UMA INTERFACE DE PRÉ-PROCESSAMENTO PARA O EPANET UTILIZANDO O AUTOCAD: O PROGRAMA UFC2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA INTERFACE DE PRÉ-PROCESSAMENTO PARA O EPANET UTILIZANDO O AUTOCAD: O PROGRAMA UFC2"

Transcrição

1 UMA INTERFACE DE PRÉ-PROCESSAMENTO PARA O EPANET UTILIZANDO O AUTOCAD: O PROGRAMA UFC2 Magno Gonçalves da Costa 1 ; Marco Aurélio Holanda de Castro 2 Resumo A utilização de ferramentas computacionais para simulação em engenharia tem se tornado cada vez mais importante e indispensável para projetistas, gestores e outros profissionais interessados em melhor compreender determinados processos ou fenômenos. Entretanto, o préprocessamento corresponde ao maior percentual do tempo gasto na realização da simulação computacional de uma rede hidráulica, o que é um entrave ao uso ampliado da técnica de simulação. Desse modo, foi desenvolvido um programa no ambiente do AutoCAD, em linguagens AutoLISP e VBA (incorporadas no AutoCAD), que permite, dentre outras coisas, realizar o traçado da rede no AutoCAD e exportá-la diretamente para o Epanet. Deste modo, minimiza-se os esforços e reduz-se satisfatoriamente o tempo de criação do modelo de simulação. Entre outras vantagens, além de redes de abastecimento de água, o programa também abrange redes de irrigação. Abstract The hydraulic simulation is one of the most powerful ways to perform analysis within pressurized pipe networks. However, it is quite common that the planner spends great part of the time study in the preprocessing phase. A program developed in the AutoCAD s workspace provides a dynamic and automatic solution for this problem. Customized operation tools created in AutoLISP and VBA code allow the users to model the network pipes and elements, using AutoCAD s advantages and graphic resources. It can gather all input data of a supply water network and create an input file containing all the hydraulic and geometric data. This file could be opened in the public domain software Epanet, and is just ready to run. Other advantage of this software is to provide a lot of tools that improve the AutoCAD workspace as well for editing simulation data. Palavras-chave: simulação hidráulica, redes pressurizadas, pré-processamento. 1 Mestrando em Engenharia Civil Universidade Federal do Ceará Campus do Pici Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Bloco 713 térreo Fortaleza - CE CEP Fone: (85) Fax: (85) Professor Adjunto Universidade Federal do Ceará Campus do Pici Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Bloco térreo Fortaleza - CE CEP Fone: (85) Fax: (85)

2 INTRODUÇÃO O processo de análise e projeto de sistemas hidráulicos sofreu mudanças radicais durante os últimos 20 anos. Apesar dos princípios fundamentais que regem a mecânica dos fluidos permanecerem os mesmos, com o desenvolvimento dos computadores, em termos de velocidade, armazenamento e facilidade de aquisição, tornou-se viável a realização de cálculos cada vez mais complexos e precisos (WALSKI, 2001). Isso propiciou um grande desenvolvimento de uma área do conhecimento chamada Análise de Sistemas. Pode-se dizer que a principal aplicação da Análise de Sistemas, para abastecimento de água, consiste na simulação hidráulica e de qualidade de água. No entanto, uma das tarefas que mais consomem tempo e esforço ao se tentar simular computacionalmente uma rede real de distribuição de água, encontra-se em compor um arquivo com os dados de entrada da rede. Esta dificuldade ocorre porque a quantidade de dados necessários à simulação é muito grande. No modelo de redes de setores de abastecimento urbano, por exemplo, é bastante comum encontramos centenas nós e trechos a serem inseridos, sendo necessário informar dois dados por nó e três dados para cada trecho. Além de consumir tempo, quanto maior for a rede, maior é a probabilidade de se cometer erros na formação do arquivo de entrada. Tal dificuldade é compartilhada por quase todas companhias de saneamento do Brasil. Dentro dessa visão, desenvolveu-se uma ferramenta computacional que cria uma forma dinâmica de exportar arquivos do software gráfico AutoCAD, para o software de simulação Epanet (ROSSMAN, 2000), utilizando-se das linguagens de programação AutoLISP e VBA. A grande vantagem do desenvolvimento desta ferramenta é possibilitar ao usuário utilizar a interface gráfica do AutoCAD, um dos programas mais conhecidos e difundidos no meio da engenharia, e os recursos matemáticos do Epanet, famoso simulador do comportamento hidráulico e da qualidade da água em redes pressurizadas. O PROGRAMA UFC2 O programa computacional UFC2 faz parte de um pacote de programas, atualmente intitulado de UFC, desenvolvidos pelo Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental da Universidade Federal do Ceará. Desse modo, além do Epanet o programa UFC2 gera a entrada de dados para mais dois programas: UFC4, que realiza otimização de diâmetro em projeto de redes por diversas metodologias; e o UFC5, para traçado do perfil e dimensionamento de bombas de adutoras. Depois de instalado o pacote UFC, a palheta do programa UFC2 estará disponível na barra de ferramentas do AutoCAD (Figura 1). Nesta palheta encontram-se: os elementos hidráulicos da rede de abastecimento (tubulações, booster, estação de bombeamento, poço profundo, manancial, tanques, registro, válvula, conexão e demanda); os componentes de redes de irrigação (aspersores e gotejadores); objetos de edição (editor de componentes da rede, editor de curvas de nível e estaqueamento de adutoras); e opções gerais (definição dos atributos padrão, conversão do desenho para o formato do UFC2, gerar arquivo de demanda e gerar arquivo para o Epanet). Figura 1. Palheta de ferramentas do programa do UFC2 no AutoCAD. Para facilitar o processo de identificação das entidades a serem exportadas para o Epanet, o desenho no AutoCAD deve obedecer algumas padronizações que serão estabelecidas pelo programa UFC2. No entanto, esta padronização foi feita de forma a não limitar a flexibilidade de se trabalhar no

