HOSPITAL MATERNIDADE THEREZINHA DE JESUS - HMTJ PROVA DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 MASTOLOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HOSPITAL MATERNIDADE THEREZINHA DE JESUS - HMTJ PROVA DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 MASTOLOGIA"

Transcrição

1 HOSPITAL MATERNIDADE THEREZINHA DE JESUS - HMTJ PROVA DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 MASTOLOGIA Data: 27/01/2013 domingo Local: Hospital Maternidade Therezinha de Jesus - HMTJ Endereço: Rua Dr. Dirceu de Andrade, 33 São Mateus Juiz de Fora/MG Salas: 106, 107 e 108 Horário: 08:30 às 11:00 horas REGULAMENTO Leia atentamente as seguintes instruções: 1) Você receberá do fiscal o seguinte material: a) Um cartão de respostas destinado à marcação da opção que julgar acertada em cada pergunta; b) Um caderno com o enunciado das 50 (cinqüenta) questões e respectivas opções, sem repetição ou falha. 2) Verifique se este material está em ordem. Ocorrendo dúvidas, notifique imediatamente ao fiscal. 3) Para cada uma das questões são apresentadas 4 (quatro) alternativas classificadas com as letras a),b),c),d); somente uma alternativa responde ao quesito proposto. Você só deve assinalar uma resposta; a marcação de mais de uma alternativa no cartão, anula a questão, mesmo que uma delas esteja correta. 4) As questões são identificadas pelo número que se situa junto ao seu enunciado. 5) Preencha completamente o retângulo correspondente a letra escolhida, com caneta esferográfica com tinta azul ou preta. 6) Tenha muito cuidado com o cartão de respostas para não dobrá-lo, amassá-lo ou manchá-lo em nenhuma hipótese será fornecido um substituto. NÃO É PERMITIDO O USO DE CORRETIVO, NEM RASURAS. 7) Sob a carteira somente será permitido o documento de identificação, ficha de inscrição, caneta e borracha. 8) Ao terminar a prova, entregue ao fiscal o caderno de questões e o cartão de respostas assinado. 9) Boa prova. ATENÇÃO Condição de anulação da prova: Retângulos preenchidos a lápis ou caneta hidrocor. É proibido portar quaisquer aparelhos eletrônicos, mesmo desligados, incluindo relógio, computadores de mão, calculadoras, telefones celulares, etc. A comprovação do porte de qualquer equipamento eletrônico pelo candidato resultará em sua eliminação do processo seletivo.

2 1) É considerada uma contra-indicação absoluta para realização de biópsia de linfonodo sentinela: a) Carcinoma lobular invasor b) Carcinoma multicêntrico c) Carcinoma ductal in situ d) Carcinoma inflamatório 2) Qual dos seguintes é considerado o principal fator de risco isolado para o desenvolvimento de câncer de mama? a) Idade b) Radioterapia prévia de tórax devido linfoma há 10 anos c) História familiar d) Mutação brca1/2 3) Paciente 50 anos, assintomática, procura atendimento para realizar exames de rotina. Mamografia apresentando nódulo irregular de contornos espiculados em qsl de mama esquerda, medindo 1,5cm. Usg de mama com nódulo hipoecóico em qsl de mama esquerda, medindo 1,3cm, com maior eixo perpendicular à pele, de contornos irregulares e margens espiculadas. Ao exame físico, mamas sem lesões palpáveis, axilas negativas. Qual o laudo mamográfico atribuído a esta lesão descrita? a) BI-RADS 0 b) BI-RADS 2 c) BI-RADS 5 d) BI-RADS 6 4) Qual a conduta mais adequada na paciente da questão anterior? a) Mastectomia esquerda com biópsia de linfonodo sentinela b) Punção (paaf) da lesão guiada por usg para avaliação citológica c) Core biópsia (biópsia percutânea) da lesão guiada por usg d) Usg com doppler da lesão 5) A politelia é a anormalidade congênita mamária mais comum e se caracteriza por: a) Mama supranumerária b) Mamilo supranumerário sem a presença de tecido mamário c) Tecido mamário ectópico sem a presença de mamilo d) Ausência de mama bilateral Processo Seletivo Residência Médica Página 2

3 6) Paciente de 40 anos, ao realizar o auto-exame das mamas, identifica nódulo de mama esquerda. É encaminhada para atendimento especializado com mastologista. Ao exame físico feito pelo especialista apresenta nódulo móvel, regular delimitado em qsm de mama esquerda medindo 2cm, axilas e mama direita sem lesões palpáveis. Mamografia bi-rads 0 devido presença de assimetria focal em qsm de mama esquerda. Qual a melhor conduta? a) Paaf b) Usg mamária c) Ressonância magnética das mamas d) Tumorectomia 7) A mastectomia que resseca o músculo peitoral menor foi proposta por: a) Halsted b) Urban c) Patey d) Madden 8) A principal vantagem do tratamento conservador do câncer de mama é: a) Melhor resultado estético final e qualidade de vida b) Melhora da sobrevida c) Não necessita radioterapia adjuvante d) Menor índice de recorrência local 9) Em função das semelhanças entre o tumor phyllodes e o fibroadenoma,o patologista diferencia ao estudo histopatológico o tumor phyllodes, devido as características abaixo descritas: a) Hipercelularidade do estroma,hiperplasia do componente epitelial e atipia epitelial b) Hipoceluraridade do estroma,hiperplasia do componente epitelial e atipia epitelial c) Hipercelularidade do estroma,atrofia do componente epitelial e atipia epitelial d) Hiperplasia do estroma, metaplasia do componente epitelial e atipia epitelial 10) Com relação ao carcinoma de mama associado à gravidez, está incorreto: a) É o câncer de mama diagnosticado durante a gravidez ou até 1 ano após o parto b) É contra-indicado a biópsia de linfonodo sentinela com técnica de medicina nuclear (marcação com tc 99) c) Quando comparadas a não grávidas com o mesmo estado clínico, não se verifica diferenças significativas em relação à sobrevida e intervalo livre de doença d) É a segunda causa de neoplasia associada à gravidez, ultrapassada apenas pelo câncer de colo uterino Processo Seletivo Residência Médica Página 3

4 11) Em relação ao câncer de mama masculino: a) O prognóstico é o mesmo em relação ao feminino b) A presença de síndrome de klinefelter é o mais importante fator de risco c) O diagnóstico costuma ser mais tardio que no sexo feminino d) Todas estão corretas 12) Não está indicado o uso de tamoxifeno no seguinte caso: a) re+/cerb-b2+++ b) re-/rp+ c) re+/cerb-b2 + d) re-/rp- 13) O linfonodo sentinela axilar caracteriza-se por ser: a) O único linfonodo que cora com azul patente b) O primeiro linfonodo a receber a drenagem linfática da mama c) O linfonodo que sempre é acometido por metástase d) O linfonodo livre de metástase 14) Entende-se por prevenção primária do câncer de mama: a) Estratégias que visam evitar recidivas b) Estratégias que visam à detecção precoce do câncer c) Estratégias de rastreamento d) Estratégias que visam evitar a formação do câncer 15) Sobre a mastite pueperal podemos afirmar, exceto: a) O microorganismo mais associado a esta patologia é o staphilococus b) Tem como tratamento de escolha a clindamicina c) O contágio se dá por bactérias presentes na orofaringe do recém nascido d) Ocorre durante as seis primeiras semanas da amamentação ou desmame 16) São vantagens da mamografia digital em relação à analógica ou convencional, exceto: a) Melhor avaliação das mamas densas b) Permite o armazenamento das imagens c) A dose de radiação é menor d) Há a possibilidade de reduzir o custo com a utilização de filmes, já que possibilita a escolha das imagens a serem impressas Processo Seletivo Residência Médica Página 4

5 17) Com relação à prevenção do câncer de mama a partir de medidas comportamentais e hábitos de vida, é verdadeiro: a) A ingestão de ácido fólico e das vitaminas E, A e C diminuem o risco de câncer de mama se ingeridos diariamente b) O uso de ácido fólico não tem influência sobre o risco causado pela ingesta de álcool c) O consumo de carne vermelha aumenta o risco de câncer de mama d) A diminuição do consumo de álcool e o controle do peso na pós-menopausa aparentam ser as únicas medidas eficazes para reduzir o risco de câncer de mama 18) Em relação ao carcinoma oculto de mama, pode-se afirmar: a) Sua incidência tem aumentado b) Tem pior prognóstico que os carcinomas de mama com tumor identificado c) Receptores hormonais positivos no linfonodo acometido favorece o diagnóstico de câncer de mama, apesar de não ser condição exclusiva desta neoplasia d) A linfadenectomia axilar não é considerada tratamento padrão para o carcinoma oculto de mama 19) Paciente de 65 anos com descarga papilar espontânea, uniductal, unilateral. Apresentando à citologia da descarga negativa para malignidade. Exames de imagens Mamografia: bi-rads categoria dois; usg: bi-rads categoria um; exame clínico sem nódulos ou massas palpáveis. Conduta: a) Repetir a citologia da descarga papilar b) Acompanhamento clínico semestral c) Solicitar ressonância nuclear magnética das mamas d) Prosseguir investigação com biópsia cirúrgica 20) Paciente chega a UBS com queixa de área nodular com sinais de hiperemia e calor local. Relata já ter apresentado episódio semelhante por duas vezes nos últimos seis meses, segundo ela nas duas vezes tomou antibiótico e o mesmo drenou espontaneamente. Qual o diagnóstico provável: a) Doença de zuskas b) Doença de mondor c) Tuberculose mamária d) Carcinoma inflamatório 21) Em muitos países é crescente o número de mulheres que se submetem à cirurgia para a colocação de implante mamário com vista ao aumento das mamas. É sabido que o implante pode prejudicar a visualização do câncer no exame de rastreio. Qual a técnica usada para melhor demonstrar o Processo Seletivo Residência Médica Página 5

6 parenquima mamário das pacientes com implante de silicone, na suspeita de rotura do mesmo qual o exame de maior sensibilidade: a) Cleavage, ressonância nuclear magnética b) Eklund, ressonância nuclear magnética c) Craniocaudal, ultrassonografia das mamas d) Sickels, mamografia bilateral em duas incidências 22) Paciente foi ao ambulatório de mastologia com a queixa de nódulo endurecido em mama direita; na anamnese a paciente relata trauma nesta mama há seis meses quando sofreu um acidente de carro e o cinto de segurança traumatizou o local levando a um hematoma local que teve resolução espontaneamente. A mamografia apresenta um nódulo espiculado, heterogêneo, mal delimitado associado à microcalcificações. Qual o diagnóstico mais provável, Qual a propedêutica adequada: a) Cicatriz radial, ultrassonografia para melhor caracterizar a imagem b) Carcinoma, ressonância nuclear magnética para ver multicentricidade c) Esteatonecrose, core biopsia para avaliar o tipo histológico da lesão d) Hamartoma, paaf para avaliar o tipo histológico da lesão 23) Qual das opções abaixo não é necessária para indicar um tratamento ideal para pacientes com câncer de mama metastático? a) Status de receptor de estrogênio, progesterona e her-2 b) Presença ou ausência de doença óssea c) Extensão e localização de metástase d) Presença ou ausência da mutação de tp53 e brca 1 24) Paciente com 80 anos apresentou foco de microcalcificações lineares ocupando todo o qse da mama direita. Realizada core biopsia com diagnóstico de carcinoma dustal in situ,grau nuclear iii.linfonodos axilares clinicamente negativos, descarga papilar negativa. Em relação ao tratamento cirúrgico, podemos indicar qual: a) A ressecção segmentar com esvaziamento axilar do nível i é o tratamento de escolha b) A mastectomia com a biópsia do linfonodo sentinela é o tratamento de escolha c) A mastectomia total d) A mastectomia seguida de radioterapia é necessária em função da extensão da doença e da maior possibilidade de recidiva local 25) Paciente de 60 anos,pós menopausa detectou nodulo em mama esquerda,confirmado por mamografia.foi submetida à core biópsia com laudo de carcinoma ductal infiltrante.realizou Processo Seletivo Residência Médica Página 6

7 segmentectomia com pesquisa dde linfonodo sentinela,sendo os dois linfonodos estudados positivos para neoplasia,prossegui para o esvaziamento axilar completo.o histológico revelou tumor de 3,2cm,g iii,os demais linfonodos livres de neoplasia,receptores de estrogênio e progesterona positivos e pesquisa de c-erb-b2 por imuno-histoquimica +++/3+ o estadiamento de acordo com o ajcc(american joint committee on cancer)é: a) Estádio iia b) Estádio iib c) Estádio iiia d) Estádio iiib 26) Quais dos fatores abaixo melhor avaliam o risco de recidiva: a) Tamanho tumoral e número de ganglios comprometidos b) Idade da paciente e quimioterapia neoadjuvante c) Grau do tumor e radioterapia prévia d) Positividade dos receptores hormonais e pré-menopausa 27) O exame citológico das secreções papilares pode nos revelar: a) Na ectasia ductal: presença de substância de fundo espessa, presença de hemácias e ausência de leucócitos e células espumosas. b) No papiloma intracanalicular: presença de substância de fundo hemorrágica, quantidade escassa de células espumosas arredondadas com vacuolização do citoplasma, com inclusão de hemosiderina e células ductais em formas papilares. c) Nos carcinomas papilíferos: presença escassa de células espumosas e ductais, núcleo regular com cromatina granular fina. d) No derrame inflamatório agudo não supurados: ausência de polimorfonucleares, com fácil visualização das células epiteliais. 28) Sobre o músculo peitoral menor é errado afirmar: a) É inserido na crista do tubérculo maior do úmero. b) Provém da superfície externa da segunda à quinta costela. c) Situa-se abaixo do músculo peitoral maior. d) É retirado na mastectomia à Patey. 29) São drogas relacionadas à ginecomastia, exceto: a) Omeprazol. b) Verapamil. c) Haloperidol. d) Metiformina. 30) Em relação a tibolona podemos afirmar: Processo Seletivo Residência Médica Página 7

8 a) Aumenta muito a densidade mamária. b) Ao ser metabolizada dá origem a um composto de ação estrogênica. c) Diminui a apoptose tanto na célula normal quanto na cancerosa. d) É uma reposição climatérica menos segura que a terapia combinada de estrogênio com progesterona. 31) Sobre a doença de Paget da mama é correto afirmar, exceto: a) Nos homens apresenta pior prognóstico. b) Lesão bilateral é comum. c) Quando apresenta-se sem lesão palpável geralmente está associada ao carcinoma ductal in situ. d) As queixas clínicas mais comuns são prurido e ardência. 32) São categorizados, pela ultrassonografia, utilizando-se a classificação de BIRADS como categoria 2, exceto: a) Cisto simples. b) Cistos com firme septação ecogênica. c) Cistos com calcificações puntiformes. d) Áreas com eco textura mista que podem representar abcesso. 33) A curva ROC (receiver operator characteristic) é uma forma de expressar a relação entre sensibilidade e especificidade de um determinado teste diagnóstico. A acurácia geral de um teste pode ser descrita como a área sob a curva ROC; quanto maior for a área, melhor será o teste. A curva ROC é constituída por meio da representação gráfica de uma faixa de valores de possíveis pontos de corte, tendo no eixo vertical e horizontal (ordenadas e abcissas) respectivamente: a) Especificidade e Sensibilidade. b) Especificidade e 1-Sensibilidade. c) 1-Especificidade e 1-Sensibilidade. d) Sensibilidade e 1-Especificidade. 34) Mulher de 65 anos, apresenta tumor de crescimento rápido em mama esquerda, com 5,0cm, no QSL, móvel, e ausência de linfoadenomegalia axilar. Ao exame mamográfico: substituição adiposa acentuada bilateral, com nódulos com limites definidos em região retroareolar da mama esquerda, classificado como BIRADS III. Ao exame ultrasonográfico: lesão cística com componente sólido em mama esquerda, medindo 4,6/4,2cm. O exame anatomopatológico revelou carcinoma papilar intracístico com áreas de invasão de 0,7cm. O que se espera encontrar no perfil imunohistoquímico desta lesão? a) RE (-) e cerb-b2 (+) b) RE (+) e cerb-b2 (-) c) RE (+) e cerb-b2 (+) d) RP (-) e cerb-b2 (-) 35) Paciente com 42 anos portadora de fibrossarcoma de mama direita, com 4,0 cm de diâmetro. O tratamento cirúrgico indicado nesse caso é: Processo Seletivo Residência Médica Página 8

9 a) Mastectomia radical modificada. b) Mastectomia à Halsted. c) Mastectomia simples. d) Mastectomia simples e biópsia de linfonodo sentinela. 36) Marque a opção correta. Durante a resposta endocrino-metabólica ao trauma ocorre: a) aumento da produção de hormônio anti-diurético em decorrência da redução da osmolaridade sanguínea b) aumento da produção de aldosterona em decorrência da ativação do sistema renina-angiotensinaaldosterona c) aumento da circulação de fatores anti-coagulantes d) tendência à hipoglicemia 37) Em relação à nutrição peri-operatória pode-se afirmar: a) Pacientes com perda de peso superior a 10% em 6 meses, estão sob risco nutricional e devem obrigatoriamente ser nutridos no período pré-operatório por um período não inferior a 7 dias b) A nutrição parenteral é superior a enteral tanto período pré-operatório, quanto no pós-operatório, pois atinge mais rapidamente as necessidades calóricas diárias e apresenta menor risco de infecção c) No caso de pacientes diabéticos, faz-se necessário infundir dietas hipocalóricas, pois isto reduz a necessidade de insulina cuja administração é deletéria aos pacientes d) A dieta enteral pós-pilórica efetivamente reduz o risco de broncoaspiração 38) Em relação às fases de cicatrização pode-se afirmar: a) A fase inflamatória (segunda fase) ocorre simultaneamente ou logo após a coagulação e dura 3 a 7 dias b) A fase proliferativa compreende três processos: granulação, epitelização e contração da ferida c) O aumento da pressão de oxigênio no local da ferida não favorece a epitelização, mas contribui para reduzir a força tênsil da cicatriz d) Na fase de maturação não há mais síntese e deposição de colágeno, apenas redistribuição no local da ferida 39) Antibioticoprofilaxia não está indicada em qual procedimento: a) herniorrafia inguinal sem tela de polipropileno b) gastrectomia subtotal c) esplenectomia d) cirurgia cardíaca 40) A respeito dos nódulos de tireóide, pode afirmar, exceto: a) A punção com agulha fina (PAAF) do nódulo da tireóide é o méodo considrado como padrão ouro no diagnóstico desta condição patológica, representando forma simples, rápida e de baixo custo, Processo Seletivo Residência Médica Página 9

10 capaz de apresentar o melhor valor preditivo quando confrontado a outros métodos de avaliação e triagem pré-operatória, além da acurácia de 95% b) O tumor maligno mais comum é o carcinoma papilífero c) A cintilografia da tireóide não tem indicação na propedêutica dos nódulos tireoidianas, mas apenas dos bócios d) A operação nos casos de carcinoma folicular invasivo consiste em tireoidectomia total. 41) Hérnia inguinal Nyhus 3a consiste em: a) hérnia femoral b) hérnia indireta c) hérnia recidivada d) hérnia direta 42) Paciente de 35 anos com IMC de 31, tabagista foi submetido à cirurgia de urgência por ulcera péptica perfurada, evoluindo com íleo adinamico pós-operatório. Pode-se afirmar: a) há risco aumentado de hérnia incisional, exceto se procedermos a introdução de cateter nasogástrico por 48 a 72 horas b) há indicação de antibioticoterapia com espectro que inclua gram negativos e bacteróides fragilis c) IMC até 35 não aumenta o risco de deiscência ou hérnia incisional d) Como a paciente é jovem, ainda não houve tempo para desenvolvimento de DPOC e desta forma não risco aumentado de pneumonia 43) Em uma criança com estenose hipertrófica de pilórica espera-se encontrar: a) alcalose metabólica b) acidose metabólica c) hiperpotassemia d) hipercloremia 44) A causa mais importante de morte no pós-operatório de cirurgia da aorta é: a) síndrome do desconforto respiratório do adulto b) insuficiência renal aguda c) acidente mais importante ascular encefálico hemorragico d) isquemia coronariana 45) Paciente vítima de acidente automobilístico com esmagamento de membro inferior direito está em risco de rabdomiólise. As medidas clinicas abaixo estão indicadas para evitar o desenvolvimento de insuficiência renal, exceto: a) hidratação adequada com solução salina b) uso de diurético osmótico (manitol) c) uso de furosemida antes da hidratação (evitar edema agudo de pulmão em decorrência do volume de solução salina necessário a ser infundido) d) evitar uso de drogas nefrotóxicas Processo Seletivo Residência Médica Página 10

11 46) Paciente do sexo masculino, 35 anos, apresenta cefaléia intensa, pressão arterial 240x130 mmhg, sudorese e palpitações. Há taquicardia sinusal postural. A esposa relata que este quadro tem se repetido nas últimas semanas, com piora progressiva, houve várias internações. Tendo em vista que o diagnóstico neoplásico provável, qual dosagem seria mais apropriada: a) dosagem sérica de cortisol b) dosagem urinária de ácido vanil mandélico c) dosagem sérica de CA 19-9 d) dosagem liquórica do peptídeo natriurético atrial 47) Paciente sexo feminino é submetido a endoscopia digestiva alta com identificação de lesão ulcerada em antro, pequena curvatura (incisura angular) cujo laudo histológico é de adenocarcinoma tipo difuso na classificação de Lauren com células em anel de sinete, distando 4,0 cm do esôfago. Não há metástases à distância. A cirurgia com intenção curativa a ser realizada é: a) gastrectomia total alargada com linfadenectomia D2 b) gastrectomia subtotal alargada com linfadenectomia D2 c) gastrectomia subtotal alargada com linfadenectomia D1, associada a pancreatectomia corpo-caudal e esplenectomia d) gastrectomia total alargada com linfadenectomia D3, associada a esofagectomia subtotal, esplenectomia e pancreatectomia corpo-caudal 48) A presença de lesão hepática única, bem vascularizada, com sinais de hemorragia intra-tumoral, rodeada por parênquima de aspecto normal, em uma paciente de 29 anos com antecedente de uso prolongado de contraceptivo oral, sugere: a) hepatocarcinoma b) adenoma hepático c) hiperplasia nodular focal d) colangiocarcinoma 49) Paciente com quadro de dor abdominal em fossa ilíaca direita há 36 horas, evoluindo de uma posição mesogástrica para o quadrante inferior direito onde há descompressão brusca dolorosa, contratura e defesa a palpação. Realizada uma ultrassonografia abdominal que não mostrou espessamento apendicular, nem liquido livre em cavidade e nem coleção localizada em fossa ilíaca direita. Não há leucocitose. O cirurgião decidiu por apendicectomia videolaparoscópica. A respeito desta história podemos afirmar: a) o cirurgião se precipitou pois não há evidência imaginológica e nem laboratorial de apendicite aguda b) o cirurgião agiu adequadamente pois a palpação abdominal e história clínica típicas são mais importante que os exames realizados c) o correto, neste caso, é realizar uma tomografia computadorizada de abdome pois decide efetivamente pela indicação da cirurgia d) aguardar mais 24 horas e repetir os exames de imagem e laboratoriais. Uma colonoscopia deve ser útil. Processo Seletivo Residência Médica Página 11

12 50) Paciente 53 anos, sexo masculino, IMC=35, tabagista, profissão caminhoneiro, apresenta dor em hipocôndrio direito com sinal de Murphy positivo. Leucocitose de com 7% de bastões. Foi internado pois a dor não melhorou com analgésicos usuais, entretanto a ultrassonografia de abdome não mostrou sinais de colecistite aguda. Após 24 horas não houve melhora clinica e há contratura e defesa a palpação em hipocôndrio direito. Repetida ultrassonografia de abdome que novamente não mostrou espessamento vesicular ou liquido perivesicular. A dor abdominal do doente não cede. Não há icterícia. Qual a conduta mais adequada: a) a tomografia computadorizada de abdome é o exame com maior sensibilidade e especificidade para o diagnóstico de colecistite aguda. b) outro diagnóstico deve ser estabelecido pois duas ultrassonografias normais afastam o diagnóstico de colecistite aguda c) o diagnóstico mais provável parece ser de colecistite aguda, o exame mais acurado para o diagnóstico é a cintilografia de vias biliares e deve ser realizado neste caso. d) Em se confirmando colecistite aguda, a via laparotômica é preferencial. Processo Seletivo Residência Médica Página 12

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS SELMA DI PACE BAUAB Radiologista da Mama Imagem São José do Rio Preto - SP CASO 1 55 anos. Assintomática TOMOSSÍNTESE LESÃO EPITELIAL ESCLEROSANTE (Cicatriz Radial)

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 69

PROVA ESPECÍFICA Cargo 69 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 69 QUESTÃO 26 As afirmativas abaixo estão corretas, a) Amastia é ausência congênita da mama. b) Amastiaéaausênciadetecidomamário,mascompreservaçãodocomplexo areolo-papilar. c)

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias Rossano Araújo Papiro do Edwin Smith (Egito, 3.000-2.500 A.C.) Papiro Edwin Smith (Egito, 3000 2500 A.C.) Tumores Protuberantes da Mama Se você

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

Tratamento Conservador do Cancro da Mama

Tratamento Conservador do Cancro da Mama Hospital Prof. Doutor Fernando da Fonseca Sessão Clínica Serviço de Ginecologia Diretora de Departamento: Dra. Antónia Nazaré Diretor de Serviço: Dr. Silva Pereira Tratamento Conservador do Cancro da Mama

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

CASO 1. Paciente 19 anos, estudante 2 ano de medicina, realizando exames de rotina solicitada pela ginecologista; Nega história familiar e pessoal;

CASO 1. Paciente 19 anos, estudante 2 ano de medicina, realizando exames de rotina solicitada pela ginecologista; Nega história familiar e pessoal; SESSÃO INTERATIVA CASO 1 Paciente 19 anos, estudante 2 ano de medicina, realizando exames de rotina solicitada pela ginecologista; Nega história familiar e pessoal; Exame físico: sem particularidades.

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Anatomia da mama Função biológica

Anatomia da mama Função biológica Dr.Jader Burtet Ginecologia e Obstetrícia Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre Hospital Materno Infantil Presidente Vargas de Porto Alegre Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia

Leia mais

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT Segundo diretrizes ANS Referencia Bibliográfica: Site ANS: http://www.ans.gov.br/images/stories/a_ans/transparencia_institucional/consulta_despachos_poder_judiciari

Leia mais

1ª Edição do curso de formação em patologia e cirurgia mamária. Programa detalhado

1ª Edição do curso de formação em patologia e cirurgia mamária. Programa detalhado 15.6.2012 MÓDULO 1 - Mama normal; Patologia benigna; Patologia prémaligna; Estratégias de diminuição do risco de Cancro da Mama. 1 1 Introdução ao Programa de Formação 9:00 9:15 1 2 Embriologia, Anatomia

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA Breast Imaging Reporting and Data System Dr Marconi Luna Doutor em Medicina UFRJ Ex-Presidente da SBM Breast Imaging Reporting and Data

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014 PORTARIA 13/2014 Dispõe sobre os parâmetros do exame PET-CT Dedicado Oncológico. O DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL-IPERGS, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW WITH RADIOLOGIC- PATHOLOGIC CORRELATION 1 CHERI NGUYEN, MD MARK D. KETTLER, MD MICHAEL E. SWIRSKY, MD VIVIAN I. MILLER, MD CALEB SCOTT, MD RHETT KRAUSE, MD JENNIFER

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia CASO COMPLEXO 5 Amélia : Maria Cristina Gabrielloni O câncer de mama é o mais frequentemente diagnosticado e a principal causa de morte por câncer em mulheres em todo o mundo: 23% (1.380.000) do total

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro

4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro 4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro Afecções Oncológicas nas Mamas Enfª Giselle G. Borges Epidemiologia (BRASIL, 2012) Anatomia da mama (estruturas) Linfonodos Fisiologia

Leia mais

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA I - Ações da Unidade Básica: 1) Estímulo ao auto-exame de mamas 2) Exame clínico das mamas como parte integrante e obrigatória das consultas ginecológicas e de pré natal 3) Solicitação

Leia mais

Programa de controle de CA de Mama

Programa de controle de CA de Mama Programa de controle de CA de Mama Profª: Dayse Amarílio Estima-se incidência anual de mais de 1.000.000 de casos no séc XXI; CA mais incidente no sexo feminino nos países desenvolvidos e Brasil, o que

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

Neoplasias dos epitélios glandulares II

Neoplasias dos epitélios glandulares II Neoplasias dos epitélios glandulares II PATOLOGIA II Aula Prática nº4 MAMA: Correlação estrutura/lesão Cél. Basais/mioepiteliais Cél. Basais/mioepiteliais (actina) Cél. luminais Cél. luminais MAMA: Estrutura

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 23. Em relação aos carcinomas não infiltrantes de mama, podemos afirmar, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 23. Em relação aos carcinomas não infiltrantes de mama, podemos afirmar, EXCETO: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 23 QUESTÃO 17 Em relação aos carcinomas não infiltrantes de mama, podemos afirmar, EXCETO: a) A difusão pagetóide nos ductos interlobulares está muitas vezes presente

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA GERAL

GABARITO DE CIRURGIA GERAL GABARITO DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Paciente com febre, tosse e escarro purulento bastante fétido, apresenta os exames abaixo. Qual é a conduta mais adequada? A. Antibioticoterapia e fisioterapia. B.

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO QUESTÃO 21 Paciente portador de miatenia gravis e timoma, submetido a tratamento cirúrgico. Durante o ato operatório, constatou-se que o

Leia mais

Módulo: Câncer de Rim Localizado

Módulo: Câncer de Rim Localizado Módulo: Câncer de Rim Localizado Caso 1 CAL, 56 anos, masculino Paciente médico, obeso (IMC = 41; peso 120 kg) Antecedentes clínicos: nefrolitíase Antecedentes cirúrgicos: Laparotomia mediana por divertículo

Leia mais

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952.

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952. 1 SPCC - Hospital São Marcos Clínica de Ginecologia e Mastologia UICC União Internacional Contra o Câncer - TNM 6ª edição ESTADIAMENTO DOS TUMORES DE MAMA HISTÓRIA DO TNM O sistema TNM para a classificação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 06, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 06, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 06 - Mastologia Nome do Candidato Caderno de Prova 06, PROVA DISSERTATIVA

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

CÂNCER DE MAMA NA SENILIDADE

CÂNCER DE MAMA NA SENILIDADE CÂNCER DE MAMA NA SENILIDADE ANTOMIA PATOLÓGICA SENILIDADE aos 65? Diminuição da filtração glomerular Aumento de sensibilidade a mielotoxicidade Mucosite Neurotoxicidade Toxicidade cardíaca IDADE COMO

Leia mais

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES BENIGNOS ( classificação de Christensen & Ishate A) TUMORES BENIGNOS VERDADEIROS 1) De origem epitelial adenoma papilar ( papiloma)

Leia mais

OBSTETRÍCIA. Questão 1

OBSTETRÍCIA. Questão 1 OBSTETRÍCIA Questão 1 Paciente com 22 semanas de gestação é atendida com diagnóstico de carcinoma ductal infiltrante de mama. Ao exame físico apresenta nódulo irregular, pétreo, com 2cm localizado no quadrante

Leia mais

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA Carcinomas Profª. Dra. Maria do Carmo Assunção Carcinoma tipo basal Grau 3 CK14 & CK5 = Positivo P63 pode ser positivo (mioepitelial) Triplo negativo

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA 2013 Observações a serem consideradas no preenchimento de todas as solicitações de Exames disponibilizados

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

Auditoria. Câncer de mama Dr. Luiz Antonio Carvalho

Auditoria. Câncer de mama Dr. Luiz Antonio Carvalho Auditoria Câncer de mama Dr. Luiz Antonio Carvalho Coordenadoria de Regiões de Saúde Grupo Normativo de Auditoria e Controle de Saúde Auditoria de Assistência em Oncologia MAMA Agosto/2010 OLHAR DO AUDITOR

Leia mais

ESTADIAMENTO. 1. Histórico

ESTADIAMENTO. 1. Histórico Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família 68 ESTADIAMENTO O estadiamento tem como objetivo agrupar pacientes segundo a extensão anatômica da doença. Essa normatização tem grande valia

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES Dr. Marcio R. Studart da Fonseca Cirurgia de Cabeça e Pescoço-HUWC/UFC Sistema Salivar 3 pares de Glândulas Salivares Maiores Parótidas Submandibulares Sublinguais Centenas de Glândulas Salivares Menores

Leia mais

da Junção Esofagogástrica

da Junção Esofagogástrica HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica 15/04/04 Carcinoma da Junção Esofagogástrica strica Diego Teixeira Alves Rangel Casos do Serviço (2001 2004) Nome Idade Diagnóstico Acesso Cirurgia

Leia mais

PATOLOGIAS DA MAMA. Ranuce Ribeiro Aziz Ydy

PATOLOGIAS DA MAMA. Ranuce Ribeiro Aziz Ydy PATOLOGIAS DA MAMA Ranuce Ribeiro Aziz Ydy PATOLOGIAS DAS MAMAS - AFBM # Alterações Funcionais Benignas da Mama (AFBM), doença fibrocística, displasia da mama: condição clínica caracterizada por mastalgia

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Acerca dos possíveis achados ambulatoriais de doenças benignas e malignas da mama, julgue os itens a seguir. 41 A amastia é um processo de má formação caracterizado pela ausência de tecido glandular mamário,

Leia mais

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso.

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso. Everton Pereira D. Lopes² Eduardo M Pracucho¹ Ricardo de Almeida Campos² Karla Thaiza Thomal¹ Celso Roberto Passeri¹ Renato Morato Zanatto¹ 1-Departamento de Cirurgia Oncológica Aparelho Digestivo Alto

Leia mais

MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos. Prof.ª Esp. Natália Ficagna

MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos. Prof.ª Esp. Natália Ficagna MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos Prof.ª Esp. Natália Ficagna ANATOMIA DA MAMA Tecido Glandular + Tecido Conjuntivo +Tecido Adiposo Alvéolo Lóbulo Lobo Ducto Lactífero Seio Lactífero - Mamilo As

Leia mais

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO Os autores apresentam três casos de Tumores Gigantes de Ovário, sendo um com alto grau de malignidade (Linfoma do tipo Burkitt), dois benignos (Cisto Seroso e Teratoma), porém

Leia mais

Raniê Ralph Anatomia Patológica Doenças da mama Anomalias do desenvolvimento Fisiologia mamária Alterações não proliferativas:

Raniê Ralph Anatomia Patológica Doenças da mama Anomalias do desenvolvimento Fisiologia mamária Alterações não proliferativas: Doenças da mama Anomalias do desenvolvimento Amastia: ausência completa da mama. Pode ou não estar acompanhada de ausência/hipodesenvolvimento do músculo peitoral. Faz parte de síndromes como a de Turner.

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo?

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014 O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? AUTORA Dra. Patrícia

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014 I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria 1st International Breast Imaging Pre-conference Course 15 de maio de 2014 Declaração de conflitos de interesse Resolução RDC n.º 96/08 Nunca

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES Escrito por: Dr. Carlos Augusto Sousa de Oliveira 01. INTRODUÇÃO Os tumores carcinóides são incluídos em um grupo maior de neoplasias, os carcinomas neuroendócrinos

Leia mais

CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAÚDE DE

CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAÚDE DE CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAÚDE DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO Nº 01/2012 PARA O PREENCHIMENTO DE EMPREGOS PÚBLICOS PARA A POLICLÍNICA DE EMPREGO PÚBLICO MÉDICO ESPECIALISTA EM MASTOLOGIA

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

CÂNCER DE COLO UTERINO

CÂNCER DE COLO UTERINO 16 CÂNCER DE COLO UTERINO INTRODUÇÃO As inflamações do colo uterino (cervicite) são muito freqüentes, mas sem maiores conseqüências. No colo uterino também são freqüentes os carcinomas. O câncer de colo

Leia mais

INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON

INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES As incidência complementares são realizadas para esclarecer situações suspeitas detectadas nas incidências

Leia mais

Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção. Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca)

Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção. Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca) Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca) O que é? É o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele não

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA Você recebeu o seguinte material: 1. Um CADERNO DE PROVA ESCRITA

Leia mais

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA DAS MAMAS DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA A crescente experiência com a Ressonância Nuclear Magnética (RNM) vem trazendo dúvidas pertinentes quanto

Leia mais

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM.

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. 1 O Novo BI-RADS MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. Introdução No Congresso Americano de Radiologia em dezembro de 2003 (RSNA) em Chicago foi divulgado a 4ª edição do BI-RADS (Breast

Leia mais

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1 Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal Aula Prá:ca Abdome 1 Obje:vos Entender como decidir se exames de imagem são necessários e qual o método mais apropriado para avaliação de pacientes com

Leia mais

NÓDULOS E CÂNCER DE TIREÓIDE

NÓDULOS E CÂNCER DE TIREÓIDE NÓDULOS E CÂNCER DE TIREÓIDE PROF.DR. PAULO HOCHMÜLLER FOGAÇA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO-RS Patologia cirurgica da tiroide localização NÓDULOS DE TIREÓIDE Prevalência clinicamente

Leia mais

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas.

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Perguntas que pode querer fazer Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Estas são algumas perguntas

Leia mais

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIOPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS LINFONODOS NORMAIS OU TÍPICOS DE NÍVEL 1 FACILMENTE RECONHECIDOS AO ESTUDO ECOGRÁFICO FORMA ELÍPTICA CORTEX HIPOECÓICA

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

Citopatologia mamária. Histologia da mama feminina

Citopatologia mamária. Histologia da mama feminina Citopatologia mamária Puberdade: crescimento das mamas em função do desenvolvimento glandular e da deposição aumentada de tecido adiposo. Mulheres durante o ciclo menstrual: aumento do volume mamário em

Leia mais

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu. UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.br CUIDAR DA SUA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. As mamas

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva Cartilha_Outubro Rosa_Mitos_26-09-2014.indd 1 08/10/2014 14:24:37 2014 Instituto Nacional

Leia mais

HOSPITAL E MATERNIDADE THEREZINHA DE JESUS - HMTJ PROVA DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 MASTOLOGIA

HOSPITAL E MATERNIDADE THEREZINHA DE JESUS - HMTJ PROVA DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 MASTOLOGIA HOSPITAL E MATERNIDADE THEREZINHA DE JESUS - HMTJ PROVA DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 1) Você receberá do fiscal o seguinte material: MASTOLOGIA REGULAMENTO Leia atentamente as seguintes instruções:

Leia mais

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio?

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? finas linhas ou espículas irradiando-se de um ponto DÚVIDAS DO DIA-A-DIA e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? retração focal, distorção ou retificação da porção anterior ou posterior do parênquima BI-RADS

Leia mais

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS Pedro Cordeiro de Sá Filho Videoendoscopia Ginecológica Retorno as atividades Tempo cirúrgico Complicações Custos Cirurgia convencional X Videolaparoscopia Estética Pós-operatório

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Elaboração: Dr Luis Fernando Pracchia Área Técnica da Saúde da Pessoa com Doenças Crônicas Não Transmissíveis

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: A TOMOSSÍNTESE NO DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada

Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada Figura 1: Radiografia de tórax em incidência póstero anterior Figura 2: Tomografia computadorizada de tórax com contraste em corte coronal e sagital

Leia mais