Organização da Produção BALANCEAMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Organização da Produção BALANCEAMENTO"

Transcrição

1 Organização da Produção BALANCEAMENTO Jorge Muniz 2011

2 Video Antiga Tampografia 2

3 Linha de Montagem Seriada (Layout por produto) Estação 1 6 min.homem/un. Estação 2 7min.homem/un. Estação 3 3 min.homem/un. O takt-time (TT) é definido a partir da demanda do mercado e do tempo disponível para produção. (tempo/unidade) Tempo de Ciclo (TC) = Tempo que leva entre um componente e o próximo sair do mesmo processo. (tempo.máquina/unidade) Tempo de Processamento = Tempo que uma peça leva para mover-se ao longo de todo um processo ou um fluxo de valor, desde o começo até o fim. (tempo/unidade) 3

4 Video Tampografia Fluxo de Peça 1 4

5 Exemplo Balanceamento de Linha Você acabou de ser nomeado para implantar uma linha de montagem seriada de um ventilador, com as seguintes operações: Tarefa Duração (min) Descrição Precedência A 2 Montagem do corpo B 1 Montagem das botoeiras A C 3,25 Montagem do compartimento do motor D 1,2 Montagem do suporte do compartimento A, C E 0,5 Colocar pás D F 1 Montar e colocar protetor de segurança E G 1 Colocar o cabo de força B H 1,4 Testar F, G 5

6 Diagrama de Precedências Qual dos processos define a capacidade máxima de produção? 2min 1min 1min 1.4min A B G H C D E F 3.25min 1.2min 0.5min 1min 6

7 O Gargalo Tarefa Duração (min) Descrição Precedência A 2 Montagem do corpo B 1 Montagem das botoeiras A C 3,25 Montagem do compartimento do motor D 1,2 Montagem do suporte do compartimento A, C E 0,5 Colocar pás D F 1 Montar e colocar protetor de segurança E G 1 Colocar o cabo de força B H 1,4 Testar F, G Produção máxima = Tempo disponível = 420 min/dia = 129 unid/dia TCgargalo 3,25 min/unid 7

8 Queremos montar 100 ventiladores por dia Duração do ciclo, TC = Tempo disponível no período Produção requerida TC = 420 min/dia = 4,2 min/unid 100 unid/dia O que isso representa? TAKT TIME 8

9 Número Teórico de Estações (Postos) de Trabalho N t = Somatório das durações das operações ( t i ) Duração do Ciclo (TC) N t = 11,35 min/unid = 2,702 N r = 3 4,2 min/unid Por que devemos arredondar? 9

10 Regra básica para agrupamento das operações Agrupar as operações de tal forma que o somatório das suas respectivas durações mais se aproxime da duração do ciclo de montagem e não seja quebrada a seqüência lógica da montagem. 10

11 Difinindo as estações de trabalho 2min A C 3.25min 1min 1min B D G E F 1.2min 0.5min 1min 1.4min H Tarefa Sucessor Tempo (min) A 6 2 C D B 2 1 E F 1 1 G 1 1 H Estação 1 Estação 2 Estação 3 A (4.2-2=2.2) B (2.2-1=1.2) G (1.2-1=0.2) Ocioso = 0.2 C ( )=0.95 Ocioso = 0.95 D ( )=3 E (3-.5)=2.5 F (2.5-1)=1.5 H ( )=0.1 Ocioso = 0.1 Qual Posto é o Gargalo? Qual a duração real do ciclo? 11

12 Eficiência do Balanceamento Eficiência = Somatório das durações das operações ( t i ) Núm. real de Postos (Nr) x Dur. do Ciclo de Montagem (TC) Eficiência = 11,35 min/unid = 0,901 ou 90,1% (3).(4,2 min/unid) 12

13 Balanceamento 3,75 3,4 4,2 H F B G E OPERADOR CALHA A D C 13

14 Exemplo ( p ) Um fabricante de armários estruturou a linha de montagem a partir de partes pré-fabricadas e que deve produzir 6 armários por hora. A Figura abaixo representa a sequência das operações com os tempos em minutos. Cada operador trabalha 48 minutos por hora. Determina: 4,4min A A.O tempo de Cliclo B.O número teórico de operadores C.A distribuição do trabalho e o número real de operadores D.A eficiência do balanceamento 0,8min B 3,5min D 7,0min 14,6min E C 14

15 Exemplo ( p ) Solução TC = 48 min/h = 8 min/unid. 6 unid/h t i = 4,4+0,8+3,5+7,0+14,6 --> 30,3 min. Nt = 30,3 min = 3,79 postos 4 postos 8 min TC < 14,6?? USAR 2 OPERADORES PARA A OPERAÇÃO E 4,4min A B 0,8min D 7,0min 14,6min E 3,5min C Eficiência = 29,5 min/unid = 0,922 ou 92,2% (4).(8 min/unid) 15

16 Video Tampografia Fluxo de Peça 2 16

17 Linha de Montagem de Multiprodutos Uma empresa deseja produzir na mesma linha de montagem os produtos X, Y e Z, conforme seqüência abaixo. Sabendo-se que o operador trabalha 48 minutos por hora, e que devem ser produzidos 90 produtos por hora, determinar: B A D E C 17

18 Linha de Montagem de Multiprodutos Produto X Y Z Quantidade / hora Operação A (min) 2,4 4,0 3,8 Operação B (min) 1 2, Operação C (min) ,8 Operação D (min) 2 1,1 2,1 Operação E (min) 1, Tempo total (min) 6,7 8,3 7,7 Deve-se determinar o tempo ponderado para cada operação: TA: (2,4 x ,0 x ,8 x 25) / 61 produtos = 3,39 min TB: (1 x ,2 x x 25) / 61 produtos = 0,90 min TC: 1,00 min TD: 1,80 min TE : 0,43 min TC = 48 min / 90 produtos = 0,53 min / produto Ti = 7,52 min Nt = 7,52 / 0,53 = 14,19 operadores 18

19 Linha de Montagem de Multiprodutos Posto Operação A B + C D E No. De Operadores Tempo 3,39 / 7 1,90/4 1,80/4 0,43 Tempo / operador 0,48 0,47 0,45 0,43 PRODUÇÃO = 48 minutos / 0,48 = 100 produtos Ex: 90 produtos de X 6,7 minutos x 90 produtos X = 603 minutos 90 produtos de Y 8,3 minutos x 90 produtos Y = 747 minutos 90 produtos de Z 7,7 minutos x 90 produtos Z = 693 minutos Nx = 603 / 48 = 12,56 Ny = 747 / 48 = 15,56 Nz = 693 / 48 = 14,43 Organização da Produção - FEG/UNESP

20 Divisão do trabalho vs. Tempo de Ciclo Figure 5.7 Precedence diagram showing the relationship between activities for the computer test and repair task 20

21 Divisão do trabalho - A Figure 5.8 Long-thin arrangement of stages for the computer test and repair task 21

22 Divisão do trabalho - B Figure 5.9 Intermediate configurations of stages for the computer test and repair task 22

23 Divisão do trabalho - C Figure 5.10 Short-fat arrangement of stages for the computer test and repair task 23

24 Eficiência do Balanceamento Figure 5.11 Balancing loss is that proportion of the time invested in processing the product or service that is not used productively. For the computer test and repair process, (a) is the theoretical perfect balance, (b) is the best balance for four stages, and (c) is the best balance for two stages 24

25 Variabilidade do tempo nos estágios Figure 5.12 Processing time variability in a synchronized process. Cycle time will need to accommodate the longest activity time at any of the stages 25

26 Produtos na fila vs. Utilização Figure 5.14 Units arriving at a process with variable arrival times and a constant activity time (10 minutes) 26

27 Produtos na fila vs. Utilização Figure 5.15 The relationship between process utilization and number of units waiting to be processed for the variable arrival times in the example 27

28 Capacidade/Variabilidade vs. Utilização Figure 5.16 The relationship between process utilization and number of units waiting to be processed for variable arrival and activity times. (a) Decreasing variability allows higher utilization without long waiting times. (b) Managing capacity and/or variability 28

29 Atividade 3 Na nova fábrica de garrafas devem ser produzidos três tipos diferentes de garrafas: para vinho com peso de 200g cada, para cerveja com 150g cada e para champanha com 300g cada. A produção de garrafas é muito delicada e apresenta perdas; assim da produção realizada, perde-se 5% das garrafas de vinho, 10% das garrafas de cerveja e 15% das garrafas de champanha. A empresa deve entregar mensalmente garrafas de vinho, garrafas de cerveja e garrafas de champanha, e estuda a compra de um processo de fabricação ilustrado abaixo: Produto Vinho Cerveja Champanha kg por hora Tempos por Operação (min) A 3 2,8 2,5 B 1,2 2,4 1,7 C 1,5 0,8 - D E - - 1,6 Tempo total 6,7 8 7,8 A B D A. Qual o balanceamento do processo para atender a demanda e sua eficiência sabendo que o Operador trabalha 48 min por hora? C 29 E

MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR. FEG UNESP Bruno Franco 2010

MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR. FEG UNESP Bruno Franco 2010 MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR FEG UNESP Bruno Franco 2010 Mapeamento do Fluxo de Valor Video Organização da Produção - FEG/UNESP - 2010 2 Mapeamento do Fluxo de Valor Mapear o fluxo de valor significa andar

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO I AULA 16 E 17 UFPR. Prof.ª Nicolle Sotsek Ramos

SISTEMAS DE PRODUÇÃO I AULA 16 E 17 UFPR. Prof.ª Nicolle Sotsek Ramos SISTEMAS DE PRODUÇÃO I AULA 16 E 17 UFPR Prof.ª Nicolle Sotsek Ramos BREVE RESUMO Layout Determinação dos espaços Ferramentas: SLS (planejamento sistemático do layout) -Diagrama de relacionamentos LAYOUT

Leia mais

Gráfico de Balanceamento de Operadores

Gráfico de Balanceamento de Operadores Gráfico de Balanceamento de Operadores } Tempo Padrão Também chamado de Conteúdo de Trabalho ou Carga de Trabalho, é a soma somente dos tempos que agregam valor ao cliente na produção de um componente

Leia mais

Sistema de Produção Lean Cap 4 Ferramentas Lean

Sistema de Produção Lean Cap 4 Ferramentas Lean UDESC/DEPS Sistema de Produção Lean Cap 4 Ferramentas Lean Prof. Silene Seibel, Dra. silene@silene.com.br UDESC/DEPS Cap 4 Fluxo Con9nuo Prof. Silene Seibel, Dra. silene@silene.com.br 2 Conteúdo do Capitulo

Leia mais

BALANCEAMENTO DA LINHA DE MONTAGEM DE CAMINHÕES BAÚS

BALANCEAMENTO DA LINHA DE MONTAGEM DE CAMINHÕES BAÚS BALANCEAMENTO DA LINHA DE MONTAGEM DE CAMINHÕES BAÚS Francismilton Teles (UFPI) francismilton@ig.com.br Janayna Rocha Silva (UFPI) francismilton@ig.com.br Vanessa Margareth da Silva Oliveira (UFPI) vsmargareth@hotmail.com

Leia mais

a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO)

a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO) LOGÍSTICA INTEGRADA 4º AULA 06/SET/11 SISTEMAS DE PRODUÇÃO (continuidade) ARRANJO FÍSICO E FLUXO TIPOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO)

Leia mais

Consideremos uma linha que monta dois produtos X e Y. A necessidade mensal do produto X sendo de 500 unidades e do Y de 1000 unidades.

Consideremos uma linha que monta dois produtos X e Y. A necessidade mensal do produto X sendo de 500 unidades e do Y de 1000 unidades. O tempo takt na Toyota do Brasil Autor: Gilberto I. Kosaka Com intuito de contribuir a respeito da importância do tempo takt vou, neste curto artigo, relatar como este item é tratado na Toyota e também

Leia mais

Layout das Instalações

Layout das Instalações Universidade Federal do Rio Grande FURG Universidade Aberta do Brasil UAB Curso - Administração Administração da Produção I Semana 3 Layout das Instalações Profª. M. Sc. Luciane Schmitt 1 Arranjo Físico

Leia mais

Organização da Produção

Organização da Produção Organização da Produção ESTUDO DE TEMPOS E MÉTODOS Jorge Muniz 2011 Velocidade do Operador A velocidade V (também denominada de RÍTMO) do operador é determinada subjetivamente por parte do cronometrista,

Leia mais

9. ARRANJO FÍSICO DAS INSTALAÇÕES PRODUTIVAS

9. ARRANJO FÍSICO DAS INSTALAÇÕES PRODUTIVAS 105 106 9. ARRANJO FÍSICO DAS INSTALAÇÕES PRODUTIVAS A descrição de como são dispostos tradicionalmente os centros de trabalho em instalações produtivas e suas principais características é o objetivo de

Leia mais

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção Fascículo 7 Arranjo físico e fluxo O arranjo físico (em inglês layout) de uma operação produtiva preocupase com o posicionamento dos recursos de transformação. Isto é, definir onde colocar: Instalações

Leia mais

Dinâmica do Trabalho Padronizado Professora Silene Seibel, Dra.

Dinâmica do Trabalho Padronizado Professora Silene Seibel, Dra. Dinâmica do Trabalho Padronizado Professora Silene Seibel, Dra. Unidades de Trabalho Elemento de trabalho: é a menor ação de trabalho executada por uma pessoa que pode ser transferida para outra pessoa.

Leia mais

ESTUDO DOS TEMPOS. Ritmo de trabalho. Factor de actividade:

ESTUDO DOS TEMPOS. Ritmo de trabalho. Factor de actividade: ESTUDO DOS TEMPOS Ritmo de trabalho Factor de actividade: relaciona o ritmo de trabalho do operador com o ritmo de trabaho normal um trabalhador normal é um trabalhador representativo e qualificado Exemplo:

Leia mais

Modelo para a elaboração do relatório: Estudo de métodos

Modelo para a elaboração do relatório: Estudo de métodos Modelo para a elaboração do relatório: Estudo de métodos Disciplina: Engenharia de métodos Prof. Manuel Jarufe Modelo para a elaboração do relatório: Estudo de métodos Capas Sumário 1. Introdução / definição

Leia mais

ARRANJOS FÍSICOS OU LAYOUT. Aulas 6 e 7 - Regina Meyer Branski

ARRANJOS FÍSICOS OU LAYOUT. Aulas 6 e 7 - Regina Meyer Branski ARRANJOS FÍSICOS OU LAYOUT Aulas 6 e 7 - Regina Meyer Branski Modelo Geral da Gestão de Operações RECURSOS A SEREM TRANSFORMADOS MATERIAIS INFORMAÇÕES CONSUMIDORES AMBIENTE ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO OBJETIVOS

Leia mais

A total automação implica que o sistema é capaz de detectar qualquer anormalidade, decidir sobre a forma de correção e aplicá-la

A total automação implica que o sistema é capaz de detectar qualquer anormalidade, decidir sobre a forma de correção e aplicá-la Autonomação (Jidoka) Definição: Jidoka significa, simplificadamente, que a máquina é dotada de inteligência humana. A autonomação faculta ao operador ou à máquina a autonomia de parar o processamento sempre

Leia mais

Prof. Silene Seibel, Dra.

Prof. Silene Seibel, Dra. Prof. Silene Seibel, Dra. silene@silene.com.br Início da produção em massa; Procurou identificar a melhor forma de fazer o trabalho baseado em princípios científicos. Inicio da engenharia industrial; Inovações

Leia mais

Fundamentos da Dinâmica da Produção

Fundamentos da Dinâmica da Produção Fundamentos da Dinâmica da Produção A dinâmica da produção diz respeito à forma como os diversos artigos 1 fluem no sistema produtivo. Alguns dos aspectos dessa dinâmica podem ser mais facilmente entendidos

Leia mais

Case de Logística Interna: Indústria Metalmecânica ALUMASS

Case de Logística Interna: Indústria Metalmecânica ALUMASS ALUMASS ALUMASS Localização: Massaranbuda SC Segmento industrial: Fundição Clientes: Termotécnica, WEG, GTMS, Indumak, Siemsen, Belmec Número de Funcionários: 20 no administrativo e 60 na fábrica Produção

Leia mais

Fluxo do Processo. Representações do fluxo do processo Mix de produtos, processos e tecnologia. Fluxograma de Fabricação e Montagem (FFM)

Fluxo do Processo. Representações do fluxo do processo Mix de produtos, processos e tecnologia. Fluxograma de Fabricação e Montagem (FFM) Representações do fluxo do processo Mix de produtos, processos e tecnologia Prof. Camarotto Fluxo do Processo SÍMBOLO ATIVIDADE DEFINIÇÃO DA ATIVIDADE significa uma mudança intencional de estado, Operação

Leia mais

Motores Energy Saving

Motores Energy Saving Motores Energy Saving Linhas iq, ESM e Unit Cooler A escolha dos Engenheiros Motores iq Com o mesmo formato e dimensional dos micromotores de mercado, o Motor iq integra a versatilidade para retrofit com

Leia mais

Energia e Sustentabilidade A Eficiência Energética na Indústria

Energia e Sustentabilidade A Eficiência Energética na Indústria Energia e Sustentabilidade A Eficiência Energética na Indústria Henrique Matos Associate Professor with Habiliation (henrimatos@tecnico.ulisboa.pt) CERENA / Chemical Eng. Department / IST/ ULisboa Instrumentos

Leia mais

IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE ENGENHARIA INERCIAL MONTAGEM QUALIFICADA DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS PARA APLICAÇÃO ESPACIAL

IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE ENGENHARIA INERCIAL MONTAGEM QUALIFICADA DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS PARA APLICAÇÃO ESPACIAL IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE ENGENHARIA INERCIAL, 9'6$%(, 1 PALESTRA MONTAGEM QUALIFICADA DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS PARA APLICAÇÃO ESPACIAL Alirio Cavalcanti de Brito 17 de novembro de 2004 MONTAGEM COM QUALIFICAÇÃO

Leia mais

PROPOSTA DE MELHORIAS NO BALANCEAMENTO DE UMA LINHA DE MONTAGEM DE EIXOS EM UMA MONTADORA DE VEÍCULOS PESADOS

PROPOSTA DE MELHORIAS NO BALANCEAMENTO DE UMA LINHA DE MONTAGEM DE EIXOS EM UMA MONTADORA DE VEÍCULOS PESADOS João Pessoa/PB, Brasil, de 03 a 06 de outubro de 2016 PROPOSTA DE MELHORIAS NO BALANCEAMENTO DE UMA LINHA DE MONTAGEM DE EIXOS EM UMA MONTADORA DE VEÍCULOS PESADOS Fernando Santos de Oliveira (FATEC )

Leia mais

112 TBMP, 212 TBMP. Máquinas transfer para a correção de massa em bielas

112 TBMP, 212 TBMP. Máquinas transfer para a correção de massa em bielas Projeto modular para todos os tipos de bielas Seqüência automática de operação Integrada a linha de produção através de transportador Alta precisão graças ao processamento digital dos valores medidos e

Leia mais

Manual do Operador Armadilha para Insetos

Manual do Operador Armadilha para Insetos Manual do Operador Armadilha para Insetos MT 120 CUIDADO PERIGO A utilização imprópria do equipamento assim como a não observância das normas de segurança, pode resultar em ferimentos graves. Leia atentamente

Leia mais

Avaliação e Desempenho Aula 18

Avaliação e Desempenho Aula 18 Avaliação e Desempenho Aula 18 Aula passada Fila com buffer finito Fila com buffer infinito Medidas de interesse: vazão, número médio de clientes na fila, taxa de perda. Aula de hoje Parâmetros de uma

Leia mais

INTERDEPENDÊNCIA E GANHOS DE COMÉRCIO

INTERDEPENDÊNCIA E GANHOS DE COMÉRCIO INTERDEPENDÊNCIA E GANHOS DE COMÉRCIO Capítulo 3 (Mankiw) Interdependência e Comércio Economistas estudam como a sociedade produz e distribui os bens, numa tentativa de satisfazer as vontades e as necessidades

Leia mais

Pultrusões de Fibra de Carbono

Pultrusões de Fibra de Carbono Pultrusões de Fibra de Carbono Rodrigo Cesar Berardine Gerente de Vendas e Marketing América do Sul São Paulo, 14 de Abril de 2016 Conteúdo: Sobre a Teijin, Toho Tenax e Diversified Structural Composites

Leia mais

Aquecimento de espelho por infravermelhos

Aquecimento de espelho por infravermelhos 30 Os aquecedores de espelhos por infravermelhos são de construção em grande parte idêntica à dos aquecimentos de vidros e quadros. No entanto, para a superfície é usado um vidro de espelho especial resistente

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 23º Encontro - 14/05/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - CÁLCULOS DE CAPACIDADE PRODUTIVA - ETAPAS

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO PARA MESA DE PASSADORIA THEOBOARD 03 CONFORME NORMAS DA NR-12

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO PARA MESA DE PASSADORIA THEOBOARD 03 CONFORME NORMAS DA NR-12 MANUAL DE INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO PARA MESA DE PASSADORIA THEOBOARD 03 CONFORME NORMAS DA NR-12 SINAIS DE ATENÇÃO! Atenção! Alta Voltagem 230/240V Atenção! Superfície quente! Vapor quente ou líquido. Atenção!

Leia mais

17º Congresso de Iniciação Científica APLICAÇÃO DA ENGENHARIA BASEADA EM CONHECIMENTO NA ANÁLISE CINEMÁTICA DE ROBÔS INDUSTRIAIS

17º Congresso de Iniciação Científica APLICAÇÃO DA ENGENHARIA BASEADA EM CONHECIMENTO NA ANÁLISE CINEMÁTICA DE ROBÔS INDUSTRIAIS 17º Congresso de Iniciação Científica APLICAÇÃO DA ENGENHARIA BASEADA EM CONHECIMENTO NA ANÁLISE CINEMÁTICA DE ROBÔS INDUSTRIAIS Autor(es) CARLOS ALBERTO DE SOUZA BARROSO Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER

Leia mais

Projeto Detalhado de Layout. Arranjo Físico e Fluxo

Projeto Detalhado de Layout. Arranjo Físico e Fluxo Projeto Detalhado de Layout Arranjo Físico e Fluxo Uma vez decidido o tipo de processo de manufatura (por projeto, batelada, por lote, em massa e contínuo). E o layout (Posicional, Processo, Celular e

Leia mais

Utilização da simulação em ARENA 7.0 no auxílio ao balanceamento da célula de montagem de uma fábrica de calçados

Utilização da simulação em ARENA 7.0 no auxílio ao balanceamento da célula de montagem de uma fábrica de calçados XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 26 Utilização da simulação em ARENA 7. no auxílio ao balanceamento da célula de montagem de uma fábrica de calçados Marina Soares Almeida (UFRN)

Leia mais

TM-10 MANUAL DE INSTRUÇÕES TM-10

TM-10 MANUAL DE INSTRUÇÕES TM-10 MANUAL DE INSTRUÇÕES TM-10 TM-10 Leia atentamente este Manual de Instruções antes de montar e operar o equipamento. Após a leitura deste manual, guarde-o em local seguro para futura referência. Anote o

Leia mais

B-727 Electra Bandeirante SP Rio ,4 SP P.Alegre ,8 Tonelagem

B-727 Electra Bandeirante SP Rio ,4 SP P.Alegre ,8 Tonelagem $ )508/$d (&. Uma fábrica produz tipos de chapas metálicas, A-B-C, que são prensadas e esmaltadas. A prensa dispõe de.000 minutos mensais e cada chapa, A ou B, leva 1 minuto para ser prensada, enquanto

Leia mais

Balanceamento de uma Linha de Produção

Balanceamento de uma Linha de Produção Balanceamento de uma Linha de Produção Uma linha de produção consiste num conjunto de Postos de Trabalho (PT) cuja posição é fixa e cuja sequência é ditada pela lógica das sucessivas operações a realizar

Leia mais

CAPÍTULO 4 CONCEITOS BÁSICOS DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADES

CAPÍTULO 4 CONCEITOS BÁSICOS DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADES CAPÍTULO 4 CONCEITOS BÁSICOS DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADES. INTRODUÇÃO - Conceito de população desconhecida π e proporção da amostra observada P. π P + pequeno erro Perguntas: - Qual é o pequeno erro?

Leia mais

Samuel Bloch da Silva, M.S.c. Pesquisador CCM Doutorando Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA

Samuel Bloch da Silva, M.S.c. Pesquisador CCM Doutorando Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA 1 Samuel Bloch da Silva, M.S.c. Pesquisador CCM Doutorando Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA RFID como ferramenta do Lean Manufacturing RFID como ferramenta do Lean Manufacturing 1 - sobre o CCM-ITA

Leia mais

Unidade III. ADMINISTRAÇÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS O planejamento e controle da produção. Prof. Fabio Uchôas

Unidade III. ADMINISTRAÇÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS O planejamento e controle da produção. Prof. Fabio Uchôas Unidade III ADMINISTRAÇÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS O planejamento e controle da produção Prof. Fabio Uchôas Planejamento e controle da produção Planejamento e controle Objetiva garantir que os processos

Leia mais

Trabalho Padrão O quê é? Formalização e padronização de todo trabalho necessário PADRONIZAÇÃO DE OPERAÇÕES. Takt Time. Controle visual do takt time

Trabalho Padrão O quê é? Formalização e padronização de todo trabalho necessário PADRONIZAÇÃO DE OPERAÇÕES. Takt Time. Controle visual do takt time PADRONIZAÇÃO DE OPERAÇÕES Trabalho Padrão O quê é? Formalização e padronização de todo trabalho necessário Objetivo Reduzir variabilidade, melhorar produtividade e qualidade pela eliminação de todas as

Leia mais

Condições Econômicas de Corte no. Torneamento Cilíndrico

Condições Econômicas de Corte no. Torneamento Cilíndrico Condições Econômicas de Corte no Torneamento Cilíndrico Usinagem I - Prof. Anna Carla Araujo - 2014/1 - DEM/UFRJ 25 de Junho de 2015 O intervalo de máxima eficiência é a faixa de velocidades compreendida

Leia mais

LIQUIP INTERNATIONAL PTY LIMITED GUIA RÁPIDO DE CONSULTA E INSTALAÇÃO

LIQUIP INTERNATIONAL PTY LIMITED GUIA RÁPIDO DE CONSULTA E INSTALAÇÃO LIQUIP INTERNATIONAL PTY LIMITED GUIA RÁPIDO DE CONSULTA E INSTALAÇÃO MONITORES DE OVERFILL (ÓPTICO E TERMISTOR) E ATERRAMENTO DE SEGURANÇA SÉRIE PD501 6381 Redlands do Brasil Ltda. - (11) 3604-1721 -

Leia mais

INF1010 Lista de Exercícios 2

INF1010 Lista de Exercícios 2 INF00 Lista de Exercícios 2 Árvores. Construir algoritmo para dada uma árvore n-ária, transformá-la em uma árvore binária. 2. Qual a maior e menor quantidade de nós que podem existir em uma árvore binária

Leia mais

TÓPICO 9 PLANEJAMENTO MESTRE DA PRODUÇÃO (PMP) E CÁLCULO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS (MRP) Aulas 16 e 17

TÓPICO 9 PLANEJAMENTO MESTRE DA PRODUÇÃO (PMP) E CÁLCULO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS (MRP) Aulas 16 e 17 TÓPICO 9 PLANEJAMENTO MESTRE DA PRODUÇÃO (PMP) E CÁLCULO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS (MRP) Aulas 16 e 17 Planejamento Mestre da Produção (PMP) e Cálculo das Necessidades de Materiais (MRP) Longo/médio

Leia mais

PPCP. Sistemas de PCP no Chão de Fábrica. Prof. Nilton Ferruzzi. Prof. Nilton Ferruzzi 1

PPCP. Sistemas de PCP no Chão de Fábrica. Prof. Nilton Ferruzzi. Prof. Nilton Ferruzzi 1 PPCP Sistemas de PCP no Chão de Fábrica Prof. Nilton Ferruzzi Prof. Nilton Ferruzzi 1 Sistemas que podem ser utilizados simultaneamente (ou não) * Just in time * MRP * OPT (Optimized Product Technology)

Leia mais

Usinagem I Parte 3 Aula 23 Condições Econômicas de Corte. Prof. Anna Carla - MECÂNICA - UFRJ

Usinagem I Parte 3 Aula 23 Condições Econômicas de Corte. Prof. Anna Carla - MECÂNICA - UFRJ Usinagem I 2016.1 Parte 3 Aula 23 Condições Econômicas de Corte SELEÇÃO DE PARÂMETROS DE USINAGEM COMO FAZER? ü Avanço ü Profundidade de Corte ü Velocidade de Corte ü Fluido de Corte? Como aplicado? Delineamento

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE BALANCEAMENTO DE LINHAS EM UMA INDÚSTRIA DE PRODUTOS DE PVC

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE BALANCEAMENTO DE LINHAS EM UMA INDÚSTRIA DE PRODUTOS DE PVC APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE BALANCEAMENTO DE LINHAS EM UMA INDÚSTRIA DE PRODUTOS DE PVC Maisa Mendonca Silva (UFPE(CAA)) maygrisa@yahoo.com.br Ana Paula Henriques de Gusmao (UFPE(CAA)) anapaulahg@hotmail.com

Leia mais

ANÁLISE DE PROCESSO. Tubo (2) Roda (2) Sendo os custos das operações e gamas operatórias dados na tabela abaixo;

ANÁLISE DE PROCESSO. Tubo (2) Roda (2) Sendo os custos das operações e gamas operatórias dados na tabela abaixo; ANÁLISE DE PROCESSO 1. A Betoneira das Antas, existe à cinco anos. Produz actualmente dois tipos de betoneiras: A betoneira azul (Bet_A) e a betoneira branca (Bet_B). A betoneira branca (Bet_B) vendida

Leia mais

Determinação do Tamanho de Lote

Determinação do Tamanho de Lote Determinação do Tamanho de Lote Possíveis abordagens: encomenda lote-a-lote; modelos determinísticos de lote econômico de compra (lote econômico de compra/fabricação); método do custo marginal (método

Leia mais

Curso: Eng da Produção Aula 1, 2, 4, 5 Agosto 09. Prof. Eduardo R Luz - MsC

Curso: Eng da Produção Aula 1, 2, 4, 5 Agosto 09. Prof. Eduardo R Luz - MsC Curso: Eng da Produção Aula 1, 2, 4, 5 Agosto 09 Prof. Eduardo R Luz - MsC AULA 1 SUMÁRIO A Administração da Qualidade O Controle da Qualidade CEP Origem e história Outros conceitos relacionados ao CEP

Leia mais

CAB 700, CAB 706, CAB 920

CAB 700, CAB 706, CAB 920 Processamento digital dos valores medidos para maior precisão Exibição clara e colorida dos valores medidos Leitura segura Conceito ergonômico de operação Ampla gama de softwares para aplicações universiais

Leia mais

Rule Set Each player needs to build a deck of 40 cards, and there can t be unit of different faction on the same deck.

Rule Set Each player needs to build a deck of 40 cards, and there can t be unit of different faction on the same deck. Rule Set Each player needs to build a deck of 40 cards, and there can t be unit of different faction on the same deck. In a battle between two cards the wining card is the one that has more attack against

Leia mais

VASTEC Equipamentos Industriais Ltda.

VASTEC Equipamentos Industriais Ltda. Catálogo de Peças de Reposição Talha Elétrica de Corrente VASTEC Placa de Identificação Apresentação Este catálogo contém informações sobre as talhas elétricas de Corrente fabricadas pela VASTEC. São elas:

Leia mais

Soluções Chave-Na-Mão

Soluções Chave-Na-Mão NORDIMPIANTI P R O D U C T S APPLICATIONS T U R N K E Y S E R V I C E G L O B A L Soluções Chave-Na-Mão Sistemas de produção adaptados para a fabricação de uma ampla gama de produtos de concreto protendido

Leia mais

METODOLOGIA MTM (METHODS- TIME MEASUREMENT) COMO UMA ESTRATÉGIA COMPETITIVA PARA UM BALANCEAMENTO DE LINHA DE PRODUÇÃO MAIS ENXUTO

METODOLOGIA MTM (METHODS- TIME MEASUREMENT) COMO UMA ESTRATÉGIA COMPETITIVA PARA UM BALANCEAMENTO DE LINHA DE PRODUÇÃO MAIS ENXUTO METODOLOGIA MTM (METHODS- TIME MEASUREMENT) COMO UMA ESTRATÉGIA COMPETITIVA PARA UM BALANCEAMENTO DE LINHA DE PRODUÇÃO MAIS ENXUTO Francisco Umeriton Nery Oliveira (UNIMEP) fruoliveir@unimep.br Iris Bento

Leia mais

Norma Internacional ISO 8248

Norma Internacional ISO 8248 Norma Internacional ISO 8248 ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE PADRONIZAÇÃO Janelas e portas-janelas Testes mecânicos Primeira edição 1985-10-01 ISO 8248-1985 (E) UDS 69.028.1/2:620.17 Descritores: janelas,

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 06 PLANO INCLINADO

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 06 PLANO INCLINADO FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 06 PLANO INCLINADO P T P N θ P Como pode cair no enem? Uma máquina utiliza um carrinho para retirar carvão do interior de uma mina, puxando-o, sobre um plano inclinado, por meio

Leia mais

a) O aumento da complexidade e a rápida obsolescência dos produtos. b) Aprendizado mais rápido para eliminar falhas do processo.

a) O aumento da complexidade e a rápida obsolescência dos produtos. b) Aprendizado mais rápido para eliminar falhas do processo. 14 1. Introdução 1.1. Contexto Histórico O Sistema de Produção Just-in-Time (JIT) teve seu início no Japão no início da década de 70 e tinha como principais objetivos, além da redução de todo tipo de estoques:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO Unidade III ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e Controle de Produção (PCP) O PCP é uma função de apoio da administração de produção. Desenvolve funções de planejar

Leia mais

Documento sujeito a alterações. Moving together

Documento sujeito a alterações. Moving together INEMOTOR MT Documento sujeito a alterações. Moving together 2 1. APRESENTAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO Os centros de controle de motores em média tensão, modelo Inemotor MT, são invólucros metálicos, isolados a

Leia mais

Processos. Aula Passada. Aula Passada (2) Ciclos de CPU e de I/O (1)

Processos. Aula Passada. Aula Passada (2) Ciclos de CPU e de I/O (1) Aula Passada Processos (Aula 6) Escalonamento de Processos O SO gerencia os recursos do sistema de computação em benefício dos processos Para isso, mantem estruturas de controles Tabelas (memória, I/O,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. CARACTERÍSTICAS

1. INTRODUÇÃO 2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO 2. CARACTERÍSTICAS O TediPrompter é um projetor de textos portátil especialmente desenvolvido para apresentações em público como seminários, programas ao vivo e discursos políticos e religiosos.

Leia mais

Relé industrial / Industrial relay

Relé industrial / Industrial relay Relé para soquete Contatos para 1 A Possibilidade de arranjos especiais de contatos Plugin relay Contacts for 1 A Special contact arrangements available Relé industrial / Industrial relay EO EO R Contatos

Leia mais

Processador. Processador

Processador. Processador Departamento de Ciência da Computação - UFF Processador Processador Prof. Prof.Marcos MarcosGuerine Guerine mguerine@ic.uff.br mguerine@ic.uff.br 1 Processador Organização básica de um computador: 2 Processador

Leia mais

Solutions. Adição de Ingredientes. TC=0.5m TC=2m TC=1m TC=3m TC=10m. O Tempo de Ciclo do Processo é determinado pelo TC da operação mais lenta.

Solutions. Adição de Ingredientes. TC=0.5m TC=2m TC=1m TC=3m TC=10m. O Tempo de Ciclo do Processo é determinado pelo TC da operação mais lenta. Operations Management Homework 1 Solutions Question 1 Encomenda Preparação da Massa Amassar Adição de Ingredientes Espera Forno Entrega TC=0.5m TC=2m TC=1m TC=3m TC=10m TC=1.5m (se mesmo operador) O Tempo

Leia mais

Princípios da Impressão

Princípios da Impressão Princípios da Impressão Pré-Impressão Etapa de preparação da impressão com a produção de originais e matrizes É seguida pela etapa da Impressão e Pós- Impressão (mais conhecida como Acabamentos) Compreende

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS pág. 1 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS MODELOS Potência térmica máx. Potência térmica mín. Vazão máx. óleo Vazão mín. óleo Voltagem 60 Hz Motor Velocidade Capacitor Transformador de ignição Programador Programador

Leia mais

A diagramação entidade-relacionamento é muito simples, servindo como representação dos conceitos que são manipulados por ela.

A diagramação entidade-relacionamento é muito simples, servindo como representação dos conceitos que são manipulados por ela. MÓDULO 8 MODELAGEM DE DADOS I Em 1976 foi publicado um trabalho que definia uma possível abordagem para o processo de modelagem de dados. O trabalho intitulado de The Entity-Relationship Model passou a

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 6º Encontro - 05/03/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? 02 - ABERTURA - SISTEMAS DE PRODUÇÃO - VÍDEOS PARA DEBATE

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Parte 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Configurar o Balanceamento de carga agressivo do cliente

Configurar o Balanceamento de carga agressivo do cliente Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Configurar o Balanceamento de carga agressivo do cliente Verificar Informações Relacionadas Introdução Este documento fornece

Leia mais

Análise e Modelagem de Desempenho de Sistemas de Computação. Profa. Jussara M. Almeida 1 o Semestre de 2014

Análise e Modelagem de Desempenho de Sistemas de Computação. Profa. Jussara M. Almeida 1 o Semestre de 2014 Análise e Modelagem de Desempenho de Sistemas de Computação Profa. Jussara M. Almeida 1 o Semestre de 2014 Modelo de Sistema Serviço Modelo: representação do comportamento do desempenho do sistema Etapas

Leia mais

Análise do arranjo físico e balanceamento de linha de uma fábrica de bombas de combustível

Análise do arranjo físico e balanceamento de linha de uma fábrica de bombas de combustível Análise do arranjo físico e balanceamento de linha de uma fábrica de bombas de combustível Marcello Marinho (UGF) marcellomarinho@gmail.com Adriana Vargas (UGF) adriana.vargas@globo.com Francisco José

Leia mais

420 RBLR. Máquinas industriais para o balanceamento de rodas automotivas

420 RBLR. Máquinas industriais para o balanceamento de rodas automotivas Projeto modular, que permite a otimização do layout em função do local de instalação Seqüência semi ou totalmente automática, aplicação flexível devido ao modo de operação mix (opcional), curstos tempos

Leia mais

III Simpósio de Pesquisa e de Práticas Pedagógicas dos Docentes do UGB ANAIS AULA PRÁTICA PARA DEFINIÇÃO DO TEMPO PADRÃO

III Simpósio de Pesquisa e de Práticas Pedagógicas dos Docentes do UGB ANAIS AULA PRÁTICA PARA DEFINIÇÃO DO TEMPO PADRÃO AULA PRÁTICA PARA DEFINIÇÃO DO TEMPO PADRÃO Flávio Pires Docente do Curso de Engenharia do UGB/FERP Luis Claudio Marcelo Cosme DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Essa aula prática foi desenvolvida na disciplina Tópicos

Leia mais

CAIXA FÁCIL CA. Karla Himenes da Silva

CAIXA FÁCIL CA. Karla Himenes da Silva CAIXA FÁCIL CA Karla Himenes da Silva Serra ES, 31 de julho de 2009 CAIXA FACIL CA Introdução Caixa fácil Ca é um produto capixaba que chegou ao mercado há pouco tempo e suas qualidades são logo percebidas,

Leia mais

Aula 21 Ordenação externa

Aula 21 Ordenação externa MC3305 Algoritmos e Estruturas de Dados II Aula 21 Ordenação externa Slides adaptados de Brian Cooper (Yahoo Research) Prof. Jesús P. Mena-Chalco jesus.mena@ufabc.edu.br 2Q-2015 1 Números de Ackermann

Leia mais

Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA V

Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA V Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA V Lista 6: Distribuições Contínuas. Distribuição Normal. 1. A distribuição dos pesos de coelhos

Leia mais

09/09/2011 DEFINIÇÃO OBJETIVOS OBJETIVOS TIPOS DE ARRANJO ADM. DA PRODUÇÃO II

09/09/2011 DEFINIÇÃO OBJETIVOS OBJETIVOS TIPOS DE ARRANJO ADM. DA PRODUÇÃO II DEFINIÇÃO ADM. DA PRODUÇÃO II Planejamento do espaço físico objetivando sua melhor ocupação em relação ás máquinas e equipamentos necessários á produção de bens / serviços da empresa. OBJETIVOS Minimizar

Leia mais

Aula 4B. Lógica e Algoritmos. Profª. Fabiany

Aula 4B. Lógica e Algoritmos. Profª. Fabiany Fundamentos de Programação 1 Aula 4B Lógica e Algoritmos. Profª. Fabiany Lógica A lógica de programação é a técnica de encadear pensamentos para atingir determinado objetivo. Sequência Lógica São passos

Leia mais

Revista Intellectus N 26 Vol 01

Revista Intellectus N 26 Vol 01 APLICAÇÕES E PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO DE PRODUTOS ELETRÔNICOS NAS EMPRESAS MULTINACIONAIS Applications and Process of Electronic Products Manufacturing in Multinational Companies GRANDEZE BONALDO, Marcos

Leia mais

Lista 3 - Exercícios sobre Modelagem Matemática

Lista 3 - Exercícios sobre Modelagem Matemática 1 Lista 3 - Exercícios sobre Modelagem Matemática 1) Uma empresa de Agricultura quer decidir quais e em que quantidade os alimentos soja, arroz e feijão devem ser plantados em uma determinada área de forma

Leia mais

BALANCEAMENTO DE UMA LINHA DE MONTAGEM DE BANCOS DE AUTOMÓVEIS COM BUFFER INTERMEDIÁRIO USANDO PROGRAMAÇÃO LINEAR INTEIRA MISTA

BALANCEAMENTO DE UMA LINHA DE MONTAGEM DE BANCOS DE AUTOMÓVEIS COM BUFFER INTERMEDIÁRIO USANDO PROGRAMAÇÃO LINEAR INTEIRA MISTA BALANCEAMENTO DE UMA LINHA DE MONTAGEM DE BANCOS DE AUTOMÓVEIS COM BUFFER INTERMEDIÁRIO USANDO PROGRAMAÇÃO LINEAR INTEIRA MISTA Nelson Donnini Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR Av. Sete

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DR JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA PLANO INDIVIDUAL DE ESTUDO PARA ATENDIMENTO DA PROGRESSÃO PARCIAL ESTUDOS INDEPENDENTES- 1º

ESCOLA ESTADUAL DR JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA PLANO INDIVIDUAL DE ESTUDO PARA ATENDIMENTO DA PROGRESSÃO PARCIAL ESTUDOS INDEPENDENTES- 1º ESCOLA ESTADUAL DR JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA PLANO INDIVIDUAL DE ESTUDO PARA ATENDIMENTO DA PROGRESSÃO PARCIAL ESTUDOS INDEPENDENTES- 1º e º SEMESTRE RESOLUÇÃO SEE Nº.197, DE 6 DE OUTUBRO DE 01 ANO 01 PROFESSOR

Leia mais

Anais do IV Simpósio de Engenharia de Produção - ISSN:

Anais do IV Simpósio de Engenharia de Produção - ISSN: Aplicação da técnica de balanceamento de linha em uma indústria moveleira de médio porte Resumo Gerson Lourenço Junior (UTFPR) lourencojr@hotmail.com Karina Souza Cruz (UTFPR) karinaacruz@hotmail.com Este

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Viali, Dr. viali@pucrs.br http://www.pucrs.br/famat/viali/ Dentre a grande variedade de sistemas que podem ser modelados e para os quais a simulação pode ser aplicada com proveito, uma classe

Leia mais

Gestão da Produção Gestão da capacidade

Gestão da Produção Gestão da capacidade Gestão da capacidade José Cruz Filipe IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril 2006 1 Tópicos Conceito de capacidade Processo de decisão sobre capacidade Modelo C-V-R Equilibragem de linhas Theory of Constraints

Leia mais

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original Sistema da Gestão da Qualidade Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original 1 CONCEITO QUALIDADE O que é Qualidade? 2 Qualidade Conjunto de características de um objeto ou

Leia mais

Table of Contents. Table of Contents Automobilística Segurança e conforto Airbag UniTrain-I Airbags, pré-tensores de cinto e comportamento de colisão

Table of Contents. Table of Contents Automobilística Segurança e conforto Airbag UniTrain-I Airbags, pré-tensores de cinto e comportamento de colisão Table of Contents Table of Contents Automobilística Segurança e conforto Airbag UniTrain-I Airbags, pré-tensores de cinto e comportamento de colisão 1 2 2 3 4 4 Lucas Nülle GmbH Página 1/6 www.lucas-nuelle.com.br

Leia mais

ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL. Prof. Carla Hammes

ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL. Prof. Carla Hammes ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL Prof. Carla Hammes Estudo de caso: Taylor faz uma pergunta ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA ÊNFASE NAS TAREFAS Primeira guerra mundial (1914-18) Eficiência da operação militar americana

Leia mais

Organização da Produção

Organização da Produção Organização da Produção ESTUDO DE TEMPOS E MÉTODOS Jorge Muniz 2011 Estudo de Tempos e Métodos Definição É o estudo sistemático dos sistemas de trabalho Objetivos Desenvolver um sistema e método que se

Leia mais

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL DISCIPLINA: MECANICA TC-021 / TURMA B 5º EXERCICIO DOMICILIAR NOTA EXERCICIOS Turma n Professor Rui Medeiros xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Leia mais

Atenção! Não vires esta página até receberes a indicação para o fazeres. Deves escutar em silêncio, com muita atenção, e seguir as instruções.

Atenção! Não vires esta página até receberes a indicação para o fazeres. Deves escutar em silêncio, com muita atenção, e seguir as instruções. Teste Intermédio de Inglês Parte II Compreensão do oral Teste Intermédio Inglês Duração do Teste: 25 minutos 22.03.2011 9.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de Janeiro Atenção! Não vires

Leia mais

BALANCEAMENTO DE LINHA: UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA CALÇADISTA DA PARAÍBA

BALANCEAMENTO DE LINHA: UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA CALÇADISTA DA PARAÍBA João Pessoa/PB, Brasil, de 03 a 06 de outubro de 2016 BALANCEAMENTO DE LINHA: UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA CALÇADISTA DA PARAÍBA Flora Magna do Monte Vilar (IFPB ) floramontevilar@gmailcom Amandio

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação. Adaptação de Luis Otavio Alvares

Introdução à Lógica de Programação. Adaptação de Luis Otavio Alvares 1 Introdução à Lógica de Programação Adaptação de Luis Otavio Alvares 2 Elaboração de um programa Problema Análise Programa Algoritmo 3 Processo de geração de um programa Análise do problema: Ler atentamente

Leia mais

Layout / Arranjo Físico. Posicionamento físico: Disposição dentro de um ambiente ou de um local

Layout / Arranjo Físico. Posicionamento físico: Disposição dentro de um ambiente ou de um local Layout / Arranjo Físico - Posicionamento físico de recursos transformadores; Posicionamento físico: Disposição dentro de um ambiente ou de um local Recursos transformadores: Instalações, máquinas, equipamentos,

Leia mais

Manual de Instalação e Operação. Moinho. Favor ler atentamente este manual antes da utilização da máquina.

Manual de Instalação e Operação. Moinho. Favor ler atentamente este manual antes da utilização da máquina. Brasforno Industria e Comercio Ltda CNPJ - 68.97.08/0001-8 - I.E. - 6.011.66.11 Rua Rio de Janeiro, 8 - Chácara Solar Santana de Parnaíba - SP - CEP 060-00 Fone - 11-70-9 assistencia1@brasforno.com.br

Leia mais