Regulação de Utilidades Públicas Avaliação & Gestão de Ativos Auditoria & Riscos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulação de Utilidades Públicas Avaliação & Gestão de Ativos Auditoria & Riscos"

Transcrição

1 Regulação de Utilidades Públicas Avaliação & Gestão de Ativos Auditoria & Riscos Resultados Finais Tarifas de Esgotamento Sanitário Odebrecht Ambiental

2 Equipe Técnica Diogo Mac Cord de Faria: Sócio da LMDM Consultoria Empresarial e coordenador do MBA do Setor Elétrico da Fundação Getúlio Vargas FGV. Engenheiro Mecânico formado pela PUC-PR, mestre em Sistemas Energéticos pelo LACTEC / UFPR, doutorando em Energia pela Poli / USP e especialista em infraestrutura pela Universidade de Harvard. Participou de mais de 20 trabalhos relacionados à revisão tarifária e à gestão de ativos regulatórios em distribuidores de energia elétrica. É assessor da ANEEL desde 2007, da Copel desde 2008 (2º e 3º Ciclos de Revisão Tarifária), da ADASA, da Elektro e da Eletropaulo. É coordenador do P&D de Revisão Tarifária contratado pela APINE. É professor da disciplina Revisão Tarifária em diversos cursos pelo Brasil em entidades como ABDIB e FGV, além de lecionar no curso de formação de técnicos da ANEEL. É consultor da UNESCO para assuntos tarifários do setor de saneamento básico. Marcos Fey Probst: Mestre pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Bacharel em Direito pela mesma Universidade. ex-diretor Geral da Agência Reguladora Intermunicipal de Saneamento (ARIS). ex-membro do Conselho Estadual de Meio Ambiente e de Saneamento Básico. Consultor Jurídico da Federação Catarinense de Municípios (FECAM) e da Associação dos Municípios do Vale do Itapocu (AMVALI). Professor convidado dos cursos de pós-graduação da UNISUL, UNOESC, UNIASSELVI, UNIPLAC e Estácio de Sá. Ministrou dezenas de cursos na área do Direito Administrativo, inclusive com temas ligados aos Consórcios Públicos e Saneamento Básico. Articulista em revista especializadas de Direito Público. co-autor das obras Gestão do Saneamento Básico - Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário (Editora Manole, 2012) e Regulação do saneamento básico (Editora Manole, 2013). Advogado militante. Carlos Werlang Lebelein: Sócio da LMDM e professor da FGV. Formado em Direito e Economia, Pós-Graduado em Gestão de Riscos com certificação CIA & CCSA. Em 2003, pela Ernst & Young, participou de vários projetos para as agências reguladoras ANP, ANATEL e ANEEL. No setor elétrico, para a ANEEL participou de trabalhos na CBEE e nas empresas do Grupo Rede. Foi responsável pelos trabalhos de consultoria de processos, gestão de riscos e regulação nas empresas Elektro, UTE Mário Covas, Gás Ocidente e Gás Oriente. Participou de trabalhos de Gestão de Riscos, Auditoria Interna e regulação nas empresas do Grupo COPEL e no México e EUA para multinacionais. Em 2007 juntou-se ao Grupo Brookfield, onde coordenou as atividades de Auditoria Interna, incluindo 35 usinas no país. Pela LMDM tem participado de trabalhos para a ANEEL em diversas concessionárias, além de trabalhos no Grupo Neoenergia, Elektro e COPEL. Entre 2012 e 2014 trabalhou na validação do Laudo da concessionária CAESB, no SAMAE de Blumenau em trabalhos na Concessionária Foz de Blumenau e na AGERGS nas concessionárias CORSAN e Foz de Uruguaiana. 2/64

3 A realidade de Blumenau 3/21

4 O desequilíbrio - A prefeitura se comprometeu, no Edital, a entregar ¼ de atendimento de esgoto; no entanto, entregou apenas 4,84% - Isso gerou uma frustração de receita nos primeiros anos, que possuem maior impacto no fluxo de caixa descontado - O valor do desequilíbrio pleiteado pela OA em 2010 e aceito pela AGIR em 2012 foi de R$118 milhões* (R$159 milhões em valores de 2014); caso fosse tratado como aumento tarifário hoje, o reajuste seria de 131% - Um novo cálculo feito pela LMDM em 2013 definiu 4 diferentes cenários (já que não havia uma metodologia definida), sendo que o mais razoável para ambas as partes apontava para um desequilíbrio de R$101 milhões (em valores de 2014) * Apesar de aceito em 2012, os valores acordados tinham data-base 2009

5 O desdobramento - A OA não aceitou o cálculo da LMDM em 2013 e formatou um novo TA para a prefeitura, que foi aceito condicionado a uma reanálise conjunta de todos os pontos; - A OA apresentou um novo pedido de desequilíbrio por conta do atraso ( ) em seu reconhecimento; neste momento, o pedido já soma R$233 milhões que, se repassado à tarifa hoje, representaria um aumento de 162% ao consumidor - Em 2014 a LMDM demonstrou seu posicionamento e a OA apresentou uma proposta de metodologia, que foi criticada pela LMDM; a OA aceitou todas as alterações indicadas e houve acordo quanto ao método a ser aplicado no processo de RTP. - Um novo cálculo foi feito com base nas concessões do 3 o TA (aumento do prazo de concessão e devolução do comercial), além de outros pontos de ajuste

6 O desequilíbrio Pleito da Odebrecht

7 O desequilíbrio Ajustes Outros ganhos financeiros do processo: - R$ 1,1 milhão de glosa no CAPEX auditado - R$ 2,6 milhões de glosa nos custos dos sistemas isolados Ganhos processuais: - Atendimento à lei /2007 (marco regulatório do saneamento) - Maior transparência e previsibilidade nas RTP s futuras Tarifa residencial final: R$2,90 m 3 CASAN: R$3,21 m 3

8 A metodologia: maior transparência

9 Tema: CAPEX - Projeto Básico Defendido pela OA Proposta Considera que a OA investirá o valor definido na proposta comercial variações para mais ou para menos neste valor não importam pois fazem parte do risco do contrato Verifica o valor efetivamente investido e reconhece o investimento apenas ex-post, limitado aos R$302MM da proposta Vantagem: Considera o "dinheiro-no-tempo" de forma real, deixando estimativas e projeções de lado. Assim, a OA recebe mais se antecipar investimentos - e recebe menos se atrasá-los. Ademais, busca a "eficiência", defendida pela OA como tendo sido a principal característica do modelo licitatório (captura da eficiência pela concorrência entre empresas) limitando o investimento ao valor da proposta, ao mesmo tempo em que garantirá que o valor prometido de R$302MM será, efetivamente, cumprido.

10 Tema: CAPEX - Complementar Defendido pela OA Proposta Considera, ex-ante, uma estimativa de investimento para cálculo do desequilíbro, sem auditoria do valor. Verifica o valor efetivamente investido e reconhece o investimento apenas ex-post. Os investimentos complementares deverão estar devidamente identificados no controle patrimonial da concessionária, inclusive sendo arquivadas pastas de obra específicas para fiscalização. Vantagem: Considera o "dinheiro-no-tempo" de forma real, deixando estimativas e projeções de lado. Além disso, valida os valores pleiteados (auditoria) e garante que os investimentos serão de fato realizados.

11 Tema: OPEX Defendido pela OA Proposta Considera que a OA receberá o valor definido na proposta comercial, independente de qualquer outro fato superveniente Considera que a OA receberá o valor proporcional definido na proposta comercial, ou seja, conforme a quantidade de economias atendidas. Vantagem: Estimula a concessionária a antecipar ligações e a penaliza em caso de atraso. Além disso, consegue absorver outras variáveis não previstas pelo modelo da FGV (ex: a frustração de receitas pelo atraso das obras da prefeitura causou um desequilíbrio que foi pleiteado pela concessionária; porém, este atraso no atendimento tem um outro aspecto que é a redução do custo operacional proporcional à quantidade de economias não atendidas, que no modelo da LMDM é devidamente capturado e reconhecido na tarifa). Caso a concessionária consiga ter um custo operacional mais eficiente do que o previsto na Proposta Técnica, poderá ficar com a diferença pois o modelo considera o OPEX (unitário, por economia) da proposta.

12 Tema: Mercado Defendido pela OA Proposta Considera o mercado imutável; os pedidos de reequilíbrio são reconhecidos em valores absolutos, e uma eventual consideração deste desequilíbrio na tarifa deveria considerar o mercado inicialmente previsto na proposta comercial. As receitas reais da OA são aferidas a cada ciclo tarifário ou em um eventual pedido de RTE. Vantagem: Com o reconhecimento da receita real no modelo de revisão tarifária, é possível calcular o valor exato do desequilíbrio que deverá ser reconhecido na tarifa. Considerando que o modelo da licitação não é adequado para serviços de rede, é de se supor que em todo ciclo tarifário haverá desequilíbrio. Estes desequilíbrios (para mais ou para menos) são repassados aos consumidores, conforme o mercado atual da concessão, de forma a assegurar à OA seu Nível Tarifário ideal, que será composto do CAPEX aprovado pela AGIR e do OPEX proporcional às economias, remunerados à TIR de 10,54% da proposta comercial.

13 Tema: Taxa de Retorno Defendido pela OA e utilizado pela FGV Considera 10,54%, conforme Proposta Comercial. Proposta Considera 10,54%, conforme Proposta Comercial. Vantagem: Apesar de ter sido a maior TIR apresentada entre as três propostas comerciais da licitação, deve ser considerada como padrão por ter sido esta a proposta ganhadora. Exatamente por isso, deve-se considerar o CAPEX de R$302MM como de investimento obrigatório, e o OPEX por economia também em igual valor da proposta. Somente nestas condições faz sentido utilizar a TIR de 10,54%, já que eventuais alterações do CAPEX e/ou do OPEX no modelo financeiro apresentado teriam, por consequencia, alteração da TIR da proposta comercial.

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A.

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A. METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A. A Agência Reguladora dos Serviços de Saneamento das Bacias dos

Leia mais

Regulação para Operadores de Saneamento

Regulação para Operadores de Saneamento 2014 Regulação para Operadores de Saneamento Coordenador Acadêmico: Alceu de Castro Galvão Junior Organização: Pezco Microanalysis Dias 16, 17 e 18 de julho de 2014 Objetivo e Justificativa Passados sete

Leia mais

I - Insuficiência de Informações

I - Insuficiência de Informações I - Insuficiência de Informações 2 Insuficiência de informações Primeira fase da Audiência Pública Preliminar: Não foram publicados o Plano de Negócios e o Laudo da Base de Ativos da SABESP Informações

Leia mais

Regulação de Utilidades Públicas Avaliação & Gestão de Ativos Auditoria & Riscos. Tarifas de Água e Saneamento

Regulação de Utilidades Públicas Avaliação & Gestão de Ativos Auditoria & Riscos. Tarifas de Água e Saneamento Regulação de Utilidades Públicas Avaliação & Gestão de Ativos Auditoria & Riscos Tarifas de Água e Saneamento 1 Regulação Tarifária 2 Energia 3 Saneamento 4 Clientes 5 A LMDM 1 Regulação Tarifária O Processo

Leia mais

Consórcios públicos de regulação do saneamento básico

Consórcios públicos de regulação do saneamento básico Consórcios públicos de regulação do saneamento básico Formas de prestação de serviços públicos Centralizada Órgão da Adm. Pública Prestação de serviço público Direta Indireta Descentralizada Terceirização

Leia mais

SEMINÁRIO CRESCE BRASIL ENERGIA

SEMINÁRIO CRESCE BRASIL ENERGIA FEDERAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS SEMINÁRIO CRESCE BRASIL ENERGIA Cesar de Barros Pinto NOVEMBRO/2012 CONTRATOS DE CONCESSÃO TRANSMISSÃO Celebrados em 2001 retroagindo a 1995 Primeira concessão de transmissão

Leia mais

Regulação de Utilidades Públicas Avaliação & Gestão de Ativos Auditoria & Riscos SEPEF 2015

Regulação de Utilidades Públicas Avaliação & Gestão de Ativos Auditoria & Riscos SEPEF 2015 Regulação de Utilidades Públicas Avaliação & Gestão de Ativos Auditoria & Riscos SEPEF 2015 1 O que foi a MP579 11 de setembro de 2012 O dia que fez o setor parar Para entender a razão da MP 579 ter sido

Leia mais

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DE INVESTIGAÇÃO DO CONTRATO ENTRE FOZ DO BRASIL, PREFEITURA DE BLUMENAU E SAMAE.

COMISSÃO ESPECIAL DE INVESTIGAÇÃO DO CONTRATO ENTRE FOZ DO BRASIL, PREFEITURA DE BLUMENAU E SAMAE. 1 COMISSÃO ESPECIAL DE INVESTIGAÇÃO DO CONTRATO ENTRE FOZ DO BRASIL, PREFEITURA DE BLUMENAU E SAMAE. Síntese analítica: 1. Irregularidade na criação da Agir. A agência deveria ter sido criada para elaborar

Leia mais

P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia

P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia causada pelo endividamento público Limitação provocada pela

Leia mais

Fator X Contribuições NT RTG Nº 002/2014

Fator X Contribuições NT RTG Nº 002/2014 Fator X Contribuições NT RTG Nº 002/2014 Darío Calderón AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 002/2014 ARSESP SÃO PAULO 4 DE NOVEMBRO 2014 1 2 Aplicação de Fator X para uma empresa Greenfield A NT Nº1 de 2003 da CESP menciona

Leia mais

Incorporação do efeito da deseconomia de escala do Programa Luz para Todos. Cristine Juste cristine@cataguazes.com.br

Incorporação do efeito da deseconomia de escala do Programa Luz para Todos. Cristine Juste cristine@cataguazes.com.br Incorporação do efeito da deseconomia de escala do Programa Luz para Todos no cálculo c do fator Xe Cristine Juste cristine@cataguazes.com.br Universalização/Programa Luz para Todos Lei nº 10.438/2002:

Leia mais

PPP em saneamento e outras alternativas para investimentos

PPP em saneamento e outras alternativas para investimentos 2015 PPP em saneamento e outras alternativas para investimentos Coordenador: Frederico Turolla Organização: Pezco Microanalysis Dias 21 e 22 de maio de 2015 Justificativa Os investimentos anuais em abastecimento

Leia mais

Vilson D. Christofari pág. 1 out//2011

Vilson D. Christofari pág. 1 out//2011 Vilson D. Christofari pág. 1 CURRICULUM VITAE. VILSON DANIEL CHRISTOFARI I. FORMAÇÃO ACADÊMICA GRADUAÇÃO: Engenheiro Eletricista, formado pela Escola de Engenharia da Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Estruturação de uma Concessão/PPP: Regulação Econômica de Infraestruturas

Estruturação de uma Concessão/PPP: Regulação Econômica de Infraestruturas Estruturação de uma Concessão/PPP: Regulação Econômica de Infraestruturas 1º Simpósio Nacional de Auditoria de PPPs 15/05/2013 Roteiro da Apresentação 1. Motivação 2. Governo e Infraestrutura 3. Quando

Leia mais

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Seminário - ABDIB ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Romeu Donizete Rufino Diretor da ANEEL 8 de dezembro de 2010 São Paulo - SP 1997 1998 1999 2000 2001 2002 Início das atividades,

Leia mais

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira APIMEC RIO Resultados do 1T12 Diretoria Econômico-Financeira e de Relações com Investidores Aviso Esta apresentação pode conter considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas

Leia mais

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por:

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por: A Tarifa de Energia O que é a tarifa de energia? Simplificadamente, a tarifa de energia é o preço cobrado por unidade de energia (R$/kWh). Em essência, é de se esperar que o preço da energia elétrica seja

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: CELG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: NOTA TÉCNICA

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08 Reconhecimento de Determinados Ativos ou Passivos nos relatórios Contábil-Financeiros de Propósito Geral das Distribuidoras de Energia Elétrica

Leia mais

Regulação de Utilidades Públicas Avaliação & Gestão de Ativos Auditoria & Riscos. Apresentação: Gestão de Riscos

Regulação de Utilidades Públicas Avaliação & Gestão de Ativos Auditoria & Riscos. Apresentação: Gestão de Riscos Regulação de Utilidades Públicas Avaliação & Gestão de Ativos Auditoria & Riscos Apresentação: Gestão de Riscos A LMDM oferece consultoria especializada direcionada às necessidades de seus clientes. O

Leia mais

Administradores de Planos Municipais de Saneamento Básico

Administradores de Planos Municipais de Saneamento Básico 2014 Administradores de Planos Municipais de Saneamento Básico Coordenador Acadêmico: Alceu de Castro Galvão Junior Organização: Pezco Microanalysis Dias 27 e 28 de novembro de 2014 Justificativa Os primeiros

Leia mais

Contribuições metodológicas para o próximo ciclo tarifário

Contribuições metodológicas para o próximo ciclo tarifário AP 0/0 Contribuições metodológicas para o próximo ciclo tarifário Contribuição para o Quarto Ciclo de Revisões Tarifárias ª Etapa 9 de janeiro de 05 Remuneração de OE e ATD A gestão de OE e ATD adicionam

Leia mais

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias.

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, a sua conta de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, em todo o país, as bandeiras tarifárias vêm impressas na conta de luz. E, para saber se o valor da sua conta irá

Leia mais

Falta de planejamento e recursos escassos são os principais motivos da falta de saneamento no Vale do Itapocu

Falta de planejamento e recursos escassos são os principais motivos da falta de saneamento no Vale do Itapocu Infraestrutura 18/03/2015 09h20 Básico, porém raro Falta de planejamento e recursos escassos são os principais motivos da falta de saneamento no Vale do Itapocu 0 Em Guaramirim, empresa foi contratada

Leia mais

XIV SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS

XIV SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS XIV SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS DIMENSÃO DO PROJETO BÁSICO NA CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS PRECEDIDOS DA EXECUÇÃO DE OBRA PÚBLICA Cezar Augusto Pinto Motta TCE-RS / Ibraop Pedro

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

Contribuição Eletropaulo Metropolitana S/A Expositor Antoninho Borghi

Contribuição Eletropaulo Metropolitana S/A Expositor Antoninho Borghi Audiência Pública ANEEL 027/2003 Estabelece as condições de atendimento por meio de Central de Teleatendimento (CTA) das concessionárias ou permissionárias, critérios de classificação de serviços e metas

Leia mais

ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL A orientação padrão para a elaboração da PROPOSTA DE TARIFA REFERENCIAL DE ÁGUA (TRA) e TARIFA REFERENCIAL DE ESGOTO objetiva propiciar a Comissão:

Leia mais

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Conference Call 221 de dezembro de 2009 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D (Em milhões de reais, exceto se indicado de outra forma) --------- Lucro do Período A Cemig Distribuição apresentou, no exercício de 2008, um lucro líquido de R$709

Leia mais

Dep. Fabio Garcia PSB/MT. O Preço da Energia No Brasil

Dep. Fabio Garcia PSB/MT. O Preço da Energia No Brasil Dep. Fabio Garcia PSB/MT O Preço da Energia No Brasil Entenda a sua fatura de energia elétrica - Tarifa para Consumidor Residencial (tarifa B1) Parcela A Custos não gerenciáveis, ou seja, que não dependem

Leia mais

Novos Modelos Organizacionais dos Municípios. Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae)

Novos Modelos Organizacionais dos Municípios. Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae) Novos Modelos Organizacionais dos Municípios Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae) 2 Características do modelo Autarquia em regime especial; Autonomia e independência decisória e decisão

Leia mais

Curitiba, junho de 2014 LMDM Consultoria Empresarial

Curitiba, junho de 2014 LMDM Consultoria Empresarial Nota Técnica no 71/2015- SGT/ANEEL Análise de conteúdo, críticas e propostas sobre a metodologia de Base de Remuneração das distribuidoras de energia elétrica para o 4º Ciclo Curitiba, junho de 2014 LMDM

Leia mais

Vilson D. Christofari pág. 1

Vilson D. Christofari pág. 1 Vilson D. Christofari pág. 1 CURRICULUM VITAE. VILSON DANIEL CHRISTOFARI I. FORMAÇÃO ACADÊMICA GRADUAÇÃO: Engenheiro Eletricista, formado pela Escola de Engenharia da Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro

Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro Edvaldo Santana Diretor da ANEEL Lisboa, 29 de maio de 2008 Sumário Descrição dos objetivos Considerações iniciais i i i Regulação e Tarifas: evolução

Leia mais

CONCESSÃO DE RODOVIA. Regulação da Concessão de Rodovias Federais

CONCESSÃO DE RODOVIA. Regulação da Concessão de Rodovias Federais Regulação da Concessão de Rodovias Federais 1ª ETAPA 2ª ETAPA FASE I 2ª ETAPA FASE II 3ª ETAPA FASE I 3ª ETAPA FASE II Década de 60 e 70 -Rodovia Presidente Dutra; Histórico -Freeway entre Porto Alegre

Leia mais

CIA. CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO-CASAN

CIA. CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO-CASAN CIA. CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO-CASAN Proposta da Administração para a 121ª Assembléia dos Acionistas a ser realizada no dia 21 de janeiro de 2013 Instrução CVM nº 481/2009 art.10º Comunicamos aos

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 53, DE 08 DE MAIO DE 2014

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 53, DE 08 DE MAIO DE 2014 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 53, DE 08 DE MAIO DE 2014 Dispõe sobre o procedimento para a realização da revisão ordinária do Contrato de Concessão dos Serviços Públicos de Água e Esgoto do Município de Limeira

Leia mais

Conhecendo a Compesa

Conhecendo a Compesa Conhecendo a Compesa Conhecendo a Compesa Informações Gerais Companhia Pernambucana de Saneamento Compesa Economia Mista de Direito Privado 43 anos de existência Faturamento: R$ 1,22 bi (2014) Número de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Audiência Pública nº47 Data: 27/08/2015 Concessão: Bandeirante Cidade: São José dos Campos/SP AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL PRINCIPAIS COMPETÊNCIAS SOMOS RESPONSÁVEIS PELA... Regulação Mediação

Leia mais

Gestão dos Negócios. Desempenho da Economia. Consumo de Energia Elétrica GWh

Gestão dos Negócios. Desempenho da Economia. Consumo de Energia Elétrica GWh Desempenho da Economia Em 2005, o PIB do Brasil teve crescimento de 2,6 %, segundo estimativas do Banco Central. A taxa de desemprego registrou leve recuo, cedendo de 10,2 % em janeiro/05 para 9,6 % em

Leia mais

Produto 3 Minuta do Relatório Técnico II

Produto 3 Minuta do Relatório Técnico II Análise de Conformidade do Estudo de Modelagem para a Universalização dos Serviços de Água e Esgoto no Município de Teresina e Assessoria ao Processo de Implementação do Modelo Selecionado Águas e Esgotos

Leia mais

Saneamento Básico e Infraestrutura

Saneamento Básico e Infraestrutura Saneamento Básico e Infraestrutura Augusto Neves Dal Pozzo Copyright by Augusto Dal Pozzo DADOS HISTÓRICOS Até a década de 70 soluções locais e esparsas para os serviços de saneamento; Década de 70 criação

Leia mais

AGÊNCIA DE REGULAÇÃO ECONÓMICA MODELO DE GOVERNAÇÃO

AGÊNCIA DE REGULAÇÃO ECONÓMICA MODELO DE GOVERNAÇÃO MODELO DE GOVERNAÇÃO Praia, 07 de Julho de 2009 João Renato Lima REGULAÇÃO EM CABO VERDE De acordo com Constituição da República revista em 2002, cabe ao Estado regular o mercado e a actividade económica

Leia mais

XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos

XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos SECRETARIA DE SANEAMENTO E ENERGIA XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos Mesa redonda: Marco Regulatório do Setor Saneamento Desafios do Saneamento e Regulação dos Serviços no Estado de São Paulo

Leia mais

Direito do Petróleo e Gás

Direito do Petróleo e Gás Workshop Direito do Petróleo e Gás Contexto As atividades de Exploração e Produção de petróleo são relevantes para o desenvolvimento de qualquer economia. No cenário brasileiro atual, essas atividades

Leia mais

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 006/2015

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 006/2015 ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 006/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado de Pernambuco AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Audiência

Leia mais

Agências Reguladoras: o novo em busca de espaço

Agências Reguladoras: o novo em busca de espaço III Congresso Iberoamericano de Regulação Econômica Agências Reguladoras: o novo em busca de espaço São Paulo-SP Junho de 2008 Alvaro A. P. Mesquita Sócio Sumário I. Objetivo II. III. IV. Regulação Papel

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA

NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA Resultados parciais da 1ª Revisão Periódica das tarifas dos serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário prestados pela CAESB ANEXO XII FATOR X

Leia mais

Prefeitura Municipal de Rio do Sul. Secretaria de Administração

Prefeitura Municipal de Rio do Sul. Secretaria de Administração Secretaria de Administração Concessão do Serviço de Transporte Público Coletivo Urbano de Passageiros Custo do Passageiro Transportado Audiência Pública Introdução Ronaldo Gilberto de Oliveira Consultor

Leia mais

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2.1. Breve Histórico da Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro No início da década de 90, o setor elétrico brasileiro apresentava uma estrutura predominantemente

Leia mais

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Carlos Alberto Mattar Superintendente - SRD 13 de março de 2014 Rio de Janeiro - RJ Sumário I. Balanço 2013 II. Pautas para GTDC - 2014 III. Principais audiências

Leia mais

Revisão da Resolução 180/2011

Revisão da Resolução 180/2011 Revisão da Resolução 180/2011 Proposta de resolução que dispõe sobre o modelo de regulação tarifária, reajusta os tetos das tarifas aeroportuárias, estabelece regras para arrecadação e recolhimento e revoga

Leia mais

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Conceitos Básicos: Os consumidores de energia elétrica pagam um valor correspondente à quantidade de energia elétrica consumida, no mês anterior, estabelecida

Leia mais

ABRAPECON - Associação Brasileira Dos Pequenos Consumidores (de enegia elétrica água telefonia gás encanado e outros)

ABRAPECON - Associação Brasileira Dos Pequenos Consumidores (de enegia elétrica água telefonia gás encanado e outros) Folha - 1 de 5 ABRAPECON - Associação Brasileira Dos Pequenos Consumidores (de enegia elétrica água telefonia gás encanado e outros) Registro da ABRAPECON em cartório: Estatuto este da ABRAPECON registrado

Leia mais

GERAÇÃO A Copel opera 20 usinas próprias, sendo 19 hidrelétricas, uma termelétrica e uma eólica

GERAÇÃO A Copel opera 20 usinas próprias, sendo 19 hidrelétricas, uma termelétrica e uma eólica GERAÇÃO A Copel opera 20 usinas próprias, sendo 19 hidrelétricas, uma termelétrica e uma eólica TRANSMISSÃO O sistema de transmissão de energia é responsável pela operação e manutenção de 32 subestações

Leia mais

2ª REVISÃO QUINQUENAL DO CONTRATO DE CONCESSÃO DA CONCESSIONÁRIA ÁGUAS DE JUTURNAÍBA S/A. Audiência Pública 11/12/2009

2ª REVISÃO QUINQUENAL DO CONTRATO DE CONCESSÃO DA CONCESSIONÁRIA ÁGUAS DE JUTURNAÍBA S/A. Audiência Pública 11/12/2009 2ª REVISÃO QUINQUENAL DO CONTRATO DE CONCESSÃO DA CONCESSIONÁRIA ÁGUAS DE JUTURNAÍBA S/A. Audiência Pública 11/12/2009 ESCOPO Análise do equilíbrio/desequilíbrio econômicofinanceiro do contrato Análise

Leia mais

1ª Fase da Audiência Pública ANEEL 019/2011

1ª Fase da Audiência Pública ANEEL 019/2011 1ª Fase da Audiência Pública ANEEL 019/2011 Dr. Marcelo Aparecido Pelegrini Junho/2011 ANÁLISE ESTATÍSTICA - Conforme mostrado, as regressões lineares múltiplas propostas pela ANEEL, que utilizam dados

Leia mais

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O V o l u m e V I R E L A T Ó R I O D O P L A N O D E E X E C U Ç Ã O Novembro/2013 S u m á r i o Sumário 2 1. Apresentação 3 2. Plano de Execução

Leia mais

M&A NO BRASIL NAS EMPRESAS DE ENERGIA, PETRÓLEO, GÁS, TRANSPORTE, SANEAMENTO E CONSTRUÇÃO. Abril 2011

M&A NO BRASIL NAS EMPRESAS DE ENERGIA, PETRÓLEO, GÁS, TRANSPORTE, SANEAMENTO E CONSTRUÇÃO. Abril 2011 M&A NO BRASIL NAS EMPRESAS DE ENERGIA, PETRÓLEO, GÁS, TRANSPORTE, SANEAMENTO E CONSTRUÇÃO Abril 2011 1 M&A PRINCIPAIS ETAPAS DE OPERAÇÃO DE M&A Etapa 1 Acordos Preliminares Elaboração, revisão e negociação

Leia mais

Audiência Pública AP 039/2004 SRE ANEEL SULGIPE

Audiência Pública AP 039/2004 SRE ANEEL SULGIPE Primeira Revisão Tarifária Periódica Companhia Sul Sergipana de Eletricidade SULGIPE Audiência Pública AP 039/2004 SRE ANEEL SULGIPE Manifestação da SULGIPE relativa a Proposta de Revisão Tarifária Periódica

Leia mais

PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 06/2015

PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 06/2015 Americana, 23 de fevereiro de 2015. PROCESSO ADMINISTRATIVO PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 06/2015 ARES-PCJ Nº 09/2015 ASSUNTO: REAJUSTE DO CONTRATO DA PPP Nº 02/1996- CSJ JUNDIAÍ INTERESSADO: DAE S/A

Leia mais

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão São Paulo, 15 de agosto de 2014 Agenda 1. Introdução - Belo

Leia mais

CORSAN GESTÃO DE CUSTOS

CORSAN GESTÃO DE CUSTOS CORSAN GESTÃO DE CUSTOS 3 Seminário de Boas Práticas de Gestão PGQP Porto Alegre, novembro 2015 A CORSAN EM GRANDES NÚMEROS 7 Milhões de Gaúchos 316 Municípios Atendidos Faturamento 2014 R$ 1,9 Bilhão

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. S u b m ó d u l o 10. 2

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. S u b m ó d u l o 10. 2 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 10: Ordem e Condições de Realização dos Processos Tarifários e Requisitos de Informações e Obrigações Periódicas S u b m ó d u l o

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA ANATEL-ANEEL. Postes: Preço de Referência e Regras para Uso e Ocupação dos Pontos de Fixação

RESOLUÇÃO CONJUNTA ANATEL-ANEEL. Postes: Preço de Referência e Regras para Uso e Ocupação dos Pontos de Fixação RESOLUÇÃO CONJUNTA ANATEL-ANEEL Postes: Preço de Referência e Regras para Uso e Ocupação dos Pontos de Fixação CP 30/2013 da ANATEL e AP 007/2007 da ANEEL DIRETRIZES A proposta deve ser neutra do ponto

Leia mais

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Geração Distribuída 2002 INEE O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Junho de 2002 - São Paulo - SP Paulo Pedrosa Diretor Ouvidor Sumário I II III o modelo competitivo o papel

Leia mais

Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria

Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria Institucional Quem somos? O Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD) é o órgão

Leia mais

Foi-se o grau de investimento!... (e veio o novo pacote fiscal )

Foi-se o grau de investimento!... (e veio o novo pacote fiscal ) Foi-se o grau de investimento!... (e veio o novo pacote fiscal ) Diante da perda do grau de investimento (com perspectiva negativa): Economista brasileiro de maior reputação entre os radicados no exterior

Leia mais

Modelo de Concessão da Infra- Estrutura Aeroportuária. ria. Ministério da Defesa Secretaria de Aviação Civil

Modelo de Concessão da Infra- Estrutura Aeroportuária. ria. Ministério da Defesa Secretaria de Aviação Civil Modelo de Concessão da Infra- Estrutura Aeroportuária ria Ministério da Defesa Secretaria de Aviação Civil 1. Contexto institucional 2. Determinação legal 3. Política Nacional de Aviação Civil e a concessão

Leia mais

Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013

Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013 LEGISLAÇÃO COMERCIAL Assunto: Homologa o resultado da sexta Revisão Tarifária Periódica RTP da Escelsa. Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013

Leia mais

Renovação de Concessões de Geração e Oportunidades de Maximização da Energia Assegurada

Renovação de Concessões de Geração e Oportunidades de Maximização da Energia Assegurada Desenhando o futuro... Renovação de Concessões de Geração e Oportunidades de Maximização da Energia Assegurada Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Uberlândia, 29 de maio de 2009 1 Empresas Associadas

Leia mais

METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL

METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL (ARTIGO 13(6) DO REGULAMENTO 347/2013 1 ) Setembro 2015 1 Regulamento (UE) N.º 347/2013

Leia mais

Impactos da MP nº 579

Impactos da MP nº 579 Impactos da MP nº 579 José Rosenblatt jrosenb@psr-inc.com Agência Dinheiro Vivo São Paulo, 10 de dezembro de 2012 1 Sumário Resumo das medidas e questões Geração Transmissão Encargos Impactos da MP Tarifas

Leia mais

Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear. Otavio Mielnik. INAC International Nuclear Atlantic Conference

Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear. Otavio Mielnik. INAC International Nuclear Atlantic Conference Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear Otavio Mielnik Coordenador de Projetos São Paulo - 7 outubro 2015 INAC International Nuclear Atlantic Conference SUMÁRIO Modelos de Negócio em Programas

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias Contribuição da AES Brasil à AP 006/2015, relativa à Conta Centralizadora dos Recursos de

Leia mais

Planejamento para ingressar na área de vendas.

Planejamento para ingressar na área de vendas. TÉCNICAS DE VENDAS INTRODUÇÃO Segundo Theodore Levitt (1985), o objetivo de uma empresa é criar e manter clientes. O vendedor é a pessoa que realiza esse objetivo. Para o cliente, a empresa se resume na

Leia mais

ATUAÇÃO DO TCU CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA

ATUAÇÃO DO TCU CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA SEMINÁRIO INTERNACIONAL CONCESSÃO DE AEROPORTOS ATUAÇÃO DO TCU NO ACOMPANHAMENTO DE CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA Francisco Giusepe Donato Martins Secretaria de Fiscalização de Desestatização

Leia mais

II Diálogos do Saneamento

II Diálogos do Saneamento II Diálogos do Saneamento O papel da regulação na implementação dos planos de saneamento: 1.Objetivos da regulação 2.Origens da regulação no Brasil 3.Marco regulatório do saneamento 4.Estado atual da regulação

Leia mais

vocação, experiência e inovação, tem como meta a excelência na prestação de serviços jurídicos e o atendimento responsável e eficiente

vocação, experiência e inovação, tem como meta a excelência na prestação de serviços jurídicos e o atendimento responsável e eficiente O Escritório é composto por um quadro de profissionais que, aliando vocação, experiência e inovação, tem como meta a excelência na prestação de serviços jurídicos e o atendimento responsável e eficiente

Leia mais

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa A Visão dos Geradores Edson Luiz da Silva Diretor de Regulação A Apine Perfil dos Sócios Geradores privados de energia elétrica

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado da Casa Civil Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Estado do Rio de Janeiro

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado da Casa Civil Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Estado do Rio de Janeiro Processo nº.: E-12/0 Autuação: 29/01 Concessionária: PROLAGOS Assunto: Seguro Garantia - 2014 Sessão Regulatória: 26 de agosto de 2014 RELATÓRIO O presente Processo Regulatório foi iniciado em razão da

Leia mais

ANEXO VI - INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL SUMÁRIO. Seção I Informações Gerais... Erro! Indicador não definido.

ANEXO VI - INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL SUMÁRIO. Seção I Informações Gerais... Erro! Indicador não definido. ANEXO VI - INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL SUMÁRIO Seção I Informações Gerais... Erro! Indicador não definido. Seção II Aspectos da Proposta Comercial... Erro! Indicador não definido.

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº XX, DE XX DE XX DE 2015

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº XX, DE XX DE XX DE 2015 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº XX, DE XX DE XX DE 2015 Estabelece os procedimentos e a metodologia de cálculo das tarifas a serem observados pelos prestadores dos serviços públicos de abastecimento de água e de

Leia mais

TARIFA MÉDIA DE CONCESSÃO 2014

TARIFA MÉDIA DE CONCESSÃO 2014 2014 TARIFA MÉDIA DE CONCESSÃO 2014 POTIGÁS DIRETORIA EXECUTIVA ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO Este relatório apresenta a metodologia de cálculo da Tarifa Média da POTIGÁS para o ano de 2014, com base no Contrato

Leia mais

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Prof. Eduardo Matsudo REGULAÇÃO Santo André, 20 de abril de 2011 Conceitos Básicos: microeconomia/economia

Leia mais

Resultados do 1T15 Maio, 2015

Resultados do 1T15 Maio, 2015 Resultados do Maio, 2015 Destaques Operacional e Qualidade do Serviço Redução de 0,83 p.p. nas perdas totais no vs., totalizando 9,3% FEC de 3,21 vezes, 26,5% menor do que no ; DEC de 9,08 horas, 7,8%

Leia mais

valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS

valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS ANER SEDE ANER SHIS QI 23 Conjunto 13 casa 19 Lago Sul Brasília - DF Entidade sem fins lucrativos,

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 355, DE 17 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº 355, DE 17 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº 355, DE 17 DE MARÇO DE 2015. Dispõe sobre os procedimentos e as taxas de desconto dos fluxos de caixa marginais a serem adotados nos processos de Revisão Extraordinária nos Contratos de Concessão

Leia mais

ISENÇÕES E DESCONTOS TARIFÁRIOS RIOS NAS CONCESSÕES DE

ISENÇÕES E DESCONTOS TARIFÁRIOS RIOS NAS CONCESSÕES DE ISENÇÕES E DESCONTOS TARIFÁRIOS RIOS NAS CONCESSÕES DE SERVIÇO O PÚBLICOP V FÓRUM F BRASILEIRO SOBRE AS AGÊNCIAS REGULADORAS Brasília, 08 de abril de 2008 GUSTAVO BINENBOJM PROF. ADJUNTO DE DIREITO ADMINISTRATIVO,

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA O presente documento visa explanar os principais pontos da nova regulamentação e dirimir alguns questionamentos comuns aos agentes diretamente

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 2 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica n o 250/2007 SRE/ANEEL Em 2 de agosto de 2007. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Audiência Pública nº 006/2015

Audiência Pública nº 006/2015 Audiência Pública nº 006/2015 Aprimoramento do sistema de Bandeiras Tarifárias e da regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifária Contribuições do Grupo Energisa Rio de Janeiro,

Leia mais

Ciclo de debates sobre Energia e Desenvolvimento Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal 01/04/2013

Ciclo de debates sobre Energia e Desenvolvimento Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal 01/04/2013 Ciclo de debates sobre Energia e Desenvolvimento Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal 01/04/2013 Agenda I - COMISSÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA - CI Agenda CI 2013/2014 - Investimento

Leia mais

Contribuição à Audiência 065/2008

Contribuição à Audiência 065/2008 Contribuição à Audiência 065/2008 Revisão da Resolução Normativa n 57/2004, que trata das metas e condições de atendimento das centrais de teleatendimento (CTA) 09/02/2009 APRESENTAÇÃO 1. O SINERGIA CUT

Leia mais

A REGULAÇÃO PETROLÍFERA EM ANGOLA E O PROCESSO DE LICITAÇÃO E CONTRATAÇÃO 30/05/12

A REGULAÇÃO PETROLÍFERA EM ANGOLA E O PROCESSO DE LICITAÇÃO E CONTRATAÇÃO 30/05/12 A REGULAÇÃO PETROLÍFERA EM ANGOLA E O PROCESSO DE LICITAÇÃO E CONTRATAÇÃO 30/05/12 AGENDA 2 I. CONSIDERAÇÕES GERAIS II. PRINCIPAIS INSTRUMENTOS LEGAIS E CONTRATUAIS III. REGULAÇÃO DO SECTOR PETROLÍFERO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 086/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO:

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 086/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 086/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres - ABRACE AGÊNCIA NACIONAL DE

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais