Metodologia do Projecto

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Metodologia do Projecto"

Transcrição

1 Metodologia do Projecto

2 Índice 1. O Método 2. As Actividades 3. O Projecto 4. Fases da Metodologia do Projecto 5. Papel do Dirigente 6. Notas soltas

3 1. O Método Escutista Fonte: Escutismo: um sistema educativo, WOSM O Método Escutista é um enquadramento educativo completo, composto por elementos que se interrelacionam e trabalham em conjunto como um sistema, para fornecer aos jovens um ambiente de aprendizagem rico e activo

4 1. O Método Escutista As 7 Maravilhas do Método Educação pela acção Vida na Natureza Vida em Pequenos Grupos Lei e Promessa Ambiente Simbólico Progressão Pessoal Relação Educativa

5 1. O Método Escutista As 7 Maravilhas do Método Vida na Natureza Ambiente Simbólico Educação pela acção Lei e Promessa Relação Educativa Vida em Pequenos Grupos Progressão Pessoal Lei e Promessa Sistema de Patrulhas Progressão pessoal Mística e simbologia Natureza Educação pela acção (actividades) Apoio Adulto

6 2. Actividades Educativas As actividades são a parte mais visível do Programa; representam o que os jovens fazem no Escutismo (Baden Powell) Uma actividade é um conjunto de experiências que proporciona a cada jovem a oportunidade de adquirir conhecimentos, competências e atitudes que o/a levam a atingir um ou mais objectivos educativos estabelecidos (RAP, WOSM)

7 2. As Actividades Actividades fixas carácter mais permanente (na forma e no conteúdo) contribuem de uma forma geral para atingir os objectivos educativos proporcionam experiências tipicamente escutistas (estão impregnadas dos seus valores) Actividades variáveis a forma e conteúdo variam com os interesses dos jovens permitem atingir claramente, um ou mais objectivos educativos asseguram ir ao encontro dos interesses dos jovens e das necessidades da comunidade Cerimónias, reuniões regulares na Sede, manutenção de espaços de patrulha ou unidade, jogos, canções, Conselhos, tradições... Reciclar papel, fazer uma expedição fotográfica, montar um espectáculo de marionetes, fazer uma apresentação audio-visual, descer um rio... [as constantes de projectos]

8 2. As Actividades Das actividades aos projectos Participação dos Jovens Duração e complexidade

9 3. O Projecto O que é um Projecto? Um conjunto determinado de acções interrelacionadas que se planeiam e implementam com vista a atingir um objectivo último num determinado prazo No Escutimo: a principal ferramenta utilizada para organizar diferentes actividades visando um objectivo comum

10 3. O Projecto Um projecto escutista... é um desafio\ colectivo, tem uma meta clara e um horizonte temporal envolve 4 Fases principais está baseado no uso do Método Escutista incorpora uma variedade de oportunidades de aprendizagem, tem em conta, interesses, talentos, capacidades e necessidades distintas, procura que todos e cada jovem da patrulha ou unidade esteja comprometido no atingir do objectivo através de esforço pessoal

11 3. O Projecto Valor educativo do Método do Projecto Desenvolve a capacidade de dialogar e trabalhar em cooperação com outros Contribui para garantir genuina participação dos jovens nas decisões que lhes dizem respeito e dá-lhes esse treino Desenvolve a responsabilidade Desenvolve o sentido de propósito (efeito motivador) Permite a descoberta de talentos ou a sua busca Permite treinar competências de diversa ordem Cria hábitos de funcionamento em projecto (uteis para a vida contemporânea) Vantagem organizativa: Sistematiza e dá coerência às actividades vividas

12 4. Fases da Metodologia do Projecto Dirigentes +Cons Guias Enriquecimento EQUIPAS Conselho de Grupo Equipas, Conselho de Guias, Comissões Técncias Grupo Conselhos de Grupo e Equipas Idealização e Escolha Preparação Realização Avaliação e Celebração

13 4. Fases da Metodologia do Projecto Fase 1: Idealização e Escolha Motivação e orientação prévia (C.Guias) Importância, o que apresentar Concepção (Patrulhas) Espaço de participação e criatividade Apresentação (Patrulhas/C.Grupo) Oportunidade de expressão Escolha (C.Grupo) Treino da democracia

14 4. Fases da Metodologia do Projecto [Enriquecimento] Feito em 1ª análise pelos dirigentes A valorização da actividade na sua globalidade Que aspectos devem ser reforçados no projecto? Que outros objectivos se podem incluir? Que aspectos operacionais merecem especial atenção? A valorização dos objectivos propostos Que objectivos concretos se querem atingir (v. avaliação) Que actividades se podem sugerir p ser adicionadas? A impregnação na actividade dos valores escutistas Que dimensões educativas se querem trabalhar com as acções? Onde estão presentes os elementos do Método Escutista? A exploração na actividade até ao limite possível do progresso individual Que provas podem ser trabalhadas?

15 4. Fases da Metodologia do Projecto Fase 2: Preparação Em Conselho de Guias Actividades Ateliers Tarefas e Missões Responsabilidades Calendário Recursos (Humanos, Financeiros, Materiais) Contactos Elaboração dum painel final Para quê? Porquê? O quê? Quando? Quem? Como? Onde?

16 4. Fases da Metodologia do Projecto Fase 3: Realização

17 4. Fases da Metodologia do Projecto Fase 4: Avaliação É a fase de extrair o sumo ao que se viveu Feita pelo Grupo e Patrulhas Usar meios criativos e adequados (não é um exame) Duas componentes essenciais: Aspectos operacionais (como correu?) Aspectos educativos (o que se adquiriu?) Reconhecer o progresso feito (ligação com a celebração): etapas de progresso, insígnias de competência Que pistas ficam para o futuro? (próximo Projecto?)

18 5. Papel do Dirigente Estabelecer e manter uma parceria baseada na confiança Disponibilizar orientações que garantam que o projecto é concretizável Incorporar oportunidades de aprendizagem Assegurar progresso educativo a cada jovem Assegurar que os diferentes elementos do Método Escutista vão estando presentes (em particular os valores expressos na Lei) Ir cuidando da motivação e oferecendo apoio Alertar para um ou outro aspecto operacional ou para os timings Ajudar a retirar as lições do que de bom e mau aconteceu

19 6. Notas soltas Uma Unidade não precisa de trabalhar com a Metodologia do Projecto durante todo o ano; pode ser intercalado com um programa de actividades prever num Plano Anual da Secção A duração e complexidade do Projecto depende muito da maturidade da Unidade e do maior ou menor à-vontade a trabalhar desta maneira O que as Patrulhas apresentam como propostas ao Grupo não deve ser um projecto acabado e programado; deve conter as grandes linhas do que consideram ser um projecto aliciante para ser vivido por todos Na Escolha de um Projecto, a solução salada russa (para agradar a todos) é normalmente uma solução pobre; o consenso deve ser procurado (sobre as ideias que estão por trás do visível)

20 Fontes de interesse Essenciais Let s do a Scout Project! WOSM, 2000 Metodologias Educativas das secções CNE A Missão do Escutismo, WOSM, 2000 Complementares RAP Renewed Approach to Programme, WOSM, 2000 Pedagogia do Projecto Manual do Dirigente nº1, CNE, 1993 O empreendimento - Manual do Dirigente nº10, CNE, 1996 Auxiliar do Chefe Escuta, Baden Powell Project Management Guidelines, WAGGGS Textos diversos de Unidades de Formação (CAP)

21 Metodologia do Projecto João Armando Gonçalves

RENOVAÇÃO DA ACÇÃO PEDAGÓGICA e TÉCNICA ESCUTISTA

RENOVAÇÃO DA ACÇÃO PEDAGÓGICA e TÉCNICA ESCUTISTA RENOVAÇÃO DA ACÇÃO PEDAGÓGICA e TÉCNICA ESCUTISTA Alguns mal entendidos têm circulado em torno da Técnica Escutista e de uma sua pretensa ausência no Programa Educativo resultante do processo de Renovação

Leia mais

- Explicar os factores de sucesso do Método Escutista.

- Explicar os factores de sucesso do Método Escutista. O Jogo Escutista Objectivos - Explicar os factores de sucesso do Método Escutista. - Explicar o que é o Jogo Escutista e o que o caracteriza. - Enunciar os seis elementos fundamentais do jogo escutista

Leia mais

2011. Ano Europeu do Voluntariado

2011. Ano Europeu do Voluntariado 2011. Ano Europeu do Voluntariado Projecto de Celebração Enquadramento A Comissão Europeia proclamou o ano de 2011 como Ano Europeu para o Voluntariado. No ano escutista de 2010/2011, o Corpo Nacional

Leia mais

A MISSÃO E FINALIDADES DO ESCUTISMO. 14º CIP Oriental Casa do Gaiato

A MISSÃO E FINALIDADES DO ESCUTISMO. 14º CIP Oriental Casa do Gaiato A MISSÃO E FINALIDADES DO ESCUTISMO 14º CIP Oriental Casa do Gaiato Objectivos da UF Explicar a Missão do Escutismo Descrever os princípios fundamentais do Escutismo Explicar de que modo se vivem na Unidade

Leia mais

ATIVIDADE ESCUTISTA INTERNACIONAL MULTICULTURALIDADE APRENDIZAGEM GEOGRAFIA INTENCIONALIDADE DESAFIO EXPERIÊNCIA INTERAÇÃO

ATIVIDADE ESCUTISTA INTERNACIONAL MULTICULTURALIDADE APRENDIZAGEM GEOGRAFIA INTENCIONALIDADE DESAFIO EXPERIÊNCIA INTERAÇÃO ATIVIDADE ESCUTISTA INTERNACIONAL MULTICULTURALIDADE APRENDIZAGEM GEOGRAFIA INTENCIONALIDADE DESAFIO EXPERIÊNCIA INTERAÇÃO O idoc é uma publicação sobre assuntos que visam contribuir para uma melhor vivência

Leia mais

Índice. Equipa de Animação 3. Objectivos 3. Objectivos 2008/ Calendário de actividades 8

Índice. Equipa de Animação 3. Objectivos 3. Objectivos 2008/ Calendário de actividades 8 Índice Equipa de Animação 3 Objectivos 3 Objectivos 2008/2009 4 Calendário de actividades 8 2 Equipa de Animação Chefe de Unidade: Maria Ester Gomes Pereira CIL: Fernanda Cristina Araújo Ferraz CI: João

Leia mais

TEXTO DE APOIO PARA O FORMANDO

TEXTO DE APOIO PARA O FORMANDO CORPO NACIONAL DE ESCUTAS ESCUTISMO CATÓLICO PORTUGUÊS CURSO DE ININIAÇÃO PEDAGÓGICA (C.I.P.) MANUAL ÁREA C SER DIRIGENTE/EDUCADOR MÓDULO C.1 O PAPEL DO DIRIGENTE C.1.1 U.F. DESENVOLVIMENTO PESSOAL TEXTO

Leia mais

Caros Irmãos Escutas,

Caros Irmãos Escutas, Circular 10-1-107 de 05 de Novembro De: Para: Assunto: Data: Secretário Nacional Pedagógico JJRR, JJNN, Agrupamentos Ano Europeu do Voluntariado 2001 05 de Novembro de 2010 Caros Irmãos Escutas, Em 2009,

Leia mais

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa Nome da prova: Autor(es): Versão: Tipo de aplicação: População: Tempo de aplicação: Objectivos: Materiais incluídos no jogo (kit) completo: Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Portuguesa

Leia mais

Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo. Enriquecimento

Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo. Enriquecimento Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo C Enriquecimento Enriquecimento O Enriquecimento visa a consolidação formativa do Candidato a Dirigente em diversas áreas temáticas

Leia mais

Documento de Enquadramento dos Cursos

Documento de Enquadramento dos Cursos CORPO NACIONAL DE ESCUTAS ESCUTISMO CATÓLICO PORTUGUÊS Documento de Enquadramento dos Cursos Introdução Os princípios do Escutismo estão todos certos. O êxito da sua aplicação depende do Chefe e do modo

Leia mais

Corpo Nacional de Escutas. Agrupamento 1233 Almalaguês

Corpo Nacional de Escutas. Agrupamento 1233 Almalaguês Corpo Nacional de Escutas Agrupamento 1233 Almalaguês Paulo Pinto Ilídio Dionísio Duarte Fachada João Rosado Idalina Rosa João Rosado Paulo Pinto Renato Rosa Alberto Dionísio Duarte Fachada Ilídio Dionísio

Leia mais

Ficha de Inscrição. Agrupamento Silveira. Paróquia de Nossa Senhora do Amparo da Silveira

Ficha de Inscrição. Agrupamento Silveira. Paróquia de Nossa Senhora do Amparo da Silveira Nos agrupamentos do Corpo Nacional de Escutas, a admissão de um novo elemento (aspirante), é um compromisso celebrado entre o movimento escutista e a família do novo elemento. Válido enquanto seja de adesão

Leia mais

Projecto de Experiências Pré- Profissionais

Projecto de Experiências Pré- Profissionais Projecto de Experiências Pré- Profissionais Introdução 3 1. Suporte Legal.3 2. Conceito de Experiências Pré-Profissionais.4 3. Objectivos...4 a) Gerais...4 b) Específicos.. 4 4. Proposta de realização

Leia mais

TEXTO DE APOIO PARA O FORMANDO

TEXTO DE APOIO PARA O FORMANDO CORPO NACIONAL DE ESCUTAS ESCUTISMO CATÓLICO PORTUGUÊS CURSO DE ININIAÇÃO PEDAGÓGICA (C.I.P.) MANUAL ÁREA B PEDAGOGIA GERAL DO ESCUTISMO MÓDULO B.2 O MÉTODO ESCUTISTA B.2.3 U.F. AS METODOLOGIAS EDUCATIVAS

Leia mais

Paulo Cuiça, Agr. 996 Chefe de Clã, Séc. Pedagógico N. Lx Ocidental Jorge Guimarães, Agr. 263 Chefe de Agrupamento, Formador CNE

Paulo Cuiça, Agr. 996 Chefe de Clã, Séc. Pedagógico N. Lx Ocidental Jorge Guimarães, Agr. 263 Chefe de Agrupamento, Formador CNE Formadores Paulo Cuiça, Agr. 996 Chefe de Clã, Séc. Pedagógico N. Lx Ocidental Jorge Guimarães, Agr. 263 Chefe de Agrupamento, Formador CNE Objectivos Novo Programa Educa.vo - Maravilha Método O que é?

Leia mais

5º ACAMPAMENTO REGIONAL ACAREG 2015 VIANA DO CASTELO

5º ACAMPAMENTO REGIONAL ACAREG 2015 VIANA DO CASTELO 5º ACAMPAMENTO REGIONAL ACAREG 2015 VIANA DO CASTELO REGULAMENTO GERAL I FINALIDADES Artigo 1º A realização do V Acampamento Regional de Viana do Castelo (ACAREG 2015), orienta-se pelas seguintes finalidades:

Leia mais

Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO)

Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO) Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO) 1.1 Missão Capítulo 1. Missão e Política A biblioteca escolar no ensino-aprendizagem para todos. A biblioteca escolar proporciona informação e ideias

Leia mais

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma.é nomeado/eleito na primeira reunião de Pais e Encarregados de Educação da Turma; Tem participação nos Conselhos de Turma; É a

Leia mais

Guia auto-avaliação segundo EFQM GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA

Guia auto-avaliação segundo EFQM GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. A METODOLOGIA EFQM E O QUESTIONÁRIO PARA AUTO- AVALIAÇÃO... 4 3. A METODOLOGIA EM PROJECTOS

Leia mais

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA EB1/PE DE ÁGUA DE PENA 2010 2014 1.Introdução 2.Enquadramento legal 3.Diagnóstico avaliação do projecto anterior 4.Identificação de prioridades de intervenção 5.Disposições finais 6.Avaliação 1.Introdução

Leia mais

CORPO NACIONAL ESCUTAS AGRUPAMENTO Nº 990. Plano de Actividades / Orçamento VIANA DO CASTELO. Página 1 de 9

CORPO NACIONAL ESCUTAS AGRUPAMENTO Nº 990. Plano de Actividades / Orçamento VIANA DO CASTELO. Página 1 de 9 CORPO NACIONAL ESCUTAS AGRUPAMENTO Nº 990 ESCUTISMO CATÓLICO PORTUGUÊS 2014 Plano de Actividades / Orçamento VIANA DO CASTELO Página 1 de 9 1 - OBJECTIVOS O Corpo Nacional de Escutas é uma associação de

Leia mais

Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português

Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português Agrupamento 348 Meadela INTRODUÇÃO Em direção ao alto Durante os últimos dois anos, o Corpo Nacional de Escutas (CNE) integrou o tema Somos um que

Leia mais

Um Mundo Uma Promessa

Um Mundo Uma Promessa Um Mundo Uma Promessa www.cne-escutismo.pt escutismo.pt 1 PORQUÊ CELEBRAR O CENTENÁRIO DO ESCUTISMO? 2 Milhões de pessoas da maior parte dos países e das culturas do mundo aderiram à Promessa e à Lei do

Leia mais

Plano de Atividades e Orçamento Ser Escuteiro no ANO DA FÉ. A g r u p a m e n t o Meadela - Viana do Castelo

Plano de Atividades e Orçamento Ser Escuteiro no ANO DA FÉ. A g r u p a m e n t o Meadela - Viana do Castelo Plano de Atividades e Orçamento 2012-2013 Ser Escuteiro no ANO DA FÉ A g r u p a m e n t o 3 4 8 Meadela - Viana do Castelo INTRODUÇÃO Ser Escuteiro no ANO DA FÉ Com o intuito de dar um impulso renovado

Leia mais

Jogo da Glória. Todo o jogador que tenha a sorte de chegar a uma casa em que esteja a cabeça do lobo, avança 9 casas ( até á cabeça do lobo seguinte).

Jogo da Glória. Todo o jogador que tenha a sorte de chegar a uma casa em que esteja a cabeça do lobo, avança 9 casas ( até á cabeça do lobo seguinte). Jogo da Glória Material: - Tabuleiro de jogo; - 2 dados - Peões de várias cores, de acordo com o número de jogadores. - Cartões de Perguntas: 10 Mística e Simbologia 10 Aprender fazendo 10 Progresso Pessoal

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

FASTRACKIDS. Abrir as portas do enriquecimento

FASTRACKIDS. Abrir as portas do enriquecimento FASTRACKIDS Abrir as portas do enriquecimento FasTracKids é: Um programa de enriquecimento que abrirá mais ou menos 50-70 portas do enriquecimento às crianças. FasTracKids é: Uma aprendizagem acelerada

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo. Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo. Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa mluz.antunes@estesl.ipl.pt Missão da Biblioteca Escolar A biblioteca escolar oferece um serviço

Leia mais

Promover condições de empregabilidade das pessoas com deficiências e incapacidades, visando a consagração do direito de exercício pleno da cidadania.

Promover condições de empregabilidade das pessoas com deficiências e incapacidades, visando a consagração do direito de exercício pleno da cidadania. Formação Profissional para Pessoas ou Grupos com Necessidades Especiais Práticas do Centro de Reabilitação Profissional da CERCIPENICHE Cooperativa de Educação e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados de

Leia mais

Caros Irmãos Escutas,

Caros Irmãos Escutas, Circular 10-1-048 de 06 de Abril De: Para: Assunto: Data: Secretário Nacional Pedagógico JJRR, JJNN, Agrupamentos, Mesas dos Conselhos Nacional, Regionais e Núcleo, Formadores Acções de Formação Membros

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Objetivos Gerais Este Curso, homologado pelo IEFP, visa dotar os participantes das técnicas, conhecimentos e competências necessárias á apresentação com sucesso

Leia mais

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con SESSÃO DE TREINO 1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de concentração nela envolvidos. Pode ser

Leia mais

Avaliação de Desempenho Docente

Avaliação de Desempenho Docente Dicas para a elaboração de um Portefólio Avaliação de Desempenho Docente O PORTEFÓLIO deve conter um registo das reflexões e das práticas e deve estar devidamente documentado. 13-04-2008 1 Deve conter:

Leia mais

Gestão baseada no desempenho

Gestão baseada no desempenho Gestão baseada no desempenho Enquadramento conceptual do modelo em aplicação no Centro Hospitalar de Lisboa Central Daniel Ferro 7.12.2007 Modelo de Gestão do desempenho Permite: aumento da produtividade

Leia mais

DEFINIÇÃO, ATIVIDADE E FINALIDADES

DEFINIÇÃO, ATIVIDADE E FINALIDADES NORMAS Artigo 1º DEFINIÇÃO, ATIVIDADE E FINALIDADES a) O Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português promove, para as Secções de Lobitos, Exploradores e Moços, Pioneiros e Marinheiros, Caminheiros

Leia mais

MANUAL PARA COLOACAÇÃO DE INSIGNIAS E DISTINTIVOS

MANUAL PARA COLOACAÇÃO DE INSIGNIAS E DISTINTIVOS COMUNIDADE 130 - BOBADELA [Ano] MANUAL PARA COLOACAÇÃO DE INSIGNIAS E DISTINTIVOS 1 NOTA INTRODUTÓRIA «Não quero saber menos se o escuteiro usa o uniforme ou não, conquanto tenha o coração no seu trabalho

Leia mais

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico 1º Ciclo Ao longo do 1º ciclo do Ensino Básico, todos os alunos devem desenvolver as competências gerais do Ensino Básico. Competências Gerais do Ensino Básico 1. Mobilizar saberes culturais, científicos

Leia mais

B-WITH B-IN. Relacionamento e Sensibilidade. Autonomia. Responsabilidade. Equilíbrio emocional. Auto-estima. Coerência

B-WITH B-IN. Relacionamento e Sensibilidade. Autonomia. Responsabilidade. Equilíbrio emocional. Auto-estima. Coerência B-WITH B-IN Relacionamento e Sensibilidade 04. Valorizo as minhas relações afectivas e demonstro equilíbrio na gestão de conflitos. Comprometo-me com o bem-estar da minha família. Reconheço que existem

Leia mais

Campanha de sensibilização do pnase

Campanha de sensibilização do pnase São Tomé, 28 de Fevereiro de 2017. Campanha de sensibilização do pnase Em alusão a 1 de Março, Dia Africano da Alimentação Escolar, o Ministério da Educação Cultura de São Tomé e Príncipe dá início à campanha

Leia mais

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas Plano de acção 2009-2013 Nota introdutória O plano de acção é um documento orientador onde se conceptualizam e descrevem as metas a atingir num período

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

Caros Dirigentes, Para informações por favor contactem o endereço: Com as melhores saudações escutistas, De:

Caros Dirigentes, Para informações por favor contactem o endereço: Com as melhores saudações escutistas, De: De: Para: Assunto: Chefia do XXIII ACANAC Agrupamentos, Juntas de Núcleo e Juntas Regionais Normas do XXIII ACANAC Data: 15-06-2016 Circular: XXIIIACANAC-001 Caros Dirigentes, Vimos por este meio divulgar

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES 2016/2017

PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES 2016/2017 PLANO DE ATIVIDADES 2016/2017 O Plano Anual de Atividades deve ser entendido como o instrumento da planificação das Atividades escolares, para um ano letivo, no qual estão plasmadas as decisões sobre os

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

Projecto de Actividades na Comunidade

Projecto de Actividades na Comunidade Projecto de Actividades na Comunidade Centro de Actividades Ocupacionais de Machico 1. Projecto de Prestação de Actividades na Comunidade O Centro de Actividades Ocupacionais de Machico, procura desenvolver

Leia mais

RESUMO DOS TRABALHOS FÓRUM DE JOVENS ESCUTEIROS EUROPA/ ÁFRICA PAÍSES OFICIAIS DE LINGUA PORTUGUESA

RESUMO DOS TRABALHOS FÓRUM DE JOVENS ESCUTEIROS EUROPA/ ÁFRICA PAÍSES OFICIAIS DE LINGUA PORTUGUESA RESUMO DOS TRABALHOS FÓRUM DE JOVENS ESCUTEIROS EUROPA/ ÁFRICA PAÍSES OFICIAIS DE LINGUA PORTUGUESA 4 A 12 DE JULHO DE 2010 PRAIA CABO VERDE 1 INTRODUÇÃO O presente documento pretende fazer uma síntese

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

Plano Nacional de Leitura

Plano Nacional de Leitura 2012-2014 Plano Nacional de Leitura 1 I. O que motivou o projeto? Centralidade da leitura Leitura como ponto de partida para: - Aprender (competência transversal ao currículo) - Colaborar - Interagir /

Leia mais

A StartUp BUZZ Mapping the route to your entrepreneurial dreams

A StartUp BUZZ Mapping the route to your entrepreneurial dreams A StartUp BUZZ Mapping the route to your entrepreneurial dreams A StartUp BUZZ é uma organização dedicada a promover o empreendedorismo e inspirar os jovens a adoptarem uma atitude audaz face a um mundo

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA POLÍTICA E ESTRATÉGIAS REGIONAL DA INFORMAÇÃO SANITÁRIA NO ESPAÇO DA CEDEAO PARA O CONSULTOR PRINCIPAL

TERMOS DE REFERÊNCIA POLÍTICA E ESTRATÉGIAS REGIONAL DA INFORMAÇÃO SANITÁRIA NO ESPAÇO DA CEDEAO PARA O CONSULTOR PRINCIPAL TERMOS DE REFERÊNCIA POLÍTICA E ESTRATÉGIAS REGIONAL DA INFORMAÇÃO SANITÁRIA NO ESPAÇO DA CEDEAO PARA O CONSULTOR PRINCIPAL 1. CONTEXTO E JUSTIFICAÇÃO A informação sanitária tem uma importância crucial

Leia mais

CNM - Clube Nacional de Montanhismo Departamento de Montanhismo. Projecto de Regulamento do Departamento INDICE

CNM - Clube Nacional de Montanhismo Departamento de Montanhismo. Projecto de Regulamento do Departamento INDICE INDICE CAPITULO I Objectivos do Departamento CAPITULO II Estrutura do Departamento de Montanhismo - SECÇÃO I Assembleia de Montanheiros - SECÇÃO II Direcção do Departamento - SECÇÃO III Conselho Técnico

Leia mais

CNE REGIÃO AÇORES Departamento de Formação

CNE REGIÃO AÇORES Departamento de Formação 1 Grupo de Questões: Responde duma forma espontânea e sincera, tomando uma posição clara em cada uma das questões que se seguem. 1. Quero candidatar-me a Dirigente/Educador do C.N.E., porquê? Por opção

Leia mais

Boletim Electrónico de Informação. do Corpo Nacional de Escutas - Escutismo Católico Português. (Edição de 24/09/2008)

Boletim Electrónico de Informação. do Corpo Nacional de Escutas - Escutismo Católico Português. (Edição de 24/09/2008) Notíci@s091 Boletim Electrónico de Informação do Corpo Nacional de Escutas - Escutismo Católico Português (Edição de 24/09/2008) JUNTA CENTRAL Seminário "CNE - Que Futuro?" As inscrições para o Seminário

Leia mais

REGRAS E ETAPAS DO PROJECTO AVENTURA NA CIDADE

REGRAS E ETAPAS DO PROJECTO AVENTURA NA CIDADE REGRAS E ETAPAS DO PROJECTO AVENTURA NA CIDADE I CONTEXTO DE JOGO No jogo existe sempre uma história que se passa num espaço/local desconhecido e onde se procura alguém ou alguma coisa. Características

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

Guião de exploração pedagógica painel 8. Autoria: Maria José Marques

Guião de exploração pedagógica painel 8. Autoria: Maria José Marques Autoria: Maria José Marques A Exposição Itinerante Santillana é da autoria de Maria José Marques e foi exibida pela primeira vez na Universidade de Verão Santillana, nos dias 9, 10 e 11 de julho de 2012,

Leia mais

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional (PAP)

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional (PAP) ESCOLA SECUNDÁRIA D. MANUEL I 7800-478 BEJA Regulamento da Prova de Aptidão Profissional (PAP) CURSOS PROFISSIONAIS Artigo 1.º Enquadramento Legal O Decreto-Lei nº 74/2004, de 26 de Março, rectificado

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES Outubro / Dezembro 2009

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES Outubro / Dezembro 2009 FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES Outubro / Dezembro 2009 OBJECTIVOS GERAIS Visa-se com este programa a melhoria da qualidade da formação profissional, através da aquisição e do desenvolvimento

Leia mais

União dos Escoteiros do Brasil CICLO DE PROGRAMA RAMO ESCOTEIRO

União dos Escoteiros do Brasil CICLO DE PROGRAMA RAMO ESCOTEIRO União dos Escoteiros do Brasil CICLO DE PROGRAMA RAMO ESCOTEIRO O CICLO DE PROGRAMA O ciclo de programa é a forma como se articulam as atividades Um ciclo de programa tem 4 fases sucessivas Em um ano,

Leia mais

Programa Eco-Escolas. Direcção Regional do Ambiente. III Encontro Regional de Eco-Escolas Calheta 2 de Outubro de 2009

Programa Eco-Escolas. Direcção Regional do Ambiente. III Encontro Regional de Eco-Escolas Calheta 2 de Outubro de 2009 Programa Eco-Escolas Direcção Regional do Ambiente III Encontro Regional de Eco-Escolas Calheta 2 de Outubro de 2009 Programa Eco-EscolasEscolas A metodologia do Programa Eco-Escolas envolve a adopção

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas)

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) DESTINATÁRIOS: O curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores da SALSUS destina-se a 14 formandos por grupo, sendo que deverá cumprir as seguintes

Leia mais

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores do 1º Ciclo do Ensino Básico da ESEG

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores do 1º Ciclo do Ensino Básico da ESEG Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores do 1º Ciclo do Ensino Básico da ESEG De acordo com o documento orientador de 2005 e o An para o 1º e 2º anos, 2 B elaborados pela Comissão de

Leia mais

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Iª JORNADAS IGOT DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Maria Helena Esteves 7 de Setembro de 2013 Apresentação O que é a Educação para a Cidadania Educação

Leia mais

CARTA DOS DIREITOS E DEVERES COMUNIDADE EDUCATIVA

CARTA DOS DIREITOS E DEVERES COMUNIDADE EDUCATIVA MMA CARTA DOS DIREITOS E DEVERES CENTRO SOCIAL NOSSA SENHORA DO AMPARO Aprovado em Reunião de Direção a 07 /01 /2014 INTRODUÇÃO O CSNSA focaliza todo o seu trabalho no cliente, individualizando e personalizando

Leia mais

Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT

Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT - 2010 Grau de Satisfação para Colaboradores sobre a Satisfação Global Nº de inquéritos recebidos 90 P1. Imagem global da organização. 0 2

Leia mais

Acreditamos no seu envolvimento e dedicação à sua realização e confiamos no seu sucesso.

Acreditamos no seu envolvimento e dedicação à sua realização e confiamos no seu sucesso. ATIVIDADE INTEGRADORA CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO ESCOLAR CIRCUITO: 9 PERIODO: 7º Caro (a) aluno (a), Esta atividade deverá ser desenvolvida individualmente

Leia mais

Plano e Orçamento 2015

Plano e Orçamento 2015 Plano e Orçamento 2015 a Oportunidade de celebrar Onde houver justiça, aí haverá sabedoria, e onde houver sabedoria, aí está o paraíso. Santo António 1 Introdução No presente ano apresentamos um projeto

Leia mais

PARCERIAS. Pág 1. Relação de colaboração entre duas ou mais pessoas com vista à realização de um objectivo comum.

PARCERIAS. Pág 1. Relação de colaboração entre duas ou mais pessoas com vista à realização de um objectivo comum. PARCERIAS OBJECTIVOS COLABORAÇÃO CO-RESPONSABILIDADE APRENDIZAGEM COOPERAÇÃO Parceria: Relação de colaboração entre duas ou mais pessoas com vista à realização de um objectivo comum. Parceria no Escutismo

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2010/2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2010/2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2010/2011 O Plano Anual de Actividades deve ser entendido como o instrumento da planificação das actividades es, para um ano lectivo, no qual estão plasmadas as decisões sobre os objectivos

Leia mais

10/8/2011. Administração de Recursos Humanos TREINAMENTO: DESENVOLVIMENTO: Concluindo: T&D é o processo educacional aplicado de

10/8/2011. Administração de Recursos Humanos TREINAMENTO: DESENVOLVIMENTO: Concluindo: T&D é o processo educacional aplicado de TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL Administração de Recursos Humanos É o processo de desenvolver qualidades nos RHs para habilitá-los a serem mais produtivos e contribuir melhor para o alcance dos

Leia mais

BIBLIOTECAS ESCOLARES

BIBLIOTECAS ESCOLARES PLANO DE AÇÃO BIBLIOTECAS ESCOLARES Agrupamento de Escolas da Moita 1 As Bibliotecas Escolares assumem, para além das funções informativa, educativa, cultural e recreativa, o papel de adjuvante do aluno,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ACÇÃO TIPO: Formação Pedagógica Inicial de Formadores PÚBLICO ALVO: Futuros formadores, formadores sem formação pedagógica. DURAÇÃO: 96 Horas N.º de ACÇÕES: 1

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DE LEITURA DO AGRUPAMENTO

PLANO DE PROMOÇÃO DE LEITURA DO AGRUPAMENTO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO PLANO DE PROMOÇÃO DE LEITURA DO AGRUPAMENTO A leitura um bem essencial Para viver com autonomia, com plena consciência de si próprio e dos outros, para poder tomar

Leia mais

DEPARTAMENTO TÉCNICO FORMAÇÃO DESPORTIVA DOS JOVENS PRATICANTES

DEPARTAMENTO TÉCNICO FORMAÇÃO DESPORTIVA DOS JOVENS PRATICANTES DEPARTAMENTO TÉCNICO PROJECTO FORMAÇÃO DESPORTIVA DOS JOVENS PRATICANTES ÍNDICE I. INTRODUÇÃO II. OBJECTIVOS III. APLICAÇÃO ÉPOCA 2010/2011 I. INTRODUÇÃO É urgente perceber que a competição e formação

Leia mais

I (Comunicações) CONSELHO

I (Comunicações) CONSELHO I (Comunicações) CONSELHO Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, sobre o reconhecimento do valor da aprendizagem não formal e informal no domínio

Leia mais

Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo. Formação Geral de Pedagogia Escutista

Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo. Formação Geral de Pedagogia Escutista Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo C Formação Geral de Pedagogia Escutista Formação Geral de Pedagogia Escutista A Formação Geral de Pedagogia Escutista consiste num

Leia mais

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho.

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. Finalidades Identificar pontos fortes e fracos e oportunidades de

Leia mais

XXXI ENCONTRO NACIONAL DE TEATRO NA ESCOLA

XXXI ENCONTRO NACIONAL DE TEATRO NA ESCOLA ESCOLA BÁSICA 2,3/S DR. MANUEL RIBEIRO FERREIRA Projecto para a organização do XXXI ENCONTRO NACIONAL DE TEATRO NA ESCOLA Alvaiázere, 1. ENTIDADE PROMOTORA IDENTIFICAÇÃO: Escola Básica 2,3/S Dr. Manuel

Leia mais

ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES

ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES Documento de trabalho para Discussão entre os trabalhadores, Conselho Técnico e Direcção 1 OBJECTIVO DO CÓDICO Organizar um quadro de referência

Leia mais

Corpo Nacional de Escutas Junta Regional de Braga

Corpo Nacional de Escutas Junta Regional de Braga De: Para: Assunto: Data: Geração Sem Medo Lobitos, Exploradores, Pioneiros, Caminheiros e Dirigentes ARAE 2015 Oportunidades Educativas 07/10/2015 Corpo Nacional de Escutas Junta Regional de Braga Oportunidades

Leia mais

De acordo com o lema A variedade dá sabor à vida, elaboramos a seguinte planificação anual, tendo em conta a articulação horizontal.

De acordo com o lema A variedade dá sabor à vida, elaboramos a seguinte planificação anual, tendo em conta a articulação horizontal. PRIMEIRO PERÍODO PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DO 1.º CICLO ANO LETIVO 2011-2012 De acordo com o lema A variedade dá sabor à vida, elaboramos a seguinte planificação anual, tendo em conta a articulação horizontal.

Leia mais

CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC)

CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC) CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC) 1. Missão A RCRC tem por missão facilitar o acesso a informação estratégica, em vários suportes, aproximar e criar interfaces entre

Leia mais

Apoio ao Empreendedorismo

Apoio ao Empreendedorismo Apoio ao Empreendedorismo Participação gratuita Actividades de apoio ao empreendedorismo para jovens e adultos programa de 8 dias Mais Informações em www.cm-coimbra.pt ou pelo Telef. 239 828 078 (Cristela

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE 9 de Janeiro de 2010 1 Modelo CRITÉRIOS RIOS MEIOS CRITÉRIO 1. LIDERANÇA, PLANEAMENTO E ESTRATÉGIA Como a gestão desenvolve e prossegue a missão, a visão e os valores da

Leia mais

- Identificar as formas de gestão e de tomadas de decisão dentro da organização escolar

- Identificar as formas de gestão e de tomadas de decisão dentro da organização escolar Disciplina: Gestão e Organização Escolar Código da Disciplina: EDU336 Curso: Pedagogia Período: 6º Faculdade Responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir de: 2015 Número de créditos: 05 Horas-aula:

Leia mais

BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010

BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010 BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010 ONTEM... tendo magníficas colecções de informação, um ambiente físico inspirador ou uma rede avançada de tecnologia de informação.

Leia mais

Orientações para a PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA (PIP)

Orientações para a PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA (PIP) Orientações para a PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA (PIP) Avaliação do Projeto de Intervenção O Projeto de Intervenção tem a ponderação de 30% na Avaliação Final do formando. PROPOSTA DE INTERVENÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONSULTA PSICOLÓGICA E EXAME PSICOLÓGICO Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONSULTA PSICOLÓGICA E EXAME PSICOLÓGICO Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular CONSULTA PSICOLÓGICA E EXAME PSICOLÓGICO Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Psicologia Clínica 3. Ciclo

Leia mais

(Extracto do Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro)

(Extracto do Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro) (Extracto do Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro) (...) SECÇÃO IV RECURSOS EDUCATIVOS Artigo 102.º Centros de Recursos Educativos 1. O Agrupamento de Escolas Venda do Pinheiro

Leia mais

Objetivos. Público Alvo

Objetivos. Público Alvo Objetivos Desenvolver competências de gestão do fator humano na liderança de projetos. Compreender a natureza estratégica da gestão de mudanças a fim de reduzir antagonismos e ampliar o engajamento para

Leia mais

PESSOA A CONTACTAR Nome telefone/ telemóvel

PESSOA A CONTACTAR Nome telefone/ telemóvel INSERRALVES Incubadora de Indústrias Criativas FORMULÁRIO DE CANDIDATURA A preencher pela Fundação de Serralves Entidade receptora Data de recepção DESIGNAÇÃO DO PROJECTO Nome Actividade PESSOA A CONTACTAR

Leia mais

Ser capaz de planificar e desenvolver um projecto de Expressão Dramática.

Ser capaz de planificar e desenvolver um projecto de Expressão Dramática. Curso Animação Sociocultural Ano letivo 2015/2016 Unidade Curricular Ateliê de Expressão Dramática ECTS 6 Regime Obrigatório Ano 3.º Semestre 2.º semestre Horas de trabalho globais Docente (s) Marisa Filipa

Leia mais

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Prof. Saravalli OBJETIVOS 08/03/2016

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Prof. Saravalli OBJETIVOS 08/03/2016 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Prof. Saravalli ademir_saravalli@yahoo.com.br O comportamento organizacional é um campo de estudos que investiga o impacto que indivíduos, grupos e a estrutura têm sobre o

Leia mais

III ACAMPAMENTO DE NÚCLEO NÚCLEO TERRAS DE SANTA MARIA REGIÃO DO PORTO

III ACAMPAMENTO DE NÚCLEO NÚCLEO TERRAS DE SANTA MARIA REGIÃO DO PORTO REGULAMENTO Preâmbulo O III Acampamento do Núcleo Terras de Santa Maria, Região do Porto, CNE, é uma atividade da responsabilidade do Corpo Nacional de Escutas Junta Núcleo Terras de Santa Maria, com a

Leia mais

CLÍNICAS FORENSES SOCIEDADES COMERCIAIS

CLÍNICAS FORENSES SOCIEDADES COMERCIAIS CLÍNICAS FORENSES SOCIEDADES COMERCIAIS Fevereiro 2006 ÍNDICE 1. Boas Vindas 3 2. Horário e Funcionamento 4 3. Metodologia das Sessões 5 4. Programa 6 5. Calendarização das Sessões 7 6. Objectivos e Planificação

Leia mais

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional REGULAMENTO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL Cursos Profissionais (para os cursos criados ao abrigo do Dec-Lei 74/2004, de 26 de Março, e de acordo com a portaria 550-C/2004, de 21 de Maio e Despacho nº

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 O ano de 2005 é o último ano de vigência do I Plano Estratégico para o Desenvolvimento da. Assim sendo, este Plano de Acção constitui, de certa forma, o encerrar de um ciclo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS, DESENVOLVIMENTO LOCAL E PARCERIAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS, DESENVOLVIMENTO LOCAL E PARCERIAS Lisboa, 10 de Dezembro 2007 DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS, DESENVOLVIMENTO LOCAL E PARCERIAS LIÇÕES DE UMA DÉCADA DE EXPERIMENTAÇÃO Alberto Melo Delegado Regional IEFP, Delegação Regional do Algarve

Leia mais