1º Ten Al ROSALYNN DE CÁSSIA BITENCOURT PINHEIRO. SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS POR DOSE UNITÁRIA: seus Reflexos na Dinâmica Hospitalar.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1º Ten Al ROSALYNN DE CÁSSIA BITENCOURT PINHEIRO. SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS POR DOSE UNITÁRIA: seus Reflexos na Dinâmica Hospitalar."

Transcrição

1 1º Ten Al ROSALYNN DE CÁSSIA BITENCOURT PINHEIRO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS POR DOSE UNITÁRIA: seus Reflexos na Dinâmica Hospitalar. RIO DE JANEIRO 2009

2 1º Ten Al ROSALYNN DE CÁSSIA BITENCOURT PINHEIRO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS POR DOSE UNITÁRIA: e seus Reflexos na Dinâmica Hospitalar. Trabalho de conclusão de curso apresentado à escola de saúde de exército com requisito parcial para aprovação no Curso de Formação de Oficiais do Serviço de Saúde, especialização em Aplicações Complementares às Ciências Militares Orientador(a): Profa Dra Carolina Heitmann Mares Azevedo RIO DE JANEIRO 2009

3 P655s Pinheiro, Rosalynn de Cássia Bitencourt. Sistema de distribuição de medicamentos por dose unitária: e os reflexos na dinâmica hospitalar / Rosalynn e Cássia Bitencourt Pinheiro. - Rio de Janeiro, f. ; 30 cm Orientadora: Carolina Heitmann Mares Azevedo Trabalho de Conclusão de Curso (especialização) Escola de Saúde do Exército, Programa de Pós-Graduação em Aplicações Complementares às Ciências Militares, Referências: f Distribuição de medicamentos. 2. Dose Unitária. I. Azevedo, Carolina Heitmann Mares. II. Escola de Saúde do Exército. III. Título. CDD 615.1

4 1º Ten Al ROSALYNN DE CÁSSIA BITENCOURT PINHEIRO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS POR DOSE UNITÁRIA: e seus Reflexos na Dinâmica Hospitalar. COMISSÃO DE AVALIAÇÃO Dra CAROLINA HEITMANN MARES AZEVEDO Orientadora CAP LUIS FELIPE SIMÕES RAMOS EsSEx Avaliador CAP ANDRÉ JUSTINO DE CARVALHO EsSEx Avaliador RIO DE JANEIRO 2009

5 AGRADECIMENTOS À DEUS, por ser Misericordioso comigo. À minha mãe, Roseney Bitencourt, pelo exemplo de mulher que é para mim. E apoio incondicional que me deu durante toda vida. À minha querida irmã, Rosany Bitencourt, por sempre ter exercido com muito amor o papel de irmã e companheira fiel de todas às horas. Ao meu marido, Nunes Franco, por me ensinar a necessidade de ser tolerante com as pessoas. À minha orientadora Drª Carolina Heitmann, co-orientadores Cap Luiz Felipe e Cap André Carvalho por toda colaboração na elaboração deste.

6 Nada acontece sem Transformação. W. Edwards Seming RESUMO Os gastos com medicamentos estão entre os maiores custos para o adequado funcionamento de um hospital, e conseqüentemente, para a prestação de uma assistência à saúde com qualidade aos usuários deste serviço. Uma das medidas de grande impacto neste contexto é uma efetiva dispensação e/ ou distribuição dos

7 medicamentos. A implantação de um sistema eficiente de distribuição promove o controle na unidade de farmácia, e a certeza de assegurar o uso racional de medicamentos e materiais médico-hospitalares, evitando desperdícios e desvio de medicamentos. E dessa forma, torna eficaz a intervenção terapêutica, contribuindo para a diminuição da permanência do paciente no hospital, bem como, na melhoria de sua qualidade de vida. O presente trabalho aponta os principais sistemas de distribuição existente, em área hospitalar descrevendo as características de cada um, bem como suas vantagens e desvantagens. Direcionando, com maior ênfase, a importância e os reflexos da distribuição de medicamentos, pelo sistema de dose unitária, a fim de prestar um serviço de qualidade ao paciente e aos profissionais que utilizam os sistemas de distribuição de medicamentos. Palavras-Chaves: distribuição de medicamentos, sistema de dose unitária. ABSTRACT The costs of medicines are among the largest costs for the proper functioning of a hospital, and consequently, for the provision of health care quality for users of this service. One measure of great impact in this context is an effective dispensing and /

8 or distribution of drugs. The establishment of an efficient system of distribution promotes the control at the pharmacy, and certainty to ensure the rational use of medicines and medical and hospital equipment, avoiding waste and misuse of drugs. And thus makes effective therapeutic intervention, contributing to the decrease in the patient's stay in hospital, and in improving their quality of life. This study shows the key distribution systems available, in an area hospital describing the characteristics of each, as well as its advantages and disadvantages. Directing, with greater emphasis on the importance and consequences of the distribution of medicines, the unit dose system in order to provide a quality service to patients and professionals who use the drug distribution systems. Key words: distribution of drugs, unit dose system. LISTA DE FIGURAS Figura 1 Figura 2 Figura 3 Figura 4 Figura 5 Armazenamento e distribuição de Medicamentos Enfermaria e Farmácia Satélite Modelo de Distribuição de medicamentos individualizados Escaninho Adaptável para distribuição de medicamentos Sistema de Distribuição de Medicamentos por Dose unitária

9 Figura 6 Figura 7 Carros com escaninhos para distribuição de medicamentos. Modelo de Farmácia Hospitalar (SDMDU) SUMÁRIO INTRODUÇÃO... CONCEITOS E MÉTODOS... TEMA... PROBLEMA... JUSTIFICATIVA... OBJETIVO... OBJETIVO GERAL... OBJETIVO ESPECÍFICO

10 2.5 REFERENCIAL TEÓRICO METODOLOGIA Tipo de pesquisa e técnica População do universo e amostra Método utilizado para coleta de dados e para análise... 3 SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO COLETIVO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO INDIVIDUALIZADO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO COMBINADO OU MISTO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO POR DOSE UNITÁRIA (SDMDU) Sistema Centralizado: Sistema Descentralizado Sistema Combinado Condições Básicas para um bom S.D.M.U.D... 4 CONCLUSÃO... REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA... ANEXOS INTRODUÇÃO A incorporação de novas tecnologias nos campos de diagnóstico e da terapêutica tem provocado um aumento impressionante nos custos da assistência médica-hospitalar. E, em virtude da magnitude do setor, que envolve recursos imensos e ainda assim escassos, torna-se imprescindível aumentar a eficiência e evitar o desperdício. Uma das medidas de grande impacto neste contexto é uma efetiva dispensação e/ ou distribuição dos medicamentos. (GOMES, 2001). A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e o Ministério da Saúde do Brasil, afirmam que, a farmácia hospitalar, tem como função: a aquisição, a conservação, o controle de estoque, a distribuição dos produtos utilizados na instituição, bem como a otimização da terapia medicamentosa. Com o intuito de assegurar o uso racional de medicamentos e tornar eficaz a intervenção terapêutica,

11 a farmácia hospitalar contribui, dessa forma, diminuindo a permanência do paciente no hospital e na melhoria de sua qualidade de vida. Segundo Wilken & Bermudez (1999), o sistema de distribuição de medicamentos é um dos mais importantes pontos dentre as atividades realizadas pela farmácia. Dependendo do sistema de distribuição utilizado, podemos antecipar com certa margem de segurança o funcionamento da mesma e se o paciente está recebendo os seus medicamentos dentro de critérios que possam assegurar a sua qualidade e segurança. Sendo assim, o sistema de distribuição de medicamentos, em uma unidade hospitalar é importante tanto tecnicamente quanto financeiramente, pois onera os gastos do hospital. Ao escolher um Sistema de Distribuição, é de vital importância avaliar o trajeto do medicamento até o paciente e a forma como os mesmos são separados, organizados e dispostos para a administração a estes pacientes. Além disso, um sistema de distribuição bem estruturado permite ao farmacêutico maior controle sobre os medicamentos e o faturamento gasto por paciente, facilitando a observância de custos e o controle de gastos. No entanto, este trabalho não pretende indicar respostas ou soluções definitivas para esta questão, mas plantar sementes. Sementes que possam vir a frutificar e servir de fomento a outros questionamentos e reflexões acerca do assunto proposto. 2 CONCEITOS E MÉTODOS 2.1 TEMA Os Sistemas de Distribuição de Medicamentos: suas características, diferenças e seus reflexos na logística hospitalar. 2.2 PROBLEMA Quais os principais reflexos, na logística Hospitalar, trazidos pela implantação de um Sistema de Distribuição de Medicamentos por Dose Unitária? 2.3 JUSTIFICATIVA

12 Segundo Gomes, na dinâmica hospitalar o impacto do preço dos medicamentos, assim como, os elevados gastos assistenciais impõe uma gestão de estoque de controle rígido. Essa gestão é capaz de obter, coordenar e analisar fatos para tomar decisões corretas e oportunas, visando à redução dos custos sem prejuízo da assistência ao paciente. Nesta pesquisa, podemos obter maiores conhecimentos em relação à estrutura dos sistemas de distribuição, em particular a distribuição por dose unitária. Levando-se em conta os vários tipos de distribuição, seus principais reflexos sob a logística hospitalar e ainda, demonstrar de forma simples, as vantagens e desvantagens dos mesmos, sem desconsiderar os benefícios aos pacientes. 2.4 OBJETIVOS Objetivo geral O principal objetivo desta pesquisa é aprimorar o conhecimento sobre o sistema de distribuição de medicamentos, em particular o sistema por dose unitária, e relatar os principais reflexos (vantagens e desvantagens) de sua implantação Objetivos específicos Adquirir maior conhecimento do assunto por meio de revisão bibliográfica; Comparar as vantagens e desvantagens entre os sistemas de distribuição para logística da área hospitalar; Apontar os requisitos para o funcionamento do sistema; Oferecer o suporte teórico para implementação de um modelo de distribuição visando à sua otimização. 2.5 REFERENCIAL TEÓRICO

13 De acordo com Pereira et al (2005), a farmácia hospitalar e o departamento de suprimentos movimentam um volume de capital somente inferior à folha de pagamentos de um hospital. A implantação de um sistema de distribuição bem estruturado torna-se imprescindível em todas as fases do processo de controle de estoque, para que a continuidade do processo de assistência farmacêutica seja assegurada e não haja ruptura do estoque (GOMES, 2001). A seqüência de eventos, que envolve a distribuição de medicamentos começa quando o mesmo é adquirido (compra, aquisição). E a partir de então, um modelo é seguido até sua administração ao paciente ou, por algum motivo devolvido à farmácia. O sistema de distribuição de medicamentos deve ser: racional, eficiente, econômico, seguro e estar de acordo com a terapêutica prescrita. Quanto maior a eficácia do sistema de distribuição, mais garantido será o sucesso da terapêutica instaurada no hospital (CAVALLINI E BISSON, 2002). O controle de distribuição pode ser realizado por meio dos sistemas de distribuição coletivo, individualizado ou Sistema de Distribuição de Medicamentos por Dose Unitária (Garrison, apud MAIA NETO, 1990). Dessa forma, a dispensação / distribuição de medicamentos é uma atividade técnico-científica de orientação ao paciente, com valorosa importância para a correta administração e eficácia do tratamento. Devendo, por isso, ser exclusividade de profissional tecnicamente habilitado, o farmacêutico, que integrado a um adequado sistema de distribuição, na farmácia hospitalar, atende a todas as áreas da instituição em que são utilizados medicamentos e correlatos (GARRINSON, 1979). 2.6 METODOLOGIA Tipo de pesquisa Esta pesquisa caracterizou-se como uma pesquisa bibliográfica, de cunho descritivo-analítico, em uma abordagem qualitativa População do universo e amostra

14 Literaturas acadêmicas específicas de Farmácia Hospitalar, assim como, consultas nas bases de dados Medine ( National Library of Medicine, Estados Unidos da América) e Lilacs ( Literatura Latino americana e do Caribe em Ciências da Saúde), da PAHO (Pan- Americaan Health Organization) usando os termos: distribuição de medicamentos, farmácia hospitalar, administração hospitalar, sistema de dose unitária Método utilizado para coleta de dados e para análise A realização da pesquisa foi realizada em duas fases. Inicialmente procedeuse uma revisão na literatura especializada da área de Farmácia sobre questões associadas à distribuição de medicamentos em dose unitária, artigos científicos, relacionados com administração hospitalar, manuais e diretrizes do Ministério da Saúde. Dos quais, foram extraídas informações que após análise selecionou-se as mais direcionadas ao trabalho fim deste projeto de pesquisa. A partir do conteúdo selecionado, redigiu-se o presente trabalho tendo por critério apresentar os elementos trazidos pelos diversos autores consultados no intuito de servir fomento para futuras discussões e questionamentos em torno da distribuição de medicamentos em dose unitária. 3 SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS A distribuição de medicamentos é o ato farmacêutico de distribuir um ou mais medicamentos a um paciente, geralmente como resposta à apresentação de uma prescrição elaborada por um profissional autorizado (Fig.1). Neste ato, o farmacêutico informa e orienta o paciente sobre o uso adequado do medicamento. São elementos importantes desta orientação, entre outros, a ênfase no cumprimento do regime de doses, a influência dos alimentos, a interação com outros medicamentos, o reconhecimento de reações adversas potenciais e as condições de conservação do produto (CFF, 1997).

15 Fig.1: Armazenamento e distribuição de Medicamentos Fonte: M.S. Guia Básico para a farmácia Hospitalar, Sistema pode ser definido como a disposição das partes ou dos elementos de um todo coordenados entre si, e que funcionam como estrutura organizada. (FERRAIRA, 1988). Portanto, os sistemas de distribuição devem consistir de etapas e elementos que possibilitem a integração perfeita entre a Farmácia Hospitalar, a Administração do Hospital e seus recursos humanos envolvidos. E para tanto, na busca dessa finalidade, os sistemas de distribuição podem ser compreendidos como um processo que envolve etapas como: o recebimento da prescrição, a análise e interpretação da terapêutica prescrita, a comunicação direcionada ao nível de entendimento do paciente, aviar ou distribuir segundo as normas. (CFF, 1999). Diante desse contexto, a implantação de um sistema de distribuição de medicamento (SDM) sofre a interferência direta de alguns fatores como: a necessidade de supervisão técnica adequada; as características do hospital (nível de complexidade, tipo de edificação e fonte mantenedora), a existência de padronização de medicamentos atualizada, uma gestão de estoque eficiente, um adequado controle de qualidade de produtos e processos, bem como um manual de normas e rotinas aplicável. Os objetivos de um sistema de distribuição de medicamentos de acordo com a organização Pan-Americana de saúde são: Reduzir erros de medicação: os principais erros citados são de incorreta

16 transcrição da prescrição, erros de via de administração, erros de formas farmacêuticas e falhas no planejamento terapêutico. Distribuir os medicamentos de forma ordenada e racional: significa facilitar a administração dos fármacos por uma distribuição ordenada, segundo horários e pacientes, em condições adequadas para a pronta administração dos medicamentos pela enfermagem. Prestar informações sobre os medicamentos: a respeito de sua estabilidade, características organolépticas, indicação terapêutica e contra-indicação. O farmacêutico deve ter acesso as informações sobre o paciente (idade, peso, diagnóstico, medicamentos prescritos), o que permite melhor avaliação da prescrição médica e monitorização da farmacoterapia. A informação detalhada pode alertar para eventuais reações adversas, interações medicamentosas, melhores horários de absorção de determinados medicamentos e, até mesmo, para o não cumprimento do plano terapêutico (CASSIANI e SILVA, 2004). Reduzir os custos dos medicamentos: com distribuição diferenciada por paciente e para um período de 24 horas. Dessa forma, ocorrerá naturalmente a diminuição dos gastos com doses excedentes e a melhora do controle de estoque e faturamento. Aumentar a segurança para os pacientes: obtida pelo somatório dos itens anteriores: adequação da terapêutica, redução de erros e racionalização da distribuição. Portanto para haver racionalidade e eficácia na escolha ou implantação de um sistema de distribuição, é fundamental que o farmacêutico esteja sempre atento às condições econômicas vigentes no país, pois as instituições hospitalares sofrem interferência tanto da política econômica racional como da sua própria economia. O farmacêutico, portanto, deve se preocupar com custos e receita. Além disso, são aspectos importantes: o controle de estoque, a padronização, o envolvimento de recursos humanos treinados e capacitados para o exercício das funções e o controle da qualidade de todos os processos abordados. É de extrema importância que se consiga atender a todas as áreas do hospital (MIRIAN e ELIAS, 2002). Na prática existem quatro (04) tipos de distribuição de medicamentos, a saber: coletivo, individual, combinado e dose unitária (GARRINSON, 1979).

17 3.1 SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO COLETIVO Segundo Lima, sistema de distribuição coletivo é o mais antigo de todos, pois não leva em conta a verdadeira função de uma Farmácia Hospitalar. A Farmácia serve, unicamente, como depósito ou central de abastecimento de medicamentos e materiais em que, simplesmente, faz o repasse desses produtos para as diversas seções do hospital. O sistema coletivo caracteriza-se, principalmente, pelo fato de os medicamentos serem distribuídos por setor, a partir de uma solicitação da enfermagem, implicando na formação de vários estoques nas unidades assistenciais. Os medicamentos são liberados sem que o serviço de farmácia tenha acesso às seguintes informações: para quem, porque e por quanto tempo o medicamento está sendo solicitado. A assistência ao paciente fica prejudicada e uma grave conseqüência é o alto índice de erros de administração de medicamentos, desde o ato da prescrição até o momento da administração dos mesmos. Como em todos os sistemas, apresenta algumas desvantagens, das quais pode - se citar: transcrições das prescrições médicas, falta de revisão da prescrição pelo farmacêutico, maior incidência de erros na administração de medicamentos, consumo excessivo do tempo da enfermagem em atividades relacionadas ao medicamento, uso inadequado de medicamentos nas unidades assistenciais, aumento de estoque nas unidades assistenciais (Fig. 2) e perdas de medicamentos, impossibilidade de faturamento real dos gastos por paciente, alto custo institucional, evasão e mistura de lotes. Fig. 2: Enfermaria e Farmácia Satélite Fonte:

18 As vantagens que aparecem nesse sistema são, na verdade, obstáculos para uma assistência farmacêutica de qualidade ao paciente, como: grande disponibilidade de medicamentos nas unidades assistenciais, redução do número de solicitações e aumento no número de devoluções de medicamentos à farmácia e necessidade de menor número de funcionários na farmácia. 3.2 SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO INDIVIDUALIZADO O sistema de distribuição individualizado caracteriza-se pelo fato do medicamento ser dispensado por paciente, geralmente, para um período de 24 horas. Esse sistema divide-se em: indireto e direto. O sistema de distribuição individualizado possui variações, que vão de acordo com as peculiaridades de cada instituição, como: forma da prescrição médica, o modo de preparo e distribuição das doses e fluxo de rotina operacional. A distribuição é baseada na transcrição da prescrição médica e solicitação à farmácia é feita por paciente e não por unidade assistencial, como no coletivo. No individualizado direto, a distribuição é baseada na cópia da prescrição médica, eliminando a transcrição. Neste contexto, é possível uma discreta participação do farmacêutico, diante da terapêutica medicamentosa prescrita. Podendo estas encaminhadas à farmácia sob diversas formas, tais como: prescrição com cópia carbonada, fotocópia da prescrição, prescrição via fax, prescrição informatizada, sistema de radiofreqüência interligando computadores e leitores ópticos. (Guia Básico de Farmácia Hospitalar, 1994) O sistema de distribuição individualizado pode ser operacionalizado de várias formas: Dispensados em um único compartimento, podendo ser um saco plástico identificado com a unidade assistencial, o número do leito, o nome do paciente, contendo todos os medicamentos, desordenados, para um período determinado que, geralmente, pode ser 12 horas, 24 horas ou por turno de trabalho (Fig. 3), Fornecidos dentro de embalagem plástica contendo divisórias obtidas por termo solda ou em escaninhos adaptáveis a carros de medicamentos, adequados ao sistema de distribuição, dispostos, segundo o horário de

19 administração constante na prescrição médica, individualizados e identificados para cada paciente e para, no máximo, de 24 horas. (Fig.4). Fig.3. Modelo de Distribuição de medicamentos individualizados Fonte: Drª Maria Cláudia.(portalfarmácia.com.br) Fig.4: Escaninho Adaptável para distribuição de medicamentos Fonte: Maia Neto, J. F. Farmácia Hospitalar e suas Interfaces com a Saúde. 1ª Edição. As principais desvantagens deste sistema podem ser citadas, como: erros de distribuição e administração, necessidade de um investimento inicial, consumo significativo do tempo de enfermagem e não permite controle total sobre as perdas econômicas (caducidade, doses não administradas, desvios e outros. (Guia básico de farmácia hospitalar, 1994) Por outro lado, o Sistema de Distribuição Individualizado possui inúmeras vantagens. Por exemplo: possibilidade de revisão das prescrições médicas, maior controle sobre o medicamento, redução de estoques nas unidades assistenciais, pode-se estabelecer devoluções, permitir faturamento mais apurado do gasto por paciente e melhor rastreabilidade dos produtos dispensados. 3.3 SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO COMBINADO OU MISTO Neste sistema de distribuição, a farmácia distribui alguns medicamentos, mediante solicitação da enfermagem, e outros por cópia da prescrição médica.

20 Portanto, parte do sistema é coletivo e parte individualizado. Geralmente, as unidades de internação, de forma parcial ou integral, são atendidas pelo sistema individualizado e os serviços de caráter ambulatorial ou urgências são atendidos pelo sistema coletivo. É indicado que, nesse sistema, as solicitações encaminhadas pelas unidades assistenciais sejam embasadas em uma relação de estoque, previamente estabelecida entre farmácia e enfermagem. Estes estoques deverão ser controlados e repostos pela farmácia, mediante documento justificando o uso do medicamento. 3.4 SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE DOSE UNITÁRIA (SDMDU) Segundo Garrison o sistema de distribuição por dose unitária é um método farmacêutico de controle e dispensação de medicamentos voltado para farmácia hospitalar. No qual, a distribuição ocorre em quantidade ordenada de medicamentos com forma e dosagem prontas para serem administradas ao paciente de acordo com a prescrição médica, num certo período de tempo. São três os tipos de sistema distribuição por dose unitária: Sistema Centralizado: As doses são preparadas na Farmácia Central e dali são distribuídas para todo o Hospital. Pelo fato da centralização, o controle de estoque e a supervisão da preparação das doses, pelo Farmacêutico, ficam mais contundentes Sistema Descentralizado: As doses são preparadas nas Farmácias Satélite (descentralizadas) e ao final de cada preparação, os quantitativos do consumo são enviados à Farmácia Central Sistema Combinado: Diz-se que o sistema é combinado quando ao mesmo tempo, que as Farmácias Satélites estão atuando na preparação de doses, a Farmácia Central deixara de operar e vice-versa. Este esquema facilita a adequação aos horários de

21 administração de doses e objetiva uma redução nos recursos humanos, aproveitando da melhor forma possível, o horário de trabalho do pessoal existente no quadro de funcionários da Farmácia Condições Básicas para um bom S.D.M.U.D.: * Existência da Comissão de Farmácia e Terapêutica para a padronização de Medicamentos; * Normas Escritas, manual de atividades (POP), a fim de evitar, portanto, a omissão dos elementos que trabalharão no sistema. Fig.5: Sistema de Distribuição de Medicamentos por Dose unitária. Fonte: SANTOS, André Morais dos; Just-in-time na distribuição desuprimentos no Ambiente Hospitalar. In: V Simpósio de Engenharia de produção, Os elementos principais que distinguem o SDMDU dos sistemas tradicionais são medicamentos contidos em embalagens unitárias, dispostos conforme horário de administração e prontos a serem administrados, segundo a prescrição médica, individualizados e identificados para cada paciente. Sua distribuição pode ser em embalagem plástica, com separações obtidas por solda ou em escaninhos adaptáveis a carros de medicamentos adequados ao sistema de distribuição (Fig.5). Fig.6: Carros com escaninhos para distribuição de medicamentos. Fonte:

22 Serviços que adotam o sistema de dose unitária, propriamente dito, deverão distribuir todos os medicamentos, em todas as formas farmacêuticas, prontos para o uso sem necessidade de transferências ou cálculos por parte da enfermagem (GARRINSON, 1979). A implantação do sistema de dose unitária requer um sistema de gerenciamento de medicamento efetivo, seguro e recursos humanos qualificados. Ou seja, técnicos ou auxiliares de farmácia devidamente treinados e, farmacêutico com conhecimento em farmacoterapia e farmacovigilância para participar da elaboração de adequadamente dos planos terapêuticos. Sendo assim, este é um sistema que melhor representa a intervenção prévia do farmacêutico no processo de distribuição de medicamentos pela farmácia hospitalar. Verificando se as doses unitárias estão de acordo com as segundas vias das prescrições médicas, supervisionando ou determinando o controle de estoque, registrando as receitas de psicotrópicos ou entorpecentes de acordo com a legislação vigente, analisando o perfil farmacoterapêutico do paciente e efetuando ou supervisionando a reposição dos medicamentos utilizados nas urgências. De uma maneira geral e de acordo com Cassiane e Silva (2004) este sistema pode diferir, na forma da execução, dependendo das condições e necessidades institucionais. Mas em geral, deve-se reconhecer que os princípios dos sistemas de Doses Unitárias são mais importantes que os procedimentos, tendo em vista que estes procedimentos foram corrigidos pela Sociedade Americana de Farmacêuticos dos Hospitais (ASHP) em boletins publicados em 1980 e 1989 e que se pode resumir em seis princípios: Os medicamentos devem ser identificados até o momento de sua administração, pois isenta o perigo potencial da troca de paciente. O serviço de Farmácia tem a responsabilidade de reenvasar e etiquetar todas as doses de medicamentos que são utilizados nos hospitais e isso deverá ser feito no serviço de Farmácia e sob a supervisão do farmacêutico. O ideal é que se dispense em cada ocasião a medicação para um só horário, mas na prática e devido os circuitos de visita dos médicos aos pacientes, esta

23 distribuição se realiza na maioria dos hospitais para 24hs, sempre tendo em vista que isto pode gerar erros e devendo ser estabelecido procedimentos que minimizem esta possibilidade. O farmacêutico deve receber a prescrição original e em sua defesa uma cópia exata da mesma. Na atualidade, o médico pode introduzir diretamente a prescrição no ordenador (prescrição eletrônica). Os medicamentos não devem ser dispensados até que o farmacêutico tenha avaliado a prescrição médica. A enfermaria recebe a medicação enviada pela farmácia e comprovará a concordância com a sua própria. Se for encontrada alguma discrepância será porque um deles foi interpretado de forma diferente da prescrição, necessitando um acordo com o médico. Desta forma muitos erros se detectaram e se evitaram (CASSIANE e SILVIA, 2004). Sua rotina operacional é cíclica, portanto um processo dinâmico. Onde cada passo tem sua importância não devendo haver atropelos, sob pena de interromper o processo em qualquer fase que se encontre. Sua distribuição pode ser em embalagem plástica, com separações obtidas por solda ou em escaninhos adaptáveis a carros de medicamentos adequados ao sistema de distribuição (Fig4.) A maior resistência à implantação do SDMDU encontra-se na necessidade de um aumento do quadro funcional da Farmácia Hospitalar e ao investimento inicial de capital para a aquisição de equipamentos, embalagens e materiais. Porém, justificase a implantação do SDMDU em razão de: Redução da incidência de erros de medicação; Diminuição do tempo utilizado pelo pessoal de enfermagem para a armazenagem e preparo de medicamentos, com a conseqüente elevação da qualidade assistencial; Economia de custo em atividades relacionadas aos medicamentos; Redução de estoques nas unidades assistenciais e das perdas relativas à caducidade, a falta de identificação de medicamentos e redução de desvios; Melhor controle e racionalização na utilização de medicamentos, através de monitorização da terapêutica;

24 Otimização da higiene e organização do sistema de distribuição, prevenindo possíveis contaminações e alterações; Grande adaptabilidade a sistemas automatizados e computadorizados; Garantia da utilização do medicamento certo, na dose certa e para a hora correta, segundo a prescrição médica. Algumas desvantagens podem ser vistas no SDMDU como o aumento das necessidades de recursos humanos e infra-estrutura da Farmácia Hospitalar, exigência de investimento inicial, incremento das atividades desenvolvidas pela farmácia e aquisição de materiais e equipamentos especializados (Fig.7). Fig.7: Modelo de Farmácia Hospitalar (SDMDU) Fonte: Mas, nesse sistema, as vantagens são inúmeras, como: redução de estoque nas unidades assistenciais ao mínimo necessário, diminuição drástica de erros de medicação, otimização das devoluções à farmácia, redução do tempo do pessoal de enfermagem dedicado às atividades com medicamentos (rapidez na administração de medicamentos), promoção do acompanhamento de pacientes, controle mais efetivo sobre medicamentos (por exemplo: controle de estoque, caducidade, doses e outros), integração do farmacêutico com a equipe de saúde, oferta de medicamentos em doses organizadas e higiênicas, aumento da segurança do médico e otimização da qualidade assistencial (FREITAS, 2004).

25 4 CONCLUSÃO Pelo exposto, conclui-se que os medicamentos, representantes importantes do orçamento hospitalar, necessitam da implantação de um sistema apropriado de distribuição, a fim de assegurar o uso racional, eficiente, econômico, seguro, que esteja de acordo com o esquema terapêutico prescrito que garanta o sucesso da terapêutica e da profilaxia instauradas no hospital. Ao falarmos em Sistema de Distribuição, falamos, na verdade, da maneira como o medicamento e materiais médicos hospitalares serão levados para os vários setores do hospital e, principalmente, como irão chegar aos pacientes. Barker e MacConnel (1962), em trabalho pioneiro, sobre problemas com medicamentos, demonstraram que o sistema tradicional de distribuição de

26 medicamentos, centrado nas atividades de enfermagem, apresenta taxa de 16,2% de erros de medicação. Assim, é valido ressaltar que: erro de medicação é qualquer evento evitável que, de fato ou potencialmente, pode levar ao uso inadequado de medicamento. Esse conceito implica que o uso inadequado pode ou não lesar o paciente. O sistema a ser implantado na farmácia de um hospital deverá assegurar o uso racional de medicamentos, a redução de erros, tornando eficaz a intervenção terapêutica, e conseqüentemente a diminuição da permanência do paciente no hospital. Além disso, o sistema adotado deverá permite ao farmacêutico maior controle sobre os medicamentos, a verificação do faturamento gasto por paciente. Facilitando, assim, a observância de custos e o controle de gastos/desperdícios. Quanto maior a eficiência e eficácia do sistema de distribuição de medicamentos e correlatos, maior contribuição será prestada para garantir o sucesso das terapêuticas e profilaxias instauradas. Os aspectos importantes para a racionalidade e eficácia do sistema de distribuição são: o controle de estoque, a padronização, o envolvimento de recursos humanos treinados e capacitados para o exercício das funções e o controle da qualidade de todos os processos abordados. É de extrema importância que se consiga atender a todas as áreas do hospital (BISSON & CAVALLINI, 2002). Assim, fica claro que, não basta apenas distribuir e dispensar bem os medicamentos e materiais. É preciso também comprar bem, receber bem e armazenar bem, evitando excesso de estoques, perdas por validade e armazenamento inadequado. O trabalho de logística é contínuo, mas pode sempre ser aprimorado e qualquer atitude por menor que possa parecer pode significar grande economia a médio e longo prazos (BARBIERI e MACHLINE, 2006). Dentre os métodos de distribuição abordados o método de distribuição de medicamentos por Dose Unitária oferece melhores condições para um adequado seguimento de terapia de medicamentos aos pacientes. Com a intervenção prévia do farmacêutico no processo de distribuição de medicamentos pela farmácia hospitalar, é possível verificar se as doses unitárias estão de acordo com as segundas vias das prescrições médicas, supervisionar ou determinar o controle de estoque, registrar as receitas de psicotrópicos ou entorpecentes de acordo com a legislação vigente, analisar o perfil fármaco-terapêutico do paciente e efetuar ou supervisionar a reposição dos medicamentos utilizados nas urgências.

27 O problema desse sistema é seu alto custo na implantação, que envolve máquinas, infra-estrutura e número de funcionários adequados. Mas, de acordo com pesquisas recentes, esse investimento é compensado pela redução de custos que pode variar de 25% a 40%, em geral e principalmente na redução dos desperdícios com medicamentos e materiais (ROSA, GOMES E REIS, 2003). Por fim, para um hospital/farmácia hospitalar racionalizar e viabilizar a assistência terapêutica ao paciente é necessário compreender todo o processo de distribuição de medicamentos e correlatos, analisar as informações, condições econômicas, bem como os recursos disponíveis no hospital. Pois, o sucesso da implantação dependerá da maneira correta de sua aplicação e ao adequado sistema de distribuição selecionado. Sendo assim, a gestão de estoques se reveste de valor especial, pois é um elo importante para que o hospital ou qualquer empresa, nos dias de hoje, alcance o seu propósito final que é proporcionar ao seu cliente um atendimento com qualidade. 5 REFERÊNCIAS BARKER K. N. e McConnel W. E. The problem of detecting medication errors in hospitals. Am J Hosp Pharm BRASIL MS, Guia Básico para a Farmácia Hospitalar. Brasília: Ministério da Saúde. CAVALLINI, Miriam Elias; BISSON, Marcelo Polacow. Farmácia Hospitalar: um enfoque em sistema de saúde. 1. ed. São Paulo: Manole, CASSIANI, Silvia Helena de Bortoli. A segurança de pacientes na utilização da medicação. São Paulo: Artes Médicas, 2004.

28 COIMBRA, J.A.H.; VALSECHI, E.A.S.de S.; CARVALHO, M.D.de B.; PELLOSO,S.M.Sistema de distribuição de medicamentos por dose unitária: reflexões para a prática da enfermagem. Rev.latino-am.enfermagem, RibeirãoPreto, v. 6, n. 4, p , outubro CFF, Resolução nº 300, de 30 de janeiro de Regulamenta o exercício profissional em Farmácia e unidade hospitalar, clínicas e casa de saúde de natureza pública ou privada. Disponível em acessado em 02/06/2009. FERREIRA, A.B.H. Dicionário Aurélio Básico da língua Portuguesa. Rio de Janeiro. Editora: Nova Fronteira. AS, FREITAS, Alessandra Russo. Vigilância Sanitária Hospitalar:Sistema de Distribuição de Medicamentos por Dose Unitária (SDMDU) em foco, Acesso em: 30 de março de GOMES, Maria José de Vasconcelos Magalhães. Ciências Farmacêuticas: uma abordagem em Farmácia Hospitalar. Ed Atheneu - 1ªed, 2003 MAIA NETO JF, Sistemas de Distribuição de Medicamentos. In: CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. Manual Básico de Farmácia Hospitalar. Brasília: Conselho Federal de Farmácia. p De acordo com: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS NBR 14724: Normas para apresentação de trabalhos científicos,teses, Dissertações e Monografias, Rio de Janeiro, Ministério da Saúde. Coordenação de Controle de Infecção Hospitalar. Guia Básico para a Farmácia Hospitalar. Brasília; 1994, M. S. Michaliszyn & R. Tomasini. Pesquisa: Orientações e normas para elaboração de projetos, monografias e artigos científicos. 3º ed. Petrópolis: Vozes, PATERNO, Dario. A Administração de Materiais no Hospital. 2. ed. São Paulo: Centro São Camilo de Desenvolvimento em Administração da Saúde, REIS, Vera L. S.; LIMA, Cássia R.; SILVA, Maria D. G. Sistema de Distribuição de medicamentos em Farmácia Hospitalar. In: GOMES, Maria J. V. M.; REIS, Adriano M. M. Ciências Farmacêuticas: uma abordagem em farmácia hospitalar. 1. ed. São Paulo: Atheneu, 2003.

29 Rosa, M. B. e Perini, E. Erros de Medicação: Quem foi? Revista da Associação Médica Brasileira, YUK, Caroline Silva; KNEIPP, Jordana Marques; MAEHLER, Alisson Eduard. Sistemática dedistribuição de medicamentos em organizações hospitalares. XV Congresso de Iniciação Científica. Universidade Federal de Pelotas. Disponível em: Acesso em: 23 de maio de WILKEN PRC, BERMUDEZ JAZ, A Farmácia no hospital: como avaliar? Rio de Janeiro: Editora Ágora da Ilha. ZUBIOLI, A. Conselho Federal de Farmácia edita Resoluções dispondo sobre Farmácia Hospitalar. Revista Pharmacia Brasileira, 2001.

30 ANEXOS MODELOS DE DISPENSAÇÃO Médico: prescreve os medicamentos para os diversos pacientes nas folhas de prescrições médicas. Enfermagem: efetua a transcrição da prescrição médica para o "Formulário de Solicitação de Medicamentos"em nome de todo o setor. Funcionário da Enfermagem: envia o formulário para a Farmácia. Funcionário da Farmácia: através do formulário efetua a distribuição de medicamentos. Auxiliar de Enfermagem: deve devolver à Farmácia os medicamentos não ministrados.

31 Distribuição Coletiva Médico: Prescreve na folha de prescrição médica (duas vias). Funcionário da Farmácia: Recolhe as segundas vias das prescrições médicas nas unidades e efetua o aviamento e distribuição dos medicamentos e Soluções de Grande Volume (S.G.V.) em sacos plásticos individuais devidamente identificados com os dados do paciente. Farmacêutico: Supervisiona o aviamento das segundas vias de prescrições médicas; Confere a dispensação de todos os medicamentos; Controla o estoque e registra as receitas de psicotrópicos e entorpecentes; Realiza fiscalizações periódicas nas unidades. Analisa o perfil farmacoterapêutico do paciente. Supervisiona a reposição dos medicamentos. Funcionário da Farmácia: Retorna as unidades com os medicamentos dispensados e as segundas vias das prescrições médicas e acompanha a conferência da medicação e do MMH. Contínuo da Unidade: Vai até a Farmácia apanhar as soluções de grande volume. Distribuição Individual Secretária da Unidade: Recebe os medicamentos. na presença do funcionário da Farmácia, conferindo o que está recebendo de acordo com as segundas vias das prescrições médicas. Funcionário da Farmácia: Retorna a Farmácia com as segundas vias das prescrições médicas assinadas e os medicamentos que não foram administrados aos pacientes; Diariamente visita as unidades e confere: Armário dos medicamentos a reposição de estoques das unidades. Médico: Prescreve na folha (duas vias). Atendente ou Auxiliar de Enfermagem: Retira do prontuário as cópias (segundas vias) das prescrições médicas. Funcionário da Farmácia: Vai ao posto de enfermagem, enfermarias ou apartamentos e recolhe: Cópias (das segundas vias) das prescrições. Receitas utilizadas para a retirada de medicamentos dos armários de urgências. Doses unitárias não ministradas. Funcionário da Farmácia prepara: Doses unitárias. "Bandejas" contendo os medicamentos a serem repostos nos armários com medicamentos de urgência (de acordo com as receitas).

32 As etiquetas das doses unitárias e revisa as receitas rubricando-as (para identificar quem preparou e/ou aviou as doses e receitas, respectivamente). Farmacêutico: Verifica se as doses unitárias preparadas estão de acordo com as segundas vias das prescrições médicas.; Faz ou supervisiona o controle de estoque e registra as receitas de psicotrópicos ou entorpecentes, de acordo com a legislação vigente; Analisa o perfil farmacoterapêutico do paciente; Efetua ou supervisiona a reposição dos medicamentos utilizados nas urgências. Atendente ou Auxiliar de Enfermagem: Recebe e confere as doses unitárias e faz a reposição dos medicamentos utilizados na urgência.; Reintroduz as segundas vias das prescrições nos prontuários (se for o caso). Enfermeiro: Ministra as doses unitárias. Distribuição por Dose Unitária

08/11/2012. Comissão de Farmácia Hospitalar 2012

08/11/2012. Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 Módulo 3 Sistemas de Distribuição Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 1 Erros de medicação ERRAR É HUMANO!!

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

OLINDA MARIANO DA SILVA SAUL VIEIRA CARVALHO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA DOSE INDIVIDUALIZADA NA MATERNIDADE DONA ÍRIS

OLINDA MARIANO DA SILVA SAUL VIEIRA CARVALHO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA DOSE INDIVIDUALIZADA NA MATERNIDADE DONA ÍRIS OLINDA MARIANO DA SILVA SAUL VIEIRA CARVALHO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA DOSE INDIVIDUALIZADA NA MATERNIDADE DONA ÍRIS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA BRASÍLIA 2006 OLINDA MARIANO DA SILVA SAUL VIEIRA CARVALHO

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. POP nº 06 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 30/07/2016

Leia mais

HEALTHCARE SOLUTIONS GESTÃO INTEGRADA DE MEDICAMENTOS PARA HOSPITAIS INOVADORES

HEALTHCARE SOLUTIONS GESTÃO INTEGRADA DE MEDICAMENTOS PARA HOSPITAIS INOVADORES HEALTHCARE SOLUTIONS GESTÃO INTEGRADA DE MEDICAMENTOS PARA HOSPITAIS INOVADORES UMA LONGA HISTÓRIA DE INOVAÇÃO EM SISTEMAS AUTOMATIZADOS SEGUROS E EFICIÊNTES PARA GESTÃO DE MEDICAMENTOS SOB MEDIDA «SWISSLOG,

Leia mais

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR As páginas que se seguem constituem as Declarações Europeias da Farmácia Hospitalar. As declarações expressam os objetivos comuns definidos para cada sistema

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: Técnico em farmácia

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: Técnico em farmácia Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 027 Município: Tupã Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: Técnico em Farmácia Qualificação:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

SETORES DA FARMÁCIA HOSPITALAR EUGENIE DESIRÈE RABELO NÉRI FARMACÊUTICA HOSPITALAR

SETORES DA FARMÁCIA HOSPITALAR EUGENIE DESIRÈE RABELO NÉRI FARMACÊUTICA HOSPITALAR SETORES DA FARMÁCIA HOSPITALAR EUGENIE DESIRÈE RABELO NÉRI FARMACÊUTICA HOSPITALAR CENTRAL DE ABASTECIMENTO FARMACÊUTICO Unidade que tem por finalidade manter e abastecer de modo dinâmico os estoques de

Leia mais

FARMACÊUTICA. Sammara Tavares Nunes Coord. Central de Abastecimento Farmacêutico CAF/HUWC

FARMACÊUTICA. Sammara Tavares Nunes Coord. Central de Abastecimento Farmacêutico CAF/HUWC LOGÍSTICA FARMACÊUTICA Sammara Tavares Nunes Coord. Central de Abastecimento Farmacêutico CAF/HUWC Central de Abastecimento Farmacêutico Unidade que tem por finalidade manter e abastecer de modo dinâmico

Leia mais

Peculiaridades da Logística. Em Saúde. Paulo Gadas JUNHO-14 1

Peculiaridades da Logística. Em Saúde. Paulo Gadas JUNHO-14 1 Peculiaridades da Logística Em Saúde Paulo Gadas JUNHO-14 1 Farmácias Satélites Vantagens e Desvantagens Paulo Gadas JUNHO-14 2 Paulo Gadas JUNHO-14 3 SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO UNITÁRIO MEDICAMENTOS SÃO

Leia mais

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos Atualizado: 10 / 05 / 2013 FAQ AI 1. Controle de medicamentos antimicrobianos (antibióticos) 1.1. Informações gerais 1.2. Uso contínuo (tratamento prolongado) 1.3. Retenção da segunda via da receita médica

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DA FARMÁCIA HOSPITALAR DE UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE ANÁPOLIS.

AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DA FARMÁCIA HOSPITALAR DE UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE ANÁPOLIS. Introdução AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DA FARMÁCIA HOSPITALAR DE UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE ANÁPOLIS. Iris Iasmine de Rezende Araújo (UEG), Jessyka Cordeiro de Godoi (UEG), Flavio Marques Lopes (UEG) flaviomarques@ueg.br

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Farmácia Hospitalar Código: FAR - 110 Pré-requisito: Sem pré-requisitos Período

Leia mais

11 Sep 12. Comissão de Farmácia Hospitalar 2012

11 Sep 12. Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar Heloisa Barreto Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 Gestão da Farmácia Hospitalar Heloisa Arruda Gomm Barreto Comissão de Farmácia Hospitalar

Leia mais

DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS EM DOSE UNITÁRIA - OPINIÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE AS MUDANÇAS NO PROCESSO DE TRABALHO

DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS EM DOSE UNITÁRIA - OPINIÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE AS MUDANÇAS NO PROCESSO DE TRABALHO DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS EM DOSE UNITÁRIA - OPINIÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE AS MUDANÇAS NO PROCESSO DE TRABALHO FARHAT,Eleide Margarethe 1 SANTOS, Danielle Teixeira 2 TOMCZAK, Maria Isabel 3 AMARAL,

Leia mais

Gerenciamento de Riscos a Saúde

Gerenciamento de Riscos a Saúde Gerenciamento de Riscos a Saúde O papel da Prescrição Eletrônica e Rastreabilidade na administração segura de medicamentos Serviço de Informática /CAISM Profa Dra Roseli Calil Hospital da Mulher Prof.

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU - UNIGUAÇU POLÍTICA DE DESENVILVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH A implantação

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

SERVIÇO FARMACÊUTICO EM UMA UNIDADE DE EMERGÊNCIA

SERVIÇO FARMACÊUTICO EM UMA UNIDADE DE EMERGÊNCIA SERVIÇO FARMACÊUTICO UMA UNIDADE DE ERGÊNCIA Junior André da Rosa Blumenau, 23 de maio de 2014 DECLARAÇÃO DE CONFLITO DE INTERESSES Declaro não haver nenhum conflito de interesse nesta apresentação. Parte

Leia mais

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS 10º Congresso Brasileiro de Enfermagem en Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e ESterilização- 2011 A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel CICLO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA O Ciclo da Assistência Farmacêutica compreende um sistema integrado de técnicas, científicas e operacionais SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

Objetivo Principal. Objetivos Secundários

Objetivo Principal. Objetivos Secundários Objetivo Principal O Personal Med Hospitalar foi resultado de um longo esforço de O&M em hospitais de vários portes e regiões do Brasil. O sistema foi concebido a partir do detalhamento de 176 processos

Leia mais

I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X

I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X T E C N O L O G I A D A I N F O R M A Ç Ã O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X PROCESSOS E

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS: Atendimento das Prescrições por Lote e com Uso de Palmtop

UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS: Atendimento das Prescrições por Lote e com Uso de Palmtop UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS: Atendimento das Prescrições por Lote e com Uso de Palmtop Hospital Nossa Senhora da Conceição SERVIÇO DE FARMÁCIA STELLA GOULART LAMEIRA Farmacêutica-Bioquímica Especialista

Leia mais

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Versão 3.00 2001 Introdução: Este guia visa a orientar o profissional farmacêutico sobre os genéricos, e como este deve proceder na hora de aviar uma receita nesta nova

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA.

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. ANDRADE 1, Elizandra Faria GRANDO 2, Simone Regina BÖING 3, Jaci Simão VIECELLI 4, Ana Maria SILVA 5, Jeane Barros

Leia mais

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento e Especialização

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento e Especialização F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor Titulação: Aprimoramento e Especialização Supervisora: Drª Sonia Lucena Cipriano Características: (duração 12 meses) Dirigido a farmacêuticos,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

TÍTULO: ERROS DE MEDICAÇÃO NA ENFERMAGEM: NO PACIENTE ADULTO HOSPITALIZADO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: ERROS DE MEDICAÇÃO NA ENFERMAGEM: NO PACIENTE ADULTO HOSPITALIZADO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ERROS DE MEDICAÇÃO NA ENFERMAGEM: NO PACIENTE ADULTO HOSPITALIZADO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA:

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. POP nº 05 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 11/12/2015 Elaborado

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS

DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE MEDICAMENTOS DEFINIÇÃO Dispensação é o ato de assegurar que o medicamento de boa qualidade seja entregue ao paciente certo, na dose prescrita, na quantidade adequada; que sejam fornecidas as informações

Leia mais

Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso)

Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso) Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso) Edimar Alves Barbosa (UFCG) eab@cct.ufcg.edu.br Luciano Gomes de Azevedo

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA)

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) ANEXO I Solicitação de Autorização de Funcionamento de Empresas Distribuidoras de Produtos Farmacêuticos (HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) A empresa interessada em desenvolver

Leia mais

Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro

Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro Halley Johanston Unysis Corporation, EUA Revista Informédica, 1 (2): 5-9, 1993. A utilização da Informática na gestão hospitalar evoluiu, nos últimos

Leia mais

PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503.

PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503. PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503. Ementa: Possibilidade de recusa na administração de um medicamento (preparado/diluído) por outro profissional. Administração

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CURVELO - FACIC

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CURVELO - FACIC POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CURVELO - FACIC CURVELO 2010 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...3 1.1Objetivos...3. 1.2 Comissão

Leia mais

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE INDAIATUBA - IESI INDAIATUBA/SP 2 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES André F. Soares Correia, FSM, andre.s.correia@hotmail.com¹ Virginia Tomaz Machado, FSM, vtmachado@hotmail.com²

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Aprova as diretrizes e estratégias para organização, fortalecimento e aprimoramento das ações e serviços de farmácia

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

MATRIZ DE PRIORIZAÇÃO GUT ERRO DE MEDICAÇÃO. Rosangela Jeronimo

MATRIZ DE PRIORIZAÇÃO GUT ERRO DE MEDICAÇÃO. Rosangela Jeronimo MATRIZ DE PRIORIZAÇÃO GUT ERRO DE MEDICAÇÃO Rosangela Jeronimo 2011 HOSPITAL SANTA CRUZ Filantrópico Foco na comunidade japonesa Localizado no bairro da Vila Mariana São Paulo 166 leitos destinados a internação

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

Check-list Procedimentos de Segurança

Check-list Procedimentos de Segurança Check-list Procedimentos de Segurança 1. Cultura de Segurança 1.1 1.2 Existe um elemento definido como responsável pelas questões da segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Nº FCCIR: 001 Tarefa: Recebimento de mmh e medicamentos para abastecer a farmácia Executante: Farmacêutico e/ou Auxiliar de Farmácia Resultados esperados: Estoque de acordo com a transferência. Recursos

Leia mais

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO FREIRE, Ana Maria de Sousa Silva OLIVEIRA, Thiciana Souza de RESUMO Objetivou-se, com este estudo, conhecer a opinião dos enfermeiros sobre a atividade

Leia mais

SERVIÇO DE FARMÁCIA DO HC/UFTM

SERVIÇO DE FARMÁCIA DO HC/UFTM SERVIÇO DE FARMÁCIA DO HC/UFTM Suely da Silva - Chefe da Unidade de Dispensação Farmacêutica do HC/UFTM - Filial EBSERH Mauritânia Rodrigues Ferreira Cajado - Farmacêutica da Dispensação do HC/UFTM Introdução

Leia mais

REVISÃO VACINAS 15/02/2013

REVISÃO VACINAS 15/02/2013 REVISÃO VACINAS 1. Conforme a Lei Federal n o 7.498/86, que dispõe sobre o exercício da enfermagem, são atividades privativas do enfermeiro: a) administrar medicamentos e prestar consultoria de b) observar

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade 1621131 - Produzido em Abril/2011 Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade é um modelo de mudança cultural e comportamental, através de uma liderança persistente

Leia mais

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013 COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013 Aprovado na 523ª Reunião Ordinária de Plenário de 26 de agosto de 2013. 1. Do Fato Assunto: Dispensação de medicamentos pelo Técnico de Enfermagem.

Leia mais

ATIVIDADES PARA A INCORPORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS MÉDICO- HOSPITALARES Ênfase em software/firmware

ATIVIDADES PARA A INCORPORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS MÉDICO- HOSPITALARES Ênfase em software/firmware ATIVIDADES PARA A INCORPORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS MÉDICO- HOSPITALARES Ênfase em software/firmware firmware Saide Jorge Calil Centro de Engenhara Biomédica Departamento de Engenharia Biomédica Faculdade de

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais

Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 Juno de 2010. ISSN: 1807-9350. Relatório:

Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 Juno de 2010. ISSN: 1807-9350. Relatório: Relatório: UMA AVALIAÇÃO DA GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOS HOSPITAIS DO MUNICÍPIO DE JAÚ E GARÇA, REGIÃO CENTRO-OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Paulo Fernando R. de Almeida Prof. Ms.

Leia mais

Logística e distribuição de medicamentos Gestão compartilhada Vanusa Barbosa Pinto Coordenadora do Núcleo de Assistência Farmacêutica HCFMUSP

Logística e distribuição de medicamentos Gestão compartilhada Vanusa Barbosa Pinto Coordenadora do Núcleo de Assistência Farmacêutica HCFMUSP Logística e distribuição de medicamentos Gestão compartilhada Vanusa Barbosa Pinto Coordenadora do Núcleo de Assistência Farmacêutica HCFMUSP Diretora da Divisão de Farmácia ICHC Agenda Perfil Farmácia

Leia mais

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo.

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 1 TEMA Assunto: Redes de computadores. Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 2 PROBLEMA Problema: Qual a importância de criar uma rede estruturada em instituições

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

Resumo: OBJETIVO METODOLOGIA

Resumo: OBJETIVO METODOLOGIA TÍTULO: CENTRO DE APOIO À TERAPIA RACIONAL PELA INFORMAÇÃO SOBRE MEDICAMENTOS RELATO DE 3 ANOS DE ATIVIDADE. AUTORES: Castilho, Selma Rodrigues, Gervásio, Gláucia, Ponciano, Fernanda, Gallazi, Aline Resumo:

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA SIMONSEN

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA SIMONSEN POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA SIMONSEN Padre Miguel, RJ 2012 1 POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA SIMONSEN A política de desenvolvimento de coleções

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Profª Dra Roseli Calil / DEC Enfº Adilton D. Leite / SADP A ANVISA, através da RDC (RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA da Agência Nacional

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

O Papel dos Protocolos Clínicos e das Recomendações Terapêuticas na Gestão Hospitalar

O Papel dos Protocolos Clínicos e das Recomendações Terapêuticas na Gestão Hospitalar O Papel dos Protocolos Clínicos e das Recomendações Terapêuticas na Gestão Hospitalar Piedade Ferreira/Rute Reis Infarmed 26 Outubro 2006 Objectivos 2006 Controlo do consumo de medicamentos Milhares Euros

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

PARECER COREN-SP CT 037/2013 PRCI

PARECER COREN-SP CT 037/2013 PRCI PARECER COREN-SP CT 037/2013 PRCI nº 100.547 Tickets nº 280.023, 280.980, 281.285, 281.909, 284.347, 284.740, 285.789, 288.464, 291.884, 295.419, 297.886. Ementa: Carro de emergência: composição, responsabilidade

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011 Assunto: Responsabilidade pelo Controle, Guarda e Dispensação de Medicamentos de Pesquisa Clínica. 1. Do fato Solicitado parecer sobre o controle, guarda e dispensação

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIT ITAPEVA, 2015 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

6ª Jornada de Gestão em Tecnologias da. Armazenamento e Distribuição de Materiais e Medicamentos em Ambientes Hospitalares

6ª Jornada de Gestão em Tecnologias da. Armazenamento e Distribuição de Materiais e Medicamentos em Ambientes Hospitalares 6ª Jornada de Gestão em Tecnologias da Informação em Saúde Armazenamento e Distribuição de Materiais e Medicamentos em Ambientes Hospitalares Pauta Apresentação da Associação Projeto de Automação na Farmácia

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 04: ATIVIDADES DO ENFERMEIRO ATIVIDADES DO ENFERMEIRO SUPERVISÃO GERENCIAMENTO AVALIAÇÃO AUDITORIA

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes AUDITORIA EM ENFERMAGEM UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes Conceito AUDITORIA é uma avaliação sistemática e formal de

Leia mais

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Assunto: Fluxo para solicitação, distribuição e dispensação do medicamento Palivizumabe para o tratamento profilático do Vírus Sincicial Respiratório (VSR) no Estado

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a RDC nº 44/2010

Perguntas e respostas sobre a RDC nº 44/2010 Perguntas e Respostas (atualizada em 27/01/2011) 1. De que trata a RDC 44/2010? Esta resolução estabelece novos mecanismos para a prescrição e o controle da dispensação de medicamentos antimicrobianos.

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DOS CURSOS DA FACULDADE DE ENGENHARIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DOS CURSOS DA FACULDADE

Leia mais

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR CONTEUDISTA (MESTRE) PARA O CURSO DE QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA, COM UTILIZAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DA

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES EM CONSULTA PÚBLICA Apresentação e orientações Este Formulário possui a finalidade de enviar contribuições

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais