Perspec'vas para uma nova contratação do sistema de transportes no município de São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perspec'vas para uma nova contratação do sistema de transportes no município de São Paulo"

Transcrição

1 Perspec'vas para uma nova contratação do sistema de transportes no município de São Paulo Ciro Biderman Seminário: Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus São Paulo, agosto de 2014.

2 Problemas da Concessão Atual Taxa de retorno associada ao veículo Limitação de incenkvo ao ganho de produkvidade. Limitação de IncenKvo para a renovação da frota. IncenKvos distorcidos Punição insuficiente ao não cumprimento do contrato. Ausência de prêmio por performance extraordinária. Consórcio permite que as linhas piores sejam repassadas para os parkcipantes minoritários. Modelo operacional necessita de adequações.

3 A Oportunidade O cancelamento do Edital e o cenário pós manifestações abriram a possibilidade de implementarmos um edital com mudanças mais significakvas. Além dos ajustes necessários na remuneração há uma possibilidade de se alterar a estrutura contratual.

4 Os Desafios VerKcalização das grandes concessionárias e volume expressivo de veículos - > barreiras à entrada na aquisição de veículos. Posse de grandes terrenos consolidados na cidade para servir de garagem operacional dos veículos- > barreiras à entrada na aquisição de terrenos. Com poder de monopólio, temos: Seleção adversa: ameaça de envelope em branco. Dano moral: dificuldade em alterar operadores.

5 Concorrência Internacional Coloca limites à seleção adversa: se não houver interesse de nenhuma empresa nacional pode haver interesse de empresas internacionais. Dificuldade: empresas internacionais geralmente requerem associação com empresas locais. Possibilidade de associação com empresas menores que ficarem alijadas do processo. Necessidade de regras claras.

6 Separação entre CAPEX e OPEX I) Aquisição de veículos (frota de ônibus) Empresa municipal. Fundo de InvesKmento. PPP separada para OPEX e CAPEX. II) Garagens Fundo de InvesKmento Imobiliário. PPP com reversibilidade. III) Terminais InvesKmento e operação pelo setor público. InvesKmento atravez de PPP com reversibilidade Operação concedida.

7 Separação entre CAPEX e OPEX I) Aquisição de veículos Redução do custo de capital: inclusão de alavancagem e alteração no critério de depreciação. Poderia ser incluída diretamente no novo edital. Com a mudança de TIR para BDI, o ganho é queskonável. Redução do poder de monopólio no médio- prazo Em 10 anos os veículos serão propriedade do fundo ou da empresa. Mudança na lógica de remuneração: a operação teria o seu lucro por BDI, incenkvando ganhos de produkvidade. Alteração de tecnologia veicular não dependeria mais de incenkvos adicionais.

8 Separação entre CAPEX e OPEX I) Aquisição de Veículos por Empresa Municipal Necessidade de Lei específica. Não é contraditório com a Lei (art. 31). Depende de PAF para tomar Financiamento. Se o financiamento não for subsidiado, não há garanka de redução de custos. Necessidade de garankas pelo Município. Pode- se uklizar o fluxo de recebíveis. Risco: Ineficiência do setor público nas compras.

9 Separação entre CAPEX e OPEX I) Aquisição de Veículos por Fundo de Inves'mento ou PPP Definição de compras pelo município. Repassa o controle do uso para o agente financeiro ou empresa ganhadora da PPP. Pode ser implementado sem necessidade de lei específica. Não depende de PAF ou garankas municipais. PPP é em princípio mais cara do que fundo de inveskmento financiado por banco de fomento. Risco: criar outro monopólio.

10 Separação entre CAPEX e OPEX II) Garagens As garagens representam um poder de monopólio igual ou pior do que a propriedade dos veículos. Possibilidade de exploração do espaço comercial. Possibilidade de entrada de novos atores (empreiteiras). Fundos de InvesKmento Imobiliário detém os terrenos e recebem remuneração proporcional da conta sistema. Operação e manutenção por conta dos operadores do sistema. Risco de mudança de uso deve ser mikgado. PPP com reversibilidade. Terrenos oferecidos em concessão específica. Reversibilidade garante o uso.

11 Separação entre CAPEX e OPEX III) Concessão de Terminais PL em votação na Câmara já contempla: Concessão com reversibilidade. Exploração do uso comercial. Terminais já são separados da operação do sistema. Exploração do espaço comercial. Deve- se garankr o espaço para a operação. Espaços adicionais desknados a serviços públicos Creches, unidades de saúde, etc. Pacotes de terminais incluindo carne e osso. Remuneração da operação dentro da conta sistema.

12 Operação Sem resolver a operação, muito pouco terá sido obkdo sobretudo no curto- prazo. Assimetria nos consórcios: poder excessivo do líder. Não cumprimento de parkdas planejadas representa um retorno acima do valor da multa dada a estrutura de fiscalização. Modelo operacional ineficiente: sobreposição de linhas e guerra dos centavos. 68% do sistema viário operado pelos ônibus tem sobreposição de linhas.

13 Possíveis Mudanças Organizacionais Sociedade de Propósito Específico (SPE): criação prevista para PPP, onde desaparece o líder do consórcio e a operação de linhas boas efekvamente compensam linhas ruins. Pode- se padronizar o plano de contas sem misturar com outros negócios dos operadores. Em uma concessão internacional os operadores pequenos teriam opções para não sair do sistema. Sistema local: migração de cooperakvas para empresas.

14 Operação Controlada ParKdas desde a garagem definidas pela SPTrans ou por empresa separada dos operadores. GaranKa de cumprimento das parkdas em todos os horários com melhoria da qualidade do serviço. Necessidade de inveskmentos da ordem de R$1 bilhão. Necessidade de contratação de 800 operadores para o Centro de Controle e 1700 fiscais. Dificuldade com o regulamento atual da SPTrans que não permite que a empresa opere o sistema.

15 Controle eletrônico de par'das Responsabilidade do operador em fornecer informações confiáveis do posicionamento do veículo. Remuneração inclui pagamento pela aquisição de tecnologia comparvel com o requerido. Redução automákca da remuneração para parkdas não cumpridas. Correção entre o planejado e o executado em função da velocidade média efekva.

16 Abrangência e Sobreposição de Linhas

17 O Sistema Troncalizado Es'lizado

18 Bacias do sistema local Cerca de 100 bacias locais. Necessidade de sistema intermediário sem rede de BRT. Reduz tempo médio de deslocamento e custos. O sistema necessita de algum mecanismo participativo para ser viável politicamente.

19 PPP para o BRT BRTs necessitam de inveskmento mas têm custo operacional mais baixo. Possibilidade de PPP juntando construtoras e operadores. Parte da remuneração dos operadores viria da operação. Compromisso com o modelo operacional do corredor. Fonte de recursos escassa. Possibilidade de adicionar à PPP a manutenção do corredor cria incenkvos à qualidade da obra.

20 Considerações Finais Não há como manter o formato de concessão e operação vigentes: pressão políkca e custos do sistema. É necessário desvincular o lucro da posse do veículo, o que pode ser obkdo separando CAPEX de OPEX ou alterando a fórmula de remuneração diretamente. É necessário fazer cumprir as parkdas o que pode ocorrer controlando- se diretamente a operação ou alterando a remuneração a parkr dos controles automákcos existentes. É necessário mudar o modelo operacional mas isso requer uma negociação complexa com a sociedade e capacidade de planejamento.

Sistema de Transporte Coletivo por ônibus da Cidade de São Paulo. Uma Análise Simplificada do Sistema de Remuneração Corrente (2014) Ciro Biderman

Sistema de Transporte Coletivo por ônibus da Cidade de São Paulo. Uma Análise Simplificada do Sistema de Remuneração Corrente (2014) Ciro Biderman Sistema de Transporte Coletivo por ônibus da Cidade de São Paulo Uma Análise Simplificada do Sistema de Remuneração Corrente (2014) Ciro Biderman 1 O sistema 16 empresas concessionárias e 9 cooperativas

Leia mais

MANEJO DE LA CALIDAD EN EL SISTEMA DE TRANSPORTE PUBLICO DE SAO PAULO

MANEJO DE LA CALIDAD EN EL SISTEMA DE TRANSPORTE PUBLICO DE SAO PAULO MANEJO DE LA CALIDAD EN EL SISTEMA DE TRANSPORTE PUBLICO DE SAO PAULO III Congreso Las Mejores Prácticas SIBRT en America Latina Ciro Biderman - SPTrans Junio, 2013 Cenário 2012 Sistema de transporte urbano

Leia mais

TADS / DIATINF / CNAT / IFRN Disciplina de Processo de Desenvolvimento de So;ware Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.

TADS / DIATINF / CNAT / IFRN Disciplina de Processo de Desenvolvimento de So;ware Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu. TADS / DIATINF / CNAT / IFRN Disciplina de Processo de Desenvolvimento de So;ware Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br) Problemas comuns de processos Fundamentos sobre o melhoramento de processos

Leia mais

Glossário e Abreviações

Glossário e Abreviações Preparado pelo Município do Rio de Janeiro Rio de Janeiro Glossary Palavra Avaliação Cenário Base Licitante Modelo financeiro do licitante Projeto brownfield CAPEX Fluxo de Caixa Cash Sweep Mudança na

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012 Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH Marcelo Cintra do Amaral 20 de novembro de 2012 Roteiro da apresentação: Contexto do PlanMob-BH: prognóstico, caráter de plano diretor, etapas

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA ANÁLISE DOS CRITÉRIOS PARA REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE CONTRATOS DE CONCESSÕES E PPPS MARÇO 2015

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA ANÁLISE DOS CRITÉRIOS PARA REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE CONTRATOS DE CONCESSÕES E PPPS MARÇO 2015 PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA ANÁLISE DOS CRITÉRIOS PARA REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE CONTRATOS DE CONCESSÕES E PPPS MARÇO 2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) OU TAXA

Leia mais

Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público. Tema: Planilha Tarifária. Agosto/2013

Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público. Tema: Planilha Tarifária. Agosto/2013 Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público Tema: Planilha Tarifária Agosto/2013 Planilha Tarifária São Paulo Abrangência: Sistema de transporte sobre pneus no município de São

Leia mais

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão São Paulo, 15 de agosto de 2014 Agenda 1. Introdução - Belo

Leia mais

Dados de Porto Alegre. População: 1.409.351 habitantes. Área: 496,682 km2

Dados de Porto Alegre. População: 1.409.351 habitantes. Área: 496,682 km2 AUDIÊNCIA PÚBLICA Dados de Porto Alegre População: 1.409.351 habitantes Área: 496,682 km2 Figura 1. Localização do Município de Porto Alegre e dos demais municípios integrantes da RMPA. Legislação Aplicável:

Leia mais

CONCORRÊNCIA EMTU/SP Nº 014/2013

CONCORRÊNCIA EMTU/SP Nº 014/2013 CONCORRÊNCIA EMTU/SP Nº 014/2013 ANEXO 01 DETALHAMENTO DO OBJETO, DO SISTEMA E DAS CONDIÇÕES DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS ANEXO 01 1 DETALHAMENTO DO OBJETO 1. O OBJETO da PERMISSÃO compreende os serviços

Leia mais

Modelos de Concessão de Transporte Urbano por Ônibus. Apresentador: Carlos Henrique R.Carvalho Pesquisador do IPEA.

Modelos de Concessão de Transporte Urbano por Ônibus. Apresentador: Carlos Henrique R.Carvalho Pesquisador do IPEA. Modelos de Concessão de Transporte Urbano por Ônibus Apresentador: Carlos Henrique R.Carvalho Pesquisador do IPEA. Concessão de Transporte Urbano por Ônibus Intervenção do estado sobre a atividade de transporte

Leia mais

EXAME FORUM INFRAESTRUTURA

EXAME FORUM INFRAESTRUTURA EXAME FORUM INFRAESTRUTURA O MERCADO DE CAPITAIS E O FINANCIAMENTO DA INFRAESTRUTURA Carlos A. Rocca 24092014 CEMEC Centro de Estudos do IBMEC INDICE 1. Colocação do problema 2. A necessidade de um novo

Leia mais

I - Insuficiência de Informações

I - Insuficiência de Informações I - Insuficiência de Informações 2 Insuficiência de informações Primeira fase da Audiência Pública Preliminar: Não foram publicados o Plano de Negócios e o Laudo da Base de Ativos da SABESP Informações

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

lei do vale-transporte

lei do vale-transporte www.vb.com.br lei do vale-transporte Esta apresentação é uma iniciativa da VB para você ter acesso de forma simples e prática aos principais pontos da Lei do Vale-transporte. Aqui, você poderá tirar suas

Leia mais

Privadas O Projeto de Lei em tramitação

Privadas O Projeto de Lei em tramitação BNDES BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Parcerias Público-Privadas Privadas O Projeto de Lei em tramitação MAURÍCIO PORTUGAL RIBEIRO CONSULTOR JURÍDICO DA UNIDADE DE PPP DO MINISTÉRIO

Leia mais

Política Nacional de Mobilidade Urbana Os Desafios para Efetivação da Lei nº. 12.587/2012

Política Nacional de Mobilidade Urbana Os Desafios para Efetivação da Lei nº. 12.587/2012 Política Nacional de Mobilidade Urbana Os Desafios para Efetivação da Lei nº. 12.587/2012 André Dantas Matteus de Paula Freitas Arthur Oliveira Belo Horizonte (MG), 15/02/2012 1 ESTRUTURA 1. Contexto;

Leia mais

Título: Impactos dos Novos Empreendimentos de transporte coletivo metropolitano da EMTU/SP nas áreas de concessão da RMSP.

Título: Impactos dos Novos Empreendimentos de transporte coletivo metropolitano da EMTU/SP nas áreas de concessão da RMSP. Título: Impactos dos Novos Empreendimentos de transporte coletivo metropolitano da EMTU/SP nas áreas de concessão da RMSP. Autores: Ivan Carlos Regina ¹; Angelique Joseli de Oliveira¹ ¹ Empresa Metropolitana

Leia mais

SIM da RMBS. AUDIÊNCIA PÚBLICA DA PPP DO SIM DA RMBS 23/Outubro/2013

SIM da RMBS. AUDIÊNCIA PÚBLICA DA PPP DO SIM DA RMBS 23/Outubro/2013 SIM da RMBS Sistema Integrado Metropolitano Voltado à prestação do serviço de transporte público coletivo na Região Metropolitana da Baixada Santista RMBS AUDIÊNCIA PÚBLICA DA PPP DO SIM DA RMBS 23/Outubro/2013

Leia mais

Audiência Pública Projeto de Lei da Câmara n o 39, de 2007

Audiência Pública Projeto de Lei da Câmara n o 39, de 2007 Audiência Pública Projeto de Lei da Câmara n o 39, de 2007 Aspectos econômicos da negociação coletiva de médicos na Saúde Suplementar 1 Coordenação-Geral de Economia da Saúde (COGSA) Ministério da Fazenda

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 GESTÃO DO ESTOQUE DE UNIDADES PRONTAS Eco, MBA R.E., Mestre em Eng. Civil, Alfredo Eduardo Abibi Filho Dir. Inc. Jal Empreendimentos

Leia mais

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A.

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A. METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A. A Agência Reguladora dos Serviços de Saneamento das Bacias dos

Leia mais

ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA

ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA Durante o prazo da CONCESSÃO, a CONCESSIONÁRIA deverá contratar e manter em vigor no mínimo as apólices de seguro a

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo VII Legislação Aplicável Anexo VII O presente anexo apresenta a relação da legislação principal aplicável a este procedimento licitatório e à operação

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo ANEXO XVI. DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo ANEXO XVI. DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO XVI. DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário INTRODUÇÃO... 3 1 CAPEX... 4 2 OPEX... 12 3 CAPITAL DE TERCEIROS... 22 4 DRE... 24 5 FLUXO DE CAIXA LIVRE... 28 6 TIR... 30 Página 1 de

Leia mais

daniel.falcao@agexconsult.com.br Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia das empresas do mercado imobiliário.

daniel.falcao@agexconsult.com.br Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia das empresas do mercado imobiliário. Viabilidade do Negócio Imobiliário Uma Gestão Consciente Prof. Daniel F. Falcão daniel.falcao@agexconsult.com.br Objetivo Central Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia

Leia mais

LICITAÇÕES PÚBLICAS. Da Lei Geral (8.666/93) ao R.D.C Passando pela Locação de Ativos. Autoria Engº Sergio Piccinelli Engº Mário Cesar Stamm Jr

LICITAÇÕES PÚBLICAS. Da Lei Geral (8.666/93) ao R.D.C Passando pela Locação de Ativos. Autoria Engº Sergio Piccinelli Engº Mário Cesar Stamm Jr LICITAÇÕES PÚBLICAS Autoria Engº Sergio Piccinelli Engº Mário Cesar Stamm Jr Da Lei Geral (8.666/93) ao R.D.C Passando pela Locação de Ativos Consultas Bibliográficas Daniel Pinto Gontijo 20/NOVEMBRO/2012

Leia mais

Política Estadual de Resíduos Sólidos e Programa Metropolitano de RSU

Política Estadual de Resíduos Sólidos e Programa Metropolitano de RSU Política Estadual de Resíduos Sólidos e Programa Metropolitano de RSU Programa Metropolitano de Resíduos Sólidos Política Estadual de Resíduos Sólidos Procedimento de Manifestação de Interesse Programa

Leia mais

Divulgações sobre o envolvimento em entidades estruturadas

Divulgações sobre o envolvimento em entidades estruturadas CONTABILIDADE EM DESTAQUE Outubro de 2015 Edição: 001/15 Divulgações sobre o envolvimento em entidades estruturadas Esta edição da Contabilidade em Destaque tem como objetivo explicar mais profundamente

Leia mais

Estratégia de Financiamento

Estratégia de Financiamento Sustentabilidade Conforme o art. 29 da Lei nº 11.445/07, os serviços públicos de saneamento básico terão a sustentabilidade econômico-financeira assegurada, sempre que possível, mediante remuneração pela

Leia mais

BHTRANS. Place image here with reference to guidelines

BHTRANS. Place image here with reference to guidelines BHTRANS Relatório Técnico Final de Apuração do Resultado Econômico-Financeiro dos Contratos de Concessão da Rede de Transporte e Serviços por Ônibus de Belo Horizonte Place image here with reference to

Leia mais

Sistema de Transporte Coletivo de Curitiba

Sistema de Transporte Coletivo de Curitiba Comissão de Análise da Tarifa - Decreto nº. 358/2013 Sistema de Transporte Coletivo de Curitiba Resumo Mar/13 URBS Urbanização de Curitiba S/A A URBS foi criada através de Lei Municipal, em Agosto de 1963

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

ANEXO VI INVESTIMENTOS E RESPONSABILIDADES

ANEXO VI INVESTIMENTOS E RESPONSABILIDADES ANEXO VI INVESTIMENTOS E RESPONSABILIDADES 1 / 8 ANEXO VI - INVESTIMENTOS E RESPONSABILIDADES 6.1. Investimento em frota de veículos - disponibilidade de frota para o início da operação 6.2. Frota de veículos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.6 Especificações do Sistema de Bilhetagem Eletrônica PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 2 CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA... 2 2.1 Processos

Leia mais

X Seminário Nacional Metroferroviário: PPP no financiamento da Mobilidade Urbana. Março/2014

X Seminário Nacional Metroferroviário: PPP no financiamento da Mobilidade Urbana. Março/2014 X Seminário Nacional Metroferroviário: PPP no financiamento da Mobilidade Urbana Março/2014 Características dos investimentos no setor Montante elevado de recursos Longo prazo de implantação Modicidade

Leia mais

Estudo de Caso. PPP da FURP IFAB Indústria Farmacêutica Américo Brasiliense

Estudo de Caso. PPP da FURP IFAB Indústria Farmacêutica Américo Brasiliense Estudo de Caso PPP da FURP IFAB Indústria Farmacêutica Américo Brasiliense Cristina M. W. Mastrobuono São Paulo, 27.11.2014 FURP: Fundação constituída e mantida pelo Estado de São Paulo, que tem o objetivo

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo Pauline Niesseron (*) Após as manifestações de junho 2013, surgiu um questionamento

Leia mais

RMTC. Rede Metropolitana de Transporte Coletivo

RMTC. Rede Metropolitana de Transporte Coletivo RMTC Rede Metropolitana de Transporte Coletivo RMTC Região Metropolitana de Goiânia PLANO DE NEGÓCIOS Sta Bárbara de Goiás Caturaí Inhumas Trindade Brazabantes Goianira Nova Veneza Sto Antônio de Goiás

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Salvador. Secretaria Municipal de Mobilidade

Plano de Mobilidade Urbana de Salvador. Secretaria Municipal de Mobilidade Plano de Mobilidade Urbana de Salvador Secretaria Municipal de Mobilidade Lei Federal nº 12.587/12 (Lei de Mobilidade) Os objetivos da Política Nacional de Mobilidade Urbana são a integração entre os modos

Leia mais

Consórcio Metropolitano de Gestão do Sistema de Transporte da RMPA PLANO DE IMPLANTAÇÃO 2014/2016

Consórcio Metropolitano de Gestão do Sistema de Transporte da RMPA PLANO DE IMPLANTAÇÃO 2014/2016 Consórcio Metropolitano de Gestão do Sistema de Transporte da RMPA PLANO DE IMPLANTAÇÃO 2014/2016 Objetivo Geral Estabelecer um novo modelo Operacional Econômico Jurídico Institucional De Gestão dos Sistemas

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo ANEXO XIX. SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo ANEXO XIX. SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA ANEXO XIX. SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA Durante o prazo da CONCESSÃO, a CONCESSIONÁRIA deverá contratar e manter em vigor no mínimo as apólices de seguro a seguir indicadas, nas condições

Leia mais

Zurich: um parceiro de nível mundial

Zurich: um parceiro de nível mundial Zurich: um parceiro de nível mundial Países com escritório ZURICH Países que temos potencialidades Fundado em 1872 Presente em mais de 60 países Um dos líderes globais da indústria de seguros Entre os

Leia mais

Gestão de Organizações Cooperativas Uma visão aplicada. Davi R. de Moura Costa EESP-FGV/SP

Gestão de Organizações Cooperativas Uma visão aplicada. Davi R. de Moura Costa EESP-FGV/SP Gestão de Organizações Cooperativas Uma visão aplicada Davi R. de Moura Costa EESP-FGV/SP Apresentação Geral 1. Características do Mercado de Serviços 2. A lógica da ação coletiva 3. A gestão das organizações

Leia mais

4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão

4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão 4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão Painel 2 - Gestão, operação e capacitação para enfrentar os desafios do saneamento e enfrentar a crise hídrica 01 de Outubro de 2015 Agenda Desafios no Setor de

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01 Entidades de Incorporação Imobiliária Descrição Item Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesas

Leia mais

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Conference Call 221 de dezembro de 2009 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados

Leia mais

LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal

LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal Aspectos Gerais do Serviço Atual Transporte Coletivo Convencional: 06 Empresas 80 linhas 622 veículos operacionais 4.461 viagens DU 4.029.918 Km operacional Transporte

Leia mais

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO CDURP

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO CDURP COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO CDURP Relatório Trimestral de Atividades Período Julho - Setembro / 2010 Sumário Executivo Este relatório apresenta um resumo do

Leia mais

Parceria Público Privada Saúde Unidades Básicas de Saúde da Família Manaus AM - Brasil

Parceria Público Privada Saúde Unidades Básicas de Saúde da Família Manaus AM - Brasil Parceria Público Privada Saúde Unidades Básicas de Saúde da Família Manaus AM Brasil Nov_2014 AGENDA 1. Contextualização 2. Descrição dos Sponsors 3. Overview do Projeto 4. Mapa das Unidades 5. Principais

Leia mais

CDURP. Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do. Porto do Rio de Janeiro. Relatório Trimestral de Atividades. Período Julho - Setembro / 2010

CDURP. Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do. Porto do Rio de Janeiro. Relatório Trimestral de Atividades. Período Julho - Setembro / 2010 Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro Relatório Trimestral de Atividades Período Julho - Setembro / 2010 Sumário Executivo Este relatório apresenta um resumo do trabalho

Leia mais

Anexo VI VALOR INICIAL DO CONTRATO

Anexo VI VALOR INICIAL DO CONTRATO 1 CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL SC PLANO DE OUTORGA Anexo VI VALOR INICIAL DO CONTRATO Janeiro/2013 2 ANEXO V Valor Inicial do Contrato

Leia mais

ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA.

ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA. EDITAL CONCORRÊNCIA 01/2015 ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA. Este Anexo apresenta as especificações requeridas para o Sistema de Bilhetagem Eletrônica SBE a ser implantado

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

DRAFT. PROJETO DE MOBILIDADE URBANA DE MANAUS 6 de outubro de 2009

DRAFT. PROJETO DE MOBILIDADE URBANA DE MANAUS 6 de outubro de 2009 PROJETO DE MOBILIDADE URBANA DE MANAUS 6 de outubro de 2009 Agenda Crescimento de Manaus Solução de mobilidade urbana Resumo do projeto do monotrilho Resumo do projeto do BRT Quadro 2 Agenda Crescimento

Leia mais

CIDADE DO CIDADE PARA AUTOMÓVEL PESSOAS

CIDADE DO CIDADE PARA AUTOMÓVEL PESSOAS MOBILIDADE URBANA Na região Metropolitana de Florianópolis e o PLAMUS Superintendência da Região Metropolitana da Grande Florianópolis CIDADE DO AUTOMÓVEL CIDADE PARA PESSOAS RACIONALIZAÇÃO DO ESPAÇO Espaço

Leia mais

PROMOMEMO. [x] MKT [] SVA v.2 2 08/01/2015

PROMOMEMO. [x] MKT [] SVA v.2 2 08/01/2015 Diretoria (selecionar) Versão Numeração Data [x] MKT [] SVA v.2 2 08/01/2015 Solicitante Gerência Pamella Lopes MKT Aquisição Pós Pago PME Título: Claro Flex 25 Elaborado por: Renata Garbin SUMÁRIO 1.

Leia mais

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 José Félix de Souza Júnior Objetivo e Alcance Deve ser aplicado na contabilização e na divulgação de subvenção governamental

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral norte de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE CONTRATOS DE INVESTIMENTO COLETIVO ( CIC ) NO EMPREENDIMENTO

OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE CONTRATOS DE INVESTIMENTO COLETIVO ( CIC ) NO EMPREENDIMENTO OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE CONTRATOS DE INVESTIMENTO COLETIVO ( CIC ) NO EMPREENDIMENTO CONDOMÍNIO HOTEL TATUAPÉ ( OFERTA ) DECLARAÇÃO DO ADQUIRENTE NOME DO

Leia mais

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira APIMEC RIO Resultados do 1T12 Diretoria Econômico-Financeira e de Relações com Investidores Aviso Esta apresentação pode conter considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas

Leia mais

DIRETORIA DE TRANSPORTES

DIRETORIA DE TRANSPORTES O que é concessão? É o instrumento previsto em Lei que possibilita a transferência da execução de determinado serviço público a particulares, através da celebração de um contrato, por prazo certo e determinado,

Leia mais

57º Fórum Mineiro de Gerenciadores de Transporte e Trânsito 07 e 08 de Março de 2013

57º Fórum Mineiro de Gerenciadores de Transporte e Trânsito 07 e 08 de Março de 2013 Araxá, 08/03/13 57º Fórum Mineiro de Gerenciadores de Transporte e Trânsito 07 e 08 de Março de 2013 O Futuro do Transporte Urbano nas Cidades de Pequeno e Médio Porte Compete à União: XX instituir diretrizes

Leia mais

REGULAMENTO OFERTA TIM PÓS

REGULAMENTO OFERTA TIM PÓS REGULAMENTO OFERTA é uma oferta da TIM Celular S.A, prestadora do SMP e do STFC, na modalidade Longa Distância Nacional, para pessoas físicas que estejam usando o seu acesso no Brasil dentro da Rede da

Leia mais

ANEXO IV PLANO DE NEGÓCIOS REFERENCIAL

ANEXO IV PLANO DE NEGÓCIOS REFERENCIAL ANEXO IV PLANO DE NEGÓCIOS REFERENCIAL ANEXO IV PLANO DE NEGÓCIOS REFERENCIAL p. 1 / 28 Índice Índice... 2 Lista de Figuras... 3 1. Introdução... 4 2. Modelo de Investimentos... 6 2.1. CAPEX... 6 2.2.

Leia mais

Viabilidade Financeira: Calculo da TIR e VPL

Viabilidade Financeira: Calculo da TIR e VPL Terceiro Módulo: Parte 4 Viabilidade Financeira: Calculo da TIR e VPL AN V 3.0 [54] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com 1 Viabilidade

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSPORTE. Espaço exclusivo Caminhos Desobstruídos. Serviço em Rede. Operação Controlada Regularidade Confiabilidade

POLÍTICA DE TRANSPORTE. Espaço exclusivo Caminhos Desobstruídos. Serviço em Rede. Operação Controlada Regularidade Confiabilidade POLÍTICA DE TRANSPORTE QUALIFICAR O Serviço de Transporte por Ônibus Espaço exclusivo Caminhos Desobstruídos Serviço em Rede Flexibilidade de Trajetos Racionalidade de Caminhos Operação Controlada Regularidade

Leia mais

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Boletim 5ª Reunião do GT-Testes 7 de Fevereiro de 2013 A implantação do IPN depende de prévia autorização dos órgãos reguladores A implantação da integração das

Leia mais

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Seminário de Mobilidade Urbana Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Celio Bouzada 23 de Setembro de 2015 Belo Horizonte População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da

Leia mais

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ 1 1 Introdução Sustentabilidade Mudança nos atuais modelos de produção e consumo Alternativas

Leia mais

ABNT Parte 1-14653. PRINCIPAIS ALTERAÇÕES Seminário IBAPE MG 17/04/2015

ABNT Parte 1-14653. PRINCIPAIS ALTERAÇÕES Seminário IBAPE MG 17/04/2015 ABNT Parte 1-14653 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES Seminário IBAPE MG 17/04/2015 Palestra - Osório Gatto Octavio Galvão, Arival Cidade, Frederico Coelho, Antônio Pelli ABNT Parte 1-14653 Estrutura apresentação Histórico

Leia mais

Licitação do Sistema de ônibus Intermunicipal

Licitação do Sistema de ônibus Intermunicipal SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES Licitação do Sistema de ônibus Intermunicipal DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO São Gonçalo, 27 de Outubro de 2015 SITUAÇÃO ATUAL -

Leia mais

R: Vide resposta 1. Integração tarifária será objeto de convênios do Estado com as Prefeituras.

R: Vide resposta 1. Integração tarifária será objeto de convênios do Estado com as Prefeituras. Nome: Etter: Empresa: Etter Advogados Email: etter@abv.oabsp.org.br Assunto: Questionamentos 1) Pergunta: A resolução STM 54, de 16/05/2011, dispõe no seu artigo II alínea H Vencedora da licitação: Obrigatoriedade

Leia mais

A NECESSIDADE DE UM NOVO MODELO

A NECESSIDADE DE UM NOVO MODELO A NECESSIDADE DE UM NOVO MODELO DE FINANCIAMENTO DE INFRAESTRUTURA BM&F BOVESPA 30/01/2015 CEMEC Centro de Estudos do IBMEC Carlos A. Rocca INDICE 1. Investimentos crescimento em infraestrutura e retomada

Leia mais

Obras de Mobilidade Urbana no Município da Cidade do Rio de Janeiro. Alexandre Pinto Secretario Municipal de Obras

Obras de Mobilidade Urbana no Município da Cidade do Rio de Janeiro. Alexandre Pinto Secretario Municipal de Obras Obras de Mobilidade Urbana no Município da Cidade do Rio de Janeiro Alexandre Pinto Secretario Municipal de Obras BRTs Criado no Brasil e exportado para diversas cidades, tais como Bogotá, Pequim e Johanesburgo,

Leia mais

A Experiência do BNDES na Estruturação de Projetos

A Experiência do BNDES na Estruturação de Projetos A Experiência do BNDES na Estruturação de Projetos 1 Roteiro 1. Importância da Estruturação de um Projeto Identificação do Projeto Elaboração dos Estudos Procedimento Licitatório Execução 2. Como selecionar

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO. Modalidade: CONCORRÊNCIA Nº. 01/2013 SEGEM

EDITAL DE LICITAÇÃO. Modalidade: CONCORRÊNCIA Nº. 01/2013 SEGEM EDITAL DE LICITAÇÃO Modalidade: CONCORRÊNCIA Nº. 01/2013 SEGEM Tipo: MELHOR TÉCNICA E MENOR VALOR POR TONELADA A SER PAGO PELO PODER CONCEDENTE PARA A EXECUÇÃO DO OBJETO DO PRESENTE EDITAL Processo nº.

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO CTBC MIX

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO CTBC MIX REGULAMENTO DA PROMOÇÃO CTBC MIX 1) OBJETIVO: O presente Regulamento tem por objetivo estabelecer as relações entre as EMPRESA(S) CTBC Telecom, CTBC Celular S/A e CTBC Multimídia Data Net S/A, adiante

Leia mais

O financiamento de projetos no sector da água nos países de operação do BERD

O financiamento de projetos no sector da água nos países de operação do BERD O financiamento de projetos no sector da água nos países de operação do BERD Abel Mateus, Diretor por Portugal/Grécia no BERD Lisboa 23 de março de 2012 Informação geral sobre o Banco 12 10 8 6. 65 55

Leia mais

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS Este Anexo tem por objetivo orientar a elaboração do Plano de Negócios, que compõe a proposta comercial da proponente. O documento deve corresponder

Leia mais

Regulação de Utilidades Públicas Avaliação & Gestão de Ativos Auditoria & Riscos

Regulação de Utilidades Públicas Avaliação & Gestão de Ativos Auditoria & Riscos Regulação de Utilidades Públicas Avaliação & Gestão de Ativos Auditoria & Riscos Resultados Finais Tarifas de Esgotamento Sanitário Odebrecht Ambiental Equipe Técnica Diogo Mac Cord de Faria: Sócio da

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 53, DE 08 DE MAIO DE 2014

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 53, DE 08 DE MAIO DE 2014 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 53, DE 08 DE MAIO DE 2014 Dispõe sobre o procedimento para a realização da revisão ordinária do Contrato de Concessão dos Serviços Públicos de Água e Esgoto do Município de Limeira

Leia mais

PROMOMEMO. [x] MKT [] SVA v.2 1 08/01/2015

PROMOMEMO. [x] MKT [] SVA v.2 1 08/01/2015 Diretoria (selecionar) Versão Numeração Data [x] MKT [] SVA v.2 1 08/01/2015 Solicitante Gerência Pamella Lopes MKT Aquisição Pós Pago PME Título: Novo Plano AACE Elaborado por: Renata Garbin SUMÁRIO 1.

Leia mais

PEQUENA ANALISE SOBRE O RETORNO FINANCEIRO OBTIDO NA FABRICAÇÃO E VENDA DE IMÓVEIS EM BOM DESPACHO/MG

PEQUENA ANALISE SOBRE O RETORNO FINANCEIRO OBTIDO NA FABRICAÇÃO E VENDA DE IMÓVEIS EM BOM DESPACHO/MG PEQUENA ANALISE SOBRE O RETORNO FINANCEIRO OBTIDO NA FABRICAÇÃO E VENDA DE IMÓVEIS EM BOM DESPACHO/MG Alexandre Pinto da Cunha Bom Despacho/MG 2011 RESUMO O objetivo deste trabalho é descrever e analisar

Leia mais

P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia

P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia causada pelo endividamento público Limitação provocada pela

Leia mais

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO... 2 1.1Planilha 1 Demonstração

Leia mais

Panorama da Inclusão Financeira no Brasil. Carlos Alberto dos Santos Diretor Técnico Sebrae Nacional

Panorama da Inclusão Financeira no Brasil. Carlos Alberto dos Santos Diretor Técnico Sebrae Nacional Panorama da Inclusão Financeira no Brasil Carlos Alberto dos Santos Diretor Técnico Sebrae Nacional Panorama da Inclusão Financeira no Brasil Agenda 1. Inclusão financeira: a construção de uma estratégia

Leia mais

RESPOSTAS À CONSULTA PÚBLICA PPP UAI (Betim, Governador Valadares, Montes Claros, Uberaba, Uberlândia e Varginha)

RESPOSTAS À CONSULTA PÚBLICA PPP UAI (Betim, Governador Valadares, Montes Claros, Uberaba, Uberlândia e Varginha) RESPOSTAS À CONSULTA PÚBLICA PPP UAI (Betim, Governador Valadares, Montes Claros, Uberaba, Uberlândia e Varginha) Os questionamentos realizados pelos interessados foram agrupados e sintetizados em torno

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR Suzano PROJETO INTEGRADOR 1. Introdução O mercado atual de trabalho exige dos profissionais a capacidade de aplicar os conhecimentos

Leia mais

Parágrafo Primeiro: Fica assegurado ao TRABALHADOR admitido para a função de outro, o percebimento de salário igual ao TRABALHADOR desligado.

Parágrafo Primeiro: Fica assegurado ao TRABALHADOR admitido para a função de outro, o percebimento de salário igual ao TRABALHADOR desligado. REFERÊNCIA: CLARO S/A PAUTA NACIONAL DE REIVINDICAÇÕES DOS TRABALHADORES DAS EMPRESAS CONCESSIONÁRIAS DE TELEFONIA FIXA E MÓVEL (OPERADORAS) PARA NEGOCIAÇÃO UNIFICADA DOS SINDICATOS FILIADOS À FENATTEL

Leia mais

Política governamental e propostas para combate do déficit habitacional As Contribuições da CAIXA

Política governamental e propostas para combate do déficit habitacional As Contribuições da CAIXA Política governamental e propostas para combate do déficit habitacional As Contribuições da CAIXA 1 Conferência Internacional de Crédito Imobiliário do Banco Central do Brasil Experiência Internacional

Leia mais

Proposta preliminar para discussão com. Versão de 23 de abril de 2004. Potenciais Parceiros Privados

Proposta preliminar para discussão com. Versão de 23 de abril de 2004. Potenciais Parceiros Privados Proposta preliminar para discussão com Versão de 23 de abril de 2004 Potenciais Parceiros Privados Apresentação O Governo do Estado de Minas Gerais, com a publicação da Lei nº 14.868, de 16 de dezembro

Leia mais

www.pwc.com Reunião Técnica: Norma contábil - IFRS 15: Receitas de contratos com clientes e as mudanças no reconhecimento de receita.

www.pwc.com Reunião Técnica: Norma contábil - IFRS 15: Receitas de contratos com clientes e as mudanças no reconhecimento de receita. www.pwc.com Reunião Técnica: Norma contábil - IFRS 15: Receitas de contratos com clientes e as mudanças no reconhecimento de receita. Outubro 2014 IFRS 15 Objetivo do Projeto Principal Objetivo Padronizar

Leia mais

Estudo Preliminar de Viabilidade Econômico Financeira da PPP UAI da Praça Sete 1. Introdução

Estudo Preliminar de Viabilidade Econômico Financeira da PPP UAI da Praça Sete 1. Introdução Estudo Preliminar de Viabilidade Econômico Financeira da PPP UAI da Praça Sete 1. Introdução O presente estudo tem como objetivo apresentar as principais premissas e fontes de informação que subsidiaram

Leia mais

A PPP VIABILIZANDO A TROCA DE PONTOS DE LUZ DA CIDADE DE SÃO PAULO POR LUMINARIA DE LED. Luciano Haas Rosito

A PPP VIABILIZANDO A TROCA DE PONTOS DE LUZ DA CIDADE DE SÃO PAULO POR LUMINARIA DE LED. Luciano Haas Rosito A PPP VIABILIZANDO A TROCA DE PONTOS DE LUZ DA CIDADE DE SÃO PAULO POR LUMINARIA DE LED Luciano Haas Rosito 1 Professor de cursos de iluminação pública e iluminação de exteriores no Brasil e exterior;

Leia mais

FRANCINETT VIDIGAL JUNIOR Diretor Presidente VAE VALOR & ATITUDE EMPRESARIAL. Uma Abordagem Prática

FRANCINETT VIDIGAL JUNIOR Diretor Presidente VAE VALOR & ATITUDE EMPRESARIAL. Uma Abordagem Prática FRANCINETT VIDIGAL JUNIOR Diretor Presidente VAE VALOR & ATITUDE EMPRESARIAL Como Uma Empresa se Organiza Para Desenvolver CONCESSÕES e PPPs Uma Abordagem Prática SUMÁRIO I. CONSIDERAÇÕES BÁSICAS SOBRE

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA. 1. Sistema de Monitoramento da Frota O Sistema de Monitoramento da Frota será implantado pela concessionária para

Leia mais