3 ambiente CAD. A seguir será apresentado como foi realizada a passagem de dados para cada componente do modelo do Epanet e como foi feita a padronização dos elementos da rede. Posteriormente se descreverá as demais ferramentas do UFC2. Tubulações Os tubos, no AutoCAD, são representados por uma linha que armazena suas características em sua layer e em dados estendidos da entidade. As características a serem armazenadas são: comprimento, material e diâmetro. O gerenciamento do sistema através de layers é fundamental para o desenvolvimento de trabalhos utilizando-se processos de CAD. Este sistema é flexível e poderoso, devendo ser bem explorado de forma a permitir que as informações sejam administradas de modo eficiente. Ao se utilizar desta ferramenta, pode-se, por exemplo, tornar visível apenas os trechos de um determinado material ou diâmetro. Portanto, os tubos desenhados pelo UFC2 podem receber qualquer comando do AutoCAD (mover, copiar, estender, cortar, etc.) sem que se perca a compatibilidade com a padronização, desde que este comando não altere o tipo da linha desenhada. Caso seja necessário indicar que um tubo será mantido fechado não é preciso retirá-lo do desenho. Para isso, é necessário apenas inserir sobre o tubo o bloco de registro, o que fará com que o tubo inicie fechado na simulação. Junções ou Nós Para cada início, ou fim, de um tubo, é gerado um nó no modelo da rede. Este nó existe apenas no Epanet e suas características são acrescentadas automaticamente. As características dos nós no modelo são: coordenadas, valores de elevação (cota) e demanda. As cotas são obtidas a partir da interpolação das curvas de níveis inseridas no desenho. Utiliza-se um método de interpolação linear, o qual realiza a interpolação em quatro direções distintas. A cota interpolada será a média ponderada das cotas interpoladas, de acordo com a equação a seguir: C C (1/ d ) + C (1/ d ) + C (1/ d ) + C (1/ d ) i + em que: C i : Cota interpolada do nó i ; C 1 : Cota interpolada do nó i na direção norte-sul; C 2 : Cota interpolada do nó i na direção leste-oeste; C 3 : Cota interpolada do nó i na direção nordeste-sudoeste; C 4 : Cota interpolada do nó i na direção noroeste-sudeste; d 1 : Distância entre as curvas de nível na direção norte-sul; d 2 : Distância entre as curvas de nível na direção leste-oeste; d 3 : Distância entre as curvas de nível na direção nordeste-sudoeste; d 4 : Distância entre as curvas de nível na direção noroeste-sudeste; = (1) 1/ d1 + 1/ d 2 + 1/ d 3 1/ d 4 Esta metodologia foi adotada para garantir uma boa precisão e evitar ao máximo a ocorrência de erros, principalmente aqueles referentes a pontos localizados próximos às extremidades das curvas de nível.

4 Uma grande quantidade de tempo é economizada com esse procedimento, pois não é necessário entrar com os valores de elevação para cada nó ou junção da rede, mas somente fornecer as curvas de nível do terreno, que comumente já estão traçadas em CAD. As demandas podem ser calculadas, através da distribuição uniforme da população de projeto ou pelo número médio de ligações a cada 100m; ou inseridas manualmente, que pode ser: ponto a ponto usando-se o bloco de demanda especial, ou através de um arquivo de texto que contenha valores de coordenadas e demanda. Bombas Na modelagem hidráulica das bombas no Epanet, leva-se em conta apenas sua principal característica: a de fornecer energia a um fluido aumentando sua carga hidráulica. Seu principal parâmetro de entrada é a curva de bomba, que representa a relação entre a altura manométrica e a vazão que essa bomba pode ofertar em seu estado nominal de velocidade. Pode-se ainda fornecer uma curva de eficiência para uma bomba no Epanet. Esta curva determina a eficiência da bomba (em percentagem) em função da vazão. A eficiência representará não só as perdas de energia mecânica na bomba, mas também as perdas de energia elétrica no motor, sendo importante para a avaliação energética e econômica do sistema. Essas duas curvas são inseridas no programa UFC2 através de um único arquivo que contenha os pontos de altura manométrica e vazão e, em seguida, os de eficiência e vazão. A bomba está presente em quase todos os sistemas de captação de água e, nesses casos, encontramse sujeitas a condições características. Por isso, optou-se por se realizar automaticamente a modelagem de dois tipos comuns de sistema captação: poço profundo e estação de bombeamento. Poços Profundos Os poços podem ser modelados simplesmente como uma bomba que capta água de um reservatório de nível fixo, com cota abaixo do nível do terreno, e que cede água à rede. Como as vazões provenientes dessa captação estão concentradas geralmente numa única tubulação (tubo edutor), a parcela das perdas de carga localizadas passa a ser ter grande relevância. Logo, o modelo deverá conter, além dos elementos indicados anteriormente, um tubo representando o tubo edutor. Portanto, os poços profundos são representados no AutoCAD por blocos (Figura 2) contendo as seguintes informações: identificação do referido poço, nível d água, cota do terreno, profundidade de instalação, diâmetro do tubo edutor, coeficiente de perda de carga localizada, reservatório de destino, arquivo de bomba e arquivo de rebaixamento. Os três últimos atributos são opcionais. No caso de fornecimento do arquivo de rebaixamento será inserida uma válvula genérica (General Purpose Valve) anterior à bomba, que obedecerá a curva de perda de carga versus vazão indicada, onde essa perda de carga representa o rebaixamento do nível do poço, em metros.

