Lubrificação do Espéculo para Colpocitologia REVISÃO BASEADA NA EVIDÊNCIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lubrificação do Espéculo para Colpocitologia REVISÃO BASEADA NA EVIDÊNCIA"

Transcrição

1 Lubrificação do Espéculo para Colpocitologia REVISÃO BASEADA NA EVIDÊNCIA António Torres da Costa 1 Ângela Santos Neves 1 Sílvia Achas 2 1 USF Araceti 2 Interna de Ano Comum VIII JORNADAS INTERNATO MGF DO CENTRO ~ 25 Maio 2016

2 Introdução PERTINÊNCIA A colpocitologia é um teste de rastreio que permite o diagnóstico precoce de lesões pré-malignas e cancro do colo do útero. Introdução do espéculo sem recurso a qualquer tipo de lubrificante. Desconforto / dor é a principal razão de abandono do programa de rastreio.

3 Objetivo Avaliar se a utilização de lubrificante à base de água ou soro fisiológico no espéculo ginecológico interfere no resultado da análise citológica.

4 Metodologia Pesquisa bibliográfica (jan 2016) MeSH: "lubricant" e "papanicolaou smear" Lubrificante Vs soro fisiológico, água ou nenhuma lubrificação + Adequabilidade das amostras Classificação pela escala de Oxford dos estudos selecionados (por 3 médicos) Inglês, castelhano, francês e português, publicados entre 2002 e 2015.

5 Resultados 32 artigos 15 elegíveis Ensaios Clínicos s Estudos Experimentais Estudo Observacional Caso- Controlo Artigos de Opinião

6 Resultados Referência Método População Intervenção Resultados Simavli S Köşüş A Pawlik M Charoenkwa n K Ensaio Clinico Estudo experimental Ensaio clínico Ensaio clínico Citologia com lubrificante aquoso vs controlo Citologia em meio líquido com espéculo lubrificado vs controlo. Citologia cervical em meio líquido e convencional sem lubrificante vs citologia cervical em meio líquido e convencional com recurso a lubrificante. Duas citologias consecutivas em cada mulher: Citologia convencional de controlo vs citologia com colo contaminado com 1-1,5 cm de K-Y Jelly gel. A taxa de citologias insatisfatórias foi 1,13% no grupo do lubrificante vs 1,39% no grupo de controlo, sem diferença significativa (p=0,98). A taxa de citologias insatisfatórias foi significativamente mais alta no grupo do lubrificante (4,3% vs 1,8%, p=0,01). Sem diferença estatisticamente significativa da qualidade da amostra colhida em citologia com e sem lubrificante (1,1% vs 1,5%, OR 0.74, IC 95% ). Taxa de citologias insatisfatórias significativamente maior com a contaminação (12,1% vs 1,7%; p<0,01) Nível de Evidência 1b 2b 1b 2b

7 Resultados Referência Método População Intervenção Resultados Hathaway J.K Griffith W.F Amies AM Ensaio Clínico Ensaio Clínico Ensaio clínico Duas colheitas consecutivas em cada mulher em que aleatoriamente uma das amostras era contaminada com 0,5 ml de gel à base de água Surgilube. Citologia em meio líquido. Citologia convencional com lubrificação de espéculo metálico com SURGILUBE vs água. Citologia cervical sem lubrificante ou água vs citologia cervical com lubrificante HR Lubricating Jelly. A taxa de discordância entre as amostras foi 7,5% (IC 95%, 4,6-12-1%) A contaminação da amostra em meio líquido com lubrificante não altera a qualidade da amostra. A taxa de citologias insatisfatórias foi de 1,1% no grupo do lubrificante vs 1,5% no controlo (OR 0,74; IC 95% 0,41-1,35) Não há diferença significativa no nº de amostras insatisfatórias entre o grupo que usou lubrificante vs controlo (IC 95%; 0,6-1,8). Nível de Evidência 2b 1b 1b

8 Resultados Referência Método População Intervenção Resultados Uygur D Gilson M Harer W.B Feit T.D Ensaio Clinico Ensaio clínico Ensaio clínico Estudo casocontrolo Citologia cervical em meio líquido e convencional sem lubrificante vs citologia cervical em meio líquido e convencional com recurso a lubrificante. Duas colheitas consecutivas na mesma mulher, a 1.ª de controlo e a 2.ª com gel aquoso nas lâminas do espéculo. Citologia convencional com água vs citologia convencional com 2 a 3 cc de Surgilube. Citologias em meio líquido foram divididas em grupos e contaminadas com 20, 100 ou 500 µl de 3 lubrificantes, ou controlo. De seguida procedeu-se à contagem celular A lubrificação do espéculo para citologia cervical não altera os resultados citológicos (3 amostras inadequadas em 400) A lubrificação da lâmina com gel aquoso não altera a qualidade da amostra citológica (p=0,5) O número de amostras insatisfatórias foi igualmente baixo em ambos os grupos (2.1% vs 2.2%, P = 0.528). A contagem celular nos quatro grupos foi significativamente diferente (p<0,01) Nível de Evidência 1b 2b 2b 3b

9 Resultados Referência Método População Intervenção Resultados Holton T Lin S.N Allan G.M Martínez- Girón R Estudo experimental observacional Estudo observacional retrospetivo Opinião baseada na consulta de 4 ECA Opinião baseada na consulta de 4 ensaios clínicos s Citologia em meio líquido contaminada com doses crescentes entre 0,1-0,5 g de K-Y Jelly vs 0,1-0,5 g Aquagel vs sem liubrificante Citologia cervical em meio líquido sem lubrificante vs Surgilube vs E-Z Jelly. A contaminação das amostras com lubrificante pode reduzir a sua contagem celular (p < 0,001). O número de amostras insatisfatórias é idêntico entre o grupo de controlo e o do lubrificante aquoso sem carbómeros (0,4% vs 0,9%, p = 0,28). O uso de lubrificante com carbómeros aumentou a taxa de amostras insatisfatórias vs controlo (3,6% vs 0,4%, p = 0,0002). A utilização de lubrificante não afeta a qualidade das amostras. Os géis lubrificantes podem originar artefactos nos esfregaços de citologia. Nível de Evidência 2b 3b 5 5

10 Discussão A favor da utilização de lubrificação Contra a utilização de lubrificação estudos 1b 3 estudos 2b 1 estudo 5 3 estudos 2b 2 estudos 3b 1 estudo 5

11 Conclusões A utilização de uma pequena quantidade de lubrificante (moeda de cêntimo) na face externa das laminas do espéculo parece não interferir no resultado da análise citológica (força recomendação A).

12 Lubrificação do Espéculo para Colpocitologia REVISÃO BASEADA NA EVIDÊNCIA António Torres da Costa 1 Ângela Santos Neves 1 Sílvia Achas 2 1 USF Araceti 2 Interna de Ano Comum VIII JORNADAS INTERNATO MGF DO CENTRO ~ 25 Maio 2016

O uso de lubrificante na citologia cervico-vaginal Revisão baseada na evidência

O uso de lubrificante na citologia cervico-vaginal Revisão baseada na evidência 534 revisões O uso de lubrificante na citologia cervico-vaginal Revisão baseada na evidência Clara Pinto Ferreira, 1 Alexandra Machado, 2 Alexandra Pina, 1 Ana Margarida Cruz 3 RE SU MO Objectivos: Avaliar

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMO-COLUNAR

RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMO-COLUNAR RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMOCOLUNAR CERBARO, Kamila 1 ; ROSA, Jéssica 2 ; CORADINI, Lidiane 3 ; COSER, Janaina 4 ; HANSEN, Dinara 4 ; GARCES,

Leia mais

ROTINAS DE PATOLOGIA CERVICAL

ROTINAS DE PATOLOGIA CERVICAL ROTINAS DE PATOLOGIA CERVICAL INTRODUÇÃO O câncer de colo uterino é o 2º mais incidente entre as mulheres no mundo e no Brasil, tornandose um grave problema de saúde pública. Os fatores de risco incluem

Leia mais

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007 1 SISCOLO RELATÓRIO 2007 2 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher

Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher Branco MJ, Paixão E, Vicente LF. Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher. Lisboa: Instituto Nacional

Leia mais

Evidências científicas da efetividade da detecção e tratamento das lesões precursoras para a prevenção do câncer do colo do útero

Evidências científicas da efetividade da detecção e tratamento das lesões precursoras para a prevenção do câncer do colo do útero Evidências científicas da efetividade da detecção e tratamento das lesões precursoras para a prevenção do câncer do colo do útero Fábio Russomano Instituto Fernandes Figueira FIOCRUZ 25 A 28 DE ABRIL DE

Leia mais

Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência

Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação José Eleutério Junior O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência para detecção de lesões pré-malignas e malignas iniciais

Leia mais

Prevenção do cancro do colo do útero

Prevenção do cancro do colo do útero Prevenção do cancro do colo do útero http:// Iechyd Cyhoeddus Cymru Public Health Wales Este folheto pretende dar informações que podem ajudar na prevenção do cancro do colo do útero. Ao realizar testes

Leia mais

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Laboratórios

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Laboratórios Prevenção do Câncer do Colo do Útero Manual Técnico Laboratórios Ministério da Saúde Brasília, 2002 Apresentação Um dos graves problemas de saúde pública que estamos combatendo ao longo dos anos é o câncer

Leia mais

MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV COLO UTERINO. Dra Rejane Santana R3 Orientadora: Dra Vera Fonseca

MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV COLO UTERINO. Dra Rejane Santana R3 Orientadora: Dra Vera Fonseca UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CLEMENTINO FRAGA FILHO SERVIÇO DE GINECOLOGIA MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV NO RASTREIO DO CÂNCER DE COLO UTERINO Dra Rejane

Leia mais

Orientações sobre a Colheita do Material para Unidade Básica de Saúde

Orientações sobre a Colheita do Material para Unidade Básica de Saúde 1 INTRODUÇÃO O Centro de Diagnóstico Santa Clara elaborou este manual com o propósito de fornecer todas as informações necessárias para correta obtenção e preservação do material a ser examinado. Este

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Colo do Útero, Anticoncepcionais, Teste de Papanicolaou.

PALAVRAS-CHAVE Colo do Útero, Anticoncepcionais, Teste de Papanicolaou. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BARRETOS DR. PAULO PRATA

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BARRETOS DR. PAULO PRATA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BARRETOS DR. PAULO PRATA Avenida Loja Maçônica Renovadora 68, nº 100 - Aeroporto - Barretos - São Paulo Telefone: (17) 3321-3060 www.facisb.edu.br CURSO DE MEDICINA ATIVIDADE

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino e de Mama

Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino e de Mama SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE LESTE RH / DESENVOLVIMENTO 1 DENOMINAÇÃO Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino

Leia mais

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Adjunta ABPTGIC ASC-US e ASC-H Significado clínico Sistema

Leia mais

ADEQUABILIDADE DAS AMOSTRAS PARA SCREENING/RASTREAMENTO DO CÂNCER DO COLO UTERINO

ADEQUABILIDADE DAS AMOSTRAS PARA SCREENING/RASTREAMENTO DO CÂNCER DO COLO UTERINO 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Vírus do Papiloma Humanos (HPV) DSR-

Vírus do Papiloma Humanos (HPV) DSR- Vírus do Papiloma Humanos (HPV) O que é o HPV? O HPV é um vírus frequente nos humanos, responsável pela formação de lesões chamadas papilomas. Existem diferentes tipos de HPV Alguns podem infectar a zona

Leia mais

ata Emissão:10/05/2016 Data Aprovação: 11/05/2017 Página 01 de 05

ata Emissão:10/05/2016 Data Aprovação: 11/05/2017 Página 01 de 05 ata Emissão:10/05/2016 Data Aprovação: 11/05/2017 Página 01 de 05 OBJETIVO Padronizar e estabelecer regras e recomendações quanto à coleta, acondicionamento, transporte e rejeição das amostras biológica

Leia mais

Carga de Trabalho em Citotecnologia. Simone Maia Evaristo

Carga de Trabalho em Citotecnologia. Simone Maia Evaristo em Citotecnologia Simone Maia Evaristo Uma força-tarefa da Sociedade Americana de Citopatologia em 2009 começou o trabalho envolvido na desenvolver recomendações de carga de trabalho para citotechnologista

Leia mais

TÉCNICAS DE CITOLOGIA. Silene Gomes Correa

TÉCNICAS DE CITOLOGIA. Silene Gomes Correa TÉCNICAS DE CITOLOGIA Silene Gomes Correa Preparo de Amostras Citológicas 1 2 3 4 5 Descrever coloração, viscosidade e volume Centrifugar em 2100 RPM por 10 Decantar Cito-centrifugar o sedimento Amostras

Leia mais

Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero

Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero XIII Congresso Brasileiro de Citologia Clínica 03 de julho de 2012 Fábio Russomano IFF/Fiocruz Fábio Russomano Possíveis

Leia mais

METODOLOGIA DA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA

METODOLOGIA DA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA METODOLOGIA DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA Profª. Dra. Paula Silva de Carvalho Chagas Faculdade de Fisioterapia UFJF Doutora em Ciências da Reabilitação

Leia mais

Epidemiologia. Tipos de Estudos Epidemiológicos. Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde

Epidemiologia. Tipos de Estudos Epidemiológicos. Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde Epidemiologia Tipos de Estudos Epidemiológicos Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde TIPOS DE ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS Observacionais Experimental x Observacional Relatos de Casos Série de casos Transversal

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CITÓLISE EM PREPARADOS CERVICOVAGINAIS NO EXAME PAPANICOLAOU

PREVALÊNCIA DE CITÓLISE EM PREPARADOS CERVICOVAGINAIS NO EXAME PAPANICOLAOU 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada

ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada Trocando Idéias XIV 27-29 de agosto de 2009 Rio de Janeiro Fábio Russomano Nomenclatura SISTEMA BETHESDA (1988) SISTEMA BETHESDA (1991) SISTEMA BETHESDA (2001) Nomenclatura

Leia mais

Perspectivas da introdução das vacinas contra HPV junto aos programas de rastreio

Perspectivas da introdução das vacinas contra HPV junto aos programas de rastreio Perspectivas da introdução das vacinas contra HPV junto aos programas de rastreio Trocando Idéias XIV 27-29 de agosto de 2009 Rio de Janeiro Fábio Russomano Evidências da efetividade do rastreio citológico

Leia mais

ELEMENTOS DA PESQUISA CIENTÍFICA: Desenhos de Pesquisa METODOLOGIA DA 30/01/2010. O tipo de pesquisa (desenho) serve a: Tipos de Pesquisa

ELEMENTOS DA PESQUISA CIENTÍFICA: Desenhos de Pesquisa METODOLOGIA DA 30/01/2010. O tipo de pesquisa (desenho) serve a: Tipos de Pesquisa CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA METODOLOGIA DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA ELEMENTOS DA PESQUISA CIENTÍFICA: Desenhos de Pesquisa Profa. MsC. Paula Silva de Carvalho Chagas Departamento

Leia mais

Tutorial de Pesquisa Bibliográfica- BVS. 2ª. Versão 2012

Tutorial de Pesquisa Bibliográfica- BVS. 2ª. Versão 2012 B I B L I O T E C A D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E SD DA Universidade Federal do Paraná - UFPR Tutorial de Pesquisa Bibliográfica- BVS 2ª. Versão 2012 1 Pesquisa Bibliográfica É o levantamento de um

Leia mais

Detecção Precoce EPIDEMIOLOGIA IV 2016_1. Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva UFF Monitoras: Amanda e Daniele

Detecção Precoce EPIDEMIOLOGIA IV 2016_1. Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva UFF Monitoras: Amanda e Daniele Controle do câncer Detecção Precoce EPIDEMIOLOGIA IV 2016_1 Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva UFF Monitoras: Amanda e Daniele OBJETIVO (i) Facilitar a compreensão dos fundamentos que

Leia mais

Comparação de insuflação com dióxido de carbono e ar em endoscopia e colonoscopia: ensaio clínico prospectivo, duplo cego, randomizado - julho 2017

Comparação de insuflação com dióxido de carbono e ar em endoscopia e colonoscopia: ensaio clínico prospectivo, duplo cego, randomizado - julho 2017 A endoscopia terapêutica tem se tornado cada vez mais invasiva, realizando procedimentos que muito se assemelham a cirurgias, por sua complexidade, dificuldade técnica, tempo de execução e possibilidade

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO 1ª sessão - 16:00 às 22:00 2ª sessão - 9:00 às 14:00 INVESTIMENTO FORMADOR

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO 1ª sessão - 16:00 às 22:00 2ª sessão - 9:00 às 14:00 INVESTIMENTO FORMADOR ANáLISES CLíNICAS: DA COLHEITA à INTERPRETAçãO (MAI 2016) LISBOA A interpretação de exames laboratoriais é uma realidade incontestável do dia-a-dia dos enfermeiros. Mas será que todos os enfermeiros estão

Leia mais

Evidência & Investigação em Feridas: Contributos para uma Prática Clínica Avançada

Evidência & Investigação em Feridas: Contributos para uma Prática Clínica Avançada Evidência & Investigação em Feridas: Contributos para uma Prática Clínica Avançada Rui Pereira 1* ; João Cainé 1 ; Fernando Petronilho 1 Manuela Machado 1 ; Maria Rito 1 1 Enfermeiros, docentes da Universidade

Leia mais

Diga não ao cancro do colo do utéro. Pense em se vacinar. Fale com o seu médico.

Diga não ao cancro do colo do utéro. Pense em se vacinar. Fale com o seu médico. NÃ Diga não ao cancro do colo do utéro. Pense em se vacinar. Fale com o seu médico. Qual é a frequência do cancro do colo do útero? - A nível mundial, o cancro do colo do útero é muito frequente nas mulheres;

Leia mais

Validade do uso de sulfato de magnésio visando a neuroproteção de fetos pré-termo

Validade do uso de sulfato de magnésio visando a neuroproteção de fetos pré-termo Disciplina de Obstetrícia Departamento de Obstetrícia e Ginecologia Validade do uso de sulfato de magnésio visando a neuroproteção de fetos pré-termo Rossana Pulcineli Vieira Francisco Encefalopatia Hipóxico

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Obesidade, Colo do Útero, Teste de Papanicolaou.

PALAVRAS-CHAVE Obesidade, Colo do Útero, Teste de Papanicolaou. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Rastreio Hoje PAP: PAISES EM DESENVOLVIMENTO PAP + DNA HPV > 30 ANOS: ALGUNS PAISES DESENVOLVIDOS DESAFIO: FUTUROLOGIA CITOLOGIA APÓS DNA HPV

Rastreio Hoje PAP: PAISES EM DESENVOLVIMENTO PAP + DNA HPV > 30 ANOS: ALGUNS PAISES DESENVOLVIDOS DESAFIO: FUTUROLOGIA CITOLOGIA APÓS DNA HPV Rastreio Hoje PAP: PAISES EM DESENVOLVIMENTO PAP + DNA HPV > 30 ANOS: ALGUNS PAISES DESENVOLVIDOS DESAFIO: FUTUROLOGIA CITOLOGIA APÓS DNA HPV SCREENING SCREENING POR POR CITO CITO Miller AB. Screening

Leia mais

CA Colo uterino PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO. Enfa Dayse Amarílio. 3º Tipo de CA mais comum nas Mulheres

CA Colo uterino PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO. Enfa Dayse Amarílio. 3º Tipo de CA mais comum nas Mulheres PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO Enfa Dayse Amarílio CA Colo uterino 3º Tipo de CA mais comum nas Mulheres Tem início com displasias de leve a acentuada. É classificado como

Leia mais

Patologia - orientações

Patologia - orientações Patologia - orientações Padronização para Patologistas e Ginecologistas Elaborado pelas Sociedades Brasileiras de Citopatologia, de Patologia, de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia, FEBRASGO,

Leia mais

Microcarcinoma cervical-questões: Seguimento: igual ao da NIC III?

Microcarcinoma cervical-questões: Seguimento: igual ao da NIC III? Microcarcinoma cervical-questões: : igual ao da NIC III? Yara Furtado Professora assistente da UNIRIO Médica do Ambulatório de Patologia Cervical do Instituto de Ginecologia da UFRJ FIGO Committee on Ginecologic

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: REVISÃO DE CONCEITO CITOMORFOLÓGICO PARA DIAGNÓSTICO DE ADENOCARCINOMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SISCOLO RELATÓRIO 2006

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SISCOLO RELATÓRIO 2006 SISCOLO RELATÓRIO 2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO FAR07015 CITOLOGIA CLÍNICA Departamento: Ciências Farmacêuticas Professor: Renata Dalmaschio Daltoé Carga Horária: 60 h Teórico: 30 h Exercício: 0 h Laboratório: 30 h Curso: 29 - Farmácia

Leia mais

Citopatologia I Aula 7

Citopatologia I Aula 7 Ciências Biomédicas Laboratoriais Citopatologia I Aula 7 2016/17 João Furtado jffurtado@ualg.pt Gab. 2.06 na ESSUAlg Sumário Anomalias das células epiteliais Alteração de significado indeterminado não

Leia mais

MANUAL DE COLHEITAS DE AMOSTRAS DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

MANUAL DE COLHEITAS DE AMOSTRAS DEPARTAMENTO DA QUALIDADE MANUAL DE COLHEITAS DE AMOSTRAS DEPARTAMENTO DA QUALIDADE Nem todos os tipos de amostra são adequados para a realização da totalidade de testes CGC Genetics. Consulte o catálogo de análises online em e

Leia mais

Adequação da indexação de ensaios clínicos em periódicos de cardiologia na base de dados LILACS: resultados preliminares.

Adequação da indexação de ensaios clínicos em periódicos de cardiologia na base de dados LILACS: resultados preliminares. Adequação da indexação de ensaios clínicos em periódicos de cardiologia na base de dados LILACS: resultados preliminares. Maria Anália da Conceição 1 ; Sueli MitikoYano Suga 2; Maria Eduarda S. Puga; 3

Leia mais

Vacinação contra HPV e Controle do câncer de colo do útero no SUS Claudio Pompeiano Noronha

Vacinação contra HPV e Controle do câncer de colo do útero no SUS Claudio Pompeiano Noronha Vacinação contra HPV e Controle do câncer de colo do útero no SUS Claudio Pompeiano Noronha Coordenação Geral de Ações Estratégicas CGAE Instituto Nacional de Câncer - INCA Ministério da Saúde junho de

Leia mais

Sistema de colheita de sangue para pediatria

Sistema de colheita de sangue para pediatria Sistema de colheita de sangue para pediatria Pediatria As crianças, são o grupo de pacientes mais sensível, necessitam de um sistema de colheita de sangue especial, mais delicado Recém-nascidos Crianças

Leia mais

PROTOCOLO DE EXAMES DE RM GINECOLÓGICA - ORIENTAÇÕES GERAIS -

PROTOCOLO DE EXAMES DE RM GINECOLÓGICA - ORIENTAÇÕES GERAIS - PROTOCOLO DE EXAMES DE RM GINECOLÓGICA - ORIENTAÇÕES GERAIS - Todas as sequências efectuadas deverão ser optimizadas de acordo com as especificidades do aparelho disponível. Preparação: 4-6h de jejum Esvaziar

Leia mais

B I B L I O T E C A D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E O QUE SE DEVE SABER PARA MONTAR UMA ESTRATÉGIA DE BUSCA

B I B L I O T E C A D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E O QUE SE DEVE SABER PARA MONTAR UMA ESTRATÉGIA DE BUSCA B I B L I O T E C A D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E O QUE SE DEVE SABER PARA MONTAR UMA ESTRATÉGIA DE BUSCA 1 1 PROBLEMA DE PESQUISA O risco de eclampsia em mulheres grávidas com pressão arterial alta.

Leia mais

III Tema: Exames de imuno-histoquimica em doenças de mama

III Tema: Exames de imuno-histoquimica em doenças de mama Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 0005/02 Tema: Imuno-histoquímica para doenças de mama I Data: 26/08/2002. II Grupo de Estudo: Dr.Adolfo Orsi Parenzi Dra. Clemilda Alvarenga Coelho Dra. Lélia

Leia mais

Projeto de Pesquisa: contexto

Projeto de Pesquisa: contexto Projeto de : contexto Objetivos da aula Qual a relação entre as razões e o objetivo da pesquisa? Como mapear o conhecimento sobre um tema? Por que existem variações entre os pesquisadores? Por que mapear

Leia mais

HORÁRIO DE AULA Educação Infantil

HORÁRIO DE AULA Educação Infantil HIGIENE HIGIENE HIGIENE HIGIENE HIGIENE HIGIENE HIGIENE HIGIENE HIGIENE HIGIENE MÚSICA MÚSICA HIGIENE HIGIENE HIGIENE HIGIENE HIGIENE MÚSICA HIGIENE HIGIENE HIGIENE HIGIENE HIGIENE MÚSICA HIGIENE HIGIENE

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 1 2 3 4 INSTRUÇÕES Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Estratégia de Saúde da Família, Câncer de colo uterino, Saúde da Família, Exame de prevenção e Colpocitologia.

PALAVRAS-CHAVE: Estratégia de Saúde da Família, Câncer de colo uterino, Saúde da Família, Exame de prevenção e Colpocitologia. Câncer de colo uterino: análise de exames colpocitopatológicos realizados no ano de 2009 em uma Unidade Básica de Atenção à Saúde da Família, em Goiânia, Goiás, Brasil. MARTINS, Ana Carolina Sulino¹; ARRAIS,

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 10 AVALIAÇÃO DE DOSES D CULTURA DO MILHO SE LUCAS DO RIO VERDE M Objetivo Avaliar o efeito do emprego diferentes doses de nitrogênio aplicado via cobertura nos caracteres agronômicos e na produtividade

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Neoplasia do Colo do Útero. Colo Uterino. Enfermagem.

PALAVRAS-CHAVE Neoplasia do Colo do Útero. Colo Uterino. Enfermagem. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

AS FACES DA GINECOLOGIA 185ª REUNIÃO DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE GINECOLOGIA

AS FACES DA GINECOLOGIA 185ª REUNIÃO DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE GINECOLOGIA SIMPÓSIO 2016 AS FACES DA GINECOLOGIA 185ª REUNIÃO DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE GINECOLOGIA 3 E 4 JUNHO HOSPITAL DE BRAGA IMAGEM: AD MÉDIC PROGRAMA Científico 2 JUNHO - 5ª Feira CURSO PRÉ-SIMPÓSIO: ECOGRAFIA

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

AIDS e HPV Cuide-se e previna-se!

AIDS e HPV Cuide-se e previna-se! AIDS e HPV Cuide-se e previna-se! O que é AIDS? Existem várias doenças que são transmissíveis através das relações sexuais e por isso são chamadas DSTs (doenças sexualmente transmissíveis). As mais conhecidas

Leia mais

Prof. Marco A. F. Lima Página 1

Prof. Marco A. F. Lima Página 1 Instruções: I- Entrega dia 15/12 até no período das 13 às 16 horas. II- Nos exercícios 1 a 7: a) identifique a afirmação e expresse Ho e Ha; b) encontre os valores críticos e identifique as áreas de rejeição;

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Exame Ginecológico. Teste de Papanicolaou. Leucorréia.

PALAVRAS-CHAVE Exame Ginecológico. Teste de Papanicolaou. Leucorréia. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA QUEIXA DE LEUCORRÉIA

Leia mais

O Cancro da Mama em Portugal. 1 em cada 11 mulheres em Portugal vai ter cancro da mama. Cancro em Portugal 2002

O Cancro da Mama em Portugal. 1 em cada 11 mulheres em Portugal vai ter cancro da mama. Cancro em Portugal 2002 O Cancro da Mama em Portugal 1 em cada 11 mulheres em Portugal vai ter cancro da mama Cancro em Portugal 2002 O Cancro da Mama em Portugal Surgem 4500 novos casos por ano Mas. Com a detecção precoce e

Leia mais

AVALIAÇÃO DE AÇÃO PROGRAMÁTICA DE SAÚDE DA MULHER DURANTE A VIVÊNCIA DA PRÁTICA EM SAÚDE PÚBLICA 1. INTRODUÇÃO

AVALIAÇÃO DE AÇÃO PROGRAMÁTICA DE SAÚDE DA MULHER DURANTE A VIVÊNCIA DA PRÁTICA EM SAÚDE PÚBLICA 1. INTRODUÇÃO AVALIAÇÃO DE AÇÃO PROGRAMÁTICA DE SAÚDE DA MULHER DURANTE A VIVÊNCIA DA PRÁTICA EM SAÚDE PÚBLICA RIBEIRO, Juliane Portella 1 ; QUADROS, Lenice de Castro Muniz 2 ; LIMA, Luciana Rodrigues dos Santos 3 ;

Leia mais

1 - Levantamento de hipóteses. 2 - Coleta de dados. 3 - Análise dos dados

1 - Levantamento de hipóteses. 2 - Coleta de dados. 3 - Análise dos dados Etapas para a solução de um Problema 1 - Levantamento de hipóteses 2 - Coleta de dados 3 - Análise dos dados 4 - Conclusão O QUE O CURSO VAI ENSINAR? Como resolver um problema! 2 Coleta de Dados O conceito

Leia mais

Artículo Especial: Evaluación de la evidencia científica Albert J. Jovell Y Maria D. Navarro-Rubio Med Clin (Barc) 1995;105:

Artículo Especial: Evaluación de la evidencia científica Albert J. Jovell Y Maria D. Navarro-Rubio Med Clin (Barc) 1995;105: Unidade de Pesquisa Clínica Artículo Especial: Evaluación de la evidencia científica Albert J. Jovell Y Maria D. Navarro-Rubio Med Clin (Barc) 1995;105: 740-43 Apresentado em 13 de Maio de 2009 Mireile

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO 1ª sessão - 17:00 às 21:00 2ª e 3ª sessão - 17:00 às 20:00 INVESTIMENTO

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO 1ª sessão - 17:00 às 21:00 2ª e 3ª sessão - 17:00 às 20:00 INVESTIMENTO ANáLISES CLíNICAS: DA COLHEITA à INTERPRETAçãO (OUT 2016) PORTO A interpretação de exames laboratoriais é uma realidade incontestável do dia-a-dia dos enfermeiros. Mas será que todos os enfermeiros estão

Leia mais

Aptima Multitest Swab Specimen Collection Kit

Aptima Multitest Swab Specimen Collection Kit Multitest Swab Specimen Collection Kit Aptima Utilização prevista O Aptima Multitest Swab Specimen Collection Kit (Kit de colheita de espécimes de esfregaço multiteste Aptima) destina-se a ser utilizado

Leia mais

Guia de Exames. Procedimentos operativos para colheita, armazenamento e envio de material para o IMP Laboratório

Guia de Exames. Procedimentos operativos para colheita, armazenamento e envio de material para o IMP Laboratório Guia de Exames Procedimentos operativos para colheita, armazenamento e envio de material para o IMP Laboratório 2014 Índice Página: 1. Introdução e Objetivos 3 2. Identificação e Informação 4 3. Amostras

Leia mais

Recepção aos Internos de Medicina Geral e Familiar 2017

Recepção aos Internos de Medicina Geral e Familiar 2017 3 de Janeiro de 2017 REGULAMENTO Regulamento do Internato Médico Julho/2015 QUEM SOMOS? LINHAS DE ACÇÃO Acompanhamento do novo programa de formação na ARSLVT (objectivos, estágios, avaliação) Melhorar

Leia mais

TRABALHO DO PROFESSOR ANDRÉ VIANA RESUMO DO ARTIGO A SYSTEEMATIC REVIEW ON THE EFFECTIVENESS OF NUCLEOPLASTY PROCEDURE FOR DISCOGENIC PAIN

TRABALHO DO PROFESSOR ANDRÉ VIANA RESUMO DO ARTIGO A SYSTEEMATIC REVIEW ON THE EFFECTIVENESS OF NUCLEOPLASTY PROCEDURE FOR DISCOGENIC PAIN TRABALHO DO PROFESSOR ANDRÉ VIANA LUIS HENRIQUE SOUSA CINTRA - MATRICULA 1416156 FRANCISCO JOSE RESUMO DO ARTIGO A SYSTEEMATIC REVIEW ON THE EFFECTIVENESS OF NUCLEOPLASTY PROCEDURE FOR DISCOGENIC PAIN

Leia mais

PARTE I CARACTERISTICAS DAS PARTICIPANTES

PARTE I CARACTERISTICAS DAS PARTICIPANTES QUESTIONÁRIO PARTE I CARACTERISTICAS DAS PARTICIPANTES 1 IDADE ANOS 2 HABILITAÇÕES LITERÁRIAS 1º CICLO 2º CICLO SECUNDÁRIO BACHARELATO LICENCIATURA MESTRADO DOUTORAMENTO 3 PROFISSÃO ACTIVA ACTIVA/BAIXA

Leia mais

Debates prós e contras

Debates prós e contras Grupo de interesse especial em medicina de urgências, cuidados intensivos e anestesia Debates prós e contras Trauma medular Uso Corticosteroides Vs Não uso Corticosteroides Nuno Alexandre Universidade

Leia mais

CITOLOGIA CLINICA. Prof.Fernando Bacelar

CITOLOGIA CLINICA. Prof.Fernando Bacelar CITOLOGIA CLINICA Prof.Fernando Bacelar Competência Preparar e identificar exames desenvolvendo a capacidade técnica. Analisar exames aprimorando o senso crítico e cientifico para a interpretação de amostras

Leia mais

PERFIL DE ATENDIMENTO DE MULHERES DIAGNOSTICADAS COM NEOPLASIAS INTRAEPITELIAIS CERVIVAIS NA CLÍNICA DA MULHER DE MARINGÁ NO PERÍODO ENTRE 2009 A 2016

PERFIL DE ATENDIMENTO DE MULHERES DIAGNOSTICADAS COM NEOPLASIAS INTRAEPITELIAIS CERVIVAIS NA CLÍNICA DA MULHER DE MARINGÁ NO PERÍODO ENTRE 2009 A 2016 PERFIL DE ATENDIMENTO DE MULHERES DIAGNOSTICADAS COM NEOPLASIAS INTRAEPITELIAIS CERVIVAIS NA CLÍNICA DA MULHER DE MARINGÁ NO PERÍODO ENTRE 2009 A 2016 Isabella de Souza Dantas¹, Bruna Luiza Dranka Bueno²,Carolina

Leia mais

05/03/ /2015. Equipe NATS, Bom dia!

05/03/ /2015. Equipe NATS, Bom dia! 05/03/2015 03/2015 Biópsia de nódulo tireoidiano SOLICITANTE : Juíza Cláudia Helena Batista, da 3ª Unidade Jurisdicional do Juizado Especial de Belo Horizonte NÚMERO DO PROCESSO: 9013419.97.2015.813.0024

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO COMO FATOR DE PROTEÇÃO DO CÂNCER DE MAMA. Evidências em Saúde Pública HSM 0122 Novembro/2015

A AMAMENTAÇÃO COMO FATOR DE PROTEÇÃO DO CÂNCER DE MAMA. Evidências em Saúde Pública HSM 0122 Novembro/2015 A AMAMENTAÇÃO COMO FATOR DE PROTEÇÃO DO CÂNCER DE MAMA Evidências em Saúde Pública HSM 0122 Novembro/2015 INTRODUÇÃO Câncer de mama: resultante de proliferação incontrolável de células anormais. Origem:

Leia mais

Enquadramento e Racional

Enquadramento e Racional LungOS Advanced non-small cell Lung cancer treatment patterns and Overall Survival: real-world outcomes research study from the Southern Portugal Cancer Registry (ROR-SUL). Enquadramento e Racional O cancro

Leia mais

Professor Dr Flavio Zucchi CRM Médico Ginecologista Especialista em HPV (Papilomavirus Humano)

Professor Dr Flavio Zucchi CRM Médico Ginecologista Especialista em HPV (Papilomavirus Humano) Professor Dr Flavio Zucchi CRM 27311 Médico Ginecologista Especialista em HPV (Papilomavirus Humano) Atividades: Chefe de ambulatório no setor de Genitoscopia da disciplina de Ginecologia da escola paulista

Leia mais

Curso de Graduação em Medicina

Curso de Graduação em Medicina Curso de Graduação em Medicina 1. Disciplina: Práticas interdisciplinares em Saúde da Mulher II Linha de Cuidado para a redução da mortalidade do câncer de colo de útero 2. Coordenadores: Profa. Departamento

Leia mais

Rastreio de cancro do pâncreas em famílias de cancro da mama hereditário: sim ou não?

Rastreio de cancro do pâncreas em famílias de cancro da mama hereditário: sim ou não? Clínica de Risco Familiar Instituto Português de Oncologia de Lisboa Rastreio de cancro do pâncreas em famílias de cancro da mama hereditário: sim ou não? Hugo Nunes 1, Ana Clara 1,2, Ana Luis 1,2, Ana

Leia mais

O everolimus no cancro oral: uma abordagem terapêutica dependente do tipo celular

O everolimus no cancro oral: uma abordagem terapêutica dependente do tipo celular O everolimus no cancro oral: uma abordagem terapêutica dependente do tipo celular Cátia Domingues 1,2,*, Paulo Matafome 3,4,5, Sílvia Neves 1,2, Mafalda Laranjo 2,5,6, Raquel Seiça 5, Maria Filomena Botelho

Leia mais

Impacto do Grau de Controlo da Asma na Utilização de Cuidados de Saúde em Portugal

Impacto do Grau de Controlo da Asma na Utilização de Cuidados de Saúde em Portugal Unidade de Epidemiologia Instituto de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa Impacto do Grau de Controlo da Asma na Utilização de Cuidados de Saúde em Portugal Violeta Alarcão,

Leia mais

Colégio de Anatomia Patológica

Colégio de Anatomia Patológica Colégio de Anatomia Patológica Inquérito aos Serviços para atribuição de Idoneidade e Capacidade Formativa I. Identificação do Serviço/Departamento HOSPITAL LOCALIDADE.. DIRECTOR DO SERVIÇO.. II. Caracterização

Leia mais

Realização de Papanicolaou em profissionais de saúde* Papanicolau Screening test practices in health professionals

Realização de Papanicolaou em profissionais de saúde* Papanicolau Screening test practices in health professionals Seção artigos médicos Rev Med (São Paulo). 2004 jan.-jun.;83(1-2):28-32. Realização de Papanicolaou em profissionais de saúde* Papanicolau Screening test practices in health professionals Ana Cláudia Camargo

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico O QUE É? HPV é a sigla em inglês para papilomavírus humano. É um vírus de grande relevância médica pelo fato de estar relacionado a praticamente 100% dos casos de câncer de colo do útero (um dos tipos

Leia mais

Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem na Clínica da Unaerp.

Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem na Clínica da Unaerp. SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem. 2011 na Clínica da Unaerp. Kelly Cristina do Nascimento

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA BÁSICA NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS CRÔNICAS ATRAVÉS DO PAPANICOLAU

TÍTULO: ASSISTÊNCIA BÁSICA NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS CRÔNICAS ATRAVÉS DO PAPANICOLAU Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ASSISTÊNCIA BÁSICA NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS CRÔNICAS ATRAVÉS DO PAPANICOLAU CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Padrões de tratamento e outcomes clínicos de cancro da mama

Padrões de tratamento e outcomes clínicos de cancro da mama Padrões de tratamento e outcomes clínicos de cancro da mama Jornadas do Registo Oncológico Regional do Sul 2015 Grupo de Estudos em Cancro da Mama Centro Hospitalar de Lisboa Norte Fundação Champalimaud

Leia mais

MORTALIDADE POR CÂNCER DE COLO DE ÚTERO, CARACTERÍSTICAS SÓCIODEMOGRÁFICAS E COBERTURA DO EXAME PAPANICOLAU NA PARAÍBA,

MORTALIDADE POR CÂNCER DE COLO DE ÚTERO, CARACTERÍSTICAS SÓCIODEMOGRÁFICAS E COBERTURA DO EXAME PAPANICOLAU NA PARAÍBA, MORTALIDADE POR CÂNCER DE COLO DE ÚTERO, CARACTERÍSTICAS SÓCIODEMOGRÁFICAS E COBERTURA DO EXAME PAPANICOLAU NA PARAÍBA, 2010-2014 Milena de Cassia Alves Monteiro da Silva¹; Wedja Marcelino da Silva²; Yonara

Leia mais

Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia. Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli

Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia. Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli Roteiro da Apresentação 1. Estrutura da Pesquisa Científica 2. Classificação dos estudos epidemiológicos 3.

Leia mais

Imagiologia Mamária. Manuela Gonçalo. Director: Prof. Doutor F. Caseiro Alves. Serviço de Radiologia HUC

Imagiologia Mamária. Manuela Gonçalo. Director: Prof. Doutor F. Caseiro Alves. Serviço de Radiologia HUC Imagiologia Mamária Manuela Gonçalo Serviço de Radiologia HUC Director: Prof. Doutor F. Caseiro Alves Imagiologia Mamografia (M. Digital) (referência) Diagnóstico Rastreio Ecografia R.M. Galactografia

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE ANATOMIA PATOLÓGICA CITOPATOLOGIA IMUNOPATOLOGIA Anatomia patológica é uma especialidade da medicina que tem como objetivo fazer diagnóstico das doenças através

Leia mais

Educação e Regulamentação Profissional dos Técnicos de Anatomia Patológica, Citológica e Tanatológica em Portugal. Carina Ladeira

Educação e Regulamentação Profissional dos Técnicos de Anatomia Patológica, Citológica e Tanatológica em Portugal. Carina Ladeira Educação e Regulamentação Profissional dos Técnicos de Anatomia Patológica, Citológica e Tanatológica em Portugal Carina Ladeira Rio de Janeiro, 11 de Novembro 2009 Profissional de APCT Conteúdo funcional

Leia mais

Questão 1 Sabe-se que o consumo mensal per capita de um determinado produto tem distribuição normal com desvio padrão σ = 2kg

Questão 1 Sabe-se que o consumo mensal per capita de um determinado produto tem distribuição normal com desvio padrão σ = 2kg Lista suplementar Teste de uma média populacional Questão 1 Sabe-se que o consumo mensal per capita de um determinado produto tem distribuição normal com desvio padrão σ = kg. A diretoria da indústria

Leia mais