Comparação entre Sistema de Débitos Diretos nacional e Débitos Diretos SEPA Core

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comparação entre Sistema de Débitos Diretos nacional e Débitos Diretos SEPA Core"

Transcrição

1 SEPA A SEPA (Single Euro Payments Area) ou Área Única de Pagamentos em Euros é um espaço geográfico onde particulares, empresas e administração pública podem efetuar e receber pagamentos em euros, em idênticas condições, direitos e obrigações, qualquer que seja a sua localização. A SEPA abrange um conjunto de mais de 3900 bancos aderentes dentro de uma área geográfica designada que compreende os 28 estados-membro da UE, Islândia, Liechtenstein, Noruega, Suíça e Mónaco. A implementação da SEPA vai refletir-se no serviço de débitos diretos ao permitir que as cobranças possam ser efetuadas com a mesma facilidade a um Devedor com conta num banco sedeado em Portugal, como em qualquer outro país SEPA. O Banco BIC irá disponibilizar o novo serviço SEPA Débitos Diretos Core, o que levará a uma reformulação de alguns procedimentos e regras base. Comparação entre Sistema de Débitos Diretos nacional e Débitos Diretos SEPA Core Sistema de Débitos Diretos Nacional Débitos Diretos SEPA CORE Autorização de Débito em Conta (ADC), previamente concedida pelo Devedor Criação pelo Credor. O Devedor apenas pode efetuar Criação e atualização pelo Devedor ou a manutenção da autorização (p. ex. definição de pelo Credor montantes máximos, data de validade e inativação) Ativação pelo Credor efetuada de forma automática Ativação pelo Credor efetuada através do em simultâneo com o processamento da primeira envio de um ficheiro próprio cobrança Migração das ADC do Sistema de Débitos Diretos nacional para os Débitos Diretos SEPA CORE Dados dos Devedores Tipos de Débitos Diretos Utilização do NIB Sem diferenciação no tipo de cobrança (apenas cobranças recorrentes) Utilização obrigatória do IBAN e do BIC, em substituição do NIB Existe diferenciação entre cobranças recorrentes e pontuais Transações de Exceção Ações possíveis sobre uma cobrança: rejeição, recusa, cancelamento (anulação), devolução, reembolso (revogação) e reversão Software Atualmente o Banco BIC disponibiliza o software Gesfich O Banco BIC disponibiliza o software SEPA 4 CORPORATES para criar ficheiros que respeitem a norma ISO XML 1

2 Autorização de Débito em Conta (Mandato) A adesão ao SEPA DD é feita através da ADC - Autorizações de Débito em Conta (Mandato designação utilizada no âmbito da SEPA) que constitui o acordo dado pelo Devedor ao Credor. O mandato terá um impresso próprio standartizado e com elementos obrigatórios. A ativação passa a ser da inteira responsabilidade do Credor, tal como a recolha dos mandatos, o envio da informação ao banco, o arquivo pelo tempo legalmente imposto, a prestação da devida informação ao Devedor e a gestão de qualquer contestação relacionada com as cobranças efetuadas diretamente com o Devedor. Deixa de ser possível ao Devedor criar a Autorização de Débito em Conta (ADC). No entanto, o Devedor tem à sua disposição as seguintes medidas especiais de proteção: Limitar as cobranças no seu montante máximo e/ou definição da data de validade; Inibir a sua conta da cobrança de pagamento de qualquer entidade, ou de uma entidade específica; Cancelar o mandato. As Autorizações de Débito em Conta já existentes no sistema nacional serão migradas assim que houver lugar a primeira cobrança bem-sucedida ao abrigo do sistema SEPA DD Core. Os atributos do Mandato devem conter a ordem apresentada no modelo elaborado pelo Banco de Portugal (modelo em anexo). Identificação das contas A partir de 1 de fevereiro de 2014, em todas as transações onde é solicitada a identificação das contas a utilizar, deverão ser fornecidos obrigatoriamente os seguintes elementos: Nome do beneficiário; IBAN (International Bank Account Number) - elemento de informação normalizada, utilizado na identificação de contas bancárias no Espaço Económico Europeu (EEE). É composto por 25 dígitos e, no caso português, basta adicionar o prefixo PT50 antes do seu NIB para obter o seu código IBAN (disponível no seu extrato de conta ou através do BancoBIC Net); BIC (Business Identifier Code) - corresponde a um padrão da SWIFT internacionalmente utilizado como código de identificação de instituições bancárias. O código SWIFT do Banco BIC Português é o BPNPPTPLXXX. A utilização do BIC deixará de ser obrigatória a partir de 1 de fevereiro de Em anexo poderá consultar a lista de códigos BIC dos Prestadores de Serviços de Pagamento disponibilizada pelo Banco de Portugal. 2

3 Tipologias SEPA DD CORE O sistema de Débitos Diretos SEPA irá utilizar uma nova tipologia para as operações a realizar. A SEPA ADC permitirá ADC Recorrentes (Recurrent) ou Pontuais (One-off). As cobranças associadas às ADC Recorrentes podem ser: Inicial (First) - é a primeira a ser enviada; Recorrentes (Recurrent) - são as cobranças posteriores; Final (Final) - a última cobrança, que cancela a Iniciais (First) Recorrentes (Recurrent) Recorrentes (Recurrent) Pontuais (One-off) Finais (Final) ADC. As ADC Pontuais (One-off) são concedidas pelo Devedor para permitir a realização de uma única cobrança, extinguindo-se com a sua concretização. Norma ISO20022 XML Os programas de gestão que cada empresa utiliza no seu dia-a-dia terão de ser adaptados para gerar ficheiros com o formato XML, segundo a norma ISO Trata-se de uma norma standard internacional de linguagem técnica que define regras para a codificação de ficheiros utilizados nas comunicações dos dados para transferências e débitos diretos entre os prestadores de serviços de pagamentos e as empresas. Este formato adotou elementos base comuns a todos os países SEPA. O Banco BIC disponibiliza o software denominado SEPA 4 CORPORATES (desenvolvido pela SIBS) para que os seus Clientes Empresa possam criar e enviar ficheiros que respeitem a norma, através do BancoBIC Net. Os layouts atuais (criados através do software Gesfich ) continuarão a ser aceites pelo Banco BIC, sendo convertidos pelos serviços do Banco, para efetuarem cobranças através do sistema SEPA. 3

4 Ciclo de Processamento Neste contexto, o ciclo normal de uma transação de débito direto ou cobrança é descrito da seguinte forma: 1. Para dar início ao processo de cobrança, o Credor deverá remeter uma pré-notificação ao Devedor 14 dias antes do pagamento. Depois do Devedor assinar a ADC e a devolver ao Credor, este último pode iniciar a cobrança. 2. A informação relacionada com a ADC é enviada via Banco do Credor. Os dados da ADC são enviados com a primeira instrução de débito ou cobrança, isto é, acompanham os dados para a cobrança inicial. A informação sobre a ADC acompanha sempre as instruções de débito subsequentes ou recorrentes. Caso durante 36 meses não seja apresentada nenhuma instrução de débito de uma determinada ADC, o Credor deve cancelar a ADC. 3. A transação de Débito Direto (ou Instruções de Débito Direto - IDD) faz-se através do envio dos dados da ADC e instrução de débito direto entre o Credor e o Banco do Credor. Por princípio, a data de cobrança, a data de liquidação e a data de débito são a mesma. 4. O Banco do Devedor assegura a boa execução operacional do serviço de acordo com as regras estabelecidas. Cabe ao Banco Devedor providenciar aos Devedores a informação completa sobre o serviço, assim como toda a informação relacionada com as obrigações e direitos de cada uma das partes. Emissão da Autorização de Débito em Conta Devedor Credor Envio da ADC e Instrução de Débito Direto Envio da ADC e Instrução de Débito Direto Banco do Credor Banco do Devedor Executa a Instrução de Débito Direto 4

5 Prazos de Cobrança D - 14 Antecedência máxima para apresentação do ficheiro de cobranças D - 5 envio da primeira cobrança SEPA D Data da Liquidação D + 47 pedido de reembolso (existindo mandato) D - 6 Data limite para que o Cliente envie o ficheiro de cobrança ao Banco BIC D - 2 envio das cobranças recorrentes SEPA D + 5 Limite para reversões e devoluções D pedido de reembolso (não existindo mandato) Ficheiros de Retorno Com a adesão à SEPA, o Credor terá a possibilidade de receber três ficheiros de retorno: Disponibilizado em D+1 (sendo D a data de liquidação) contendo informação sobre as cobranças bem e mal sucedidas; Disponibilizado em D+6 (Reembolsos e Devoluções): Ficheiro com informação das instruções devolvidas a pedido do Banco do Devedor. Estas devoluções são iniciadas pelo Banco do Devedor e ocorrem até 5 dias TARGET após a data de liquidação interbancária. Este ficheiro é opcional; Disponibilizado em D+50 (Cobranças Final de Ciclo): Ficheiro opcional que será disponibilizado em D+8 semanas (50 dias Target) que contém informação sobre todas as cobranças no final do período de reembolsos (8 semanas após o débito em conta). Ou seja, inclui informação do ficheiro de retorno de Cobranças mais as Devoluções e Reembolsos (ficheiro opcional). 5

6 Transações de Exceção Para além das instruções de débito, o ciclo de processamento inclui ainda um conjunto de transações de exceção (R-Transactions), decorrentes do facto do processo de cobrança não ter sido bem-sucedido. Pré-liquidação: a instrução original de débito é anulada, não existindo liquidação da mesma. Rejeições - são cobranças que não são executadas por razões técnicas, ainda antes da liquidação interbancária (p.e. formato de conta inválido) ou porque o Banco do Devedor não aceita a transação. Podem ser enviados a partir do dia em que são recebidas as cobranças até ao dia da liquidação. Recusas - são rejeições iniciadas pelo Devedor. Poderão ter origem: na tomada de conhecimento por parte do Devedor da existência de uma nova ADC, ou após a receção de uma pré-notificação. Este conceito aplica-se antes de qualquer liquidação interbancária. Pedido de Cancelamento - corresponde ao pedido do Banco do Credor para proceder à anulação da cobrança antes da liquidação da mesma. Pós-liquidação: podem ocorrer dentro de um número predeterminado de dias (a contar desde a data de liquidação ou data de débito) e resultam num segundo processo de liquidação interbancária. Reversões (Reversais) - correspondem a transações posteriores à data de liquidação, até 5 dias úteis TARGET seguintes, sobre os quais o Credor conclui que a cobrança foi indevidamente apresentada. O Devedor é creditado por iniciativa do Credor. Devoluções (Returns) cobranças que não são executadas por razões operacionais (p.e. formato inválido) devido ao Devedor ou ao Banco do Devedor não aceitarem a transação (p.e. conta encerrada). Reembolso (Refund) correspondem ao pedido de reembolso de fundos pelo Devedor (o prazo varia entre as 8 semanas no caso de ADC válida e 13 meses em situações de ADC inválida). Documentos úteis Manual C2B - Prestação de Serviços a Clientes maio

Comparação com o Sistema de Débitos Diretos nacional

Comparação com o Sistema de Débitos Diretos nacional 1 Sobre a SEPA A criação da Área Única de Pagamentos em Euros (SEPA Single Euro Payments Area) tem como objetivo principal o estabelecimento de um mercado único de pagamentos de retalho. Nesta Área, particulares,

Leia mais

DÉBITOS DIRETOS. Ref. 02.002.14017

DÉBITOS DIRETOS. Ref. 02.002.14017 4 DÉBITOS DIRETOS 1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS (1/3) Modelos de Débitos Diretos No âmbito SEPA existem, atualmente, dois Modelos de débitos diretos: - Débitos Diretos Core; - Débitos Diretos B2B (Business-to-Business),

Leia mais

QUESTÕES MAIS FREQUENTES. Ref. 02.002.14017

QUESTÕES MAIS FREQUENTES. Ref. 02.002.14017 7 QUESTÕES MAIS FREQUENTES 1 DE ÂMBITO GENÉRICO (1/4) O que significa a SEPA para as Empresas e para os demais agentes económicos? Significa que estas poderão efetuar pagamentos em toda a área do euro,

Leia mais

O REGULAMENTO 260/2012

O REGULAMENTO 260/2012 2 O REGULAMENTO 260/2012 SEPA is a fundamental element of the internal market. The EU institutions continue to work diligently to deepen the internal market in financial services, with the euro at its

Leia mais

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA?

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA? 1 NOTA INFORMATIVA 1. O que é a SEPA? Para harmonização dos sistemas de pagamento no espaço europeu no sentido de impulsionar o mercado único, foi criada uma Área Única de Pagamentos em Euro (denominada

Leia mais

SEPA Área Única de Pagamentos em Euros. Seminário com Confederações e Associações Empresariais 3 de março de 2015

SEPA Área Única de Pagamentos em Euros. Seminário com Confederações e Associações Empresariais 3 de março de 2015 SEPA Área Única de Pagamentos em Euros Seminário com Confederações e Associações Empresariais 3 de março de 2015 AGENDA 1. SINGLE EURO PAYMENTS AREA (SEPA) 1.1 O que é 1.2 Enquadramento regulamentar 13

Leia mais

SEPA - Single Euro Payments Area

SEPA - Single Euro Payments Area SEPA - Single Euro Payments Area Área Única de Pagamentos em euros APOIO PRINCIPAL: APOIO PRINCIPAL: Contexto O que é? Um espaço em que consumidores, empresas e outros agentes económicos poderão efectuar

Leia mais

Índice. Introdução 3. Como devem ser efetuadas as cobranças das despesas relativas a transferências? 6. O que são transferências?

Índice. Introdução 3. Como devem ser efetuadas as cobranças das despesas relativas a transferências? 6. O que são transferências? Índice Introdução 3 O que são transferências? 3 O que distingue as transferências dos débitos diretos? 3 As transferências Multibanco são transferências? 3 Quais as formas utilizadas para ordenar uma transferência?

Leia mais

ERP AIRC. Adesão ao Formato SEPA - Transferências a Crédito. Apresentado por: AIRC

ERP AIRC. Adesão ao Formato SEPA - Transferências a Crédito. Apresentado por: AIRC Apresentado por: AIRC Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 ÂMBITO... 3 1.2 VERSÕES MÍNIMAS REQUERIDAS... 3 2. PROCEDIMENTOS... 4 2.1 ATIVAÇÃO DO SEPA... 4 2.1.1 Condições prévias... 4 2.1.1.1 Pasta de documentos

Leia mais

Preçário BNP PARIBAS WEALTH MANAGEMENT SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BNP PARIBAS WEALTH MANAGEMENT SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BNP PARIBAS WEALTH MANAGEMENT SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BNP PARIBAS WEALTH MANAGEMENT

Leia mais

SEPA PERGUNTAS FREQUENTES

SEPA PERGUNTAS FREQUENTES SEPA PERGUNTAS FREQUENTES A integração europeia promoveu a circulação de pessoas e mercadorias entre os Estados- Membros da União Europeia e, consequentemente, o aumento do fluxo de pagamentos transfronteiriços

Leia mais

Índice. Introdução 3. O que são débitos diretos? 3. Que pagamentos podem ser efetuados por débito direto? 3

Índice. Introdução 3. O que são débitos diretos? 3. Que pagamentos podem ser efetuados por débito direto? 3 Índice Introdução 3 O que são débitos diretos? 3 Que pagamentos podem ser efetuados por débito direto? 3 Como é que se pode aceder a pagamentos através de débitos diretos? 4 O devedor pode ser obrigado

Leia mais

Dores de SEPA? SEPA Lite é o remédio. e-mandatos facilmente enviando emails ou SMS certificados

Dores de SEPA? SEPA Lite é o remédio. e-mandatos facilmente enviando emails ou SMS certificados Dores de SEPA? SEPA Lite é o remédio Gerencie com os seus e-mandatos facilmente enviando emails ou SMS certificados Sumário de conteúdos 1. O que é SEPA? 2. 3. 4. 5. 6. Remédio SEPA Lite: e-mandato Remédio

Leia mais

C2B - Prestação de Serviços a Clientes

C2B - Prestação de Serviços a Clientes Versão: 02.00 Estado: Final Entrada em vigor: 2014-02-03 Documentos Relacionados Referência Título Origem EPC132-08 Implementation Guidelines SEPA CT C2B European Payments Council EPC130-08 Implementation

Leia mais

Alterações de Preçário NOVO BANCO 2015, para contratos em curso

Alterações de Preçário NOVO BANCO 2015, para contratos em curso janeiro 2015 Alterações de Preçário NOVO BANCO 2015, para contratos em curso Em 2015 o NOVO BANCO irá proceder a algumas revisões de preçário, mantendo-se o preço inalterado na maioria dos produtos/serviços,

Leia mais

STANDARD CHARTERED BANK ANGOLA

STANDARD CHARTERED BANK ANGOLA PREÇÁRIO STANDARD CHARTERED BANK ANGOLA Instituição Financeira Bancária ANEXO I Tabela de Comissões e Despesas DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 01/06/2015 Este Preçário pode ser consultado nos balcões e locais

Leia mais

BROCHURA PRODUZIDA. SEPAeditor V 2.0

BROCHURA PRODUZIDA. SEPAeditor V 2.0 BROCHURA PRODUZIDA SEPAeditor V 2.0 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 1. FUNCIONALIDADES... 3 A. Princípios... 3 B. Introdução/importação de dados de ordens SEPA... 3 1. Introdução em linha... 3 2. Importação de ficheiros...

Leia mais

Net24 Empresas. 1. O que é o Net24 Empresas?... 1. 2. Quais as funcionalidades disponíveis?... 1. 3. Níveis de Segurança... 2. 4. Segurança...

Net24 Empresas. 1. O que é o Net24 Empresas?... 1. 2. Quais as funcionalidades disponíveis?... 1. 3. Níveis de Segurança... 2. 4. Segurança... Net24 Empresas Índice 1. O que é o Net24 Empresas?... 1 2. Quais as funcionalidades disponíveis?... 1 3. Níveis de Segurança... 2 4. Segurança... 4 5. Como funciona o acesso ao Net24 Empresas?... 5 6.

Leia mais

http://www.bportugal.pt

http://www.bportugal.pt Os cadernos do Banco de Portugal têm por finalidade exclusiva a informação do público em geral, não se destinando a ser utilizados para dirimir eventuais conflitos emergentes das relações estabelecidas

Leia mais

Guia de Preenchimento da Proposta de Adesão ao Plano de Saúde Claro Dental

Guia de Preenchimento da Proposta de Adesão ao Plano de Saúde Claro Dental Guia de Preenchimento da Proposta de Adesão ao Plano de Saúde Claro Dental Este documento vai auilia-lo(a) a realizar o correcto preenchimento do seu Plano de Saúde Dentário da Claro S.A. que é composto

Leia mais

Acresce Imposto Preçário Atual Novo Preçário DEPÓSITOS À ORDEM Encargos de manutenção (1) Contas com SMDO Trimestral entre 50,01 e 500,00

Acresce Imposto Preçário Atual Novo Preçário DEPÓSITOS À ORDEM Encargos de manutenção (1) Contas com SMDO Trimestral entre 50,01 e 500,00 Lisboa, 15 de janeiro de 2013 Estimado(a) Cliente, Informamos que o Preçário será atualizado nos termos a seguir indicados, com entrada em vigor a partir do dia 23 de abril de 2013, com exceção das comissões

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS GUIA PARA A MOBILIDADE DE SERVIÇOS BANCÁRIOS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS GUIA PARA A MOBILIDADE DE SERVIÇOS BANCÁRIOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS GUIA PARA A MOBILIDADE DE SERVIÇOS BANCÁRIOS simplifica Como nasce este Guia O presente Guia baseia-se nos Princípios Comuns Para a Mobilidade de Serviços Bancários", adoptados

Leia mais

Lisboa, 15 de janeiro de 2013. Estimado(a) Cliente,

Lisboa, 15 de janeiro de 2013. Estimado(a) Cliente, Lisboa, 15 de janeiro de 2013 Estimado(a) Cliente, Informamos que o Preçário será atualizado nos termos a seguir indicados, com entrada em vigor a partir do dia 23 de abril de 2013, com exceção das comissões

Leia mais

Preçário CAIXA DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO DE TORRES VEDRAS, CRL CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS

Preçário CAIXA DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO DE TORRES VEDRAS, CRL CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Preçário CAIXA DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO DE TORRES VEDRAS, CRL CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 10out2014 O Preçário completo da Caixa

Leia mais

Ficheiros PS2 Pagamentos

Ficheiros PS2 Pagamentos Ficheiros PS2 Pagamentos Índice 1. Introdução... 1 2. Nível de Serviço... 2 3. Criação de Ficheiros PS2... 2 4. Carregamento de Ficheiros no Net24 Empresas... 3 5. Assinatura de Transações... 8 6. Consulta

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS PARTICULARES CONTA DE SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS

CONDIÇÕES GERAIS PARTICULARES CONTA DE SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS I Disposições Comuns 1. Generalidades Estes termos e condições constituem o contrato entre o Cliente e o Banco BIC Português, que doravante será abreviadamente designado por Banco, e descrevem as obrigações

Leia mais

2 TRANSFERÊNCIAS A CRÉDITO

2 TRANSFERÊNCIAS A CRÉDITO 2 TRANSFERÊNCIAS A CRÉDITO As transferências, enquanto instrumento de movimentação de fundos entre contas de depósito, a débito e a crédito, são hoje um dos mais usuais tipos de operações bancárias que

Leia mais

STANDARD BANK ANGOLA

STANDARD BANK ANGOLA PREÇÁRIO STANDARD BANK ANGOLA Banco ANEXO I Tabela de e Despesas DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 03 de Março de 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao público do Sandard Bank

Leia mais

Cobrança Global BCP Sistema de Débitos Directos Características Técnicas

Cobrança Global BCP Sistema de Débitos Directos Características Técnicas Sistema de Débitos Directos Características Técnicas Abril 2003 Índice A - Características Técnicas - Ficheiros utilizados B - Funcionamento do Sistema de Débitos Directos 1 - Conversão de ADC s não normalizadas;

Leia mais

Mudar de Conta Bancária. Guia para a Mobilidade de Serviços Bancários

Mudar de Conta Bancária. Guia para a Mobilidade de Serviços Bancários Mudar de Conta Bancária Guia para a Mobilidade de Serviços Bancários Como nasce este Guia O presente Guia baseia-se nos Princípios Comuns Para a Mobilidade de Serviços Bancários, adoptados alguns anos

Leia mais

Serviço Carta-Cheque Fev.2014

Serviço Carta-Cheque Fev.2014 Fev.01 ÍNDICE 1 CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO COMO FUNCIONA? 5 A O Cheque B As Fases do Serviço OFERTA Millennium bcp 1 PRINCIPAIS VANTAGENS PARA A EMPRESA 17 5 19 NÍVEIS DE SERVIÇO 6 0 PROCESSO DE ADESÃO

Leia mais

relativas às listas provisórias nacionais dos serviços mais representativos associados a contas de pagamento e sujeitos a comissões

relativas às listas provisórias nacionais dos serviços mais representativos associados a contas de pagamento e sujeitos a comissões EBA/GL/2015/01 11.05.2015 Orientações da EBA relativas às listas provisórias nacionais dos serviços mais representativos associados a contas de pagamento e sujeitos a comissões 1 Obrigações em matéria

Leia mais

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente. Nome Completo B.I./ Cartão Cidadão Nº Contribuinte Código Repartição Finanças Morada de residência

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente. Nome Completo B.I./ Cartão Cidadão Nº Contribuinte Código Repartição Finanças Morada de residência 1 Proposta de Adesão de Crédito - Particulares Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ Identificação do titular Nome Completo B.I./ Cidadão Nº Contribuinte

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.376. Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI).

CIRCULAR Nº 3.376. Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). CIRCULAR Nº 3.376 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada em 7 de fevereiro de 2008, com base

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 3.1. Cartões de crédito Comissões (Euros) Redes onde o cartão é aceite 1. Anuidades 1 1.º Titular Outros Titulares 2. Emissão de cartão 1 3. Substituição de cartão 2 4. Inibição do cartão 5. Pagamentos

Leia mais

Cláusulas Contratuais Gerais de Adesão ao Serviço MB WAY

Cláusulas Contratuais Gerais de Adesão ao Serviço MB WAY Cláusulas Contratuais Gerais de Adesão ao Serviço MB WAY Objeto a) Pelo presente contrato, a Caixa Económica Montepio Geral, entidade com capital aberto ao investimento do público, com sede na Rua Áurea,

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 22 Dezembro 2014

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 22 Dezembro 2014 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 22 Dezembro 2014 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento

Leia mais

Cobrança Itaú. Conheça como funciona o serviço de protesto de títulos.

Cobrança Itaú. Conheça como funciona o serviço de protesto de títulos. Cobrança Itaú Conheça como funciona o serviço de protesto de títulos. Para garantir uma gestão de Cobrança ainda mais eficiente, é preciso que você saiba como funciona o serviço de protesto de títulos

Leia mais

Obrigação de comunicação à AT

Obrigação de comunicação à AT Obrigação de comunicação à AT Perguntas e respostas sobre o impacto das novas regras de comunicação à AT nas empresas Page 2 of 10 Introdução A Publicação do Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de agosto introduz

Leia mais

Não aplicável (conta não remunerada)

Não aplicável (conta não remunerada) Designação Conta 18-23 Condições de Acesso Clientes Particulares com idades compreendidas entre os 18 e os 23 anos Modalidade Depósito à Ordem Meios de Movimentação Cartão de débito, cheque, ordem de transferência,

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CARTÃO DE CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CARTÃO DE CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CARTÃO DE CRÉDITO Índice O que é o cartão de crédito? Ficha de Informação Normalizada (FIN) Modalidades de reembolso Custo do crédito Taxas máximas Livre revogação Contrato

Leia mais

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente 1 Proposta de Adesão Particulares Cartão de Crédito Miles & More Gold da Caixa (para residentes no estrangeiro) Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ASSUNTO: Comunicação de informação relativa a contratos de crédito abrangidos pelos procedimentos previstos no

Leia mais

Espero que esta iniciativa seja bem acolhida.

Espero que esta iniciativa seja bem acolhida. U ma das principais preocupações da intervenção do Banco de Portugal tem sido a de progressivamente alargar as suas funções de prestação de serviços à comunidade, designadamente, informando os consumidores

Leia mais

PROPOSTA DE SEGURO RESPONSABILIDADE CIVIL DOS DETENTORES DE ANIMAIS DE COMPANHIA PREENCHER A CANETA PRETA

PROPOSTA DE SEGURO RESPONSABILIDADE CIVIL DOS DETENTORES DE ANIMAIS DE COMPANHIA PREENCHER A CANETA PRETA PROTEÇÃO PESSOAL E FAMILIAR PROPOSTA DE SEGURO RESPONSABILIDADE CIVIL DOS DETENTORES DE ANIMAIS DE COMPANHIA PREENCHER A CANETA PRETA SEGURO NOVO AGENTE Nº FM IB ALTERAÇÃO À APÓLICE Nº (*) AGÊNCIA/AGENTE

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 30 de Setembro 2015

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 30 de Setembro 2015 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 30 de Setembro 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento

Leia mais

Manual Cartão Pesquisa /CNPq. Atualizado em 25/08/2014

Manual Cartão Pesquisa /CNPq. Atualizado em 25/08/2014 Manual Cartão Pesquisa /CNPq Atualizado em 25/08/2014 Sumário Introdução... 3 Cartão BB Pesquisa... 4 Passo a Passo... 8 Perguntas e Respostas.... 14 Cartão BB Pesquisa O Cartão BB Pesquisa éresultado

Leia mais

Preçário BANIF - BANCO DE INVESTIMENTO, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANIF - BANCO DE INVESTIMENTO, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANIF BANCO DE INVESTIMENTO, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Banif Banco de Investimento, SA contém o Folheto

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA ITAUCARD BUSINESS REWARDS

REGULAMENTO DO PROGRAMA ITAUCARD BUSINESS REWARDS REGULAMENTO DO PROGRAMA ITAUCARD BUSINESS REWARDS 1. DISPOSIÇÕES GERAIS a) Este Regulamento faz parte integrante do Contrato de Cartão de Crédito ( Contrato ) e regula as condições aplicáveis ao Programa

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n. Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.º 1/2008) [Preâmbulo] Assim, ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo

Leia mais

Preçário "Folheto de Comissões e Despesas" Preçário "Folheto de Taxas de Juro" Bancos

Preçário Folheto de Comissões e Despesas Preçário Folheto de Taxas de Juro Bancos Preçário "Folheto de Comissões e Despesas" Data de Entrada em vigor: 22 dezembro 2014 Preçário "Folheto de Taxas de Juro" Data de Entrada em vigor: 01 outubro 2015 Bancos Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES

Leia mais

TUTORIAL ACESSO AO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA DE RESERVAS STR. Dezembro/2014

TUTORIAL ACESSO AO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA DE RESERVAS STR. Dezembro/2014 TUTORIAL ACESSO AO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA DE RESERVAS STR Dezembro/2014 1. Introdução... 2 2. Estrutura de contas no BC... 2 3. Formas de acesso ao STR... 3 Acesso via RSFN... 3 Acesso via Internet...

Leia mais

Operações Documentárias no Portal de Empresas www.millenniumbcp.pt Apresentação para Clientes

Operações Documentárias no Portal de Empresas www.millenniumbcp.pt Apresentação para Clientes Operações Documentárias no Portal de Empresas www.millenniumbcp.pt Apresentação para Clientes Abril 2015 MT2569 Versão 5 Texto escrito conforme o Novo Acordo Ortográfico Índice Novo Pág. 1. Introdução/Enquadramento

Leia mais

Preçário FINANFARMA - SOCIEDADE DE FACTORING, S A SOCIEDADES DE FACTORING

Preçário FINANFARMA - SOCIEDADE DE FACTORING, S A SOCIEDADES DE FACTORING Preçário FINANFARMA - SOCIEDADE DE FACTORING, S A SOCIEDADES DE FACTORING Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo da Finanfarma, S.A.,

Leia mais

INTERNATIONAL BANK ACCOUNT NUMBER

INTERNATIONAL BANK ACCOUNT NUMBER INTERNATIONAL BANK ACCOUNT NUMBER IBAN Especificações e procedimentos de validação O presente documento tem cariz eminentemente técnico e apresenta as especificações do identificador internacional das

Leia mais

1.2. Endereço Rua Áurea, 219-241: Apartado 2882: 1122-806 Lisboa

1.2. Endereço Rua Áurea, 219-241: Apartado 2882: 1122-806 Lisboa FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1.

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 5910 Diário da República, 1.ª série N.º 201 17 de outubro de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Decreto-Lei n.º 225/2012 de 17 de outubro O Decreto -Lei n.º 27 -C/2000, de 10 de março, que cria o

Leia mais

Formação. Serviços Mínimos Bancários

Formação. Serviços Mínimos Bancários Formação Serviços Mínimos Bancários AÇÃO DE FORMAÇÃO Serviços Mínimos Bancários 21 de março de 2013 CONTEÚDO FORMATIVO 3 HORAS I Gestão do orçamento familiar e poupança Identificar rendimentos e despesas

Leia mais

Portal Internet Empresas GUIA DA PRIMEIRA UTILIZAÇÃO

Portal Internet Empresas GUIA DA PRIMEIRA UTILIZAÇÃO Portal Internet Empresas GUIA DA PRIMEIRA UTILIZAÇÃO Linha de Apoio ao Utilizador AVISO Os conteúdos apresentados aqui são apenas para informação, sendo revelado ao destinatário como uma ferramenta auxiliar,

Leia mais

Preçário RAIZE SERVIÇOS DE GESTÃO, S. A. INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 01-dez-2016

Preçário RAIZE SERVIÇOS DE GESTÃO, S. A. INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 01-dez-2016 Preçário RAIZE SERVIÇOS DE GESTÃO, S. A. INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da RAIZE SERVIÇOS DE GESTÃO, S. A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

Workshop Invest Lisboa Meios de Pagamentos Eletrónicos: Oportunidades e Desafios para Empresas e Empreendedores

Workshop Invest Lisboa Meios de Pagamentos Eletrónicos: Oportunidades e Desafios para Empresas e Empreendedores Workshop Invest Lisboa Meios de Pagamentos Eletrónicos: Oportunidades e Desafios para Empresas e Empreendedores DANIEL REIS 13 de abril de 2016 ÍNDICE O QUE DIZ A LEI SOBRE OS MEIOS DE PAGAMENTO? REGULAÇÃO

Leia mais

COBRANÇAS ELECTRÓNICAS EM ESPANHA

COBRANÇAS ELECTRÓNICAS EM ESPANHA COBRANÇAS ELECTRÓNICAS EM ESPANHA www.millenniumbcp.pt https://corp.millenniumbcp.pt 002.002.1320 Índice 1. Caracterização do Serviço Pág. 3 2. Posicionamento em termos de oferta Pág. 4 3. Como Funciona?

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Perguntas Frequentes - COPE

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Perguntas Frequentes - COPE Perguntas Frequentes - COPE Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Departamento de Estatística Banco de Portugal +351 707 201 409 ddebp.reporte@bportugal.pt Versão Maio de 2013 Comunicação de Operações

Leia mais

Particularidades BB. Leiaute CNAB 240. julho / 2011

Particularidades BB. Leiaute CNAB 240. julho / 2011 Particularidades BB Leiaute CNAB 240 julho / 2011 Sumário Assunto página Últimas Alterações 3 Header de Arquivo 5 Header de Lote 6 Segmento P 8 Segmento Q 11 Segmento R 13 Segmento S 15 Segmento Y-01 16

Leia mais

Serviço de Faturação Eletrónica

Serviço de Faturação Eletrónica E-Invoicing Serviço prestado em acordo de interoperabilidade com a: Nov.2013 Ref. 02.007.14353 ÍNDICE 1 O que é uma Fatura Eletrónica? 3 2 Porquê a Faturação Eletrónica? 4 3 Quais as Vantagens? 7 4 O papel

Leia mais

A partir da referência maio de 2009 (entrega até 10/06) foram feitas as seguintes adequações relacionadas à DIME e DCIP:

A partir da referência maio de 2009 (entrega até 10/06) foram feitas as seguintes adequações relacionadas à DIME e DCIP: Senhores Contabilistas, A partir da referência maio de 2009 (entrega até 10/06) foram feitas as seguintes adequações relacionadas à DIME e DCIP: 1 - VALIDADOR DA DIME - CRÍTICA DOS CFOP COM CAMPOS ESPECÍFICOS

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições)

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições) CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM Artigo 1.º (Âmbito e Definições) 1 As presentes condições gerais regulam a venda, incluindo o registo e a encomenda, de produtos através da página/sítio

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News INSURANCE Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Janeiro 2009 SUSEP Seguros Singulares Circular 381, de 08.01.2009 - Encaminhamento de informações A Circular 381 estabelece procedimentos

Leia mais

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Legislação: Decreto-Lei n.º 71/2013 de 30 de Maio Data de entrada em vigência: 1 de Outubro de 2013 Aplicação: o regime de IVA de caixa aplica-se a todas

Leia mais

Proposta de Seguro Doc. N.º

Proposta de Seguro Doc. N.º RESPONSABILIDADE CIVIL Proposta de Seguro Doc. N.º Mediador N.º Cobrador N.º Duração do Contrato: 1 Ano e Seguintes Temporário Domiciliação Bancária Sim Não Forma de Pagamento: Anual Semestral Trimestral

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE QUINTA DA LOMBA ESCOLA BÁSICA 2+3 DE QUINTA DA LOMBA. Regulamento de utilização do cartão eletrónico - GIAE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE QUINTA DA LOMBA ESCOLA BÁSICA 2+3 DE QUINTA DA LOMBA. Regulamento de utilização do cartão eletrónico - GIAE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE QUINTA DA LOMBA ESCOLA BÁSICA 2+3 DE QUINTA DA LOMBA Regulamento de utilização do cartão eletrónico - GIAE OBJETO E ÂMBITO O Agrupamento de Escolas de Quinta da Lomba implementou,

Leia mais

Operações Documentárias no Portal de Empresas

Operações Documentárias no Portal de Empresas Operações Documentárias no Portal de Empresas www.millenniumbcp.pt Apresentação para Clientes MT2569 - Versão 2 Ref.02.002.1921 Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico Índice 1. Introdução/Enquadramento

Leia mais

Manual de Utilizador SEPA 4 Corporates Versão: 0908 Data: 2014-11-19 Estado: Final Classificação: Público

Manual de Utilizador SEPA 4 Corporates Versão: 0908 Data: 2014-11-19 Estado: Final Classificação: Público Versão: 0908 Data: 2014-11-19 Estado: Final Classificação: Público novembro 2014, SIBS, SA A informação contida neste documento é propriedade da SIBS, SA e não pode ser duplicada, publicada ou divulgada

Leia mais

(Nome) beneficiário dos. , na qualidade de (Titular; Companheiro(a); Cônjuge; Filho(a)) (Nome) sócio do Sindicato

(Nome) beneficiário dos. , na qualidade de (Titular; Companheiro(a); Cônjuge; Filho(a)) (Nome) sócio do Sindicato SINDICATO DOS BANCÁRIOS DO CENTRO GALP FROTA 1 Proponente (Nome) beneficiário dos SAMS/Centro Nº do sócio do SBC Nº, na qualidade de (Titular; Companheiro(a); Cônjuge; Filho(a)) declaro que pretendo aderir

Leia mais

MANUAL DO PORTAL FGI VERSÃO 3.0

MANUAL DO PORTAL FGI VERSÃO 3.0 MANUAL DO PORTAL FGI VERSÃO 3.0 CONTEXTO O Portal FGI é a ferramenta que serve para a comunicação entre o BNDES FGI e os Agentes Financeiros cotistas e como interface para o processamento operacional da

Leia mais

SePA: ÁReA ÚnicA de PAGAMenTOS em euros UM MeRcAdO integrado de PAGAMenTOS de ReTALHO

SePA: ÁReA ÚnicA de PAGAMenTOS em euros UM MeRcAdO integrado de PAGAMenTOS de ReTALHO SEPA: ÁREA ÚNICA DE PAGAMENTOS EM EUROS UM MERCADO INTEGRADO DE PAGAMENTOS DE RETALHO Índice Prefácio 5 Introdução 6 1. Desenvolvimento da Área Única de Pagamentos em Euros 7 > Panorâmica geral da SEPA

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.605, DE 29 DE JUNHO DE 2012

CIRCULAR Nº 3.605, DE 29 DE JUNHO DE 2012 CIRCULAR Nº 3.605, DE 29 DE JUNHO DE 2012 Documento normativo revogado, a partir de 3/2/2014, pela Circular nº 3.691, de 16/12/2013. Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais

Leia mais

Preçário SONAE FINANCIAL SERVICES, SA INSTITUIÇÕES DE MOEDA ELECTRÓNICA

Preçário SONAE FINANCIAL SERVICES, SA INSTITUIÇÕES DE MOEDA ELECTRÓNICA Preçário SONAE FINANCIAL SERVICES, SA INSTITUIÇÕES DE MOEDA ELECTRÓNICA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo da Sonae Financial Services,

Leia mais

Forma de Pagamento: Domiciliação Bancária Mediador. Estado Civil

Forma de Pagamento: Domiciliação Bancária Mediador. Estado Civil +SAÚDE SIMPLIFICARE Proposta de Seguro Simplificare Mediador N.º Cobrador N.º Tomador do Seguro Morada Código Postal Duração do Contrato: X 1 Ano e Seguintes E-mail Forma de Pagamento: Domiciliação Bancária

Leia mais

Alterações de Preçário NOVO BANCO 2016

Alterações de Preçário NOVO BANCO 2016 Alterações de Preçário NOVO BANCO 2016 janeiro 2016 O NOVO BANCO irá proceder a algumas revisões de preçário, para os contratos em curso. Folheto de Comissões e Despesas Descrição da Comissão Preço Atual

Leia mais

Preçário CAIXA ECONOMICA DO PORTO

Preçário CAIXA ECONOMICA DO PORTO Preçário CAIXA ECONOMICA DO PORTO CAIXAS ECONÓMICAS Consulte o COMISSÕES E SPESAS Consulte o TAXAS JURO Data de O Preçário completo contém o Folheto de Comissões e Despesas (que incorpora os valores máximos

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 822/XII/4.ª

PROJETO DE LEI N.º 822/XII/4.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 822/XII/4.ª ELIMINA AS COMISSÕES POR REEMBOLSO ANTECIPADO E DE TERMO DO CONTRATO, INSTITUINDO AINDA A OBRIGATORIEDADE E GRATUITIDADE DE EMISSÃO DO DISTRATE E DE DECLARAÇÃO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA As presentes Condições Gerais de Venda particularizadas abaixo (aqui designadas "condições gerais") determinam exclusivamente as relações contratuais entre todo cliente utilizador

Leia mais

Manual de Utilização DDA Débito Direto Autorizado

Manual de Utilização DDA Débito Direto Autorizado Manual de Utilização DDA Débito Direto Autorizado Índice Apresentação Conceito Funcionamento Operacionalização Perguntas e Respostas Glossário Apresentação Pelo sistema DDA desenvolvido pelo Banco Santander

Leia mais

REGULAMENTO. Capítulo 1º. Definições:

REGULAMENTO. Capítulo 1º. Definições: REGULAMENTO A OPERADORA E AGÊNCIA DE VIAGENS CVC TUR LTDA., o Presenteador e o Presenteado do VALE-VIAGEM CVC, a primeira, na qualidade de prestadora de serviços de turismo, e o segundo, aderindo às condições

Leia mais

Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior

Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior REGULAMENTO DE ACÚMULO DE PONTOS NO PROGRAMA BRADESCO COM TRANSFERÊNCIA PARA O PROGRAMA FIDELIDADE

Leia mais

FORMULÁRIO DE ADESÃO

FORMULÁRIO DE ADESÃO PROPOSTA DE CONTRATO DE FORNECIMENTO DE RELÓGIO DE PONTO TEMPO DIRETO SMART PME Dados de Facturação: Todos os campos são de Preenchimento obrigatório Empresa: Morada: FORMULÁRIO DE ADESÃO Dados do Cliente

Leia mais

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO O presente instrumento estabelece as normas regulamentares do AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO, destinado ao atendimento de Pessoas Jurídicas de direito público,

Leia mais

Alterações a vigorar a partir de 1 de outubro de 2013

Alterações a vigorar a partir de 1 de outubro de 2013 Alterações a vigorar a partir de 1 de outubro de 2013 Este documento deve ser impresso e lido com atenção, preferencialmente, na presença do contabilista da sua empresa. Caso subsistam dúvidas após a sua

Leia mais

Preçário ST. GALLER KANTONALBANK AG - SUCURSAL EM PORTUGAL SUCURSAL. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário ST. GALLER KANTONALBANK AG - SUCURSAL EM PORTUGAL SUCURSAL. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário ST. GALLER KANTONALBANK AG - SUCURSAL EM PORTUGAL SUCURSAL Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do St. Galler Kantonalbank

Leia mais

Princalculo Contabilidade e Gestão

Princalculo Contabilidade e Gestão COMUNICAÇÃO EXTERNA Junho/2013 REGIME DOS BENS EM CIRCULAÇÃO A obrigação é a partir de quando? 1 de Julho de 2013 Quem está obrigado? Os que no ano anterior tiveram um volume de negócios superior a 100.000

Leia mais

Preçário BANCO RURAL EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO RURAL EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO RURAL EUROPA, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Banco Rural Europa S.A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO

TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO A Quatro Educativo, na pessoa de Paulo Sérgio da Silva Vieira, tem sede na Rua do Barreiro nº 5, Casal da Estortiga, 2495-102 Santa Catarina da Serra.

Leia mais

Soluções em Recebimentos. Manual Técnico

Soluções em Recebimentos. Manual Técnico Soluções em Recebimentos CNAB400/CBR641 Manual Técnico Layout de Arquivo Remessa para convênios na faixa numérica entre 000.001 a 999.999 (Convênios de até 6 posições) Orientações Técnicas Versão Set/09

Leia mais

Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e

Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e Versão 1.0 Outubro/2009 Manaus/AM Sumário Apresentação... 2 Conceitos Básicos... 3 Requisitos... 5 Credenciamento... 6 Fase de Homologação... 7 o Fase de Testes...

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO

REGULAMENTO FINANCEIRO REGULAMENTO FINANCEIRO Artigo 1.º (Âmbito) 1. O presente regulamento aplica-se a todos os cursos ministrados pelo Instituto de Estudos Superiores Financeiros e Fiscais. Artigo 2.º (Regimes de Pagamento

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica de Serviços

Nota Fiscal Eletrônica de Serviços Nota Fiscal Eletrônica de Serviços Arquivo de Envio de RPS em Lote - Instruções e Layout - Versão 1.0 Manual de Envio de RPS em Lote Instruções e Layout 1. Recibo Provisório de Serviços RPS O RPS é o documento

Leia mais

Preçário. Banco BAI Europa, S.A. Instituição de Crédito com sede em Portugal

Preçário. Banco BAI Europa, S.A. Instituição de Crédito com sede em Portugal Preçário Banco BAI Europa, S.A. Instituição de Crédito com sede em Portugal Consulte o FOLHETO E COMISSÕES E ESPESAS Consulte o FOLHETO E TAXAS E JURO ata de Entrada em vigor: 01-Set-2015 O Preçário completo

Leia mais

ParanáBanco. REGULAMENTO DE USO DO NETBANKING PARANÁ BANCO Atualizado em 16/09/2015

ParanáBanco. REGULAMENTO DE USO DO NETBANKING PARANÁ BANCO Atualizado em 16/09/2015 O Cliente, pela assinatura física e/ou eletrônica do Termo de Adesão e Uso do NetBanking Paraná Banco, adere ao presente Regulamento, definido conforme os seguintes termos e condições: 1. Regras de uso

Leia mais