O lado Windows da Fenasoft'95

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O lado Windows da Fenasoft'95"

Transcrição

1 Fenasoft/95 Origem: =================================================== Autor: Tarso Dutra Blitzkow de Queiroz - GPT O lado Windows da Fenasoft'95 Na última Fenasoft, tive a oportunidade de participar das palestras que eram de responsabilidade da Microsoft. Tanto no congresso, como nas "ilhas de palestras" montadas por eles. A que mais chamava a atenção, e não podia ser diferente, era a "ilha do Windows'95" (parece que agora sai). Todas as palestras referentes a este, tinham uma superlotação. Foi possível ver alguns detalhes interessantes como: o relacionamento do Windows'95 com a Internet, a proposta de cliente universal, a nova interface, alguns detalhes de como será comercializado o produto, etc. Para os que chegaram a adquirir o Windows'95 através do "Windows Preview Program", algumas ferramentas e outros detalhes adicionais serão comercializados em um pacote à parte que será cobrado ("não existe sopa grátis"). Outra parte que era de meu interesse, dizia respeito ao Windows NT e suas ferramentas, agora também comercializadas em um pacote batizado por Back-Office (MS-SNA Server, MS-SQL Server, MS-SMS e MS-Exchange Server). No caso do Windows NT, está sendo lançada uma nova versão, o Microsoft Windows NT Server e Workstation O detalhe adicional desta versão que mais chamou a atenção, diz respeito à integração com o NetWare da Novell. Não bastando o serviço de Gateway para Novell, e o utilitário de migração do NetWare para o Windows NT, juntase a estes, um serviço denominado "File and Print Service for NetWare". Com isso, podemos criar um mundo de "faz de conta", e fazer com que o Windows NT emule um servidor NetWare. Este é o outro lado da moeda que estava faltando para uma migração tranquila do NetWare para o Windows NT. Quem agradece são os responsáveis por este traumático processo. Com relação ao Back-Office, foi possível confirmar a necessidade de um pacote adicional para a emulação de terminal 3270 para o MS-SNA Server. A informação pode ser simples, mas encontrar um especialista no assunto é que foi o mais difícil. o emulador que acompanha este produto é para ser utilizado na estação onde irá funcionar o serviço. Para o caso do MS-SQL Server, as melhorias da próxima versão procuram atingir outros concorrentes de igual categoria no mercado. O MS-SMS já conhecíamos mas toda sua funcionalidade no que diz respeito a tarefas como administração remota e levantamento de hardware e software, pode ser confirmada "in loco". Já o MS- Exchange Server vem ser mais um concorrente de peso na categoria de servidores de mensagem. Para os "produtos for Windows não Microsoft", tivemos a oportunidade de ver ferramentas administrativas (folha de pagamento, controle de estoque, etc.) Estes aplicativos já estavam sendo solicitados pelo mercado faz algum tempo. Em termos de hardware, a DIGITAL mostrou ter um excelente equipamento para a categoria de servidores para Windows NT. Em apresentação de um técnico da DIGITAL, foi possível observar a alta performance do Windows NT em seus

2 equipamentos. Um comparativo simples de um equipamento início de linha, com um outro fim de linha da plataforma Intel, mostrou as vantagens para o mundo Windows NT. E o resto da feira??? A melhor definição poderia ser "uma grande feira". Equipamentos que em tempos normais custariam R$ 2.500,00 ou mais, estavam na faixa de R$ 1.500,00. Quem esperou para comprar ganhou muito. Autor: Ricardo Shoiti Ikematu - GPT Tecnologia Cliente/Servidor na FENASOFT Fui para a Fenasoft com multa expectativa, mas não tive boa impressão da feira deste ano, pois parecia um formigueiro, transformando a tarefa de transitar pelos estreitos corredores numa missão quase impossível. A maioria das pessoas estava carregando sacolas, caixas de kits multimídia, de sound blaster, de micros, etc. A feira estava mais voltada para o público em geral, com vários jogos em CD-ROM e várias softhouses com aplicativos comerciais. Senti a ausência de lançamentos de novos produtos e uma presença mais forte de produtores de ferramentas ou softwares de apoio tais como CASE s, softwares para conectividade de produtos e ambiente, etc. Tinha o objetivo de cobrir duas áreas: orientação a objetos e tecnologia cliente/servidor. As palestras de orientação a objetos tornaram-se muito repetitivas, com todos procurando explicar os conceitos de classes, encapsulamento, herança e polimorfismo e as diferenças entre a abordagem tradicional e de orientação a objetos. Todos diziam que orientação a objetos é uma forma natural de pensamento e é mais fácil de trabalhar, só não explicavam como fariam isto. Faltou palestras sobre as metodologias de análise e projeto orientado a objetos, estratégias para migração a este novo paradigma de desenvolvimento, etc. A seguir farei um resumo das 4 palestras que assisti: ferramentas GUI em ambiente cliente/servidor, Arquitetura cliente/servidor uma visão prática, migração para cliente/servidor e Cliente/servidor mitos e verdades. Hoje, estamos sofrendo várias mudanças e de uma forma caótica. 0 mercado evolui continuamente, cada vez mais competitivo, globalizado e dinâmico. Está havendo mudanças de paradigmas sociais, econômicos e organizacionais. Segundo o palestrante devemos mudar antes que sejamos vítima das mudanças. As organizações procuram maior competitividade através de maior produtividade, maior qualidade e redução de custos. A tecnologia de informação é a mola capacitadora das mudanças organizacionais. Há novas tecnologias surgindo a cada dia. A arquitetura cliente/servidor é o principal termo de marketing para descrever a computação distribuída, ou seja, processamento e dados distribuídos. A tecnologia cliente/servidor foi dividida em quatro gerações: a primeira foi a emulação de terminais, a segunda o servidor de arquivos, a terceira o banco de dados relacional e

3 a quarta o servidor de informações de objetos. A arquitetura cliente/servidor não é apenas uma arquitetura de hardware onde uma máquina cliente processa dados acessados de um servidor. Ela é uma arquitetura de software diferenciada, é uma forma de como o usuário interage com seu sistema computacional. As vantagens da arquitetura cliente/servidor são: - melhor acesso a informações de vários lugares; - distribuição da carga de processamento; - redução da carga na rede; - padronização e compartilhamento de processos através de mecanismos como "storedprocedures", etc.; - maior independência de hardware, software e sistema operacional. As desvantagens da arquitetura cliente/servidor são: - aumento do custo administrativo; - aumento do pessoal de suporte; - custo de treinamento (início); - complexidade de ambiente com vários fornecedores dificulta a identificação dos problemas se mal administrada. Fatores críticos de sucesso: - começar simples; - não querer implantar da noite para o dia; - agregar valor a operações do dia a dia do usuário; - não esperar performance igual a sistemas centralizados; - planejamento para migração à arquitetura cliente/servidor, tais como: escolha do servidor de banco de dados, metodologias, ferramentas e formação de equipes. As melhorias de tecnologia exigem investimentos normalmente altos. Todo investimento assumido deve agregar valor ao negócio do usuário e não investir apenas porque é moda. Existe um conceito errado na complexidade em construir e gerenciar ambientes distribuídos. Existe confusão entre arquitetura cliente/servidor e rede com servidor de dados. Apenas a tecnologia de informação não resolve os problemas. Se não tiver a intenção de reavaliar os processos do negócio, não comece a fazer migração para cliente/servidor. Um aspecto importante é a adoção de uma metodologia adequada. Sem uma metodologia há um grande risco de fracasso, pode haver projeto incorreto de regras de negócio, desenvolvimento de sistemas com performance pobre e com perda da integridade dos dados. As metodologias tradicionais estruturadas não exploram adequadamente as novas

4 ferramentas e tecnologias disponíveis no mercado, tais como orientação a objeto, cliente/servidor e interface gráfica. Os testes são mais complexos, devem se utilizar fortemente de prototipação e de ferramentas CASE. Outra preocupação que as pessoas devem ter e nunca têm, é a documentação da interface gráfica. Os sistemas com interface gráfica são mais complexos e para facilitar a manutenção dos sistemas por outras pessoas deve haver uma documentação através de rede estendida ou através de diagramas de transição de estado (DTE's). Há a necessidade de vários perfis de profissionais e não há a possibilidade de treinar todo o pessoal, sendo necessária a contratação de consultorias especializadas. ============================================================= Autor: Vitório Yoshinori Furusho - DITEC-F Retrospectiva sobre a Fenasoft 95 "Seminário sobre Reengenharia" Fernando Barcellos Ximenes KPMG O Seminário apresentou discussões conceituais e casos práticos como: exemplos brasileiros de Reengenharia a nível Organizacional (negócios), Tecnológico (Sistemas) e Individual (carreira), com ênfase na trans formação de processos através de tecnologias avançadas, na modificação de concei tos de sistemas, e na preservação dos co nhecimentos essenciais das empresas. A seguir alguns detalhes dos aspectos apresentados: A realidade dos negócios na década de 90 Foram abordados sete itens importantes a serem observados no uso de Tecnologia da Informação nos anos noventa: Mídia eletrônica - utilização da mídia eletrônica para armazenar documentos; EDI - contemplar o uso de troca de documentos por via eletrônica; Pagamento Eletrônico - utilização dos recursos de informática para o pagamento direto aos fornecedores, através de transferência eletrônica; Multimídia - embutir essa tecnologia nos novos sistemas, utilizando-se da tecnologia de tratamento de imagem e demais recursos de multimídia; Cliente-Fornecedor - ter uma ligação direta (eletrônica) entre os clientes e fornecedores; Reorganizações - reorganizar as estruturas, os processos e os fluxos de processos; Trabalho independente - uso de estações móveis. Nova visão das estruturas das empresas O Ximenes colocou a importância da nova visão das estruturas das empresas com o uso da Tecnologia da Informação no pro cesso de Reengenharia. Segue abaixo um esquema dos inter-relacionamentos entre os seguintes componentes: a) Funções, Conhecimento e

5 Estruturas; b) Informações e Tecnologia da Informação; c) Processos Gerenciais; d) Valores e Crenças e e) Processos de Negócios. Nota: 1. Valores e Crenças não se impõe. 2. Fazer Sistemas é fazer repensar os processos. Como entendemos a reengenharia O Entendimento sobre Reengenharia dado pelo Ximenes é o seguinte: Item Objetivo Melhoria Operacional Reduzir custos Redesenho de Processo Melhoria de processos Reengenharia Melhroias radicais em custos, qualidade e tipo Escopo Local Multifunional Corporativo Velocidade Incremental Rápida Radical Mudanças Processos são aperfeiçoados Processos são transformados Alcance e limitações da reengenharia Novo processos e estruturas de apoio são criados O Palestrante abordou os seguintes aspectos de alcance e limitações da Reengenharia: Problema Perda de marketing Causa Concorrentes asiáticos

6 Share Erros na estratégia Ineficiência crônica Informações fragmentadas Verificação da estrutura Burocratização Falta de comprometimento Longos tempo de respostas Problemas de Coordennação Excesso de retrabalho A relação entre reengenharia e rightsizing Para aplicação da Reengenharia e RightSizing e vice-versa, o melhor caminho é o indicado no gráfico acima, para resolver problemas/oportunidades de mercado na empresa. Por que fazer reengenharia São três os grandes motivos para se fazer a Reengenharia nas empresas: Ameaça à sobrevivência Exploração de oportunidades

7 Visão Estratégica NOTA: "Nem tudo que reluz é ouro. Nem tudo que é ouro reluz". As visões da reengenharia Algumas das várias visões sobre Reengenharia: HIGHLANDER - "Cortar Cabeças" RELAÇÕES PÚBLICAS - Sucesso na Imprensa. ME ENGANA QUE EU GOSTO - "Vamos chamar de Reengenharia " UNHA DE FOME - redução de custos, custe o que custar. O&M DE SMOKING - "mexendo nas caixinhas da estrutura organizacional" NIRVANA - "Rumo ao paraíso na Terra" ANTES MAL ACOMPANHADO DO QUE SÓ - Modismos JORNADA NAS ESTRELAS - "Delírio Tecnológico" Como fazer a reengenharia: fatores críticos Relacionamos alguns dos principais Fatores Críticos que deverão ser observados ao fazer a Reengenharia nas Organizações: Patrocínio da alta administração da empresa; Visão clara; Envolvimento e comprometimento das áreas afetadas; Sistema adequado de indicadores de desempenho; Área de Tecnologia da Informação flexível e eficaz; Investimentos em formação e Treinamento de Pessoal. Como fazer a reengenharia: barreiras Eis algumas das principais Barreiras para a Reengenharia nas Organizações: Sistema de recompensa que estimula o passado; Pessoas-Chave se recusam a mudar; Falta de capacitação gerencial; Funcionários se sentem ameaçados; Grandes investimentos em Tecnologia da Informação e infra-estrutura. Como fazer a reengenharla: erros que devem ser evitados Para se aplicar a Reengenharia devem ser evitados alguns erros, tais como: Improvisos; Descompromissos dos níveis gerenciais médios; Culto aos gurus; Equipes medíocres; Visão de curto prazo; Se tiver gerando muito papel, tome cuidado; Foco nos custos; Reengenharia sem Tecnologia; Área de sistemas em primeiro plano; Número excessivo de processos; Número excessivo de oportunidades.

8 O papel da tecnologia da Informação em apoio à mudança NECESSIDADE DE RESPONDER COM MUITO MAIS RAPIDEZ Agilidade e sincronismo das atividades. Processos de Negócios Processos Gerenciais Criação de canais de comunicação mais rápidos e eficazes. Alta administração em linha, organizados em rede. NECESSIDADE DE DADOS E CONHECIMENTOS QUE NÃO EXISTEM Os sistemas deveriam mostrar o que fazer, em vez de explicar o que você errou. Abertura de caixas pretas em todos os níveis. Ferramentas para acesso, análise e agregação de informações. NECESSIDADE DE GERENCIAR A EXPLOSÃO DE DADOS Interno Externo As 6 faces da reengenharia As tecnologias para a reengenharia

9 Ao aplicar a Reengenharia devem ser consideradas pelo menos, algumas das seguintes tecnologias: Processamento de Imagem; Sistemas Especialistas; Redes de alta capacidade; Computadores paralelos; Computação Móvel; EDI NOTA: A boa tecnologia é a que o usuário não nota. A curva de aprendizagem deve ser a mínima possível. Comentário O Seminário teve um bom público. O Fernando Ximenes conduziu a palestra com boa habilidade e transmitiu de forma clara todos os tópicos abordados. Apresentou os vários aspectos que devem ser planejados para se ter sucesso na aplicação da Reengenharia. Também falou das experiências de empresas brasileiras, os seus fracassos e sucessos. Podemos dizer que o Seminário sobre Reengenharia foi muito bom e deu uma visão geral sobre o tema. Autora: Luciana Aparecida Antunes Becker - DITEC-D Desenvolvimento de Sistemas - (Cliente X Servidor e Orientação a Objetos) O tema Cliente X Servidor foi abordado durante todo o dia , e com muita intensidade buscou-se salientar inúmeros requisitos que devem ser tratados na adoção desta tecnologia, tais como: qual o banco de dados a utilizar, estrutura dos dados, que dados devem estar no servidor e que dados devem estar no cliente, qual o volume dos dados, qual a capacidade de transmissão das linhas utilizadas, etc. Mas o que ficou bem claro no mercado, é que: "Fala-se muito sobre esta nova tecnologia porém, em verdade, conhece-se muito pouco sobre ela." (Posição de um dos Organizadores do Congresso - Diretor presidente da RCM). A abordagem AOO(Análise Orientada a Objetos) e da POO(Programação Orientada a objetos), restringiu-se basicamente na exploração dos conceitos de seus princípios essenciais, tais como: classes, herança, encapsulamento, etc. Uma abordagem bem interessante e diferente das demais propostas, foi que a Orientação a Objetos é uma técnica simples, e que os técnicos em informática tendem a complicá-la. Que o ideal é se desvincular de conceitos que não se aplicam a esta técnica (por exemplo a análise estruturada) e, procurar ver da forma mais simples possível os conceitos que esta abordagem propõe, tendo assim os reais ganhos que estas técnicas sugerem. Outros temas vistos: BPA (Business Process Automation) - Automação de funções complexas do negócio -

10 A abordagem deste tema sugere que BPA é muito mais que a simples automação de processos, que vai além das tradicionais atividades de registro e manipulação de dados. A BPA propõe que sejam utilizadas ferramentas avançadas de software para que se tenha ganhos no desenvolvimento de aplicações e, principalmente, que as aplicações sejam suficientemente dinâmicas e flexíveis, de tal forma que estas sejam facilmente readaptáveis a novas regras do negócio. Dentro da proposta de BPA, os sistemas não devem somente apoiar os negócios, e sim, fazer parte do próprio negócio. Conclusão do Congresso: Nos temas de Cliente X Servidor e Orientação a Objetos, percebe-se que a CELEPAR está assimilando e trabalhando no aculturamento destas novas tecnologias com a velocidade e intensidade muito similar ao mercado retratado no congresso. Parecer sobre a Feira: Sistema de Gestão de Recursos Humanos (Ciente X Servidor) para o Estado do Paraná - O que o mercado está propondo atualmente são soluções limitadas à folha de pagamento e a outros poucos módulos da área de recursos humanos. Nada foi identificado que sugerisse uma atenção maior, pois as soluções encontradas, além de serem limitadas, são para empresas de pequeno e médio porte, o contrário do que se buscava. Soluções para a área jurídica - A idéia era pesquisar softwares que tivessem uma solução atrativa para consulta da Legislação e jurisprudências. Neste segmento foram identificadas várias soluções, porém, sempre baseadas em CD s ou em outros tipos de armazenamento de dados. Todas as propostas recaíam na dificuldade de atualização das informações, uma vez que é um requisito muito importante que deve ser considerado com especial atenção, pois as mudanças na legislação são muito freqüentes e a atualização destes softwares não acompanha com a velocidade que se deseja; Soluções de softwares EIS - O enfoque neste tema foi a comparação do software, que a CELEPAR adquiriu recentemente, com os softwares que o mercado esta propondo e a observação de soluções que pudessem, de alguma forma, contribuir para o desenvolvimento do protótipo que está sendo construído com este software para a SEAD. Foi verificado que o produto adquirido possui um potencial muito grande com relação às ofertas do mercado, que com este produto vislumbram-se soluções muito interessantes na área de Informações Executivas. Formulários para impressoras laser de pequeno porte - junto à Xerox e fornecedores de formulários, verificou-se que para impressoras laser de pequeno porte, só é possível trabalhar com formulário A4 de etiquetas com volume significativo, ou seja, sem alimentação manual, com formulários que possuam um peso de até 135 gramas. O levantamento destas informações certamente contribuirá para soluções que na época da implantação, por desconhecerem esta característica, adotaram o formulário contínuo de etiquetas, ficando, assim, ainda dependente das impressoras matriciais. Conclusão da Feira: Infelizmente o maior enfoque da feira da FENASOFT foi para equipamentos, kit multimídia e CD s de jogos, contudo, foi válido para fazer comparativos das soluções

11 que já estavam sendo estudadas com as soluções que o mercado expôs na FENASOFT. Até mesmo a própria integração com as outras áreas da empresa na participação deste evento contribui, pois os técnicos acabam relatando as soluções e propostas que estão trabalhando tanto em seus clientes quanto na própria CELEPAR. Autor: Jefferson Henrique Marçal - GPT MULTIMÍDIA NA FENASOFT Participei do 9º Congresso Fenasoft de 17 a 21 de julho de 1995, em seminários na área de Multimídia. O congresso técnico foi composto por 4 seminários diários: - Produção e Publicação em Multimídia - Tecnologias Integradas - Processamento de Imagens - Multimídia no Treinamento e Ensino O seminário de Produção e Publicação em Multimídía foi conduzido pela Próxima Mídia Editora que é responsável pela publicação da revista NEO. Foi abordada uma visão geral da produção de títulos em CDROM, divididos em 4 grandes temas: - Do Esboço ao Projeto: Foram feitas considerações sobre tipo de produto e tema, definição do público-alvo, plataformas de hardware e software para multimídia e a formação da equipe de trabalho. - Do Projeto ao Produto: Foram abordados os problemas com a definição da interface e navegação no aplicativo, integração das mídias, gerenciamento e gravação de CD-R - Do CD-R ao CD-ROM: Esta fase foi conduzida por profissionais da SONY MUSIC que trataram de assuntos como masterização, prensagem, aspectos mercadológicos e técnicos e estratégias da empresa para o mercado de CD-ROM no Brasil e no exterior. - O CD-ROM chega ao mercado: Foram discutidos os aspectos de distribuição, comercialização e promoção dos títulos com participação de distribuidores nacionais. O seminário de Tecnologias Integradas discutiu os diversos problemas com a integração de mídias, como: padrão de compressão de vídeo, plataformas de hardware formatos de figuras, sons, animações e paletas de cores. Abordou o uso da Multimídia na Automação Comercial e softwares de integração existentes no mercado. O seminário de Processamento de Imagens teve uma abordagem restrita ao conhecimento de imagens em empresas (centros de documentação, workflow, gerenciamento de documentos administrativos e técnicos), não tendo nenhum relacionamento com a Multimídia. A análise do evento que podemos fazer seria a de que mostrou-se, como em anos anteriores, muito comercial e repetitivo, no que se refere a Multimídia. Verificamos os seminários muito voltados à participação de empresas interessadas na comercialização de soluções para Multimídia, bem como abordando aspectos pouco inovadores dentro

12 desta área. A feira se mostrou como um "grande supermercado" onde os fornecedores faziam grandes promoções de softwares e hardwares para usuário final. O que mais se viu foram pessoas com seus computadores debaixo do braço e fornecedores com grandes carretas encostadas junto ao pavilhão descarregando mais equipamentos para venda. Fora a grande liquidação, se viu em forte escala o número de "joguinhos" e fornecedores de entretenimento em grandes standes, e as reportagens relacionadas ao evento junto às emissoras de televisão passando a imagem da informática(multimídia) como jogos de entretenimento. Autores: Pedro Colodi - DISOP Vitório Domit Junior - DISOP FORMIGUEIRO TECNOLÓGICO Na última FENASOFT a ênfase observada foi mais para o lado comercial que o lado tecnológico, com recepcionistas muito bonitas, distribuídas por todos os stands, oferecendo produtos a preço do "Paraguai", financiado em até quatro vezes por cartão de crédito e cheques pré-datados. A procura mais acentuada por parte do povo, concentrava-se nos KIT's MULTIMÍDIAS e JOGOS, inclusive os pornográficos, isso após às 14h00, horário em que a feira era aberta ao público. Visitar a Feira após às 14h00, era o mesmo que enfrentar o trânsito da Marginal Tietê no horário de RUSH. Outra coisa assombrosa, foi a quantidade de títulos e publicações técnicas disponíveis nas várias livrarias montadas na Feira. Alguns stands como: MICROSOFT, NOVELL e outros, promoviam durante a feira, no próprio stand, micro palestras técnicas de boa qualidade, a exemplo das que participamos. WINDOWS NT SERVER integração com NOVELL e UNIX. Nesta versão, é pos- sível se ter uma rede NOVELL sendo ad- ministrada pelo NT sem o conhecimento do usuário final. WINDOWS 95 NETWARE Novidades: - Administração de todos os recursos da rede de forma gráfica via WINDOWS, de maneira bastante flexível e prática. - Implementa um conceito chamado NDS (NETWARE DIRECTORY SERVICE) que é um banco de dados onde são definidos todos os objetos e recursos da rede. No NDS relacionamos o usuário aos recursos que ele necessita.

13 - Implementa um leque bastante amplo nas possibilidades de segurança da rede e com todas as facilidades WINDOWS para administrar. O NETWARE 4.1 é vendido com licença para 5; 10; 25; 50; 100; 250; 500 e 1000 usuários por Servidor. O NETWARE 3.x é de até 250 usuários. Muitas coisas interessantes puderam ser vistas. Como exemplo, cito a palestra sobre implantação de Cliente/Servidor, onde o palestrante enfocou os problemas que todo mundo sabe que existem e que ninguém fala, tentando seguir pela linha do "PLUG AND PLAY", quando na verdade a linha real é a "PLUG AND PRAY", ou seja, todo mundo fala que seu produto funciona, mas na hora do "vamos ver" entra o famoso "macaquinho" que vai ser jogado no colo do primeiro fornecedor mais distante com a alegação mais corriqueira. "o produto deste fornecedor é proprietário". Autor: Waldemar Setzer - USP SEMINARIO: AMBIENTE DE DESENVOLVIMENTO VIRTUDES E DEFEITOS DOS MODELOS DE BANCO DE DADOS RELACIONAL E ORIENTADO A OBJETOS. Enfoque principal dado para o modo de como os comandos são escritos. As linguagens utilizadas para Banco de Dados Relacional e Orientado a objetos deveriam permitir uma codificação similar ao pensamento e/ou lógica de raciocínio, permitindo, assim, uma codificação linear de uma solicitação ao SGDBR (recuperar do arquivo funcionário ou funcionários com mais de 10 anos na empresa e com salário superior a $5000, classificado em ordem descendente de salário). Segundo o palestrante o ZIM da Zen Informática faz tudo isto, e, outros como o SQL-Windows são totalmente malprojetados para esta finalidade? Muito Tendencioso. Autor: Leonardo Lellis - Lellis Informática ANÁLISE COMPARATIVA DOS MÉTODOS DE DESENVOLVIMENTO QUE UTILIZAM A ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Enfoque principal dado ao fato de que, como os tempos mudam, há uma grande e forte necessidade da informática acompanhar e evoluir os seus Métodos de Desenvolvimento. Alguns anos atrás o enfoque era dado para a Análise Estruturada, onde as empresas investiram muito tempo em cursos e treinamentos para os seus técnicos. Mas muitos técnicos ainda não satisfeitos com a Análise Estruturada, partiram para a Análise Essencial. Nos tempos atuais as ferramentas e os métodos de desenvolvimento estão mudando e/ou evoluindo novamente para urna nova concepção de desenvolvimento, a Orientação a Objetos. Empresas e técnicos de informática vão agora se deparar com uma nova cultura para o desenvolvimento que, certamente, será a tendência para os próximos tempos. Autor: Jacques Sauvé - Ligth Infocon

14 DE MAINFRAME PARA CLIENTE/SERVIDOR: COMO FAZER. Enfoque principal dado para as dificuldades encontradas e existentes num processo de migração para a arquitetura Clien te/servidor. Partindo-se de uma instalação praticamente proprietária e instalando uma outra, com uma nova composição de Hardware e Software. Destacou que, para uma migração do Mainframe para Cliente/Servidor, alguns pontos são bastante importantes como: - investir em treinamento; - estabelecer uma visão da mudança; - contexto da empresa; - desafios; - princípios a serem seguidos; - objetivos a serem alcançados; - ações necessárias para o plano de contingência; - questões de tempo. Autor: Valsoir Trouchin Jr. - Sybase SEMINÁRIO: BANCOS DE DADOS E ARQUITETURA CLIENTE/SERVIDOR CLIENTE/SERVIDOR - ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO X ARQUITETURA TECNOLÓGICA. Enfoque principal dado para a realidade atual, que é... MUDANÇA. - Algumas razões: - pressões dos negócios; - aceleração da competição; - reestruturação dos negócios; - aquisições e expansões; - mudanças na legislação; - surgimento de novas tecnologias; - adaptar-se para manter a vantagem. - O papel da Tecnologia de Informação vem contribuir para novas soluções como: - melhorar os sistemas de atendimento ao cliente; - fornecer sistemas e serviços ricos em informação; - disponibilizar novos produtos mais rapidamente; - disponibilizar a informação de forma mais simples e fácil. - O dilema estratégico: - "Ir muito depressa e pegar o caminho errado ou bater?" ou - "Gastar tempo demais pensando e perder a oportunidade". - Quatro passos para Cliente/Servidor: - definir a arquitetura de informação; - estabelecer urna solução de arquitetura aberta; - comprar ou desenvolver as aplicações; - acompanhar as mudanças do negócio, - Requisitos da arquitetura Cliente/Servidor corporativa:

15 - interoperável; - produtiva; - escalável; - flexível; - gerenciável. ============================================================= Autor: Valsoir Trouchin Jr. - Sybase INFRA-ESTRUTURA TECNOLÓGICA NECESSÁRIA PARA IMPLANTAÇÃO DA ARQUITETURA CLIENTE/SERVIDOR NO AMBIENTE CORPORATIVO. Enfoque principal dado aos seguintes itens: - Requisitos da distribuição de dados: - distribuição e acesso rápido; - integração de ambientes heterogêneos; - operação contínua apesar de falhas em componentes; - transações distribuídas. - Requisitos do ambiente de interoperabilidade: - tornar os dados acessíveis; - integrar as tecnologias existentes às novas; - integrar os dados; - suportar processos de negócio flexíveis. - Requisitos para a gerência do ambiente: - controle com o mesmo nível do Mainframe; - ferramentas de alta produtividade; - interoperabilidade completa; - baixos custos de treinamento; - ferramentas robustas para o controle do ambiente Cliente/Servidor; - aderência a padrões de mercado. Autor: Luis Fernando de Moura- Sybase. FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÃO CLIENTE/SERVIDOR NO AMBIENTE WINDOWS: CARACTERÍSTICAS E BENEFÍCIOS. Enfoque principal dado, seguindo algumas definições como: ambiente Windows, arquitetura Cliente /Servidor e aplicações Cliente/Servidor. - Características fundamentais: - desenvolvimento visual; - integração ao Desktop (OLE 2.0, DDE, DLL e VBX); - suporte a múltiplos BDs; - interface nativa para os principais BDs; - suporte aos recursos exclusivos dos BDs; - suporte a chamadas de DLLs e inter- face com linguagem C/C++.

16 - Características desejáveis: - desenvolvimento em equipe; - OOP; - integração com produto de terceiros: ferramenta de teste, CASE, classes, computação distribuída. Autor: Valsoir Trouchin Jr. -Sybase ASPECTOS IMPORTANTES PARA TOMADA DE DECISõES: PERFORMANCE, ESCALABILIDADE E BANCO DE DADOS PARALELO. Enfoque principal dado para as necessidades atuais do mercado. - Questões relativas a performance: - alto troughput, baixo tempo de resposta; - processamento eficiente em ambiente de carga mista; - excelente relação preço/desempenho; - possibilidade de manipulação de alto volume de dados; - Características: - escalabilidade; - processamento paralelo. - Desafios do ambiente paralelo: - desempenho - preservar as otimizações já feitas; - evitar gargalos. - crescimento - monitoração de desempenho à medida que crescem o volume de dados e usuários; - evitar limitações do Hardware; - evitar a necessidade de mudanças nos aplicativos. - gerência do ambiente; - configuração; - ajuste de desempenho; - administração. Autor: Vilmar Roberto Furbringer - DITEC-C FENASOFT 95: CONGRESSO E FEIRA Os seminários e palestras técnicas que assisti foram de bom aproveitamento (com algumas exceções). Algumas palestras com um título atrativo tornam-se, no decorrer da apresentação, apenas agressões a outros fabricantes. Mas, acredito que faz parte do evento. Apesar da organização se esforçar por uma boa condução do evento, muitos seminários e palestras não se realizam. O que é uma boa oportunidade para ir visitar a feira, aproveitando assim, ao máximo, o tempo de permanência no evento. Pois visitar a feira depois do horário de abertura ao público (14h00) é quase impossível. A feira permite aos visitantes adquirir uma boa quantidade de informações através de suas áreas reservadas pelos expositores (normalmente os grandes fabricantes), para apresentação de produtos, dos quais, os mais interessantes foram: conhecer algo sobre a Internet

17 através do OS/2 Warp, acessar o WWW da Celepar através das instalações da IBM, apresentação do PerfetOfice da Novell, apresentação de teleconferência através de linha normal de telefonia, funcionamento do Windows 95 em sua versão Beta, entre outras. De toda a feira visitada, senti principalmente a falta de Software na área de Engenharia de Sistemas (ferramentas CASE, Software para Orientação a Objetos, ferramentas integradas). Em resumo, participar na Fenasoft proporciona uma visão de como empresas de outras regiões, fora do sul do Brasil, estão se preparando para assimilar as mudanças que estão vindo por aí, principalmente na arquitetura Cliente/Servidor e integração de ambientes heterogêneos. Autor: Claudio Lopes Furquim - GPT REDES, CONECTIVIDADE E TELECOMUNICAÇÕES. Tive a oportunidade de participar do segmento sobre Internet que, basicamente, apresentou os seguintes tópicos: - Conceitos básicos; - Oportunidades de Negócios; - Aspectos de Segurança; - Navegação; - Como publicar na Internet; - Como se conectar na Internet; - Internet no Brasil. Servidor Web em NT Esta é uma das novidades trazida da Fenasoft e em testes na Gerência de Prospecção Tecnológica (GPT) Agora quem tem um Servidor NT e está de algum modo conectado à Internet, já pode montar o seu próprio servidor WWW (World Wide Web) usando o serviço HTTPS (Hyper Text Transfer Protocol Service) da Microsoft que está baseado em um serviço NT. O desenvolvimento de páginas Web também ficou mais amigável a partir das implementações adicionais no Word 6.0, batizado de Wordia (Word Internet Assistent) que passa a ter as ferramentas de HTML (Hyper Text Markup Language) a linguagem de construção das páginas Web. Outros serviços como servidor Gopher e Wais também já estão disponíveis neste ambiente. A GPT está com um servidor Web instalado e sendo customizado (under construction) que servirá de laboratório e também como ferramenta de divulgação de prospecção e suporte, incluindo a publicação do jornal mensal BATE BYTE, já a partir da próxima edição. Novos produtos e serviços serão disponibilizados a partir de pesquisas e testes, incluindo aplicações com acesso a banco de dados, imagens e som. A conexão a este servidor dar-se-á a partir do endereço principal da CELEPAR (http://www.celepar.br) na página de infra-estrutura.

18 No lado cliente, pode ser utilizado qualquer "browser" (usado para percorrer ou folhear informações) disponível no mercado como Mosaic, Chello e Netscape, mas a Microsoft está lançando o pacote Pack Plus que inclui um browser de 32 bits para Windows95 e NT.

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET Autores: OROMAR CÓRDOVA GILBERTO ALVES LOBATO COPEL Companhia Paranaense

Leia mais

A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC

A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC O AMBIENTE OPERACIONAL QUE AGREGA A CONFIABILIDADE E O SUPORTE DA ITAUTEC À SEGURANÇA E À PERFORMANCE DO LINUX O LIBRIX É UMA DISTRIBUIÇÃO PROFISSIONAL LINUX

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Perfil. Nossa estratégia de crescimento reside na excelência operacional, na inovação, no desenvolvimento do produto e no foco no cliente.

Perfil. Nossa estratégia de crescimento reside na excelência operacional, na inovação, no desenvolvimento do produto e no foco no cliente. Institucional Perfil A ARTSOFT SISTEMAS é uma empresa Brasileira, fundada em 1986, especializada no desenvolvimento de soluções em sistemas integrados de gestão empresarial ERP, customizáveis de acordo

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Adapte. Envolva. Capacite.

Adapte. Envolva. Capacite. Adapte. Envolva. Capacite. Ganhe produtividade em um Ambiente de trabalho digital #DigitalMeetsWork Os benefícios de um ambiente de trabalho digital têm impacto na competitividade do negócio. Empresas

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Capítulo 12 REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar?

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Aviso de Isenção de Responsabilidade e Direitos Autorais As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft

Leia mais

O relacionamento direto com o cliente, respeito mútuo, responsabilidade, flexibilidade e adaptabilidade são os principais valores da Infolux.

O relacionamento direto com o cliente, respeito mútuo, responsabilidade, flexibilidade e adaptabilidade são os principais valores da Infolux. A NOSSA HISTÓRIA A Infolux Informática possui seu foco de atuação voltado para o mercado corporativo, auxiliando micro, pequenas e médias empresas na tarefa de extrair o máximo de benefícios com investimentos

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 02 Áreas e Profissionais de TI Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Fundamentos do uso de tecnologia da informação F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D

Fundamentos do uso de tecnologia da informação F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D Fundamentos do uso de tecnologia da informação O USO CONSCIENTE DA TECNOLOGIA PARA O GERENCIAMENTO F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D Organização 1. Vínculo Administração-Tecnologia

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são palestras

Leia mais

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos) Aplicativos SGBD Dados (arquivos) O acesso/gerenciamento

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar? 2. Como uma empresa pode certificar-se

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade I Principais tecnologias da rede digital Computação cliente/servidor Comutação de pacotes TCP/IP Sistemas de informação

Leia mais

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com.

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com. Tactium Tactium CRManager CRManager TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades 1 O TACTIUM CRManager é a base para implementar a estratégia de CRM de sua empresa. Oferece todo o suporte para personalização

Leia mais

www.leitejunior.com.br 28/05/2008 18:52 Leite Júnior

www.leitejunior.com.br 28/05/2008 18:52 Leite Júnior CEF CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO NÍVEL MÉDIO GABARITO 1 Comentário da prova realizada dia 25/05/2008. 51 Mainframe é um tipo de computador de (A) pequeno porte, ideal para uso doméstico, assim

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB ATIVIDADE 1 Redes Windows Falar sobre Samba e redes mistas Windows / Linux, sem antes explicar o conceito básico de uma rede não parece correto e ao mesmo tempo, perder páginas e mais páginas explicando

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 03 Profissões de TI Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos respectivos

Leia mais

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento Aumente a eficiência de seu negócio O Versa é um poderoso software de gestão de negócios para editoras, distribuidoras e livrarias. Acessível e amigável, o sistema foi desenvolvido especificamente para

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Tema: Apresentador: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Objetivo desta palestra será resolver as seguintes questões: Porque fazer um PDTI? Quais os benefícios

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Partner Network. www.scriptcase.com.br

Partner Network. www.scriptcase.com.br www.scriptcase.com.br A Rede de Parceiros ScriptCase é uma comunidade que fortalece os nossos representantes em âmbito nacional, possibilitando o acesso a recursos e competências necessários à efetivação

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor Cliente/Servidor Desenvolvimento de Sistemas Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Desenvolvimento de Sistemas Cliente/Servidor As metodologias clássicas, tradicional ou orientada a objeto, são aplicáveis

Leia mais

NCR CONNECTIONS. CxBanking

NCR CONNECTIONS. CxBanking CxBanking NCR CONNECTIONS Nossa soluc a o multicanal permite aos bancos implementar rapidamente servic os empresariais personalizados em canais fi sicos e digitais. Um guia de soluções da NCR Visão geral

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE III: Infraestrutura de Tecnologia da Informação Atualmente, a infraestrutura de TI é composta por cinco elementos principais: hardware, software,

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

Banco de Dados. Professor: Rômulo César. romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

Banco de Dados. Professor: Rômulo César. romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Banco de Dados Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos)

Leia mais

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Ricardo Vilarim Formado em Administração de Empresas e MBA em Finanças Corporativas pela UFPE, Especialização em Gestão de Projetos pelo PMI-RJ/FIRJAN. Conceito

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

Agenda. A Empresa História Visão Conceito dos produtos

Agenda. A Empresa História Visão Conceito dos produtos Agenda A Empresa História Visão Conceito dos produtos Produto Conceito Benefícios Vantagens: Criação Utilização Gestão Segurança Integração Mobilidade Clientes A empresa WF História Em 1998, uma ideia

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management Version 2.0

CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management Version 2.0 FOLHA DO PRODUTO CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management Version 2.0 Simplifique e otimize seu DB2 para tarefas de gerenciamento de carga de trabalho

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Evolução histórica das redes de computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Objetivos de Aprendizagem Ao final deste módulo você estará apto a conceituar

Leia mais

RELATÓRIO DE UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO ÁGEIS

RELATÓRIO DE UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO ÁGEIS RELATÓRIO DE UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO ÁGEIS 2012 Versão 1.0 SUMÁRIO EXECUTIVO Segundo Peter F. Ducker, presidente honorário da Drucker Foundation e professor da Claremont Graduate

Leia mais

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo;

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo; Conceitos Comunicação; Formas de escritas; Bacharel Rosélio Marcos Santana Processo de contagem primitivo; roseliomarcos@yahoo.com.br Inicio do primitivo processamento de dados do homem. ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS CICLO DE VIDA DE PROJETOS (viabilidade até a entrega / iniciação ao encerramento) RELEVÂNCIA SOBRE AS AREAS DE CONHECIMENTO FATORES IMPACTANTES EM PROJETOS

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Ferramenta Colaborativa para Groupware

Ferramenta Colaborativa para Groupware Ferramenta Colaborativa para Groupware Rodolpho Brock UFSC Universidade Federal de Santa Catarina INE Deparrtamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Sistema de Informação rbrock@inf.ufsc.br

Leia mais

Agenda. A Empresa História Visão Conceito dos produtos

Agenda. A Empresa História Visão Conceito dos produtos Agenda A Empresa História Visão Conceito dos produtos Produto Conceito Benefícios Vantagens: Criação Utilização Gestão Segurança Integração Mobilidade Clientes A empresa WF História Em 1998, uma ideia

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO

LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO 2015 A LINHA CRIATIVA é uma solução de TI focada em produtos inteligentes e simples, actuando no sector de empresas de médio e pequeno porte, nas áreas

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL SQL APOSTILA INTRODUÇÃO Uma linguagem de consulta é a linguagem por meio da qual os usuários obtêm informações do banco de dados. Essas linguagens são, tipicamente, de nível mais alto que as linguagens

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01 Prof. André Lucio Competências do modulo Introdução ao sistema operacional Windows Instalação e configuração do sistema

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

ANEXO II PERFIL DOS TÉCNICOS E ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER

ANEXO II PERFIL DOS TÉCNICOS E ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER PERFIL DOS TÉCNICOS E ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER 1. FORMAÇÃO, CONHECIMENTO E HABILIDADES EXIGIDAS 1.1. PERFIL DE TÉCNICO EM INFORMÁTICA: 1.1.1.DESCRIÇÃO DO PERFIL: O profissional desempenhará

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

FÁBRICA DE SOFTWARE FÁBRICA DE PROJETOS DE SOFTWARE FÁBRICA DE PROJETOS FÍSICOS

FÁBRICA DE SOFTWARE FÁBRICA DE PROJETOS DE SOFTWARE FÁBRICA DE PROJETOS FÍSICOS FÁBRICA DE SOFTWARE Quem somos A Fábrica de Software da Compugraf existe desde 1993 e atua em todas as etapas de um projeto: especificação, construção, testes, migração de dados, treinamento e implantação.

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 12 OBJETIVOS OBJETIVOS REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação. Telecomunicações e a Internet na Empresa

Administração de Sistemas de Informação. Telecomunicações e a Internet na Empresa Administração de Sistemas de Informação e a Internet na Empresa Conectando a Empresa à Rede As organizações estão se tornando empresas conectadas em redes. As redes do tipo Internet, Intranet e Extranet

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Professor: Roberto Franciscatto. Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais

Professor: Roberto Franciscatto. Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais Professor: Roberto Franciscatto Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais