ESTUDOS SOBRE PERDAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE MACEIÓ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDOS SOBRE PERDAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE MACEIÓ"

Transcrição

1 ESTUDOS SOBRE PERDAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE MACEIÓ Fernando Silva de Carvalho 1 ; Guilherme Rocha Peplau 2 ; Gustavo Silva de Carvalho 3 & Valmir de Albuquerque Pedrosa 4 RESUMO A água potável é essencial à vida humana e um bem cada vez mais escasso. Sendo o abastecimento humano prioritário, as concessionárias regionais e municipais tem por obrigação uma boa administração de perdas e um conseqüente melhor aproveitamento dos recursos hídricos. A cidade escolhida para estudo de caso foi à cidade de Maceió cuja concessionária é a CASAL. Atualmente a situação da empresa apresenta-se com altos índices de perdas, o que pode explicar em parte o déficit financeiro da empresa. O trabalho realizado proporciona discussões para um futuro próximo de escassez de água. ABSTRACT The drinking waters are essential to the life human being and a good each scarcer time. Being the with priority human supplying, the regional and municipal concessionaires have for obligation a good administration of losses and a consequence better exploitation of the water resources. The city chosen for case study was to the city of Maceió concessionaire is the CASAL. Currently the situation of the company is presented with high indices of losses, what it can explain in part the financial deficit of the company. The carried through work provides quarrels for a future next to water scarcity. 1 Mestrando do Programa de Pós-graduação em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental do Instituto de Pesquisas Hidráulicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul IPH/UFRGS; Avenida Cauduro, nº 166, aptº 202, Bom Fim, , Porto Alegre/RS; (51) ;(51) ; 2 Mestrando do Programa de Pós-graduação em Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos da Universidade Federal de Pernambuco; Conj. Climério Sarmento, Bl. 03, 404, Jatiúca, ; 3 DOMUS Engenharia e Arquitetura, Consultoria em Saneamento Ambiental e Recursos Hídricos, R. Teonilo Gama, 103. Sala 01, Trapiche, , Maceió/AL; (082) , 4 Professor do Departamento de Águas e Energia da Universidade Federal de Alagoas DAE/ CTEC / UFAL, Campus A. C. Simões, Tabuleiro dos Martins, , Maceió/AL; (082) , VII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 1

2 Palavras-Chave: Perdas, Tarifas, Eficiência, Maceió. APRESENTAÇÃO Apesar de ser reconhecida como o paraíso das águas, Maceió, capital de Alagoas, sofre problemas de abastecimento de água não só por pertencer à região nordeste, a menos rica em potencialidade hidráulica de água potável do país, mas entre tantos outros motivos, também pelas grandes perdas físicas e econômicas ocorridas entre a captação de água e os hidrômetros dos logradouros. Tal fato se torna relevante, visto que os impactos sócio-econômicos e ambientais são quase todos negativos e significativos. Em Maceió, como na maioria das cidades de Alagoas (cerca de 80% do Estado), o órgão responsável pelo abastecimento de água é a Companhia de Abastecimento de Água e Saneamento de Alagoas CASAL. Os índices de perdas são elevados, em determinados pontos, a valores acima de 54%. O caso da eficiência da CASAL influi diretamente na vida do maceioense que tem que pagar pela não pouca água que se esvaiu no caminho de casa. A complexidade de um sistema de abastecimento d água é alta em termos de possibilidade de perda de rendimento e faturamento, reduzir as perdas a zero seria supostamente impossível e demasiadamente dispendioso (STEPHENS, 2002). Em todo o mundo acontece o não aproveitamento e/ou não faturamento pelo uso do recurso devido à ineficiência do sistema. Em alguns lugares a situação é calamitosa devido ao contexto em que se insere a questão do abastecimento de água com relação à escassez dos recursos hídricos e sustentabilidade financeira da empresa responsável. Carteado(2002), afirma que em cidades asiáticas como Jacarta, no ano de 2000, tiveram índice de perdas chegando a 70%, o mesmo de Manila, capital das Filipinas, em No Brasil a situação não é diferente. A maioria de nossas cidades sofre problemas graves de redes de distribuição em estado precário de funcionamento causando perdas físicas. Além destas existem também perdas econômicas que somadas e sobrepostas às anteriores, contribuem decisivamente para o desempenho negativo das empresas de saneamento. Os números das próprias agências comprovam este fato. Para se ter uma idéia, o índice de perdas de faturamento (IPF) de capitais nordestinas, onde o problema de escassez é mais latente, segue no quadro1: VII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 2

3 Quadro1 - Índices IPF das capitais nordestinas Capital IPF Maceió/AL 57,8% Salvador/BA 52,9% Fortaleza/CE 35,5% São Luis/MA 63,0% João Pessoa/PB 46,7% Recife/PE 53,9% Natal/RN 46,6% Fonte: Serviço Nacional de Informações sobre Saneamento SNIS (2000) As causas dos fatores dessas perdas econômicas e físicas variam muito de um local para outro. Os dados da SABESP (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo), apresentados pelo vice-presidente de distribuição na região metropolitana de São Paulo, Francisco Paracampos (2001), servem como exemplo: Vazamentos: 48%; Micromedição: 20%; Gestão comercial: 12%; Macromedição: 11%; Favelas: 9% das perdas. Cada setor de abastecimento possui características diferentes uns dos outros e, portanto, índices diferentes. O problema das perdas é mais abrangente do que aparenta ser à população em geral, pois estão envolvidas nuances ambientais, sociais e econômicas bastante delicadas. METODOLOGIA Caracterização das perdas As perdas possuem diferentes fontes de causas, os quais trataremos neste tópico, para esclarecer, os termos técnicos e o que isso representa na prática em termos de perdas num sistema de abastecimento d água. A IWA (International Water Association) propõe uma forma de caracterizar as perdas no serviço de abastecimento de água para fins de obtenção de parâmetros, através de definições envolvendo perdas no sentido físico e no sentido econômico, visualizadas num quadro que é chamado de Balanço de Água, mostrado a seguir. VII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 3

4 Consumo Autorizado Volume de entrada no sistema Perda de Água Fonte: IWA (2000) Quadro 2 - Balanço de Água Consumo Medido faturado (incluindo água Consumo Autorizado Faturado importada) Consumo Estimado Faturado Consumo Autorizado Não Consumo Medido Não Faturado Faturado Consumo Estimado Não Faturado Perdas Aparentes (Não Consumo Não Autorizado Físicas) Erro de Medição Vazamentos e Extravasamentos em Reservatórios Perdas Reais (Físicas) Vazamentos em Adutoras e Redes Vazamentos em Ramais até o ponto de medição do cliente Água Faturada Água Não Faturada (ANF) Volume de Entrada no Sistema: É a entrada do volume para aquela parte do sistema de abastecimento de água ao qual os cálculos para o balanço de água estão relacionados. Consumo Autorizado: É o volume de água medido e/ou não medido tomado por clientes registrados, fornecedor de água e outros implícita ou explicitamente autorizados a assim procederem, para finalidades residenciais, comerciais e industriais. Isso inclui água exportada. Perdas de água: É a diferença entre o volume de entrada no sistema e o consumo autorizado. Consiste de perdas aparentes (perdas não físicas) e perdas reais (perdas físicas). Perdas Aparentes (Não Físicas): Consiste do consumo não autorizado, caracterizados por fraudes e falhas de cadastro, e de todos os tipos de imprecisões ligadas à medição, tanto na macro como na micromedição. Perdas Reais (Físicas): São vazamentos nas adutoras de água bruta, estações de tratamento de água (se aplicável), nas tubulações principais, reservatórios e conexões de serviços, até o ponto de medição do cliente. O volume perdido através de todos os tipos de vazamentos, estouros e transbordamentos dependem de suas freqüências individuais, coeficientes de vazão e duração. Água Não Faturada (ANF): É a diferença entre o Volume de Entrada no Sistema e o Consumo Faturado Autorizado. Segue a seguir, um exemplo de balanço hídrico (SABESP, 2001), onde as perdas no abastecimento são descritas e mensuradas por causas com seus parâmetros de volume e de respectiva porcentagem em relação ao volume total de entrada anual. VII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 4

5 Quadro 3 - Balanço Hídrico da SABESP em 2001 Consumo Autorizado Faturado m3 63% Consumo Medido faturado (cons. final) m3 46,5% Consumo Estimado Faturado (atacado) m3 16,5% Água Faturada m3 63% Volume de entrada no sistema Consumo Autorizado m3 69% Consumo Autorizado Não Faturado m3 Consumo Medido Não Faturado (Usos Operacionais e emergenciais) m3 0,5% 6% Consumo Estimado Não Faturado (usos sociais) m3 5,5% m3 100% Perda de Água m3 31% Perdas Aparentes (Não Físicas) m3 17% Consumo Não Autorizado (gestão comercial) m3 7% Erro de Medição (Macro e Micro) m3 10% Vazamentos e Extravasamentos em Reservatórios 0 m3 Perdas Reais (Físicas) 0% m3 14% Vazamentos em Adutoras e Redes e em Ramais até o ponto de medição do cliente m3 14% Água Não Faturada (ANF) m3 37% Fonte: SABESP(2000)! Perdas Reais(Físicas) A B C Figura 1 - Tipos de vazamentos em uma rede de distribuição (fonte: SABESP) A Vazamentos não visíveis, baixa vazão, não aflorantes, não detectáveis por métodos acústicos de pesquisa. Representam cerca de 25% dos volumes perdidos. Ações corretivas: Redução de pressão e Qualidade dos materiais e da mão de obra. VII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 5

6 B Vazamentos não visíveis não aflorantes, detectáveis por métodos acústicos de pesquisa. Representam aproximadamente 30% dos volumes perdidos. Ações corretivas: Redução de pressão, pesquisa de vazamentos. C Vazamentos visíveis aflorantes ou ocorrentes nos cavaletes. Representam 45% dos volumes perdidos. Ações corretivas: Redução de pressão, redução do tempo de reparo. Ainda segundo a SABESP (2001), na RMSP, 90% dos vazamentos da rede ocorrem nos ramais prediais. A distribuição neste caso é: 40% no tubo do ramal; 20% nos adaptadores e 40% no cavalete.! Perdas aparentes (Não Físicas) O roubo de água é um tipo de fraude é bastante comum em ligações residenciais e industriais, consiste em adulterar a ligação realizada pela concessionária, através de meios que impeçam total ou parcialmente a micromedição do logradouro. Dividem-se basicamente em três casos: (i) Derivação de ramal; (ii) By-Pass ; (iii) Ligação Clandestina. " Derivação de ramal O fraudador faz uma ligação usando uma conexão antes da passagem pelo hidrômetro, fazendo com que a água que passaria totalmente pelo mesmo possa derivar também por essa conexão, abastecendo parte da rede de alimentação da propriedade sem medição (Figura 2). Figura 2 - Roubo de água tipo Derivação de ramal. Fonte: EMBASA(2001) " By-pass O fraudador faz uma ligação usando uma conexão antes da passagem pelo hidrômetro e ligando-a ao seu ramal predial, fazendo com que a água que passaria totalmente pela micromedição, derive para essa conexão, abastecendo a rede de alimentação da propriedade, totalmente sem medição (Figura 3). VII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 6

7 Figura 3 - Roubo de água tipo By-Pass. Fonte: EMBASA(2001) " Ligação clandestina O fraudador faz uma ligação direta da rede de distribuição da concessionária local, sem qualquer tipo de permissão e cadastro, roubando assim a água sem qualquer registro e, portanto sem qualquer cobrança pelo seu uso (Figura 4). Figura 4 - Roubo de água tipo Ligação Clandestina. Fonte: EMBASA(2001) CÁLCULO DE ÍNDICES DE PERDAS E SUA UTILIZAÇÃO Para fins de mensuração de eficiência são utilizadas mundialmente ferramentas matemáticas, a fim de quantificar as perdas de acordo com seu tipo. Existem vários índices indicadores de eficiência, sendo que dependendo da finalidade a que se propõe analisar essa eficiência, alguns índices são particularmente mais importantes. O Índice de Perdas na Distribuição (IPD) é importante, principalmente, quando se quer determinar quantitativamente as perdas físicas. A SANASA em Campinas/SP, leva em consideração o volume de entrada no sistema e o volume utilizado, sendo este último à soma dos VII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 7

8 fatores: Volume micromedido (i); Volume recuperado marcado (ii); Volume operacional (iii) e Volume especial (iv). Volume Micromedido: Volume obtido através das leituras dos hidrômetros; Volume Recuperado Marcado: Volume recuperado obtido através de denúncias confirmadas de água + Volume obtido através das regularizações de ligações de água; Volume Operacional: Volume dos Testes Hidrostáticos em redes e adutoras fornecidos pelo setor de Pitometria e Macromedição + Volume utilizado para desinfecção, fornecido pelo setor de Análise e Controle + Volume utilizado para Limpeza de Reservatórios e Sub Adutoras Novas. Volume Especial: Volume de áreas SANASA e carregamento de Caminhões Pipa + Volume Especial Micromedido obtido por estimativa de consumo de ligações clandestinas de invasões + Volume utilizado pelo Corpo de Bombeiros em testes de hidrantes, treinamentos, manutenções de equipamentos e combate a incêndios.+ Volume Especial Estimado de Rompimentos de redes / ramais por terceiros. Vol. Utiliz = Vol Mic. + Vol rec. marc. + Vol Oper. + Vol Esp. (1) IPD = {Vol Prod. Vol. Utiliz} x 100 / Vol. Prod. (2) Outro indicador importante, e muito utilizado, é o Índice de Perdas de Faturamento (IPF), pois este índice é um balanço econômico que baliza as perdas pelo seu potencial retorno em capital. IPF = {Vol Prod. Vol. Fatur.} x 100 / Vol. Prod. (3) O índice conhecido por Água Não Contabilizada (ANC), assemelha-se ao IPF, sendo que separa o termo faturado em volume medido e volume estimado, proporcionando um melhor entendimento da influência da eficiência do sistema de micromedição (sem contar os erros nos medidores), no montante de perdas. ANC = {Vol Prod. (Vol. Med + Vol. Est.) } x 100 / Vol. Prod.} (4) Outros indicadores de perdas reais (físicas) ainda são bastante usados, mas se mostraram inviáveis tecnicamente. O índice de perdas reais por ligação, segundo Liemberger (2002), tem de ter sua utilização abolida, uma vez que o usuário tem pouco ou nada a ver com o vazamento. Quanto ao índice por km de tubulação por dia, é um índice injusto, uma vez que as perdas físicas em sua maior parte, acontecem nas conexões de serviço e não na tubulação principal. Um bom índice ainda VII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 8

9 é o de conexão de serviço por dia em sistemas pressurizados, contudo ocorre a desvantagem de não levar em consideração o valor da pressão de operação da rede. O ILI (Índice de Vazamento de Infra-estrutura) é um indicador de desempenho técnico, usado no Reino Unido e aconselhado seu uso por parte de técnicos e especialistas, como parâmetro de comparação de desempenho aceito internacionalmente, pois permite comparar sistemas de características muito diferentes (abastecimento intermitente com ininterrupto, de baixa com de alta pressão, de diferentes níveis de consumo e assim por diante) (LIEMBERGER, 2002). Esse índice surgiu devido a comparações de resultados em termos de porcentagem em relação à entrada do sistema de redes de abastecimento reconhecidamente eficientes com outras deficientes, mas de diferentes tempos de funcionamento do abastecimento por dia. O ILI, consiste num coeficiente adimensional resultado da relação Volume Corrente Anual de Perdas Reais (CARL) x Perdas Reais Anuais Irrecuperáveis (UARL). ILI = CARL / UARL (5) Para calcular o UARL (equação 6), fazem-se necessárias informações sobre quatro nuances específicas: (i) Extensão das tubulações principais; (ii) Quantidade de conexões de serviço; (iii) Local do medidor do cliente na conexão ao serviço (em relação às fronteiras da propriedade) (iv) Pressão média de operação. UARL (L/dia) = (18 x Lm + 0,8 x Nc + 25 x Lp) x P (6) Onde: Lm: extensão das tubulações principais em km; Nc: quantidade de conexões de serviço; Lp: comprimento das tubulações do serviço privado da fronteira da propriedade para o medidor em km e; P: pressão média de operação. Existe um índice considerado como sendo um indicador bastante promissor em sua eficiência e aceitação tanto pelo corpo técnico-econômico quanto pela mídia, políticos e povo em geral, chamado ENE (Eficiência Econômica de Redes). Para encontrar esse indicador, faz-se necessário um cálculo similar ao do ILI, substituindo-se o termo UARL, para um equivalente econômico denominado EARL (Perdas Reais Anuais Econômicas), achando um Índice Econômico de Vazamento ELI, o qual transformado em porcentagem, torna-se o ELI (LIEMBERGER, 2002). VII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 9

10 ELI= CARL / EARL (7) ENE(%) = 1 / ELI (8)! O serviço de distribuição de água em Maceió De acordo com o relatório realizado pela empresa VBA Consultoria, em seu capítulo sobre o diagnóstico do serviço de água em Alagoas, e dados do SNIS 2002, Maceió contava com cerca de km de tubulação com diâmetros de 20 a 600 mm, possuindo cerca de ligações. Na época eram atendidas da sua população total, isso significa 72,8% da população. Segundo a CASAL os sistemas estão divididos em três macro-zonas de abastecimento, são elas: Zona alta! Abrange desde a Cidade Universitária, ao norte, até uma linha imaginária transversal entre o Cemitério Parque das Flores e o bairro de Chã de Bebedouro. Zona média! Atende desde a linha citada anteriormente até as Avenidas Comendador Gustavo Paiva, Comendador Calaça e Rua Barão de Atalaia; Zona Baixa! Abrange toda a área baixa. A Figura 5 representa a situação da distribuição de água na cidade de Maceió, desde a sua captação, reservação, tratamento e sua distribuição. VII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 10

11 Figura 5 Situação do abastecimento de água de Maceió Fonte CASAL VII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 11

12 ! Abastecimento de água e demanda pelo serviço De acordo com o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS, 1997) número de economias de água é o número médio anual de todas as unidades cadastradas para fins de pagamento pelo serviço de abastecimento d água ; e para o número de ligações de água a definição é a seguinte: número de ligações ativas de água na rede pública, providas ou não de hidrômetros. Na cidade de Maceió os grandes consumidores são os consumidores residenciais, que totalizavam, dados do PMSS (1998), 92%, ficando o restante entre os consumidores comerciais, industriais e a administração pública. Tabela 1 Número de ligações de água em Maceió Ano Ligações Residencial Comercial Industrial Pública Total Fonte: PMSS(1998) Nota-se um crescimento médio em 2 anos, de 0,39% no número de ligações em relação ao total em Tabela 2 Número de economias de água em Maceió Ano Economias Residencial Comercial Industrial Pública Total Fonte: PMSS(1998) No número de economias, houve entre 1996 e 1998, um incremento na ordem de 0,41%, o que era esperado pelo indicativo do número de ligações. Dados mais atualizados, expostos na tabela a seguir, sobre a situação da relação entre ligações e economias, mostra o aumento dos números de ligação e de economias e a alta perda na medição e, proporcionalmente, a uma perda de faturamento. VII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 12

13 Tabela 3 Número de Ligações em 2000 LIGAÇÕES ATIVAS INATIVAS Total de Com Sem Com Sem Total Total Ligações Hidrômetros Hidrômetros Hidrômetros Hidrômetros ,161 19, ,32 24,404 15,279 39, , Fonte: Anuário Estatístico (2000 e 2003) A Tabela 3 mostra que aproximadamente ligações apresentavam em situação inativa, que de certa forma significa uma perda de faturamento mensal. E em relação ao número de economias, como já era previsto, um valor total maior que o das ligações. Tabela 4 Número de Economias em 2000 e 2002 LIGAÇÕES ATIVAS INATIVAS Total de Com Sem Com Sem Total Total Ligações Hidrômetros Hidrômetros Hidrômetros Hidrômetros ,823 19, ,469 32,508 17,178 49, , Fonte: Anuário Estatístico (2000 e 2003) Nestas situações pode-se notar que cerca de 15% das economias ativas não possuem hidrômetros, ou seja, a fatura por estes 15% é feito por estimativa, por uma média mensal e em muitas vezes apenas é cobrada apenas a taxa mínima. Um outro fato a ser observado seria o de que cerca de 30% das economias estão inativas (potenciais faturas mensais). Um outro fator muito importante e discutido para a busca da eficiência do sistema é a diferença entre o volume produzido e o volume faturado. O SNIS (2000) define volume de água produzido como volume médio de água disponível para consumo, produzido exclusivamente pelo operador, medido diretamente na saída da ETA, estimada mediante pitometria ou registradores temporários de vazão e o volume faturado volume médio de água, debitado ao total das economias medidas e não medidas, para fins de faturamento. Na cidade de Maceió segundo dados do SNIS(2000) o Índice de Perdas de Faturamento (IPF) chega a 57,8 % o que vem a ser um índice muito alto e que deixa Maceió como a segunda em perdas a nível estadual, ficando atrás apenas da cidade de Delmiro Gouveia que chega a 67.7%. VII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 13

14 Para os valores do índice de evasão de receitas (IER) que indica as perdas não-físicas, tem-se registrados valores de até 68.39% no mês de maio de 1998 (PEDROSA, 2001). A Tabela 5 apresenta os valores para os volumes de água produzidos, Tratado, Micro e Macromedidos, consumidos e faturados. Nota-se a ineficiência do sistema quando na comparação entre os volumes produzidos, consumidos e faturados. Em média o volume faturado é muito menor que os valores dos volumes produzidos, porém, é preciso notificar uma queda na arrecadação do serviço, pois, em 1995 perdiam-se 40% dos volumes produzidos e no ano de 1998 as perdas chegaram a 60%. ANO PRODUZIDO TRATADO EM ETA's Tabela 5 Volumes de Água TRATADO DESINF. VOLUMES DE ÁGUA MACROMEDIDO CONSUMIDO MICROMEDIDO FATURADO 1000m³/dia 1000m³/dia 1000m³/dia 1000m³/dia 1000m³/dia 1000m³/dia 1000m³/dia ,00 198,00 16,00-72,00 50,00 118, ,20 221,80 23,30-124,00 59,00 132, ,40 145,10 141,30-124,00 71,20 132, * 339,61 125,00 24,00-187,74 75,74 138, Fonte: dados de 1995 a 1997 e SNIS; dados de 1998 fornecidos pelo setor comercial da CASAL. Segundo dados do SNIS (2001) do volume de mil metros cúbicos produzidos anualmente, sendo tratado na ETA e o restante tratado apenas com desinfecção, apenas (1.000 m3/ano) são faturados, ou seja, 56.2% do volume produzido pela concessionária é perdido entre as perdas físicas e não físicas. Numa comparação pertinente a este trabalho são apresentados na Tabela 6 os cálculos dos seguintes índices de perdas! Índice de Perdas de Faturamento (IPF);! Índice de Perdas na Distribuição (IPD);! ILI (Índice de Vazamento de Infra-estrutura); Tabela 6 IPF(%) IPD(%) CARL(L/dia) UARL(L/dia) ILI VII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 14

15 Para o desenvolvimento destes cálculos foram obtidos junto ao SNIS (2002) e portanto considerados 1523 Km de extensão da rede de abastecimento, ligações, 8.2m entre a rede e o hidrômetro(valor médio) e Pressão média de 10 m.c.a, pois poderia ser considerado um valor plausível para o abastecimento na cidade de Maceió. Estes resultados são considerados como esperados para o trabalho desenvolvido por Maceió se tratar de uma cidade com a sua rede de distribuição precária em relação aos estudos realizados em países desenvolvidos. Na literatura são encontrados valores próximos de 1 para o ILI (Índice de Vazamento de Infra-estrutura) em países desenvolvidos. Isto representa que as perdas físicas estão próximas as perdas inerentes. Ou seja, estes valores representam que a rede de distribuição é bem gerenciada (mantida, reparada, reabilitada) para que sejam controladas as perdas reais. É público e notório que a cidade de Maceió não se enquadra nesta classificação, ficando claro no cálculo do ILI, guardadas a devidas considerações devido as aproximações realizadas no cálculo, principalmente no que diz respeito a a pressão média da rede. CONCLUSÕES A questão da escassez hídrica mundial bastaria para qualquer mobilização no sentido de minimizar perdas. Mesmo em países com o recurso natural água em abundância, como é o caso do Brasil, não se deve descuidar um só momento do aproveitamento racional e planejado de água para os diversos fins a que se faz útil, principalmente ao abastecimento humano. Manter e melhorar se preciso a qualidade da água dos mananciais, é hoje, mais que uma boa política ambiental, uma questão de sobrevivência. Desperdiçar água boa para o consumo é de fato muito grave. A sempre crescente demanda pelo bem é um fato que se reproduz em todos os continentes, principalmente nas grandes cidades. É claro que boa parte das perdas físicas em vazamentos de tubulações tem o destino dos próprios aqüíferos e rios de superfície, mas o tempo de recarga dos aqüíferos e a qualidade das águas de superfície tende a piorar, elevando assim os custos com o tratamento. Desta feita, podem-se obter explicações um pouco mais plausíveis para o alto índice de inadimplência e de fraudes em Maceió. Um exemplo simples: caso o usuário pague a tarifa pela consumação mínima de 10 m 3, esta valerá R$ 9,80 e para aproximadamente 30% da população maceioense, que recebe menos de 1 salário mínimo, isso representaria mais de 4,9% do total da receita mensal. Esse valor está bem acima do que a OMS garante como máximo (3% da despesa), e só lembrando que a situação em Maceió parece estar pior que no censo de 91 e que o percentual de população ativa e sua distribuição de classes já deva estar ultrapassado. Vale salientar que foi VII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 15

16 tratado de consumo mínimo e tarifa mínima, sendo que incrementos de consumo levam obviamente a aumentos de tarifas. Previsões podem ser feitas, estimativas efetuadas, mas sempre os resultados alcançados em algum empreendimento prático, é que podem melhor balizar futuras ações no sentido de implantação do proposto, portanto experiências são primordiais para avaliar a viabilidade de investir em algo semelhante. Neste trabalho foram citadas várias experiências nacionais e internacionais sobre o tema perdas e suas conseqüências financeiras e ambientais. Nas fontes pesquisadas não se noticiou fatos decepcionantes. Daí entende-se as razões que levou o governo brasileiro nos últimos anos, procurar desenvolver ações no intuito de desenvolver e modernizar o setor de saneamento com o PMSS, através da SEDU. O meio ambiente é um dos maiores beneficiários dessa iniciativa, poupada através do controle do desperdício, a água em seu local de extração recebe uma explotação menor e daí pode ser usada, no caso de águas superficiais para outros fins, inclusive para servir ao ecossistema a que pertence, uma maior abundância de condições de vida aos seres dependentes do rio ou riacho em questão; e quanto as águas subterrâneas uma preservação de condições melhores para equilíbrio com a recarga, fazendo com que seu tempo útil seja aumentado substancialmente. Socialmente haveria, no caso de uma adoção de política de minimização de perdas, uma aceitação por parte da sociedade que entende, mesmo que de maneira instintiva a importância da questão. A CASAL transpareceria com essa ação, ser uma empresa a fim de melhorar de situação do abastecimento em Maceió, e quem sabe contar com o apoio prático da população. A diminuição da tarifa também seria uma conseqüência social prática da recuperação das perdas. Gradativamente haveria um melhor controle através de ações de melhoria no sistema de micromedição e outras iniciativas, no intuito de minimizar as perdas físicas e não físicas, buscando otimizar a arrecadação e os volumes necessários ao abastecimento diminuindo ao longo do tempo o preço da água, pois o que se paga hoje, além de um dos serviços mais caros é a ineficiência da empresa. A realização de ações ao combate as perdas é de incontestável importância e isso já foi exaustivamente enfocado neste trabalho. A questão que se faz pertinente no momento é: A CASAL vai em curto prazo realizar ações concretas para minimizar perdas, diante do quadro atual de escassez hídrica, de outorga e cobrança e de regulação dos serviços? A resposta não é nem de longe simples. Será que a privatização é a única solução? Na Inglaterra, onde ocorreu o caso de privatização mais radical do setor de saneamento, ainda se discute o fato de vender o patrimônio público ter sido ou não a melhor solução, sendo que um dos fatos ocorridos foi que houvereajustes na tarifa da ordem de 5% acima da inflação, o que acaba penalizando a população de menor renda. VII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 16

17 A redução de perdas será num futuro não muito distante, uma realidade, visto que a CASAL tem feito se representar nos encontros técnicos realizados no Brasil, assumindo a condição de conhecedor das técnicas e da importância de se implantar um programa de redução para alcançar as vantagens financeiras e ambientais dessa iniciativa, caminho percorrido com êxito por várias empresas públicas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] ALAGOAS. Governo do Estado de Alagoas.Secretaria de Planejamento. Diretoria de Estudos e Projetos. Anuário Estatístico de Alagoas [2] ALAGOAS. Governo do Estado de Alagoas.Secretaria de Planejamento. Diretoria de Estudos e Projetos. Anuário Estatístico de Alagoas [3] CARTEADO, F. Redução e Controle de Perdas na Ásia: A experiência de Macau. In. SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE PROGRAMAS DE REDUÇÃO E CONTROLE DE PERDAS EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA, 2002, Recife-PE. Proceedings. Recife/PE. 19p. [4] DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA DAEE/SP. Termos de Referência para Elaboração do Relatório de Avaliação de Eficiência do Uso de Recursos Hídricos. Disponível em < > Acesso em: 13/02/2003. [5] EMBASA Empresa Baiana de Água e Saneamento(2001) [6] LIEMBERGER, R. & FANNER, P. Gerenciamento Integral de Perdas de Água através da Terceirização Via Contratos de Risco na Malásia. In. SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE PROGRAMAS DE REDUÇÃO E CONTROLE DE PERDAS EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA, 2002, Recife-PE. Proceedings. Recife/PE. 8p. [7] LIEMBERGER, R. Você sabe até que ponto o uso de Indicadores Incorretos de desempenho pode ser enganoso?. In. SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE PROGRAMAS DE REDUÇÃO E CONTROLE DE PERDAS EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA, 2002, Recife-PE. Proceedings. Recife/PE. 20p. [8] PARACAMPOS, F. J. F. A Gestão Integrada no Controle de Perdas: Os Instrumentos da Terceirização, Contratos Turn-Key e Contratos de Risco. In. SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE PROGRAMAS DE REDUÇÃO E CONTROLE DE PERDAS EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA, 2002, Recife-PE. Proceedings. Recife/PE. 18p. VII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 17

18 [9] PARACAMPOS, F. J. F. Indicadores de Perdas na Região Metropolitana de São Paulo: A Aplicação da Proposta da IWA. In: SEDU/PR-PMSS & BANCO MUNDIAL. Anais do Encontro Técnico Sobre Redução e Controle de Perdas de Água em Sistemas de Abastecimento de Água. Salvador/BA: TIPOD LTDA, Fevereiro/Março de CD-ROM. [10] PEDROSA, V.A. Tarifas nas empresas de saneamento. Porto Alegre: UFRGS, f. Tese (Doutorado em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental) Programa de Pós Graduação em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001 [11] PMSS Programa de Modernização no Setor de Saneamento(1998) [12] SABESP Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo(2001) [13] STEPHENS, I. Níveis Econômicos de Perdas. In. SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE PROGRAMAS DE REDUÇÃO E CONTROLE DE PERDAS EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA, 2002, Recife-PE. Proceedings. Recife/PE. 16p. [14] SNIS. Sistema Nacional de Informações do Saneamento, Governo Federal. Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano. Brasília [15] SNIS. Sistema Nacional de Informações do Saneamento, Governo Federal. Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano. Brasília [16] SNIS. Sistema Nacional de Informações do Saneamento, Governo Federal. Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano. Brasília VII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 18

CONSIDERAÇÕES ACERCA DA SITUAÇAO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM MACEIÓ

CONSIDERAÇÕES ACERCA DA SITUAÇAO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM MACEIÓ CONSIDERAÇÕES ACERCA DA SITUAÇAO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM MACEIÓ Fernando Silva de Carvalho 1 ; Guilherme Rocha Peplau 2 ; Gustavo Silva de Carvalho 3 & Valmir de Albuquerque Pedrosa 4 Resumo

Leia mais

Programa de Redução de Perdas de Água e Eficiência Energética ÍNDICE Visão Geral das Perdas na SABESP Programa de Redução de Perdas de Água e Eficiência Energética Benefícios do Programa Visão Geral das

Leia mais

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA A PERDA DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO PÚBLICO O índice de perdas é um dos principais indicadores da eficiência da operação dos

Leia mais

Gestão de Perdas. Glauco Montagna

Gestão de Perdas. Glauco Montagna Gestão de Perdas Glauco Montagna Agenda 1. A perda de água 2. Gestão de perda de água 3. Redes de água inteligentes 4. Caso de Sucesso Componentes (1) Componentes (2) A perda de água é a somatória de:

Leia mais

METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP.

METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP. METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP. Silvano Silvério da Costa * Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos SAAE Engenheiro

Leia mais

TÍTULO: PORQUE O ÍNDICE DE PERDAS POR LIGAÇÃO IPL NÃO É RECOMENDADO COMO INDICADOR DESEMPENHO

TÍTULO: PORQUE O ÍNDICE DE PERDAS POR LIGAÇÃO IPL NÃO É RECOMENDADO COMO INDICADOR DESEMPENHO TÍTULO: PORQUE O ÍNDICE DE PERDAS POR LIGAÇÃO IPL NÃO É RECOMENDADO COMO INDICADOR DESEMPENHO AUTORES: Claudio Luiz Tiozzi Rubio responsável pela apresentação oral Cargo Atual: Coordenador Macromedição

Leia mais

Perdas em Sistemas de Abastecimento de Água

Perdas em Sistemas de Abastecimento de Água Universidade Mackenzie Perdas em Sistemas de Abastecimento de Água Dante Ragazzi Pauli Presidente ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental S. Paulo, fevereiro 2014 Conceitos Sistema

Leia mais

Programa Corporativo de Redução de Perdas de Água da Sabesp

Programa Corporativo de Redução de Perdas de Água da Sabesp Workshop Inovação e Tecnologias Globais em Saneamento Programa Corporativo de Redução de Perdas de Água da Sabesp Eric C Carozzi 29.07.2014 Visão geral das Perdas de Água na Sabesp - Balanço Hídrico Balanço

Leia mais

PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE

PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE SUMÁRIO EXECUTIVO ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL.

REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL. REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL. TEMA DO TRABALHO: ABASTECIMENTO DE ÁGUA Nome dos Autores: Luiz Eduardo Mendes Divisão de Manutenção e Operação Cargo: Engenheiro Civil - Formação:

Leia mais

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas:

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas: 11. ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA O presente capítulo consiste da avaliação econômica do Plano Estadual de Recursos Hídricos. Esta avaliação objetiva quantificar e demonstrar os impactos da implementação

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DE PERDAS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM GUARULHOS - SP

A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DE PERDAS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM GUARULHOS - SP A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DE PERDAS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM GUARULHOS - SP Sérgio Braga* Engenheiro Civil e Sanitarista Diretor do Departamento de Obras Cícero Felipe

Leia mais

Programa Consumo Responsável. Julho 2015

Programa Consumo Responsável. Julho 2015 Programa Consumo Responsável Julho 2015 PORTO ALEGRE - BRASIL População (2014): 1.472.482 habitantes PIB Brasil (2014): R$ 5,52 trilhões PIB Brasil (2012) per capita: R$ 22,6 mil PIB Rio Grande do Sul

Leia mais

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO; 2. OBJETIVO; 3. LOCALIDADES BENEFICIADAS;

Leia mais

Nível econômico de vazamento em rede de distribuição: estudo de caso na zona baixa de Maceió/AL. Eliana Cris*na de Souza Nélia Henriques Callado

Nível econômico de vazamento em rede de distribuição: estudo de caso na zona baixa de Maceió/AL. Eliana Cris*na de Souza Nélia Henriques Callado Nível econômico de vazamento em rede de distribuição: estudo de caso na zona baixa de Maceió/AL. Eliana Cris*na de Souza Nélia Henriques Callado INTRODUÇÃO O controle de perdas em sistemas de abastecimento

Leia mais

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012 Estimativa dos tipos de perdas de água pelo método balanço hídrico no sistema de abastecimento de Goiatuba, Goiás Camila Cristina Rodrigues da Costa 1, Antônio Pasqualetto 2 1 Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

EFEITOS DA PESQUISA DE VAZAMENTOS NA REDUÇÃO DAS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

EFEITOS DA PESQUISA DE VAZAMENTOS NA REDUÇÃO DAS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG EFEITOS DA PESQUISA DE VAZAMENTOS NA REDUÇÃO DAS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Guilherme Resende Tavares (1) Graduado em Engenharia Ambiental pela Universidade Fumec. Antes de ingressar

Leia mais

Trabalho Definitivo. Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados. Tema: Abastecimento de Água

Trabalho Definitivo. Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados. Tema: Abastecimento de Água Trabalho Definitivo Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados Tema: Abastecimento de Água Autores: Cristina Helena Fukuda, Emy Kikuchi, Cristiane Costrov da Silva, Ivanir Joaquim

Leia mais

I-028 CONTROLE DE PERDAS ATRAVÉS DE MACROMEDIDORES ELETROMAGNÉTICOS

I-028 CONTROLE DE PERDAS ATRAVÉS DE MACROMEDIDORES ELETROMAGNÉTICOS I-28 CONTROLE DE PERDAS ATRAVÉS DE MACROMEDIDORES ELETROMAGNÉTICOS Kleber Castilho Polisel (1) Engenheiro Mecânico pela Universidade de Taubaté 1986. Especialização em Engenharia de Saneamento Básico pela

Leia mais

Gestão Operacional Total

Gestão Operacional Total Gestão Operacional Total Melhoria da Imagem perante aos Clientes e Mercado Melhoria de Produtos e Processos Preservação dos Recursos Hídricos Roberto Teruya Aurélio Fiorindo Filho Alessandra Pavaneli Sorza

Leia mais

EFICIÊNCIA HIDRÁULICA E ENERGÉTICA EM SANEAMENTO

EFICIÊNCIA HIDRÁULICA E ENERGÉTICA EM SANEAMENTO HEBER PIMENTEL GOMES EFICIÊNCIA HIDRÁULICA E ENERGÉTICA EM SANEAMENTO Análise Econômica de Projetos 2ª Edição Revisada e Ampliada Editora Universitária - UFPB João Pessoa 2009 2ª Edição: 2009 Editora Universitária

Leia mais

SEMINÁRIO WATER LOSS 2007

SEMINÁRIO WATER LOSS 2007 1º Encontro Técnico da Baixada Santista EFICIÊNCIA OPERACIONAL EM REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA SEMINÁRIO WATER LOSS 2007 IWA International Water Association BUCARESTE - ROMÊNIA Jairo Tardelli Filho MPI/Sabesp

Leia mais

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Foco na Gestão Comercial e Operacional Estamos vivenciando atualmente, uma profunda transformação no Setor de Saneamento. As Companhias

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE NATAL

AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE NATAL AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE NATAL RESOLUÇÃO Nº 002/2011, de 25 de maio de 2011. Dispõe sobre determinações a serem cumpridas pela CAERN, no âmbito do Município do

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA.

REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA. 05 a 07 de Dezembro de 2013 Salvador- BA REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA. Sérgio Ricardo dos Santos Silva (1) Engenheiro Civil,

Leia mais

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol Vice Presidente de Gestão e Assuntos Institucionais Resumo Planejamento das atividades de Infraestrutura de Saneamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1 AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ Rodrigo Fernandes Junqueira 1 Paulo José Alves Lourenço 2 Sandro Rogério Lautenschlager 3 RESUMO Neste trabalho

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil cristian sippel Diogo Angelo Stradioto Rio Grande Energia SA APS Engenharia de Energia

Leia mais

GESTÃO OPERACIONAL NO CONTROLE DE PERDAS NA CORSAN

GESTÃO OPERACIONAL NO CONTROLE DE PERDAS NA CORSAN GESTÃO OPERACIONAL NO CONTROLE DE PERDAS NA CORSAN 1º Seminário Nacional de Gestão e Controle de Perdas Porto Alegre/RS 13 e 14 de julho de 2015 REDUÇÃO DE PERDAS SOB A PERSPECTIVA FINANCEIRA 01) Garantir

Leia mais

I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA

I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA Evaristo C. Rezende dos Santos 2 José Almir R. Pereira 1 Lindemberg Lima Fernandes 2 Rui Guilherme

Leia mais

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP (1975). Mestre em Engenharia

Leia mais

1º Seminário Nacional de Gestão e Controle de Perdas de Água ABES-RS. Eng. Gustavo Lamon

1º Seminário Nacional de Gestão e Controle de Perdas de Água ABES-RS. Eng. Gustavo Lamon 1º Seminário Nacional de Gestão e Controle de Perdas de Água ABES-RS Eng. Gustavo Lamon JULHO DE 2015 TÓPICOS ABORDADOS NESTA APRESENTAÇÃO PRINCIPAIS NÚMEROS NO BRASIL PITOMETRIA SETORIZAÇÃO MACROMEDIDOR

Leia mais

Sistemas produtores capacidades

Sistemas produtores capacidades Sistemas produtores capacidades CAPACIDADES DE PRODUÇÃO ATUAIS SISTEMA INTEGRADO SISTEMA PRODUTOR Nominal Máxima (m³/s) (m³/s) Cantareira 33,0 35,0 Guarapiranga 14,0 15,0 Alto Tietê 10,0 12,0 Rio Claro

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES

I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES Abal Simões de Magalhães (1) Engenheiro Civil pela (UFBa/BA - 1982). Superintendente da Embasa na Região Metropolitana de

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas. Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento

Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas. Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento ABIMAQ / SINDESAM ABIMAQ Fundada em 1937, com 4.500 empresas representadas em 26 Câmaras Setoriais.

Leia mais

Controle de Indicadores por Setor de Manobra Ferramenta para o Gerenciamento de Redes

Controle de Indicadores por Setor de Manobra Ferramenta para o Gerenciamento de Redes Controle de Indicadores por Setor de Manobra Ferramenta para o Gerenciamento de Redes JOÃO RICARDO LETURIONDO PUREZA jpureza@comusa.com.br Responsável pelo setor de operação da Companhia, Eng Civil formado

Leia mais

DISTRITOS DE MEDIÇÃO E CONTROLE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DE PERDAS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA. José do Carmo de Souza Júnior

DISTRITOS DE MEDIÇÃO E CONTROLE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DE PERDAS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA. José do Carmo de Souza Júnior DISTRITOS DE MEDIÇÃO E CONTROLE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DE PERDAS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA José do Carmo de Souza Júnior AUTORES José do Carmo de Souza Júnior Companhia de Saneamento Básico do

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

Autores: Sérgio Oliveira Pinto de Assis Renavan Andrade Sobrinho Paulo Romero Guimarães Serrano de Andrade (JULHO / 2.010)

Autores: Sérgio Oliveira Pinto de Assis Renavan Andrade Sobrinho Paulo Romero Guimarães Serrano de Andrade (JULHO / 2.010) REDUÇÃO E CONTROLE DE PERDAS EM LINHAS TRONCO E REDES DISTRIBUIDORAS DE ÁGUA, POR MEIO DO MONITORAMENTO E REDUÇÃO DE PRESSÕES: CASOS EM SAAs DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR. Autores: Sérgio Oliveira

Leia mais

METODOLOGIA PARA ESTUDO DE PERDAS EM SETOR DE ABASTECIENTO DE ÁGUA. Eng. Adalberto Cavalcanti Coelho

METODOLOGIA PARA ESTUDO DE PERDAS EM SETOR DE ABASTECIENTO DE ÁGUA. Eng. Adalberto Cavalcanti Coelho METODOLOGIA PARA ESTUDO DE PERDAS EM SETOR DE ABASTECIENTO DE ÁGUA Eng. Adalberto Cavalcanti Coelho Resumo As perdas nas empresas de abastecimento de abastecimento de água do Brasil apresentam valores

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG Newton Morais e Silva (1) Engenheiro Mecânico pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em Computer Studies pela Essex University

Leia mais

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp COSEMA - FIESP Programas e Ações A da Sabesp para os grandes problemas da RMSP Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Evolução Populacional - RMSP Reversão da centrifugação Menor pressão

Leia mais

NOTA TÉCNICA CRFEF 07/2016

NOTA TÉCNICA CRFEF 07/2016 NOTA TÉCNICA CRFEF 07/2016 Programa de Controle de Perdas - Revisão Tarifária Periódica de 2016 da Companhia de Saneamento Municipal de Juiz de Fora Cesama (Versão Audiência Pública) Coordenadoria Técnica

Leia mais

Livro: Água pague menos água Engenheiro Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 11/12/2010. Capítulo 2. Nitro PDF Trial

Livro: Água pague menos água Engenheiro Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 11/12/2010. Capítulo 2. Nitro PDF Trial Capítulo 2 Medição individualizada e Monitoramento do consumo Estima-se que 80% de todas as moléstias e mais de um terço dos óbitos dos países em desenvolvimento sejam causados pelo consumo de águas contaminadas

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

A Política Pública da Medição Individualizada de Água em Condomínios

A Política Pública da Medição Individualizada de Água em Condomínios A Política Pública da Medição Individualizada de Água em Condomínios Eduardo Felipe Cavalcanti Especialista em Recursos Hídricos Agência Nacional de Águas Brasília/DF - Brasil Por que é uma boa política

Leia mais

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira APIMEC RIO Resultados do 1T12 Diretoria Econômico-Financeira e de Relações com Investidores Aviso Esta apresentação pode conter considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE VAZÃO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE GUARULHOS

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE VAZÃO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE GUARULHOS AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE VAZÃO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE GUARULHOS Thiago Garcia da Silva Santim (1) Engenheiro Civil e Mestre em Recursos Hídricos e Tecnologias Ambientais

Leia mais

VI Seminário Nacional de Saneamento Rural. SNIS Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento

VI Seminário Nacional de Saneamento Rural. SNIS Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento João Pessoa, 07 de novembro de 2012 Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental VI Seminário Nacional de Saneamento Rural SNIS Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento Sergio Brasil Abreu Departamento

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 1. Introdução Em 31 de dezembro de 2014 a SANEAGO operava os sistemas de abastecimento de água e coleta e/ou tratamento de esgoto de 225 dos 246 municípios do Estado de Goiás,

Leia mais

CDN Serviços de Água e Esgoto S.A. CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO

CDN Serviços de Água e Esgoto S.A. CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO OBJETIVOS PRINCIPAIS DA CONCESSÃO Redução das tarifas pagas pela INFRAERO e pelos concessionários;

Leia mais

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

Perdas de água Experiências e Tecnologias do Japão

Perdas de água Experiências e Tecnologias do Japão Seminário do Planejamento à Prática: Uso Sustentável dos Recursos Hídricos Perdas de água Experiências e Tecnologias do Japão Renata Sayuri Muranaka TOR-Departamento de Gestão do Programa Corporativo de

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água Setembro/2010 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A TÍTULO: Metodologia para Detecção de Vazamentos não Aparentes utilizando Armazenadores de Ruídos de Vazamento em Setores isolados na cidade de Campinas. AUTOR: Engº Paulo Sérgio Vicinança RESPONSÁVEL PELA

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA NO CAMPUS DO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE 05

IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA NO CAMPUS DO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE 05 IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA NO CAMPUS DO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE 05 Doalcey A. Ramos, Centro de Ciências Tecnológicas, doalcey@joinville.udesc.br

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Programa de Modernização do Setor Saneamento

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Programa de Modernização do Setor Saneamento PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Programa de Modernização do Setor Saneamento SEMINÁRIO SOBRE PROGRAMAS DE REDUÇÃO DE PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM

Leia mais

Taxa de ocupação e. no consumo per capita. As cidades representam demandas. Conexão

Taxa de ocupação e. no consumo per capita. As cidades representam demandas. Conexão 46 Hydro Janeiro 2013 Conexão Taxa de ocupação e o consumo per capita O crescimento da população urbana, o aumento do consumo per capita e a perspectiva de redução da oferta de água impõem a necessidade

Leia mais

Medidas de Combate às Perdas de Água

Medidas de Combate às Perdas de Água Medidas de Combate às Perdas de Água 2 As perdas de água em sistemas de abastecimento podem ser classificadas em físicas e não físicas. A classificação pelo tipo de perda facilita a identificação da medida

Leia mais

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Mierzwa, José Carlos Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada Saneamento no Brasil Definição: Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), saneamento é o controle de todos os fatores do meio físico do homem que exercem ou podem exercer efeitos nocivos sobre o bem

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O CONCUMO DE ÁGUA E A CONDIÇÃO SOCIOECONOMICA DA POPULAÇÃO DE CATALÃO - GO

RELAÇÃO ENTRE O CONCUMO DE ÁGUA E A CONDIÇÃO SOCIOECONOMICA DA POPULAÇÃO DE CATALÃO - GO RELAÇÃO ENTRE O CONCUMO DE ÁGUA E A CONDIÇÃO SOCIOECONOMICA DA POPULAÇÃO DE CATALÃO - GO Tobias Ribeiro Ferreira (*), Ed Carlo Rosa Paiva * Universidade Federal de Goiás, Professor do Departamento de Engenharia

Leia mais

TÍTULO: REUSO DA ÁGUA: UM MANEIRA VIÁVEL

TÍTULO: REUSO DA ÁGUA: UM MANEIRA VIÁVEL TÍTULO: REUSO DA ÁGUA: UM MANEIRA VIÁVEL ANANIAS DE PAULA LIMA NETO (UNIFOR) ananiasneto1@hotmail.com Ulisses Moreira de Lima (FA7) ulisses-ml@hotmail.com A água sendo um elemento natural limitado e essencial

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

II SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel IV: Saneamento Básico Palestra: Florianópolis, 13 de agosto de 2010

II SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel IV: Saneamento Básico Palestra: Florianópolis, 13 de agosto de 2010 II SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel IV: Saneamento Básico Palestra: Controle e redução de perdas de água e uso eficiente de energia em sistemas de abastecimento de água Eng. Airton Gomes

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

DMAE Departamento Municipal de Água e Esgotos

DMAE Departamento Municipal de Água e Esgotos DMAE Departamento Municipal de Água e Esgotos Eng. Adinaldo Soares de Fraga Coordenação de Manutenção de adutoras adinaldo@dmae.prefpoa.com.br Telefone: (51)3289-9855 Estrutura do Sistema de Água Extensão

Leia mais

Orçamento Estimativo - Programa de Desenvolvimento Operacional Desembolso no ano 2000

Orçamento Estimativo - Programa de Desenvolvimento Operacional Desembolso no ano 2000 1. Macromedição e Pitometria 1.1 Materiais e equipamentos aquisição de macromedidores aquisição de equip. de pitometria aquisição de veículo sub-total 1.1 1.2 Serviços contratação de serviço de instalação

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia

CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia ALINE LINHARES LOUREIRO PATRÍCIA CAMPOS BORJA LUIZ ROBERTO

Leia mais

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA A MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA COMO UM INSTRUMENTO PARA A DETECÇÃO DE PERDAS Empresa Baiana de Águas e Saneamento S. A. Diretoria Financeira e Comercial - DF O QUE É A MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA? Solução que visa

Leia mais

I-162 - SISTEMA DE BONIFICAÇÃO PELO USO DA ÁGUA NO BAIRRO JESUS DE NAZARETH - UMA PROPOSTA PILOTO PARA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA.

I-162 - SISTEMA DE BONIFICAÇÃO PELO USO DA ÁGUA NO BAIRRO JESUS DE NAZARETH - UMA PROPOSTA PILOTO PARA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA. I-162 - SISTEMA DE BONIFICAÇÃO PELO USO DA ÁGUA NO BAIRRO JESUS DE NAZARETH - UMA PROPOSTA PILOTO PARA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA. Eliane Amite Alabrin (1) Janaina Anita Marques Gonçalves Graduanda

Leia mais

EMPREGO DA PRESSÃO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO ENQUANTO INDICADOR DA QUALIDADE DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO

EMPREGO DA PRESSÃO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO ENQUANTO INDICADOR DA QUALIDADE DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO EMPREGO DA PRESSÃO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO ENQUANTO INDICADOR DA QUALIDADE DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO Daniel Manzi (1) Engenheiro Civil, Mestre em Hidráulica e Saneamento (EESC/USP), Doutorando

Leia mais

INSPEÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA A COBRANÇA DOS ESGOTOS

INSPEÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA A COBRANÇA DOS ESGOTOS INSPEÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA A COBRANÇA DOS ESGOTOS O Daae (Departamento Autônomo de Água e s) está inspecionando os poços artesianos dos estabelecimentos comerciais, industriais

Leia mais

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO PAULO ROBERTO GUEDES (Maio de 2015) É comum o entendimento de que os gastos logísticos vêm aumentando em todo o mundo. Estatísticas

Leia mais

CONHECIMENTO DE MERCADO A ANÁLISE DA SEGMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA RECUPERAÇÃO DE RECEITA

CONHECIMENTO DE MERCADO A ANÁLISE DA SEGMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA RECUPERAÇÃO DE RECEITA CONHECIMENTO DE MERCADO A ANÁLISE DA SEGMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA RECUPERAÇÃO DE RECEITA Presidencia Diretoria Superintendencia Candiadata OC Div. Gdes. Consumidores Pólo de Comunicação Administrativo

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Patricia Viero Minussi Aes Sul Distribuidora Gaúcha de Energia patricia.minussi@aes.com

Leia mais

CORSAN GESTÃO DE CUSTOS

CORSAN GESTÃO DE CUSTOS CORSAN GESTÃO DE CUSTOS 3 Seminário de Boas Práticas de Gestão PGQP Porto Alegre, novembro 2015 A CORSAN EM GRANDES NÚMEROS 7 Milhões de Gaúchos 316 Municípios Atendidos Faturamento 2014 R$ 1,9 Bilhão

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

PERFIL DO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA

PERFIL DO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA PERFIL DO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA São Paulo 2009 CONTEÚDO 1. PERFIL DO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA... 3 1.1 O segmento... 3 1.2 As empresas... 6 1.3 - Postos de trabalho

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO

PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC 2 SELEÇÃO 2013 ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO

Leia mais

Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA

Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA 413 Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA Maria Isabel Cacimiro Xavier Estudante de Graduação em Gestão Ambiental, IFPB,

Leia mais

CON O TR T AT A O T : O C : SS 2 SS.2.

CON O TR T AT A O T : O C : SS 2 SS.2. : CONTRATO: CSS 2.213/03 Prestação de Serviços Técnicos Especializados de Engenharia para o desenvolvimento do Programa de Redução das Perdas Globais e Avaliação da Sua Eficiência e Viabilidade Econômica

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE HIDRÔMETROS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE HIDRÔMETROS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE HIDRÔMETROS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Fernando Inácio dos Santos (1) Engenheiro Civil pela Escola de Engenharia de Taubaté. Especialista em Engenharia Sanitária pela

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL A orientação padrão para a elaboração da PROPOSTA DE TARIFA REFERENCIAL DE ÁGUA (TRA) e TARIFA REFERENCIAL DE ESGOTO objetiva propiciar a Comissão:

Leia mais

Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança

Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança Seminário Cobrança pelo Uso dos Recursos Hídricos Urbanos e Industriais Comitê da Bacia Hidrográfica Sorocaba e Médio Tietê Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança Sorocaba, 10 de setembro

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148 PROGRAMA Nº- 148 GESTÃO E CONTROLE DE PERDAS FUNÇÃO: 17 SANEAMENTO SUB-FUNÇÃO: 512 SANEAMENTO BÁSICO URBANO - Reduzir perdas de água reais e aparentes; reduzir os custos de exploração, produção e distribuição

Leia mais

30 AVALIAÇÃO DO EMPREENDIMENTO

30 AVALIAÇÃO DO EMPREENDIMENTO 30 AVALIAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Quanto ao projeto de melhoria ambiental da bacia do reservatório Billings, os 5 projetos seguintes foram propostos como projetos prioritários: Obras de São Bernardo do Campo

Leia mais

TÍTULO: PADRONIZAÇÃO DAS LIGAÇÕES DE ÁGUA DE CAMPINAS - FERRAMENTA PARA REDUÇÃO DE PERDAS

TÍTULO: PADRONIZAÇÃO DAS LIGAÇÕES DE ÁGUA DE CAMPINAS - FERRAMENTA PARA REDUÇÃO DE PERDAS TÍTULO: PADRONIZAÇÃO DAS LIGAÇÕES DE ÁGUA DE CAMPINAS - FERRAMENTA PARA REDUÇÃO DE PERDAS Autor: Maurício André Garcia: Cargo atual: Coordenador Técnico de Micromedição e Uso Racional Formação: Tecnologia

Leia mais

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 INTRODUÇÃO Reconhecendo a importância da oferta de saneamento para a melhoria da infraestrutura

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA EM PRÉDIOS POPULARES COM MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA NA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA.

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA EM PRÉDIOS POPULARES COM MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA NA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA. AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA EM PRÉDIOS POPULARES COM MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA NA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA. AUTORES: Engº MSc SÉRGIO RICARDO DOS S. SILVA Engº MSc EDUARDO COHIM SISTEMAS PREDIAIS SUSTENTÁVEIS

Leia mais

O VALOR AGREGADO DA LEITURA SIMULTÂNEA

O VALOR AGREGADO DA LEITURA SIMULTÂNEA O VALOR AGREGADO DA LEITURA SIMULTÂNEA Daisy Menezes, Assessora de Planejamento e Gestão Comercial, CEDAE, Rio de Janeiro, Brasil UM AVANÇO NA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS x DIFICULDADES ENCONTRADAS

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Consumo de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia

Leia mais

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica.

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica. PROJETO ATUALIZAR 2015 TEMA SISTEMA CANTAREIRA DATA DE APLICAÇÃO 09 a 13/03/2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS Cristiane e Felipe 1. SUGESTÕES DE PONTOS QUE PODEM SER ABORDADOS 1.1. A importância da água 1.2.

Leia mais