METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP."

Transcrição

1 METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP. Silvano Silvério da Costa * Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos SAAE Engenheiro Civil pela Faculdade de Engenharia da FUMEC Mestre em Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos pela UnB. Ex-Gerente do Programa de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano FUNASA/MS. Atualmente é Diretor de Operação e Manutenção do SAAE de Guarulhos e Presidente da ASSEMAE. Sérgio Braga Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos SAAE Engenheiro Civil e Sanitarista - Departamento de Operação e Manutenção do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos SAAE. Luiz Eduardo Mendes Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos SAAE Tecnólogo em Obras Hidráulicas pela FATEC SP Chefe do Centro Operacional Cidade Martins - Departamento de Manutenção e Operação Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos SAAE. Cícero Felipe Guarnieri Ribeiro Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos SAAE Engenheiro Mecânico pela USJT SP 1996.Técnico em Mecânica pela E.Técnica Liceu de Artes e Ofícios SP _ 1990 Chefe do Centro Operacional Gopoúva - Departamento de Operação e Manutenção do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos SAAE. (*) Rua Coral, número 55, apartamento 503 Guarulhos São Paulo Brasil Tel.: +55(11) Fax: +55(11) Palavras Chave: Redução de Perdas, Áreas Piloto Declaramos estar de pleno acordo com as condições estabelecidas pelo regulamento para a apresentação de Trabalhos Técnicos submetendo-nos às mesmas. Luiz Eduardo Mendes

2 METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP. 1. Objetivo do trabalho Este trabalho tem como objetivo a apresentação das ações em andamento para implantação de Áreas Piloto destinadas à implantação do Programa Permanente de Combate às Perdas de Água no âmbito desta autarquia. A principal função dessas áreas é a qualificação e quantificação das perdas (reais e aparentes), bem como, possibilitar a construção de indicadores para acompanhamento e comparação, de forma regionalizada explicitando as características principais de cada área. 2. INTRODUÇÃO A partir do inicio do ano de 2001, verificou-se no sistema de abastecimento de Guarulhos um significativo avanço em sua qualidade, esta melhora se deve principalmente às seguintes ações: intervenções no sistema de distribuição de água, geralmente de pequeno porte, que tiveram como principal finalidade à eliminação de limitações na rede; redução do déficit de água, através do aumento de oferta, o que se deu através da perfuração de poços na região dos bairros de São João e das Lavras, construção da ETA Cabuçu e um incremento nas vazões aduzidas através do Sistema Adutor Metropolitano, operado pela Sabesp. Apesar das melhorias mencionadas acima, não foi possível a eliminação da demanda reprimida existente na cidade, motivo pelo qual algumas áreas do município ainda são abastecidas através do sistema rodízio de abastecimento, isso aliado ao elevado índice de perdas vem a enfatizar a necessidade de ações para o controle e redução das perdas. Em vista disso o Comitê de Perdas, responsável pela elaboração das ações de controle e redução das mesmas, optou pela implantação de áreas piloto, onde fosse possível testar as várias alternativas para redução das perdas e mensurar o efeito de cada uma delas, definindo dessa forma as metodologias que podem ser utilizadas nos demais setores de abastecimento do sistema de distribuição do SAAE. 3. METODOLOGIA 3.1. Definição das Áreas Piloto. Para definição dos setores de abastecimento, onde se implantou as Áreas Piloto, foram utilizadas algumas premissas básicas tais como: Facilidade de isolamento do setor; histórico de pressões altas; número de manutenções elevado; abastecimento pleno; 2

3 idade das redes primárias e secundárias; existência de áreas não urbanizadas; existência das quatro categorias de consumidores residencial, comercial, industrial e pública. Após verificação nos cadastros do SAAE e levantamentos de campo duas áreas foram selecionadas: Setor Jardim Munhoz: Setor anteriormente abastecido por derivação de adutora do SAM, onde era aproveitada a pressão residual existente, com a diminuição da mesma foi necessário o abastecimento através de elevatória a partir do Reservatório Gopouva, que é abastecido pelo Sistema Cantareira, abaixo listamos as principais características do setor. Ligações 5049 un; Economias 5822 un; Extensão de Rede m; Pressão mínima 12 mca; Pressão máxima 73 mca; Número de manutenções mensal 58 un Setor Parque Continental (Zona Média e Alta): Setor com histórico de rodízio por vários anos, a partir de novembro de 2002 com o início de operação da ETA Cabuçu, passou a contar com abastecimento contínuo através de elevatória existente do Reservatório Continental, em função das grandes variações altimétricas existentes, boa parte do setor apresenta pressões acima dos limites da norma. Ligações: 4150 un; economias: 5080 un; extensão de Rede: m; pressão mínima 25 mca; pressão máxima 85 mca; número de manutenções mensal: 95 ocorrências Qualificação, Quantificação das Perdas e Construção de Indicadores Quantificação dos Volumes Aduzidos e Consumidos. Para quantificação dos volumes aduzidos para as Áreas Piloto, foram instalados medidores de vazão tipo turbina, dotados de totalizadores que indicam o volume total aduzido para o setor. Para garantia da confiabilidade dos dados fornecidos pelo medidor os mesmo foram aferidos através de Tubo de Pitot. Foi necessária a adequação das rotas de leitura para igualar os períodos de leitura dos hidrômetros e da macromedição para o cálculo do índice percentual de perdas. 3

4 Qualificação das Perdas. A qualificação das perdas dar-se-á através dos recentes estudos concluídos pela IWA-International Water Association, onde foram apresentadas uma série de inovações conceituais já utilizadas em vários países. A metodologia recomendada pela IWA consiste em: Determinação dos componentes das perdas através da realização de um balanço hídrico, conforme apresentados no quadro 01 anexo, e descritos a seguir; Proposição de indicadores padronizados relacionados com as perdas de água; Utilização da vazão mínima noturna como instrumento de avaliação das perdas reais; Adoção do conceito de vazamentos inerentes Introdução de variável relativa à pressão de operação da rede como fator decisivo na quantificação dos volumes de perdas de água Descrição dos Componentes do Balanço Hídrico. Coluna 1: VI Volume importado. É o volume anual de água tratada transferida de outros sistemas de abastecimento (por exemplo, os volumes adquiridos, no atacado, da SABESP); VPP Volume proveniente de Mananciais próprios (volumes produzidos nas Estações de Tratamento e nos poços profundos do SAAE); Coluna 2: VDIS volume anual de água tratada que aflui ao sistema de distribuição; Coluna 3: VEx volume exportado para outros municípios, através de derivações da rede de distribuição do SAAE; VU volume retido no próprio município, ou seja, diferença entre o volume de entrada no sistema de distribuição e o volume exportado. Coluna 4: VA volume correspondente ao consumo autorizado. VP Volume de perdas totais (perda real mais a aparente) na distribuição. Coluna 5: VM volume do consumo medido (inclui o volume exportado) - parcela do consumo autorizado que é medido; VE parcela do consumo autorizado que é estimado; 4

5 CNA volume referente aos consumos não autorizados em áreas ocupadas irregularmente, ligações clandestinas e fraudes, ligações cortadas por inadimplência e outros consumos não autorizados; VET Volume resultante do erro de medição (micro e macromedição) e de incorreções no tratamento de dados pelo sistema comercial nos procedimentos internos à Autarquia.. VPRS Volume de perdas em reservatórios (extravasamentos, lavagens e vazamentos), elevatórias e boosters. VPAD vazamentos em adutoras e redes. VDA descargas em adutoras, redes e lavagens de reservatórios domiciliares (em casos de alteração da qualidade da água). VPL Vazamentos em ramais de ligação até o ponto de medição do cliente. Coluna 6: VM1 volume micromedido em ligações ativas (residencial, comercial, industrial e público). VM2 volume fornecido por caminhões pipa (parcela medida e vendida). VM3 Volume medido nos próprios do SAAE. VM4 - volume fornecido por caminhões pipa (parcela medida e não vendida). VM5 Outros volumes autorizados, medidos e não vendidos. VE1 Volume estimado por média em ligações hidrometradas, nos casos onde não é realizada a leitura; VE2 Volume estimado em ligações sem hidrômetros; VE3 Volume estimado nos próprios do SAAE. Será eliminada brevemente, em função da instalação de hidrômetros neste locais; VE4 Volume limpeza e desinfecção de redes de água; VE5 Volumes de coletores de esgoto; VE6 Volume de lavagem programada de reservatórios; VE7 Volume utilizado no combate a incêndios; VE8 Outros volumes autorizados, estimados e não vendidos. VPA1 - consumo não autorizado em favelas e invasões; VPA2 consumo em outras ligações clandestinas; VPA3 consumo não autorizado em ligações cortadas; VPA4 volumes de fraudes em ligações ativas; VPA5 Outros consumos não autorizados; VPA6 - Erro de macromedição; VPA7 Erro de micromedição; VPA8 Erros na estimativa de consumo em ligações sem hidrômetros; VPA9 Perda referente a consumos acumulados antes da primeira leitura e não vendidos (esta variável deverá ser eliminada); VPR1 Vazamentos em reservatórios de distribuição; VPR2 - volumes de lavagem de reservatórios em função de problemas operacionais; VPR3 Extravasamentos em reservatórios de distribuição; 5

6 VPR4 Vazamentos em estações elevatórias e boosters; VPR5 Vazamentos nas adutoras e subadutoras; VPR6 vazamentos nas redes de distribuição; VPR7 Descargas em manutenção de redes e adutoras; VPR8 - Descargas sanitárias em redes e adutoras, motivadas pela ocorrência de alterações na qualidade da água distribuída; VPR9 Volume de lavagem de reservatórios domiciliares em função de contaminação da rede; VPR10 Vazamentos nas ligações prediais (trecho desde a conexão de derivação da rede até o hidrômetro) Coluna 7: Volume Adicional faturado pela cobrança de consumos mínimos: diferença entre os volumes faturados e os volumes efetivamente medidos; Somatória dos volumes exportados. Volume de compensação com SABESP ; VC Volumes vendidos ou volumes comercializados (geradores de receita) VNC - Volumes não vendidos ou não comercializados (não geradores na receita) VPA Volume de perda aparente na distribuição. VPR Volume de perda real na distribuição Levantamento das Variáveis Para o levantamento das diversas variáveis que permitirão a obtenção dos valores necessários para o balanço hídrico dentro das áreas piloto serão obtidos da seguinte forma; 1. Vazão mínima noturna: Será obtida através dos macromedidores instalados na entrada dos setores; 2. Medição dos consumos autorizados e não pagos: Instalação de medidores para mensurar esses volumes, quando houver; 3. Levantamento dos diversos volumes faturados: a serem fornecidos pelo Departamento Comercial; 4. Levantamento dos volumes não faturados: Nesse item haverá o fornecimento de dados do Departamento Comercial, tais como os relativos a erros de leitura, e os provenientes de volumes perdidos com vazamentos em redes, a serem obtidos a partir da vazão mínima noturna e aos diversos consumos noturnos. 3. Construção de Indicadores Para um efetivo gerenciamento das intervenções, acompanhamento dos resultados obtidos e comparação entre as duas áreas escolhidas, bem como, com o restante do município faz-se necessário a construção e utilização de diversos indicadores, tais como: 3.1. Indicadores Percentuais de Perdas Índice de Perdas de Faturamento; índice de Perdas Totais; índice de Perdas Reais; 6

7 índice de Águas não Comercializadas Indicadores Técnicos de Perdas Índice de Perda Total por Ramal; índice de Perda Real por Ramal; índice de Perda Aparente por Ramal; índice de vazamentos de infra-estrutura; índice de Perdas Reais Associados à Pressão Indicadores de Infra-estrutura Índice de Macromedição; índice de adequação da macromedição; indicador do nível de hidrometração; indicador do nível de adequação dos hidrômetros; índice de vazamentos visíveis na rede; índice de vazamentos visíveis no ramal; índice de vazamentos em cavaletes; índice de pressão adequada. 3.4.Indicadores das ações de controle de perdas Índice de detecção de vazamentos; índice de vazamentos detectados, por extensão de rede; tempo médio de atendimento a reparos de rede; indicador do nível de ligações inativas; indicador de oferta de água bruta por economia residencial; indicador do consumo de água por economia residencial. 4.Resultados Esperados Após a implantação da totalidade das ações expostas acima se espera conseguir uma metodologia confiável para a mensuração, controle e redução perdas de água e que essa metodologia possa ser aplicada para os outros setores de abastecimento do sistema do SAAE de Guarulhos, bem como para as demais empresas e autarquias do setor de saneamento. 7

8 QUADRO 1: QUADRO PROPOSTO PELA IWA - INTERNATIONAL WATER ASSOCIATION PARA A REALIZAÇÃO DO BALANÇO HÍDRICO Volume importado SABESP (VI) Volume de mananciais próprios (VPP) Volume de entrada no sistema de distribuição de água de Guarulhos (VDIS) Volume exportado para outros municípios (VEX) Volume utilizado no sistema de distribuição de água de Guarulhos (VU) Volume autorizado (consumo) (VCA) Volume de perdas na distribuição (perda total na distribuição) (VPT) Volume medido (consumo medido) (VCM) Volume estimado (consumo estimado) (VCE) Consumo não autorizado (VNA) Erro de medição & erro no tratamento de dados (VET) Perdas em reservatórios, elevatórias e boosters (PRT) Vazamentos em adutoras e redes (VAR) Descargas em adutoras, redes e lavagens de reservatórios prediais (VDA) Derivação 1 (VEX1) Derivação 2 (VEX2) Derivação n (VEXn) Volume micromedido em ligações ativas (residencial, comercial, industrial, público) (VCM1) Volume fornecido por caminhão pipa (parcela medida e vendida) (VCM2) Volume medido nos próprios do SAAE (VCM3) Volume fornecido por caminhões pipa (parcela medida e não vendida) (VCM4) Outros volumes autorizados medidos e não vendidos (VCM5) Volume estimado por média em ligações hidrometradas (VCE1) Volume estimado em ligações sem hidrômetro (VCE2) Volume estimado nos próprios do SAAE (VCE3) Limpeza e desinfecção de redes de água (VCE4) Limpeza de coletores de esgoto (VCE5) Volume de lavagem programada de reservatórios (VCE6) Volume utilizado no combate a incêndio (VCE7) Outros volumes autorizados estimados e não vendidos (VCE8) Consumo não autorizado em favelas e invasões (VPA1) Consumo em outras ligações clandestinas (VPA2) Consumo não autorizado em ligações cortadas (VPA3) Volumes de fraudes em ligações ativas (VPA4) Outros consumos não autorizados (VPA5) Erro de macromedição (VPA6) Erro da micromedição (VPA7) Erros na estimativa de consumo em ligações sem hidrômetros (VPA8) Perda referente a consumos acumulados antes da primeira leitura e não vendidos (VPA9) Vazamentos em reservatórios de distribuição (VPR1) Volume de lavagem de reservatórios em função de problemas operacionais (VPR2) Extravasamentos em reservatórios de distribuição (VPR3) Vazamentos em estações elevatórias e boosters (VPR4) Vazamentos nas adutoras e subadutoras (VPR5) Vazamentos nas redes de distribuição (VPR6) Descargas em manutenção de redes e adutoras (VPR7) Descargas sanitárias em redes e adutoras (VPR8) Volume de lavagem de reservatórios domiciliares em função de contaminação da rede (VPR9) Vazamentos em ramais até o ponto Vazamentos nas ligações prediais (trecho desde a conexão de derivação até de medição do cliente (VRL) hidrômetro) (VPR10) Volume adicional faturado pela cobrança de consumos mínimos (VAJ) Compensação na adução-sabesp Volume vendido (VV1) Volume não vendido (VNV1) Volume vendido (VV2) Volume não vendido (usos próprios e operacionais legítimos) (VNV2) Volume não vendido (VNV3) Volume de perda aparente na distribuição (VPA) Volume de perda real na distribuição (VPR) 8

9 9

A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DE PERDAS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM GUARULHOS - SP

A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DE PERDAS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM GUARULHOS - SP A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DE PERDAS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM GUARULHOS - SP Sérgio Braga* Engenheiro Civil e Sanitarista Diretor do Departamento de Obras Cícero Felipe

Leia mais

REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL.

REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL. REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL. TEMA DO TRABALHO: ABASTECIMENTO DE ÁGUA Nome dos Autores: Luiz Eduardo Mendes Divisão de Manutenção e Operação Cargo: Engenheiro Civil - Formação:

Leia mais

Medidas de Combate às Perdas de Água

Medidas de Combate às Perdas de Água Medidas de Combate às Perdas de Água 2 As perdas de água em sistemas de abastecimento podem ser classificadas em físicas e não físicas. A classificação pelo tipo de perda facilita a identificação da medida

Leia mais

PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE

PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE SUMÁRIO EXECUTIVO ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

NOTA TÉCNICA CRFEF 07/2016

NOTA TÉCNICA CRFEF 07/2016 NOTA TÉCNICA CRFEF 07/2016 Programa de Controle de Perdas - Revisão Tarifária Periódica de 2016 da Companhia de Saneamento Municipal de Juiz de Fora Cesama (Versão Audiência Pública) Coordenadoria Técnica

Leia mais

SEMINÁRIO WATER LOSS 2007

SEMINÁRIO WATER LOSS 2007 1º Encontro Técnico da Baixada Santista EFICIÊNCIA OPERACIONAL EM REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA SEMINÁRIO WATER LOSS 2007 IWA International Water Association BUCARESTE - ROMÊNIA Jairo Tardelli Filho MPI/Sabesp

Leia mais

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA A PERDA DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO PÚBLICO O índice de perdas é um dos principais indicadores da eficiência da operação dos

Leia mais

PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS FÍSICAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS

PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS FÍSICAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS FÍSICAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS TEMA I: ABASTECIMENTO DE ÁGUA AUTORES: Silvano Silvério da Costa: Ex-Diretor de Manutenção e Operação do SAAE de Guarulhos.

Leia mais

UTILIZADORES DE REDUTORES DE VAZÃO NA REDUÇÃO DO TEMPO DE RECUPERAÇÃO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO

UTILIZADORES DE REDUTORES DE VAZÃO NA REDUÇÃO DO TEMPO DE RECUPERAÇÃO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO UTILIZADORES DE REDUTORES DE VAZÃO NA REDUÇÃO DO TEMPO DE RECUPERAÇÃO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO Luiz Eduardo Mendes (1) Engenheiro Civil formado pela FESP, Tecnólogo em Obras Hidráulicas pela Fatec-SP.

Leia mais

1 CONSUMO DE ÁGUA COMERCIAL PÚBLICO

1 CONSUMO DE ÁGUA COMERCIAL PÚBLICO 1 1 CONSUMO DE ÁGUA 1.1 USOS DA ÁGUA DOMÉSTICO (Residencial) COMERCIAL CLASSES DE CONSUMO INDUSTRIAL PÚBLICO PERDAS E FUGAS DOMÉSTICO (litros / habitante / dia) BEBIDAS E COZINHA 10 20 LAVAGEM DE ROUPA

Leia mais

A seguir faz-se a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: Captação e Adução de Água Bruta ( trecho por gravidade )

A seguir faz-se a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: Captação e Adução de Água Bruta ( trecho por gravidade ) 3.2 UBÁ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul O sistema de abastecimento de água de Ubá é operado e mantido pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA,

Leia mais

Programa de Redução de Perdas de Água e Eficiência Energética ÍNDICE Visão Geral das Perdas na SABESP Programa de Redução de Perdas de Água e Eficiência Energética Benefícios do Programa Visão Geral das

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil cristian sippel Diogo Angelo Stradioto Rio Grande Energia SA APS Engenharia de Energia

Leia mais

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS 1 Sumário 1. Equilíbrio econômico-financeiro metropolitano...3 2. Proposta econômico-financeira

Leia mais

Trabalho Definitivo. Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados. Tema: Abastecimento de Água

Trabalho Definitivo. Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados. Tema: Abastecimento de Água Trabalho Definitivo Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados Tema: Abastecimento de Água Autores: Cristina Helena Fukuda, Emy Kikuchi, Cristiane Costrov da Silva, Ivanir Joaquim

Leia mais

Programa Corporativo de Redução de Perdas de Água da Sabesp

Programa Corporativo de Redução de Perdas de Água da Sabesp Workshop Inovação e Tecnologias Globais em Saneamento Programa Corporativo de Redução de Perdas de Água da Sabesp Eric C Carozzi 29.07.2014 Visão geral das Perdas de Água na Sabesp - Balanço Hídrico Balanço

Leia mais

V- 017 ESTIMATIVA DA TARIFA DE ESGOTO SANITÁRIO COM BASE NO CONSUMO PER CAPITA DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS COM POÇO ARTEZIANO

V- 017 ESTIMATIVA DA TARIFA DE ESGOTO SANITÁRIO COM BASE NO CONSUMO PER CAPITA DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS COM POÇO ARTEZIANO V- 017 ESTIMATIVA DA TARIFA DE ESGOTO SANITÁRIO COM BASE NO CONSUMO PER CAPITA DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS COM POÇO ARTEZIANO José Almir Rodrigues Pereira (1) Engenheiro Sanitarista pela UFPA. Mestre

Leia mais

Programa de Redução de Perdas na Baixada Santista Eng. Joaquim Hornink Filho

Programa de Redução de Perdas na Baixada Santista Eng. Joaquim Hornink Filho Programa de Redução de Perdas na Baixada Santista Eng. Joaquim Hornink Filho Unidade de Negócio Baixada Santista População Fixa 1800.000 habitantes População Alta Temporada 4.000.000 habitantes Domicílios

Leia mais

Perdas em Sistemas de Abastecimento de Água

Perdas em Sistemas de Abastecimento de Água Universidade Mackenzie Perdas em Sistemas de Abastecimento de Água Dante Ragazzi Pauli Presidente ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental S. Paulo, fevereiro 2014 Conceitos Sistema

Leia mais

II SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel IV: Saneamento Básico Palestra: Florianópolis, 13 de agosto de 2010

II SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel IV: Saneamento Básico Palestra: Florianópolis, 13 de agosto de 2010 II SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel IV: Saneamento Básico Palestra: Controle e redução de perdas de água e uso eficiente de energia em sistemas de abastecimento de água Eng. Airton Gomes

Leia mais

Gestão de Economias com o Serviço de Tratamento de Esgoto Melhorias no Processo para a Universalização do Saneamento.

Gestão de Economias com o Serviço de Tratamento de Esgoto Melhorias no Processo para a Universalização do Saneamento. Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento IGS Gestão de Economias com o Serviço de Tratamento de Esgoto Melhorias no Processo para a Universalização do Saneamento.

Leia mais

I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES

I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES Abal Simões de Magalhães (1) Engenheiro Civil pela (UFBa/BA - 1982). Superintendente da Embasa na Região Metropolitana de

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A TÍTULO: MONITORAMENTO DE ÁREAS DE ABASTECIMENTO COM AVALIAÇÃO TÉCNICA E ECONÔMICA. COMO A SANASA REALIZA? Nome do Autor/Apresentador: Ivan de Carlos Cargo atual: Engenheiro, formação em Engenharia Civil,

Leia mais

O Plano de Negócios deverá ser apresentado de acordo com os quadros apresentados abaixo.

O Plano de Negócios deverá ser apresentado de acordo com os quadros apresentados abaixo. ANEXO 7 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL O objetivo da PROPOSTA COMERCIAL é a definição, por parte da LICITANTE, do valor da oferta pela Outorga da Concessão da Prestação do Serviço Público

Leia mais

9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário

9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário 171 9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário Com a finalidade de alcançar os objetivos e metas estabelecidas no PMSB de Rio Pardo sugerem-se algumas ações,

Leia mais

Metodologia para Redução de Perdas no Japão

Metodologia para Redução de Perdas no Japão Metodologia para Redução de Perdas no Japão Case de Sucesso EFICAZ Project Objetivos da Palestra Compreensão do básico do básico de controle de perdas Apresentação de casos japoneses Aproveitamento destas

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

Gestão de Perdas. Glauco Montagna

Gestão de Perdas. Glauco Montagna Gestão de Perdas Glauco Montagna Agenda 1. A perda de água 2. Gestão de perda de água 3. Redes de água inteligentes 4. Caso de Sucesso Componentes (1) Componentes (2) A perda de água é a somatória de:

Leia mais

A EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA COMO ALIADA NO COMBATE ÁS PERDAS e a melhora da eficiência operacional.

A EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA COMO ALIADA NO COMBATE ÁS PERDAS e a melhora da eficiência operacional. A EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA COMO ALIADA NO COMBATE ÁS PERDAS e a melhora da eficiência operacional. Mariano Michael Bergman Gerente de Produtos & Sistemas LAM Preparado especialmente para ASSEMAE 9º Seminário

Leia mais

MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA)

MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA) MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA) SUMÁRIO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES... 4 1. SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA...

Leia mais

Concepção de um Sistema de Abastecimento de Água

Concepção de um Sistema de Abastecimento de Água Concepção de um Sistema de Abastecimento de Água Introdução Em geral, não há uma solução única para um projeto de sistema de abastecimento de água Uma mesma opção pode admitir diferentes: variantes, formas

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE ITAPOÁ NAS ÁREAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE ITAPOÁ NAS ÁREAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE ITAPOÁ NAS ÁREAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E O QUE É? POR QUE ELABORAR O PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO? É o principal instrumento para o planejamento

Leia mais

Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas. Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento

Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas. Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento ABIMAQ / SINDESAM ABIMAQ Fundada em 1937, com 4.500 empresas representadas em 26 Câmaras Setoriais.

Leia mais

9 PROGRAMAS, AÇÕES E PROJETOS PARA ATENDIMENTO DAS METAS

9 PROGRAMAS, AÇÕES E PROJETOS PARA ATENDIMENTO DAS METAS 161 9 PROGRAMAS, AÇÕES E PROJETOS PARA ATENDIMENTO DAS METAS 162 A partir das projeções apresentadas no capítulo anterior e para se considerar os elementos indicados no diagnóstico, foram estabelecidos

Leia mais

I-035 - DIAGNÓSTICO, USO DA ÁGUA E PARAMETRIZAÇÃO DE CONSUMO DE ÁGUA EM POSTOS DE GASOLINA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

I-035 - DIAGNÓSTICO, USO DA ÁGUA E PARAMETRIZAÇÃO DE CONSUMO DE ÁGUA EM POSTOS DE GASOLINA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO I-035 - DIAGNÓSTICO, USO DA ÁGUA E PARAMETRIZAÇÃO DE CONSUMO DE ÁGUA EM POSTOS DE GASOLINA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Noemi Christina Hernandez 1 Engenheira Química formada pela Escola de Engenharia

Leia mais

AVALIAÇÃO DA MANUTENÇAO PREVENTIVA EM HIDRÔMETROS INSTALADOS NA CIDADE DE PIRACICABA, SP

AVALIAÇÃO DA MANUTENÇAO PREVENTIVA EM HIDRÔMETROS INSTALADOS NA CIDADE DE PIRACICABA, SP AVALIAÇÃO DA MANUTENÇAO PREVENTIVA EM HIDRÔMETROS INSTALADOS NA CIDADE DE PIRACICABA, SP Daniel Manzi 1 e José Ronaldo da Silva 2 Resumo: A manutenção de um parque confiável de hidrômetros assume fundamental

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE VAZÃO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE GUARULHOS

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE VAZÃO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE GUARULHOS AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE VAZÃO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE GUARULHOS Thiago Garcia da Silva Santim (1) Engenheiro Civil e Mestre em Recursos Hídricos e Tecnologias Ambientais

Leia mais

Saneamento Básico Municipal

Saneamento Básico Municipal Saneamento Básico Municipal Apresentação COMISSÃO INTERNA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Componentes da Comissão Instituídos pela Portaria N 019/2015 e 031/2015. Carina Aparecida

Leia mais

Conteúdo Gestão Avançada de Sistemas de Abastecimento de Água. Factores que influenciam as perdas reais. Factores que influenciam as perdas aparentes

Conteúdo Gestão Avançada de Sistemas de Abastecimento de Água. Factores que influenciam as perdas reais. Factores que influenciam as perdas aparentes Gestão Avançada de Sistemas de Abastecimento de Tema 5 - Gestão da eficiência dos s Parte II: Controlo de perdas de Dídia Covas didia.covas@civil.ist.utl.pt; didia.covas@gmail.com) IST, 2, 9 e 16 de Junho

Leia mais

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012 Estimativa dos tipos de perdas de água pelo método balanço hídrico no sistema de abastecimento de Goiatuba, Goiás Camila Cristina Rodrigues da Costa 1, Antônio Pasqualetto 2 1 Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

COMBATE AS VIOLAÇÕES

COMBATE AS VIOLAÇÕES TÍTULO: COMBATE AS VIOLAÇÕES AUTORES: VALÉRIA TARTARI Gerente Comercial desde 2003. Pedagoga com pós-graduação em Administração Financeira e cursando pósgraduação em Marketing, ambas pela Unifei S.B.C.

Leia mais

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Foco na Gestão Comercial e Operacional Estamos vivenciando atualmente, uma profunda transformação no Setor de Saneamento. As Companhias

Leia mais

EFEITOS DA PESQUISA DE VAZAMENTOS NA REDUÇÃO DAS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

EFEITOS DA PESQUISA DE VAZAMENTOS NA REDUÇÃO DAS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG EFEITOS DA PESQUISA DE VAZAMENTOS NA REDUÇÃO DAS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Guilherme Resende Tavares (1) Graduado em Engenharia Ambiental pela Universidade Fumec. Antes de ingressar

Leia mais

INDICADORES SANITÁRIOS COMO SENTINELAS NA PREVENÇÃO E CONTROLE DA MORTALIDADE INFANTIL UMA EXPERIÊNCIA UTILIZANDO O SISAGUA

INDICADORES SANITÁRIOS COMO SENTINELAS NA PREVENÇÃO E CONTROLE DA MORTALIDADE INFANTIL UMA EXPERIÊNCIA UTILIZANDO O SISAGUA INDICADORES SANITÁRIOS COMO SENTINELAS NA PREVENÇÃO E CONTROLE DA MORTALIDADE INFANTIL UMA EXPERIÊNCIA UTILIZANDO O SISAGUA Silvano Silverio da Costa * Serviço Autónomo de Agua e Esgotos de Guarulhos SAAE

Leia mais

Endereço(1) SABESP Cia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo. Rua Costa Carvalho, 300 CEP 05429 010 Pinheiros São Paulo SP

Endereço(1) SABESP Cia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo. Rua Costa Carvalho, 300 CEP 05429 010 Pinheiros São Paulo SP 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina I-118 -METOLOGIA E APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA DEFINIÇÃO DE LIMITES OPERACIONAIS DE

Leia mais

7. PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES

7. PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES 7. PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES 7.1 Abastecimento de Água Como o prazo do convênio de gestão com a prestadora de serviços de abastecimento de água, a CASAN, tem o vencimento no mês de agosto de 2011, será

Leia mais

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO, COOPERAÇÃO E INCENTIVO À MELHORIA DA GESTÃO DE PERDAS E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO, COOPERAÇÃO E INCENTIVO À MELHORIA DA GESTÃO DE PERDAS E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA PROGRAMA DE INTERCÂMBIO, COOPERAÇÃO E INCENTIVO À MELHORIA DA GESTÃO DE PERDAS E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA Airton Sampaio Gomes - Consultor Equipe Aesbe Brasília, junho de 2012 Sumário 1) APRESENTAÇÃO...

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GASPAR

PREFEITURA MUNICIPAL DE GASPAR DECRETO Nº 4876, DE 08 DE MARÇO DE 2012. FIXA NOVA TABELA PARA TARIFAS E SERVIÇOS DIVERSOS DO SAMAE, E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO CELSO ZUCHI, Prefeito Municipal de Gaspar, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator

3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator 3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator primordial para o desenvolvimento do turismo sustentável.

Leia mais

ROBSON FONTES DA COSTA. Métodos e Aplicações de Técnicas de Locações de Vazamentos não Visíveis em Sistemas de Abastecimento de Água

ROBSON FONTES DA COSTA. Métodos e Aplicações de Técnicas de Locações de Vazamentos não Visíveis em Sistemas de Abastecimento de Água CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA MESTRADO EM TECNOLOGIA AMBIENTAL ROBSON FONTES DA COSTA Métodos e Aplicações de Técnicas de Locações de Vazamentos não Visíveis em Sistemas de Abastecimento

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI

1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI 1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI 1.1- INTRODUÇÃO Para a elaboração de orçamentos consistentes de serviços de engenharia, entende-se que algumas premissas devam prevalecer.

Leia mais

V-008 - A CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA EM UMA EMPRESA DE SANEAMENTO

V-008 - A CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA EM UMA EMPRESA DE SANEAMENTO V-008 - A CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA EM UMA EMPRESA DE SANEAMENTO Paulo Robinson da Silva Samuel (1) Eng. Civil pela PUCRS. Atualmente Diretor da Divisão de Planejamento do Departamento Municipal de

Leia mais

Inicialmente, divide esses serviços em dois grupos:

Inicialmente, divide esses serviços em dois grupos: COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO 1 PROJETO DE LEI N o 787, DE 2003 Institui diretrizes nacionais para a cobrança de tarifas para a prestação dos serviços de abastecimento de água e dá outras providências.

Leia mais

Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB

Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB CRUZ CE Reunião de Planejamento ETAPA IV (Produto D) ETAPA V (Produto E) ETAPA VI (Produto F) ETAPA VIII (Produto H) ETAPAS DO PMSB ETAPA I (Produto A) - Formação

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA Este contrato entrará em vigor por prazo indeterminado após sua publicação e registro em Ofício de Notas competente.

CLÁUSULA SEGUNDA Este contrato entrará em vigor por prazo indeterminado após sua publicação e registro em Ofício de Notas competente. Pelo presente instrumento particular, a COMPANHIA DE ÁGUAS E ESGOTOS DO RIO GRANDE DO NORTE (CAERN), inscrita no CNPJ n.º 08.334.385/0001-35, com sede na Avenida Sen. Salgado Filho, n 1555, bairro Tirol,

Leia mais

TÍTULO: PORQUE O ÍNDICE DE PERDAS POR LIGAÇÃO IPL NÃO É RECOMENDADO COMO INDICADOR DESEMPENHO

TÍTULO: PORQUE O ÍNDICE DE PERDAS POR LIGAÇÃO IPL NÃO É RECOMENDADO COMO INDICADOR DESEMPENHO TÍTULO: PORQUE O ÍNDICE DE PERDAS POR LIGAÇÃO IPL NÃO É RECOMENDADO COMO INDICADOR DESEMPENHO AUTORES: Claudio Luiz Tiozzi Rubio responsável pela apresentação oral Cargo Atual: Coordenador Macromedição

Leia mais

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP (1975). Mestre em Engenharia

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS021 TESTE E LIBERAÇÃO DE REDES / EQUIPAMENTOS Revisão: 03 Abr.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS021 TESTE E LIBERAÇÃO DE REDES / EQUIPAMENTOS Revisão: 03 Abr. SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Materiais e equipamentos...3 4.1 Materiais...3 4.2 Equipamentos...3 5. Condições para início dos serviços...3 6. Métodos

Leia mais

USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL

USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL Leane Chamma Barbar Przybysz (1) Engenheira Química formada pela Universidade Estadual de Maringá em 1984. Possui

Leia mais

MONTAGEM DE PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO OPERACIONAL SEMINÁRIO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL E INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO, CONTROLE E AVALIAÇÃO

MONTAGEM DE PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO OPERACIONAL SEMINÁRIO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL E INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO, CONTROLE E AVALIAÇÃO MONTAGEM DE PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO OPERACIONAL SEMINÁRIO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL E INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO, CONTROLE E AVALIAÇÃO Eng. Airton Gomes Consultor da AESBE Brasília, 20 de setembro

Leia mais

REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA.

REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA. 05 a 07 de Dezembro de 2013 Salvador- BA REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA. Sérgio Ricardo dos Santos Silva (1) Engenheiro Civil,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO

DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO Cinthia Martins dos SANTOS Programa de Pós Graduação em Engenharia do Meio Ambiente, Escola de Engenharia,

Leia mais

R E L A T Ó R I O R E S U M I D O D E G E S T Ã O C O N T R O L E D E M E T A S

R E L A T Ó R I O R E S U M I D O D E G E S T Ã O C O N T R O L E D E M E T A S R E L A T Ó R I O R E S U M I D O D E G E S T Ã O C O N T R O L E D E M E T A S Ao Sr. Gilmar Santa Catharina Chefe da Controladoria Geral do Município Prefeitura Municipal de Caxias do Sul No contexto

Leia mais

de Saneamento Básico do Município de

de Saneamento Básico do Município de Plano de Desenvolvimento para o Sistema de Saneamento Básico do Município de Mossoró DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL A apresentação se dará em duas etapas: 1ª etapa - Resultado da Análise Técnico- operacional

Leia mais

ANEXO VI REGULAMENTO DO SERVIÇO PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE IMBITUBA. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

ANEXO VI REGULAMENTO DO SERVIÇO PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE IMBITUBA. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ANEXO VI REGULAMENTO DO SERVIÇO PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE IMBITUBA. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Seção I Objetivo Art. 1. Este Regulamento tem como

Leia mais

Atual situação de perdas em Indaiatuba. Situação pretendida nos próximos 4 anos - Meta

Atual situação de perdas em Indaiatuba. Situação pretendida nos próximos 4 anos - Meta Atual situação de perdas em Indaiatuba Dez / 2011-36,9% de índice de perdas na distribuição 370 litros / ligação / dia de perdas Dez / 2012-33,30% de índice de perdas na distribuição 334 litros / ligação

Leia mais

UM PLANO PARA A OBTENÇÃO DO CONTROLE OPERACIONAL DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO - SAAE DE ALAGOINHAS BAHIA.

UM PLANO PARA A OBTENÇÃO DO CONTROLE OPERACIONAL DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO - SAAE DE ALAGOINHAS BAHIA. UM PLANO PARA A OBTENÇÃO DO CONTROLE OPERACIONAL DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO - SAAE DE ALAGOINHAS BAHIA. Autores: Michel Sahade Darzé Engenheiro Civil formado

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS-SP

IMPORTÂNCIA DA CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS-SP IMPORTÂNCIA DA CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS-SP Celma Paula Leite - Tecnóloga em Eletrotécnica - Graduada pela Universidade Mackenzie modalidade: Tecnologia

Leia mais

I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA

I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA Evaristo C. Rezende dos Santos 2 José Almir R. Pereira 1 Lindemberg Lima Fernandes 2 Rui Guilherme

Leia mais

RESOLUÇÃO TARIFÁRIA n.º 01/05

RESOLUÇÃO TARIFÁRIA n.º 01/05 RESOLUÇÃO TARIFÁRIA n.º 01/05 LUIZ AUGUSTO CASTRILLON DE AQUINO, PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SOCIEDADE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO S/A SANASA - CAMPINAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

OBJETO 1 DO CONTRATO 2 Prestação dos serviços de abastecimento de água, recolha de águas residuais e gestão de resíduos.

OBJETO 1 DO CONTRATO 2 Prestação dos serviços de abastecimento de água, recolha de águas residuais e gestão de resíduos. OBJETO 1 DO CONTRATO 2 Prestação dos serviços de abastecimento de água, recolha de águas residuais e gestão de resíduos. VIGÊNCIA DO CONTRATO 1- O contrato de abastecimento de água, recolha de águas residuais

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina V-027 - O GERENCIAMENTO INTEGRADO DA MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA A OTIMIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

Endereço: Praça Presidente Vargas, 25 CEP: 38610-000 Unaí MG

Endereço: Praça Presidente Vargas, 25 CEP: 38610-000 Unaí MG Estudo da viabilidade da Transferência para o SAAE do Sistema de Limpeza Urbana da Cidade de Unaí-MG Sérgio Bomfim Pereira Cargo: Diretor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Unaí - SAAE Engenheiro

Leia mais

I-028 CONTROLE DE PERDAS ATRAVÉS DE MACROMEDIDORES ELETROMAGNÉTICOS

I-028 CONTROLE DE PERDAS ATRAVÉS DE MACROMEDIDORES ELETROMAGNÉTICOS I-28 CONTROLE DE PERDAS ATRAVÉS DE MACROMEDIDORES ELETROMAGNÉTICOS Kleber Castilho Polisel (1) Engenheiro Mecânico pela Universidade de Taubaté 1986. Especialização em Engenharia de Saneamento Básico pela

Leia mais

I-162 - SISTEMA DE BONIFICAÇÃO PELO USO DA ÁGUA NO BAIRRO JESUS DE NAZARETH - UMA PROPOSTA PILOTO PARA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA.

I-162 - SISTEMA DE BONIFICAÇÃO PELO USO DA ÁGUA NO BAIRRO JESUS DE NAZARETH - UMA PROPOSTA PILOTO PARA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA. I-162 - SISTEMA DE BONIFICAÇÃO PELO USO DA ÁGUA NO BAIRRO JESUS DE NAZARETH - UMA PROPOSTA PILOTO PARA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA. Eliane Amite Alabrin (1) Janaina Anita Marques Gonçalves Graduanda

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

Elton J. Mello Gerente Técnico DMAE Porto Alegre Brasil

Elton J. Mello Gerente Técnico DMAE Porto Alegre Brasil Elton J. Mello Gerente Técnico DMAE Porto Alegre Brasil 19 a 21 de outubre de 2009 Hotel Transamérica São Paulo BRASIL Desenvolvimento de metodologia para o programa de manutenções preventiva e preditiva

Leia mais

Orçamento Estimativo - Programa de Desenvolvimento Operacional Desembolso no ano 2000

Orçamento Estimativo - Programa de Desenvolvimento Operacional Desembolso no ano 2000 1. Macromedição e Pitometria 1.1 Materiais e equipamentos aquisição de macromedidores aquisição de equip. de pitometria aquisição de veículo sub-total 1.1 1.2 Serviços contratação de serviço de instalação

Leia mais

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO Este anexo objetiva apresentar as informações necessárias a orientar a LICITANTE quanto à apresentação e conteúdo da sua PROPOSTA

Leia mais

Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP

Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP Barbara Almeida Souza (Centro Universitário Senac SP) Graduanda de Engenharia Ambiental. basouza2@gmail.com Maurício

Leia mais

RIVIERA DE SANTA CRISTINA XIII REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO (SAADES)

RIVIERA DE SANTA CRISTINA XIII REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO (SAADES) RIVIERA DE SANTA CRISTINA XIII REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO (SAADES) 1. Objetivo e Definições 1.1. O presente Regulamento objetiva

Leia mais

Plano de Investimento

Plano de Investimento SABESP Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Plano de Investimento Município de Diadema Relatório Técnico Abastecimento Público de Água e Esgotamento Sanitário Setembro / 2013 APRESENTAÇÃO

Leia mais

SIMULAÇÃO DO COMPORTAMENTO HIDRÁULICO DE REDES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA UTILIZANDO O MODELO EPANET

SIMULAÇÃO DO COMPORTAMENTO HIDRÁULICO DE REDES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA UTILIZANDO O MODELO EPANET SIMULAÇÃO DO COMPORTAMENTO HIDRÁULICO DE REDES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA UTILIZANDO O MODELO EPANET José Vilmar Viegas(*) Companhia Riograndense de Saneamento - CORSAN Marcio Ferreira Paz Universidade Federal

Leia mais

LANÇAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO SISTEMA DE ESGOTOS DA CIDADE DE ARARAQUARA E PROPOSTA DE SUA DIMINUIÇÃO ATRAVÉS DA COBRANÇA PELO INDÍCE PLUVIOMÉTRICO

LANÇAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO SISTEMA DE ESGOTOS DA CIDADE DE ARARAQUARA E PROPOSTA DE SUA DIMINUIÇÃO ATRAVÉS DA COBRANÇA PELO INDÍCE PLUVIOMÉTRICO LANÇAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO SISTEMA DE ESGOTOS DA CIDADE DE ARARAQUARA E PROPOSTA DE SUA DIMINUIÇÃO ATRAVÉS DA COBRANÇA PELO INDÍCE PLUVIOMÉTRICO TEMA VI: Esgotamento Sanitário AUTORES Paulo Sergio

Leia mais

III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO COSTA DAS DUNAS

III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO COSTA DAS DUNAS 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO

Leia mais

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp COSEMA - FIESP Programas e Ações A da Sabesp para os grandes problemas da RMSP Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Evolução Populacional - RMSP Reversão da centrifugação Menor pressão

Leia mais

SISTEMA DE CAPTAÇÃO, ARMAZENAMENTO, TRATAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA Francisco Pereira de Sousa

SISTEMA DE CAPTAÇÃO, ARMAZENAMENTO, TRATAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA Francisco Pereira de Sousa SISTEMA DE CAPTAÇÃO, ARMAZENAMENTO, TRATAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA Francisco Pereira de Sousa Universidade Federal de Campina Grande RESUMO A busca por sistemas alternativos para o suprimento

Leia mais

A Utilização de Bombas Funcionando como Turbinas (BFTs) em Pequenos Aproveitamentos Hidráulicos

A Utilização de Bombas Funcionando como Turbinas (BFTs) em Pequenos Aproveitamentos Hidráulicos SEMINÁRIO DE GESTÃO DO USO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO (ELETROBRÁS, 25 a 26 de Março de 2013) A Utilização de Bombas Funcionando como Turbinas (BFTs) em Pequenos Aproveitamentos Hidráulicos Prof.

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA PANORAMA DO SANEAMENTO BÁSICO NO PAÍS

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA PANORAMA DO SANEAMENTO BÁSICO NO PAÍS MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO 2007-2010 INFRA-ESTRUTURA SOCIAL E URBANA SANEAMENTO PANORAMA DO SANEAMENTO

Leia mais

Projeção de Demanda Sistema Cantareira. Diretoria Metropolitana - M Rua Nicolau Gagliardi, 313 Pinheiros São Paulo / SP

Projeção de Demanda Sistema Cantareira. Diretoria Metropolitana - M Rua Nicolau Gagliardi, 313 Pinheiros São Paulo / SP Projeção de Demanda Sistema Cantareira Diretoria Metropolitana - M Objetivo Este Relatório apresenta a proposta de vazões de transferência através do Túnel 5 do Sistema Cantareira - ponto de controle entre

Leia mais

PROGRAMA: 2024 - Comércio Exterior

PROGRAMA: 2024 - Comércio Exterior PROGRAMA: 2024 - OBJETIVO: 0795 - Modernizar os sistemas informatizados de controle aduaneiro com vistas à simplificação, agilização, harmonização de rotinas e procedimentos e eficácia no combate às irregularidades

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA SAE NO MÊS DE SETEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA SAE NO MÊS DE SETEMBRO DE 2008 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA SAE NO MÊS DE SETEMBRO DE 2008 Este relatório tem como finalidade apresentar a toda a comunidade araguarina e aos clientes da SAE as principais atividades realizadas

Leia mais

ALEXANDRA FACCIOLLI MARTINS Buenos Aires - 05/06/14

ALEXANDRA FACCIOLLI MARTINS Buenos Aires - 05/06/14 ALEXANDRA FACCIOLLI MARTINS Buenos Aires - 05/06/14 1 SISTEMA CANTAREIRA: LOCALIZAÇÃO 2 REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Disponibilidade Hídrica = Regiões Áridas 7.900 km² (quase coincidente com a Bacia

Leia mais

IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública MODELO DE GESTÃO SISAR - CEARÁ

IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública MODELO DE GESTÃO SISAR - CEARÁ IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública MODELO DE GESTÃO SISAR - CEARÁ Belo Horizonte, 18 de março de 2013 HISTÓRICO DO SANEAMENTO RURAL NO CEARÁ Implantação do Programa KfW I pela CAGECE

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

VI-080 SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DE PROJETOS DE SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA: AVALIAÇÃO DE MÉTODO DE ANÁLISE PROPOSTO

VI-080 SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DE PROJETOS DE SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA: AVALIAÇÃO DE MÉTODO DE ANÁLISE PROPOSTO VI080 SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DE PROJETOS DE SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA: AVALIAÇÃO DE MÉTODO DE ANÁLISE PROPOSTO Glauco Antônio Bologna Garcia de Figueiredo (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal

Leia mais

O EMPREGO DE WETLAND PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO

O EMPREGO DE WETLAND PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO O EMPREGO DE WETLAND PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO Maria das Graças de Castro Reis (1) Engenheira Sanitarista, Chefe da Divisão Técnica do Serviço Autônomo de Água e Esgoto SAAE de Alagoinhas-Bahia.

Leia mais

OUTORGA DE DRENAGEM E FISCALIZAÇÃO COMO MECANISMOS DE GESTÃO DE ÁGUAS URBANAS

OUTORGA DE DRENAGEM E FISCALIZAÇÃO COMO MECANISMOS DE GESTÃO DE ÁGUAS URBANAS OUTORGA DE DRENAGEM E FISCALIZAÇÃO COMO MECANISMOS DE GESTÃO DE ÁGUAS URBANAS Carolinne Isabella Dias Gomes (1) Possui Bacharelado e Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade de Brasília (UnB)

Leia mais