5º Ano Corpo em transformação Objectivos Gerais Objectivos específicos Actividades sugeridas Tempo previsto ACTIVIDADE 1: ACTIVIDADE 2:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "5º Ano Corpo em transformação Objectivos Gerais Objectivos específicos Actividades sugeridas Tempo previsto ACTIVIDADE 1: ACTIVIDADE 2:"

Transcrição

1 5º Ano Corpo em transformação Objectivos Gerais Objectivos específicos Actividades sugeridas Tempo Saber gerir a mudança Reconhecer experiências de mudança Partilhar experiências de mudança ACTIVIDADE 1: - Distribuir a folha de exercício: É capaz de descobrir uma pessoa que. - Os alunos reunidos em pequeno grupo vão descobrir pessoas que tenham experimentado as mudanças indicadas na folha de exercício. - O porta-voz de cada grupo refere uma mudança que tenha identificado. Os elementos da turma que experimentaram essa mudança levantam-se. - Registo escrito das mudanças referidas. ACTIVIDADE 2: - Na sequência da actividade 1, cada aluno vai escolher uma situação de mudança que viveu e descrever os sentimentos que a acompanharam, tanto positivos como negativos. - Distribuir a folha O processo de mudança, explicar e solicitar aos alunos que assinalem o que sentiram. - Discussão dos resultados. 23

2 Compreender as mudanças fisiológicas e emocionais próprias da sua idade Identificar transformações do seu próprio corpo. ACTIVIDADE 3: - Organizar com os alunos um álbum das suas fotografias, desde o nascimento até à actualidade (poderá ser em papel ou digital). ACTIVIDADE 4: - Com o álbum presente os alunos em pequeno grupo descrevem as mudanças físicas e posteriormente as emocionais. - O porta-voz de cada grupo apresenta os resultados. - Debate em grupo-turma. 24

3 Ser capaz de definir os seus sentimentos Compreender as suas emoções Criar o gosto pela descoberta das suas emoções ACTIVIDADE 5: - Propor que cada aluno se lembre de três pessoas de quem tenha gostado muito e que já não gosta tanto, e de três pessoas de quem gosta e sempre gostou. - Pensar nos motivos pelos quais deixou de gostar, e sobre os motivos pelos quais continua a gostar. - Elaborar, em pequeno grupo, palavras-chave que identifiquem os sentimentos envolvidos em cada uma das situações. - No grupo-turma construir um painel que englobe os sentimentos em duas categorias: Porque gosto e Porque não gosto. Desenvolver o conhecimento psicoafectivo sobre si próprios e sobre os outros ACTIVIDADE 6: - Com base na actividade 5, fazer o inventário das sensações obtidas quando: 1. gostam de nós 2. não gostam de nós - Cada aluno regista três tipos de sensações. - Colocar as sensações num painel e fazer a análise e discussão. Desenvolver atitudes de compreensão e respeito pelos sentimentos e emoções de cada um 25

4 Compreender a importância dos sentimentos na nossa sexualidade Identificar vários tipos de relações sentimentais ACTIVIDADE 7: - Visualização do filme Uma Vida de insecto ACTIVIDADE 8: - Conclusão do filme. -Preenchimento e discussão do guião ACTIVIDADE 9: - Escrever no quadro as palavras, amizade, amor, partilha e pedir aos alunos que sugiram outras palavras a elas associadas Elaboração de listas - Construir, com o grupo-turma, uma definição para cada uma das palavras. Compreender o tipo de sentimentos que podem estar envolvidos nas diferentes relações - Dividir a turma em pequenos grupos para a elaboração de cartas em cada uma destas áreas. 26

5 ACTIVIDADE 10: - Apresentação das cartas à turma, segundo o critério definido entre a turma e o professor, devendo ser respeitada a recusa de alguns alunos. - Elaboração de um painel com as cartas escritas na turma. Prevenir maus tratos e situações abusivas Identificar situações abusivas Identificar comportamentos preventivos em relação a situações abusivas ACTIVIDADE 11: - Distribuir por grupos noticias alusivas a situações de bullying na escola, a raptos de crianças - Após a leitura, em grupo, das notícias distribuídas, entregar um guião de exploração de cada situação. - O porta-voz de cada grupo apresenta a situação que lhe foi distribuída assim como o guião preenchido. ACTIVIDADE 12: - Recordar as conclusões de cada grupo (actividade 11). - Os alunos elaboram, em pequeno grupo, uma listagem de formas de resolver cada situação. - O porta-voz de cada grupo apresenta a sua listagem à turma. - Debate final. 27

6 Conhecer as regras de higiene corporal e promover a sua prática Tomar gosto por cuidar do corpo ACTIVIDADE 13: - Brainstorming sobre a questão: Cuidar bem/ cuidar mal do corpo. (alimentação, agasalhos, exposição ao sol, prática desportiva, lavar cuidadosamente, lavar os dentes, banho diário.) - Explicar, através de diapositivos ou vídeo, a necessidade de cuidarmos da nossa higiene pessoal e a forma como o devemos fazer (na aula de Ciências da Natureza, poderá ser feito o trabalho experimental sobre higiene das mãos cultura de microrganismos em meio de agár) - Debate sobre as consequências de uma má higiene corporal e de cuidados insuficientes do corpo. ACTIVIDADE 14: - Dividir a turma em 4 grupos para encontrar características de: 1. um rapaz com bons hábitos de higiene 2. uma rapariga com bons hábitos de higiene 3. um rapaz com maus hábitos de higiene 4. uma rapariga com maus hábitos de higiene Deverá propor-se que os alunos abordem aspectos como a descrição da rotina diária pessoal em relação à higiene e lista de objectos pessoais de higiene. - No final cada grupo afixa e apresenta o seu trabalho. - Debate final 28

Métodos de Estudo & Investigação Científica. Elaborando um projeto de pesquisa

Métodos de Estudo & Investigação Científica. Elaborando um projeto de pesquisa Elaborando um projeto de pesquisa A pesquisa é a realização concreta de uma investigação planeada, desenvolvido e redigida de acordo com as normas das metodologias consagradas pela ciência; Requerida quando

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) PLANIFICAÇÃO ANUAL 8º ANO ANO LETIVO 2013/2014

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) PLANIFICAÇÃO ANUAL 8º ANO ANO LETIVO 2013/2014 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) PLANIFICAÇÃO ANUAL 8º ANO ANO LETIVO 2013/2014 Previsão de aulas 8º B Aulas previstas 33 1º Período 14 2º Período 12 3º Período 7 Planificação anual resumida

Leia mais

TECNOLOGIAS APLICADAS

TECNOLOGIAS APLICADAS ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO Ano Lectivo: 2009/2010 CURSO PROFISSIONAL DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES TECNOLOGIAS APLICADAS 12 ANO - Turma TE Professor: Ana Lisa Rodrigues Grupo: 0 Tecnologias

Leia mais

Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar da Nazaré. Atividade de Enriquecimento Curricular TIC. Pré-Escolar Nenúfares

Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar da Nazaré. Atividade de Enriquecimento Curricular TIC. Pré-Escolar Nenúfares Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar da Nazaré Atividade de Enriquecimento Curricular TIC Pré-Escolar Nenúfares Docente: Telma Sá Ano Letivo: 2015/2016 1 O saber é um processo, não é um produto. Jerome

Leia mais

TESTES SOCIOMÉTRICOS

TESTES SOCIOMÉTRICOS TESTES SOCIOMÉTRICOS Docente: Mestre Mª João Marques da Silva Picão Oliveira TESTES SOCIOMÉTRICOS * O Teste Sociométrico ajuda-nos a avaliar o grau de integração duma criança/jovem no grupo; a descobrir

Leia mais

Tipos de investigação educacional diferenciados por:

Tipos de investigação educacional diferenciados por: Bento Março 09 Tipos de investigação educacional diferenciados por: Praticalidade Básica Aplicada Método Qualitativo Quantitativo Experimental Não experimental Questões Etnográfica Histórica Descritiva

Leia mais

Teste diagnóstico TERRA NO ESPAÇO CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SOCIEDADE AMBIENTE. OBSERVAÇÃO: Grelhas de observação. Listas de verificação.

Teste diagnóstico TERRA NO ESPAÇO CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SOCIEDADE AMBIENTE. OBSERVAÇÃO: Grelhas de observação. Listas de verificação. ANO: 7º ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/5 TERRA NO ESPAÇO 2 Teste diagnóstico CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SOCIEDADE AMBIENTE E - Ciência produto da actividade humana. - Ciência e conhecimento do Universo. - Compreender

Leia mais

Modelo Comportamental

Modelo Comportamental MEDIDA 2.2 - Cursos de Educação e Formação de Adultos Modelo Comportamental Documento de apoio 3 Diagrama Entidade Relação Curso de Educação e Formação de Adultos Turma de Qualificação Escolar de Nível

Leia mais

CIÊNCIAS NATURAIS 8º ANO ANO LETIVO 2015/2016 PLANO DE ESTUDOS. O aluno, no final do 8.º ano, deve atingir os objetivos em seguida apresentados:

CIÊNCIAS NATURAIS 8º ANO ANO LETIVO 2015/2016 PLANO DE ESTUDOS. O aluno, no final do 8.º ano, deve atingir os objetivos em seguida apresentados: PLANO DE ESTUDOS O aluno, no final do 8.º ano, deve atingir os objetivos em seguida apresentados: 1.º PERÍODO DOMÍNIO SUBDOMÍNIO / CONTEÚDOS 1. Compreender as condições próprias da Terra que a tornam o

Leia mais

Osmose em Células Vegetais

Osmose em Células Vegetais Actividade Laboratorial Biologia e Geologia 10ºAno Osmose em Células Vegetais O que se pretende: 1 Compreender o transporte por Osmose em células Vegetais. 2 Comparar em meios de diferentes concentrações

Leia mais

Novembro. Áreas Curriculares. Propostas de Operacionalização

Novembro. Áreas Curriculares. Propostas de Operacionalização Áreas Curriculares Conteúdos Novembro Propostas de Operacionalização Língua Portuguesa Compreensão Oral Expressão Oral Leitura Escrita Conhecimento Explícito da língua Ler textos de diferentes tipos; Responder

Leia mais

Ficha de Actividade. Conteúdos: Os diferentes processos e serviços do Arquivo Municipal.

Ficha de Actividade. Conteúdos: Os diferentes processos e serviços do Arquivo Municipal. Ficha de Actividade Tipo: Visitas de Estudo Tema: Faz de conta que somos de papel Público-alvo: Alunos Pré-escolar e 1º ciclo Equipa: Serviço Educativo Arquivo Municipal Calendarização: Todo o ano. Agendadas

Leia mais

1. Introdução. Gestão Orçamental. Júlia Fonseca 2010/2011. Gestão Orçamental

1. Introdução. Gestão Orçamental. Júlia Fonseca 2010/2011. Gestão Orçamental 1. Introdução Júlia Fonseca 2010/2011 CICLO DE GESTÃO Planeamento Implementação Controlo de gestão Ciclo de gestão Planeamento Feedback Implementação Controlo Planear Dirigir e Motivar Controlar PLANEAMENTO

Leia mais

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002....

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... 1 Como encaminhar uma Pesquisa? A pesquisa é um projeto racional e sistemático com objetivo de proporcionar respostas

Leia mais

PLANIFICAÇÃO INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO BLOCO I

PLANIFICAÇÃO INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO BLOCO I PLANIFICAÇÃO INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO BLOCO I MÉDIO PRAZO 1 TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA OBJECTIVOS CONTEÚDOS DATA Conceitos Introdutórios Conhecer os conceitos básicos relacionados

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DR. MARTINHO MARQUES VERA LUCIA DOS SANTOS GIVANILZA ALVES DOS SANTOS MARIA APARECIDA CRIVELI SIRLEI R. C. DO P.

ESCOLA ESTADUAL DR. MARTINHO MARQUES VERA LUCIA DOS SANTOS GIVANILZA ALVES DOS SANTOS MARIA APARECIDA CRIVELI SIRLEI R. C. DO P. ESCOLA ESTADUAL DR. MARTINHO MARQUES VERA LUCIA DOS SANTOS GIVANILZA ALVES DOS SANTOS MARIA APARECIDA CRIVELI SIRLEI R. C. DO P. VITORINO SÓLIDOS GEOMÉTRICOS E OS POLIEDROS DE PLATÃO TAQUARUSSU = MS AGOSTO

Leia mais

Apontamento técnico No. 5, Fevereiro de 2014 Como pedir apoio através do Ajuda Online do CAICC

Apontamento técnico No. 5, Fevereiro de 2014 Como pedir apoio através do Ajuda Online do CAICC Apontamento técnico No. 5, Fevereiro de 2014 Como pedir apoio através do Ajuda Online do CAICC Sumário Enquadramento... 1 1. Introdução... 1 1º Passo: Como aceder o Ajuda Online?... 2 2º Passo: Página

Leia mais

FONTES E FORMAS DE ENERGIA

FONTES E FORMAS DE ENERGIA FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FUNDAÇÃO CECIERJ / CONSÓRCIO CEDERJ PROFESSOR/CURSISTA: Armanda Teixeira Ferreira Gonçalves COLÉGIO: Estadual Bairro Senhor Do Bonfim Turma:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO - 150915

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO - 150915 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Abril 2016 2016 367 Prova 11º Ano de escolaridade (Decreto-Lei nº 139/2012, de 05 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

ESPANHOL INIC. Ano Letivo 2013/2014 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 11º Ano de Escolaridade

ESPANHOL INIC. Ano Letivo 2013/2014 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 11º Ano de Escolaridade Ano Letivo 2013/2014 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL INIC. 11º Ano de Escolaridade Prova 375 2014 Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova a que esta

Leia mais

Projeto Educativo 2013-2017

Projeto Educativo 2013-2017 Projeto Educativo 2013-2017 A Escola A CONSTRUIR Qualidade dos Recursos Recursos humanos Serviços e equipamentos Instalações Qualidade da Interação com a comunidade Família Comunidade educativa Qualidade

Leia mais

Tópicos Especiais em Educação

Tópicos Especiais em Educação Tópicos Especiais em Educação Física II Unidade I -Cognição - Prof. Esp. Jorge Duarte Cognição Um dos objetivos do sistema de ensino é promover o desenvolvimento cognitivo da criança. Esse desenvolvimento

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR - INFORMÁTICA

PLANIFICAÇÃO MODULAR - INFORMÁTICA Agrupamento de Escolas de Santo André Escola Secundária Padre António Macedo PLANIFICAÇÃO MODULAR - INFORMÁTICA CURSO VOCACIONAL COMÉRCIO E ARTES Ciclo de Formação: 2014-2016 *** Ano Letivo: 2015-2016

Leia mais

Promoção e proteção dos direitos das crianças. A utilidade de critérios, ou pilares concetuais, é

Promoção e proteção dos direitos das crianças. A utilidade de critérios, ou pilares concetuais, é A utilidade de critérios, ou pilares concetuais, é inquestionável para enquadrar as ações de proteção e cuidados à infância. Os profissionais devem partilhar conceitos básicos, que os ajudem a identificar

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular 2009/2010

Ficha de Unidade Curricular 2009/2010 Ficha de Unidade Curricular 2009/2010 Unidade Curricular Designação Ferramentas Digitais/Gráficas II Área Científica Design Gráfico e Multimédia Ciclo de Estudos Obrigatório Carácter: Obrigatório Semestre

Leia mais

- ; - -1,- NOTA TÉCNICA N`&5-7.12016/ CGNOR/DSST/SIT/MTPS

- ; - -1,- NOTA TÉCNICA N`&5-7.12016/ CGNOR/DSST/SIT/MTPS . - ; - -1,- - MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO Esplanada dos Ministérios, Bloco F, Anexo, Ala B, 1 andar, sala 176 - CEP: 70056-900 - Brasilia/DF sitgmte

Leia mais

PROGRAMA de FORMAÇÃO CONTÍNUA em CUIDADOS CONTINUADOS e PALIATIVOS 2015

PROGRAMA de FORMAÇÃO CONTÍNUA em CUIDADOS CONTINUADOS e PALIATIVOS 2015 PROGRAMA de FORMAÇÃO CONTÍNUA em CUIDADOS CONTINUADOS e PALIATIVOS 2015 Unidade de Cuidados Continuados e Paliativos do Hospital da Luz Justificação, Finalidade e Objectivos: Os Cuidados Paliativos assumem-se

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO 2009/2010 1 DISCIPLINA: TECNOLOGIAS INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO: 10.º DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS PONRAÇÃO Conhecer a folha de cálculo e as suas finalidades funcionais; Usar a folha de cálculo de

Leia mais

Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local

Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local Durante todo Estágio (Teórica e prática) Março a junho 2013 Mês de março e abril de 2013 25 a 31 março Preparação para o ingresso no Estágio Leitura obrigatória

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO 1. INTRODUÇÃO CIÊNCIAS DA NATUREZA - 2º CICLO (PROVA 02) O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino básico, a realizar em 2015 pelos alunos que

Leia mais

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 1 Introdução Na primeira metade da década de 90 começaram a ser desenvolvidas as primeiras

Leia mais

Planificação Semanal. Local de estágio: EB nº31 do Lumiar. Professora Cooperante: Cecília Mergulhão. Turma: 3º ano C

Planificação Semanal. Local de estágio: EB nº31 do Lumiar. Professora Cooperante: Cecília Mergulhão. Turma: 3º ano C Planificação Semanal Local de estágio: EB nº31 Lumiar Professora Cooperante: Cecília Mergulhão Turma: 3º ano C Coordenara de Estágio: Mestre Maria de Fátima Santos Discente: Maria de Fátima Ferreira Planificação

Leia mais

Ação de formação Excel Avançado

Ação de formação Excel Avançado Ação de formação Excel Avançado - Identificar as potencialidades do MS Excel - Aprofundamento dos recursos básicos e conhecimento de recursos avançados do software - Desenvolver capacidades de apresentar

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2015. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2015. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358 DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358 CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 12º Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência da disciplina

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2009 CAO SÃO VICENTE - ÂNGELA MILHO 1.5 - FICHA DE ACTIVIDADE INSERIDA EM PROGRAMAS E PROJECTOS DESIGNAÇÃO DA ACTIVIDADE: DINAMIZAÇÃO DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO /SENSIBILIZAÇÃO CÓDIGO:

Leia mais

Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS

Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS 2014 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian (Fundação), através de concurso, vai conceder apoio à organização

Leia mais

Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe...

Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe... Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe... Responsabilidade Social na Galp Energia Responsabilidade Social na Galp Energia COLABORADORES ESPECIALISTAS PÚBLICO EM GERAL A Galp Energia foi

Leia mais

Projeto Educativo/Plano de Atividades

Projeto Educativo/Plano de Atividades COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Projeto Educativo/Plano de Atividades Ano letivo 2014/2015 Índice Introdução Princípios orientadores da ação educativa Horário de funcionamento Clubes

Leia mais

Análise de Requisitos

Análise de Requisitos Análise de Requisitos Análise de Requisitos O tratamento da informação é um requisito que fundamenta o processo de desenvolvimento de software antes da solução de tecnologia a ser aplicada. Cada projeto

Leia mais

Planeamento. Avaliação

Planeamento. Avaliação Planeamento e Avaliação Planeamento e Avaliação Definição de Planeamento Fases de Planeamento Plano vs Projecto Relatório O quê? PLANEAMENTO Planear uma actividade, evento ou projecto, significa responder

Leia mais

O contacto com a obra de Arte não tem de ser acessível apenas às elites

O contacto com a obra de Arte não tem de ser acessível apenas às elites O contacto com a obra de Arte não tem de ser acessível apenas às elites A Arte, ao longo da História, sempre esteve intrinsecamente ligada à sociedade e têm evoluído conjuntamente, o homem interage com

Leia mais

Edição Número 2 de 02/01/2004, páginas 12 e 13.

Edição Número 2 de 02/01/2004, páginas 12 e 13. Edição Número 2 de 02/01/2004, páginas 12 e 13. PORTARIA Nº 2.458, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições, e Considerando a necessidade de criar mecanismos

Leia mais

Procedimento Gestão Documental

Procedimento Gestão Documental APROVAÇÃO DO DOCUMENTO Elaborado por Função Nome e Assinatura Data André Duarte Aprovado por ADM Luis Brito REGISTO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Página Alterada Motivo 1 25/08/2008 Todas Redacção Inicial

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas de investigação sobre o ambiente natural. Pedro Reis ISBN 978-111-11-2499-1

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas de investigação sobre o ambiente natural. Pedro Reis ISBN 978-111-11-2499-1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 2 Propostas de investigação sobre o ambiente natural ISBN 978-111-11-2499-1 9 781111 124991 Introdução Num mundo caracterizado por uma exploração descontrolada

Leia mais

Mais informações e marcações Elisa Aragão servicoeducativo@zeroemcomportamento.org 213 160 057 www.zeroemcomportamento.org

Mais informações e marcações Elisa Aragão servicoeducativo@zeroemcomportamento.org 213 160 057 www.zeroemcomportamento.org Apresentamos de seguida várias sessões temáticas compostas por curtas-metragens de animação, às quais chamamos de Filminhos Infantis. Estas propostas são complementadas com uma oficina com uma duração

Leia mais

2015-2016. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo

2015-2016. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo 2015-2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo Setembro 2015 Este documento pretende dar a conhecer a todos os intervenientes no processo educativo os critérios de avaliação, e respetivas percentagens, a que

Leia mais

BREVE REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM AULAS NO ENSINO MÉDIO

BREVE REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM AULAS NO ENSINO MÉDIO 466 BREVE REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM AULAS NO ENSINO MÉDIO Hélio Márcio Nunes Lacerda UFT/Letras heliomarcio207@yahoo.co.uk Naiana Siqueira Galvão UFT/Letras anaiangalvao@hotmail.com Esse trabalho

Leia mais

CARACTERISTICAS DOS BONS PROFESSORES

CARACTERISTICAS DOS BONS PROFESSORES CARACTERISTICAS DOS BONS PROFESSORES ATIVIDADE 1:30 H DIVIDIR OS ALUNOS EM GRUPOS 5 min; LEVANTAR PROFESSORES QUE MARCARAM SUA VIDA ACADÊMICA POSITIVAMENTE 10 min; DEFINIR AS CARACTERÍTICAS QUE FIZERAM

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS ANO LETIVO 2012 / 2013 ÍNDICE ÍNDICE... 1 EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO... 2 1. Legislação:... 2 2. Finalidades da educação

Leia mais

GUIA SOBRE A APLICAÇÃO DOS ASPECTOS LINGUÍSTICOS DA CARTILHA DE ADESÃO À AGENCE UNIVERSITAIRE DE LA FRANCOPHONIE

GUIA SOBRE A APLICAÇÃO DOS ASPECTOS LINGUÍSTICOS DA CARTILHA DE ADESÃO À AGENCE UNIVERSITAIRE DE LA FRANCOPHONIE GUIA SOBRE A APLICAÇÃO DOS ASPECTOS LINGUÍSTICOS DA CARTILHA DE ADESÃO À AGENCE UNIVERSITAIRE DE LA FRANCOPHONIE Adotado pelo conselho associativo da Agence universitaire de la Francophonie 13 de setembro

Leia mais

COMINN COMpetences for INNovation in the metal sector

COMINN COMpetences for INNovation in the metal sector COMINN COMpetences for INNovation in the metal sector País: Instituição: Qualificação: HUNGRIA TREBAG ltd Promotores e Dinamizadores de inovação no âmbito de grupos de trabalho em PMEs Metalúrgicas : :

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec: PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Ciências da Natureza Componente Curricular: Biologia

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Disciplina de MATEMÁTICA - 11º Ano Turma O A PROFESSORA: Teresa Clain 1 1. OBJECTIVOS GERAIS São finalidades da disciplina no ensino secundário: desenvolver a capacidade

Leia mais

Ementário EMBA em Gestão de Projetos

Ementário EMBA em Gestão de Projetos Ementário EMBA em Gestão de Projetos Grade curricular Disciplina MATEMÁTICA FINANCEIRA - N FUNDAMENTOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E GERENCIAMENTO DE ESCOPO - N GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS GESTÃO

Leia mais

PLANO FORMAÇÃO. Neste sentido, a Alzheimer Portugal tem vindo a realizar cursos de formação para cuidadores profissionais e cuidadores informais.

PLANO FORMAÇÃO. Neste sentido, a Alzheimer Portugal tem vindo a realizar cursos de formação para cuidadores profissionais e cuidadores informais. PLANO FORMAÇÃO 2014 Um dos objetivos primordiais da Alzheimer Portugal consiste em promover a preparação de todos os que prestam cuidados às Pessoas com Demência. Pretende-se, assim, contribuir para que

Leia mais

Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais

Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais Capacitação em saúde como prioridade A capacitação dos cidadãos em saúde

Leia mais

Treinamento sobre Progress Report.

Treinamento sobre Progress Report. Treinamento sobre Progress Report. Objetivo O foco aqui é trabalhar o desenvolvimento pessoal de cada aluno. O instrutor irá analisar cada um e pensar em suas dificuldades e barreiras de aprendizado e,

Leia mais

MDS II Aula 04. Concepção Requisitos Diagrama de Casos de Uso (Use Cases)

MDS II Aula 04. Concepção Requisitos Diagrama de Casos de Uso (Use Cases) MDS II Aula 04 Concepção Requisitos Diagrama de Casos de Uso (Use Cases) 55 DIAGRAMA DE CASOS DE USO BENEFÍCIOS DOS CASOS DE USO ILUSTRAR POR QUE O SISTEMA É NECESSÁRIO OS REQUISITOS DO SISTEMA SÃO COLOCADOS

Leia mais

MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA

MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA (Hospital Regional do Mato Grosso do Sul- HRMS) Campo Grande MS MÊS /ANO TÍTULO/SUBTÍTULO DO PROJETO NOME DO (s) ALUNO

Leia mais

http://www.pointdosamores.com.br A AUTO-ESTIMA E O PODER DAS PRESSUPOSIÇÕES DA PNL

http://www.pointdosamores.com.br A AUTO-ESTIMA E O PODER DAS PRESSUPOSIÇÕES DA PNL A AUTO-ESTIMA E O PODER DAS PRESSUPOSIÇÕES DA PNL Escrito por Terry Bragg Saudações a você que vem acompanhando o trabalho do POINT DOS AMORES e com a sua participação e interesse contribui para o crescimento

Leia mais

Escola Secundária de Pinheiro e Rosa. Curso Tecnológico de Desporto. Estágio 12º G

Escola Secundária de Pinheiro e Rosa. Curso Tecnológico de Desporto. Estágio 12º G 12º G Realizado por: Priscila Domingos nº 17 Professor responsável: André Ramos 2010/2011 Índice 1) Introdução... 4 2) Objectivos do... 5 2.1) Objectivos Gerais... 5 2.2) Objectivos Específicos... 5 3)

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 h Semestre do Curso: 3º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 h Semestre do Curso: 3º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia da Pesquisa Aplicada a Educação I Carga Horária Semestral: 40 h Semestre do Curso: 3º 1 - Ementa (sumário, resumo) A natureza

Leia mais

Análise da Base Nacional Comum Curricular de Matemática. Revisado por Phil Daro, USA Common Core Standards

Análise da Base Nacional Comum Curricular de Matemática. Revisado por Phil Daro, USA Common Core Standards Análise da Base Nacional Comum Curricular de Matemática Revisado por Phil Daro, USA Common Core Standards Complementando a Versão Muitas características excelentes Estrutura de tabela é muito útil Perspectiva

Leia mais

Como aplicar permissões aos utilizadores?

Como aplicar permissões aos utilizadores? Como aplicar permissões aos utilizadores? O gestor do ego tem a possibilidade de autorizar ou restringir os acessos de cada utilizador aos vários campos da aplicação.... As permissões podem ser atribuídas

Leia mais

ÍNDICE. 1.1 Apresentação do Centro...2. 1.2 Direitos...2. 1.3 - Deveres...3. 1.4 - Organização...3

ÍNDICE. 1.1 Apresentação do Centro...2. 1.2 Direitos...2. 1.3 - Deveres...3. 1.4 - Organização...3 ÍNDICE I - 1.1 Apresentação do Centro...2 1.2 Direitos......2 1.3 - Deveres...3 1.4 - Organização...3 II Voluntariado 2.1 Apresentação do Voluntário...4 2.2 Perfil do Voluntário...5 2.3 Funções...6 2.4

Leia mais

aplicação arquivo Condições Gerais de Utilização

aplicação arquivo Condições Gerais de Utilização aplicação arquivo Condições Gerais de Utilização Manual das condições gerais que regulam a utilização dos serviços disponibilizados pela aplicação Arquivo, plataforma de gestão de informação, do Municipio

Leia mais

Lógica de Programação. Profas. Simone Campos Camargo e Janete Ferreira Biazotto

Lógica de Programação. Profas. Simone Campos Camargo e Janete Ferreira Biazotto Lógica de Programação Profas. Simone Campos Camargo e Janete Ferreira Biazotto O curso Técnico em Informática É o profissional que desenvolve e opera sistemas, aplicações, interfaces gráficas; monta estruturas

Leia mais

Projeto Clube Descobrir e Aprender com as brincadeiras

Projeto Clube Descobrir e Aprender com as brincadeiras Projeto Clube Descobrir e Aprender com as brincadeiras Atividade de Enriquecimento Curricular Docente: Carla Sofia Nunes Pote de Oliveira EB1/PE da Nazaré [2015/2016] Índice INTRODUÇÃO... 2 CARATERIZAÇÃO

Leia mais

Indíce. Indice... 1. 1) Identificar a sua persona (Cliente ideal)...erro! Indicador não definido. Exemplo... 4

Indíce. Indice... 1. 1) Identificar a sua persona (Cliente ideal)...erro! Indicador não definido. Exemplo... 4 Indíce Sumário Indice... 1 1) Identificar a sua persona (Cliente ideal)...erro! Indicador não definido. Exemplo... 4 2) Gerar relacionamento / lista de emails... 5 Exemplo... 6 3)Faça a oferta... 7 Exemplo...

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais

Capítulo I Disposições Gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Marco de Canaveses Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, visando promover e

Leia mais

Regulamento Interno Férias Desportivas Verão 15

Regulamento Interno Férias Desportivas Verão 15 2015 Regulamento Interno Férias Desportivas Verão 15 Junta de Freguesia de Fermentelos Índice NOTA JUSTIFICATIVA... 2 CAPÍTULO I... 3 Missão... 3 Artigo 1º... 3 CAPÍTULO II... 3 Objeto... 3 Artigo 2º...

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE PADRÕES MATEMÁTICOS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE POTENCIAÇÃO

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE PADRÕES MATEMÁTICOS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE POTENCIAÇÃO RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE PADRÕES MATEMÁTICOS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE POTENCIAÇÃO Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio GT: 10 RESUMO Este estudo consiste em um

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS 1º PERÍODO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS Planificação Anual da Disciplina de EMRC 10º ano Ano Letivo de 2014/2015 Manual adotado: Alicerces Domínios e Objetivos Sequências/Conteúdos I. UM

Leia mais

Autoconfiança. Prof. Raul Franzolin Neto. Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos USP-Pirassununga rfranzol@usp.br

Autoconfiança. Prof. Raul Franzolin Neto. Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos USP-Pirassununga rfranzol@usp.br Autoconfiança Prof. Raul Franzolin Neto Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos USP-Pirassununga rfranzol@usp.br Nada aprenderam de mim, senão o que já sabiam e que são eles quem por si mesmos

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL 2015-2017 DE FOTOGRAFIA A RECRIAR O ENSINO DA FOTOGRAFIA DESDE 1968. ipf.lisboa@ipf.pt ipf.porto@ipf.pt www.ipf.pt.

CURSO PROFISSIONAL 2015-2017 DE FOTOGRAFIA A RECRIAR O ENSINO DA FOTOGRAFIA DESDE 1968. ipf.lisboa@ipf.pt ipf.porto@ipf.pt www.ipf.pt. CURSO PROFISSIONAL DE FOTOGRAFIA 2015-2017 Carlos Guiomar A RECRIAR O ENSINO DA FOTOGRAFIA DESDE 1968 ipf.lisboa@ipf.pt ipf.porto@ipf.pt www.ipf.pt CURSO PROFISSIONAL DE FOTOGRAFIA 2015-2017 O Curso Profissional

Leia mais

[ESBOÇO] Reunião Especial da OMS, FAO e UNICEF. sobre Principais Comportamentos para o Controlo da Gripe Aviária. Resumo e Recomendações da Reunião

[ESBOÇO] Reunião Especial da OMS, FAO e UNICEF. sobre Principais Comportamentos para o Controlo da Gripe Aviária. Resumo e Recomendações da Reunião [ESBOÇO] Reunião Especial da OMS, FAO e UNICEF sobre Principais Comportamentos para o Controlo da Gripe Aviária (de 14 a 16 de Março de 2006) Resumo e Recomendações da Reunião Antecedentes O alastramento

Leia mais

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES 2012/2013 1

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES 2012/2013 1 Setembro PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES 2012/2013 1 CALENDARIZAÇÃO COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER ACTIVIDADES PASSÍVEIS DE REALIZAR 03 Recepção às Crianças (Adaptação e integração) Estimular as relações Família/Escola

Leia mais

Intervenção pedagógica: deficiência intelectual. Profa. Dra Andréa R. Rosin Pinola

Intervenção pedagógica: deficiência intelectual. Profa. Dra Andréa R. Rosin Pinola Intervenção pedagógica: deficiência intelectual Profa. Dra Andréa R. Rosin Pinola Roteiro Aspectos da avaliação A intervenção: Habilidades acadêmicas Habilidades sociais Habilidades Práticas Avaliação

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo REDE SOCIAL Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo Regulamento Interno [9/04/2014] REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º. Este Regulamento estabelece as políticas básicas das

Leia mais

Tema do Projeto Educativo: Quero ser grande e feliz

Tema do Projeto Educativo: Quero ser grande e feliz Tema do Projeto Educativo: Quero ser grande e feliz A primeira tarefa da educação é ensinar a ver É através dos olhos que as crianças tomam contacto com a beleza e o fascínio do mundo Os olhos têm de ser

Leia mais

Metodologias de PETI. Prof. Marlon Marcon

Metodologias de PETI. Prof. Marlon Marcon Metodologias de PETI Prof. Marlon Marcon PETI O PETI é composto de: Planejamento Estratégico da organização, que combina os objetivos e recursos da organização com seus mercados em processo de transformação

Leia mais

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula MBA em Gerenciamento de Projetos Teoria Geral do Planejamento Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula SOBRAL - CE 2014 O que é Planejamento É um processo contínuo e dinâmico que consiste em um

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E PROGRAMAS

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E PROGRAMAS 4. a EDIÇÃO 1 O CICLO ENSINO BASICO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E PROGRAMAS EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA EVANGÉLICA PROGRAMA DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO À DESCOBERTA DE UM MUNDO DIFERENTE OBJECTIVOS GERAIS:

Leia mais

UNIDADE DE ESTUDO 2ª ETAPA 2016

UNIDADE DE ESTUDO 2ª ETAPA 2016 UNIDADE DE ESTUDO 2ª ETAPA 2016 Disciplina: Natureza e Sociedade Professoras: Anália, Carla, Fabiana e Roberta Período: 2º Segmento: Educação Infantil OBJETIVOS GERAIS: Identificar as diferenças e semelhanças

Leia mais

Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná HEMEPAR Farm. Elvira Rosa Folda DVGQB Jul/2012

Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná HEMEPAR Farm. Elvira Rosa Folda DVGQB Jul/2012 Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná HEMEPAR Farm. Elvira Rosa Folda DVGQB Jul/2012 ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário A documentação permite a comunicação

Leia mais

Pessoa com deficiência: a evolução de um paradigma para reafirmar direitos

Pessoa com deficiência: a evolução de um paradigma para reafirmar direitos Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência Pessoa com deficiência: a evolução de um paradigma para reafirmar direitos

Leia mais

COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM ATIVIDADES Atividade Extra - Fórum SIEPE (Compensação da carga horária do dia 08/09/2012) A atividade foi postada no módulo X Atividade Módulo X - Fórum Agenda O cursista

Leia mais

PROGRAMA ERASMUS+ Ação-Chave 1: Mobilidade individual de estudos para estudantes do ensino superior. 2.º Ciclo. Regulamento

PROGRAMA ERASMUS+ Ação-Chave 1: Mobilidade individual de estudos para estudantes do ensino superior. 2.º Ciclo. Regulamento PROGRAMA ERASMUS+ Ação-Chave 1: Mobilidade individual de estudos para estudantes do ensino superior 2.º Ciclo Regulamento I. INDICAÇÕES GERAIS 1.1. A mobilidade Erasmus oferece aos alunos de mestrado a

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DE IMAGEM E COMUNICAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL (GI.COM-IPS)

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DE IMAGEM E COMUNICAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL (GI.COM-IPS) REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DE IMAGEM E COMUNICAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL (GI.COM-IPS) I ÂMBITO E FINALIDADE 1. O Gabinete de Imagem e Comunicação do Instituto Politécnico de Setúbal

Leia mais

PIC. Componentes da PIC 1. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo

PIC. Componentes da PIC 1. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo PIC Produção Integrada ao Conteúdo 6. o ano Ensino Fundamental Componentes da PIC 1. o bimestre Arte Ciências Geografia História A nota de PIC é a média entre a nota de tarefa (avaliação do conjunto de

Leia mais

ANEXO III. Roteiro para Apresentação de Projetos do Tipo C R$ 50.001,00 a R$ 100.000,00

ANEXO III. Roteiro para Apresentação de Projetos do Tipo C R$ 50.001,00 a R$ 100.000,00 ANEXO III Roteiro para Apresentação de Projetos do Tipo C R$ 50.001,00 a R$ 100.000,00 1. Apresentação Geral: 1. Nome do projeto 2. Linha(s) Temática(s) 2. Localidade e município 3. Instituição Proponente

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO

MANUAL DO VOLUNTÁRIO MANUAL DO VOLUNTÁRIO Só é voluntário quem se põe ao serviço do OUTRO ÍNDICE 1. Introdução 2. O movimento Pais-em-Rede. 3. Ser voluntário Pais-em-Rede: 3.1 O nosso conceito de voluntariado 3.2 Direitos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI GONÇALO DE AZEVEDO. Saúde Escolar 2011/2012. Tema anual: Cuidar de mim

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI GONÇALO DE AZEVEDO. Saúde Escolar 2011/2012. Tema anual: Cuidar de mim Tema anual: Cuidar de mim Cuidar de mim Jardim de Infância, 1º, 2º e 3º Ciclos Cuidar do Corpo, Cuidar de mim Cuidar de mim Secundário Cuidar de mim, Cuidar do outro Cuidar de mim Alimentação e Actividade

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE FRONTEIRA

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE FRONTEIRA REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE FRONTEIRA Preâmbulo No processamento da política de reorganização dos serviços municipais e no caso particular do Arquivo do Município de Fronteira, pretende-se com

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação

Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação Registro Hospitalar de Câncer Este tipo de registro se caracteriza em um centro de coleta, armazenamento,

Leia mais

BEM VINDOS ALUNOS DA GRADUAÇÃ ÇÃO. GESTÃO INTEGRADA PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃ ÇÃO O QUE O MUNDO TEM A VER COM MARKETING?

BEM VINDOS ALUNOS DA GRADUAÇÃ ÇÃO. GESTÃO INTEGRADA PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃ ÇÃO O QUE O MUNDO TEM A VER COM MARKETING? BEM VINDOS ALUNOS DA TURMA DE PÓS-GRADUA P GRADUAÇÃ ÇÃO. GESTÃO INTEGRADA PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃ ÇÃO PROF. PAULO NETO FIB - 2011 O QUE O MUNDO TEM A VER COM MARKETING? O QUE EU TENHO A VER COM

Leia mais

AULA 3 ETAPAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

AULA 3 ETAPAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS AULA 3 ETAPAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Projeto de longo prazo Tem variados objetivos, focos e etapas; Depende de muitas pessoas, organizações, decisões em outras instâncias, grande captação de recursos

Leia mais

2.6 Conceito de controle de processo...47 2.6.1 Manutenção de equipamentos e processo gerencial...48 2.7 GQT e atividades de manutenção de

2.6 Conceito de controle de processo...47 2.6.1 Manutenção de equipamentos e processo gerencial...48 2.7 GQT e atividades de manutenção de Sumário Prefácio à 2ª edição...11 Prefácio...13 1 Visão geral da manutenção de equipamentos...17 1.1 Introdução...19 1.2 Conceito de manutenção...19 1.3 Abrangência das atividades de manutenção...21 1.4

Leia mais