A VIOLÊNCIA POLÍTICA-SOCIAL: UMA ANÁLISE DA POESIA DE ODETE SEMEDO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A VIOLÊNCIA POLÍTICA-SOCIAL: UMA ANÁLISE DA POESIA DE ODETE SEMEDO"

Transcrição

1 IV Encontro Internacional de Literaturas, Histórias e Culturas Afro-brasileiras e Africanas Universidade Estadual do Piauí UESPI ISBN: A VIOLÊNCIA POLÍTICA-SOCIAL: UMA ANÁLISE DA POESIA DE ODETE SEMEDO Ianes Augusto Cá (UNILAB) Jo A-mi RESUMO A partir de análise interpretativa dos dois poemas intitulados Bissau é um enigma e Quando tudo começou Bissau não quis acreditar, da obra No Fundo do Canto (2003), da poetisa guineense Odete Costa Semedo, focaliza-se no conceito da violência sofrida pelo eu-lírico dentro do seu país durante a guerra civil de 7 de junho de A metodologia foi baseada na pesquisa bibliográfica, deste modo, apoia-se com a teoria crítica ao colonialismo e pós-colonialismo, discutida por Frantz Fanon em Os condenados da terra (1968); críticas literárias de Rita Chaves, no passado presente na literatura (2004); Manuel Ferreira, através do livro Literaturas africanas de expressão portuguesa (1977); Noêmia Parente Augel, em O desafio de escombro: nação, identidade e pós-colonialismo na literatura da Guiné-Bissau (2007) e Leitura e inclusão (2008). Geralmente, percebe-se que No Fundo do Canto o eu-lírico está voltado às questões da violência intrínseca aos processos de independência do povo guineense, numa obra que busca no sentimento patriótico uma ferramenta para o combate aos problemas e desafios que se colocam perante esta nação. Assim a obra pode ser lida como uma crítica à ditadura através de um recuo insistente ao passado como artifício para negar e questionar o momento detestável da Guiné-Bissau. Palavra Chave: Violência. Odete Semedo. Literatura. Guiné-Bissau. INTRODUÇÃO Inicialmente, é necessário destacar que o conceito de violência é muito amplo, no entanto, detém-se falar sobre a violência político-social na literatura da Guiné-Bissau que é o foco central deste trabalho. Pois, a mesma acontece quando o estado não pode manter à população os seus direitos sociais, ou seja, à habitação, à saúde, à educação, à segurança, e à falta de emprego e salário. Nesta nação estes cenários são presentes, pois o Estado tem dificuldades em manter estes direitos civis após a luta pela sua autonomia. 1

2 Desde a chegada dos portugueses, o país passou por muitas violências, as mais marcantes são a luta pela independência e o conflito militar de 7 de junho de A luta de libertação nacional foi um dos mais longos conflitos armados neste espaço, fazendo dela a primeira colônia portuguesa na África a conquistar a sua independência unilateral (em 24 de setembro de 1973), porém, sendo proclamada e reconhecida mais tarde pelo governo português em 10 de setembro de Durante o processo de independência pela libertação da nação guineense, o país passou por muitos processos e categorias de violências, salvaguardando um novo tipo de colonização ou escravatura que, para Fanon (1968) a descolonização é simplesmente a substituição de uma "espécie" de homens por outra "espécie" de homens. O conflito militar de 1998 neste país venha reforçar a tese defendida por autor, pois houve constante violação dos direitos da população que segundo Augel: [...] dos seus trezentos habitantes, mais de oitenta por cento abandonaram suas moradias e fugiram em pânico, tanto para o interior do país como para fora. [...] A fome e as moléstias grassaram no interior, onde a carência era dramática: alimento água, combustível, medicamentos, tudo faltava. (AUGEL p. 69) Assim, para discutir esse complexo quadro social, tomou-se por base a obra No fundo do canto, de Odete Semedo: texto poético que trata da história recente do país e do horror de suas guerras, afirmando uma identidade nacional que busca desconstruir a nação dada para reconstruí-la, poeticamente. Semedo utilizou a experiência vivenciada como matéria poética para o canto-poema de seu livro que segundo Riso (2008, p.1) é o desabafo escancarado de uma situação em que o país havia mergulhado por causa dos vários descaminhos políticos após a independência. OBJETIVO A discussão e a vivência da violência em Guiné-Bissau entranham-se como um processo social e cultural contínuo, reforçando o caráter de opressão e subjugação do colonizado aos desmandos e manipulações do colonizador. Depois da independência, a literatura serve como um meio para questionar certas práticas contrassensos ao propósito da longa luta pela liberdade e autonomia, como afirma Augel (2008 p. 49), [...] a literatura que se está fazendo na Guiné-Bissau de hoje é reflexo da crise política, 2

3 social e identitária que já se prenunciava e cuja explosão as obras, surgidas na década de 1990, profetizavam e confirmavam. Assim sendo, este trabalho objetiva analisar dois poemas que compõem o livro da autora, no qual narra os acontecimentos dramáticos e os episódios tristes do país depois da independência. De tal modo, através do eu-lírico do poema constrói-se reflexão acerca do ocorrido durante o conflito militar de 7 de junho, desafia as autoridades do país de que sempre haverá conflito. METODOLOGIA Primeiramente, foi realizado um levantamento bibliográfico acerca da literatura guineense. A obra O desafio de escombro: nação, identidade e pós-colonialismo na literatura da Guiné-Bissau (2007) foi essencial para o início das reflexões críticas acerca da temática escolhida. Depois, foram feitas leituras críticas, discussões e fichamentos dos livros de Frantz Fanon, Os condenados da terra (1968); de Rita Chaves, no passado presente na literatura (2004); de Manuel Ferreira, em Literaturas africanas de expressão portuguesa (1977). E, numa terceira fase, tentou-se traduzir os resultados dessas discussões e leituras através da construção de um artigo científico. RESULTADOS E DISCUSSÕES No decorrer dos encontros, as atividades de análise desenvolvidas foram voltadas às teorias citadas, o que propiciou o aprimoramento de pesquisas na área. Dentre as análises, foram realizadas leituras dos poemas da autora Odete Costa Semedo, Bissau é um enigma e Quando tudo começou Bissau não quis acreditar da obra No Fundo do Canto (2003), onde o eu-lírico relata o sacrifício imposto à população guineense depois da independência. No primeiro poema, Bissau é um enigma, percebeu-se que o eu-lírico volta-se a temáticas como violência e consciência social, pois o texto poético trata de um problema muito grave para as autoridades guineenses: a falta de acesso da população às garantias sociais adquiridas no processo de libertação nacional. 3

4 No segundo poema, Quando tudo começou Bissau não quis acreditar, o eulírico anseia pela paz, mostrando que o país é solidário as dores sofridas pelos seus filhos, causadas pela violência. O eu-lírico coloca o povo guineense numa encruzilhada que exige o sentimento patriótico genuíno para que o país possa encontrar vias para solucionar os problemas e os desafios que se colocam para este lugar. Exorta uma união patriótica para projetar o novo rumo do país, com o objetivo de devolver à nação os seus valores identitários. Portanto, na base dos poemas analisados, tentou-se materializar as discussões e leituras realizadas através da construção de um artigo científico, fazendo com que esse estudo possa contribuir para a visibilidade e fortalecimento da literatura guineense por meio de um olhar crítico sobre os textos da autora aqui analisados. CONSIDERAÇÕES FINAIS Conclui-se que O fundo do canto aborda diretamente a questão da soberania e opressão vividas pelo povo guineense. O desejo de construção da identidade nacional é manifestado através da literatura como forma de reflexão crítico-estética constitutiva do universo literário de Odete Semedo. Após a análise dos dois poemas da autora, percebeu-se que o trauma do sangrento conflito civil armado naquele país ofereceu farta matéria poética para o canto-poema de seu livro. REFERÊNCIAS AUGEL, Moema Parente. O Desafio do Escombro: nação, identidades e póscolonialismo na literatura da Guiné-Bissau. Rio de Janeiro: Garamond, Literatura e inclusão o papel dos escritores guineenses no empenho contra a invisibilidade. In: Via Atlântica n. 12. Alemanha: Universidade de Bielefeld, Dez CHAVES, Rita. O Passado Presente na Literatura Africana. Universidade de São Paulo, Revista Via atlântica, n. 7, out FANON, F. Os condenados da terra. Trad. José Laurênio de Melo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,

5 FERREIRA, Manuel. Literaturas Africanas de Expressão Portuguesa. Lisboa: Biblioteca Breve; Instituto de cultura e Língua Portuguesa, RISO, Ricardo. Crítica literária: Odete Costa Semedo - No fundo do canto. In: Revista África e Africanidades, Maio/2008. SEMEDO, Odete Costa. No fundo do canto. Belo Horizonte: Nandaya,

A LITERATURA GUINEENSE NA VISÃO DE SEUS ESCRITORES: TRAJETOS DE UMA PESQUISA

A LITERATURA GUINEENSE NA VISÃO DE SEUS ESCRITORES: TRAJETOS DE UMA PESQUISA IV Encontro Internacional de Literaturas, Histórias e Culturas Afro-brasileiras e Africanas Universidade Estadual do Piauí UESPI ISBN: 978-85-8320-162-5 A LITERATURA GUINEENSE NA VISÃO DE SEUS ESCRITORES:

Leia mais

A LITERATURA GUINEENSE NA VISÃO DE SEUS ESCRITORES: TRAJETOS DE UMA PESQUISA

A LITERATURA GUINEENSE NA VISÃO DE SEUS ESCRITORES: TRAJETOS DE UMA PESQUISA IV Encontro Internacional de Literaturas, Histórias e Culturas Afro-brasileiras e Africanas Universidade Estadual do Piauí UESPI ISBN: 978-85-8320-162-5 A LITERATURA GUINEENSE NA VISÃO DE SEUS ESCRITORES:

Leia mais

[25 de Abril: Dia da Liberdade / 25. April: Nelkenrevolution]

[25 de Abril: Dia da Liberdade / 25. April: Nelkenrevolution] [25 de Abril: Dia da Liberdade / 25. April: Nelkenrevolution] 1. Observa as seguintes imagens. O que te sugerem? 2. Completa a seguinte frase. Para mim, a liberdade é II. 1. Lê atentamente o seguinte texto.

Leia mais

Ensino Fundamental II. Atividade especial. 6º ao 9º ano. ao 9º ano. Atividade especial Copa do Mundo na África. Atendimento ao professor

Ensino Fundamental II. Atividade especial. 6º ao 9º ano. ao 9º ano. Atividade especial Copa do Mundo na África. Atendimento ao professor Copa domundo Mundo na África Copa do na África Ensino Fundamental II 6ºEnsino ao 9º ano Fundamental II 6º ao 9º ano Editora Moderna, ao seu lado em busca de grandes conquistas! É fato que você, aluno,

Leia mais

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso:Licenciatura em Letras Língua Portuguesa Semestre Letivo / Turno: 6º Semestre Disciplina: Literaturas Étnicas em Língua Professores: José Wildzeiss Neto / Ana Lúcia

Leia mais

Excelência Jorge Carlos de Almeida Fonseca, Presidente da República de Cabo-Verde e Presidente em Exercício dos PALOP,

Excelência Jorge Carlos de Almeida Fonseca, Presidente da República de Cabo-Verde e Presidente em Exercício dos PALOP, Discurso pronunciado por Sua Excelência José Eduardo dos Santos, Presidente da República de Angola, por ocasião da Cimeira dos PALOP Luanda, 30 de Junho de 2014 Excelência Jorge Carlos de Almeida Fonseca,

Leia mais

10 Referências Bibliográficas

10 Referências Bibliográficas 61 10 Referências Bibliográficas BOSI, Alfredo. Dialética da Colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. CALAFATE RIBEIRO, Margarida. Uma história de regressos: império, guerra colonial e pós-colonialismo.

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 5 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 5 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 COLÔNIA PLANO DE CURSO VIVER NO BRASIL *Identificar os agentes de ocupação das bandeiras *Conhecer e valorizar a história da capoeira *Analisar a exploração da Mata Atlântica *Compreender a administração

Leia mais

Os conceitos de Pátria e Nação à época da independência no período de 1820 a 1834.

Os conceitos de Pátria e Nação à época da independência no período de 1820 a 1834. Os conceitos de Pátria e Nação à época da independência no período de 1820 a 1834. Nome: Kamal Gonçalves Bretas Orientador: Prof. Marco Antonio Villela Pamplona I - Introdução A proposta da pesquisa é

Leia mais

* Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa,

* Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa, * Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa, fatima.mariano@gmail. O que é feminismo? Gomes, P.; Diniz, D.; Santos, M. H.; & Diogo, R. (2015).

Leia mais

Associação 1.1. Título do Projeto: ATIVIDADES EM COMEMORAÇÃO DE 24 DE SETEMBRO: 42º ANIVERSÁRIO DA INDEPENDÊNCIA DA GUINÉ-BISSAU

Associação 1.1. Título do Projeto: ATIVIDADES EM COMEMORAÇÃO DE 24 DE SETEMBRO: 42º ANIVERSÁRIO DA INDEPENDÊNCIA DA GUINÉ-BISSAU 1.1. Título do Projeto: ATIVIDADES EM COMEMORAÇÃO DE 24 DE SETEMBRO: 42º ANIVERSÁRIO DA INDEPENDÊNCIA DA GUINÉ-BISSAU 1.2. Resumo do Projeto Este projeto é uma iniciativa, em comemoração do 42º aniversário

Leia mais

"Nunca pegamos em armas. Usamos palavras", diz líder sobre a independência do Benin

Nunca pegamos em armas. Usamos palavras, diz líder sobre a independência do Benin "Nunca pegamos em armas. Usamos palavras", diz líder sobre a independência do Benin por Por Dentro da África - terça-feira, agosto 06, 2013 http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/nunca-pegamos-em-armas-usamos-palavras-diz-lider-sobreindependencia-do-benin

Leia mais

Ricardina Bridges Solicitors Advogados

Ricardina Bridges Solicitors Advogados Ricardina Bridges Solicitors Advogados 47 South Lambeth Road SW8 1RH London Reino Unido Tel: (+44) 0207 5825108 Fax: (+44) 0207 5825250 www.rbsolicitors.com Emigração Angolana e o Associativismo na Diáspora

Leia mais

MUNICIPIO DE ALMADA. Assembleia Municipal EDITAL Nº 104/X-4º/ (Voto de Pesar pelo falecimento do Cidadão Francisco. Brissos de Carvalho)

MUNICIPIO DE ALMADA. Assembleia Municipal EDITAL Nº 104/X-4º/ (Voto de Pesar pelo falecimento do Cidadão Francisco. Brissos de Carvalho) MUNICIPIO DE ALMADA /X-4º/2012-13 (Voto de Pesar pelo falecimento do Cidadão Francisco Brissos de Carvalho) EU, JOSÉ MANUEL MAIA NUNES DE ALMEIDA, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DO CONCELHO DE ALMADA

Leia mais

A GUINÉ-BISSAU NO FUNDO DO CANTO: O TEMPO/ESPAÇO PÓS- COLONIAL DE ODETE SEMEDO Monaliza Rios Silva 1

A GUINÉ-BISSAU NO FUNDO DO CANTO: O TEMPO/ESPAÇO PÓS- COLONIAL DE ODETE SEMEDO Monaliza Rios Silva 1 A GUINÉ-BISSAU NO FUNDO DO CANTO: O TEMPO/ESPAÇO PÓS- COLONIAL DE ODETE SEMEDO Monaliza Rios Silva 1 Neste estudo serão abordadas algumas tipologias de tempo-espaço poético que constituem a narrativa do

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE A MELHORIA DO ACESSO E USO APROPRIADO DE MEDICAMENTOS PARA OS DISTÚRBIOS/DOENÇAS MENTAIS PRAIA, CABO-VERDE HOTEL PESTANA TROPICO

SEMINÁRIO SOBRE A MELHORIA DO ACESSO E USO APROPRIADO DE MEDICAMENTOS PARA OS DISTÚRBIOS/DOENÇAS MENTAIS PRAIA, CABO-VERDE HOTEL PESTANA TROPICO SEMINÁRIO SOBRE A MELHORIA DO ACESSO E USO APROPRIADO DE MEDICAMENTOS PARA OS DISTÚRBIOS/DOENÇAS MENTAIS PRAIA, CABO-VERDE HOTEL PESTANA TROPICO 23-24 de Marco 2017 APRESENTAÇAO DA GUINE BISSAU Dr Jerénimo

Leia mais

O DESAFIO DO ESCOMBRO NAÇÃO, IDENTIDADES E PÓS-COLONIALISMO NA LITERATURA DA GUINÉ-BISSAU

O DESAFIO DO ESCOMBRO NAÇÃO, IDENTIDADES E PÓS-COLONIALISMO NA LITERATURA DA GUINÉ-BISSAU O DESAFIO DO ESCOMBRO NAÇÃO, IDENTIDADES E PÓS-COLONIALISMO NA LITERATURA DA GUINÉ-BISSAU REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Cultura Gilberto Gil

Leia mais

Cidadania e Educação das Relações étnico-raciais.

Cidadania e Educação das Relações étnico-raciais. Cidadania e Educação das Relações étnico-raciais. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.639, DE 9 DE JANEIRO DE 2003. Mensagem de veto Altera a Lei n o 9.394,

Leia mais

A POESIA, ARMA DE LUTA E PROTESTO: UMA ANÁLISE DOS POEMAS DA ESCRITORA SÃO-TOMENSE, ALDA DO ESPÍRITO SANTO

A POESIA, ARMA DE LUTA E PROTESTO: UMA ANÁLISE DOS POEMAS DA ESCRITORA SÃO-TOMENSE, ALDA DO ESPÍRITO SANTO IV Encontro Internacional de Literaturas, Histórias e Culturas Afro-brasileiras e Africanas Universidade Estadual do Piauí UESPI ISBN: 978-85-8320-162-5 A POESIA, ARMA DE LUTA E PROTESTO: UMA ANÁLISE DOS

Leia mais

BREVE COMENTÁRIO SOBRE FRANCISCO JOSÉ TENREIRO E SUA CANÇÃO DO MESTIÇO

BREVE COMENTÁRIO SOBRE FRANCISCO JOSÉ TENREIRO E SUA CANÇÃO DO MESTIÇO 15 BREVE COMENTÁRIO SOBRE FRANCISCO JOSÉ TENREIRO E SUA CANÇÃO DO MESTIÇO Letícia Rohrer Colleti O poema intitulado Canção do Mestiço encontra-se no livro de poemas Ilha de Nome Santo (1942) de Francisco

Leia mais

INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA TROPICAL Centro de Estudos de História e Cartografia Antiga CURRICULUM VITAE

INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA TROPICAL Centro de Estudos de História e Cartografia Antiga CURRICULUM VITAE INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA TROPICAL Centro de Estudos de História e Cartografia Antiga CURRICULUM VITAE Maria João Soares LISBOA, 2004 DADOS PESSOAIS Nome: Maria João Soares Nome completo: Maria

Leia mais

A S S E M B L E I A D A R E P Ú B L I C A. O Presidente INTERVENÇÃO DE EDUARDO FERRO RODRIGUES, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

A S S E M B L E I A D A R E P Ú B L I C A. O Presidente INTERVENÇÃO DE EDUARDO FERRO RODRIGUES, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA INTERVENÇÃO DE EDUARDO FERRO RODRIGUES, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 150 ANOS DA ABOLIÇÃO DA PENA DE MORTE EM PORTUGAL 1867 2017 CENTRO CULTURAL DE BELÉM 1 JULHO DE 2017 Há 150 anos era promulgada

Leia mais

Maio de Nº 5. Luanda, cidade e literatura. de Tania Macêdo. Cristiane Santana Silva 1

Maio de Nº 5. Luanda, cidade e literatura. de Tania Macêdo. Cristiane Santana Silva 1 Maio de 2009 - Nº 5 Luanda, cidade e literatura de Tania Macêdo Cristiane Santana Silva 1 Através de uma edição conjunta da Editora da Unesp e Editorial Nzila (Luanda), veio ao público em 2008, o livro

Leia mais

Infância, violência e guineidades

Infância, violência e guineidades Infância, violência e guineidades Erica Cristina Bispo Resumo: A colonização e o pós-colonialismo geraram uma nova concepção de infância, que é encurtada e/ou apagada por razões sócio-políticas. A violência

Leia mais

Márcia Maria Ferreira do Nascimento Feitosa

Márcia Maria Ferreira do Nascimento Feitosa Márcia Maria Ferreira do Nascimento Feitosa Palavra: uma arma eficiente de denúncia e luta pela construção da identidade. Uma leitura de Regresso Adiado de Manuel Rui. Dissertação apresentada como requisito

Leia mais

Imperialismo Marco Abreu dos Santos.

Imperialismo Marco Abreu dos Santos. Imperialismo Marco Abreu dos Santos marcoabreu@live.com www.professormarco.wordpress.com Conceito Imperialismo foi a disputa entre as potências capitalistas por colônias ou áreas de influência na Ásia,

Leia mais

APLICAÇÃO DA LEI Nº /08 EM ALGUNS LIVROS DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA DO ENSINO MÉDIO

APLICAÇÃO DA LEI Nº /08 EM ALGUNS LIVROS DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA DO ENSINO MÉDIO APLICAÇÃO DA LEI Nº 11.645/08 EM ALGUNS LIVROS DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA DO ENSINO MÉDIO ADENIZE APARECIDA FRANCO (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ - UENP). Resumo Considerando a necessidade

Leia mais

LOPES, Ana Mónica; ARNAUT, Luís. História da África: uma introdução. Belo Horizonte: Crisálida, 2005.

LOPES, Ana Mónica; ARNAUT, Luís. História da África: uma introdução. Belo Horizonte: Crisálida, 2005. LOPES, Ana Mónica; ARNAUT, Luís. História da África: uma introdução. Belo Horizonte: Crisálida, 2005. José Alexandre da Silva * Desde 2003, quando o Presidente Lula sancionou a lei nº 10.639, vários títulos

Leia mais

Bafatá, um cantinho da Guiné A construção imagética do quotidiano em Bafatá 1

Bafatá, um cantinho da Guiné A construção imagética do quotidiano em Bafatá 1 Bafatá, um cantinho da Guiné A construção imagética do quotidiano em Bafatá 1 Fatumata Jarai JALO 2 Michele Oliveira GOMES 3 Maria Érica de Oliveira LIMA 4 Universidade Federal do Rio Grande do Norte,

Leia mais

DADOS PESSOAIS. Nome: Elisabete da Conceição de Fátima de Ceita Vera Cruz. Naturalidade: Luanda. Nacionalidade Angolana.

DADOS PESSOAIS. Nome: Elisabete da Conceição de Fátima de Ceita Vera Cruz. Naturalidade: Luanda. Nacionalidade Angolana. CURRICULUM VITAE 1 DADOS PESSOAIS Nome: Elisabete da Conceição de Fátima de Ceita Vera Cruz Naturalidade: Luanda Nacionalidade Angolana e-mail: ecveracruz@gmail.com Telemóvel # 00244-927 20 24 87 HABILITAÇÕES

Leia mais

Profª Dra. Márcia C. da S. Galindo

Profª Dra. Márcia C. da S. Galindo Profª Dra. Márcia C. da S. Galindo COMO FAZER UM FICHAMENTO DE TEXTO OU LIVRO O que é fichamento? Registro dos estudos de um livro ou de um texto. O fichamento facilita: A execução dos trabalhos acadêmicos;

Leia mais

A POSIÇAO DE ANGOLA. NA ARQUITECTURA DE PAZ E SEGURANÇA AFRICANA

A POSIÇAO DE ANGOLA. NA ARQUITECTURA DE PAZ E SEGURANÇA AFRICANA LUÍS BERNARDINO - A POSIÇAO DE ANGOLA. NA ARQUITECTURA DE PAZ E SEGURANÇA AFRICANA ANÁLISE DA FUNÇÃO ESTRATÉGICA DAS FORÇAS ARMADAS ANGOLANAS \M ALMEDINA ÍNDICE NOTABIOGRÁFICA 5 PREFÁCIO 7 NOTA PRÉVIA

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês Os eercícios deverão ser feitos no livro. Resgatando conteúdos, tetos diversificados, proposto

Leia mais

Conscientização e luta em Sagrada esperança

Conscientização e luta em Sagrada esperança Conscientização e luta em Sagrada esperança NETO, Agostinho. Sagrada esperança. São Paulo: Editora Ática, 1985. Taísa Teixeira Medeiros 1 Universidade Federal de Santa Maria Sagrada esperança é um livro

Leia mais

Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles:

Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles: Gêneros Literários Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles: Gênero épico (fatos heroicos) Guerras, batalhas e grandes feitos 3ª pessoa; Expressa

