AVALIAÇÃO DO PROJETO e - JOVEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DO PROJETO e - JOVEM"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DO PROJETO e - JOVEM

2 1. Introdução A tarefa premente do Brasil, em termos da capacitação de jovens, consiste em dotar a esta população de ferramentas efetivas para a sua melhor inserção no mundo do trabalho. Três aspectos centrais são: o aumento do número de vagas disponíveis, a qualidade dos postos de trabalho e as exigências de qualificação profissional para o preenchimento destas vagas. Os três temas encontram-se interligados configurando assim um desafio complexo e multifacetado que requer de estratégias e iniciativas em cada uma destas dimensões sem perder a necessária articulação destas iniciativas. Segundo o Banco Mundial, o Brasil deixará de ganhar R$ 300 bilhões nos próximos 40 anos, se a juventude não deixasse de estudar e de ingressar no mundo de trabalho. O país tem mostrado capacidade para realizar inovações permanentes em termos de política pública no desenho e implementação de planos, iniciativas e programas para melhorar a probabilidade de conseguir empregos e ocupações para quem pretende ingressar por primeira vez ao mundo de trabalho. Programas do Ministério do Trabalho e Emprego como Intermediação de Mão de Obra (IMO) ou Qualificação Profissional, entre outros, são exemplos de iniciativas de articulação dos diversos âmbitos da Federação para enfrentar este desafio. Porém os resultados têm sido pouco satisfatórios não somente para a população em geral, mas peculiarmente para os jovens. Segundo os dados da Pnad para 2008, dos aproximadamente 34 milhões de jovens de 15 a 24 de idade, 21,2 milhões são economicamente ativos sendo que 15,5% desse contingente (3,3 milhões) estão desempregados. Desde outra ótica tem-se que da população à procura de emprego os jovens de 16 a 24 anos representam 46%. Existe consenso que as soluções eficazes passam por compreender que é preciso reforçar o vínculo educação-mundo do trabalho já na escola. Uma educação de qualidade nos primeiros anos da adolescência fornece ferramentas que terão um rol central no processo posterior de capacitação profissional e a conseqüente inserção no mercado de trabalho. Observando as informações sobre a escolarização da população jovem nota-se que apenas 55% dos jovens brasileiros entre 20 e 24 anos completaram o Ensino Médio e uma pequena parcela destes (12%) alcançaram o Ensino Superior. Frente à dificuldade de acesso ao nível superior, o 2

3 ensino técnico mostra-se como alternativa possível para a inserção dos jovens no mercado de trabalho. Desta forma, programas e projetos de capacitação técnica para jovens atrelados ao Ensino Médio representam uma perspectiva promissora para o aumento da eficácia nas iniciativas de política pública de inserção desta população no mercado de trabalho. O projeto e-jovem é implantado pela SEDUC do Governo do Estado do Ceará, visa trabalhar com a lógica descrita acima e, assim, preencher uma lacuna de grande relevância para a geração de trabalho e renda de milhares de jovens cearenses, qual é a formação de técnicos médios na área de tecnologias da informação. 1.1 Três macro-elementos que compõem o marco lógico da pesquisa O presente relatório propõe-se avaliar algumas dimensões do projeto e-jovem com vistas à melhoria no seu desenho, gestão e implementação. As dimensões incorporadas na análise de avaliação são: a) Descrição e análise institucional do projeto e-jovem o objetivo é conhecer o desenho do projeto, a sua implementação e gestão. Ainda nesta dimensão, identifica-se o conjunto de atores e parceiros institucionais com o intuito de estabelecer responsabilidades e atribuições de cada um no funcionamento geral do programa. Assim será possível identificar possíveis gargalos e potencialidades que podem ser nevrálgicas para a futura expansão do projeto e-jovem. Esta etapa é realizada a partir da análise de documentos e registros administrativos disponibilizados pela SEDUC. b) Qualidade e utilidade do projeto e-jovem Aferir a qualidade e a relevância futura do projeto para os jovens participantes depende de um conjunto de fatores sobre os quais não tem informação disponível em registros administrativos ou bases de dados de caráter público. Assim, os fatores intervenientes foram captados a partir da coleta de informações quantitativas e qualitativas de caráter primário. 3

4 Tanto a qualidade quanto a relevância futura depende de fatores tais como: o perfil socioeconômico dos alunos, as percepções dos mesmos sobre a qualidade do projeto (material didático, equipamentos, recursos humanos, e instrumentos de gestão, entre outros), e as percepções dos alunos sobre o impacto futuro do projeto na sua inserção laboral. Outro conjunto de fatores diz respeito às percepções do corpo docente do projeto identificando vantagens e dificuldades na realização das suas tarefas diárias. Estas temáticas são facilmente quantificáveis e permitem obter um quadro acurado sobre o projeto, assim como captar demandas e opiniões para um eventual redesenho do e-jovem. c) Percepções de gestores e atores chave Variáveis de caráter quantitativo devem ser complementadas com informações de caráter qualitativo. As percepções dos principais gestores e parceiros sobre o funcionamento do projeto e as perspectivas futuras das suas próprias responsabilidades e atribuições são insumos de grande importância para traçar estratégias institucionais que permitam o aprimoramento do e-jovem. O relatório está dividido em cinco seções além desta Introdução. A segunda seção contém uma descrição metodológica detalhada de todas as estratégias utilizadas para atingir os desafios colocados pela presente pesquisa. A terceira seção realiza a descrição do funcionamento do Projeto e-jovem. A quarta se concentra na análise da pesquisa de campo qualitativa. A quinta seção apresenta a análise dos resultados da pesquisa de campo quantitativa. Por fim, na sexta seção conclui-se e recomenda-se. 2. Descrição dos aspectos metodológicos da pesquisa Nesta seção, descrevem-se todos os fundamentos e opções metodológicas que o projeto de pesquisa desenhou e implementou em três dimensões: a pesquisa de campo quantitativa desenvolvida através do instrumento de coleta de informações (questionário), a pesquisa qualitativa realizada através de entrevistas aprofundadas aplicadas a atores selecionadas de forma conjunta com os representantes da SEDUC e, finalmente, o processamento de dados e indicadores. 4

5 2.1 Pesquisa de campo quantitativa A primeira etapa consistiu na construção dos instrumentos de coleta de acordo com os objetivos traçados no marco lógico. Foram elaborados dois questionários. O primeiro incorpora 36 perguntas distribuídas em três blocos que versam sobre perfil socioeconômico dos alunos, percepção sobre vários aspectos ao respeito da qualidade e do funcionamento do projeto, e, percepção sobre a contribuição futura do projeto para melhora de inserção no mercado de trabalho (percepção sobre a avaliação). Este questionário foi aplicado aos alunos de Módulo I e II (Ver Anexo I: Questionários). O segundo questionário foi aplicado a monitores e instrutores do projeto. Este instrumento de coleta incorporou 33 perguntas sobre o funcionamento e qualidade do Projeto e-jovem, assim como algumas características socioeconômicas dos entrevistados (Ver Anexo I: Questionários). A segunda etapa consistiu na elaboração duma base de dados em MS Access para organizar as escolas e turmas onde os alunos e instrutores/monitores estão presentes para selecionar uma amostra e aplicar os questionários. No primeiro momento o universo da pesquisa se expressava no seguinte quadro: MD1 Região População Amostra Erro Capital + Região Metropolitana % Interior % Total ,62% MD2 Região População Amostra Erro Capital + Região Metropolitana + Interior % Total ,00% O intervalo de tempo entre o primeiro planejamento e a aprovação da pesquisa de campo foi muito extenso e prejudicou a disponibilidade de turmas ativas para a realização da pesquisa de campo. Assim, teve que se redefinir o planejamento do campo, recorreu-se à base de dados e se efetuaram contatos (via telefone) com as 115 escolas onde deveria funcionar o projeto. Neste 5

6 cadastro encontraram-se diversos problemas: telefones inativos ou errados, escolas que não participavam do projeto, escolas cujo projeto foi transferido para outra escola, escolas que encerraram o curso antes do prazo previsto e escolas que não estavam a par sobre o funcionamento do e - Jovem (alegando a independência do projeto). Nas escolas contatadas onde o projeto funcionava efetivamente, levantou-se informações sobre as diferentes turmas (monitor, módulo, turno, número de alunos e data prevista para o término). Em alguns casos, não foi possível a obtenção dessas informações porque cada monitor respondia apenas por sua turma, ou o monitor não tinha certeza sobre a data de término, ou o monitor não foi encontrado. Outra informação frágil foi a falta de precisão em informar o número de alunos em sala: ou informavam intervalos (entre 8 e 10 alunos) ou informavam baseados no número de computadores. Ao término desse último levantamento o universo abaixo para entrevistar apresentava os seguintes números: MD-I MD-II REGIÃO Escolas Turmas Alunos Escolas Turmas Alunos CAP RM INT TOTAL Estes números foram submetidos à SEDUC e foi possível melhorar este universo. Os números definitivos do universo para elaborar o tamanho da amostra são os seguintes: MD-I MD-II REGIÃO Escolas Turmas Alunos Escolas Turmas Alunos CAP RM INT TOTAL

7 2.1.1 Treinamento e logística das equipes de entrevistadores Elaborou-se um manual com as instruções para a realização do campo (Ver anexo II), incluindo os objetivos da pesquisa, procedimentos e a orientação de como os entrevistadores deveriam acompanhar as entrevistas em sala de aula. O local para o treinamento foi numa de escola de Fortaleza. A sala tinha a infraestrutura necessária para uma reunião com 10 participantes. O treinamento dos supervisores e aplicadores foi realizado no dia 29 de maio de 2010 e contou com a presença de 6 pesquisadores. Todos receberam o manual, questionários de aluno e monitor/instrutor, uma carta de apresentação, listagem contendo nome das escolas, endereço, número de turmas, número de alunos, turno e tipo de módulo do e-jovem. Além da leitura do questionário onde foram tiradas dúvidas sobre cada questão, foram discutidas a metodologia e foi elaborado um planejamento para aplicação dos questionários. Pelo curto prazo para visita a todos os municípios e escolas selecionados, cada um dos supervisores ficou responsável por treinar outros pesquisadores em outras cidades, para obter o melhor aproveitamento possível. Organizou-se o campo em três equipes, dividiram-se os municípios onde estão sendo oferecidos os módulos I e II do e-jovem em três áreas, tendo um supervisor responsável por cada área: Área 01: Fortaleza - Maracanaú - Pacatuba - Cascavel Horizonte - Beberibe Redenção Aracoiaba São Gonçalo do Amarante. Área 02: Acaraú - Groairas - Sobral - Reriutaba Tianguá - São Benedito - Nova Russas - Monsenhor Tabosa - Santa Quitéria Crateús Ubajara. 7

8 Área 03: Aracati - Limoeiro do Norte -Tabuleiro do Norte Iracema Iguatú - Campos Sales Araripe Tauá Russas Icó Cedro Acopiara Crato - Juazeiro do Norte - Brejo Santo. No total, participaram do campo 12 aplicadores. Todos receberam ajuda de custo (passagens, alimentação e diárias) para cumprirem seus roteiros, visitando todas as escolas, mesmo quando não conseguissem contatá-las previamente. Alguns aplicadores preferiram trabalhar em veículo próprio para agilizar o campo e não depender dos horários de saídas dos transportes públicos inter-municipais Trabalho de campo O cronograma inicial para aplicação da pesquisa foi modificado de acordo com a disponibilidade das escolas e dos aplicadores. Em alguns locais, foi possível realizar a aplicação dos questionários antes da data prevista no cronograma, em outros tiveram que re-agendar a visita. O trabalho de campo teve início no dia 07 de junho e encerrou-se no dia 30 de junho. A pesquisa transcorreu com normalidade, de acordo com o programado. Os pesquisadores foram bem recebidos nas escolas e todos que estavam presentes participaram da aplicação dos questionários. Não houve nenhuma recusa dos alunos ou monitores/instrutores, nem as escolas colocaram dificuldades ou impediram a aplicação dos questionários. Algumas escolas já haviam encerrado as turmas do e-jovem, mas, no geral, houve um bom aproveitamento, considerando o número de escolas onde ainda seria possível a aplicação. Uma observação importante neste trabalho de campo consistiu em que os pesquisadores também constataram nas visitas às escolas muitas ausências e desistências de alunos e-jovem. Os supervisores repassaram o treinamento em vários municípios e, posteriormente, retornaram apenas para recolher o material aplicado. Foi observado que o número de alunos presentes nas turmas era bem menor do que o esperado. 8

9 Algumas ocorrências merecem ser descritas. No município do Crato os alunos do e-jovem do EEM Liceu do Crato Prefeito Raimundo Coe foram transferidos para a Escola Profissional Virgílio Távora por falta de espaço físico. Ainda nesse município, o entrevistador fez uma aplicação numa turma do e-jovem no Colégio Estadual Wilson Gonçalves, que não constava na listagem. No município de Brejo Santo, o CEJA Joaquim Gomes Basílio está passando por uma reforma e os alunos do e-jovem foram transferidos para o Liceu José Teles, onde os questionários foram aplicados normalmente. Ocorreu uma situação atípica em Fortaleza, na área 1, onde houve uma dificuldade para o pesquisador aplicar os questionários em dois alunos do Instituto Cearense de Educação de Surdo, e acabou sendo necessário um intérprete (em libras). Em algumas escolas não foi possível a aplicação dos questionários. Na EEP Governador Valdemar Alcântara no município de Ubajara, o aplicador foi informado pela direção que as aulas não estariam acontecendo por falta de internet e pelos jogos da copa do mundo, o que fez com que o período letivo fosse encerrado prematuramente. No município de Acopiara, na EEEP Alfredo Nunes de Melo, das três turmas relacionadas somente uma ainda estava em andamento. As outras duas turmas já tinham sido encerradas em maio. Mesmo assim, em uma dessas turmas já encerradas, foi possível contato com o monitor e aplicação do questionário Supervisão e controle Durante o período do trabalho de campo os supervisores de campo enviaram semanalmente relatórios sobre andamento da pesquisa nas suas respectivas áreas. A coordenadora de campo recebia as informações e as consolidava em planilha eletrônica (MS Excel). Todo material recolhido em campo, foi organizado em envelopes por escola. Os supervisores recolheram os envelopes e postaram para um único supervisor que estava baseado em Fortaleza. Este ficou responsável por postar o material recolhido para a OVERVIEW Pesquisa no Rio de Janeiro. Foram feitas duas remessas via SEDEX. 9

10 O material recebido foi conferido na planilha de controle e distribuído para digitação. A digitalização dos questionários foi realizada por três digitadores treinados para ingressar os questionários, conforme uma máscara elaborada em MS Access. Terminada a digitação de 93 instrutores/monitores e 793 alunos, a coordenadora de campo supervisionou 20% do trabalho de cada aplicador, ligando para os instrutores/monitores e confirmando algumas perguntas do questionário, bem como, dia e hora em que aconteceu a entrevista e como foi feita a aplicação junto aos alunos. As bases de dados de instrutores e de alunos foram migradas para o software SPSS, onde foram criticadas e codificadas foram convertidas em STATA. 2.2 Pesquisa de campo qualitativa A escolha da abordagem qualitativa em um trabalho de pesquisa quer aplicada ou científica, permite a identificação e descrição da relação dinâmica entre o contexto e as percepções do sujeito, isto é, um vínculo indissociável entre o mundo objetivo e a subjetividade dos atores envolvidos que não pode ser traduzido em números. Portanto, caracteriza-se por um trabalho descritivo das visões dos entrevistados sobre o tem em questão. Esta pesquisa realizada para a Secretaria de Educação do Governo do Estado do Ceará (SEDUC) utilizou a pesquisa qualitativa com dois objetivos principais. O primeiro foi compreender o funcionamento prático e integral do Projeto e-jovem, a partir das informações coletadas e do trabalho de fusão, convergência e contraposição destas. O segundo objetivo foi identificar a percepção dos principais atores envolvidos na rotina desta iniciativa, provocando um exercício de análise crítica por parte dos entrevistados. A entrevista aberta foi o instrumento escolhido para a coleta de informações. Trata-se de um instrumento pouco utilizado devido ao grau de dificuldade de condução e controle da interação por parte do entrevistador. Entretanto, a oportunidade dada aos entrevistados da fala livre apresentou-se como valiosa tanto em termos de captação da percepção dos atores, como meio de verificação de contradições e composições sobre o funcionamento do projeto. 10

11 Neste sentido, Minayo (1996, Apud Nunes) defende que o que torna a entrevista um instrumento privilegiado de coleta de informações é a possibilidade de a fala ser reveladora de condições estruturais, de sistemas de valores, normas e símbolos (sendo ela mesma um deles) e ao mesmo tempo ter a magia de transmitir, através de um porta-voz, as representações de grupos determinados, em condições históricas, sócio econômicas e culturais específicas. A lista de entrevistados foi proposta pelo IETS em decorrência da análise de toda a documentação disponibilizada. O papel desempenhado no e-jovem e a representatividade do cargo foram decisivos para a escolha dos entrevistados. Esta lista foi revisada e aprovada pelos representantes da SEDUC. Os contatos iniciais com os entrevistados e a organização da agenda foram realizados pela própria SEDUC. A lista inicial contemplava onze entrevistados: Representantes da SEDUC: Secretário Adjunto de Educação, Coordenadora Geral do Projeto, três Técnicos Assistentes, Coordenadora Geral das CREDES, Pedagoga. Parceiros: Representante da Educandus, Representante do IFCE, Representante da Ashoka, Representante de uma empresa parceira. À lista original foram incluídos dois Supervisores, que foram entrevistados em conjunto, totalizando treze entrevistados. Uma vez finalizada a parte do planejamento da pesquisa qualitativa, as entrevistas foram realizadas nos dias 30 de Junho e 01 de Julho com um único entrevistador. A duração média de cada entrevista foi de aproximadamente 40 minutos. Com exceção da entrevista realizada com os supervisores, todas foram individuais. O registro das informações coletadas foi feito manualmente e com a concordância de todos os entrevistados. A análise das informações levantadas, considerando os objetivos inicialmente expostos, é descrita nas próximas páginas. Ressalta-se que na análise apresentada se preservou a identidade dos atores. 11

12 2.3 Processamento de dados e indicadores Os dados dos questionários da pesquisa quantitativa realizada com alunos dos módulos I e II, com monitores do Módulo I e Instrutores do Módulo II do projeto e-jovem foram armazenados em dois bancos de dados. Os alunos dos módulos I e II responderam um questionário estruturado formado por 3 Blocos. O Bloco 1 coletou informações sobre as características demográficas, educacionais, experiência no mercado de trabalho, o acesso e frequência de uso do computador. O Bloco 2 teve o objetivo de conhecer a percepção do aluno sobre o funcionamento dos laboratórios, a qualidade dos computadores disponibilizados para o uso, o material de didático, o funcionamento do portal do e-jovem, o desempenho dos instrutores, educadores sociais, e monitores em seus respectivos módulos. E o Bloco 3 verificou a percepção do aluno sobre as avaliações de aprendizagem, e a perspectiva do aluno em relação ao futuro associada a experiência do projeto e-jovem. O questionário aplicado aos monitores do Módulo I e Instrutores do Módulo II tinha o objetivo de conhecer o perfil demográfico do professor, a experiência e formação, a interlocução com os atores envolvidos no projeto, as práticas pedagógicas adotadas, as dificuldades encontradas no decorrer do projeto, o acesso e frequência de uso do computador, as percepções sobre a qualidade do funcionamento do projeto, a qualidade dos computadores disponibilizados para o uso, material de didático, e funcionamento do portal do e-jovem Indicadores O questionário do aluno possibilitou a criação de um sistema de indicadores para os alunos seguindo os grandes temas dos questionários dispostos da seguinte maneira: 1. Indicadores Demográficos fornecendo informação sobre a distribuição dos alunos por: a. Faixa etária b. Sexo c. Posição na família d. Posse de filhos e Número de filhos 12

13 2. Indicadores de Educação com informação sobre a. Escolaridade do pai b. Escolaridade da mãe c. Série do ensino médio que freqüenta d. Curso superior que freqüenta 3. Indicadores de Mercado de trabalho a. Participação no mercado de trabalho b. Utilização de TI no trabalho 4. Indicadores de acesso e uso de computador informando a. O Local de Uso (casa, trabalho, lan-house, escolas,..) b. A frequência que utiliza c. A finalidade do uso d. O tipo de conexão com a internet 5. Indicadores de Percepção do funcionamento dos Laboratórios 6. Avaliação do Portal 7. Desempenho do Monitor 8. Desempenho do Instrutor 9. Percepção do Sistema de Avaliação a. Dificuldade b. Tamanho c. Quantidade d. Adequação de conteúdo 13

14 10. Percepção da contribuição do E-Jovem para a sua vida 11. Perspectiva O sistema de indicadores construído para os monitores e instrutores respeitou a seguinte estrutura: 1. Demográficos a. Faixa etária b. Sexo 2. Educação a. Escolaridade b. Formação profissional c. Especialização d. Carga Horária lecionando 3. Percepção sobre a interlocução com atores do projeto 4. Percepção sobre o funcionamento do projeto 5. Indicadores de Percepção do funcionamento dos Laboratórios 6. Percepção sobre a qualidade das práticas Pedagógicas 7. Indicadores de acesso e uso de computador informando a. O Local de Uso (casa, trabalho, lan-house, escolas,..) b. A frequência que utiliza c. A finalidade do uso d. O tipo de conexão com a internet 14

15 8. Indicadores de Percepção do funcionamento dos Laboratórios 9. Avaliação do Portal Esse conjunto de indicadores será parte fundamental na seção dedicada à análise dos resultados. 3. Objetivos, funcionamento e atores do Projeto e-jovem. Na presente seção se realiza uma descrição analítica do Projeto e-jovem em termos dos objetivos, funcionamento, recursos humanos e físicos utilizados, parceiros institucionais e sistema de avaliação dos alunos. Importante sublinhar que toda está seção é produto de normas, regulações, registros administrativos e documentação oficial disponibilizada pelos representantes da SEDUC. A proposta do projeto visa integrar a Educação Profissional às modalidades do ensino médio e ao mundo do trabalho, da ciência e da tecnologia. O e-jovem oferece formação complementar em Tecnologia da Informação e Comunicação - (TIC) para os concluintes do 3º ano e egressos do ensino médio, da rede pública estadual. Outro aspecto importante é que incorpora a Educação a Distância (EaD), com metodologia semipresencial, mediada por monitores universitários e profissionais qualificados na área de informática. A estrutura do projeto e-jovem consiste em dois módulos: Módulo I: Linguagens básicas nas áreas de Matemática, Português, Inglês Instrumental, Raciocínio Lógico, Informática Básica e Empreendedorismo Social. A grade curricular deste módulo proporciona conteúdos transversais que permitem um processo de aprendizagem integrado e preparatório para Módulo II. Um aspecto inovador diz respeito à introdução no currículo do conteúdo sobre empreendedorismo social. Aqui a abordagem inclui a organização do trabalho coletivo, a associação e a cooperação produtiva e o protagonismo juvenil. Este conteúdo, associado ao resto das matérias, pretende resgatar e gerar oportunidades para o acréscimo do desempenho intelectual dos jovens, dos indicadores educacionais tradicionais, e da qualificação profissional. 15

16 Módulo II: Este módulo possui um caráter bem mais técnico e específico na área de informática no sentido amplo. Linguagens Específicas: Informática e Linux básico; Inglês técnico; Projetos Web; Inkscape; Gimp; HTML, CSS e Dreamweaver; Flash; Framework Joomla; Lógica de programação Scratch e Phyton; PHP; Hardware; Redes de computadores; Linux Intermediário; Empreendedorismo; Programação Java; Iniciação à computação gráfica; Iniciação á gravação, composição musical, mixagem de áudio, à edição não linear de vídeo e áudio. As aulas do módulo I do projeto e-jovem são baseadas na metodologia de Educação à distância no formato semipresencial. A educação à distância é um meio imprescindível para alcançar os municípios de áreas mais distantes do Estado com carência de professores especializados. (Ver Quadro 1). Da observação do Quadro 1, se conclui que o peso em termos de carga horária é dado ao Módulo II (880 h/a), mais do que o dobro da carga horária do Módulo I (400 h/a). Este projeto cumpre com todas as recomendações em termos do total de horas e de matérias oferecidas para constituir um curso profissionalizante na área de informática de qualidade. 16

17 Quadro 1 Carga Horária e Grade Currícular (2009/2010) MÓDULO I Horas/aula % MÓDULO II Horas/aula % Português Revisão de Informática Básica do Módulo I 56 6,36 Matemática Inglês técnico para área de informática 64 7,27 Inglês Instrumental Projetos Web 64 7,27 Informática Básica ,5 Inkscape 44 5,00 Raciocínio Lógico 50 12,5 Gimp 44 5,00 Empreendedorismo Social HTML, CSS e Dreamweaver 64 7,27 Total Flash 32 3,64 Fonte: SEDUC. Framework Joomla 48 5,45 Lógica de programação Scratch e Python 80 9,09 PHP Hypertext Preprocessor 88 10,00 Hardware 48 5,45 Redes de computadores 60 6,82 Linux Intermediário 32 3,64 Empreendedorismo 40 4,55 Programação Java 52 5,91 Iniciação à Computação Gráfica 16 1,82 Iniciação à Edição Não Linear de Vídeo e Áudio 16 1,82 Iniciação à Gravação, Composição Musical, Mixagem de Áudio Projetos Sociais 2 (Programa voluntário dos Instrutores) 32 3, Total O Governo do Estado do Ceará, através da SEDUC é o encarregado na aplicação dos recursos necessários para a implantação e manutenção dos laboratórios de informática, a aquisição e distribuição dos equipamentos necessários, o material didático e, a preparação, treinamento e conseqüente disponibilização de recursos humanos qualificados para executar funções nos diversos níveis de coordenação, supervisores, monitores e instrutores para o projeto. 3.1 Estrutura institucional do Projeto e - Jovem A gestão e implementação do projeto é estruturado institucionalmente da seguinte forma: Grupo Gestor: Responsável pela normatização de todo o processo, constituído de representantes da SEDUC e do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia (IFCE) através do Centro de Pesquisa e Qualificação Tecnológica (CPQT). Este último 17

18 tem a tarefa de acompanhar a execução e a avaliação do processo nas escolas. Cabe ao CPQT disponibilizar quadros profissionais preparados para atuar tanto nas relações pedagógicas quando tecnológicas do módulo II. Supervisores: Este conjunto de profissionais faz parte do Grupo Gestor e tem o encargo de fazer a ponte de ligação entre a coordenação e as escolas. Os supervisores são responsáveis pelo acompanhamento dos instrutores e monitores. É também função do supervisor acompanhar os projetos sociais desenvolvidos pelos alunos no módulo I. Instrutores: Profissionais técnicos selecionados e orientados pelo CPQT, para ministrar as aulas do Módulo II, com uma metodologia presencial. O trabalho dos instrutores é apoiado por material didático (apostilas) e uma plataforma que funciona pela Internet para disponibilizar materiais multimídia, como vídeo aula, tutoriais, trabalhos práticos e exercícios dirigidos. Tutores: São o apoio direto do instrutor na produção de material didático, treinamento e suporte educacional aos alunos. Monitores: Este grupo se constitui por universitários regularmente matriculados e cursando seus respectivos cursos. Não possuem as capacidades e funções dos instrutores, por esta razão, são utilizados apenas no Módulo I. Apoiam o aluno em sala, facilitando o processo pedagógico e criando condições para a integração efetiva do grupo, gerando um ambiente de construção coletiva. Professor Web: A equipe de professores web é formada por três profissionais e dois estagiários contratados pela Educandus. O trabalho consiste em prover um canal permanente de comunicação dos alunos do Módulo I para responder as suas dúvidas em todas as atividades a ser realizadas. Entre a suas responsabilidades cabe destacar que os professores web devem responder às dúvidas dos alunos postadas na plataforma digital em um período de 24 horas. O cumprimento deste prazo é de grande relevância na medida em que o cronograma pode sofrer atrasos caso exista demora na resolução das dúvidas. Educadores Sociais: Sua função é promover iniciativas de apoio e incentivo ao protagonismo social juvenil, para isto se criou na grade curricular a disciplina 18

19 Empreendedorismo Social. Deve induzir a uma maior consciência e envolvimento do jovem cursando diante das necessidades da comunidade local, buscando estratégias que contribuam na resolução de problemas no seu entorno social. Os ambientes de aprendizagem podem ser divididos em dois para descrever da melhor forma possível o funcionamento do projeto. Em primeiro lugar, o ambiente físico que é a própria escola. Estas são equipadas com laboratórios de informática, que possuam uma estrutura física que comporte um aluno por máquina conectado à Internet em um ambiente climatizado, com mobiliário apropriado para a execução das aulas, com um quadro para ser utilizado pelos monitores/instrutores. O segundo ambiente é o tecnológico. Constituído por plataformas que servem não apenas de ponto de apoio para o desenvolvimento de todas as atividades, mas também como instrumento de gestão e monitoramento do projeto. A plataforma elimina a distância física entre escolas, alunos e o conjunto dos agentes acima descritos. A ThinkQuest é uma Fundação na área de educação e tem o seu vínculo institucional com a Oracle. Sem fins de lucro oferece uma plataforma de aprendizado orientada principalmente para que os alunos e professores desenhem projetos de forma conjunta e interativa. A plataforma também é desenhada para permitir competições no site e construir uma biblioteca virtual para os alunos. Foi elaborada também, uma rede social virtual para a troca de experiências entre seus usuários. Na rede, os jovens e corpo docente postam idéias, fotos, poesias, notícias do mercado de trabalho e dicas relacionadas ao conteúdo das aulas dos projetos. Os conteúdos pedagógicos e o material didático são elaborados pela Educandus. Esta empresa também participou na proposta metodológica do projeto. Na área de empreendorismo social o e-jovem obteve a colaboração da Ashoka Brasil, instituição com reconhecida experiência internacional no trabalho da prática social. A metodologia usada pela Ashoka é o programa Geração MudaMundo, focado em fomentar projetos sociais. A elaboração de um projeto nos moldes desta metodologia é condição necessária para a conclusão do curso. 19

20 O ambiente tecnológico previu a utilização nos processos de aprendizagem de softwares livres, tecnologias de comunicação em redes virtuais gratuitos e técnicas de manutenção de hardware. Assim, o aluno não encontraria no futuro problemas de recursos financeiros ante a possibilidade de iniciar um projeto empreendedor. Os softwares aceleram a dinâmica do projeto e aumentam a perspectiva futura de utilização visto que possuem códigos disponíveis para serem estudados e reutilizados. A manutenção de hardware é talvez uma das áreas de maior dinâmica no mercado de trabalho do setor na região Nordeste. Assim, o e - Jovem disponibiliza conhecimentos sobre os componentes físicos do sistema de computação, memória principal e auxiliar, processador, placa mãe, entre outros. 3.2 Aspectos preliminares quantitativos do Projeto e - Jovem Como mencionado acima, as aulas do módulo I do projeto e - Jovem são baseadas na metodologia de Educação à distância no formato semipresencial. Desta forma, se alcança os municípios de áreas mais distantes com carência de professores especializados. O total de escolas estaduais de ensino médio que acolhem o projeto é de 156 no módulo I e de 64 no módulo II. Apesar do número reduzido de escolas, quando se compara o total de escolas estaduais, todas as regionais de ensino possuem pelo menos uma escola com alunos matriculados no projeto (Ver Tabela 1). A distribuição das vagas do módulo I do e - Jovem para as escolas foi bastante homogênea entre as 26 regionais de ensino. Apenas as regionais de Maracanaú, Sobral e Fortaleza 5 tiveram mais escolas contempladas. No módulo II, além de 4 regionais não terem sido contempladas as mesmas regionais que já tinham sido beneficiadas acima da média no módulo I, as regionais de Fortaleza 3, Fortaleza 4, Fortaleza 6 e Horizonte também possuem mais escolas com alunos matriculados (Ver Tabela 1). 20

21 Tabela 1 Número de escolas por Crede segundo o módulo de ensino do e-jovem Crede Módulo I Módulo II N % N % 01 - Maracanaú 10 6,4 5 7, Itapipoca 3 1,9 1 1, Acaraú 2 1,3 0 0, Camocim 1 0,6 0 0, Tianguá 7 4,5 0 0, Sobral 13 8,3 6 9, Canindé 5 3,2 1 1, Baturité 7 4,5 1 1, Horizonte 6 3,8 4 6, Russas 8 5,1 1 1, Jaguaribe 5 3,2 1 1, Quixadá 6 3,8 2 3, Crateús 4 2,6 1 1, Senador Pompeu 7 4,5 3 4, Tauá 5 3,2 1 1, Iguatu 4 2,6 1 1, Icó 3 1,9 0 0, Crato 5 3,2 3 4, Juazeiro 7 4,5 2 3, Brejo Santo 6 3,8 2 3, Fortaleza 1 5 3,2 3 4, Fortaleza 2 5 3,2 2 3, Fortaleza 3 5 3,2 4 6, Fortaleza 4 5 3,2 5 7, Fortaleza ,3 6 9, Fortaleza 6 9 5,8 9 14,1 Total , ,0 Fonte: Portal do e-jovem. Tabulações IETS, Os 3365 alunos do módulo I estão distribuídos em 255 turmas nas 156 escolas das 26 regionais do estado e os 956 alunos do módulo II estão distribuídos em 73 turmas pertencentes às 64 escolas de 22 regionais de ensino (Ver Tabelas 2-3). Existe uma forte concentração de alunos e turmas na capital Fortaleza. No entanto, no módulo I, quando se observa as Credes individualmente, tem-se que Sobral e Baturité ocupam as primeiras posições em termos do número de alunos (Ver tabela 2). No caso do módulo II, existe uma forte concentração em Fortaleza (39% do total de alunos), mais do que o dobro que a participação de Fortaleza no módulo I (18% do total de alunos). Outro contraponto entre ambos módulos é que, 21

22 individualmente, as Credes Fortaleza 5 e 6 tem o maior peso relativo em termos do número de alunos (8,7% e 12,9%, respectivamente). Tabela 2 Número de alunos por Crede segundo o módulo de ensino do e-jovem Crede Módulo I Módulo II N % N % 01 - Maracanaú 168 5,0 68 7, Itapipoca 135 4,0 32 3, Acaraú 103 3, Camocim 51 1, Tianguá 170 5, Sobral 232 6,9 64 6, Canindé 147 4,4 33 3, Baturité 216 6,4 12 1, Horizonte 145 4,3 39 4, Russas 139 4,1 13 1, Jaguaribe 131 3,9 39 4, Quixadá 193 5,7 43 4, Crateús 99 2,9 20 2, Senador Pompeu 172 5,1 41 4, Tauá 109 3,2 30 3, Iguatu 105 3,1 15 1, Icó 81 2, Crato 81 2,4 53 5, Juazeiro 113 3,4 54 5, Brejo Santo 148 4,4 26 2, Fortaleza ,9 43 4, Fortaleza ,4 29 3, Fortaleza ,5 34 3, Fortaleza ,3 62 6, Fortaleza ,8 83 8, Fortaleza , ,9 Total , ,0 Fonte: Portal do e-jovem. Tabulações IETS,

23 Tabela 3 Número de turmas por Crede segundo o módulo de ensino do e-jovem Crede Módulo I Módulo II N % N % 01 - Maracanaú 16 6,3 6 8, Itapipoca 7 2,7 1 1, Acaraú 6 2,4 0 0, Camocim 3 1,2 0 0, Tianguá 13 5,1 0 0, Sobral 21 8,2 5 6, Canindé 9 3,5 1 1, Baturité 12 4,7 1 1, Horizonte 10 3,9 4 5, Russas 10 3,9 1 1, Jaguaribe 8 3,1 2 2, Quixadá 11 4,3 4 5, Crateús 6 2,4 1 1, Senador Pompeu 12 4,7 3 4, Tauá 7 2,7 2 2, Iguatu 7 2,7 1 1, Icó 5 2,0 0 0, Crato 7 2,7 4 5, Juazeiro 9 3,5 3 4, Brejo Santo 11 4,3 2 2, Fortaleza 1 7 2,7 3 4, Fortaleza 2 5 2,0 2 2, Fortaleza ,9 4 5, Fortaleza 4 9 3,5 6 8, Fortaleza ,5 7 9, Fortaleza , ,7 Total , ,0 Fonte: Portal do e-jovem. Tabulações IETS, Os alunos do módulo I são supervisionados por 286 monitores. Estes são responsáveis por orientar e facilitar o aprendizado e a realização das diversas atividades e trabalhos utilizando os laboratórios e o ambiente virtual de ensino. Os alunos do módulo I também contam com 94 Educadores Sociais responsáveis pela disciplina de Empreendedorismo Social com função de promover iniciativas de apoio e incentivo ao protagonismo juvenil orientando na elaboração dos projetos sociais (Ver Tabela 4). Os 956 alunos do módulo II são atendidos por 73 instrutores em 73 turmas. Quando comparamos a razão do número de alunos matriculados e número de monitores (11.7) no módulo I e a razão do número de alunos matriculados e número de educadores sociais (35.7) no módulo I com a relação entre alunos matriculados por instrutor (13.1) no modulo II (Ver Tabela 4). 23

24 Tabela 4 Número de colaboradores por Crede, de acordo com os registros no portal do e-jovem Módulo I Módulo II Crede Educadores Sociais Monitores Instrutores N % N % N % 01 - Maracanaú 9 9,6 18 6,3 6 8, Itapipoca 2 2,1 7 2,4 1 1, Acaraú 0 0,0 4 1,4 0 0, Camocim 0 0,0 3 1,0 0 0, Tianguá 0 0,0 17 5,9 0 0, Sobral 8 8,5 24 8,4 5 6, Canindé 0 0,0 12 4,2 1 1, Baturité 5 5,3 12 4,2 1 1, Horizonte 5 5,3 10 3,5 4 5, Russas 4 4,3 11 3,8 1 1, Jaguaribe 0 0,0 9 3,1 2 2, Quixadá 4 4,3 12 4,2 4 5, Cratéus 0 0,0 7 2,4 1 1, Senador Pompeu 0 0,0 15 5,2 3 4, Tauá 0 0,0 8 2,8 2 2, Iguatu 0 0,0 5 1,7 1 1, Icó 0 0,0 8 2,8 0 0, Crato 3 3,2 5 1,7 4 5, Juazeiro 6 6,4 9 3,1 3 4, Brejo Santo 1 1,1 12 4,2 2 2, Fortaleza (Sefor) 47 50, , ,8 Total , , ,0 Fonte: Portal do e-jovem. Tabulações IETS, O projeto e-jovem foi responsável por uma parcela considerável da expansão da oferta de Educação Profissional no Estado. As 4321 vagas de Educação Profissional oferecidas pelo projeto e-jovem representa um aumento de 20% do total das vagas oferecidas Educação Profissional no Estado. Para a rede pública estadual o e-jovem representa uma expansão de 62% de todas as vagas oferecidas de Educação Profissional, quando comparamos o número de vagas do e-jovem (4321) em 2009 quando o número de vagas de Educação Profissional em Informática (1958) da rede pública estadual em 2008 o e-jovem mais que duplicou o número neste período. A rede estadual de ensino possui um baixo contingente de professores com formação de nível Superior especifica em Informática (2,5%) lecionando na Educação Profissional de informática. Por utilizar metodologia de Educação a Distância, o projeto e-jovem representa uma alternativa de oferta de Educação Profissional em Informática nas regiões com ausência de professores da área de informática. 24

25 3.3 O sistema de seleção, avaliação e certificação do Projeto e-jovem O sistema de seleção, avaliação, e por fim, certificação dos alunos no Projeto e-jovem, da Secretaria de Educação do Estado do Ceará (SEDUC), é estruturado de acordo com uma perspectiva predominantemente construtivista do conhecimento e da educação. Isto se traduz na filosofia pedagógica, nos critérios de seleção dos alunos, nos métodos de ensino e instrumentos usados, nas sondagens e nas avaliações e, finalmente, nos requisitos para certificação. Além disso, o projeto ainda oferece incentivos extra-avaliativos, de acordo com a lógica de recompensa pelo esforço feito e resultado atingido. A filosofia educacional do projeto tende a se afastar da chamada tradição conteudista, que é centrada no professor como principal transmissor de cultura e cujo sistema de avaliação visa aferir a quantidade de conhecimento que o aluno absorveu. O e-jovem adota outra metodologia de ensino, que aposta em métodos autodidatas ( aprender a aprender ) e cujo sistema de avaliação, sendo constante e variado, consiste num fértil espectro histórico da postura de cada jovem ao longo do curso, uma base para um planejamento de como abordá-lo. Desta forma, o sistema de avaliação passa a ser mais do que um sistema de aprovação ou reprovação, se tornando um documento da evolução do aluno. Nesta lógica, o projeto valoriza o progresso do aluno, mesmo que pequeno, desde que se perceba uma curva ascendente nas suas avaliações. Por isso, a ênfase do e-jovem está na formação de indivíduos autônomos e capazes de agregar seus projetos às várias áreas do conhecimento através da inclusão digital, do resgate da autoestima, do oferecimento de apoio e material didático, entre outros. O público-alvo desta iniciativa da SEDUC são os alunos do terceiro ano regular e/ ou o egresso do ensino médio, das escolas públicas estaduais, em busca de qualificação profissional na área da Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). De acordo com o Manual do Aluno, disponibilizado pela SEDUC, a seleção dos alunos para o Módulo I é baseado em um levantamento de perfil, onde são elencadas características que vem a identificar seu compromisso em concluir o curso. 25

26 A seleção de alunos para o Módulo II pode ser feita de duas maneiras: a primeira é através da certificação de conclusão do Módulo I e a segunda, que ocorre nos casos em que haja vagas sobrando, é via uma avaliação de conhecimentos básicos em TIC. A cultura digital, surgida na década de 1970 e hoje presente no cotidiano do mundo globalizado, encurtou distâncias e tempo, adensou a interatividade e a interconexão (surgimento de redes em geral) entre os indivíduos e disponibilizou um infinito banco de dados de imagens e informações. Para ser um projeto atual e moderno, o e-jovem não somente forma técnicos de computação e webdesigners, mas incorpora o uso do computador como ferramenta de aprendizagem, capaz de desenvolver nos usuários habilidades intelectuais e cognitivas. No Módulo I, a metodologia de ensino baseia-se na educação a distância (EAD) e no método autodidata, que encorajam o aluno a adquirir disciplina consciente. Espera-se que o aluno assista às aulas on-line, faça os exercícios, jogos e avaliações, mantenha certa organização curricular e, principalmente, busque sempre melhorar. O aluno recebe apoio de um monitor, cujo papel é de facilitador educacional e propiciador da integração do grupo. O monitor é obrigatoriamente um universitário, o que o aproxima dos alunos do projeto como sujeitos de processos de aprendizagem. Para a disciplina de Empreendedorismo Social, um educador social promove iniciativas de apoio e incentivo ao protagonismo dos alunos em seus contextos socioeconômicos locais, o objetivo é criar a percepção sobre o impacto da sociedade civil no processo de aprendizagem e crescimento do indivíduo e vice-versa. A idéia é que ele se torne consciente das necessidades da comunidade local e, possivelmente, busque soluções ou melhoras para o seu entorno social. No Módulo II, a metodologia muda para responder melhor à complexidade das disciplinas. O curso se torna mais técnico e específico, tornando necessário o retorno à tradição clássica pedagógica centrada no professor. Assim, o ensino se torna predominantemente presencial, com aulas teóricas e práticas, sempre utilizando o computador como instrumento para aprender. No Módulo II, portanto, é selecionado um instrutor para ministrar as aulas e orientar o uso de material didático como apostila e uma plataforma online com materiais de multimídia. O Projeto e-jovem acrescenta às avaliações conteudistas (cujo objetivo é definir quanto o aluno aprendeu), sondagens feitas por disciplina, no início e no final do módulo, que abordam tópicos e 26

27 temas fora do ambiente conhecido do indivíduo sendo testado, sendo chamados de testes de sondagem. O objetivo é enriquecer qualitativamente a avaliação do progresso do aluno e testar sua postura em relação aos desafios que lhe são propostos. As sondagens não são consideradas na aprovação e certificação dos alunos, mas espera-se que a nota final seja superior a nota inicial para que a curva de aprendizagem possa ser crescente. Quanto às avaliações, elas variam em quantidade e tipo de acordo com o módulo e a disciplina. No Módulo I, a avaliação das disciplinas de Inglês, Matemática, Informática e Português consiste em provas objetivas, feitas individualmente e via web, com 20 questões aleatoriamente escolhidas pelo Banco de Dados de acordo com tema e nível de dificuldade, que devem ser feitas em, no máximo, 1 hora. As disciplinas Matemática e Português têm três avaliações ao longo do curso, Inglês tem cinco e Informática, sete. Para cada avaliação de cada disciplina, é oferecida uma recuperação (outra avaliação para complementar a nota). Se o grau atingido na recuperação for inferior ao obtido na avaliação, a recuperação não será considerada na média. Na disciplina de Raciocínio Lógico, o aluno é avaliado através de jogos também disponíveis na plataforma online. Por fim, em Empreendedorismo Social (ES) considera-se a participação efetiva do aluno em ação ou projeto social. Para determinar se a participação do aluno foi efetiva ou não, o educador social faz um acompanhamento qualitativo da participação do aluno nas aulas desta disciplina, que ocorrem uma vez por semana, e da participação do aluno no planejamento e na execução das tarefas concernentes ao projeto que estiverem desenvolvendo. Quando não há um educador social, o monitor assume a tarefa dos empreendimentos sociais, desenvolvendo com as turmas ações sociais que são avaliadas pelo mesmo método de acompanhamento qualitativo. No Módulo II, as avaliações são feitas através de uma prova teórica unificada e um trabalho escolar prático para cada disciplina. Não é oferecida, tal qual no Módulo I, uma recuperação para esta avaliação. A média do aluno em cada disciplina, portanto, é composta das notas obtidas na avaliação e no trabalho escolar. Destacam-se três projetos principais que devem ser apresentados pelos alunos nos temas de web, criação de redes e programação em Java. Esses três projetos são os mais importantes, pois envolvem conteúdos abordados em outras disciplinas durante o curso. 27

28 No Projeto Web, por exemplo, os alunos precisarão usar Flash, HTML, Gimp, CSS e PHP para elaborarem um site. A certificação do aluno pelo Projeto e-jovem é o objetivo final da SEDUC. Para tanto, foram criados critérios que refletissem a pedagogia construtivista adotada, enfatizando a participação, o esforço e o progresso do aluno, e que fossem pautados nos princípios da meritocracia e da diversidade. A certificação, portanto, envolve muito mais do que acertos e boas notas; são incluídos dentre os critérios a frequência, o tempo médio dedicado às aulas, jogos e exercícios, e, sobretudo, a demonstração da evolução do aluno através de uma curva ascendente no boletim. No Módulo I, são automaticamente certificados aqueles alunos que: atingirem 80% de frequência; mantiverem um tempo médio de 60 segundos nas páginas das aulas e jogos e superior a 5 minutos nos exercícios; obtiverem 50% de acertos nos jogos sem limite de tentativas e 80% de acertos nos exercícios em no máximo 3 tentativas; fizerem 80% dos jogos previstos; participarem efetivamente da disciplina de ES; e manterem uma curva ascendente nas sondagens e avaliações e uma média final não inferior a 6,0. Mais uma vez, a lógica construtivista se faz presente, e a valorização do esforço e do progresso permite que aqueles alunos que não tiverem preenchido os critérios mencionados, mas estiverem acima de um mínimo exigido, fiquem com a certificação pendente até que cumpram os tais critérios. Ficam pendentes os alunos cuja frequência for entre 60% e 80%; cujo tempo médio nas páginas das aulas e jogos esteja entre 30 e 60 segundos e, nos exercícios, entre 2 e 5 minutos; cuja porcentagem de acertos em exercícios após 3 tentativas esteja entre 50% e 80%; e cuja porcentagem de aulas assistidas e jogos feitos esteja entre 60% e 80%. O aluno somente será aprovado se obter até duas pendências dentre os quesitos dos critérios avaliativos (% frequência, tempo médio de aula, tempo médio de página, tempo médio de tentativa, % de jogos vistos, média de tentativas, % de acertos, acesso e perguntas ao Professor Web). Caso contrário, o aluno que não atingir os requisitos mínimos em três ou mais quesitos, ele será considerado em situação pendente. 28

29 Quanto às avaliações, é ofertada uma recuperação paralela e um material de apoio didático para que se atinja a média necessária. Os alunos que estiverem abaixo desses padrões estarão reprovados. No Módulo II, os critérios de certificação são os mesmos: a frequência deve ser de 80% e a média em cada disciplina e projeto apresentado deve ser 6,0 para que o aluno seja automaticamente certificado. Os alunos do Módulo II podem ficar com situação pendente/ recuperação, sendo o instrutor e o supervisor os responsáveis por realizar trabalhos extras e seminários de modo que o aluno possa atingir a média. Existe, supostamente, fora do sistema de seleção, avaliação e certificação dos alunos inscritos no projeto, uma Gincana que visa estimular uma competição saudável entre os grupos e escolas participantes. A Gincana premia os grupos e escolas com melhor desempenho em algumas categorias. São elas: maiores percentuais de acesso às páginas, aulas/atividades, e exercícios; maiores percentuais em frequência dos alunos; melhores médias nas avaliações (provas e trabalhos); melhor desempenho e maior participação nos Projetos/Ações Sociais; menores números de alunos evadidos. O objetivo desta Gincana é criar, através da premiação regular, um comportamento que se baseie em motivações intrínsecas, mesmo sem a garantia de receber recompensa pelo desempenho. Na teoria psicológica comportamental citada na Proposta Pedagógica da Educandus, a premiação como motivação eventualmente pode ser substituída por motivações como a própria nota, a autoestima, a competição, entre outras. 4. Análise e descrição da pesquisa qualitativa Nesta seção apresentam-se os principais resultados da pesquisa qualitativa. Importante lembrar os objetivos previamente colocados no momento do desenho do marco lógico e explicitados na seção dedicada à metodologia. Os dois objetivos principais propostos são: em primeiro lugar, compreender o funcionamento prático e integral do Projeto e-jovem, a partir das informações coletadas e do trabalho de fusão, convergência e contraposição destas entre os atores. O segundo objetivo foi identificar a percepção dos principais atores envolvidos na rotina desta iniciativa, provocando um exercício de análise crítica por parte dos entrevistados. 29

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem O Projeto e-jovem é uma iniciativa do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Educação SEDUC, cuja proposta visa oferecer formação em Tecnologia da Informação

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Técnico em Informática na Formação de Instrutores Carga Horária: 1000 horas Estágio Curricular:

Leia mais

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação Pesquisa TIC Educação 2010 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação São Paulo, 09 de Agosto de 2011 CGI.br Comitê Gestor

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010 O Diretor das Faculdades Integradas Campo Grandenses, no uso de suas atribuições regimentais e por decisão dos Conselhos Superior, de Ensino, Pesquisa, Pós Graduação e Extensão e de Coordenadores, em reunião

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional SEB DCE CGMID COGTEC PROINFO SEB SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: ELABORAÇÃO DE MATERIAL, TUTORIA E AMBIENTES VIRTUAIS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 203. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. GESTÃO EAD Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS São Paulo SP Maio 2012 Setor Educacional Educação Corporativa Classificação das Áreas

Leia mais

CURSO REDES DE COMPUTADORES ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES

CURSO REDES DE COMPUTADORES ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES 1 CURSO REDES DE COMPUTADORES ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES CANINDÉ 2013 2 ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES Trabalho realizado como requisito

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: INSTITUIÇÃO: IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES CNPJ: 94728821000192 ENDEREÇO: Avenida Osvaldo Aranha, 540. Bairro Juventude. CEP: 95700-000 TELEFONE: (0xx54) 34553200 FAX: (0xx54) 34553246 Curso de Educação

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

EDITAL Nº 077/ 2014 EDITAL DE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS EJA NA DIVERSIDADE

EDITAL Nº 077/ 2014 EDITAL DE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS EJA NA DIVERSIDADE EDITAL Nº 077/ 2014 EDITAL DE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS EJA NA DIVERSIDADE A Universidade Federal do Paraná (UFPR), por meio do, da

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

Avaliação de Impacto: Transformando Promessas em Evidência. Projeto e-jovem. Kennedy, Hernita, Gorete, César, Edivaldo e Rogers

Avaliação de Impacto: Transformando Promessas em Evidência. Projeto e-jovem. Kennedy, Hernita, Gorete, César, Edivaldo e Rogers Avaliação de Impacto: Transformando Promessas em Evidência Projeto e-jovem Kennedy, Hernita, Gorete, César, Edivaldo e Rogers Rio de Janeiro, Brasil Abril 2010 http://www.worldbank.org/hdchiefeconomist

Leia mais

Disseminadores de Educação Fiscal. Regulamento do Curso. Escola de Administração Fazendária ESAF

Disseminadores de Educação Fiscal. Regulamento do Curso. Escola de Administração Fazendária ESAF Disseminadores de Educação Fiscal Regulamento do Curso Escola de Administração Fazendária ESAF REGULAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO CURSO Art. 1º A Escola de Administração Fazendária ESAF

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online ENSINO DE QUÍMICA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação na

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online ENFERMAGEM GINECOLÓGICA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo de

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL A nossa meta é envolver alunos e professores num processo de capacitação no uso de ferramentas tecnológicas. Para isto, mostraremos ao professor como trabalhar as suas disciplinas (matemática, português,

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 1. APRESENTAÇÃO A presente proposta de projeto refere-se ao Monitoramento do Programa Aprendiz Legal idealizado

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

2. SUBSTITUIÇÃO DO COORDENADOR LOCAL

2. SUBSTITUIÇÃO DO COORDENADOR LOCAL Pacto 2014 Documento de Orientação Em 2014, iniciaremos o Ano 2 do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa 2014. A principal diferença do programa refere-se aos conteúdos que serão trabalhados

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL A DIRETORA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS no exercício de suas atribuições legais, com fundamento no art. 65, inciso II da Lei

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD 1. O que é EAD? EAD é a sigla para Ensino a Distância, ou Educação a Distância, uma modalidade de ensino que acontece a partir da união

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA 1. Atividades Complementares Atividades Complementares são atividades desenvolvidas

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista:

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: A metodista é credenciada pelo MEC para o oferecimento de cursos a distância? Sim. A Universidade Metodista de São Paulo recebeu o credenciamento do

Leia mais

Pós graduação em Psicologia Educacional DESCRITIVO DE CURSO

Pós graduação em Psicologia Educacional DESCRITIVO DE CURSO Pós graduação em Psicologia Educacional DESCRITIVO DE CURSO 1. Apresentação O curso de Pós Graduação Lato Sensu em Psicologia Educacional da POSGLOGAL visa a formação profissional de graduados que tenham

Leia mais

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos:

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos: Clínica Psicológica da UFPE Plano Institucional de Estágio Supervisionado Apresentação A Clínica Psicológica é uma entidade pública, ligada ao Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES - TELECENTROS.BR

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES - TELECENTROS.BR PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES - TELECENTROS.BR REDE NACIONAL DE FORMAÇÃO PARA INCLUSÃO DIGITAL PROGRAMANDO O FUTURO - POLO REGIONAL CENTRO-OESTE DA REDE NACIONAL DE FORMAÇÃO

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO

USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO MIRANDA 1, Márcia Verônica Costa; SILVA 2, Gilmar Batista da 1 Professora Orientadora

Leia mais

NORMAS REGULADORAS DO PROCESSO SELETIVO Edital Nº 17/2014-SEDIS

NORMAS REGULADORAS DO PROCESSO SELETIVO Edital Nº 17/2014-SEDIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTOS DOS CONSELHOS ESCOLARES PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA e AÇÕES DO PACTO

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA e AÇÕES DO PACTO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA e AÇÕES DO PACTO Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa É um compromisso formal assumido pelos governos federal, do Distrito Federal, dos estados

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM COMUNICAÇÃO E MARKETING Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL BANDEIRANTES MANUAL DO ALUNO

CENTRO EDUCACIONAL BANDEIRANTES MANUAL DO ALUNO CENTRO EDUCACIONAL BANDEIRANTES MANUAL DO ALUNO 1 SUMÁRIO INFORMAÇÕES GERAIS 03 QUEM PODE FAZER O CURSO DE EJA A DISTÂNCIA 04 MATRÍCULA 04 COMO FUNCIONA 05 CALENDÁRIO DOS CURSOS 06 AVALIAÇÃO E CRITÉRIOS

Leia mais

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL Prezado(a) aluno(a); Este material que você está começando a ler trata-se do manual do aluno, referente às disciplinas que serão ministradas através

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Neide Santos neide@ime.uerj.br 2º Seminário de Pesquisa em EAD Experiências e reflexões sobre as relações entre o ensino presencial e a distância

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA- EAD 2014.1

ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA- EAD 2014.1 NÚMERO DE VAGAS: 50 ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA- EAD 2014.1 PREVISÃO DE INÍCIO DAS AULAS Abril de 2014 APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA A educação em todos os níveis - desde o ensino fundamental

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JARAGUÁ DO SUL FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 02/2010 Estabelece Normas Operacionais Complementares em conformidade com o Parecer CNE/CEB nº 06/2010, Resoluções CNE/CEB nº 02/2010

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online SUPERVISÃO E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

UM ROTEIRO PARA A EXECUÇÃO DE ATIVIDADES EM UM PROJETO DE INCLUSÃO DIGITAL

UM ROTEIRO PARA A EXECUÇÃO DE ATIVIDADES EM UM PROJETO DE INCLUSÃO DIGITAL UM ROTEIRO PARA A EXECUÇÃO DE ATIVIDADES EM UM PROJETO DE INCLUSÃO DIGITAL R.L. Stange *, A. A. Batista*. * Universidade Tecnológica federal do Paraná, Guarapuava, Brasil e-mail: rlgomes@utfpr.edu.br Resumo

Leia mais

Guia do Aluno da Graduação Personalizada em Gestão da Tecnologia da Informação

Guia do Aluno da Graduação Personalizada em Gestão da Tecnologia da Informação Guia do Aluno da Graduação Personalizada em Gestão da Tecnologia da Informação Prezado Aluno, Seja bem-vindo à Graduação Personalizada em Gestão da Tecnologia da Informação! Antes de dar início à sua graduação

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO TÉCNICA EM TESTES DE SOFTWARE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO TÉCNICA EM TESTES DE SOFTWARE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO TÉCNICA EM TESTES DE SOFTWARE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo

Leia mais

EaD como estratégia de capacitação

EaD como estratégia de capacitação EaD como estratégia de capacitação A EaD no processo Ensino Aprendizagem O desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação (tics) deu novo impulso a EaD, colocando-a em evidência na última

Leia mais

Valorizando ideias e experiências participativas que promovam o direito humano à educação REGULAMENTO

Valorizando ideias e experiências participativas que promovam o direito humano à educação REGULAMENTO REGULAMENTO 1. O RECONHECIMENTO PÚBLICO DE OLHO NOS PLANOS 1.1. O Reconhecimento Público é uma ação da iniciativa De Olho nos Planos, composta pelos seguintes parceiros: Ação Educativa, UNICEF, Campanha

Leia mais

A PRESENTAÇÃO SUMÁRIO

A PRESENTAÇÃO SUMÁRIO SUMÁRIO Apresentação Como ter sucesso na educação à distância A postura do aluno online Critérios de Avaliação da aprendizagem do aluno Como acessar a plataforma Perguntas freqüentes A PRESENTAÇÃO O Manual

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online ENSINO DE MATEMÁTICA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

No Estágio Curricular Supervisionado em História II a carga horária será de: Teoria- 40h/aula e Prática - 60h: Estágio de regência na escola.

No Estágio Curricular Supervisionado em História II a carga horária será de: Teoria- 40h/aula e Prática - 60h: Estágio de regência na escola. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA CURSO DE HISTÓRIA/LICENCIATURA MANUAL DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO EM HISTÓRIA Apresentação O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online SAÚDE COLETIVA COM ENFOQUE NO GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Regulamentação de Pós-Graduação Lato-Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 31/13, de 21/08/13. CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este regulamento dispõe especificamente do Núcleo de Informática

Leia mais

A Prática Educativa na EAD

A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD Experiências na tutoria em EAD Disciplina de Informática Educativa do curso de Pedagogia da Ufal nos pólos de Xingó, Viçosa e São José da Laje (2002-2004).

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC FACULDADE DE MEDICINA - FAMED NÚCLEO DE TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EM SAÚDE NUTEDS/FAMED/UFC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC FACULDADE DE MEDICINA - FAMED NÚCLEO DE TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EM SAÚDE NUTEDS/FAMED/UFC UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC FACULDADE DE MEDICINA - FAMED NÚCLEO DE TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EM SAÚDE NUTEDS/FAMED/UFC CHAMADA PÚBLICA PARA CURSO DE FORMAÇÃO DE TUTORES PARA EaD ONLINE

Leia mais

Edição 2014 REGULAMENTO PROGRAMA DESENVOLVENDO TALENTOS 2014

Edição 2014 REGULAMENTO PROGRAMA DESENVOLVENDO TALENTOS 2014 REGULAMENTO PROGRAMA DESENVOLVENDO TALENTOS 2014 1- Das Disposições Preliminares Em Pato Branco, o NTI APL TI Sudoeste-PR é reconhecido e faz parte do SRI- Sistema Regional de Inovação. Ambos buscam disseminar

Leia mais

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE CONTROLADOR E PROGRAMADOR DE PRODUÇÃO

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE CONTROLADOR E PROGRAMADOR DE PRODUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JARAGUÁ DO SUL FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE CONTROLADOR E PROGRAMADOR DE

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

Centros Juvenis de Ciência e Cultura Documento-Base

Centros Juvenis de Ciência e Cultura Documento-Base Documento-Base 1. Contexto Garantir educação de qualidade é um dos grandes desafios deste início de século para a Bahia e para o Brasil. No ensino médio, a Bahia tem encontrado dificuldades para avançar

Leia mais

Catálogo do Curso de Educação Ambiental Dimensões da Sustentabilidade na Escola

Catálogo do Curso de Educação Ambiental Dimensões da Sustentabilidade na Escola Catálogo do Curso de Educação Ambiental Dimensões da Sustentabilidade na Escola 1. Dados Gerais 1. Área Temática: Educação Ambiental 2. Nome do curso: Educação Ambiental: Dimensões da Sustentabilidade

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Aprovado na 22ª reunião do Conselho de Unidade (CONSUN) da Faculdade de Informática realizada dia 30 de

Leia mais

PORTAL EAD.SEDUC MANUAL DO USUÁRIO

PORTAL EAD.SEDUC MANUAL DO USUÁRIO PORTAL EAD.SEDUC MANUAL DO USUÁRIO Versão 1.1 Apresentação Seja-bem vindo ao EAD.SEDUC, o Portal de Educação a Distância da Secretaria da Educação do Ceará. Criado para concentrar as ações de formação

Leia mais

MBA Executivo. Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça

MBA Executivo. Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça 1 O Instituto COPPEAD: O Instituto COPPEAD oferece o curso de especialização

Leia mais