5 Figura 2. Exemplo de bloco de Poço Profundo no AutoCAD e seu respectivo modelo no EPANET. Se for especificado o atributo de reservatório de destino, o programa UFC2 gera automaticamente uma regra de operação no Epanet para desligamento/acionamento da bomba de acordo com o nível deste reservatório (Figura 3). Estações de Bombeamento Figura 3. Exemplo de regra de operação para as bombas. As Estações de Bombeamento diferenciam-se dos poços, pela cota do manancial (geralmente próxima à do terreno), a tubulação de sucção (ao invés do tubo edutor) e por possuir mais que uma bomba funcionando em paralelo. Além disso, não apresentam rebaixamento. Portanto, estes elementos são representados no AutoCAD e no Epanet como mostra a Figura 4, a seguir:

6 Figura 4. Exemplo de bloco de Estação de Bombeamento no AutoCAD e seu respectivo modelo no Epanet. Reservatórios de Nível Fixo Na modelagem, os Reservatórios de Nível de Fixo, ou Tanques, se comportam como um nó que possui capacidade de armazenamento, onde este volume armazenado poderá variar durante o tempo de simulação. No AutoCAD os tanques são representados por dois blocos: um para tanque de seção circular e outro de seção retangular. Esses blocos possuem informações de identificação do tanque, diâmetro (ou diâmetro equivalente), nível de entrada, nível máximo e nível mínimo da água. No caso do tanque de seção retangular, o programa calcula o diâmetro equivalente a partir da área da seção transversal. No caso de reservatórios cujo nível de entrada é superior ao nível máximo, quando abastecido por adutoras, será realizada a simulação da entrada por cima (Figura 5). Para isso é necessário acrescentar uma válvula do tipo PSV (Pressure Sustaining Valve) que manterá a pressão constante e igual a zero no nó posterior a ela. Obviamente isto implica que será necessário acrescentar um trecho após a válvula, para compatibilidade no cálculo hidráulico, já que a pressão em reservatórios não pode ser alterada. Viu-se a necessidade de se acrescentar também mais um trecho, anterior à válvula para compatibilizar o perfil da adutora com a realidade. Figura 5. Exemplo de Tanque com entrada por cima, no Epanet.

7 Conexões entre redes Quando uma rede de abastecimento é muito extensa, ela pode ser dividida, tratando-se suas partes separadamente. Para tal, deve-se considerar os pontos desta divisão como conexões, que poderão ser de entrada ou de saída de uma rede para outra. Para simular este tipo de conexão utiliza-se um reservatório de nível fixo e uma bomba que terá sua curva composta pelos dados medidos de pressão e vazão máxima; pressão e vazão média; e, pressão e vazão mínima. Esta metodologia foi adotada satisfatoriamente no trabalho de COSTA et al. (2003). Emissores O programa UFC2 também pode ser empregado para realizar o pré-processamento de redes de irrigação utilizando-se os elementos de aspersores e gotejadores. Os aspersores são introduzidos um a um, pois são representados por blocos no AutoCAD. Já os gotejadores são considerados em linha (Figura 6), sendo necessário definir o espaçamento entre eles. A modelagem destes elementos no Epanet ocorre através do elemento nodal no qual acrescenta-se a característica chamada de coeficiente do emissor, que seria a constante de proporcionalidade entre a vazão e uma determinada potência da pressão. Figura 6. Rede de gotejadores em linha no AutoCAD e seu respectivo modelo no Epanet. Exportação para o Epanet Após o desenho de uma rede com o auxílio do UFC2, é possível a exportação dos dados inseridos no AutoCAD para o Epanet. Esta exportação é feita através da criação de um arquivo de entrada, no formato ASCII, de extensão.inp. Têm-se três opões para exportação: Simulação de Redes e Adutoras, Projeto de Rede e Projeto de Adutora. Na segunda opção, o arquivo de entrada é criado sem as adutoras e considerando-se os reservatórios de nível variável com nível fixo igual ao nível mínimo. No caso de projeto de adutoras, será exportado apenas a adutora selecionada e os reservatórios de nível variável serão considerados de nível fixo igual ao nível máximo.

8 Na passagem dos dados para o Epanet pode-se escolher também a fórmula de cálculo das perdas de cargas distribuídas: Darcy-Weisbach ou Hazen-Willians. De acordo com a opção selecionada o programa se encarrega de utilizar o coeficiente de rugosidade adequado. RESULTADOS E DISCUSSÕES A utilização combinada das linguagens de programação AutoLISP e Visual Basic, propiciou uma maior flexibilidade na criação de códigos e objetos, sendo possível superar as limitações inerentes a cada uma. Entretanto, vale ressaltar que o programa UFC2 é compatível apenas com versões do AutoCAD a partir da Versões inferiores a essa possuem problemas de compatibilidade com o código em VBA. Como foi dito anteriormente, o programa UFC2 é composto por um extenso conjunto de rotinas, alguns de caráter extremamente prático, e que dão uma grande abrangência ao programa. Toda a entrada de dados é feita de forma simples, através de caixas de diálogo amigáveis e autoexplicativas, como mostra a Figura 7. Todos estes esforços contribuem para o resultado final do programa UFC2: a composição de um arquivo de entrada para simulação hidráulica no Epanet, da forma mais simples e rápida possível. Como sugestões para aprimoramento do presente trabalho propõe-se: a) Ajuste no método de cálculo de interpolação de curvas de nível adotado, de modo a torná-lo mais eficiente; b) Realizar o desenho da rede no AutoCAD, a partir de um arquivo.inp ; c) Gerar quantitativos dos componentes da rede; d) Realizar exaustivos testes para testar a confiabilidade do modelo gerado. Figura 7. Caixa de diálogo para edição dos atributos de um Reservatório Circular de Nível Variável.