Leia mais

Direitos Humanos na Constituição Brasileira: Avanços e Desafios

Direitos Humanos na Constituição Brasileira: Avanços e Desafios Direitos Humanos na Constituição Brasileira: Avanços e Desafios Cátedra UNESCO de Educação para a Paz, Direitos Humanos, Democracia e Tolerância Faculdade de Saúde Pública (USP), Auditório Paula Souza.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º LE733- COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA PORTUGUESA OBRIG 60 0 60 4.0 Fórmula: LE003 LE003- LINGUA PORTUGUESA 3 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS. ANÁLISE DE ESTRUTURAS BÁSICAS DA LÍNGUA

Leia mais

Moçambique: identidades, colonialismo e libertação

Moçambique: identidades, colonialismo e libertação África: Revista do Centro de Estudos Africanos. USP, S. Paulo, 27-28: 243-248, 2006/2007 Moçambique: identidades, colonialismo e libertação 1 Jose Luis de Oliveira Cabaço Resumo Original: A presente tese

Leia mais

exposição 25 de Abril

exposição 25 de Abril exposição 25 de Abril 18 Abril - 31 Maio 2001 Fotografias de Alfredo Cunha Legendas de Adelino Gomes Documentos do Arquivo Mário Soares Fundação Mário Soares Rua de S. Bento, 160 todos os dias úteis 14.30-19.30

Leia mais

Prefácio: O Leão e a Joia, de Wole Soyinka

Prefácio: O Leão e a Joia, de Wole Soyinka Prefácio: O Leão e a Joia, de Wole Soyinka A 1ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura, que aconteceu em Brasília, entre 14 e 23 de abril, foi marcada pelo lançamento da obra O Leão e a Joia, do poeta, escritor

Leia mais

Pingos da Língua Portuguesa...

Pingos da Língua Portuguesa... Pingos da Língua Portuguesa... Pequenas doses de Gramática, Literatura e Redação para você... no Rio Branco/Campinas Vol. 3 2011 Gramática Conhecer os verbos é muito importante! Os verbos, por serem palavras

Leia mais

José Craveirinha: nota biobibliográfica *

José Craveirinha: nota biobibliográfica * José Craveirinha: nota biobibliográfica * * Preparada por Nataniel Ngomane José João Craveirinha nasceu a 28 de Maio de 1922, no bairro pobre de Xipamanine, subúrbio de Lourenço Marques hoje Maputo, capital

Leia mais

Frederico Matos Cabral e a Guiné-Bissau: entre as identidades local e diaspórica

Frederico Matos Cabral e a Guiné-Bissau: entre as identidades local e diaspórica II Congresso Nacional Africanidades e Brasilidades 4 a 6 de agosto de 2014 Universidade Federal do Espírito Santo GT 01 Africanidades e Brasilidades em Literaturas Frederico Matos Cabral e a Guiné-Bissau:

Leia mais

Vanguarda europeia Modernismo português

Vanguarda europeia Modernismo português Vanguarda europeia Modernismo português A Semana de Arte Moderna, realizada em São Paulo no ano de 1922, representou um marco no movimento modernista, mas não foi um acontecimento único nem isolado. O

Leia mais

Rede global de interações

Rede global de interações ECONOMIA INFORMACIONAL E GLOBAL ou Rede global de interações Sociedade em rede ( Manuel Castells ) Informacional: a produtividade e a competitividade ( de empresas, regiões e nações ) dependerão basicamente

Leia mais

AS LÓGICAS DO RACISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL

AS LÓGICAS DO RACISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL AS LÓGICAS DO RACISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL I DESCOBRIMENTOS E IDENTIDADE NACIONAL II HISTÓRIA, ESCRAVATURA E RACISMO III LUTAS ANTI-RACISTAS NA EDUCAÇÃO DINAMIZAÇÃO: MARTA ARAÚJO, SILVIA MAESO E LUCIANE

Leia mais

1. ZIMBOS Angola Ilha de Luanda Nácar

1. ZIMBOS Angola Ilha de Luanda Nácar 1. ZIMBOS Angola Ilha de Luanda Nácar Os zimbos eram pequenas conchas recolhidas na ilha de Luanda e usadas como ornamento e moeda corrente no Reino do Congo. São já referidas por Duarte Pacheco Pereira

Leia mais

PERÍODO 83.1 / 87.2 PROGRAMA EMENTA:

PERÍODO 83.1 / 87.2 PROGRAMA EMENTA: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PERÍODO 83.1 / 87.2 EMENTA: Os gêneros literários: divisão e evolução. Caracterização segundo critérios intrínsecos e / ou extrínsecos. A teoria clássica e as teorias modernas

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO, LÍNGUA INGLESA E A RELAÇÃO OPRESSORA COM AS LÍNGUA AFRICANAS

GLOBALIZAÇÃO, LÍNGUA INGLESA E A RELAÇÃO OPRESSORA COM AS LÍNGUA AFRICANAS GLOBALIZAÇÃO, LÍNGUA INGLESA E A RELAÇÃO OPRESSORA COM AS LÍNGUA AFRICANAS Paula de Sousa Costa RESENHA DO LIVRO: RODRIGUES, Ângela. L. A língua inglesa na África: opressão, negociação e resistência. 1

Leia mais

GRUPO I POLÍTICA COLONIAL PORTUGUESA ( ) Este grupo baseia-se na análise dos seguintes documentos:

GRUPO I POLÍTICA COLONIAL PORTUGUESA ( ) Este grupo baseia-se na análise dos seguintes documentos: EXAME HISTÓRIA A 2ª FASE 2008 página 1/5 GRUPO I POLÍTICA COLONIAL PORTUGUESA (1930-1975) Este grupo baseia-se na análise dos seguintes documentos: Doc. 1 Acto Colonial (1930) Doc. 2 Valores do comércio

Leia mais

Um continente com muitas histórias. prof. Thiago

Um continente com muitas histórias.  prof. Thiago Um continente com muitas histórias www.inventandohistoria.com prof. Thiago África em números 22,5% das terras do planeta 10% da população mundial 1% da prod. Industrial do mundo 1/3 dos recursos minerais

Leia mais

Dossiê: Livro Didático e Ensino de História

Dossiê: Livro Didático e Ensino de História Dossiê: Livro Didático e Ensino de História Luciana Rossato* Vanderlei Machado** O número 1 do volume 23 da Revista Cadernos do Aplicação aborda o livro didático de História. Busca situar sua historicidade,

Leia mais

Literatura Brasileira Código HL ª: 10h30-12h30

Literatura Brasileira Código HL ª: 10h30-12h30 Código HL 012 Nome da disciplina VI Turma A 3ª: 07h30-09h30 6ª: 10h30-12h30 Pedro Dolabela Programa resumido Falaremos do romance no Brasil entre 1964 e 1980 sob uma série de perspectivas simultâneas:

Leia mais

SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL. Sessão de Abertura do Seminário A CPLP e a Nova Geografia da Energia Mundial

SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL. Sessão de Abertura do Seminário A CPLP e a Nova Geografia da Energia Mundial INTERVENÇÃO DA SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL BERTA DE MELO CABRAL Sessão de Abertura do Seminário A CPLP e a Nova Geografia da Energia Mundial Lisboa, IDN, 20 de junho de 2013 Só serão

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA JOSEFA DE ÓBIDOS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA JOSEFA DE ÓBIDOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA JOSEFA DE ÓBIDOS ANO LETIVO 2015/2016 INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO DISCILINA DE HISTÓRIA 1. OBJETO

Leia mais

RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS DISSERTATIVOS. História Prof. Guilherme

RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS DISSERTATIVOS. História Prof. Guilherme RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS DISSERTATIVOS História Prof. Guilherme Questão 7 Fuvest 2012 Leia este texto, que se refere à dominação europeia sobre povos e terras africanas. "Desde o século XVI, os portugueses

Leia mais

Governo da República Portuguesa

Governo da República Portuguesa ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO CURSOS PROFISSIONAIS - 12 ºANO (Nota: 72h/ Nota: Planificação sujeita a reajustamentos, após publicação de Horário da Turma e confirmação de horas efetivamente dadas,

Leia mais

UDESC 2017/2 HISTÓRIA. Comentário

UDESC 2017/2 HISTÓRIA. Comentário HISTÓRIA Essa questão apresenta no enunciado a data incorreta (1931) da abdicação de Dom Pedro I, que ocorreu em 1831. Dessa forma, aguardamos o parecer da banca. Erros das demais: Revoltas no período

Leia mais

As dificuldades do acolhimento aos refugiados

As dificuldades do acolhimento aos refugiados Professora Cíntia As dificuldades do acolhimento aos refugiados Professora Cíntia 1 Ninguém Fica de Fora https://www.youtube.com/watch?v=c0kihyd ujos Conceito Refugiados: indivíduo que se mudou para um

Leia mais

Os Impérios e o Poder Terrestre. Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila

Os Impérios e o Poder Terrestre. Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila Os Impérios e o Poder Terrestre Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila A opção terrestre do poder militar Ao estudarmos a história dos impérios, percebe-se

Leia mais

Direito Internacional Público

Direito Internacional Público Direito Internacional Público Atores de DIP, sujeitos das RI Prof. Dr. José Antônio Tietzmann e Silva jates@uol.com.br DIP Atores e sujeitos Estados OI's intergovernamentais Indivíduos Coletividades não-estatais

Leia mais

Escola Estadual Frederico J. Pedrera Neto

Escola Estadual Frederico J. Pedrera Neto Trovadorismo Escola Estadual Frederico J. Pedrera Neto Data 18/08/2016 professora(a); Mirleia Aluno(a); Marcos Vinicius Palmas - To Trovadorismo foi um movimento literário e poético que surgiu na Idade

Leia mais

PLANO DE AULA 06. Flávio Antônio de Souza França Mestrando do Programa do Mestrado Profissional do Ensino de História da UNIRIO

PLANO DE AULA 06. Flávio Antônio de Souza França Mestrando do Programa do Mestrado Profissional do Ensino de História da UNIRIO PLANO DE AULA 06 Flávio Antônio de Souza França Mestrando do Programa do Mestrado Profissional do Ensino de História da UNIRIO Tema: Os sentidos de quilombo ao longo de nossa História Objetivo Geral: Discutir

Leia mais

EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD

EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD CANOAS, JULHO DE 2015 DISCIPLINA PRÉ-HISTÓRIA Código: 103500 EMENTA: Estudo da trajetória e do comportamento do Homem desde a sua origem até o surgimento do Estado.

Leia mais

Representações sociais de Portugal e dos portugueses nos livros didáticos da disciplina de História no ensino fundamental brasileiro

Representações sociais de Portugal e dos portugueses nos livros didáticos da disciplina de História no ensino fundamental brasileiro Representações sociais de Portugal e dos portugueses nos livros didáticos da disciplina de História no ensino fundamental brasileiro João José Saraiva da Fonseca Objetivo Analisar as representações sociais

Leia mais

Instruções para a Prova de HISTÓRIA:

Instruções para a Prova de HISTÓRIA: Instruções para a Prova de : Confira se seu nome e RG estão corretos. Não se esqueça de assinar a capa deste caderno, no local indicado, com caneta azul ou preta. Você terá 4 horas para realizar as provas.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS ESTUDOS DA CULTURA AFRICANA E AFRO- BRASILEIRA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO ENSINO FUNDAMENTAL EM TIMOM-MA

A IMPORTÂNCIA DOS ESTUDOS DA CULTURA AFRICANA E AFRO- BRASILEIRA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO ENSINO FUNDAMENTAL EM TIMOM-MA A IMPORTÂNCIA DOS ESTUDOS DA CULTURA AFRICANA E AFRO- BRASILEIRA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO ENSINO FUNDAMENTAL EM TIMOM-MA Maria do Perpétuo Socorro Lima Viana E-mail: socorroviana_@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CABO VERDE AUDITÓRIO DO CAMPUS DE PALMAREJO 15 E 16 DE MAIO DE 2014 PROGRAMA

UNIVERSIDADE DE CABO VERDE AUDITÓRIO DO CAMPUS DE PALMAREJO 15 E 16 DE MAIO DE 2014 PROGRAMA UNIVERSIDADE DE CABO VERDE AUDITÓRIO DO CAMPUS DE PALMAREJO 15 E 16 DE MAIO DE 2014 PROGRAMA 15 de maio manha 8h30 Acolhimento e boas-vindas 9h00 Sessão de Abertura - Intervenção do Presidente da Comissão

Leia mais

Matriz de Referência de HISTÓRIA - SAERJINHO 5 ANO ENSINO FUNDAMENTAL

Matriz de Referência de HISTÓRIA - SAERJINHO 5 ANO ENSINO FUNDAMENTAL 5 ANO ENSINO FUNDAMENTAL H01 Identificar diferentes tipos de modos de trabalho através de imagens. X H02 Identificar diferentes fontes históricas. X H03 Identificar as contribuições de diferentes grupos

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo UNIFESP Centro de Desenvolvimento do Ensino Superior em Saúde - CEDESS

Universidade Federal de São Paulo UNIFESP Centro de Desenvolvimento do Ensino Superior em Saúde - CEDESS Universidade Federal de São Paulo UNIFESP Centro de Desenvolvimento do Ensino Superior em Saúde - CEDESS TÍTULO DA TESE: A APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Exmo. Senhores Representantes dos ramos das Forças Armadas

Exmo. Senhores Representantes dos ramos das Forças Armadas Exmo. Senhores Representantes dos ramos das Forças Armadas Portuguesas, Senhores Ex-Combatentes, Senhoras e Senhores Convidados, Minhas Senhoras e Meus Senhores, Começo esta minha alocução, dizendo da

Leia mais

Prezados colegas, servidores docentes e técnicoadministrativos

Prezados colegas, servidores docentes e técnicoadministrativos Prezados colegas, servidores docentes e técnicoadministrativos em educação; Queridos alunos e alunas; De forma especial, me dirijo aos novos alunos e alunas que iniciam, em 2015, suas trajetórias como

Leia mais

SUGESTÕES DE OBRAS PARA RECENSÃO CRÍTICA

SUGESTÕES DE OBRAS PARA RECENSÃO CRÍTICA SUGESTÕES DE OBRAS PARA RECENSÃO CRÍTICA A fim de motivar os leitores a colaborarem, incluímos neste número algumas sugestões de obras para recensão. Tal, porém, não significa que não continuemos a ter

Leia mais

Universidade Técnica de Angola

Universidade Técnica de Angola Universidade Técnica de Angola CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS TÓPICOS PARA O EXAME DE PORTUGUÊS ANO ACADÉMICO 2012 I. MORFOLOGIA o Classes de palavras: Determinantes, conjunções e pronominalização. o

Leia mais

OS CONFLITOS MUNDIAIS NA ATUALIDADE

OS CONFLITOS MUNDIAIS NA ATUALIDADE OS CONFLITOS MUNDIAIS NA ATUALIDADE Hoje existem cerca de 30 regiões no mundo onde ocorrem conflitos armados. - Os principais motivos dos conflitos são: Étnicos ETNIA grupo de identidade unido por fatores

Leia mais

ÉTICA E IDENTIDADE. (28/10/2016 às 15h )

ÉTICA E IDENTIDADE. (28/10/2016 às 15h ) ÉTICA E IDENTIDADE (28/10/2016 às 15h ) 1) A identidade negra não surge da tomada de consciência de uma diferença de pigmentação ou de uma diferença biológica entre populações negras e brancas e(ou) negras

Leia mais

ESCOLA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Curso de Psicologia RESUMO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO CURSO DE PSICOLOGIA EVENTOS

ESCOLA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Curso de Psicologia RESUMO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO CURSO DE PSICOLOGIA EVENTOS ESCOLA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Curso de Psicologia RESUMO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO CURSO DE PSICOLOGIA EVENTOS MANAUS AMAZONAS 2016 IDENTIFICAÇÃO Diretor Geral Marcelo José Frutuoso Medeiros Reitor

Leia mais

Literaturas da Guiné-Bissau: Cantando os Escritos da História

Literaturas da Guiné-Bissau: Cantando os Escritos da História Literaturas da Guiné-Bissau: Cantando os Escritos da História Margarida Calafate Ribeiro e Odete Costa Semedo (Org.) Afrontamento (2011) Literaturas da Guiné-Bissau: cantando os escritos da história oferece

Leia mais

III. O INEP e a pesquisa - um olhar analítico

III. O INEP e a pesquisa - um olhar analítico III. O INEP e a pesquisa - um olhar analítico III.1 O INEP: instituição de referência e centro de excelência Peter Karibe Mendy 1 Juntei-me ao INEP em Setembro de 1991. Foi um grande privilégio fazer parte

Leia mais

"Todo dia era dia de Índio, mas agora ele só tem o dia dezenove de abril" (Baby Cunsuelo)

Todo dia era dia de Índio, mas agora ele só tem o dia dezenove de abril (Baby Cunsuelo) MÓDULO 01 LIVRO 01 FORMAÇÃO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA (CONTINUAÇÃO) "Todo dia era dia de Índio, mas agora ele só tem o dia dezenove de abril" (Baby Cunsuelo) A chegada dos portugueses e os primeiros contatos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS NÚCLEO DE APOIO À PESQUISA BRASIL ÁFRICA CENTRO DE ESTUDOS DE LITERATURAS E CULTURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA CELP Curso de atualização:

Leia mais

Revoluções, ideias e transformações econômicas do século XIX. Profª Ms. Ariane Pereira

Revoluções, ideias e transformações econômicas do século XIX. Profª Ms. Ariane Pereira Revoluções, ideias e transformações econômicas do século XIX Profª Ms. Ariane Pereira As transformações na Europa final do século XVIII Ideias Iluministas: liberdade e igualdade; Revolução Francesa estabeleceu

Leia mais

Luís Vaz de Camões. 1º Abs Joana Santos nº2486

Luís Vaz de Camões. 1º Abs Joana Santos nº2486 Luís Vaz de Camões 1º Abs Joana Santos nº2486 Ano lectivo: 2010/2011 Índice.. 2 Introdução...3 Vida de Luís de Camões.. 4 Obra. 5 Conclusão 6 Bibliografia..7 2 Neste trabalho irei falar sobre Luís Vaz

Leia mais

Pós-Modernismo (Poesia)

Pós-Modernismo (Poesia) Pós-Modernismo (Poesia) 1. (ENEM) Meu povo, meu poema Meu povo e meu poema crescem juntos Como cresce no fruto A árvore nova No povo meu poema vai nascendo Como no canavial Nasce verde o açúcar No povo

Leia mais

Delegação da Assembleia da República à União Interparlamentar PORTUGAL 135ª ASSEMBLEIA DA UNIÃO INTERPARLAMENTAR GENEBRA, 23 A 27 DE OUTUBRO DE 2016

Delegação da Assembleia da República à União Interparlamentar PORTUGAL 135ª ASSEMBLEIA DA UNIÃO INTERPARLAMENTAR GENEBRA, 23 A 27 DE OUTUBRO DE 2016 Delegação da Assembleia da República à União Interparlamentar PORTUGAL 135ª ASSEMBLEIA DA UNIÃO INTERPARLAMENTAR GENEBRA, 23 A 27 DE OUTUBRO DE 2016 Discurso do Vice-Presidente da Delegação Permanente

Leia mais

QUEM FAZ E COMO SE FAZ O BRASIL? Professor: Joaldo Dantas de Medeiros Sociologia 3ª Série

QUEM FAZ E COMO SE FAZ O BRASIL? Professor: Joaldo Dantas de Medeiros Sociologia 3ª Série QUEM FAZ E COMO SE FAZ O BRASIL? Professor: Joaldo Dantas de Medeiros Sociologia 3ª Série A SOCIOLOGIA E O MUNDO DO TRABALHO Durkheim, sociólogo francês do final do século XIX, ao observar a vida social

Leia mais

MEMORANDUM ENVIADO AO GOVÊRNO PORTUGUÊS pelo PARTIDO AFRICANO DA INDEPENDÊNCIA (Guiné e Cabo Verde)

MEMORANDUM ENVIADO AO GOVÊRNO PORTUGUÊS pelo PARTIDO AFRICANO DA INDEPENDÊNCIA (Guiné e Cabo Verde) MEMORANDUM ENVIADO AO GOVÊRNO PORTUGUÊS pelo PARTIDO AFRICANO DA INDEPENDÊNCIA (Guiné e Cabo Verde) ( Documento do Arquivo Amílcar Cabral/ Fundação Mário Soares.) O PARTIDO AFRICANO DA INDEPENDÊNCIA (P.A.I.G.C.),

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro Perfil de aprendizagem de História 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Das sociedades recolectoras às primeiras civilizações Das sociedades recolectoras às primeiras sociedades produtoras 1. Conhecer o processo

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Apresentação Professor: Edmilson Nazareno Brito Bate-Papo Sexta-Feira Turma manhã 12h às 12h e 30min. Turma noite 18h às 18h e 30 min. A aula de hoje

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1934

CONSTITUIÇÃO DE 1934 Vargas INTRODUÇÃO Neste livro você vai ler sobre a Era Vargas. Solicitado pela professora Valéria, da disciplina de História, escrito por Manuela Rottava, com caráter avaliativo. Tem destaque nas seguintes

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-IRATI (Currículo iniciado em 2009) LETRAS-PORTUGUÊS

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-IRATI (Currículo iniciado em 2009) LETRAS-PORTUGUÊS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-IRATI (Currículo iniciado em 2009) LETRAS-PORTUGUÊS DIDÁTICA 0545/I C/H 68 A didática e o ensino de línguas. O planejamento e a avaliação escolar no processo

Leia mais

Jeremias significa Deus estabelece

Jeremias significa Deus estabelece Jeremias significa Deus estabelece Jeremias era da tribo de Benjamim. Veio de uma pequena cidade do interior. Embora de família sacerdotal, estava mais ligado às tradições do Norte e não às tradições do

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA Escola Básica Integrada c/ Jardim de Infância Fialho de Almeida, Cuba Ano Lectivo 2007/2008

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA Escola Básica Integrada c/ Jardim de Infância Fialho de Almeida, Cuba Ano Lectivo 2007/2008 Planificação Anual da Área Curricular de História e Geografia de Portugal 5º Ano 1. Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas

Leia mais

LITERATURA: GÊNEROS E MODOS DE LEITURA - EM PROSA E VERSOS; - GÊNEROS LITERÁRIOS; -ELEMENTOS DA NARRATIVA. 1º ano OPVEST Mauricio Neves

LITERATURA: GÊNEROS E MODOS DE LEITURA - EM PROSA E VERSOS; - GÊNEROS LITERÁRIOS; -ELEMENTOS DA NARRATIVA. 1º ano OPVEST Mauricio Neves LITERATURA: GÊNEROS E MODOS DE LEITURA - EM PROSA E VERSOS; - GÊNEROS LITERÁRIOS; -ELEMENTOS DA NARRATIVA. 1º ano OPVEST Mauricio Neves EM VERSO E EM PROSA Prosa e Poesia: qual a diferença? A diferença

Leia mais

DISCIPLINA DE HISTÓRIA

DISCIPLINA DE HISTÓRIA DISCIPLINA DE HISTÓRIA OBJETIVOS: 6º ano Estabelecer relações entre presente e passado permitindo que os estudantes percebam permanências e mudanças nessas temporalidades. Desenvolver o raciocínio crítico

Leia mais

Planificação Anual GR Disciplina Português (Ensino Profissional) 3.º

Planificação Anual GR Disciplina Português (Ensino Profissional) 3.º Planificação Anual GR 300 - Disciplina Português (Ensino Profissional) 3.º Módulo 9: Textos Líricos (Fernando Pessoa ortónimo e heterónimos) 30 horas (40 aulas) Objectivos de Aprendizagem -Distinguir a

Leia mais

Do lugar de cada um, o saber de todos nós 5 a - edição COMISSÃO JULGADORA orientações para o participante

Do lugar de cada um, o saber de todos nós 5 a - edição COMISSÃO JULGADORA orientações para o participante Do lugar de cada um, o saber de todos nós 5 a - edição - 2016 COMISSÃO JULGADORA orientações para o participante Caro(a) participante da Comissão Julgadora da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD - Coordenação de Processos Seletivos COPESE www.ufvjm.edu.br - copese@ufvjm.edu.br UNIVERSIDADE

Leia mais

QUESTÃO 1. Ser senhor de engenho é título a que muitos aspiram, porque traz consigo o ser servido, obedecido e respeitado de muitos.

QUESTÃO 1. Ser senhor de engenho é título a que muitos aspiram, porque traz consigo o ser servido, obedecido e respeitado de muitos. QUESTÃO 1. Ser senhor de engenho é título a que muitos aspiram, porque traz consigo o ser servido, obedecido e respeitado de muitos. ANTONIL, André João, Cultura e opulência no Brasil. Belo Horizonte:

Leia mais