REGRAS E ETAPAS DO PROJECTO AVENTURA NA CIDADE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGRAS E ETAPAS DO PROJECTO AVENTURA NA CIDADE"

Transcrição

1 REGRAS E ETAPAS DO PROJECTO AVENTURA NA CIDADE I CONTEXTO DE JOGO No jogo existe sempre uma história que se passa num espaço/local desconhecido e onde se procura alguém ou alguma coisa. Características do contexto de jogo: - Há alguém (que não o Mestre de Jogo) que pede alguma coisa aos jogadores; - Aquilo que se procura, sendo significativo para o grupo-alvo, é efectivamente encontrado no fim; - A história tem características reais, ou seja, deve ser credível. Porque é que existe um contexto: - Motivação para a adesão ao jogo; - Envolvimento do grupo num enredo comum; - Introdução da noção de competição, o que pode facilitar a união dentro de cada equipa; - Realce da importância de orientarmos as nossas acções em função de objectivos. O contexto pode também ser construído em função dos objectivos de trabalho do Mestre de Jogo; - Permite a noção de continuidade e de ligação à realidade. II - OS GRUPOS/EQUIPAS DA AVENTURA Como constituir as equipas: - Cada equipa deve ter aproximadamente 6 elementos; - As equipas devem ser heterogéneas, tentando promover a complementaridade entre os vários elementos; - É importante que as equipas sejam constituídas de modo a promover o aprofundamento de novas relações entre os jogadores; - Para garantir as anteriores condicionantes as equipas deverão ser manipuladas pelo Mestre de Jogo. 1

2 Porque é que as equipas devem ser heterogéneas: - Aprofundamento das relações entre as pessoas dentro das equipas; - Descoberta dos outros; - Descoberta de nós face aos outros; - Possibilidade de conhecer e experimentar novos papéis. III - DURAÇÃO DO JOGO Tempo aproximado de uma sessão do jogo: cerca de 1h30m Regularidade de aplicação: semanal ou quinzenal Nº de sessões por ciclo de Aventura: entre 6 a 12 sessões, consoante os objectivos que se pretende alcançar. Porque se definiram estas características de duração do jogo: - Hora e meia é o tempo mais ou menos adequado à nossa capacidade de retenção de informação; - A continuidade é essencial, mas com intervalos de tempo capazes de permitirem a elaboração dos conteúdos e a aplicação à realidade; - O espaço temporal entre as aplicações introduz a noção da espera e permite o trabalho da frustração; - Deve haver um nº mínimo de aplicações para permitir o desenvolvimento das competências pretendidas; não devem, no entanto, ultrapassar as cerca de 12 sessões de modo a evitar a desmotivação dos jogadores pelo constante adiar do alcance do objectivo final. IV - FOLHA DE EQUIPA Como preencher a Folha de Equipa: - Deve ser preenchida pelos elementos da equipa e nunca pelo Mestre de Jogo; - Começar pelo preenchimento do nome do grupo, atribuição de um nº a cada elemento da equipa através do lançamento do D6, e criação do logótipo; - Escolha dos materiais (o número de materiais facultados deverá ser igual a metade do nº de jogadores mais 1) e atribuição do dinheiro (50 ); - Distribuição dos materiais escolhidos e do dinheiro pelos jogadores. - A descrição do contexto e o relato das sessões jogadas deve ir sendo registado na parte interior da Folha de Equipa. 2

3 Porque é que existe uma Folha de Equipa: - O nome de equipa e o logótipo promovem a identidade do grupo, bem como o sentimento de pertença ao mesmo; - Os materiais e o dinheiro promovem a capacidade de gestão de recursos comuns, bem como a antecipação de eventuais necessidades; - Todo o processo de preenchimento da Folha de Equipa implica capacidades de tomada de decisão e de negociação no seio do grupo. V DESLOCAÇÃO Como se processa a deslocação: - Os jogadores devem escolher o meio de transporte a utilizar sempre que se deslocarem de um local da cidade para outro; - Esta escolha deve levar em conta o tempo de cada transporte, o seu custo, e o grau de dificuldade para o utilizar (dados disponíveis na tabela de deslocações/custo da folha de equipa); - O tempo de deslocação é contabilizado através do quadriculado do mapa, devendo ser respeitado o circuito de cada transporte; - O tempo calculado é vivido em tempo real; - A equipa não se pode dividir durante a deslocação, devendo portanto chegar a um consenso quanto ao meio de transporte a utilizar; - O custo do transporte deve ser subtraído ao dinheiro que a equipa possui no momento; - Antes de iniciarem a deslocação, os jogadores devem lançar o D20 para saber se conseguem apanhar o transporte de imediato ou se terão de optar entre esperar uns minutos ou encontrar outra alternativa de transporte (dados disponíveis na tabela de deslocações/custo da folha de equipa); Porque existe a deslocação: - Permite a ligação à realidade; - Implica a gestão dos recursos e do tempo; - Promove a negociação e tomada de decisão em grupo; - Desenvolve o raciocínio e competências matemáticas. 3

4 V TAREFA INTERMÉDIA Durante o tempo real de deslocação até ao local da situação, o Mestre de Jogo propõe ao grupo a realização de uma tarefa, a que se dá o nome de tarefa intermédia. Como escolher a tarefa intermédia: - Para cada local de jogo estão descritas nos guiões diferentes sugestões de tarefas que o Mestre de Jogo pode optar por seguir ou não; - Deve ser adequada ao tempo de deslocação previsto e levar em conta o local e a situação que vai ser aplicada; - Deve ir ao encontro dos objectivos que se pretendem trabalhar com o grupo (competências escolares; trabalho de equipa; discussão de temas, etc.); - Pode ser importante que a tarefa intermédia remeta para experiências pessoais dos jogadores relativas ao local de jogo a ser aplicado; Porque existe a tarefa intermédia: - Permite um melhor conhecimento do grupo; - Promove o aquecimento do grupo; - Prepara os jogadores para a situação de jogo; - Permite trabalhar a gestão do tempo; VI - LOCAIS E SITUAÇÕES DE JOGO - Na cidade existem 20 locais de jogo com 4 a 5 situações cada; - Em cada sessão de jogo é aplicada uma situação por equipa; - O local a visitar sendo escolhido pelos jogadores ou induzido pelo Mestre de Jogo, deve ser definido na sessão anterior; - Se várias equipas estiverem a jogar ao mesmo tempo devem estar em locais de jogo diferentes; - Se uma equipa quiser ir a um local onde outra já esteve, poderá fazê-lo noutra sessão e jogando uma situação diferente; - As diferentes situações abordam conteúdos como História (familiar, nacional e mundial), Saúde (primeiros socorros, sida, alcoolismo, etc,...), Ciência e Natureza, Desenvolvimento Pessoal e Social (relação com os outros, emoções), Conhecimento Comunitário (serviços), Gestão de Recursos, etc.; 4

5 - Para escolher a situação de jogo a aplicar deve-se ter em conta a faixa etária dos jogadores bem como os objectivos a trabalhar (consultar a tabela que consta em cada guião referente aos locais de jogo); - Apesar de os locais e situações estarem descritos nos vários guiões, o Mestre de Jogo deve contextualizar e adaptar a aplicação ao grupo e a si próprio. A condução do jogo deve seguir as decisões que os jogadores vão tomando sem, no entanto, perder de vista o objectivo final da situação. VII - ENIGMAS O enigma é uma mensagem que é entregue como recompensa no final da situação de jogo. Características do enigma: - O conteúdo da mensagem deve remeter para o contexto de jogo; - Deve ser apresentado em forma de código; - A entrega do enigma depende da avaliação que o Mestre de Jogo fizer do empenho e desempenho do grupo durante a aplicação; - O decifrar da mensagem deve constituir um desafio aliciante para o grupo. Porque existe o enigma: - Reforça a importância da recompensa e da conquista; - Treina o raciocino dedutivo; - Promove a capacidade de gerir a frustração e adiar a recompensa; - Assegura a continuidade entre as sessões de jogo. VIII. REFLEXÃO O que é vivido na acção só é interiorizado se posteriormente for pensado. Assim, após o término da situação de jogo, deve haver um período de cerca de 30 minutos no qual o grupo conversa e discute sobre o que aconteceu e o que sentiram durante a situação de jogo. O papel do Mestre de jogo é mediar esta discussão. Na reflexão reside grande parte do carácter preventivo do jogo. 5

Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de

Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de Licenciatura em Educação Básica - 1º Semestre O jogo é

Leia mais

Training Course. MBA LEADERSHIP Liderança

Training Course. MBA LEADERSHIP Liderança MBA LEADERSHIP Liderança DESCRIÇÃO Cada vez mais, a liderança assume um papel preponderante no dia-a-dia das nossas empresas. O sucesso de uma equipa está dependente da capacidade de liderança do seu líder.

Leia mais

Excel - Funções Estatísticas

Excel - Funções Estatísticas Excel - Funções Estatísticas DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO 1 Descrição geral: Utilizar funções e fórmulas estatísticas Obtenha informações sobre como utilizar funções e fórmulas

Leia mais

Área: Formação Pessoal e Social. Domínio: Identidade / Auto - estima (5anos)

Área: Formação Pessoal e Social. Domínio: Identidade / Auto - estima (5anos) Domínio: Identidade / Auto - estima (5anos) - No final da educação pré-escolar, a criança identifica as suas características individuais, manifestando um sentimento positivo de identidade e tendo consciência

Leia mais

Potências e logaritmos, tudo a ver!

Potências e logaritmos, tudo a ver! Reforço escolar M ate mática Potências e logaritmos, tudo a ver! Dinâmica 1 2ª Série 1º Bimestre DISCIPLINA SÉRIE CAMPO CONCEITO Aluno Matemática 2ª do Ensino Médio Algébrico simbólico Função Logarítmica

Leia mais

Como começar a Jogar? Para iniciar o jogo a forma mais fácil é ir a e começar a jogar.

Como começar a Jogar? Para iniciar o jogo a forma mais fácil é ir a  e começar a jogar. Manual do Utilizador Como começar a Jogar? Para iniciar o jogo a forma mais fácil é ir a http://mega.ist.utl.pt/~jsnl/sudoku/ e começar a jogar. O que preciso para jogar? Precisa de um computador, ligação

Leia mais

Orientação Vocacional e Coaching Carlos Gomes

Orientação Vocacional e Coaching Carlos Gomes Índice Introdução... 2 Método Orienta... 3 Técnica das frases para completar... 6 Realização do Teste Vocacional... 8 Autoavaliação do Teste Vocacional... 9 Exploração de Valores... 10 Autoconhecimento...

Leia mais

Índice. Página 1 de 32 :: https://fenix.iscte.pt/ C7.01 (ext )

Índice. Página 1 de 32 :: https://fenix.iscte.pt/ C7.01 (ext ) Índice 1 1. Operações de Alunos... 3 1.1. Matricular aluno... 3 1.2. Visualizar alunos... 7 1.2.1. Visualizar dados pessoais... 8 1.3. Matrículas do aluno... 9 1.3.1. Detalhes da matrícula... 9 1.3.1.1.

Leia mais

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA CAMPOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO Como elemento fundamental de preparação da avaliação, solicita-se a cada escola 1 em processo de avaliação que elabore um texto que:

Leia mais

RESPOSTA Princípio Fundamental da contagem

RESPOSTA Princípio Fundamental da contagem RESPOSTA Princípio Fundamental da contagem Monitores: Juliana e Alexandre Exercício 1 Para resolver esse exercício, devemos levar em consideração os algarismos {0, 2, 3, 5, 6, 7, 8 e 9}. Para que esse

Leia mais

ENADE Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes

ENADE Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes ENADE 2015 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes Qual o objetivo do ENADE? O objetivo do ENADE é avaliar o desempenho dos estudantes com relação aos conteúdos programáticos previstos nas diretrizes

Leia mais

International Biocentric Fundation. Escola Catarinense de Biodanza SRT. Plano de Estudo

International Biocentric Fundation. Escola Catarinense de Biodanza SRT. Plano de Estudo 1 International Biocentric Fundation Escola Catarinense de Biodanza SRT Plano de Estudo International Biocentric Fundation PLANO DE ESTUDO Escola Catarinense de Biodanza SRT O ciclo de Formação em Biodanza

Leia mais

Este programa tem o patrocínio exclusivo do Millenium BCP.

Este programa tem o patrocínio exclusivo do Millenium BCP. Duração: 15-20 semanas Público-Alvo: 18-30 anos Descrição: Com o apoio e orientação de professores e voluntários/consultores de negócio, o programa Start-Up fornece uma formação empreendedora a alunos

Leia mais

Potências e logaritmos, tudo a ver!

Potências e logaritmos, tudo a ver! Reforço escolar M ate mática Potências e logaritmos, tudo a ver! Dinâmica 2ª Série º Bimestre Professor DISCIPLINA SÉRIE CAMPO CONCEITO Matemática 2ª do Ensino Médio Algébrico simbólico Função Logarítmica

Leia mais

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ)

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) INTEGRAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICOS SUPERIORES BACHARÉIS, LICENCIADOS E MESTRES CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) GUIA DE CURSO ÍNDICE 1 - Objectivo do curso 2 - Destinatários 3 - Pré-requisitos

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem Conforme o ponto 1 do artigo 128º do Regulamento Interno

Leia mais

ActivALEA. active e actualize a sua literacia

ActivALEA. active e actualize a sua literacia ActivALEA active e actualize a sua literacia N.º 8 PROBABIILIIDADE: PROBLEMAS E SIIMULAÇÕES A probabilidade está presente sempre que estivermos perante um fenómeno aleatório, isto é, um fenómeno para o

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas)

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) DESTINATÁRIOS: O curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores da SALSUS destina-se a 14 formandos por grupo, sendo que deverá cumprir as seguintes

Leia mais

ANIMAÇÃO DE LEITURA THEKA

ANIMAÇÃO DE LEITURA THEKA THEKA O que é? Para que serve? Que objectivos queremos alcançar? Que iniciativas utilizar? Que actividades desenvolver? Que estratégias aplicar? Como avaliar? COMO ENTENDÊ-LA ENTUSIASMAR? ANIMAR? DINAMIZAR?

Leia mais

Manual de Autoavaliação

Manual de Autoavaliação Índice 1 Objetivo... 3 2 Pré-requisitos e acesso ao sistema... 3 2.1 Pré-requisitos... 3 2.2 Acesso ao sistema... 3 3 Primeiro Passo da Autoavaliação verificar se o avaliador já registou data de aceitação...

Leia mais

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE TECNOLOGIAS E CIÊNCIAS Regulamento Olimpíadas Científicas do ISPTEC

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE TECNOLOGIAS E CIÊNCIAS Regulamento Olimpíadas Científicas do ISPTEC INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE TECNOLOGIAS E CIÊNCIAS Regulamento Olimpíadas Científicas do ISPTEC Luanda, Outubro de 2015 ÍNDICE Preâmbulo...3 I. Objectivos...3 II. Elegibilidade...3 III. Comissão

Leia mais

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática 2014/2015 Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática Grupo de trabaho: Professores: Nela Fee (coordenadora) Carla Queiroz (Pré-Escolar) - Rosário Timóteo (1º c) Nuno Tomé (1ºc) - Anabela Hilário

Leia mais

9.º ano, o ano antes da grande mudança! O que ter em conta antes de escolher! Maio, 2014

9.º ano, o ano antes da grande mudança! O que ter em conta antes de escolher! Maio, 2014 9.º ano, o ano antes da grande mudança! O que ter em conta antes de escolher! Maio, 2014 Percursos possíveis para o ensino secundário O Cursos científico-humanísticos Vocacionados para o prosseguimento

Leia mais

2012 / Programa Nestum Rugby nas Escolas. Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque

2012 / Programa Nestum Rugby nas Escolas. Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque 2012 / 2013 Programa Nestum Rugby nas Escolas Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque Introdução O que é o TAG RUGBY? O Tag Rugby é usado como uma alternativa de ensino do rugby de XV nas escolas, ou como

Leia mais

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico.

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. PROJETO ARARIBÁ Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. ABERTURA DE UNIDADE As páginas de abertura levantam

Leia mais

Israel 1994 mundo 2004 Brasil 2006

Israel 1994 mundo 2004 Brasil 2006 AS ORIGENS Os primeiros estudos e aplicações de uma metodologia para desenvolvimento de habilidades cognitivas, sociais, emocionais e éticas por meio de jogos de raciocínio foram iniciados em Israel em

Leia mais

Nenhum a Menos: Integração de um Povo que viveu debaixo das Estrelas... Comunicação Maria Helena Carvalho Dias Pereira

Nenhum a Menos: Integração de um Povo que viveu debaixo das Estrelas... Comunicação Maria Helena Carvalho Dias Pereira Nenhum a Menos: Integração de um Povo que viveu debaixo das Estrelas... Comunicação Maria Helena Carvalho Dias Pereira Nenhum a Menos: Integração de um Povo que viveu debaixo das Estrelas Objectivo da

Leia mais

2. Quais são seus objetivos a curto prazo? E a longo prazo?

2. Quais são seus objetivos a curto prazo? E a longo prazo? As 12 perguntas mais frequentes numa entrevista de emprego Tem uma entrevista de emprego e não sabe o que vão perguntar? Nós daremos uma ajuda para saber o que responder. Leia com atenção, treine e boa

Leia mais

Vem para a Escola de Bicicleta

Vem para a Escola de Bicicleta RELATÓRIO DE ACTIVIDADE Vem para a Escola de Bicicleta Agrupamento: Agrupamento de Escolas de Nery Capucho Escola: E. B. 2/3 Professor Alberto Nery Capucho Ano lectivo: 2005/2006 Data da realização: Maio

Leia mais

O JOGO DOS DISCOS INTRODUÇÃO DISCUSSÃO PROCEDIMENTO ORIENTAÇÃO PARA O PROFESSOR

O JOGO DOS DISCOS INTRODUÇÃO DISCUSSÃO PROCEDIMENTO ORIENTAÇÃO PARA O PROFESSOR MATEMATICA 2 2 O JOGO DOS DISCOS ORIENTAÇÃO PARA O PROFESSOR INTRODUÇÃO Através desse jogo bem interessante o professor pode abordar o conceito de probabilidade geométrica, que normalmente não é visto

Leia mais

NECiFarm Núcleo de Estudantes de Ciências Farmacêuticas da Universidade do Algarve

NECiFarm Núcleo de Estudantes de Ciências Farmacêuticas da Universidade do Algarve II Torneio NECiFarm Regulamento Artigo 1.º Organização e objetivos 1. O II Torneio NECiFarm é uma iniciativa do NECiFarm. 2. O II Torneio NECiFarm é composto por jogos de rua e jogos de sala, nomeadamente

Leia mais

Pega-varetas dos inteiros

Pega-varetas dos inteiros Pega-varetas dos inteiros Desenvolvido por MDMat Mídias Digitais para Matemática EXPERIMENTO PRÁTICO 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Com o apoio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Em parceria com

Leia mais

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM)

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) 1 REDEENSINAR JANEIRO DE 2001 ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Diretora de Conteúdos da

Leia mais

Colégio de Alfragide. Informações 2.º Ano. Ano Letivo 2016/2017 Professor Patrícia Marques

Colégio de Alfragide. Informações 2.º Ano. Ano Letivo 2016/2017 Professor Patrícia Marques Sala 2º ano Colégio de Alfragide Informações 2.º Ano Ano Letivo 2016/2017 Professor Patrícia Marques Equipa Pedagógica Diretor Pedagógico Coordenadora 1º Ciclo Professor Titular Expressão Plástica Educação

Leia mais

informação-exame de recuperação/módulos em atraso

informação-exame de recuperação/módulos em atraso informação-exame de recuperação/módulos em atraso data: 24.06.2016 FÍSICA E QUÍMICA módulo n.º Q1 Estrutura Atómica. Tabela Periódica. Ligação Química curso profissional de Técnico de Gestão e Programação

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA

CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

REGULAMENTO DE PROVA OFICIAL

REGULAMENTO DE PROVA OFICIAL REGULAMENTO DE PROVA OFICIAL Época 2010/11 Basquetebol Masculino e Feminino Página 1 de 8 ÍNDICE I. DISPOSIÇÕES INICIAIS Artigo 1º - Âmbito II. ORGANIZAÇÃO DE PROVAS Artigo 2º - Modelo Competitivo Artigo

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS 1. Âmbito O presente Regulamento visa definir as condições de acesso e financiamento a projectos

Leia mais

Ficha de Referenciais de Formação Específica

Ficha de Referenciais de Formação Específica Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores DOC.5B Ficha de Referenciais de Formação Específica Instruções para Autores Novembro 10 REFERENCIAIS DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA - FICHAS MODELO No cumprimento das

Leia mais

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR Curso: Desporto Ciclo: 1º Ramo: Licenciatura em Desporto Ano: 3º Designação: ECONOMIA E MARKETING DO DESPORTO Créditos: 6 Departamento: Ciências e Tecnologias Tipo: Área

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Competências Específicas / Transversais Competências Específicas / Transversais Escola Secundária com 3.º CEB Poeta Al Berto Código 403192 7520-902 - Sines Ano letivo: 2016 /2017 Departamento de Matemática

Leia mais

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é um requisito obrigatório para a conclusão do curso, realizada no final do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade

Leia mais

2 Guia prático de gestão financeira

2 Guia prático de gestão financeira Joaquim B. de Souza Sumário Apresentação... 3 Objetivo Principal... 4 Introdução... 6 Ferramentas do Microsoft Excel... 7 Lição I Juros Simples... 9 Incidência direta sobre o capital... 9 Lição II - Juros

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Quadriénio 2009/2013 ÍNDICE PREÂMBULO...3 Artigo 1º OBJECTO E ÂMBITO...4 Artigo 2º -COMPOSIÇÃO...4 Artigo 3º -QUADRO DE COMPETÊNCIAS...4 Artigo

Leia mais

Artº - 1º Âmbito. Artº - 2º Objectivos

Artº - 1º Âmbito. Artº - 2º Objectivos REGULAMENTO DE ESTÁGIOS IEP- UCP Artº - 1º Âmbito O presente Regulamento de Estágios é válido para os alunos dos Cursos de Licenciatura em Ciência Política e Relações Internacionais e do Programa de Mestrado

Leia mais

PLANO DE AÇÃO TUTORIAL

PLANO DE AÇÃO TUTORIAL PLANO DE AÇÃO TUTORIAL 2013/ 2014 agrupamentodeescolasdagafanhadaencarnação Índice ÍNDICE... 2 I. INTRODUÇÃO... 3 II. OBJECTIVOS GERAIS... 4 III. PÚBLICO-ALVO... 4 IV. PLANO DE TUTORIA... 4 V. PERFIL DO

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO DESPORTIVO MUNICIPAL DE VILA PRAIA DE ÂNCORA (PELOURO DO DESPORTO)

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO DESPORTIVO MUNICIPAL DE VILA PRAIA DE ÂNCORA (PELOURO DO DESPORTO) REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO DESPORTIVO MUNICIPAL DE VILA PRAIA DE ÂNCORA (PELOURO DO DESPORTO) 1993 1 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO A prática do desporto para todos é uma divisa de essência social

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO. desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto

PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO. desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto Como pode a escola católica promover o desenvolvimento da inteligência espiritual? O A educação deve

Leia mais

Módulo 1 Gestão de stresse

Módulo 1 Gestão de stresse Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.ardh-gi.com Módulo 1 Gestão de stresse 1 Esta apresentação não substitui a leitura dos manuais do

Leia mais

Programa de Matemática 1.º ano

Programa de Matemática 1.º ano Programa de Matemática 1.º ano Introdução A Matemática é uma das ciências mais antigas e é igualmente das mais antigas disciplinas escolares, tendo sempre ocupado, ao longo dos tempos, um lugar de relevo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CAMPUS VI POETA PINTO DO MONTEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E EXATAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CAMPUS VI POETA PINTO DO MONTEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E EXATAS PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR POR PRAZO DETERMINADO O coordenador do Curso de Letras, do Centro de Ciências Humanas e Exatas, da Universidade Estadual da Paraíba - UEPB, no uso de suas

Leia mais

CALCULE SE FOR CAPAZ: Um Jogo de Cartas para Motivar a Aprendizagem de Matemática

CALCULE SE FOR CAPAZ: Um Jogo de Cartas para Motivar a Aprendizagem de Matemática CALCULE SE FOR CAPAZ: Um Jogo de Cartas para Motivar a Aprendizagem de Matemática Paula Martins de Oliveira Instituto de Ciências Matemática e Computação e Instituto de Física de São Carlos paula.moliveira1@gmail.com

Leia mais

CIRCUITO NACIONAL DE RUGBY de 7 Sub 16 e Sub / 2011

CIRCUITO NACIONAL DE RUGBY de 7 Sub 16 e Sub / 2011 CIRCUITO NACIONAL DE RUGBY de 7 Sub 16 e Sub 18 2010 / 2011 O Departamento de Competições da FPR vai organizar o Circuito Nacional de Rugby de 7, para os escalões Sub 16 e Sub 18. Este Circuito realiza-se

Leia mais

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores Fundamentação Este curso apresenta de uma forma clara e recorrendo a uma metodologia teórico-prática, os conhecimentos necessários para a formação de formadores

Leia mais

Evento de corridas, saltos e lançamentos REGULAMENTO 3. COMPOSIÇÃO DAS EQUIPAS 8. RECEPÇÃO DAS EQUIPAS 13. CENTRAL DE INFORMAÇÃO

Evento de corridas, saltos e lançamentos REGULAMENTO 3. COMPOSIÇÃO DAS EQUIPAS 8. RECEPÇÃO DAS EQUIPAS 13. CENTRAL DE INFORMAÇÃO Kids athletics Evento de corridas, saltos e lançamentos REGULAMENTO 1. 6. REGRAS TREINADOR 11. EQUIPAMENTOS 2. QUADRO COMPETITIVO 7. INSCRIÇÃO DOS ATLETAS 12. SEGUROS 3. COMPOSIÇÃO DAS EQUIPAS 8. RECEPÇÃO

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Podcast Conceitos de multiplicação e divisão no sistema monetário e nas medidas de tempo Área Matemática Segmento Ensino Fundamental Programa de

Leia mais

Síntese da Planificação da Área de Português - 2º Ano

Síntese da Planificação da Área de Português - 2º Ano Dias de aulas previstos Período 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 13 13 12 13 2.º período 9 9 9 11 11 3.º período 9 11 10 10 11 Síntese da Planificação da Área de Português - 2º Ano (Carga horária: Português

Leia mais

1ª Jornada 12 Março, Estádio Arsénio Catuna. 16h00m Guia FC vs Associação Academia Alto Colina 16h00m FC Ferreiras vs Imortal DC

1ª Jornada 12 Março, Estádio Arsénio Catuna. 16h00m Guia FC vs Associação Academia Alto Colina 16h00m FC Ferreiras vs Imortal DC GOLFINHOS A 4 EQUIPAS Associação Academia Alto Colina FC Ferreiras 1ª Jornada 12 Março, Estádio Arsénio Catuna Hora 16h00m vs Associação Academia Alto Colina 16h00m FC Ferreiras vs 2ª Jornada 26 de Março

Leia mais

Escola Básica Sande S. Martinho Relatório de avaliação de Atividade

Escola Básica Sande S. Martinho Relatório de avaliação de Atividade Escola Básica Sande S. Martinho Relatório de avaliação de Atividade Tema: Histórias tradicionais Data: 23, 26 e 27 de Maio de 2014 Esta atividade foi realizada no âmbito do projeto Todos juntos podemos

Leia mais

ANEXO PLANO DE AÇÃO PROFESSOR

ANEXO PLANO DE AÇÃO PROFESSOR ANEXO 5.2.2. PLANO DE AÇÃO PROFESSOR Rua Bruxelas, nº 169 São Paulo - SP CEP 01259-020 Tel: (11) 2506-6570 escravonempensar@reporterbrasil.org.br www.escravonempensar.org.br O que é o plano de ação? O

Leia mais

JUDÔ - (Certificado ISO 9001/2008)

JUDÔ - (Certificado ISO 9001/2008) JUDÔ - (Certificado ISO 9001/2008) Objetivos: Promover e desenvolver a prática do judô, contribuindo para a formação integral da criança, proporcionando-lhe melhor qualidade de vida. No tatame, o aluno

Leia mais

2017, ANO OFICIAL PARA VISITAR VISEU

2017, ANO OFICIAL PARA VISITAR VISEU 2017, ANO OFICIAL PARA VISITAR VISEU Síntese informativa apresentada em reunião do Conselho Estratégico do Município, a 4 de janeiro de 2017 2017, ANO OFICIAL PARA VISITAR VISEU Viseu está a ganhar uma

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 O ano de 2005 é o último ano de vigência do I Plano Estratégico para o Desenvolvimento da. Assim sendo, este Plano de Acção constitui, de certa forma, o encerrar de um ciclo

Leia mais

GUIA PARA MONTAR O SEU PRÓPRIO BOLÃO MODELO DE CONTRATO DE ADESÃO GRÁTIS!

GUIA PARA MONTAR O SEU PRÓPRIO BOLÃO MODELO DE CONTRATO DE ADESÃO GRÁTIS! GUIA PARA MONTAR O SEU PRÓPRIO BOLÃO MODELO DE CONTRATO DE ADESÃO GRÁTIS! Tudo o que você precisa saber para ter sucesso montando o seu próprio bolão! Uma cortesia da equipe Lottoland Brasil. ÍNDICE Introdução

Leia mais

MISSÃO DA MIND LAB. Reforçar diversas habilidades cognitivas, sociais, emocionais e éticas.

MISSÃO DA MIND LAB. Reforçar diversas habilidades cognitivas, sociais, emocionais e éticas. MIND LAB MISSÃO DA MIND LAB Reforçar diversas habilidades cognitivas, sociais, emocionais e éticas. Ajudar os alunos se transformarem em indivíduos íntegros e realizados. SOBRE A MIND LAB Fundada em 1994.

Leia mais

APLICAÇÃO DE EQUAÇÃO DO SEGUNDO GRAU COM MATERIAIS MANIPULÁVEIS: JOGO TRILHA DAS EQUAÇÕES

APLICAÇÃO DE EQUAÇÃO DO SEGUNDO GRAU COM MATERIAIS MANIPULÁVEIS: JOGO TRILHA DAS EQUAÇÕES APLICAÇÃO DE EQUAÇÃO DO SEGUNDO GRAU COM MATERIAIS MANIPULÁVEIS: JOGO TRILHA DAS EQUAÇÕES Rafael Pereira da Silva Universidade Estadual da Paraíba rafaelpereira.jt@hotmail.com Jailson Lourenço de Pontes

Leia mais

DOC.4 FORMAÇÃO. de Treinadores. Medidas de Apoio Financeiro às Federações Desportivas. Programa Nacional de

DOC.4 FORMAÇÃO. de Treinadores. Medidas de Apoio Financeiro às Federações Desportivas. Programa Nacional de Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores DOC.4 Medidas de Apoio Financeiro às Federações Desportivas Construção de Referenciais e Conteúdos de Formação Julho 10 INTRODUÇÃO A qualidade da intervenção

Leia mais

Programa de Estudo do Meio / Ciências da Natureza 2º ano

Programa de Estudo do Meio / Ciências da Natureza 2º ano Programa de Estudo do Meio / Ciências da Natureza 2º ano Introdução: Todas as crianças possuem um conjunto de experiências e saberes que foram acumulando ao longo da sua vida, no contacto com o meio que

Leia mais

Descrição do Curso de Verão

Descrição do Curso de Verão Descrição do Curso de Verão Portugal - 1 de 7 - Introdução O BEST Board of European Students of Technology é uma associação sem fins lucrativos, políticos ou religiosos que reúne estudantes de Engenharia,

Leia mais

Curso: Educação de Infância. Tema: Ida à livraria / Planetas Data : 3/ Objectivos Específicos. Actividade proposta 2/3/4/5 anos

Curso: Educação de Infância. Tema: Ida à livraria / Planetas Data : 3/ Objectivos Específicos. Actividade proposta 2/3/4/5 anos Ano lectivo: 2005/2006 Estagiária: Curso: Educação de Infância 4º Ano Educadora Cooperante: Tema: Ida à livraria / Planetas Data : 3/4.04.06 Áreas Domínios Objectivos Gerais Objectivos Específicos Actividade

Leia mais

Objectivo: estimular um diálogo em grupo sobre a qualidade do docente, utilizando uma ficha com questões e conceitos

Objectivo: estimular um diálogo em grupo sobre a qualidade do docente, utilizando uma ficha com questões e conceitos FICHA DE DIÁLOGO Objectivo: estimular um diálogo em grupo sobre a qualidade do docente, utilizando uma ficha com questões e conceitos Dimensão do grupo: 6 ou mais participantes Objectivos da Toolbox: Reflectir

Leia mais

Concurso para a Criação do Hino dos Jogos Desportivos da CPLP

Concurso para a Criação do Hino dos Jogos Desportivos da CPLP Concurso para a Criação do Hino dos Jogos Desportivos da CPLP REGULAMENTO Os Ministros Responsáveis pelo Desporto da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, reunidos em Salvador, Brasil, no dia 3 de

Leia mais

PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016

PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016 PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016 Tema: Mundo dos games Mês: Maio Habilidade Socioemocional: Cooperação e empatia, desafios e lógica Período: 09 a 13 de Maio Duração: até 1h30 Público: Descrição da atividade

Leia mais

FNB Moçambique. Trocos. Manual de Utilizador. como podemos ajudar?

FNB Moçambique. Trocos. Manual de Utilizador. como podemos ajudar? FNB Moçambique Manual de Utilizador Trocos como podemos ajudar? Índice 1. CONCEITO 02 2. SUBSCRIÇÃO 02 3. CONSULTA/ CANCELAMENTO 05 4. MANUTENÇÃO/ALTERAÇÃO 05 Figura 01 02 Figura 02 03 Figura 03 03 Figura

Leia mais

2016 9º Ano do Ensino Básico 11º Ano e 12º Ano do Ensino Secundário

2016 9º Ano do Ensino Básico 11º Ano e 12º Ano do Ensino Secundário Exames Nacionais Saber Compensa Programa de preparação de exames nacionais 2016 9º Ano do Ensino Básico 11º Ano e 12º Ano do Ensino Secundário Rua Maestro Frederico de Freitas, 5ª e B e 9C Loja Alto dos

Leia mais

Guia Gráfico. Conselho da Europa Comissão Europeia A BANDEIRA EUROPEIA

Guia Gráfico. Conselho da Europa Comissão Europeia A BANDEIRA EUROPEIA Guia Gráfico Conselho da Europa Comissão Europeia A BANDEIRA EUROPEIA Desde a sua criação em 1949, o Conselho da Europa teve consciência da necessidade de dotar a Europa de um símbolo com o qual os povos

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais 14 15 Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

INTRODUÇÃO. COMO FAZER O HACCP FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore PREPARAÇÃO E PLANEAMENTO ETAPA 1 INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO. COMO FAZER O HACCP FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore PREPARAÇÃO E PLANEAMENTO ETAPA 1 INTRODUÇÃO ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA MESTRADO EM ENGENHARIA ALIMENTAR SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Sistema de controlo simples e lógico COMO FAZER O FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore Ana Santos,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3ºCICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário ao Pessoal Não Docente

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3ºCICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário ao Pessoal Não Docente ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3ºCICLO DE LOUSADA Avaliação Interna Questionário ao Pessoal Não Docente O pessoal dos serviços de administração e gestão da escola e o pessoal auxiliar de acção educativa e guardas-nocturnos

Leia mais

Essa é a sua página inicial. Na sua barra superior, você encontra um menu de navegação, vamos conhecer na sequência cada um deles.

Essa é a sua página inicial. Na sua barra superior, você encontra um menu de navegação, vamos conhecer na sequência cada um deles. Bem vindo ao seu novo Ambiente Virtual de Aprendizagem! Vamos saber mais como utilizar essa poderosa ferramenta para que você a aproveite ao máximo durante o seu trabalho! TUTORIAL GERAL Visão geral do

Leia mais

Critérios de Avaliação da Disciplina de Geografia - 3º Ciclo

Critérios de Avaliação da Disciplina de Geografia - 3º Ciclo Critérios de Avaliação da Disciplina de Geografia - 3º Ciclo A função de avaliação corresponde à análise cuidada das aprendizagens conseguidas relativamente às planeadas, devendo traduzir-se numa descrição

Leia mais

Criar um recurso para QIM com ActivInspire - Studio

Criar um recurso para QIM com ActivInspire - Studio Como criar um recurso com o Software ActivInspire Studio Depois de abrir o Software ActivInspire deve criar uma nova página, ficheiro Novo e de seguida escolher o formato desejado. Nota: De forma a este

Leia mais

Introdução. Desta afirmação ressaltam dois conceitos que merecem ser explorados: o conceito de eficácia e o da competência.

Introdução. Desta afirmação ressaltam dois conceitos que merecem ser explorados: o conceito de eficácia e o da competência. Treinador Eficaz Resende, R., Fernández, J. J., Aranha, Á., & Albuquerque, A. (2011). Treinador eficaz. In J. Prudente & H. Lopes (Eds.), Seminário Internacional de Desporto e Ciência 2011 (pp. 7). Funchal:

Leia mais

Metodologia do Projecto

Metodologia do Projecto Metodologia do Projecto Índice 1. O Método 2. As Actividades 3. O Projecto 4. Fases da Metodologia do Projecto 5. Papel do Dirigente 6. Notas soltas 1. O Método Escutista Fonte: Escutismo: um sistema educativo,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA A melhoria da eficácia da resposta educativa decorre de uma articulação coerente entre: Projeto Educativo Currículo Plano de Turma Assim, o Plano de Turma, assume a forma

Leia mais

O Campeonato Nacional da 3.ª Divisão é disputado por um número ilimitado de Equipas.

O Campeonato Nacional da 3.ª Divisão é disputado por um número ilimitado de Equipas. Regulamento Variante: Pool Português Disciplina: Bola 8 Competição: Campeonato Nacional 3ª Divisão O Campeonato Nacional da 3.ª Divisão é disputado por um número ilimitado de Equipas. A competição, para

Leia mais

3º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação 7º Ano

3º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação 7º Ano CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO A avaliação do aluno nas diferentes disciplinas e áreas curriculares disciplinares realiza-se em três domínios: afetivo, cognitivo, e psicomotor. Ou, usando uma terminologia

Leia mais

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con SESSÃO DE TREINO 1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de concentração nela envolvidos. Pode ser

Leia mais

APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA

APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA L sa Regulamento de Apoio Financeiro ao Movimento Associativo da Freguesia das Alcáçovas APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA Junta de Freguesia das Alcáçovas Abril 2010 INTRODUÇÃO O movimento

Leia mais

versão /10/14

versão /10/14 versão 11.82-16/10/14 ACESSANDO O PORTAL ACADÊMICO Manual do Professor Para acessar o Portal Acadêmico da PUC-SP, digite em seu browser o endereço Será necessário utilizar as informações de login e senha

Leia mais

AVALIAÇÕES. Este pequeno manual de avaliações servirá como guia para os Docentes e Diretores de Turma (DT)

AVALIAÇÕES. Este pequeno manual de avaliações servirá como guia para os Docentes e Diretores de Turma (DT) AVALIAÇÕES Este pequeno manual de avaliações servirá como guia para os Docentes e Diretores de Turma (DT) Utilizam Propostas? SIM Inicia aqui PROPOSTAS Cada Docente fará o lançamento das suas propostas,

Leia mais

REGULAMENTOS. Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

REGULAMENTOS. Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, 28.5.2014 L 159/41 REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) N. o 574/2014 DA COMISSÃO de 21 de fevereiro de 2014 que altera o anexo III do Regulamento (UE) n. o 305/2011 do Parlamento Europeu e do Conselho

Leia mais

Escola de Ciências e Tecnologia da Universidade de Évora

Escola de Ciências e Tecnologia da Universidade de Évora Plano de actividades para 2013 da Escola de Ciências e Tecnologia da Universidade de Évora JANEIRO 2013 1 Introdução Conforme previsto nos Estatutos da Escola de Ciências e Tecnologia da Universidade de

Leia mais

Nº de jogadores 2 Tempo de jogo 15 minutos Idade a partir dos 10 anos

Nº de jogadores 2 Tempo de jogo 15 minutos Idade a partir dos 10 anos Nº de jogadores 2 Tempo de jogo 15 minutos Idade a partir dos 10 anos 1 Introdução: Neste jogo, cada jogador tem uma família de 3 elementos (Pai,Mãe e filho). Cada membro da família tem uma Escala de Poupança

Leia mais

GESTÃO DE TURMAS. Índice. I Como posso promover a aprendizagem autónoma dos meus alunos através da plataforma? 05

GESTÃO DE TURMAS. Índice. I Como posso promover a aprendizagem autónoma dos meus alunos através da plataforma? 05 GESTÃO DE TURMAS Índice I Como posso promover a aprendizagem autónoma dos meus alunos através da plataforma? 05 1 Atribuir trabalhos aos alunos 05 1.1 Atribuir um trabalho a uma turma 05 1.2 Visualizar

Leia mais

Desenho e cálculo do perímetro de polígonos utilizando o Scratch

Desenho e cálculo do perímetro de polígonos utilizando o Scratch Desenho e cálculo do perímetro de polígonos utilizando o Scratch 1.º ciclo /4.º ano Pedro Silva dezembro de 2011 Planificação das atividades Designação: Desenho e cálculo do perímetro de polígonos utilizando

Leia mais

Guia do Formador de Igualdade de Oportunidades e Manual do Participante

Guia do Formador de Igualdade de Oportunidades e Manual do Participante CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Guia do Formador de Igualdade de Oportunidades e Manual do Participante Produção apoiada pelo Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS), co-financiado

Leia mais

Equiparação a Bolseiro

Equiparação a Bolseiro Instituto Politécnico de Coimbra (IPC) Equiparação a Bolseiro Regulamento Preâmbulo Face ao disposto no artigo 29º- A do Decreto-Lei nº 207/2009, de 31 de Agosto - Estatuto da Carreira do Pessoal Docente

Leia mais