NOTA METODOLÓGICA COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOTA METODOLÓGICA COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL"

Transcrição

1 NOTA METODOLÓGICA COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Versão Brasília - Novembro/2011

2

3 NOTA METODOLÓGICA COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

4 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria Executiva - DIREX José Augusto Coelho Fernandes Diretor Executivo Carlos Eduardo Abijaodi Diretor de Operações Mônica Messenberg Guimarães Diretora de Relações Institucionais

5 Confederação Nacional da Indústria NOTA METODOLÓGICA COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Versão Brasília - Novembro/2011

6 2011. CNI Confederação Nacional da Indústria. Qualquer parte desta obra poderá ser reproduzida, desde que citada a fonte. CNI Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento PAD Unidade de Política Econômica PEC FUNCEX - Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior CNI Serviço de Atendimento ao Cliente - SAC Confederação Nacional da Indústria Tels.: (61) / Setor Bancário Norte Quadra 1 Bloco C Edifício Roberto Simonsen Brasília DF Tel.: (61) Fax: (61)

7 Sumário 1 Introdução 9 2 Metodologia Objetivo dos coeficientes Periodicidade Classificação de atividades econômicas Fonte dos dados Variáveis utilizadas Cálculo dos Coeficientes 12 3 Período Procedimento de trimestralização 13 4 Referências bibliográficas 15

8

9 NOTA METODOLÓGICA - COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL 1 Introdução Medir a participação que os fluxos de comércio exterior têm na economia é um elemento fundamental para o adequado acompanhamento e avaliação da política econômica do país, especialmente no que tange à posição competitiva da produção industrial brasileira em relação aos padrões vigentes na economia mundial. Para isso são utilizados os coeficientes de orientação externa, dentre os quais se destacam o coeficiente de exportação, dado pela razão entre as exportações e o valor da produção da indústria, e o coeficiente de penetração de importações, que é a razão entre o valor das importações e o valor do consumo aparente de bens industriais. 9

10 NOTA METODOLÓGICA - COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL 2 Metodologia 2.1 Objetivo dos coeficientes Avaliar a importância que as exportações têm no faturamento total do setor industrial e avaliar o grau em que o setor industrial se utiliza de bens importados como insumos em seu processo produtivo. 2.2 Periodicidade Os coeficientes são divulgados trimestralmente. 2.3 Classificação de atividades econômicas Os coeficientes são calculados para os seguintes níveis de desagregação da indústria: Indústria total; Indústria extrativa mineral; Indústria de transformação; Setores industriais. Neste último caso, considera-se um conjunto de setores produtivos conforme a Classificação Nacional de Atividades Econômicas CNAE versão 2.0, do IBGE. São considerados todos os setores industriais a 2 dígitos da CNAE e também alguns subsetores (CNAE a 3 dígitos) que correspondem a desagregações dos setores a 2 dígitos. 2.4 Fonte dos dados O cálculo dos coeficientes utiliza duas fontes básicas: i. dados de exportações e importações calculados pela Funcex (valores em US$ FOB e índices de quantum); ii. dados de valor da produção industrial (em reais e em quantidades) da Pesquisa Industrial Anual - PIA e da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física - PIM-PF do IBGE. 10

11 NOTA METODOLÓGICA - COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Os valores de exportação e importação são convertidos para reais, de modo a se tornarem comparáveis com os dados de valor da produção. A conversão é feita somente para o ano de 2007 (ano-base dos coeficientes), utilizando-se a taxa de câmbio nominal R$/US$, média anual de venda. Este valor foi de R$1,948/US$. 2.5 Variáveis utilizadas Valor da produção São utilizados os dados da PIA/IBGE para o ano de 2007, medidos em reais correntes, conforme a classificação CNAE 2.0. Para os demais períodos, foi feita a correção dos valores da produção total e setorial com base nas variações da produção física da indústria e de cada setor. Tais variações são obtidas da PIM-PF, do IBGE. Os dados de valor da produção a preços constantes de 2007 são obtidos pela aplicação, para os períodos anteriores e subsequentes, da variação da PIM-PF sobre o valor da produção da PIA em Valores de exportações e importações São calculados índices de preços e de quantum anuais e trimestrais para cada um dos setores CNAE a 2 ou 3 dígitos, com base na metodologia da Funcex. Para o cálculo dos coeficientes a preços constantes, são aplicadas aos valores de exportação/ importação de 2007 as variações anuais e trimestrais dos índices de quantum de exportações/importações, para os períodos antecedentes e subsequentes a

12 NOTA METODOLÓGICA - COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL 2.6 Cálculo dos Coeficientes Coeficiente de exportação (C X ): O Coeficiente de exportação é calculado da seguinte forma: C X Onde: V X V P V X = valor das exportações do setor industrial V P = valor da produção doméstica do setor industrial Coeficiente de penetração de importações (C Pene ): O Coeficiente de penetração de importações é calculado da seguinte forma: C Pene Onde: V M C Cons Ap V M = valor das importações do setor industrial C Cons Ap = consumo aparente doméstico do setor industrial, dado por: C Cons Ap V P + V M - V X Os coeficientes são calculados a preços constantes de Isso significa que, para este ano, consideram-se os valores nominais efetivamente observados de exportações, importações e da produção industrial. Para os demais anos e trimestres, considera-se apenas a variação real das exportações (quantum), importações (quantum) e produção industrial (produção física). Com isso, elimina-se o efeito dos preços sobre a evolução dos coeficientes, seja dos preços de exportação e importação, seja dos preços da produção doméstica, seja ainda da taxa de câmbio. 12

13 NOTA METODOLÓGICA - COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL 3 Resultados São calculados coeficientes com periodicidade anual, a partir de 1996, e com periodicidade trimestral, a partir de Para evitar problemas de sazonalidade, optou-se por calcular os coeficientes de cada trimestre como sendo um acumulado dos quatro trimestres anteriores. Sendo assim, o coeficiente de exportação é calculado como a divisão entre a soma dos valores de exportação acumulados nos quatro trimestres até o trimestre de referência e a soma do valor da produção acumulado nos quatro trimestres até o trimestre de referência. Analogamente, o coeficiente de penetração de importações é calculado pela divisão entre a soma dos valores de importação acumulados nos quatro trimestres até o trimestre de referência e a soma do valor do consumo aparente acumulado nos quatro trimestres até o trimestre de referência. Na prática, os coeficientes trimestrais dizem respeito a períodos de um ano encerrados no trimestre. Isso, além de eliminar o problema da sazonalidade, permite que os coeficientes de um determinado trimestre sejam diretamente comparáveis com os coeficientes observados em quaisquer trimestres anteriores, bem como com os dados anuais anteriores. 3.1 Procedimento de trimestralização Em primeiro lugar, calculam-se os índices trimestrais de produção física da PIM-PF e os índices de quantum das exportações e das importações, para a indústria total e para cada um dos setores e subsetores considerados, para todos os trimestres (a partir de 2007). Em seguida, são obtidas as taxas de variação dos índices de cada trimestre em relação ao índice anual de 2007 da PIM-PF. Os valores da produção de cada trimestre são obtidos pela aplicação destas taxas de variação ao valor da produção do ano de 2007, dividindo-se o resultado por quatro, para se chegar a um valor trimestral. O mesmo procedimento é feito para se obter os valores trimestrais de exportação e de importação a preços constantes. Calcula-se a variação dos índices de quantum de exportação ou de importação de cada trimestre em relação aos índices de quantum de exportação ou de importação do ano de Em seguida, aplicam-se estas variações ao valor das exportações ou das importações em 2007 e dividem-se os valores obtidos por quatro, para se obter valores trimestrais. 13

14 NOTA METODOLÓGICA - COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Como os coeficientes trimestrais referem-se a valores acumulados em quatro trimestres, é necessário realizar um último passo no cálculo destes coeficientes: efetua-se a soma dos valores da produção, das exportações e das importações dos quatro trimestres encerrados no trimestre de referência (por exemplo, o valor do terceiro trimestre de 2010 corresponde à soma dos valores do quarto trimestre de 2009 até o terceiro trimestre de 2010) e, em seguida, efetua-se o cálculo dos coeficientes de exportação e de penetração de importações segundo as fórmulas apresentadas na seção 1. 14

15 NOTA METODOLÓGICA - COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL 4 Referências bibliográficas Haguenauer, L. et alli. Estimativas do valor da produção industrial e elaboração de coeficientes de exportação e importação da indústria brasileira ( ). TD nº 131, junho de Fonseca, R. et alli. A orientação externa da indústria de transformação brasileira após a liberalização comercial. TD nº 135, abril de Ribeiro, F. et alli. Atualização da metodologia do cálculo dos coeficientes de comércio exterior da FUNCEX. Mimeo, julho de

16 CNI Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento PAD Renato da Fonseca Gerente-Executivo Unidade de Política Econômica PEC Flávio Pinheiro de Castelo Branco Gerente-Executivo

17

18 Confederação Nacional da Indústria

METODOLOGIA DA PESQUISA CNI-IBOPE. 2ª Edição - Brasília 2010

METODOLOGIA DA PESQUISA CNI-IBOPE. 2ª Edição - Brasília 2010 METODOLOGIA DA PESQUISA CNI-IBOPE 2ª Edição - Brasília 2010 Versão 2.0 - Brasília - Julho/2010 METODOLOGIA DA PESQUISA CNI-IBOPE 2ª Edição - Brasília 2010 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente

Leia mais

Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação cai abaixo de zero

Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação cai abaixo de zero COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 4 outubro/dezembro de 2013 www.cni.org.br Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação

Leia mais

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 PER DA IND PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Políticas e Estratégia José Augusto

Leia mais

Grande parte das empresas paga tributos antes de receber por suas vendas

Grande parte das empresas paga tributos antes de receber por suas vendas CONSULTA EMPRESARIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 1 agosto de 2011 www.cni.org.br TRIBUTOS Grande parte das empresas paga tributos antes de receber por suas vendas Mais

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Março de 2014

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Março de 2014 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Março de 2014 Maio/2014 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação registrou queda de 0,6% em Março de 2014,

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA. Versão 2.0

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA. Versão 2.0 COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA Versão 2.0 Brasília - Março/2012 Versão 3.0 Brasília-DF Setembro/2014 COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA Versão 2.0 Brasília - Março/2012 Versão

Leia mais

SONDAGEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL

SONDAGEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL SONDAGEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL Informativo da Confederação Nacional da Indústria (CNI) Ano 2 Número 3 março de 2011 www.cni.org.br Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Construção civil: um novo cenário à frente Pág.

Leia mais

FCO, FNE e FNO Fundos Constitucionais de Financiamento

FCO, FNE e FNO Fundos Constitucionais de Financiamento FCO, FNE e FNO Fundos Constitucionais de Financiamento Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar Brasília 2011 2011. CNI Confederação Nacional da Indústria. Qualquer parte desta obra

Leia mais

Coeficientes de Abertura Comercial

Coeficientes de Abertura Comercial Coeficientes de Abertura Comercial 4º trimestre de 2011 PEC Unidade de Política Econômica PAD Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Brasília, 19 de março de 2012 2ªDivulgação dos coeficientes

Leia mais

Quatro em cada dez empresas avaliam estar no limite ou acima do limite de endividamento

Quatro em cada dez empresas avaliam estar no limite ou acima do limite de endividamento SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E EXTRATIVA Ano 2 Número 2 novembro de 2012 www.cni.org.br FINANCIAMENTO Quatro em cada dez empresas avaliam estar no limite ou acima do limite de endividamento

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL 72% 88% 54% 55% Prazo médio das operações se amplia, mas dificuldades persistem CRÉDITO DE CURTO PRAZO

SONDAGEM ESPECIAL 72% 88% 54% 55% Prazo médio das operações se amplia, mas dificuldades persistem CRÉDITO DE CURTO PRAZO Ano 7 Número 04 setembro de 2009 www.cni.org.br CRÉDITO DE CURTO PRAZO Prazo médio das operações se amplia, mas dificuldades persistem 72% das grandes empresas utilizam mais os bancos privados nacionais

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

Documento apresentado para discussão II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais

Documento apresentado para discussão II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Documento apresentado para discussão II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Rio de Janeiro, 21 a 25 de agosto de 2006 Indicadores do Comércio Exterior

Leia mais

Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 5 Número 4 Dezembro de 2015. Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Dezembro / 2015

Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 5 Número 4 Dezembro de 2015. Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Dezembro / 2015 Indicadores CNI ISSN 237-702 Ano 5 Número 4 Dezembro de 205 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Dezembro / 205 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA

Leia mais

NOTAS ECONÔMICAS. Regimes cambiais dos BRICs revelam diferentes graus de intervenção no câmbio

NOTAS ECONÔMICAS. Regimes cambiais dos BRICs revelam diferentes graus de intervenção no câmbio NOTAS ECONÔMICAS Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 11 Número 2 12 de julho de 2010 www.cni.org.br Regimes cambiais dos BRICs revelam diferentes graus de intervenção no câmbio Brasil

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 5 Número 1 Março de 2015. Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Março / 2015

Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 5 Número 1 Março de 2015. Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Março / 2015 Indicadores CNI ISSN 217-7012 Ano 5 Número 1 Março de 2015 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Março / 2015 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA DE

Leia mais

FALTA DE TRABALHADOR QUALIFICADO NA INDÚSTRIA. Falta de trabalhador qualificado reduz a competitividade da indústria

FALTA DE TRABALHADOR QUALIFICADO NA INDÚSTRIA. Falta de trabalhador qualificado reduz a competitividade da indústria SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E EXTRATIVA Ano 3 Número 1 ISSN 2317-7330 outubro de www.cni.org.br FALTA DE TRABALHADOR QUALIFICADO NA INDÚSTRIA Falta de trabalhador qualificado reduz a competitividade

Leia mais

Efeitos não se restringem a financiamento. das empresas consultadas se dizem impactadas pela crise. afirmaram que seus investimentos foram afetados

Efeitos não se restringem a financiamento. das empresas consultadas se dizem impactadas pela crise. afirmaram que seus investimentos foram afetados Ano 1 Número 01 novembro de 2008 www.cni.org.br Crise financeira internacional Efeitos não se restringem a financiamento A crise financeira internacional já se faz sentir na economia brasileira. Praticamente

Leia mais

TERMÔMETRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA METODOLOGIA

TERMÔMETRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA METODOLOGIA TERMÔMETRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA METODOLOGIA Versão 1.0 - Brasília - Julho/2012 METODOLOGIA TERMÔMETRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente

Leia mais

TAXA DE CÂMBIO EFETIVA REAL Nota Metodológica

TAXA DE CÂMBIO EFETIVA REAL Nota Metodológica TAXA DE CÂMBIO EFETIVA REAL Nota Metodológica (Atualizada em março de 2015) Foram construídas quarenta e três taxas de câmbio efetivas reais, sendo trinta e seis taxas de exportação e sete taxas de importação.

Leia mais

Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 5 Número 2 Junho de 2015. Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Junho / 2015

Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 5 Número 2 Junho de 2015. Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Junho / 2015 Indicadores CNI ISSN 217-7012 Ano 5 Número 2 Junho de 2015 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Junho / 2015 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA DE

Leia mais

PDR - Critério de classificação de microrregiões

PDR - Critério de classificação de microrregiões PDR - Critério de classificação de microrregiões Na definição deste critério, procurou-se inspiração na metodologia desenvolvida por ocasião da elaboração da Política Nacional de Desenvolvimento Regional

Leia mais

QUALIDADE DO SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO. Empresários reprovam o sistema tributário brasileiro

QUALIDADE DO SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO. Empresários reprovam o sistema tributário brasileiro SONDAGEM ESPECIAL Ano 9 Número 4 setembro de 2011 www.cni.org.br QUALIDADE DO SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO Empresários reprovam o sistema tributário brasileiro 96% dos empresários criticam o elevado número

Leia mais

Construção encerra o ano em ritmo fraco

Construção encerra o ano em ritmo fraco SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 4 Número 12 Dezembro de 2013 www.cni.org.br ISSN 2317-7322 Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Dificuldade no acesso ao crédito

Leia mais

Falta de mão-de-obra qualificada dificulta aumento da competitividade da indústria

Falta de mão-de-obra qualificada dificulta aumento da competitividade da indústria Sondagem Especial da Confederação Nacional da Indústria CNI O N D A G E M Especial Ano 5, Nº.3 - setembro de 2007 Falta de mão-de-obra qualificada dificulta aumento da competitividade da indústria Mais

