PROSTATITE BACTERIANA CRÔNICA E CISTOS PROSTÁTICOS EM CÃES RELATO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROSTATITE BACTERIANA CRÔNICA E CISTOS PROSTÁTICOS EM CÃES RELATO DE CASO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO VERA ROSANE SOUTO DO NASCIMENTO PROSTATITE BACTERIANA CRÔNICA E CISTOS PROSTÁTICOS EM CÃES RELATO DE CASO PORTO ALEGRE RS 2009

2 VERA ROSANE SOUTO DO NASCIMENTO PROSTATITE BACTERIANA CRÔNICA E CISTOS PROSTÁTICOS EM CÃES RELATO DE CASO Monografia apresentada a Universidade Federal Rural do Semi-Árido UFERSA, Departamento de Ciências Animais para Obtenção do título de Especialista em Clínica Médica de Pequenos Animais. Orientadora: Profa. Karin Lucianne Monti de Vasconcelos da Silva-UFSM PORTO ALEGRE RS 2009

3 VERA ROSANE SOUTO DO NASCIMENTO PROSTATITE BACTERIANA CRÔNICA E CISTOS PROSTÁTICOS EM CÃES RELATO DE CASO Trabalho de Conclusão de Curso aprovado como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em Clínica Médica de Pequenos Animais, apresentada a Universidade Federal Rural do Semi-Árido UFERSA, Departamento de Ciências Animais. APROVADA EM: / / BANCA EXAMINADORA Profº.: Prof. Dr. Alexandre Rodrigues Silva (UFERSA) Presidente Profº.: Profa. Msc. Valéria Natascha Teixeira ( UFERSA) Primeiro Membro Profº.: Prof. Msc. Masahiko Ohi (UFERSA) Segundo Membro

4 AGRADECIMENTOS Consciente da presença de Deus em minha vida agradeço-lhe a bênção de ter os familiares que tenho. Aos meus pais, Maria Olmira e João Alberto, tão especiais e dedicados, o meu eterno agradecimento. Ao meu companheiro Ideraldo, agradeço a compreensão e o incentivo que sempre estiveram presentes. Aos animais, dádivas da natureza, companheiros dos humanos no planeta Terra. Agradeço, enfim, ao privilégio de ter feito este curso, conquistado amizades e aprendido coisas novas que irão contribuir para meu futuro profissional.

5 RESUMO As afecções prostáticas são raras nas outras espécies, porém, comuns em cães. Elas incluem a hiperplasia, prostatite (aguda ou crônica), abscessos, cistos, tumores e cálculos. Estas enfermidades possuem sinais clínicos semelhantes, porque todas causam aumento de volume ou inflamação da próstata. Neste trabalho será relatado o caso de um cão com prostatite bacteriana crônica associada a cistos prostáticos e será realizada uma revisão de literatura das duas prostopatias, destacando as possíveis causas, sinais clínicos, abordagem diagnóstica e conduta terapêutica. Unitermos: cães, prostatite bacteriana crônica, cistos prostáticos.

6 ABSTRACT The prostatic diseases are rare in other species, but, commons in dogs. They are hyperplasia, prostatitis (acute or chronide), abscess, cysts, tumoures and calculus. This sicknesses are resembling, because is a voluminous growth or prostate gland inflammation. In this work will be related the case of dog with bacterial chronide prostatitis and prostatic cysts. The review of the two destach the causes, clinical signs, diagnosis abordage and therapeutics conduct. Key words: dogs, bacterial chronide prostatitis, prostatic cysts.

7 LISTA DE FIGURA Figura 1-Prostatectomia em um cão Dachshund Pelo Duro, em que se observa a próstata já extirpada (A), a sonda uretral projetando-se da uretra perineal (B) e inserida no colo da vesícula (C)...18

8 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA PROSTATITE BACTERIANA CRÔNICA CISTOS PROSTÁTICOS OBJETIVOS RELATO DE CASO DISCUSSÃO CONCLUSÃO...21 REFERÊNCIAS...22

9

10 1 INTRODUÇÃO As prostatopatias fazem parte da rotina clínica, aparecendo com freqüência em cães. As afecções da próstata atingem comumente o cão macho de meia idade a idoso. A próstata é a única glândula sexual acessória do cão, cuja principal função é a produção do fluído prostático, responsável pelo transporte e sustentação dos espermatozóides no ejaculado (AMORIM, 2002). A próstata é um órgão bilobulado, localizado predominantemente no espaço retroperitonial, caudal a vesícula urinária, na área do colo vesical e uretra proximal. Sua irrigação arterial provém da artéria urogenital que se divide em dois a três ramos prostáticos, dorsal e dorsolateral à glândula. As veias avançam junto com as artérias. A inervação é tanto simpática como parassimpática (BARSANTI;FINCO, 1997). Segundo Amorim et al. (2002) a hiperplasia prostática benigna é o aumento benigno e espontâneo da próstata, observado em cães de meia idade a idoso. Esta é a afecção mais comum da próstata canina, sendo que todos os cães não castrado desenvolvem evidências histológicas de hiperplasia prostática benigna. Esta patogia ocorre devido a um desequilíbrio nas concentrações dos hormônios testiculares. Esta hipótese tem suporte no fato de que a castração ou administração de estrógenos causa atrofia da próstata normal ou hiperplásica. Além da hiperplasia prostática benigna, destacam-se as prostatites bacterianas (aguda e crônica), cistos, abscessos, neoplasias e cálculos. Todas estas afecções apresentam sinais clínicos semelhantes, devido ao aumento de volume ou da inflamação na glândula. Dentre eles, o corrimento uretral constante ou intermitente, a hematúria e as infecções urinárias são achados comuns. Os sinais clínicos inespecíficos, como febre, indisposição e dor abdominal estão relacionados comumente com as infecções bacterianas e neoplasias (BARSANTI;FINCO, 1997). 2 REVISÃO DE LITERATURA

11 2.1 PROSTATITE BACTERIANA CRÔNICA Para Barsanti;Finco (1997) as enfermidades inflamatórias prostáticas estão associadas à infecção bacteriana aguda ou crônica. A glândula prostática está predisposta a processos infecciosos devido a afecções uretrais, traumatismo, constrições, neoplasias, infecção do trato urinário ou afecções da própria glândula. Kay (1998) ressalta que a prostatite surge de uma infecção ascendente, embora possa ocorrer propagação hematógena das bactérias. O microorganismo mais frequentemente isolado é a Escherichia coli, mas é possível a infecção por outras bactérias como Staphylococcus, Streptococcus, Klebsiella e Pseudomonas. Os microorganismos comumente envolvidos na prostatite são os mesmos que, com freqüência, causam infecção do trato urinário. Quadros recidivantes de cistite em cães machos sexualmente maturos sugerem a presença de afecção da glândula. De acordo com Robertson (1996) a prostatite bacteriana crônica pode ser seqüela de episódios agudos não resolvidos. Raskin;Meyer (20003) citam que esta enfermidade pode ser assintomática, sendo descoberta apenas depois do diagnóstico de infecção urinária. Alternativamente, Fraser (1996) ressalta que o cão pode manifestar disúria ou hematúria, corrimento uretral constante ou intermitente e algumas vezes apresentar-se letárgico. Para Barsanti;Finco (1997) o tamanho e a forma da glândula prostática depende da hiperplasia e fibrose concomitantes. Robertson (1996) relata que a glândula cronicamente inflamada fica menos dolorosa à palpação, aumentada de volume e pode ficar assimétrica. Mesmo sem sinais anormais durante o exame físico, a urinálise pode revelar a presença de piúria, hematúria ou bacteriúria. O hemograma e o quadro bioquímico não são afetados pela infecção crônica, somente em caso de abscedação. A análise do líquido prostático coletado através de massagem pode ser útil no diagnóstico, não obstante, a infecção do trato urinário deve estar controlada (BARSANTI;FINCO, 1997).

12 Raskin;Meyer (2003) citam como exame complementar a aspiração com agulha fina da próstata para avaliação citológica. O exame radiográfico pode revelar uma mineralização parenquimatosa granular. Com a ultra-sonografia a glândula pode exibir-se como estrutura difusa a multifocalmente hipercóica, podendo haver mineralização multifocal. Somente a ultra-sonografia não diferencia a prostatite crônica de hiperplasia ou neoplasia (BARSANTI;FINCO, 1997). De acordo com Fraser (1997) o tratamento da prostatite bacteriana crônica baseia-se na administração de agentes antibióticos, sendo difícil a cura da infecção. Allen et al. (1989) citam que os antibióticos devem ser selecionados de acordo com a cultura e testes de sensibilidade e pela sua capacidade de penetrar rapidamente a membrana lipídica do epitélio prostático. Barsanti;Finco (1997) salientam que o tratamento deve ter continuidade por no mínimo seis semanas. O líquido prostático e a urina devem ser analisados semanalmente, e depois todos os meses após a suspensão do antibiótico. Caso haja recidiva deverão ser instituídos cursos mais prolongados de tratamento. Os benefícios da castração são incertos nestes casos, não obstante, a involução prostática ajudaria ao menos para impedir a recidiva da infecção (FRASER, 1997). Quando a antibioticoterapia aliada a castração não resultarem na cura da enfermidade, a terapia com baixas doses de antibiótico ou a prostatectomia são as opções restantes. O uso da medicação em baixas doses pode ser instituída com o objetivo de controlar a infecção, de modo que esta se torne assintomática. A prostatectomia completa eliminará o tecido prostático infectado, no entanto, é um procedimento cirúrgico complexo, podendo ocorrer algumas complicações pós-operatórias (BARSANTI;FINCO, 1997). Robertson (1996) relata que a prostatectomia completa é indicada para casos de pacientes com prostatopatias proliferativas, que causam comprometimento da luz da uretra prostática e no caso de pacientes com neoplasia na glândula. Depois de anestesiado e devidamente preparado para uma cirurgia asséptica, é colocado no paciente, um cateter no interior da vesícula urinária. O acesso cirúrgico é feito através de uma incisão cutânea prépúbica, lateralmente ao prepúcio, aprofundando-se pela linha mediana até entrada da cavidade abdominal. Para realização desta técnica cirúrgica, deve-se ter cuidado extremo com os nervos do plexo pélvico que repousam na superfície dorsal da próstata. A dissecação é feita o mais próximo da próstata possível. O parênquima prostático, na qual, circunda a uretra e

13 limita-se contra o colo vesical deve permanecer intacto para evitar uma incontinência urinária no pós-operatório. Rompe-se a próstata desde a uretra, proximal à entrada do duto deferente na superfície dorsal. Após, rompe-se a uretra novamente tão próximo possível do bordo caudal da próstata, para efetuar a anastomose com uma tensão mínima. Remove-se a próstata a partir do cateter, e reinsere-se o mesmo na bexiga. Os segmentos uretrais são anastomosados com uma sutura de polidioxanona n. 3-0, em um padrão interrompido simples. Após completar a anastomose, lava-se o abdome e fecham-se as incisões cutâneas e abdominais na linha média ventral de forma rotineira. 2.2 CISTOS PROSTÁTICOS

14 De acordo com Barsanti;Finco (1997) os cistos prostáticos ou de retenção ocupam o parênquima e ocorrem devido ao acúmulo de secreções no interior do órgão, como resultado de obstrução dos ductos. Fraser (1997) cita que em cães idosos aparecem como lesões cavitárias que contém fluído claro ou turvo no seu interior. Para Raskin;Meyer (2003) os cistos podem manifestar-se como múltiplos e pequenos ou somente como uma estrutura grande. Os pequenos podem ser palpados pelo reto como pequenas áreas flutuantes em uma glândula aumentada assimetricamente. Cistos grandes podem ser palpáveis pelo abdômen ou na região perianal. Os cães podem apresentar-se assintomáticos, ou com secreção uretral sanguinolenta, disúria, tenesmo, até casos mais graves com dor abdominal, estrangúria, fraqueza, anorexia. Fraser (1997) ressalta que os sinais clínicos assemelham-se aos que estão presentes nos outros tipos de enfermidades que levam ao aumento de volume prostático, tornando-se aparente quando ocorre pressão nos órgãos adjacentes. Os exames ultra-sonográficos, radiográficos e a aspiração com agulha fina são os métodos de diagnósticos de cistos prostáticos. A ultra-sonografia revela áreas focais ou multifocais, hipo ou anecogênica. O exame radiográfico demonstra o aumento da glândula, sendo necessária a radiografia contrastada para diagnóstico diferencial (GUIDO, 2004). A aspiração do cisto caracteristicamente apresenta quantidade variável de fluído serosanguinolento a amarronzado. A citologia revela pequena quantidade de células epiteliais de aspecto normal, com raros neutrófilos e hemáceas (RASKIN;MEYER, 2003). Fossum et al. (2002) relatam que o tratamento cirúrgico para pequenos cistos é a castração, inobstante, em cistos grandes deva-se associar a drenagem cirúrgica. Froes et al. (2003) cita a drenagem percutânea eco dirigida sendo este método pouco invasivo e com raras complicações. Para Hedlund (1997) devido à dificuldade de cura clínica dessa enfermidade, existem várias técnicas cirúrgicas para remoção ou drenagem dos cistos prostáticos, tais como, a marsupialização, a omentalização, a prostatectomia intracapsular subtotal. Para Robertson (1996) as técnicas cirúrgicas são efetuadas de forma semelhante quanto ao acesso cirúrgico e fechamento do abdome. Após o preparo do paciente para uma cirurgia asséptica, é feita a incisão cutânea pré-púbica, na linha média ventral, do umbigo até

15 a extremidade do prepúcio paralelo à entrada pélvica. A marsupialização da próstata consiste na criação cirúrgica de uma fístula ente o saco preenchido por fluído e a parede abdominal. Usa-se neste procedimento uma sutura de nylon monofilamentar n. 2-0 em um padrão interrompido simples. Esta técnica tem melhor efetividade em casos de um abscesso grande ou de um cisto abdominal. O animal deve permanecer no pós-operatório com um cateter de Foley através da abertura da marsupialização e inflar o bulbo para a drenagem nos primeiros dias. Como complicação pós-operatória possível ressalta-se o fechamento da fístula antes de completar a drenagem, podendo haver reformação do abscesso e conseqüente necessidade de realização da prostatectomia intracapsular subtotal. A prostatectomia intracapsular subtotal é um procedimento indicado quando cistos e abscessos forem múltiplos e localizados na porção dorsal da próstata, ou quando forem pequenos para serem exteriorizados por meio da marsupialização. Embora esta técnica cirúrgica seja eficiente nos casos de prostatite crônica, não deve ser utilizada em próstatas que requeiram remoção total. Através desta técnica pode-se remover mais de 80% da próstata doente e drenar o tecido doente remanescente através da uretra. Inicia-se o procedimento de forma semelhante à marsupialização. É feita uma incisão na glândula prostática ao longo do septo mediano ventral com bisturi elétrico, evitando o colo da bexiga. Remove-se lateral e dorsolateralmente a maior parte da glândula. Para que o epitélio uretral se regenere, uma faixa dorsal em toda extensão da uretra prostática deve ser preservada, evitando assim, obstrução urinária como complicação pós-operatória. Para suturar a próstata utiliza-se fio absorvível n. 3-0 em um padrão de Cushing inversor e sobre-suturar em um padrão de Lembert contínuo para impedir o extravasamento de urina. No pósoperatório, mantém-se o animal com cateter vesical por aproximadamente cinco dias (ROBERTSON, 1996). De acordo com Apparício (2006) a omentalização prostática é um procedimento cirúrgico com mínimas complicações. Pode ser realizada em casos de ocorrência de cistos ou abscessos prostáticos. O conteúdo destas estruturas é aspirado, para evitar a contaminação abdominal. A incisão é feita na face ventral da glândula em ambos os lobos prostáticos, na qual, é introduzido o omento dentro das cavidades, em quantidade suficiente para preencher todo o espaço, sem haver comunicação entre os dois lobos e sem circundar a uretra. Esta estrutura é fixada com sutura contínua simples, utilizando fio poliglactina 910 n. 3-0 ou n. 4-0, englobando o omento e a cápsula prostática. Esta técnica cirúrgica apresenta baixa incidência de incontinência urinária no período pós-operatório, devido à pequena manipulação

16 da inervação do trígono e da uretra prostática, risco mínimo de ruptura uretral e capacidade do omento de estimular a angiogênese e fornecer suporte vascular. 3 OBJETIVOS

17 O presente trabalho tem como objetivo: - ressaltar a importância da avaliação prostática nos cães de meia idade a idoso, bem como, chamar a atenção principalmente para os episódios de cistite bacteriana recidivante como principal manifestação clínica das afecções prostáticas. - avaliar a importância dos exames clínico e laboratorial aliado aos exames complementares para conduzir o clínico ao diagnóstico das prostatopatias. - analisar as possibilidades terapêuticas levando em consideração cada quadro clínico, visando a cura do paciente. 4 RELATO DE CASO

18 Foi atendido na Clínica Veterinária Bichos da Gente, na cidade de Rosário do Sul, um cão, macho, da raça Dachshund Pêlo Duro, seis anos, pesando 12 kg. Durante a anamnese foi relatado que o animal já havia, há alguns meses atrás, sido atendido apresentando extrusão de disco intervertebral. Durante este período o paciente apresentou retenção urinária, e a partir deste quadro começou a ser tratado devido a episódios recorrentes de cistite bacteriana. Durante a consulta médica a proprietária relatou que o cão apresentava-se com disúria e corrimento uretral purulento que tinha evolução de vinte dias. Após assepsia tópica foi coletada urina por sonda e encaminhada para o laboratório para realização de exame qualitativo de urina e urocultura com antibiograma. A urocultura revelou a presença da bactéria Escherichia coli com valor maior que unidades formadoras de colônia por mililitro de urina. A urinálise revelou a presença de cistite. Foi iniciado o tratamento com sulfametoxazol e trimetoprim na dose de 15mg/kg de doze em doze horas. Essa medicação foi mantida por vinte e um dias. Antes do término do tratamento, foi repetido o exame qualitativo de urina, no qual, não se evidenciou sinais da infecção. Completado o tratamento o cão apresentava-se bem, sem nenhum sinal clínico. Após vinte dias o animal retornou com intensa dor abdominal pélvica e com corrimento uretral purulento volumoso. Nessa oportunidade foram solicitados hemograma, urinálise e bioquímica sérica.. O hemograma e a bioquímica sérica estavam com os valores normais. A urinálise indicou presença de cistite bacteriana. O animal foi encaminhado para o Hospital Veterinário da Universidade Federal de Santa Maria, onde foi realizada a ultra-sonografia abdominal. Segundo o laudo ecográfico, a próstata apresentava-se com parênquima heterogênico apresentando cavitações anecogênicas de formato irregular. Mediram aproximadamente 0,8 e 1,5cm de diâmetro, sendo a imagem compatível com cistos ou abscessos. Não foram encontradas allterações nos demais órgãos abdominais. Diante deste diagnóstico, optou-se pelo tratamento cirúrgico, sendo realizada a prostatectomia completa devido a possibilidade de estar presente uma neoplasia. O paciente foi pré-anestesiado com acepromazina 0,2% na dose de 0,1mg/kg e morfina na dose de 0,2mg/kg por via intramuscular. Após foi feita a tricotomia na região abdominal e pélvica ventral. A seguir, na sala cirúrgica, foi realizada a indução anestésica com propofol na dose de 5mg/kg, por via intravenosa, e anestesia geral com isoflurano, vaporizado em oxigênio, em sistema semifechado. Antes do procedimento cirúrgico, como analgesia complementar foi associada anestesia epidural com lidocaína 2% na dose de 3mg/kg. Como antibiótico profilático utilizou-se cefalotina na dose de 30mg/kg por via intravenosa. A seguir foi

19 adaptada uma sonda uretral e realizada anti-sepsia da pele com álcool, iodo e álcool nesta seqüência. O acesso cirúrgico foi feito por incisão cutânea pré-púbica, lateral ao prepúcio e aprofundamento pela linha mediana até a cavidade abdominal. A seguir a vesícula urinária foi exposta e tracionada cranialmente para visualizar a próstata após divulsão do tecido adiposo que a envolve. A prostatectomia iniciou por divulsão e secção transversal da uretra junto ao colo vesical e, após, a próstata foi rebatida caudoventralmente para expor os mesentérios dorsais com a finalidade de pinçar, seccionar e ligar os vasos sangüíneos. Nessa manobra procurou-se preservar a inervação inerente ao colo vesical. Para complementar a prostatectomia a uretra foi seccionada caudal a próstata o que permitiu a retirada da mesma (Figura 1). Nos tempos cirúrgicos de uretrotomia a sonda uretral foi recuada temporariamente. A anastomose da uretra pélvica com o colo vesical, após a retirada da próstata, foi feita com fio de poliglactina 910 n. 3-0 em padrão interrompido simples. Concluída a uretrorafia, o abdômen foi lavado com solução fisiológica, revisada a hemostasia e a parede abdominal fechada por sutura de Sultan na linha Alba, e contínua simples no tecido subcutâneo, com fio poliglactina 910 n. 2-0 e a pele suturada com fio mononylon n. 3-0 em pontos de Wolff. A sonda uretral foi mantida por cinco dias, para evitar repleção vesical e estenose na área de anastomose. No pós-operatório foi administrada ceftriaxona na dose de 30mg/kg por via intramuscular. A glândula prostática foi enviada para exame histopatológico. Após a retirada do catéter vesical o animal manteve o fluxo urinário normalmente. Os pontos foram retirados após dez dias da intervenção cirúrgica. O paciente não apresentou nenhuma das possíveis seqüelas relativas à cirurgia de prostatectomia completa, como incontinência urinária ou estenose uretral. Os episódios de infecções urinárias não se repetiram. A escolha pelo tratamento cirúrgico como conduta terapêutica resultou na cura do paciente. Segundo laudo histopatológico do órgão o cão apresentava prostatite multifocal crônica, moderada com fibrose e cistos multifocais. Após 10 meses da intervenção cirúrgica o paciente retornou para vacinação anual e a proprietária relatou que o cão não apresentou nenhum sinal clínico relativo ao quadro anterior.

20 A C B Figura 1 Prostatectomia em um cão Dachshund Pêlo Duro, em que se observa a próstata já extirpada (A), a sonda uretral projetando-se da uretra perineal (B) e inserida no colo da vesícula urinária (C). Fonte: Hospital Veterinário de Santa Maria 5 DISCUSSÃO

21 Segundo dados da literatura, a prostatite bacteriana pode ocorrer devido a uma infecção ascendente. No presente relato o animal apresentou anteriormente extrusão de disco intervertebral e conseqüente retenção urinária, na qual provocou recorrentes infecções do trato urinário. Assim como citam Barsanti;Finco (1997) as infecções urinárias recidivantes são causas possíveis de infecção da próstata por via ascendente, podendo ter sido o que levou ao aparecimento da patologia do paciente. De acordo com o que citam alguns autores, a presença de disúria, corrimento uretral, cistites recidivantes em um cão macho, de meia idade, não castrado, são fatores sugestivos de alterações prostáticas, estando presentes tais características e sinais clínicos no animal atendido. A palpação retal, análise do líquido prostático, bem como a aspiração com agulha fina da próstata são exames úteis para o diagnóstico, porém, não foram efetuados pela falta de experiência nestes procedimentos. Os exames, tais como, o hemograma e a bioquímica sérica estavam dentro dos limites normais, bem como descrevem Barsanti;Finco (1997) que na doença crônica estes exames não se encontram alterados, somente em casos de abscedação. Kay (1998) descreve que a bactéria mais frequentemente envolvida nas infecções urinárias é a Escherichia coli, estando esta presente na urocultura do paciente. A antibioticoterapia foi mantida por três semanas e foi escolhido o medicamento de acordo com o resultado da urocultura e na capacidade de penetração na membrana lipídica do epitélio prostático, como foi citado por Allen et al (1989). Baseada na suspeita clínica de prostatopatia, houve necessidade de solicitação de um exame complementar. A ultra-sonografia é o método de diagnóstico por imagem efetiva nestes casos. Revela alterações de tamanho e forma, presença de cistos ou abscesso, sendo fundamental para conduzir o tratamento. Neste relato de caso, este exame aliado ao histórico clínico e exames laboratoriais foi decisivo para escolha do tratamento efetuado. A ultra-sonografia revelou uma glândula aumentada de tamanho com formato irregular e imagem compatível com cisto ou abscesso. Segundo Barsanti;Finco (1997) este exame não diferencia prostatite crônica de hiperplasia ou neoplasia.

22 Diante do resultado ultra-sonográfico e do quadro clínico optou-se pela prostatectomia completa, contrariando o que descreve Fossum et al. (2002) que para pequenos cistos o tratamento de eleição é a castração, e Froes et al. (2003) que defende a drenagem percutânea ecodirigida por ser pouco invasiva e com mínimos riscos de complicações. Após a prostatectomia completa e exame histopatológico do órgão, confirmou-se a presença de uma infecção crônica com intensa fibrose e conseqüente obstrução dos ductos, ocasionando acúmulo de secreções no interior da glândula. A prostatectomia completa em casos de infecção crônica é recomendada, caso não haja resposta clínica com antibióticos. Segundo a literatura a antibioticoterapia prolongada, em quadros recidivantes deve ser considerada uma opção para eliminar a infecção, porém deve-se avaliar os efeitos colaterais dos medicamentos à longo prazo. A cirurgia de prostatectomia completa bem efetuada confere a cura da patologia, sem problemas futuros, como ocorreu com o paciente em questão.

23 6 CONCLUSÃO Após a revisão de literatura e análise do caso relatado, conclui-se que se deve suspeitar de uma prostatopatia em animais de meia-idade a idoso com infecção urinária recidivante. Os exames laboratoriais são importantes, visto que, algumas das afecções prostáticas podem manifestar sinais sistêmicos. O exame qualitativo de urina confirma a presença de cistite bacteriana e junto com a urocultura determina a escolha do melhor antibiótico para efetuar o tratamento. A ultra-sonografia é um exame por imagem decisivo para confirmar uma afecção prostática. No paciente tratado este exame revelou uma glândula aumentada de tamanho e formato irregular com presença de cistos ou abscessos. Embora o exame ultra-sonográfico não diferencia uma prostatite crônica de uma hiperplasia ou neoplasia, mostra que a próstata está alterada, conduzindo o médico veterinário a aliar o resultado com os sinais clínicos e exames laboratoriais escolhendo o melhor tratamento. Baseado nestes fatores, no tempo de evolução da enfermidade e no tempo em que o animal já havia sido tratado, optou-se pela cirurgia de prostatectomia completa como melhor tratamento para o paciente. De acordo com dados da literatura, a prostatectomia completa é uma técnica cirúrgica complexa com grandes possibilidades de complicações pós-operatórias. Neste caso a cirurgia foi executada de forma correta, por um cirurgião experiente, conferindo a cura do paciente, tendo este animal uma excelente recuperação, sem nenhum problema posterior relativo a estas enfermidades.

24 REFERÊNCIAS ALLENN, W. E., NOAKES, D. E., RENTON, J. P. Sistema genital. In: HANDLER, E. A., THOMPSON, D. J., SUTTON, J. B. Medicina e terapêutica de caninos. 2 ed. São Paulo: Manole, cap 16. p AMORIM, R. L., BANDARRA, E. P., MOURA, V. M. B. D., DI SANTIS, G. W. Patogenia da hiperplasia prostática benigna canina. Revista conselho federal de medicina veterinária, Brasília, n.25, p.37, jan/fev/mar/abr APPARÍCIO, M Omentalização prostática em cães. Disponível em. Acesso em dez/2008. BARSANTI, J. A., FINCO, D. R. Moléstias prostáticas. In: ETTINGER, S. J., FELDMAN, E. C. Tratado de medicina interna veterinária. 4 ed. São Paulo: Manole, v 2, cap p FOSSUM, T. W., HEDLUND, C. S., HULSE, A. D. et al. Cirurgia de pequenos animais. São Paulo: Roca, p. FRASER, C. M. Manual merck de veterinária. 7 ed. Rio de Janeiro: Roca, p FROES, T. R., GONZALES, J. R. M., KANAYMA, L. M., JORGE, R. C., IWASAKI, M. Ultra-sonografia intervencionista drenagem percutânea de lesões cavitárias e cistos prostáticos em cães. Clinica veterinária, São Paulo, n. 47, p GUIDO, M. C. Ultra-sonografia do aparelho reprodutor masculino. In: CARVALHO C. F. Ulta-sonografia em pequenos animais. São Paulo: Rocca, p HEDLUND, C. S. Surgery of the reproduction and genital systems. In: FOSSUM, T. W. Small animal surgery. St Louis: Mosby, p , KAY, N. D. Prostopatia. In: BIRCHARD, S. J., SCHERDING, R.G. Manual saunders clínica de pequenos animais. São Paulo: Rocca, cap 8. p RASKIN, R. E., MEYER, D. J., Atlas de citologia de cães e gatos. São Paulo: Rocca, p

25 ROBERTSON, J. J. Próstata. In: BOJRAB, M. J. Técnicas atuais em cirurgia de pequenos animais. 3 ed. São Paulo: cap 28. p

Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES. Traumatismos. Urolitíase. Neoplasias. Infecções do trato t urinário

Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES. Traumatismos. Urolitíase. Neoplasias. Infecções do trato t urinário CIRURGIAS DO OSS SISTEMA URINÁRIO Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas Escola de Medicina Vetrinária -UFBA Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES Traumatismos Urolitíase

Leia mais

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata AULA PREPARADA POR: PATOLOGIAS DA PRÓSTATA Prostata A próstata é um órgão interno que só o homem possui; tem a forma de uma maçã muito pequena, e fica logo abaixo da bexiga. ANATOMIA Tem o tamanho aproximado

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS DOENÇAS DA PRÓSTATA Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho de uma noz, e se localiza abaixo da bexiga, envolvendo a uretra masculina.

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. P/ Edison Flávio Martins

DOENÇAS DA PRÓSTATA. P/ Edison Flávio Martins DOENÇAS DA PRÓSTATA P/ Edison Flávio Martins PRÓSTATA NORMAL Peso: 15 a 20 gr Localização: Abaixo da bexiga Atravessada pela uretra Função: Reprodutiva DOENÇAS DA PRÓSTATA Infecção: Prostatite aguda e

Leia mais

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003 Página 1/6 1- INTRODUÇÃO: O trato urinário é um dos sítios mais comuns de infecção hospitalar, contribuindo com cerca de 40% do total das infecções referidas por hospitais gerais. Além das condições de

Leia mais

Nefrolitotripsia Percutânea

Nefrolitotripsia Percutânea Nefrolitotripsia Percutânea A cirurgia renal percutânea é a forma menos agressiva de tratamento para cálculos renais grandes e que não podem ser tratados adequadamente pela fragmentação com os aparelhos

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU M Pr02 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO A infecção do trato urinário relacionada à assistência à saúde (ITU-RAS) no adulto

Leia mais

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Alterações no exame de urina (urinálise) 2. Infecção urinária de repetição 3. Litíase renal 4. Obstrução do trato

Leia mais

Boletim Informativo 6-2007

Boletim Informativo 6-2007 PEETT IMAGEEM I DIAGNÓSSTTI ICOSS VEETTEERRI INÁRRI IOSS TTOI ICCOLLOGI IAA Conforme muitos pedidos de médicos veterinários e também por solicitação de muitos proprietários, podemos contar agora com um

Leia mais

Profª. Drª. Josaine C. S. Rappeti Pedrozo Médica Veterinária

Profª. Drª. Josaine C. S. Rappeti Pedrozo Médica Veterinária OVARIOSALPINGOHISTERECTOMIA (OSH) EM PEQUENOS ANIMAIS Ovariosalpingohisterectomia remoção dos ovários, trompas e útero. Indicações: Esterilização eletiva, suspensão de cio, tumores ovarianos, cistos ovarianos,

Leia mais

Qual o tamanho da próstata?

Qual o tamanho da próstata? É o aumento benigno do volume da próstata. A próstata é uma glândula situada na parte inferior da bexiga e anterior ao reto. No seu interior passa a uretra (o canal pelo qual a urina é eliminada do corpo).

Leia mais

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Intestino Delgado Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Irrigação do Intestino Delgado Duodeno Artérias duodenais Origem Irrigação Duodeno proximal Duodeno distal Anastomose Jejuno e íleo

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

AVALIAÇÃO ULTRA-SONOGRÁFICA E RADIOGRÁFICA EM UM CÃO COM PROSTATOMEGALIA SUBMETIDO À PROSTATECTOMIA TOTAL: RELATO DE CASO RESUMO

AVALIAÇÃO ULTRA-SONOGRÁFICA E RADIOGRÁFICA EM UM CÃO COM PROSTATOMEGALIA SUBMETIDO À PROSTATECTOMIA TOTAL: RELATO DE CASO RESUMO AVALIAÇÃO ULTRA-SONOGRÁFICA E RADIOGRÁFICA EM UM CÃO COM PROSTATOMEGALIA SUBMETIDO À PROSTATECTOMIA TOTAL: RELATO DE CASO FONTELES, Z.G.C. 1 ; VITORINO FILHO, R.N.L. 2 ; VERÇOSA, B.L.A. 3* ; ALCÂNTARA,

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 RAPHAEL CARDOSO CLIMACO¹, MAIRA SANTOS SEVERO CLIMACO 2, CAMILA CAROLINE CARLINI 3, WEMERSON DE SANTANA NERES 3, MORGANA OLIVEIRA EUGÊNIO 3 ¹Médico Veterinário, Centro Médico Veterinário Mr. Zoo, Aracaju,

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do Trato Urinário Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea Data de Realização: 23/03/2009 Data de Revisão: Data da Última

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA AFECÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA AFECÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA AFECÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES Autora: Débora Ferreira Diehl PORTO ALEGRE 2011 UNIVERSIDADE

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem 01. Tomografia computadorizada da pelve após injeção endovenosa de meio de contraste iodado, tendo havido ingestão prévia do mesmo produto. Paciente,

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA IRAS As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) consistem em eventos adversos ainda persistentes nos

Leia mais

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Intestino Delgado Abordagem ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Fisiologia Histologia Aspectos Clínicos Anatomia Do estômago ao intestino grosso Maior porção do trato digestivo

Leia mais

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER Próstata Sobre o Câncer Sintomas Diagnóstico e exame Tratamento Recomendações O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho

Leia mais

Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013)

Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013) Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013) Blanker MH, Breed SA, van der Heide WK, Norg RJC, de Vries A, Wolters RJ, van den Donk M, Burgers JS, Opstelten W,

Leia mais

EXAMES MICROBIOLÓGICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun

EXAMES MICROBIOLÓGICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun EXAMES MICROBIOLÓGICOS Profa Dra Sandra Zeitoun Exames microbiológicos Os microorganismos que causam doenças infecciosas são definidos como patógenos, pois se multiplicam e causam lesão tecidual. Todos

Leia mais

HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA HPB

HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA HPB Tatiana Lika Franco da Rocha HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA HPB SÃO PAULO 2008 FMU Tatiana Lika Franco da Rocha Hiperplasia Prostática Benigna HPB Trabalho de conclusão de curso do curso de Medicina Veterinária

Leia mais

Comprometimento esofágico (torácico) Obstrução por corpo estranho; Perfuração do esôfago por corpo estranho; Divertículo esofágico; Neoplasias;

Comprometimento esofágico (torácico) Obstrução por corpo estranho; Perfuração do esôfago por corpo estranho; Divertículo esofágico; Neoplasias; CIRURGIA TORÁCICA Toracotomia ABERTURA E O FECHAMENTO DA CAVIDADE TORÁCICA INDICAÇÕES Comprometimento esofágico (torácico) Obstrução por corpo estranho; Perfuração do esôfago por corpo estranho; Divertículo

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

PENECTOMIA PARCIAL EM CÃO SRD DEVIDO A ESTENOSE URETRAL: RELATO DE CASO

PENECTOMIA PARCIAL EM CÃO SRD DEVIDO A ESTENOSE URETRAL: RELATO DE CASO 1 PENECTOMIA PARCIAL EM CÃO SRD DEVIDO A ESTENOSE URETRAL: RELATO DE CASO LETÍCIA MELO OLIVEIRA 1, THAMIZA CARLA COSTA DOS SANTOS 1, IAGO MARTINS OLIVEIRA 1, LÉO LINDSAY SOUSA GALVÃO 1, THAYANNE CAROLINA

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS ALTERAÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES ATRAVÉS DA PALPAÇÃO RETAL E CITOPATOLOGIA

AVALIAÇÃO DAS ALTERAÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES ATRAVÉS DA PALPAÇÃO RETAL E CITOPATOLOGIA AVALIAÇÃO DAS ALTERAÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES ATRAVÉS DA PALPAÇÃO RETAL E CITOPATOLOGIA PROSTATIC DISEASES EVALUATION BY RECTAL PALPATION AND CYTOPATHOLOGY IN DOGS Autores: Dala Kezen Vieira, Jorge Castro,

Leia mais

Norma - Algaliação. Terapêutica Permitir a permeabilidade das vias urinárias. Diagnóstica Determinar por exemplo o volume residual

Norma - Algaliação. Terapêutica Permitir a permeabilidade das vias urinárias. Diagnóstica Determinar por exemplo o volume residual Norma - Algaliação DEFINIÇÃO Consiste na introdução de um cateter da uretra até á bexiga. É uma técnica asséptica e invasiva. Sendo uma intervenção interdependente, isto é, depende da prescrição de outros

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA.

COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA. COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA. CITOLOGIA CLÍNICA O exame citológico é uma das grandes ferramentas para auxiliar o médico veterinário no diagnóstico, prognóstico e na tomada de

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

Prof. Diogo Mayer Fernandes Disciplina de Técnica Cirúrgica Medicina Veterinária FAD

Prof. Diogo Mayer Fernandes Disciplina de Técnica Cirúrgica Medicina Veterinária FAD Prof. Diogo Mayer Fernandes Disciplina de Técnica Cirúrgica Medicina Veterinária FAD Incisão cirúrgica para acesso à cavidade abdominal SINÔNIMO Celiotomia TERMOS Abdômen Agudo = Alteração repentina dos

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) Enf.ª Cláudia Cristina Castro de Andrade SEC/SCIH devidos créditos! Plágio é Crime! UM POUCO DE HISTÓRIA... Até a metade do século XIX ISC= óbito Joseph Lister,

Leia mais

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa Centro Médico Será solicitado que você coloque uma bata cirúrgica. Poderá receber um sedativo pela boca. Será então transferido para a mesa de operações. Você será submetido a uma anestesia peridural ou

Leia mais

PIOMETRA: TÉCNICAS CIRÚRGICAS E CLÍNICAS PARA O TRATAMENTO.

PIOMETRA: TÉCNICAS CIRÚRGICAS E CLÍNICAS PARA O TRATAMENTO. PIOMETRA: TÉCNICAS CIRÚRGICAS E CLÍNICAS PARA O TRATAMENTO. BOCARDO, Marcelo HAMZÈ, Abdul L. Discentes de Medicina Veterinária FAMED- GARÇA ZAPPA, Vanessa Doscente de Medicina Veterinária FAMED- GARÇA.

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães Ciro José Sousa de Carvalho 1, Sâmmya Roberta Barbosa 2, Francisco Assis Lima Costa 3, Silvana Maria Medeiros

Leia mais

TÉCNICAS CIRÚRGICAS NOS INTESTINOS

TÉCNICAS CIRÚRGICAS NOS INTESTINOS TÉCNICAS CIRÚRGICAS NOS INTESTINOS INTESTINOS - ANATOMIA Intestino de carnívoros 2 a 5 vezes o comprimento do tronco Intestino delgado 4 vezes o tamanho do grosso INTESTINOS - ANATOMIA DUODENO Relativamente

Leia mais

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante Página 1 de 6 22/10/2009-11h42 Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante GABRIELA CUPANI da Folha de S.Paulo Nenhuma prótese de mama dura para sempre. Embora os especialistas

Leia mais

Diagnóstico das doenças da próstata

Diagnóstico das doenças da próstata Diagnóstico das doenças da próstata A. A QUEM SE DEVE DIRIGIR SE TEM DIFICULDADES URINÁRIAS? O médico especialista em patologia prostática é o urologista. Este especialista realizará exames adequados para

Leia mais

Infecção do trato urinário Resumo de diretriz NHG M05 (terceira revisão, junho 2013)

Infecção do trato urinário Resumo de diretriz NHG M05 (terceira revisão, junho 2013) Infecção do trato urinário Resumo de diretriz NHG M05 (terceira revisão, junho 2013) Van Pinxteren B, Knottnerus BJ, Geerlings SE, Visser HS, Klinkhamer S, Van der Weele GM, Verduijn MM, Opstelten W, Burgers

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

HIPERPLASIA DA GLÂNDULA DA CAUDA FELINA Relato de Caso

HIPERPLASIA DA GLÂNDULA DA CAUDA FELINA Relato de Caso ANAIS DA III SEPAVET SEMANA DE PATOLOGIA VETERINÁRIA E DO II SIMPÓSIO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA DO CENTRO OESTE PAULISTA FAMED FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA DA FAEF ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Ferida cirúrgica 1º Semestre de 2013 Instrutora:

Leia mais

O Câncer de Próstata. O que é a Próstata

O Câncer de Próstata. O que é a Próstata O Câncer de Próstata O câncer de próstata é o segundo tumor mais comum no sexo masculino, acometendo um em cada seis homens. Se descoberto no início, as chances de cura são de 95%. O que é a Próstata A

Leia mais

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo INTRODUÇÃO Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo Bursite do olécrano é a inflamação de uma pequena bolsa com líquido na ponta do cotovelo. Essa inflamação pode causar muitos problemas no cotovelo.

Leia mais

Anatomia da Reprodução Masculina

Anatomia da Reprodução Masculina FUPAC Fundação Presidente Antônio Carlos Faculdade Presidente Antônio Carlos de Uberlândia CURSO: MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: FISIOPATOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Anatomia da Reprodução Masculina Prof.

Leia mais

FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO

FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO O sistema reprodutivo masculino é constituído de diversos órgãos peculiares que atuam em conjunto para produzir espermatozóides e liberá- los no sistema reprodutor

Leia mais

Cateterismo Vesical KAREN CRISTINA KADES ANDRIGUE 02/2014

Cateterismo Vesical KAREN CRISTINA KADES ANDRIGUE 02/2014 Cateterismo Vesical KAREN CRISTINA KADES ANDRIGUE 02/2014 Cateterismo Vesical Termo correto = CATETERIZAÇÃO VESICAL Cateter: dispositivo tubular com luz, mais utilizados para drenagem de líquidos ou infusão

Leia mais

CÂNCER DE PRÓSTATA M A R I A D A C O N C E I Ç Ã O M. R I B E I R O

CÂNCER DE PRÓSTATA M A R I A D A C O N C E I Ç Ã O M. R I B E I R O CÂNCER DE PRÓSTATA M A R I A D A C O N C E I Ç Ã O M. R I B E I R O A Evolução nos Conhecimentos e métodos de diagnóstico e tratamento do câncer de próstata ao longo do tempo Em 1536 a próstata foi descrita

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UROLOGIA 21. Dentre os cristais urinários relacionados a seguir, aquele que tem significado patológico, quando visto na microscopia de pequeno aumento, durante um exame

Leia mais

P R O S T AT E C T O M I A R A D I C A L L A P A R O S C Ó P I C A

P R O S T AT E C T O M I A R A D I C A L L A P A R O S C Ó P I C A P R O S T AT E C T O M I A R A D I C A L L A P A R O S C Ó P I C A O Câncer de próstata (Cap) É o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). Em valores absolutos,

Leia mais

Reunião de casos clínicos

Reunião de casos clínicos Reunião de casos clínicos RM Dr Ênio Tadashi Setogutti Dr Gustavo Jardim Dalle Grave Março 2013 CASO CLINICO - 1 Paciente sexo feminino, 52 anos, HIV +, com dor intensa em região lombar, dificuldade para

Leia mais

XXIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA

XXIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA CONTRIBUIÇÃO DA ULTRASSONOGRAFIA NO DIAGNÓSTICO DE LITÍASES EM URETRA PENIANA EM UM SCHNAUZER: RELATO DE CASO NATHALIA BRANT MALTA SALGUEIRO 1, PATRÍCIA DE CASTRO STEHLING 2, PAULA LAISE RIBEIRO DE OLIVEIRA

Leia mais

Omentalização prostática em cães

Omentalização prostática em cães 754 Omentalização prostática em cães Maricy APPARÍCIO 1 Wilter Ricardo Russiano VICENTE 1 Eliandra Antônia PIREZ 1 Giuliano Queiroz MOSTACHIO 1 Ana Paula Coelho RIBEIRO 1 Gabriela Jayme COVIZZI 1 Carla

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

Sistema reprodutor masculino e feminino

Sistema reprodutor masculino e feminino ANATOMIA E FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS Sistema reprodutor masculino e feminino Valdirene Zabot valdirene@unochapeco.edu.br Introdução O sistema genital masculino está constituído principalmente por:

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO As infecções bacterianas nos RN podem agravar-se muito rápido. Os profissionais que prestam cuidados aos RN com risco de infecção neonatal têm por

Leia mais

Refluxo Vesicoureteral em Crianças

Refluxo Vesicoureteral em Crianças Refluxo Vesicoureteral em Crianças Refluxo Vesicoureteral em crianças O RVU (Refluxo vesicoureteral) é uma condição que se apresenta em crianças pequenas. Ao redor do 1% das crianças de todo o mundo tem

Leia mais

Prolapsos Cloacais e Outros mais

Prolapsos Cloacais e Outros mais Prolapsos Cloacais e Outros mais Cloaca Câmara onde termina o intestino, oviductos, ureteres e ductos deferentes nos répteis Constituída por 3 partes: Coprodeum porção mais cranial onde termina o recto

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Relato de caso: Hiperestrogenismo em cão decorrente de sertolioma

Relato de caso: Hiperestrogenismo em cão decorrente de sertolioma PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Relato de caso: Hiperestrogenismo em cão decorrente de sertolioma Amanda Furjan Rial 1 ; Scharla Walesca 1 ; Vanessa Satie Yamanaka 1 ; Lilian Helena

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

HIPOSPÁDIAS. Herick Bacelar Antonio Macedo Jr INTRODUÇÃO

HIPOSPÁDIAS. Herick Bacelar Antonio Macedo Jr INTRODUÇÃO HIPOSPÁDIAS Herick Bacelar Antonio Macedo Jr INTRODUÇÃO Hipospádia resulta de um desenvolvimento anormal do pênis que é definido como um meato uretral ectópico proximal a sua posição normal na glande,

Leia mais

Câncer de próstata. O que você deve saber. Marco A. Fortes HNMD

Câncer de próstata. O que você deve saber. Marco A. Fortes HNMD Câncer de próstata O que você deve saber Marco A. Fortes HNMD Incidência do câncer em homens no Brasil em 1999 Localização Homens % Pele 19500 15,0 Pulmão 14800 11,6 Próstata 14500 11,4 Estômago 13600

Leia mais

Perpetuando a vida - 2

Perpetuando a vida - 2 A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Perpetuando a vida - 2 Atenção - Maria, olhe só o resultado do exame: positivo para gonadotrofina coriônica! Alberto e Maria olharam um para o outro, sem

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

Colaboradores Acadêmicos Selene Círio Leite Diego Lunelli Marcelle Círio Leite

Colaboradores Acadêmicos Selene Círio Leite Diego Lunelli Marcelle Círio Leite 3267-4303 Orientações para Colheita e Remessa de Material para Exames Laboratoriais VOLUME 1 Histopatologia Citologia Necropsia www.petimagem.com PET IMAGEM - Diagnósticos Veterinários foi criado em abril

Leia mais

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL Definição: Infecção urinária sintomática associada ao cateter: Febre > 38 o C ou sensibilidade suprapúbica e cultura positiva

Leia mais

RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO

RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO Aspectos Radiográficos Normais de Rins e Ureteres Visualização variável da imagem renal quanto ao número, forma, contorno, tamanho, posição e densidade (intermediária entre

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

HOSPITAL DA LUZ 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS

HOSPITAL DA LUZ 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS RADIOEMBOLIZAÇÃO 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS 1 RADIOEMBOLIZAÇÃO A radioembolização é uma radioterapia selectiva administrada por via intra-arterial

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS DADOS DOS ATENDIMENTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO HV/EVZ/UFG

LEVANTAMENTO DOS DADOS DOS ATENDIMENTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO HV/EVZ/UFG LEVANTAMENTO DOS DADOS DOS ATENDIMENTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO HV/EVZ/UFG BRAGATO, Nathália. 1 ; PÁDUA, Fernanda Maria Ozelim de 1 ; COSTA, Ana Paula Araújo.; SILVA,

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão DRENOS CONCEITO É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão ou podem estar ali presentes. OBJETIVOS DOS DRENOS Permitem

Leia mais

Bula Completa Imuno BCG

Bula Completa Imuno BCG Bula Completa Imuno BCG Mycobacterium bovis BCG Bacilo de Calmette Guérin Cepa Moreau Rio de Janeiro FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES O IMUNO BCG é apresentado em caixas com 1 e 2 ampolas âmbar contendo

Leia mais

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO Os autores apresentam três casos de Tumores Gigantes de Ovário, sendo um com alto grau de malignidade (Linfoma do tipo Burkitt), dois benignos (Cisto Seroso e Teratoma), porém

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

INTUSSUSCEPÇÃO EM CÃES

INTUSSUSCEPÇÃO EM CÃES UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CLÍNICA CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA INTUSSUSCEPÇÃO EM CÃES Lígia Paula Rodrigues Ribeirão Preto, maio de 2008. LÍGIA PAULA RODRIGUES Aluna do

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais

03/05/2012. Radiografia simples do abdome

03/05/2012. Radiografia simples do abdome Radiografia simples do abdome 3 1 Contrastados: Urografia Excretora Injeção EV Contraste iodado Opacificação: 1. Parênquima renal 2. Sistema coletor 3. Bexiga e uretra 4 Litíase urinária Caso cr Rx simples:

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 37 REPRODUTOR MASCULINO

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 37 REPRODUTOR MASCULINO BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 37 REPRODUTOR MASCULINO Bexiga urinária Vesícula seminal Canal deferente Osso Púbis Pênis Uretra Corpos cavernosos Glande peniana Prepúcio Escroto Testículo Glândula bulbouretal

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

TRATAMENTO DAS DOENÇAS DA PRÓSTATA

TRATAMENTO DAS DOENÇAS DA PRÓSTATA TRATAMENTO DAS DOENÇAS DA PRÓSTATA.com.br Dr. Miguel Srougi é médico, professor de Urologia na Universidade Federal de São Paulo e autor do livro Próstata: Isso É Com Você..com.br Drauzio Varella Vamos

Leia mais

HERNIA INGUINAL INDIRETA EM FELINO ASSOCIADA À INGESTÃO DE CORPO ESTRANHO RELATO DE CASO

HERNIA INGUINAL INDIRETA EM FELINO ASSOCIADA À INGESTÃO DE CORPO ESTRANHO RELATO DE CASO HERNIA INGUINAL INDIRETA EM FELINO ASSOCIADA À INGESTÃO DE CORPO ESTRANHO RELATO DE CASO THAÍS GUIMARÃES MORATO ABREU 1, GABRIELA RODRIGUES SAMPAIO 2, PAULA BAÊTA DA SILVA RIOS 3, LÍVIA DE PAULA COELHO

Leia mais