Editorial EDITORIAL. Olá Amigos,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Editorial EDITORIAL. Olá Amigos,"

Transcrição

1

2

3 EDITORIAL Editorial Olá Amigos, THE CLUB Av. Profº Celso Ferreira da Silva, 190 Jd. Europa - Aé - SP - CEP Informações: (14) Suporte: (14) Fax: (14) Internet Cadastro: Suporte: Informações: Dúvidas Correspondência ou fax com dúvidas devem ser enviados ao - THE CLUB, indicando "Suporte". Opinião Se você quer dar a sua opinião sobre o clube em geral, mande a sua correspondência para a seção "Tire sua dúvida". Reprodução A utilização, reprodução, apropriação, armazenamento em banco de dados, sob qualquer forma ou meio, de textos, fotos e outras criações intelectuais em cada publicação da revista The Club Megazine são terminantemente proibidos sem autorização escrita dos titulares dos direitos autorais. Impressão e acabamento: GRAFILAR Tel.: (14) Fax: (14) Rua Cel. Amando Simôes, 779 Cep São Manuel - SP Tiragem: exemplares Aqui estamos com mais uma edição da revista The Club Megazine. O nosso colaborador Mauro Sant Anna está apresentando em sua coluna um produto que pouca gente conhece. O SharePoint da Microsoft. Os poucos que conhecem pensam que o SharePoint é apenas uma espécie de portal corporativo de licenciamento caro. No entanto, existe outro produto chamado WSS Windows SharePoint Services cuja licença faz parte da licença do Windows O nosso consultor técnico Claudinei Rodrigues traz em sua coluna informações sobre o trabalho com formulários no Delphi. Além disso, estamos trazendo uma matéria sobre um assunto que está sendo muito requisitado ao suporte técnico que é sobre o trabalho com exceções no Delphi. Outro assunto que está sendo muito requisitado ao suporte é sobre o trabalho com frames e por isto estamos trazendo uma coluna sobre este assunto. Veja também informações importantes sobre como proteger o seu trabalho. Muito útil para nós programadores. Estamos trazendo também a nossa seção Dicas & Truques com informações que irão lhe auxiliar muito no seu dia a dia. E finalizando estamos trazendo a seção de Perguntas & Respostas com algumas das solicitações feitas ao suporte técnico neste último mês. Aproveitando gostaria de desejar a todos um Feliz Natal. Que todos tenham um excepcional final de ano. Copyright The Club Megazine 2006 Diretor Técnico Mauro Sant Anna Colaboradores Delphi é marca registrada da Borland International, as demais marcas citadas são registradas pelos seus respectivos proprietários. Editorial Desenvolvendo com SharePoint Trabalhando com formulários no Delphi Trabalhando com exceções no Delphi Trabalhando com Frames Você sabe como proteger o seu trabalho? Dicas & Truques Perguntas & Respostas

4 Visual Studio Desenvolvendo com SharePoint Por Mauro Sant Anna Pouca gente conhece o produto SharePoint da Microsoft e os poucos que conhecem pensam que o SharePoint é apenas uma espécie de portal corporativo de licenciamento caro. Efetivamente, existe um produto chamado agora na versão 3.0 de MOSS (Microsoft Office Sharepoint Server) que é um portal corporativo com licenciamento por usuário e, portanto potencialmente caro. Este tipo de licenciamento costuma afastar os desenvolvedores de software, que odeiam custos de runtime, pois é um dinheiro que o cliente paga pela solução, mas que não vai para o bolso do desenvolvedor. No entanto, existe outro produto chamado WSS Windows SharePoint Services cuja licença faz parte da licença do Windows Tem mais: embora uma cópia do Office no cliente possa às vezes conversar com o SharePoint, ter o Office instalado no cliente não é absolutamente necessário. Ou seja, não existe nenhum custo adicional, independentemente da quantidade de usuários que acessam o servidor. O cliente pode interagir com o SharePoint apenas através de páginas Web. O que faz o WSS O WSS é uma série de aplicativos instalados sob o IIS 6.0 (Internet Information Server). Ele é voltado a prover serviços de gerenciamento de sites e documentos à equipes. Eu destacaria as seguintes funcionalidades principais do WSS: Ele permite que os membros das equipes efetuem modificações no site através de interface Web e sem precisar nenhum conhecimento de desenvolvimento Web. Ou seja, o departamento de informática pode instalar o WSS e depois deixar que um dos membros da equipe efetue todas as modificações necessárias. O SharePoint funciona como um repositório de documentos da equipe. O SharePoint armazena em banco de dados qualquer tipo de arquivo de computador, tomando cuidados com permissões e até mesmo mantendo uma certa quantidade de versões, tudo de maneira transparente para o usuário. O SharePoint tem também diversos recursos para captar e organizar o conhecimento existente na equipe, como listas de contatos, links Internet, forums, pesquisas, calendários e muito mais. Todas as informações colocadas podem ser consultadas por relatórios simples, criados pelos próprios usuários. O WSS armazena suas informações em um banco de dados SQL Server. Este SQL Server pode tanto ser o produto cheio, como uma versão Express, gratuita. O WSS cria essencialmente dois tipos de bases de dados: uma com a informação da estrutura do site e outra com os dados e documentos entrados pelos usuários. Obtendo o WSS O WSS versão 2.0 foi inicialmente disponibilizado como um download gratuito do site da Microsoft. O Windows 2003 R2 passou a incorporá-lo diretamente. Neste artigo estou usando como base a versão 3.0, novamente disponível para download em Você deve baixar o WSS 3 e instalá-lo em um servidor Windows A partir deste momento, você pode criar sites utilizando a interface Web do próprio SharePoint. Desenvolvendo com o WSS O SharePoint em si já é uma ferramenta muito útil. Mas ele 4

5 Visual Studio pode ser estendido através de programação. Qual é a vantagem disso? Bem, um programa rodando sob SharePoint pode fazer coisas como: Criar, ler e alterar sites; Criar, ler e alterar o conteúdo de listas; Rodar programas em resposta à eventos ocorridos no SharePoint, como por exemplo validar um documento recentemente postado; Estes programas rodando de forma integrada do SharePoint podem fazer qualquer coisa que um programa.net faria, como por exemplo: Acessar banco de dados; Chamar ou implementar WebServices; Chamar ou implementar classes COM+ (Enterprise Services). Caso você resolva desenvolver para o SharePoint, você deve obter as extensões do SharePoint para o Visual Studio. É também recomendável instalar antes o.net Framework 3.0 e as extensões para Workflow Foundation. Até o momento que eu escrevo, é altamente recomendável que o desenvolvimento seja feito sob Windows 2003, pois algumas destas extensões não rodam sob Windows XP pelo menos nas versões Beta. Veja os novos tipos de projeto instalados sob o Visual Studio correspondentes à Workflow no Sharepoint: (ver figura acima). Os programas que interagem com o SharePoint devem fazer referência à DLL Microsoft.Sharepoint : (ver figura ao lado). 5

6 Visual Studio Veja um exemplo de programa que mostra os documentos existentes em uma lista do SharePoint. Observe o uso de classes do namespace Microsoft.Sharepoint : using Microsoft.SharePoint;... using (SPWeb currentweb = new SPSite( ).OpenWeb()) { SPList list = currentweb.lists[ Fotos ]; foreach (SPListItem item in list.items) { listbox1.items.add(item.file.name); } } É possível chamar também uma API do SharePoint baseada em WebServices. Isto é particularmente interessante se a interface com usuário do seu programa for Windows e, portanto, não está rodando no servidor, como um aplicativo Web. Conclusão O WSS é uma excelente opção para quem precisa integrar gerenciamento de documentos ou sites de auto-serviço em sua solução. Não custa nada além do próprio Windows 2003 e já vem com muita funcionalidade pronta para gerenciamento de documentos e sites de equipes. Sobre o autor Mauro Sant Anna desenvolveu muito em Pascal (Turbo Pascal, Turbo Pascal for Windows e Delphi) desde 1984 e vem usando o Visual Studio.NET e a linguagem C# desde seu lançamento em julho de 2000 no PDC em Orlando. Ele coordena os cursos na M. A. S. Informática (www.mas.com.br), tendo fornecido treinamentos em.net à própria Microsoft desde

7 Delphi Trabalhando com formulários no Delphi Por Claudinei Rodrigues Um pouco de teoria As aplicações em ambiente Windows apresentam como principal característica visual a possibilidade do seu usuário acessar mais de uma janela ao mesmo tempo, possibilitando alterná-las, minimizá-las e outras operações de controle a fim de facilitar a sua utilização. Esta é a característica que popularizou este sistema operacional. Quando você vai começar a desenvolver um projeto para o ambiente Windows é essencial que se determine qual o layout das janelas. As aplicações profissionais devem sempre le em consideração o aspecto de ergonomia das janelas, tais como: cores, fontes e modo de utilização dos componentes. É possível definir o estilo das janelas, e consequentemente o modo de acesso, através da propriedade FormStyle do formulário, definindo fsnormal para formulários Modais e fsmdiform e fsmdichild para o trabalho com formulários MDI. Assim definimos dois estilos de formulários: Formulários Modais Formulários MDI Nos projetos em Delphi identificamos o formulário principal como sendo o formulário Pai e os formulários abertos a partir deste, de formulários FILHO, com o objetivo de representar uma certa hierarquia entre eles. Formulários Modais Os formulários Modais não permitem que um formulário filho acesse outro formulário filho e até mesmo ser aberto sem que o formulário Pai tenha sido criado anteriormente. Ou seja, você tem um formulário Pai que é o formulário principal da sua aplicação. A partir deste formulário você chama um outro formulário que é o filho. Para você acessar um outro formulário filho, você deve fechar este formulário, voltar ao formulário principal e daí sim a partir do formulário principal chamar o formulário filho. Vantagens Facilidade na implementação. É útil para os usuários que não estão acostumados com Windows. Desvantagens Não permitem trabalhar com mais de um formulário ao mesmo tempo; Operações Básicas do Formulário Modal A utilização de um formulário se baseia em três operações, criação, abertura e fechamento. Criando um formulário MODAL Quando você inclui um novo formulário em sua aplicação, automaticamente é adicionada uma instrução que irá criar o formulário automaticamente. Para ver esta linha, vá até o menu do Delphi e clique em Project View Source. Feito isto você terá acesso ao arquivo.dpr da sua aplicação. E lá você encontrará a seguinte linha que está criando o formulário. 7

8 Delphi Application.CreateForm(TForm1, Form1); Chamando um formulário Modal Para abrir um formulário Modal usa-se a seguinte sintaxe: <Nome do Formulario>.ShowModal; Exemplo: Form1.ShowModal; Fechando um Formulário Modal Para fechar um formulário Modal usa-se a seguinte sintaxe: <Nome do Formulario>.Close; Exemplo Form1.Close; Formulários MDI Os formulários MDI (Interface de Múltiplos Documentos) são formulários que permitem que o usuário trabalhe com mais de uma janela ao mesmo tempo. Estes formulários apresentam uma hierarquia explicita, ou seja, antes de criar um formulário Filho, o formulário Pai tem que ter sido criado anteriormente. Os formulários Filho não podem ser auto-create e sim available, o que caracteriza que este formulário deve ser criado e destruído durante a execução do programa. Trabalhando de forma available, os formulários Filhos não são criados junto com o formulário Pai (Principal) na unit do Projeto (Project1), o que garante que apenas o formulário Pai será criado antes de todos os formulários Filhos. No projeto com MDI, o formulário Pai é chamado de MDIForm e o formulário Filho de MDIChild, definidos através da propriedade FormStyle do formulário.para que um formulário Filho seja configurado como available é necessário seguir os seguintes passos: - Vá até ao menu do Delphi em Project Options : - Selecione a aba Forms; - Selecione o formulário Filho e clique no botão > para transferir este formulário para o quadro available-forms; - Repita o processo para cada formulário filho; Note que se for aberto a unit Project1, as linhas de código de create destes formulários não existem, pois não podem mais ser criados junto com o formulário principal. Pelo fato destes formulários (Pai e Filhos) serem MDI, os processos de criação, abertura e fechamento são diferentes do formulário Modal. Vantagens Abrir mais de um formulário ao mesmo tempo; Aplicações com visual mais profissional; Desvantagem Implementação mais complexa; Requer alguns tratamentos para criação do formulário; Sistema complexo para usuários inexperientes do Windows; Criando um Formulário MDI A criação do formulário MDI deve ser implementada pelo programador, já que o Delphi não gera a linha de Create, como faz no caso de formulários Modais. A criação de formulários MDI se faz da seguinte maneira: Formulario := TFormulario.Create(Self); Formulario.Show; Exemplo Form1 := TForm1.Create(Self); Form1.Show; Note que se você criar duas vezes a mesma janela Filho, ela será visualizada duas vezes na tela, já que são criações independentes. Para evitar que uma janela Filho seja aberta várias vezes, cria-se uma função para testar se o formulário especificado já existe. O código da função é o seguinte: 8

9 Delphi Function Existe(Frm:TForm):Boolean; Var I :Integer; Begin Result := False; For I := 0 to ComponentCount-1 do If (Components[I] is TFrom ) then If (TForm(Components[I]) = Frm) then Result := True; Usando o código : Exemplo If (Existe(Form1) = False) then Form1 := TForm1.Create(Self) Else Begin Form1.Show; End; <Nome do Formulario>.Close; Porém, para que este formulário seja fechado é necessário incluir o seguinte código no evento OnClose deste formulário : procedure TForm1.FormClose(Sender: TObject; Action: TCloseAction); Action := cafree; Fechando todas as janelas Filho Para facilitar o trabalho com as janelas MDI, é fundamental que se crie também uma função para fechar todas as janelas que já foram abertas. A função percorre todos os componentes existentes no projeto e fecha os componentes do tipo formulário. Minimizando todas as janelas Filho Para facilitar o trabalho com as janelas MDI, é fundamental que se crie uma função para minimizar todas as janelas que já foram abertas. A função percorre todos os componentes existentes no projeto e minimiza (.WindowState := ws_minimized) os componentes do tipo formulário. O código da função é o seguinte: Procedure Minimizar; Var I :Integer; Begin For I := 0 to ComponentCount-1 do If (Components[I] is TFrom ) then TForm(Components[I]).WindowState := wsminimized; Fechando um Formulário MDI Para fechar um formulário MDI usa-se a seguinte sintaxe: O código da função é o seguinte: Procedure Fechar; Var I :Integer; Begin For I := 0 to ComponentCount-1 do If (Components[I] is TFrom ) then TForm(Components[I]).Close; Conclusão. Este foi um exemplo bem simples que explica como podemos trabalhar com formulários. Muitos programadores ainda têm duvidas sobre como trabalhar com formulários, espero que este artigo possa colaborar com o seu trabalho diário. Sobre o autor Claudinei Rodrigues, Consultor Técnico do The Club 9

10 Delphi Trabalhando com exceções no Delphi Muitos de nossos sócios têm ligado ao suporte técnico do The Club solicitando informações sobre a correta utilização de tratamento de erros no Delphi. Neste artigo vamos mostrar um pouco sobre a estrutura de exceções no Delphi. Existem dois tipos de exceções: try...finally e try...except. Normalmente nós utilizamos o try...finally para tratar recursos e o try...except para tratar erros dentro de um bloco de código. Os códigos abaixo mostram a utilização destes dois tipos de exceções, veja: procedure TForm1.Button1Click(Sender: TObject); Strings: TStringList; Strings := TStringList.Create; try Strings.Add( Suporte Técnico do The Club ); Strings.SaveToFile(ChangeFileExt (ParamStr(0),.txt )); finally Strings.Free; Exemplo 1 Utilizando o try finally procedure TForm1.Button2Click(Sender: TObject); Strings: TStringList; Strings := TStringList.Create; try Strings.Add ( Suporte Técnico do The Club ); try Strings.SaveToFile (ChangeFileExt(ParamStr(0),.txt )); except on E: Exception do ShowMessage( A informação não pode ser salva : #13#10 + Strings.Text); finally Strings.Free; Exemplo 2 Utilizando o try except e o try finally O primeiro exemplo mostra uma forma simples de utilização do try...finally. Nós criamos um objeto TStringList, e como nós adquirimos um recurso ( memória, neste caso), nós queremos ter certeza que ele será liberado. Existem muitas coisas que poderiam falhar no resto do código, talvez não exista memória suficiente para criar uma nova string, ou nós não temos permissão para escrever um novo arquivo, ou tenhamos excedido a cota do disco, etc. Nós não sabemos todas as possíveis causas de falha, mas nós queremos que a memória seja liberada. O bloco try...finally nos dá esta possibilidade. O segundo exemplo nos mostra um exemplo simples do bloco try...except. Nós não podemos sal a string para um arquivo, então nós alteramos o seu comportamento e mostramos a string para o usuário. Note que o bloco try...except está dentro do bloco try...finally, neste caso nós ainda queremos que a memória seja liberada. Excessões excepcionais Você verá agora alguns outros exemplos de código, que 10

11 Delphi mostra alguns usos interessantes de exceções. Criação de rotinas function CreateStringsFromFile (const FileName: string): TStringList; Result := TStringList.Create; try Result.LoadFromFile(FileName); except Result.Free; raise; Este primeiro exemplo cria um TStringList, carregado com o conteúdo do arquivo. Esta rotina tem a intenção de ser uma substituição para TStringList.Create. Isto porque, nós queremos nos certificar que mantemos a mesma semântica de alocamento. Quando chamamos um construtor, nós estamos assegurando que qualquer um que o chame receba um objeto válido, ou se a chamada falhar os recursos sejam liberados. Isto porque podemos colocar um constructor diretamente antes de um bloco try...finally; se o constructor apresentar uma exceção, não existirá nada para liberar. Devemos manter a mesma semântica para CreateStringsFromFile. Se apresentarmos uma exceção, queremos-nos certificar de que não há nada a se liberar. Se retornarmos corretamente, a seguir teremos um objeto válido. Neste caso, completamos este código utilizando um bloco try...except. Primeiro criamos um objeto, se ele falhar, não apontamos a exceção. Se recebermos a memória com sucesso, então nós iremos ler o conteúdo do arquivo. Aqui existem milhões de coisas que poderiam dar errado se uma exceção for lançada, liberaremos a memória que foi alocada (porque não foi retornado um objeto válido) neste caso nosso chamador pode tratá-lo inteligentemente, como por exemplo sugerir ao usuário um outro arquivo ou tentar novamente. Criando uma rotina genérica Tentando entender tudo isto, lembre desta pequena regra: para rotinas que criam e retornam um objeto inicializado, tenha certeza de colocar todo o código dentro do bloco try...except. function CreateWhatever: TWhatever; Result := TWhatever.Create; try InitializeWhatever; except Result.Free; raise; Cada classe tem um constructor, o qual é usado para criar instâncias daquela classe. O constructor é chamado na própria classe e não no objeto, para o qual é a razão de escrevermos o seguinte: Strings := TStringList.Create; e não Strings := Strings.Create; ou Strings.Create; O método Free é muito especial: Se você chamá-lo em uma instância para a qual esteja configurado para nil, ele não irá gerar uma exceção. Portanto o código seguinte é absolutamente correto. Strings := nil; Strings.Free; Isto é algo importante para recordar ao ler a próxima seção: Neste exemplo vamos demonstrar como proteger muitos objetos com blocos aninhados de exceções, e como fazer a mesma coisa em um bloco try...except. procedure TForm1.Button5Click (Sender: TObject); Strings1: TStringList; Strings2: TStringList; Strings3: TStringList; Strings1 := TStringList.Create; try Strings2 := TStringList.Create; try Strings3 := TStringList.Create; try 11