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS

INDICADORES INDUSTRIAIS INDICADORES INDUSTRIAIS Informativo da Confederação Nacional da Indústria Indústria tem queda da atividade em novembro Os dados de horas trabalhadas, faturamento e utilização da capacidade instalada mostraram

Leia mais

O Custo Unitário do Trabalho na Indústria

O Custo Unitário do Trabalho na Indústria O Custo Unitário do Trabalho na Indústria O mercado de trabalho é fonte de indicadores muito importantes à condução da política monetária como, por exemplo, a taxa de desemprego, os níveis de salários

Leia mais

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL PRINCIPAIS FONTES DE DADOS: CONCLA (Comissão nacional de classificação) Órgão administrado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão criado em

Leia mais

Maioria das empresas já adota ou pretende adotar medidas que contribuem para o controle das emissões

Maioria das empresas já adota ou pretende adotar medidas que contribuem para o controle das emissões Ano 7 Número 05 dezembro de 2009 www.cni.org.br Mudança Climática Maioria das empresas já adota ou pretende adotar medidas que contribuem para o controle das emissões 97% das empresas industriais têm conhecimento

Leia mais

Construção intensifica insatisfação com a situação financeira

Construção intensifica insatisfação com a situação financeira SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 5 Número 3 Março de 2014 www.cni.org.br ISSN 2317-7322 Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Piora na situação financeira é

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

59 especial. sondagem

59 especial. sondagem Indicadores CNI sondagem 59 especial Financiamento Mais de um terço das empresas avalia que não há espaço para maior O acesso à linhas de financiamento permite não só a realização de projetos de investimento,

Leia mais

Perda de Participação da Indústria de Transformação no PIB

Perda de Participação da Indústria de Transformação no PIB Perda de Participação da Indústria de Transformação no PIB Maio/2015 Sumário executivo Em março de 2015, o IBGE realizou alterações no cálculo do PIB para melhor adequá-lo aos padrões internacionais. Com

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015 Dezembro/2015 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação cresceu 0,3% em outubro de 2015,

Leia mais

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI. Presidente em Exercício: Robson Braga de Andrade. Diretoria Executiva - DIREX

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI. Presidente em Exercício: Robson Braga de Andrade. Diretoria Executiva - DIREX Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente em Exercício: Robson Braga de Andrade Diretoria Executiva - DIREX Diretor: José Augusto Coelho Fernandes Diretor de Operações: Rafael

Leia mais

Participação. Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira REGIÃO CENTRO-OESTE

Participação. Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira REGIÃO CENTRO-OESTE Elaboração de Estudo sobre a Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Nacional e nas Unidades da Federação Sebrae Nacional Participação Dezembro de 2014 das Micro e Pequenas Empresas na Economia

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 NOTAS CEMEC 01/2015 REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Fevereiro de 2015 1 1. Introdução No Estudo Especial CEMEC de novembro

Leia mais

Retratos da Sociedade Brasileira: Educação a Distância

Retratos da Sociedade Brasileira: Educação a Distância 15 Retratos da Sociedade Brasileira: Educação a Distância CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA DE POLÍTICAS E ESTRATÉGIA José Augusto Coelho Fernandes Diretor

Leia mais

Economia e Finanças. Antonio Celso Duarte. duarte@consus.com.br. Aula Leasing

Economia e Finanças. Antonio Celso Duarte. duarte@consus.com.br. Aula Leasing Economia e Finanças Antonio Celso Duarte duarte@consus.com.br Aula Leasing 2. aplicação da matemática financeira na operação de leasing uso da calculadora financeira uso da calculadora financeira ex: 18

Leia mais

2. aplicação da matemática financeira na operação de leasing. Economia e Finanças. Antonio Celso Duarte. duarte@consus.com.br.

2. aplicação da matemática financeira na operação de leasing. Economia e Finanças. Antonio Celso Duarte. duarte@consus.com.br. Economia e Finanças Antonio Celso Duarte duarte@consus.com.br Aula Leasing 2. aplicação da matemática financeira na operação de leasing 1 uso da calculadora financeira uso da calculadora financeira ex:

Leia mais

Notas metodológicas. Objetivos

Notas metodológicas. Objetivos Notas metodológicas Objetivos Qual é a população de empresa em um determinado ano? Esta é aparentemente uma pergunta simples, entretanto, existem inúmeras questões envolvidas na definição, identificação

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Juros Compostos Os juros formados em cada período são acrescidos ao capital formando o montante (capital mais juros) do período. Este montante passará a

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 5 Número 01 janeiro de 2014 www.cni.org.br Intenção de investimentos para 2014 é a menor desde 2010 Investimentos em 2013

Leia mais

Dificuldade no acesso ao crédito é disseminada na construção

Dificuldade no acesso ao crédito é disseminada na construção SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 5 Número 6 Junho de 2014 www.cni.org.br ISSN 2317-7322 Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Falta de crédito dificulta recuperação

Leia mais

Relatório da Pesquisa Conjuntural

Relatório da Pesquisa Conjuntural -12,3% -13, -13,5% -13,1% -12,7% -12,4% -12,7% -7,9% -9,3% -6,9% -2,7% -0,2% I Resultado Nacional Os dados divulgados no Relatório da Pesquisa Conjuntural, elaborados com base nas informações das empresas

Leia mais

10º FÓRUM DE ECONOMIA. Política Cambial, Estrutura Produtiva e Crescimento Econômico: fundamentos teóricos e evidências empíricas para o Brasil

10º FÓRUM DE ECONOMIA. Política Cambial, Estrutura Produtiva e Crescimento Econômico: fundamentos teóricos e evidências empíricas para o Brasil 10º FÓRUM DE ECONOMIA Política Cambial, Estrutura Produtiva e Crescimento Econômico: fundamentos teóricos e evidências empíricas para o Brasil Eliane Araújo São Paulo, 01 de outubro de2013 Objetivos Geral:

Leia mais

Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 6 Número 2 junho de 2016. Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Junho /2016

Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 6 Número 2 junho de 2016. Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Junho /2016 Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 6 Número 2 junho de 2016 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Junho /2016 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Junho / 2016 2016. CNI Confederação Nacional da

Leia mais

Sem indústria não há Desenvolvimento

Sem indústria não há Desenvolvimento ESTUDOS E PESQUISAS Nº 622 Sem indústria não há Desenvolvimento Carlos Pastoriza * Fórum Nacional (Sessão Especial) O Brasil que Queremos Nova Grande Concepção: Sair da Crise e Enfrentar os Desafios do

Leia mais

Sistema PED. Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0.

Sistema PED. Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0. Sistema PED Maio 2012 Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL Governador do

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Indicadores CNI INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Momento difícil da indústria se reflete nos investimentos Intenção de investimento para 2015 é a menor da pesquisa Em 2014, 71,8% das empresas investiram 7,9

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira

Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira !"#"#!$%&"'()* * " + # (, " - --.&"- "/"& 0+- &#"./" - "0 - () " 1 # 2- (, - 34/ % - &5"() #-6 $ 7-" &"'()"" (,8 32- )-" 8 7- & () 98 % ) #- 2-

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos

Leia mais

FLUXOS DE CAIXA A PREÇO NOMINAL E A PREÇO REAL

FLUXOS DE CAIXA A PREÇO NOMINAL E A PREÇO REAL FLUXOS DE AIXA A PREÇO NOMINAL E A PREÇO REAL 1. Introdução Dois conceitos devem ser perfeitamente entendidos pelos alunos quando estiverem elaborando análises a partir de variáveis econômicas-financeiras,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 06. Hedge de Investimento Líquido em Operação no Exterior

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 06. Hedge de Investimento Líquido em Operação no Exterior COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 06 Hedge de Investimento Líquido em Operação no Exterior Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRIC 16 Índice REFERÊNCIAS

Leia mais

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL Uma análise do período 2000 2011 Abril de 2012 A competitividade da ind. de transformação e de BK A evolução do período 2000 2011, do:

Leia mais

LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO

LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 09 Resultados de setembro de 2015 LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego no PED-DF, realizada pela

Leia mais

63 ESPECIAL SONDAGEM

63 ESPECIAL SONDAGEM Indicadores CNI SONDAGEM 63 ESPECIAL Tributação Indústria reprova sistema tributário brasileiro Número elevado de tributos, complexidade e instabilidade de regras lideram as avaliações negativas A tributação

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: INCLUSÃO FINANCEIRA JUNHO/2012

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: INCLUSÃO FINANCEIRA JUNHO/2012 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: INCLUSÃO FINANCEIRA JUNHO/2012 Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA DE POLÍTICAS E ESTRATÉGIA José

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA MANUAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE COLETA E CADRASTRAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INTENÇÕES DE INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS (Segunda Versão) Luciana Acioly

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

FGO E FGI. Fundos Garantidores de Risco de Crédito COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR

FGO E FGI. Fundos Garantidores de Risco de Crédito COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR FGO E FGI Fundos Garantidores de Risco de Crédito COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR Brasília, 2013 BRASÍLIA, 2013 FGO E FGI Fundos Garantidores de Risco de Crédito COMO AS MICRO,

Leia mais

Indicadores de Desempenho Julho de 2014

Indicadores de Desempenho Julho de 2014 Alguns fatores contribuiram para acentuar a desaceleração da produção industrial, processo que teve início a partir de junho de 2013 como pode ser observado no gráfico nº 1. A Copa do Mundo contribuiu

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA TOTAL

SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA TOTAL Ano 4 Número 2 ISSN 2317-7330 Julho de 2014 www.cni.org.br TERCEIRIZAÇÃO Insegurança jurídica é principal dificuldade enfrentada pelas empresas que terceirizam 70% das empresas industriais (transformação,

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 Depenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 As exportações em junho apresentaram redução de 8,57% sobre maio após expansão por quatro meses consecutivos. Desta forma, supera a marca de US$ 1 bilhão

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

Indústria de Transformação Cearense em 2013: Algumas Evidências para os Resultados Acumulados até o Terceiro Trimestre

Indústria de Transformação Cearense em 2013: Algumas Evidências para os Resultados Acumulados até o Terceiro Trimestre Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS Uma proposta de trabalho para apresentação ao SESC Serviço Social do Comércio Preparada pelo IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade Maurício Blanco

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial. Brasília, julho de 2016

Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial. Brasília, julho de 2016 Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial Brasília, julho de 2016 Coeficientes de abertura comercial Estrutura 1. O que são os coeficientes de exportação e penetração de importações?

Leia mais

Setor Externo e Competitividade da Indústria Brasileira

Setor Externo e Competitividade da Indústria Brasileira Setor Externo e Competitividade da Indústria Brasileira David Kupfer GIC-IE/UFRJ e BNDES COSEC FIESP São Paulo 9 de março de 2015 Roteiro Desempenho Competitivo Taxa de Câmbio e Custos Estrutura Tarifária

Leia mais

Participação. Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira REGIÃO NORTE

Participação. Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira REGIÃO NORTE Elaboração de Estudo sobre a Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Nacional e nas Unidades da Federação Sebrae Nacional Participação Dezembro de 2014 das Micro e Pequenas Empresas na Economia

Leia mais

NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA

NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA Agosto de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões de compra

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: QUALIDADE DOS SERVIÇOS PÚBLICOS E TRIBUTAÇÃO MARÇO/2011

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: QUALIDADE DOS SERVIÇOS PÚBLICOS E TRIBUTAÇÃO MARÇO/2011 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: QUALIDADE DOS SERVIÇOS PÚBLICOS E TRIBUTAÇÃO MARÇO/2011 Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade Diretoria Executiva

Leia mais

Análise da Balança Comercial

Análise da Balança Comercial Análise da Balança Comercial Produtos Transformados de Plástico Mensal Editado em: Fevereiro/2013 www.abiplast.org.br Notas Explicativas 1. Introdução A ABIPLAST tem divulgado dados estatísticos relacionados

Leia mais

Sondagem sobre Burocracia

Sondagem sobre Burocracia Sondagem sobre Burocracia Indústria Brasileira sofre com burocracia excessiva As empresas industriais brasileiras são obrigadas a conviver com uma burocracia excessiva no cumprimento de diversas obrigações

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 As exportações em maio apresentaram aumento de +39,13% em relação a abril, continuando a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela décima-sexta vez

