PLANO DE AÇÃO AEBA FAIR TRADING. Desenvolvimento da Estrutura Comercial e de Marketing das Empresas do Setor do Comércio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE AÇÃO AEBA FAIR TRADING. Desenvolvimento da Estrutura Comercial e de Marketing das Empresas do Setor do Comércio"

Transcrição

1 PLANO DE AÇÃO AEBA FAIR TRADING Desenvolvimento da Estrutura Comercial e de Marketing das Empresas do Setor do Comércio Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Projeto Conjunto Outras Tipologias TIPOLOGIA E ÁREA DE INTERVENÇÃO NAS EMPRESAS A AEBA Associação Empresarial do Baixo Ave apresentou uma candidatura ao Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME (SI Qualificação PME), co-financiado pelo Programa Operacional Regional do Norte ON.2 O Novo Norte e QREN, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, que mereceu parecer positivo dos Organismos competentes. Esta candidatura assumiu a modalidade de Projeto Conjunto da AEBA (Promotor) e de um grupo de empresas aderentes, composto por Micro e PME s, sendo designado doravante como AEBA FAIR TRADING ; O projeto AEBA FAIR TRADING visa promover a competitividade de empresas predominantes do setor do comércio, em particular, no que respeita ao aumento do seu mercado potencial, desenvolvimento das suas estruturas comercial e de marketing, através da implementação de tecnologia organizacional. Estes objetivos serão levados a cabo através da realização de um conjunto de atividades e iniciativas que permitam contribuir para reforçar a eficiência organizacional, capacidade de venda e de promoção da oferta no mercado global, inclusivo de mercados emergentes. 1

2 O projeto AEBA FAIR TRADING caracteriza-se por uma intervenção num conjunto de empresas, que responderá sumariamente, aos seguintes aspectos: a) Aumento da dimensão do mercado potencial: Através da aplicação e dinamização de investimento no domínio da economia digital, com o objetivo de projetar o volume de negócios das empresas participantes em mercados emergentes e/ou de elevada dimensão e potencial económico, anulando a sua dependência do mercado interno. # Plataforma B2B / B2C Shopping online / mobile # Serviços de Web marketing # Assessoria de Comunicação b) Aquisição de vantagens competitivas organizacionais e conquista de maior quota de mercado, através de: Melhor gestão comercial maior capacidade de venda, traduzida na melhor capacidade de fazer chegar a oferta comercial a um maior número de clientes, de forma mais direcionada e com maior eficiência no relacionamento comercial, desde a assimilação mais precisa do seu perfil e das suas necessidades, gestão de preços de venda e follow up de todo o processo de transação, até à sua conclusão final da operação de venda; Melhor conhecimento das forças e debilidades da estrutura comercial podendo desenvolver a sua estratégia de evolução de forma a alinhar o fortalecimento dos pontos fortes e a minimização dos pontos fracos, com os fatores críticos de sucesso no mercado, de forma a alcançar os objetivos de melhoria contínua de performance operacional desejados. Melhor gestão logística que permita disponibilizar o produto com maior rapidez, menor taxa de erro nas especificações do cliente e melhor eficiência no processo de comunicação com os clientes, fornecedores e demais parceiros de negócio. O objetivo é que o desenvolvimento desta melhor eficiência organizacional nas empresas intervencionadas possa ser suficiente para criar vantagens competitivas face à concorrência e permita atrair um maior número de clientes, na proporção de uma melhor oferta de valor, aumentando assim a sua quota para o mesmo mercado potencial. # Consultoria à estratégia comercial e força de vendas # Software de gestão comercial CRM # Software de gestão documental # Certificação na área da Qualidade # Hardware / Software de Gestão de Frotas por Geo-Referenciação # Formação Tendências de Mercado; Gestão de Produtos; Comportamento do Consumidor 2

3 # Formação TIC s CRM; Marketing em Redes Sociais; Marketing; E-Commerce # Formação Coaching; Gestão do Tempo c) Aumento das margens de comercialização: Pela exploração de possibilidades de incorporação de valor intangível nas margens de comercialização dos seus produtos, aumentando assim o diferencial entre o preço de venda e o preço de aquisição. Esta operação será desenvolvida através de uma política de comunicação e promoção junto do público alvo, referida aos ativos de competitividade angariados pelas empresas no decurso deste projeto. # Assessoria de Comunicação # Comunicação do projeto e publicidade # Seminário de divulgação dos resultados do projeto Os investimentos elegíveis do projeto AEBA FAIR TRADING suportados pelas empresas são cofinanciados pelo Programa Operacional Regional do Norte ON.2 O Novo Norte e QREN, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, com uma taxa de incentivo de 45% e/ou 80%, conforme a tipologia de despesas, nos termos do Regulamento do Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Portaria n.º 47-A/2012 de 24 de Fevereiro de Sumariamente, o projeto a desenvolver pretende assim: a) Alargar o mercado potencial das empresas de comércio, fornecendo um diagnóstico organizacional, estratégico e operacional à sua força de vendas, de forma a que possam expandir a sua oferta, quer pelo aumento da sua capacidade de venda, quer pela expansão do âmbito geográfico do mercado; b) Melhorar a sua eficiência organizacional, permitindo que as empresas possam registar maior produtividade, alocando menos recursos (hora/homem) na execução dos procedimentos comerciais, que se pretendem mais expeditos e, simultaneamente, desenvolver novos procedimentos suportados em tecnologia organizacional, que possam gerar maior valor de oferta para o cliente; c) Desenvolver ações de marketing e relações públicas, que possam comunicar ao mercado os novos fatores de competitividade operacional com que as empresa se irão munir e que possam sustentar, por via da disseminação da notoriedade, boa reputação e credibilidade no mercado, o desenvolvimento das margens de comercialização. 3

4 Estão previstas as seguintes tipologias de investimento: 1. Comercialização e Marketing Consultoria à estratégia comercial e força de vendas, de forma a se efetuar um diagnóstico do ponto de vista estratégico e operacional à estrutura comercial das empresas, a partir do qual será definido um plano de ação de melhoria, que possibilite a evolução competitiva das empresas intervencionadas, através da sua implementação e avaliação. Formação em Tendências de Mercado; Gestão de Produtos; Comportamento do Consumidor. 2. Economia Digital Está previsto de forma mais preponderante nesta tipologia uma plataforma B2B / B2C, que servirá simultaneamente de montra dos produtos das empresas envolvidas e de uma componente de comércio eletrónico, num formato de shopping online. Incluem-se também serviços de Web marketing. 3. Organização, Gestão e TIC s É também uma das tipologias mais preponderantes do projeto: inclui software de apoio à gestão de informação, formação em TIC, custos com recursos humanos internos afetos ao projeto e custos de intervenção do ROC. 4. Qualidade Está prevista a certificação da Qualidade em 2 empresas das aderentes ao projeto. METODOLOGIA DE INTERVENÇÃO NAS EMPRESAS A metodologia de intervenção nas empresas obedece às seguintes etapas: FASE 1. Diagnóstico organizacional às empresas intervencionadas, de forma a efetuar o levantamento dos processos comerciais e de marketing existentes. Este passo será sobretudo alavancado pelo investimento em CONSULTORIA À ESTRATÉGIA COMERCIAL E FORÇA DE VENDAS. O objetivo é fazer o levantamento das necessidades e calcular o processo de ajustamento organizacional que as empresas necessitarão, tendo em vista a implementação de investimentos que possam aumentar a competitividade das suas estruturas comerciais e de marketing, previstos no projeto. Este serviço passará por efetuar um diagnóstico do ponto de vista estratégico e operacional à estrutura comercial das empresas, a partir do qual será definido um plano de ação de melhoria, que possibilite a evolução competitiva das empresas intervencionadas, através da sua implementação e avaliação. 4

5 Neste sentido, será efetuado: - Diagnóstico à atual estratégia comercial das empresas e identificação dos fatores chave de sucesso da mesma; - Realização de inquéritos a clientes de forma a validar quais os atributos que mais valorizam na oferta de mercado setorial, em que medida são respondidos pela oferta de valor da empresa em análise; - Definição de um plano de ação de melhoria à estratégia comercial e operacionalização da força de vendas da empresa, de forma a serem minimizados os desfasamentos existentes por defeito, entre os atributos inseridos na oferta de valor da empresa e os atributos mais valorizados pelos clientes atuais e potenciais; - Definição e caracterização do posicionamento competitivo da empresa resultante da contextualização da sua oferta no mercado face aos concorrentes; - Identificação e caracterização do perfil dos colaboradores com funções comerciais na empresa, definindo ações de melhoria na aquisição das competências críticas à operação de venda; - Análise estatística à atuação comercial da empresa, configurando e analisando indicadores de performance (nº de leads, propostas comerciais emitidas, adjudicadas, valor de faturação por cada comercial, etc.); -(Re)definição da política de objetivos e incentivos da equipa comercial das empresas intervencionadas. Serão definidos workflows, respetivos inputs e outputs, intermédios e finais, e o cálculo de produtividade entre os recursos alocados e os resultados de performance obtidos, devidamente monitorizados por indicadores operacionais. A colmatação das falhas organizacionais passará então pela aquisição de tecnologia organizacional na fase 2. A fase 1 será também interligada com a CERTIFICAÇÃO NA ÁREA DA QUALIDADE nas empresas que potencialmente demonstrem interesse nesta evolução organizacional, de forma a coordenar a sistematização dos processos. Serão por isso, daqui retiradas sinergias, na consultoria de processos organizacionais, em ambas as perspectivas de intervenção: estratégica e operacional. Será um dos investimento que contribuirá também para uma melhor competitividade das empresas beneficiárias, permitindo: Optimização de processos de trabalho; Substituição de hábitos inadequados por procedimentos harmonizados; Diferenciação pela qualidade; Aumento do grau de satisfação dos clientes e consequente sustentabilidade de margens comerciais. FASE 2. Numa segunda fase, serão implementadas nas empresas intervencionadas de forma direta, ou correlacionada com serviços distribuídos da AEBA, as despesas de investimento associadas a tecnologia 5

6 organizacional, de forma a colmatar operacionalmente as oportunidades de melhoria, detetadas no diagnóstico organizacional desenvolvida na fase 1: PLATAFORMA B2B / B2C SHOPPING ONLINE / MOBILE Servirá simultaneamente de montra dos produtos das empresas envolvidas e de uma componente de comércio eletrónico, num formato de shopping online. Será implementado um shopping online no qual estarão integradas ou criadas de raíz a montra de produtos das empresas participantes no projeto. O facto de haver uma procura diversificada permitirá na web criar sinergias comerciais entre as empresas, uma vez que o conjunto da oferta atrai mais tráfego aos produtos a cada empresa, comparativamente à situação de promoção web individual e isolada, permitindo assim uma maior visibilidade junto do mercado alvo. Este investimento será essencial para integrar a oferta das empresas participantes no mercado externo, e assim alargar todo o mercado potencial. O shopping online terá uma componente de comércio eletrónico, que será integrada para as empresas e produtos nos quais fará sentido aplicar a tecnologia. Outros produtos haverá que, pelo seu elevado valor de transação e especificidade de funções de consumo, estarão presentes em forma de montra na plataforma, mas com encaminhamento comercial das oportunidades de negócio, via canais de comunicação complementares ( , telefone, agendamento de reuniões). Este shopping online estará também disponível em formato mobile (ipad/tlm), de forma a acompanhar as tendências de desenvolvimento tecnológico e de acessibilidade ao mercado. É um investimento distribuível, na medida em que é um investimento comum e beneficia de forma equitativa e transversal as várias empresas envolvidas. SERVIÇOS DE WEB MARKETING Estas ações incluem a promoção e publicitação de conteúdos do shopping online em marketplaces e a promoção de toda a oferta integrada das empresas do projeto, em multiplataformas de webmarketing, no sentido de despertar a atenção do público-alvo para a oferta integrada das empresas envolvidas. Os serviços de webmarketing incluirão, de acordo com descrição mais detalhadas do orçamento, as seguintes componentes: Search Engine Advertising (Adwords); Search Engine Optimization; Marketing; Social Media Marketing. SOFTWARE DE GESTÃO COMERCIAL CRM Implementação de um CRM nas empresas beneficiárias. O objetivo é que elas possam trabalhar uma base de contacto de clientes sistematizada e segmentada por diferentes atributos (segmento de atividade, localização, informação integrada em redes sociais). O CRM permitirá integrar módulos de 6

7 registo de oportunidades de negócio, negócios efetivamente concretizados, volumes de faturação alcançados e tracking/follow up de todos os procedimentos comerciais, a oportunidade de negócio até ao fecho de venda, realização do projeto trabalhado associado, e gestão da faturação correspondente. Espera-se que este investimento contribua para a melhoria da eficiência da performance comercial das empresas envolvidas. SOFTWARE DE GESTÃO DOCUMENTAL A agilidade organizacional das empresas depende em larga medida da eficiência da gestão da informação de suporte ao seu negócio. Este investimento, a ser implementado individualmente em cada empresa, permitirá a organização de arquivos, a sua inventariação e seleção, eliminando os arquivos que produzam informação redundante ou materialmente irrelevante. Esta gestão electrónica de documentos e de workflow associado permitirá apoiar a relação com o cliente, com economia de tempo de resposta, eficácia e segurança na utilização da informação. SOFTWARE / HARDWARE DE GESTÃO DE FROTAS POR GEO-REFERENCIAÇÃO Serão adquiridos software/hardware que permitam a gestão de uma frota, de forma a otimizar os percursos dos vendedores na sua relação com as empresas clientes e das operações de venda e logística inerentes. FASE 3. Depois de adquiridas as despesas em tecnologia organizacional, os recursos humanos das empresas participantes no projeto serão submetidos a um processo de formação, tendo em vista a aquisição do know-how necessário ao uso eficiente dessas ferramentas de trabalho. Nesta fase serão realizadas ações de formação previstas no quadro de investimento, nomeadamente: FORMAÇÃO TENDÊNCIAS DE MERCADO; GESTÃO DE PRODUTOS; COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR FORMAÇÃO TIC S CRM; MARKETING EM REDES SOCIAIS; MARKETING; E-COMMERCE FORMAÇÃO GESTÃO DO TEMPO; COACHING A formação em TIC terá prioridade de execução sobre as demais, de forma a que os recursos humanos nas empresas intervencionadas estejam, o mais rapidamente possível, habilitados a operacionalizar esses investimentos. Note-se que o fruto das fases (1 e 2) antecedentes, a implementação destes investimentos em formação tirará partido de uma base de preparação prévia da dimensão organizacional das empresas (1), nas suas áreas comercial e de marketing, em que estarão diagnosticados e desenvolvidos os processos organizacionais. Relativamente à tecnologia organizacional implementada nas empresas, nas quais o know-how de formação será aplicado. 7

8 Será dada formação em temáticas que sejam coerentes com os objetivos do projeto. Não é suficiente às empresas adquirirem as ferramentas que possam potenciar o seu desenvolvimento comercial e de marketing, é também necessário que adquiram o know-how para poderem traduzir o seu comportamento numa melhor performance e capacidade de utilização das ferramentas ao seu dispor. Serão abordadas temáticas como: - Tendências de Mercado (2 ações); Gestão de Produtos (2 ações); Comportamento do Consumidor (2 ações). O objetivo é que os empresários e colaboradores possam ter uma visão treinada e sistematizada na abordagem ao mercado. - CRM (2 ações); Marketing em Redes Sociais (2 ações); Marketing (2 ações); E-Commerce (2 ações). É necessária a formação em temáticas que auxiliem a empresa na sua capacidade de compreender e fazer uso das tecnologias de informação e comunicação integradas no projeto: CRM, marketing em redes sociais (web marketing) e e-commerce (shopping online). - Gestão do Tempo (1 ação); Coaching (1 ação). Será efetuada formação nestas áreas, que atuam sobre as denominadas soft skills, cada vez mais valorizadas nas competências do capital humano das empresas. Esta formação permitirá aos quadros de gestão das empresas intervencionadas a aquisição de melhores competências de gestão, em particular, na sua capacidade de venda, análise de mercado e aptidão para lidar com a tecnologia organizacional. FASE 4 Numa última fase, a integração e sistematização do conjunto dos ativos de competitividade decorrentes de todos os investimentos anteriores será também objeto de uma estratégica de comunicação ao mercado, quer seja por via do investimento de: ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Serão contratualizados serviços de consultoria para relações públicas e imprensa, com o objetivo de desenvolver a vertente de marketing do projeto, promovendo a imagem empresarial e os fatores de competitividade gerados pelo projeto. Os serviços de assessoria de comunicação serão estruturados numa base de partida relativa a um plano de comunicação, em que serão definidos os objetivos de comunicação do projeto, a análise ao mercado, na consideração do posicionamento competitivo do projeto e a envolvente interna e externa ao conjunto de empresas participantes, bem como a definição da imagem corporativa a ser promovida de acordo com a orientação estratégica e operacional do projeto. Estes serviços deverão comunicar diretamente com a base de clientes atual e potencial das empresas envolvidas. 8

9 COMUNICAÇÃO DO PROJETO E PUBLICIDADE Ações de divulgação institucional do projeto referidas a spots publicitários em rádio, publicações em jornais e revistas especializadas e criação de um micro site de divulgação do projeto. SEMINÁRIO DE DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO PROJETO. Está também previsto a realização de um seminário para divulgação dos resultados, não tendo apenas como alvo o setor do comércio, mas também dois outros setores a indústria e os serviços, que não são alvos diretos do projeto: o setor industrial, por ser o segundo setor mais representativo da região de intervenção da AEBA e do seu corpo de associado, e o setor dos serviços por assumir uma representatividade crescente na área de intervenção geográfica, à medida do efeito da terceirização da economia local. A partir desta metodologia, a AEBA estima ter aumentado o mercado potencial das empresas intervencionadas, aumentando a sua quota de mercado, em virtude da maior eficiência organizacional com que se relacionam com os agentes de mercado e ter contribuído para aumentar as suas margens de comercialização pela sua boa referenciação e reputação, desenvolvidas junto do mercado. COMPETÊNCIAS EXTERNAS NECESSÁRIAS AO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO Sempre que se revelar necessário para a boa execução do projeto, a AEBA irá recorrer a entidades externas para a realização das diversas atividades e investimentos previstos, no âmbito do projeto AEBA FAIR TRADING, no sentido de responder da melhor forma aos objetivos deste e às expectativas das empresas participantes. 9

10 ATIVIDADES DE SENSIBILIZAÇÃO E DIVULGAÇÃO DO PROJETO A AEBA irá promover uma apresentação síntese do projeto AEBA FAIR TRADING junto do públicoalvo, de forma a divulgar os seus parâmetros essenciais como: os objetivos conjuntos, o plano de investimento, o plano de financiamento e as principais linhas de orientação na estratégia de desenvolvimento económico induzido às empresas participantes. Após a apresentação geral do projeto, serão realizadas sessões individuais com as empresas interessadas de forma a validar o alinhamento das respetivas estratégias individuais, com os objetivos conjuntos do projeto. O objetivo é concluir através deste evento o grupo de empresas que integrarão com carácter de adesão definitiva as empresas a envolver no projeto. A orçamentação deste seminário inclui o aluguer de espaço, aluguer de equipamentos, serviços de apoio logístico ao agendamento e receção aos participantes no evento e a elaboração da própria apresentação do projeto a ser visionada neste evento. A sessão de divulgação e sensibilização do projeto será suportada na elaboração de uma apresentação promocional e complementada com os meios de comunicação que a associação tem já ao seu dispor, como sejam newsletter, site, revista (publicação própria), que permitirão reforçar cumulativamente a promoção e divulgação integrada do projeto. TAREFAS DE ACOMPANHAMENTO DAS EMPRESAS NA FASE DE EXECUÇÃO DO PROJETO Na fase de execução do plano conjunto, irão ser implementadas as seguintes tarefas: - Reuniões de trabalho para caracterização e alinhamento dos objetivos a atingir com o projeto, em cada uma das empresas, referentes ao desenvolvimento das suas estruturas comerciais e de marketing; - Definição das regras de relacionamento entre as empresas envolvidas, definindo os direitos e deveres de cada uma delas, priorizando a defesa e prevalência do interesse conjunto sobre os interesses individuais e a promoção de um clima de conciliação e sinergia entre as partes; - Acompanhamento trimestral dos indicadores de execução do projeto, de forma a monitorizar a sua evolução, intervindo junto das empresas sempre que a evolução do projeto esteja desfavoravelmente desproporcionada face ao prazo e grau de execução, pela análise comparativa do tempo decorrido, a calendarização assumida das despesas de investimento e tempo remanescente para a conclusão do projeto. 10

11 - Diagnóstico semestral do impacto do projeto, à medida da sua evolução, referido aos objetivos do plano de ação, nomeadamente pela monitorização dos seguintes aspetos:. Aumento do mercado potencial, aferindo a canalização das transações comerciais para mercados externos;. Aumento das transações comerciais, em cujos fatores de eficiência organizacional tenham sido particularmente valorizados pelos clientes;. Cotação competitiva das margens de comercialização, face à prática corrente do segmento de atividade. ATIVIDADES DE AVALIAÇÃO DE RESULTADOS DO PROJETO NAS EMPRESAS As atividades de avaliação dos resultados do projeto terão por base os seguintes indicadores: - Nº DE TRANSAÇÕES COMERCIAIS GERADOS NO PROJETO / Nº DE TRANSÇÕES GLOBAL POR EMPRESA Este indicador pretende avaliar o benefício comercial potencial gerado para as empresas envolvidas, calculando o peso relativo do nº de transações geradas diretamente pelo projeto, no nº de transações globais geradas pelas empresas, no âmbito de toda a sua atividade operacional global. Trata-se de uma análise referida apenas ao volume de transação. - VN GERADO NO PROJETO / VN GLOBAL POR EMPRESA Este indicador é calculado com parâmetros equiparados ao do indicador anterior, mas agora avaliando o impacto em termos de volume de negócios gerado. A conjugação dos dois indicadores servirá de base de cálculo do indicador seguinte:.[vn GERADO PROJETO / Nº TRANSÇÕES PROJETO] /[VN GLOBAL EMPRESA / Nº TRANSAÇÕES GLOBAIS EMPRESA] Este indicador pretende avaliar se existiu, ou não, aumento da cotação média das transações geradas no projeto, face ao valor médio das transações geradas na atividade global da empresa. O objetivo é verificar se existiu um aumento do valor de negócio por transação, em virtude da exposição ao volume de negócios das empresas envolvidas, ao mercado externo e se houve uma valorização preliminar pelo mercado e pelo contexto de operação do modelo de negócios da empresa, no que se refere a uma maior eficiência organizacional e notoriedade da idoneidade ética e fiscal das empresas envolvidas. - Nº DE VISITAS PLATAFORMA WEB B2B / B2C NO ESPAÇO RESERVADO À PROMOÇÃO DE OFERTA POR EMPRESA Considerando o investimento num canal Web, previsto no projeto, e que por força do tipo de atividade e produtos algumas empresas não verificam a aplicabilidade de comércio electrónico aos seus produtos 11

12 (por serem de valor excessivamente elevado, ou por necessitarem de customização e/ou enquadramento comercial, entre outros fatores), este indicador pretende focar visibilidade gerada produto a produto (clicks dos visitantes em áreas sensíveis de promoção dos produtos), à margem das transações comerciais efetivadas, de forma a aferir globalmente o grau de interesse comercial que induzem nos clientes potenciais. - OPORTUNIDADES COMERCIAIS [SHOPPING ONLINE] Este indicador pretende avaliar o nº de oportunidades comerciais que são geradas nos diferentes canais de promoção previstos no projeto. Pretende-se avaliar qual a importância relativa das oportunidades comerciais geradas via shopping online, no conjunto do total de oportunidades comerciais geradas no projeto. A análise deste indicador poderá ainda revelar algum efeito de sinergias e de integração entre os diferentes canais de geração de vendas, e em que medida são relevantes no panorama global de geração de oportunidades de venda verificadas no projeto. - GRAU DE EXECUÇÃO DO INVESTIMENTO O grau de investimento será monitorizado trimestralmente, de forma a ser cumprida a realização proporcional das despesas de investimento, de acordo com o prazo decorrido do investimento e o tempo remanescente à sua conclusão. O objetivo é que o prazo e grau de execução se mantenham de acordo com o previsto em candidatura, minimizando-se desvios orçamentais através de uma monitorização de proximidade. - Nº DE MERCADO ABORDADOS Este indicador pretende avaliar o grau de abrangência dos mercados internacionais abordados em fase de execução do projeto, avaliando os mercados mais recetivos e o seu índice de dispersão / concentração face ao nº de mercados-alvo potenciais inicialmente previstos. As atividades que permitirão a monitorização dos resultados irão processar-se nos seguintes trâmites: Atribuição de responsabilidades de supervisão ao quadro de gestão operacional da entidade promotora AEBA, relativa à implementação e gestão das atividades de monitorização dos indicadores do projeto, de acordo com os relatórios de execução efetuados pelos quadros operacionais do projeto, quer no âmbito da área tecnológica, quer no âmbito da área organizacional do quadro de investimento. Divulgação junto das empresas participantes dos aspetos de performance do projeto que serão avaliados no decurso da sua execução. 12

13 Definição conjunta de metas a alcançar, sendo angariado o consenso acerca dos valores respectivos e o compromisso das partes no esforço conjunto a realizar para alcançar esses mesmos resultados. Cálculo periódico dos diferentes indicadores, de forma a avaliar a sua progressão proporcional e enquadramento no grau de evolução previsto, face ao timing decorrido do projeto e o prazo remanescente para o seu término, na consideração das metas a alcançar. Na fase final do projeto avaliar os resultados alcançados, analisar eventuais desvios face às metas previstas e proceder a um relatório de aprendizagem do projeto e de um conjunto boas práticas assimiladas com a sua implementação. PLANO DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS E DISSEMINAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS As ações de demonstração irão envolver empresas não aderentes ao projeto. Para isso, a AEBA irá realizar seminários de demonstração e disseminação dos resultados a serem realizados em espaço apropriado, preferencialmente localizado no distrito do Porto, que será aberto a toda a comunidade empresarial em geral, com especial incidência na região Norte do país. O público-alvo incluirá empresas não aderentes ao projeto, quer sejam do próprio setor do comércio, alvo do projeto, quer sejam dos setores industrial e de serviços, que não constituem alvos diretos do projeto, mas sobre os quais a aprendizagem competitiva nele desenvolvida, lhes será útil na adaptação ao seu contexto específico de operação e de mercado. Está assim previsto a realização de um seminário para divulgação dos resultados, não tendo apenas como alvo o setor do comércio, mas também dois outros setores indústria e os serviços, que não são alvos diretos do projeto: o setor industrial, por ser o segundo setor mais representativo da região de intervenção da AEBA e do seu corpo de associados, e o setor dos serviços por assumir uma representatividade crescente na área de intervenção geográfica à medida do efeito de terceirização da economia local. O objetivo é o de refletir a aplicabilidade dos fatores de competitividade desenvolvidos nas áreas comercial e de marketing, aos setores industrial e de serviços. O plano de divulgação e disseminação de resultados irá ser estruturado de forma a executar as seguintes atividades: a) Definição do público-alvo das ações de divulgação de resultados e boas práticas O âmbito estará previamente direcionado para empresas do setor do comércio, mas não só, irá também direcionar-se para a indústria e para o setor dos serviços, enquanto outros setores (não aderentes) alvo de 13

14 divulgação, de forma a que fiquem sensibilizados para os resultados diretos deste projeto, e os possam replicar no seu contexto específico setorial e de mercado, pretende-se relvar as formas encontradas para aumentar o mercado potencial, através da eficiência organizacional, e aumentar as margens de comercialização, pela aquisição e promoção de fatores imateriais de notoriedade e idoneidade. b) Sistematização dos meios de comunicação para convocatória das ações de divulgação Neste âmbito, serão privilegiadas duas vias complementares de convocatória: Publicitação junto das entidades associativas que se constituam como pontos de contacto privilegiado com as empresas integrantes do público-alvo; Envio de newsletter e formulários eletrónicos para empresas dos setores-alvo, identificadas em bases de dados constituídas ou a desenvolver. c) Definir o âmbito de caracterização a ser disseminado na ação de divulgação Irão ser produzidos documentos de suporte para apresentação em seminário, em que figurarão: A caracterização da procura de mercado interessada no projeto, as perspetivas formuladas relativamente a essa procura e os respetivos resultados comerciais obtidos; Os indicadores de avaliação e monitorização do projeto na sua globalidade serão acompanhados por uma análise crítica na comparação entre os resultados alcançados e os previstos; Apresentação de um manual de boas práticas, que revelará como corolário de aprendizagem obtida no projeto; Análise dos fatores comparativos e divergentes entre as especificidades dos setores comercial, industrial e de serviços, e avaliação dos pontos de integração comuns e de aplicabilidade transversal das aprendizagens e boas práticas obtidas ao longo do projeto. d) Realização de seminários para divulgação dos resultados do projeto, de acordo com rubrica prevista no quadro de investimento, no qual se incluem despesas de aluguer do espaço, aluguer de equipamento e serviços de apoio logístico. e) Efetuar o diagnóstico de avaliação e satisfação dos públicos-alvo da sessão de disseminação de resultados, abordando diferentes aspetos, nomeadamente: Apreciação global da ação de divulgação; Avaliação dos interlocutores / apresentadores; Aspetos de melhor grau de satisfação da sessão; Pertinência da exploração dos temas face ao interesse dos participantes; Profundidade de exploração dos temas a discussão; Conclusões e recomendações. f) Finalmente os resultados do projeto, as boas práticas e a aprendizagem obtida, serão disponibilizados por via de documento elaborado e integrado em biblioteca online e dinamizada a divulgação do projeto, nas redes sociais (e.g.linkedin), de forma a despoletar o efeito viral do seu processo de divulgação 14

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Portugal 2020 Candidaturas Incentivos à Qualificação e Internacionalização das PME

Portugal 2020 Candidaturas Incentivos à Qualificação e Internacionalização das PME Portugal 2020 Candidaturas Incentivos à Qualificação e Internacionalização das PME Projetos Conjuntos de Internacionalização: Natureza dos beneficiários Os beneficiários são empresas PME de qualquer natureza

Leia mais

Factor PME. Junho 2011

Factor PME. Junho 2011 Projecto Factor PME Junho 2011 Índice Âmbito e Objectivos 03 Condições de Elegibilidade _Entidade beneficiária 04 _Projecto 05 Investimentos Elegíveis _Componentes de financiamento 06 _Despesas elegíveis

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO 21-4-2015 UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Fundos Europeus Estruturais e de Investimento Índice A. Madeira 14-20 Instrumentos de Apoio ao tecido empresarial.

Leia mais

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015 14 de Janeiro de 2015 O que é o Portugal 2020? O Portugal 2020 é um Acordo de Parceria assinado entre Portugal e a Comissão Europeia, que reúne a atuação dos 5 fundos estruturais e de investimento europeus

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC)

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIAC / 2012 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) PROGRAMA ESTRATÉGICO +E+I PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO NO 7.º PROGRAMA-QUADRO DE I&DT (UNIÃO EUROPEIA)

Leia mais

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE Versão do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização adotada em dezembro de 2014. 1. Estrutura do Programa e Indicadores de Resultado

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

Oportunidades a explorar

Oportunidades a explorar Oportunidades a explorar 1. Candidatura ao reconhecimento da Dieta Mediterrânica de PORTUGAL (liderada por Tavira) 2. Notoriedade do ALGARVE nos principais mercados turísticos europeus [Reino Unido, Alemanha,

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Apoio. Programa NOVOS EXPORTADORES

Apoio. Programa NOVOS EXPORTADORES Programa NOVOS EXPORTADORES Artº 1º Definição e Âmbito 1. A Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E.P.E., adiante designada por AICEP, está a promover o Programa NOVOS EXPORTADORES.

Leia mais

CIRCULAR. N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15. ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos

CIRCULAR. N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15. ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos CIRCULAR N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15 ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos Exmos. Senhores, No seguimento da publicação do Aviso 34/SI/2015 e

Leia mais

Oportunidades de Financiamento PROJETOS EMPRESARIAIS E OS SISTEMAS DE INCENTIVO

Oportunidades de Financiamento PROJETOS EMPRESARIAIS E OS SISTEMAS DE INCENTIVO Oportunidades de Financiamento PROJETOS EMPRESARIAIS E OS SISTEMAS DE INCENTIVO Hugo Barros UALG Universidade do Algarve Albufeira, 12 de Março 2015 INOVAÇÃO PAPEL CRUCIAL NO CRESCIMENTO ECONÓMICO DOS

Leia mais

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo Consortia e-market da Fileira Moda para o Mercado Externo O que é? Consórcio entre empresas da Fileira Moda e a Exponor Digital destinado a criar e explorar uma ou mais lojas online, orientada(s) para

Leia mais

FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES

FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES QUADRO RESUMO: FORMAÇÃO UFCD (H) Noções de Economia de Empresa 5437 25 Métodos e Práticas de Negociação 5442 50 Empresa Estrutura Organizacional 7825 25 Perfil e Potencial

Leia mais

PREPARE O SEU PROJETO FALE CONNOSCO!

PREPARE O SEU PROJETO FALE CONNOSCO! Candidaturas abertas até 18 de Setembro QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO PREPARE O SEU PROJETO FALE CONNOSCO! Tel./Fax: 22 600 71 20 projectos@advancedway.pt www.advancedway.pt Qualificação e internacionalização

Leia mais

Regulamento da Rede de Mentores

Regulamento da Rede de Mentores Regulamento da Rede de Mentores 1. Enquadramento A Rede de Mentores é uma iniciativa do Conselho Empresarial do Centro (CEC) e da Associação Industrial do Minho (AIMinho) e está integrada no Projeto Mentor

Leia mais

PROPOSTA DE CANDIDATURA PARTE B (ANEXO TÉCNICO) SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) AVISO Nº 10/SI/2015

PROPOSTA DE CANDIDATURA PARTE B (ANEXO TÉCNICO) SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) AVISO Nº 10/SI/2015 PROPOSTA DE CANDIDATURA PARTE B (ANEXO TÉCNICO) SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) AVISO Nº 10/SI/2015 PROJETOS DEMONSTRADORES INDIVIDUAIS Título do projeto /

Leia mais

Sistema de Incentivos Internacionalização das PME

Sistema de Incentivos Internacionalização das PME Sistema de Incentivos Internacionalização das PME Objetivos e prioridades: Conceder apoios financeiros a projetos que reforcem a capacitação empresarial das PME para a internacionalização, com vista a

Leia mais

Qualidade e boas práticas formação-ação PME uma aposta ganha 16.01.2013. Caparica

Qualidade e boas práticas formação-ação PME uma aposta ganha 16.01.2013. Caparica Qualidade e boas práticas formação-ação PME uma aposta ganha 16.01.2013 Caparica Antecedentes da Formação-Ação: Projeto piloto lançado em 1998 com IEFP Programa REDE AIP AEP Medida 2.2. Formação e Desenvolvimento

Leia mais

Inovação e Competitividade Incentivos às Empresas 2020

Inovação e Competitividade Incentivos às Empresas 2020 Inovação e Competitividade Incentivos às Empresas 2020 Investigação, Inovação, Empreendedorismo Miguel Cruz miguel.cruz@iapmei.pt Setúbal 16 Setembro 2015 O presente conteúdo é válido no contexto do evento

Leia mais

Apresentação da Medida COMÉRCIO INVESTE

Apresentação da Medida COMÉRCIO INVESTE Apresentação da Medida COMÉRCIO INVESTE Salão Nobre da Câmara Municipal de Arouca 28/10/2013 Agenda 1 - Projeto individual Condições de elegibilidade do promotor e do projeto Despesas elegíveis Incentivos

Leia mais

Domínio Competitividade e Internacionalização. Sistemas de incentivos às empresas

Domínio Competitividade e Internacionalização. Sistemas de incentivos às empresas Sistemas de incentivos às empresas ACIBTM/In.Cubo 6 de julho 2015 P. O. financiadores Domínio Competitividade e OBJETIVO: Criação de riqueza e de emprego através da melhoria da competitividade das empresas

Leia mais

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos

Leia mais

Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias

Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias ÍNDICE Introdução...2 Capítulo I Programa Formação Ação para PME...3 I.1 Objetivos...3 I.2 Metodologia de Intervenção...4 I.3 Equipas de Intervenção...11

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Capacitar para Qualificação e Inovação das Redes Sociais do Minho-Lima (CQIRS-ML) Seminário Redes Sociais, Desenvolvimento e Coesão Social do Alto Minho: Diagnóstico, Perspetivas e Ações 2014-2020 19 de

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Marketing Digital. Carla Machado. Francesco Berrettini. Responsável das Formações Marketing Digital

Marketing Digital. Carla Machado. Francesco Berrettini. Responsável das Formações Marketing Digital Marketing Digital Francesco Berrettini Responsável das Formações Marketing Digital Carla Machado Coordenadora Pedagógica das Formações Marketing Digital Marketing Digital Digital Marketing - Professional

Leia mais

GUIA DE APOIO. Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013

GUIA DE APOIO. Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013 GUIA DE APOIO Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013 Gabinete de Qualificação Avenida António Augusto de Aguiar, 3D 1069-030 Lisboa

Leia mais

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015 Apoios às empresas no Norte 2020 Eunice Silva Valença 30.06.2015 SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INOVAÇÃO EMPRESARIAL EMPREENDEDORISMO QUALIFICAÇÃO DE PME INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME I&D Produção de

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

FrontWave Engenharia e Consultadoria, S.A.

FrontWave Engenharia e Consultadoria, S.A. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa é uma empresa criada em 2001 como spin-off do Instituto Superior Técnico (IST). Desenvolve tecnologias e metodologias de inovação para rentabilizar

Leia mais

Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters. Resposta à nova ambição económica

Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters. Resposta à nova ambição económica Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters Resposta à nova ambição económica Resposta à nova ambição económica 02-07-2012 Novo Modelo para o Ecossistema

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio. SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 19 JUNHO DE 2015 Página 1 de 9 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

Plano de Atividades e Orçamento. Exercício de 2014

Plano de Atividades e Orçamento. Exercício de 2014 Plano de Atividades e Orçamento Exercício de 2014 Plano de Atividades e Orçamento para o exercício de 2014 Preâmbulo O Plano de Atividades do ano de 2014 foi elaborado de acordo com as expetativas dos

Leia mais

Candidatura ao FIAEA Regulamento

Candidatura ao FIAEA Regulamento Candidatura ao FIAEA Regulamento ARTIGO 1 Objectivos 1.1 A Candidatura ao FIAEA é um processo sistemático e ágil para a avaliação de projetos de investimento de capital de risco no âmbito da Agenda Açoriana

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Qualificação e Internacionalização das PME

Qualificação e Internacionalização das PME Qualificação e Internacionalização das PME Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos

Leia mais

OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES TRANSVERSAIS

OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES TRANSVERSAIS AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01/ SAMA/ 2012 SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES TRANSVERSAIS Nos termos do Regulamento do SAMA, a apresentação

Leia mais

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO PROGRAMA TEIP3 REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO Novembro de 2013 DGE / EPIPSE Programa TEIP3 Página 1 de 5 A Direção-Geral de Educação, através da EPIPSE, após análise de conteúdo

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-AÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 02/SAMA2020/2015

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 02/SAMA2020/2015 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 02/SAMA2020/2015 REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SAMA2020) Página 1 de 16

Leia mais

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 29 de Novembro de 2014 Aveiro - Centro Cultural e de Congressos Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR PLANO DE AÇÃO DO CLUSTER CONTATOS PARCEIROS 1 INTRODUÇÃO O desafio

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

Ana Sofia Gavina MCI FLUP/FEUP 4 de outubro de 2014

Ana Sofia Gavina MCI FLUP/FEUP 4 de outubro de 2014 A redefinição do papel da Gestão Documental numa perspetiva CI Ana Sofia Gavina MCI FLUP/FEUP 4 de outubro de 2014 INTRODUÇÃO O PROJETO na perspetiva do fornecedor de software de Gestão Documental (GD)

Leia mais

jump4innovation Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável

jump4innovation Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável jump4innovation Plataforma Web de apoio à Gestão Melhoria, Inovação & Empreendedorismo Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável Conteúdo Gestao da Inovacao, Melhoria e Empreendedorismo

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve

Programa Operacional Regional do Algarve Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Domínio Temático CI Competitividade e Internacionalização Prioridades de investimento: 11.2 Aprovado

Leia mais

ENQUADRAMENTO Projeto Conjunto COMPETE 2020 Formulação Estratégica Controlo de Gestão Avaliação de Desempenho. 40% 50% 22.12.2015

ENQUADRAMENTO Projeto Conjunto COMPETE 2020 Formulação Estratégica Controlo de Gestão Avaliação de Desempenho. 40% 50% 22.12.2015 PROJETO ENQUADRAMENTO A Associação Industrial Portuguesa concebeu um Projeto Conjunto no âmbito do COMPETE 2020 que tem por objetivo apoiar as PME na sua (re)formulação Estratégica, na implementação de

Leia mais

Portugal 2020. CCILC, Junho 2014

Portugal 2020. CCILC, Junho 2014 Portugal 2020 CCILC, Junho 2014 Internacionalização: Quando? Para Quem? PME Organizações Onde? Regiões Como valorizar? + RH +Inovação O Quê? Que Investimentos? Quais? Temas Prioridades Objetivos Internacionalização:

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20-53-2015-03

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20-53-2015-03 AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20-53-2015-03 SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS QUALIFICAÇÃO Nos termos do artigo 8.º do Regulamento Específico do Domínio da Competitividade

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS SISTEMA DE APOIO ÀS AÇÕES COLETIVAS INTERNACIONALIZAÇÃO Índice 1. Objetivo temático, prioridade de investimento e objetivo específico... 3 2. A área geográfica

Leia mais

Calendário de Concursos

Calendário de Concursos Calendário de Concursos Resumo dos Principais Programas Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Inovação Empresarial Qualificação e Internacionalização PME s Promoção da Eficiência Energética e da Utilização

Leia mais

PROCESSO DE ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROJETO SIMPLIFICADO VALE

PROCESSO DE ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROJETO SIMPLIFICADO VALE PROCESSO DE ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROJETO SIMPLIFICADO VALE [As alterações agora introduzidas a este Processo de Acreditação aplicam-se aos pedidos de registo (ou de alteração)

Leia mais

Seminário de apresentação da Rede Gestus

Seminário de apresentação da Rede Gestus Seminário de apresentação da Rede Gestus Rede Gestus O LOGOTIPO Rede Gestus Internacionalização Zona 4 Gestus Compras Cartão ECOTUR Portal Gestus Cartão Gestus Contact Center CRM Zona 4 O LOGOTIPO Características:

Leia mais

Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015

Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015 REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E ÀS EMPRESAS, COM IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL DA REGIÃO DO ALGARVE Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015 1 1 CONTEÚDOS

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 2.3 E 11.1)

SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 2.3 E 11.1) SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 2.3 E 11.1) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 Página 1 de 13 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTOS

Leia mais

QUER FAZER O SEU NEGÓCIO CRESCER?

QUER FAZER O SEU NEGÓCIO CRESCER? QUER FAZER O SEU NEGÓCIO CRESCER? GARANTIR A PRESENÇA DA SUA EMPRESA NOS MEIOS ONLINE? TER UM SITE TOTALMENTE OTIMIZADO? IMPULSIONAR O AUMENTO DAS SUAS VENDAS? CONHEÇA A CERTIFICAÇÃO EM MARKETING DIGITAL

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS SISTEMA DE APOIO ÀS AÇÕES COLETIVAS PROMOÇÃO DO ESPÍRITO EMPRESARIAL Índice 1. Objetivo temático, prioridade de investimento e objetivo específico... 3 2. A área

Leia mais

Estratégia de Dinamização e de Divulgação

Estratégia de Dinamização e de Divulgação Estratégia de Dinamização e de Divulgação Plano de Ação de 2015 FEVEREIRO 2015 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO DA BOLSA DE TERRAS... 4 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS - LINHAS GERAIS DA ESTRATÉGIA... 5

Leia mais

SESSÕES DE PROMOÇÃO DO BALCÃO DO EMPRESÁRIO

SESSÕES DE PROMOÇÃO DO BALCÃO DO EMPRESÁRIO SESSÕES DE PROMOÇÃO DO BALCÃO DO EMPRESÁRIO INSIDE E REDE DE COOPERAÇÃO EMPRESARIAL DO ALENTEJO Vendas Novas, 29 outubro 2014 1 I. Serviços do Balcão do Empresário a. Enquadramento b. Questionário às necessidades

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Qualificação das PME Vale Inovação Intene Consultoria de Gestão, Lda. Maio 2015 Rua Dr. Augusto Martins, n.º 90, 1.º andar Sala 4 4470-145 Maia

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.1 CAPACITAÇÃO E DIVULGAÇÃO Enquadramento Regulamentar Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

Investir no Atlântico

Investir no Atlântico Investir no Atlântico Domínio Competitividade e Internacionalização Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento UALG 17 novembro de 2015 Sistemas

Leia mais

MAIS VENDAS. MELHORES VENDAS. SALES. corporate pro

MAIS VENDAS. MELHORES VENDAS. SALES. corporate pro MAIS VENDAS. MELHORES VENDAS. SALES corporate pro ÍNDICE 3 4 5 6 8 9 10 11 Reason Why A Dinâmica Objectivos Intervenção Etapas Lead Management Call to Business - C2B Know How REASON WHY OPORTUNIDADE 80

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1.º Âmbito das iniciativas de apoio a empreendedores emigrantes O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe

Leia mais

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015 INSERIR IMAGEM ESPECÍFICA 1 I. Sociedade Portuguesa de Inovação (SPI) Missão: Apoiar os nossos clientes na gestão de projetos que fomentem a inovação e promovam oportunidades

Leia mais

C O N V I T E 1. A PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 1 BENCHMARKING DO DESEMPENHO DE EMPRESAS CONSTRUTORAS SESSÃO DE APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 2

C O N V I T E 1. A PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 1 BENCHMARKING DO DESEMPENHO DE EMPRESAS CONSTRUTORAS SESSÃO DE APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 2 1 BENCHMARKING DO DESEMPENHO DE EMPRESAS CONSTRUTORAS SESSÃO DE APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 2 C O N V I T E 1. A PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 1 Com o apoio do InCI, a FEUP desenvolveu um projeto

Leia mais

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA VALORIZAR 2020 Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 Objetivos Promover a produção de novos ou significativamente melhorados processos

Leia mais

Os Vales de Inovação. Entidade Qualificada no âmbito dos Vales de Inovação do Programa QREN

Os Vales de Inovação. Entidade Qualificada no âmbito dos Vales de Inovação do Programa QREN Os Vales de Inovação Entidade Qualificada no âmbito dos Vales de Inovação do Programa QREN I&DT e Transferência de Tecnologia # Propriedade Industrial # Criação, Moda e Design # Comercialização e Marketing

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.a Promoção do espírito

Leia mais

QuEm SomoS missão 5 DESIGN & ComuNICação PublICIDaDE EvENtoS PromoçõES WEb

QuEm SomoS missão 5 DESIGN & ComuNICação PublICIDaDE EvENtoS PromoçõES WEb QUEM SOMOS MISSÃO DESIGN & Comunicação Publicidade Eventos Promoções Web 5 9 11 13 15 17 Quem Somos 5 Somos uma agência de Design e Comunicação, criada para disponibilizar um vasto leque de soluções na

Leia mais

PROJECTOS INDIVIDUAIS E DE COOPERAÇÃO

PROJECTOS INDIVIDUAIS E DE COOPERAÇÃO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 03 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) PROJECTOS INDIVIDUAIS E DE COOPERAÇÃO Nos termos do

Leia mais

S. I. Inovação Produtiva

S. I. Inovação Produtiva S. I. Inovação Produtiva Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos Na área de Inovação

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

ATRATIVIDADE EMPRESARIAL E PROJETOS DE ESTIMULO À ECONOMIA DA EUROREGIÃO

ATRATIVIDADE EMPRESARIAL E PROJETOS DE ESTIMULO À ECONOMIA DA EUROREGIÃO ATRATIVIDADE EMPRESARIAL E PROJETOS DE ESTIMULO À ECONOMIA DA EUROREGIÃO O PROJETO PROMOINVEST E A REDE Professor Augusto Medina Sociedade Portuguesa de Inovação FÓRUM DE DISCUSSÃO: A EUROACE e a ligação

Leia mais

Todas as páginas deverão ser o mais apelativas graficamente, pelo que os formatos e as imagens aqui apresentados são meramente indicativos.

Todas as páginas deverão ser o mais apelativas graficamente, pelo que os formatos e as imagens aqui apresentados são meramente indicativos. Notas prévias Todas as páginas deverão ser o mais apelativas graficamente, pelo que os formatos e as imagens aqui apresentados são meramente indicativos. Tens toda a liberdade para alterar, conforme aches

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS APRESENTAÇÃO A YOUNIC é especializada na assessoria a empresas com vista ao crescimento e expansão dos seus negócios num panorama internacional. Com uma atuação versátil,

Leia mais

magazine business HOTELS & TRAVEL Distributions

magazine business HOTELS & TRAVEL Distributions magazine HOTELS & TRAVEL Distributions 2 magazine O QUE FAZEMOS WHAT WE DO Somos uma empresa jovem e dinâmica com larga experiência na componente comercial através da execução de funções de gestão, em

Leia mais

COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Subsistemas Fomento da Base Económica de Exportação Desenvolvimento Local Empreendedorismo

Leia mais

Consulta - Serviços de consultoria para elaboração de Diagnósticos e Guião para qualificação de fornecedores no âmbito do PORTUGAL SOU EU

Consulta - Serviços de consultoria para elaboração de Diagnósticos e Guião para qualificação de fornecedores no âmbito do PORTUGAL SOU EU Consulta - Serviços de consultoria para elaboração de Diagnósticos e Guião para qualificação de fornecedores no âmbito do PORTUGAL SOU EU Abril 2014 Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Enquadramento... 2 3.

Leia mais

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 1. A EVOLUÇÃO DOS MERCADOS 1.1 - A situação dos mercados registou mudanças profundas a nível interno e externo. 1.2 - As variáveis dos negócios

Leia mais

Missão empresarial a Santiago do Chile. Multisetorial

Missão empresarial a Santiago do Chile. Multisetorial Missão empresarial a Santiago do Chile Multisetorial 25 a 29 de Novembro de 2013 Enquadramento: Missão empresarial Chile multisetorial O Chile constitui uma das economias mais desenvolvidas, estáveis e

Leia mais