REGULAMENTO NOSSA SENHORA DO MANTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO NOSSA SENHORA DO MANTO"

Transcrição

1 REGULAMENTO NOSSA SENHORA DO MANTO ACORDO DE PARCERIA ENTRE A SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE LISBOA E A UNIÃO DAS MISERICÓRDIAS PORTUGUESAS A SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE LISBOA E A UNIÃO DAS MISERICÓRDIAS PORTUGUESAS celebraram no dia 23 de Abril de 2014 um Acordo de Parceria onde, num espírito de cooperação efetiva, se comprometem a prosseguir as ações que ambas julgam necessárias para a integração dos cidadãos e famílias mais necessitadas com base num plano integrado e coerente numa perspetiva de atuação complementar. Nos termos do número 2 da Cláusula III do acima citado Acordo de Parceria, as partes decidiram constituir um Acordo de Cooperação para as respostas sociais aprovando assim o respetivo REGULAMENTO do ACORDO NOSSA SENHORA DO MANTO, doravante denominado Acordo NSM. 1

2 Artigo 1º Objecto O presente regulamento define o regime de acesso, financiamento, acompanhamento e condições a que se obrigam as partes para aumentar a eficiência da rede social solidária para responder melhor às necessidades dos cidadãos da cidade de Lisboa na rede das respostas sociais das Misericórdias Portuguesas, em defesa de uma rede social coesa e articulante, tornando mais eficaz as capacidades dos recursos existentes a nível do território nacional levada a cabo entre a União das Misericórdias Portuguesas, doravante UMP, e a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, doravante SCML. Artigo 2º Âmbito O Acordo NSM abrange exclusivamente os cidadãos sinalizados e acompanhados pela SCML e a sua respetiva e exclusiva integração em Respostas Sociais das Misericórdias Portuguesas. Artigo 3º Identificação dos cidadãos beneficiários da SCML Cabe à SCML proceder à verificação da qualidade de beneficiário no âmbito do presente Acordo, mediante a disponibilização de informação diagnóstica ao Serviço de Encaminhamento e Integração Social da UMP, doravante designado por SEIS. Artigo 4º Identificação das vagas por resposta social nas Misericórdias 1. Cabe à UMP a disponibilização à SCML da capacidade disponível por resposta social e localização específica na Rede NSM. 2. A disponibilização de vagas na Rede NSM é atualizada e disponibilizada à SCML mensalmente pelo SEIS. Artigo 5º O Conselho de Gestão 1. A rede do Acordo NSM é assegurada pelo Conselho de Gestão previsto na Clausula IV do Acordo de Parceria. 2. O Conselho de Gestão é coadjuvado pelo SEIS. 3. Ao SEIS compreenderá: 2

3 a) A manutenção da base de dados com o número de vagas por resposta social e localização das Misericórdias aderentes; b) Atualização permanente do número de vagas por Resposta Social e por localização; c) Sinalização à SCML das vagas disponíveis por resposta social e por localização; d) Receção do diagnóstico inicial do cidadão beneficiário e candidato a vaga; e) Procura e adequação do candidato à vaga; f) Contacto inicial com a Misericórdia aderente à Rede NSM; g) Formalização do resultado à SCML; h) A informação a todas as Misericórdia sobre o presente Acordo. i) Artigo 6º Vinculação por parte das Misericórdias 1. Para efeitos de adesão ao presente Acordo NSM, as Misericórdias que o entendam fazer, vincular-se-ão através de oficio com pedido formal ao SEIS, indicando claramente: a) Intenção de adesão; b) Data de início da mesma; c) Declaração de aceitação do clausulado do Acordo de Parceria e Regulamento do Acordo NSM; d) Interlocutor permanente e interlocutor suplente; e) Número de vagas por tipologia de resposta social; f) Local da prestação. 2. As Misericórdias deverão garantir, nos termos da legislação em vigente, os meios materiais e humanos necessários á prestação dos serviços abrangidos pelo presente regulamento. Artigo 7º Formalização inicial por parte da SCML Após receção da informação e caracterização do número de vagas por parte de UMP, a SCML formalizará a reserva do número de vagas pretendidas, por resposta social. Artigo 8º Admissão de cidadãos encaminhados por parte da SCML 1. Para integração dos beneficiários da SCML nas respostas Sociais da Rede NSM são necessários: a) Formalização por parte da SCML ao SEIS da integração do utente e em que resposta social; b) Recepção no SEIS, por parte da SCML, do diagnóstico inicial do beneficiário donde constem todos os elementos obrigatórios constituintes do Processo Individual do Utente para a resposta social em questão; c) Contacto do SEIS junto da Misericórdia aderente com a resposta mais adequada ao interesse do cidadão; 3