12 Delphi Strings1.Add( Hello, world! ); Strings1.SaveToFile (ChangeFileExt(ParamStr(0),.txt )); { This will raise an exception, but all resources will be freed correctly. } Strings2.Delete(51); finally Strings3.Free; finally Strings2.Free; finally Strings1.Free; procedure TForm1.Button4Click (Sender: TObject); Strings1: TStringList; Strings2: TStringList; Strings3: TStringList; Strings2 := nil; Strings3 := nil; Strings1 := TStringList.Create; try Strings2 := TStringList.Create; Strings3 := TStringList.Create; Strings1.Add( Hello, world! ); Strings1.SaveToFile (ChangeFileExt(ParamStr(0),.txt )); { This will raise an exception, but all resources will be freed correctly. } Strings2.Delete(51); finally Strings1.Free; Strings2.Free; Strings3.Free; Como você pode ver, o segundo exemplo é mais curto e claro. De qualquer forma temos que ter certeza que podemos processar o bloco finally corretamente se ele é executado antes de todos os objetos serem criados. Então temos certeza que todos os ponteiros estão determinando o mesmo valor (o compilador irá gerar um aviso se você não fizer desta maneira). Lembre que uma chamada para Free não fará nada se o objeto tiver o valor nil, assim é seguro chamá-lo mesmo se o objeto não foi construído. O próximo exemplo mostrará a você como liberar recursos antes de esperar o bloco finally executar. procedure TForm1.Button4Click(Sender: TObject); Strings1: TStringList; Strings2: TStringList; Strings2 := nil; Strings1 := TStringList.Create; try Strings2 := TStringList.Create; Strings1.Add( Hello, world! ); Strings1.SaveToFile (ChangeFileExt(ParamStr(0),.txt )); FreeAndNil(Strings1); { This will raise an exception, but all resources will be freed correctly. } Strings2.Delete(51); finally Strings1.Free; Strings2.Free; Suponha que Strings1 estava usando muitos recursos e nós não necessitamos mantê-lo até que o bloco estivesse finalmente executado. Nós podemos liberá-lo no meio do código protegido, mas precisamos ter certeza que a iável está configurada para nil - por outro lado, o programa irá gerar um access violation quando tentar liberar o objeto duas vezes. FreeAndNil, para usuários do Delphi 5 ou superior, executam exatamente esta função. Usuários de versões mais antigas do Delphi podem escrever sua própria rotina ou simplesmente o seguinte código: Strings1.Free; Strings1 := nil; Conclusão Bem, isto é apenas um começo para que você possa usar exceções. A utilização correta de exceções fará com que seu programa seja mais amigável, muito mais estável, muito mais profissional. 12

13 Delphi Trabalhando com Frames O Delphi tem classe visual que nos auxilia bastante o desenvolvimento de aplicações (RAD). Com esta classe você pode desenhar uma combinação de componentes para depois reutilizálos em seus projetos. Este recurso é tão poderoso que o ambiente de desenvolvimento do Delphi foi redesenhado para uso mais abrangente dos frames. Esse artigo irá mostrar uma visão geral sobre o que são os frames e quais os seus benefícios e também irá demonstrar como criar os frames, e como modificar as propriedades dos objetos que aparecem nos frames instanciados. Visão geral dos frames Existem dois benefícios primários na utilização dos frames. O primeiro é que em certas circunstâncias os frames podem reduzir drasticamente a quantia de recursos que precisam ser armazenados no projeto. O segundo e geralmente o mais importante benefício é que os frames permitem que você visualmente crie objetos que podem ser reaproveitados. Este é o recurso que podemos chamar de herança do formulário visual. Este recurso permite a você criar objetos no formulário que podem ser herdados facilmente. Especialmente quando você usar este recurso, sempre será criado um novo formulário. Frames, por outro lado, são mais parecidos com painéis. Isto é, um formulário simples pode conter dois ou mais frames. O importante é que cada frame mantenha seu relacionamento com a classe principal TFrame. Isto significa que as mudanças subseqüentes para a classe principal são automaticamente herdadas pelas instâncias. Embora você possa atingir um efeito similar usando componentes TPainel, fazendo assim seria estritamente uma operação baseada em código, ou seja, você teria que escrever o código para definir o TPanel descendentes manualmente. Os frames, por outro lado, são designados visualmente, simplesmente como formulários. Os frames podem também ser conhecidos por compartilhar de algumas semelhanças com o componente padrão (um grupo de um ou mais componentes que são salvos na palheta de componentes selecionando Component Create Component Template). Embora, as semelhanças sejam limitadas pelo fato que ambos os componentes padrões e frames são visualmente desenhados. As diferenças entre os componentes templates e frames são na verdade muito grandes. Como você já aprendeu, um frame é uma instância de uma classe em definição e, como tal, é mudada quando a classe de definição for mudada. Comparando, componente templates são agregados do componentes. Uma mudança no componente template não tem efeito sobre os objetos anteriormente criados daquele template. Criando um Frame Vamos ver agora como criar um frame. 1) Selecione File New Application para criar um novo projeto. 2) Selecione File New Frame para criar um novo frame. Nesse frame, inclua três componentes Labels e três componente DBEdits. Inclua também um componente DBNavigator e um DataSource, como mostrado na Figura 1. Configure o título dos captions dos labels para ID, First Name e Last Name. Configure a propriedade DataSource de cada DBEdit e o DBNavigator para DataSource1. 3) Com esse frame ainda selecionado, configure a propriedade Name para FrmBase. (Mais do que qualquer outro objeto, é muito importante dar a um frame um nome significativo.) Finalmente, salve o frame selecionando File Save As. Nesse caso salve o frame usando o nome do arquivo FrameBaseU.PAS. Figura 1: Frame montado 13

14 Delphi Usando um Frame Com o frame já criado, vamos ver agora como utilizá-lo. Um frame é um componente. Embora, seu uso tipicamente difere da maioria dos outros componentes que aparecem na palheta de componentes. Os passos a seguir demonstram como usar um frame: 1 - Selecione o Form1 da aplicação que você criou anteriormente. 2 - Adicione dois componentes GroupBox (palheta standard). Altere a propriedade caption do primeiro GroupBox para Customers e do segundo para Employees. O seu form ficará igual ao mostrado na figura Agora inclua um componente SQLConnection, dois componentes SQLDataSet (palheta dbexpress), dois componentes DataSetProvider (palheta Data Access) e dois componentes ClientDataSet (palheta Data Access) no formulário. Configure o componente SQLConnection para acessar a base de dados que acompanha o Firebird. Você pode conectar a base de dados Employee que está no diretório C:\Arquivos de programas\firebird\firebird_2_0\examples\empbuild\employee.fdb. a propriedade DatabaseName dos dois componentes Table para o alias DBDemos. Configure a propriedade TableName da Table1 para CUSTOMER e a propriedade TableName da Table2 para EMPLOYEE. Ative as duas tabelas alterando a propriedade Active para True. 6 - Selecione o componente DataSource do groupbox Customers, e configure a propriedade DataSet para ClientDataSet1. Normalmente você não pode diretamente selecionar objetos que aparecem dentro do componente, mas os frames são especiais. Você pode selecionar qualquer objeto dos objetos que aparecem dentro do frame, e trabalhar com suas propriedades. Depois, repita essa operação selecionando o DataSource do groupbox Employees e configure sua propriedade DataSet para ClientDataSet Finalmente, selecione os DBEdits e assinale a propriedade DataField dos 3 DBEdits no groupbox Customers para CUST_NO, CONTACT_FIRST, e CONTACT_LAST, respectivamente. Para groupbox Employees, configure as propriedades DataField dos componentes DBEdits para EMP_NO, FIRST_NAME, and LAST_NAME respectivamente. 8 - Salve esse projeto e rode. O projeto rodando ficará como mostrado na figura 5. Figura 2: Formulário de exemplo 3 - Agora adicione os frames. Ainda na palheta Standard, clique no componente Frame e arraste-o para dentro do GroupBox Customers. O Delphi irá lhe mostrar uma caixa de diálogo, como mostrado na figura 3, para que você selecione o frame desejado. 4 - Selecione FrmBase. O frame aparecerá dentro do groupbox Customer. Repita esse processo agora para o groupbox Employees. Você deve selecionar cada frame e corrigir seu tamanho, dependendo de como você colocou isso originalmente. Neste momento o seu form deve estar igual ao mostrado na figura 4. Figura 3: Caixa de diálogo que mostra os frames. 14

15 Delphi situações, e depois quiser mudar todas as instancias, o poder da utilização de frames se tornará obvio. Por exemplo, imagine que você decidiu fazer somente leitura do FrameBase. Isso pode ser acompanhado facilmente mudando simplesmente o frame original; cada instância do frame imediatamente herdará todas as mudanças. Você pode demonstrar isso seguindo esses passos: 1 - Com o projeto criado, pressione [Shift][F12] e selecione o FrmBase da lista mostrada dos formulários e clique em OK 2 Selecione o componente DataSource1 e altere a propriedade AutoEdit para False. 3 - Depois, selecione DBNavigator, vá até a propriedade VisibleButtons, e configure os flags nbinsert, nbdelete, nbedit, nbpost, e nbcancel para False. 4 - Agora pressione novamente [Shift][F12] e selecione o Form1 na lista mostrada dos formulários e clique em OK. Note que ambos os descendentes FrmBase herdaram as mudanças que você fez no frame. Veja a figura 6. Figura 4: Duas instancias do FrameBase Figura 6: Mostra as atualizações feitas no FrmBase Figura 5: O exemplo do projeto em tempo de execução Entendendo Frames e Herança Até agora, parecem ser poucos os benefícos da utilização de frames. Embora, quando você utilizar o frame em diferentes Anulando propriedades dos componentes Uma das vantagens da utilização de frames é que você pode mudar as propriedades e os eventos associados com os objetos dentro do frame herdado. Essas mudanças anulam os valores herdados. Especialmente mudanças subseqüentes para a 15

Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox.

Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox. Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox. - Construção do Banco de Dados: Para podermos inserir algo em um banco precisaremos de um Banco de Dados, para isto iremos montar um utilizando o Programa Database

Leia mais

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I PROFESSOR RAFAEL BARRETO

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I PROFESSOR RAFAEL BARRETO ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI - UTILIZANDO OPENDIALOG PARA ARMAZENAR IMAGENS EM BANCO DE DADOS Criaremos uma solução simples para criar

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Tutorial de Computação Introdução a Programação Gráfica em Lazarus Para MEC 1100 v2010.10

Tutorial de Computação Introdução a Programação Gráfica em Lazarus Para MEC 1100 v2010.10 Tutorial de Computação Introdução a Programação Gráfica em Lazarus Para MEC 1100 v2010.10 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212

Leia mais

Instalando e Ativando o Smaart 7

Instalando e Ativando o Smaart 7 Instalando e Ativando o Smaart 7 A Instalação do Smaart 7 da Rational Acoustics consiste em instalar o software e depois registrar e ativar a sua instalação. Abaixo explicaremos estes passos. Instalação

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye 1. Introdução Esse guia foi criado com o propósito de ajudar na instalação do Neteye. Para ajuda na utilização do Software, solicitamos que consulte os manuais da Console [http://www.neteye.com.br/help/doku.php?id=ajuda]

Leia mais

Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco

Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco 1 Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco MARCELO JALOTO (marcelo@jaloto.net) é graduado no curso superior Projetos e Gestão de Redes de Computadores e formado no curso Técnico em Processamento

Leia mais

Dicas para usar melhor o Word 2007

Dicas para usar melhor o Word 2007 Dicas para usar melhor o Word 2007 Quem está acostumado (ou não) a trabalhar com o Word, não costuma ter todo o tempo do mundo disponível para descobrir as funcionalidades de versões recentemente lançadas.

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Prof. Gilbert Azevedo da Silva I. Objetivos Conhecer o Ambiente Integrado de Desenvolvimento (IDE) do Delphi 7, Desenvolver a primeira aplicação no Delphi 7, Aprender

Leia mais

AMBIENTE. FORMULÁRIO: é a janela do aplicativo apresentada ao usuário. Considere o formulário como a sua prancheta de trabalho.

AMBIENTE. FORMULÁRIO: é a janela do aplicativo apresentada ao usuário. Considere o formulário como a sua prancheta de trabalho. DELPHI BÁSICO VANTAGENS Ambiente de desenvolvimento fácil de usar; 1. Grande Biblioteca de Componentes Visuais (VCL - Visual Component Library), que são botões, campos, gráficos, caixas de diálogo e acesso

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7) SafeNet Authentication Client 8.2 SP1 (Para MAC OS 10.7) 2/28 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Tokens Homologados... 4 5 Instruções de Instalação...

Leia mais

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Apresentação da ferramenta Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com 1 Introdução Visual

Leia mais

Entradas Digitais. PdP. Autores: Luís Fernando Patsko e Tiago Lone Nível: Intermediário Criação: 27/12/2005 Última versão: 18/12/2006

Entradas Digitais. PdP. Autores: Luís Fernando Patsko e Tiago Lone Nível: Intermediário Criação: 27/12/2005 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Entradas Digitais Autores: Luís Fernando Patsko e Tiago Lone Nível: Intermediário Criação: 27/12/2005 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens

Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens em utilizar este serviço para facilitar a administração de pastas compartilhadas em uma rede de computadores.

Leia mais

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado)

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado) Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado) Índice Instruções de Instalação....... 1 Requisitos do sistema........... 1 Código de autorização.......... 1 Instalando...............

Leia mais

Display de 7. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 16/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Display de 7. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 16/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Display de 7 Segmentos Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 16/12/2005 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br

Leia mais

O sistema operacional recomendado deve ser o Windows 2003, Windows 2000 ou Windows XP (nessa ordem de recomendação).

O sistema operacional recomendado deve ser o Windows 2003, Windows 2000 ou Windows XP (nessa ordem de recomendação). Módulo Nota Fiscal Eletrônica Sispetro Roteiro de Instalação Módulo Autenticador NFE Pré-Requisitos O sistema operacional recomendado deve ser o Windows 2003, Windows 2000 ou Windows XP (nessa ordem de

Leia mais

Usando o evento OnFilterRecord para filtrar ClientDataSets

Usando o evento OnFilterRecord para filtrar ClientDataSets Usando o evento OnFilterRecord para filtrar ClientDataSets O objetivo mais importante no desenvolvimento de um programa é fornecer ao cliente maior liberdade para usar as interfaces e ao mesmo tempo tornar

Leia mais

CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO

CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO Antes de criarmos um novo Banco de Dados quero fazer um pequeno parênteses sobre segurança. Você deve ter notado que sempre

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO 3 DICAS PARA CRIAR UM BOM SITE 4

Sumário INTRODUÇÃO 3 DICAS PARA CRIAR UM BOM SITE 4 Sumário Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 5.988 de 14/12/73. Nenhuma parte deste livro, sem prévia autorização por escrito de Celta Informática, poderá ser reproduzida total ou parcialmente,

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características:

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características: Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Conhecendo o NSBASIC para Palm Vitor Amadeu Vitor@cerne-tec.com.br 1. Introdução Iremos neste artigo abordar a programação em BASIC para o Palm OS. Para isso, precisaremos

Leia mais

G-Bar IGV. Instalação Versão 4.0

G-Bar IGV. Instalação Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço IGV Software Interpretador/ Gerenciador/ Visualizador de dados digitais de projetos CAD-TQS Instalação Versão 4.0 Manual do Usuário

Leia mais

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09 ÍNDICE Sobre o SabeTelemarketing 03 Ícones comuns à várias telas de gerenciamento Contato Verificar registros 09 Telas de cadastro e consultas 03 Menu Atalho Nova pessoa Incluir um novo cliente 06 Novo

Leia mais

Atualizaça o do Maker

Atualizaça o do Maker Atualizaça o do Maker Prezados Clientes, Nós da Playlist Software Solutions empresa líder de mercado no desenvolvimento de software para automação de rádios - primamos pela qualidade de nossos produtos,

Leia mais

Manual do Usuário. SCA - Sistema de Controle de Acesso

Manual do Usuário. SCA - Sistema de Controle de Acesso Manual do Usuário SCA - Sistema de Controle de Acesso Equipe-documentacao@procergs.rs.gov.br Data: Julho/2012 Este documento foi produzido por Praça dos Açorianos, s/n CEP 90010-340 Porto Alegre, RS (51)

Leia mais

Memória Flash. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Memória Flash. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Memória Flash Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br

Leia mais

Projeto Supermercado - Produtos

Projeto Supermercado - Produtos OBJETIVO: Este projeto possibilitará fazer a manutenção dos dados da tabela de Produtos. Didaticamente, ele permite ao programador iniciante ter os primeiros contatos com os objetos de visualização individual

Leia mais

Atualizaça o do Playlist Digital

Atualizaça o do Playlist Digital Atualizaça o do Playlist Digital Prezados Clientes, Nós da Playlist Software Solutions empresa líder de mercado no desenvolvimento de software para automação de rádios - primamos pela qualidade de nossos

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 Em qualquer profissão é importante que se conheça bem as ferramentas que serão usadas para executar o trabalho proposto. No desenvolvimento de software não é

Leia mais

Neste capítulo discutiremos o que é uma DLL, seus aspectos e tipos e ainda, porquê é tão importante para as aplicações Windows

Neste capítulo discutiremos o que é uma DLL, seus aspectos e tipos e ainda, porquê é tão importante para as aplicações Windows DINAMIC LINK LIBRARIES Capítulo 7 Neste capítulo discutiremos o que é uma DLL, seus aspectos e tipos e ainda, porquê é tão importante para as aplicações Windows O QUE É UMA DLL? Dinamic Link Libraries

Leia mais

Aranda SQL COMPARE. [Manual de Uso] Todos os direitos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1]

Aranda SQL COMPARE. [Manual de Uso] Todos os direitos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] [1] Aranda SQL COMPARE Versão 1.0 Aranda Software Corporation 2002-2007. Todos os direitos reservados. Qualquer documentação técnica fornecida pela Aranda software Corporation é um produto registrado da

Leia mais

Avançado. Visão geral do ambiente do VBA Retornar à planilha Excel

Avançado. Visão geral do ambiente do VBA Retornar à planilha Excel Avançado Trabalhando com VBA Descubra a linguagem de programação do Microsoft Office e torne-se um expert no desenvolvimento de funções, macros e planilhas eletrônicas Nas edições anteriores da revista

Leia mais

Instalando o Lazarus e outros sistemas de suporte. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Instalando o Lazarus e outros sistemas de suporte. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Instalando o Lazarus e outros sistemas de suporte Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 1 Levante e ande - Instalando o Lazarus e outros sistemas de suporte. Ano: 02/2011 Nesta Edição

Leia mais

Manual Integra S_Line

Manual Integra S_Line 1 Introdução O é uma ferramenta que permite a transmissão Eletrônica de Resultado de Exames, possibilitando aos Prestadores de Serviços (Rede Credenciada), integrarem seus sistemas com os das Operadoras

Leia mais

Atualização deixa Java mais seguro, mas ainda é melhor desativar

Atualização deixa Java mais seguro, mas ainda é melhor desativar Atualização deixa Java mais seguro, mas ainda é melhor desativar seg, 21/01/13 por Altieres Rohr Segurança Digital Se você tem alguma dúvida sobre segurança da informação (antivírus, invasões, cibercrime,

Leia mais

CRIAÇÃO DE RELATÓRIOS EM DELPHI

CRIAÇÃO DE RELATÓRIOS EM DELPHI PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO CRIAÇÃO DE RELATÓRIOS EM DELPHI Relatórios são tão importantes quanto as consultas, com a vantagem de poder imprimir os valores armazenados nos Bancos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PELOTAS UNIDADE DE PASSO FUNDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PELOTAS UNIDADE DE PASSO FUNDO 3. Controle de Acesso Permissões de Compartilhamento e Permissões NTFS Segurança, sem dúvidas, é um dos temas mais debatidos hoje, no mundo da informática. Nesse capitulo vamos estudar algumas opções do

Leia mais

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Um guia para pequenas empresas Conteúdo Seção 1: Introdução ao Modo Windows XP para Windows 7 2 Seção 2: Introdução ao Modo Windows XP 4 Seção 3: Usando

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

[MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS]

[MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS] 2011 [MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS] Destinado a usuários que desejam vender conteúdo premium, disponível em sites de membros, através da plataforma Hotmart. Versão do documento: 1.0, 11/04/2011.

Leia mais

Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008

Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008 Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008 White Paper Maio de 2008 Para obter as últimas informações, visite o site www.microsoft.com/teamsystem As informações contidas

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Versão 1.0 Autores Bruna Cirqueira Mariane Dantas Milton Alves Robson Prioli Nova Odessa, 10 de Setembro de 2013 Sumário Apoio 1. Licença deste

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft OneNote 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Alterne entre a entrada por toque

Leia mais

Manual. Pedido Eletrônico

Manual. Pedido Eletrônico Manual Pedido Eletrônico ÍNDICE 1. Download... 3 2. Instalação... 4 3. Sistema de Digitação SantaCruz... 8 3.1. Configuração... 8 4. Utilização do Sistema Digitação SantaCruz... 11 4.1. Atualizar cadastros...11

Leia mais

Manual de Solicitação e Instalação de Certificado Digital A3 e-cpf/e-cnpj AC-Correios no dispositivo criptográfico e-token PRO USB Aladdin.

Manual de Solicitação e Instalação de Certificado Digital A3 e-cpf/e-cnpj AC-Correios no dispositivo criptográfico e-token PRO USB Aladdin. Manual de Solicitação e Instalação de Certificado Digital A3 e-cpf/e-cnpj AC-Correios no dispositivo criptográfico e-token PRO USB Aladdin. Download do Dispositivo Criptográfico e-token PRO USB Aladdin:

Leia mais

Vamos criar uma nova Página chamada Serviços. Clique em Adicionar Nova.

Vamos criar uma nova Página chamada Serviços. Clique em Adicionar Nova. 3.5 Páginas: Ao clicar em Páginas, são exibidas todas as páginas criadas para o Blog. No nosso exemplo já existirá uma página com o Título Página de Exemplo, criada quando o WorPress foi instalado. Ao

Leia mais

Guia de Instalação e Inicialização. Para WebReporter 2012

Guia de Instalação e Inicialização. Para WebReporter 2012 Para WebReporter 2012 Última revisão: 09/13/2012 Índice Instalando componentes de pré-requisito... 1 Visão geral... 1 Etapa 1: Ative os Serviços de Informações da Internet... 1 Etapa 2: Execute o Setup.exe

Leia mais

Apostila Básica de Criação de Instalador por Giosepe Luiz 1

Apostila Básica de Criação de Instalador por Giosepe Luiz 1 Apostila Básica de Criação de Instalador por Giosepe Luiz 1 Sumário 1. Introdução... 03 2. Conhecendo a Interface... 03 3. Localização de Arquivo... 04 4. Geral... 05 5. Colocando Arquivos... 06 6. Requisitos

Leia mais

Permissões de compartilhamento e NTFS - Parte 1

Permissões de compartilhamento e NTFS - Parte 1 Permissões de compartilhamento e NTFS - Parte 1 Autor: Júlio Battisti - Site: www.juliobattisti.com.br Segurança, sem dúvidas, é um dos temas mais debatidos hoje, no mundo da informática. Nesse tutorial

Leia mais

Certificado Digital A1

Certificado Digital A1 Certificado Digital A1 Geração Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. - 2012 Página 1 de 41 Pré-requisitos para a geração Dispositivos de Certificação Digital Para que o processo

Leia mais

Estratégia para fazer cópias de segurança ( backup ) em nuvem

Estratégia para fazer cópias de segurança ( backup ) em nuvem 1 de 20 Estratégia para fazer cópias de segurança ( backup ) em nuvem Resolvi documentar uma solução que encontrei para fazer minhas cópias de segurança. Utilizo um software gratuito chamado Cobian Backup

Leia mais

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Criação de backups importantes... 3 3. Reinstalação do Sisloc... 4 Passo a passo... 4 4. Instalação da base de dados Sisloc...

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Criação de Formulários no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Criação de Formulários no Google Drive Introdução...

Leia mais

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual Maria Augusta Sakis Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma Máquina Virtual Máquinas virtuais são muito úteis no dia-a-dia, permitindo ao usuário rodar outros sistemas operacionais dentro de uma

Leia mais

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 ArpPrintServer Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA... 3 REQUISITOS DE SISTEMA... 4 INSTALAÇÃO

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração e Configuração MyABCM 4.0 Versão 4.00-1.00 2 Copyright MyABCM. Todos os direitos reservados Reprodução Proibida Índice Introdução... 5 Arquitetura, requisitos e cenários de uso do MyABCM... 7 Instalação

Leia mais

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 1 Sumário 1 - Instalação Normal do Despachante Express... 3 2 - Instalação do Despachante Express em Rede... 5 3 - Registrando o Despachante Express...

Leia mais

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Guia do usuário

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Guia do usuário BlackBerry Internet Service Versão: 4.5.1 Guia do usuário Publicado: 09/01/2014 SWD-20140109134951622 Conteúdo 1 Primeiros passos... 7 Sobre os planos de serviço de mensagens oferecidos para o BlackBerry

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

DELPHI 7 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO AMBIENTE CLIENTE SERVIDOR

DELPHI 7 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO AMBIENTE CLIENTE SERVIDOR DELPHI 7 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO AMBIENTE CLIENTE SERVIDOR Fortaleza - CE Introdução ao ambiente de desenvolvimento delphi e preparação da interface basíca O ambiente delphi foi criado pela Borland Software

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Guia Sphinx: instalação, reposição e renovação

Guia Sphinx: instalação, reposição e renovação Sphinx : software para coleta e análise de dados acadêmicos e gerenciais. Tecnologia e informação para a decisão! Copyright Sphinx Todos direitos reservados Guia Sphinx: instalação, reposição e renovação

Leia mais

GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA

GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA Você deve ter em mente que este tutorial não vai te gerar dinheiro apenas por você estar lendo, o que você deve fazer e seguir todos os passos

Leia mais

Guia de Inicialização para o Windows

Guia de Inicialização para o Windows Intralinks VIA Versão 2.0 Guia de Inicialização para o Windows Suporte 24/7/365 da Intralinks EUA: +1 212 543 7800 Reino Unido: +44 (0) 20 7623 8500 Consulte a página de logon da Intralinks para obter

Leia mais

Manual de Atualização Versão 3.6.4.

Manual de Atualização Versão 3.6.4. Manual de Atualização Versão 3.6.4. Sumário 1. AVISO... 1 2. INTRODUÇÃO... 2 3. PREPARAÇÃO PARA ATUALIZAÇÃO... 3 4. ATUALIZANDO GVCOLLEGE E BASE DE DADOS... 7 5. HABILITANDO NOVAS VERSÕES DO SISTEMA....

Leia mais

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0 CAPÍTULO 18 INSTALANDO E CONFIGURANDO O MICROSOFT OFFICE PROJECT SERVER 2003 INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0 Antes de começar a instalação do Microsoft Office Project Server 2003

Leia mais

A multimídia para ambiente Windows foi desenvolvida a poucos anos atrás e hoje é lugar comum, nesta seção discutimos alguns itens genéricos.

A multimídia para ambiente Windows foi desenvolvida a poucos anos atrás e hoje é lugar comum, nesta seção discutimos alguns itens genéricos. MULTIMÍDIA Capítulo 8 Neste capítulo apresentaremos alguns elementos de multimídia, tais como: sons e vídeos e também como utilizar os recursos usando o controle de multimídia do ambiente Delphi. O Delphi

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS Servidor: O servidor é todo computador no qual um banco de dados ou um programa (aplicação) está instalado e será COMPARTILHADO para outros computadores,

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EAD 1

MANUAL DO ALUNO EAD 1 MANUAL DO ALUNO EAD 1 2 1. CADASTRAMENTO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Após navegar até o PORTAL DA SOLDASOFT (www.soldasoft.com.br), vá até o AMBIENTE DE APRENDIZAGEM (www.soldasoft.com.br/cursos).

Leia mais

Instalação e Operação dos Aplicativos Serie 5000/6000

Instalação e Operação dos Aplicativos Serie 5000/6000 Instalação e Operação dos Aplicativos Serie 5000/6000 Requisitos mínimos de Hardware: Pentium 3 de 500 mhz ou Celeron de 700 mhz ou superior 128 MB de RAM 100 MB livres no disco rígido Requisitos de Software:

Leia mais

Índice. Tutorial para Desenvolvimento de Conduits em Delphi

Índice. Tutorial para Desenvolvimento de Conduits em Delphi Índice Índice...1 Desenvolvendo Conduits...2 (Passo a Passo)...2 Criando um Arquivo.mdb... 2 Arquivos...6 Instalando os componentes... 7 Recompilando os Comonentes do Delphi...13 Configurando a Conexão

Leia mais

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Conteúdo Etapa 1: Saiba se o computador está pronto para o Windows 7... 3 Baixar e instalar o Windows 7 Upgrade Advisor... 3 Abra e execute o Windows 7

Leia mais

Apresentação Prática

Apresentação Prática Apresentação Prática Este curso contém exercícios com editor de texto Word e também exemplos de acesso à Internet e deve ser utilizado para a apresentação do Método de ensino a pessoas que já tenham tido

Leia mais

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Artigo escrito por Walter Teixeira wteixeira.wordpress.com Sumário Cenário Proposto... 3 Preparação do Servidor SQL Server

Leia mais

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Atualizado em 24/08/2011 No final de 2007, o Serviço Técnico de Informática da UNESP Marília, disponibilizou para a comunidade acadêmica e administrativa o Sistema

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Validação de formulário : CEP, Email e CPF

Validação de formulário : CEP, Email e CPF Validação de formulário : CEP, Email e CPF Publicado em: 14/09/2003 A ASP.NET veio para facilitar ainda mais o desenvolvimento para WEB, trazendo consigo todo um conjunto inovações que visam facilitar

Leia mais

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI FORMULÁRIO COM ABAS E BUSCAS DE REGISTROS

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI FORMULÁRIO COM ABAS E BUSCAS DE REGISTROS ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI FORMULÁRIO COM ABAS E BUSCAS DE REGISTROS FORMULÁRIOS COM ABAS Trabalhar com abas (ou guias) é um recurso

Leia mais

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA COOL 2.0V (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO ÍNDICE Pré-requisitos para utilização do sistema....2 Parte I Navegador...2 Parte II Instalação do Interpretador de PDF...2 Parte III

Leia mais

Certificado Digital A1

Certificado Digital A1 Abril/ Certificado Digital A1 Geração Página 1 de 32 Abril/ Pré requisitos para a geração Dispositivos de Certificação Digital Para que o processo de instalação tenha sucesso, é necessário obedecer aos

Leia mais

Vinte dicas para o Word 2007

Vinte dicas para o Word 2007 Vinte dicas para o Word 2007 Introdução O Microsoft Word é um dos editores de textos mais utilizados do mundo. Trata-se de uma ferramenta repleta de recursos e funcionalidades, o que a torna apta à elaboração

Leia mais

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Informática - Básico Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Índice Apresentação...06 Quais são as características do Windows?...07 Instalando o Windows...08 Aspectos Básicos...09 O que há na tela do Windows...10

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Versão 5.0.2 PDF-SERVER5-A-Rev2_PT Copyright 2013 Avigilon. Todos os direitos reservados. A informação apresentada está sujeita a alteração sem aviso

Leia mais

ARTIGO CIÊNTIFICO ENGENHARIA REVERSA

ARTIGO CIÊNTIFICO ENGENHARIA REVERSA ARTIGO CIÊNTIFICO ENGENHARIA REVERSA Nicollas Fernandes Ricas Profª: Ieda Maria Brighenti RESUMO A engenharia reversa consiste em reverter um programa binário para código-fonte onde se é possível fazer

Leia mais

Banco de Dados BrOffice Base

Banco de Dados BrOffice Base Banco de Dados BrOffice Base Autor: Alessandro da Silva Almeida Disponível em: www.apostilando.com 27/02/2011 CURSO TÉCNICO EM SERVIÇO PÚBLICO Apostila de Informática Aplicada - Unidade VI Índice Apresentação...

Leia mais

Simão Pedro P. Marinho, Ramon Orlando de Souza Flauzino NARRATIVAS DIGITAIS

Simão Pedro P. Marinho, Ramon Orlando de Souza Flauzino NARRATIVAS DIGITAIS Simão Pedro P. Marinho, Ramon Orlando de Souza Flauzino NARRATIVAS DIGITAIS CRIANDO VÍDEOS a partir do Microsoft PowerPoint para narrativas digitais 3 Recomenda-se a leitura do documento 14 dicas para

Leia mais

Fox Gerenciador de Sistemas

Fox Gerenciador de Sistemas Fox Gerenciador de Sistemas Índice 1. FOX GERENCIADOR DE SISTEMAS... 4 2. ACESSO AO SISTEMA... 5 3. TELA PRINCIPAL... 6 4. MENU SISTEMAS... 7 5. MENU SERVIÇOS... 8 5.1. Ativação Fox... 8 5.2. Atualização

Leia mais

Guia de administração para a integração do Portrait Dialogue 6.0. Versão 7.0A

Guia de administração para a integração do Portrait Dialogue 6.0. Versão 7.0A Guia de administração para a integração do Portrait Dialogue 6.0 Versão 7.0A 2013 Pitney Bowes Software Inc. Todos os direitos reservados. Esse documento pode conter informações confidenciais ou protegidas

Leia mais