Excreção de creatinina como meio de análise da massa corporal magra

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Excreção de creatinina como meio de análise da massa corporal magra"

Transcrição

1 Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Excreção de creatinina como meio de análise da massa corporal magra Osmar Riehl Keila Elizabeth Fontana Ramón F. Alonso López Resumo Creatinina é um metabólito exclusivo dos músculos, encontrado no plasma e excretado pela urina em 24horas, e utilizado para estimar a massa corporal magra segundo alguns autores. A excreção de creatinina no sangue e na urina foi determinada através do método colorimétrico baseado na Metodologia Ponto Final de Jaffé Modificado e a densitometria através da pesagem hidrostática foi realizada em 17 voluntários masculino na faixa etária de 18 a 27 anos. As características cineantropométricas foram: massa corporal (70,68 kg ± 8,1), estatura (176,9 m ± 8,89), índice de massa corporal (22,5), superfície corporal (1,87 cm ± 0,15), massa corporal magra (60,8 Kg ± 8,5) percentagem de gordura (13,9 %). A massa corporal magra foi correlacionada com superfície corporal, excreção de creatinina urinária (1,94 g/24h ± 0,59), creatinina no plasma (84,8 mmol/l ± 23,9), depuração de creatinina endógena (135,1 ml/min/sc ± 47,4). A variável que melhor se correlacionou foi a superfície corporal (r = 0,83) ao nível de P< 0,01) sendo as demais correlações não significativas demonstrando que as concentrações de creatinina no plasma e na urina são independentes da massa corporal. Dessa forma, a quantificação de creatinina não constitui um bom indicador para estimar a massa corporal magra de qualquer indivíduo. Unitermos: Creatinina. Densitometria. Composição corporal. Revista Digital - Buenos Aires - Año 10 - N 69 - Febrero de 2004 Introdução O pesquisador francês Michel Eugene Chevreul descobriu em 1832, na carne uma substância que denominou de creatina. Na década de 1880 foi encontrada uma substância na urina, considerada derivada da creatina existente no corpo, a que se deu o nome de creatinina, e estaria relacionada com a quantidade dessa massa muscular corporal.

2 Posteriormente em 1927 foi descoberta a creatina fosfato, na forma fosforilada. Em 1934 encontrou-se a creatina quinase, uma enzima que catalisa a fosforização da creatina. A origem endógena da creatinina é determinada pela síntese de seu precursor creatina no fígado e nos rins, que participam da reação metabólica das células, sendo catabolizada nos músculos e excretada pelos rins. Há evidências de que componentes endógenos ou substratos do metabolismo do músculo esquelético possam ser usados para estimar a massa muscular esquelética, como é o caso da creatinina e da uréia. Existem a respeito algumas premissas básicas pré-estabelecidas: 1) que esses marcadores químicos estão presentes nos músculos esqueléticos, 2) que sua quantidade é constante, 3) que são relativamente imutáveis por longo período de tempo e 4) que o marcador não é assimilado após ser liberado na circulação. Esses substratos musculares, principalmente a creatinina, vêm sendo usados para estimar o índice de massa muscular ou massa corporal magra (LUKASKI, 1987). A creatinina encontra-se no sangue e na urina. Sua excreção, num dado indivíduo, é constante nas 24 horas e é utilizada como valor de referência para a avaliação da função renal. É um composto orgânico nitrogenado e não protéico, formado a partir da desidratação da creatina. A creatina é sintetizada nos rins, fígado e pâncreas e transportada para outros órgãos como músculo e cérebro, onde é fosforilada através da ação da enzima creatina quinase e estocada como fosfocreatina. Uma parte da creatina livre no músculo não participa desta reação e é convertida em creatinina (BORSOOK & DUBNOFF, 1947; BLEILER & SCHEDL, 1962; FORBES & BRUINING, 1976; HEYMSFIELD et al, 1982). De acordo com BURTIS & ASHWOOD (1994), a quantidade de creatinina endógena produzida é proporcional à massa muscular, sua produção varia de acordo com o sexo e a idade. O homem saudável (não obeso) excreta em torno de 1,5 g/dia e a mulher 1,2 g/dia. Na doença renal, a excreção se altera. A taxa de filtração glomerular (TFG) diminui, a secreção tubular é ativada e uma proporção maior do volume de creatinina é excretada pela urina. Assim a depuração para a análise da TFG fica menos precisa. Isto justifica o porque indivíduos acometidos de deficiência renal não devem ser incluídos em estudos de composição corporal. SCHUTTE et al (1981) desenvolveram um estudo onde observaram relações entre a estimativa da massa corporal e a creatinina plasmática em homens e cães. Esses autores enfatizaram que, sendo a creatinina um metabólito exclusivo dos músculos estriados, o

3 volume de urina excretada em 24 horas e a quantidade de creatinina ali contida permitiria a estimação da massa muscular. Aplicado o método concluíram que um miligrama de creatinina no plasma é equivalente a aproximadamente 0,9 kg de músculo esquelético, com um erro médio de 4% entre os valores preditos e observados. Analisando as concentrações de creatinina no sangue e na urina, SWAMINATHAN et al (1986) encontraram correlação entre a creatinina no plasma e o tamanho do corpo em 673 indivíduos (homens e mulheres) chineses. O corpo humano é constituído principalmente de gordura, músculos, ossos e resíduos. Os músculos são encontrados nas pernas e em menor quantidade na cabeça, tronco e braços correspondendo a cerca de 40% do peso corporal de um homem de 70 kg conforme a Comissão Internacional de Proteção Radiológica (LUKASKI, 1996). Existem várias técnicas de avaliação da composição corporal. O percentual de gordura (% G) e a massa corporal magra (MCM) podem ser analisados utilizando-se dos métodos denominados indiretos como a excreção de creatinina (método físico-químico) e densitometria (pesagem subaquática), segundo os protocolos de LOHMAN (1992), HEYWARD & STOLARCZYK (2000) e PETROSKI (2003). Este estudo tem como objetivo verificar e analisar a excreção de creatinina plasmática e urinária como índices para estimativa da massa corporal magra, considerando-se esta como a massa corporal total com a exclusão da massa de gordura. Materiais e Métodos Foram utilizados 17 voluntários masculinos, universitários, saudáveis, na faixa etária de 18 a 27 anos. Todos os voluntários assinaram um termo de consentimento de participação, aprovado pelo Comitê de Ética da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília. Os indivíduos foram submetidos inicialmente a medida de massa corporal (Mc) e estatura (E). Os resultados obtidos serviram para cálculo dos índices de massa corporal (IMC) e superfície corporal (Sc), obedecendo à padronização de COSTA (2001) e DUBOIS & DUBOIS (1916), respectivamente, de acordo com as equações a seguir.

4 Objetivando excluir a massa de gordura da massa corporal total, buscou-se quantificar a massa corporal magra pelo método da pesagem hidrostática (subaquática) de acordo com a técnica fundamentada no princípio de Arquimedes, que permite a determinação da densidade corporal. Os voluntários foram submetidos à pesagem submersa, com o avaliado em expiração máxima, visando eliminar o máximo possível de ar dos pulmões, em um tanque de água aquecida do Laboratório de Cineantropometria da Faculdade de Educação Física da Universidade de Brasília. Foi utilizado um dinamômetro da marca Oswaldo Filizola Ltda (precisão de 50g) para pesar os indivíduos submersos em água. Cada indivíduo foi submetido a 10 pesagens, sendo que a média das três maiores medidas foi considerada para os cálculos. A densidade corporal (DC) foi calculada de acordo com a fórmula proposta por BROZEK et al (1963), considerada como resultado da relação entre a massa corporal (Mc) e a diferença entre a massa fora d'água e a massa submersa (MS), adotando-se ainda a relação entre essa medida e a densidade da água de acordo com sua temperatura (TEMP) e os volumes: residual (VR) e gastrintestinal (VGI) componentes da massa corporal total, conforme a seguinte fórmula: Para o cálculo da densidade corporal foram observados os valores da temperatura da água conforme QUADRO 1. QUADRO 1: Densidade da água de acordo com sua temperatura (TEMP)

5 O volume residual (VR) em ml foi calculado com base na equação sugerida por BOREN et al (1966) a seguir, levando-se em conta a idade (ID) e a estatura (E) do indivíduo. O volume gastrintestinal (VGI) utilizado foi fixado em 100 ml, conforme estimado por BUSKIRK (1961), apud COSTA (2001). Assim obtida, a densidade corporal foi convertida pela equação de SIRI (1961) em percentagem de gordura corporal (GORD). Com esse índice calculou-se a massa de gordura (Mg) e se pode definir a massa corporal magra (MCM) subtraindo-se a massa de gordura da massa corporal total, conforme as seguintes fórmulas: As depurações (clearance) da creatinina concentradas no plasma e na urina foram observadas através do método colorimétrico baseado na Metodologia Ponto Final de Jaffé Modificado, seguindo a recomendação dada pelo kit de Análise de Creatinina da marca Doles (HENRY, 1996), corrigida para a superfície corporal, e apresentada abaixo:

6 Onde U é a creatinina na urina (mg/dl), S é a creatinina no plasma (mg/dl), VM é o volume/minuto (volume urinário de 24 horas em ml/1440 minutos) e Sc, a superfície corporal. A coleta de urina teve início após o esvaziamento completo da bexiga, quando se iniciou a contagem do período de 24h. Essa urina foi desprezada e nas 24 horas seguintes toda a urina foi coletada e conservada em geladeira. Os voluntários permaneceram em jejum nas 4 horas anteriores à coleta do sangue (amostra de 10 ml) que foi realizada ao final do período da colheita da urina de 24 h. O sangue foi coletado em tubos de ensaio contendo heparina e centrifugado. As concentrações da creatinina do plasma e da urina foram determinadas por meio do espectrofotômetro marca Shimadzu modelo UV-1201 e pela equipe de técnicos do Laboratório de Metabolismo do Instituto de Biologia da Universidade de Brasília. A coleta foi realizada num único dia. Foram desprezados quatro resultados, em razão de estarem as amostras turvadas ou com a presença de hemólise ou porque os valores encontrados não estavam dentro da faixa normal (123 ± 19,3 ml/min) definida por DOOLAN et al (1962). Os resultados foram expressos por meio da média e desvio padrão (n=17). A análise de regressão linear foi fundamentada na correlação linear de Pearson utilizada para estabelecer relações entre a variável dependente (MCM) e as outras variáveis independentes. O nível de significância de P<0,05 foi levado em consideração. Resultados e Discussão Na TABELA 1 estão apresentadas as características antropométricas de massa corporal (Mc), estatura, índice de massa corporal (IMC) (índice de Quetelet) e idade da amostra utilizada. A massa corporal variou de 55,4 a 86,2 kg, já a estatura de 163,5 a 197,5 cm e o IMC obtido de 19,6 a 26,1 kg/m 2, tendo apresentado valores considerados normais para a fixa etária (COSTA, 2001; PETROSKI, 2003). TABELA 1: Características dos voluntários por grupo

7 Média aritmética ± desvio padrão Mc= Massa corporal IMC = Índice de massa corporal Os resultados de média, desvio padrão, valores máximos e mínimos obtidos quanto à superfície corporal (Sc), percentual de gordura (GOR) e massa corporal magra (MCM), estão registrados na TABELA 2. Esses valores considerados normais para essa faixa etária (LOHMAN, 1992; HEYWARD & STOLARCZYK, 2000; PETROSKI, 2003) não apresentaram valores extremos, por exemplo, a gordura corporal variou de 6,5 a 24,3 % não tendo sido encontrado nenhum voluntário obeso ou muito magro. TABELA 2: Resultados da composição corporal A TABELA 3 apresenta os resultados das concentrações de creatinina no plasma e na urina, na depuração de creatinina endógena e excreção de creatinina urinária por unidade de tempo. Os resultados selecionados nesta amostra encontram-se na faixa de normalidade (DOOLAN et al, 1962; FORBES & BRUINING, 1976; HEYMSFIELD & STOLARCZYK, 1983) estabelecida pelo protocolo utilizado. Os procedimentos laboratoriais para a obtenção das concentrações de creatinina no plasma e na urina são obtidos por meio de técnicas diferenciadas, determinando variabilidade nos valores de referência. TABELA 3: Concentrações de creatinina plasmática (CCP), depuração de creatinina endógena (DEP), excreção creatinina urinária (ECU) e excreção de creatinina (CCR) relativa ao peso corporal por 24 h

8 As correlações lineares de Pearson entre as variáveis: superfície corporal (Sc), excreção de creatinina urinária (ECU), creatinina no plasma (CCP) e depuração de creatinina endógena (DEP) relacionadas com as variáveis dependentes massa corporal magra (MCM) e Sc estão na TABELA 4. A variável que se correlacionou significativamente com a MCM foi superfície corporal (r = 0,83 ao nível de P< 0,01), sendo que as demais correlações foram de intensidade baixa e não significativas. TABELA 4: Correlações de Pearson entre as variáveis e sua significância (** P < 0,01) Com relação ao método de determinação da creatinina, salientamos algumas dificuldades encontradas, a saber: a grande variabilidade individual da excreção diária de urina, a utilização de técnicas laboratoriais diferentes, a inconveniência na coleta de urina no período de 24 horas e sua conservação e do jejum e coleta de sangue relatada pelos voluntários. É notório que o método não se caracteriza por fácil aplicabilidade, e ainda possui precisão questionável, isto é, não foram observadas correlações biologicamente aceitáveis entre a excreção de creatinina tanto plasmática quanto urinária e a massa corporal magra. PATERSON (1967) concluiu em seu estudo que a quantidade de creatinina no soro plasmático de 24 horas é mais constante e significante do que o volume de creatinina na urina coletada no mesmo período. SCHUTTE et al (1981) encontraram correlação de 0,72 (P<0,001) entre a creatinina do plasma e a excreção de creatinina urinária (n = 24), ao passo que entre a MCM (63,4 ± 1,52) e creatinina urinária (1,88 ± 0,005) a correlação foi de 0,66 ao nível de P<0,001.

9 Observaram ainda neste mesmo estudo que um miligrama de creatinina plasmática corresponde a 0,88 kg de músculos, este fato foi verificado em cães (n=4). DOOLAN et al (1962) encontraram relação de 0,88 entre a excreção de creatinina e a MCM (n=30), ao passo que BEST et al (1958) obtiveram correlações de 0,59 entre excreção de creatinina e Sc, enquanto que com a MCM foi de 0,61 quando obtida por meio de dobras cutâneas e 0,56 quando obtida pelo método das circunferências. Já MILLER & BLYTH (1952) encontraram a correlação de 0,83 entre a excreção de creatinina e MCM obtida por densitometria. EDWARDS & WHYTE (1959) obtiveram a correlação de 0,65 em um grupo de homens (n=70) e mulheres (n=54) submetidos à técnica da água corporal total. FORBES & BRUINING (1976) verificaram que a relação entre a produção endógena de creatinina na urina e a massa corporal magra em crianças e adultos (n= 34) não representam uma fração constante de músculo e ou de massa corporal magra. Observaram que somente é apropriado o uso destas constantes se os fatores como idade, gênero, maturidade, estado metabólico e atividade físicas forem controlados. Relataram também que uma pequena diferença de 15 minutos na colheita de urina no período de vinte e quatro horas representa um erro de 1% na determinação da excreção urinária de creatinina. Em nossa amostra também não foi encontrada relação significante quando comparada a depuração com a massa corporal magra. O estudo de SWAMINATHAN et al (1986) encontraram uma baixa correlação (0,009 a P<0,05) entre MCM e creatinina no plasma (50,3 ± 5,76 kg e 87,2 ± 10,97 mmol/l) em indivíduos na faixa etária de anos do sexo masculino (n=288) e feminino (n=385). A concentração de creatinina observada no sexo masculino (89,4 ± 13,8 mmol/l) foi significantemente maior quando comparada entre os sexos. Em outro estudo SWAMINATHAN et al (2000), empregando análise de correlação, observaram que a creatinina no plasma apresentou baixas correlações com MCM (r = 0,171; P < 0,0001), percentagem de gordura corporal (r = -0,10; P = 0,011) e idade (r= 0,152; P < 0,0001), mas não com índice de massa corporal (IMC) ou massa de gordura total (n=664). Os dados que apresentamos na TABELA 4 são similares aos resultados obtidos nesses trabalhos. Conforme pode ser observado na TABELA 4, a superfície corporal correlacionou-se com a massa corporal magra (r = 0,83; P < 0,01), isto pode ser explicado pelo fato da MCM depender da superfície corporal.

10 A falta de correlação ou as baixas correlações encontradas não podem ser explicadas pelas variações da determinação de creatinina, que segundo SWAMINATHAN et al (1986) possui coeficiente de variação da ordem de 3,8% a 13%. A explicação mais plausível é que a massa corporal magra e a creatinina plasmática não se correlacionam fortemente. O fato de que o aumento da massa corporal magra é acompanhado por maior produção de creatinina é aparentemente compensada pelo efeito do volume de distribuição aumentado. Concluímos então que, em indivíduos saudáveis, a concentração de creatinina no plasma e na urina é independente da massa corporal magra. Em conseqüência a excreção de creatinina não constitui um bom indicador para estimar a massa corporal magra de qualquer indivíduo. Parece-nos que o grau de correlação entre essas variáveis deveria ser estudado em amostras com maior número de voluntários e com observância dos parâmetros com especial atenção nos efeitos da atividade física, idade, gênero, raça e proporção da massa muscular esquelética, para que possamos delimitar melhor e mais precisamente as variáveis em causa. Referências bibliográficas BEST W R, KUHL W J, FRIEDMANN T E. Diurnal trend and variation of urinary creatinina excretion. Federation Proc. 11:188, BLEILER R A, SCHEDL H P. Creatinine excretion : variability and relationship to diet and body size. J. Lab. Clin. Med. 59:945, BOREN H G, KORY R C, SYNER J C. The veteran's administration Army cooperative study of pulmonary function: the lung volume and its subdivisions in normal men". American Journal of Medicine. 41:96-114, BORSOOK H, DUBNOFF J W. The hydrolysis of phospho-cretine and the origin of urinary creatinina. J Biol Chem 168: ,1947. BURTIS C A, ASHWOOD E R. Tietz Text books of clinical chemistry, 2a. Edição, Philadelphia, W B Saunders, BROZEK J, GRANDE F, ANDERSON J T et al. Densitometric analysis of body composition: revision of some quantitative assumptions. Annals of New York Academy of Science. 110:113-40, COSTA R F. Composição Corporal. Teoria e prática da avaliação. Editora Manole, São Paulo, 2001.

11 DOOLAN P D, ALPEN E L, THEIL G B. A clinical appraisal of the plasma concentration and endogenous clearance of creatinina. Am. J. Med. 32:65-79, DU BOIS, DU BOIS. Body surface area of adults. Arch. Intern. Med. 17:863, FORBES G B, BRUINING G J. Urinary creatinine excretion and lean body mass. Am. J. Clin. Nutr. 29: , EDWARDS K D G, WHYTE H M. Creatinine excretion and body composition. Clin. Sc., 18;361, HEYMSFIELD S B, ARTEAGA C A, MANUS C M, SMITH J. Measurement of muscle mass in humans: validity of 24-hour urinary creatinine method. Am. J. Clin. Nutr. 37: , HEYWARD V H, STOLARCZYK L M. Avaliação da composição corporal aplicada. Manole São Paulo, HENRY J B. Clinical diagnosis and management by laboratory methods, 19 ed, , LOHMAN T G. Advances in body composition assessment. Human Kinetcs Publishers. Champaign, Illinois, LUKASKI H C. Estimation of muscle mass. In ROCHE A F, HEYMSFIELD S B, LOHMAN T G. Human body composition, Human Kinectics, MILLER A T, BLYTH C S Jr. Estimation of lean body mass and body fat from basal oxygen consumption and creatinine excretion. J Applied Physiol. 5: 73, PETROSKI E L. Antropometria: técnicas e padronizações. E. L. Petroski. Porto Alegre SCHUTTE J E, LONGHURST J C, GAFFNEY F A, BASTIAN B C, BLOMQVIST C G. Total plasma creatinine: an accurate measurement of total striated muscle mass. J. Appl. Physiol. 51(3):762-66, SWAMINATHAN R, HO C S, CHU L M, DONNAN S. Relation between plasma creatinine and body size. Clinical Chemistry, 32:(2):371-73, SWAMINATHAN R, MAJOR P, SNIEDER H. SPECTOR T. Serum creatinina and fat-free mass (lean body mass). Clinical Chemistry 46(10), consultado em 12/11/2003.

Depuração da Creatinina

Depuração da Creatinina Depuração da Creatinina Importância fisiológica A creatinina é um composto orgânico nitrogenado e não-protéico formado a partir da desidratação da creatina. A creatina é sintetizada nos rins, fígado e

Leia mais

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL Bioquímica Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Referências Bioquímica Clínica M A T Garcia e S Kanaan Bioquímica Mèdica J W Baynes e M H Dominiczack Fundamentos

Leia mais

19/08/2014 AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL: PRINCÍPIOS, MÉTODOS E APLICAÇÕES

19/08/2014 AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL: PRINCÍPIOS, MÉTODOS E APLICAÇÕES AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL: PRINCÍPIOS, MÉTODOS E APLICAÇÕES 1 FRACIONAMENTO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL (04 COMPONENTES) GORDURA CORPORAL MASSA ÓSSEA MASSA MUSCULAR RESÍDUOS FRACIONAMENTO DA COMPOSIÇÃO

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-BQ-023 CREATININA 22/10/2015

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-BQ-023 CREATININA 22/10/2015 1/6 1. INTRODUÇÃO A creatinina e a ureia são provas de função renal que avaliam o funcionamento dos rins. Rins e Coração funcionam de forma paralela, uma vez que o coração gera a propulsão sanguínea até

Leia mais

CREATININA CREATININIUM

CREATININA CREATININIUM CREATININA CREATININIUM CBHPM 4.03.01.63-0 AMB 28.01.054-0 Sinonímia: Creatininium. Glicolmetilguanidina. Creatinina endógena. 2-imino-1-metilimidazolidin-4-ona. 1-metilhidantoin-2-imida. Fisiologia: Fórmula

Leia mais

Qual a melhor técnica de avaliação da composição corporal?

Qual a melhor técnica de avaliação da composição corporal? Qual a melhor técnica de avaliação da composição corporal? Roberto Fernandes da Costa Mestrando em Educação Física da Escola de Educação Física e Esporte da USP E-mail: costa2001@fitmail.com.br Esta é

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo RESUMO: O presente estudo compara a composição corporal

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

Interpretação de Exames Laboratoriais para Doença Renal

Interpretação de Exames Laboratoriais para Doença Renal Interpretação de Exames Laboratoriais Aplicados à Nutrição Clínica Interpretação de Exames Laboratoriais para Doença Renal Prof. Marina Prigol Investigação da função renal Funções do rim: Regulação do

Leia mais

Prescrição Dietética

Prescrição Dietética Prescrição Dietética Quantitativo Cálculo de Dietas Cálculo de dietas estimar as necessidades energéticas de um indivíduo (atividade física, estágio da vida e composição corporal) Necessidades energéticas

Leia mais

Sistema Urinário. Profe. Cristiane Rangel 8º ano Ciências

Sistema Urinário. Profe. Cristiane Rangel 8º ano Ciências Sistema Urinário Profe. Cristiane Rangel 8º ano Ciências O sistema urinário ANTONIA REEVE / SCIENCE PHOTO LIBRARY O rim foi o primeiro órgão vital a ser transplantado com sucesso em pessoas. Qual a função

Leia mais

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...)

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...) Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4 2-, K +, Mg 2+, etc...) Regulação do equilíbrio hidrossalino e da pressão arterial; Regulação do ph sanguíneo (H +, HCO 3- ); Síntese

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br EXEMPLOS DE ESQUEMAS COMPARTIMENTAIS DO CORPO TGI COMPARTIMENTO CENTRAL CÉREBRO FÍGADO ELIMINAÇÃO METABÓLICA EXCREÇÃO RENAL OUTROS

Leia mais

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução O sistema urinário é constituído pelos órgãos uropoéticos, isto é, incumbidos de elaborar a urina e armazená- la temporariamente até a oportunidade de ser eliminada para o exterior. Na urina

Leia mais

Avaliação nutricional de adultos em estudos epidemiológicos

Avaliação nutricional de adultos em estudos epidemiológicos Avaliação nutricional de adultos em estudos epidemiológicos Luiz Antonio dos Anjos SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros VERAS, RP., et al., orgs. Epidemiologia: contextos e pluralidade [online].

Leia mais

Crescimento CINEANTROPOMETRIA. Elementos do Crescimento. Desenvolvimento

Crescimento CINEANTROPOMETRIA. Elementos do Crescimento. Desenvolvimento Crescimento CINEANTROPOMETRIA CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO Prof. Paulo Sergio Chagas Gomes, Ph.D. O ser humano gasta em torno de 30% da sua vida crescendo Dificuldades em analisar o crescimento dificuldade

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais

Concentração no local do receptor

Concentração no local do receptor FARMACOCINÉTICA FARMACOCINÉTICA O que o organismo faz sobre a droga. FARMACODINÂMICA O que a droga faz no organismo. RELAÇÕES ENTRE FARMACOCINÉTICA E FARMACODINÂMICA DROGA ORGANISMO FARMACOCINÉTICA Vias

Leia mais

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 1 CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 %MASSA GORDA SAUDÁVEL Homens 20 anos %MGsaudável = 10% (a partir dos 20 anos acresce-se 1% por cada 3 anos de idade, até ao limite de 25% ou até 50 anos de idade). Ou usando

Leia mais

Dose da droga administrada ABSORÇÃO Concentração da droga na circulação sistêmica DISTRIBUIÇÃO ELIMINAÇÃO Droga nos tecidos de distribuição FARMA- COCINÉ- TICA FARMACOCINÉTICA Concentração da droga no

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

Conceitos atuais sobre Hiperparatireoidismo Secundário Renal:

Conceitos atuais sobre Hiperparatireoidismo Secundário Renal: Conceitos atuais sobre Hiperparatireoidismo Secundário Renal: Roteiro 1. Fisiologia 2. Fisiopatologia (doença renal crônica) 3. Teorias 4. Diagnóstico precoce 5. Terapia Cálcio Fósforo Cálcio T.G.I. Fósforo

Leia mais

Metabolismo Basal. Julia do Valle Bargieri

Metabolismo Basal. Julia do Valle Bargieri Metabolismo Basal Julia do Valle Bargieri Complicações da obesidade mórbida Obesidade traz prejuízos à saúde, como: Dificuldades respiratórias; Problemas dermatológicos; Distúrbios do aparelho locomotor;

Leia mais

NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA

NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA METABOLISMO BASAL GASTO ENERGÉTICO TOTAL Profª. Alcinira Furtado Farias METABOLISMO BASAL Conjunto de processos por meio dos quais o organismo vivo recolhe e transforma as

Leia mais

MASSA CORPORAL E EQUILÍBRIO CORPORAL DE IDOSOS

MASSA CORPORAL E EQUILÍBRIO CORPORAL DE IDOSOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA F E DESPORTOS LABORATÓRIO RIO DE BIOMECÂNICA RELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E EQUILÍBRIO CORPORAL DE IDOSOS Revista Brasileira de Cineantropometria

Leia mais

LITERATURA DE CREATINA

LITERATURA DE CREATINA Nome Científico: Ácido acético metilguanidina Fórmula Química: NH 2 -C(NH) - NCH 2 (COOH)-CH 3 Descrição: A creatina [NH 2 -C(NH) - NCH 2 (COOH)-CH 3 ], uma amina nitrogenada, é um composto de aminoácidos

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

Conheça o lado bom e o lado ruim desse assunto. Colesterol

Conheça o lado bom e o lado ruim desse assunto. Colesterol Conheça o lado bom e o lado ruim desse assunto. Colesterol COLESTEROL O nome colesterol vem do grego e significa cálculo biliar. Ele foi batizado pelo químico francês Michel Eugene Chevreul, em 1815.

Leia mais

INTRODUÇÃO À FISIOLOGIA. Profª. Juliana Delatim Simonato Rocha Lab. de Ecofisiologia Animal LEFA - CIF/CCB

INTRODUÇÃO À FISIOLOGIA. Profª. Juliana Delatim Simonato Rocha Lab. de Ecofisiologia Animal LEFA - CIF/CCB INTRODUÇÃO À FISIOLOGIA Profª. Juliana Delatim Simonato Rocha Lab. de Ecofisiologia Animal LEFA - CIF/CCB 1 Fisiologia é... Literalmente... Conhecimento da natureza O estudo do funcionamento dos organismos

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

Figura 1: peridrociclopentanofenantreno

Figura 1: peridrociclopentanofenantreno COLESTEROL A n a L a u r a B u e n o Esteróides são álcoois de alto peso molecular. São compostos lipossolúveis muito importantes na fisiologia humana. Os esteróis possuem uma estrutura básica chamada

Leia mais

ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN

ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN Resumo: A obesidade é reconhecida como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo, sabe-se que na população com SD

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes RESUMO: Esta pesquisa teve como objetivo a análise da distribuição de gordura em homens

Leia mais

2. Metabolismo de Prótidos

2. Metabolismo de Prótidos 2. Metabolismo de Prótidos 2.1. Aminoácidos O transporte de aminoácidos é activo e faz-se juntamente com o sódio (Na + ), utilizando proteínas transportadoras. Os aminoácidos, são geralmente transportados

Leia mais

Excreção. Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas.

Excreção. Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas. Fisiologia Animal Excreção Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas. Sistema urinario Reabsorção de açucar, Glicose, sais, água. Regula volume sangue ADH: produzido pela

Leia mais

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL 1 ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL Ana Carolina Borghesi Marques Branco Mariah Martins da Silva Josiane Correia Juliana Ferreira

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR PROFª CLÁUDIA LOBO

SISTEMA EXCRETOR PROFª CLÁUDIA LOBO SISTEMA EXCRETOR PROFª CLÁUDIA LOBO Excreção Mecanismo pelo qual os seres vivos recolhem seu lixo celular, como a amônia (NH 3 ), CO 2, água e sais. Desta forma, os seres vivos mantém a homeostase, isto

Leia mais

Karina Pfrimer Pós-graduanda da FMRP-USP Mestre pelo Departamento de Clínica Médica da FMRP-USP

Karina Pfrimer Pós-graduanda da FMRP-USP Mestre pelo Departamento de Clínica Médica da FMRP-USP Biomarcardores Karina Pfrimer Pós-graduanda da FMRP-USP Mestre pelo Departamento de Clínica Médica da FMRP-USP Biomarcadores Os biomarcadores são componentes corporais de fluidos ou tecidos que apresentam

Leia mais

FISIOLOGIA ANIMAL II

FISIOLOGIA ANIMAL II DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA FISIOLOGIA ANIMAL II AULAS e 3 DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE GLICOSE E LÍPIDOS NO SANGUE POR COLORIMETRIA CAETANA CARVALHO,

Leia mais

FUNÇÃO RENAL ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES

FUNÇÃO RENAL ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES A função renal é formada por um conjunto de órgãos que filtram o sangue, produzem e excretam a urina. É constituída por um par de rins, um par de ureteres, pela bexiga

Leia mais

MALATO DE DICREATINA (2CM)

MALATO DE DICREATINA (2CM) MALATO DE DICREATINA (2CM) Fórmula Molecular: C 12 H 24 N 6 O 9 Peso molecular: 396,35 g/mol Descrição: É um sal de creatina altamente bio assimilável e biodisponível ao conter um precursor do ciclo de

Leia mais

Avaliação da Função Renal. Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP

Avaliação da Função Renal. Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP Avaliação da Função Renal Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP Funções do Rim Balanço hídrico e salino Excreção de compostos nitrogenados Regulação ácido-base Metabolismo ósseo

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Relatório Global da Sétima Avaliação Externa da Qualidade dos Testes de CD 4 / CD 8

Relatório Global da Sétima Avaliação Externa da Qualidade dos Testes de CD 4 / CD 8 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria Executiva Coordenação Nacional de DST e Aids Relatório Global da Sétima Avaliação Externa da Qualidade dos Testes de CD 4 / CD 8 Série C. Projetos, Programas e Relatórios

Leia mais

SISTEMA URINÁRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA URINÁRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA URINÁRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA URINÁRIO Conjunto de órgãos e estruturas responsáveis pela filtração do sangue e consequente formação da urina; É o principal responsável pela eliminação

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema Urinário Conceito As atividades metabólicas resultam na decomposição de proteínas, lipídeos e carboidratos.

Leia mais

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno Introdução a Química Analítica Professora Mirian Maya Sakuno Química Analítica ou Química Quantitativa QUÍMICA ANALÍTICA: É a parte da química que estuda os princípios teóricos e práticos das análises

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família AULA 12 - AJUSTAMENTO DE CURVAS E O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS Ajustamento de Curvas Sempre que desejamos estudar determinada variável em função de outra, fazemos uma análise de regressão. Podemos dizer

Leia mais

Suplementos na Atividade Esportiva Maria Helena Weber CRN 2075

Suplementos na Atividade Esportiva Maria Helena Weber CRN 2075 Suplementos na Atividade Esportiva Maria Helena Weber CRN 2075 Exercício Físico x Atividade Física Atividade Física: é qualquer movimento do corpo, produzido pelo músculo esquelético que resulta em um

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE Profª Sandra Carvalho A carne magra: 75% de água 21 a 22% de proteína 1 a 2% de gordura 1% de minerais menos de 1% de carboidratos A carne magra dos diferentes animais de abate

Leia mais

9/30/2014. Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução. Fisiologia. Anatomia

9/30/2014. Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução. Fisiologia. Anatomia Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução à Anatomia e Fisiologia EN2319-Bases Biológicas para Engenharia I Reginaldo K Fukuchi Universidade Federal do ABC Por que

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E

SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E O que não é assimilado pelo organismo O que o organismo não assimila, isto é, os materiais inúteis ou prejudiciais ao seu funcionamento, deve ser eliminado.

Leia mais

Introdução. Palavras-chave: Composição corporal. Antropometria. Escola pública. Escola privada.

Introdução. Palavras-chave: Composição corporal. Antropometria. Escola pública. Escola privada. I Comparação de Composição Corporal Entre Alunos de Escolas Públicas e Privadas Por: André Shigueo F. Vieira Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Resumo: O objetivo do presente estudo foi analisar

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GRAU DE HEMÓLISE E SUA INTERFERÊNCIA EM ANÁLISES BIOQUÍMICAS DE AMOSTRAS OBTIDAS POR DIFERENTES TÉCNICAS DE COLETA DE SANGUE VENOSO

AVALIAÇÃO DO GRAU DE HEMÓLISE E SUA INTERFERÊNCIA EM ANÁLISES BIOQUÍMICAS DE AMOSTRAS OBTIDAS POR DIFERENTES TÉCNICAS DE COLETA DE SANGUE VENOSO 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 AVALIAÇÃO DO GRAU DE HEMÓLISE E SUA INTERFERÊNCIA EM ANÁLISES BIOQUÍMICAS DE AMOSTRAS OBTIDAS POR DIFERENTES TÉCNICAS DE COLETA DE SANGUE VENOSO Marina

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 1- Que órgão do sistema nervoso central controla nosso ritmo respiratório? Bulbo 2- Os alvéolos são formados por uma única camada de células muito finas. Explique como

Leia mais

DOSAGEM E CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

DOSAGEM E CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO DOSAGEM E CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO A dosagem do concreto tem por finalidade determinar as proporções dos materiais a empregar de modo a atender duas condições básicas: 1 Resistência desejada; 2

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS Ciclo de Krebs Considerações Gerais Esta denominação decorre da homenagem ao bioquímico Hans Krebs, a qual lhe valeu o Prémio Nobel de Fisiologia

Leia mais

CAPITULO I 1. O PROBLEMA. 1.1.Introdução. O interesse dos estudiosos voltou-se, segundo Malina (1984), para a

CAPITULO I 1. O PROBLEMA. 1.1.Introdução. O interesse dos estudiosos voltou-se, segundo Malina (1984), para a 1 CAPITULO I 1. O PROBLEMA 1.1.Introdução O interesse dos estudiosos voltou-se, segundo Malina (1984), para a composição corporal no sentido da medida do homem em sua variedade de perspectivas morfológicas,

Leia mais

Boletim Informativo 11 e 12-2009

Boletim Informativo 11 e 12-2009 PPEETT IMAGEEM I DIAGNÓSSTTI ICOSS VEETTEERRI INÁRRI IOSS UUM FFEELLI IIZZ NNAATTAALL EE UUM ÓTTI IIMO 22001100 O Natal é um tempo para avaliação, renovação e reabastecimento de Deus E seu infinito amor.

Leia mais

GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: MARIO NETO

GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: MARIO NETO GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: MARIO NETO DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS SÉRIE: 2º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem 1) Elabore o roteiro de estudos: a. Quais são as vias excretoras do nosso corpo? b.

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

Biofísica. Patrícia de Lima Martins

Biofísica. Patrícia de Lima Martins Biofísica Patrícia de Lima Martins 1. Conceito É uma ciência interdisciplinar que aplica as teorias, a metodologia, conhecimentos e tecnologias da Matemática, Química e Física para resolver questões da

Leia mais

! "#! #" $ % & $ % '! " #"!' ((() ((() (((((( '

! #! # $ % & $ % '!  #!' ((() ((() (((((( ' !"#! #"$ % &$ %'! " #"!'((()((()(((((( ' *+"","+*" &!"' " "-'. *+"","+*" " ' /0"1"*" /0"+1 *+"","+*""+"! + '1"!"#! #$% $ #$%& /02 3 &$ # 4 56 $ *+"","+*" 4 +% 1"+6 4 56"#*"+"! 0"# $ *+"","+*" " % Dispões

Leia mais

Procedimentos Técnicos NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR

Procedimentos Técnicos NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Versão: 1 Pg: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Ivo Fernandes Sobreiro Gerente da Qualidade 01/09/2009 DE ACORDO Renato de Lacerda Diretor Técnico 05/09/2009 APROVADO POR Jose Carlos Santos

Leia mais

Health Care & Human Care

Health Care & Human Care Health Care & Human Care O sistema ideal para cuidar da saúde e bem-estar A tecnologia BIA criou um novo standard Liderar a nova tecnologia proporciona resultados precisos em que pode confiar - Composição

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

EXAMES DE FUNÇÃO RENAL UTILIZADOS NA MEDICINA VETERINÁRIA

EXAMES DE FUNÇÃO RENAL UTILIZADOS NA MEDICINA VETERINÁRIA EXAMES DE FUNÇÃO RENAL UTILIZADOS NA MEDICINA VETERINÁRIA BORGES, Karina Evaristo POLIZER, Kassiane Aparecida SILVÉRIO, Marianne Rodrigues GIMENES, Tiago Favarro BERMEJO, Vanessa Justiniano karina.evaristo@ig.com.br

Leia mais

E L R O R B ETSE SO L O R C FALAS O VAM

E L R O R B ETSE SO L O R C FALAS O VAM SOBRE COLESTEROL VAMOS FALAR COLESTEROL O nome colesterol vem do grego e significa cálculo biliar. Ele foi batizado pelo químico francês Michel Eugene Chevreul, em 1815. Presente nas gorduras animais,

Leia mais

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DO CÂNCER BUCAL NO HC DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, ATRAVÉS DO CID 10

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DO CÂNCER BUCAL NO HC DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, ATRAVÉS DO CID 10 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos ESTUDO DA PREVALÊNCIA DO CÂNCER BUCAL NO HC DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, ATRAVÉS DO CID 10 Leana

Leia mais

InBody220 Dossier Técnico

InBody220 Dossier Técnico InBody220 Dossier Técnico 1. Análise de Composição Corporal 1.1 Factos a ter em conta para a medição precisa com o InBody220 A precisão de um teste, envolvendo o analisador de composição corporal, é dependente

Leia mais

ENERGIA: ASPECTOS INTRODUTÓRIOS

ENERGIA: ASPECTOS INTRODUTÓRIOS ENERGIA: ASPECTOS INTRODUTÓRIOS FTC NUTRIÇÃO HUMANA GERAL Prof. Esp. Manoel Costa Neto Conceitos fundamentais ALIMENTAÇÃO NUTRIÇÃO ALIMENTOS NUTRIENTES Porque Alimentar-se? Visão lúdica (prazer); Obter

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 4 a LISTA DE EXERCÍCIOS GBQ12 Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães AMOSTRAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 4 a LISTA DE EXERCÍCIOS GBQ12 Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães AMOSTRAGEM 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 4 a LISTA DE EXERCÍCIOS GBQ12 Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães AMOSTRAGEM 1) Um pesquisador está interessado em saber o tempo médio que

Leia mais

Sistema Endócrino Sistema Endócrino Sistema Endócrino Sistema Endócrino Sistema Endócrino Sistema Endócrino Mensagem Química: Hormônios Os hormônios são substâncias químicas liberadas na corrente sanguínea

Leia mais

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS Diego de Faria Sato 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: A obesidade é considerada

Leia mais

RESUMO PARA O CONGRESSO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA 2011

RESUMO PARA O CONGRESSO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA 2011 RESUMO PARA O CONGRESSO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA 2011 Modalidade: Mesa Redonda TÍTULO DA MESA: UTILIZAÇÃO DOS SUBTESTES RACIOCÍNIO MATRICIAL E CÓDIGOS DO BETA III EM DIVERSOS CONTEXTOS Coordenador da mesa:

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

ANÁLISE DE FALHAS EM CADEIRAS COM AJUSTE DE ALTURA POR PISTÃO PNEUMÁTICA

ANÁLISE DE FALHAS EM CADEIRAS COM AJUSTE DE ALTURA POR PISTÃO PNEUMÁTICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO EDUARDO LACERDA HEBERT B. MAGNAVITA MICHEL SANTOS GASPARINI ANÁLISE DE FALHAS EM CADEIRAS COM AJUSTE DE ALTURA POR PISTÃO PNEUMÁTICA

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS Gandhi Giordano Engenheiro Químico pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Especialização em Engenharia Sanitária e Ambiental pela UERJ, Mestrando

Leia mais

Avaliação antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade.

Avaliação antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade. 10mo Congreso Argentino de Educación Física y Ciencias. Universidad Nacional de La Plata. Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación. Departamento de Educación Física, La Plata, 2013. Avaliação

Leia mais

Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue

Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue Paris, 07 de junho, de 2008 Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue Novos dados apresentados na Annual

Leia mais

A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado.

A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado. Histórico A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado. A pele bronzeada tornou-se moda, sinal de status e saúde. Histórico

Leia mais

Luís Correia Faculdade de Ciências da Saúde UFP luis_negri@hotmail.com. Maria Raquel Silva Professora Auxiliar. raquel@ufp.edu.pt

Luís Correia Faculdade de Ciências da Saúde UFP luis_negri@hotmail.com. Maria Raquel Silva Professora Auxiliar. raquel@ufp.edu.pt 452 Perfil Antropométrico de Jogadores Seniores de Basquetebol da Associação de Basquetebol de Viana do Castelo Luís Correia Faculdade de Ciências da Saúde UFP luis_negri@hotmail.com Maria Raquel Silva

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

Sistemas Excretores. Professor Fernando Stuchi

Sistemas Excretores. Professor Fernando Stuchi Sistemas Excretores Definição Para manutenção da vida de um organismo animal, todo alimento e substancia que são digeridas, as células absorvem os nutrientes necessários para o fornecimento de energia.

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados

SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados Regulação osmótica SISTEMA URINÁRIO HUMANO adrenal Veia cava

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA URINÁRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Rins... 04 Localização... 04 Anatomia macroscópica...

Leia mais

Fantomas adultos em função da massa corporal, da altura e da postura usando estatísticas antropométricas Caucasianas

Fantomas adultos em função da massa corporal, da altura e da postura usando estatísticas antropométricas Caucasianas Fantomas adultos em função da massa corporal, da altura e da postura usando estatísticas antropométricas Caucasianas Richard Kramer 1, Vagner Ferreira Cassola 1, Felix Mas Milian 2, Carlos Alberto Brayner

Leia mais

INSTITUIÇÃO: FACULDADE MUNICIPAL PROFESSOR FRANCO MONTORO DE MOGI GUAÇU

INSTITUIÇÃO: FACULDADE MUNICIPAL PROFESSOR FRANCO MONTORO DE MOGI GUAÇU TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA CREATINA POR PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE MUNICIPAL PROFESSOR FRANCO MONTORO DE MOGI

Leia mais

OSMORREGULAÇÃO um exemplo de regulação hormonal

OSMORREGULAÇÃO um exemplo de regulação hormonal OSMORREGULAÇÃO um exemplo de regulação hormonal A composição química do nosso meio interno está continuamente sujeita a modificações (principalmente devido ao metabolismo celular), pelo que é importante

Leia mais

SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma)

SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma) SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma) Introdução A função básica do sistema cardiovascular é comunicação das células entre si, produzindo um fluxo, e com o meio externo, havendo uma integração

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA. Kátia Baluz

TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA. Kátia Baluz TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA Kátia Baluz Transplantes realizados no CEMO/INCA Fonte: Ministério da Saúde - INCA. TRANSPLANTE

Leia mais

Disciplina de Fisiologia Veterinária. GH e PROLACTINA. Prof. Fabio Otero Ascoli

Disciplina de Fisiologia Veterinária. GH e PROLACTINA. Prof. Fabio Otero Ascoli Disciplina de Fisiologia Veterinária GH e PROLACTINA Prof. Fabio Otero Ascoli GH Sinônimos: Hormônio do crescimento ou somatotrópico ou somatotropina Histologia: Em torno de 30 a 40% das células da hipófise

Leia mais