Formação e Capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Formação e Capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI"

Transcrição

1 Formação e Capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI Texto para Discussão 1 Dezembro de 2010 Observatório SOFTEX Formação e capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI: texto para discussão 1

2 A DIMENSÃO DO DESAFIO Uma Visão Sistêmica da Escassez de Profissionais de TI Os empresários da Indústria Brasileira de Software de Serviços de TI (IBSS) percebem que a cada dia fica mais difícil encontrar profissionais para contratar e assim sustentar de modo competitivo os seus negócios. As razões da escassez de mão de obra em TI são conhecidas e debatidas com frequência. Existe entendimento de que o problema é complexo, possui causas diversas, requer atuação consistente e simultânea em várias frentes e mudança em processos que exigem tempo de maturação. Pensar a escassez, portanto, é pensar de modo sistêmico, utilizando um modelo que permita conectar as várias partes do problema em um todo compreensível para aqueles que o vivenciam. A seguir, apresenta-se uma ferramenta para pensar de modo sistemático, chamada diagrama causal. Ela ajuda a estruturar um modelo representativo da situação e buscar uma solução. Tal modelo facilita a comunicação e permite compartilhar dados, informações e conhecimentos de maneira racional e participativa. A partir desse modelo qualitativo causal e de estudos desenvolvidos no âmbito do Observatório SOFTEX, unidade de estudos e pesquisas da Sociedade SOFTEX, criou-se um simulador que permite, mediante alterações em parâmetros do modelo, visualizar cenários futuros da escassez de mão de obra em TI. O simulador não dá uma resposta precisa sobre a dimensão da escassez, mas mostra o impacto de decisões no agravamento ou na mitigação do problema. Formação e capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI: texto para discussão 2

3 ALGUMAS EVIDÊNCIAS E REFLEXÕES SOBRE AS VARIÁVEIS PRELIMINARES DO MODELO DA ESCASSEZ OS NÚMEROS DA ESCASSEZ O Observatório SOFTEX acredita que a falta de profissionais de TI irá se acentuar no decorrer dos anos. Com apoio de simulações baseadas na disciplina Dinâmica de Sistemas, e tendo como ponto de partida o número de assalariados com ocupações em software e serviços de TI e a produtividade e a receita gerada por estes profissionais, projetou o déficit de mão-de-obra, considerando cenários diversos. Levando-se em conta o Cenário Esperado, ou seja, aquele mais próximo ao que se acredita que ocorrerá, haverá um déficit, em 2013, de cerca de 140 mil profissionais. Esse déficit pode ser ainda maior se a IBSS se reorientar mais do que o esperado para serviços. Neste caso, segundo a estimativa do Observatório SOFTEX, o déficit, em 2013, seria de 200 mil profissionais. Em sentido contrário, em um cenário orientado a produtos, ele cairia para 80 mil profissionais. A projeção da escassez será revista e atualizada a partir do novo modelo em desenvolvimento, que considera um número maior de variáveis e fatores intervenientes. MERCADO DE TRABALHO PARA PROFISSIONAIS DE TI Mão de obra qualificada A Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI (IBSS) é responsável por apenas uma parte, e não a maior parte, dos postos de trabalho para profissionais de TI. Os empregadores são em sua maioria empresas com outras atividades-fim, tais como bancos, fábricas e estabelecimentos comerciais. As empresas desses setores econômicos, denominadas pelo Observatório SOFTEX de NIBSS (Não-IBSS), mantêm equipes internas de TI com os mais diversos fins, incluindo desenvolvimento de software e suporte técnico aos usuários. Ao longo dos anos, percebe-se, no entanto, uma participação cada vez maior da IBSS na geração de postos formais de trabalho para profissionais de TI (PROFSSs). Em 2003, os PROFSSs na IBSS representavam 20% do total. Essa participação chega a 27%, em Parcela considerável dos proprietários e sócios de empresas da IBSS também exerce ocupações relacionadas com TI. Nas microempresas e empresas de pequeno porte, eles acumulam atividades de desenvolvimento e de gestão do negócio. Muitas empresas surgem como uma alternativa de contratação de profissionais de TI fora do regime de CLT. O Observatório SOFTEX estima que algo em torno de vinte mil empresas da IBSS, das cerca de sessenta mil ativas no mercado, surgiram com esta finalidade. De 2003 a 2008, o número de PROFSSs na IBSS cresceu 13,2% a.a.. Nas empresas da NIBSS, 5,6% a.a., indicando uma provável terceirização de atividades de software e serviços de TI da NIBSS para a IBSS. No período, o número de proprietários e sócios da IBSS com atividades na empresa cresceu 4,0% a.a. Formação e capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI: texto para discussão 3

4 Em cenário de escassez, IBSS e NIBSS competem pelos profissionais de TI. Os mais qualificados são atraídos pelas empresas capazes de oferecer melhores salários e benefícios. O problema afeta sobretudo (mas não só) as pequenas empresas. Com dificuldades para ter acesso aos profissionais mais qualificados, muitas têm desenvolvido estratégias próprias para driblar a crise: buscar o profissional ainda em processo de formação, nos bancos escolares; criar programas próprios de treinamento; e apostar na criação de um ambiente de trabalho capaz de atrair (e manter) o profissional. A qualificação requerida para os PROFSSs varia em função do modelo de negócios da IBSS (produto e/ou serviços de maior ou menor valor agregado) e das necessidades de cada setor da NIBSS. Em ambos os casos, além do conhecimento técnico e de uma formação genérica, muitas vezes é requerido conhecimentos em áreas específicas de aplicação. Para os profissionais de TI que decidem pela criação de um empreendimento próprio, existe, ainda, a necessidade de capacitação e formação em gestão e empreendedorismo. O aumento no número de empreendedores reduz a oferta de PROFSSs, acirrando ainda mais a disputa por mão de obra no mercado formal de trabalho. Mão de obra ocupada em TI Em 2003: IBSS PROFSSs: IBSS Sócios: NIBSS PROFSSs: Em 2008: IBSS PROFSSs: IBSS Sócios: NIBSS PROFSSs: Fonte: Observatório SOFTEX, a partir de dados da PAS/IBGE e da RAIS/MTE, anos 2003 a Durante o período de 2003 a 2008, percebe-se uma alteração importante na composição da força de trabalho assalariada (PROFSSs), tanto na IBSS, como na NIBSS. Comparando-se os anos de 2003 a 2008, há um crescimento expressivo da participação de PROFSSs em ocupações classificadas pelo Observatório SOFTEX na categoria nível superior` (NS). Ela inclui os analistas de sistemas computacionais; os administradores de redes, sistemas e banco de dados; e os engenheiros em computação. Também aumenta ligeiramente a participação de profissionais de nível gerencial` (NG), categoria que abrange diretores de serviços de informação e gerentes de TI. A terceira categoria utilizada pelo Observatório, profissionais de nível técnico` (NT), perde participação no total de PROFSSs, especialmente na IBSS (queda de 17 p.p.). Na NIBSS, em 2008, os NT ainda são a maioria, embora tenha ocorrido, também, uma forte redução na sua participação (queda de 11 p.p.). A categoria NT inclui técnicos em desenvolvimento de sistemas e aplicações; técnicos em operação e monitoração de computadores; operadores de rede de teleprocessamento e afins; operadores de equipamentos de entrada e transmissão de dados; e técnicos em telecomunicações. Formação e capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI: texto para discussão 4

5 Distribuição percentual dos PROFSSs na IBSS e na NIBSS, por categorias ocupacionais 2003 e 2008 IBSS % NG NIBSS % NG 43% NS NT 27% NS NT 55% 70% IBSS % NG NIBSS % NG NS NS 38% NT 37% NT 58% 59% Salários de profissionais de TI Em 2008, a remuneração média mensal de um PROFSSs na IBSS foi de R$ Na NIBSS, ela foi ligeiramente inferior: R$ No que diz respeito às empresas da NIBSS, observam-se diferenças significativas entre as médias salariais verificadas nos setores econômicos. Elas resultam do tipo de atividade de software ou de serviços de TI realizada em cada setor, que pode requerer maior ou menor participação de profissionais qualificados no quadro de pessoal, puxando a média para cima ou para baixo, respectivamente. O salário médio dos PROFSSs também varia em função do porte das empresas, da sua localização e dos acordos sindicais realizados em cada setor. Na IBSS, para o período de 2003 a 2008, a taxa média de crescimento real do salário médio foi de 1,5% a.a. Na NIBSS, de 2,5%. Como resultado da mudança na composição do quadro de pessoal, que resultou em uma participação maior de NG e NS no total de PROFSSs, o salário médio para o total da IBSS e da NIBSS cresce. No entanto, quando se analisa a média salarial de cada categoria ocupacional separadamente, observa-se queda em várias delas. Assim, por exemplo, em termos reais, a remuneração média mensal de um analista de sistemas computacionais cai de R$ 4.150, em 2003, para R$ 3.646, em A queda salarial parece se explicar pela utilização, em cada categoria ocupacional, de pessoal com menor qualificação e/ou experiência na função. Formação e capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI: texto para discussão 5

6 Salário médio de PROFSSs (mês dezembro) Em 2003: IBSS: R$ NIBSS R$ Em 2008: IBSS: R$ NIBSS: R$ Valores deflacionados pelo IPCA, ano-base Fonte: Observatório SOFTEX, a partir de dados da RAIS/MTE, período 2003 a Remuneração mensal de PROFSSs empregados na IBSS, por categoria ocupacional período 2003 a 2008 Em R$, ref. mês de dezembro, valores deflacionados pelo IPCA, ano-base Diretores de serviços de informática Gerentes de tecnologia da informação Engenheiros em computação Administradores de tecnologia da informação Analistas de tecnologia da informação Técnicos em telecomunicações Técnicos de desenvolvimento de sistemas e aplicações Técnicos em operação e monitoração de computadores Operadores de rede de teleprocessamento e afins Operadores de equipamentos de entrada e transmissão de dados Formação e capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI: texto para discussão 6

7 Remuneração mensal de PROFSSs empregados na NIBSS, por categoria ocupacional - período 2003 a 2008 Em R$, ref. mês dezembro, valores deflacionados pelo IPCA, ano-base Diretores de serviços de informática Gerentes de tecnologia da informação Engenheiros em computação Administradores de tecnologia da informação Analistas de tecnologia da informação Técnicos em telecomunicações Técnicos de desenvolvimento de sistemas e aplicações Técnicos em operação e monitoração de computadores Operadores de rede de teleprocessamento e afins Operadores de equipamentos de entrada e transmissão de dados Negócios em Software e Serviços de TI Em 2008, a receita líquida da IBSS foi de R$ 47,5 bilhões. Ela cresceu, em média, 8,2% a.a., mostrando desempenho superior ao PIB brasileiro (5,0% a.a.). Receitalíquida da IBSS Em R$ bilhões Valores deflacionados pelo IGP-DI, ano-base ,0 45,0 40,0 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 47,5 bi Fonte: Observatório SOFTEX, a partir da PAS/IBGE, anos diversos. Formação e capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI: texto para discussão 7

8 O Observatório SOFTEX desenvolveu uma metodologia para estimar a parte da receita liquida da IBSS gerada pelos PROFSSs. Esse valor estimado foi denominado de VRProfssTotal. Ele exclui da receita da IBSS a parcela que, segundo a metodologia, provém das atividades realizadas por outros assalariados (não-profsss), por proprietários e sócios e por terceirizados (empresas ou pessoas físicas contratadas como autônomo). Em 2008, o VRProfssTotal da IBSS foi de R$ 14,9 bilhões. Ele cresceu, em termos reais, ao longo do período de 2003 a 2008, 11,2% a.a. A taxa é superior à verificada para a receita líquida total da IBSS, indicando uma participação cada vez maior dos PROFSSs na receita. O VRProfssTotal da NIBSS, valor estimado em reais para as atividades exercidas pelos PROFSSs empregados na NIBSS, também cresce no período, ainda que de modo modesto, registrando média de 3,6% ao ano. O montante a que se chega, em 2008, é expressivo: R$ 34,6 bilhões. VRProfssTotal (R$ mil) IBSS NIBSS VRProfssTotal (R$ mil) Em 2003: IBSS: R$ NIBSS R$ Em 2008: IBSS: R$ NIBSS: R$ Valores deflacionados pelo IGP-DI, ano-base Fonte: Observatório SOFTEX, a partir dados da PAS/IBGE e RAIS/MTE, período 2003 a Produtividade dos PROFSSs Conforme metodologia do Observatório SOFTEX, a produtividade dos PROFSSs (ou VRProfssMedio) é calculada dividindo-se o VRProfssTotal pelo número de PROFSSs. Para o período compreendido entre 2003 e 2008, tanto na IBSS quanto na NIBSS, verifica-se queda no VRProfssMedio (média de -1,8% a.a. na IBSS e - 1,9% a.a. na NIBSS). A queda de produtividade ocorre em todas as ocupações incluídas pelo Observatório SOFTEX na categoria PROFSSs. São elas: diretores de serviços de informática; gerentes de TI; engenheiros em computação; analistas de sistemas computacionais; administradores de redes, sistemas e banco de dados; técnicos no desenvolvimento de aplicações e sistemas; técnicos em operação e monitoração de computadores; operadores de equipamentos de entrada e transmissão de dados; operadores de redes de teleprocessamento e afins; e técnicos em telecomunicações. Na IBSS, não só a produtividade dos PROFSSs, mas também a do total das pessoas ocupadas (assalariados mais sócios) se reduz no período de 2003 a Uma possível explicação pode ter a ver com uma orientação para modelo de negócios baseado em serviços de menor valor agregado. Essa orientação pode ser um sinal de adaptação da IBSS às necessidades e Formação e capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI: texto para discussão 8

9 oportunidades do mercado; a ocupação possível na divisão de trabalho em nível global, que reserva para os países centrais os negócios e os serviços mais lucrativos. Pode ser também um indício de que a indústria trata de se adequar à queda na qualidade do seu principal insumo: o capital humano. Ela estaria seguindo o princípio darwinista de adaptar-se ao ambiente para garantir a sua sobrevivência. Essas são hipóteses que precisam, ainda, de melhor investigação. Produtividade - VRProfssMedio (R$ mil / pessoa) 160,00 140,00 120,00 100,00 80,00 60,00 40,00 20,00 0,00 IBSS NIBSS Linear (IBSS) VRProfssMedio (R$ mil/pessoa) Em 2003: IBSS: R$ 133,8 NIBSS R$ 112,9 Em 2008: IBSS: R$ 122,3 NIBSS: R$ 102,6 Valores deflacionados pelo IPCA, ano-base Fonte: Observatório SOFTEX, a partir dados da PAS/IBGE e RAIS/MTE, período 2003 a MERCADO DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE TI Formação de nível superior Vagas O número de vagas oferecido pelas instituições de ensino de nível superior (IESs) em cursos de Computação e Informática cresce no período de 2003 a As maiores taxas médias de crescimento são verificadas para os cursos de mais curta duração (dois anos, em geral) na modalidade denominada tecnologia` (22,4% a.a.). O número de vagas fornecidas para cursos de bacharelado, com duração de quatro ou cinco anos, cresce 3,8% a.a. Parte significativa da oferta de vagas é em IESs privadas. Em 2008, as instituições públicas contribuíram com apenas 9,6% das vagas oferecidas na modalidade bacharelado e 7,2%, na modalidade tecnologia. Fonte: Observatório SOFTEX, a partir dados do INEP/MEC, período 2003 a Formação e capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI: texto para discussão 9

10 Candidatos Seguindo a tendência já verificada para as vagas fornecidas pelas IESs, também se observa um crescimento relevante no número de candidatos na modalidade tecnologia (11,3% a.a.). Para o período 2003 a 2008, não há crescimento no número de candidatos para cursos de bacharelado em Computação e Informática. Em ambas as modalidades, a relação candidato-vaga cai ao longo do período. Fonte: Observatório SOFTEX, a partir dados do INEP/MEC, período 2003 a Ingressantes No período em análise, o número de ingressantes em cursos de bacharelado cai ao longo dos anos a uma taxa média de 0,9% a.a.. A quantidade de ingressantes nos cursos de tecnologia aumenta no período (18,9% a.a.), embora menos que as vagas oferecidas. Nos cursos de tecnologia, do total de vagas oferecidas em 2008, 46,4% foram preenchidas. Para cursos na modalidade bacharelado, apenas 29,0% das vagas. A baixa relação entre vagas e ingressantes mostra desajustes entre a oferta e a demanda e um subaproveitamento da infraestrutura e dos recursos disponíveis nas IESs, o que ocorre, sobretudo, nas IESs privadas. Em 2008, 18,2% dos ingressantes em cursos de bacharelado na área de Computação e Informática ingressaram em IESs públicas. Na modalidade tecnologia, esse percentual foi de 14,1% Fonte: Observatório SOFTEX, a partir dados do INEP/MEC, período 2003 a Formação e capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI: texto para discussão 10

11 Egressos De 2003 a 2008, pessoas concluíram cursos na área de Computação e Informática, nas modalidades bacharelado ou tecnologia. O número de egressos cresceu a taxas médias de 7,8% a.a. e 15,3% a.a, respectivamente. Apesar do crescimento superior na modalidade tecnologia, durante o período, a maioria dos egressos ainda era oriunda de cursos de bacharelado. Em 2008, dos graduados bacharéis, 18,1% eram provenientes de instituições públicas. Na modalidade tecnologia, a participação das públicas no total de concluintes foi de 15,7%. Mantidas as taxas de crescimento observadas para o período 2003 a 2008, a quantidade de egressos de cursos de graduação em Computação e Informática provavelmente seria suficiente para atender às necessidades do setor. O problema da escassez parece ser mais de qualidade do que de quantidade. Fonte: Observatório SOFTEX, a partir dados do INEP/MEC, período 2003 a Formação de nível técnico profissionalizante Durante o período de 2007 a 2009, a quantidade de matriculados em cursos de nível médio profissionalizante com ênfase em Computação e Informática cresceu, em média, 15,2% a.a. As matrículas incluem duas modalidades de cursos: concomitante (conteúdo profissionalizante é fornecido integrado às disciplinas do ensino médio tradicional, educação especial ou educação de jovens e adultos) e sequencial (conteúdo profissionalizante é ministrado após a oferta das disciplinas do ensino médio). Os cursos técnicos sequenciais têm nos cursos superiores de tecnologia fortes concorrentes. Por questões de status e perspectiva profissional e salarial, alunos egressos do curso médio têm optado por ingressar nos cursos de nível superior. Os melhores cursos técnicos na modalidade concomitante atraem os melhores alunos. Finalizado o curso profissionalizante, estes preferem dar continuidade à sua formação acadêmica ao invés de trabalhar como técnicos. Como resultado, o mercado carece de bons técnicos. QUALIDADE DA EDUCAÇÃO Qualidade em cursos de nível superior O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) é uma combinação de variáveis diversas, incluindo o perfil socioeconômico e as habilidades inerentes aos alunos que ingressam Formação e capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI: texto para discussão 11

12 em determinado curso e a contribuição do próprio curso para a formação específica do aluno. O resultado é uma pontuação para o curso que varia de 1 a 5, sendo 5 o valor máximo. Em exame realizado em 2008, 70,0% dos cursos de bacharelado em Computação e Informática e 74,0% dos cursos na modalidade tecnologia foram pontuados com notas 2 ou 3. Entre os cursos de tecnologia, encontra-se uma quantidade superior de notas 1 e, entre os de bacharelado, uma quantidade maior de notas 5. No geral, os cursos das IESs públicas obtiveram pontuação superior ao das instituições privadas. Os melhores resultados foram obtidos pelas IESs públicas federais. Essas instituições, contudo, são responsáveis por uma quantidade muito pequena do total de cursos oferecidos. Por outro lado, apesar da sua, em geral, alta excelência, as instituições públicas parecem ter mais dificuldades que as demais para incorporar mudanças, o que se torna um problema sério no cenário atual, de rápida transformação tecnológica. As informações obtidas através do Enade podem ser complementadas pelo Indicador de Diferença de Desempenho (IDD), uma estimativa do valor que um curso agrega ao desenvolvimento das habilidades acadêmicas, das competências profissionais e do conhecimento específico do aluno. Em 2008, 70,5% dos cursos de bacharelado e 64,9% dos de tecnologia avaliados pelo IDD, com pontuações que variavam entre 1 e 5, receberam nota 2 ou 3. Da mesma forma que no Enade, entre os cursos de tecnologia, encontra-se uma quantidade superior de notas 1 e, entre os cursos de bacharelado, de notas 5. As IESs públicas e, em especial, as federais, tendem a obter melhor pontuação no Indicador. A Tabela abaixo apresenta a distribuição percentual dos cursos de bacharelado em Computação e Informática, relativos ao ano de 2008, considerando o Conceito Preliminar de Curso (CPC). O CPC combina o desempenho obtido pelos estudantes no Enade e os resultados do IDD com avaliações da infraestrutura e das instalações físicas, dos recursos didático-pedagógicos e do corpo docente das IESs. Também no caso do CPC, percebe-se uma concentração maior de notas superiores nos cursos oferecidos pelas IESs públicas. Em termos relativos, o melhor desempenho é apresentado pelos cursos das federais. Pontuação CPC Total de cursos Total de cursos em Total de cursos em IESs públicas IESs públicas federais 1 0,7% 0,9% 2 26,7% 14,4% 3 56,0% 39,9% 22,0% 4 13,6% 29,7% 48,0% 5 2,9% 15,3% 30,0% Fonte: Observatório SOFTEX, a partir de dados SINAES/MEC, Quando comparados aos cursos de bacharelado, os cursos na modalidade tecnologia, justamente os que apresentam um crescimento acelerado em termos de vagas, ingressantes e egressos, recebem relativamente mais notas inferiores nas três avaliações consideradas: Enade, no IDD e no CPC. Formação e capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI: texto para discussão 12

13 Pontuação ENADE IDD CPC Bacharelado Tecnologia Bacharelado Tecnologia Bacharelado Tecnologia 1 2,6% 8,6% 3,3% 13,8% 0,7% 4,4% 2 24,9% 40,8% 22,9% 30,3% 26,7% 47,4% 3 45,1% 33,2% 47,6% 34,6% 56,0% 38,5% 4 21,6% 14,1% 19,2% 14,9% 13,6% 7,0% 5 5,8% 3,3% 7,0% 6,4% 2,9% 2,6% Fonte: Observatório SOFTEX, a partir de dados SINAES/MEC, Não se dispõe de série histórica (Enade, IDD ou CPC) para avaliação de cursos superiores de Computação e Informática ao longo dos anos. No entanto, empresários da IBSS que contratam egressos das IESs percebem que a cada ano cai a qualidade destes. Também consideram que parte das dificuldades que possuem para recrutamento de PROFSSs com a qualificação necessária seria resolvida se houvesse um esforço orquestrado em prol da melhoria da qualidade dos egressos dos cursos que alimentam o setor. Pelo seu lado, professores e coordenadores de cursos da área de Computação e Informática reconhecem que a bagagem cognitiva trazida pelo aluno que ingressa nos cursos universitários piora a cada ano. Qualidade na Educação Básica O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (SAEB) coleta informações sobre o desempenho acadêmico de alunos em língua portuguesa e matemática, apontando o que sabem e são capazes de fazer, em diversos momentos de seu percurso escolar. A população de referência do SAEB é composta por alunos brasileiros do ensino regular, de todas as unidades da federação, que frequentam a 4 a e 8 a séries do ensino fundamental e a 3 a série do ensino médio. Durante o período de 1995 a 2005, observa-se queda nas médias de proficiência em Matemática, para alunos das três séries avaliadas pelo SAEB. A perda do conhecimento básico em Matemática, verificada ao longo dos anos de ensino fundamental e médio, afeta, de modo ainda não mensurado pelo Observatório SOFTEX, a qualidade dos alunos que ingressam nos cursos de nível superior. O impacto é especialmente relevante para os cursos que têm no domínio dos saberes lógico-racionais um de seus pilares, como é o caso, por exemplo, dos cursos de Computação e Informática. Assim, tudo leva a crer que o problema da escassez de mão de obra em TI seja mais de qualidade do que de quantidade. Qualidade entendida em duas perspectivas diferentes: a queda, ao longo dos anos, nas competências e habilidades que o egresso desenvolve durante o período da sua formação acadêmica e o desajuste entre as competências e habilidades ensinadas na academia e as competências e habilidades requeridas pelo mercado de trabalho. Formação e capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI: texto para discussão 13

14 Fonte: INEP/MEC, SAEB 2005 Primeiros resultados: média de desempenho do SAEB/2005 em perspectiva comparada. POLÍTICAS PÚBLICAS E MACROINDICADORES ECONÔMICOS O Observatório SOFTEX trabalha com alguns macroindicadores, a seguir descritos, para captar os resultados globais das políticas públicas que afetam a economia do país como um todo e também os negócios da IBSS. Encargos trabalhistas e benefícios concedidos a empregados da IBSS Entre os pesquisadores, não há consenso no que se refere à fórmula para apuração dos encargos trabalhistas. Como resultado, o percentual de encargos calculado sobre os salários pode variar de modo significativo. Para efeito do cálculo aqui utilizado, incluíram-se os encargos propriamente ditos e os benefícios diversos concedidos aos trabalhadores, em virtude da legislação do trabalho e das negociações sindicais. Os benefícios concedidos acabam sendo uma forma complementar de salário, já que se destinam diretamente a um dado trabalhador. Os resultados obtidos mostram que, ao longo do período de 2003 a 2008, o valor desembolsado pelas empresas da IBSS, a título de encargos trabalhistas e benefícios, manteve um percentual mais ou menos fixo em relação ao total pago em salários e outras remunerações (52,6%, em 2003; 55,0% em 2008). Os encargos trabalhistas foram responsáveis por algo em torno de 24% do percentual e os benefícios concedidos aos trabalhadores por cerca dos 30% restantes. Formação e capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI: texto para discussão 14

15 Macro Indicadores 100,00 90,00 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00 Encargos trabalhistas e benefícios IBSS (% do salário recebido) Fonte: Observatório SOFTEX, a partir de dados da PAS/IBGE, anos diversos. Carga tributária do país (% sobre o PIB) No Brasil, a carga tributária permaneceu mais ou menos constante no período de 2003 a Ela se encontra na mesma faixa verificada para países europeus e o Canadá. No entanto, é muito superior à carga praticada em outros países (por exemplo, Estados Unidos, China, Índia, Argentina e Chile). Também parece ser muito elevada, quando se considera a qualidade dos serviços públicos oferecidos em troca dos tributos pagos. A tributação excessiva trabalha contra o objetivo de inserção do país na economia global, já que contribui para a perda de competitividade do setor produtivo. Macro Indicadores 100,00 90,00 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00 Carga Tributária do país (% do PIB) Carga tributária Países selecionados (%PIB) Argentina 22,9% BRASIL 34,9% Canadá 33,4% Chile 17,1% China 17,0% Colômbia 23,0% Estados Unidos 28,2% Índia 17,7% Média países OECD 36,0% Fonte: Brasil: Ipeadata, anos diversos; países selecionados: Observatório SOFTEX, a partir do Index of Economic Freedom, Heritage Foundation, 2009, apud in org/wiki/ carga_tributaria, em 30/11/2010. Dados para o Brasil: Ipeadata, Balança comercial As exportações brasileiras cresceram de modo contínuo durante o período 2003 a Após a queda nas exportações e importações, verificada no ano de 2009, como reflexo da desaceleração global, o fluxo comercial entre os países voltou a crescer. A nova tendência, que já vinha se insinuando desde 2006, é de redução no saldo da balança comercial brasileira. Formação e capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI: texto para discussão 15

16 Macro Indicadores Exportação FOB Importação FOB Saldo da Balança Comercial Brasil (US$ milhões) Fonte: Bacen, anos diversos. Taxa de câmbio R$/US$ A valorização do real afeta as exportações brasileiras. Os serviços prestados pela IBSS tornam-se especialmente caros quando comparados aos das concorrentes estrangeiras. Aumenta a dificuldade de a IBSS adotar um modelo de negócios inspirado na experiência indiana, baseado na oferta de serviços de baixo valor, com baixo custo. Para manter-se no mercado externo, provavelmente a IBSS terá de buscar um modelo de negócios diferenciado, orientado para produtos ou serviços de maior valor agregado, cuja vantagem competitiva não esteja no preço final do bem ou serviço. Neste caso, a questão da qualidade da educação torna-se ainda mais crítica. Macro Indicadores Câmbio médio (R$ / US$) 3,5 3 2,5 2 1,5 1 0, Fonte: Ipeadata, anos diversos. Risco Brasil Após o crescimento observado no período 2006 a 2008, em 2009, o Risco Brasil volta a cair, finalizando o ano com pontuação de 196. Em 2010, a pontuação cai ainda mais, chegando em novembro a 172. A queda no Risco Brasil é um bom indicador da confiança dos investidores estrangeiros no país. Formação e capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI: texto para discussão 16

17 Macro Indicadores Fonte: Corecon, SP. Risco Brasil Taxa de juros Selic A tendência à queda verificada na taxa de juros Selic dá ânimo à economia e estimula o crescimento. O sistema de crédito cresce, o volume de dinheiro em circulação aumenta e as pessoas consomem mais. A facilidade em obter financiamento pode contribuir para que as pequenas empresas cresçam, surjam novos negócios e os empregos se multipliquem. Em 2009, a meta Selic estabelecida na última reunião do COPOM foi de 8,75%. Em 2010, a meta definida no encontro de 20 de outubro foi de 10,75%. Macro Indicadores Taxa de juros (Selic) - % 20,00 18,00 16,00 14,00 12,00 10,00 8,00 6,00 4,00 2,00 0, Fonte: Banco Central, apud in PIB Brasil No período 2003 a 2008, o PIB brasileiro cresce a uma taxa média de 5,0% a.a. Para o mesmo período, a IBSS mostrou desempenho superior, crescendo em média 8,2% a.a.. Formação e capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI: texto para discussão 17

18 Valores deflacionados pelo IGP-DI, ano-base Fonte: Observatório SOFTEX, a partir de dados do IBGE, anos diversos. Os macroindicadores econômicos apontam para um cenário promissor para a IBSS, que deve continuar a crescer mais que o PIB brasileiro, ampliando a sua participação na economia, gerando maior riqueza e uma quantidade maior de postos de trabalho. Para a IBSS, a alternativa com menos restrições parece ser concentrar-se no mercado interno, pleno de boas oportunidades (mais recentemente, entre elas, os eventos esportivos de 2014 e 2016). A atratividade do mercado brasileiro trabalha no sentido de adiar a urgência e relaxar os constrangimentos que poderiam impeli-la para soluções que incluam o mercado externo como uma opção importante e necessária de negócios. A capacidade de a IBSS obter mais ou menos vantagens do ambiente favorável, e superar as dificuldades de ampliar a sua participação no mercado externo, dependerá das medidas a serem tomadas e dos compromissos a serem assumidos pelos diferentes players. Dependerá, também, das respostas a serem dadas ao problema da escassez de mão de obra em TI. Que, por sua vez, seguindo a lógica de pensar de modo sistêmico, remete à questão de decidir que modelo de negócios, que competências e aonde se quer chegar. Contribua com este documento, enviando os seus comentários e recomendações de mudança para o Formação e capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI: texto para discussão 18

19 Notas: IBSS: Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI. Para os anos 2003 a 2005, inclui as empresas com fonte principal de receita nas atividades da Divisão 72 da versão 1.0 da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE), Atividades de Informática e Serviços Relacionados. Para os anos 2006 a 2008, inclui as empresas com fonte principal de receita em atividades pertencentes à Divisão 62, ao Grupo 63.1 e à Classe da versão 2.0 da CNAE. Utiliza-se indústria, neste caso, em seu sentido genérico, como um grupo de empresas que compartilham um método comum de gerar dividendos, embora não pertençam, necessariamente, ao segundo setor. NIBSS: Não-IBSS. Inclui as empresas pertencentes a todas as divisões da CNAE, exceto aquelas incluídas na IBSS. PROFSSs: Profissionais com emprego formal, com vínculo empregatício ativo em 31/12, pertencentes às seguintes famílias ocupacionais da Classificação Brasileira de Ocupações: Diretores de Informática; Gerentes de TI; Engenheiros em Computação; Administradores de Redes, Sistemas e Banco de Dados; Analistas de Sistemas Computacionais; Técnicos de desenvolvimento de sistemas e aplicações; Técnicos em operação e monitoração de computadores; Operadores de entrada e transmissão de dados; Operadores de redes de teleprocessamento e afins; Técnicos em telecomunicações. O cálculo de PROFSSs foi realizado na versão1.0 da CNAE, para os anos 2003 a 2005, e na versão 2.0, para os anos 2006 a Para dados da NIBSS, foi descontado o efeito Rondônia. Salário médio: Refere-se à remuneração média mensal apurada em dezembro de cada ano. Valores em R$, deflacionados pelo IPCA, ano-base No caso da NIBSS, dados incompletos para o Estado de Rondônia. O conceito do salário aqui utilizado inclui as importâncias pagas a título de salários fixos, honorários da diretoria, comissões sobre vendas, horas extras, participação nos lucros, ajudas de custo, 13º salário, abono financeiro de 1/3 das férias, sem dedução das parcelas correspondentes às cotas do INSS ou de consignação de interesse de empregados. Receita líquida: para o período 2003 a 2006, dados na versão 1.0 da CNAE. Para os anos de 2007 e 2008, dados na versão 2.0. VRProfssTotal: Valor de referência definido como a contribuição monetária hipotética dos PROFSSs no total da geraão da riqueza de uma dada atividade econômica. Baseado em metodologia do Observatório SOFTEX. Cálculo na CNAE 1.0 para anos 2003 a 2005 e para CNAE 2.0 para os anos 2006 a Dados incompletos para a NIBSS do Estado de Rondônia. VRProfssMedio: VRProfssTotal dividido pelo número de PROFSSs. Utilizado pelo Observatório SOFTEX como proxy da produtividade dos PROFSSs. Cálculo na CNAE 1.0 para anos 2003 a 2005 e para CNAE 2.0 para os anos 2006 a Dados incompletos para a NIBSS do Estado de Rondônia. Cursos superiores de bacharelado e tecnologia: incluem todos os cursos das áreas detalhadas Ciência da Computação e Sistemas de Informação. Cursos profissionalizantes - nível médio: Ano de Foram incluídos os seguintes cursos profissionalizantes: administração de redes de computadores; gerência de redes de computadores; informática - configuração de redes; projeto e administrador de redes; redes de computação; sistemas de informação; computação gráfica; CTI - suporte ao usuário; manutenção de componentes periféricos; manutenção de equipamentos de informática; design gráfico Web; editoração eletrônica e web design; informática - editoração; informática com ênfase em web design; sistemas de Internet e intranet; Web Design e web developer; CTI - desenvolvimento de sistema; CTI - desenvolvimento de software; cursos da área de informática; desenvolvimento de programas; desenvolvimento de sistemas; desenvolvimento de software; informática; informática - programação comercial; informática com ênfase em automação; informática com ênfase em hardware; informática com habilitação em programação; informática empresarial; informática industrial; manutenção e programação de microcomputadores; operação e manutenção de microcomputadores; processamento de dados; programação de computadores. Ano de Foram incluídos os seguintes cursos profissionalizantes: Administração de redes de computadores; gerência de redes de computadores; informática - configuração de redes; projeto e administrador de redes; redes de computação; sistemas de informação; computação gráfica; CTI - desenvolvimento de sistema; CTI - desenvolvimento de software; cursos da área de informática; desenvolvimento de sistemas; desenvolvimento de software; informática; informática - programação comercial; informática com ênfase em automação; informática com ênfase em hardware; informática com habilitação em programação; informática empresarial; informática industrial; manutenção e programação de microcomputadores; operação e manutenção de microcomputadores; processamento de dados; programação de computadores; CTI - suporte ao usuário; manutenção de componentes periféricos; manutenção de equipamentos de informática; design gráfico Web; informática - editoração; editoração eletrônica em Web Design; sistemas de Internet e intranet; Web desin e web developer Foram incluídos os seguintes cursos profissionalizantes; programação de jogos digitais; redes de computadores; informática; informática para Internet; manutenção e suporte em informática. Cursos de Computação e Informática avaliados pelo MEC: Modalidade bacharelado - Ciência da Computação, Engenharia da Computação e Sistemas de Informação. Modalidade tecnologia Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Tecnologia de Redes de Computadores. Risco Brasil: refere-se à pontuação do último dia do ano para o qual foi mensurado o risco. Em 2003, 2004, 2007, 2008 e 2009: 31/12; em 2005: 30/12; em 2006: 29/12. Para 2010: 10/11. Formação e capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI: texto para discussão 19

20 Taxa de juros Selic: refere-se à meta para a Taxa Selic divulgada na última reunião do COPOM (Comitê de Política Monetária) de cada ano. Para 2003, reunião ocorrida em 17/12; para 2004, em 15/12; para 2005: 14/12; para 2006: 29/11; para 2007: 05/12; para 2008: 10/12; para 2009: 21/10 e para 2010: 20/10. Encargos trabalhistas e benefícios concedidos aos empregados: Cálculo realizado em relação ao montante em salários e outras remunerações. Consideram-se salários e outras remunerações as importâncias pagas a título de salários fixos, honorários da diretoria, comissões sobre vendas, horas extras, participação nos lucros, ajudas de custo, 13º salário, abono financeiro de 1/3 das férias, sem dedução das parcelas correspondentes às cotas do INSS ou de consignação de interesse de empregados. Entende-se como encargos trabalhistas: contribuição para a Previdência Social e PIS sobre folha de pagamento e como benefícios concedidos aos empregados: FGTS, contribuição para a previdência privada, indenizações por dispensa (trabalhistas e incentivadas); vale transporte e alimentação, auxílioeducação, planos de saúde, auxílio doença, seguro de vida em grupo, etc. Carga tributária países diversos O ano para os dados não foi mencionado pela fonte original, que utilizou o valor mais recente disponível antes de 30/06/2008. Elaborado pelo Observatório SOFTEX, unidade de estudos e pesquisas da Sociedade SOFTEX. Divulgado em: 01/12/2010 Conheça a Sociedade SOFTEX (www.softex.br): A Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro SOFTEX - é uma associação de direito privado, sem fins lucrativos, que desenvolve ações para promover a melhoria da competitividade da indústria de software e serviços, bem como a disponibilidade de recursos humanos qualificados, tanto em tecnologias como em negócios. É gestora do Programa para Promoção da Exportação do Software Brasileiro Programa SOFTEX, considerado programa prioritário pelo Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). O Sistema SOFTEX é composto pela SOFTEX e pela rede de Agentes Regionais, distribuídos por 23 cidades em 13 estados brasileiros e contam com mais de empresas associadas. A Missão do Sistema SOFTEX é ampliar a competitividade das empresas brasileiras de software e serviços e a sua participação nos mercados nacional e internacional, promovendo o desenvolvimento do Brasil. Saiba mais sobre o Observatório SOFTEX (www.softex.br/observatoriosoftex): O Observatório SOFTEX é a unidade de estudo e pesquisa da SOFTEX. Cabe ao Observatório coletar, organizar, analisar e difundir dados e informações sobre as atividades de software e serviços de TI realizadas no Brasil e no exterior. Também faz parte das suas atribuições, propor, aplicar e disseminar novos conceitos e novas metodologias para estudos, interagir com universidades e institutos de pesquisa em nível nacional e internacional e incentivar o surgimento de grupos de pesquisa sobre temas de interesse. A geração de Inteligência Estratégica e Competitiva para o setor de software e serviços de TI é uma ação do Observatório viabilizada pela manutenção e atualização de Sistema de Informação composto por dados confiáveis oriundos de fontes oficiais diversas e por pesquisas de mercado. As atividades do Observatório SOFTEX incluem, ainda, a realização de estudos e consultorias sob demanda e a elaboração da publicação Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva. Formação e capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI: texto para discussão 20

Por que boa parte dos graduados em TI não atende à demanda das empresas por profissionais? CIBSS 2012 Itupeva, 25/10/2012 As faces da escassez I Foco: QUANTIDADE. Solução: formar mais gente. Questão: Podemos

Leia mais

Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática

Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática CAPÍTULO 9 Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática Apresentação Com base em metodologia desenvolvida pelo Observatório SOFTEX, busca-se conhecer o Sistema de Educação

Leia mais

Software e Servicos de TI

Software e Servicos de TI Número 1 Volume 1 Observatório SOFTEX Software e Servicos de TI A Indústria Brasileira em Perspectiva RESUMO EXECUTIVO RESUMO EXECUTIVO Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva

Leia mais

Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS

Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS CAPÍTULO 5 Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS Apresentação Neste capítulo, avaliam-se a importância e o crescimento, ao longo do período 2003 a 2010, das atividades

Leia mais

Software e Serviços de TI:

Software e Serviços de TI: Software e Serviços de TI: a indústria brasileira em perspectiva Volume 2, 2012 Fumsoft, BH, 31/07/2012 Sumário Sobre a SOFTEX Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI (IBSS) Software e Serviços

Leia mais

Atividades de software e serviços de TI em território brasileiro. I CIBSS, Itupeva, outubro 2012

Atividades de software e serviços de TI em território brasileiro. I CIBSS, Itupeva, outubro 2012 Atividades de software e serviços de TI em território brasileiro I CIBSS, Itupeva, outubro 2012 Serviços de informática no contexto TIC Serviços de informática Setor TI Setor TIC Software Serviços TI Hardware

Leia mais

Recursos Humanos em TI: Recomendações de políticas públicas

Recursos Humanos em TI: Recomendações de políticas públicas Recursos Humanos em TI: Recomendações de políticas públicas Texto para Discussão 2 Junho de 2011 Observatório SOFTEX Recomendações de políticas públicas para RH em TI: texto para discussão n. 2 1 1. Apresentação

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI:

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática - SEPIN outubro/2010 Agenda

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

Capital Humano como um Indicador de Avanços no Governo Eletrônico V Taller Regional para Medição da Sociedade do Conhecimento

Capital Humano como um Indicador de Avanços no Governo Eletrônico V Taller Regional para Medição da Sociedade do Conhecimento Capital Humano como um Indicador de Avanços no Governo Eletrônico V Taller Regional para Medição da Sociedade do Conhecimento 06 a 08 de abril de 2009 Virgínia Duarte Objetivo - Observatório Conceber e

Leia mais

Conversatorio Internacional. La educación tecnológica en Brasil

Conversatorio Internacional. La educación tecnológica en Brasil Conversatorio Internacional "Mitos y verdades sobre la acreditación en la Educación Superior" La educación tecnológica en Brasil Prof. Dr. Rolando V. Vallejos Brasil seguindo o caminho de desenvolvimento

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

A rede de franquias nº 1 em produtividade do mundo

A rede de franquias nº 1 em produtividade do mundo FRANQUIA A rede de franquias nº 1 em produtividade do mundo A rede de franquia com maior volume de vendas nos EUA. (Real Trends 500 2011) Primeiro sistema de franquias imobiliárias da América do Norte

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: SISTEMAS DA INFORMAÇÃO MISSÃO DO CURSO Os avanços da ciência, a melhoria dos processos produtivos e a abertura de mercado, são exemplos de fatores que contribuíram

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO OPORTUNIDADES PROFISSIONAIS GUIA DE ORIENTAÇÃO OPORTUNIDADES PROFISSIONAIS QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS ATRAVÉS DOS NOSSOS CURSOS

GUIA DE ORIENTAÇÃO OPORTUNIDADES PROFISSIONAIS GUIA DE ORIENTAÇÃO OPORTUNIDADES PROFISSIONAIS QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS ATRAVÉS DOS NOSSOS CURSOS GUIA DE ORIENTAÇÃO QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS ATRAVÉS DOS NOSSOS CURSOS 1 ÁREA DE COMÉRCIO EXTERIOR Advogados Advogados podem atuar na área de direito aduaneiro e poderão ser muito bem remunerados pelos

Leia mais

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e Comentários gerais Pesquisa de Serviços de Tecnologia da Informação - PSTI A investigou, em 2009, 1 799 empresas de TI com 20 ou mais Pessoas Ocupadas constantes do cadastro de empresas do IBGE e os produtos

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

CADERNOS TEMÁTICOS DO OBSERVATÓRIO: MERCADO DE TRABALHO E FORMAÇÃO DE MÃO DE OBRA EM TI

CADERNOS TEMÁTICOS DO OBSERVATÓRIO: MERCADO DE TRABALHO E FORMAÇÃO DE MÃO DE OBRA EM TI CADERNOS TEMÁTICOS DO OBSERVATÓRIO: MERCADO DE TRABALHO E FORMAÇÃO DE MÃO DE OBRA EM TI CADERNOS TEMÁTICOS DO OBSERVATÓRIO: MERCADO DE TRABALHO E FORMAÇÃO DE MÃO DE OBRA EM TI 1 ASSOCIAÇÃO PARA PROMOÇÃO

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

MÓDULO IX - CUSTOS. A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão

MÓDULO IX - CUSTOS. A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão MÓDULO IX - CUSTOS A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão 1 Conteúdo Objetivo do custeio Conceito de valor Gestão de Custos versus Gestão Estratégica Componentes básicos de custos

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

Aspectos Tributários e Encargos Trabalhistas

Aspectos Tributários e Encargos Trabalhistas CAPÍTULO 3 Aspectos Tributários e Encargos Trabalhistas Apresentação Nos últimos anos, questões da tributação e dos encargos salariais têm sido objeto de um significativo conjunto de proposições, estudos

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS RF FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS RF FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ/MF: Informações referentes a Julho de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o BNP PARIBAS RF FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA.

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 OBJETIVOS Consolidar a percepção de que a formação de recursos humanos qualificados é essencial para fortalecer

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Agenda. Noções de Empregabilidade; Profissões tecnológicas ligadas à Computação; Visão do Mercado de Trabalho na Bahia e no Brasil.

Agenda. Noções de Empregabilidade; Profissões tecnológicas ligadas à Computação; Visão do Mercado de Trabalho na Bahia e no Brasil. Prof. Fernando Cardeal fcardeal@ifba.edu.br Agenda Noções de Empregabilidade; Profissões tecnológicas ligadas à Computação; Visão do Mercado de Trabalho na Bahia e no Brasil. Tempo estimado: 40 minutos.

Leia mais

Sumário. Sobre a SOFTEX. Principais indicadores

Sumário. Sobre a SOFTEX. Principais indicadores Software e Serviços de TI: a indústria brasileira em perspectiva Volume 2, 2012 Sumário Sobre a SOFTEX Principais indicadores Parte 1 IBSS Parte 2 NIBSS Parte 3 Capacitações e competências Parte 4 Cenários,

Leia mais

PROGRAMAS DE APOIO E INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO EDITAL DE SELEÇÃO - 01/2012

PROGRAMAS DE APOIO E INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO EDITAL DE SELEÇÃO - 01/2012 PROGRAMAS DE APOIO E INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO EDITAL DE SELEÇÃO - 01/2012 Seleção para o Programa de Aceleração de Startups da Incubadora da Fumsoft A FUMSOFT torna público que se encontra aberto

Leia mais

Edição 2014 REGULAMENTO PROGRAMA DESENVOLVENDO TALENTOS 2014

Edição 2014 REGULAMENTO PROGRAMA DESENVOLVENDO TALENTOS 2014 REGULAMENTO PROGRAMA DESENVOLVENDO TALENTOS 2014 1- Das Disposições Preliminares Em Pato Branco, o NTI APL TI Sudoeste-PR é reconhecido e faz parte do SRI- Sistema Regional de Inovação. Ambos buscam disseminar

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS CULTURAIS Jaciara Zacharias da Silva 1

ECONOMIA DA CULTURA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS CULTURAIS Jaciara Zacharias da Silva 1 IV ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura 28 a 30 de maio de 2008 Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. ECONOMIA DA CULTURA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS CULTURAIS

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 NOTAS CEMEC 01/2015 REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Fevereiro de 2015 1 1. Introdução No Estudo Especial CEMEC de novembro

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN. O que é o GVN Parceiro: O perfil do GVN Parceiro

Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN. O que é o GVN Parceiro: O perfil do GVN Parceiro Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN O que é o GVN Parceiro: O GVN Parceiro é uma modalidade de parceria de negócios criada pelo Grupo Vila Nova para ampliar sua capilaridade de oferta e garantir que

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas Descrição da infraestrutura física destinada aos cursos, incluindo laboratórios, equipamentos instalados, infraestrutura de informática e redes de informação. Relação de laboratórios, oficinas e espaços

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis Vamos nos conhecer e definir as diretrizes de nosso curso??? www.eadistancia.com.br

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Aspectos Sociais de Informática. Simulação Industrial - SIND

Aspectos Sociais de Informática. Simulação Industrial - SIND Aspectos Sociais de Informática Simulação Industrial - SIND Jogos de Empresas Utilizada com sucesso para o treinamento e desenvolvimento gerencial Capacita estudantes e profissionais de competência intelectual

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 1. Apresentação A RiSE Reuse in Software Engineering e o Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio do CNPq

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Simulação Comercial. Caro participante, Você está prestes a assumir a administração de uma empresa virtual.

Simulação Comercial. Caro participante, Você está prestes a assumir a administração de uma empresa virtual. Simulação Comercial Caro participante, Você está prestes a assumir a administração de uma empresa virtual. Aproveite esta oportunidade para desenvolver as suas habilidades gerenciais. Simulação Gerencial

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

O Mercado de Profissionais de TI no Brasil

O Mercado de Profissionais de TI no Brasil O Mercado de Profissionais de TI no Brasil Apresentação Organizar informações sobre a dinâmica do mercado de profissionais de TIC (demanda e oferta) nos Estados com maior concentração na produção e desenvolvimento;

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Chile. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Chile. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Chile Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios A Lei nº 20.416 estabelece regras especiais para as Empresas de Menor Tamanho (EMT).

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal DESAFIOS E CARREIRA DOS PROFISSIONAIS DE PROJETOS Organização Apoio 1 de xx APRESENTAÇÃO Isabella Bueno Sócia- Fundadora da Martins & Bueno Assessoria em Recursos Humanos. Possui

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais

PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais IDENTIFICAÇÃO DO CURSO Curso de Especialização em Gestão e Relações Internacionais Área de Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro GESTÃO DE MACROPOLÍTICAS PÚBLICAS FEDERAIS O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro Esther Dweck Brasília Ministério do Planejamento 04 de fevereiro de 2014 O modelo de desenvolvimento brasileiro Objetivos

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1

Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1 Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1 1. Quais são os tipos de instituições de ensino superior? De acordo com sua organização acadêmica, as instituições de ensino

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Regulamento - Perfil de Investimentos

Regulamento - Perfil de Investimentos Regulamento - Perfil de Investimentos 1. Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais