Flávio Ferreira de Aguiar. Software Visual das Estruturas Cristalinas dos Sólidos em Três Dimensões.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Flávio Ferreira de Aguiar. Software Visual das Estruturas Cristalinas dos Sólidos em Três Dimensões."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Curso de Física SOFTWARE VISUAL DAS ESTRUTURAS CRISTALINAS DOS SÓLIDOS EM TRÊS DIMENSÕES Autor: Flávio Ferreira de Aguiar Orientador: Dr. Paulo Eduardo de Brito BRASÍLIA 2006

2 Flávio Ferreira de Aguiar Software Visual das Estruturas Cristalinas dos Sólidos em Três Dimensões. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO APRESENTADO A UCB, SOB ORIENTAÇÃO DO PROF. Dr. PAULO EDUARDO DE BRITO. Brasília-DF

3 SOFTWARE VISUAL DAS ESTRUTURAS CRISTALINAS DOS SÓLIDOS EM TRÊS DIMENSÕES RESUMO Este trabalho tem como foco principal o desenvolvimento de um software visual das estruturas cristalinas dos sólidos em três dimensões com intuitos didáticos. Para essa produção, o estudo da linguagem de programação C foi constante, o que possibilitou a criação do software em OpenGl no ambiente Linux. Esse estudo, aliado às leituras e ao aprendizado das características e propriedades das estruturas cristalinas, forneceu subsídios para obter como produto final a visualização gráfica de nove das catorze principais redes dos sólidos de Bravais. Como a preocupação a respeito dos cristais e dos elétrons nos cristais estão entre as principais áreas de pesquisa do estudo da física de estados sólidos, acredita-se que o software tornará acessível a observação e análise dessas estruturas. Palavras-chave: software, estruturas cristalinas, OpenGl, sólidos de Bravais. ABSTRACT The mean goal of this work is to develop visual software which allows viewing the crystalline structures of solids structure of crystal in three dimensions with didactic intentions. For this production, the study of the programming language C it was constant, what it made possible the creation of the software in OpenGl in the Linux environment. This study, ally to the readings and the learning of the characteristics and properties of the crystalline structures, supplied subsidies to get as end item (production) the graphical visualization of nine of fourteen main nets of solids of Bravais. As the concern regarding crystals and of electrons in crystals they are between the main areas of research to the study of the physics of solid states, giving credits that the software will become accessible the comment and analysis of these structures. Key-words: software, crystalline structures, OpenGl, solids of Bravais. 1 INTRODUÇÃO 3

4 O presente trabalho tem como objeto a criação de um software visual tomando por base a interface gráfica Mesa, que é uma biblioteca de rotinas gráficas e de modelagem, bi (2D) e tridimensional (3D), extremamente portável, rápida e gratuita. O Mesa, além de fornecer desenhos de primitivas gráficas, tais como linhas e polígonos, dá suporte a iluminação, colorização, mapeamento de textura, transparência, animação, entre muitos outros efeitos especiais visando assim uma melhor visualização. Para a construção do software, o sistema de gerenciamento de janelas foi feito pelas bibliotecas GLUT (OpenGL Utility Toolkit) e GLU (OpenGL Utility library), que fornece várias funções auxiliares, principalmente primitivas gráficas como superfícies quádricas e splines. Esse software possibilita a produção das estruturas cristalinas dos sólidos em três dimensões, com o objetivo de facilitar a visualização das principais redes de Bravais por parte dos alunos e proporcionar um conhecimento melhor desses arranjos tridimensionais periódicos de átomos. As estruturas cristalinas dos sólidos em três dimensões são formadas a partir da repetição de partículas (átomos e moléculas) no espaço, originando as principais redes com grupos de átomos ligados a cada ponto. Essas estruturas resultam justamente da associação desses átomos e moléculas, de modo que um seja perfeitamente equivalente a outro e igualmente espaçados. Existem catorze tipos diferentes de estruturas cristalinas básicas tridimensionais, devido justamente à forma como esses átomos ou moléculas se posicionam, ou seja, estão localizadas nas células unitárias, formando, assim, as redes de Bravais. Dos catorze tipos de estruturas, foram construídos apenas nove que são as tetragonais, trigonais e as ortorrômbicas, podendo essas ser visualizadas através do software. A pesquisa torna-se, então uma oportunidade de aprimoramento acadêmico em campos que relacionam a física do estado sólido, propiciando um amadurecimento e independência do aluno rumo às áreas de pesquisa científicas e a uma melhor formação profissional. 2 - MATERIAIS E MÉTODOS HISTÓRIA DA CRISTALOGRAFIA Até o fim do século XIX e início do século XX, uma série de informações a respeito dos cristais havia sido acumulada, porém pouco conhecimento se tinha sobre os detalhes o interior da estrutura atômica. Somente com o surgimento da mecânica quântica, no início do século XX, é que se foi possível explicar os fenômenos que ocorrem em escala atômica. 4

5 Em 1848, o cristalógrafo francês Bravais determinou matematicamente que esferas poderiam ser arranjadas no espaço através de no máximo 14 arranjos, esses arranjos ficaram conhecidos como os 14 sólidos de Bravais. Para ele os átomos seriam considerados esferas perfeitas. Já no século XX, para provar que esses arranjos formavam as estruturas cristalinas dos materiais, era necessário usar um meio menor que o objeto estudado para captar dados, pois se o meio fosse maior que o objeto, não teria sensibilidade para captar seus detalhes. Assim:... para observarmos átomos não poderíamos usar a luz visível, já que os diâmetros atômicos são da ordem de angstrons (1Å ou10-10 m), com isso, estruturas cristalinas como a cúbica do NaCl (sal de cozinha) [figura 1], tem 5,64 Å de face, já a luz visível, apresenta uma faixa de comprimento de onda de 4000 (violeta) até 7000 (vermelho) Å. Ou seja, o menor comprimento de onda da luz visível é cerca de 800 vezes maior que uma aresta da estrutura cúbica do sal de cozinha. Assim, o uso de luz visível para uma observação direta da estrutura cristalina está completamente descartada. (BARROS, 2001) Figura 1: Estrutura do sal de cozinha, onde as esferas verdes são os átomos de cloro (Cl-) e as esferas cinza representam os átomos de sódio (Na+). (BARROS, 2001) Com a utilização do raio-x para observar os átomos, verificou-se que devido o seu comprimento de onda ser na faixa de 0,5 até 2,5 Å, a sua alta energia faria com que os átomos interagissem com ele. Com isso, o físico alemão Von Laue propôs que núcleos atômicos, por concentrar a massa dos átomos, poderiam difratar raios-x, formando franjas de difração. Contudo, isso só seria possível se os átomos apresentassem uma estrutura cristalina (estando organizados de forma periódica no espaço) e se os raios-x possuíssem comprimento de onda menor que os espaços interatômicos. Assim, ele obteve em um filme fotográfico, pontos sensibilizados devido à difração sofrida pelos raios-x após passarem por uma amostra monocristalina. Com esse resultado, os físicos ingleses W. H. Bragg e seu filho W. L. Bragg formularam uma equação para determinar os ângulos onde estariam os picos de intensidade 5

6 máxima de difração. Conhecendo as distâncias interatômicas, seria possível solucionar problemas para determinar estruturas cristalinas. Assim, os Bragg obtiveram a estrutura do NaCl. A difração de raios-x contribuiu para demonstrar várias outras estruturas, auxiliando também para propor a estrutura em dupla hélice do DNA, a qual pode ser verificada na figura 2. Figura 2: Padrão de difração de raios-x do DNA. (BARROS, 2001) A partir da comprovação da natureza ondulatória do elétron, Knoll e Ruska criaram o primeiro microscópio eletrônico do tipo transmissão, onde usavam elétrons para gerar imagens. Nesse microscópio, um feixe de elétrons atravessa uma amostra muito fina, interagindo com os átomos dessa amostra e por fim gera uma imagem numa placa pintada com uma tinta fluorescente. O uso desse microscópio possibilitou a criação de uma figura de difração de uma fase, possibilitando determinar a estrutura cristalina de cada fase constituinte do material. No entanto, as imagens são geradas apenas em duas dimensões, representando o interior do material, não sendo possível observar a superfície das amostras. A solução para essa limitação do microscópio foi alcançada obtendo-se uma imagem por varredura de elétrons. Nesse microscópio (de varredura), da figura 3, o feixe varre a seção da amostra através de uma seqüência de linhas e não fica fixo como ocorre no microscópio de transmissão. 6

7 Figura 3: Imagem do primeiro microscópio de varredura na Universidade de Cambridge e a primeira imagem (amostra de alumínio utilizada). (BARROS, 2001) Além da importância desses microscópios na caracterização dos materiais, através da observação das estruturas que estavam inacessíveis pelo microscópio ótico, eles possibilitam realizar a difração de elétrons, determinando a estrutura cristalina, visto que o choque dos elétrons de alta energia contra os átomos da amostra resulta na geração de raios-x, que saem em comprimentos de onda característicos de cada espécie atômica. O microscópio eletrônico de varredura por ter uma grande distância focal, permite por em foco imagens de uma superfície muito irregular e com isso pôde-se observar o aspecto de peças fraturadas e determinar o motivo da quebra do material. Em 1928, Orowan submetendo uma amostra monocristalina de zinco metálico a um ensaio de tração, observou que a energia necessária para fraturar o material era muito menor do que a prevista pelas energias de ligação. Com isso, surgiu uma série de hipóteses de defeitos na estrutura cristalina dos materiais, fato diferente do que se conhecia, visto que nessa época acreditava-se que um cristal apresentava uma estrutura perfeita, com átomos organizados lado a lado sem nenhuma falha. Devido a esse fato, em 1934, Orowan, simultaneamente a Taylor, propôs que... a estrutura cristalina não era perfeita, que ao longo dos planos atômicos empilhados poderiam haver falhas. Essas falhas foram chamadas de discordâncias ou deslocações... (BARROS, 2001) Essa teoria da discordância se adaptava muito bem aos resultados obtidos na prática para a deformação dos materiais, apesar de não ser muito aceita. Finalmente, em 1956, 7

8 Bollmmann, Hirsch, Horne e Whelan observaram, pela primeira vez, uma discordância por um microscópio eletrônico de transmissão. E com esse resultado verificou-se:... esses defeitos cristalinos regem a deformação dos metais, o empilhamento de defeitos implica no surgimento de uma região onde os átomos perdem suas ligações e que, consequentemente, resulta no surgimento e crescimento de trincas, ao mesmo tempo que o empilhamento dos defeitos provoca o endurecimento dos metais. O conhecimento de como esses defeitos se comportam, durante a deformação, permite determinar o processamento dos metais. (BARROS, 2001) Como exemplo tem-se o processo de estamparia, onde a porta do automóvel que era originalmente uma chapa plana de aço apresenta um formato final ao colocá-la entre dois moldes, prensando-a e impondo uma deformação pelo fechamento desses dois moldes. O produto mais recente para observar a estrutura da matéria são os microscópios de varredura por tunelamento, desenvolvido em 1981 por Binnig e Roher dos laboratórios da IBM de Zurique. Esse instrumento torna quase mentiroso o conceito de que átomos não podem ser observados.... No microscópio de tunelamento, uma agulha funciona como sonda varrendo a superfície de uma amostra condutora. Entre a sonda e a amostra é aplicada uma voltagem. Os elétrons da amostra deveriam permanecer nos átomos, mas pela mecânica quântica os elétrons podem "tunelar" da amostra para a sonda gerando uma diminuta corrente elétrica. Quando a sonda percorre paralelamente a superfície da amostra, as variações de corrente elétrica determinam as colinas e vales da superfície. A agulha assim consegue "enxergar" a topografia dos átomos. Para que esse equipamento possa ter uma resolução atômica, a agulha tem que ser tão fina que a espessura da ponta deve ser de um único átomo. (BARROS, 2001) Esse microscópio consegue gerar imagens somente em amostras condutoras de eletricidade. Para amostras isolantes, foi desenvolvido, em 1986, o microscópio de força atômica, onde são usadas as forças de repulsão entre os átomos. Assim, num microscópio de força atômica, a agulha, ao aproximar-se do último átomo da eletrosfera da amostra, sofre a ação de forças de repulsão. A agulha está apoiada sobre uma alavanca onde há um espelho que reflete um feixe de laser, as variações do feixe refletido determinam os movimentos da agulha e consequentemente o relevo da amostra, sendo possível perceber desde a rugosidade e determinar o acabamento superficial, até determinar os primeiros estágios de oxidação de metais. Dentre as implicações tecnológicas encontradas na indústria eletrônica estão os microprocessadores que são compostos por transistores impressos em placas de silício metálico; na indústria metal/mecânica e na construção civil encontram-se materiais como: novos tipos de aços mais confiáveis, a exemplo dos polímeros; ligas de alumínio; aços mais resistentes; plásticos que não se deterioram rapidamente se tornando tintas resistentes e o concreto. 8

9 2.2 - A Estrutura Cristalina Estrutura cristalina é a forma como átomos e moléculas, que constituem um sólido, estão ordenados no espaço. Ela resulta da associação desses átomos e moléculas, de modo que um seja perfeitamente equivalente a outro e igualmente espaçados.... Nos cristais mais simples, tais como o cobre, a prata, o ferro, o alumínio e os metais alcalinos, a unidade estrutural é representada por um único átomo. Em muitos cristais, a unidade estrutural é representada por um conjunto de átomos ou por um grupo de moléculas, até cerca de 100 para cristais inorgânicos e para cristais de certas proteínas. A estrutura de todos os cristais pode ser descrita em termos de uma rede com um grupo de átomos ligados a cada ponto dessa rede. Este grupo é denominado base; ele se repete no espaço para formar a estrutura cristalina. (KITTEL, 1978, p. 3) Existem bases de átomos que estão ligadas a cada ponto de rede, sendo cada uma dessas bases idênticas em combinações, arranjo e orientação. A superposição de uma base sobre cada ponto de uma rede, forma uma estrutura cristalina. No caso dos gases inertes e da maioria dos metais, a base pode ser constituída por um único átomo. Existem, porém estruturas cujas bases envolvem mais de 1000 átomos. A posição do centro do átomo da base, em relação a um ponto da rede, é escrita como: r = x a + y b + z c (1) onde : a = î, b = ĵ, c = kˆ e x, y e z são as componentes do vetor r podendo variar no intervalo de [0,1]. De maneira geral, a matéria sólida se apresenta sob dois estados fundamentais de ordenação: o amorfo e o cristalino. Apenas o cristalino possui uma estrutura interna ordenada, apresentando, consequentemente, estrutura cristalina. Existem substâncias parcialmente cristalinas, que têm em sua composição, porções de cristais introduzidos em material amorfo (é o caso da maioria das rochas). Alguns materiais, aparentemente amorfos, podem ser cristalinos, como é o caso da areia de quartzo (que é constituída por grande quantidade de pequenos cristais) ou das argilas (que aparentam ser amorfas, mas são constituídas por cristais microscópicos). Um cristal ideal é composto por uma arrumação de átomos numa rede definida por três vetores fundamentais a, b, e c, de modo que as configurações atômicas sejam exatamente iguais tanto para um observador situado em um ponto r quanto para um observador situado num ponto r dado por: r' = r + u a + vb + wc (2) onde u, v, w são números inteiros arbitrários. O conjunto de pontos r especificados por (2) para todos os valores dos inteiros u, v, w defini uma rede. Uma rede é um agrupamento periódico regular de pontos no espaço. A rede definida deste modo é uma abstração matemática: a estrutura cristalina se forma somente quando houver uma base de átomos ligada a cada ponto da rede. A relação lógica é: Rede + Base = Estrutura Cristalina 9

10 Tanto a rede quanto os vetores de translação a, b, c são chamados de primitivos se as configurações forem as mesmas para dois pontos quaisquer r e r que sempre satisfaçam para uma escolha conveniente dos números inteiros u, v, w. Esta definição dos vetores de translação primitivos garante que não existe nenhuma célula com volume menor que possa servir de bloco elementar para a construção da estrutura. Freqüentemente usamos os vetores de translação primitivos para definir os eixos cristalinos, embora eixos cristalinos não primitivos possam ser usados quando estes forem mais simples. Os eixos cristalinos a, b, c formam três arestas adjacentes de um paralelepípedo; portanto, eles formam o paralelepípedo primitivo. Uma operação de translação da rede é definida como o deslocamento de um cristal paralelamente a si mesmo através de um vetor de translação do cristal dado por: t = u a + vb + wc (3) Dois pontos arbitrários da rede podem ser ligados por um vetor dessa forma. (KITTEL, 1978, p. 4). Para uma dada estrutura, é possível existir mais de uma rede e, para uma dada rede, é sempre possível escolher mais de um conjunto de eixos cristalinos. Não podemos escolher a base sem antes selecionarmos a rede e os eixos que desejamos usar. Todos os fenômenos funcionam do mesmo modo, desde que a base seja escolhida adequadamente, para qualquer conjunto de eixos cristalinos escolhidos. As operações de simetria de um cristal são as operações que transformam uma estrutura cristalina nela própria. Estas operações incluem as operações de translação da rede. Além destas, existem operações de rotação e de reflexão denominadas operações pontuais. Em torno de certos pontos da rede ou em torno de certos pontos especiais no interior de um paralelepípedo elementar, é possível aplicar rotações e reflexões que transformam o cristal nele mesmo. Finalmente, existem operações compostas constituídas por combinações de operações de translações com operações pontuais. Os livros-texto sobre cristalografia são dedicados, em grande parte, á descrição das operações de simetria de translação Célula Unitária A repetição no espaço de uma estrutura elementar, que constitui a menor subdivisão de uma rede cristalina, conservando as características gerais da rede, é denominada célula unitária. Gerando, assim, a formação de um sólido cristalino, conforme figura 4, a seguir: 10

11 Figura 4: Célula unitária de um cristal de sal (NaCl). (ANGRENSE, 2006) Os átomos presentes nas células unitárias estão dispostos de certa forma que conhecendo suas coordenadas é possível descrever a estrutura cristalina. Porém, ao colocar uma mesma substância sob condições de temperatura e pressão diferentes, ela se cristaliza de formas diversas fazendo com que suas células unitárias sejam também diferentes umas das outras, como é o caso do Carbono que se cristaliza nas formas de diamante, grafite, entre outras. Outros fatos que contribuem para o tamanho e a forma das células unitárias serem diferentes são: a capacidade que um átomo de um elemento tem de se combinar com outro (valência química), suas dimensões, entre outros. Dessa forma, ao conhecer as células unitárias:... e levando em conta os eixos de simetria e a posição do centro geométrico de cada elemento do cristal, é possível descrever qualquer cristal com base em diagramas designados por redes de Bravais, nome que homenageia Auguste Bravais ( ), um dos pioneiros do seu estudo. (ANGRENSE, 2006) Como dito anteriormente, a célula unitária pode ser bastante complexa, porém qualquer cristal pode ser descrito pelas 14 redes cristalinas diferentes demonstradas por Bravais. Um cristal é, então, constituído pela repetição infinita de células unitárias semelhantes e regulares que determinam a sua macro-estrutura, conforme figura 4. As impurezas que constituem alguns cristais são responsáveis por determinar as propriedades elétricas e óticas, a temperatura de fusão e a reatividade química desses cristais, que são denominados naturais. O paralelepípedo definido pelos eixos primitivos a,b,c denomina-se célula primitiva. Uma célula primitiva é um tipo de célula unitária. A célula preencherá todo espaço pela ação de operações de translação convenientes: uma célula primitiva é uma célula de volume mínimo. Existem muitos modos de escolher eixos primitivos e a célula primitiva para uma dada rede. Para todas as escolhas, o número de átomos da base primitiva será o mesmo. Existe a 11

12 densidade de um ponto da rede por célula primitiva. Existem pontos da rede nos oito vértices do paralelepípedo, porém cada vértice está ligado com oito células em torno do ponto. O volume de uma célula definida pelos eixos a,b,c de acordo com análise elementar, é: Vc = a b c (4) A base associada com um ponto da rede de uma célula primitiva pode ser denominada base primitiva. Nenhuma base primitiva pode conter um número de átomos menor do que o número de átomos contido na base primitiva. Outro método para se escolher uma célula de igual volume Vc. A célula formada deste modo é conhecida pelos físicos como célula primitiva de Wigner-Seitz. (KITTEL, 1978, p. 6) Sistemas cristalinos Cada cristal possui um conjunto de elementos de simetria, dos quais só existem 32 combinações possíveis desses vários elementos. Esses 32 grupos pontos de simetria foram chamados de classes de simetria ou classes cristalinas, que é o conjunto de cristais diferentes que apresentam o mesmo grupo ponto de simetria. As substâncias se enquadram nessas 32 classes de simetrias citadas e são distribuídas em sete sistemas cristalinos sendo eles: Cúbico ou Isométrico, Hexagonal, Romboédrica, Tetragonal, Ortorrômbico, Monoclínico, Triclínico. Ao analisar geometricamente os sistemas de cristalização, concluí-se que existem sete sistemas distintos, onde dentro de alguns deles possuem subcategorias devido aos centros de simetria. Da combinação dos eixos e ângulos resultam os sete sistemas básicos de cristalização citados anteriormente: Cúbico, ou isométrico fornece quatro eixos ternários de rotação, o que permite um grande número de grupos espaciais (36). Produz estruturas simples e lineares e é aquele em que, para além de todos os cristais possuírem quatro eixos ternários de simetria, os eixos cristalográficos possuem comprimentos iguais e são perpendiculares entre si. Tetragonal permite um eixo quaternário de rotação e 68 grupos espaciais (o maior número possível em qualquer sistema). Todos os cristais deste sistema têm a característica de possuírem, para além de um eixo quaternário de simetria, três eixos cristalográficos perpendiculares entre si, sendo os dois horizontais de igual comprimento e o vertical de comprimento diferente. Ortorrômbico requer três eixos binários de rotação ou um eixo de rotação binário e dois planos de imagem reflexa. Permite 59 grupos espaciais. Produz estruturas de grande complexidade tendo como característica comum a todos os cristais deste sistema, a de apresentarem ao menos um eixo binário de simetria. Possuem três eixos cristalográficos perpendiculares entre si, todos com comprimentos diferentes. Hexagonal permite um eixo de rotação senário e 27 grupos espaciais, mas é considerado por vezes como mera variante do sistema trigonal (por duplicação). 12

13 Neste sistema todos os cristais possuem ou um eixo ternário de simetria, ou um eixo senário (eixo de ordem seis) de simetria. Possuem quatro eixos cristalográficos, dos quais três são horizontais, com comprimentos iguais e cruzando-se em ângulos de 120, e o quarto é o vertical, com comprimento diferente dos demais. Romboédrico, ou trigonal requer um eixo ternário de rotação, permitindo 25 grupos espaciais. Monoclínico requer um eixo de rotação binário e um plano reflexo. Permite 13 grupos espaciais. Os cristais deste sistema em geral apresentam apenas um eixo de simetria binário, ou um único plano de simetria, ou a combinação de ambos. Possuem três eixos cristalográficos, todos com comprimentos diferentes. Dois eixos formam um ângulo oblíquo entre si, sendo o terceiro perpendicular ao plano formado pelos outros dois. Triclínico agrupa todos os casos que não podem ser acomodados em qualquer dos restantes sistemas, exibindo apenas simetria translacional ou inversão. Permite apenas 2 grupos espaciais. Os cristais com este sistema caracterizam-se pela ausência de eixos ou planos de simetria, apresentando três eixos cristalográficos com comprimentos desiguais e oblíquos entre si. Uma análise do grau de simetria de cada um dos sistemas acima apontados permite concluir que o mais simples, e o mais simétrico, é o cúbico, já que apresenta a simetria do cubo, beneficiando da isometria das suas faces. Os restantes seis sistemas ordenam-se de acordo com as seguintes seqüências decrescente de simetria: hexagonal, tetragonal, romboédrico, ortorrômbico, monoclínico e triclínico. (ANGRENSE, 2006) O sistema hexagonal é frequentemente considerado como sendo uma variante do sistema trigonal, já que é possível, sem alterar as simetrias, a partir de um produzir o outro. Os átomos, moléculas se posicionam na rede originando a estrutura cristalina. A partir dessas disposições, obtêm-se as seguintes variáveis: Sistemas de cristalização Apesar da sua enorme diversidade, os cristais, dependendo da composição e condições de formação, assumem formas regulares e hoje facilmente dedutíveis em função das características atômicas e moleculares dos seus constituintes. Isso permite a sua fácil classificação em função de um número reduzido de parâmetros, conhecidos por parâmetros de rede. (ANGRENSE, 2006) A partir desses parâmetros:... é possível determinar o paralelepípedo que constitui a menor subdivisão de uma rede cristalina que conserve as características gerais de todo o retículo, de modo que por simples multiplicação da mesma, se possa reconstruir o sólido cristalino completo. Esses paralelepípedos são em geral designados por células unitárias... (ANGRENSE, 2006) 13

14 É possível identificar sistemas de cristalização, que são grupos pontuais da malha cristalina, ou sistemas cristalinos básicos, a partir dos parâmetros da rede, isto é, do comprimento dos lados e dos eixos do paralelepípedo elementar da célula unitária e dos ângulos que as suas faces formam entre si. Em duas dimensões, os grupos pontuais estão associados com cinco tipos diferentes de redes. Em três dimensões, os grupos de simetrias pontuais necessitam de 14 tipos diferentes de redes que estão listadas na tabela 1. (KITTEL, 1978, p. 12) Tabela 1: Os 14 tipos de redes em três dimensões. Sistema Número de redes Símbolos da rede Restrições para célula convencional, para os eixos e para ângulos Triclínico 1 P a b c α β γ Monoclínico 2 P, C a b c o α = γ = 90 β Ortorrômbico 4 P, C, I, F a b c o α = β = γ = 90 Tetragonal 2 P, I a = b c o α = β = γ = 90 Cúbico 3 P ou sc a = b = c I ou bcc o α = β = γ = 90 F ou fcc Trigonal 1 R a = b = c o o α = β = 90 ; γ < 120 o 90 Hexagonal 1 P a = b c o α = β = 90 o γ = 120 Figura 5: Eixos cristalinos a, b e c. O ângulo α é o que está compreendido entre b e c. O tipo geral de rede é a rede triclínica. Os 14 tipos de redes estão convenientemente grupados em sete sistemas cristalinos de acordo com os setes tipos convencionais de células unitárias: triclínico, monoclínico, ortorrômbico, tetragonal, cúbico, trigonal e hexagonal. A divisão em sistemas está resumida em termos das relações axiais especiais para as células unitárias convencionais. Os eixos a, b, c e os ângulos α, β, γ. Os módulos a, b, c denominam-se parâmetros da rede. As células primitivas. Às vezes, uma célula primitiva não possui uma relação mais óbvia com os elementos de simetria pontuais do que uma célula primitiva. (KITTEL, 1978, p. 12) 14

15 No sistema cúbico existem três redes: a rede cúbica simples (sc), a rede cúbica de corpo centrado (bcc) e a rede cúbica de face centrada (fcc). As características destas redes cúbicas estão resumidas na tabela 1. As células primitivas contêm somente um ponto da rede, porém as células cúbicas convencionais contêm dois pontos da rede (bcc) ou quatro pontos da rede (fcc). As posições de um ponto na célula são especificadas por (1) em termos das coordenadas atômicas x, y, z cujos valores são frações dos comprimentos axiais a, b e c, na direção da respectiva coordenada, sendo a origem o vértice da célula. Portanto, as coordenadas do centro do corpo da célula são (1,1,1). Os centros das faces possuem coordenadas (1,1,0); (0,1,1); (1,0,1). As coordenadas dos átomos nas redes fcc e bcc são dadas normalmente em termos da célula cúbica convencional. No sistema hexagonal, a célula convencional escolhida está sobre um prisma reto tendo na base três losangos com ângulos de 60, sendo essa uma rede primitiva Redes de Bravais Essas redes são uma homenagem a Auguste Bravais que demonstrou a sua existência em Combinando os sete sistemas cristalinos, que resultam das diferentes agrupações relativas ao tamanho das arestas das células unitárias e dos seus ângulos localizados nos vértices, com as distintas disposições espaciais das partículas nas faces e no interior das células unitárias é possível criar 28 estruturas cristalinas. Porém, devido à simetria das soluções, identifica-se apenas 14 tipos diferentes de estruturas cristalinas básicas tridimensionais, devido justamente à forma como as partículas (átomos ou moléculas) se posicionam, ou seja, estão localizadas nas células unitárias, formando, assim, as redes de Bravais. A partir das 14 estrututras cristalinas básicas, é possível criar as outras 28 existentes. Com isso, um arranjo espacial, para ser classificado como uma rede de Bravais deve obedecer em conjunto às seguintes condições: 1. A estrutura deve ser constituída por uma célula unitária; 2. Os planos que contenham pontos situados em faces opostas devem ser paralelos; 3. As arestas da célula unitária devem ligar pontos equivalentes na estrutura. As células unitárias possuem características diferentes, sendo possível diferenciá-las umas das outras e por causa delas define-se as propriedades dos materiais. 15

16 A rede de Bravais é um conjunto infinito de pontos discretos, com orientações e arranjos idênticos, independente do ponto do espaço em que se observa a rede. A partir dos vetores base, que são um conjunto de vetores, é feita uma translação de um único ponto em pequenos intervalos, construindo esse pontos que formam a rede. Ao transladar cada um dos 14 tipos de células unitárias formadas a partir dos grupos de simetrias pontuais, presentes na tabela 1, por todo o espaço se originarão redes distintas. Quando átomos são colocados em coordenadas específicas dessas redes, serão formadas estruturas cristalinas, conhecidas como redes de Bravais. A figura 6 ilustra um desses exemplos. A simetria que dará origem à estrutura cristalina poderá ser mais complexa que a simetria da rede, pois ao posicionar os átomos deve-se preencher todo o espaço da rede de forma contínua. Figura 6: Esquema de uma célula unitária, mostrando as arestas e ângulos caracterizadores.(angrense, 2006) Para além da sua utilização em cristalografia, as redes de Bravais constituem uma importante ferramenta de análise tridimensional em geometria euclidiana Classificação das redes de Bravais O sistema de classificação das redes de Bravais, construídas a partir das células unitárias, mais comum é o apresentado na figura 7 seguinte: 16

17 Figura 7: Os 14 tipos diferentes de células unitárias, conhecidas como Redes de Bravais. (ANGRENSE, 2006) Muitos ainda consideram a 15ª rede de Bravais como sendo a estrutura hexagonal compacta, que possui três pontos reticulares no interior do hexágono, resultando uma célula unitária mais complexa. Sendo este um caso especial. 3 - SOFTWARE VISUAL O primeiro passo para o desenvolvimento do projeto foi estudar a API (aplication program interface) Opengl, a qual seria utilizada na confecção do software, sendo necessário para isso ter como pré-requisito o conhecimento da linguagem de programação C. A maior dificuldade dessa etapa inicial foi a de encontrar bibliografias relacionadas ao tema proposto, visto que grande parte dos livros estavam escritos em inglês. Algumas limitações surgiram ao começar o software, pois a biblioteca Opengl não era disponibilizada e quando instalada gerava incompatibilidades com a grande maioria das versões de Linux. Para remediar essa questão, foi imprescindível a instalação e desinstalação de versões do Linux como o Curumim e o Fedora, onde, por fim, encontrou-se o Opengl no Conectiva. Para otimizar a criação do software foi preciso tomar melhor conhecimento sobre a física do estado sólido, e mais especificamente sobre as estruturas cristalinas. 17

18 Consequentemente, por meio dos livros estudados, verificaram-se algumas dificuldades para desenvolver o software com as 14 redes cristalinas dos sólidos, chamadas também de redes de Bravais. A fim de obter a translação de vetores bases foi necessário criar uma rede de pontos que pode ser visualizada na figura 8. Figura 8: Redes de pontos criadas para transladar os vetores bases. Transladando o vetor unitário, r = ( xa + yb + zc) (5) a = î b = c = ĵ kˆ onde: por todos os pontos construiu-se a rede mais simples (figura 9), que seria utilizada como base para as formações das demais através da mudança do vetor unitário. Nessa rede cúbica foram implementadas várias ferramentas disponibilizadas pelo Opengl, como a de controlar a posição da câmera, rotacionar e transladar o objeto utilizando o teclado, além da função de redimensionamento da janela em caso de minimização ou maximização da mesma evitando, assim, distorções no desenho. (6) 18

19 Figura 9: Rede mais simples construída, utilizada como referência para a construção das próximas. Na confecção do programa efetivou-se a utilização de alguns periféricos como o mouse e o teclado, que facilitariam na visualização das estruturas cristalinas, onde através do teclado pode-se girar e mudar a posição da molécula na janela e através de um clique no botão esquerdo ocorre a aproximação do objeto. Foi feito também o estudo dos vetores bases a, b e c, das estruturas de corpo centrado (bcc) e de face centrada (fcc) que podem ser representadas respectivamente pelos vetores: Vetores Base da estrutura bcc: (î + ĵ kˆ) a = 2 ( î + ĵ + kˆ) b = 2 (î ĵ + kˆ) c = 2 (7) Vetores Base da estrutura fcc: (î + ĵ) a = 2 ( ĵ + kˆ) b = 2 (kˆ + î) c = 2 (8) os quais deram origem às demais estruturas, onde ao serem executados no programa, resultou um problema ao gerar as linhas que iriam unir os vários átomos que compõem essas estruturas desejadas. 19

20 Outra dificuldade encontrada para concluir o trabalho foi na construção das demais moléculas, sendo indispensável mudar a metodologia utilizada, visto que houve problema na sua visualização, a partir da translação de vetores bases por toda a extensão da rede. Esse fato sobreveio devido ao surgimento de átomos que ficavam fora da estrutura a ser visualizada (figura 10). Dessa forma, ao fixar as regras para obter o desaparecimento desses átomos ocorreu um aumento no tempo de processamento em conseqüência da extensão do programa. Com isso, a metodologia inicial foi descartada. Figura 10: Problemas na construção do programa, onde alguns átomos ficaram fora das estruturas fcc e bcc, respectivamente, a serem visualizadas. O novo método utilizado na confecção das estruturas foi delimitar pontos e posteriormente ligá-los por linhas, dispondo a primeira estrutura. Assim, a construção da 20

21 rede ocorreu com a translação da molécula base em x, y e z, auxiliando a visualização das estruturas. Foi efetivada também no programa a entrada do parâmetro estrutura a ser visualizada, assim como a escolha de teclas consecutivas para a rotação e translação da rede cristalina na tela e ainda elaborou-se um manual para que o usuário não tenha dúvidas na utilização do software. Houve uma mudança no projeto pensado inicialmente, pois não mais seria necessário desenhar as estruturas que possuíam como parâmetros de entrada os ângulos menores ou maiores que os ângulos retos nos planos xy, yz e xz. Isso ocorreu principalmente devido a grande quantidade de parâmetros que o programa já possuía. Como resultados serão apresentados nove estruturas cristalinas, sendo elas cúbicas (figuras 11, 12, 13), ortorrômbicas (figuras 14, 15, 16, 17) e tetragonais (figuras 18, 19). Como o programa foi executado no Linux, foi essencial a criação de um executável para a utilização do software no Windows. Figura 11: Estrutura Cúbica P, obtida a partir do comando:final

22 A rede de Bravais mais simples em três dimensões é a rede cúbica simples do português conhecida como cs ou sc do inglês (simple cubic), Nessa rede todos os pontos reticulares estão localizados nos vértices do paralelepípedo que constitui a célula. Produz estruturas simples e lineares e é aquele em que, para além de todos os cristais possuírem quatro eixos ternários de simetria, os eixos cristalográficos possuem comprimentos iguais e são perpendiculares entre si. Na natureza apenas o polônio (Po) se cristaliza com essa estrutura a pressão ambiente. Figura 12: Estrutura Cúbica F, obtida a partir do comando:final 2 1 Esse tipo de rede de Bravais é conhecida como cúbica de face centrada do português CFC ou FCC do inglês (Face-centered cubic) ela apresenta pontos reticulares nas faces para além dos localizados nos vértices. Assim como na cúbica simples ela produz estruturas simples e lineares e é aquele em que, para além de todos os cristais possuírem quatro eixos ternários de simetria, os eixos cristalográficos possuem comprimentos iguais e são perpendiculares entre si. 22

23 Figura 13: Estrutura Cúbica I, obtida a partir do comando:final 3 1. Esse tipo de rede de Bravais é conhecida como cúbica de corpo centrado do português CCC ou BCC do inglês (Body-centered cubic). Ela apresenta além dos pontos que determinam os vértices, um ponto reticular no centro da célula. Assim como na cúbica simples ela produz estruturas simples e lineares e é aquele em que, para além de todos os cristais possuírem quatro eixos ternários de simetria, os eixos cristalográficos possuem comprimentos iguais e são perpendiculares entre si. 23

24 Figura 14: Estrutura Ortorrômbica P, obtida a partir do comando: final 4 1 Essa rede de Bravais é conhecida como rede ortorrômbica simples, também denominada de ortorrômbica P. Nessa rede todos os pontos reticulares estão localizados nos vértices do paralelepípedo que constitui a célula. Produz estruturas de grande complexidade tendo como característica comum a todos os cristais deste sistema, a de apresentarem ao menos um eixo binário de simetria. Possuem três eixos cristalográficos perpendiculares entre si, todos com comprimentos diferentes. 24

25 Figura 15: Estrutura Ortorrômbica C, obtida a partir do comando: final 5 1 Esse tipo de rede de Bravais é conhecida como ortorrômbica C. Ela apresenta somente pontos reticulares nas bases. Assim como na ortorrômbica simples ela produz estruturas de grande complexidade tendo como característica comum a todos os cristais desse sistema, a de apresentarem ao menos um eixo binário de simetria. Possuem três eixos cristalográficos perpendiculares entre si, todos com comprimentos diferentes. 25

26 Figura 16: Estrutura Ortorrômbica I, obtida a partir do comando:final 6 1 Esse tipo de rede de Bravais é conhecida como ortorrômbica de corpo centrado, também chamada de ortorrômbica I. Ela apresenta além dos pontos que determinam os vértices, um ponto reticular no centro da célula. Assim como na ortorrômbica simples ela produz estruturas de grande complexidade tendo como característica comum a todos os cristais deste sistema, a de apresentarem ao menos um eixo binário de simetria. Possuem três eixos cristalográficos perpendiculares entre si, todos com comprimentos diferentes. 26

27 Figura 17: Estrutura Ortorrômbica F, obtida a partir do comando:final 7 1 Esse tipo de rede de Bravais é conhecida como Ortorrômbica de face centrada, sendo também denominada ortorrômbica F. Ela apresenta pontos reticulares nas faces para além dos localizados nos vértices. Assim como na ortorrômbica simples e de corpo centrado ela produz estruturas de grande complexidade, tendo como característica comum a todos os cristais desse sistema, a de apresentarem, ao menos, um eixo binário de simetria. Possuem três eixos cristalográficos perpendiculares entre si, todos com comprimentos diferentes. 27

28 Figura 18: Estrutura Tetragonal P, obtida a partir do comando: final 8 1 Essa rede de Bravais é conhecida como rede tetragonal simples também chamada de tetragonal P. Nessa rede todos os pontos reticulares estão localizados nos vértices do paralelepípedo que constitui a célula. Todos os cristais desse sistema têm a característica de possuírem, para além de um eixo quaternário de simetria, três eixos cristalográficos perpendiculares entre si, sendo os dois horizontais de igual comprimento e o vertical de comprimento diferente. 28

29 Figura 19: Estrutura Tetragonal I, obtida a partir do comando: final 9 1 Esse tipo de rede de Bravais é conhecida como tetragonal de corpo centrado podendo também ser denominada tetragonal I. Ela apresenta além dos pontos que determinam os vértices, um ponto reticular no centro da célula. Todos os cristais deste sistema têm a característica de possuírem, para além de um eixo quaternário de simetria, três eixos cristalográficos perpendiculares entre si, sendo os dois horizontais de mesmo comprimento e o vertical de comprimento diferente. 4 CONCLUSÃO O software foi criado com sucesso, porém em conseqüência do aumento na quantidade de parâmetros do programa tornou-se inviável a construção de cinco das catorze redes que representam as estruturas cristalinas dos sólidos em três dimensões. Assim ocorreu apenas a criação de nove estruturas, que possuíam como característica principal o fato de se tratarem de estruturas simples e lineares com os eixos 29

30 cristalográficos perpendiculares entre si, sendo elas pertencentes aos sistemas cristalinos cúbico, tetragonal e ortorrômbico. Durante a confecção do software houve uma mudança de metodologia, pois os resultados obtidos não haviam sido satisfatórios, e também pela extensão do programa, o que estava gerando um aumento no tempo de processamento. Com isso, verificou-se que construindo uma célula unitária e transladando a mesma nos eixos obtinha-se bons resultados, além de uma melhor performance do programa. O Software foi produzido em ambiente Linux, utilizando a linguagem C e a biblioteca MESA, sendo necessária, com isso, a criação de um executável para que o software fosse visualizado também em ambiente Windows. A fim de que o usuário não encontrasse dificuldades em utilizar o software, devido essencialmente à existência dos parâmetros de entrada os quais devem ser inseridos através de uma linha de comando executada no Prompt de Comando foi criado um manual para auxiliá-lo quanto à utilização do mouse e do teclado na realização da translação, rotação e aproximação da estrutura. O executável inviabilizou a possibilidade de deixar o software visual disponível na internet. Assim a próxima etapa do projeto seria a criação de um applet, que seria feito através da linguagem de programação JAVA, facilitando a utilização do software por parte do usuário, visto que se pode criar botões e caixas de opções, auxiliando na mudança dos parâmetros. 5 AGRADECIMENTOS Gostaria de agradecer inicialmente a Deus, pois sem ele não conseguiria as forças necessárias para superar os momentos difíceis que surgiram na busca por esse objetivo. Não podendo esquecer da minha família que apesar de todas as dificuldades financeiras encontradas nesse período nunca deixou que eu desistisse de alcançar esse sonho; a minha namorada Juliana que sempre esteve junto comigo nos momentos bons e ruins; aos colegas do M-226, onde não posso esquecer de citar o amigo e parceiro de Iniciação Cientifica, Eduardo Xavier Seimetz, o qual devido ao maior tempo de convivência se tornou uma espécie de irmão. E finalmente ao Prof. Dr. Paulo Eduardo de Brito que me orientou não apenas nesse trabalho de conclusão de curso, mas também em dois outros projetos de iniciação científica. Com ele pude compreender muitos fenômenos físicos interessantes, porém o seu principal ensinamento que ficou demonstrado através das suas ações e pode ser traduzido em uma frase de Albert Einstein, que dizia o seguinte: trabalhe com aquilo que você gosta que o seu trabalho se tornará uma diversão. 30

31 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARROS, Alexandre. Quântica e a Ciência dos Materiais. Disponível em: <http://www.comciencia.br/reportagens/fisica/fisica12.htm>. Acesso em: 13 ago BRITO JÚNIOR, Agostinho de Medeiros. Introdução à computação gráfica com OpenGL. Disponível em: <www.dca.ufrn.br/~ambj/opengl>. Acesso em: 27 jun FAZZIO, Adalberto. Disponível em: <http://macbeth.if.usp.br/~fazzio/aula02- B.ppt#466,4,Slide 4>. Acesso em: 20 jul GAELZER, Rudi. Física do Estado Sólido. Disponível em: <http://minerva.ufpel.edu.br/~rudi/grad/esma/apostila/capiv.pdf>. Acesso em: 16 jul HINKEL, N.; ROCHA, Sebastião; ANGRENSE. Estrutura Cristalina. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/estrutura_cristalina#grupos_pontuais_e_espaciais>. Acesso em: 25 ago Rede de Bravais. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/redes_de_bravais>. Acesso em: 25 ago KITTEL, C. Introdução à Física do Estado Sólido. 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Dois S. A., 1978, 1: MANSSOUR, Isabel Harb. Introdução à OpenGl. Disponível em: <http://www.inf.pucrs.br/~manssour/opengl/>. Acesso em: 11 mai MARTINS, Daniel. et al. Programa de Aprimoramento Discente em Modelagem Geométrica. Disponível em: <www.mat.ufmg.br/padmod/cursodeopengl.htm>. Acesso em: 27 jun TIPLER, Paul A.; LIEWELLYN, Ralph A. Física Moderna. Rio de Janeiro: LTC Livros Técnicos e Científicos Editora S.A., 2000, 10: Tutorial de OpenGl. Disponível em: <www.ingleza.com.br/opengl>. Acesso em: 26 jun WRIGHT, Richard S. Jr.; SWEET, Michael. OpenGL SuperBible. 2 nd Group Press, p. ed. Indiana: Waite 31

32 ANEXOS 32

33 Anexo I : Manual do Software Visual das Estruturas Cristalinas dos Sólidos em Três Dimensões Pré-requisitos Arquivo glut32.dll na pasta: C:\WINDOWS\system Será necessário fazer o download do arquivo contido no disket em anexo: final.exe Obs:Ao fazer download do arquivo verificar local de gravação: Ex: c:\tcc Inicialmente será necessário abrir o prompt de comando, o que poderá ser feito de duas formas: 1 - Assim para executar o programa será necessário clicar no botão iniciar do Windows e ir na opção executar: No campo abrir, digite cmd e clique no botão OK Uma outra forma seria: 2-Clicar com o botão esquerdo do mouse nos botão iniciar do Windows e em seguida nos link programas acessórios prompt de comando, conforme a figura abaixo: 33

34 3 Com isso, abrirá o Prompt de comando 34

35 4 - Entre no diretório onde o arquivo final.exe se encontra. digitando o seguinte comando: 4.1-Se o arquivo estiver no c: cd\pasta Exemplo:o arquivo se encontra no diretório c: na pasta tcc cd\tcc e logo após tecle ENTER ; 4.2-Caso o arquivo final.exe se encontre em outro diretório: Diretório: cd pasta Exemplo: O arquivo final.exe se encontra no diretório a: na pasta tcc a: e logo após tecle ENTER ; cd tcc e logo após tecle ENTER ; 5 - Para verificar se os arquivos realmente estão na pasta digite o comando: dir e logo após tecle ENTER ; 6 - Se aparecer o arquivo final.exe é só digitar o comando: final a b onde a e b são parâmetros do programa, que estão definidos nos exemplos abaixo: O parâmetro a define a estrutura a ser visualizada: a Estrutura a ser visualizada 1 Cúbica Simples 2 Cúbica de Face Centrada 3 Cúbica de Corpo Centrado 4 Ortorrômbica Simples 5 Ortorrômbica C 6 Ortorrômbica de Corpo Centrado 7 Ortorrômbica de Face Centrada 8 Tetragonal Simples 9 Tetragonal de Corpo Centrado O parâmetro b define o tamanho da estrutura a ser visualizada: Tamanho da estrutura = b² Exemplo: Para b=2 Tamanho da estrutura = 2² = 4(células unitárias) Após o usuário ter escolhido os parâmetros desejados, conforme o exemplo: final 3 2, tecle ENTER. E com isso será visualizada a seguinte tela: 35

36 Funcionalidades do mouse e do teclado - Rotação no eixo x - Rotação no eixo y - Rotação no eixo z - Translação no eixo x - Translação no eixo y - Translação no eixo z Aproximação da câmera ao objeto. - Fecha o programa - Volta para a condição inicial 36

37 Anexo II : Algoritmo: Software visual das estruturas cristalinas dos sólidos em três dimensões. //1-Comandos para criar uma janela: int main(int argc, char** argv) { if (argc>1) opcao = atoi(argv[1]); /*Parâmetro que irá definir a estrutura a ser visualizada*/ if (argc>2) n = atoi(argv[2]); /*Parâmetro que irá definir o tamanho da rede*/ glutinit(&argc, argv); /*Iniciar a biblioteca GLUT*/ glutinitdisplaymode (GLUT_SINGLE GLUT_RGB ); /*Iniciar os padrões de cores*/ glutinitwindowsize(largura,altura); /*Tamanho da Janela*/ glutinitwindowposition(posição X,posição Y); /* Posição da Janela*/ glutcreatewindow( ESTRUTURA CRISTALINA ); /*Cria a Janela*/ glutkeyboardfunc(teclado); /*Chama a função Keyboard*/ glutmousefunc(mouse); /*Chama a função Mouse*/ init (); /*Chama a função init()*/ glutdisplayfunc(objeto); /*Chama a função Display*/ glutreshapefunc(reshape); /*Chama a função Reshape*/ glutmainloop(); return 0; } void objeto(void) { //2-Criar um espaço de Visualização glmatrixmode(gl_projection); /*Define qual matrix será alterada daí para a frente sendo a projection indicada para definir o volume de visualização*/ glloadidentity(); /*Serve para transformar a atual pilhas de matrix em identidade*/ gluperspective(angulo,distorção,perto, longe); /*Define o volume de visualização com a forma de um tronco de pirâmide sendo os parâmetros de entrada*/ glmatrixmode(gl_modelview); /*Define qual matrix será alterada daí para a frente sendo a modelview indicada para o desenho e posicionamento da câmara*/ glloadidentity(); /*Serve para transformar a atual pilhas de matrix em identidade*/ glclear(gl_color_buffer_bit); /*Limpa o fundo da janela*/ glulookat(posição da câmera (olhox, olhoy, olhoz); objeto (pontox, pontoy, pontoz); normal a câmera (normalx, normaly, normalz)); /*Define aonde a câmera estará e para onde ela estará apontando*/ //4-Criando a figura glbegin(parametro); /*Inicializa a construção da figura,esse parâmetro ira definir quais tipos de primitivas que serão desenhadas exemplos:gl_points,gl_lines,gl_quads,gl_triangle,gl_polygon*/ glcolor3f(vermelho,verde,azul); /*Seletor de cores do sistema de desenho*/ glvertex3f(posição x,posição y, posição z);/*recebe os vértices que irão determinar a estrutura*/ glend(); /*Finaliza a construção da figura*/ } //5-Define as funções que serão realizadas pelo mouse. Void mouse() { switch(tecla) { case GLUT_LEFT_BUTON: /*Definindo uma função para o botão esquerdo do mouse*/ if (estado==glut_down) /*Definindo o estado acionado especifico para o botão*/ função qualquer; /*Função relaçionada ao acionamento da tecla*/ glutpostredisplay(); /*A cena será redesenhada através dessa função*/ default: 37

ESTRUTURAS CRISTALINAS - TEORIA

ESTRUTURAS CRISTALINAS - TEORIA ESTRUTURAS CRISTALINAS - TEORIA Introdução Sólidos são compostos que apresentam uma alta regularidade estrutural. Com exceção dos sólidos amorfos, nos quais essa regularidade só existe em um curto espaço,

Leia mais

UNIDADE 4 - ESTRUTURA CRISTALINA

UNIDADE 4 - ESTRUTURA CRISTALINA UNIDADE 4 - ESTRUTURA CRISTALINA 4.1. INTRODUÇÃO Em geral, todos os metais, grande parte dos cerâmicos e certos polímeros cristalizam-se quando se solidificam. Os átomos se arranjam em uma estrutura tridimensional

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

Arranjos Atômicos 26/3/2006 CM I 1

Arranjos Atômicos 26/3/2006 CM I 1 Arranjos Atômicos 26/3/2006 CM I 1 26/3/2006 CM I 2 Arranjo Periódico de Átomos Sólido: constituído por átomos (ou grupo de átomos) que se distribuem de acordo com um ordenamento bem definido; Esta regularidade:»

Leia mais

Espectroscopia de Raios X

Espectroscopia de Raios X Espectroscopia de Raios X 1. Introdução Raios X O conhecimento da estrutura dos materiais, a maioria dos quais são cristalinos no estado sólido, s é fundamental para a caracterização das propriedades físicas

Leia mais

Estrutura de Sólidos Cristalinos. Profa. Dra Daniela Becker

Estrutura de Sólidos Cristalinos. Profa. Dra Daniela Becker Estrutura de Sólidos Cristalinos Profa. Dra Daniela Becker Bibliografia Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, 5ed., cap 3, 2002. Shackelford, J.F. Ciências dos Materiais,

Leia mais

2015 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. Lei de Bragg e Espaço Recíproco

2015 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. Lei de Bragg e Espaço Recíproco 2015 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. 000000000000000000000000000000000000000 000000000000000000000000000000000000000 000000000000111111111110001100000000000 000000000001111111111111111111000000001 000000000111111111111111111111111000000

Leia mais

Formas regulares e simétricas assim como a ordenação das partículas que os formam. Cristalografia e Difração em Raio X - Michele Oliveira

Formas regulares e simétricas assim como a ordenação das partículas que os formam. Cristalografia e Difração em Raio X - Michele Oliveira Formas regulares e simétricas assim como a ordenação das partículas que os formam. Cristalografia e Difração em Raio X - Michele Oliveira 2 Cristais são arranjos atômicos ou moleculares cuja estrutura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC BC-1105: MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC BC-1105: MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas (CECS) BC-1105: MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES Estrutura Cristalina - arranjo (organização espacial) - simetria -

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ESTRUTURA EM SÓLIDOS. QFL-4010 Prof. Gianluca C. Azzellini

PRINCÍPIOS DA ESTRUTURA EM SÓLIDOS. QFL-4010 Prof. Gianluca C. Azzellini PRINCÍPIOS DA ESTRUTURA EM SÓLIDOS Estrutura dos Sólidos Tipo Exemplo Unidades Natureza Estruturais da ligação Iônico NaCl, CaCl 2 Íons positivos Iônica - Atração e negativos Eletrostática forte Metálico

Leia mais

Simetria de Figuras Planas e Espaciais

Simetria de Figuras Planas e Espaciais Simetria de Figuras Planas e Espaciais Introdução A maioria das pessoas acreditam que a simetria está ligada mais a pensamentos sobre Arte e Natureza do que sobre Matemática. De fato, nossas ideias de

Leia mais

DIFRAÇÃO DE RAIOS X DRX

DIFRAÇÃO DE RAIOS X DRX DIFRAÇÃO DE RAIOS X DRX O espectro eletromagnético luz visível raios-x microondas raios gama UV infravermelho ondas de rádio Comprimento de onda (nm) Raios Absorção, um fóton de energia é absorvido promovendo

Leia mais

TM 704 - Metalurgia Fisica PIPE e PG-MEC

TM 704 - Metalurgia Fisica PIPE e PG-MEC TM 704 - Metalurgia Fisica PIPE e PG-MEC Ana Sofia C. M. d Oliveira, Ph.D. Profa Titular/DEMEC Principais estruturas cristalinas dos metais Estruturas cristalinas Sistema cristalino Triclinico Monoclinico

Leia mais

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ 1 1. Introdução Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ O ImageJ é um software livre (freeware) que pode ser obtido gratuitamente no site http://rsb.info.nih.gov/ij/. Esse software é

Leia mais

ARRANJOS ATÔMICOS. Química Aplicada

ARRANJOS ATÔMICOS. Química Aplicada ARRANJOS ATÔMICOS Química Aplicada Sólidos Sólidos 1. Arranjo Periódico de Átomos SÓLIDO: Constituído por átomos (ou grupo de átomos) que se distribuem de acordo com um ordenamento bem definido; Esta regularidade:

Leia mais

Energia conservada em uma mola. Introdução. Materiais Necessários

Energia conservada em uma mola. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução A energia é algo intangível e, portanto, as medidas de energia envolvem, necessariamente, processos de medidas indiretas. Em outras palavras, para medir energia, medimos outras grandezas

Leia mais

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Tópico 7E Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Introdução Já vimos que a deformação plástica de um metal decorre da movimentação interna de discordâncias, fazendo com que planos cristalinos

Leia mais

Microsoft Office PowerPoint 2007

Microsoft Office PowerPoint 2007 INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007 O Microsoft Office PowerPoint 2007 é um programa destinado à criação de apresentação através de Slides. A apresentação é um conjunto de Sides que são exibidos em

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT Power Point Básico Santa Maria, julho de 2006 O Power Point é um aplicativo do Microsoft Office direcionado à criação de apresentações.

Leia mais

CRISTALOGRAFIA NOTAÇÃO CRISTALOGRÁFICA

CRISTALOGRAFIA NOTAÇÃO CRISTALOGRÁFICA RISTLGRFI PÍTUL III NTÇÃ RISTLGRÁFI 3.1. EIS RISTLGRÁFIS Denominamos eixos cristalográficos a um conjunto de linhas imaginárias paralelas às arestas limitantes das principais faces de um cristal, e que

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE DE GERAÇÃO E VISUALIZAÇÃO DE NANOESTRUTURAS

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE DE GERAÇÃO E VISUALIZAÇÃO DE NANOESTRUTURAS DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE DE GERAÇÃO E VISUALIZAÇÃO DE NANOESTRUTURAS Aluno: Marcos Paulo Moraes Orientador: André Silva Pimentel Introdução A nanotecnologia está associada a diversas áreas de pesquisa

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL.

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. Um gráfico no Excel é uma representação gráfica dos números de sua planilha - números transformados em imagens. O Excel examina um grupo de células que tenham sido selecionadas.

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE JOGOS: FERRAMENTA ELETRÔNICA PARA ENSINO DA RESOLUÇÃO DO CUBO DE RUBIK

CONSTRUÇÃO DE JOGOS: FERRAMENTA ELETRÔNICA PARA ENSINO DA RESOLUÇÃO DO CUBO DE RUBIK CONSTRUÇÃO DE JOGOS: FERRAMENTA ELETRÔNICA PARA ENSINO DA RESOLUÇÃO DO CUBO DE RUBIK Resumo: César Augusto Goulart Universidade Estadual do Centro-Oeste, bolsista de iniciação cientifica PIBIC/FA goulart.cesaraugusto@gmail.com

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AUTOCAD

INTRODUÇÃO AO AUTOCAD INTRODUÇÃO AO AUTOCAD O AUTOCAD é um software que se desenvolveu ao longo dos últimos 30 anos. No início o programa rodava no sistema D.O.S., o que dificultava um pouco seu uso. Com o surgimento do sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TÉCNICAS DE ANÁLISE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TÉCNICAS DE ANÁLISE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TÉCNICAS DE ANÁLISE CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof. Júlio César Giubilei

Leia mais

CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD

CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Turismo Pós-Graduação em Gestão de Negócios CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD EMENTA

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

ESTRUTURA CRISTALINA DOS METAIS

ESTRUTURA CRISTALINA DOS METAIS ESTRUTURA CRISTALINA DOS METAIS Estrutura cristalina dos metais 1 DEFINIÇÃO DE CRISTAL - Sólidos cristalinos: Uma substância pode ser considerada cristalina quando os átomos (ou moléculas) que a constitui

Leia mais

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D 6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D Até agora estudamos e implementamos um conjunto de ferramentas básicas que nos permitem modelar, ou representar objetos bi-dimensionais em um sistema também

Leia mais

CALEIDOSCÓPIOS DIÉDRICOS

CALEIDOSCÓPIOS DIÉDRICOS CALEIDOSCÓPIOS DIÉDRICOS SIMETRIAS NO PLANO Introdução O conceito de simetria de figuras planas representadas em obras de arquitetura, de arte, de decoração e em numerosos exemplos naturais, intuitivamente

Leia mais

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft.

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Introdução ao Microsoft Windows 7 O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Visualmente o Windows 7 possui uma interface muito intuitiva, facilitando a experiência individual do

Leia mais

CAPÍTULO 3 ESTRUTURAS CRISTALINAS E GEOMETRIA DOS CRISTAIS

CAPÍTULO 3 ESTRUTURAS CRISTALINAS E GEOMETRIA DOS CRISTAIS 58 CAPÍTULO ESTRUTURAS CRISTALINAS E GEOMETRIA DOS CRISTAIS Sumário Objetivos deste capítulo...59.1 Introdução...59.2 Rede espacial e células unitárias...59. Sistemas cristalográficos e redes de bravais...60.4

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007

ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007 ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007 CURITIBA 2015 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007... 3 JANELA PRINCIPAL... 3 1 - BOTÃO OFFICE... 4 2 - FERRAMENTAS DE ACESSO

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3 Linhas de Força Mencionamos na aula passada que o físico inglês Michael Faraday (79-867) introduziu o conceito de linha de força para visualizar a interação elétrica entre duas cargas. Para Faraday, as

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

Curso de Computação Gráfica (CG) 2014/2- Unidade 1- Modelagem de objetos. Exercício 1 (individual) - Entrega: quarta 13/08

Curso de Computação Gráfica (CG) 2014/2- Unidade 1- Modelagem de objetos. Exercício 1 (individual) - Entrega: quarta 13/08 Curso de Computação Gráfica (CG) 2014/2- Unidade 1- Modelagem de objetos Exercício 1 (individual) - Entrega: quarta 13/08 Escolha um objeto entre os que possivelmente compõem uma clínica médica de exames

Leia mais

Applets no Geogebra. Acesse os endereços dados a seguir e conheça exemplos de Applets. http://206.110.20.132/~dhabecker/geogebrahtml/index.

Applets no Geogebra. Acesse os endereços dados a seguir e conheça exemplos de Applets. http://206.110.20.132/~dhabecker/geogebrahtml/index. Applets no Geogebra Sonia Regina Soares Ferreira UFBA Applet é um software aplicativo que é executado no contexto de outro programa. Os applets geralmente tem algum tipo de interface de usuário, ou fazem

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X

DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X Disciplina: Engenharia de Proteínas Ma. Flávia Campos Freitas Vieira NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS PROTEÍNAS Fonte: Lehninger, 2010.

Leia mais

Ligações Químicas Ligação Iônica Ligação Metálica

Ligações Químicas Ligação Iônica Ligação Metálica Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Ligações Químicas Ligação Iônica Ligação Metálica Periodicidade O átomo é visto como uma esfera, onde só as

Leia mais

Apostila de Química Geral

Apostila de Química Geral Cursinho Vitoriano UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Câmpus de São José do Rio Preto Apostila de Química Geral Período noturno Ligações químicas interatômicas Vanessa R.

Leia mais

DRIFRAÇÃO DE RAIOS-X

DRIFRAÇÃO DE RAIOS-X DRIFRAÇÃO DE RAIOS-X Prof. Márcio Antônio Fiori Prof. Jacir Dal Magro O espectro eletromagnético luz visível raios-x microondas raios gama UV infravermelho ondas de rádio Comprimento de onda (nm) Absorção,

Leia mais

APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice Aula 1 - Área de trabalho e personalizando o sistema... 3 A área de trabalho... 3 Partes da área de trabalho.... 4 O Menu Iniciar:...

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO MARIA DO CÉU SIMÕES TERENO 2011 EUROPEU E AMERICANO SISTEMAS DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS Ângulos Diedros A representação de objectos tridimensionais por meio de desenhos bidimensionais, utilizando projecções

Leia mais

Conhecendo o Computador

Conhecendo o Computador Capítulo 1 Conhecendo o Computador 1.1 Conhecendo o Computador Tudo que é novo nos causa um certo receio. Com os computadores não é diferente. Tenha sempre em mente que o homem domina a máquina e não a

Leia mais

Manual Telemetria - RPM

Manual Telemetria - RPM Sumário Apresentação... 2 Home... 2 Definição do Idioma... 3 Telemetria RPM... 4 Pré-requisitos necessários para utilizar o menu Telemetria RPM... 5 Faixas RPM... 11 Configura Faixa do Veículo... 15 Acumulado

Leia mais

Biologia Estrutural. Simetria. Prof. Dr. Walter Filgueira de Azevedo Jr. wfdaj.sites.uol.com.br. 2006 Dr. Walter F. de Azevedo Jr.

Biologia Estrutural. Simetria. Prof. Dr. Walter Filgueira de Azevedo Jr. wfdaj.sites.uol.com.br. 2006 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. Biologia Estrutural Simetria Prof. Dr. Walter Filgueira de Azevedo Jr. Resumo Características dos Cristais Características dos Cristais de Proteínas Elementos de Simetria Rede, Retículo e Empacotamento

Leia mais

UMC Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples projeto Projeto.

UMC Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples projeto Projeto. UMC - Tecnologia de Automação Industrial Desenho 3 Prof.: Jorge Luis Bazan. Modulo 2 Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples a) Defina um novo projeto para conter

Leia mais

Instalação: permite baixar o pacote de instalação do agente de coleta do sistema.

Instalação: permite baixar o pacote de instalação do agente de coleta do sistema. O que é o projeto O PROINFODATA - programa de coleta de dados do projeto ProInfo/MEC de inclusão digital nas escolas públicas brasileiras tem como objetivo acompanhar o estado de funcionamento dos laboratórios

Leia mais

Gerente de Tecnologia: Ricardo Alexandre F. de Oliveira Marta Cristiane Pires M. Medeiros Mônica Bossa dos Santos Schmid WORD 2007

Gerente de Tecnologia: Ricardo Alexandre F. de Oliveira Marta Cristiane Pires M. Medeiros Mônica Bossa dos Santos Schmid WORD 2007 WORD 2007 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO GERÊNCIA DE TECNOLOGIA Gerente de Tecnologia: Ricardo Alexandre F. de Oliveira Marta Cristiane Pires M. Medeiros Mônica Bossa

Leia mais

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel *

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * material do 2010* 1.0 Introdução O Excel nos ajuda a compreender melhor os dados graças à sua organização em células (organizadas em linhas e colunas) e ao uso

Leia mais

Os materiais no estado sólido ocupam geralmente menos volume que no estado líquido (fundido).

Os materiais no estado sólido ocupam geralmente menos volume que no estado líquido (fundido). Campus Experimental de Sorocaba Materiais e Reciclagem 3 Arranjo Atômico e Cristalografia Professor Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Fevereiro de 2015. Os materiais no estado sólido ocupam geralmente menos

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA OFICINA Nº8

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA OFICINA Nº8 SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA OFICINA Nº8 Desenvolver juntamente aos professores, alunos, equipe diretiva e demais participantes atividades que auxiliem no uso do aplicativo KlogoTurtle e KPresenter assim os

Leia mais

Iniciação à Informática

Iniciação à Informática Meu computador e Windows Explorer Justificativa Toda informação ou dado trabalhado no computador, quando armazenado em uma unidade de disco, transforma-se em um arquivo. Saber manipular os arquivos através

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA QUESTÃO 1) Atente para a ilustração e os fragmentos de texto abaixo. Utilize-os para responder aos itens da questão 1. [ 1 ] Em muitos parques

Leia mais

Simulação de Circuitos Microcontrolados com o Proteus

Simulação de Circuitos Microcontrolados com o Proteus Universidade Federal do Pará Laboratório de Processamento de Sinais (LaPS) Simulação de Circuitos Microcontrolados com o Proteus Flávio Hernan Figueiredo Nunes flaviohernanfnunes@gmail.com 25 de janeiro

Leia mais

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART Continuação 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART a) Vá para o primeiro slide da apresentação salva no item 31. b) Na guia PÁGINA INICIAL, clique no botão LAYOUT e selecione (clique) na opção TÍTULO

Leia mais

Primeira lista de física para o segundo ano 1)

Primeira lista de física para o segundo ano 1) Primeira lista de física para o segundo ano 1) Dois espelhos planos verticais formam um ângulo de 120º, conforme a figura. Um observador está no ponto A. Quantas imagens de si mesmo ele verá? a) 4 b) 2

Leia mais

8. Síntese de Imagens: Cálculo de Cor

8. Síntese de Imagens: Cálculo de Cor 8. Síntese de Imagens: Cálculo de Cor O processo de determinar a aparência (ou seja, a textura e a cor) das superfícies visíveis é chamado de shading. Essa aparência da superfície depende das propriedades

Leia mais

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e MÓDULO 2 - AULA 13 Aula 13 Superfícies regradas e de revolução Objetivos Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas

Leia mais

O computador. Sistema Operacional

O computador. Sistema Operacional O computador O computador é uma máquina desenvolvida para facilitar a vida do ser humano, principalmente nos trabalhos do dia-a-dia. É composto basicamente por duas partes o hardware e o software. Uma

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet

Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet 1. Autores Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet Luciano Eugênio de Castro Barbosa Flavio Barbieri Gonzaga 2. Resumo O custo de licenciamento

Leia mais

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft.

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Introdução ao Microsoft Windows 7 O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Visualmente o Windows 7 possui uma interface muito intuitiva, facilitando a experiência individual do

Leia mais

1 Fluxo de trabalho de desenho de quadros estruturais

1 Fluxo de trabalho de desenho de quadros estruturais Lição 1 Fluxo de trabalho de desenho de quadros estruturais Visão geral do fluxo de trabalho de desenho de quadro estrutural Você pode criar segmentos de caminho e quadros estruturais usando o aplicativo

Leia mais

APOSTILA BÁSICA COMO UTILIZAR A LOUSA DIGITAL E O SOFTWARE SMART NOTEBOOK

APOSTILA BÁSICA COMO UTILIZAR A LOUSA DIGITAL E O SOFTWARE SMART NOTEBOOK APOSTILA BÁSICA COMO UTILIZAR A LOUSA DIGITAL E O SOFTWARE SMART NOTEBOOK 1 SÚMARIO ASSUNTO PÁGINA Componentes da Lousa... 03 Função Básica... 04 Função Bandeja de Canetas... 05 Calibrando a Lousa... 06

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM AMBIENTES DIGITAIS NEAD

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM AMBIENTES DIGITAIS NEAD 0 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM AMBIENTES DIGITAIS NEAD ORIENTAÇÕES SOBRE USO DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM (MOODLE) PARA DISPONIBILIZAÇÃO

Leia mais

Funcionalidades do Sistema de Negociação de Créditos de Carbono. Anexo VIII

Funcionalidades do Sistema de Negociação de Créditos de Carbono. Anexo VIII Anexo VIII Este Manual do Usuário possui caráter informativo e complementar ao Edital do Leilão de Venda de Reduções Certificadas de Emissão nº 001/2012, promovido pela Prefeitura da Cidade de São Paulo

Leia mais

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA EE Odilon Leite Ferraz PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA AULA 1 APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA Apresentação dos Estagiários Apresentação do Programa Acessa

Leia mais

Manual de Usuário da Impressora Sethi3D AiP A3

Manual de Usuário da Impressora Sethi3D AiP A3 Manual de Usuário da Impressora Sethi3D AiP A3 Versão 1.00 Sumário Geral... 3 Características da Impressora:... 3 Características técnicas:... 3 Suporte do rolo de filamento... 4 Colocando o filamento

Leia mais

Difração. Espectrometria por Raios X 28/10/2009. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://ww.walmorgodoi.com

Difração. Espectrometria por Raios X 28/10/2009. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://ww.walmorgodoi.com Difração Espectrometria por Raios X Fenômeno encontrado enquanto ondas (sísmicas, acústicas, ondas de água, ondas eletromagnéticos, luz visível, ondas de rádio, raios X) encontram um obstáculo teia de

Leia mais

Microsoft Power Point 2007

Microsoft Power Point 2007 Microsoft Power Point 2007 Sumário Layout e Design 4 Formatação de Textos 8 Salvando um arquivo do PowerPoint 15 Plano de Fundo 16 Marcadores 18 Réguas e grade 19 Tabelas 20 Gráficos 21 Imagens 22 Smart

Leia mais

EXPRESSÃO GRÁFICA CAD NOMENCLATURA

EXPRESSÃO GRÁFICA CAD NOMENCLATURA EXPRESSÃO GRÁFICA CAD A disciplina tem por objetivo a capacitação do aluno em desenvolver projetos assistidos pelo microcomputador, permitindo assim o aprimoramento da visão espacial na representação de

Leia mais

ESTRUTURA CRISTALINA 1

ESTRUTURA CRISTALINA 1 ESTRUTURA CRISTALINA ARRANJO ATÔMICO Por que estudar? As propriedades de alguns materiais estão diretamente associadas à sua estrutura cristalina (ex: magnésio e berílio que têm a mesma estrutura se deformam

Leia mais

Prof. Fernando V. Paulovich http://www.icmc.usp.br/~paulovic paulovic@icmc.usp.br. 3 de maio de 2011. SCC0250 - Computação Gráca

Prof. Fernando V. Paulovich http://www.icmc.usp.br/~paulovic paulovic@icmc.usp.br. 3 de maio de 2011. SCC0250 - Computação Gráca Introdução à Opengl com Java SCC0250 - Computação Gráca Prof. Fernando V. Paulovich http://www.icmc.usp.br/~paulovic paulovic@icmc.usp.br Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) Universidade

Leia mais

4 Orbitais do Átomo de Hidrogênio

4 Orbitais do Átomo de Hidrogênio 4 Orbitais do Átomo de Hidrogênio A aplicação mais intuitiva e que foi a motivação inicial para desenvolver essa técnica é a representação dos orbitais do átomo de hidrogênio que, desde então, tem servido

Leia mais

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0 Ajuda ao Usuário A S S I S T E N T E P I M A C O + 2.2.0 Ajuda ao usuário Índice 1. BÁSICO 1 1. INICIANDO O APLICATIVO 2 2. O AMBIENTE DE

Leia mais

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010 Tutorial do Iniciante Excel Básico 2010 O QUE HÁ DE NOVO O Microsoft Excel 2010 é um programa de edição de planilhas eletrônicas muito usado no mercado de trabalho para realizar diversas funções como;

Leia mais

Software Régua e Compasso

Software Régua e Compasso 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CPPG TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 1ª Parte - Consulta Rápida Software Régua e Compasso A primeira

Leia mais

Introdução à Programação em OpenGL. Prof. Márcio Bueno {cgtarde,cgnoite}@marciobueno.com

Introdução à Programação em OpenGL. Prof. Márcio Bueno {cgtarde,cgnoite}@marciobueno.com Introdução à Programação em OpenGL Prof. Márcio Bueno {cgtarde,cgnoite}@marciobueno.com OPENGL (Open Graphical Library) OpenGL é uma interface de software (API Aplication Program Interface) para aceleração

Leia mais

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DOS MATERIAIS ESTRUTURA CRISTALINA

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DOS MATERIAIS ESTRUTURA CRISTALINA ESTRUTURA E PROPRIEDADES DOS MATERIAIS ESTRUTURA CRISTALINA Prof. Rubens Caram 1 POR QUE CRISTAL? Antigos gregos: pedaços de quartzo encontrados em regiões frias era um tipo especial de gelo - Krystallos

Leia mais

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE ÍNDICE ÍNDICE... 1 CAPÍTULO 01 PREPARAÇÃO DO AMBIENTE... 2 1.1 IMPORTAÇÃO DO DICIONÁRIO DE DADOS... 2 CAPÍTULO 02 CADASTRO E CONFIGURAÇÃO DE RELATÓRIOS... 4 2.1 CADASTRO DE RELATÓRIOS... 4 2.2 SELEÇÃO

Leia mais

MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice

MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice Item MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice Página 1.Apresentação... 4 2.Funcionamento Básico... 4 3.Instalando o MCS... 4, 5, 6 4.Utilizando o MCS Identificando

Leia mais

Status. Barra de Título. Barra de Menu. Barra de. Ferramentas Padrão. Caixa de nomes. Barra de. Ferramentas de Formatação. Indicadores de Coluna

Status. Barra de Título. Barra de Menu. Barra de. Ferramentas Padrão. Caixa de nomes. Barra de. Ferramentas de Formatação. Indicadores de Coluna O que é uma planilha eletrônica? É um aplicativo que oferece recursos para manipular dados organizados em tabelas. A partir deles pode-se gerar gráficos facilitando a análise e interpretação dos dados

Leia mais

Manual de Sistema - DDMantra

Manual de Sistema - DDMantra Prezado Cliente Bysoft Você acaba de adquirir um sistema de recuperação e consulta de informações automáticas do Mantra Neste material, você encontrará explicações de todos os recursos oferecidos pelo

Leia mais

SIMETRIA DE TRANSLAÇÃO

SIMETRIA DE TRANSLAÇÃO 18 Isometrias no plano é um tópico de estudo da Geometria das Transformações e sua abordagem visa propiciar conceituações de congruência e de semelhança, procurando desenvolver a capacidade de perceber

Leia mais

COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET

COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET Ao mesmo tempo em que hoje se tornou mais fácil falar a longa distância, pela multiplicidade de opções e operadoras de telefonia, também surgem as

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas 3.1 AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas Neste capítulo serão apresentadas algumas ferramentas de análise de dados com representação vetorial disponíveis no TerraView. Para isso será usado o banco de

Leia mais

Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior

Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior http://www.unifal-mg.edu.br/matematica/?q=disc jc Aula 05 - Desvendando o GeoGebra PARTE 04 - COMO APAGAR OBJETOS. Ao iniciar o GeoGebra,

Leia mais

ESTRUTURA CRISTALINA E IMPERFEIÇÕES NOS SÓLIDOS ESTRUTURA CRISTALINA E IMPERFEIÇÕES NOS SÓLIDOS

ESTRUTURA CRISTALINA E IMPERFEIÇÕES NOS SÓLIDOS ESTRUTURA CRISTALINA E IMPERFEIÇÕES NOS SÓLIDOS ESTRUTURA CRISTALINA E IMPERFEIÇÕES NOS SÓLIDOS 1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS Materiais sólidos podem ser classificados de acordo com a regularidade com que os seus átomos ou íons estão arranjados um em relação

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

Pesquisa e organização de informação

Pesquisa e organização de informação Pesquisa e organização de informação Capítulo 3 A capacidade e a variedade de dispositivos de armazenamento que qualquer computador atual possui, tornam a pesquisa de informação um desafio cada vez maior

Leia mais

atube Catcher versão 3.8 Manual de instalação do software atube Catcher

atube Catcher versão 3.8 Manual de instalação do software atube Catcher atube Catcher versão 3.8 Manual de instalação do software atube Catcher Desenvolvido por: Clarice Mello, Denis Marques Campos Dezembro de 2014 Sumario 1. Objetivo deste manual...3 2. Requisitos para instalação...3

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS

INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS 1 Material utilizado 1.1 Tracker: um programa de análise de imagens Para a execução da proposta foi utilizado o programa livre

Leia mais

ÍNDICE... 3 INTRODUÇÃO... 4. A série... 4

ÍNDICE... 3 INTRODUÇÃO... 4. A série... 4 EXCEL 2007 e 2010 2 ÍNDICE ÍNDICE... 3 INTRODUÇÃO... 4 A série... 4 01 LISTA COM VALIDAÇÃO... 5 02 FUNÇÕES FINANCEIRAS... 7 03 FUNÇÃO DE BANCO DE DADOS... 12 04 RÓTULOS... 15 05 TABELA DINÂMICA... 18 06

Leia mais