doutora assistente do curso de Nutrição da Universidade São Francisco (USF), SP, Brasil.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "doutora assistente do curso de Nutrição da Universidade São Francisco (USF), SP, Brasil."

Transcrição

1 1 Título: Avaliação do conhecimento sobre produtos light e diet entre alunos da Universidade São Francisco. Short title: Conhecimento sobre alimentos light e diet entre alunos. Knowledge about light and diet food between students. Autores: Juliana Jorge 1, Vanessa Aparecida Camargo Luiz 1, Pérola Ribeiro 2 1 Aluna do curso de graduação em Nutrição pela Universidade São Francisco, Bragança Paulista, SP, Brasil. 2 Doutora em Ciência pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Professora doutora assistente do curso de Nutrição da Universidade São Francisco (USF), SP, Brasil. Endereço da instituição: Universidade São Francisco (USF) Av. São Francisco de Assis, 218 Jardim São José CEP: Bragança Paulista SP Endereço para correspondência: Pérola Ribeiro Av. São Francisco de Assis, 218 Jardim São José CEP: Bragança Paulista SP Telefone: (11) ou

2 2 RESUMO Os produtos diet e light há algum tempo, se avolumam nas prateleiras dos supermercados, chamando a atenção de pessoas preocupadas com a saúde e a estética. O objetivo desse estudo foi avaliar o conhecimento sobre produtos light e diet entre os alunos, regularmente matriculados nos cursos de graduação de Nutrição, da Universidade São Francisco, campus Bragança Paulista. Aplicou-se um questionário entre os alunos regularmente matriculados no curso de graduação em Nutrição da Universidade São Francisco, campus Bragança Paulista. Os resultados obtidos a partir do questionário foram analisados através de estatísticas descritivas básicas acerca dos itens avaliados. A maioria dos alunos acertou a definição e a finalidade de utilização dos alimentos light. Somente 29% dos alunos acertaram que alimentos diet são aqueles que devem conter em sua composição isenção ou, no máximo, 0,5% de açúcar. Mais de 95% dos alunos conhecem o público alvo ao qual os alimentos diet são destinados. Conclui-se que a maioria dos alunos entrevistados sabe diferenciar produtos light de diet e a sua finalidade de uso. Entretanto, alguns estudantes do curso de Nutrição se confundiram com os conceitos de diet e light, principalmente, quanto à redução de nutrientes mínima dos produtos light e diet. Palavras-chave: alimentos diet e light, legislação, produtos modificados, alimentos formulados

3 3 ABSTRACT Diet and light products, for some time, been accumulating on the shelves of supermarkets, drawing the attention of people concerned about the health and aesthetics. The aim of this study was to evaluate the knowledge about diet and light products among students, regularly enrolled in undergraduate courses of Nutrition, University of San Francisco. It was applied a questionnaire among students regularly enrolled in graduate programs in nutrition in the San Francisco University. Results from the questionnaire were analyzed using descriptive statistics about the basic items evaluated. Most of the students hit the definition and purpose of use of light foods. Only 29% of students hit that diet foods are those that must include in their composition exemption or, at most, 0.5% sugar. More than 95% of students know the target audience to which the diet foods are intended. It follows that most students interviewed know differentiate products from light diet and their purpose of use. However, some students in the course of Nutrition is confused with the concepts of diet and light, mainly regarding the reduction of nutrient minimum of light and diet products. Keywords: diet and light food, legislation, modified products, formulated foods

4 4 INTRODUÇÃO Segundo AQUINO et al. (2003) 1 a demanda de alimentos industrializados no país aumentou após a abertura econômica. Os alimentos que apresentaram maior crescimento de vendas, a partir de 1994, foram às preparações prontas para o consumo, sopas desidratadas e macarrão instantâneo, demonstrando uma forte tendência à escolha de produtos mais elaborados. A diversidade e o aumento da oferta de alimentos industrializados podem influenciar os padrões alimentares da população, principalmente a infantil, uma vez que os primeiros anos de vida se destacam como um período muito importante para o estabelecimento de hábitos. O consumo inadequado, em excesso e muito freqüente destes alimentos, pode comprometer a saúde nesta fase e na idade adulta. Muitos alimentos industrializados são ricos em gorduras e carboidratos refinados, apresentando elevados valorares energéticos. Por outro lado, o incremento da industrialização pode ter um impacto positivo para a alimentação, no que se refere ao acesso a alimentos modificados, fontes alimentares e/ou enriquecidos com nutrientes que possam contribuir também para o melhor valor nutritivo da dieta. Concomitantemente, nos últimos anos, vem crescendo o consumo de produtos light e diet. Estes produtos estão direcionados a pessoas que apresentam algum distúrbio no metabolismo de açúcar (diabéticos) ou mais recentemente, consumidores que estão em busca de produtos alimentícios de menor aporte calórico 2. Segundo a Portaria da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde (SVS/MS) n 27, de 13/01/98, que aprova o regulamento técnico referente à informação nutricional complementar, o termo light significa uma alegação de uma propriedade nutricional que o produto possui no sentido de redução do teor de determinado nutriente ou teor calórico 3. Para que um alimento seja considerado light, a redução deve ser de no mínimo 25% em relação ao similar convencional. E esse processo implica, geralmente em diminuição do valor energético, ou seja, o produto será útil para dietas de emagrecimento ou controle de peso, uma vez que apresenta redução de calorias. Uma grande parte dos produtos alimentícios industrializados, contendo um teor considerável de açúcares e/ou gorduras em sua composição, já apresenta sua versão light, ou seja, redução no teor de açúcar, de gordura ou até mesmo de ambos 4. Atualmente, os produtos light têm sido utilizados no tratamento de pessoas com obesidade, com o objetivo de reduzir o valor calórico das preparações ou dos alimentos, em relação aos níveis de açúcares e gorduras, assim podendo aumentar a oferta de alimentos em sua dieta hipocalórica 5.

5 5 Por outro lado, segundo a Portaria da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde (SVS/MS) n 29, de 13/01/98, que aprova o regulamento técnico referente a alimentos para fins especiais, os alimentos com alegações diet, na embalagem, necessitam de uma redução bastante severa de um determinado nutriente 6. Esse nutriente pode ser qualquer um e não somente o açúcar, como muitos pensam. Assim, um alimento com uma redução drástica no conteúdo de sódio pode ser indicado para hipertensos e apresentar a alegação diet. Um alimento para ser considerado diet, tomando como o exemplo o conteúdo de açúcar, necessita ser isento ou conter no máximo 0,5% de açúcares em sua composição 4. Embora a palavra adoçante seja usada pela população para designar sabor doce, a Portaria da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde (SVS/MS) n 38, de 15/01/98, que aprovou o regulamento técnico referente a adoçantes de mesa, estabeleceu que adoçante é todo produto especificamente formulado para conferir sabor doce aos alimentos e bebidas. Já a designação adoçante dietético refere-se a formulações tendo como base os edulcorastes não podendo conter os monossacarídeos glicose e frutose e o dissacarídeo sacarose 7. Conseqüentemente, somente os adoçantes dietéticos são indicados para os portadores de diabetes mellitus 4. RICHTER & LANNES (2007) 8 ao estudarem bombons para dietas especiais, comerciais, controle e especiais (diet/light) constataram que o conteúdo de carboidratos dos bombons especiais era significativamente menor quando comparado com os demais. Além disso, o bombom especial apresentava 25,7% de redução do valor calórico total comparado ao produto comercial e 20,6% quando comparado com o produto controle, o que não o caracterizaria como um alimento light, onde a redução deve ser de, no mínimo, 25% comparada com seu similar.com relação à textura, a substituição do açúcar por edulcorantes foi satisfatória, permitindo o seu consumo, inclusive, pela população diabética. O objetivo desse estudo foi avaliar o conhecimento sobre produtos light e diet entre os alunos, regularmente matriculados nos cursos de graduação de Nutrição, da Universidade São Francisco, campus Bragança Paulista.

6 6 MÉTODOS A avaliação do conhecimento dos alunos diante dos produtos light e diet pode ser classificado como uma pesquisa exploratória, a qual formula questões ou problemas vislumbrando desenvolver hipóteses, aumentar a familiaridade do pesquisador com um ambiente, fato ou fenômeno para aprofundar em pesquisa futura ou ampliar conceitos 9. A pesquisa para avaliar o grau de conhecimento de produtos light e diet foi realizada mediante a formulação e aplicação de um questionário pré-testado entre os alunos regularmente matriculados no curso de graduação em Nutrição da Universidade São Francisco, campus Bragança Paulista. Foram aplicados cento e cinco questionários em setembro de O questionário foi elaborado com questões estruturadas relacionadas a conceitos de produtos light e diet, contendo 9 questões. Os resultados obtidos a partir do questionário foram analisados através de estatísticas descritivas básicas acerca dos itens avaliados. Os resultados foram analisados através de tabelas de freqüência simples e porcentagem. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Universidade São Francisco (protocolo CAAE: ). Os voluntários foram informados de todos os objetivos e procedimentos desse estudo e assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) autorizando sua participação no estudo.

7 7 RESULTADOS A TABELA 1 mostra a distribuição dos alunos do curso de graduação em Nutrição, segundo o semestre e o sexo. Cento e cinco alunos do curso de nutrição responderam o questionário, sendo que 16,2% (17/105) dos alunos estão cursando o segundo semestre, 29,5% (31/105) do quarto, 30,5% (32/105) do sexto e 23,8% (25/105) do oitavo. Desse total, 6,7% (7/105) são do sexo masculino e 93,3% (98/105) são do sexo feminino. A TABELA 2 apresenta o conhecimento dos alunos do curso de graduação em Nutrição sobre alimentos light. Oitenta e sete por cento (91/105) dos alunos responderam que alimentos light apresentam redução de um determinado nutriente. Setenta e quatro por cento (77/105) assinalaram que produtos light são aqueles que devem, em relação ao similar convencional, apresentarem redução de, no mínimo 25% de qualquer nutriente. Noventa e sete por cento (102/105) dos alunos responderam que consumiriam produtos light para auxiliar na perda de peso. Setenta e quatro por cento (78/105) dos alunos responderam que os produtos light podem ser utilizados no tratamento da obesidade com o objetivo de reduzir o valor calórico das preparações ou dos alimentos. O GRÁFICO 1 apresenta a porcentagem de acerto entre os alunos do curso de graduação em Nutrição, da Universidade São Francisco sobre alimentos light. Oitenta e sete por cento (91 105) dos alunos acertaram que alimentos light são aqueles que apresentam redução de um determinado nutriente (Questão 1). Setenta e quatro por cento (77 105) dos alunos responderam corretamente que produtos light são aqueles que devem, em relação ao similar convencional, apresentarem redução de, no mínimo, 25% de qualquer nutriente (Questão 2). Noventa e sete por cento ( ) dos alunos acertaram que o consumo de produtos light auxilia na perda de peso (Questão 3). Setenta e quatro por certo (78 105) dos alunos responderam acertadamente que os produtos light podem ser utilizados no tratamento da obesidade com o objetivo de reduzir o valor calórico das preparações ou dos alimentos (Questão 4). A TABELA 3 apresenta o conhecimento dos alunos do curso de graduação em Nutrição sobre alimentos diet. Sessenta e quatro por cento (67/105) dos alunos definiram alimentos diet como aqueles que devem conter em sua composição isenção de açúcar. Noventa e um por cento (95/105) dos alunos responderam que produtos diet são aqueles que podem ser usados por pessoas que necessitam de alimentos para fins especiais. Para 93% (98/105) dos respondentes, os diabéticos devem consumir, preferencialmente, produtos diet. Cem por cento dos alunos responderam que não se pode consumir produtos diet em grandes quantidades. Para 92% (97/105)

8 8 dos respondentes, o consumo excessivo de alimentos light e diet pode comprometer a saúde. O GRÁFICO 2 apresenta a porcentagem de acerto entre os alunos do curso de graduação em Nutrição, da Universidade São Francisco sobre alimentos diet. Somente 29% (31/105) dos alunos acertaram que alimentos diet são aqueles que devem conter em sua composição isenção ou, no máximo, 0,5% de açúcar (Questão 1). Noventa por cento (95/105) dos alunos responderam corretamente que produtos diet são aqueles que podem ser utilizados por pessoas que necessitam de alimentos para fins especiais (Questão 2). Noventa e três por cento (98/105) dos alunos acertaram que diabéticos devem consumir, preferencialmente, produtos diet (Questão 3). Quando questionados sobre a afirmação de que produtos diet não engordam, por isso pode-se consumir em grandes quantidades, 100% (105/105) dos alunos acertaram que essa afirmação é falsa (Questão 4). Com relação à afirmação de que o consumo excessivo de alimentos light e diet pode comprometer a saúde, 100% (105/105) consideraram essa afirmação falsa (Questão 5).

9 TABELA 1: Distribuição dos alunos, do curso de graduação em Nutrição da Universidade São Francisco, campus Bragança Paulista, segundo o sexo Sexo Semestres do curso de Nutrição 2º. (n = 17) 4º. (n = 31) 6º. (n = 32) 8º. (n =25) Total (n=105) Masculino 1 (6%) 1 ( 4%) 1 (4%) 4 (16%) 7 (6,7%) Feminino 16 (94%) 30 (96%) 31 (96%) 21 (84%) 98 (93,3%) TOTAL 17 (16,2%) 31 (29,5%) 32 (30,5%) 25 (23,8%) 105 (100%)

10 10 TABELA 2: Conhecimento sobre alimentos light entre os alunos do curso de graduação em Nutrição, da Universidade São Francisco, campus Bragança Paulista Semestres do curso de Nutrição Variáveis 2º. (n = 17) 4º. (n = 31) 6º. (n = 32) 8º. (n =25) Total (n=105) Questão 1: Produtos light são aqueles que: A. Apresentam redução de um determinado nutriente 12 (70%) 23 (74%) 31( 96%) 25 (100%) 91 (87%) B. Não contêm açúcares 1 (6%) 2 (7%) 3 (3%) C. Não engordam 4 (24%) 6 (19%) 1 (4%) 11 (10%) Questão 2: Produtos light são aqueles que devem, em relação ao similar convencional, apresentarem redução de, no mínimo: A. 10% de qualquer nutriente 3 (18%) 4 (12%) 4 (12%) 3 (12%) 14 (13%) B. 25% de qualquer nutriente 9 (53%) 19 (61%) 27 (84%) 22 (88%) 77 (74%) C. 50% de qualquer nutriente 5 (29%) 8 (26%) 1 ( 4%) 14 (13%) Questão 3: Em qual dessas situações você consumiria produtos light: A. Para perder massa muscular 2 (6%) 2 (2%) B. Para auxiliar na perda de peso 17 (100%) 31 (100%) 29 (90%) 25 (100%) 102 (97%) C. Como suplemento nutricional 1 (4%) 1 (1%) Questão 4: Os produtos light podem ser utilizados no tratamento da obesidade com o objetivo de: A. Retirar os açúcares da alimentação 2 (12%) 1 ( 3%) 3 (9%) 1 (4%) 7 (7%) B. níveis de gorduras da alimentação 4 ( 24%) 10 (32%) 3 (9%) 3 (12%) 20 (19%) C. valor calórico das preparações ou 11 (64%) 20 (65%) 26 (82%) 21 (84%) 78 (74%) dos alimentos

11 11 GRÁFICO 1: Porcentagem de acerto entre alunos do curso de graduação em Nutrição, da Universidade São Francisco, campus Bragança Paulista, sobre alimentos light

12 12 TABELA 3: Conhecimento sobre alimentos diet entre os alunos do curso de graduação em Nutrição, da Universidade São Francisco, campus Bragança Paulista Semestre do curso de Nutrição Variáveis 2º. (n = 17) 4º. (n = 31) 6º. (n = 32) 8º. (n =25) Total (n=105) Questão 1: Produtos diet são aqueles que devem conter em sua composição: A. Isenção de açúcar 9 (52%) 21 (67%) 18 (56%) 19 (76%) 67 (64%) B. Isenção ou no máximo 0,5% de açúcar 7 (42%) 9 (29%) 9 (28%) 6 (24%) 31 (29%) C. De 20 a 30% de açúcar 1 (6%) 1 (4%) 5 (16%) 7 (7%) Questão 2: Produtos diet são aqueles que podem ser usados para: A. Qualquer tipo de dieta 1 (6%) 1 (3%) 1 (4%) 3 (3%) B. Perda de peso 1 (6%) 1 (3%) 5 (15%) 7 (7%) C. Por pessoas que necessitam de 15 (88%) 29 (94%) 26(81%) 25(100%) 95 (90%) alimentos para fins especiais Questão 3: Diabéticos devem consumir preferencialmente: A. Produtos diet 16 (94%) 30 (94%) 28 (88%) 24 (96%) 98 (93%) B. Produtos light 1 (3%) 1 (4%) 2 (2%) C. Nenhum dos dois 1 (6%) 1 (6%) 3 (9%) 5 (5%) Questão 4: Produtos diet não engordam, por isso pode-se consumir em grandes quantidades. Essa afirmação é: A. Verdadeira 0(0%) B. Falsa 17 (100%) 31 (100%) 32 (100%) 25 (100%) 105 (100%) Questão 5: O consumo excessivo de alimentos light e diet pode comprometer a saúde. Essa afirmação é: A. Verdadeira 16 (96%) 27 (87%) 29 (91%) 25 (100%) 97 (92%) B. Falsa 1 (4%) 4 (13%) 3 (9%) 8 (8%)

13 13 GRÁFICO 2: Porcentagem de acerto entre alunos do curso de graduação em Nutrição, da Universidade São Francisco, campus Bragança Paulista, sobre alimentos diet

14 14 Discussão O sobrepeso e a obesidade têm avançado de forma significativa nas últimas décadas, representando um dos principais fatores de risco para o surgimento e evolução de doenças crônicas não transmissíveis, particularmente, as cardiovasculares, diabetes e alguns tipos de cânceres 10. Neste contexto, a alimentação é um importante determinante da saúde e, em busca por um peso saudável, um número cada vez maior de pessoas vem lançado mão dos mais diversos tipos de dietas e de produtos light e diet com ou sem apoio nutricional e médico 11. Os produtos diet e light, há algum tempo, se avolumam nas prateleiras dos supermercados, chamando a atenção de pessoas preocupadas com a saúde e a estética. Entretanto, o consumidor não está suficientemente esclarecido sobre o significado destes termos e acaba utilizando-os de forma inadequada devido, em grande parte, à falta de compreensão das declarações de rotulagem 12. No Brasil esse setor teve um crescimento de 30% no ano de Em alguns estabelecimentos, a linha de produtos especiais chega a representar 20% de todos em exposição. Segundo a Portaria da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde (SVS/MS) n 27, de 13/01/98, que aprova o regulamento técnico referente à informação nutricional complementar, o termo light significa uma alegação de uma propriedade nutricional que o produto possui no sentido de redução do teor de determinado nutriente ou teor calórico 3. Para que um alimento seja considerado light, a redução deve ser de no mínimo 25% em relação ao similar convencional. Por outro lado, segundo a Portaria da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde (SVS/MS) n 29, de 13/01/98, que aprova o regulamento técnico referente a alimentos para fins especiais, os alimentos com alegações diet, na embalagem, necessitam de uma redução bastante severa de um determinado nutriente 6. Um alimento para ser considerado diet, tomando como o exemplo o conteúdo de açúcar, necessita ser isento ou conter no máximo 0,5% de açúcares em sua composição. Os alimentos para fins especiais podem atender a situações específicas de saúde, proporcionar melhor qualidade de vida e ampliar variações na terapia nutricional de portadores de distúrbios fisiológicos. A divulgação de informações corretas sobre a definição dos produtos diet e light é crucial no mercado para que o consumidor possa escolher adequadamente os alimentos. Alguns setores da mídia e empresas privadas têm engendrado esforços pontuais de esclarecimento do consumidor, todavia, não tem havido campanhas públicas expressivas neste setor.

15 15 OLIVEIRA et al. (2005) 13 ao avaliarem o grau de informação sobre produtos light e diet com cem consumidores de dois hipermercados na cidade de Campinas, observaram que somente 36% dos entrevistados têm o nível mínimo de informação para um consumo adequado e consciente dos produtos light e diet, de forma a melhor aproveitar os benefícios que tais alimentos podem oferecer. Nossos resultados demonstram que somente 29% dos alunos entrevistados sabem a correta definição de alimento diet e 87% sabem o que são alimentos light. Embora não tenhamos avaliado se o conhecimento sobre produtos light e diet está relacionado com a faixa etária e ou ao nível de renda, sabe-se que esse conhecimento é proporcional ao aumento da faixa etária e da renda 13. Entretanto, constatou-se que a maioria dos alunos entrevistados (97%) entendem que o impacto da nutrição sobre a saúde é importante ou muito importante e que a principal razão para o consumo de produtos light é evitar o ganho ponderal de peso, fatores análogos aos relatados pelos consumidores entrevistados por OLIVEIRA et al. (2005) 13. Uma importante ação do Ministério da Saúde, através da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), foi a rotulagem nutricional obrigatória, sendo considerada um importante instrumento no contexto da promoção da alimentação saudável 14. LIMA et al. (2003) 15 consideram a rotulagem nutricional uma estratégia valiosa de educação nutricional, uma vez que os consumidores podem selecionar melhor os alimentos a serem adquiridos. Entretanto, a American Diabetes Association (ADA) (ADA, 1988) 16 salienta que o rótulo do alimento não compensa as deficiências de conhecimentos em Nutrição. Para as informações contidas nos rótulos serem bem utilizadas, o indivíduo deve ser adequadamente esclarecido através de estratégias de educação nutricional que facilitem a interpretação das declarações de rotulagem. A educação nutricional tem papel importante na promoção de hábitos alimentares saudáveis, objetivando proporcionar os conhecimentos necessários e a motivação coletiva para formar atitudes e hábitos de uma alimentação sadia, completa, adequada e variada 17. De acordo com o Conselho Federal de Nutricionistas (CFN, 2002) 18, a população brasileira, ainda precisa de ações que auxiliem a fazer uso integral do que lhe está sendo apresentado. Maior detalhamento dos dados nutricionais é necessário, como forma de ampliar os recursos de avaliação dos produtos por parte dos consumidores e como instrumento de apoio na educação nutricional e nos tratamentos dietoterápicos. Desta forma, ações estratégicas de educação nutricional associadas à rotulagem dos alimentos são necessárias, principalmente como parte fundamental do processo de prevenção do aumento da prevalência de distúrbios alimentares no país. E neste

16 16 contexto, o nutricionista desempenha papel fundamental, e deve ter conhecimento preciso a respeito dos conceitos de alimentos light e diet, para melhor orientar seus clientes na escolha precisa e correta desses alimentos.

17 17 Conclusão Conclui-se que a maioria dos alunos entrevistados sabe diferenciar produtos light de diet e a sua finalidade de uso. Entretanto, alguns estudantes do curso de Nutrição se confundiram com os conceitos de diet e light, principalmente, quanto à redução de nutrientes mínima dos produtos light e diet.

18 18 Referências Bibliográficas 1. Aquino RC de; Philippi, ST. Consumo infantil de alimentos industrializados e renda familiar na cidade de São Paulo. Rev S Pública 2002; 36(6): Tozetto A, Demiate IM, Nagata N. Análise exploratória de adoçantes de mesa via espectroscopia no intravermelho (FTIR) e análise por componentes principais (ACP). Ciênc Tecnol de Alim 2007; 27(4): Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria da Vigilância Sanitária. Informação Nutricional Complementar (declarações relacionadas ao conteúdo de nutrientes. Portaria n 27 de 15 de janeiro de Brasília, DF, Disponível em <URL: [13 Outubro 2008]. 4. Freitas SML Alimentação com Alegação diet e light. São Paulo: Varela, p. 5. Fagundes MRL, Costa YR da; Daniel JV. Utilização de produtos light no tratamento dietético de pacientes obesos. Rev Hig Alim 2001; 15(90-91): Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria da Vigilância Sanitária. Alimentos para fins especiais. Portaria n 29 de 13 de janeiro de Brasília, DF, Disponível em <URL: [13 Outubro 2008]. 7. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria da Vigilância Sanitária. Adoçantes de mesa. Portaria n 38 de 15 de janeiro de Brasília, DF, Disponível em <URL: [13 Outubro 2008]. 8. Richter, M, lannes, SCS. Bombom para dietas especiais Avaliação química e sensorial. Ciênc Tecnol Alim 2007; 27(1): Marconi MA, Lakatos EM. Técnicas de pesquisa. 5ª. ed. São Paulo: Atlas, p. 10. World Health Organization. Food and Agriculture Organization. Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases. Geneva, Switzerland, [Report of a Joint WHO/FAO Expert Consultation]. 11. Matta IEA da, Henriques P, Silva Y. Adequação à legislação vigente, da rotulagem de alimentos diet e light comercializados no Rio de Janeiro, RJ. Hig Alim. 2006; 20(147): Cândido LMB, Campos AM. Alimentos para fins especiais: dietéticos. São Paulo: Livraria Varela, p. 13. Oliveira MBC, Enes CC, Sousa CR, Desani DDR, Muniz RP, Salay E. Nível de informação do consumidor sobre os produtos alimentares diet e light em hipermercados de Campinas, SP. Rev Ciênc Méd 2005; 14(5):

19 Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Rotulagem nutricional e obrigatória de alimentos e bebidas embaladas, resolução RDC n.º 360 de 23 de dezembro de Brasília, DF, Disponível em <URL: [2008 Outubro 29]. 15. Lima A, Guerra NB, Lira BF. Evolução da legislação brasileira sobre rotulagem de alimentos e bebidas embaladas e sua função educativa para promoção da saúde. Hig Alim. 2003; 17(110): American Diabetes Association (ADA). Food labeling. Diab Care. 1998; 21(1): S Boog MCF. Educação nutricional em serviços públicos de saúde. Cad S Pública 1999; 15(2): Conselho Federal de Nutricionistas (CFN). A função do nutricionista na rotulagem obrigatória dos alimentos. In: Rotulagem de alimentos: a responsabilidade do nutricionista. Rev Cons Fed Nutric 2002; 3(6): 11-3.

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Audiência Pública P 18 de novembro de 2009 Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Maria José Delgado Fagundes Gerente Geral - /ANVISA Perfil Epidemiológico Brasileiro Atual:

Leia mais

TÍTULO: ROTULAGEM NUTRICIONAL: AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE EM ALIMENTOS DIET E LIGHT

TÍTULO: ROTULAGEM NUTRICIONAL: AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE EM ALIMENTOS DIET E LIGHT TÍTULO: ROTULAGEM NUTRICIONAL: AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE EM ALIMENTOS DIET E LIGHT CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

Leia mais

Anvisa - Alimentos - Informes Técnicos

Anvisa - Alimentos - Informes Técnicos Página 1 de 7 English Español Institucional Anvisa Publica Serviços Áreas de Atuação Legislação Buscar Informes Técnicos Informe Técnico nº. 36, de 27 de junho de 2008 Orientações sobre a declaração da

Leia mais

PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998

PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 A Secretária de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando a necessidade de constante aperfeiçoamento das ações

Leia mais

ROTULAGEM NUTRICIONAL: VOCÊ

ROTULAGEM NUTRICIONAL: VOCÊ ROTULAGEM NUTRICIONAL: VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO? F. F. Paiva, G. Cavada, E. Helbig, L. R. Borges Flávia Fernandes Paiva Gramado, 2012 Introdução Vida mais corrida Modificações alimentares + Maus hábitos

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO MARKETING E DAS INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS DOS PRODUTOS DIET E LIGHT PARA CONSUMIDORES DIABÉTICOS

A INFLUÊNCIA DO MARKETING E DAS INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS DOS PRODUTOS DIET E LIGHT PARA CONSUMIDORES DIABÉTICOS ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A INFLUÊNCIA DO MARKETING E DAS INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS DOS PRODUTOS DIET E LIGHT PARA CONSUMIDORES

Leia mais

BIBLIOGRAFIA. Oficina Rotulagem de Alimentos

BIBLIOGRAFIA. Oficina Rotulagem de Alimentos BIBLIOGRAFIA Oficina Rotulagem de Alimentos Oficina do Eixo: Direitos, Participação e Cidadania Realização: 04 a 08 de maio de 2015 Facilitadora: Ana Paula Bortoletto Bibliografia Básica Entrevistas: Rótulos

Leia mais

ROTULAGEM DE ALIMENTOS

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ROTULAGEM DE ALIMENTOS Profª Ana Paula F. Bernardes Silva A QUEM COMPETE MINISTÉRIO DA SAÚDE: Produtos de origem animal; Vegetais e cereais (grãos) in natura; Bebidas e vinagre; Mel. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA:

Leia mais

Educação Alimentar e Nutricional no Espaço Escolar como Promotora de Vida Saudável

Educação Alimentar e Nutricional no Espaço Escolar como Promotora de Vida Saudável Educação Alimentar e Nutricional no Espaço Escolar como Promotora de Vida Saudável Comissão de Educação e Cultura da Câmara de Deputados 16 de outubro de 2007, Brasília-DF UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI

FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI CONHECIMENTO E CONSUMO DE DIET E LIGHT POR ADOLESCENTES MATRICULADOS EM UM COLÉGIO ESTADUAL DE CORBÉLIA - PR CASCAVEL 2006 FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS 1. Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação progressiva da composição nutricional

Leia mais

Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL. CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de. Segurança Alimentar e Nutricional

Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL. CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de. Segurança Alimentar e Nutricional Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL ComIda de VerDadE no CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Texto elaborado pelo Grupo de Trabalho

Leia mais

Light ou diet? O consumo de produtos diet e light cresceu em grande escala no mercado mundial. É visível

Light ou diet? O consumo de produtos diet e light cresceu em grande escala no mercado mundial. É visível Light ou diet? O consumo de produtos diet e light cresceu em grande escala no mercado mundial. É visível nas prateleiras dos supermercados o quanto de espaço eles ganharam. É comum encontrarmos, hoje,

Leia mais

Proposta do Termo de Adesão

Proposta do Termo de Adesão Proposta do Termo de Adesão Informação Nutricional em Fast Food Gerência de Produtos Especiais Gerência-Geral de Alimentos 1. Histórico - Resolução RDC nº 40/01 Tornou obrigatória a Rotulagem Nutricional

Leia mais

Palavras-chave Rotulagem de alimentos, consumidores, supermercados, hipermercados

Palavras-chave Rotulagem de alimentos, consumidores, supermercados, hipermercados Avaliação do hábito de leitura pelos consumidores de rótulos de alimentos e bebidas comercializados em supermercados e hipermercados na região metropolitana de Belo Horizonte Marina Celle BRANDÃO 1, Wemerson

Leia mais

ROTULAGEM DE ALIMENTOS

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ROTULAGEM DE ALIMENTOS A rotulagem de alimentos apresenta uma importância muito relevante hoje para o consumidor, pois através da mesma, conseguimos repassar muitas informações aos mesmos, tais como prazo

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010 Institui diretrizes para a promoção da alimentação saudável nas escolas de educação infantil, fundamental e de nível médio das redes pública e privada, em âmbito nacional.

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

Manual de Rotulagem de Alimentos

Manual de Rotulagem de Alimentos Manual de Rotulagem de Alimentos Agosto 2013 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

Profa Tânia Maria Leite da Silveira

Profa Tânia Maria Leite da Silveira Profa Tânia Maria Leite da Silveira Como o consumidor adquire informações sobre os alimentos? Conhecimento da família Educação Mídia Publicidade Rotulagem Importância da rotulagem Informações corretas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COMPRA DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS POR CONSUMIDORES EM UM SUPERMERCADO NO MUNICÍPIO DE PALMEIRA DAS MISSÕES/RS 1. Cindy Lirio Brittes 2.

AVALIAÇÃO DA COMPRA DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS POR CONSUMIDORES EM UM SUPERMERCADO NO MUNICÍPIO DE PALMEIRA DAS MISSÕES/RS 1. Cindy Lirio Brittes 2. AVALIAÇÃO DA COMPRA DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS POR CONSUMIDORES EM UM SUPERMERCADO NO MUNICÍPIO DE PALMEIRA DAS MISSÕES/RS 1 Cindy Lirio Brittes 2. 1 Projeto de Iniciação Científica do Demartamento de Ciências

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC 20 a 22 de agosto de 2008 - Bento Gonçalves-RS COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC Silvia Cristina Ferreira Iop 1,2, Evanilda Teixeira 2 e Rosires Deliza 3 1 Universidade

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Elizabeth Vargas Nutricionista Unilever America Latina Seminário Tecnológico de Nutrição, Saudabilidade e Meio Ambiente Junho 2014

Leia mais

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo?

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

MANUAL. Campanha de incentivo ao consumo de Frutas, Legumes e Verduras nas Centrais de Abastecimento. [Digite texto]

MANUAL. Campanha de incentivo ao consumo de Frutas, Legumes e Verduras nas Centrais de Abastecimento. [Digite texto] MANUAL Campanha de incentivo ao consumo de Frutas, Legumes e Verduras nas Centrais de Abastecimento [Digite texto] Grupo de Trabalho Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Ministério

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

O consumidor deve estar atento às informações do rótulo?

O consumidor deve estar atento às informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com.

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com. - SECRETARIA DE SAÚDE - SÃO TIAGO MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE FÍSICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE 04 A 19 ANOS 1 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 269, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 269, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 269, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do

Leia mais

PACTO FEDERATIVO PELA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

PACTO FEDERATIVO PELA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PACTO FEDERATIVO PELA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Ações do Ministério da Saúde Eduardo Augusto Fernandes Nilson Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN/ DAB / SAS Ministério da Saúde 10º

Leia mais

ISSN: 2236-0123 Saúde em Foco, Edição nº: 07, Mês / Ano: 09/2013, Páginas: 29-34

ISSN: 2236-0123 Saúde em Foco, Edição nº: 07, Mês / Ano: 09/2013, Páginas: 29-34 ISSN: 2236-0123 Saúde em Foco, Edição nº: 07, Mês / Ano: 09/2013, Páginas: 29-34 AVALIAÇÃO DA ROTULAGEM DE BARRAS DE CEREAIS COM RELAÇÃO À ADEQUADA CLASSIFICAÇÃO QUANTO AO TEOR DE FIBRAS ALIMENTARES Karime

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE LABORATÓRIO DE ESTUDO EXPERIMENTAL DOS ALIMENTOS 4. DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO SENSORIAL DE BARRA

Leia mais

Tendências no mercado da nutrição

Tendências no mercado da nutrição Parceiros Tendências no mercado da nutrição Apresentação: Nut. Juliana Tolêdo de Faria Graduada em Nutrição FANUT/UFG Esp. Nutrição em Saúde Pública FANUT/UFG Esp. Atividade Física e suas Bases Nutricionais

Leia mais

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Setor de Vigilância Sanitária Distrito Sanitário Oeste Núcleo de Vigilância Sanitária A ROTULAGEM DE ALIMENTOS

Leia mais

Profª Marília Varela

Profª Marília Varela Profª Marília Varela Por que um Técnico em Enfermagem estudar Nutrição e Dietética? Para quê??? Reconhecer o estado nutricional adequado Diferenciar grupos alimentares Compreender como os nutrientes são

Leia mais

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas.

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. Quando o campo se expande, mais profissionais chegam ao mercado, mais áreas de atuação se formam e a categoria conquista mais visibilidade.

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso II OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Autora: Damielle J. Costa Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Brasília - DF 2011 OBESIDADE

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA

CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA Coordenaçăo: Profª. MS. Mara Rosana dos Santos E-mail: nutricao@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 211 Ser Nutricionista É atuar em todas

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado

Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado IP/03/1022 Bruxelas, 16 de Julho de 2003 Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado A Comissão Europeia adoptou hoje

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Curso: Nutrição Disciplina: Comunicação e Marketing Professor(es): Élida Jacomini Nunes, Juliana Masami Morimoto Carga horária: 4 horas-aula/semana

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS 3. CURSO DE NUTRIÇÃO Área de atuação De acordo com a RESOLUÇÃO

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

On-line http://revista.univar.edu.br/ Interdisciplinar: Revista Eletrônica da Univar (2011) nº. 6 p. 189-195 ISSN 1984-431X

On-line http://revista.univar.edu.br/ Interdisciplinar: Revista Eletrônica da Univar (2011) nº. 6 p. 189-195 ISSN 1984-431X 1 HÁBITO DE LEITURA DOS RÓTULOS DE ALIMENTOS LÁCTEOS POR CONSUMIDORES DE SUPERMERCADOS EM SINOP, MT Patrícia Gelli Feres de Marchi - patrícia@univar.edu.br Naiá Carla Marchi de Rezende-Lago 2 Juliana Aparecida

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES Larissa Paula da Silva de Souza 1, Sara Leal de Lima 2, Angela Andréia França Gravena 3 RESUMO:

Leia mais

Perspectivas legais de alegações de propriedades funcionais e ou de saúde

Perspectivas legais de alegações de propriedades funcionais e ou de saúde Perspectivas legais de alegações de propriedades funcionais e ou de saúde 4º Simpósio de Segurança Alimentar Gramado/RS, 29 e 30/05/2012 Antonia Maria de Aquino GPESP/GGALI/ANVISA Missão da Anvisa Promover

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar.

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. Nota Técnica nº 01/2014 COSAN/CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. A Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional COSAN do Programa Nacional

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS Carla Andréa Metzner 1 Ana Paula Falcão 2 RESUMO No presente trabalho coletou-se dados referente ao Indicador

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000

RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000 RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVS aprovado

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 406, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 406, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 406, DE 2005 Altera o Decreto-Lei nº 986, de 21 de outubro de 1969, a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente) e a Medida Provisória nº 2.178-36,

Leia mais

Rotulagem Nutricional: um importante instrumento de educação do consumidor?

Rotulagem Nutricional: um importante instrumento de educação do consumidor? Rotulagem Nutricional: um importante instrumento de educação do consumidor? Nadia Rodrigues Fernandes 1 Izabel Cristina Rodrigues da Silva 2 Nutricionista graduada pela UnB. Especialização Lato Sensu em

Leia mais

O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011. Amanda Poldi

O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011. Amanda Poldi O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011 Amanda Poldi CRIANÇA-DEFINIÇÃO LEI 11.265/2006 CRIANÇA: indivíduo até 12 (doze) anos de idade incompletos; CRIANÇA DE PRIMEIRA

Leia mais

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos Valor Energético É a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS À SAÚDE Beatriz da Silveira Pinheiro Beatriz da Silveira Pinheiro Embrapa Estudos e Capacitação Arroz e Feijão Associados, constituem a base da dieta

Leia mais

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 269, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 269, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 269, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Panificação. Alimentos. Subprodutos. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Panificação. Alimentos. Subprodutos. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

APLICAÇÃO DE TESTES DE ACEITABILIDADE POR NUTRICIONISTAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DO ESTADO DE GOIÁS

APLICAÇÃO DE TESTES DE ACEITABILIDADE POR NUTRICIONISTAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DO ESTADO DE GOIÁS APLICAÇÃO DE TESTES DE ACEITABILIDADE POR NUTRICIONISTAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DO ESTADO DE GOIÁS LOPES, Vanessa de Melo 1 ; SANTANA, Renata Guimarães Mendonça 2 ; ALVES, Alessandra Ribeiro de F. Nery³;

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONCEITOS NUTRICIONAIS EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AVALIAÇÃO DE CONCEITOS NUTRICIONAIS EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL AVALIAÇÃO DE CONCEITOS NUTRICIONAIS EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL GEORG, Raphaela de Castro; MAIA, Polyana Vieira. Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Goiás rcgeorg@gmail.com Palavras

Leia mais

Alimento Industrializado Redução de Sal, Açúcares e Gordura

Alimento Industrializado Redução de Sal, Açúcares e Gordura 4º Simpósio de Segurança Alimentar sbcta - RS Alimento Industrializado Redução de Sal, Açúcares e Gordura Eliane Miyazaki FOODSTAFF Assessoria de Alimentos Ltda. Maio/2012 1988 equipe multidisciplinar

Leia mais

DIET & LIGHT: entenda a diferença

DIET & LIGHT: entenda a diferença DIET & LIGHT: entenda a diferença Michael Ruberson Ribeiro da Silva1 Rosângela Maria Gomes2 Taiane Marla Alves dos Santos Rodrigues3 Isabela Bruzinga Monge3 Vanessa Oliveira Fróes3 Adriana Rodrigues da

Leia mais

PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência

PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) 1. Designação da Ação de Formação: 2. Formador: Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência Dr.ª Vera Berbereia 3. Razões

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 7 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CRÔNICAS

Leia mais

Polí%ca Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional e Estratégia Intersetorial de Prevenção e Controle da Obesidade

Polí%ca Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional e Estratégia Intersetorial de Prevenção e Controle da Obesidade Polí%ca Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional e Estratégia Intersetorial de Prevenção e Controle da Obesidade Seminário Frutas e Hortaliças Florianópolis/SC 07 de agosto de 2014 Câmara Intersetorial

Leia mais

Campanha da Rede Asbran alerta este mês sobre consumo de açúcar

Campanha da Rede Asbran alerta este mês sobre consumo de açúcar Campanha da Rede Asbran alerta este mês sobre consumo de açúcar A Rede Asbran e Filiadas lança nesta sexta-feira, dia 31, mais uma ação da campanha nacional pela redução no consumo do sal e do açúcar,

Leia mais

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 264, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 264, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. título: Resolução RDC nº 264, de 22 de setembro de 2005 ementa não oficial: Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA CHOCOLATE E PRODUTOS DE CACAU". publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo,

Leia mais

revoga: Resolução nº 14 de junho de 1978 Resolução nº 15 de abril de 1978 RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 268, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

revoga: Resolução nº 14 de junho de 1978 Resolução nº 15 de abril de 1978 RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 268, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. título: Resolução RDC nº 268, de 22 de setembro de 2005 ementa não oficial: Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS PROTÉICOS DE ORIGEM VEGETAL". publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans GRUPO CONSUMIDOR 1) O que são ácidos graxos trans ou gordura trans? Os ácidos graxos ou gorduras trans são um tipo de gordura formada pelo processo de hidrogenação

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

ATUAÇÃO DA FAO NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

ATUAÇÃO DA FAO NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ATUAÇÃO DA FAO NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR II Encontro Nacional de Experiências Inovadoras em Alimentação Escolar 50 ANOS Sr. José Tubino Representante da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação

Leia mais

prorrogada(o) por:resolução RDC nº 182, de 03 de outubro de 2006

prorrogada(o) por:resolução RDC nº 182, de 03 de outubro de 2006 título: Resolução RDC nº 269, de 22 de setembro de 2005 ementa não oficial: O "REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE A INGESTÃO DIÁRIA RECOMENDADA (IDR) DE PROTEÍNA, VITAMINAS E MINERAIS". publicação: ANVISA - Agência

Leia mais

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

Segurança Alimentar e Nutricional

Segurança Alimentar e Nutricional Segurança Alimentar e Nutricional Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição/ DAB/ SAS Ministério da Saúde Afinal, o que é Segurança Alimentar e Nutricional? Segurança Alimentar e Nutricional

Leia mais

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara as morbidades referidas

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 SEBASTIÃO RODRIGO DE LIMA NASCIMENTO¹, MARIA DA CONCEIÇÃO GONÇALVES MACÊDO 1, ANNE CAROLINE CÂMARA DE ALMEIDA 2, NATAN MEDEIROS GUERRA 3, MAURINA DE LIMA PORTO 4. ¹ Graduando(a) do Curso de Medicina

Leia mais

ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária

ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária Perguntas e Respostas sobre Informação Nutricional Complementar Gerência de Produtos Especiais Gerência Geral de Alimentos www.anvisa.gov.br Brasília/DF

Leia mais

Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas. Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica

Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas. Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica Infância A infância representa um período que compreende modificações importantes: Crescimento do

Leia mais

RESOLUÇÃO N 02, DE 07 DE JANEIRO DE 2002

RESOLUÇÃO N 02, DE 07 DE JANEIRO DE 2002 RESOLUÇÃO N 02, DE 07 DE JANEIRO DE 2002 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do Regulamento da ANVISA aprovado pelo

Leia mais

Efeito da adição de ferro nas características sensoriais de bebidas elaboradas com polpa de frutos tropicais e soro lácteo.

Efeito da adição de ferro nas características sensoriais de bebidas elaboradas com polpa de frutos tropicais e soro lácteo. Efeito da adição de ferro nas características sensoriais de bebidas elaboradas com polpa de frutos tropicais e soro lácteo. Felipe Machado TROMBETE ¹ *; Romilda Aparecida Bastos Monteiro ARAÚJO 2 ; Marcos

Leia mais

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente 16 Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente Leidiane Silva Oliveira Chagas Gestora de Recursos Humanos - Anhanguera Educacional

Leia mais

CONSUMO ALIMENTAR E ATIVIDADE FÍSICA DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA ÁREA DE SAÚDE

CONSUMO ALIMENTAR E ATIVIDADE FÍSICA DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA ÁREA DE SAÚDE 41 Recebido em 11/2011. Aceito para publicação em 05/2012. CONSUMO ALIMENTAR E ATIVIDADE FÍSICA DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA ÁREA DE SAÚDE FOOD CONSUMPTION AND PHYSICAL ACTIVITIES OF COLLEGE STUDENTS

Leia mais

Avanços na Regulação da Publicidade Infantil

Avanços na Regulação da Publicidade Infantil Avanços na Regulação da Publicidade Infantil IV Fórum de Monitoramento do Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas não Transmissíveis no Brasil AGO/2014 O arsenal de publicidade

Leia mais

PARECER CRN-3 PRESCRIÇÃO DE SUPLEMENTOS NUTRICIONAIS

PARECER CRN-3 PRESCRIÇÃO DE SUPLEMENTOS NUTRICIONAIS PARECER CRN-3 PRESCRIÇÃO DE SUPLEMENTOS NUTRICIONAIS INTRODUÇÃO O Conselho Regional de Nutricionistas da 3º Região, no cumprimento de suas atribuições de orientar e disciplinar a prática profissional dos

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

APOGOM. Compromissos da indústria alimentar sobre Alimentação, Actividade Física e Saúde

APOGOM. Compromissos da indústria alimentar sobre Alimentação, Actividade Física e Saúde APOGOM Compromissos da indústria alimentar sobre Alimentação, Actividade Física e Saúde É hoje amplamente reconhecido que o aumento significativo de certas doenças não transmissíveis (tais como as doenças

Leia mais

14 de novembro. Em 2012, o tema proposto é "Diabetes: Proteja Nosso Futuro" Ações do Ministério da Saúde

14 de novembro. Em 2012, o tema proposto é Diabetes: Proteja Nosso Futuro Ações do Ministério da Saúde 14 de novembro Em 2012, o tema proposto é "Diabetes: Proteja Nosso Futuro" Ações do Ministério da Saúde Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no

Leia mais

Palavras-chave: Suplementos Alimentares, Musculação, Academia de Ginástica.

Palavras-chave: Suplementos Alimentares, Musculação, Academia de Ginástica. PERFIL DOS CONSUMIDORES DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS DE TERESINA. Conceição de Maria Aguiar Carvalho Francisco Evaldo Orsano RESUMO: O aumento da oferta de suplementos

Leia mais

Retinopatia diabética: impacto dos novos hábitos alimentares e do aumento da esperança de vida. Filipe Varandas Carla Costa Lança, PhD

Retinopatia diabética: impacto dos novos hábitos alimentares e do aumento da esperança de vida. Filipe Varandas Carla Costa Lança, PhD Retinopatia diabética: impacto dos novos hábitos alimentares e do aumento da esperança de vida Filipe Varandas Carla Costa Lança, PhD Pertinência do trabalho A RD é a principal causa de deficiência visual

Leia mais