Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português. Proposta de Reorganização

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português. Proposta de Reorganização"

Transcrição

1

2 Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português Proposta de Reorganização 3 de Abril de 2003

3 Política Energética Governamental: uma política para o Futuro A reorganização proposta pelo Governo visa três áreas decisivas para o futuro do país na União Europeia... Garantir a segurança do abastecimento nacional Fomentar o desenvolvimento sustentável Promover a competitividade nacional... três pilares estratégicos da Política Energética Governamental

4 Política Energética Governamental: Garantir a Segurança do Abastecimento Nacional Optimizar o input (gás) e diversificar recursos energéticos Assegurar um fornecimento constante e estável de energia Aumentar controlo sobre o input (gás) Obter economias significativas que se repercutam na indústria e no consumidor Criar EGREP - entidade gestora das reservas estratégicas nacionais (estrutura financeira com participação mínima do Governo) Garantir reservas estratégicas de petróleo independentes da geopolítica internacional

5 Política Energética Governamental: Fomentar o Desenvolvimento Sustentável O gás é uma fonte de energia mais limpa e ecológica Menos poluente e mais barato do que o petróleo e o carvão, matérias-prima dominantes na actual produção energética portuguesa e espanhola Sustentabilidade ambiental permitirá atingir objectivos do Protocolo de Quioto

6 Porquê reorganizar o Sector Energético Português? o sector está em rápida transformação quer na Península Ibérica como na Europa; é fundamental responder com eficácia aos desafios da liberalização do sector na União Europeia; a volatilidade do mercado de capitais limita reestruturações via privatizações.

7 Recomendações Combinar os negócios do Gás (input) e da Electricidade (output) Importância crescente do gás na produção de electricidade Captação de sinergias Integrar a REN e a Transgás numa empresa de transmissão Primeiro passo: Venda à REN de 18,3% da participação do Governo na Galp Galp privilegia o seu negócio tradicional, o petróleo Capitalização na forte notoriedade da sua marca junto do retalho em Portugal Aumentar competitividade (nacional, ibérica, europeia) Melhorar qualidade do serviço Oferecer preços mais competitivos Garantir aprovisionamento e abastecimento

8 Convergência Gás e Electricidade Tendência comum em toda a Europa EDP/Naturcorp, E.ON/Ruhrgas, National Grid/Lattice, Oferta Gas Natural/Iberdrola, etc. Inexistência de exploração na Galp limita sinergias petróleo/gás elas existem sobretudo no upstream Maior racionalidade na convergência Gás e Electricidade: Maior flexibilidade no contexto do MIBEL Aumento da quota de mercado da nova EDP para 19% na Península Ibérica Mercado Ibérico da electricidade/gás com crescimento acima da média europeia: Electricidade gerada a partir do gás representa 10% da produção total ibérica e deverá subir aos 20%. Mais de 50% do gás consumido em Portugal vai destinar-se à electricidade (2005) Desenvolvimento do sector português potenciará crescimento do emprego

9 O caso da Galp Articulação dos negócios Gás e Petróleo sem paralelo na Europa Gás + Petróleo mais valiosos do que Galp Energia Galp continuará atractiva forte reconhecimento no retalho ibérico líder de mercado em Portugal Forte potencial para melhorar performance ao concentrar-se no seu core business tradicional o petróleo Transacção justa, ao valor do mercado, assegura interesses accionistas

10 Política Energética Governamental: Promover a Competitividade Nacional Melhora a posição competitiva da EDP no mercado energético Ibérico Fundamental no MIBEL ( ) Permite à EDP oferecer um único package dual fuel aos consumidores Promovendo a venda cruzada e facilitando o acesso generalizado a ambos Convergência Gás e Electricidade Diminui os custos de aquisição de Gás por parte da EDP e garante-lhe maior controlo sobre o gás para produção de energia Com sinergias e economias de operação Diminui custos para os consumidores finais da EDP Preços mais competitivos do gás e da electricidade

11 Que benefícios para o Consumidor Português? Melhoria da qualidade de serviço Preços mais competitivos da electricidade e do gás Garantia de aprovisionamento e abastecimento País Empresa Exemplos de ofertas para o mercado residencial Endesa Descontos até 6% para bundle (vs. 3% para electricidade e até 5% para gás) Iberdrola Oferta de 2 meses de consumo grátis (para clientes de baixo consumo) quando incluem o gás no serviço de electricidade npower Vale de 35, incentivando bundle de gás e electricidade, oferecendo um desconto adicional de 4% Reembolso de 50 pela migração para o bundle de gás, electricidade e telefone. (desconto anual de 7,5 )

12 Programa de Privatização para o Sector Energético Português: Venda de Acções Galp Governo comprometido em reduzir participação nas holdings do sector energético Contexto de mercado adverso à prossecução de Privatizações. Prosseguirão quando for adequado o valor para os accionistas. Possível Oferta Pública Inicial para REN/Transgás e Galp, no segundo semestre de Redução de participação na Galp venda à REN de 18,3% que detinha na Galp (valor estimado para a Trangás). O valor de mercado será avaliado por duas entidades independentes de reconhecida credibilidade nacional e internacional. Impulso à fusão REN / Transgás e Possível Oferta Pública de Venda para EDP... se as condições de mercado melhorarem O Estado está disponível para diluir a sua posição na EDP de forma a facilitar a reestruturação do sector Processo deverá decorrer no ano em curso Redução do peso do Estado por IPO e parcerias internacionais em 2004

13 Processo de Reorganização Papel do Governo Estabelecer a estrutura óptima para a reorganização do sector Papel dos operadores e seus accionistas Analisar e expressar o seu ponto de vista sobre a reestruturação (separação Transgás é um imperativo) Clarificar o cenário competitivo onde se moverão os vários intervenientes da indústria Decidir sobre as opções de negócio que considerem mais apropriadas face à reestruturação proposta Maximizar o valor para os accionistas

14 Conclusões A reorganização... reforça a posição do sector energético português ao nível ibérico e europeu Acrescenta valor ao sector energético português aumenta a competitividade das empresas portuguesas beneficia os consumidores portugueses O Governo incentiva accionistas e participantes relevantes do sector a tornar realidade esta proposta

15

Os Novos Desafios Para o Mercado de Capitais. EDP Electricidade de Portugal S.A.

Os Novos Desafios Para o Mercado de Capitais. EDP Electricidade de Portugal S.A. Os Novos Desafios Para o Mercado de Capitais EDP Electricidade de Portugal S.A. 4 de Maio de 2001 O Movimento de Fusão dos Mercados da Bolsa e a Concentração do Sistema Financeiro O Que Vai Mudar Para

Leia mais

SOCIEDADE CAMPINEIRA DE EDUCAÇÃO E INSTRUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS Média de Qualidade de cada Aspecto por ano/semestre

SOCIEDADE CAMPINEIRA DE EDUCAÇÃO E INSTRUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS Média de Qualidade de cada Aspecto por ano/semestre 1º Semestre de 2007 03/08/16 17:03 Pagina 1 de19 2º Semestre de 2007 03/08/16 17:03 Pagina 2 de19 1º Semestre de 2008 03/08/16 17:03 Pagina 3 de19 2º Semestre de 2008 03/08/16 17:03 Pagina 4 de19 1º Semestre

Leia mais

A EDP, através da NEO Nuevas Energías del Occidente, SL ( NEO ), adquiriu hoje a Relax Wind Parks, um conjunto de projectos para o desenvolvimento de

A EDP, através da NEO Nuevas Energías del Occidente, SL ( NEO ), adquiriu hoje a Relax Wind Parks, um conjunto de projectos para o desenvolvimento de ! %! &' ( "##$ %&' (%&' A EDP, através da NEO Nuevas Energías del Occidente, SL ( NEO ), adquiriu hoje a Relax Wind Parks, um conjunto de projectos para o desenvolvimento de parques eólicos na Polónia

Leia mais

INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL ABRIL DE Conselho de Reguladores

INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL ABRIL DE Conselho de Reguladores INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL ABRIL DE 215 Conselho de Reguladores DESTAQUES DO MÊS Abril de 215 O preço médio aritmético durante o mês foi de 45,34 /MWh na zona espanhola enquanto na zona portuguesa foi

Leia mais

A eficiência energética e o Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC)

A eficiência energética e o Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) A eficiência energética e o Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Seminário Eficiência Energética no Setor Agropecuário e Agroindústrias Escola Superior Agrária de Coimbra

Leia mais

Mercado Liberalizado de Energia

Mercado Liberalizado de Energia Mercado Liberalizado de Energia BRAGA - 26/10/2012 1 ÍNDICE 1. PRESENÇA GLOBAL 2. NEGÓCIO LIBERALIZADO 3. IBERDROLA EM PORTUGAL 4. MERCADO LIVRE 5. CONTRATAÇÃO PÚBLICA 2 PRESENÇA GLOBAL 3 A IBERDROLA é

Leia mais

Relatório Anual de Qualidade de Serviço 2015 / Electricidade

Relatório Anual de Qualidade de Serviço 2015 / Electricidade Relatório Anual de Qualidade de Serviço 2015 / Electricidade Índice A Endesa em Portugal 3 Introdução ao Relatório de Qualidade Comercial 3 Serviço de Atendimento ao Cliente 4 Atendimento Telefónico Comercial

Leia mais

VI Conferência Anual da RELOP

VI Conferência Anual da RELOP VI Conferência Anual da RELOP Novos Desafios para a Regulação do Setor Energético Vitor Santos, Presidente da ERSE Luanda, 30 de Maio de 2013 Agenda 1. Dimensões estratégicas da liberalização do sector

Leia mais

Preços Não Lineares e Discriminação de Preços exemplos e ratio

Preços Não Lineares e Discriminação de Preços exemplos e ratio Preços Não Lineares e Discriminação de Preços exemplos e ratio Revistas têm descontos para determinados grupos (ex. Economist com descontos para estudantes); Cartão de sócio do Benfica permite assistir

Leia mais

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 4/2005 SACYR- VALLEHERMOSO, S.A-/FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S.

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 4/2005 SACYR- VALLEHERMOSO, S.A-/FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S. DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 4/2005 SACYR- VALLEHERMOSO, S.A-/FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S.A I - INTRODUÇÃO 1. Em 10 de Janeiro de 2005, a Autoridade da Concorrência

Leia mais

População, Recursos e Ambiente

População, Recursos e Ambiente Instituto Superior Técnico População, Recursos e Ambiente Prof. Henrique Miguel Pereira Exame - 2 a Época 1 de Fevereiro de 2006 Duração: 2h15m A primeira parte do exame consiste em perguntas de escolha

Leia mais

Renováveis- Grande e Pequena Hídrica. Carlos Matias Ramos

Renováveis- Grande e Pequena Hídrica. Carlos Matias Ramos Renováveis- Grande e Pequena Hídrica Carlos Matias Ramos Lisboa, 3 de Março de 2009 Ilusão da Abundância Existe o sentimento de que os bens essenciais - água e energia eléctrica -são recursos disponíveis

Leia mais

Prospeto Informativo Depósito Indexado Montepio Cabaz Ibérico Produto Financeiro Complexo

Prospeto Informativo Depósito Indexado Montepio Cabaz Ibérico Produto Financeiro Complexo Prospeto Informativo Depósito Indexado Montepio Cabaz Ibérico Produto Financeiro Complexo Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Depósito Indexado

Leia mais

Contabilidade Financeira I. Capítulo 6

Contabilidade Financeira I. Capítulo 6 Contabilidade Financeira I 2011/2012 GES, FC, GEI, GRH, GMKT, ECO Capítulo 6 Exercícios para trabalho autónomo (Enunciados e resoluções) Página 1 de 8 Exercícios para trabalho autónomo 1 (*): Exercício

Leia mais

Cooperativa Agrícola de Vila do Conde Ana Gomes

Cooperativa Agrícola de Vila do Conde Ana Gomes Cooperativa Agrícola de Vila do Conde Ana Gomes LeiteSaudável MOTIVAÇÕES Agenda 2000 Ganhos de gama Controlo da Qualidade Coesão económica e social Dependência de fontes alimentares Preservação ambiental

Leia mais

MIBEL ASPECTOS DE GOVERNAÇÃO E HARMONIZAÇÃO REGULATÓRIA

MIBEL ASPECTOS DE GOVERNAÇÃO E HARMONIZAÇÃO REGULATÓRIA MIBEL ASPECTOS DE GOVERNAÇÃO E HARMONIZAÇÃO REGULATÓRIA XV REUNION ANUAL IBEROAMERICANA DE REGULADORES DE LA ENERGIA Santo Domingo, República Dominicana 6-8 Abril de 2011 Hermínio Moreira AGENDA 1. Conselho

Leia mais

Relatório da Qualidade de Serviço 2016 Gás natural

Relatório da Qualidade de Serviço 2016 Gás natural Relatório da Qualidade de Serviço 2016 Gás natural Índice A Endesa em Portugal 3 Introdução ao Relatório de Qualidade Comercial 4 Serviço de Atendimento ao Cliente 5 Atendimentos Presenciais 5 Atendimento

Leia mais

Em Portugal 2% da receita definitiva de IVA (dados de 2007) correspondem ± 264 milhões de Euros

Em Portugal 2% da receita definitiva de IVA (dados de 2007) correspondem ± 264 milhões de Euros Perdas fiscais decorrentes da fraude carrossel Em Portugal 2% da receita definitiva de IVA (dados de 2007) correspondem ± 264 milhões de Euros MSP - Janeiro 2008 26 Medidas de combate à fraude A dimensão

Leia mais

I Congresso Internacional de IVA: As isenções no terceiro sector. Marta Machado de Almeida ( )

I Congresso Internacional de IVA: As isenções no terceiro sector. Marta Machado de Almeida ( ) LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ I Congresso Internacional de IVA: As isenções no terceiro sector Marta Machado de Almeida (17-09-2013) Sumário Direitos de autor 1.

Leia mais

PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010

PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010 PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010 0 Execução acima dos objectivos Será superada a meta a 2015, mantendo a actual tendência de crescimento Economias energéticas acumuladas

Leia mais

BRASIL IVV/ ABRIL 2017

BRASIL IVV/ ABRIL 2017 BRASIL DENSIDADE POPULACIONAL 205 MILHÕES DE HABITANTES São Paulo 21 Milhões Rio de Janeiro 12 Milhões Salvador 4 Milhões Vitória 2 Milhões MERCADO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS NO BRASIL PRINCIPAIS TENDÊNCIAS

Leia mais

Modelação e Simulação de Mercados de Energia Eléctrica

Modelação e Simulação de Mercados de Energia Eléctrica Curso de Formação em Modelação e Simulação de Mercados de Energia Eléctrica Leccionado por Jorge Alberto Mendes de Sousa para Galp Energia Lisboa Abril 2010 1. Enquadramento O presente curso de formação

Leia mais

Relatório da Qualidade de Serviço 2016 Eletricidade

Relatório da Qualidade de Serviço 2016 Eletricidade Relatório da Qualidade de Serviço 2016 Eletricidade Índice Endesa em Portugal 3 Introdução ao Relatório de Qualidade Comercial 4 Serviço de Atendimento ao Cliente 5 Atendimentos Presenciais 5 Atendimento

Leia mais

O caminho para nzeb na Legislação Portuguesa

O caminho para nzeb na Legislação Portuguesa O caminho para nzeb na Legislação Portuguesa Workshop LNEG 11 de Dezembro 2015 RUI FRAGOSO DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE EDIFÍCIOS ADENE AGÊNCIA PARA A ENERGIA RUI.FRAGOSO@ADENE.PT Estrutura da apresentação

Leia mais

A Política Energética da União Europeia

A Política Energética da União Europeia Seminário da Associação de Municípios do Oeste O Sector da Energia num Futuro Sustentável Caldas da Rainha, 29 de Outubro 2007 A Política Energética da União Europeia Nuno Ribeiro da Silva Conteúdo 1.

Leia mais

APIFARMA Associação Portuguesa da Industria Farmacêutica. Lisboa, 30 de Janeiro de 2013

APIFARMA Associação Portuguesa da Industria Farmacêutica. Lisboa, 30 de Janeiro de 2013 APIFARMA Associação Portuguesa da Industria Farmacêutica Lisboa, 30 de Janeiro de 2013 Objectivo da despesa pública em medicamentos para 2013 Em cima das poupanças já realizadas, novos cortes estão a ser

Leia mais

PROSPETO INFORMATIVO EUR BES DUAL AÇÕES PORTUGUESAS PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO. Produto Financeiro Complexo Depósito Dual

PROSPETO INFORMATIVO EUR BES DUAL AÇÕES PORTUGUESAS PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO. Produto Financeiro Complexo Depósito Dual PROSPETO INFORMATIVO EUR BES DUAL AÇÕES PORTUGUESAS 2013-2016 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Designação EUR BES DUAL AÇÕES PORTUGUESAS 2013-2016 Classificação Caracterização do produto Garantia de Capital

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 2.2 Oligopólio em Preços (Bertrand)

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 2.2 Oligopólio em Preços (Bertrand) Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 2.2 Oligopólio em Preços (Bertrand) Isabel Mendes 2007-2008 18-03-2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 O modelo de Cournot

Leia mais

Mercado dos Combustíveis em Portugal. António Comprido Secretário-Geral

Mercado dos Combustíveis em Portugal. António Comprido Secretário-Geral Mercado dos Combustíveis em Portugal António Comprido Secretário-Geral Produtos Petrolíferos e Sustentabilidade 18 de outubro 2016 Agenda A cadeia de valor Evolução do consumo Fiscalidade Formação dos

Leia mais

Experiências europeias no uso de energias renováveis e eficiência energética

Experiências europeias no uso de energias renováveis e eficiência energética 23 de novembro de 2016 Sede do Sistema FIRJAN RJ Experiências europeias no uso de energias renováveis e eficiência energética Rodrigo Nogueira - Edp Intercâmbio EDP Brasil EDP Comercial Seminário Técnologias

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Selecção Portugal (Ser. 13/1)

Prospecto Informativo Invest Selecção Portugal (Ser. 13/1) Prospecto Informativo Invest Selecção Portugal (Ser. 13/1) Fevereiro de 2013 Designação: Invest Selecção Portugal (Ser. 13/1) Classificação: Caracterização do Depósito: Garantia de Capital: Garantia de

Leia mais

BANCO DE FOMENTO ANGOLA

BANCO DE FOMENTO ANGOLA PREÇÁRIO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA ANEXO II TABELA DE TAXAS DE JURO Data de entrada em vigor: 31/09/2014 O Preçário pode ser consultado nos balcões do Banco de Fomento Angola e no site www.bfa.ao.

Leia mais

DESAFIOS PARA A ENERGIA HIDROELÉCTRICA EM ANGOLA

DESAFIOS PARA A ENERGIA HIDROELÉCTRICA EM ANGOLA DESAFIOS PARA A ENERGIA HIDROELÉCTRICA EM ANGOLA António Machado e Moura Professor Catedrático, Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto - Portugal Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA

Leia mais

BOLETIM DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS Agosto 215 Eletricidade de origem renovável em Portugal Portugal Continental A caminho do fim do Verão, Portugal continental contínua com valores de quantidade de precipitação

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa

Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa MINISTÉRIO DA ENERGIA Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa Marcelina Mataveia Direcção Nacional de Energias Novas e Renováveis Maputo - Moçambique 7 de Fevereiro

Leia mais

Aproveite a energia do sol

Aproveite a energia do sol Aproveite a energia do sol A energia do sol chegou a sua casa. Agora, com as soluções de energia solar edp já pode produzir e consumir a sua própria eletricidade. Assim, reduz a sua fatura energética e

Leia mais

FRANCISCO DE LA FUENTE SANCHÉZ

FRANCISCO DE LA FUENTE SANCHÉZ FRANCISCO DE LA FUENTE SANCHÉZ DADOS PESSOAIS Data de Nascimento: 2 de janeiro 1942 FORMAÇÃO ACADÉMICA 1965 IST Licenciatura em Engenharia Electrotécnica - Média geral de 15 valores ATIVIDADE PROFISSIONAL

Leia mais

Listed Companies Results Full Year 2015 Resultados das Empresas Cotadas Ano dossiers. Business and Companies Empresas e Negócios

Listed Companies Results Full Year 2015 Resultados das Empresas Cotadas Ano dossiers. Business and Companies Empresas e Negócios dossiers Business and Companies Empresas e Listed Companies Results Full Year 2015 Resultados das Empresas Cotadas Ano 2015 Last Update Última Actualização: 19/02/2016 Next Update Próxima Actualização:

Leia mais

Valorização do Pescado em Portugal

Valorização do Pescado em Portugal Valorização do Pescado em Portugal Valorização no contexto de politica para o sector Local: Lisboa Fundação Champalimaud 9.Janeiro.2012 Diretor-geral das Pescas e Aquicultura JOSÉ APOLINÁRIO Visão Global

Leia mais

Desafios para a Regulação

Desafios para a Regulação Desafios para a Regulação Pedro Duarte Neves Preparado para a Conferência 20 ANOS DEPOIS: REGULAR PARA QUÊ? Setembro de 2009 Desafios para a Regulação 1. Implementação do Quadro Regulamentar 2. Condições

Leia mais

Fonte Características Vantagens Desvantagens

Fonte Características Vantagens Desvantagens Fonte Características Vantagens Desvantagens Hidrelétrica Uso da força dos rios para produção de energia elétrica Fonte não poluente e renovável Alto custo de implantação e grande impacto ambiental e econômico

Leia mais

Energía Eólica. Nathalia Cervelheira Michelle Carvalho Neldson Silva Maick Pires. Sinop-MT 2016

Energía Eólica. Nathalia Cervelheira Michelle Carvalho Neldson Silva Maick Pires. Sinop-MT 2016 Energía Eólica Nathalia Cervelheira Michelle Carvalho Neldson Silva Maick Pires Sinop-MT 2016 INTRODUCÃO Denomina-se energía eólica a energía cinética contida nas massas de ar em movimento. Seu aproveitamento

Leia mais

Tecnologias Automotivas: Híbrida e Célula Combustível. Roberto Braun Gerente Sênior de Assuntos Governamentais Toyota do Brasil Vice-Presidente ABVE

Tecnologias Automotivas: Híbrida e Célula Combustível. Roberto Braun Gerente Sênior de Assuntos Governamentais Toyota do Brasil Vice-Presidente ABVE Tecnologias Automotivas: Híbrida e Célula Combustível Roberto Braun Gerente Sênior de Assuntos Governamentais Toyota do Brasil Vice-Presidente ABVE Grandes preocupações da humanidade Aquecimento Global

Leia mais

TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA. Produtos e Serviços.

TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA. Produtos e Serviços. TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA Produtos e Serviços www.atcorgeryma.com Centro de Distribuição Vilanova del Camí, Barcelona MAIS DE 40 ANOS A EVOLUIR GRAÇAS À CONFIANÇA DOS NOSSOS CLIENTES Na Atcor Geryma dedicamo-nos

Leia mais

Projecto de Lei n.º 502/XIII/2.ª Estabelece a obrigatoriedade da presença de inspector sanitário em determinados actos venatórios

Projecto de Lei n.º 502/XIII/2.ª Estabelece a obrigatoriedade da presença de inspector sanitário em determinados actos venatórios Projecto de Lei n.º 502/XIII/2.ª Estabelece a obrigatoriedade da presença de inspector sanitário em determinados actos venatórios Exposição de motivos A preocupante proliferação de enfermidades presentes

Leia mais

Organização, gestão e regulação das actividades de. Prestação de Serviços Especializados (PSE) na Universidade de Coimbra

Organização, gestão e regulação das actividades de. Prestação de Serviços Especializados (PSE) na Universidade de Coimbra Organização, gestão e regulação das actividades de Prestação de Serviços Especializados (PSE) na Universidade de Coimbra Estrutura do Documento I Contexto situação actual objectivos definidos II Elaboração

Leia mais

Geração Distribuída a Gás Natural em Santa Catarina. GT Geração Distribuída

Geração Distribuída a Gás Natural em Santa Catarina. GT Geração Distribuída Geração Distribuída a Gás Natural em Santa Catarina GT Geração Distribuída Florianópolis, 22 de maio de 2017 Sumário 1. Infraestrutura de Distribuição de Gás Natural; 2. Tarifas Aplicadas para Geração

Leia mais

" UMA ANÁLISE SWOT DO SETOR ELETRICO EUROPEU: O PREÇO DE SE SER PIONEIRO"

 UMA ANÁLISE SWOT DO SETOR ELETRICO EUROPEU: O PREÇO DE SE SER PIONEIRO " UMA ANÁLISE SWOT DO SETOR ELETRICO EUROPEU: O PREÇO DE SE SER PIONEIRO" Workshop Projeto 20+30 - pesquisa de ambiente estratégico de negócios CPFL - Campinas, 23/5/2014 1 Tópicos da Apresentação I. O

Leia mais

Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada

Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada Workshop Os Aspectos Energéticos na Concepção de Edifícios Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada Carlos Sousa Elisabete Serra AGENEAL, Agência Municipal de Energia de Almada Fórum Romeu Correia

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS DE ENERGIA ELÉCTRICA

TARIFAS E PREÇOS DE ENERGIA ELÉCTRICA TARIFAS E PREÇOS DE ENERGIA ELÉCTRICA REVISÃO EXTRAORDINÁRIA PARA VIGORAR ENTRE SETEMBRO E DEZEMBRO DE 2007 10 de Agosto de 2007 1 Agenda 1. O que muda no enquadramento legal do sector eléctrico? 2. O

Leia mais

1 P. Descarregue gratuitamente actualizações online em Fiscal Col. Legislação ( ).

1 P. Descarregue gratuitamente actualizações online em  Fiscal Col. Legislação ( ). Porquê as actualizações aos livros da COLECÇÃO LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas actualizações, a PORTO

Leia mais

Repensar a Fiscalidade Um Debate Luso-Brasileiro (IDEFF, 21 Março de 2013, Faculdade Direito de Lisboa)

Repensar a Fiscalidade Um Debate Luso-Brasileiro (IDEFF, 21 Março de 2013, Faculdade Direito de Lisboa) LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ Repensar a Fiscalidade Um Debate Luso-Brasileiro (IDEFF, 21 Março de 2013, Faculdade Direito de Lisboa) Algumas tendências actuais

Leia mais

Situação Actual e Futuro do Mercado de Capitais Português 20 Propostas Estratégicas

Situação Actual e Futuro do Mercado de Capitais Português 20 Propostas Estratégicas Situação Actual e Futuro do Mercado de Capitais Português 20 Propostas Estratégicas Fórum de Bolsa Setembro de 2012 Abel Sequeira Ferreira, Director Executivo Setembro, 28, 2012 A presente apresentação

Leia mais

Desafios para as Empresas Portuguesas

Desafios para as Empresas Portuguesas Desafios para as Empresas Portuguesas Francisco Pinto Balsemão IMPRESA Conferência CMVM Porto, 12 Abril 2002 www.impresa.pt 1 Evolução das cotações da IMPRESA vs EuroStoxx Media (Jan - Abr 02) 1.300 1.100

Leia mais

Mestrado em Gestão. Sessão de Apresentação Núcleo de Estudantes de Gestão 28 de abril de 2015

Mestrado em Gestão. Sessão de Apresentação Núcleo de Estudantes de Gestão 28 de abril de 2015 Sessão de Apresentação Núcleo de Estudantes de Gestão 28 de abril de 2015 Missão e objetivos Formar profissionais que assumam responsabilidades de gestão nas organizações, capazes de interagir com outros

Leia mais

RESULTADOS 9 MESES DE 2009

RESULTADOS 9 MESES DE 2009 RESULTADOS 9 MESES DE 2009 11 DE NOVEMBRO DE 2009 MANUEL FERREIRA DE OLIVEIRA Do sucesso para novos desafios ENVOLVENTE DE MERCADO Resultados dos 9 meses de 2009 RECESSÃO ECONÓMICA AFECTA DRIVERS DE RESULTADOS

Leia mais

Tarifas de eletricidade e gás Tarifas de eletricidade

Tarifas de eletricidade e gás Tarifas de eletricidade Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Tarifas de eletricidade e gás Tarifas de eletricidade Armando Sousa Projeto FEUP 2013/2014 -- MIEEC: José Nuno Fidalgo Supervisor: José Nuno Fidalgo Equipa

Leia mais

ELETRICIDADE, GÁS, VAPOR, ÁGUA QUENTE E FRIA E AR FRIO ANÁLISE SETORIAL

ELETRICIDADE, GÁS, VAPOR, ÁGUA QUENTE E FRIA E AR FRIO ANÁLISE SETORIAL ELETRICIDADE, GÁS, VAPOR, ÁGUA QUENTE E FRIA E AR FRIO ANÁLISE SETORIAL Novembro 2016 ELETRICIDADE, GÁS, VAPOR, ÁGUA QUENTE E FRIA E AR FRIO O presente documento constitui um resumo analítico do desempenho

Leia mais

Ccent 28/2009 Salvador Caetano Auto/Auto Partner*Auto Partner III

Ccent 28/2009 Salvador Caetano Auto/Auto Partner*Auto Partner III Ccent 28/2009 Salvador Caetano Auto/Auto Partner*Auto Partner III Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho] 28/08/2009

Leia mais

Emita as suas Faturas Eletrónicas de forma Simples, segura e Global

Emita as suas Faturas Eletrónicas de forma Simples, segura e Global DESMATERIALIZAÇÃO NORMALIZADA DE DOCUMENTOS DE NEGÓCIO. Emita as suas Faturas Eletrónicas de forma Simples, segura e Global PME DIGITAL A ENTRADA DA GS1 PORTUGAL A GS1 Portugal e a ACEPI acordaram criar

Leia mais

ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL

ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL Garo Batmanian Especialista Senior de Meio Ambiente Setembro 28, 2011 Banco Mundial ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL Grande Consumidor

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.5. Externalidades: Solução de Coase. Isabel Mendes

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.5. Externalidades: Solução de Coase. Isabel Mendes Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.5 Externalidades: Solução de Coase Isabel Mendes 007-008 08-05-008 Isabel Mendes/MICRO II Coase (960) criticou a

Leia mais

CRIAÇÃO DO OBSERVATÓRIO DE FLUXOS MIGRATÓRIOS DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA E ADOPÇÃO DO RESPECTIVO REGULAMENTO

CRIAÇÃO DO OBSERVATÓRIO DE FLUXOS MIGRATÓRIOS DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA E ADOPÇÃO DO RESPECTIVO REGULAMENTO CRIAÇÃO DO OBSERVATÓRIO DE FLUXOS MIGRATÓRIOS DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA E ADOPÇÃO DO RESPECTIVO REGULAMENTO Os Ministros responsáveis pela segurança da Comunidade de Países de Língua

Leia mais

Ligue tudo lá em casa ao sol

Ligue tudo lá em casa ao sol Ligue tudo lá em casa ao sol A energia do sol chegou a sua casa. Agora, com as soluções de energia solar edp já pode produzir e consumir a sua própria eletricidade. Assim, reduz a sua fatura energética

Leia mais

A APREN e as Universidades O SOL COMO FONTE DE ENERGIA Comemoração do Dia Internacional do Sol

A APREN e as Universidades O SOL COMO FONTE DE ENERGIA Comemoração do Dia Internacional do Sol 14:00 14:15 Nota de abertura A APREN e as Universidades O SOL COMO FONTE DE ENERGIA Comemoração do Dia Internacional do Sol Universidade de Évora 4 de maio de 2015 Universidade de Évora 14:15 14:30 O Panorama

Leia mais

Publicado no Diário da República, I Série, nº 102, de 22 de Junho AVISO N.º 08/2016 ASSUNTO: RISCO DE TAXA DE JURO NA CARTEIRA BANCÁRIA

Publicado no Diário da República, I Série, nº 102, de 22 de Junho AVISO N.º 08/2016 ASSUNTO: RISCO DE TAXA DE JURO NA CARTEIRA BANCÁRIA Publicado no Diário da República, I Série, nº 102, de 22 de Junho AVISO N.º 08/2016 ASSUNTO: RISCO DE TAXA DE JURO NA CARTEIRA BANCÁRIA Considerando a importância do acompanhamento do risco de taxa de

Leia mais

MERCADO: OFERTA X DEMANDA EXCEDENTE DO CONSUMIDOR E DO PRODUTOR

MERCADO: OFERTA X DEMANDA EXCEDENTE DO CONSUMIDOR E DO PRODUTOR MERCADO: OFERTA X DEMANDA EXCEDENTE DO CONSUMIDOR E DO PRODUTOR 2º SEMESTRE 2011 Excedente do Consumidor e Curva de Demanda Excedente do consumidor individual é o ganho líquido que o comprador individual

Leia mais

FONTES DE ENERGIA PROF. ISRAEL FROIS FRENTES A E B

FONTES DE ENERGIA PROF. ISRAEL FROIS FRENTES A E B FONTES DE ENERGIA PROF. ISRAEL FROIS FRENTES A E B ENERGIA DESIGUAL COMBUSTÍVES FÓSSEIS PETRÓLEO E GÁS Vantagens do Petróleo Alta densidade de energia; Deriva diversos produtos industriais; Domínio

Leia mais

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo 1.º

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo 1.º A disponibilização para consulta do teor de diplomas legislativos não dispensa a consulta do Diário da República, não se responsabilizando a ERSE pelo seu conteúdo. Decreto-Lei n.º 184/2003, de 20 de Agosto

Leia mais

5. Estrutura organizacional e centros de responsabilidade

5. Estrutura organizacional e centros de responsabilidade 69 Como organizar pessoas e outros recursos para concretizar os objetivos estratégicos e a missão? Estrutura organizacional 70 1 Objetivos da criação da estrutura organizacional Facilitar o fluxo de materiais

Leia mais

O PLANEAMENTO ENERGÉTICO DE MOÇAMBIQUE NO CONTEXTO DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

O PLANEAMENTO ENERGÉTICO DE MOÇAMBIQUE NO CONTEXTO DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Seminário SYNERGY Assistance to Energy Policy Implementation in Mozambique O PLANEAMENTO ENERGÉTICO DE MOÇAMBIQUE NO CONTEXTO DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Maria da Graça Carvalho Neven Duic Luís Manuel Alves

Leia mais

Estratégia da edp. Compromisso para a criação de valor: Risco controlado, eficiência superior e crescimento orientado

Estratégia da edp. Compromisso para a criação de valor: Risco controlado, eficiência superior e crescimento orientado Estratégia da edp Compromisso para a criação de valor: Risco controlado, eficiência superior e crescimento orientado Londres, 19 de Julho de 2006 Forward-looking statements Esta apresentação contém declarações

Leia mais

Plano Integrado de Energia Doméstica. Por Fátima Arthur Ordem dos Engenheiros de Moçambique

Plano Integrado de Energia Doméstica. Por Fátima Arthur Ordem dos Engenheiros de Moçambique Plano Integrado de Energia Doméstica Por Fátima Arthur Ordem dos Engenheiros de Moçambique Resumo Energia doméstica está intrinsecamente ligada ao desenvolvimento humano. O acesso universal a fontes modernas

Leia mais

MICROECONOMIA OBJECTIVOS

MICROECONOMIA OBJECTIVOS MICROECONOMIA OBJECTIVOS A microeconomia é uma área básica de um curso de economia. Não só a macroeconomia se constrói a partir da microeconomia, como também certas áreas especializadas da economia, tais

Leia mais

Escola ES/3 Dos Carvalhos Março 2007 Geografia A - 10

Escola ES/3 Dos Carvalhos Março 2007 Geografia A - 10 Análise da notícia Lisboa mais pobre Trabalho Realizado por: Ana Luísa nº2 Maria Elisa nº16 Mariana nº18 Marta Daniela nº19 10ºD 1 Título da Notícia Lisboa mais pobre Data de edição da notícia Setembro

Leia mais

Por que o Brasil tem dificuldades em atrair investimentos para concessões, privatizações e PPPs?

Por que o Brasil tem dificuldades em atrair investimentos para concessões, privatizações e PPPs? Por que o Brasil tem dificuldades em atrair investimentos para concessões, privatizações e PPPs? Bruno Werneck Março, 2017 Princípio do Equilíbrio Econômico-Financeiro Proteção da proporção entre encargos

Leia mais

Seminário: Medidas Públicas na Gestão do Risco

Seminário: Medidas Públicas na Gestão do Risco Seminário: Estratégias de Gestão do Risco Medidas Públicas na Gestão do Risco Paulo Mateus Lisboa 18 de Março de 2010 A riqueza da nossa A riqueza da nossa TEMPO TEMPO A riqueza da nossa TEMPO A riqueza

Leia mais

Gestão Integrada de Operações

Gestão Integrada de Operações Conteúdo & Avaliação Gestão Integrada de Operações Equipa: Ana Lúcia Martins Eurico Dias Henrique O Neill João Menezes João Vilas-Boas Tânia Ramos Conteúdo Ver ficheiro adicional com conteúdos do curso

Leia mais

Advertências Específicas ao Investidor

Advertências Específicas ao Investidor TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO PLANO FINANCEIRO MENSAL SETEMBRO 2013 - ICAE NÃO NORMALIZADO Instrumento de Captação de Aforro Estruturado (Não Normalizado) Contrato de Seguro ligado a Fundo de Investimento

Leia mais

ZA5558. Flash Eurobarometer 320 (European Contract Law in Business-to-Business Transactions) Country Questionnaire Portugal

ZA5558. Flash Eurobarometer 320 (European Contract Law in Business-to-Business Transactions) Country Questionnaire Portugal ZA5558 Flash Eurobarometer 320 (European Contract Law in Business-to-Business Transactions) Country Questionnaire Portugal Fl320 FLASH EUROBAROMETER Business attitudes towards cross border business to

Leia mais

TESTE INTERMÉDIO DE MACROECONOMIA

TESTE INTERMÉDIO DE MACROECONOMIA José A. Ferreira Machado Inácia Pimentel Duração: 90 minutos Versão A (Responda no enunciado.) TESTE INTERMÉDIO DE MACROECONOMIA 2013-04-11 1. Ao longo das últimas décadas, os cidadãos dos países desenvolvidos

Leia mais

As tendências actuais mundiais nos modelos de tributação do rendimento. Rogério M. Fernandes Ferreira (Sócio da RFF & Associados)

As tendências actuais mundiais nos modelos de tributação do rendimento. Rogério M. Fernandes Ferreira (Sócio da RFF & Associados) LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ As tendências actuais mundiais nos modelos de tributação do rendimento Rogério M. Fernandes Ferreira (Sócio da RFF & Associados) Sumário

Leia mais

3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS

3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL E NO MUNDO 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS 5. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA DA INFORMAÇÃO SOBRE PRODUÇÃO EM REGIME ESPECIAL

NOTA EXPLICATIVA DA INFORMAÇÃO SOBRE PRODUÇÃO EM REGIME ESPECIAL NOTA EXPLICATIVA DA INFORMAÇÃO SOBRE PRODUÇÃO EM REGIME ESPECIAL Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão

Leia mais

BC Fund. Webcast Resultados de março de 2013

BC Fund. Webcast Resultados de março de 2013 BC Fund Webcast Resultados 2012 28 de março de 2013 Resultados 2012 Destaques Receita de locação totalizou R$ 200,3 milhões, um crescimento de 23,7% vs. 2011 (R$ 161,9 milhões) 29,0% da carteira passou

Leia mais

Plano decenal indicativo de Desenvolvimento e Investimento na RNTIAT para o período

Plano decenal indicativo de Desenvolvimento e Investimento na RNTIAT para o período Plano decenal indicativo de Desenvolvimento e Investimento na RNTIAT para o período 2014-2023 Comentários da EDP à proposta do PDIRGN 2013, elaborada pela REN Gasodutos e submetida a Consulta Pública pela

Leia mais

Matriz Energética do Porto

Matriz Energética do Porto Matriz Energética do Porto - Resultados Preliminares - José Eduardo Amorim de Sousa Administrador-Delegado Estratégia e Plano Matriz Energética Definições Oferta Procura Benchmarking Conclusões Estratégia

Leia mais

COMUNICAÇÃO ENTRADA EM PRODUÇÃO DA NOVA PLATAFORMA DO GPMC

COMUNICAÇÃO ENTRADA EM PRODUÇÃO DA NOVA PLATAFORMA DO GPMC COMUNICAÇÃO ENTRADA EM PRODUÇÃO DA NOVA PLATAFORMA DO GPMC JANEIRO.2011 [Esta página foi propositadamente deixada em branco] 1. INTRODUÇÃO A REN Gasodutos, enquanto entidade responsável por desempenhar

Leia mais

Capítulo 9 Estratégia em Portugal

Capítulo 9 Estratégia em Portugal ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Capítulo 9 Estratégia em Portugal João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Formulação da Estratégia Análise do Meio Envolvente Missão, Objectivos e Estratégia

Leia mais

PRIME Uma Retrospectiva. Internacionalização do Calçado. Manuel Carlos. 4 de Fevereiro de 2010 Centro de Congressos de Lisboa

PRIME Uma Retrospectiva. Internacionalização do Calçado. Manuel Carlos. 4 de Fevereiro de 2010 Centro de Congressos de Lisboa PRIME Uma Retrospectiva 2000-2009 Internacionalização do Calçado Manuel Carlos 4 de Fevereiro de 2010 Centro de Congressos de Lisboa PNDES Plano Estratégico Calçado 2010-02-04 2 PNDES Década anterior a

Leia mais

Economia Pública. Cálculo Financeiro

Economia Pública. Cálculo Financeiro Economia Pública 1º Semestre 2010/11 Cálculo Financeiro Só se podem somar valores monetários que se reportem ao mesmo momento do tempo. Para isso deveremos actualizar todos os valores ou capitaliza-los

Leia mais

PROJECTO PPÁGUA RESPOSTAS PÚBLICAS E PRIVADAS À FALTA DE PAGAMENTO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: O CASO PORTUGUÊS APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS

PROJECTO PPÁGUA RESPOSTAS PÚBLICAS E PRIVADAS À FALTA DE PAGAMENTO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: O CASO PORTUGUÊS APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS Projeto PPÁgua: Respostas públicas e privadas à falta de pagamento dos serviços de abastecimento de água: o caso português (EXPL/IVC-CPO/1094/2013 FCOMP-01-0124-FEDER-041144)

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Economia Monetária 3º ano de Economia Prova para dispensa de exame final 14/2/2001 Duração: 120 minutos

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Economia Monetária 3º ano de Economia Prova para dispensa de exame final 14/2/2001 Duração: 120 minutos Economia Monetária 3º ano de Economia Prova para dispensa de exame final 14/2/2001 1. Responda às seguintes questões: a) Analise de que forma as funções da moeda são actualmente desempenhadas pelo euro.

Leia mais

Água Quente Solar para PORTUGAL. Helder Gonçalves Presidente da ADENE

Água Quente Solar para PORTUGAL. Helder Gonçalves Presidente da ADENE Água Quente Solar para PORTUGAL Helder Gonçalves Presidente da ADENE O Programa E4, apresentado no ano passado pelo Ministério da Economia inclui explicitamente uma iniciativa de promoção da energia solar

Leia mais

RESUMO DE IMPRENSA. Sexta-feira, 23 de Maio de 2008

RESUMO DE IMPRENSA. Sexta-feira, 23 de Maio de 2008 JORNAL DE NEGÓCIOS RESUMO DE IMPRENSA Sexta-feira, 23 de Maio de 2008 1. Estradas. Governo lança mais duas concessões no Interior. Pinhal Interior e Ribatejo reforçam plano rodoviário (págs. 1 e 10) 2.

Leia mais

www.corelngashive.eu Projeto CORE LNGas hive O projeto CORE LNGas hive é uma iniciativa cofinanciada pela Comissão Europeia através do Concurso do MIE Mecanismo Interligar a Europa (Connecting Europe Facility)

Leia mais

Desafios da Reabilitação Urbana Sustentável: o caso do Centro Histórico do Porto. Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração

Desafios da Reabilitação Urbana Sustentável: o caso do Centro Histórico do Porto. Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração Desafios da Reabilitação Urbana Sustentável: o caso do Centro Histórico do Porto Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração Funchal, 22 de maio de 2015 Cidade do Porto, Diagnóstico

Leia mais

A Regulação do Gás Natural em Portugal

A Regulação do Gás Natural em Portugal A Regulação do Gás Natural em Portugal O Gás Natural e a Sustentabilidade AdEPORTO Isabel Apolinário 29 de Maio de 2009 Conteúdo da Apresentação A Regulação do Gás Natural em Portugal 1. Sistema de gás

Leia mais

Teoria Geral dos Sistemas

Teoria Geral dos Sistemas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Bacharelado em Sistemas de Informação Teoria Geral dos Sistemas Prof. Luiz Matos Estes slides são concedidos sob uma Licença Creative

Leia mais

MÓDULOS # 1: Clientes, Produtos e Serviços Bancários. Conhecer os Objectos de um Banco; Analisar os comportamentos dos Clientes

MÓDULOS # 1: Clientes, Produtos e Serviços Bancários. Conhecer os Objectos de um Banco; Analisar os comportamentos dos Clientes MÓDULOS # 1: Clientes, Produtos e Serviços Bancários Conhecer os Objectos de um Banco; Compreender a necessidades dos clientes a recorrem aos Bancos; Analisar os comportamentos dos Clientes Identificar

Leia mais