 2010 a

23 Tabela 3.f DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS LONGOS EM AÇOS AO CARBONO Unid.: 10³ t SETORES AUTOMOTIVO BENS DE CAPITAL FERROVIÁRIO NAVAL AGRÍCOLA/RODOVIÁRIO ELETRO-ELETRÔNICO MECÂNICO CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIDADES DOMÉSTICAS E COMERCIAIS EMBALAGENS E RECIPIENTES SEMI-ELABORAÇÃO TUBOS C/ COSTURA DE PEQUENO DIÂMETRO (d<7") DISTRIBUIDORES E REVENDEDORES OUTROS SETORES TOTAL Unid.: % SETORES AUTOMOTIVO 6,2% 4,9% 4,0% 4,0% 3,6% - BENS DE CAPITAL 9,1% 5,7% 4,5% 4,8% 5,3% - FERROVIÁRIO 3,6% 1,3% 1,4% 1,5% 2,0% - NAVAL 0,1% 0,1% 0,3% 0,2% 0,2% - AGRÍCOLA/RODOVIÁRIO 1,1% 0,5% 0,5% 0,6% 0,3% - ELETRO-ELETRÔNICO 1,6% 1,3% 1,0% 0,9% 0,9% - MECÂNICO 2,8% 2,5% 1,4% 1,6% 1,9% - CONSTRUÇÃO CIVIL 25,4% 30,5% 33,5% 33,2% 33,5% - UTILIDADES DOMÉSTICAS E COMERCIAIS 0,5% 0,3% 0,2% 0,2% 0,2% - EMBALAGENS E RECIPIENTES 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% - SEMI-ELABORAÇÃO 15,0% 13,6% 12,9% 14,5% 15,1% TUBOS C/ COSTURA DE PEQUENO DIÂMETRO (d<7") DISTRIBUIDORES E REVENDEDORES 42,0% 43,3% 42,3% 40,7% 40,7% - OUTROS SETORES 1,7% 1,8% 2,6% 2,4% 1,6% TOTAL 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% Obs.: Em 2015 os volumes de consumo aparente foram revisados para os anos de 2010 a

24 Tabela 3.g DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS LONGOS EM AÇOS LIGADOS/ESPECIAIS Unid.: 10³ t SETORES AUTOMOTIVO BENS DE CAPITAL FERROVIÁRIO NAVAL AGRÍCOLA/RODOVIÁRIO ELETRO-ELETRÔNICO MECÂNICO CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIDADES DOMÉSTICAS E COMERCIAIS EMBALAGENS E RECIPIENTES SEMI-ELABORAÇÃO TUBOS C/ COSTURA DE PEQUENO DIÂMETRO (d<7") DISTRIBUIDORES E REVENDEDORES OUTROS SETORES TOTAL Unid.: % SETORES AUTOMOTIVO 60,5% 63,0% 60,7% 47,8% 47,3% - BENS DE CAPITAL 7,4% 7,0% 6,9% 9,0% 9,6% - FERROVIÁRIO 0,8% 1,2% 0,4% 0,1% 0,2% - NAVAL ,4% - AGRÍCOLA/RODOVIÁRIO 5,8% 5,1% 5,4% 4,3% 2,7% - ELETRO-ELETRÔNICO MECÂNICO 0,7% 0,7% 1,1% 4,6% 6,3% - CONSTRUÇÃO CIVIL 0,2% 0,2% 0,4% 0,3% 0,4% - UTILIDADES DOMÉSTICAS E COMERCIAIS 0,1% 0,1% 0,1% 0,1% 0,0% - EMBALAGENS E RECIPIENTES 2,5% 2,2% 2,6% 2,5% 0,8% - SEMI-ELABORAÇÃO 8,9% 7,5% 6,6% 16,6% 18,5% TUBOS C/ COSTURA DE PEQUENO DIÂMETRO (d<7") DISTRIBUIDORES E REVENDEDORES 8,2% 7,7% 8,6% 10,0% 9,5% - OUTROS SETORES 12,3% 12,3% 14,0% 13,6% 13,9% TOTAL 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% Obs.: Em 2015 os volumes de consumo aparente foram revisados para os anos de 2010 a

25 4 - DISTRIBUIÇÃO DO CONSUMO APARENTE POR SETORES CONSUMIDORES FINAIS Na distribuição do consumo aparente por setores consumidores, os segmentos de distribuição/revenda e semi-elaboração detém parcelas expressivas do total, com 37,7% e 13,3%, respectivamente. Para o cálculo do consumo aparente por setores consumidores finais, procede-se à redistribuição das vendas desses segmentos para os setores efetivamente consumidores. Para tanto, toma-se como referência, para os produtos planos ao carbono, as informações obtidas junto ao INDA - Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço. Para os demais produtos são realizadas estimativas pelo Aço Brasil em conjunto com as empresas associadas. Em 2015, foi realizada atualização dos índices utilizados na conversão indicada acima compreendendo os valores para os anos de 2013 e A Tabela 4.a, a seguir, apresenta o resultado das redistribuições, detalhando-se o consumo aparente por setores consumidores finais em Tabela 4.a CONSUMO APARENTE EM 2014 POR SETORES CONSUMIDORES FINAIS PRODUTOS PLANOS PRODUTOS LONGOS TOTAL Unid.: t SETORES AÇOS AO CARBONO AÇOS LIGADOS/ ESPECIAIS TOTAL PLANOS AÇOS AO CARBONO AÇOS LIGADOS/ ESPECIAIS TOTAL LONGOS AÇOS CARBONO AÇOS LIGADOS/ ESPECIAIS TOTAL PRODUTOS 1. AUTOMOTIVO BENS DE CAPITAL, MÁQS. E EQUIPS FERROVIÁRIO NAVAL AGRÍCOLA/RODOVIÁRIO ELETRO-ELETRÔNICO MECÂNICO CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIDADES DOMÉSTICAS E COMERCIAIS EMBALAGENS E RECIPIENTES TUBOS C/ COSTURA DE PEQUENO DIÂMETRO (d<7") OUTROS SETORES TOTAL PRODUTOS PLANOS PRODUTOS LONGOS TOTAL AÇOS AÇOS AÇOS SETORES AÇOS AO TOTAL AÇOS AO TOTAL AÇOS LIGADOS/ LIGADOS/ LIGADOS/ CARBONO PLANOS CARBONO LONGOS CARBONO ESPECIAIS ESPECIAIS ESPECIAIS Unid.: % TOTAL PRODUTOS 1. AUTOMOTIVO 27,8% 4,3% 26,1% 6,5% 61,8% 11,5% 18,7% 31,8% 19,8% 2. BENS DE CAPITAL, MÁQS. E EQUIPS. 24,3% 61,1% 27,0% 12,1% 15,9% 12,4% 19,1% 39,5% 20,7% 2.1. FERROVIÁRIO 0,0% - 0,1% 2,3% 0,2% 2,1% 1,0% 0,2% 0,9% 2.2. NAVAL 1,2% - 1,1% 0,2% - 0,2% 0,8% - 0,7% 2.3. AGRÍCOLA/RODOVIÁRIO 4,7% 26,8% 6,3% 3,0% 3,3% 3,0% 3,9% 15,6% 4,9% 2.4. ELETRO-ELETRÔNICO 2,8% 22,5% 4,3% 0,9% - 0,8% 2,0% 11,7% 2,8% 2.5. MECÂNICO 15,6% 11,6% 15,3% 5,8% 12,0% 6,3% 11,4% 11,8% 11,4% 3. CONSTRUÇÃO CIVIL 20,3% 1,8% 18,9% 72,0% 0,6% 65,6% 42,5% 1,2% 39,1% 4. UTILIDADES DOMÉSTICAS E COMERCIAIS 9,0% 13,2% 9,3% 4,6% 0,2% 4,2% 7,1% 7,0% 7,1% 5. EMBALAGENS E RECIPIENTES 5,3% 3,1% 5,2% 0,0% 0,8% 0,1% 3,1% 2,0% 3,0% 6. TUBOS C/ COSTURA DE PEQUENO DIÂMETRO (d<7") 9,3% 2,3% 8,8% 0,0% 0,0% 0,0% 5,3% 1,2% 5,0% 7. OUTROS SETORES 3,9% 14,2% 4,7% 4,8% 20,8% 6,2% 4,3% 17,3% 5,4% TOTAL 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 24

26 O Consumo Aparente de aço pelo setor da Construção Civil caiu 5,0% em Como essa queda foi menor que a dos demais grandes consumidores, o setor elevou sua participação relativa no consumo de aço, alcançando 39,1%. Reafirma assim sua posição de principal consumidor de aço no Brasil. No caso dos produtos longos, em 2014 o setor da construção reduziu seu consumo em 4,2%, tendo sido responsável por 65,6% do total consumido. Em relação a planos, a participação da Construção Civil subiu para 18,9%, apesar do consumo do setor ter se reduzido em 7,1%. O setor automotivo foi o que apresentou o pior resultado na indústria no ano de O consumo de aço deste segmento mostrou forte retração neste ano, tendo perdido, inclusive, a segunda posição no ranking dos setores consumidores de aço para o setor de Bens de Capital. O consumo aparente de aço do Setor Automotivo se reduziu em 17,3%, tendo sua participação no total consumido se contraído de 21,8% para 19,8% em A queda de 17,0% no consumo de aços planos pelo setor também acarretou a perda da condição de principal consumidor destes produtos, tendo sua fatia na demanda sido reduzida de 28,3% para 26,1%. O consumo de produtos longos pelo setor automotivo também se contraiu, em 18,0%, e sua participação no consumo desses produtos ficou em 11,5%. O consumo de aço pelo setor de Bens de Capital apresentou a forte queda de 9,1%, em linha com o resultado negativo da Formação Bruta de Capital Fixo apurada pelo IBGE para o ano de A queda no consumo desse setor ocorreu tando no caso de aços planos (- 11,2%) quanto no caso de aços longos (-2,4%). Ainda assim, ultrapassou o setor automotivo no ranking de consumo, tornando-se o segundo maior consumidor de aço no Brasil, representando 20,7% do total. Cabe destacar que, dentre os segmentos que compõem este setor, somente Ferroviário e Naval apresentaram variações positivas, de 20,6% e 3,6% respectivamente. Os segmentos Agrícola/Rodoviário (-16,4%), Eletro- Eletrônico (-2,7%) e Mecânico (-9,6%) apresentaram quedas em O setor de Utilidades Domésticas e Comerciais foi o único dentre os principais segmentos consumidores a apresentar aumento em seu consumo de aço. Com alta de 2,5% no consumo em 2014, o setor elevou sua participação para 7,1% ante os 6,3% registrados em A fatia do setor de Utilidades Domésticas e Comerciais se elevou tanto no consumo de aços longos e quanto no de planos, tendo ficado em 4,2% e 9,3%, respectivamente. Os Gráficos 4.a, 4.b e 4.c mostram a evolução da participação do consumo dos grandes setores consumidores finais no consumo total de produtos siderúrgicos. As Tabelas 4.b; 4.c; 4.d e 4.e, apresentam o resultado das redistribuições, detalhando-se o consumo aparente em produtos siderúrgicos por setores consumidores finais. 25

27 Obs.: Em 2015 os volumes de consumo aparente foram revisados para os anos de 2010 a

28 Tabela 4.b DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS PLANOS EM AÇOS CARBONO - POR CONSUMIDORES FINAIS CH. E BOB. BOBINAS E BOBINAS E CH. E BOBINAS FOLHAS PARA ZINCADAS P/ CHAPAS DE LIGAS CHAPAS PRÉ- SETORES PLACAS CHAPAS GROSSA BOBINA GROSSA CHAPAS FINAS A CHAPAS FINAS A ELETRO- EMBALAGENS IMERSÃO A ALUMÍNIO-ZINCO PINTADAS QUENTE FRIO GALVANIZ.(EG) QUENTE (HDG) Unid.: t TOTAL PLANOS AÇOS AO CARBONO 1. AUTOMOTIVO BENS DE CAPITAL, MÁQS. E EQUIPS FERROVIÁRIO NAVAL AGRÍCOLA/RODOVIÁRIO ELETRO-ELETRÔNICO MECÂNICO CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIDADES DOMÉSTICAS E COMERCIAIS EMBALAGENS E RECIPIENTES TUBOS C/ COSTURA DE PEQUENO DIÂMETRO (d<7") OUTROS SETORES TOTAL Tabela 4.c DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS PLANOS EM AÇOS LIGADOS/ESPECIAIS - POR CONSUMIDORES FINAIS Unid.: t SETORES PLACAS CHAPAS INOXIDÁVEIS CHAPAS SILICIOSAS CHAPAS ALTO CARBPONO TOTAL PLANOS AÇOS LIGADOS/ESPECIAIS TOTAL PRODUTOS PLANOS 1. AUTOMOTIVO BENS DE CAPITAL, MÁQS. E EQUIPS FERROVIÁRIO NAVAL AGRÍCOLA/RODOVIÁRIO ELETRO-ELETRÔNICO MECÂNICO CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIDADES DOMÉSTICAS E COMERCIAIS EMBALAGENS E RECIPIENTES TUBOS C/ COSTURA DE PEQUENO DIÂMETRO (d<7") OUTROS SETORES TOTAL

29 Tabela 4.d DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS LONGOS EM AÇOS CARBONO - POR CONSUMIDORES FINAIS Lingotes Blocos e Trilhos e Perfis Médios Barras Fio-Máquina Tubos s/costura Trefilados SETORES Tarugos Perfis Leves Vergalhões Acessórios e Pesados Aços Carbono Aços Carbono Aços Carbono Aços carbono Aços Carbono Unid.: t Total Longos Aços Carbono 1. AUTOMOTIVO BENS DE CAPITAL, MÁQS. E EQUIPS FERROVIÁRIO NAVAL AGRÍCOLA/RODOVIÁRIO ELETRO-ELETRÔNICO MECÂNICO CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIDADES DOMÉSTICAS E COMERCIAIS EMBALAGENS E RECIPIENTES TUBOS C/ COSTURA DE PEQUENO DIÂMETRO (d<7") OUTROS SETORES TOTAL Tabela 4.e DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO CONSUMO APARENTE DE PRODUTOS LONGOS EM AÇOS LIGADOS/ESPECIAIS - POR CONSUMIDORES FINAIS Lingotes Blocos e Barras Constr. Barras Fio-Máquina Fio-Máquina Fio-Máquina Tarugos Barras Aços Tubos s/costura Trefilados Total Longos SETORES Mecânica Inox/Válvulas Constr. Mecânica Aços Inox/Válvula Aços Ferramentas Aços Ligados Aços Ligados Aços Ligados/Especiais Aços Ligados Alta Liga Aços Ligados Ferramentas Alta Liga Ligados/Especiais 1. AUTOMOTIVO BENS DE CAPITAL, MÁQS. E EQUIPS FERROVIÁRIO NAVAL AGRÍCOLA/RODOVIÁRIO ELETRO-ELETRÔNICO MECÂNICO CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIDADES DOMÉSTICAS E COMERCIAIS EMBALAGENS E RECIPIENTES TUBOS C/ COSTURA DE PEQUENO DIÂMETRO (d<7") OUTROS SETORES TOTAL Total Produtos Longos Unid.: t 28

30 A evolução do consumo aparente por setores consumidores finais está indicada abaixo: Tabela 4.f EVOLUÇÃO DO CONSUMO APARENTE POR SETORES CONSUMIDORES FINAIS SETORES PRODUTOS PLANOS PRODUTOS LONGOS TOTAL Unid.: 10³ t AUTOMOTIVO BENS DE CAPITAL, MÁQS. E EQUIPS FERROVIÁRIO NAVAL AGRÍCOLA/RODOVIÁRIO ELETRO-ELETRÔNICO MECÂNICO CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIDADES DOMÉSTICAS E COMERCIAIS EMBALAGENS E RECIPIENTES TUBOS C/ COSTURA DE PEQUENO DIÂMETRO (d<7") OUTROS SETORES TOTAL SETORES PRODUTOS PLANOS PRODUTOS LONGOS TOTAL Unid.: % AUTOMOTIVO 32,8% 32,3% 29,8% 28,3% 26,1% 15,4% 15,4% 12,8% 13,0% 11,5% 25,8% 25,0% 22,5% 21,8% 19,8% 2. BENS DE CAPITAL, MÁQS. E EQUIPS. 26,5% 27,7% 26,9% 27,4% 27,0% 15,9% 12,1% 10,9% 11,9% 12,4% 22,2% 21,0% 20,1% 20,8% 20,7% 2.1. FERROVIÁRIO 0,3% 0,3% 0,1% 0,1% 0,1% 4,7% 1,7% 1,8% 1,5% 2,1% 2,1% 0,9% 0,8% 0,7% 0,9% 2.2. NAVAL 0,9% 1,4% 1,2% 1,0% 1,1% 0,1% 0,1% 0,2% 0,2% 0,2% 0,6% 0,8% 0,8% 0,6% 0,7% 2.3. AGRÍCOLA/RODOVIÁRIO 5,0% 5,5% 5,7% 6,8% 6,3% 5,8% 5,6% 5,5% 3,4% 3,0% 5,3% 5,6% 5,6% 5,3% 4,9% 2.4. ELETRO-ELETRÔNICO 5,0% 5,1% 5,2% 3,9% 4,3% 1,4% 1,2% 0,9% 0,8% 0,8% 3,6% 3,4% 3,3% 2,6% 2,8% 2.5. MECÂNICO 15,2% 15,4% 14,7% 15,7% 15,3% 3,9% 3,5% 2,5% 5,9% 6,3% 10,6% 10,3% 9,5% 11,5% 11,4% 3. CONSTRUÇÃO CIVIL 14,8% 15,3% 16,8% 18,4% 18,9% 55,3% 60,2% 63,2% 63,8% 65,6% 31,3% 34,6% 36,6% 37,7% 39,1% 4. UTILIDADES DOMÉSTICAS E COMERCIAIS 8,1% 7,9% 8,0% 8,0% 9,3% 5,1% 4,7% 4,5% 4,0% 4,2% 6,9% 6,5% 6,5% 6,3% 7,1% 5. EMBALAGENS E RECIPIENTES 5,9% 5,4% 5,1% 4,9% 5,2% 0,3% 0,3% 0,3% 0,3% 0,1% 3,6% 3,2% 3,0% 3,0% 3,0% 6. TUBOS C/ COSTURA DE PEQUENO DIÂMETRO (d<7") 8,0% 7,9% 11,0% 8,8% 8,8% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 4,7% 4,5% 6,3% 5,1% 5,0% 7. OUTROS SETORES 3,9% 3,4% 2,5% 4,1% 4,7% 8,0% 7,4% 8,3% 7,1% 6,2% 5,5% 5,1% 4,9% 5,3% 5,4% TOTAL 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% Obs.: Em 2015 os volumes de consumo aparente foram revisados para os anos de 2010 a

31 5 - DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DAS VENDAS E IMPORTAÇÕES DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS EM A consolidação da distribuição regional das vendas e importações do setor siderúrgico está apresentada nas Tabelas 5.a e 5.b e nos Gráficos 5.a e 5.b. Cabe salientar que no ano de 2015 a metodologia de distribuição regional das importações de produtos siderúrgicos foi revisada. Tabela 5.a DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DAS VENDAS E IMPORTAÇÕES POR TIPOS DE AÇO REGIÕES AÇOS AO CARBONO AÇOS LIGADOS/ ESPECIAIS TOTAL PLANOS AÇOS AO CARBONO AÇOS LIGADOS/ ESPECIAIS TOTAL LONGOS Unid.: 10³ t NORTE (AM/PA/RO/AP/RR/AC/TO) NORDESTE Bahia Ceará Pernambuco Outros (MA/PI/RN/PB/AL/SE) CENTRO-OESTE Mato Grosso/ Mato Grosso do Sul Goiás/ Distrito Federal SUDESTE Minas Gerais Espírito Santo Rio de Janeiro São Paulo SUL Paraná Santa Catarina Rio Grande do Sul TOTAL REGIÕES AÇOS AO CARBONO PRODUTOS PLANOS PRODUTOS PLANOS AÇOS LIGADOS/ ESPECIAIS Tabela 5.b TOTAL PLANOS AÇOS AO CARBONO PRODUTOS LONGOS PRODUTOS LONGOS AÇOS LIGADOS/ ESPECIAIS TOTAL LONGOS TOTAL PRODUTOS NORTE (AM/PA/RO/AP/RR/AC/TO) 2,4% 0,7% 2,3% 5,2% 2,5% 5,0% 3,5% NORDESTE 8,0% 9,4% 8,1% 15,2% 7,4% 14,5% 10,8% Bahia 3,5% 0,1% 3,2% 5,3% 3,0% 5,1% 4,0% Ceará 1,2% 9,1% 1,8% 2,9% 1,0% 2,8% 2,2% Pernambuco 2,6% 0,3% 2,5% 2,5% 1,4% 2,4% 2,4% Outros (MA/PI/RN/PB/AL/SE) 0,7% 0,1% 0,6% 4,4% 1,9% 4,1% 2,2% CENTRO-OESTE 2,8% 1,6% 2,7% 5,6% 0,3% 5,1% 3,8% Mato Grosso/ Mato Grosso do Sul 1,5% 1,6% 1,5% 2,5% 0,0% 2,3% 1,9% Goiás/ Distrito Federal 1,3% 0,0% 1,2% 3,1% 0,2% 2,8% 1,9% SUDESTE 65,7% 48,2% 64,4% 55,8% 74,1% 57,4% 61,4% Minas Gerais 10,5% 2,0% 9,9% 13,6% 10,3% 13,3% 11,4% Espírito Santo 2,4% 1,8% 2,4% 2,7% 1,4% 2,5% 2,5% Rio de Janeiro 10,9% 3,7% 10,3% 8,3% 11,2% 8,5% 9,5% São Paulo 41,9% 40,7% 41,8% 31,3% 51,2% 33,1% 38,0% SUL 21,1% 40,0% 22,5% 18,2% 15,7% 18,0% 20,5% Paraná 4,6% 5,6% 4,7% 5,7% 4,4% 5,6% 5,1% Santa Catarina 6,9% 15,3% 7,6% 5,6% 4,1% 5,5% 6,6% Rio Grande do Sul 9,5% 19,3% 10,2% 6,9% 7,1% 6,9% 8,8% TOTAL 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% Unid.: % TOTAL PRODUTOS 3 Cabe salientar que o destino das vendas e importações dos produtos siderúrgicos não necessariamente se traduz em Consumo Regional, uma vez que o consumo efetivo pelo setor consumidor final pode ter sido realizado em outro local. 30

32 O Estado de São Paulo manteve sua posição como principal mercado de destino do aço no Brasil. Apresentou, porém, pequena perda de representatividade em sua participação relativa na distribuição geográfica (38,0% em 2014 contra 41,8% em 2013). Como pode ser observado no Gráfico 5.a, desde 1990, São Paulo, por força da descentralização industrial, vêm apresentando queda em sua participação no consumo aparente de produtos siderúrgicos. As regiões Sul e Sudeste juntas totalizaram 81,9% de todo o consumo de aço brasileiro em 2014, tendo o Sudeste consumido 61,4% do total e a região Sul 20,5%. As regiões Norte e Centro-Oeste consumiram 3,5% e 3,8%, respectivamente. Cabe destacar que a região Nordeste ganhou participação na distribuição regional do aço no Brasil, saindo de 10,1% em 2013 para 10,8% em

33 Gráfico 5.a DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DAS VENDAS E IMPORTAÇÕES DE PRODUTOS PLANOS Gráfico 5.b DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DAS VENDAS E IMPORTAÇÕES DE PRODUTOS LONGOS 32

34 6 - CONSUMO APARENTE FINAL DE AÇO O total de aço consumido em um país é obtido a partir do seu Consumo Aparente Final. Este cálculo inclui a medição direta do consumo aparente de produtos siderúrgicos adicionado do saldo, em toneladas de aço contido, do comércio exterior de bens intensivos em aço. Este saldo corresponde ao total das importações de aço contido em bens, abatido do total correspondente aos bens exportados. Consumo Aparente Final = Consumo Aparente + Importações Indiretas - Exportações Indiretas Conforme ocorrido nos últimos seis anos, em 2014 as importações indiretas de aço superaram as exportações indiretas, gerando um saldo negativo na balança de Comércio Indireto de Aço. Em 2014, esta balança apresentou déficit de 2,4 milhões de toneladas de aço contido, resultado negativo ainda elevado, porém menor que o registrado em 2013, o que pode ser explicado pela retração da atividade econômica que acabou por reduzir o nível de importações indiretas. O Consumo Aparente Final de mil toneladas superou, pelo sexto ano consecutivo, o Consumo Aparente de produtos siderúrgicos, de mil toneladas. Evidencia-se, desse modo, a crescente participação no consumo do país do aço proveniente do exterior. ITEM Consumo Aparente Importação Indireta (*) Exportação Indireta (*) Consumo Aparente Final Tabela 6.a CONSUMO APARENTE FINAL DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS Unid.: 10³ t (*) Quantidade de aço empregada na fabricação das mercadorias exportadas/ importadas de acordo com os coeficientes da Worldsteel Association. Fontes: Aço Brasil/ w orldsteel/ MDIC-SECEX Obs.: Em 2015 os volumes de consumo aparente foram revisados para os anos de 2010 a A análise do Consumo Aparente Final per capita, que representa o consumo médio de aço pelo total de habitantes do país, demonstra que vem ocorrendo expansão da participação das importações diretas e indiretas de aço no mercado de aço brasileiro. O Gráfico 6.a mostra a parcela do consumo per capita que é proveniente do exterior. Observa-se que dos 138 quilos de aço consumido por habitante em 2014, 31 quilos (21,7%) foram oriundos do exterior. 33

35 Gráfico 6.a PARTICIPAÇÃO DAS IMPORTAÇÕES NO CONSUMO APARENTE FINAL PER CAPITA Obs.: Em 2015 os volumes de consumo aparente foram revisados para os anos de 2010 a

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0%

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0% Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 58 1 a 15 de setembro de 2010 PIB TRIMESTRAL Segundo os dados

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 NOTAS CEMEC 01/2015 REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Fevereiro de 2015 1 1. Introdução No Estudo Especial CEMEC de novembro

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 1º Trimestre de 2015 Coordenação de Contas Nacionais 29 de maio de 2015 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços A inflação, considerada a evolução dos índices de preços ao consumidor e por atacado, apresentou contínua elevação ao longo do trimestre encerrado em maio. Esse movimento, embora tenha traduzido

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

Informativo PIB Trimestral

Informativo PIB Trimestral Informativo PIB Trimestral v. 1 n. 1 abr. jun. 2010 ISSN 2178-8367 Economia baiana cresce 10,4% no segundo trimestre e acumula alta de 10,0% no 1º semestre No segundo trimestre de 2010, a economia baiana

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

Boletim Informativo Emprego em Guarulhos: Panorama de 2014. Análise de Dezembro de 2014

Boletim Informativo Emprego em Guarulhos: Panorama de 2014. Análise de Dezembro de 2014 Boletim Informativo Emprego em Guarulhos: Panorama de 2014. Análise de Dezembro de 2014 2 Boletim Informativo - Emprego em Dezembro de 2014 Janeiro de 201 Análise e Redação Dr. Devanido Damião Suporte

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

Nível de Atividade: Investimento Desaba e Arrasta o PIB Trimestral

Nível de Atividade: Investimento Desaba e Arrasta o PIB Trimestral 6 análise de conjuntura Nível de Atividade: Investimento Desaba e Arrasta o PIB Trimestral Brasileiro Vera Martins da Silva (*) As perspectivas sombrias sobre a economia brasileira se confirmaram e houve

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 28 JUNHO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 28 JUNHO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO NÚMERO 28 JUNHO DE 21 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS A divulgação do crescimento do PIB no primeiro trimestre desse ano, além de revelar uma taxa

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Este boxe apresenta a estrutura da economia paulista e sua evolução nos últimos dez anos, comparando-as com a do país. Gráfico 1 PIB Variação real

Leia mais

Açotubo anuncia fusão com Incotep e Artex Aços Inoxidáveis

Açotubo anuncia fusão com Incotep e Artex Aços Inoxidáveis Açotubo anuncia fusão com Incotep e Artex Aços Inoxidáveis Ter, 02 de Agosto de 2011 07:13 Com base nos movimentos de mercado e da companhia alinhados ao aquecimento da indústria e economia brasileiras,

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Terceiro Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014 Associação Brasileira de Supermercados Nº48 tou ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014 Vendas dos supermercados crescem 2,24% em 2014 Em dezembro, as

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Introdução Guilherme R. S. Souza e Silva * Lucas Lautert Dezordi ** Este artigo pretende

Leia mais

NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL

NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL Agosto de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões

Leia mais

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria A evolução dos principais indicadores econômicos conjunturais sugere a paulatina dissipação dos efeitos da intensificação da crise financeira

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Associação Brasileira de Supermercados Nº51 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Abril de 2015 Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Crescimento moderado

Leia mais

1. Atividade Econômica

1. Atividade Econômica Julho/212 O Núcleo de Pesquisa da FECAP apresenta no seu Boletim Econômico uma compilação dos principais indicadores macroeconômicos nacionais que foram publicados ao longo do mês de referência deste boletim.

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Competitividade e Desafios da Indústria do Aço

Competitividade e Desafios da Indústria do Aço Competitividade e Desafios da Indústria do Aço Harley Scardoelli 25 de maio de 2014 As economias devem se recuperar de forma gradual ao longo dos próximos anos 6,0 5,0 4,0 3,0 3,2 5,1 3,0 4,7 3,6 4,9 3,9

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

2 PIB MINEIRO CRESCE AINDA MENOS DO QUE O BRASILEIRO Prof. Flávio Riani

2 PIB MINEIRO CRESCE AINDA MENOS DO QUE O BRASILEIRO Prof. Flávio Riani ANO 4 NÚMERO 30 SETEMBRO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS A divulgação do crescimento do PIB brasileiro no primeiro semestre desse ano, além de

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA

CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA O Índice de Preços ao Consumidor da Classe Média de Curitiba - IPC-FAE, medido

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região.

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região. O presente boletim analisa algumas variáveis chaves na atual conjuntura da economia sertanezina, apontando algumas tendências possíveis. Como destacado no boletim anterior, a indústria é o carro chefe

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

ANO 3 NÚMERO 14 Março de 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 3 NÚMERO 14 Março de 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 3 NÚMERO 14 Março de 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Dados consolidados de 2012 indicam que as condições de oferta de bens e serviços no país

Leia mais

ANÁLISE DA PRODUÇÃO MENSAL DE BEBIDAS

ANÁLISE DA PRODUÇÃO MENSAL DE BEBIDAS ANÁLISE DA PRODUÇÃO MENSAL DE BEBIDAS Fevereiro de 2014 ASSOCIAÇÃO DOS FABRICANTES DE REFRIGERANTES DO BRASIL VOLUME MENSAL BRASIL REFRIGERANTES Fonte: SICOBE/RFB VOLUME MENSAL BRASIL CERVEJAS Fonte: SICOBE/RFB

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23%

Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23% Índice de Preços ao Produtor Fonte IBGE Base: Setembro de 2011 Por Ricardo Bergamini Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23% Em setembro de 2011, o Índice de Preços ao Produtor (IPP)

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor?

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? 1. Introdução Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? Simone Maciel Cuiabano 1 Ao final de janeiro, o blog Beyond Brics, ligado ao jornal Financial Times, ventilou uma notícia sobre a perda de

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Março de 2014

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Março de 2014 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Março de 2014 Maio/2014 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação registrou queda de 0,6% em Março de 2014,

Leia mais

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário Boletim Econômico e do Setor Portuário Junho de 2014 Sumário Indicadores da Economia Nacional... 2 O Produto Interno Bruto PIB no primeiro trimestre de 2014... 2 Os Índices de Inflação... 3 O Mercado de

Leia mais

Informe Econômico N 3

Informe Econômico N 3 Conjuntura Econômica Gerente Legislativa: Sheila Tussi da Cunha Barbosa Analista Legislativa: Cláudia Fernanda Silva Almeida Assistente Administrativa: Quênia Adriana Camargo Ferreira Estagiário: Tharlen

Leia mais

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

BOLETIM MENSAL. 1º Trimestre 2009

BOLETIM MENSAL. 1º Trimestre 2009 BOLETIM MENSAL 1º Trimestre 2009 Sistema Financeiro 4 - Crédito do Sistema Financeiro 5 - Carteiras de Financiamento (CDC) e Leasing Aquisição de Veículos 6 - Saldo e Recursos Liberados Financiamento CDC

Leia mais

Pesquisa Industrial- Empresa. Pesquisa Industrial- Produto. Data 21/06/2013

Pesquisa Industrial- Empresa. Pesquisa Industrial- Produto. Data 21/06/2013 Pesquisa Industrial- Empresa 2011 Pesquisa Industrial- Produto Data 21/06/2013 Apresentação Aspectos metodológicos Análise de resultados Resultados gerais em 2011 Estrutura das receitas, dos custos e despesas,

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

REINO UNIDO Comércio Exterior

REINO UNIDO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC REINO UNIDO Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

Criação de emprego - Brasil. Acumulado. set/11 a ago/12

Criação de emprego - Brasil. Acumulado. set/11 a ago/12 Set Ago/2013 A criação emprego no país no mês agosto, acordo com os dados do CAGED, apresentou um crescimento 207% em relação ao mês anterior, com cerca 128 mil novos postos trabalho. Se comparado ao mesmo

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015 Dezembro/2015 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação cresceu 0,3% em outubro de 2015,

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional Gráfico 1 Produção da construção civil e PIB Variações anuais % 1 8 6 4 2-2 -4 1999 2 21 22 23 24 25 26 27 28 Construção civil PIB A indústria

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês 1 São Paulo, 04 de agosto de 2010. NOTA À IMPRENSA Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês Desde maio, na maioria das capitais onde é realizada mensalmente a Pesquisa Nacional

Leia mais

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem.

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem. ANOTE Informativo Eletrônico do DIEESE Ano 4, N.º. 38 Maio de 2.003 1 CONJUNTURA Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história Calculada diariamente desde março de 1990, ou seja, a mais

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 Julio Gomes de Almeida Mauro Thury de Vieira Sá Daniel Keller de Almeida Texto para Discussão. IE/UNICAMP n. 149, nov. 2008. ISSN

Leia mais

Associação Brasileira de Supermercados Nº49 ECONOMIA. Honda: ritmo de vendas de janeiro foi positivo. Nesta edição:

Associação Brasileira de Supermercados Nº49 ECONOMIA. Honda: ritmo de vendas de janeiro foi positivo. Nesta edição: Associação Brasileira de Supermercados Nº49 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 26 de Fevereiro de 2015 Setor inicia o ano com crescimento real de 3,42% Em janeiro de 2015

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Ceará: Resultados do Produto 9 Interno Bruto (PIB) 2008

Ceará: Resultados do Produto 9 Interno Bruto (PIB) 2008 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) Ceará: Resultados do Produto 9 Interno Bruto (PIB) 2008 1. ECONOMIA

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL OUTUBRO DE 2014 Outubro de 2014 www.fiergs.org.br Indústria cresce pelo quarto mês seguido O IDI/RS, Índice de Desempenho Industrial do Rio Grande do Sul, apontou

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

Panorama Econômico - Outubro/08

Panorama Econômico - Outubro/08 Panorama Econômico - Outubro/08 COMÉRCIO INTERNACIONAL BALANÇA COMERCIAL MENSAL (OUTUBRO/2008) - MDIC Fato Em outubro, a Balança Comercial fechou com superavit de US$ 1,21 bilhão, resultado de exportações

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

ICV-DEESE fica em 6,04%, em 2013

ICV-DEESE fica em 6,04%, em 2013 1 São Paulo, 8 de janeiro de 2014. ICV-DEESE fica em 6,04%, em 2013 NOTA À IMPRENSA Em 2013, o Índice do Custo de Vida ICV calculado pelo DIEESE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Setor Externo: Triste Ajuste

Setor Externo: Triste Ajuste 8 análise de conjuntura Setor Externo: Triste Ajuste Vera Martins da Silva (*) A recessão da economia brasileira se manifesta de forma contundente nos resultados de suas relações com o resto do mundo.

Leia mais

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão 16 a 31 de agosto de 2012 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais 1 São Paulo, 06 de julho de 2009. NOTA À IMPRENSA Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais Em junho, a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, realizada pelo DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº57 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Setor de supermercados acumula queda de -0,96% Renda e inflação afetam

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

CORTE E DOBRA DE CHAPAS

CORTE E DOBRA DE CHAPAS A praticidade, precisão e tecnologia fazem parte do Centro de Serviços da Tuper - um ambiente que disponibiliza equipamentos como a guilhotina hidráulica, especializada em cortes de chapas e prensa dobradeira

Leia mais