DÉBITOS DIRETOS. Ref

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DÉBITOS DIRETOS. Ref. 02.002.14017"

Transcrição

1 4 DÉBITOS DIRETOS 1

2 CONCEITOS FUNDAMENTAIS (1/3) Modelos de Débitos Diretos No âmbito SEPA existem, atualmente, dois Modelos de débitos diretos: - Débitos Diretos Core; - Débitos Diretos B2B (Business-to-Business), sendo este último exclusivo para Empresas; Ao nível do negócio entre Empresas, as mesmas poderão acordar celebrar um contrato de débitos diretos Core ou B2B; Todavia, há que notar que enquanto o Modelo SEPA DD Core é obrigatório, o Modelo SEPA DD B2B é facultativo, ou seja, poderão haver Bancos que não oferecem o serviço. De acordo com a Diretiva de Serviços de Pagamento, os Estados Membros têm a opção de tratar as Microempresas como Empresas ou como Consumidores. Em Portugal, as Microempresas são tratadas como Consumidores, o que significa que estas não podem aderir ao sistema de Débitos Diretos B2B. O Millennium bcp oferece ambos os serviços, sendo expectável qua a maioria dos Bancos do EEE venham também a ter toda a oferta disponível. Em https://corp.millenniumbcp.pt/pt/private/pagamentos/debitosdiretos/pages/debitosdiretos.aspx, o Mbcp disponibiliza uma listagem atualizada dos Bancos aderentes aos Modelos SEPA, através de pesquisa por BIC ou por nome. 2

3 CONCEITOS FUNDAMENTAIS (2/3) Principais Diferenças entre os Modelos Core e B2B Core B2B Obrigatoriedade de oferta por parte dos Bancos Sim Não Utilizadores Empresas ou Consumidores Empresas Possibilidade de Reembolso Sim, no prazo de até 8 semanas após a data do débito Não há direito a reembolso Validação da existência de Mandato por parte do Banco do Devedor Opcional, mas tem de ser disponibilizada a quem solicitar Obrigatória Prazos para apresentação de cobranças e para devoluções Mais longos Mais curtos Dada a especificidade do Modelo SEPA DD B2B, é expectável que as Empresas utilizem também o Modelo SEPA DD Core, sendo o primeiro utilizado fundamentalmente para cobranças de maior montante, onde a gestão da tesouraria das Empresas pode apresentar maior complexidade e em que se pretende ter a garantia de que os fundos cobrados não serão alvo de devolução. Acresce ainda que o Modelo SEPA DD B2B tem outras especificações técnicas e de negócio. Por exemplo, sempre que ocorre uma primeira cobrança no âmbito de Débitos Diretos B2B, o Banco do devedor terá de contactar o devedor e obter a sua confirmação de que assinou um mandato sob este Modelo, antes de proceder a qualquer débito (mais detalhes adiante). 3

4 Detalhe nas páginas seguintes CONCEITOS FUNDAMENTAIS (3/3) Mandato O mandato (*1) é uma autorização assinada pelo devedor (*2) que dá o consentimento ao credor (*3) no sentido deste poder proceder a uma instrução de cobrança e a instruir o Banco do devedor a debitar a sua conta, no sentido de pagar essa cobrança. Os mandatos, no âmbito dos débitos diretos SEPA, para além do formato físico, podem assumir o formato eletrónico, conhecidos como e-mandates, sendo um serviço prestado pelos Bancos de forma opcional (note-se, contudo, que ordens verbais - via telefone, por exemplo -, usuais em alguns países da Europa como forma de dar uma autorização de débito, não obedecem aos requisitos SEPA); O mandato tem de ser arquivado pelos credores, cabendo a estes a prova da sua existência, não competindo aos Bancos a sua gestão (equivale ao sistema de truncagem utilizado em Portugal para os débitos directos nacionais); Um mandato que não tenha sido alvo de uma instrução de cobrança no prazo de 36 meses, expira de forma automática; Os mandatos têm um layout com um conteúdo standardizado, com elementos obrigatórios. No sítio do Banco de Portugal, poderá ser consultado o layout standardizado dos mandatos SEPA (Core e Débitos Diretos) - O Millennium bcp está a estudar a possibilidade de disponibilizar aos seus Clientes o serviço de e-mandates, serviço que pode ser muito interessante para as Empresas que operam em comércio eletrónico e em que a emissão de um mandato com estas características poderia constituir um serviço adicional no seu negócio. (*1) mais comummente conhecido por ADC Autorização de Débito em Conta, mandato é a designação utilizada no âmbito da SEPA (*2) payer, no original (*3) biller, no original 4

5 O PROCESSO DE AUTORIZAÇÃO, VALIDAÇÕES E COBRANÇA (1/3) Para um débito direto se poder concretizar, 3 fases têm de ser seguidas: A FASE 1 O acordo entre o Devedor e o Credor BANCO DO CREDOR 1 O Credor remete o mandato para o Devedor, para preenchimento e assinatura. DEVEDOR 1 2 CREDOR 2 O Devedor assina o mandato e devolve-o ao Credor. Ao fazê-lo, está a expressar o seu consentimento às condições expressas no mandato e a ser debitado de acordo com essas condições. Por sua vez, o Credor arquiva o mandato. BANCO DO DEVEDOR 5

6 O PROCESSO DE AUTORIZAÇÃO, VALIDAÇÕES E COBRANÇA (2/3) Para um débito direto se poder concretizar, 3 fases têm de ser seguidas: B FASE 2 Comunicação do consentimento ao Banco do Devedor e envio de instrução de débito direto A comunicação do consentimento do devedor ao seu Banco é feita de forma indireta, através do credor. Tal é feito através da informação associada ao mandato que é remetida ao Banco do devedor, juntamente com a instrução de cobrança (*). DEVEDOR BANCO DO DEVEDOR BANCO DO CREDOR CREDOR INFORMAÇÃO DO MANDATO + INSTRUÇÃO DE DÉBITO DIRETO (*) O Regulamento 260/2012 obriga a remeter a informação associada ao mandato juntamente com cada instrução de cobrança. 6

7 O PROCESSO DE AUTORIZAÇÃO, VALIDAÇÕES E COBRANÇA (3/3) Para um débito direto se poder concretizar, 3 fases têm de ser seguidas: C FASE 3 As Validações e o Processo de Débito ao Devedor ou Eventuais Rejeições A DEVEDOR BANCO DO DEVEDOR BANCO DO CREDOR CREDOR B3 B2 B1 B PROCESSO DE COBRANÇA C PROCESSO DE REJEIÇÃO A Se o devedor for um consumidor ou uma microempresa, pode solicitar meios de proteção adicionais aos seus mandatos de débitos diretos como, por exemplo, só aceitar instruções de débito direto de entidades específicas (detalhes nas páginas seguintes). B1 O Banco do Devedor recebe as instruções de cobrança via Banco do Credor. B2 O Banco do Devedor procede a validações antes de proceder ao débito ao devedor. B3 Débito ao devedor. C A rejeição pode resultar de vários motivos, desde a não validação de condições (ex.: o devedor tinha solicitado o bloqueio a cobranças daquele credor), à falta de fundos na conta do devedor. 7

8 Detalhe nas páginas seguintes QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? (1/8) Um Débito Direto SEPA apresenta as seguintes características fundamentais: ELEMENTOS COMUNS ÀS TRANSFERÊNCIAS Tal como para as transferências: O formato ISO20022 XML passará a ser mandatório a partir de 01.Fev.2014 (*) ; O IBAN e o BIC são os elementos identificadores das contas bancárias (desaparecendo este último em 01.Fev.2016); Existem códigos específicos, identificadores das operações, bem como um campo para descritivo (até 140 posições). CICLOS E PRAZOS DE COBRANCA O credor, antes de proceder a uma cobrança, deve pré-notificar o devedor da data e do montante da cobrança, pelo menos com 14 dias de antecedência (dado não validado pelos Bancos); Os modelos Core e B2B têm diferentes ciclos de cobrança. 4 CICLOS E PRAZOS 3 5 ELEMENTOS COMUNS ÀS TRANSF. Débitos Diretos REFERÊNCIA DO CREDOR E DO MANDATO 1 GESTÃO DE MANDATOS 2 MEDIDAS DE PROTEÇÃO REFERÊNCIA DO CREDOR E DO MANDATO Tal como nos débitos diretos nacionais, existem no âmbito dos débitos diretos SEPA, referências únicas e inequívocas que identificam o credor e os mandatos. (*) derrogação permitida em Portugal pelo DL 141/2013, de 18 de outubro GESTÃO DE MANDATOS A informação associada ao mandato tem de ser enviada pelo credor ao seu Banco e deste para o Banco do devedor em cada cobrança que é realizada; O Banco do devedor é responsável por garantir que a aceitação do débito direto por parte do devedor é comunicada ao credor e ao Banco do credor; Os mandatos nacionais continuam válidos a poder servir de suporte a débitos diretos SEPA (modelo Core). MEDIDAS DE PROTEÇÃO Os devedores, sejam Consumidores, Microempresas ou Empresas, têm direito a medidas especiais de proteção. Por exemplo, podem instruir o seu Banco a limitar as cobranças a um determinado limite de montante e/ou a sua periodicidade e a bloquear a sua conta para qualquer instrução de débito direto ou a credores específicos. 8

9 QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? (2/8) Gestão dos Mandatos (1/2) O credor, no âmbito de Débitos Diretos SEPA, é responsável por obter a autorização do devedor para debitar a sua conta (designada por mandato) e por guardar essa mesma autorização. Assim, em caso de pedido de reembolso por parte dos devedores, com o argumento de que não existe mandato, deverá ser o credor a provar a sua existência. A informação associada ao mandato tem de ser enviada pelo credor ao seu Banco e deste para o Banco do devedor em cada cobrança que é feita. Por forma a permitir uma migração para os novos Modelos SEPA, o Regulamento 260/2012 estabelece que os mandatos existentes nos diferentes sistemas nacionais, permanecem válidos no âmbito do Modelo SEPA DD Core, bem como todas as condições a eles subjacentes (ex.: montante máximo e data de validade). Decorre do ponto anterior que, para cobranças no âmbito do Modelo SEPA DD B2B, terão de ser assinados novos mandatos (recorde-se ainda que é um Modelo facultativo, podendo existir Bancos que não têm este serviço disponível). A aceitação do débito direto por parte do devedor tem de ser comunicada ao credor e ao Banco do devedor. O Banco do devedor recebe esta aceitação de 2 formas: directamente do devedor e indirectamente do credor, através da informação do mandato, que é enviada para o Banco na instrução de cobrança. 9

10 QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? (3/8) Gestão dos Mandatos (2/2) Como já referido, por forma a facilitar o processo, os mandatos têm um layout com um conteúdo standardizado, que poderá ser consultado no sítio do Banco de Portugal (http://www.bportugal.pt/pt- PT/pagamentos/SEPA/RegrasdeFuncionamento/Paginas/inicio.aspx). Em resumo, apresentam-se a seguir os elementos obrigatórios que têm de constar num mandato (em português e na língua do devedor, podendo estipular-se o inglês, caso não se conheça a língua do devedor): - Cabeçalho intitulado Autorização de Débito Direto SEPA / SEPA Direct Debit Mandate, ou Autorização de Débito Direto SEPA B2B / SEPA Business-to-Business Direct Debit Mandate, consoante os serviços. A presença da palavra SEPA é obrigatória; - Referência Única do Mandato (recomenda-se que faça logo parte do mandato antes do devedor assinar; não sendo possível, deverá ser comunicada ao devedor antes da primeira cobrança); - Nome, Morada e País de Residência do Devedor; - IBAN e BIC da Conta do Devedor; - Nome, Morada e País da Empresa Credora; - Identificação do Credor; - Tipo de Pagamento (Recorrente ou Pontual (one-off)); - Assinatura(s), local e data. Não existe definição standard para cores ou fontes, mas o Credor deve assegurar que a informação do mandato está inequivocamente legível, não devendo o verso de um Mandato ser utilizado para nenhum tipo de informação que possa levar o Devedor a entendê-lo como parte integrante do Mandato. A data dos mandatos passa a ser um dos elementos obrigatórios nos Modelos SEPA. Como, geralmente, os mandatos associados aos Modelos pré-sepa não têm esse elemento, pode assumir-se que a data dos mandatos migrados é a data em que essa migração ocorreu (ou seja, a data corresponde ao dia em que a conta associada ao mandato é alvo da primeira cobrança SEPA). 10

11 QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? (4/8) Medidas de Proteção Os devedores, quer sejam Consumidores, Microempresas ou Empresas, têm direito a medidas especiais de proteção. Por exemplo, podem instruir o seu Banco a: Restringir as cobranças a um determinado limite de montante e/ou a sua periodicidade; Bloquear a sua conta para qualquer instrução de débito direto; Bloquear a sua conta para débitos diretos instruídos por credores específicos a denominada lista negra ou lista negativa ; Apenas permitir instruções de débitos diretos de entidades específicas a denominada lista branca ou lista positiva. Sempre que há medidas de proteção estabelecidas ex.: lista positiva ou lista negativa o Banco do devedor terá de validar previamente todas as instruções de cobrança antes de proceder ao débito na conta do devedor. Nos casos em que não há direito a reembolso (Modelo de Débitos Diretos B2B), o Bando do devedor terá de validar, antes da sua execução, o montante de cada débito direto face ao valor que é apresentado na informação associada ao mandato. Sempre que ocorre uma primeira cobrança no âmbito de Débitos Diretos B2B, o Banco do devedor terá de contactar o devedor e obter a sua confirmação de que assinou um mandato sob o Modelo B2B, antes de proceder a qualquer débito. O Millennium bcp terá, a partir de 1 fevereiro de 2014, todas estas funcionalidades disponíveis para os Clientes que solicitem. 11

12 QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? (5/8) Referência do Credor e do Mandato REFERÊNCIA DO CREDOR Tal como existe para os débitos diretos nacionais, no âmbito dos débitos diretos SEPA, o credor tem também uma referência única e inequívoca, que o identifica. A combinação desta referência com a referência do mandato, permitirá ao Banco do devedor fazer uma análise à instrução de cobrança antes de proceder ao débito do devedor (realce-se que esta análise é obrigatória no âmbito dos Débitos Diretos B2B, mas opcional nos Débitos Diretos Core, embora os Bancos tenham de disponibilizar o serviço aos Clientes que o solicitem). REFERÊNCIA DO MANDATO Cada mandato, no âmbito dos Modelos SEPA DD, tem de possuir uma referência, com uma dimensão máxima de 35 caracteres. É recomendável que a referência do mandato seja comunicada ao devedor no momento em que este esteja a assinar o mandato (é um dos seus elementos obrigatórios). Não sendo, deverá ser comunicado antes da primeira cobrança. REFERÊNCIA DO CREDOR No caso de cobradores em Portugal, a atual referência numérica de 6 dígitos será substituída por uma referência alfanumérica de 10 dígitos, no formato PTyyxxxxxx, sendo PT o código de país, xxxxxx a referência do credor no âmbito de débitos diretos nacionais e yy os dígitos de controlo, de acordo com a Norma ISO 7064, módulo Esta referência continua, como habitualmente, a ser facultada pela SIBS, por intermédio do Banco de apoio do credor, mantendo-se sempre válida mesmo que o credor mude de Banco de apoio (tal como existe hoje para os débitos diretos nacionais). REFERÊNCIA DO MANDATO É expectável que as Empresas que atualmente utilizam os Modelos nacionais, mantenham as referências dos seus Clientes, não sendo necessário proceder a qualquer alteração. 12

13 QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? (6/8) Os Ciclos e Prazos de Cobrança (1/3) As cobranças têm uma referência sequencial, indicando se se trata de uma cobrança: - Pontual ( One-off ); - Primeira ( First ); - Recorrente ( Recurrent ) ou - Final ( Final ). Esta indicação é fundamental, uma vez que é no envio no ficheiro de cobranças que se dá início ao processo de ativação dos Mandatos (novos ou ao abrigo de Modelos nacionais que se convertem no Modelo SEPA DD Core). Classificação das Cobranças FIRST RECURRENT Esta classificação é feita aquando do envio da 1ª cobrança ao abrigo de um Modelo SEPA DD, mesmo quando estamos perante mandatos assinados ao abrigo de Modelos nacionais e já com cobranças bem sucedidas; No caso da cobrança ser efetuada com sucesso, os envios seguintes passam a ter outra classificação; caso contrário, o envio seguinte terá novamente de ter a classificação de First. Esta classificação é feita a partir da 2ª cobrança, no pressuposto de que a 1ª cobrança é bem sucedida. FINAL ONE-OFF Esta classificação indica que o credor não pretende efetuar mais cobranças associadas ao mandato, ficando este automaticamente cancelado após a confirmação de boa cobrança. Esta classificação está associada a cobranças que têm uma única ocorrência (é uma cobrança pontual), sendo o mandato automaticamente cancelado após boa cobrança. 13

14 QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? (7/8) Os Ciclos e Prazos de Cobrança (2/3) Para além das instruções de cobrança, os ciclos de processamento e cobrança incorporam ainda as chamadas transações de exceção ou Transações-R (*). A sua existência decorre do facto de, em algum momento do ciclo, o processo de cobrança não ter sido bem sucedido (devido, por exemplo, a erros técnicos, falta de informação, ausência de autorização ou insuficiência de fundos na conta do devedor). Estas transações podem ocorrer antes ou após a liquidação interbancária. R-Transactions Pré-Liquidação Têm como resultado que a instrução original do débito é anulada, não havendo lugar à sua liquidação. Pós-Liquidação Podem ocorrer num determinado período (a contar a partir da data de liquidação) e resultam num segundo processo de liquidação. Rejeições (Rejects) Recusas (Refusals) Reversões (Reversals) Devoluções (Returns) Reembolsos (Refunds) São cobranças que não são executadas por razões técnicas, ainda antes da liquidação interbancária, por erros detetados pelo Banco do Credor (ex.: formato inválido do ficheiro), pelo Banco do Devedor (ex.: conta do devedor inexistente ou a conta não aceita cobranças) ou pela SIBS. São instruções iniciadas pelo Devedor antes da liquidação, solicitando ao seu Banco para não aceitar a transação. Se essa instrução ocorre após a liquidação, estamos perante um pedido de Reembolso. Ocorrem até 5 dias TARGET após a data de liquidação e resultam do facto do Credor concluir que a cobrança foi indevidamente efetuada. O devedor é creditado por iniciativa do Credor. Correspondem a cobranças que não são executadas por questões técnicas e são iniciadas pelo Banco do devedor (o seu prazo varia de acordo com o Modelo de Débitos Diretos). Correspondem pedidos de reembolso formulados pelo Devedor (o seu prazo varia de acordo com o facto de existir ou não mandato válido 8 semanas ou 13 meses, respetivamente). (*) R-Transactions, no original. Realce-se que algumas destas transações de exceção também podem ocorrer nas Transferências a Crédito. 14

15 Scheme Core Os Ciclos e Prazos de Cobrança (3/3) Antecedência máxima para apresentação do ficheiro de cobranças. Data limite para o envio das cobrança SEPA recorrentes. Data limite para o pedido de reembolso (existindo mandato). Data limite para o envio da 1ª cobrança SEPA ( first ou one-off ). Data da liquidação Data limite para reversões e devoluções. Data limite para o pedido de reembolso (não existindo mandato). D - 14 C D - 5 T * D - 2 T * D D + 5 T D + 47 T D C D - 14 C D - 1 T * D D + 2 T D + 5 T D C Data da liquidação Data limite para reversões. Data limite para o pedido de reembolso (não existindo autorização). Antecedência máxima para apresentação do ficheiro de cobranças. Scheme B2B Data limite para o envio das cobrança SEPA iniciais ou recorrentes. Data limite para devoluções. D = Data da liquidação Data em que ocorre o débito nas contas dos devedores e o crédito na conta dos credores. T = Dias TARGET LEGENDA C = Dias de Calendário (civil) * Até às 05h30 GMT. 15

16 COMPARAÇÃO ENTRE DD SEPA E DD NACIONAIS (1/2) Sistema Nacional de Débitos Diretos Débitos Diretos SEPA Modelo Core Débitos Diretos SEPA Modelo B2B Criação e atualização pelo Devedor ou pelo Credor Criação pelo Credor. O Devedor apenas pode efetuar a manutenção da autorização (por exemplo, definição de montantes máximos, data de validade e inativação) Autorização de Débito em Conta (ADC), previamente concedida pelo Devedor ao Credor Ativação pelo Credor efetuada através do envio de um ficheiro próprio As ADC do Sistema de Débitos Diretos nacional migram para os Débitos Diretos SEPA Modelo Core Ativação pelo Credor efetuada de forma automática em simultâneo com o processamento da primeira cobrança As ADC do Sistema de Débitos Diretos nacional não migram para os Débitos Diretos SEPA - Modelo B2B. Todas as ADC terão de ser novas Dados dos Devedores Utilização do NIB Obrigatoriedade de utilização do IBAN e do BIC (se necessário, este último, até 2016), em substituição do NIB FONTE: Banco de Portugal Guia de Migração, Jan

17 COMPARAÇÃO ENTRE DD SEPA E DD NACIONAIS (2/2) Sistema Nacional de Débitos Diretos Débitos Diretos SEPA Modelo Core Débitos Diretos SEPA Modelo B2B Tipo de Débito Direto Sistema único para cobranças sobre Consumidores e Empresas Permite cobranças sobre Consumidores e Empresas Apenas permite cobranças sobre Empresas Sem diferenciação no tipo de cobrança (apenas cobranças recorrentes) Existe diferenciação entre cobranças recorrentes e pontuais Transações de Exceção As ações possíveis sobre uma cobrança são: Rejeições, Recusas, Cancelamentos (anulações), Devoluções, Reembolsos (revogações) e Reversões Não existe a possibilidade de Reembolsos (revogações) FONTE: Banco de Portugal Guia de Migração, Jan

Comparação entre Sistema de Débitos Diretos nacional e Débitos Diretos SEPA Core

Comparação entre Sistema de Débitos Diretos nacional e Débitos Diretos SEPA Core SEPA A SEPA (Single Euro Payments Area) ou Área Única de Pagamentos em Euros é um espaço geográfico onde particulares, empresas e administração pública podem efetuar e receber pagamentos em euros, em idênticas

Leia mais

QUESTÕES MAIS FREQUENTES. Ref. 02.002.14017

QUESTÕES MAIS FREQUENTES. Ref. 02.002.14017 7 QUESTÕES MAIS FREQUENTES 1 DE ÂMBITO GENÉRICO (1/4) O que significa a SEPA para as Empresas e para os demais agentes económicos? Significa que estas poderão efetuar pagamentos em toda a área do euro,

Leia mais

Comparação com o Sistema de Débitos Diretos nacional

Comparação com o Sistema de Débitos Diretos nacional 1 Sobre a SEPA A criação da Área Única de Pagamentos em Euros (SEPA Single Euro Payments Area) tem como objetivo principal o estabelecimento de um mercado único de pagamentos de retalho. Nesta Área, particulares,

Leia mais

O REGULAMENTO 260/2012

O REGULAMENTO 260/2012 2 O REGULAMENTO 260/2012 SEPA is a fundamental element of the internal market. The EU institutions continue to work diligently to deepen the internal market in financial services, with the euro at its

Leia mais

SEPA PERGUNTAS FREQUENTES

SEPA PERGUNTAS FREQUENTES SEPA PERGUNTAS FREQUENTES A integração europeia promoveu a circulação de pessoas e mercadorias entre os Estados- Membros da União Europeia e, consequentemente, o aumento do fluxo de pagamentos transfronteiriços

Leia mais

Índice. Introdução 3. O que são débitos diretos? 3. Que pagamentos podem ser efetuados por débito direto? 3

Índice. Introdução 3. O que são débitos diretos? 3. Que pagamentos podem ser efetuados por débito direto? 3 Índice Introdução 3 O que são débitos diretos? 3 Que pagamentos podem ser efetuados por débito direto? 3 Como é que se pode aceder a pagamentos através de débitos diretos? 4 O devedor pode ser obrigado

Leia mais

Cobrança Global BCP Sistema de Débitos Directos Características Técnicas

Cobrança Global BCP Sistema de Débitos Directos Características Técnicas Sistema de Débitos Directos Características Técnicas Abril 2003 Índice A - Características Técnicas - Ficheiros utilizados B - Funcionamento do Sistema de Débitos Directos 1 - Conversão de ADC s não normalizadas;

Leia mais

Alterações de Preçário NOVO BANCO 2015, para contratos em curso

Alterações de Preçário NOVO BANCO 2015, para contratos em curso janeiro 2015 Alterações de Preçário NOVO BANCO 2015, para contratos em curso Em 2015 o NOVO BANCO irá proceder a algumas revisões de preçário, mantendo-se o preço inalterado na maioria dos produtos/serviços,

Leia mais

Índice. Introdução 3. Como devem ser efetuadas as cobranças das despesas relativas a transferências? 6. O que são transferências?

Índice. Introdução 3. Como devem ser efetuadas as cobranças das despesas relativas a transferências? 6. O que são transferências? Índice Introdução 3 O que são transferências? 3 O que distingue as transferências dos débitos diretos? 3 As transferências Multibanco são transferências? 3 Quais as formas utilizadas para ordenar uma transferência?

Leia mais

SEPA Área Única de Pagamentos em Euros. Seminário com Confederações e Associações Empresariais 3 de março de 2015

SEPA Área Única de Pagamentos em Euros. Seminário com Confederações e Associações Empresariais 3 de março de 2015 SEPA Área Única de Pagamentos em Euros Seminário com Confederações e Associações Empresariais 3 de março de 2015 AGENDA 1. SINGLE EURO PAYMENTS AREA (SEPA) 1.1 O que é 1.2 Enquadramento regulamentar 13

Leia mais

Serviço Carta-Cheque Fev.2014

Serviço Carta-Cheque Fev.2014 Fev.01 ÍNDICE 1 CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO COMO FUNCIONA? 5 A O Cheque B As Fases do Serviço OFERTA Millennium bcp 1 PRINCIPAIS VANTAGENS PARA A EMPRESA 17 5 19 NÍVEIS DE SERVIÇO 6 0 PROCESSO DE ADESÃO

Leia mais

Dores de SEPA? SEPA Lite é o remédio. e-mandatos facilmente enviando emails ou SMS certificados

Dores de SEPA? SEPA Lite é o remédio. e-mandatos facilmente enviando emails ou SMS certificados Dores de SEPA? SEPA Lite é o remédio Gerencie com os seus e-mandatos facilmente enviando emails ou SMS certificados Sumário de conteúdos 1. O que é SEPA? 2. 3. 4. 5. 6. Remédio SEPA Lite: e-mandato Remédio

Leia mais

INTERNATIONAL BANK ACCOUNT NUMBER

INTERNATIONAL BANK ACCOUNT NUMBER INTERNATIONAL BANK ACCOUNT NUMBER IBAN Especificações e procedimentos de validação O presente documento tem cariz eminentemente técnico e apresenta as especificações do identificador internacional das

Leia mais

C2B - Prestação de Serviços a Clientes

C2B - Prestação de Serviços a Clientes Versão: 02.00 Estado: Final Entrada em vigor: 2014-02-03 Documentos Relacionados Referência Título Origem EPC132-08 Implementation Guidelines SEPA CT C2B European Payments Council EPC130-08 Implementation

Leia mais

Espero que esta iniciativa seja bem acolhida.

Espero que esta iniciativa seja bem acolhida. U ma das principais preocupações da intervenção do Banco de Portugal tem sido a de progressivamente alargar as suas funções de prestação de serviços à comunidade, designadamente, informando os consumidores

Leia mais

Manual do aplicativo GESTÃO DE FICHEIROS 2003

Manual do aplicativo GESTÃO DE FICHEIROS 2003 Manual do aplicativo GESTÃO DE FICHEIROS 2003 ÍNDICE Pág. I. Instalação do Software 2 II. Selecção de Empresas / Manutenção de Empresas 5 III. Criação da Base de Dados (Clientes, Fornecedores e Pessoal)

Leia mais

Net24 Empresas. 1. O que é o Net24 Empresas?... 1. 2. Quais as funcionalidades disponíveis?... 1. 3. Níveis de Segurança... 2. 4. Segurança...

Net24 Empresas. 1. O que é o Net24 Empresas?... 1. 2. Quais as funcionalidades disponíveis?... 1. 3. Níveis de Segurança... 2. 4. Segurança... Net24 Empresas Índice 1. O que é o Net24 Empresas?... 1 2. Quais as funcionalidades disponíveis?... 1 3. Níveis de Segurança... 2 4. Segurança... 4 5. Como funciona o acesso ao Net24 Empresas?... 5 6.

Leia mais

http://www.bportugal.pt

http://www.bportugal.pt Os cadernos do Banco de Portugal têm por finalidade exclusiva a informação do público em geral, não se destinando a ser utilizados para dirimir eventuais conflitos emergentes das relações estabelecidas

Leia mais

Obrigação de comunicação à AT

Obrigação de comunicação à AT Obrigação de comunicação à AT Perguntas e respostas sobre o impacto das novas regras de comunicação à AT nas empresas Page 2 of 10 Introdução A Publicação do Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de agosto introduz

Leia mais

COBRANÇAS ELECTRÓNICAS EM ESPANHA

COBRANÇAS ELECTRÓNICAS EM ESPANHA COBRANÇAS ELECTRÓNICAS EM ESPANHA www.millenniumbcp.pt https://corp.millenniumbcp.pt 002.002.1320 Índice 1. Caracterização do Serviço Pág. 3 2. Posicionamento em termos de oferta Pág. 4 3. Como Funciona?

Leia mais

SEPA - Single Euro Payments Area

SEPA - Single Euro Payments Area SEPA - Single Euro Payments Area Área Única de Pagamentos em euros APOIO PRINCIPAL: APOIO PRINCIPAL: Contexto O que é? Um espaço em que consumidores, empresas e outros agentes económicos poderão efectuar

Leia mais

Preçário BNP PARIBAS WEALTH MANAGEMENT SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BNP PARIBAS WEALTH MANAGEMENT SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BNP PARIBAS WEALTH MANAGEMENT SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BNP PARIBAS WEALTH MANAGEMENT

Leia mais

Acresce Imposto Preçário Atual Novo Preçário DEPÓSITOS À ORDEM Encargos de manutenção (1) Contas com SMDO Trimestral entre 50,01 e 500,00

Acresce Imposto Preçário Atual Novo Preçário DEPÓSITOS À ORDEM Encargos de manutenção (1) Contas com SMDO Trimestral entre 50,01 e 500,00 Lisboa, 15 de janeiro de 2013 Estimado(a) Cliente, Informamos que o Preçário será atualizado nos termos a seguir indicados, com entrada em vigor a partir do dia 23 de abril de 2013, com exceção das comissões

Leia mais

Não aplicável (conta não remunerada)

Não aplicável (conta não remunerada) Designação Conta 18-23 Condições de Acesso Clientes Particulares com idades compreendidas entre os 18 e os 23 anos Modalidade Depósito à Ordem Meios de Movimentação Cartão de débito, cheque, ordem de transferência,

Leia mais

Serviço de Faturação Eletrónica

Serviço de Faturação Eletrónica E-Invoicing Serviço prestado em acordo de interoperabilidade com a: Nov.2013 Ref. 02.007.14353 ÍNDICE 1 O que é uma Fatura Eletrónica? 3 2 Porquê a Faturação Eletrónica? 4 3 Quais as Vantagens? 7 4 O papel

Leia mais

A CBLC atua como Contraparte Central garantidora das Operações perante os Agentes de Compensação, conforme disposto no Título I do Regulamento.

A CBLC atua como Contraparte Central garantidora das Operações perante os Agentes de Compensação, conforme disposto no Título I do Regulamento. C A P Í T U L O I I I - C O M P E N S A Ç Ã O E L I Q U I D A Ç Ã O 1. A SPECTOS G ERAIS A CBLC é responsável pela Compensação e Liquidação das Operações com Ativos realizadas nos Sistemas de Negociação

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 5910 Diário da República, 1.ª série N.º 201 17 de outubro de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Decreto-Lei n.º 225/2012 de 17 de outubro O Decreto -Lei n.º 27 -C/2000, de 10 de março, que cria o

Leia mais

BROCHURA PRODUZIDA. SEPAeditor V 2.0

BROCHURA PRODUZIDA. SEPAeditor V 2.0 BROCHURA PRODUZIDA SEPAeditor V 2.0 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 1. FUNCIONALIDADES... 3 A. Princípios... 3 B. Introdução/importação de dados de ordens SEPA... 3 1. Introdução em linha... 3 2. Importação de ficheiros...

Leia mais

VERTENTE GESTÃO GLOBAL DE FICHEIROS E ADC S

VERTENTE GESTÃO GLOBAL DE FICHEIROS E ADC S VERTENTE GESTÃO GLOBAL DE FICHEIROS E ADC S PROCEDIMENTOS INICIAIS Opção Utilitários/Selecção de Empresas Em primeiro lugar deverá seleccionar e parametrizar quais as Empresas que irão utilizar o aplicativo.

Leia mais

CARTÃO DE CRÉDITO BANRISUL

CARTÃO DE CRÉDITO BANRISUL 1 CARTÃO DE CRÉDITO BANRISUL Layout Para Arquivo de Cobrança de Parcelas de Cartão de Crédito Sistema BDL Carteira de Letras Troca de Informações Via Arquivo Magnético Unidade Atendimento e Serviços Unidade

Leia mais

2 TRANSFERÊNCIAS A CRÉDITO

2 TRANSFERÊNCIAS A CRÉDITO 2 TRANSFERÊNCIAS A CRÉDITO As transferências, enquanto instrumento de movimentação de fundos entre contas de depósito, a débito e a crédito, são hoje um dos mais usuais tipos de operações bancárias que

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. REPORTE DE INFORMAÇÃO AO BANCO DE PORTUGAL 4 3. EMPRESA REPRESENTADA 5 4. ECRÃ PRINCIPAL RESUMO DE COPE E COL 6

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. REPORTE DE INFORMAÇÃO AO BANCO DE PORTUGAL 4 3. EMPRESA REPRESENTADA 5 4. ECRÃ PRINCIPAL RESUMO DE COPE E COL 6 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. REPORTE DE INFORMAÇÃO AO BANCO DE PORTUGAL 4 3. EMPRESA REPRESENTADA 5 4. ECRÃ PRINCIPAL RESUMO DE COPE E COL 6 Escolher período 6 Comunicação de operações e posições com o exterior

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS RECOLHA DE CARTEIRA DE TÍTULOS. Estatísticas de Títulos Banco de Portugal

MANUAL DE PROCEDIMENTOS RECOLHA DE CARTEIRA DE TÍTULOS. Estatísticas de Títulos Banco de Portugal MANUAL DE PROCEDIMENTOS RECOLHA DE CARTEIRA DE TÍTULOS Estatísticas de Títulos Banco de Portugal Versão 1.0 27 março 2015 BANCO DE PORTUGAL Recolha de Carteira de Títulos 3 Índice Introdução 5 Aplicação

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica de Serviços

Nota Fiscal Eletrônica de Serviços Nota Fiscal Eletrônica de Serviços Arquivo de Envio de RPS em Lote - Instruções e Layout - Versão 1.0 Manual de Envio de RPS em Lote Instruções e Layout 1. Recibo Provisório de Serviços RPS O RPS é o documento

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO BOM+ Funcionalidade Pré-Pago

REGULAMENTO DO CARTÃO BOM+ Funcionalidade Pré-Pago REGULAMENTO DO CARTÃO BOM+ Funcionalidade Pré-Pago O BOM+ é um cartão pré-pago que oferece aos seus clientes as funcionalidades de pagamento de compras em toda a rede MasterCard e também pagamento de tarifas

Leia mais

Manual SRCT - v.ps.2 UTILIZADORES. Apoio à gestão das Declarações de Vendas dos Produtos de Saúde. Contacto: taxa.04@infarmed.

Manual SRCT - v.ps.2 UTILIZADORES. Apoio à gestão das Declarações de Vendas dos Produtos de Saúde. Contacto: taxa.04@infarmed. Manual SRCT - v.ps.2 UTILIZADORES Apoio à gestão das Declarações de Vendas dos Produtos de Saúde Contacto: taxa.04@infarmed.pt 2008/Setembro NOTAS EXPLICATIVAS 1. As Declaração de Vendas a que se referem

Leia mais

Portal Internet Empresas GUIA DA PRIMEIRA UTILIZAÇÃO

Portal Internet Empresas GUIA DA PRIMEIRA UTILIZAÇÃO Portal Internet Empresas GUIA DA PRIMEIRA UTILIZAÇÃO Linha de Apoio ao Utilizador AVISO Os conteúdos apresentados aqui são apenas para informação, sendo revelado ao destinatário como uma ferramenta auxiliar,

Leia mais

STANDARD CHARTERED BANK ANGOLA

STANDARD CHARTERED BANK ANGOLA PREÇÁRIO STANDARD CHARTERED BANK ANGOLA Instituição Financeira Bancária ANEXO I Tabela de Comissões e Despesas DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 01/06/2015 Este Preçário pode ser consultado nos balcões e locais

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS PARTICULARES CONTA DE SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS

CONDIÇÕES GERAIS PARTICULARES CONTA DE SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS I Disposições Comuns 1. Generalidades Estes termos e condições constituem o contrato entre o Cliente e o Banco BIC Português, que doravante será abreviadamente designado por Banco, e descrevem as obrigações

Leia mais

Preçário FINANFARMA - SOCIEDADE DE FACTORING, S A SOCIEDADES DE FACTORING

Preçário FINANFARMA - SOCIEDADE DE FACTORING, S A SOCIEDADES DE FACTORING Preçário FINANFARMA - SOCIEDADE DE FACTORING, S A SOCIEDADES DE FACTORING Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo da Finanfarma, S.A.,

Leia mais

FICHA DE ADESÃO EMPRESA

FICHA DE ADESÃO EMPRESA FICHA DE ADESÃO EMPRESA Nº CLIENTE/CONTA RELAÇÃO Nº CLIENTE/CONTA RELAÇÃO Nº CLIENTE/CONTA RELAÇÃO Nome/Denominação Social: DADOS DA EMPRESA * Morada da Empresa: Localidade: Caixa Postal: Nome do 1º Utilizador:

Leia mais

Manual Prático da Cobrança Eletrônica no Sistema BasePro ERP Fenix

Manual Prático da Cobrança Eletrônica no Sistema BasePro ERP Fenix Manual Prático da Cobrança Eletrônica no Sistema ERP Fenix Página 1 Sumário Introdução...4 1 Remessa ao Banco...5 1.1 Prévia...5 1.2 Geração...8 1.3 Envio do arquivo da Geração...10 1.3.1 Direcionando

Leia mais

Ficheiros PS2 Pagamentos

Ficheiros PS2 Pagamentos Ficheiros PS2 Pagamentos Índice 1. Introdução... 1 2. Nível de Serviço... 2 3. Criação de Ficheiros PS2... 2 4. Carregamento de Ficheiros no Net24 Empresas... 3 5. Assinatura de Transações... 8 6. Consulta

Leia mais

Instruções Gerais para os arquivos encaminhados para cadastramento e atualização do código de integração dos cooperados.

Instruções Gerais para os arquivos encaminhados para cadastramento e atualização do código de integração dos cooperados. Instruções Gerais para os arquivos encaminhados para cadastramento e atualização do código de integração dos cooperados. VERSÃO ALTERAÇÃO 34 - Inclui informação sobre horário para tratamento de devolução

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Apresentação

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Apresentação Apresentação Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online O presente documento compreende a informação correspondente à introdução da Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA Objeto e Âmbito de Aplicação As presentes Condições Gerais de Venda aplicam-se a quaisquer transações de natureza comercial realizadas diretamente com a ENACO. A compra de qualquer

Leia mais

Banco de Portugal. Carta-Circular nº 2/2012/DET, de 25-01-2012

Banco de Portugal. Carta-Circular nº 2/2012/DET, de 25-01-2012 Banco de Portugal Carta-Circular nº 2/2012/DET, de 25-01-2012 ASSUNTO: Regime Excepcional de Regularização Tributária de Elementos Patrimoniais colocados no exterior (RERT III). Regras de Transferência

Leia mais

Condições Gerais de Utilização do Cartão de Jogador

Condições Gerais de Utilização do Cartão de Jogador Condições Gerais de Utilização do Cartão de Jogador As presentes condições são complementares das normas que disciplinam os jogos cuja exploração está atribuída ao Departamento de Jogos da Santa Casa da

Leia mais

FAQs Envio das Folhas de Férias por Ficheiro Electrónico - Seguro AT (prémio variável)

FAQs Envio das Folhas de Férias por Ficheiro Electrónico - Seguro AT (prémio variável) PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. O nome do ficheiro obedece a alguma estrutura própria? Para aproveitar, mas simultaneamente diferenciar, o ficheiro para a Segurança Social, sugere-se que o nome do ficheiro a

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO

REGULAMENTO FINANCEIRO REGULAMENTO FINANCEIRO Artigo 1.º (Âmbito) 1. O presente regulamento aplica-se a todos os cursos ministrados pelo Instituto de Estudos Superiores Financeiros e Fiscais. Artigo 2.º (Regimes de Pagamento

Leia mais

Reduza custos na Empresa, aumentando o rendimento disponível dos seus Colaboradores. Cartão Millennium bcp Free Refeição

Reduza custos na Empresa, aumentando o rendimento disponível dos seus Colaboradores. Cartão Millennium bcp Free Refeição Reduza custos na Empresa, aumentando o rendimento disponível dos seus Colaboradores Cartão Millennium bcp Free Refeição Jan.2015 ÍNDICE 1 Características 3 2 Poupança 4 3 Utilização 8 4 Operações Disponíveis

Leia mais

ERP AIRC. Adesão ao Formato SEPA - Transferências a Crédito. Apresentado por: AIRC

ERP AIRC. Adesão ao Formato SEPA - Transferências a Crédito. Apresentado por: AIRC Apresentado por: AIRC Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 ÂMBITO... 3 1.2 VERSÕES MÍNIMAS REQUERIDAS... 3 2. PROCEDIMENTOS... 4 2.1 ATIVAÇÃO DO SEPA... 4 2.1.1 Condições prévias... 4 2.1.1.1 Pasta de documentos

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ASSUNTO: Comunicação de informação relativa a contratos de crédito abrangidos pelos procedimentos previstos no

Leia mais

ABERTURA DE CONTA (EMPRESAS) PÁG. 1/7

ABERTURA DE CONTA (EMPRESAS) PÁG. 1/7 ABERTURA DE CONTA (EMPRESAS) PÁG. 1/7 IDENTIFICAÇÃO (Denominação Social) (Denominação Abreviada) Residente Sim Não ( da Sede) (Localidade) (Código Postal) (País) (1º Telefone Empresa) (2º Telefone Empresa)

Leia mais

Lisboa, 15 de janeiro de 2013. Estimado(a) Cliente,

Lisboa, 15 de janeiro de 2013. Estimado(a) Cliente, Lisboa, 15 de janeiro de 2013 Estimado(a) Cliente, Informamos que o Preçário será atualizado nos termos a seguir indicados, com entrada em vigor a partir do dia 23 de abril de 2013, com exceção das comissões

Leia mais

PREÇÁRIO 20.MAIO.2011

PREÇÁRIO 20.MAIO.2011 PREÇÁRIO 20.MAIO.2011 PREÇÁRIO OMIP ÍNDICE DE VERSÕES DATA 1.Julho.2010 OBSERVAÇÕES Versão inicial. Substitui a versão original de 2006, que continha um Preçário conjunto OMIP e OMIClear. 1.Janeiro.2011

Leia mais

REGULAMENTO DA INTERBOLSA N.º 3/2004 Regras operacionais gerais de funcionamento dos sistemas de liquidação de valores mobiliários

REGULAMENTO DA INTERBOLSA N.º 3/2004 Regras operacionais gerais de funcionamento dos sistemas de liquidação de valores mobiliários REGULAMENTO DA INTERBOLSA N.º 3/2004 Regras operacionais gerais de funcionamento dos sistemas de liquidação de valores mobiliários Ao abrigo do disposto no artigo 269.º do Código dos Valores Mobiliários

Leia mais

Instrução da CMVM n.º 10/2011 Informação sobre Concessão de Crédito para a Realização de Operações sobre Instrumentos Financeiros

Instrução da CMVM n.º 10/2011 Informação sobre Concessão de Crédito para a Realização de Operações sobre Instrumentos Financeiros Instrução da CMVM n.º 10/2011 Informação sobre Concessão de Crédito para a Realização de Operações sobre Instrumentos Financeiros A CMVM, no âmbito e no exercício da actividade de supervisão, necessita

Leia mais

Soluções em Recebimentos. Cobrança BB. Manual Técnico

Soluções em Recebimentos. Cobrança BB. Manual Técnico Soluções em Recebimentos Cobrança BB Layout de Arquivo Remessa CNAB400 Manual Técnico Orientações Técnicas CONVÊNIOS COM NÚMERAÇÃO ACIMA DE 1.000.000 Versão Abril 2012 1. Apresentação CONCEITO: Arquivo

Leia mais

Preçário BANIF - BANCO DE INVESTIMENTO, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANIF - BANCO DE INVESTIMENTO, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANIF BANCO DE INVESTIMENTO, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Banif Banco de Investimento, SA contém o Folheto

Leia mais

Soluções em Recebimentos. Manual Técnico

Soluções em Recebimentos. Manual Técnico Soluções em Recebimentos CNAB400/CBR643 Manual Técnico Layout de Arquivo Retorno para convênios na faixa numérica entre 1.000.000 a 9.999.999 (Convênios de 7 posições) Orientações Técnicas Versão Jan/2014

Leia mais

a) A utilização da via informática para a troca da informação entre as instituições de crédito;

a) A utilização da via informática para a troca da informação entre as instituições de crédito; Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 26/96 ASSUNTO: Regulamento do Serviço de Compensação Com vista a proporcionar às instituições de crédito um serviço de compensação de valores dotado de maior

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Perfil B

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Perfil B Perfil B Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online O presente documento compreende a informação correspondente ao perfil B da Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação

Leia mais

Regime de IVA de Caixa

Regime de IVA de Caixa Regime de IVA de Caixa Versão 1.4 maio de 2014 (Última atualização a 05.05.2014) Índice Índice... 2 Introdução... 3 Notas prévias... 4 Configurações Gerais... 4 Administrador...4 ERP PRIMAVERA...8 Perfis

Leia mais

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA?

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA? 1 NOTA INFORMATIVA 1. O que é a SEPA? Para harmonização dos sistemas de pagamento no espaço europeu no sentido de impulsionar o mercado único, foi criada uma Área Única de Pagamentos em Euro (denominada

Leia mais

(Nome) beneficiário dos. , na qualidade de (Titular; Companheiro(a); Cônjuge; Filho(a)) (Nome) sócio do Sindicato

(Nome) beneficiário dos. , na qualidade de (Titular; Companheiro(a); Cônjuge; Filho(a)) (Nome) sócio do Sindicato SINDICATO DOS BANCÁRIOS DO CENTRO GALP FROTA 1 Proponente (Nome) beneficiário dos SAMS/Centro Nº do sócio do SBC Nº, na qualidade de (Titular; Companheiro(a); Cônjuge; Filho(a)) declaro que pretendo aderir

Leia mais

Instrução da CMVM N.º 3/2008 Informação sobre Concessão de Crédito para a Realização de Operações sobre Instrumentos Financeiros

Instrução da CMVM N.º 3/2008 Informação sobre Concessão de Crédito para a Realização de Operações sobre Instrumentos Financeiros Instrução da CMVM N.º 3/2008 Informação sobre Concessão de Crédito para a Realização de Operações sobre Instrumentos Financeiros A CMVM, no âmbito e no exercício da actividade de supervisão, entende dever

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Perguntas Frequentes - COPE

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Perguntas Frequentes - COPE Perguntas Frequentes - COPE Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Departamento de Estatística Banco de Portugal +351 707 201 409 ddebp.reporte@bportugal.pt Versão Maio de 2013 Comunicação de Operações

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS GUIA PARA A MOBILIDADE DE SERVIÇOS BANCÁRIOS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS GUIA PARA A MOBILIDADE DE SERVIÇOS BANCÁRIOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS GUIA PARA A MOBILIDADE DE SERVIÇOS BANCÁRIOS simplifica Como nasce este Guia O presente Guia baseia-se nos Princípios Comuns Para a Mobilidade de Serviços Bancários", adoptados

Leia mais

Soluções em Recebimentos. Manual Técnico

Soluções em Recebimentos. Manual Técnico Soluções em Recebimentos CNAB400/CBR641 Manual Técnico Layout de Arquivo Remessa para convênios na faixa numérica entre 000.001 a 999.999 (Convênios de até 6 posições) Orientações Técnicas Versão Set/09

Leia mais

Agrupamento de Escolas Nº1 de Abrantes REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CARTÃO ELETRÓNICO

Agrupamento de Escolas Nº1 de Abrantes REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CARTÃO ELETRÓNICO Agrupamento de Escolas Nº1 de Abrantes REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CARTÃO ELETRÓNICO Artigo 1.º (Âmbito e objetivo) 1 - O cartão eletrónico é um cartão de leitura magnética, utilizado por todos os

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 1201. Documento normativo revogado pela Carta-Circular 3.173, de 28/02/2005.

CARTA-CIRCULAR N 1201. Documento normativo revogado pela Carta-Circular 3.173, de 28/02/2005. CARTA-CIRCULAR N 1201 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 3.173, de 28/02/2005. Comunicamos que, visando ao aperfeiçoamento das normas que regem o Serviço de Compensação de Cheques e Outros

Leia mais

Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras

Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras O Banco de Portugal acaba de publicar novas regras para os Preçários, que vêm reforçar e harmonizar a informação sobre

Leia mais

Alterações de Preçário NOVO BANCO 2016

Alterações de Preçário NOVO BANCO 2016 Alterações de Preçário NOVO BANCO 2016 janeiro 2016 O NOVO BANCO irá proceder a algumas revisões de preçário, para os contratos em curso. Folheto de Comissões e Despesas Descrição da Comissão Preço Atual

Leia mais

Guia de Preenchimento da Proposta de Adesão ao Plano de Saúde Claro Dental

Guia de Preenchimento da Proposta de Adesão ao Plano de Saúde Claro Dental Guia de Preenchimento da Proposta de Adesão ao Plano de Saúde Claro Dental Este documento vai auilia-lo(a) a realizar o correcto preenchimento do seu Plano de Saúde Dentário da Claro S.A. que é composto

Leia mais

ADESÃO AO SERVIÇO PAGA FÁCIL

ADESÃO AO SERVIÇO PAGA FÁCIL ADESÃO AO SERVIÇO PAGA FÁCIL BALCÃO CÓDIGO DATA N.º CONTA D.O.(*) MOEDA / / A O A (*) Conta associada ao serviço Paga Fácil, usada para débito de transacções e comissões do SMS Banking IDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Regulamento de Funcionamento da Formação KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Página 2 de 12 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO...

Leia mais

I. ENVIO DE INFORMAÇÃO. 3. No preenchimento dos registos dos ficheiros de transmissão devem ser adoptadas as seguintes regras gerais:

I. ENVIO DE INFORMAÇÃO. 3. No preenchimento dos registos dos ficheiros de transmissão devem ser adoptadas as seguintes regras gerais: Anexo à Instrução nº 43/97 I. ENVIO DE INFORMAÇÃO 1. As especificações referidas neste capítulo deverão ser utilizadas no reporte de toda a informação, à excepção da apresentada no quadro T02 e da relativa

Leia mais

Canal Direto. O banco no sistema da sua empresa!

Canal Direto. O banco no sistema da sua empresa! Canal Direto O banco no sistema da sua empresa! ÍNDICE 1. CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO PÁG. 3 2. FUNCIONALIDADES ATUALMENTE DISPONÍVEIS PÁG. 4 3. VANTAGENS PÁG. 5 4. CUSTOS PÁG. 6 5. ADESÃO PÁG. 7 6. SUBSCRIÇÃO

Leia mais

As novas regras de facturação para 2013 Novidades no Software PHC CS. Principais alterações em todas as gamas da versão 2013 do PHC CS.

As novas regras de facturação para 2013 Novidades no Software PHC CS. Principais alterações em todas as gamas da versão 2013 do PHC CS. As novas regras de facturação para 2013 Novidades no Software PHC CS Principais alterações em todas as gamas da versão 2013 do PHC CS. Índice 1. Documentos que deixam de ser utilizados... 3 2. Factura

Leia mais

Particularidades BB. Leiaute CNAB 240. julho / 2011

Particularidades BB. Leiaute CNAB 240. julho / 2011 Particularidades BB Leiaute CNAB 240 julho / 2011 Sumário Assunto página Últimas Alterações 3 Header de Arquivo 5 Header de Lote 6 Segmento P 8 Segmento Q 11 Segmento R 13 Segmento S 15 Segmento Y-01 16

Leia mais

Cláusulas Contratuais Gerais de Adesão ao Serviço MB WAY

Cláusulas Contratuais Gerais de Adesão ao Serviço MB WAY Cláusulas Contratuais Gerais de Adesão ao Serviço MB WAY Objeto a) Pelo presente contrato, a Caixa Económica Montepio Geral, entidade com capital aberto ao investimento do público, com sede na Rua Áurea,

Leia mais

PROPOSTA DE ADESÃO - CARTÃO DE DÉBITO

PROPOSTA DE ADESÃO - CARTÃO DE DÉBITO PROPOSTA DE ADESÃO - CARTÃO DE DÉBITO Rede Ponto 24/ Electron SIMOrede BCI Private BCI Exclusivo DAKI Pronto a Usar Cartão SIMO BCI Cartões de Débito Particulares Agência/ OE Gestor Código da Agência Nº

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS ÉPOCA DESPORTIVA 2015/2016

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS ÉPOCA DESPORTIVA 2015/2016 MANUAL DE PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS ÉPOCA DESPORTIVA 2015/2016 AGOSTO 2015 Índice 1. Nota introdutória... 4 2. 1ª Filiação de Clubes e Entidades Coletivas... 5 a) Documentação necessária - Clubes:...

Leia mais

Cursos de curta duração: XX INTENSIVO COMUNICAÇÃO (13 de Outubro a 11 de Dezembro de 2015)

Cursos de curta duração: XX INTENSIVO COMUNICAÇÃO (13 de Outubro a 11 de Dezembro de 2015) - 1 - CURSO: INTENSIVO COMUNICAÇÃO PERÍODO: TARDE NOME DO ALUNO: Inteligente Cursos Preparatórios para Vestibulares Ltda - CNPJ 07.865.349-0001-35, com sede à Av. Liberdade 595, 2 andar Bairro da Liberdade,

Leia mais

Esta aplicação é propriedade da ANA, Aeroportos de Portugal, SA. (de ora em diante designada por ANA) e é operada pela Direção Comercial Não Aviação.

Esta aplicação é propriedade da ANA, Aeroportos de Portugal, SA. (de ora em diante designada por ANA) e é operada pela Direção Comercial Não Aviação. Termos e Condições Objeto e âmbito Esta aplicação é propriedade da ANA, Aeroportos de Portugal, SA. (de ora em diante designada por ANA) e é operada pela Direção Comercial Não Aviação. As Políticas de

Leia mais

PREÇÁRIO 1.JANEIRO.2011

PREÇÁRIO 1.JANEIRO.2011 PREÇÁRIO 1.JANEIRO.2011 PREÇÁRIO OMIP ÍNDICE DE VERSÕES DATA 1.Julho.2010 OBSERVAÇÕES Versão inicial. Substitui a versão original de 2006, que continha um Preçário conjunto OMIP e OMIClear. 1.Janeiro.2011

Leia mais

GIAE SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO MAGNÉTICO

GIAE SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO MAGNÉTICO GIAE SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO MAGNÉTICO A partir de 15 Setembro de 2014, o Agrupamento de Escolas de Rio Tinto, tem implementado um Sistema

Leia mais

Adesão à Caixanet - Empresas Caixa Económica de Cabo Verde

Adesão à Caixanet - Empresas Caixa Económica de Cabo Verde MCP.FM.002.00 2011.10.17 1/2 Adesão à Caianet - Empresas Caia Económica de Cabo Verde Nº de cliente Relação Nº de cliente Relação Nº de cliente Relação Denominação social Denominação* Actividade principal

Leia mais

Curso de média duração: (*) Poderão ocorrer alterações nas datas de conclusão dos cursos em função do calendário do Vestibular da Cásper

Curso de média duração: (*) Poderão ocorrer alterações nas datas de conclusão dos cursos em função do calendário do Vestibular da Cásper - 1 - CURSO: SEMI COMUNICAÇÃO CURSO: NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO PERÍODO: NOME DO ALUNO: Inteligente Cursos Preparatórios para Vestibulares Ltda. - CNPJ 07.865.349-0001-35, com sede à Avenida Liberdade 595,

Leia mais

Cartão Millennium bcp Free Empresas Nov.2011

Cartão Millennium bcp Free Empresas Nov.2011 Empresas Nov.2011 ÍNDICE 1. Características Pág. 3 2. Versões Existentes Pág. 4 3. Operações Disponíveis Pág. 5 4. Plafonds Pág. 5 5. Extractos Pág. 6 6. Modalidades de Carregamento Pág. 7 7. Vantagens

Leia mais

At. Exma. Senhora Dra. Ana Paula Contreiras Direção-Geral do Consumidor Praça Duque de Saldanha, 31-3º 1069-013 Lisboa

At. Exma. Senhora Dra. Ana Paula Contreiras Direção-Geral do Consumidor Praça Duque de Saldanha, 31-3º 1069-013 Lisboa At. Exma. Senhora Dra. Ana Paula Contreiras Direção-Geral do Consumidor Praça Duque de Saldanha, 31-3º 1069-013 Lisboa Assunto: Audição do CNC - Transposição da Diretiva Consumidores - Diretiva 2011/83/UE

Leia mais

DEZEMBRO 2013. Crédito Protocolado SOLUÇÕES PARA O CRESCIMENTO DA SUA EMPRESA

DEZEMBRO 2013. Crédito Protocolado SOLUÇÕES PARA O CRESCIMENTO DA SUA EMPRESA DEZEMBRO 2013 Na atual conjuntura económica, o Millennium bcp continua a implementar a sua estratégia de apoio às Empresas portuguesas, motores essenciais para o crescimento económico e criação de emprego.

Leia mais

O cliente pode escolher as transações que quer pagar na Loja CTT? Não, pode escolher os dias (valor total para um dia) que pretende pagar.

O cliente pode escolher as transações que quer pagar na Loja CTT? Não, pode escolher os dias (valor total para um dia) que pretende pagar. FAQ 1. Sistema Pós-Pago Quais os custos administrativos associados? Os custos administrativos são cobrados no momento do pagamento, dependendo do número de viagens cobradas (0,26 +IVA por viagem até um

Leia mais

Condições Gerais do Serviço BIC Net Empresas

Condições Gerais do Serviço BIC Net Empresas Entre o Banco BIC Português, S.A., Sociedade Comercial Anónima, com sede na Av. António Augusto de Aguiar, nº132 1050-020 Lisboa, pessoa colectiva nº 507880510, matriculada na Conservatória do Registo

Leia mais

IMPEDIMENTO AO PAGAMENTO

IMPEDIMENTO AO PAGAMENTO MOTIVOS DE DEVOLUÇÃO DE CHEQUES CHEQUES EM PROVISÃO DE FUNDOS MOT DESCRIÇÃO OBSERVAÇÕES 11 Cheque sem fundos 1º apresentação. 12 Cheque sem fundos 2º reapresentação. 13 Conta encerrada. 14 Prática espúria.

Leia mais

REMESSAS E CRÉDITOS DOCUMENTÁRIOS

REMESSAS E CRÉDITOS DOCUMENTÁRIOS MARÇO 2013 - nº 87 CONSULTA Operações Vivas, Pendentes, Encerradas e em Análise; Créditos Documentários de Importação e Exportação; Remessas Documentárias de Importação e Exportação. TEMPLATES DE OPERAÇÕES

Leia mais

Operações Documentárias no Portal de Empresas www.millenniumbcp.pt Apresentação para Clientes

Operações Documentárias no Portal de Empresas www.millenniumbcp.pt Apresentação para Clientes Operações Documentárias no Portal de Empresas www.millenniumbcp.pt Apresentação para Clientes Abril 2015 MT2569 Versão 5 Texto escrito conforme o Novo Acordo Ortográfico Índice Novo Pág. 1. Introdução/Enquadramento

Leia mais

Manual de Utilizador SEPA 4 Corporates Versão: 0908 Data: 2014-11-19 Estado: Final Classificação: Público

Manual de Utilizador SEPA 4 Corporates Versão: 0908 Data: 2014-11-19 Estado: Final Classificação: Público Versão: 0908 Data: 2014-11-19 Estado: Final Classificação: Público novembro 2014, SIBS, SA A informação contida neste documento é propriedade da SIBS, SA e não pode ser duplicada, publicada ou divulgada

Leia mais