4 d) Confirmação, por parte do interlocutor da Misericórdia, da possibilidade de acolhimento e em que data; e) Confirmação pela SEIS, junto da SCML, da Misericórdia que fará o acolhimento e entrega de contacto do interlocutor existente na Misericórdia para efetivação do acolhimento; f) Após contacto com a Misericórdia aderente a SCML é responsável pelo encaminhamento do utente para a Misericórdia. 2. O Conselho de Gestão só considera abrangido por este acordo os pedidos que passem pelo SEIS, coordenada pelo Conselho de Gestão. 3. Artigo 9º Admissão e Manutenção na Rede NSM 1. Compete ao Conselho de Gestão a verificação do cumprimento dos requisitos formais de admissão na rede NSM, designadamente para efeitos de: a) Completo preenchimento dos processos; b) Termo de responsabilidade; c) Contratos de Prestação de serviços; d) Adequação da resposta às necessidades dos cidadãos; e) As vagas são preenchidas por consenso entre a Misericórdia aderente e a SCML sem prejuízo da avaliação conjunta das situações de acolhimento de complexidade acrescida; f) É respeitado o princípio de que devem esgotar-se, em primeiro lugar, as hipóteses de colocação em respostas específicas para o efeito, a efetuar de acordo com critérios de proximidade geográfica ou correlação familiar. g) Artigo 10º Gestão das vagas da rede 1. O Conselho de Gestão do Fundo é o responsável pela análise técnico-financeira da rede, verificando designadamente o cumprimento das regras regulamentadas e limites dos custos orçamentados; 2. Na sequência da análise referida no número anterior, o Conselho de Gestão pode proceder ao ajustamento do orçamento e do plano financeiro da Rede NSM; 3. As vagas reservadas pela SCML e não preenchidas são mantidas por dois meses e pagas neste período pelo valor da comparticipação mensal prevista no anexo I deste regulamento, podendo ao fim desse prazo serem preenchidas pela Misericórdia, obrigando-se esta, no entanto, a comunicar ao Conselho de gestão a vaga que ocorra imediatamente a seguir. 4

5 Artigo 11º Tabelas de preços e comparticipações 1. A SCML assumirá todos os encargos inerentes ao acolhimento dos utentes por si sinalizados na Rede NSM; 2. O período de elegibilidade dos custos/comparticipação está compreendido entre a data da decisão de acolhimento, definida no contrato de prestação de serviços, e a data final da cessação do acolhimento; 3. As tabelas de preços a vigorar no âmbito do presente Acordo são as constantes do Anexo I o qual é parte integrante deste regulamento; 4. O preçário /dia ou mês/utente constante das tabelas de preços inclui já todas as despesas inerentes ao acolhimento efetivo; 5. As tabelas de preços serão atualizadas anualmente de acordo com a deliberação do Conselho de gestão; Artigo 12º Faturação e liquidação de encargos 1. A aceitação da decisão de acolhimento em vaga, através da assinatura do contrato de prestação de serviços, confere o direito à Misericórdia aderente a perceção da comparticipação constante no anexo I nos termos do presente regulamento. 2. O pagamento dos serviços prestados é da responsabilidade da SCML, sendo direta e mensalmente efetuados às Misericórdias após bom acolhimento da lista de frequência mensal remetida pelas mesmas á SCML e do qual será emitido recibo respetivo; 3. O atraso no referido pagamento implicará juros de mora á taxa legal em vigor assim como a cessação da prestação do serviço relativo àqueles beneficiários, findos os 90 dias sem pagamento. Artigo 13º Comunicação Obrigatória da Rede 1. As Misericórdias deverão comunicar de imediato ao SEIS: a) Qualquer alteração às condições de acolhimento previstas neste regulamento; b) Abertura de novas instalações nas áreas quadro das respostas Sociais abrangidas por este Acordo ou encerramento das já existentes; c) Acerca da não permanência efetiva do utente acolhido ou falecimento deste; d) A UMP e a SCML comunicarão de imediato as informações contidas nas alíneas supra, bem como terão em consideração as mesmas para renovação ou rescisão do Acordo de Parceria que origine este regulamento. 5

6 Artigo 14º Acompanhamento e Avaliação 1. Para efeitos de execução do Acordo NSM será efetuada avaliação trimestral pelo SEIS e validada pelo Conselho de Gestão; 2. Anualmente deverá ser elaborado relatório de acompanhamento e avaliação também validado pelo Conselho de gestão. Artigo 15º Irregularidades 1. A constatação de qualquer irregularidade ou outro incumprimento do Acordo NSM no âmbito dos relatórios de acompanhamento dão origem á imediata suspensão de pagamentos até à decisão final sobre a referida ocorrência. 2. A decisão final sobre uma ocorrência de irregularidade compete ao Conselho de Gestão, podendo ser acionados todos os meios legais e judiciais ao seu dispor, por forma a assegurar o cumprimento das obrigações e a integridade do Acordo Nossa Senhora do Manto. Artigo 16º Dúvidas e casos omissos Os casos omissos e tudo o que não se encontre expressamente regulado no presente regulamento são objeto de decisão por parte do Conselho de Gestão. Artigo 17º Aplicabilidade O presente regulamento aplica-se a todas os intervenientes durante o período de vigência do Acordo de Parceria, podendo ser alterado mediante decisão do Conselho de Gestão. Aprovado na 127ª Sessão Ordinária da Mesa da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa de 29 de julho de

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DO CART AXO. 1. Preâmbulo

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DO CART AXO. 1. Preâmbulo PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DO CART AXO 1. Preâmbulo A celebração do presente protocolo tem como objetivo assegurar aos militares e aos trabalhadores do mapa de

Leia mais

Regulamento das condições de utilização da Infraestrutura da RIS para efeitos de manutenção remota. Artigo 1º. Objeto

Regulamento das condições de utilização da Infraestrutura da RIS para efeitos de manutenção remota. Artigo 1º. Objeto Regulamento das condições de utilização da Infraestrutura da RIS para efeitos de manutenção remota Artigo 1º Objeto O presente regulamento define as condições de acesso e utilização da infraestrutura da

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTA MARTA DE PENAGUIÃO CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE SANTA MARTA DE PENAGUIÃO CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO MUNICIPAL PARA ATRIBUIÇÃO DE COMPARTICIPAÇÃO EM MEDICAMENTOS Órgão APROVAÇÃO Data Entrada em vigor Câmara Municipal 30/05/2014 Assembleia Municipal 06/06/2014 30 de Agosto de 2014 1 / 6 PREÂMBULO

Leia mais

Programa Local de Responsabilidade Social de Ferreira do Alentejo

Programa Local de Responsabilidade Social de Ferreira do Alentejo Regulamento do Programa Local de Responsabilidade Social de Preâmbulo O projeto Ferreira Solidária, financiado pelo Programa dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social, prevê, no eixo 1, a implementação

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas

Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas Preâmbulo De acordo com a atual legislação, nomeadamente, a alínea f), do

Leia mais

REGULAMENTO DE INCENTIVO AO COMÉRCIO TRADICIONAL RICT. Nota Justificativa

REGULAMENTO DE INCENTIVO AO COMÉRCIO TRADICIONAL RICT. Nota Justificativa REGULAMENTO DE INCENTIVO AO COMÉRCIO TRADICIONAL RICT Nota Justificativa A Cidade de Mirandela reúne condições de atratividade comercial extremamente favoráveis, designadamente as acessibilidades, o parqueamento

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS Portaria n.º 985/2009, de 4 de setembro, alterada pela Portaria n.º

Leia mais

Regulamento de acesso à Startup Braga

Regulamento de acesso à Startup Braga Regulamento de acesso à Startup Braga Artigo 1º Âmbito A Startup Braga é uma iniciativa da InvestBraga e localiza- se no Edifício GNRation na Praça Conde Agrolongo, número 123, em Braga. O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO INDICE 1. OBJETIVO 2. DESTINATÁRIOS 3. REQUISITOS GERAIS DE ACESSO À TIPOLOGIA MICROINVEST 4. MODELO ESPECÍFICO DE APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO

Leia mais

- REGULAMENTO - PROGRAMA VOLUNTARIADO JUVENIL

- REGULAMENTO - PROGRAMA VOLUNTARIADO JUVENIL - REGULAMENTO - PROGRAMA VOLUNTARIADO JUVENIL Artigo 1.º Objetivos O programa Voluntariado Juvenil visa promover a participação cívica dos jovens em ações de voluntariado de interesse social e comunitário,

Leia mais

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS I. DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1. Com o fim de estimular a difusão da cultura portuguesa em países estrangeiros, a Fundação Calouste Gulbenkian, através do Serviço de Bolsas Gulbenkian, concede bolsas de

Leia mais

JORNAL OFICIAL I SÉRIE NÚMERO 60 QUARTA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2014

JORNAL OFICIAL I SÉRIE NÚMERO 60 QUARTA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2014 I SÉRIE NÚMERO 60 QUARTA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2014 ÍNDICE: PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução n.º 89/2014: Cria um prémio destinado à integração de ativos no setor primário, designado por AGRICULTURA +.

Leia mais

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN REGULAMENTO DE BOLSAS DE PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO PARA ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA E DE TIMOR-LESTE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1. Com o objetivo de estimular a Investigação

Leia mais

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 澳 門 衛 特 別 生 行 政 局 區 政 府 Governo da Região Administrativa de Macau Serviços de Saúde Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 (1.ª Parte) Unidades Privadas de Saúde que

Leia mais

DECRETO N.º 418/XII. Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde

DECRETO N.º 418/XII. Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde DECRETO N.º 418/XII Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto 1 - A

Leia mais

Atributos da Proposta e Preço Contratual

Atributos da Proposta e Preço Contratual Atributos da Proposta e Preço Contratual António José da Silva Coutinho, portador do cartão de cidadão nº. 08419828, com domicílio profissional na Rua Castilho, 165, 4º, 1070-050 Lisboa, na qualidade de

Leia mais

PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Bolsas de Educação. Introdução

PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Bolsas de Educação. Introdução PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO Regulamento do Programa de Bolsas de Educação Introdução Considerando a importância e oportunidade do Programa de Responsabilidade Social do Comité Olímpico de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR FÉRIAS DA LIPOR 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar, realiza atividades de promoção e organização

Leia mais

FORMULÁRIO DO PEDIDO DE PAGAMENTO

FORMULÁRIO DO PEDIDO DE PAGAMENTO FORMULÁRIO DO PEDIDO DE PAGAMENTO 28 FEVEREIRO DE 2014 1 1. INTRODUÇÃO: NORMA DE PAGAMENTOS: ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 01.REV2/POFC/2013). 2. FORMULÁRIO PEDIDO DE PAGAMENTO SAMA 3. INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER TOTTA/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2015

REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER TOTTA/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2015 REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER TOTTA/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2015 Este concurso visa reforçar a cooperação existente entre a Universidade de Coimbra (UC) e as instituições suas parceiras,

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A "VILA GALÉ- SOCIEDADE DE EMPREENDIMENTOS TURíSTICOS, S.A. 1. Preâmbulo

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A VILA GALÉ- SOCIEDADE DE EMPREENDIMENTOS TURíSTICOS, S.A. 1. Preâmbulo G~ Vila Galé HOTÉIS PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A "VILA GALÉ- SOCIEDADE DE EMPREENDIMENTOS TURíSTICOS, S.A." 1. Preâmbulo A celebração do presente protocolo tem como objectivo assegurar aos

Leia mais

Concurso público urgente n.º 01/2012 Programa de concurso CONCURSO PÚBLICO URGENTE PARA A AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES DE VOZ E DADOS

Concurso público urgente n.º 01/2012 Programa de concurso CONCURSO PÚBLICO URGENTE PARA A AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES DE VOZ E DADOS CONCURSO PÚBLICO URGENTE PARA A AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES DE VOZ E DADOS PROGRAMA DE CONCURSO ÍNDICE Artigo 1.º - Identificação e objeto do concurso Artigo 2.º - Entidade adjudicante Artigo

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA Aprovado em Câmara Municipal a 26 de fevereiro de 2015 Aprovado em Assembleia Municipal a 30 de abril 2015 Projeto de Regulamento

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES CONTROLE INTERNO 01/06 1 DOS OBJETIVOS 1.1 Definir normas para elaboração dos contratos de aquisição de materiais, prestação de serviços gerais e prestação de serviços e obras de engenharia. 1.2 Normatizar os procedimentos

Leia mais

MUNICÍPIO DO CARTAXO. Contrato para "Fornecimento de Gás Natural"

MUNICÍPIO DO CARTAXO. Contrato para Fornecimento de Gás Natural Contrato para "Fornecimento de Gás Natural" Entre. Município do Cartaxo, com sede na Praça 15 de Dezembro, no Cartaxo, NIPC 506 780 902, representada neste ato por Fernando Manuel da Silva Amorim, na qualidade

Leia mais

Bolsa de Inovação da Secção Regional de Lisboa DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS REGRAS DE ATRIBUIÇÃO

Bolsa de Inovação da Secção Regional de Lisboa DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS REGRAS DE ATRIBUIÇÃO A Direcção da Secção Regional de Lisboa da Ordem dos Farmacêuticos, reunida em sessão de 18 de Julho de 2012, deliberou instituir uma Bolsa, destinada a apoiar projectos de investigação e projectos profissionais

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À FAMÍLIA DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DE S. JOÃO DA MADEIRA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À FAMÍLIA DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À FAMÍLIA DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DE S. JOÃO DA MADEIRA Nota justificativa Foram ouvidas as entidades interessadas, nos termos do artigo 117.º do Código do Procedimento

Leia mais

anexo ao pedido de portabilidade e rescisão do contrato

anexo ao pedido de portabilidade e rescisão do contrato pedido de portabilidade e rescisão do contrato ORIGINAL (tmn) 2. INFORMAÇÃO DE CONTACTO Telemóvel contacto 3. DADOS DE PORTABILIDADE MÓVEL E-mail Informamos que, por motivos de portabilidade, pretendemos

Leia mais

3º Alargamento de Prazo das Linhas de Crédito PME Investe - Documento de divulgação - V.1

3º Alargamento de Prazo das Linhas de Crédito PME Investe - Documento de divulgação - V.1 1. Beneficiários: As empresas que tenham operações contratadas ao abrigo das Linhas de Crédito PME Investe e que à data de contratação do alargamento do prazo não tenham incumprimentos não regularizados

Leia mais

SERVIÇO DE TRÂNSITO PT

SERVIÇO DE TRÂNSITO PT SERVIÇO DE TRÂNSITO PT D e s c r i ç ã o d e S e r v i ç o MEO Direção de Wholesale (DWH) 30 de dezembro de 2014 Data: 2014-12-30 Página 1 / 10 Versão: 03 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA...

Leia mais

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde REGULAMENTO DO CONCURSO Concurso para financiamento de projetos em Literacia em Saúde 2013 Artigo 1º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas de acesso ao concurso para financiamento de projetos

Leia mais

QUESTIONÁRIO ANUAL DE SERVIÇOS POSTAIS (2015)

QUESTIONÁRIO ANUAL DE SERVIÇOS POSTAIS (2015) QUESTIONÁRIO ANUAL DE SERVIÇOS POSTAIS (2015) Instruções de preenchimento: - Todas as questões dos pontos 1 e 2 são de preenchimento obrigatório. Nos casos em que o preenchimento não é aplicável à empresa,

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E O GRUPO DOM PEDRO - INVESTIMENTOS TURíSTICOS, S.A. 1. Preâmbulo

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E O GRUPO DOM PEDRO - INVESTIMENTOS TURíSTICOS, S.A. 1. Preâmbulo Dom Pedro Hoteís www.dompedro.com PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E O GRUPO DOM PEDRO - INVESTIMENTOS TURíSTICOS, S.A 1. Preâmbulo A celebração do presente protocolo tem como objetivo assegurar aos

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DE LISBOA Deliberações CMC POR: 9/10/2007, 15/07/2008, 30/01/2012 e 8/08/2012 SAÚDE (LISBOA) ENTRADA EM VIGOR DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO EM 9/08/2012 NA REDAÇÃO DADA PELA DELIBERAÇÃO

Leia mais

Município de Gouveia. Programa de apoio à criação de emprego no Concelho de Gouveia

Município de Gouveia. Programa de apoio à criação de emprego no Concelho de Gouveia Programa de apoio à criação de emprego no Concelho de Gouveia (Regulamento) Preâmbulo A promoção do desenvolvimento económico no Concelho de Gouveia está intimamente ligada à implementação de medidas de

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Acordo Parcelar Específico n.º 02 Entre O Centro Hospitalar de Lisboa Norte, EPE, E O Hospital de Santo Espírito de Angra do Heroísmo, EPE Junho de 2015 1 Acordo Parcelar Específico

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência

Leia mais

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL. Artigo 1º. Objecto

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL. Artigo 1º. Objecto REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL Artigo 1º Objecto O presente regulamento tem por objecto definir a natureza, o conteúdo e os termos em que é desenvolvido o trabalho voluntário no Hospital

Leia mais

REGULAMENTO. Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades. Introdução

REGULAMENTO. Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades. Introdução REGULAMENTO Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades Introdução O Banco Santander Totta, S.A., em parceria com as Instituições de Ensino Superior aderentes (doravante «IES»), e através da

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Regulamento de Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos da Direção-Geral do Ensino Superior (Aprovado por despacho, de 15 de junho de 2012, do Presidente do Conselho Diretivo da Fundação para

Leia mais

Caderno de Encargos Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio

Caderno de Encargos Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio Caderno de Encargos Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio para celebração de contrato de cedência de utilização de diversos espaços, em edifícios municipais, para instalação

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO O presente Regulamento pretende enquadrar as principais regras e linhas de orientação pelas quais se rege a atividade formativa da LEXSEGUR, de forma a garantir

Leia mais

ANEXO VIII. Ref. Pregão Presencial nº. 012/2014 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO VIII. Ref. Pregão Presencial nº. 012/2014 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO VIII Ref. Pregão Presencial nº. 012/2014 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PÁGINA 1 DE 6 CONDIÇÕES GERAIS 1. OBJETO Contratação de empresa seguradora para emissão de apólice de seguro de vida em grupo para,

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário

Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário Entre: Primeiro Outorgante: Centro de Promoção Social (CPS), Instituição Particular de Solidariedade Social, com sede em Carvalhais São

Leia mais

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, e da Saúde, representado pelo Ministro da

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS do Montepio Geral Associação Mutualista Título II DISPOSIÇÕES PARTICULARES - MODALIDADES INDIVIDUAIS

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS do Montepio Geral Associação Mutualista Título II DISPOSIÇÕES PARTICULARES - MODALIDADES INDIVIDUAIS Artigo 1.º (Definições e Interpretação) 1. Nesta Secção, os termos e expressões iniciados por maiúsculas têm o significado que lhes é atribuído no Título VI (Glossário) do Regulamento. 2. Em caso de conflito

Leia mais

Essência d Afectos. As entidades signatárias assumem o compromisso geral de cooperação sobre este protocolo.

Essência d Afectos. As entidades signatárias assumem o compromisso geral de cooperação sobre este protocolo. Protocolo de condições preferenciais sobre os serviços da Essência d Afectos 1. Identificação dos Outorgantes: Essência d Afectos, Lda, pessoa coletiva nº 509 513 182, com sede na Rua Júlio Dinis, n.º

Leia mais

Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, da Saúde, representado pelo Ministro

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Sócios Artigo 1.º

REGULAMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Sócios Artigo 1.º REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I Sócios (Processo de Admissão e Requisitos, Direitos e Deveres, Suspensão, Exclusão e Cancelamento da Inscrição.) 1. São sócios - cooperadores todos os admitidos pela Direcção

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 46 Data: 2011/11/04 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: Regulamento para Atribuição de Bolsa de Doutoramento ESTeSL/IPL Caixa Geral de Depósitos

Leia mais

Edital Proppex n 19_2015 Pré-Seleção de Acadêmicos Intercâmbio de Estudos em Portugal

Edital Proppex n 19_2015 Pré-Seleção de Acadêmicos Intercâmbio de Estudos em Portugal Edital Proppex n 19_2015 Pré-Seleção de Acadêmicos Intercâmbio de Estudos em Portugal A Pró-Reitora de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão - Proppex, no uso de suas atribuições legais e de conformidade

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, regulamentada pelo Decreto Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, define as bases do enquadramento

Leia mais

NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS OBJECTIVOS O Decreto-lei 55/2009 estabelece

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Lei n.º 69/2013 de 30 de agosto

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Lei n.º 69/2013 de 30 de agosto ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 69/2013 de 30 de agosto Quinta alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro, ajustando o valor da compensação devida pela cessação do

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA EMPRÉSTIMO OU COMPARTICIPAÇÃO NA AQUISIÇÃO DE MANUAIS ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA:

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA EMPRÉSTIMO OU COMPARTICIPAÇÃO NA AQUISIÇÃO DE MANUAIS ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA: REGULAMENTO MUNICIPAL PARA EMPRÉSTIMO OU COMPARTICIPAÇÃO NA AQUISIÇÃO DE MANUAIS ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA: Considerando que, decorrente da imposição da lei fundamental, incumbe ao Estado assegurar

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO ANA SOLIDÁRIA REGULAMENTO. Preâmbulo

BOLSAS DE ESTUDO ANA SOLIDÁRIA REGULAMENTO. Preâmbulo BOLSAS DE ESTUDO ANA SOLIDÁRIA REGULAMENTO Preâmbulo Faz parte da missão da ANA - Aeroportos de Portugal, S.A. (ANA) gerir de forma eficiente a rede de infraestruturas aeroportuárias a seu cargo os aeroportos

Leia mais

Orientação de Gestão nº 06/POFC/2008

Orientação de Gestão nº 06/POFC/2008 Orientação de Gestão nº 06/POFC/2008 Enquadramento no Sistema de Apoio às Entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional (SAESCTN) de Projectos de IC&DT em todos os domínios científicos Projectos

Leia mais

Despacho conjunto n.º 413/99, de 15 de Maio

Despacho conjunto n.º 413/99, de 15 de Maio Despacho conjunto n.º 413/99, de 15 de Maio MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Aprova o Regulamento do Fundo de Compensação Sócio-Económica no âmbito do Programa de Expansão

Leia mais

Anexo I ACORDO DE ESTÁGIO PROGRAMA INOV CONTACTO ESTÁGIOS INTERNACIONAIS DE JOVENS QUADROS

Anexo I ACORDO DE ESTÁGIO PROGRAMA INOV CONTACTO ESTÁGIOS INTERNACIONAIS DE JOVENS QUADROS Anexo I ACORDO DE ESTÁGIO PROGRAMA INOV CONTACTO ESTÁGIOS INTERNACIONAIS DE JOVENS QUADROS Entre: Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E.P.E., Pessoa Coletiva de Direito Público

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO PREÂMBULO Portugal, quer pelo aumento da esperança de vida, quer pelos baixos níveis da natalidade, está a tornar-se num país com população envelhecida. Valença não

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO JOVEM EQUIPA DE VIGILÂNCIA FLORESTAL 2015. Artigo 1º Âmbito e definição

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO JOVEM EQUIPA DE VIGILÂNCIA FLORESTAL 2015. Artigo 1º Âmbito e definição PROGRAMA DE VOLUNTARIADO JOVEM EQUIPA DE VIGILÂNCIA FLORESTAL 2015 Artigo 1º Âmbito e definição 1. As presentes normas instituem e regulam o Programa de Voluntariado Jovem para operacionalização da Equipa

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012.

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012. RESOLUÇÃO CONSEACC/SP 04/2012 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA, DO CAMPUS SÃO PAULO DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/8 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES

REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Objeto e âmbito

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO Introdução O presente Regulamento foi concebido a pensar em si, visando o bom funcionamento da formação. Na LauTraining Formação e Consultoria, vai encontrar um ambiente de trabalho e de formação agradável

Leia mais

PROCEDIMENTO DE GESTÃO

PROCEDIMENTO DE GESTÃO Página: 1 de 7 ÍNDICE 1. OBJECTIVO 2 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2 3. DEFINIÇÕES 2 4. REFERÊNCIAS 2 5. RESPONSABILIDADES E MODOS DE PROCEDER 2 5.1. Cuidados em Situação de Emergência 2 5.2. Cuidados de Saúde

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS 2015 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian (Fundação), através do Programa Gulbenkian de Língua e Cultura

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E O "SKIPARQUE/SERRA DA ESTRELA". 1. Preâmbulo

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E O SKIPARQUE/SERRA DA ESTRELA. 1. Preâmbulo PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E O "SKIPARQUE/SERRA DA ESTRELA". 1. Preâmbulo A celebração do presente protocolo tem como objectivo assegurar aos militares e aos trabalhadores do mapa de pessoal

Leia mais

U CAN Bolsas de Estudo Universitárias Regulamento. Preâmbulo

U CAN Bolsas de Estudo Universitárias Regulamento. Preâmbulo U CAN Bolsas de Estudo Universitárias Regulamento Preâmbulo O Programa Escolhas, tutelado pela Presidência do Conselho de Ministros e integrado no Alto Comissariado para as Migrações, I.P., tem como um

Leia mais

REGULAMENTO Formação pós-graduada em modalidade de e-learning

REGULAMENTO Formação pós-graduada em modalidade de e-learning REGULAMENTO Formação pós-graduada em modalidade de e-learning Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 3.1 (José João Amoreira) (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação

Leia mais

Art. 18º. Cabe ao Aluno Beneficiado:

Art. 18º. Cabe ao Aluno Beneficiado: SISTEMA DE INCLUSÃO EDUCACIONAL ESTUDE JÁ BRASIL REGULAMENTO I DO SISTEMA Art. 1. - O ESTUDE JÁ BRASIL é um sistema de INCLUSÃO EDUCACIONAL e tem por objetivos: I incentivar o cadastramento de cidadãos

Leia mais

(PROPOSTA) REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS, EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS E OUTRA FORMAÇÃO

(PROPOSTA) REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS, EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS E OUTRA FORMAÇÃO (PROPOSTA) Ú~e ~JU&~~L~ 6~i ~ / ~ 7J7t1 REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS, EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS E OUTRA FORMAÇÃO Conforme o determinado pelo artigo 45 O A do Decreto Lei n 074/2006

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO Preâmbulo O Concelho de Portel, à semelhança da generalidade dos Concelhos do interior do país, tem uma parte significativa

Leia mais

Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual

Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade disciplinar o funcionamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual,

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito e Aplicabilidade) 1. O presente regulamento estabelece as regras

Leia mais

- Educação Pré-Escolar - Artigo 1º. (Natureza e Fins)

- Educação Pré-Escolar - Artigo 1º. (Natureza e Fins) ACÇÃO SOCIAL CASA DA CRIANÇA DE SOURE - Educação Pré-Escolar - REGULAMENTO Artigo 1º (Natureza e Fins) 1 - A Casa da Criança de Soure visa prestar, na área da Acção Social, um serviço adequado às Famílias

Leia mais

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Sistema de Incentivos à I&DT e Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONTRATO CONSÓRCIO EXTERNO Aplicável a projectos de I&DT

Leia mais

Atribuição de Bolsas de Estudo a atletas do programa de preparação paralímpica e surdolímpica

Atribuição de Bolsas de Estudo a atletas do programa de preparação paralímpica e surdolímpica Atribuição de Bolsas de Estudo a atletas do programa de preparação paralímpica e surdolímpica REGULAMENTO Exposição de Motivos A relação entre o desporto e a educação constitui-se como um fator de grande

Leia mais

COMPLEXO SOCIAL DE APOIO À PESSOA IDOSA

COMPLEXO SOCIAL DE APOIO À PESSOA IDOSA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Primeiro Outorgante: portador do B.I./ Cartão do Cidadão n.º., emitido em. /. /. pelo Arquivo de Identificação, contribuinte n.º, residente em.., adiante designado por

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE TIMOR LESTE

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE TIMOR LESTE REGULAMENTO DAS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE TIMOR LESTE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artº. 1º. 1. Com o fim principal

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES (aprovado por deliberação de Câmara de 16 de junho de 2011 em conformidade com as orientações do Conselho Nacional para

Leia mais

MECANISMO DE APOIO À ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO

MECANISMO DE APOIO À ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO MECANISMO DE APOIO À ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO Na sequência dos trabalhos desenvolvidos pelo Fórum para a Cooperação, implementado em 2008, e reconhecendo o papel que

Leia mais

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito 1. A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE LAGOA. Preâmbulo

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE LAGOA. Preâmbulo NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE LAGOA Preâmbulo O decreto lei nº 389/99, de 30 de setembro, no art.º 21º, atribui ao Conselho nacional para a Promoção do Voluntariado (CNVP) competências

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P.

INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P. INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P. REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aplica-se às bolsas atribuídas pelo Instituto Português do Mar

Leia mais

Regulamento de Ingresso e Acesso para Estudantes Internacionais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Disposição geral Objeto

Regulamento de Ingresso e Acesso para Estudantes Internacionais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Disposição geral Objeto Regulamento de Ingresso e Acesso para Estudantes Internacionais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa SECÇÃO A Disposição geral Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define as normas aplicáveis

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC I. DA FINALIDADE E OBJETIVO Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade normatizar as atividades relacionadas aos Trabalhos de Conclusão de Curso de Graduação

Leia mais

Cartilha de Extensão de Benefício do Plano Empresarial aos Beneficiários.

Cartilha de Extensão de Benefício do Plano Empresarial aos Beneficiários. Cartilha de Extensão de Benefício do Plano Empresarial aos Beneficiários. Contributários demitidos ou exonerados sem justa causa e/ou aposentados. www.saolucassaude.com.br 01_ DIREITOS E DEVERES DO BENEFICIÁRIO

Leia mais

EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Artigo 1.º Objeto

EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Artigo 1.º Objeto DATA: Quarta-feira, 30 de julho de 2014 NÚMERO: 145 SÉRIE I EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social DIPLOMA: Portaria n.º 151/2014 SUMÁRIO: Cria o Programa Investe Jovem Artigo

Leia mais

Lei n.º 69/2013. de 30 de agosto

Lei n.º 69/2013. de 30 de agosto Lei n.º 69/2013 de 30 de agosto Quinta alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro, ajustando o valor da compensação devida pela cessação do contrato de trabalho A

Leia mais

da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA

TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA 1- Objeto da Licitação: Prestação de serviço para contratação de seguro de vida em grupo para os empregados da Empresa Municipal de Informática S.A - IplanRio, visando

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 Perguntas e Respostas Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 v0 0 ÍNDICE ÂMBITO

Leia mais

Ajuste Directo. (alínea a) do n.º 1 do artigo 20º do CCP) Procedimento 03/2015

Ajuste Directo. (alínea a) do n.º 1 do artigo 20º do CCP) Procedimento 03/2015 Ajuste Directo (alínea a) do n.º 1 do artigo 20º do CCP) Procedimento 03/2015 Aquisição de Serviços de Criação de imagem e Fornecimento de Material de divulgação da oferta comercial CADERNO DE ENCARGOS

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS Documento aprovado por deliberação do Conselho Superior em 16 de julho de 2014 P á g i n a 0 REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORIZAÇÃO PROFISSIONAIS

Leia mais

I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para transferência de colaboradores entre localidades da Companhia e parâmetros para ajuda de custo.

I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para transferência de colaboradores entre localidades da Companhia e parâmetros para ajuda de custo. I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para transferência de colaboradores entre localidades da Companhia e parâmetros para ajuda de custo. II. ÁREA DE ABRANGÊNCIA Quando necessário efetuar transferências

Leia mais