9 CONCLUSÃO A ferramenta computacional criada constitui-se em um instrumento a ser usado para desenho, cadastro e consulta técnica de redes de abastecimento de água. Além disso, mostra-se uma poderosa ferramenta de auxilio à simulação hidráulica de redes pressurizadas, diminuindo drasticamente o tempo e o esforço para composição deste modelo de simulação. São várias as aplicações do modelo gerado, podendo ser utilizado tanto no projeto quanto na operação de redes. Podendo-se, por exemplo, planejar futuras expansões ou detectar problemas de alta ou baixa pressão, vazamentos, demandas reprimidas, etc. Através da automatização da entrada de dados, ganha-se não somente em tempo de préprocessamento, mas também em termos de precisão da simulação hidráulica de redes reais, uma vez que se minimiza os erros cometidos no processo de uma entrada de dados manual e rotineira. Além das vantagens da automatização do processo de simulação, o programa possibilita adotar um padrão nos arquivos do traçado da rede, que possuem grande flexibilidade, inclusive para edições finais de plotagem. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COSTA, M. G.; ARAUJO, F. F. V.; CASTRO, M. A. H. ; GAIO, M. M Automatização da obtenção de dados de entrada de redes de abastecimento de água para simulação computacional hidráulica, um projeto UFC-COPASA in XV Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos. Novembro de Anais em CD-ROM. ROSSMAN, Lewis A EPANET Users Manual. Drinking Water Research Division, Office of Research Development, U. S. Environmental Protection Agency. WALSKI, T. M.; D. V. CHASE e D. A. SAVIC Water Distribution Modelling. Haestad Press, Waterbury CT.

Autores: Alessandro de Araújo Bezerra Marco Aurélio Holanda de Castro

Autores: Alessandro de Araújo Bezerra Marco Aurélio Holanda de Castro X SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO NORDESTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA HIDRÁULICA E AMBIENTAL ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE DRENAGEM URBANA: utilização do software UFC8 Autores: Alessandro

Leia mais

AUTOMATIZAÇÃO DE CÁLCULOS HIDRÁULICOS DE PROJETOS DE REDE DE ESGOTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS

AUTOMATIZAÇÃO DE CÁLCULOS HIDRÁULICOS DE PROJETOS DE REDE DE ESGOTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS AUTOMATIZAÇÃO DE CÁLCULOS HIDRÁULICOS DE PROJETOS DE REDE DE ESGOTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS Fernando Cesar Uzan Graduando em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, atualmente trabalha na Coordenadoria

Leia mais

INTERFACE GRÁFICA APLICADA PARA INSERIR CONEXÕES E GERAR QUANTITATIVOS EM REDES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

INTERFACE GRÁFICA APLICADA PARA INSERIR CONEXÕES E GERAR QUANTITATIVOS EM REDES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA X SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO NORDESTE INTERFACE GRÁFICA APLICADA PARA INSERIR CONEXÕES E GERAR QUANTITATIVOS EM REDES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Autores: Renata Shirley de Andrade Valdivino Marco Aurélio

Leia mais

Manual UFC9. Software para Traçado e Cálculo de Redes de Esgotos em AutoCAD. Orientador: Marco Aurélio Holanda de Castro

Manual UFC9. Software para Traçado e Cálculo de Redes de Esgotos em AutoCAD. Orientador: Marco Aurélio Holanda de Castro Manual UFC9 Software para Traçado e Cálculo de Redes de Esgotos em AutoCAD Orientador: Marco Aurélio Holanda de Castro Programadores: Alessandro de Araújo Bezerra Gustavo Paiva Weyne Rodrigues Índice Introdução

Leia mais

USO CONJUNTO DO AUTOCAD E DO EPANET PARA PROJETO, SIMULAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE REDES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA. Marco Aurélio Holanda de Castro 1

USO CONJUNTO DO AUTOCAD E DO EPANET PARA PROJETO, SIMULAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE REDES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA. Marco Aurélio Holanda de Castro 1 USO CONJUNTO DO AUTOCAD E DO EPANET PARA PROJETO, SIMULAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE REDES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Marco Aurélio Holanda de Castro 1 Resumo - Este trabalho apresenta um pacote computacional

Leia mais

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA:

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: 05/10/2015 1. Objetivo A expansão do sistema de abastecimento de

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA AUTOMÁTICO DE CONTROLE DE BOMBEAMENTO NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO SAAE DE GUARULHOS-SP

IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA AUTOMÁTICO DE CONTROLE DE BOMBEAMENTO NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO SAAE DE GUARULHOS-SP IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA AUTOMÁTICO DE CONTROLE DE BOMBEAMENTO NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO SAAE DE GUARULHOS-SP Geraldo Pereira de Abreu* Técnico em Eletroeletrônica pelo Colégio Torricelli

Leia mais

I-013 DIMENSIONAMENTO ÓTIMO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PELO MÉTODO DE SECCIONAMENTO FICTÍCIO

I-013 DIMENSIONAMENTO ÓTIMO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PELO MÉTODO DE SECCIONAMENTO FICTÍCIO I-013 DIMENSIONAMENTO ÓTIMO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PELO MÉTODO DE SECCIONAMENTO FICTÍCIO José Vieira de Figueiredo Júnior (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Leia mais

1) Abrir o AUTOCAD e traçar a rede, usando polylines. Copiar apenas essa layer para um desenho novo (Slide A11.9):

1) Abrir o AUTOCAD e traçar a rede, usando polylines. Copiar apenas essa layer para um desenho novo (Slide A11.9): 1) Abrir o AUTOCAD e traçar a rede, usando polylines. Copiar apenas essa layer para um desenho novo (Slide A11.9): Fazer um scale de 10 vezes. Atenção que o objectivo é simular uma rede com comprimentos

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS. Gramado, RS, de 5 a 8 de Outubro de 1998 SISTEMA DE INVENTÁRIO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS- SINV

SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS. Gramado, RS, de 5 a 8 de Outubro de 1998 SISTEMA DE INVENTÁRIO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS- SINV SISTEMA DE INVENTÁRIO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS- SINV Jorge M.Damazio 1, Fernanda da S. Costa 1, Fernando P. das Neves 1 Resumo - Este trabalho descreve as principais características do software SINV 3.1

Leia mais

Perda de Carga e Comprimento Equivalente

Perda de Carga e Comprimento Equivalente Perda de Carga e Comprimento Equivalente Objetivo Este resumo tem a finalidade de informar os conceitos básicos para mecânicos e técnicos refrigeristas sobre Perda de Carga e Comprimento Equivalente, para

Leia mais

O Software... 3. Ferramentas Fixas...7 Ajuda...7 Atualização automática...7 Info...7. Configurações... 8 Verificar conexões... 8

O Software... 3. Ferramentas Fixas...7 Ajuda...7 Atualização automática...7 Info...7. Configurações... 8 Verificar conexões... 8 Sumário O Software... 3 O IrrigaCAD...3 Versões do AutoCAD...3 Configurações Mínimas...3 Acionamento... 4 Elementos Gráficos... 4 Apresentando as Ferrametas...5 Barra de Títulos e Agrupamentos...5 Ferramentas

Leia mais

ELIPSE E3 REDUZ AS DESPESAS DA COGERH COM MANUTENÇÃO E CONSUMO DE ÁGUA

ELIPSE E3 REDUZ AS DESPESAS DA COGERH COM MANUTENÇÃO E CONSUMO DE ÁGUA ELIPSE E3 REDUZ AS DESPESAS DA COGERH COM MANUTENÇÃO E CONSUMO DE ÁGUA Controle disponibilizado pela solução da Elipse Software contribuiu para que a Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos - COGERH

Leia mais

Cadastro Técnico de Sistemas de Abastecimento de Água

Cadastro Técnico de Sistemas de Abastecimento de Água 1 NORMA GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/049/01/08 Data de aprovação 05 /11 / 2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4950/2008 Cadastro Técnico de Sistemas de Abastecimento de Água SUMÁRIO 1 OBJETIVO...

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

AULA PRÁTICA 9 CARNEIRO HIDRÁULICO

AULA PRÁTICA 9 CARNEIRO HIDRÁULICO 1!" AULA PRÁTICA 9 CARNEIRO HIDRÁULICO I - INTRODUÇÃO O carneiro hidráulico, também chamado bomba de aríete hidráulico, balão de ar, burrinho, etc., foi inventado em 1796 pelo cientista francês Jacques

Leia mais

ENSAIO DE BOMBAS EM SÉRIE E PARALELO

ENSAIO DE BOMBAS EM SÉRIE E PARALELO ENSAIO DE BOMBAS EM SÉRIE E PARALELO I. ASSOCIAÇÃO DE BOMBAS As bombas podem ser associadas em série e em paralelo dependendo das características do sistema. A associação em série é útil quando se tem

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE ESTUDO DO COMPORTAMENTO DA LINHA D ÁGUA EM UMA SEÇÃO DE TRANSIÇÃO DE UM CANAL COM MOVIMENTO GRADUALMENTE VARIADO, EM FUNÇÃO DA DECLIVIDADE DOS TALUDES. Rejane

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP (1975). Mestre em Engenharia

Leia mais

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DATA: FEV/2011 1 de 10 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. NORMAS E ESPECIFICAÇÕES... 3 3. SISTEMAS

Leia mais

Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba

Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba Thiago de Lima MUNIZ, Bernardo Pinheiro de ALVARENGA, José Wilson de Lima NERYS, Antônio Marcos de Melo MEDEIROS Escola de Engenharia

Leia mais

Augusto Ribeiro Mendes Filho Assessoria de Comunicação da Elipse Software

Augusto Ribeiro Mendes Filho Assessoria de Comunicação da Elipse Software APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA E ESGOTO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS DE PORTO ALEGRE-RS (DMAE) Apresentamos neste case a implantação do

Leia mais

LATERAIS E ADUTORAS MATERIAIS EMPREGADOS EM TUBULAÇÕES

LATERAIS E ADUTORAS MATERIAIS EMPREGADOS EM TUBULAÇÕES LATERAIS E ADUTORAS Uma tubulação em irrigação pode, conforme a finalidade, ser designada como adutora, ramal ou lateral. A adutora é aquela tubulação que vai da bomba até a área a ser irrigada. Normalmente

Leia mais

A Equação 5.1 pode ser escrita também em termos de vazão Q:

A Equação 5.1 pode ser escrita também em termos de vazão Q: Cálculo da Perda de Carga 5-1 5 CÁLCULO DA PEDA DE CAGA 5.1 Perda de Carga Distribuída 5.1.1 Fórmula Universal Aplicando-se a análise dimensional ao problema do movimento de fluidos em tubulações de seção

Leia mais

ALGORITMO PARA O DIMENSIONAMENTO ÓTIMO DE UMA REDE MALHADA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA A PARTIR DO SECCIONAMENTO FICTÍCIO

ALGORITMO PARA O DIMENSIONAMENTO ÓTIMO DE UMA REDE MALHADA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA A PARTIR DO SECCIONAMENTO FICTÍCIO ALGORITMO PARA O DIMENSIONAMENTO ÓTIMO DE UMA REDE MALHADA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA A PARTIR DO SECCIONAMENTO FICTÍCIO José Vieira de Figueiredo Júnior ; Manoel Lucas Filho Resumo - O dimensionamento de

Leia mais

METODOLOGIA DE OTIMIZAÇÃO INTEGRADA PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO 1

METODOLOGIA DE OTIMIZAÇÃO INTEGRADA PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO 1 Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v., n., p.-5, 999 Campina Grande, B, DEAg/UFB METODOLOGIA DE OTIMIZAÇÃO INTEGRADA ARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO OR GOTEJAMENTO aulo

Leia mais

UM MANUAL PARA AUXÍLIO NO DIMENSIONAMENTO E PROJETO DE REDES DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO

UM MANUAL PARA AUXÍLIO NO DIMENSIONAMENTO E PROJETO DE REDES DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO UM MANUAL PARA AUXÍLIO NO DIMENSIONAMENTO E PROJETO DE REDES DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Paulo Roberto Lacerda Tavares 1, Marco Aurélio Holanda de Castro 2. Universidade Federal do Ceará 1 Departamento de

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1/7 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 01 ESGOTAMENTO COM BOMBAS... 3 02 REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO COM PONTEIRAS FILTRANTES... 3 03 REBAIXAMENTO DE LENÇOL

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

IMPACTO DA SETORIZAÇÃO NO ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM ÁREAS URBANAS

IMPACTO DA SETORIZAÇÃO NO ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM ÁREAS URBANAS IMPACTO DA SETORIZAÇÃO NO ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM ÁREAS URBANAS Gilberto Caldeira Barreto 1 ; Daniel Mescoito Gomes; Lucy Anne Cardoso Lobão Gutierrez; José Almir Rodrigues Pereira; Resumo - Avaliação

Leia mais

V 2. 1.7 Perda de carga localizada (h L. Borda-Belanger formulou que

V 2. 1.7 Perda de carga localizada (h L. Borda-Belanger formulou que 1.7 Perda de carga localizada (h L ) Borda-Belanger formulou que h L K l V 2 2g onde k L é um coeficiente de perda de carga localizada que é função do número de Reynolds e da geometria da peça. É obtido

Leia mais

Título: Curso de Capacitação em Modelagem Hidráulica para Sistemas de abastecimento de Água (MHC SAA).

Título: Curso de Capacitação em Modelagem Hidráulica para Sistemas de abastecimento de Água (MHC SAA). 1. ASPECTOS GERAIS Título: Curso de Capacitação em Modelagem Hidráulica para Sistemas de abastecimento de Água (MHC SAA). Objetivos: Apresentar a ferramenta de modelagem hidráulica computacional para sistemas

Leia mais

MODELO HÍBRIDO MOC-EPANET PARA ANÁLISE HIDRÁULICA DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PARTE 2: SIMULAÇÕES NUMÉRICAS

MODELO HÍBRIDO MOC-EPANET PARA ANÁLISE HIDRÁULICA DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PARTE 2: SIMULAÇÕES NUMÉRICAS MODELO HÍBRIDO MOC-EPANET PARA ANÁLISE HIDRÁULICA DE SISTEMAS... 87 MODELO HÍBRIDO MOC-EPANET PARA ANÁLISE HIDRÁULICA DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PARTE : SIMULAÇÕES NUMÉRICAS Alexandre Kepler Soares

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO GUANHÃES MG INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO

Leia mais

SOFTWARE APLICADO A REDE DE DRENAGEM DE MACRORREGIÕES COM INTERFACE ENTRE AUTOCAD E HEC-HMS

SOFTWARE APLICADO A REDE DE DRENAGEM DE MACRORREGIÕES COM INTERFACE ENTRE AUTOCAD E HEC-HMS SOFTWARE APLICADO A REDE DE DRENAGEM DE MACRORREGIÕES COM INTERFACE ENTRE AUTOCAD E HEC-HMS Álley Francelino Primo 1 & Marco Aurélio Holanda de Castro 2 RESUMO --- A utilização de meios que facilitem qualquer

Leia mais

Aplicação de sistema hidráulico em uma estação de tratamento e elevação de água

Aplicação de sistema hidráulico em uma estação de tratamento e elevação de água Aplicação de sistema hidráulico em uma estação de tratamento e elevação de água Luciana MENDONÇA 1 ; Fádua Maria do Amaral SAMPAIO 2 ; Laureilton José Almeida BORGES 3 ; Haroldo Machado de OLIVEIRA 4 ;

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA

I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA Evaristo C. Rezende dos Santos 2 José Almir R. Pereira 1 Lindemberg Lima Fernandes 2 Rui Guilherme

Leia mais

A grande aceitação do pivô central deve-se a vários fatores, entre eles:

A grande aceitação do pivô central deve-se a vários fatores, entre eles: Pivô Central Luiz Antonio Lima / Dep. Engenharia / UFLA INTRODUÇÃO O pivô central foi construído pela primeira vez em 1948. Em 1949, seu inventor, Frank L. Zybach, submeteu o invento para ser analisado

Leia mais

SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO

SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO 01 DEZEMBRO 2005 SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO SCAI Automação Ltda. INSTRUMENTAÇÃO NÍVEL PRESSÃO VAZÃO GRANDEZAS

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: SISTEMA DE ESGOTO E DRENAGEM Curso: BACHARELADO EM ENGENHARIA CIVIL Semestre: 9º Carga Horária Semestral: 67 h EMENTA Noções Gerais sobre Sistema

Leia mais

Rebaixamento do Lençol Freático

Rebaixamento do Lençol Freático Rebaixamento do Lençol Freático Índice 1. Rebaixamento por Poços 2. Bombas Submersas 3. Rebaixamento à Vácuo 4. Norma 5. Método construtivo 6. Equipe de trabalho 1. Rebaixamento Por Poços Rebaixamento

Leia mais

Uso de Softwares gratuitos (SPRING e EPANET) na simulação de pressão e vazão de uma rede de abastecimento de água

Uso de Softwares gratuitos (SPRING e EPANET) na simulação de pressão e vazão de uma rede de abastecimento de água Uso de Softwares gratuitos (SPRING e EPANET) na simulação de pressão e vazão de uma rede de abastecimento de água Sandro Henrique de Faria 1 Maria Lúcia Calijuri 1 Júlio César de Oliveira 1 1 Universidade

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO CONDUTOS SOB PRESSÃO Denominam-se condutos sob pressão ou condutos forçados, as canalizações onde o líquido escoa sob uma pressão diferente da atmosférica. As seções

Leia mais

Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão

Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão 6 a 1 de Outubro de 28 Olinda - PE Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão Ronaldo R. B. de Aquino Zanoni D. Lins Pedro A. C. Rosas UFPE UFPE UFPE rrba@ufpe.br zdl@ufpe.br prosas@ufpe.br

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

Amboretto Skids. Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel e água

Amboretto Skids. Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel e água Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, celulose e água 1 Disponível para Locação, Leasing e Cartão Amboretto Skids Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel

Leia mais

Instalações de Gás. Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem interrupções para residências.

Instalações de Gás. Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem interrupções para residências. Instalações de Gás Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem interrupções para residências. Tipos de Gases: Os gases combustíveis oferecidos no Brasil são: GLP (Gás Liquefeito de Petróleo)

Leia mais

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Davi Fagundes Leal 1,, Rita de Cássia Silva Sant Anna Alvarenga 2, Cássio de Sá Seron 3, Diôgo

Leia mais

Softwares da Elipse são utilizados nos processos de redução de perdas de água e eficientização energética da Águas Guariroba

Softwares da Elipse são utilizados nos processos de redução de perdas de água e eficientização energética da Águas Guariroba Softwares da Elipse são utilizados nos processos de redução de perdas de água e eficientização energética da Águas Guariroba Soluções E3 e Elipse Mobile são utilizadas pela concessionária Águas Guariroba

Leia mais

ε, sendo ε a rugosidade absoluta das

ε, sendo ε a rugosidade absoluta das DETERMINAÇÃO DAS PERDAS DE CARGA No projeto de uma instalação de bombeamento e da rede de distribuição de água de um prédio, é imprescindível calcular-se a energia que o líquido irá despender para escoar

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1 AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ Rodrigo Fernandes Junqueira 1 Paulo José Alves Lourenço 2 Sandro Rogério Lautenschlager 3 RESUMO Neste trabalho

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

PODER EXECUTIVO FEDERAL. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária do Rio Grande do Sul

PODER EXECUTIVO FEDERAL. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária do Rio Grande do Sul PODER EXECUTIVO FEDERAL Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária do Rio Grande do Sul ESTUDO DE CONCEPÇÃO OBRA: Rede de Abastecimento de Água do Assentamento de Umbu, Piratini RS. ÍNDICE: 1.

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Reservatórios e Redes de Distribuição de Água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de

Leia mais

Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura

Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura Índice 1. Obras de infra-estrutura... 2 2. Base de concreto do Pivô... 2 3. Base de concreto da motobomba... 3 4. Casa de bombas... 4 5. Valeta da adutora...

Leia mais

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA:

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA: ESTUDO DIRIGIDO COMPONENTE CURRICULAR: Controle de Processos e Instrumentação PROFESSOR: Dorival Rosa Brito ESTUDO DIRIGIDO: Métodos de Determinação de Parâmetros de Processos APRESENTAÇÃO: O rápido desenvolvimento

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

Controle Operacional à Distância Ferramenta Operacional

Controle Operacional à Distância Ferramenta Operacional Controle Operacional à Distância Ferramenta Operacional MÁRCIO MARTINEZ KUTSCHER mkutscher@comusa.com.br Responsável pela automação e manutenção de sistemas eletromecânicos. Eng Eletricista formado pela

Leia mais

APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2

APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2 APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2 RESUMO: A ocorrência da cavitação em bombas hidráulicas traz consequências negativas

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL 1 OBJETIVO: Padronizar os diversos tipos de sistemas de bomba de incêndio das edificações, seus requisitos técnicos, componentes, esquemas elétricos-hidráulicos e memória de cálculo, de acordo com os parâmetros

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE UNIDADES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AVANÇO TÉCNOLÓGICO E REDUÇÃO DE GASTOS

AUTOMAÇÃO DE UNIDADES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AVANÇO TÉCNOLÓGICO E REDUÇÃO DE GASTOS AUTOMAÇÃO DE UNIDADES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AVANÇO TÉCNOLÓGICO E REDUÇÃO DE GASTOS ITALIANO, W. L. Secretário Interino de Obras e Serviços Públicos, Engenheiro Civil (DeCiv UFSCar), Mestre em Arquitetura

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas

Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas Folha 1 de 14 APRESENTAÇÃO Este Anexo é dividido em duas partes: A Seção I introduz a descrição da Infra-estrutura de Irrigação de Uso Comum do Projeto Pontal,

Leia mais

Saneamento I Adutoras

Saneamento I Adutoras Saneamento I Adutoras Prof Eduardo Cohim ecohim@uefs.br 1 INTRODUÇÃO Adutoras são canalizações que conduzem água para as unidades que precedem a rede de distribuição Ramificações: subadutoras CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

CCP_INFO - SISTEMA DE CONTROLE DE PROCESSOS INFORMATIZADO

CCP_INFO - SISTEMA DE CONTROLE DE PROCESSOS INFORMATIZADO CCP_INFO - SISTEMA DE CONTROLE DE PROCESSOS INFORMATIZADO Gilson Gibaile (1) Técnico Contábil, Instrutor de Informática Sérgio Antônio Pacheco Educação Física, Pós Graduação em Administração de Sistemas

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO Os equipamentos do Kit Chuva atendem as exigências da norma NBR 15527: Água de chuva - Aproveitamento de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis Requisitos. KIT CHUVA Filtro

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio IV TOPOLOGIAS

Leia mais

Retorno de Investimento utilizando o CADDPROJ

Retorno de Investimento utilizando o CADDPROJ 1 Retorno de Investimento utilizando o CADDPROJ 1. Estudo de Viabilidade Econômica para Solução CADDPROJ - Será que é preciso Otimizar o processo de Projeto? E agora, continuar no método Antigo ou Inovar?

Leia mais

a) 290mm; 250mm; 200mm b) 400mm; 475mm; 350mm c) 250mm; 200mm; 330mm d) 250mm; 350mm; 200mm

a) 290mm; 250mm; 200mm b) 400mm; 475mm; 350mm c) 250mm; 200mm; 330mm d) 250mm; 350mm; 200mm Engenheiro Civil 11) O quadroabaixo mostra o volume de precipitação de água da chuva no município, nos últimos sete meses. Com base nos valores apresentados, marque a opção que corresponde aos valores

Leia mais

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo construçãocapítulo1: Capítulo 1 Modelagem de informações de A modelagem de informações de construção (BIM) é um fluxo de trabalho integrado baseado em informações coordenadas e confiáveis sobre um empreendimento,

Leia mais

Sistema de Proporcionamento Bomba dosadora de LGE Fire Dos

Sistema de Proporcionamento Bomba dosadora de LGE Fire Dos Sistema de Proporcionamento Bomba dosadora de LGE Fire Dos Descrição A bomba dosadora de LGE FIRE DOS é o mais versátil sistema de proporcionamento existente no mercado. Este revolucionário sistema de

Leia mais

VENTOSAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD 0195 Prof.: Raimundo Nonato Távora Costa

VENTOSAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD 0195 Prof.: Raimundo Nonato Távora Costa NIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁLICA APLICADA AD 0195 Prof.: Raimundo Nonato Távora Costa VENTOSAS 01. INTRODÇÃO: As ventosas são aparelhos automáticos destinados

Leia mais

Panorama do Sistema de Automação Topográfica - POSIÇÃO

Panorama do Sistema de Automação Topográfica - POSIÇÃO Panorama do Sistema de Automação Topográfica - POSIÇÃO MundoGEO#Connect LatinAmerica 2013 18 a 20 de Junho São Paulo Brasil Apresentado por: Danilo Sidnei dos Santos Gerente e Desenvolvedor do Posição

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ESTUDO E DETERMINAÇÃO DE UM SISTEMA DE AQUECIMENTO DE MISTURA ÁGUA/ÓLEO PARA AVALIAÇÃO AUTOMÁTICA DE MEDIDORES DE VAZÃO

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas. Conceitos Básicos de Sistemas e Modelos

Avaliação de Desempenho de Sistemas. Conceitos Básicos de Sistemas e Modelos Avaliação de Desempenho de Sistemas Conceitos Básicos de Sistemas e Modelos O que é Desempenho? Webster s? The manner in which a mechanism performs. Aurélio: Conjunto de características ou de possibilidades

Leia mais

MEMBER 2001. 3.000 anos de experiência no campo da hidráulica agora também na Proteção Contra Incêndios. Namirial MEP

MEMBER 2001. 3.000 anos de experiência no campo da hidráulica agora também na Proteção Contra Incêndios. Namirial MEP MEMBER 2001 3.000 anos de experiência no campo da hidráulica agora também na Proteção Contra Incêndios Namirial MEP QUANDO O TEMPO E O CUSTO, ASSOCIADOS À QUALIDADE SÃO FATORES PRIMORDIAIS EM UM PROJETO...

Leia mais

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim INSTALAÇÕES PREDIAIS DE GÁS 2 Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem

Leia mais

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II Informações sobre este material didático: Edição: 1ª Edição Data da versão: 30/12/2006 Autor(es): Bruno Campos Pedroza, DSc Professor

Leia mais

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação CURSO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE VAZÃO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE GUARULHOS

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE VAZÃO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE GUARULHOS AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE VAZÃO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE GUARULHOS Thiago Garcia da Silva Santim (1) Engenheiro Civil e Mestre em Recursos Hídricos e Tecnologias Ambientais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 3 CONDUÇÃO DE ÁGUA 3.1 CONDUTOS LIVRES OU CANAIS Denominam-se condutos

Leia mais

LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS MEDIDAS DE PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS

LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS MEDIDAS DE PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS Nome: n o MEDIDAS DE PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS - OBJETIVO Consolidar o conceito de perda de carga a partir do cálculo das perdas localizadas em uma tubulação. - PERDA DE CARGA LOCALIZADA Na prática,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2. douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com

Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2. douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com REFLEXO DA CALIBRAÇÃO DE PICNÔMETRO NA PRODUÇÃO DE SÓLIDOS NO TRATAMENTO DE EFLUENTE INDUSTRIAL Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2 1, 2 UNIUBE douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com

Leia mais

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO HIDRÁULICO E EXECUÇÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL Deverão ser obedecidas as normas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO E PROJETO DE SISTEMAS OPERANDO POR GAS LIFT

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO E PROJETO DE SISTEMAS OPERANDO POR GAS LIFT DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO E PROJETO DE SISTEMAS OPERANDO POR GAS LIFT Rafael Soares da Silva 1 ; Hícaro Hita Souza Rocha 2 ; Gabriel Bessa de Freitas Fuezi Oliva

Leia mais

ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL

ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL B. P. H. G. Cardoso 1 ; F. F de. Araújo 2 RESUMO: Este trabalho objetivou possibilitar um levantamento estatístico das vazões e cotas de

Leia mais

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Curso: Engenharia Mecânica Disciplina : Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Prof. Evandro Rodrigo Dário, Dr. Eng. Vazão mássica e vazão volumétrica A quantidade de massa que

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA MONITORAMENTO AUTOMATIZADO DE COLUNA D ÁGUA EM PIEZÔMETROS

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA MONITORAMENTO AUTOMATIZADO DE COLUNA D ÁGUA EM PIEZÔMETROS DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA MONITORAMENTO AUTOMATIZADO DE COLUNA D ÁGUA EM PIEZÔMETROS Dagmar Carnier Neto 1 & Chang Hung Kiang 2 Resumo - O crescente aumento do uso das águas subterrâneas faz com

Leia mais

SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA

SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA Soluções E3 e Elipse Mobile são utilizadas pela concessionária Águas Guariroba

Leia mais

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO 1. Introdução A melhor tecnologia para o monitoramento de baixas concentrações de ozônio (O 3 ) no ar ambiente é a da absorção de luz na faixa do Ultra Violeta

Leia mais

2. O Programa. Figura 1 : Janela Principal do Programa

2. O Programa. Figura 1 : Janela Principal do Programa AUTOMAÇÃO DE PROJETOS DE TRELIÇAS METÁLICAS PLANAS Nilto Calixto Silva Aluno de Graduação ncalixto@fec.unicamp.br http://www.fec.unicamp.br/~ncalixto João Alberto Venegas Requena Professor Assistente Doutor

Leia mais

Associação Paralelo Ativo e Passivo Vantagens e Benefícios

Associação Paralelo Ativo e Passivo Vantagens e Benefícios Associação Paralelo Ativo e Passivo Vantagens e Benefícios Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP:91040-600 - Porto Alegre RS - Brasil Fone: (51)21312407

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais