QUESTÕES MAIS FREQUENTES. Ref

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUESTÕES MAIS FREQUENTES. Ref. 02.002.14017"

Transcrição

1 7 QUESTÕES MAIS FREQUENTES 1

2 DE ÂMBITO GENÉRICO (1/4) O que significa a SEPA para as Empresas e para os demais agentes económicos? Significa que estas poderão efetuar pagamentos em toda a área do euro, com a mesma facilidade, eficiência e segurança de que dispõem em Portugal. Para tal, beneficiam de regras standardizadas quanto ao processamento e prazos, podendo utilizar uma única conta bancária localizada em qualquer país da área do euro. Somos uma Empresa exportadora, com negócios em vários países da Zona Euro. Significa que as nossas transações crossborder ficam facilitadas? Claramente. Realizar uma transferência para uma conta bancária localizada num país do Espaço Económico Europeu não tem qualquer distinção em termos de exigência de requisitos, de prazos de processamento e até de pricing face a uma operação equivalente realizada para uma conta localizada num Banco em Portugal. No fundo, significa que o conceito de doméstico deixa de limitar-se às fronteiras geopolíticas do nosso país, para se alargar a todo o Espaço Económico Europeu. Que ações deve a nossa Empresa promover para se adaptar aos requisitos SEPA? O prazo e a dimensão das iniciativas a promover dependem de Empresa para Empresa, mas poderá abarcar várias áreas da sua estrutura (e não necessariamente apenas as de índole financeira). O Millennium bcp recomenda que as Empresas constituam um Grupo de Trabalho para analisar os impactos deste processo, promover o levantamento das tarefas que têm de ser levadas a cabo e estabelecer estratégias de implementação. Este documento detalha algumas das ações que as Empresas devem promover. 2

3 DE ÂMBITO GENÉRICO (2/4) Que impactos a SEPA pode ter nos meus ERP? Vou ter de fazer adaptações? Muito provavelmente, sim. Mas, mais do que um problema, tal pode constituir uma oportunidade e um benefício a médio prazo. Com a SEPA, as Empresas poderão passar da gestão de vários formatos de ficheiros (específicos de cada país com que opera), para um único. Naturalmente, as Empresas deverão avaliar se as atuais versões de ERP suportam, por exemplo, a geração de ficheiros no formato XML e se podem incorporar os novos elementos identificadores das contas (o IBAN e o BIC). Trabalhamos com vários mercados na Europa e utilizamos vários formatos de ficheiros, específicos de cada país (como o PS2 em Portugal). A SEPA vem trazer algumas implicações neste âmbito? Sim. O Regulamento 260/2012 veio estabelecer que as operações abrangidas por este diploma legal (Transferências a Crédito e Débitos Diretos) têm de ser transmitidas através do formato ISO20022 XML já a partir de 01.Fev.2014, sem prejuízo de os Estados Membros aplicarem as derrogações possíveis ao abrigo do Regulamento. Em Portugal foram definidas derrogações pelo Decreto- Lei 141/2013 de 18 de outubro, estando em vigor até 1 de Fevereiro de 2016 a dispensa de obrigatoriedade de utilização deste modelo (mas, a pedido do utilizador do serviço de pagamento, o prestador desse serviço está obrigado a aotar tal modelo). É expectável que os Clientes recorram a serviços de conversão de layouts não compliant com o ISO20022 XML (como é o caso do PS2), pelo que as Empresas deverão consultar os seus fornecedores de software nos casos em que os sistemas não possuam as funcionalidades necessárias para a sua criação. O Millennium bcp está a preparar uma oferta tendente à disponibilização, às Empresas que o solicitem, de serviços de conversão de ficheiros. De referir ainda que a comunidade bancária nacional desenvolveu um layout baseado nos standards ISO20022 XML, compatível com os Modelos SEPA de Transferências a Crédito e de Débitos Diretos, com o objetivo de simplificar o processo de comunicação entre os Bancos e os seus Clientes Layout C2B (Customer-to-Bank). 3

4 DE ÂMBITO GENÉRICO (3/4) A nossa Empresa tem de manter contas bancárias abertas em todos os países do EEE onde opera? Não. A SEPA vem abrir precisamente a oportunidade para as Empresas poderem concentrar num único Banco toda a sua tesouraria, dado que as Transferências a Crédito e os Débitos Diretos SEPA vão obedecer aos mesmos requisitos técnicos e de negócio no Espaço Económico Europeu. No entanto, as Empresas deverão avaliar cuidadosamente esta estratégia de centralização bancária, pois podem existir algumas especificidades em alguns países que não estejam cobertas pela SEPA (por exemplo, exigências do ponto de vista fiscal (a Autoridade Tributária de um determinado país pode exigir que uma Empresa que opere nesse país tenha de ter aberta uma conta bancária) ou a exigência de pagamento em cheque em determinadas situações). Que operações cobre o Regulamento 260/2012? O Regulamento cobre apenas transferências a crédito e débitos diretos em euros, realizados dentro do Espaço Económico Europeu (EEE). Por exemplo, uma transferência em USD para Espanha está fora do Regulamento, como também está um débito direto em euros ordenado sobre uma conta de um devedor com conta na Suíça. Existe algum limite de valor para uma operação estar sob o âmbito do Regulamento? Em bom rigor, não. O Regulamento aplica-se a operações a partir de 0,01. Todavia, os Bancos não são obrigados a enquadrar estas operações, se o seu valor exceder os ,99. Outra nota importante a reter é a forma como a operação for processada: se a operação for instruída com caráter de urgência, mesmo que por um valor que esteja dentro do intervalo acima descrito, a mesma não está abrangida pelo Regulamento. Assim: Uma operação de sem caráter de urgência cai no âmbito do Regulamento; Uma operação de ordenada com caráter de urgência e, como tal, processada via TARGET não cai no âmbito do Regulamento. 4

5 DE ÂMBITO GENÉRICO (4/4) O princípio da igualdade de preçário aplica-se a todas as transações? O princípio de igualdade de preçário aplica-se às operações abrangidas pelo Regulamento transferências a crédito e débitos diretos em euros, dentro do EEE independentemente de serem ordenadas com caráter de urgência ou não. Além disso, o Regulamento 260/2012 vem determinar os encargos cobrados por operações transfronteiras expressas em euros (*), independentemente do seu valor, são iguais aos encargos cobrados pela mesma instituição por operações bancárias equivalentes em euros processadas dentro Estado-Membro em que essa instituição esteja estabelecida. (*) Este princípio de igualdade de preçário também se aplica ao leu romeno e à coroa sueca. 5

6 SOBRE TRANSFERÊNCIAS A CRÉDITO (1/2) Somos obrigados a realizar transferências SEPA? Sim. Desde que a SEPA deixou formalmente de ser uma iniciativa de mercado e de adesão opcional para ser uma iniciativa de âmbito legal e obrigatório, a partir do dia 1 de fevereiro de 2014 as Empresas terão de passar a utilizar em exclusivo os instrumentos SEPA para processar os seus pagamentos (não só através de transferências a crédito como também através de débitos diretos), em detrimento dos sistemas nacionais até então existentes, sem prejuízo de os Estados Membros aplicarem as derrogações possíveis, ao abrigo do mesmo Regulamento. Em Portugal, foram definidas derrogações pelo Decreto-Lei 141/2013, de 18 de outubro, a vigorarem até 01 de fevereiro de A indicação de IBAN e BIC é obrigatória na realização de Transferências? Sim. Todavia, há que ter em consideração o seguinte: O BIC deixará de ser obrigatoriamente exigido, em todo o espaço SEPA, a partir de 01. Fev.2016; O Millennium bcp continuará a não exigir o BIC aos seus Clientes na realização de operações de transferências pontuais para o espaço SEPA. Dado que as Empresas podem operar com outros mercados, fora do Espaço Económico Europeu, recomendamos que solicitem sempre o BIC às entidades com que se relacionam, por forma a ter essa informação arquivada. O que é que a Empresa tem de fazer para poder receber transferências SEPA? Não tem de fazer nada. Sendo o Millennium bcp um Banco SEPA compliant desde o início deste projeto, qualquer instrução recebida que tenha as características de uma transferência SEPA por exemplo, um descritivo com 140 posições - será transmitida à Empresa, podendo consultar toda a informação através das Faturas ou Notas de Lançamento que são produzidas. 6

7 SOBRE TRANSFERÊNCIAS A CRÉDITO (2/2) Quais são os níveis de serviço para uma transferência SEPA? De acordo com a Diretiva de Serviços de Pagamento, nas transações em euro, o Banco do ordenante tem que creditar os fundos na conta do Banco do beneficiário até ao final do dia útil seguinte (D+1), embora possam existir exceções (por exemplo, operações instruídas em suporte papel - ex.: impresso do Banco ou fax -, poderão ter um prazo acrescido de 1 dia útil, embora o Millennium bcp não aplique este nível de serviço). O Banco do beneficiário, por sua vez, tem de garantir que o montante da operação de pagamento fica à disposição do beneficiário imediatamente após ter sido creditado na sua conta de pagamento. Assim, pode ser assumido que uma instrução de transferência de fundos para um outro Banco dentro do EEE, em euros, desde que cumpridos os requisitos para a mesma ser processada (ex.: a conta ordenante ter fundos, a instrução ser dada dentro do horário definido pelo Banco e possuir os requisitos mínimos) está concretizada no Banco do beneficiário no dia útil seguinte. Convém ainda esclarecer que uma transferência ordenada com carácter de urgência, processada via TARGET (e, como tal, passível de estar disponível no Banco do beneficiário no mesmo dia útil da ordem, desde que cumpridos os prazos definidos pelo Banco do ordenante), não configura uma transferência SEPA, não estando sujeita aos preceitos do Reg. 260/2012. O princípio subjacente às transferências SEPA é o da prática das despesas repartidas (shared SHA )? De acordo com a Diretiva de Serviços de Pagamento, o Banco do Ordenante, o Banco do Beneficiário e os eventuais intermediários de ambos, estão obrigados a transferir o montante integral da operação de pagamento e a abster-se de deduzir quaisquer encargos do montante transferido (conhecido como full-amount-principle ). Este princípio traduz que a opção de despesas a praticar no âmbito da SEPA deva ser o princípio das despesas repartidas, embora também se possa aplicar a opção de despesas a cargo do ordenante. Fica, deste modo, vedada a possibilidade de se aplicar a modalidade de despesas a cargo do beneficiário (opção BEN ). Ainda que esteja disponível a opção de despesas OUR (a cargo do Ordenante) na oferta do Millennium bcp para as instruções pontuais realizadas através do portal de Empresas em e nas instruções em Lote através do layout C2B, a única opção disponível é a de despesas repartidas ( SHA ). 7

8 SOBRE DÉBITOS DIRETOS (1/4) Os Bancos são obrigados a implementar as medidas de proteção dos consumidores? Sim. Um Cliente devedor no âmbito de débitos diretos pode solicitar ao seu Banco: Que a sua conta esteja bloqueada a toda e qualquer instrução de débito direto; Que só aceitem cobranças de determinado(s) credor(es) a chamada lista positiva ; Que não aceitem cobranças de determinado(s) credor(es) a chamada lista negativa ; Limitar a sua autorização de débito (mandato) a um valor específico ou até para uma periodicidade específica (por exemplo, não aceitar mais do que uma cobrança mensal, no valor de x). Sempre que houver medidas de proteção estabelecidas, o Banco do devedor terá de validar previamente todas as instruções de cobrança antes de proceder ao débito na conta do devedor. Por que razão nos Débitos Diretos B2B, o Bando do devedor terá sempre de validar, antes da sua execução, o montante de cada débito direto face ao valor que é apresentado na informação associada ao mandato? O Modelo de Débitos Diretos B2B foi desenhado a pedido das Confederações Empresariais europeias com o propósito de criar um sistema de cobranças com ciclos mais simples e rápidos, que proporcionasse uma maior garantia na obtenção dos fundos. Foi dessa necessidade que surgiu este modelo, que não consubstancia o direito a reembolso (exceto em situações em que o mandato não existe). Por forma a garantir alguma proteção aos devedores, foi estabelecido que o Banco do devedor deverá sempre validar o montante apresentado a cobrança, face à informação do mandato. 8

9 SOBRE DÉBITOS DIRETOS (2/4) Somos uma Empresa que efetua cobranças, tendo como Clientes entidades Particulares e Empresas. Somos obrigados a aderir e a gerir dois modelos de débitos diretos: o Core e o B2B? Não. O Modelo Core admite todo e qualquer tipo de devedor. O modelo B2B, que é um modelo facultativo, é que está vedado a consumidores e microempresas. Se a Empresa pretender aderir ao modelo B2B, deve garantir que, quer o seu Banco, quer o Banco do devedor oferecem este serviço. Em https://corp.millenniumbcp.pt/pt/private/pagamentos/debitosdiretos/pages/debitosdiretos.aspx, o Mbcp disponibiliza uma listagem atualizada dos Bancos aderentes aos Modelos SEPA, através de pesquisa por BIC ou por nome. No ato de migração dos débitos diretos nacionais para os débitos diretos SEPA, deverão as Empresas de informar os seus Clientes devedores? Sim, uma vez que o credor passa a ter uma nova referência no âmbito SEPA. Essa comunicação poderá ser feita de várias formas como, por exemplo, nas faturas remetidas ou em qualquer documento contratual ou informativo que são trocados entre credor e devedor. 9

10 SOBRE DÉBITOS DIRETOS (3/4) Sendo uma cobrança first rejeitada (*), na cobrança seguinte (admitindo que não estamos a falar de uma cobrança one-off ) a mesma deve ser classificada como recorrente ou novamente como first? A rejeição de uma cobrança é uma operação que ocorre antes da liquidação financeira. A mesma pode ocorrer por razões técnicas (ex.: formato inválido do ficheiro) ou por resposta negativa do Banco do Devedor (ex.: conta do devedor inexistente ou a conta não aceita cobranças). Nestas circunstâncias, a mesma deve ser reapresentada como first. Sendo uma cobrança first devolvida (*), na cobrança seguinte (admitindo que não estamos a falar de uma cobrança one-off ) a mesma deve ser classificada como recorrente ou novamente como first? A devolução de uma cobrança é uma operação que ocorre após a liquidação financeira (crédito na conta do credor) e decorrem sempre de iniciativa promovida pelo Banco do devedor (no prazo máximo de 5 dias TARGET, após a data de liquidação, no caso do Modelo Core). Assim, por exemplo, após a liquidação financeira de uma cobrança, a mesma ainda pode ser devolvida, a pedido do Banco do devedor, por insuficiência de saldo na conta do devedor. Nestas circunstâncias, a cobrança seguinte deve ser apresentada como recorrente, pelo facto da conta do credor ter sido alvo de movimentação financeira. (*) Ver conceito no Capítulo 4 Débitos Diretos Os ciclos e os prazos de cobrança 10

11 SOBRE DÉBITOS DIRETOS (4/4) Se uma cobrança first não for bem sucedida, por motivos de insufuciência de saldo da conta do devedor, a próxima cobrança deve vir classificada como first ou como recorrente? Depende. Se o crédito na conta do credor das cobranças que efetuou não contemplar o valor da cobrança mal sucedida, estamos perante uma rejeição e, como tal, a mesma deverá ser reapresentada como first. Se ocorreu o crédito na conta do credor e houve uma devolução (no prazo de 5 dias úteis TARGET após a data de liquidação/crédito na conta, no caso das cobranças no modelo Core,), a mesma já deve ser reapresentada como recorrente. 11

O REGULAMENTO 260/2012

O REGULAMENTO 260/2012 2 O REGULAMENTO 260/2012 SEPA is a fundamental element of the internal market. The EU institutions continue to work diligently to deepen the internal market in financial services, with the euro at its

Leia mais

DÉBITOS DIRETOS. Ref. 02.002.14017

DÉBITOS DIRETOS. Ref. 02.002.14017 4 DÉBITOS DIRETOS 1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS (1/3) Modelos de Débitos Diretos No âmbito SEPA existem, atualmente, dois Modelos de débitos diretos: - Débitos Diretos Core; - Débitos Diretos B2B (Business-to-Business),

Leia mais

Comparação entre Sistema de Débitos Diretos nacional e Débitos Diretos SEPA Core

Comparação entre Sistema de Débitos Diretos nacional e Débitos Diretos SEPA Core SEPA A SEPA (Single Euro Payments Area) ou Área Única de Pagamentos em Euros é um espaço geográfico onde particulares, empresas e administração pública podem efetuar e receber pagamentos em euros, em idênticas

Leia mais

Comparação com o Sistema de Débitos Diretos nacional

Comparação com o Sistema de Débitos Diretos nacional 1 Sobre a SEPA A criação da Área Única de Pagamentos em Euros (SEPA Single Euro Payments Area) tem como objetivo principal o estabelecimento de um mercado único de pagamentos de retalho. Nesta Área, particulares,

Leia mais

Serviço Carta-Cheque Fev.2014

Serviço Carta-Cheque Fev.2014 Fev.01 ÍNDICE 1 CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO COMO FUNCIONA? 5 A O Cheque B As Fases do Serviço OFERTA Millennium bcp 1 PRINCIPAIS VANTAGENS PARA A EMPRESA 17 5 19 NÍVEIS DE SERVIÇO 6 0 PROCESSO DE ADESÃO

Leia mais

Índice. Introdução 3. Como devem ser efetuadas as cobranças das despesas relativas a transferências? 6. O que são transferências?

Índice. Introdução 3. Como devem ser efetuadas as cobranças das despesas relativas a transferências? 6. O que são transferências? Índice Introdução 3 O que são transferências? 3 O que distingue as transferências dos débitos diretos? 3 As transferências Multibanco são transferências? 3 Quais as formas utilizadas para ordenar uma transferência?

Leia mais

SEPA Área Única de Pagamentos em Euros. Seminário com Confederações e Associações Empresariais 3 de março de 2015

SEPA Área Única de Pagamentos em Euros. Seminário com Confederações e Associações Empresariais 3 de março de 2015 SEPA Área Única de Pagamentos em Euros Seminário com Confederações e Associações Empresariais 3 de março de 2015 AGENDA 1. SINGLE EURO PAYMENTS AREA (SEPA) 1.1 O que é 1.2 Enquadramento regulamentar 13

Leia mais

Serviço de Faturação Eletrónica

Serviço de Faturação Eletrónica E-Invoicing Serviço prestado em acordo de interoperabilidade com a: Nov.2013 Ref. 02.007.14353 ÍNDICE 1 O que é uma Fatura Eletrónica? 3 2 Porquê a Faturação Eletrónica? 4 3 Quais as Vantagens? 7 4 O papel

Leia mais

SEPA PERGUNTAS FREQUENTES

SEPA PERGUNTAS FREQUENTES SEPA PERGUNTAS FREQUENTES A integração europeia promoveu a circulação de pessoas e mercadorias entre os Estados- Membros da União Europeia e, consequentemente, o aumento do fluxo de pagamentos transfronteiriços

Leia mais

SEPA - Single Euro Payments Area

SEPA - Single Euro Payments Area SEPA - Single Euro Payments Area Área Única de Pagamentos em euros APOIO PRINCIPAL: APOIO PRINCIPAL: Contexto O que é? Um espaço em que consumidores, empresas e outros agentes económicos poderão efectuar

Leia mais

http://www.bportugal.pt

http://www.bportugal.pt Os cadernos do Banco de Portugal têm por finalidade exclusiva a informação do público em geral, não se destinando a ser utilizados para dirimir eventuais conflitos emergentes das relações estabelecidas

Leia mais

Portal Internet Empresas GUIA DA PRIMEIRA UTILIZAÇÃO

Portal Internet Empresas GUIA DA PRIMEIRA UTILIZAÇÃO Portal Internet Empresas GUIA DA PRIMEIRA UTILIZAÇÃO Linha de Apoio ao Utilizador AVISO Os conteúdos apresentados aqui são apenas para informação, sendo revelado ao destinatário como uma ferramenta auxiliar,

Leia mais

DEZEMBRO 2013. Crédito Protocolado SOLUÇÕES PARA O CRESCIMENTO DA SUA EMPRESA

DEZEMBRO 2013. Crédito Protocolado SOLUÇÕES PARA O CRESCIMENTO DA SUA EMPRESA DEZEMBRO 2013 Na atual conjuntura económica, o Millennium bcp continua a implementar a sua estratégia de apoio às Empresas portuguesas, motores essenciais para o crescimento económico e criação de emprego.

Leia mais

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA?

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA? 1 NOTA INFORMATIVA 1. O que é a SEPA? Para harmonização dos sistemas de pagamento no espaço europeu no sentido de impulsionar o mercado único, foi criada uma Área Única de Pagamentos em Euro (denominada

Leia mais

2 TRANSFERÊNCIAS A CRÉDITO

2 TRANSFERÊNCIAS A CRÉDITO 2 TRANSFERÊNCIAS A CRÉDITO As transferências, enquanto instrumento de movimentação de fundos entre contas de depósito, a débito e a crédito, são hoje um dos mais usuais tipos de operações bancárias que

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 22/2013. Regime de caixa de IVA (DL 71/2013, 30.05)

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 22/2013. Regime de caixa de IVA (DL 71/2013, 30.05) INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 22/2013 Regime de caixa de IVA (DL 71/2013, 30.05) Índice 1.Âmbito... 1 2.Opção pelo regime - permanência e saída por opção do mesmo... 1 2.1.Opção pelo regime em 2013... 1 2.2.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS GUIA PARA A MOBILIDADE DE SERVIÇOS BANCÁRIOS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS GUIA PARA A MOBILIDADE DE SERVIÇOS BANCÁRIOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS GUIA PARA A MOBILIDADE DE SERVIÇOS BANCÁRIOS simplifica Como nasce este Guia O presente Guia baseia-se nos Princípios Comuns Para a Mobilidade de Serviços Bancários", adoptados

Leia mais

COBRANÇAS ELECTRÓNICAS EM ESPANHA

COBRANÇAS ELECTRÓNICAS EM ESPANHA COBRANÇAS ELECTRÓNICAS EM ESPANHA www.millenniumbcp.pt https://corp.millenniumbcp.pt 002.002.1320 Índice 1. Caracterização do Serviço Pág. 3 2. Posicionamento em termos de oferta Pág. 4 3. Como Funciona?

Leia mais

Reduza custos na Empresa, aumentando o rendimento disponível dos seus Colaboradores. Cartão Millennium bcp Free Refeição

Reduza custos na Empresa, aumentando o rendimento disponível dos seus Colaboradores. Cartão Millennium bcp Free Refeição Reduza custos na Empresa, aumentando o rendimento disponível dos seus Colaboradores Cartão Millennium bcp Free Refeição Jan.2015 ÍNDICE 1 Características 3 2 Poupança 4 3 Utilização 8 4 Operações Disponíveis

Leia mais

Índice. Introdução 3. O que são débitos diretos? 3. Que pagamentos podem ser efetuados por débito direto? 3

Índice. Introdução 3. O que são débitos diretos? 3. Que pagamentos podem ser efetuados por débito direto? 3 Índice Introdução 3 O que são débitos diretos? 3 Que pagamentos podem ser efetuados por débito direto? 3 Como é que se pode aceder a pagamentos através de débitos diretos? 4 O devedor pode ser obrigado

Leia mais

CONNOSCO AS SUAS FATURAS PODEM SER CASH

CONNOSCO AS SUAS FATURAS PODEM SER CASH CONNOSCO AS SUAS FATURAS PODEM SER CASH SOLUÇÃO DE FATURAÇÃO CASH ON TIME ESTE É O SEU MILLENNIUM. www.millenniumbcp.pt SOLUÇÃO DE FATURAÇÃO CASH ON TIME TUDO O QUE PRECISA DE SABER ÍNDICE 01. CASH ON

Leia mais

Dores de SEPA? SEPA Lite é o remédio. e-mandatos facilmente enviando emails ou SMS certificados

Dores de SEPA? SEPA Lite é o remédio. e-mandatos facilmente enviando emails ou SMS certificados Dores de SEPA? SEPA Lite é o remédio Gerencie com os seus e-mandatos facilmente enviando emails ou SMS certificados Sumário de conteúdos 1. O que é SEPA? 2. 3. 4. 5. 6. Remédio SEPA Lite: e-mandato Remédio

Leia mais

AGORA JÁ PODE GERIR A SUA EMPRESA ATRAVÉS DE UM SMARTPHONE OU TABLET

AGORA JÁ PODE GERIR A SUA EMPRESA ATRAVÉS DE UM SMARTPHONE OU TABLET AGOSTO 2013 Com uma utilização muito intuitiva, a App MEmpresas permite-lhe Autorizar Operações Pendentes, para além de acompanhar os saldos e movimentos das contas à ordem, depósitos a prazo e de cartões

Leia mais

Obrigação de comunicação à AT

Obrigação de comunicação à AT Obrigação de comunicação à AT Perguntas e respostas sobre o impacto das novas regras de comunicação à AT nas empresas Page 2 of 10 Introdução A Publicação do Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de agosto introduz

Leia mais

Preçário CAIXA ECONOMICA DO PORTO

Preçário CAIXA ECONOMICA DO PORTO Preçário CAIXA ECONOMICA DO PORTO CAIXAS ECONÓMICAS Consulte o COMISSÕES E SPESAS Consulte o TAXAS JURO Data de O Preçário completo contém o Folheto de Comissões e Despesas (que incorpora os valores máximos

Leia mais

Novo Regime de IVA de Caixa

Novo Regime de IVA de Caixa QA#005 / Junho.2014 Mónica Veloso * Área Jurídica da Unidade Empreendedorismo ANJE Novo Regime de IVA de Caixa Na Quinta edição da QuickAid Notas Informativas Jurídicas da Unidade de Empreendedorismo ANJE,

Leia mais

Alterações a vigorar a partir de 1 de outubro de 2013

Alterações a vigorar a partir de 1 de outubro de 2013 Alterações a vigorar a partir de 1 de outubro de 2013 Este documento deve ser impresso e lido com atenção, preferencialmente, na presença do contabilista da sua empresa. Caso subsistam dúvidas após a sua

Leia mais

Acresce Imposto Preçário Atual Novo Preçário DEPÓSITOS À ORDEM Encargos de manutenção (1) Contas com SMDO Trimestral entre 50,01 e 500,00

Acresce Imposto Preçário Atual Novo Preçário DEPÓSITOS À ORDEM Encargos de manutenção (1) Contas com SMDO Trimestral entre 50,01 e 500,00 Lisboa, 15 de janeiro de 2013 Estimado(a) Cliente, Informamos que o Preçário será atualizado nos termos a seguir indicados, com entrada em vigor a partir do dia 23 de abril de 2013, com exceção das comissões

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 5910 Diário da República, 1.ª série N.º 201 17 de outubro de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Decreto-Lei n.º 225/2012 de 17 de outubro O Decreto -Lei n.º 27 -C/2000, de 10 de março, que cria o

Leia mais

Não aplicável (conta não remunerada)

Não aplicável (conta não remunerada) Designação Conta 18-23 Condições de Acesso Clientes Particulares com idades compreendidas entre os 18 e os 23 anos Modalidade Depósito à Ordem Meios de Movimentação Cartão de débito, cheque, ordem de transferência,

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Moeda Conta Super Jovem Clientes Particulares, com idade entre os 18 e os 30 anos (inclusive). Depósito à Ordem. Esta conta pode ser movimentada

Leia mais

500.000 FAMÍLIAS JÁ GEREM MELHOR AS SUAS DESPESAS

500.000 FAMÍLIAS JÁ GEREM MELHOR AS SUAS DESPESAS 500.000 FAMÍLIAS JÁ GEREM MELHOR AS SUAS DESPESAS CLIENTE FREQUENTE Poupe mais com esta solução integrada de produtos e serviços bancários e pague o mesmo todos os meses. MILLENNIUM. É PARA AVANÇAR. www.millenniumbcp.pt

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Faturas - Mediadores de seguros que pratiquem operações isentas Processo: nº 4686, por despacho de 2013-05-15, do SDG do IVA, por delegação

Leia mais

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Legislação: Decreto-Lei n.º 71/2013 de 30 de Maio Data de entrada em vigência: 1 de Outubro de 2013 Aplicação: o regime de IVA de caixa aplica-se a todas

Leia mais

> O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA

> O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA > O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA MILLENNIUM TRADE SOLUTIONS > CONQUISTE NOVOS MERCADOS PARA A SUA EMPRESA A Exportação e Importação, bem como a Internacionalização da sua Empresa, exigem conhecimento

Leia mais

Mudar de Conta Bancária. Guia para a Mobilidade de Serviços Bancários

Mudar de Conta Bancária. Guia para a Mobilidade de Serviços Bancários Mudar de Conta Bancária Guia para a Mobilidade de Serviços Bancários Como nasce este Guia O presente Guia baseia-se nos Princípios Comuns Para a Mobilidade de Serviços Bancários, adoptados alguns anos

Leia mais

REMESSAS E CRÉDITOS DOCUMENTÁRIOS

REMESSAS E CRÉDITOS DOCUMENTÁRIOS MARÇO 2013 - nº 87 CONSULTA Operações Vivas, Pendentes, Encerradas e em Análise; Créditos Documentários de Importação e Exportação; Remessas Documentárias de Importação e Exportação. TEMPLATES DE OPERAÇÕES

Leia mais

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA)

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 71/2013, DE 30 DE MAIO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - LEI N.º

Leia mais

Cartão Millennium bcp Free Empresas Nov.2011

Cartão Millennium bcp Free Empresas Nov.2011 Empresas Nov.2011 ÍNDICE 1. Características Pág. 3 2. Versões Existentes Pág. 4 3. Operações Disponíveis Pág. 5 4. Plafonds Pág. 5 5. Extractos Pág. 6 6. Modalidades de Carregamento Pág. 7 7. Vantagens

Leia mais

Preçário BANIF - BANCO DE INVESTIMENTO, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANIF - BANCO DE INVESTIMENTO, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANIF BANCO DE INVESTIMENTO, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Banif Banco de Investimento, SA contém o Folheto

Leia mais

Lisboa, 15 de janeiro de 2013. Estimado(a) Cliente,

Lisboa, 15 de janeiro de 2013. Estimado(a) Cliente, Lisboa, 15 de janeiro de 2013 Estimado(a) Cliente, Informamos que o Preçário será atualizado nos termos a seguir indicados, com entrada em vigor a partir do dia 23 de abril de 2013, com exceção das comissões

Leia mais

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é aceite 1.º Titular Outros Titulares de (5) (1) 5. Recuperação de valores em divida (6) Millennium bcp Business Silver 28,85 19,23 26,44 Millennium

Leia mais

Preçário BNP PARIBAS WEALTH MANAGEMENT SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BNP PARIBAS WEALTH MANAGEMENT SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BNP PARIBAS WEALTH MANAGEMENT SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BNP PARIBAS WEALTH MANAGEMENT

Leia mais

Manual Atualização 4.2 Singest Faturação. 04-10-2013 Cambragest Serviços de Gestão e Software, Lda

Manual Atualização 4.2 Singest Faturação. 04-10-2013 Cambragest Serviços de Gestão e Software, Lda Singest Faturação 04-10-2013 Cambragest Serviços de Gestão e Software, Lda Introdução A versão 4.2 do Singest foi lançada, de forma a responder às obrigatoriedades legais impostas pelo decreto de lei 71/2013,

Leia mais

Preçário SONAE FINANCIAL SERVICES, SA INSTITUIÇÕES DE MOEDA ELECTRÓNICA

Preçário SONAE FINANCIAL SERVICES, SA INSTITUIÇÕES DE MOEDA ELECTRÓNICA Preçário SONAE FINANCIAL SERVICES, SA INSTITUIÇÕES DE MOEDA ELECTRÓNICA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo da Sonae Financial Services,

Leia mais

Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República

Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República Considerando a necessidade de proporcionar aos Serviços da Secretaria-Geral,

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 31.12.2005 PT C 336/109 BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 15 de Dezembro de 2005 sobre uma proposta de regulamento (CE) relativo às informações sobre o ordenante que acompanham

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Completa Clientes Particulares, maiores de 18 anos, que sejam trabalhadores por conta de outrem e que aceitem domiciliar ou transferir,

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 22.2.2014 Jornal Oficial da União Europeia C 51/3 III (Atos preparatórios) BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 19 de novembro de 2013 sobre uma proposta de diretiva do Parlamento

Leia mais

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Prestações de Desemprego Montante Único

Leia mais

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido Conceito e Características do Cartão de Crédito O cartão de crédito Private Label Híbrido, de uso doméstico

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Regime de Iva de Caixa

Regime de Iva de Caixa Regime de Iva de Caixa XD Rest/Pos 2014 1 Alterações Fiscais O Decreto Lei nº71/2013, que aprovou o regime de contabilidade de caixa em sede do Imposto Sobre o Valor Acrescentado (regime de IVA de caixa)

Leia mais

Manual Atualização 4.2 Singest POS Touch. 15-10-2013 Cambragest Serviços de Gestão e Software, Lda

Manual Atualização 4.2 Singest POS Touch. 15-10-2013 Cambragest Serviços de Gestão e Software, Lda 15-10-2013 Cambragest Serviços de Gestão e Software, Lda Introdução A versão 4.2 do Singest foi lançada de forma a responder às obrigatoriedades legais impostas pelo Decreto-lei 71/2013, que regulamenta

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1.º Âmbito das iniciativas de apoio a empreendedores emigrantes O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro Módulo Financeiro Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre todos os itens do Módulo Financeiro. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo ou em partes do material

Leia mais

Informações sobre Serviços de Investimento. Ações Corporativas, Validade e Ações Administrativas

Informações sobre Serviços de Investimento. Ações Corporativas, Validade e Ações Administrativas Informações sobre Serviços de Investimento Ações Corporativas, Validade e Ações Administrativas Introdução Nas Informações sobre Serviços de Investimento, a DEGIRO fornece uma descrição detalhada dos acordos

Leia mais

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS PLANOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICO-HOSPITALAR E DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA CONTRATADOS PELA ASTCERJ A utilização dos Planos de Assistência Médico-Hospitalar e de Assistência Odontológica

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

A Nota Fiscal Eletrônica proporciona benefícios a todos os envolvidos em uma transação comercial.

A Nota Fiscal Eletrônica proporciona benefícios a todos os envolvidos em uma transação comercial. O QUE É A NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-E? Podemos conceituar a Nota Fiscal Eletrônica como sendo um documento de existência apenas digital, emitido e armazenado eletronicamente, com o intuito de documentar,

Leia mais

Manual Atualização 4.2 Singest Restauração. 15-10-2013 Cambragest Serviços de Gestão e Software, Lda

Manual Atualização 4.2 Singest Restauração. 15-10-2013 Cambragest Serviços de Gestão e Software, Lda Singest Restauração 15-10-2013 Cambragest Serviços de Gestão e Software, Lda Introdução A versão 4.2 do Singest foi lançada de forma a responder às obrigatoriedades legais impostas pelo Decreto-lei 71/2013,

Leia mais

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Email: ssgeral@saudadeesilva.com NOVO REGIME DE FATURAÇÃO Alterações para 2013, em matéria de faturação e transporte de mercadorias. Legislação aplicável:

Leia mais

Millennium bcp 2 Julho 2011

Millennium bcp 2 Julho 2011 Preçário de Títulos Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013 Considerando a necessidade do Governo dos Açores continuar a potenciar a competitividade e crescimento sustentado

Leia mais

Projeto de Lei n.º 818/XII/4ª

Projeto de Lei n.º 818/XII/4ª Projeto de Lei n.º 818/XII/4ª Determina a obrigatoriedade de as instituições de crédito disponibilizarem uma conta de depósito à ordem padronizada, designada de conta base, e proíbe a cobrança de comissões,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO

PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO 1 QUANDO É QUE O BCE ASSUMIRÁ A SUPERVISÃO DOS BANCOS? O BCE assumirá

Leia mais

PRODUTOS COM BENEFÍCIOS Simplifique o seu dia a dia

PRODUTOS COM BENEFÍCIOS Simplifique o seu dia a dia ANEXO I PLANO VANTAGEM INTEGRADA DE PROTOCOLO (Plano VIP) Os colaboradores de empresas aderentes ao Plano VIP, com ordenados domiciliados no Millennium bcp, de valor igual ou superior a 350, têm acesso

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 378/XII/2.ª INTRODUZ O REGIME FACULTATIVO DE CONTABILIDADE DE CAIXA DO IVA PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

PROJETO DE LEI N.º 378/XII/2.ª INTRODUZ O REGIME FACULTATIVO DE CONTABILIDADE DE CAIXA DO IVA PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 378/XII/2.ª INTRODUZ O REGIME FACULTATIVO DE CONTABILIDADE DE CAIXA DO IVA PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Exposição de motivos As micro, pequenas e médias empresas

Leia mais

2 Análise. 2.1 Enquadramento da situação

2 Análise. 2.1 Enquadramento da situação DECISÃO SOBRE A ACUMULAÇÃO DE NÚMEROS PARA O SERVIÇO DE ACESSO A REDES DE DADOS NO CÓDIGO 67 DO PLANO NACIONAL DE NUMERAÇÃO EM RESULTADO DE PROCESSOS DE FUSÃO OU AQUISIÇÃO DE EMPRESAS 1 Introdução O código

Leia mais

FUNDOS DE COMPENSAÇÃO

FUNDOS DE COMPENSAÇÃO FUNDOS DE COMPENSAÇÃO FCT, FGCT e ME W: www.centralgest.com E: comercial@centralgest.com 1987-2013 CentralGest - Produção de Software S.A. T: (+351) 231 209 530 Todos os direitos reservados Portugal Angola

Leia mais

Atualizado em 10/09/2015

Atualizado em 10/09/2015 Atualizado em 10/09/2015 O Cartão BB Pesquisa é um produto oferecido pelo Banco do Brasil para facilitar o dia a dia dos pesquisadores. Destina-se ao pagamento de bens, serviços e demais despesas autorizadas.

Leia mais

Cláusulas Contratuais Gerais de Adesão ao Serviço MB WAY

Cláusulas Contratuais Gerais de Adesão ao Serviço MB WAY Cláusulas Contratuais Gerais de Adesão ao Serviço MB WAY Objeto a) Pelo presente contrato, a Caixa Económica Montepio Geral, entidade com capital aberto ao investimento do público, com sede na Rua Áurea,

Leia mais

PREÇÁRIO. Entrada em Vigor: 2 de janeiro de 2015

PREÇÁRIO. Entrada em Vigor: 2 de janeiro de 2015 PREÇÁRIO Entrada em Vigor: 2 de janeiro de 2015 Caixa Geral de Depósitos, SA Sede Social: Av. João XXI, 63 1000-300 Lisboa Portugal Capital Social: 5.900.000.000 CRCL e NIP C 500960046 www.bnu.tl Sucursal

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR Este documento apresenta-se como um resumo das Condições Gerais e Especiais do seguro Prévoir PPR e não dispensa a consulta integral das mesmas. SEGURADOR FINALIDADE SEGMENTO-ALVO CONDIÇÕES DE SUBSCRIÇÃO

Leia mais

Excelência Proximidade Profissionalismo. É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado. 300 Anos de Experiência. 50 Milhões de Clientes

Excelência Proximidade Profissionalismo. É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado. 300 Anos de Experiência. 50 Milhões de Clientes Oferta de Cooperação Barclays at Work 1 / 7 Excelência Proximidade Profissionalismo É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado 300 Anos de Experiência 50 Milhões de Clientes 60 Países Spliu

Leia mais

Smart efficiency. O presente Regulamento estabelece as regras a que deve obedecer a disponibilização do serviço waterbeep da EPAL.

Smart efficiency. O presente Regulamento estabelece as regras a que deve obedecer a disponibilização do serviço waterbeep da EPAL. 1. Objeto O presente Regulamento estabelece as regras a que deve obedecer a disponibilização do serviço waterbeep da EPAL. 2. Âmbito O serviço waterbeep é disponibilizado a todos os clientes da EPAL, independentemente

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Perguntas Frequentes - COPE

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Perguntas Frequentes - COPE Perguntas Frequentes - COPE Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Departamento de Estatística Banco de Portugal +351 707 201 409 ddebp.reporte@bportugal.pt Versão Maio de 2013 Comunicação de Operações

Leia mais

Preçário CAIXA ECONÓMICA SOCIAL CAIXAS ECONÓMICAS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 01-DEZ-2015

Preçário CAIXA ECONÓMICA SOCIAL CAIXAS ECONÓMICAS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 01-DEZ-2015 Preçário CAIXA ECONÓMICA SOCIAL CAIXAS ECONÓMICAS Consulte o FOLHETO E COMISSÕES E ESPESAS ata de Entrada em vigor: 01-EZ-2015 Consulte o FOLHETO E TAXAS E JURO ata de Entrada em vigor: 16-OUT-2015 O Preçário

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 529/XII/3.ª

PROJETO DE LEI N.º 529/XII/3.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 529/XII/3.ª ASSEGURA O ACESSO DOS CIDADÃOS AOS SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS GRATUITOS E LIMITA A COBRANÇA DE DESPESAS DE MANUTENÇÃO DE CONTA POR PARTE DAS INSTITUIÇÕES

Leia mais

Obrigações Fiscais 2013

Obrigações Fiscais 2013 Obrigações Fiscais 2013 Caros Associados, A publicação do Decreto-Lei n.º 197/2012 e do Decreto-Lei n.º 198/2012, ambos de 24 de agosto, vieram introduzir importantes alterações nas normas relativas à

Leia mais

Manual do aplicativo GESTÃO DE FICHEIROS 2003

Manual do aplicativo GESTÃO DE FICHEIROS 2003 Manual do aplicativo GESTÃO DE FICHEIROS 2003 ÍNDICE Pág. I. Instalação do Software 2 II. Selecção de Empresas / Manutenção de Empresas 5 III. Criação da Base de Dados (Clientes, Fornecedores e Pessoal)

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Moeda Conta Super Jovem Clientes Particulares, com idade entre os 18 e os 30 anos (inclusive). Depósito à Ordem. Esta conta pode ser movimentada

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ASSUNTO: Comunicação de informação relativa a contratos de crédito abrangidos pelos procedimentos previstos no

Leia mais

REGULAMENTO. Capítulo 1º. Definições:

REGULAMENTO. Capítulo 1º. Definições: REGULAMENTO A OPERADORA E AGÊNCIA DE VIAGENS CVC TUR LTDA., o Presenteador e o Presenteado do VALE-VIAGEM CVC, a primeira, na qualidade de prestadora de serviços de turismo, e o segundo, aderindo às condições

Leia mais

PROJETO DE DECISÃO RELATIVO À DESIGNAÇÃO COMO ILIMITADAS DE OFERTAS DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS

PROJETO DE DECISÃO RELATIVO À DESIGNAÇÃO COMO ILIMITADAS DE OFERTAS DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS PROJETO DE DECISÃO RELATIVO À DESIGNAÇÃO COMO ILIMITADAS DE OFERTAS DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS I. ENQUADRAMENTO 1. Factos O ICP-ANACOM tem constatado a crescente disponibilização, por parte

Leia mais

Preçário FINANFARMA - SOCIEDADE DE FACTORING, S A SOCIEDADES DE FACTORING

Preçário FINANFARMA - SOCIEDADE DE FACTORING, S A SOCIEDADES DE FACTORING Preçário FINANFARMA - SOCIEDADE DE FACTORING, S A SOCIEDADES DE FACTORING Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo da Finanfarma, S.A.,

Leia mais

STANDARD CHARTERED BANK ANGOLA

STANDARD CHARTERED BANK ANGOLA PREÇÁRIO STANDARD CHARTERED BANK ANGOLA Instituição Financeira Bancária ANEXO I Tabela de Comissões e Despesas DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 01/06/2015 Este Preçário pode ser consultado nos balcões e locais

Leia mais

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO O presente instrumento estabelece as normas regulamentares do AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO, destinado ao atendimento de Pessoas Jurídicas de direito público,

Leia mais

Linha Millennium BEI 2013. outubro 2013

Linha Millennium BEI 2013. outubro 2013 Linha Millennium BEI 2013 outubro 2013 I. Enquadramento O Millennium bcp disponibiliza a Linha de Crédito Linha Millennium BEI desenvolvida no âmbito dos contratos de financiamento realizados entre o Millennium

Leia mais

Cartão de Crédito Millennium bcp GO!

Cartão de Crédito Millennium bcp GO! FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES, EM CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição

Leia mais

Preçário BANCO CTT BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO CTT BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO CTT BANCOS Consulte o FOLHETO E COMISSÕES E ESPESAS Consulte o FOLHETO E TAXAS E JURO ata de Entrada em vigor do Folheto de Comissões e espesas 18-mar-2016 ata de Entrada em vigor do Folheto

Leia mais

São condições para colaboradores de empresas aderentes e que merecem partilhar as conquistas da sua empresa.

São condições para colaboradores de empresas aderentes e que merecem partilhar as conquistas da sua empresa. São condições para colaboradores de empresas aderentes e que merecem partilhar as conquistas da sua empresa. Com a domiciliação de um ordenado superior a 350 /mês passa a ter acesso a um vasto conjunto

Leia mais

Alterações de Preçário NOVO BANCO 2015, para contratos em curso

Alterações de Preçário NOVO BANCO 2015, para contratos em curso janeiro 2015 Alterações de Preçário NOVO BANCO 2015, para contratos em curso Em 2015 o NOVO BANCO irá proceder a algumas revisões de preçário, mantendo-se o preço inalterado na maioria dos produtos/serviços,

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

NORMATIVO SARB 002/2008

NORMATIVO SARB 002/2008 O Conselho de Auto-Regulação Bancária, com base no art. 1 (b), do Código de Auto-Regulação Bancária, sanciona as regras abaixo dispostas, formalizando preceitos comuns a todas as signatárias da auto-regulação

Leia mais

REGULAMENTO. Presenteador: É a pessoa física ou jurídica que adquire o VALE-VIAGEM CVC, mediante a compra direta de cargas de valores.

REGULAMENTO. Presenteador: É a pessoa física ou jurídica que adquire o VALE-VIAGEM CVC, mediante a compra direta de cargas de valores. REGULAMENTO A CVC BRASIL OPERADORA E AGÊNCIA DE VIAGENS S.A., o Presenteador e o Presenteado do VALE-VIAGEM CVC, a primeira, na qualidade de prestadora de serviços de turismo, e o segundo, aderindo às

Leia mais

Novas regras de faturação. (DL n.º197/2012 de 24 de agosto)

Novas regras de faturação. (DL n.º197/2012 de 24 de agosto) 1 Novas regras de faturação (DL n.º197/2012 de 24 de agosto) Este diploma introduz alterações às regras de faturação em matéria de imposto sobre o valor acrescentado, em vigor a partir de 1 de janeiro

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Guia do Utilizador Versão 4.0 Agosto/ 2014 Índice 1. Introdução 2. Criar/ Validar Folhas de Férias 3. Acesso à funcionalidade 4. Inserir/ Consultar Folhas de Férias 5. Comprovativo

Leia mais