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GOVERNO AGOSTO/2011

AVALIAÇÃO DO GOVERNO AGOSTO/2011 AVALIAÇÃO DO GOVERNO AGOSTO/2011 Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade Diretoria Executiva - DIREX Diretor: José Augusto Coelho Fernandes Diretor

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA JUNHO DE 2014 Redução da taxa de desemprego Ano 20 - Número 6 1. A Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED),

Leia mais

O SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO BRASIL 2003-2006

O SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO BRASIL 2003-2006 O SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO BRASIL 2003-2006 V Taller Regional sobre la Medición de la Sociedad de la Información en América Latina y el Caribe Roberto Neves Sant Anna IBGE Diretoria

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar. Sumário Executivo. Nesta edição: Planos médico-hospitalares Informações gerais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar. Sumário Executivo. Nesta edição: Planos médico-hospitalares Informações gerais Junho 201 Sumário Executivo Nesta edição: Número de beneficiários de planos médicohospitalares (Mar/1): 48.802.991; Taxa de crescimento do número de beneficiários de planos médicos no período de: Dez/12

Leia mais

ESTUDO SOBRE CIRCULAÇÃO DE REVISTAS

ESTUDO SOBRE CIRCULAÇÃO DE REVISTAS ESTUDO SOBRE CIRCULAÇÃO DE REVISTAS MERCADO BRASILEIRO 2000 A 2011 2 Sumário 1 METODOLOGIA... 3 2 EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE EXEMPLARES DE 2000 A 2011... 4 3 RECEITAS ANUAIS POR PERIODICIDADE... 5 3.1 PREÇO

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO MP 540/2011: SETOR MOVELEIRO Nossos levantamentos estão baseados nas principais informações levantadas em estudos feitos por diversos setores econômicos. Contamos com

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo IPEA/BID nº 1841/OC-BR Projeto: Dinâmica do Sistema Produtivo Brasileiro perspectivas

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 (versão para informação e comentários) Versão 1 Apresentação O Instituto

Leia mais

como Indicador de Competitividade

como Indicador de Competitividade 2010 2011 Licenciatura em Gestão Aulas Práticas II PARTE A Taxa de Câmbio Real Organização e Condução da Política Económica como Indicador de Competitividade Curso de Política Económica e Actividade Empresarial

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 As exportações em novembro apresentaram diminuição de 27,64% em relação a outubro. Continuam a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela vigésima-segunda

Leia mais

BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR

BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Comunicação Carlos Alberto

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

FUNCEXDATA 2.0. Manual do Usuário. Maio/2012. Ajudando o Brasil a expandir fronteiras

FUNCEXDATA 2.0. Manual do Usuário. Maio/2012. Ajudando o Brasil a expandir fronteiras Ajudando o Brasil a expandir fronteiras FUNCEXDATA 2.0 Manual do Usuário Maio/2012 Funcex Av. Rio Branco, 120, Gr. 707, Centro 20040-001 Rio de Janeiro RJ Instituída em 12 de março de 1976 CNPJ 42.580.266/0001-09.

Leia mais

Metodologia. Versão 2.0

Metodologia. Versão 2.0 Metodologia INEC ÍNDICE NACIONAL DE EXPECTATIVA DO CONSUMIDOR Versão 2.0 Brasília - Março/2012 Versão 1.2 Brasília-DF Fevereiro/2015 Metodologia INEC ÍNDICE NACIONAL DE EXPECTATIVA DO CONSUMIDOR Versão

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

CONSIDERAÇÕES SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO CONSIDERAÇÕES SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO por RODOLFO MACHADO MOURA 1 em 30 de janeiro de 2014 Consulta o Presidente do SINDICATO DAS EMPRESAS DE RÁDIO E TELEVISÃO DO PARANÁ SERT PR, o SR.

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

4 Avaliação Econômica

4 Avaliação Econômica 4 Avaliação Econômica Este capítulo tem o objetivo de descrever a segunda etapa da metodologia, correspondente a avaliação econômica das entidades de reservas. A avaliação econômica é realizada a partir

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 01 dezembro de 2011 www.cni.org.br Investimentos realizados em 2011 Indústria investe cada vez mais com o objetivo

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais