Relatório Anual Commodities

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Anual 2010. Commodities"

Transcrição

1 Relatório Anual 2010 Commodities

2 GRUPO SAFRA BRASIL Banco Safra S.A. Banco J. Safra S.A. Safra Leasing S.A. Arrendamento Mercantil Safra Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Safra Corretora de Valores e Câmbio Ltda. Safra Seguros Gerais S.A. Safra Vida e Previdência S.A. Safra Companhia Securitizadora de Créditos Imobiliários Banco Safra (Cayman Islands) Limited

3 Se escolher navegar os mares do sistema bancário, construa seu banco como construiria seu barco: sólido para enfrentar, com segurança, qualquer tempestade. JACOB SAFRA, fundador

4 CONTEÚDO PALAVRA DO PRESIDENTE ECONOMIA INTERNACIONAL ECONOMIA BRASILEIRA BANCO SAFRA BANCO SAFRA S.A. E SAFRA CONSOLIDADO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AGÊNCIAS NO PAÍS CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO/ DIRETORIA

5 PRINCIPAIS NÚMEROS

6 PALAVRA DO PRESIDENTE O Brasil segue sua trajetória de ascensão a potência econômica. Com o crescimento de 7,5%, em 2010, o país passou à condição de sétima maior economia do mundo. Considerado o PIB de US$ 2,1 trilhões, ultrapassamos a França e o Reino Unido. O desempenho foi excepcional, mesmo com a base de comparação do ano anterior, quando o PIB caiu 0,6% em virtude dos efeitos da crise financeira de Como consequência houve uma significativa redução do nível de desemprego. O vigoroso crescimento foi acompanhado do êxito dos programas de transferência de renda e da diminuição das desigualdades sociais, criando condições para um significativo aumento de renda per capita e melhoria na mobilidade das classes D e C. Esses fatos reforçam o otimismo e a convicção de que estamos avançando de forma consistente, embora ainda tenhamos muito por fazer. Entre os desafios está, em primeiro lugar, o da educação, que precisa melhorar em qualidade e eficiência, em função das demandas e exigências da globalização. Eficiência, a propósito, é a palavra-chave para a construção do futuro do Brasil que sonhamos. Ela se impõe em todas as áreas, a começar pela administração pública, devendo se estender para os demais segmentos da sociedade e ser uma meta de todos, de professores nas escolas, de pesquisadores, empresas e empreendedores individuais, enfim, de cada brasileiro. Não nos esqueçamos que recebemos a dádiva de um grande país, rico em recursos naturais, mas a prosperidade não é herança adquirida, ela precisa ser criada e exige muito trabalho e perseverança. Por outro lado, duas reformas também não saem da ordem dia e continuam como prioridade. Uma se refere à elevada e mal distribuída carga tributária; a outra, aos pesados ônus embutidos na folha de salários das empresas. Ambos os fatores comprovadamente têm um peso importante sobre a baixa competitividade da economia brasileira. A eles acrescem os crônicos gargalos da infraestrutura falta ou deficiente conservação de estradas, ferrovias, portos etc. que encarecem a logística de transporte na produção, na distribuição interna e na exportação. Por tudo isso é que o Brasil ocupa, entre 43 países responsáveis por 90% do PIB mundial, o 36º. lugar no ranking da competitividade. Em 2010, o desempenho do Banco Safra acompanhou o ritmo de expansão da economia brasileira, apresentando resultados ótimos. Exemplo foi o da carteira de crédito, que evoluiu 33,6% e se elevou a R$ 37,3 bilhões. A experiência acumulada no middle market e a maior flexibilidade em relação aos grandes concorrentes neste segmento foram diferenciais decisivos para essa expansão. Tais fatores proporcionaram condições para que houvesse uma sinergia de estratégia, que se refletiu no crescimento e ampliação do atendimento de pequenas empresas e também contribuiu para essa performance. O forte aumento dos empréstimos, todavia, não alterou a qualidade do crédito: 94% do total da carteira fecharam o ano classificados nos níveis de risco AA, A e B. A inadimplência de apenas 0,8% para créditos vencidos há mais de 90 dias, refletiu o rigor da conservadora política de crédito do Banco. Outro registro positivo foi o aumento da eficiência. A relação despesa sobre receita indicou o índice de 46,6%, o que assegurou ao Safra a condição de um dos mais eficientes bancos do mercado. O lucro líquido evoluiu 15% e ultrapassou a importante marca de R$ 1,0 bilhão. O patrimônio líquido cresceu 14,4%, elevando-se a R$ 5,6 bilhões, e os ativos para R$ 73,3 bilhões. A taxa de retorno sobre o patrimônio líquido médio anualizado foi de 19,9%, com o índice de Basiléia situando-se em 14,1%. Para 2011, nos concentraremos no desenvolvimento de novos negócios e nos esforços na gestão de riscos de forma sadia e na preparação para implementação das novas regulamentações relativas às diretrizes de Basiléia III. Conforme a tradição de discutir temas de grande interesse para o país, neste relatório publicamos textos especiais sobre a importância das commodities na pauta de exportações e para o desenvolvimento, que são abordados com profundidade pelos experts Roberto Rodrigues, ex-ministro da Agricultura, e o professor emérito e ex-ministro Antônio Delfim Netto. ROSSANO MARANHÃO Presidente 4 4

7 ARTICULISTAS DEMANDA MUNDIAL DE COMMODITIES Antônio Delfim Netto Na última década, ocorreu forte expansão do consumo mundial de alimentos, metais e petróleo, não acompanhado pela oferta desses produtos. Como consequência, houve elevação dos seus preços. As causas principais foram: exportação como mostra o Gráfico 3 (as variações anuais do período tem por base o ano de 2002; as variações de 2009 e 2010 são em relação ao ano imediatamente anterior). Gráfico 1 Taxa de Câmbio (Cesta de Moedas/US$) e Preço do Petróleo (US$/Barril) entre jan/1999 e fev/ A expansão da renda global; 2. A desvalorização do dólar em relação a outras moedas; 3. O uso de grãos para a produção de biocombustíveis; e 4. O crescimento econômico de países emergentes, em particular da China, que de exportador transformou-se num dos maiores importadores mundiais. O Gráfico 1 mostra a associação inversa entre o valor do dólar e o preço do petróleo nos últimos 10 anos (o mesmo ocorre com as outras commodities), e o Gráfico 2 o substancial aumento do consumo de milho no período recente para a produção do etanol nos Estados Unidos. O Brasil é exportador tradicional de alimentos e de minério de ferro e, como se vê na Tabela 1, é, por outro lado, grande importador de trigo. Nossa economia não poderia, portanto, deixar de sentir diretamente os efeitos dessa conjuntura internacional. A agricultura e a mineração responderam rapidamente ao momento favorável, expandindo o volume de Tabela 1 Posição do Brasil no Comércio Internacional em 2009 Fonte: ONU - Elaboração: Idéias Consultoria Gráfico 2 Uso do Milho nos Estados Unidos

8 Gráfico 3 Brasil Exportações de Produtos Básicos Quantum, preço e valor (Variação Anual) Melhores preços de exportação implicaram ganho nas relações de troca (cada unidade de bens exportados compra maior quantidade de bens importados), na ampliação das exportações e do saldo comercial, com efeitos positivos sobre a produção e a renda. A elevação dos preços mundiais de commodities e a evolução da taxa cambial afetam, entretanto, os preços ao consumidor. Uma parcela dos alimentos consumidos internamente são produtos de exportação, estando suas cotações vinculadas aos preços externos. Parte do aumento dos preços dos minérios acaba também pressionando o consumidor. Tais efeitos sobre o custo de vida são indesejáveis mas, numa larga medida, inevitáveis, criando grandes dificuldades para o controle da taxa de inflação. É importante lembrar que nos últimos 60 anos as principais causas das interrupções do crescimento econômico foram dificuldades cambiais, decorrentes de acumulação de déficits em contas correntes, não financiáveis. A recente elevação dos preços mundiais de commodities garantiu substanciais saldos comerciais que propiciaram uma situação folgada do balanço de pagamentos. Ela deve ainda sustentar a expansão econômica dos próximos anos.

9 O Gráfico 4 mostra a evolução dos termos de troca e do saldo comercial desde o segundo choque de petróleo em O efeito desse choque foi devastador, provocando uma das mais acentuadas perdas nas relações de troca de que se tem notícia. Não somente ocorreu a elevação dos preços de importação, mas também dos juros internacionais que levaram à estagnação da economia mundial. O resultado foi a crise cambial de Seguiram-se as crises de 1987, no Plano Cruzado, e as de 1998 e 2002, no Plano Real. Gráfico 5 Etanol no Brasil Produção (bilhões de litros) e Produtividade Gráfico 4 Termos de Troca e Saldo Comercial Mensal Média Móvel de 12 Meses A elevação dos preços de alimentos fez voltar à tona, nos organismos internacionais, a questão alimentos versus biocombustível. Colocou-se em dúvida a capacidade do Brasil de estimular a produção de etanol de cana-de-açúcar sem prejudicar a produção de alimentos. Esta questão não é nova. Ela perdurou por bom tempo no Brasil, principalmente durante o desenvolvimento do programa de produção do álcool. Não há dúvida de que cana-de-açúcar e alimentos competem pelos mesmos fatores de produção, como terra e mão de obra, supostamente escassos. Assim, maior produção de etanol implicaria em menor produção de alimentos e viceversa. Entretanto, ambas cresceram de forma acelerada, permitindo atender a contento ao consumo interno e à exportação, graças ao grande dinamismo da agricultura: 1. Aumento contínuo da produtividade da terra e da mão de obra com o avanço das pesquisas genéticas, da melhoria dos métodos de cultivo e da intensa mecanização (Gráfico 5 mostra a evolução ocorrida na produção do etanol a partir da implantação do programa de álcool);

10 2. Conquista e ocupação do cerrado, transformando um ativo inerte em importante área produtora de grãos; e Gráfico 6 Saldo Comercial de Produtos Agrícolas (US$ bilhões) 3. Existência de agricultores operosos e competentes que incorporaram continuamente as inovações tecnológicas. A conjugação desses fatores tornou o país, recentemente, no maior exportador líquido de produtos agrícolas. O Gráfico 6 mostra esta conquista. Há grande incerteza sobre a economia mundial, em 2011, mas os sinais de recuperação da crise de 2007/09 parecem estar se fortalecendo. Com o grande problema do Japão, aumentaram as dúvidas sobre a velocidade com a qual o mundo vai se ajustar. No caso brasileiro, não há razão para supor que os efeitos sobre nosso crescimento serão muito importantes. Podemos crescer entre 4% e 5%, em 2011, mantendo o controle da taxa de inflação em torno de 5% e financiando o déficit em contas-correntes sem dificuldades. ANTÔNIO DELFIM NETTO Economista, é formado pela Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (FEA- USP), onde fez sua carreira acadêmica. Professor catedrático de Economia Brasileira e de Teoria do Desenvolvimento Econômico, recebeu da FEA-USP o titulo de Professor Emérito. Na administração pública, foi secretário da Fazenda do Estado de São Paulo ( ) e, depois, ministro da Fazenda ( ), embaixador do Brasil na França ( ), ministro da Agricultura (1979) e ministro chefe da Secretaria de Planejamento da Presidência da República ( ). No período em que foi ministro da Fazenda, ocorreu o chamado milagre brasileiro, registrando-se as maiores taxas de crescimento da história do país, com a média anual de 9%. Em consequência, o Brasil subiu da 48ª. posição para o 8º. lugar entre as maiores economias do mundo. Permanece um recorde a taxa de 14,4% obtida em Eleito deputado federal em 1986, reelegeu-se para mais quatro mandatos consecutivos, o último dos quais iniciado em Autor de vários livros sobre problemas da economia brasileira, escreve semanalmente para jornais e revistas e seus artigos são reproduzidos por 70 periódicos de São Paulo e outros Estados.

11 UM SALTO PARA O PROGRESSO Roberto Rodrigues Vivemos, no começo de 2011, um período de preços agrícolas históricamente altos. O Quadro 1, com os índices de preços apontados pela FAO fala por si só. A volatividade dos preços agrícolas é uma constante no setor. Sendo a produção rural uma atividade dependente das condições climáticas, é compreensível que existam períodos de menor oferta em função das secas prolongadas, encarecendo os alimentos. E, quando tudo corre bem, os estoques aumentam, perdendo valor. Gráfico 1 FAO Índice de Preços dos Alimentos E, por último, há um terceiro fator, que é a especulação. Diante de um problema real de desequilíbrio entre oferta e demanda, os investidores especulativos aplicam seus fundos na agropecuária, contribuindo para elevar ainda mais os preços. E tudo isso se transforma em estímulos inflacionários globais, criando, entre governos mais tíbios, até mesmo o medo de desabastecimento e de desequilíbrio social. Na verdade, o que estamos observando é apenas mais um ciclo. Talvez um pouco mais longo do que dezenas de outros ocorridos no passado, em função da demanda aquecida, que não arrefeceu nem mesmo durante a dura crise financeira de 2008/2009. Mas vai passar, como todas as outras já passaram. Os preços atraentes levarão produtores rurais do mundo todo a ampliar a área plantada, inclusive com tecnologias melhores, e, se as condições de clima forem favoráveis, já em 2012 poderá se dar o reequilíbrio entre oferta e demanda, de modo que os preços voltarão aos patamares históricos; ou próximos deles. No entanto, a crise atual chamou a atenção de instituições e governos no mundo todo, especialmente quanto ao futuro. Os atuais preços se devem a fatores bastante conhecidos. O primeiro deles é a explosão da demanda nos países emergentes, onde a população e a renda per capita crescem muito mais que nos países ricos. E é sabido que sociedades pobres, que avançam economicamente, gastam mais com alimentos, vestuário, energia, tudo de origem agrícola. Neste tema, algumas políticas públicas exercidas por governos específicos, também contribuíram para o aumento da demanda. É o caso do Bolsa-Família, no Brasil, que reduziu até o impacto da crise global sobre as populações assistidas pelo programa. O segundo fator é a oferta não ter acompanhado a demanda: problemas de seca na Europa Central, na Austrália e na América do Sul, nos últimos anos, provocaram a queda da produção de trigo, encarecendo enormemente esse produto, o que puxou para cima os preços de milho, soja e arroz, substitutos naturais daquele grão essencial. E isso tem reflexo direto no custo de produção das proteínas animais (leite e carnes). Como resultado, os estoques mundiais caíram, aí incluídos os de café, açúcar e algodão, e o mercado reagiu valorizando todas essas commodities. No final do ano passado, por exemplo, a OCDE publicou um estudo mostrando que nos próximos 10 anos a produção de alimentos terá que aumentar 20% para abastecer as populações crescentes. E o mesmo estudo demonstra que o Brasil terá a maior participação nesta missão, devendo aumentar em 40% o dobro da do mundo a sua produção. Tal expectativa se prende a três fatores principais: nosso país tem terra disponível (cultivamos hoje menos de 9% de nosso território com todos os produtos agrícolas), temos agricultores eficientes e competitivos e, sobretudo, temos a melhor tecnologia tropical do planeta. E com uma característica fundamental: o grande desafio humano do século XXI é compatibilizar essa maior produção agrícola com a preservação de recursos naturais, o tema da sustentabilidade. Ora, o Brasil já faz isso. Nos últimos 20 anos, a área plantada com grãos cresceu 29% e a produção, 166%. Com isso, poupamos mais de 50 milhões de hectares de matas ou cerrados (Gráfico 2). Isso é que é sustentabilidade!

12 Gráfico 2 Produção Brasileira de Grãos (Safras 1990/91 a 2010/11) Tudo se deve à maior produtividade por hectare. O mesmo se deu com as carnes (Gráfico 3) e com o açúcar e o etanol (Gráfico 4). Gráfico 3 Produção Brasileira de Carnes (em milhões de toneladas)

13 Gráfico 4 Produção de Cana, Açúcar e Etanol Portanto, o mundo nos coloca uma notável responsabilidade para abastecê-lo. E sustentavelmente, o que inclui o grande tema da agroenergia: o etanol de cana é responsável por apenas 11% do CO2 emitido pelos carros a gasolina, o que ajuda a mitigar o aquecimento global, reduzindo a dependência do petróleo e sem concorrer com alimentos. Não podemos desperdiçar esta grande oportunidade que a história nos oferece. O agronegócio brasileiro pode crescer muito, criando empregos, riquezas, renda, excedentes exportáveis, empurrando para cima, assim, o setor urbano industrial e de serviços, já muito modernos em nosso país. Hoje o agronegócio já responde por mais do triplo do saldo comercial externo brasileiro, podendo crescer bastante. Só precisamos de uma estratégia clara, com políticas públicas bem articuladas entre os órgãos do governo e os produtores rurais. Toda a sociedade brasileira se beneficiará desse salto para o progresso.

14 ROBERTO RODRIGUES Engenheiro agrônomo, formado pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiróz (ESALQ), fez cursos de aperfeiçoamento em administração rural e publicou cinco livros sobre agricultura, cooperativismo e economia rural, além de outros em coautoria. Foi ele quem criou o sistema Coplana de rotação da cultura da cana com a soja, que racionalizou a atividade rural em termos de melhor uso de recursos humanos, financeiros e de equipamentos, máquinas e veículos. O resultado foi um significativo aumento de empregos nas áreas canavieiras. Também foi um dos maiores defensores do pagamento de cana pelo teor de sacarose, que revolucionou o setor sucroalcooleiro e ampliou a renda de todo o complexo agroindustrial a ele ligado. Como empresário rural e líder do setor, foi dirigente de cooperativas de crédito rural e agrícolas, entre as quais da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB) por dois mandatos. Na administração pública, foi secretário da Agricultura do Estado de São Paulo e, entre janeiro de 2003 e junho de 2006, ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Neste último cargo, além da completa reestruturação da pasta, trabalhou pelas leis de biotecnologia, dos produtos orgânicos, seguro rural, regulamentação da defesa sanitária. Na área acadêmica, é coordenador do Centro de Agronegócios da Fundação Getúlio Vargas (FGV), professor do Departamento de Economia Rural da Universidade Estadual Paulista (Unesp) Jaboticabal e pesquisador visitante do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (USP).

15 Economia Internacional

16 1.1 Panorama geral Retrospectiva 2010 e perspectivas para 2011 O ano de 2010 foi marcado pela consolidação do processo de recuperação econômica global. De acordo com o FMI, a economia mundial cresceu 5,0% em 2010 (contração de 0,9% no ano anterior). Tal desempenho foi resultado do robusto desempenho das economias emergentes, cujo crescimento de 7,1% foi mais que duas vezes superior à expansão das economias desenvolvidas (3,0%). Gráfico 1 Crescimento do PIB Mundial a magnitude dessa revisão não alterará a tendência de crescimento da economia global. De acordo com o World Economic Outlook, divulgado pelo FMI, a China cresceu 10,3% em 2010, fruto do bem, sucedido plano do governo chinês em manter o elevado crescimento com o aumento da absorção doméstica. As exportações e as importações chinesas voltaram a exibir forte aceleração, exercendo impacto direto na produção industrial local. Gráfico 2 Crescimento Anual do PIB chinês Assim como a China, a Índia apresentou robusto crescimento em O PIB indiano cresceu 9,7%, mesmo com incentivos públicos muito mais modestos que os realizados por China ou Japão, por exemplo. O destaque negativo é a elevada inflação, que seguiu pressionada pela alta dos preços de alimentos. Com relação aos países desenvolvidos, o PIB dos Estados Unidos cresceu 2,9% em relação a O quarto trimestre de 2010 consolidou a mudança do pólo indutor de dinamismo, cada vez menos dependente de fatores voláteis como a recomposição de estoques, com o consumo das famílias, investimentos fixos e as exportações liderando o processo de crescimento econômico. Por trás dessa rápida recuperação ainda está o extraordinário estímulo fiscal e monetário posto em prática ao redor do mundo. Embora a entrada na crise tenha ocorrido de forma praticamente sincronizada, a partir de setembro de 2008, a retomada econômica tem se dado de forma desigual entre os países, em decorrência das diferentes condições iniciais, reações dos governos e formas com que a crise atingiu cada um. No início de janeiro, o FMI previa que a economia mundial cresceria 4,4%, em É possível que essa previsão seja reduzida, em virtude dos trágicos eventos ocorridos no Japão e da alta expressiva dos preços do petróleo, mas O forte crescimento da demanda doméstica, junto com o vigoroso processo de recuperação dos preços das commodities, elevou substancialmente a inflação no país. Dada a importância da estabilidade de preços (além do crescimento econômico) para a sustentação política do governo, o banco central continua adotando uma série de medidas de aperto monetário, principalmente por meio da elevação das exigências de depósitos compulsórios e pelo controle direto da concessão de novos empréstimos. Por sua vez, os governos locais têm reduzido o ímpeto na realização de novos investimentos em infra-estrutura. Tais medidas são positivas, pois garantem um crescimento sustentável e equilibrado no médio e longo prazo. O Japão terá um ano pautado pela reconstrução após a tragédia natural que chocou o mundo. Em 2010, a economia japonesa cresceu 3,9%, impulsionada pelas exportações e pelos estímulos fiscais. O PIB dos dois trimestres iniciais do ano deve ser diretamente afetado pela interrupção da produção que sucedeu a tragédia, além das dificuldades do fornecimento de energia. No entanto, excluindo o risco de um grande vazamento nuclear, a atividade econômica deve se recuperar ao longo do ano, em função da reconstrução das áreas atingidas. Por fim, as atenções do mundo devem seguir voltadas para a Zona do Euro. Apesar da região ter crescido 1,7% em 2010, os problemas fiscais e de solvência dos países periféricos Grécia, Irlanda e Portugal continuarão em destaque.

17 1.2 Estados Unidos A economia americana segue se recuperando da maior crise econômica, desde No ano passado, os EUA cresceram 2,9%, após contração de 2,6%, em Dentre os componentes da demanda, destacou-se o forte aumento dos investimentos (+17,1% sobre 2009), embora, ainda exista um longo caminho a ser percorrido até que essa variável retorne aos níveis prevalecentes em O consumo das famílias também subiu no ano passado (+1,7%) em relação a 2009, recuperando-se das perdas anteriores. Por fim, os gastos do governo cresceram 1,0%, em 2010, na comparação com 2009, o que representa uma desaceleração em relação aos resultados dos dois anos anteriores, indicando menor dependência do PIB em relação ao setor público. Gráfico 3 Crescimento Anual do PIB dos EUA Na margem, o desempenho do PIB americano foi ainda mais encorajador. A expansão foi de 3,1% no 4T10 sobre o 3T10, impulsionada pelo aumento de 4,0% do consumo das famílias, a mais alta taxa desde o quarto trimestre de O principal responsável pela recuperação do consumo tem sido a consolidação patrimonial das famílias. Após forte elevação, entre 2008 e 2009, a taxa de poupança das famílias se estabilizou no intervalo entre 5% e 6%. A parcela da renda disponível gasta com o pagamento de juros caiu para os níveis observados em meados da década de 1990, fruto de renegociação de dívidas antigas com taxas menores e dos write-offs (devolução do bem financiado, geralmente imóvel). Gráfico 4 Crescimento Trimestral do PIB dos EUA (em Termos Anualizados) Gráfico 5 Poupança das Famílias Americanas como Proporção da Renda Disponível Outro importante componente do processo de recuperação tem sido as exportações líquidas, que contribuíram com 3,3 pontos percentuais para o crescimento do PIB no quarto trimestre do ano passado. Tal resultado é consequência da forte expansão das exportações americanas, cujo crescimento anualizado foi de 8,6% no período, puxado pelo vigor da economia mundial e pelo enfraquecimento do dólar. Por fim, os investimentos também estão se recuperando de maneira expressiva. Excluindo-se o setor residencial, o investimento fixo cresceu, em termos anualizados, 5,7% no último trimestre de No entanto, os bons números da economia em 2010 não devem fazer com que o banco central norteamericano (Fed) eleve a taxa básica de juros em Vale lembrar que o Fed segue um mandato dual cujo objetivo é, no longo prazo, garantir que a taxa de inflação ao consumidor se mantenha próxima aos 2,0% a.a. e que a economia cresça com baixo nível de desemprego. É inegável também que as condições do mercado de trabalho vêm melhorando nos últimos meses, tendo em vista não só a queda recente da taxa de desemprego (Gráfico 6) como também as constantes reduções dos pedidos iniciais de auxílio-desemprego e do número de beneficiários. No entanto, toda a recuperação foi capaz de gerar apenas 1,5 milhão de empregos, frente a pouco mais de 8 milhões de postos de trabalho destruídos com a crise financeiro-imobiliária. É provável que, assim como no caso do nível de preços, a recuperação do mercado de trabalho ocorra de forma gradual, dificilmente havendo convergência para os números desejados antes do término de 2012.

18 Gráfico 6 Taxa de Desemprego nos EUA Adicionalmente, a política fiscal também dificilmente será alterada em É provável que o atual governo passe a desenvolver uma trajetória de consolidação fiscal de médio prazo, cujos impactos devam ser sentidos mais fortemente somente a partir de O consumo das famílias deve seguir como o principal carro-chefe da recuperação. O principal risco que envolve esse cenário é a alta do preço do petróleo. O encarecimento do insumo pode fazer com que os consumidores gastem mais com energia, o que, por sua vez, pode levar a uma queda no consumo de outros bens. Ainda assim, o mais provável é que a economia do país apresente expansão próxima à verificada em Zona do Euro O PIB da Zona do Euro registrou crescimento de 1,7%, em 2010, após recuar 4,1% em Essa elevação se deve principalmente ao desempenho alemão, cujo crescimento, em 2010, liderado pelas exportações, foi de 3,6%. No entanto, as economias periféricas apresentaram baixo crescimento, principalmente em decorrência do necessário aperto fiscal. Em 2011, espera-se que a recuperação siga em ritmos distintos entre os países da região central e aqueles pertencentes à região periférica. Gráfico 7 Crescimento Anual do PIB da Zona do Euro No ano passado, Grécia e Irlanda, após verem o custo de rolagem da dívida pública aumentar significativamente por conta da fraca situação fiscal, pediram auxílio à União Européia e FMI. Em ambos os casos o socorro foi condicionado a um forte ajuste fiscal, que deverá fazer com que essas economias apresentem fraco crescimento econômico nos próximos anos. A continuidade da recuperação da Zona do Euro continuará dependendo das principais economias, com destaque para a Alemanha. A rápida recuperação do país levou a taxa de desemprego ao seu menor nível histórico, o que tem proporcionado ganhos reais aos trabalhadores, mantendo elevada a confiança do consumidor. Além disso, as baixas taxas de juro impulsionaram o mercado imobiliário, o que também deve garantir o crescimento robusto do investimento residencial. Se as notícias quanto à atividade econômica são positivas, a recente evolução dos preços ao consumidor preocupa. A inflação ao consumidor encerrou o ano de 2010 com alta de 2,2%, levemente acima da meta de médio prazo do Banco Central Europeu (BCE) de 2,0%. O BCE projeta que a região deva crescer novamente 1,7%, em 2011, enquanto que o FMI, em janeiro, projetava crescimento de 1,5%.

19 Economia Brasileira 22

20 2.1 Crescimento econômico De acordo com o IBGE, o PIB brasileiro cresceu 7,5%, em 2010, melhor desempenho desde Gráfico 8 Crescimento Anual do PIB Brasileiro apresentando crescimento de 22,0% e contribuindo com 3,8 p.p. O Consumo do Governo, ao se expandir 3,3%, contribuiu com 0,7 p.p. adicionais. E a maior acumulação de Estoques (14,0% em relação a 2009), contribuiu com mais 1,7 p.p.. Em sentido contrário, a queda das exportações líquidas retirou 3,2 p.p. da taxa global de expansão do PIB, implicando crescimento da demanda doméstica (10,7% em 2010 sobre 2009) acima do PIB total. Na margem, a economia encerrou o ano de 2010 crescendo em ritmo moderado. O PIB registrou uma expansão de 0,7%, no quarto trimestre de 2010, em relação ao trimestre anterior, após um crescimento de apenas 0,3% no terceiro, na mesma base de comparação. Pelo lado da oferta, o setor de serviços continuou a sustentar o crescimento da economia, com 1,0% em relação ao terceiro trimestre, ritmo pouco superior ao registrado no período anterior. A agropecuária e a indústria recuaram 0,8% e 0,3%, respectivamente, no quarto trimestre, em relação ao anterior, após quedas ainda mais relevantes no terceiro trimestre de - 1,6% e 0,6%, respectivamente. O Consumo das Famílias foi o principal responsável pelo crescimento da economia nacional, no ano passado. Sustentado por um mercado de trabalho aquecido, pela expansão do crédito e contando com o apoio da política fiscal e monetária, o Consumo das Famílias expandiu-se 7,0%, em relação a 2009, e contribuiu com 4,5 p.p. para a composição da taxa total do PIB. A segunda maior fonte de impulso foram os investimentos, com a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), Gráfico 9 Crescimento Trimestral do PIB Brasileiro

21 Pelo lado da demanda, o destaque no quarto trimestre foi o desempenho do Consumo das Famílias, que cresceu 2,5% contra o trimestre anterior, refletindo as boas condições do mercado de trabalho e a forte expansão da renda e do crédito. A Formação Bruta de Capital Fixo cresceu 0,6% na margem, após ter apresentado forte crescimento no 3T10, enquanto o Consumo do Governo apresentou ligeira contração (-0,3%). Com isso, a absorção doméstica, resultado da soma do Consumo das Famílias, da Formação Bruta de Capital Fixo e do Consumo do Governo, cresceu 1,6% no quarto trimestre, representando um ritmo anualizado de expansão de 6,6%, que equivale a uma desaceleração modesta frente ao ritmo observado ao longo do ano de 2010 como um todo. E o ano terminou com a expectativa de que essa desaceleração tenda a se acentuar, em 2011, considerando um novo ciclo de aperto monetário, uma esperada redução do ritmo de expansão do gasto público e o efeito das medidas macroprudenciais sobre o crédito, anunciadas em dezembro de 2010, e que podem vir a ser reforçadas. 2.2 Inflação e política monetária e pela aceleração da inflação de serviços, reflexo da forte demanda agregada, com a combinação de um mercado de trabalho apertado e política fiscal mais relaxada. Reagindo à aceleração dos índices mensais de inflação já no primeiro trimestre de 2010, e consequente deterioração das expectativas inflacionárias, o Copom deu início a um processo de elevação das taxas básicas de juros em abril. Entre as reuniões de abril e julho de 2010, o Copom elevou a taxa Selic em 200 pontos base (p.b.), de 8,75% ao ano (a.a.) para 10,75% (a.a.). O ímpeto da inflação arrefeceu em meados do ano, mas voltou a se recuperar no último quadrimestre, trazendo a taxa acumulada do IPCA em 12 meses de um mínimo de 4,5% em agosto, para o nível de 5,9% em dezembro. As expectativas de inflação também voltaram a se deteriorar, apontando no final de 2010 uma inflação esperada para o ano de 2011 significativamente acima do centro da meta (5,3%, como medida pelo Relatório Focus, divulgado pelo BC). E, reconhecendo a ameaça A inflação ao consumidor, medida pelo IPCA, fechou o ano de 2010 em 5,9%. O resultado ficou acima da meta estabelecida pelo Banco Central (BC) de 4,5%, embora ainda dentro do intervalo estabelecido de 2,0 p.p. para cima ou para baixo. A dinâmica negativa da inflação em 2010 foi basicamente determinada pela elevação dos preços de alimentos, refletindo em boa medida um choque nos preços agrícolas e de commodities,

22 Quadro 1 Subgrupos do IPCA (variação anual - %) Quadro 2 Categorias do IPCA (variação anual - %) inflacionária mais evidente, a autoridade monetária, no Relatório Trimestral de Inflação divulgado em dezembro de 2010, já sinalizou a iminência da retomada do processo de elevação dos juros, mesmo após a divulgação de medidas macroprudenciais visando conter o ritmo de expansão do crédito ao consumidor no mesmo mês. Gráfico 10 IPCA Acumulado em 12 Meses e Taxa Selic 2.3 Principais indicadores econômicos Atividade Econômica Como vimos anteriormente, os dados das contas nacionais trimestrais mostraram que a demanda doméstica manteve-se aquecida durante todo o ano passado com elevação particularmente forte do consumo das famílias no último trimestre de 2010, mas tenderá a se desacelerar ao longo de 2011, por causa do aperto monetário e das medidas macroprudenciais adotadas no final de 2010 e que potencialmente serão ampliadas nos próximos meses.

23 Os dados sobre o desempenho do varejo no ano passado são reflexos claros do aquecimento da demanda doméstica. Segundo os dados do IBGE, o índice do volume de vendas no comércio varejista apresentou crescimento anual de 10,9% em Ao se considerar o volume de vendas no comércio ampliado, que inclui as categorias de material de construção e automóveis, o desempenho se mostra ainda melhor, com um crescimento de 12,2% em A perda de dinamismo, no decorrer do próprio ano de 2010, especialmente na segunda metade, parece ser consequência do esgotamento da capacidade instalada ou da escassez de mão de obra em alguns setores, além da forte concorrência com produtos importados, potencializada pela valorização cambial. Gráficos 11 e 12 Vendas Reais no Varejo e Produção Industrial (100 = Jan/07) O bom desempenho do comércio, especialmente o de bens duráveis, impulsionado pelo crédito e pelas boas condições do mercado de trabalho, levou o Banco Central a estabelecer medidas macroprudenciais, no final do ano, mirando exatamente os segmentos que apresentavam as taxas de crescimento mais expressivas: crédito para vendas de veículos e crédito pessoal. Com isso, a autoridade monetária buscou conter o ritmo de crescimento do crédito, que se ampliou no decorrer do ano passado, passando a crescer 20% em termos anualizados, patamar considerado excessivo do ponto de vista prudencial. Já o desempenho da indústria no decorrer do ano passado foi menos favorável, crescendo apenas 2,5% em relação a 2009, ainda apresentando ao final do ano um nível de produção inferior àquele prevalecente no período pré-crise (setembro de 2008).

24 Com relação ao mercado de trabalho, o ano de 2010 mostrou novamente a retomada da tendência de queda da taxa de desemprego, que atingiu o menor nível histórico (5,3%, em dezembro). Na média, em 2010, a taxa de desemprego ficou em 6,7%, segundo o IBGE. Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho confirmaram a geração líquida de vagas apurada pelo IBGE, apontando a criação rendimento, por sua vez, levou a uma ampliação da massa salarial real em 7,4% em 2010, contra 3,9%, em Esse avanço da massa salarial real em 2010 foi também recorde, representando o principal alicerce para o ótimo desempenho do consumo doméstico no ano. Gráfico 13 Taxa de Desemprego no Brasil Setor Externo de 2,137 milhões de vagas formais, na economia, em O setor de serviços manteve a liderança nas contratações no ano, com 864 mil vagas, seguido pelo comércio (520 mil vagas) e a indústria (485 mil). Como reflexo direto da melhora no mercado de trabalho, os rendimentos reagiram positivamente. Considerando os dados do IBGE, o rendimento médio nominal expandiu-se 9,2%, em 2010, implicando um aumento no rendimento real de 3,75%. A combinação de crescimento na ocupação e no Os dados de comércio exterior brasileiro mostram a manutenção de um cenário favorável, desde meados de O Índice de Relações de Troca (IRT) do Brasil (razão entre os índices de preços médios de exportação e de importação, em dólares) alcançou o nível mais elevado da série histórica, iniciada em Comparado à média de 2009, o IRT estava cerca de 25% mais alto, ao final de Nesse período, o preço médio de nossas exportações subiu 34% em dólares e o preço médio das importações brasileiras avançou 6,0%. O IRT favorável reflete-se no resultado acumulado da balança comercial em 2010: US$ 20,3 bilhões de dólares, resultado de exportações de US$ 201,9 bilhões e importações de US$ 181,6 bilhões. Na comparação com 2009, o valor das exportações cresceu 31,9%, enquanto que o valor das importações avançou 42,3%.

25 Gráfico 14 Saldo da Balança Comercial Brasileira (em US$ bilhões) No que se refere ao financiamento, entretanto, as condições em 2010 foram bastante favoráveis, com o fluxo de investimento direto atingindo US$ 48,5 bilhões, contra US$ 25,9 bilhões no ano anterior. Os fluxos de investimento em carteira também mostraram volumes significativos, atingindo US$ 52,3 bilhões. A elevação do preço médio das exportações brasileiras foi o principal motor do crescimento das exportações, em 2010, alta puxada pela elevação do preço internacional das commodities. Após passar por um período de enfraquecimento, na segunda metade de 2008, os preços desses bens voltaram a subir. Isso foi reflexo da demanda oriunda de países emergentes, com destaque para a China, aliada à depreciação do dólar e a restrições de oferta, em função de problemas climáticos enfrentados principalmente no segundo semestre de Já o crescimento das importações refletiu, sobretudo, a alta dos volumes físicos importados, decorrente do forte crescimento da absorção doméstica no Brasil. Enquanto a balança comercial apresentou ainda um bom resultado, em 2010, trazendo mais dólares para o país, o outro principal componente das transações correntes mostrou significativa deterioração no período. Outro ponto de destaque foi o aumento de endividamento total em emissões de médio e longo prazos, que representaram uma entrada de US$ 62,6 bilhões, em 2010, ante US$ 35,8 bilhões, em Com a estabilidade dos fluxos de amortização, isso representou uma elevação significativa da taxa de rolagem dos empréstimos externos, em 2011: de 88% para 244%. Com a ampliação do fluxo líquido de dólares para o país e a manutenção da política de acumulação de reservas por parte do Banco Central, visando evitar excessiva volatilidade do real, 2010 se configurou como mais um ano de acumulação significativa de reservas. As reservas internacionais encerraram o ano em US$ 288,6 bilhões, contra US$ 239,0 bilhões ao final de E a taxa de câmbio do final de período apontava a cotação de R$ 1,67/US$, apontando uma valorização de 4,3% (11,6% na média do ano). O balanço de serviços e rendas mostrou um déficit de US$ 70,6 bilhões, em 2010, contra US$ 52,9 bilhões, no ano anterior, principalmente refletindo a ampliação das despesas, e, com isso, trouxe o déficit em conta-corrente do país para US$ 47,5 bilhões, ou 2,3% do PIB.

26 2.3.3 Finanças Públicas O superávit primário do setor público consolidado, principal parâmetro da execução fiscal no Brasil, somou R$ 101,7 bilhões, em 2010, representando 2,79% do PIB, ante 2,03% do PIB no ano anterior. o crescimento das receitas e despesas do Governo Central teria sido menor, mas o ritmo de crescimento das últimas ainda superaria o das primeiras (15,9% despesas e 13,1% receitas). Gráfico 15 Resultado Fiscal Primário e Dívida Líquida do Setor Público O desempenho de 2010 refletiu o aumento dos superávits do Governo Central e das empresas estatais, contrabalançados, em parte, pela redução do resultado dos governos A Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) atingiu R$ 1.475,8 bilhões em 2010, representando o equivalente a 40,4% do PIB. O percentual reflete uma queda de 2,4 p.p. em relação ao patamar do final de regionais. Descontados os investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), 0,6% do PIB, a meta de superávit ajustada para o ano, de 2,5% do PIB, foi cumprida. A receita bruta do Governo Federal totalizou, em 2010, R$ 705,3 bilhões, representando um crescimento de 26,3% em relação ao arrecadado no ano anterior, enquanto as despesas totalizaram R$ 442,2 bilhões, aumentando 28,4%. Excluindo-se das receitas e despesas, os impactos das operações relacionadas à Petrobras receitas referentes à cessão onerosa para a exploração do petróleo e despesas relacionadas à expansão dos investimentos e capitalização da empresa A redução anual da relação DLSP/PIB refletiu os impactos positivos da obtenção de um superávit primário de 2,8 p.p. do PIB, o próprio crescimento do PIB corrente, que contribuiu com 5,4 p.p., e o efeito de privatizações, que contribuiu com mais 0,1 p.p.. No sentido contrário, houve a apropriação de juros nominais, que contribuiu negativamente com 5,4 p.p. e também o efeito da apreciação cambial registrada no período, que contribuiu negativamente com mais 0,5 p.p.. A Dívida Bruta do Governo Geral, por sua vez, atingiu R$ 2.011,5 bilhões, o equivalente a 55,1% do PIB em O valor representou uma queda de 6,8 p.p. do PIB em relação ao ano anterior, refletindo o aumento dos compulsórios bancários no Banco Central.

27 Quadro 3 Principais Indicadores Econômicos

28 BANCO SAFRA 38

29 BANCO SAFRA O ano de 2010 foi muito positivo para o Brasil. O PIB cresceu 7,5%, elevando-se a R$ 3,67 trilhões (US$ 2,1 trilhões), o que colocou o país como a 7ª maior economia mundial. A maioria dessas atividades é desenvolvida pelo Banco e, outras, por suas principais controladas, entre as quais, o Banco J. Safra, Safra Corretora de Valores e Câmbio, Safra Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários, Safra Leasing, Safra Vida e Previdência, Safra Seguros Gerais e Banco Safra (Cayman Islands) Limited. O volume de crédito bancário subiu 20,5% no ano, atingindo o equivalente a 46,6% do PIB, recorde histórico. Nesse ambiente favorável para a economia e o mercado financeiro, o Banco Safra teve um 2010 muito bom, consolidando-se como uma das grandes instituições de capital privado do setor, em termos de ativos, conforme ranking do Banco Central. Suas atividades são desenvolvidas em todas as áreas do mercado financeiro. Além das operações de empréstimos, atua no leasing, subscrição de valores mobiliários, administração de fundos de investimento, seguros, no gerenciamento de ativos e em operações de tesouraria. O suporte às operações do banco é assegurado por uma rede de 117 agências e Postos de Atendimento Bancário (PAB) em grandes empresas. Uma das agências está no exterior (Cayman) e as demais em capitais e cidades, em sua maioria sedes de regiões econômicas importantes. Estruturada segundo esse critério, essas agências atendem os clientes do banco mantendo elevados níveis de excelência e eficiência operacional. As demonstrações contábeis consolidadas do Safra revelaram um lucro líquido de R$ 1.048,1 milhões, em 2010, o que representa um crescimento de 15% quando comparado aos R$ 911,3 milhões referentes ao ano anterior.

30 O patrimônio líquido fechou o exercício de 2010 totalizando R$ 5,7 bilhões, com evolução de 14,4% sobre os R$ 4,9 bilhões do final de O retorno sobre o patrimônio líquido médio anualizado foi de 19,9%, dentro da rentabilidade dos últimos anos. A taxa de retorno sobre o ativo médio anualizado situou-se em 1,5%. O índice de Basiléia, que expressa a capitalização, atingiu 14,1%, acima dos 11% exigidos pelo Banco Central. Outro indicador muito positivo obtido no exercício de 2010 foi o aumento da eficiência do Safra. Refletindo a relação entre as despesas operacionais não decorrentes de juros e as receitas bancárias, o índice de 46,6% assegurou ao banco a condição de um dos mais eficientes do mercado financeiro. Igualmente significativo foi o crescimento do resultado operacional em relação a 2009, que atingiu R$ 1,5 bilhão.

31 O balanço patrimonial mostrou a evolução dos ativos totais para R$ ,4 milhões, com aumento de 10,7%, em relação aos R$ ,4 milhões no fechamento do ano anterior. Deste montante, R$ 34,0 bilhões eram representados por ativos de tesouraria (disponibilidades, aplicações interfinanceiras de liquidez, títulos e valores mobiliários e relações interfinanceiras e interdependências); R$ 37,3 bilhões representados por operações de crédito; e R$ 0,8 bilhão de operações de câmbio. O Safra mantém estrutura bastante diversificada de instrumentos de captação, que incluem operações no mercado aberto, no montante de R$ 27,9 bilhões; operações com instrumentos financeiros derivativos tradicionais, no valor de R$ 4,3 bilhões; depósitos a prazo, totalizando R$ 9,2 bilhões; captações de R$ 5,3 bilhões no mercado externo; além de recursos oficiais, que somavam R$ 6,2 bilhões no final do exercício. As captações totais evoluíram 24,2%, aumentando de R$ 39,5 bilhões para R$ 49,2 bilhões. O saldo da carteira de crédito evoluiu 33,6%, passando de R$ 27,9 bilhões para R$ 37,3 bilhões no final de Desse montante, R$ 9,0 bilhões estavam garantidos por recebíveis. A provisão para créditos de liquidação duvidosa representava 2,2% da carteira. A distribuição da carteira de crédito por nível de risco e respectivas provisões confirmaram que, a despeito do grande crescimento, o banco manteve o elevado índice de qualidade do ano anterior: 94% do montante dos empréstimos fecharam 2010 classificados nos níveis de risco AA, A e B, os mais altos, conforme critérios do Banco Central. A inadimplência, considerando créditos vencidos há mais de 90 dias em relação à carteira ficou em 0,8%, índice bem abaixo da média do mercado e indicador do êxito da conservadora política de crédito do Safra.

32 No segmento de Varejo, o principal produto do Safra é o financiamento de veículos leves para o consumidor final. A prioridade é para compradores de unidades novas e que assegurem boa qualidade de crédito. A Tesouraria é responsável pela gestão do fluxo de recursos para todas as áreas do Grupo no Brasil. Para maior eficiência, suas atividades estão divididas em duas grandes áreas: banking, com a atribuição de cuidar da manutenção da liquidez e do equilíbrio entre ativos e passivos: e a de trading, que negocia moedas, índices e assume posições direcionais.

33 BANCO J. SAFRA O Banco J. Safra é um banco múltiplo que reúne as atividades de banco de investimento, gestão de fundos de investimentos, private banking, wealth management e corretora de valores. O Banco J. Safra encerrou 2010 com um Patrimônio Líquido de R$ 438,8 milhões. A área de Fusões e Aquisições e Mercado de Capitais é uma das principais dentro da estrutura e atividades do Banco de Investimento. Tem amplo acesso a investidores locais e internacionais e vem obtendo sólido crescimento, com a participação em IPO`s e como sole advisor em processos de aquisição e incorporação de empresas. Atua, também, no mercado de emissão e distribuição de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), bem como em operações estruturadas e em operações no mercado de dívida, com a emissão de debêntures e bonds. A Safra Wealth Management, que atua como Multi Family Office, complementa as atividades do Private Bank Safra, com estrutura e pessoal altamente especializados para assegurar atendimento de excelência e a melhor alocação de recursos. O Private Banking, que opera segundo valores herdados de uma tradição secular baseada na discrição e na segurança, mais uma vez, em 2010, colocou-se entre os principais gestores de recursos de clientes de alta renda no Brasil. Desenvolve suas operações em todo o país, por meio de escritórios nas principais capitais. ASSET MANAGEMENT A Safra Asset Management fechou 31 de dezembro de 2010 com o patrimônio sob sua administração no valor de R$ 56,5 bilhões, o que a colocou como a oitava maior na classificação da AMBIMA Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais. Em agosto, a Safra Asset Management recebeu a nota M1a (bra), a máxima em avaliações feitas pela Fitch Ratings.

34 SAFRA CORRETORA A Safra Corretora, acompanhando o processo de expansão das atividades do Banco de Investimento, ampliou em 2010 sua atuação nos mercados de ações, mercadoria e futuros, firmando-se como importante instituição de corretagem, liquidação e custódia. Seus clientes dispõem do Safra Net Ações, o home broker da Corretora Safra. SAFRA VIDA E PREVIDÊNCIA A Safra Vida e Previdência, que opera nos ramos de seguros de vida e previdência privada, inclusive em Vida Gerador de Benefícios Livres (VGBL) e Plano Gerador de Benefícios Livres (PGBL), fechou o exercício com patrimônio líquido de R$ 202,9 milhões e lucro líquido de R$ 58,0 milhões (R$ 20,0 milhões, em 2009). A empresa também participa do Convênio de Operações de Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (DPVAT).

35 As receitas com contribuições do VGBL e do PGBL encerraram o exercício com R$ 570,8 milhões (R% 221,7 milhões em 2009). As provisões técnicas das carteiras de ambos os fundos elevaram-se de R$ 1.215,0 (2009) para R$ 1.823,4 milhões. classificadas nos níveis de risco AA e A os mais altos do mercado segundo critérios aplicáveis às instituições financeiras. SAFRA SEGUROS GERAIS SAFRA LEASING A Safra Leasing encerrou o exercício de 2010 apresentando um patrimônio líquido de R$ 786,1 milhões e um lucro líquido de R$ 150,3 milhões. Sua carteira de arrendamento mercantil, a valor presente, atingiu R$ 2,4 bilhões em 31 de dezembro, mantendo-se entre as maiores empresas de leasing que atuam nesse mercado, de grande concorrência. Os principais bens arrendados foram veículos, que representaram 59,5% do total, e máquinas e equipamentos, com 33,5% das operações. No encerramento do exercício, 78,5% das operações de arrendamento mercantil a valor presente estavam A Safra Seguros Gerais, que opera com diversificada oferta de seguros de ramos elementares, registrou no final de dezembro de 2010 um patrimônio líquido de R$ 55,3 milhões e lucro líquido de R$ 4,7 milhões (R$ 3,1 milhões em Em prêmios emitidos, que somaram R$ 131,9 milhões, o aumento foi de 26% sobre os R$ 104 milhões do ano anterior. GESTÃO DE RISCOS O Banco Safra mantém um conjunto de normas, procedimentos e estrutura especializada para assegurar o cumprimento de determinações legais e as melhores práticas de mercado, bem como atender as exigências de sua política interna.

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros Projeções Economia Global

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Workshop - Mercado Imobiliário

Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário 1. O que está acontecendo com o Brasil? 2. Por que o Brasil é a bola da vez? 3. Por que o Mercado imobiliário

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA : Carta de Conjuntura do IPEA Apresentadoras: PET - Economia - UnB 25 de maio de 2012 1 Nível de atividade 2 Mercado de trabalho 3 4 5 Crédito e mercado financeiro 6 Finanças públicas Balanço de Riscos

Leia mais

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Fundação Getúlio Vargas 11º Fórum de Economia Ministro Guido Mantega Brasília, 15 de setembro de 2014 1 Por que fazer ajustes macroeconômicos? 1. Desequilíbrios

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário 1. Objetivo do fundo O Fundo JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento

Leia mais

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO L2 0 0 6 R E L AT Ó R I O A N U A EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO Prêmio de Seguros Participação no Mercado (em %) Mercado 74,2% Fonte: Susep e ANS Base: Nov/2006 Bradesco 25,8%

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

SÍNTESE DA CONJUNTURA

SÍNTESE DA CONJUNTURA SÍNTESE DA CONJUNTURA O quadro geral da economia brasileira, que já se mostrava bastante difícil nos primeiros meses do ano, sofreu deterioração adicional no terceiro trimestre, com todos os indicadores

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização Panorama e Perspectivas / Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização 1. Sumário Executivo... 2 2. Seguradoras do grupo de seguros gerais... 2 2.1 Ramos do grupo de seguros gerais...

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços A inflação, considerada a evolução dos índices de preços ao consumidor e por atacado, apresentou contínua elevação ao longo do trimestre encerrado em maio. Esse movimento, embora tenha traduzido

Leia mais

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Março / 2015 Cenário Econômico Bonança e Tempestade Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Bonança Externa Boom das Commodities Estímulos ao consumo X inflação Importações e real valorizado 2

Leia mais

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA**

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA** 15 C ONJUNTURA Inflação de 2001 Supera a Meta A inflação em 2001, medida pelo IPCA, atingiu o patamar de 7,67%, superando a meta de 6% estabelecida pelo Banco Central. Choques internos e externos à economia

Leia mais

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional Brasília, 18 de setembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional Exmas. Sras. Senadoras e Deputadas

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Julio Hegedus Assunto: Balanço Semanal InterBolsa BALANÇO SEMANAL 24 DE SETEMBRO DE 2010 BALANÇO SEMANAL 20 A 24/09 CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Capitalização da Petrobras

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

Especial Lucro dos Bancos

Especial Lucro dos Bancos Boletim Econômico Edição nº 90 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Especial Lucro dos Bancos 1 Tabela dos Lucros em 2014 Ano Banco Período Lucro 2 0 1 4 Itaú Unibanco

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional Carta ao Cotista Abril 2015 Ambiente Macroeconômico Internacional O fraco resultado dos indicadores econômicos chineses mostrou que a segunda maior economia mundial continua em desaceleração. Os dados

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL

ECONOMIA INTERNACIONAL No mês de fevereiro foram divulgadas as estatísticas das principais economias mundiais. Cabe ressaltar ainda, o efeito negativo da crise na Ucrânia nos mercados internacionais, uma vez que o grau de tensão

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Relatório Mensal Agosto/2015

Relatório Mensal Agosto/2015 1. Cenário Econômico Relatório Mensal GLOBAL: A ata da reunião de julho do FOMC (Federal Open Market Committee) trouxe um tom mais conciliador. Embora a avaliação em relação à atividade econômica tenha

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional Gráfico 1 Produção da construção civil e PIB Variações anuais % 1 8 6 4 2-2 -4 1999 2 21 22 23 24 25 26 27 28 Construção civil PIB A indústria

Leia mais

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região.

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região. O presente boletim analisa algumas variáveis chaves na atual conjuntura da economia sertanezina, apontando algumas tendências possíveis. Como destacado no boletim anterior, a indústria é o carro chefe

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram bom desempenho em abril. A produção industrial

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa de juros Selic em 0,5 p.p., a 14,25% ao ano, conforme esperado pelo mercado. A decisão ocorreu após elevação de 0,5 p.p no último encontro.

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO 7 ECONOMIA MUNDIAL SUMÁRIO A situação econômica mundial evoluiu de maneira favorável no final de 2013, consolidando sinais de recuperação do crescimento nos países desenvolvidos. Mesmo que o desempenho

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

Crise e respostas de políticas públicas Brasil

Crise e respostas de políticas públicas Brasil Crise e respostas de políticas públicas Brasil Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 08 de setembro de 2009 Situação

Leia mais

O desafio da competitividade. Maio 2012

O desafio da competitividade. Maio 2012 O desafio da competitividade Maio 2012 ECONOMY RESEARCH Roberto Padovani Economista-Chefe (55 11) 5171.5623 roberto.padovani@votorantimcorretora.com.br Rafael Espinoso Estrategista CNPI-T (55 11) 5171.5723

Leia mais