FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI"

Transcrição

1 FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI CONHECIMENTO E CONSUMO DE DIET E LIGHT POR ADOLESCENTES MATRICULADOS EM UM COLÉGIO ESTADUAL DE CORBÉLIA - PR CASCAVEL 2006

2 FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI CONHECIMENTO E CONSUMO DE DIET E LIGHT DE ADOLESCENTES MATRICULADOS EM UM COLÉGIO ESTADUAL DE CORBÉLIA - PR Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito para a obtenção do título de Bacharel em Nutrição pela Faculdade Assis Gurgacz FAG. Professora Orientadora: Helaine Solano Lima de Carvalho. CASCAVEL 2006

3 FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI CONHECIMENTO E CONSUMO DE DIET E LIGHT DE ADOLESCENTES MATRICULADOS EM UM COLÉGIO ESTADUAL DE CORBÉLIA PR Trabalho apresentado no Curso de Nutrição, da FAG, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Nutrição, sob orientação da Professora especialista Helaine Solano Lima de Carvalho. BANCA EXAMINADORA Professora Orientadora: Esp. Helaine Solano Lima de Carvalho Faculdade Assis Gurgacz FAG Professora Avaliadora: Esp. Fabiana Silva Ruiz Faculdade Assis Gurgacz - FAG Professora Avaliadora: Ms. Ana Flavia de Oliveira Faculdade Assis Gurgacz FAG Cascavel, 05 de dezembro de 2006.

4 CONHECIMENTO E CONSUMO DE DIET E LIGHT DE ADOLESCENTES MATRICULADOS EM UM COLÉGIO ESTADUAL DE CORBÉLIA PR TEBALDI, Priscila. 1 CARVALHO, Helaine Solano Lima de. 2 RESUMO Nos dias de hoje, as pessoas se preocupam cada vez mais com a obesidade e doenças relacionadas a alimentação, devido este fato as indústrias de alimentos criaram os produtos diet e light que são classificados como alimentos para fins especiais. O estilo de vida urbano trouxe alterações nos hábitos alimentares da população, principalmente entre os adolescentes nos quais a mídia possui maior influência. Este estudo teve como objetivo verificar o conhecimento e consumo de alimentos diet e light por adolescentes, relacionando com o estado nutricional dos mesmos. Aplicou-se um questionário para avaliar o conhecimento, consumo, variedade desses produtos nos mercados, quais são os mais consumidos e avaliação antropométricas para classificar o estado nutricional, segundo o IMC relacionado à idade. Verificou-se um maior uso de diet e light pelos adolescentes que estão abaixo do peso e eutróficos, não tendo nenhuma utilidade específica. Os meninos souberam conceituar melhor esses produtos, assim tendo um consumo correto dos mesmos. A maioria concordou que há sim uma grande variedade desses produtos nos mercados sendo que os mais consumidos são as margarinas e refrigerantes. Estes fatos chamam a atenção, pois desde que orientado o indivíduo pode se beneficiar de tal uso, conhecendo a finalidade dos produtos. Palavras-chave: adolescência. diet. Light. INTRODUÇÃO 1 Acadêmica do Curso de Nutrição da Faculdade Assis Gurgacz. 2 Nutricionista, especialista em Docência do Ensino Superior pela Faculdade Assis Gurgacz. Docente do Curso de Nutrição da Faculdade Assis Gurgacz..

5 Sabe-se que nos dias de hoje, não é pouco o número de pessoas que se preocupam com a obesidade e doenças relacionadas com a ingestão de gorduras, principalmente colesterol e gordura saturadas, encontradas nos alimentos de origem animal. Várias orientações sugerem a substituição do leite integral (rico em gorduras) pelo desnatado (0,5% de gordura), do queijo prato pelo queijo ricota etc. A partir dessa idéia surgiram os produtos denominados diet e light (FREITAS, 2005). Todo produto alimentício com a alegação diet e light são classificados como alimentos para fins especiais. Os alimentos para fins especiais são os alimentos nos quais são modificados alguns nutrientes no momento em que são formulados ou processados, sendo indicados em dietas diferenciadas atendendo as necessidades de pessoas em condições metabólicas e fisiológicas específicas. Esses alimentos são classificados em: alimentos para dietas com restrição de carboidratos, gorduras, proteínas, sódio, para controle de peso, atividade física, nutrição enteral e ingestão controlada de açúcares (PORTARIA 29/98). Os alimentos com alegação diet devem ter uma redução severa de um determinado nutriente. Esse nutriente não precisa ser necessariamente o açúcar. Portanto um alimento reduzido em sódio, indicado para hipertensos pode apresentar a alegação diet, isso também pode ocorrer com a gordura e etc. Por exemplo, um alimento pode ser chamado diet para açúcares se for isento ou conter no máximo 0,5% de açúcares em sua composição (PORTARIA 29/98). É importante lembrar que esses alimentos com alegação diet para açúcares poderá ter um alto teor de gorduras e calorias, como os chocolates sem adição de açúcares que geralmente são ricos em gorduras contendo muito mais calorias do que os tradicionais (FREITAS, 2005). Alimentos com alegação light, devem ter a redução de um determinado nutriente. No entanto essa redução, precisa ser de no mínimo 25% em relação ao convencional para que o produto possa ser considerado light. Geralmente são reduzidos no teor de açúcar ou no teor de gorduras ou até mesmo dos dois, sendo útil para dietas de emagrecimento ou controle do peso (PORTARIA 27/98). É importante ressaltar que alimentos light são apenas reduzidos em um ou mais nutrientes e não isento e muito menos que não contribua para o ganho de peso. Por isso, esse produto só será efetivo caso substitua a mesma quantidade do alimento tradicional que seria consumido (FREITAS, 2005). O estilo de vida urbano, baseado na praticidade e na falta de tempo e a influência da mídia, trouxe alterações profundas nos hábitos alimentares das pessoas (MONTEIRO;

6 COUTINHO; RECINE, 2005). Existe uma grande quantidade de produtos alimentícios anunciados na televisão brasileira, sendo que na maioria desses produtos há altos teores de gordura, açúcar e sal. Isto pode estar influenciando para uma mudança nos hábitos alimentares de crianças e adolescentes, agravando problemas na população em geral (ALIONSO; HOROCHOSKI, 2004). Há estudos que revelam que de 1395 anúncios de produtos alimentícios veiculados, 57,8% encontraram-se no grupo da pirâmide alimentar representado por gorduras, óleos, açucares e doces e que o tempo que um adolescente passa assistindo TV pode estar associado a obesidade, pois cada hora gasta diante da TV pode aumentar até 2% em sua prevalência (ALMEIDA; NASCIMENTO; QUAIOTI, 2002). A adolescência é o período de transição entre a infância e a vida adulta, é caracterizada por mudanças somáticas, psicológicas e sociais, compreende a faixa etária dos 10 aos 19 anos (SALLES et al. apud OMS, 1995, p. 26 ). As mudanças biológicas, psicológicas e sociais que ocorrem na adolescência interferem intensamente nos hábitos alimentares do adolescente (VITOLO, 2003). A alimentação desempenha um papel muito importante para o crescimento e desenvolvimento de adolescentes, onde a família e a comunidade são fundamentais (OCHSENHOFER; FIORE; COSTA, 2004). Durante esta fase, ocorre grande crescimento físico, é um período em que aumenta 50% do peso e 15% da estatura final do adulto. Com esse crescimento acelerado, seu desenvolvimento na sociedade, e estimulação cognitiva intensa, tornam-se as necessidades de energia elevadas, só que muitas vezes essas necessidades são atendidas de maneira errada (CARVALHO et al., 2001). Os principais fatores que interferem nesta fase da vida são: valores socioculturais, imagem corporal, convivência social, situação financeira, os tipos de alimentos que são consumidos fora de casa, a preferência por alimentos semi-preparados, influencia da mídia, hábitos alimentares, disponibilidade de alimentos e facilidade de preparo (GARCIA; GAMBARDELLA; FRUTUOSO, 2003). Segundo Veiga (2000), através de um estudo feito em adolescentes, chegou ao resultado de que entre as preferências alimentares dos mesmos, estavam em primeiro lugar os doces, em segundo pão, sanduíches, biscoitos, café e sucos artificiais, salgadinhos fritos, batatas fritas e sorvetes. Os alimentos que são evitados são: hortaliças, leite, feijão e frutas. Portanto, os que são normalmente propostos nas orientações dietéticas. Observou-se com o trabalho deste autor o

7 quanto a mídia, realmente influencia nas escolhas alimentares entre os adolescentes, contribuindo assim para a obesidade. Segundo STURMER (2004) a obesidade pode ser definida como um distúrbio do estado nutricional demonstrado por um aumento de tecido adiposo, reflexo do excesso de gordura resultante do desequilíbrio entre o gasto energético e a energia consumida. Algumas fases da vida são críticas para o desenvolvimento e a manutenção da obesidade como a infância e a adolescência, quando ocorre aumento de índice de massa corporal e a multiplicação mais acelerada das células adiposas (OLIVEIRA, CINTRA, FISBERG 2004). Na adolescência é muito comum a constante preocupação com a forma física, buscando sempre um ideal de beleza, imposto pelo corpo magro. Dessa forma, se o adolescente se depara com a obesidade, consequentemente terá muita dificuldade em relação a aceitação de sua autoimagem e a valorização de seu próprio corpo (FERRIANE et al., 2005). Com tudo isso, o aumento de dietas e o consumo de produtos diet e light está sendo observado com maior freqüência entre os adolescentes, que muitas vezes por falta de conhecimento utilizam esses produtos de forma errada. Dessa forma, o presente trabalho teve por objetivo verificar o conhecimento e consumo de alimentos Diet e Light por adolescentes de um Colégio Estadual no município de Corbélia - PR relacionando com o estado nutricional dos mesmos. METODOLOGIA A pesquisa seguiu o modelo transversal descritivo. O universo do estudo foi constituído pelos adolescentes de 11 a 17 anos, matriculados no Colégio Estadual Amâncio Moro em Corbélia PR. Do total de 1197 adolescentes matriculados nesse Colégio, foram selecionados 92 adolescentes utilizando fórmula para o cálculo da amostra. Efetivamente foram coletados dados de 87 adolescentes, de ambos os sexos, a exclusão de 05 estudantes ocorreu em virtude dos mesmos estarem ausentes no dia da realização da coleta dos dados. Foi aplicado um questionário com sete perguntas objetivas (anexo II), para avaliar o conhecimento dos adolescentes, consumo e freqüência de ingestão dos produtos diet e light,

8 opinião sobre a variedade dos mesmos nos mercados e quais destes produtos são os mais consumidos por essa faixa etária. O estado nutricional foi realizado mediante as medidas antropométricas e classificado pelo indicador Índice de massa corporal (IMC), expresso em Kg/m², que foi classificado segundo a curva de distribuição em percentis por sexo e idade para cada escolar, os percentis são: < percentil 5 baixo peso; percentil 5 percentil 85 eutrófico; > percentil 85 sobrepeso, classificação proposta pela Organização Mundial de Saúde. (WHO, 1995) A coleta dos dados foi realizada no mês de agosto de 2006, mediante o consentimento dos pais dos adolescentes (anexo I). O protocolo deste estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Assis Gurgacz (Parecer 139/2006). Os dados foram tabulados e representados em forma de gráficos e tabela. RESULTADOS E DISCUSSÕES O trabalho foi realizado com 87 adolescentes, de um Colégio Estadual no Município de Corbélia PR, de 11 a 17 anos, sendo 50 do gênero feminino e 37 do gênero masculino. GRÁFICO 1 : Distribuição percentual do estado nutricional dos adolescentes, segundo gênero ,9 78,3 geral feminino masculino 2,3 2,0 2,7 18,9 13,7 10 baixo peso eutrofia sobrepeso

9 Através do estado nutricional dos adolescentes, observou-se no gráfico 1, que 5 meninas (10%) e 7 meninos (18,9%) estavam com excesso de peso, em relação ao baixo peso 1 menina (2%) e 1 menino (2,7%). Estes resultados demonstram a mudança na redução do número de desnutridos e o aumento do número de sobrepeso entre os adolescentes, isto provavelmente vem ocorrendo em virtude das mudanças no consumo alimentar em conjunto com as alterações no estilo de vida (ANDRADE & PEREIRA, 2003) GRÁFICO 2 : Opinião sobre a variedade de produtos diet e light nos mercados , ,5 33,3 28 geral feminino masculino 2,2 0 5,4 concordam discordam não possuem opinião sobre o assunto Em relação à opinião sobre a variedade de produtos diet e light nos mercados, 36 meninas (72%) concordaram e 14 (28%) não tiveram opinião. Entre os meninos 20 (54%) dos entrevistados concordaram, apenas 2 (5,4%) discordaram e 15 (40,25%) não tiveram opinião sobre o assunto. (Gráfico 2).

10 Pode-se observar neste estudo que as adolescentes do gênero feminino, observam melhor estes tipos de produtos nos supermercados, sendo que nenhuma das entrevistadas discordou, de que existe, uma grande variedade desses produtos nas prateleiras dos mesmos. Um estudo feito sobre a leitura de rótulos nos supermercados observou que geralmente é realizada em alimentos específicos como os produtos diet e light que revela a atenção dos consumidores sobre alimentos fontes de calorias, gordura e sódio. E isto ocorre na maioria das vezes pelo sexo feminino, pois está claramente relacionada com a preocupação com a aparência e a insatisfação com o corpo, que na maioria das vezes são influenciadas pelas revistas femininas (MONTEIRO; COUTINHO; RECINE, 2005). GRÁFICO 3: Produtos diet/light mais consumidos entre os adolescentes entrevistados 45,9 52,8 margarina refrigerante iogurte maionese chocolate 19,5 17,2 20,6 1

11 O gráfico 3 mostra que os produtos diet e light mais consumidos entre os adolescentes entrevistados foi a margarina 46 adolescentes (52,8%) e o refrigerante 40 adolescentes (45,9%). A alimentação nessa faixa etária é caracterizada pelo alto consumo de alimentos com inadequado valor nutricional, por exemplo, alimentos com alto teor de gordura saturada e colesterol e também os que possuem grande quantidade de sal e açúcar (GARCIA; GAMBARDELLA; FRUTUOSO, 2003). O consumo de refrigerante cresceu muito nos últimos anos, dados de uma pesquisa realizada nos Estados Unidos entre os anos de 1977 e 1994, mostra que houve um aumento superior a 50% do consumo de refrigerantes, este elevado consumo pode ser um fator determinante para o desenvolvimento da obesidade, devido à quantidade de calorias que se ingere (OLIVEIRA, CINTRA, FISBERG 2004) Para diminuir o aporte calórico desta bebida os adolescentes recorrem ao consumo de refrigerantes diet ou light como estratégia para manutenção ou redução do peso sem deixar de consumi-los. GRÁFICO 4 : Adolescentes que conceituaram corretamente os alimentos diet/light. geral 28,7 51,3 36, ,6 feminino masculino 12 diet light

12 De acordo com o gráfico 4, sobre o conhecimento a respeito do significado de produtos diet, apenas 6 meninas (12%) e 19 meninos (51,3%) responderam corretamente. Em relação aos produtos light 14 meninas (28%) e 18 meninos (48,9%) conceituaram corretamente. A rotulagem nutricional, como qualquer outra fonte de informação, depende de um processo educativo, devendo ser estudada para servir como instrumento para a educação em saúde. Por isso é importante que o saber seja realidade do indivíduo, melhorando assim as condições de vida e saúde do mesmo (MONTEIRO; COUTINHO; RECINE, 2005). Tabela 1 Consumo de alimentos diet e light em relação ao estado nutricional, de adolescentes matriculados em um Colégio Estadual de Corbélia - PR Feminino Masculino Baixo peso Eutrofia Sobrepeso Baixo peso Eutrofia Sobrepeso n (%) n (%) n (%) n (%) n (%) n (%) Consome diet/light 1 (100) 24 (54,5) 1 (20) (31) 3 (42,8) Consome somente (22,7) 1 (20) (17,2) 1 (14,2) light Consome somente diet (2,2) (10,3) - - Não consome (20,4) 3 (60) 1 (100) 12 (41,3) 3 (42,8) diet/light TOTAL 1 (100) 44 (99,8) 5 (100) 1 (100) 29 (99,8) 7 (99,8) Ao relacionar o consumo de diet e light e o estado nutricional destes adolescentes, verificou-se que os que estão abaixo do peso e eutróficos são os que mais ingerem esses produtos e os que estão acima do peso são os que menos consomem. Observou-se também que a ingestão de light entre esses adolescentes é maior do que de diet. (tabela 1). Ao contrário de outro estudo aplicado a essa mesma faixa etária que demonstrou que os adolescentes de maior peso corporal são os que mais consomem os produtos diet e light e aqueles de baixo peso, são os que menos fazem uso desses produtos (BRANCO et al., 2005). Verificando através do gênero, observou-se que os meninos que apresentam excesso de peso consomem mais produtos diet e light do que as meninas com o mesmo estado nutricional

13 (tabela 1). No estudo de Branco et al (2005) também foi ao contrário, sendo que as meninas com sobrepeso consomem mais diet e light do que os meninos com o mesmo estado nutricional. CONSIDERAÇÕES FINAIS Pode-se observar através desse trabalho que os adolescentes estão utilizando os produtos diet e light de forma incorreta, principalmente as meninas. Apesar de o consumo de produtos diet e light ser maior entre as adolescentes, seja pela busca incansável da boa forma ou induzidas pela mídia, quem soube conceituar melhor a diferença entre eles, foram os meninos e com isso estão utilizando os mesmos de forma correta sem prejudicar a saúde e seu bem estar. Isso confirma que os adolescentes e a população em geral, são pobres em informações, precisando ser esclarecidos para que não haja tanto consumo incorreto desses produtos, que pode sim prejudicar muito a saúde, principalmente daqueles que já possuem alguma patologia ligada diretamente a alimentação, como por exemplo, a hipertensão e o diabetes. Deve-se também aumentar o incentivo à leitura de rótulos na hora da compra, principalmente dos produtos para fins especiais como os diet e light, isso ajudaria muito para o consumo adequado dos mesmos. Projetos educativos poderiam ser aplicados já nas escolas, onde há maior índice dessa faixa etária, sobre o conceito certo desses produtos como também sua finalidade, com isso resultando em um consumo adequado sem prejudicar a saúde pela falta de informação. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALIONSO, D. C; HOROCHOSKI, M. Alimentos Diet e Light: Hábitos de Consumo. Cascavel, p. Monografia (conclusão de curso) Faculdade de Ciências Biológicas. Universidade Paranaense. Cascavel. ALMEIDA, S. S.; NASCIMENTO, P. C.; QUAIOTI, C. B. Quantidade e Qualidade de Produtos Alimentícios Anunciados na Televisão Brasileira. Revista de Saúde Pública, São Paulo, n.3, jun

14 ANDRADE, Roseli; PEREIRA, Rosangela. Consumo alimentar de adolescentes com e sem sobrepeso do Município do Rio de Janeiro. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, vol 19, nº 5, Set/Out BRANCO, L. M. et al. Conhecimento e consumo de alimentos Diet e Light por adolescentes. Revista Nutrição em Pauta, São Paulo, n.73, p , jul/ago CARVALHO, C. M. R. G. et al. Consumo alimentar de adolescentes matriculados em um colégio particular de Teresina, Piauí, Brasil. Revista de Nutrição, Campinas, n.14, p , maio/ago FERRIANE, M. G. C. et al. Auto-imagem corporal de adolescentes atendidos em um programa multidisciplinar de assistência ao adolescente obeso. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v.5, n.1, jan./mar FREITAS, S. M. L. Alimentos com Alegação Diet ou light: Definições, Legislação e Implicações no Consumo. São Paulo: Atheneu, GARCIA, G. C. B.; GAMBARDELLA, A. M. D.; FRUTUOSO, M. F. P. Estado nutricional e consumo alimentar de adolescentes de um centro de juventude da cidade de São Paulo. Revista de Nutrição, Campinas, n 16, p , jan/mar GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 3º ed. São Paulo: Atlas, MONTEIRO, R. A.; COUTINHO, J. G.; RECINE, E. Consulta aos rótulos de alimentos e bebidas por freqüentadores de supermercados em Brasília, Brasil. Revista Panamericana de Salud Pública. Washington, n.3, set OCHSENHOFER, K.; FIORE, E. G.; COSTA, E. C. Avaliação do Estado Nutricional de Crianças e Adolescentes Institucionalizados. Revista Nutrição em Pauta, São Paulo, p , mar/abr OLIVEIRA, C. L.; CINTRA, I. P.; FISBERG, M. Obesidade na infância e adolescência. Revista Nutrição Saúde e Performance, São Paulo, n.25, Portaria 29/98 da Secretaria de Vigilância Sanitária/Ministério da Saúde (DOU ) Aprova o regulamento técnico referente a alimentos para fins especiais. Portaria 27/98 da Secretaria de Vigilância Sanitária/Ministério da Saúde (DOU ) Aprova o regulamento técnico referente a informação nutricional complementar. SALLES, C. A. et al. Sintomas de Transtornos Alimentares e Sua Relação Com o Consumo Alimentar em Modelos Adolescentes. Revista Nutrição em Pauta, São Paulo, n.75, p , nov/dez

15 STURMER. J.S. Obesidade, Tratamento e Educação Nutricional, Revista Nutrição, Saúde e Performance. Anuário Nutrição e pediatria, São Paulo, VEIGA, G. V. Obesidade na adolescência: Importância em Saúde Pública. Instituto Danone, São Paulo, p , VITOLO, M. R. Nutrição da Gestação a Adolescência. Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso Editores, WORLD HEALTH ORGANIZATION-WHO. Phisical Status: the use and interpretation of anthropometry. WHO Technical Report Series, n.854. Geneva: WHO, 1995.

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES Larissa Paula da Silva de Souza 1, Sara Leal de Lima 2, Angela Andréia França Gravena 3 RESUMO:

Leia mais

Light ou diet? O consumo de produtos diet e light cresceu em grande escala no mercado mundial. É visível

Light ou diet? O consumo de produtos diet e light cresceu em grande escala no mercado mundial. É visível Light ou diet? O consumo de produtos diet e light cresceu em grande escala no mercado mundial. É visível nas prateleiras dos supermercados o quanto de espaço eles ganharam. É comum encontrarmos, hoje,

Leia mais

Consumo alimentar de adolescentes em cantina escolar de município do Oeste do Paraná.

Consumo alimentar de adolescentes em cantina escolar de município do Oeste do Paraná. 1 Consumo alimentar de adolescentes em cantina escolar de município do Oeste do Paraná. BUGAY, Larissa 1 BLEIL, Rozane Toso 2 RESUMO O presente artigo teve por objetivo conhecer o consumo alimentar dos

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 LEITE, Raíssa Moraes 1 ; FRANCO, Lana Pacheco 2 ; SOUZA, Isabela Mesquita 3 ; ALVES, Ana Gabriella Pereira

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS 1. Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação progressiva da composição nutricional

Leia mais

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini As maiores médias de consumo diário per capita ocorreram para Feijão (182,9 g/ dia), arroz (160,3 g/ dia), carne bovina

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

ROTULAGEM NUTRICIONAL: VOCÊ

ROTULAGEM NUTRICIONAL: VOCÊ ROTULAGEM NUTRICIONAL: VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO? F. F. Paiva, G. Cavada, E. Helbig, L. R. Borges Flávia Fernandes Paiva Gramado, 2012 Introdução Vida mais corrida Modificações alimentares + Maus hábitos

Leia mais

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS Carla Andréa Metzner 1 Ana Paula Falcão 2 RESUMO No presente trabalho coletou-se dados referente ao Indicador

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO MARKETING E DAS INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS DOS PRODUTOS DIET E LIGHT PARA CONSUMIDORES DIABÉTICOS

A INFLUÊNCIA DO MARKETING E DAS INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS DOS PRODUTOS DIET E LIGHT PARA CONSUMIDORES DIABÉTICOS ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A INFLUÊNCIA DO MARKETING E DAS INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS DOS PRODUTOS DIET E LIGHT PARA CONSUMIDORES

Leia mais

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ Vanusa Pereira da Silva 1, Robsmeire

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS CARNEIRO, Alessandra Rosa de Araújo ARAÚJO, Ana Cristina Tomaz (UNITRI) anacrisnutricao@yahoo.com.br RESUMO: Introdução:

Leia mais

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos Valor Energético É a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem

Leia mais

TÍTULO: ROTULAGEM NUTRICIONAL: AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE EM ALIMENTOS DIET E LIGHT

TÍTULO: ROTULAGEM NUTRICIONAL: AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE EM ALIMENTOS DIET E LIGHT TÍTULO: ROTULAGEM NUTRICIONAL: AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE EM ALIMENTOS DIET E LIGHT CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

Leia mais

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Audiência Pública P 18 de novembro de 2009 Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Maria José Delgado Fagundes Gerente Geral - /ANVISA Perfil Epidemiológico Brasileiro Atual:

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil Maria Rita Marques de Oliveira 1- MEIO AMBIENTE E PRODUÇÃO DE ALIMENTOS 2- ACESSO AOS ALIMENTOS 3- ALIMENTO SEGURO 4- PREVENÇÃO E CONTROLE

Leia mais

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com.

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com. - SECRETARIA DE SAÚDE - SÃO TIAGO MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE FÍSICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE 04 A 19 ANOS 1 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE

Leia mais

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Setor de Vigilância Sanitária Distrito Sanitário Oeste Núcleo de Vigilância Sanitária A ROTULAGEM DE ALIMENTOS

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ,

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso II OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Autora: Damielle J. Costa Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Brasília - DF 2011 OBESIDADE

Leia mais

EXCESSO DE PESO E SUA ASSOCIAÇÃO COM A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ENTRE CRIANÇAS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE MINAS GERAIS 1

EXCESSO DE PESO E SUA ASSOCIAÇÃO COM A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ENTRE CRIANÇAS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE MINAS GERAIS 1 393 EXCESSO DE PESO E SUA ASSOCIAÇÃO COM A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ENTRE CRIANÇAS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE MINAS GERAIS 1 Marceli Almeida Mendonça 1, Mônica de Paula Jorge 1, Simone Angélica Meneses Torres

Leia mais

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Projeto Novos Talentos Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Oficina: Comer bem, para viver melhor! Cristiane da Cunha Alves Tatiane Garcez Bianca Maria de Lima Danielle Costa INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES E PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO DE ACADÊMICOS QUE RESIDEM SOZINHOS DE UMA FACULDADE PRIVADA

HÁBITOS ALIMENTARES E PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO DE ACADÊMICOS QUE RESIDEM SOZINHOS DE UMA FACULDADE PRIVADA 1 HÁBITOS ALIMENTARES E PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO DE ACADÊMICOS QUE RESIDEM SOZINHOS DE UMA FACULDADE PRIVADA PAGNUSSAT, Michely Von Rondon 1 PEREIRA, Edson Luiz 2 A alimentação saudável baseia-se em uma

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008 Oficina de Promoção da Alimentação Saudável para Agentes Comunitários de Saúde III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Brasília,

Leia mais

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final Laís Cruz Nutricionista CRN 3 18128 2013 Período de transição entre infância e vida adulta (dos 10 aos 19 anos de idade) Muitas transformações físicas, psicológicas e sociais Acelerado crescimento e desenvolvimento:

Leia mais

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ALVES,K.L.; MARIN,T. Resumo: Alimentação saudável é

Leia mais

E E R D A B DISEB SO O RA S FALOM VA

E E R D A B DISEB SO O RA S FALOM VA VAMOS FALAR SOBRE OBESIDADE OBESIDADE A obesidade é uma doença crônica caracterizada pelo excesso de gordura corporal no organismo ou quando o peso do corpo ultrapassa em 20% o peso ideal. É atualmente

Leia mais

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Quantitativa Consumo de Frutas e Hortaliças Elaborado por CONNECTION RESEARCH Maio 2011 2 Objetivos da pesquisa. Estudar os hábitos alimentares da população

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE ATLETAS NO PRÉ TREINO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE ATLETAS NO PRÉ TREINO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE ATLETAS NO PRÉ TREINO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO RESUMO Mari Uyeda Larissa Fabiane da Silva Toledo Este trabalho apresenta como objetivo demonstrar o comportamento

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

Anvisa - Alimentos - Informes Técnicos

Anvisa - Alimentos - Informes Técnicos Página 1 de 7 English Español Institucional Anvisa Publica Serviços Áreas de Atuação Legislação Buscar Informes Técnicos Informe Técnico nº. 36, de 27 de junho de 2008 Orientações sobre a declaração da

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL ARTIGO PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL Flávio Petrônio Cabral de Castro Docente da Escola Estadual Antonia Rangel

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS. B) TEMPO ÚTIL (Carga Horária) = 3.840 H/AULA CURRÍCULO PLENO 1.

MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS. B) TEMPO ÚTIL (Carga Horária) = 3.840 H/AULA CURRÍCULO PLENO 1. MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: NUTRIÇÃO BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁIMO = 7 (SETE)

Leia mais

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Elizabeth Vargas Nutricionista Unilever America Latina Seminário Tecnológico de Nutrição, Saudabilidade e Meio Ambiente Junho 2014

Leia mais

Este trabalho possui como objetivo a aplicação prática dos

Este trabalho possui como objetivo a aplicação prática dos 22 Proposta de Intervenção em Empresa de Desenvolvimento de Tecnologias de Informática com Programa de Reeducação Alimentar Márcia Martino Especialista em Gestão da Qualidade de Vida na Empresa - UNICAMP

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS:

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS: JUSTIFICATIVA Para termos um corpo e uma mente saudável, devemos ter uma alimentação rica em frutas, verduras, legumes, carnes, cereais, vitaminas e proteínas. Sendo a escola um espaço para a promoção

Leia mais

Obesidade Infantil. O que é a obesidade

Obesidade Infantil. O que é a obesidade Obesidade Infantil O que é a obesidade A obesidade é definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma doença em que o excesso de gordura corporal acumulada pode atingir graus capazes de afectar

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

FACULDADE ASSIS GURGACZ PRISCILA RAMOS VARGAS

FACULDADE ASSIS GURGACZ PRISCILA RAMOS VARGAS 1 FACULDADE ASSIS GURGACZ PRISCILA RAMOS VARGAS CONSUMO ALIMENTAR E ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS ATENDIDAS EM CRECHE FILANTRÓPICA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ CASCAVEL 2007 2 PRISCILA RAMOS VARGAS CONSUMO

Leia mais

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista A Enfermagem e o Serviço de Nutrição e Dietética tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista 1 A enfermagem e o Serviço

Leia mais

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A alimentação adequada e nutricionalmente equilibrada é um dos fatores importantes e essenciais para a otimização do desempenho, sendo

Leia mais

Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado

Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado IP/03/1022 Bruxelas, 16 de Julho de 2003 Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado A Comissão Europeia adoptou hoje

Leia mais

Educação Alimentar e Nutricional no Espaço Escolar como Promotora de Vida Saudável

Educação Alimentar e Nutricional no Espaço Escolar como Promotora de Vida Saudável Educação Alimentar e Nutricional no Espaço Escolar como Promotora de Vida Saudável Comissão de Educação e Cultura da Câmara de Deputados 16 de outubro de 2007, Brasília-DF UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO Mari Uyeda* Pedro Henrique Martins de Lima** RESUMO: As mudanças nas práticas alimentares e no padrão de atividades físicas culminaram em

Leia mais

Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS

Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS Em 2006 foi lançada pela Organização

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONCEITOS NUTRICIONAIS EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AVALIAÇÃO DE CONCEITOS NUTRICIONAIS EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL AVALIAÇÃO DE CONCEITOS NUTRICIONAIS EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL GEORG, Raphaela de Castro; MAIA, Polyana Vieira. Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Goiás rcgeorg@gmail.com Palavras

Leia mais

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar.

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. Nota Técnica nº 01/2014 COSAN/CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. A Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional COSAN do Programa Nacional

Leia mais

Profª Marília Varela

Profª Marília Varela Profª Marília Varela Por que um Técnico em Enfermagem estudar Nutrição e Dietética? Para quê??? Reconhecer o estado nutricional adequado Diferenciar grupos alimentares Compreender como os nutrientes são

Leia mais

BEM NUTRIDO: UM NOVO CONCEITO DE ALIMENTAÇÃO PARA O CENÁRIO BRASILEIRO ATUAL

BEM NUTRIDO: UM NOVO CONCEITO DE ALIMENTAÇÃO PARA O CENÁRIO BRASILEIRO ATUAL BEM NUTRIDO: UM NOVO CONCEITO DE ALIMENTAÇÃO PARA O CENÁRIO BRASILEIRO ATUAL Autora: Luísa Arantes Vilela Coautora: Juliana de Oliveira Abrahão O excesso de peso e a obesidade aumentam continuamente ao

Leia mais

American Dietetic Association

American Dietetic Association É um método sistemático para resolução de problemas que os profissionais de nutrição empregam para pensar de modo crítico e tomar decisões para resolver problemas nutricionais e prestar assistência nutricional

Leia mais

Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e

Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e Análise dos resultados Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e grupos de alimentos, consumo de nutrientes e ainda algumas análises que combinam nutrientes e grupos de alimentos ou

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar. Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP

Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar. Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP Agenda 1. Métodos de inquéritos 2. Inquérito de Saúde de São Paulo

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI.

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Professor Assistente da Universidade Federal do Piauí Gilvo de Farias Júnior Nutricionistas: Francilany

Leia mais

PERFIL DA IMAGEM CORPORAL DO ADOLESCENTE EXPRESSO POR MEIO DE UMA REVISTA DE GRANDE CIRCULAÇÃO NACIONAL

PERFIL DA IMAGEM CORPORAL DO ADOLESCENTE EXPRESSO POR MEIO DE UMA REVISTA DE GRANDE CIRCULAÇÃO NACIONAL PERFIL DA IMAGEM CORPORAL DO ADOLESCENTE EXPRESSO POR MEIO DE UMA REVISTA DE GRANDE CIRCULAÇÃO NACIONAL INTRODUÇÃO CAROLINA MONTES DURÕES DE SOUZA 2 MARIA FERNADA LARCHER DE ALMEIDA 2 JANE DE CARLOS SANTANA

Leia mais

ANÁLISE DAS LANCHEIRAS DE PRÉ-ESCOLARES¹ BOEIRA,

ANÁLISE DAS LANCHEIRAS DE PRÉ-ESCOLARES¹ BOEIRA, ANÁLISE DAS LANCHEIRAS DE PRÉ-ESCOLARES¹ BOEIRA, Giana²; GÖRSKI, Bruna²; PAZ, Fabiane²; ORSOLIN, Giulianna²; ROSA, Izabel²; TONETTO, Priscila²; SACCOL, Ana Lúcia de Freitas² ¹ Trabalho desenvolvido durante

Leia mais

CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ.

CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ. ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ. Amanda

Leia mais

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE 01 CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE A obesidade é uma doença crónica que se caracteriza pelo excesso de gordura corporal e que atinge homens, mulheres e crianças de todas as etnias e idades. A sua prevalência

Leia mais

OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos

OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos I Mostra Estadual de Atenção Primária em Saúde Curitiba - PR OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos Gisele Ane Bortolini Helen Duar Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR Sabrina Dalmazo Vieira 1 ; Rose Mari Bennemann 2 RESUMO:

Leia mais

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes.

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes. RELATO DE EXPERIÊNCIA: AVALIAÇÃO DO PERFIL DE DESENVOLVIMENTO PONDERO-ESTATURAL E ORIENTAÇÃO SOBRE OBESIDADE INFANTIL REALIZADA PELOS MEMBROS DA LIGA ACADÊMICA DE PEDIATRIA DA UFG NO III ENCONTRO DO DIA

Leia mais

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO EM OBESIDADE INFANTIL. Centro de Saúde da Marinha Grande Ana Laura Baridó

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO EM OBESIDADE INFANTIL. Centro de Saúde da Marinha Grande Ana Laura Baridó PROGRAMA DE INTERVENÇÃO EM OBESIDADE INFANTIL Centro de Saúde da Marinha Grande Ana Laura Baridó 1 A obesidade é considerada a epidemia do séc. XXI (OMS) Em Portugal tem vindo a aumentar vertiginosamente

Leia mais

ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Área Temática: Saúde ¹Jussara Gazzola (Coordenador da Ação

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

Dicas para uma alimentação saudável

Dicas para uma alimentação saudável Dicas para uma alimentação saudável NECESSIDADE FISIOLÓGICA ATO DE COMER SOCIABILIZAÇÃO Comida Japonesa PRAZER CULTURAL Alimentação aliada à saúde Hábitos alimentares pouco saudáveis desde a infância,

Leia mais

Dicas para emagrecer sem elas...

Dicas para emagrecer sem elas... DIETAS E MAIS DIETAS Ates de seguir qualquer dieta imposta pelas novas regras do culto ao corpo e à beleza, procure ajuda profissional e evite que o simples desejo de perder peso possa se transformar em

Leia mais

Ações Educativas Em Nutrição: Testando a Efetividade de um Modelo para Reduzir a Obesidade Infantil

Ações Educativas Em Nutrição: Testando a Efetividade de um Modelo para Reduzir a Obesidade Infantil 844 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Ações Educativas Em Nutrição: Testando a Efetividade de um Modelo para Reduzir a Obesidade Infantil Kalinca Oliveira 1, Giovana Skonieski 2, Bernardete Weber 2,

Leia mais

Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas. Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica

Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas. Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica Infância A infância representa um período que compreende modificações importantes: Crescimento do

Leia mais

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da

Leia mais

Atividades de Fixação. Nutrição Infantil Fabiana Borrego

Atividades de Fixação. Nutrição Infantil Fabiana Borrego Atividades de Fixação Nutrição Infantil Fabiana Borrego Gestante Gestante de 18 anos com 22 semanas gestacionais, acompanhada no centro de saúde, foi encaminhada a nutrição por apresentar baixo peso. Fumante:

Leia mais

CONHECENDO AS INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS DOS RÓTULOS DE ALIMENTOS ATRAVÉS DE UMA FITA DE VÍDEO

CONHECENDO AS INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS DOS RÓTULOS DE ALIMENTOS ATRAVÉS DE UMA FITA DE VÍDEO 4 CONHECENDO AS INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS DOS RÓTULOS DE ALIMENTOS ATRAVÉS DE UMA FITA DE VÍDEO CATTELAN, Larissa Milene 1 CARVALHO, Helaine Solano Lima de 2 RESUMO Este estudo consiste na avaliação do

Leia mais

Atividade física no ambiente escolar

Atividade física no ambiente escolar Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção BásicaB Coordenação ão-geral da Política de Alimentação e Nutrição Atividade física x alimentação saudável no ambiente escolar

Leia mais

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS À SAÚDE Beatriz da Silveira Pinheiro Beatriz da Silveira Pinheiro Embrapa Estudos e Capacitação Arroz e Feijão Associados, constituem a base da dieta

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ Rita de Cássia Felix

Leia mais

1,ROT000LO :11_ SP :8/NOW201: 18:52 10006715

1,ROT000LO :11_ SP :8/NOW201: 18:52 10006715 1,ROT000LO :11_ SP :8/NOW201: 18:52 10006715 / PROJETO DE LEI N 3/-3 /2013 ITUI A SEMANA DE PREVENÇÃO E CO ROLE DA DIABETE E COLESTEROL NO M ICÍPIO DE LIMEIRA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". Art. 1 - Fica instituída

Leia mais

Avanços na Regulação da Publicidade Infantil

Avanços na Regulação da Publicidade Infantil Avanços na Regulação da Publicidade Infantil IV Fórum de Monitoramento do Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas não Transmissíveis no Brasil AGO/2014 O arsenal de publicidade

Leia mais

Pesquisa Nacional Fiesp/IBOPE sobre o Perfil do Consumo de Alimentos no Brasil

Pesquisa Nacional Fiesp/IBOPE sobre o Perfil do Consumo de Alimentos no Brasil Pesquisa Nacional Fiesp/IBOPE sobre o Perfil do Consumo de Alimentos no Brasil Introdução e objetivo Para avaliar o grau de aderência do consumidor brasileiro às tendências internacionais, a Fiesp encomendou

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA EQUIPE DA UNIDADE DE SAÚDE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA EQUIPE DA UNIDADE DE SAÚDE QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA EQUIPE DA UNIDADE DE SAÚDE IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO (ID) [ ] ( ) Questionário [ ] ( ) Entrevistador (bolsista) [ ]

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

ACEITABILIDADE E QUALIDADE DA MERENDA ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO

ACEITABILIDADE E QUALIDADE DA MERENDA ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO ACEITABILIDADE E QUALIDADE DA MERENDA ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO Patrícia Santiago Vieira UFG/GO Ivna Custódio de Moraes UFG/GO Jeannie Carolina Pizarro UFG/GO Marcela Araújo Parreira UFG/GO RESUMO Neste

Leia mais

RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL INFLUÊNCIA NO PESO AO NASCER

RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL INFLUÊNCIA NO PESO AO NASCER ISBN 978-85-61091-05-7 EPCC VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais

1. O que é gordura trans?

1. O que é gordura trans? GORDURA TRANS 1. O que é gordura trans? É um tipo de gordura produzida industrialmente a partir de um processo químico, a hidrogenação. Usada desde o início do século passado, ela passou a ser consumida

Leia mais

PACTO FEDERATIVO PELA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

PACTO FEDERATIVO PELA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PACTO FEDERATIVO PELA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Ações do Ministério da Saúde Eduardo Augusto Fernandes Nilson Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN/ DAB / SAS Ministério da Saúde 10º

Leia mais

PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB.

PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB. 1 PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB. ¹Thatiany de Sousa Pereira; ¹ Sebastião Ângelo da Silva; ¹Adeilma Fernandes de Sousa

Leia mais

Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal. Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal

Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal. Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal Discente: Genaina Bibiano Vieira Disciplina: Desenvolvimento Humano Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal

Leia mais

ROTULAGEM DE ALIMENTOS

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ROTULAGEM DE ALIMENTOS Profª Ana Paula F. Bernardes Silva A QUEM COMPETE MINISTÉRIO DA SAÚDE: Produtos de origem animal; Vegetais e cereais (grãos) in natura; Bebidas e vinagre; Mel. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA:

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DAS CRIANÇAS ATENDIDAS NAS CRECHES BENEFICIADAS PELO PROGRAMA DE COMPLEMENTAÇÃO ALIMENTAR PRATO AMIGO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR-BA

PERFIL NUTRICIONAL DAS CRIANÇAS ATENDIDAS NAS CRECHES BENEFICIADAS PELO PROGRAMA DE COMPLEMENTAÇÃO ALIMENTAR PRATO AMIGO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR-BA PERFIL NUTRICIONAL DAS CRIANÇAS ATENDIDAS NAS CRECHES BENEFICIADAS PELO PROGRAMA DE COMPLEMENTAÇÃO ALIMENTAR PRATO AMIGO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR-BA Por Lucas Valois, nutricionista do Centro Terapêutico

Leia mais