MONT BLANC RÉSIDENCE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MONT BLANC RÉSIDENCE"

Transcrição

1 LOTEAMENTO MONT BLANC RÉSIDENCE REGULAMENTO DE RESTRIÇÕES URBANÍSTICAS E DE CONSTRUÇÃO, 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1.1 As restrições e limitações constantes deste Regulamento constituem normas convencionais a que sujeitos todos os proprietários, promitentes compradores, cessionários e/ou possuidores, a qualquer título, de Lotes e/ou unidades residenciais do Loteamento MONT BLANC RÉSIDENCE, destinadas ao resguardo da concepção original do projeto elaborado, preservação do conceito urbanístico e valorização da propriedade, bem como à promoção da segurança e proteção dos proprietários e moradores contra o uso indevido e danoso dos imóveis integrantes do Loteamento. 1.1 As normas aqui explicitadas têm caráter supletivo da Legislação Federal, Estadual e Municipal em vigor, ou seja, prevalecem após o cumprimento de todas as normas e preceitos legais pertinentes. 1.2 Para o cumprimento das finalidades deste Regulamento e ainda, para promover a administração do Loteamento MONT BLANC RÉSIDENCE., nos termos da Lei Municipal nº /96 será constituída uma Associação Civil, sem fins lucrativos, denominada ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS E MORADORES DO LOTEAMENTO MONT BLANC RÉSIDENCE., doravante designada, simplesmente, Associação, da qual são associados todos os titulares de Lotes de terreno, unidades habitacionais e/ou dos direitos a eles relativos, integrantes do citado Loteamento que a ela aderirem nos termos das disposições estatutárias. 1.3 Incumbe à Associação: a) zelar, no âmbito de suas possibilidades, pela conservação, manutenção, reparação e melhoria dos serviços e equipamentos servientes ao Loteamento MONT BLANC RÉSIDENCE. ; b) gestionar junto aos poderes públicos competentes a regular prestação dos serviços públicos, inclusive para conservação, manutenção, reparação e melhoria do sistema viário, da rede elétrica e do sistema de áreas verdes e institucionais do Loteamento, assim como, auxiliar ou prover a prestação de tais serviços, seja de modo subsidiário, seja através de convênios com os poderes públicos; c) fiscalizar a observância das restrições urbanísticas atinentes aos Lotes e áreas de comum utilização, tanto aquelas referentes ao uso do solo como aquelas referentes ao direito de construir e utilizar, especificadas no Regulamento de Restrições Urbanísticas de Construção, construção; inclusive através da análise prévia dos projetos de d) fiscalizar a observância das normas de tráfego e estacionamento estabelecidas, gestionando junto aos poderes públicos competentes o apoio necessário para tal observância e adoção das medidas convenientes à comunidade do Loteamento; e) zelar pela segurança do Loteamento, gestionando junto aos poderes públicos competentes a prestação dos serviços respectivos e prestando, na esfera de atuação possível e de acordo com suas disponibilidades financeiras, auxílio na prestação daqueles serviços; f) promover a confraternização e solidariedade entre os associados, estimulando a criação de meios para a consecução dos objetivos sociais; g) administrar toda a área do Loteamento e as áreas de lazer internas, disciplinando a sua utilização através de Regimento Interno; h) atender todas as prescrições da Legislação municipal que regula os Loteamentos fechados; i) zelar pelas áreas institucionais, áreas de lazer e canteiros centrais das avenidas do Loteamento e bem como daquelas que tenham interferência urbanística e de segurança no Loteamento. 1.4 A aceitação do presente Regulamento implica no reconhecimento irrevogável da Associação como entidade reguladora das normas de ocupação, urbanização, defesa ambiental e controle de harmonia arquitetônica das edificações e reformas a serem executadas pelos adquirentes de Lotes. 1.5 O proprietário do lote responderá pelas infrações às disposições desse REGULAMENTO, ainda que cometidas por seus contratados sujeitando-se ao cumprimento das penalidades aplicáveis, em relação à ASSOCIAÇÃO, sem prejuízo da responsabilidade civil e criminal prevista em lei.

2 2. RESTRIÇÕES CONSTRUTIVAS Todos os Lotes do Loteamento, com exceção daqueles destinados às áreas de lazer, portaria e de administração da Associação, terão destinação Residencial. Nos lotes residenciais não será permitida a construção de mais de uma residência por Lote, a qual se destinará exclusivamente à habitação de uma única família e seus empregados. Fica, em conseqüência, vedada a construção de prédios de apartamentos para habitação coletiva. Também não será permitida a construção de prédios para fins comerciais, industriais e de escritório, de forma a nunca se exercerem neles atividades de: comércio, indústria, serviços, estabelecimento de ensino, hospital, clínica, consultório, atelier, templos, cinema, teatro, hotel, motel, pensão, clubes e associações, academias de ginástica, ioga e outras assemelhadas. As casas construídas no Loteamento não poderão ser cedidas ou alugadas para pessoas, empresas ou associações, para nelas serem realizadas festas ou atos comemorativos que possam comprometer a tranqüilidade dos moradores. 2.1 Recuos e Afastamentos A caracterização de cada Lote e as conseqüentes definições de sua frente, fundo e laterais estão descritas no Memorial Descritivo, constante do item 3 do Quadro Resumo, do Instrumento Particular de Promessa de Venda e Compra de cada unidade As edificações obedecerão aos seguintes recuos e afastamentos mínimos obrigatórios; (distâncias medidas perpendicularmente às divisas dos Lotes): Recuo Frontal de 6,00m, permitindo 0,60m de projeção de beiral ou marquise. Afastamentos Laterais de 2,50m, permitindo 0,60m de projeção de beiral ou marquise. Afastamento de Fundo de 5,00m, permitindo 0,60m de projeção de beiral ou marquise. 2

3 2.1.3 Nos LOTES RESIDENCIAIS de esquina, não será permitido qualquer tipo de acesso através das divisas laterais, voltadas para a via pública O cálculo da curva de concordância, utilizado nos afastamentos de Lotes de esquina será feito pela seguinte fórmula: R concordância = R alinhamento ( AL + AF ) 2 R alinhamento= raio de curvatura do Lote AL= afastamento lateral AF= afastamento frontal Todos os afastamentos serão considerados a partir da projeção das alvenarias das edificações. Não será permitido qualquer tipo de construção coberta, dentro dos afastamentos mínimos obrigatórios, com exceção das edículas ver item 2.6 Nos LOTES RESIDENCIAIS deverá ser previsto local para a guarda de veículos, sendo vedada a utilização das faixas de afastamentos frontais e laterais, para este fim. 2.2 Taxa de Ocupação e Coeficiente de aproveitamento para os LOTES RESIDENCIAIS O índice máximo de ocupação do Lote será de 50% (cinqüenta por cento) da área total do mesmo. 3

4 2.2.2 O índice máximo de aproveitamento do Lote será igual a área total do mesmo Beirais com até 0,60 metros de largura não serão incluídos nos cálculos dos índices de ocupação e aproveitamento Não será considerada no cálculo do índice de aproveitamento, a área do pavimento motivado por declive acentuado do terreno, até o limite de 50% (cinqüenta por cento) da área do pavimento imediatamente superior. Considera-se declive acentuado de terreno quando o desnível do mesmo (depois de executadas todas as obras de infraestrutura do Loteamento) tiver inclinação superior a 15% (quinze por cento). 2.3 Piscinas, Decks, Quadras Esportivas e Casas de Máquinas Piscinas, decks e quadras esportivas, quando descobertos, deverão respeitar o afastamento de 6,00 (seis) metros da divisa frontal do Lote e 2,50 (dois metros e meio) dos afastamentos laterais e fundo As casas de máquinas situadas nos afastamentos das divisas deverão ser exclusivamente subterrâneas As áreas de Piscinas, Decks, Quadras Esportivas descobertas e Casas de Máquinas não serão consideradas nos cálculos dos índices de ocupação e aproveitamento. 2.4 Pérgulas e Elementos Vazados Pérgulas e outros elementos que apresentarem superfície vazada uniformemente distribuída, igual ou superior a 80% (oitenta por cento) de sua superfície total, poderão ser utilizados e não serão considerados nos cálculos dos índices de ocupação e aproveitamento Seguindo os padrões descritos no item acima, a construção de pérgulas e elementos vazados será permitida em áreas de afastamento voltadas para as vias públicas, desde que respeitada a distância mínima de 6,00 (seis) metros da divisa do Lote. Serão livres nos demais afastamentos, com exceção dos Lotes com servidão de passagem, ou faixas de servidão, onde não será permitida qualquer construção sobre as mesmas Caso ocorra qualquer tipo de cobertura sobre pérgulas e elementos vazados (placas de policarbonato, vidro, telha cerâmica, etc), a área da superfície destes elementos passará a ser considerada área construída, incidindo nos índices de ocupação e aproveitamento, devendo assim respeitar os afastamentos mínimos obrigatórios É livre a utilização de vegetação trepadeira como cobertura para pérgulas e elementos vazados. 2.5 Edículas As edículas poderão ser construídas sobre o afastamento de fundo, devendo respeitar os afastamentos frontais e laterais e estarem afastadas no mínimo 5,00 (cinco) metros da edificação principal (distância medida entre as projeções das paredes) A área de construção da edícula não poderá ser superior a 25% (vinte e cinco por cento) da área de ocupação da edificação principal. 4

5 2.5.3 A altura máxima da edícula não poderá ser superior a 3,80 (três e oitenta) metros, medida da soleira até o ponto mais alto do telhado Quando construída sobre o afastamento de fundo, a cota de nível do piso da edícula deverá estar situada a, no máximo, 1,00 (um) metro acima da cota natural do ponto médio do terreno, no trecho onde a mesma for edificada A área total da edificação principal e da edícula, quando somadas, não poderá resultar valor inferior a 250 (duzentos e cinqüenta) metros quadrados A construção da edícula não poderá apoiar-se nos muros ou grades de fechamento, nos lotes voltados para a divisa do Loteamento. Esses lotes devem ter a edícula incorporada à edificação monobloco. São eles: 5

6 Quadra A lote 02 a 16. Quadra B lote 01 a 13. Quadra R lote 01 a 12. Quadra Q lote 01 a 09. Quadra P lote 01 a 04. Quadra L lote 01 a Altura das Edificações Nos LOTES RESIDENCIAIS a altura máxima da edificação principal será de 10,00 (dez) metros, medida da cota do pavimento térreo, à cumeeira mais alta do telhado. H máx. = 1,00m A cota de nível do pavimento térreo poderá estar situada a no máximo 1,00 (um) metro acima da cota natural do terreno e deverá ser medida através do ponto médio, que será obtido entre os vértices (V1 e V2), resultantes da interseção da linha de projeção da Fachada principal e as divisas laterais do lote. Para soluções arquitetônicas adotadas com a implantação de escalonamento de nível, deverá ser respeitada a diferença máxima de 1,50m entre cada patamar Nenhuma edificação poderá ter mais que dois pavimentos, exceções feitas nas seguintes hipóteses: a) para Lotes com declividade maior ou igual a 8% (oito por cento) será permitida a edificação de 3 o pavimento inferior, com área máxima de 50% (cinqüenta por cento) da área de projeção do pavimento imediatamente superior. (ver item 2.2.4) b) não será permitida a edificação de sótão utilizável. 2.7 Fechamento dos Lotes 6

7 2.7.1 Os Lotes poderão ser fechados em suas divisas laterais e de fundo, sendo que o fechamento lateral não poderá avançar sobre o afastamento frontal A altura máxima, de qualquer tipo de fechamento, será de 2,00 (dois) metros, contada a partir da cota do terreno ou do muro de arrimo, caso houver Nos Lotes de esquina poderão ser feitos fechamentos nas divisas laterais voltadas para as vias públicas, a partir do limite do terreno, desde que executados com gradil O gradil deverá respeitar a altura máxima de 2,00 (dois) metros, Se o gradil for construído sobre mureta de alvenaria, a altura total deverá ser de 2,00 (dois) metros, devendo a altura máxima da mureta ser de 0,50 (meio) metro. Para qualquer outro tipo de fechamento, deverão ser respeitados os afastamentos mínimos obrigatórios previstos no item Nas divisas de Lotes voltadas para Sistemas de Lazer e Equipamentos Públicos Urbanos, os eventuais fechamentos executados pelo empreendedor dentro dos mesmos, não poderão ser modificados, alterados e/ou descaracterizados. 2.8 Fechamento do Loteamento O adquirente do Lote ou seus sucessores não poderão mudar as características do fechamento Nos trechos onde o fechamento ocorrer sobre áreas públicas, à manutenção do fechamento caberá a Associação do Loteamento O fechamento a que se refere este item terá as seguintes dimensões: largura aproximada: 0,25m (vinte e cinco) centímetros e altura mínima: 2,50 (dois e meio) metros, quando se tratar de alvenaria. Na eventualidade da largura vir a ser maior que 0,25 (vinte e cinco) centímetros, tal não ensejará qualquer direito indenizatório ao adquirente do Lote Os fechamentos serão feitos à medida que as obras de beneficiamento dos Lotes atinjam os locais onde eles se situarão. Poderão ser feitos fechamentos provisórios pelo empreendedor fora dos locais estabelecidos, inclusive dentro dos Lotes, o que, também, não ensejará qualquer direito indenizatório Incumbe ao adquirente do lote à manutenção da face interna do muro, gradil ou alambrado localizado dentro do respectivo lote Caso ocorram danos motivados por fatos alheios à responsabilidade do proprietário, é atribuição da Associação do Loteamento promover a manutenção do muro de fechamento. 7

8 2.9 Muros de Arrimo e Taludes Nos afastamentos voltados para as vias públicas, havendo a necessidade de execução de muro de arrimo ou taludes, poderão ser executados na divisa do Lote. A altura máxima do muro de arrimo ou talude será de 2,00 (dois) metros, contada a partir da cota natural do terreno no trecho em que o mesmo for edificado. Nos Lotes em aclive o muro de arrimo deverá ser encoberto em sua face externa por talude com inclinação de até 45, revestido com grama ou tratamento paisagístico A altura máxima permitida para muros de arrimo ou taludes localizados nos afastamentos laterais e de fundo será de 2,00 (dois) metros, contada a partir da cota natural do terreno no trecho em que o mesmo for edificado. Sobre os muros de arrimo poderá existir muro de fechamento, com altura máxima de 2,00 (dois) metros A inclinação máxima dos taludes, quando executados em cortes ou em aterros, deverá ter a proporção de 1:1 ou Instalações em Geral As instalações elétricas, gás, telefone, campainha ou similares, serão obrigatoriamente subterrâneas, no trecho compreendido entre os pontos de entrada e as edificações Os abrigos para medidores de entrada de água, energia elétrica, gás ou de qualquer outra utilidade, deverão sempre obedecer aos padrões das respectivas empresas ou concessionárias, podendo ter no máximo as seguintes dimensões: 1,60 (um e sessenta) metros de altura, 1,40 (um e quarenta) metros de largura e 0,30 (trinta) centímetros de profundidade Nos abrigos não poderão ser instalados filtros de água, botijões de gás ou qualquer outro complemento de instalações. Estes deverão respeitar o afastamento frontal Não será permitida a execução de fossas sépticas, mesmo durante o período de construção das residências Transformadores, geradores, aquecedores, trocadores de calor, casa de máquinas, e outros equipamentos que produzem ruídos, mesmo que descontínuos, deverão ser instalados junto ao corpo da construção e enterrados, fora das áreas de afastamentos, sob seguro e eficiente sistema de isolamento acústico Faixas de Servidão Tão somente nos casos em que o Lote concedente esteja a jusante nível inferior do Lote dominante, todo e qualquer adquirente de Lote será obrigado a dar servidão gratuita para passagem de águas pluviais e esgotos, na faixa de afastamento lateral, desde que devidamente canalizados. O eixo da rede deve distar-se a, pelo menos, 50 (cinqüenta) cm da divisa do Lote. A profundidade para a instalação de canalização deverá ser de no mínimo 2,50 (dois e meio) metros, salvo eventuais acordos firmados entre as partes envolvidas. Deverão ser previstas caixas de inspeção para canalização de esgotos e águas pluviais antes da ligação à rede pública. Correrá por conta do usuário da servidão toda e qualquer despesa inerente a este serviço, bem como sua manutenção Não será permitido qualquer tipo de construção sobre as faixas de servidão de passagem As faixas de servidão de passagem, somente poderão ser pavimentadas, com materiais de fácil remoção, a fim de facilitar os eventuais serviços de manutenção das redes de esgoto e/ou de água pluvial, não ensejando qualquer tipo de indenização em casos de danos a essa pavimentação. 8

9 2.12 Taxa de permeabilidade Todos os Lotes deverão manter uma taxa de permeabilidade mínima correspondente a 20% (vinte por cento) de sua área, podendo, para esse efeito, computarem-se as faixas de afastamentos previstas neste Regulamento Passeios Os passeios serão gramados, mas deverá possuir faixa pavimentada para circulação de pedestres, paralela a guia, com largura de 2,00 (dois) metros A grama a ser utilizada nos passeios é da espécie Esmeralda O material a ser aplicado na faixa pavimentada deverá ser liso Antes de qualquer atividade de construção, os adquirentes deverão pavimentar provisoriamente, as áreas de acesso de veículos ao Lote Não será permitida a colocação de bancos, pedras, pedriscos, ou outros elementos ornamentais similares na área do passeio A construção ou implantação de suporte para lixo caseiro deverá ser feito no limite da divisa frontal do Lote, fora do passeio público e de acordo com as normas a serem definidas pela Associação do Loteamento Nos LOTES RESIDENCIAIS, todo proprietário deverá instalar uma caixa para recebimento de correspondências, no limite da divisa frontal do Lote, fora do passeio público. 3. NORMAS OPERACIONAIS DA ASSOCIAÇÃO DO LOTEAMENTO 3.1 Todos os projetos de construção, modificação ou acréscimo, bem como a anexação ou subdivisão de Lotes, deverão ser previamente apresentados para aprovação da Associação do Loteamento Mont Blanc, que verificará a obediência ao presente Regulamento. Após a aprovação dos projetos pela Associação, eles deverão ser submetidos às autoridades competentes pelo próprio adquirente. 3.2 A Associação do Loteamento definirá uma taxa a ser paga para a análise do projeto e/ou substituição do mesmo. 3.3 A Associação do Loteamento terá por incumbência examinar os projetos sob o prisma das presentes restrições, exarando o seu parecer dentro de 15 (quinze) dias úteis, a partir da apresentação pelo interessado na construção, do projeto e demais elementos de que trata o item seguinte. 3.4 Os projetos deverão ser submetidos à Associação do Loteamento, em duas vias, compreendendo: a) levantamento planialtimétrico do terreno b) projeto de terraplenagem com a definição das cotas de todos os platôs e inclinações de taludes de corte e aterro c) implantação das edificações no Lote, com curva de nível escala 1:200; d) plantas de todos os pavimentos escala 1:100; e) elevações escala 1:100; f) corte longitudinal e corte transversal escala 1:100; g) memorial descritivo do sistema construtivo; h) memorial de cálculo de áreas; i) comprovante de propriedade contendo as descrições dos Lotes; 9

10 j) cópia de ART do autor do projeto e responsável técnico pela obra após o parecer positivo de aprovação, por parte da Associação do Loteamento. Deverá estar indicado na planta do pavimento térreo, o abrigo de medidores padrão de entrada e medição de água, energia elétrica, gás ou de qualquer outra utilidade. Deverão ser entregues, por via de carta protocolada, na sede da Associação ou onde por esta for indicado, cuja recepção fixará o prazo inicial da Associação para proferir o seu parecer. Será fornecido um número de controle para acompanhamento do processo de aprovação. 3.5 O exame e aprovação pela Associação do Loteamento constituirá pré-requisito para a aprovação do projeto por parte do órgão municipal competente. 3.6 Após a expedição do Alvará de Licença do Poder Público, será permitida a edificação de um barracão provisório para depósito de materiais de construção ou uso do guarda da obra; esse barracão deverá ser demolido se a obra não for iniciada dentro do prazo de 120 (cento e vinte) dias a contar da data de expedição do referido Alvará. É obrigatória a implantação de sanitário no barracão provisório e a sua ligação à rede de coleta de esgoto. 3.7 No caso de verificar-se que a obra não teve início no prazo supra aludido ou que ocorra sua paralisação, a Associação do Loteamento poderá tomar as providências cabíveis, visando à demolição do barracão provisório, sem direito a qualquer indenização aos interessados na construção. Às expensas do adquirente do Lote, todo o entulho deverá ser removido e re-implantada a forração vegetal original no local. A Associação fica autorizada também, às expensas do adquirente, a adotar medidas de estabilização de taludes nas áreas afetadas pelas obras inconclusas. 3.8 Serão determinados pela Associação do Loteamento, os dias e os horários que serão permitidos os trabalhos nas obras. Ficarão determinadas também, as regras para os dias da semana que estiverem inseridos em feriados prolongados. 3.9 A Associação do Loteamento regulamentará os dias e horários para entrega de materiais de construção, mas será de responsabilidade do proprietário a boa interação entre os fornecedores e as regras do Loteamento Não será permitido o pernoite de nenhum funcionário nas obras. (Em casos específicos de guarda de materiais com valores expressivos, o proprietário deverá solicitar à Associação do Loteamento a autorização para permanência de um vigilante, às suas expensas, no espaço da referida obra.) 3.11 A Associação do Loteamento não será responsabilizada por subtração ou manutenção de materiais das obras Serão determinadas pela Associação do Loteamento, as penalidades para o não cumprimento das regras impostas neste Regulamento. 4. OUTRAS RESTRIÇÕES 4.1 O adquirente do lote é responsável por manter seu lote limpo e bem cuidado, livre de lixo ou entulho. 4.2 Em todos os Lotes do Loteamento serão proibidos anúncios de qualquer natureza (nos Lotes e nas edificações). Anúncio de revenda de imóveis deverão ser colocados nas portarias respectivas, ficando a Associação do Loteamento autorizada a retirar qualquer placa de anúncio ou venda nos respectivos imóveis, inutilizando-as, sem ensejar direito de qualquer indenização aos interessados. 4.3 Ao proprietário do Lote, antes do início da construção, obriga-se a cercar a área destinada à edificação com tapume de madeirit ou similar, com altura de 2,20 (dois e vinte) metros, que circundará, inclusive, os galpões de depósito de ferramentas e materiais, não podendo ultrapassar o limite do Lote. Nos Lotes com muro de arrimo nas divisas laterais e/ou de fundo, este deverá ser executado antes da colocação do tapume. Os tapumes deverão ser pintados e receber a devida manutenção durante o decorrer da obra. 4.4 Durante a execução das obras, será obrigatória a manutenção do passeio desobstruído e em perfeitas condições, sendo vedada a sua utilização, ainda que temporária, como canteiro de obras ou para carga e descarga de materiais de construção. 4.5 O canteiro de obras não poderá prejudicar a arborização da rua, a iluminação pública, a visibilidade de placas, avisos ou sinais de transito e outras instalações de interesse público. 4.6 Será permitida, a utilização dos Lotes vizinhos com expressa autorização dos proprietários dos mesmos, para depósito de materiais de construção ou preparo desses materiais. Essa utilização será condicionada ao fechamento da área utilizada, nas condições estabelecidas nos itens 4.3, 4.4 e

11 4.7 Será exigida a identificação dos profissionais responsáveis, assim que iniciadas as obras. A identificação deverá ser feita em painel com área máxima de 2,00 (dois) metros quadrados, localizado dentro do Lote. O número do alvará de execução da obra e a data de expedição deverão estar identificados neste painel. 4.8 Será solicitado aos responsáveis pelas obras, que informem a Associação do Loteamento quanto ao término de determinadas etapas da obra gabarito e locação, estrutura, telhado e interligações com concessionárias para que sejam feitas fiscalizações intermediárias, evitando transtornos no processo de aprovação final e habite-se. 4.9 O proprietário do lote fará observar a prática de limpeza das rodas de veículos que prestam serviços à sua obra, respondendo pela limpeza das ruas que a falta desse cuidado ocasionar às vias do Loteamento, nisto incluído derramamento de areia, concreto, etc A caçamba para depósito de lixo deverá ficar dentro do tapume, enquanto este for necessário, e no final da construção, após a remoção do tapume, a caçamba deverá permanecer dentro do Lote O lixo e o entulho resultantes da construção deverão ser despejados em local adequado, fora do limite do Loteamento É proibida a queima de lixo, de qualquer natureza, durante a construção É proibida a construção de reservatórios de água elevados, fora da edificação principal e da edícula Nos LOTES RESIDENCIAIS não será permitida a construção de edificações pré-fabricadas. Novas tecnologias que se imponham com o avanço na prática de construir, sem comprometer o padrão do empreendimento, poderão ser admitidas por deliberação fundamentada da Diretoria da Associação do Loteamento, por 2/3 de seus membros empossados É expressamente vedada a utilização pelo proprietário ou ainda por terceiros, dos Lotes e das áreas verdes, para camping, estacionamento de trailers, barracões ou construções provisórias, depósito de materiais, ainda que em caráter temporário e qualquer outro que desvirtue o conceito do empreendimento, excetuando-se os barracões provisórios, erigidos nos Lotes próprios e necessários aos trabalhos acessórios de construção da unidade principal, os quais deverão ser desmontados imediatamente após a conclusão da obra Será de responsabilidade do proprietário qualquer dano causado a vizinho(s), ou às instalações do Loteamento, como guias, canaletas, entre outros Nos lotes e construções não será permitida, mesmo em caráter doméstico, sem finalidade comercial, a criação de toda e qualquer espécie de animais, cujo volume e condições de higiene interfiram na vizinhança Dentro do perímetro fechado do Loteamento, os cães deverão estar presos em guias, e os proprietários serão responsáveis por recolher seus dejetos quando em áreas públicas. 5. INCORPORAÇÃO DE IMÓVEIS 5.1 Será permitida a unificação de dois ou mais Lotes contíguos, de modo a constituir um único Lote, sempre que respeitadas as posturas municipais e desde que promovidas pelo interessado as competentes averbações no Cartório de Registro de Imóveis. Em tal hipótese, todas as restrições neste regulamento estabelecidas, serão aplicáveis ao novo Lote resultante. 5.2 É vedado a todos os adquirentes de lotes do Loteamento, em qualquer hipótese, a subdivisão do terreno de modo que resulte lote com área inferior a 702,00 (setecentos e dois) metros quadrados e, frente mínima de 18,00 (dezoito) metros. 11

12 5.3 Correrão por conta dos adquirentes, que promoverem eventuais unificações e ou subdivisões de lotes, todos os custos decorrentes das adaptações das redes de água, esgoto, energia elétrica, gás encanado, telefonia, TV a cabo e demais infra-estruturas necessárias ao atendimento desses novos lotes. 6. ALTERAÇÕES DO PRESENTE REGULAMENTO As alterações que visem disciplinar pontos omissos deste Regulamento e outras sugeridas pelo funcionamento prático dos sistemas implantados, respeitadas as situações consolidadas, poderão ser introduzidas neste Regulamento, dentro do prazo máximo de 4 (quatro) anos, contados a partir da data de registro do Loteamento, por deliberação assemblear da Associação dos Proprietários e Moradores do Loteamento Mont Blanc, com quorum mínimo de 2/3 de seus membros, mediante proposta de sua Diretoria Executiva. 7. DEFINIÇÕES Para uma perfeita interpretação das exigências edilícias que regulamentarão as construções do Loteamento, estão enunciadas, inicialmente, as definições referentes a termos técnicos, que são adotados muitas vezes de forma errônea ou diferenciada por Entidades e Prefeituras. Afastamento distância entre uma edificação e as divisas do Lote lateral e de fundo. Alinhamento linha divisória entre o terreno de propriedade particular e o logradouro público ruas ou praças. Alvará ato administrativo por meio do qual o Poder Público concede autorização para a execução de projeto de construção, de reforma ou de serviço. Anexação de Lotes é a junção de dois ou mais Lotes, constituindo um único imóvel. Área construída de um pavimento é a área da superfície correspondente à projeção horizontal das áreas cobertas do pavimento. Área construída total é a somatória das áreas construídas dos diversos pavimentos da edificação. Área de projeção é toda área de construção, em qualquer pavimento acima do térreo, cujo perímetro ultrapasse os limites do pavimento térreo. Ático parte do volume superior de uma edificação, destinada a abrigar casa de máquinas, piso técnico de elevadores, caixas d água e circulação vertical. Beiral prolongamento do telhado além da prumada das paredes. Cota média do terreno é a relação entre a cota mais alta e a cota mais baixa do terreno. Cota natural do terreno é a cota do terreno primitivo. Declividade a relação percentual entre a diferença das cotas altimétricas de dois pontos e sua distância horizontal. Divisa limite que estabelece a separação de duas propriedades vizinhas. Edícula construção assessória independente do corpo principal da casa, destinada a Serviços ou a Lazer. Edificação obra coberta destinada a abrigar atividade humana ou qualquer instalação, equipamento e material. Fachada principal face da edificação que está voltada para o logradouro público. Faixa non aedificandi área de terreno onde não será permitido qualquer tipo de construção. Habite-se o ato administrativo, por meio do qual a prefeitura concede autorização para ocupar, habitar ou utilizar a edificação podendo também ser chamado de certificado de conclusão de obra. 12

13 Índice de aproveitamento relação entre a área de um Lote e a somatória das áreas passíveis de serem edificadas, incluindo todos os pavimentos inferior, térreo, superior, áticos. Índice de ocupação relação entre a área de um Lote e a permitida de ser ocupada em um único pavimento térreo. Logradouro público é toda parcela do território de propriedade pública e de uso comum da população. Marquise cobertura saliente na parte externa de um edifício, lateralmente aberta, destinada a servir de abrigo. Muro de arrimo muro que suporta e retém um volume de terra. Passeio parte da via de circulação destinada ao trânsito de pedestres. Pavimento qualquer plano utilizável de uma edificação. Pavimento inferior qualquer pavimento situado abaixo do pavimento térreo. Pavimento superior qualquer pavimento situado acima do pavimento térreo. Pavimento térreo pavimento situado ao nível do solo. Recuo distância entre uma edificação e as divisas com o logradouro público frente e/ou lateral. Servidão utilidade de passagem ou direito que alguma propriedade ou terceiros têm à serventia, através de prédios e terras alheias. Sótão andar situado sob a cobertura, com pé-direito variável e reduzido. Subdivisão de Lotes é a divisão de um único lote, constituindo dois ou mais imóveis. Taxa de permeabilidade é o fator pelo qual multiplica-se a área do Lote, para se obter a área mínima que deverá ser permeável, ou seja, não poderá receber nenhum tipo de revestimento. Talude inclinação na superfície lateral de um terreno, após a execução da terraplenagem no mesmo. Viela sanitária área non aedificandi cujo uso está vinculado à servidão de passagem, para efeito de drenagem e captação de águas pluviais, ou ainda para rede de esgotos. 13

www.camposdeminasof.com.br

www.camposdeminasof.com.br REGULAMENTO DE RESTRIÇÕES URBANISTICAS E DE CONSTRUÇÃO, PROTEÇÃO E DE USO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL CAMPOS DE MINAS 1- Considerações Iniciais 1.1- As restrições e as limitações constantes deste regulamento

Leia mais

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS 1. ROTEIRO PARA APROVAÇÃO E LIBERAÇÃO DE PROJETOS E OBRAS: PROJETOS A. Aprovação do Projetos pelo Depto. Técnico da Associação B. Aprovação do Projeto e Solicitação de Alvará de Construção na Prefeitura

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo normatizar o direito de utilização e aproveitamento dos lotes, sendo que tais limitações são supletivas

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1 AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização por

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS 1 1. AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO: Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pela Associação Jardins Ibiza. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento do canteiro

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 )

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo

Leia mais

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES.

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES. 1 CONVÊNIO Nº 002/87 TERMO DE CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM DE UM LADO A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BARUERI E, DE OUTRO, A SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL MORADA DOS PÁSSAROS, PARA A APLICAÇÃO DE

Leia mais

LOTEAMENTO FECHADO JARDIM DA PAINEIRA DAS REGRAS E POSTURAS URBANAS (MINUTA)

LOTEAMENTO FECHADO JARDIM DA PAINEIRA DAS REGRAS E POSTURAS URBANAS (MINUTA) LOTEAMENTO FECHADO JARDIM DA PAINEIRA DAS REGRAS E POSTURAS URBANAS (MINUTA) Todo proprietário de lote do Loteamento Fechado Jardim da Paineira, ao executar, qualquer construção complementação, modificação

Leia mais

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP CARTILHA DE CONSTRUÇÃO Seguem especificações para as construções nos lotes do Loteamento Villaggio Di Firenze: A) Conforme

Leia mais

REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR

REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR 1. DEFINIÇÕES E PROPÓSITOS 1.1. As regras e disposições limitativas do uso e ocupação

Leia mais

LOTEAMENTO FECHADO RESIDENCIAL FLORESTA

LOTEAMENTO FECHADO RESIDENCIAL FLORESTA LOTEAMENTO FECHADO RESIDENCIAL FLORESTA DAS REGRAS E POSTURAS URBANAS Todo proprietário de lote do Loteamento Fechado RESIDENCIAL FLORESTA, ao executar, qualquer construção complementação, modificação

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008

LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008 LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008 Acrescenta dispositivos à Lei nº 1041, 11 de julho de 1979, que regula o loteamento de terrenos urbanos no Município de Dourados, e dá outras providências

Leia mais

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS 4.1 Disposições gerais Art. 61 - A execução de obras, incluindo os serviços preparatórios e complementares, suas instalações e equipamentos, embora que temporários,

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011.

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre o uso e ocupação do solo, limites e prescrições urbanísticas da Área Especial de Interesse Social AEIS Padre João Maria e As Dez, localizado no Loteamento

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo através

Leia mais

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares Lei 1620/1997 - Secretaria de Urbanismo e Controle Urbano - www.urbanismo.niteroi.rj.gov.br 0 Lei

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pelo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS COIMBRA. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA Associação Alphaville Salvador Residencial 1 PROCEDIMENTOS PARA INÍCIO DE OBRA 1. Entregar uma cópia do jogo de Plantas Aprovadas pela Prefeitura Municipal de Salvador e

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura via física e via digital; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e

Leia mais

ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS

ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS 1 OBJETIVO Este Manual Técnico de Projetos e Obras tem por objetivo orientar e informar aos proprietários dos lotes, bem como

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo

Leia mais

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN)

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN) Logradouro: Rua Francisco Manoel, 10 1ª Categoria Terreno: 1400m² Observações: PMP: SIP3 INEPAC: Conjunto XI / 3 IPHAN: 1ª categoria, tipo V Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo Taxa de ocupação 30% - 30% 30%

Leia mais

NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de planta)

NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de planta) 1/7 COORDENADORIA DE CONTROLE URBANO DEPARTAMENTO DE LICENCIAMENTO DIVISÃO DE LICENCIAMENTO MULTIRESIDENCIAL NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de

Leia mais

REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE EUSÉBIO

REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE EUSÉBIO Anexo B REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE EUSÉBIO ÍNDICE I DEFINIÇÕES Item 01... 3 II DISPOSIÇÕES GERAIS Itens 02 a 07... 7 III USOS III.1 Área Residencial... 7 III.2 Área Comercial... 8 IV APROVAÇÃO

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG 1 S U M Á R I O CAPÍTULO APRESENTAÇÃO PÁGINA I Disposições Preliminares 02 II Uso e Ocupação do Solo 03 III Projetos

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

REGULAMENTO DE "ALPHAVILLE GRACIOSA RESIDENCIAL"

REGULAMENTO DE ALPHAVILLE GRACIOSA RESIDENCIAL 1 Anexo B REGULAMENTO DE "ALPHAVILLE GRACIOSA RESIDENCIAL" 01. Generalidades 01.01. Estas limitações são supletivas e prevalecem após o cumprimento das legislações federal, estadual e municipal, tanto

Leia mais

SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES

SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES 1. Considerações Gerais 1.1. O presente Regulamento estabelece regras gerais para as construções e alterações que

Leia mais

REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE GRAVATAÍ

REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE GRAVATAÍ Anexo B REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE GRAVATAÍ ÍNDICE I. DEFINIÇÕES...4 II. DISPOSIÇÕES GERAIS...7 III. III.1. III.2. III.2.1 PROJETOS...8 APROVAÇÃO DE PROJETOS E FISCALIZAÇÃO...8 PROJETO DE REMEMBRAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS DO ASSOCIAÇÃOVILLE DES LACS ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO 1. DEFINIÇÕES E PROPÓSITOS 1.1. As regras e disposições

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul LEI Nº 4.944 DE 27 DE OUTUBRO DE 2010 DISPÕE SOBRE O ZONEAMENTO ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO CAETANO DO SUL. JOSÉ AURICCHIO JÚNIOR, Prefeito Municipal de São Caetano do Sul, no uso das atribuições que

Leia mais

Resolução Normativa RESOLVE CAPÍTULO I

Resolução Normativa RESOLVE CAPÍTULO I Resolução Normativa SÚMULA: Dispõe sobre os parâmetros de ocupação do solo para a Zona Especial de Controle de Gabarito no Município de Guarapuava. O CONCIDADE, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

REVISÃO REGULAMENTO INTERNO ABRIL/2015

REVISÃO REGULAMENTO INTERNO ABRIL/2015 REVISÃO REGULAMENTO INTERNO ABRIL/2015 ITENS REVISADOS: ARTIGO 14, alínea c c) Todos os recuos mencionados na alínea b deverão ser totalmente livres, sendo que a projeção de beirais com largura de até

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. CELSO BASSANI BARBOSA, Prefeito Municipal de Xangri-Lá, FAÇO SABER que a Câmara Municipal de Vereadores

Leia mais

REGIMENTO INTERNO LOTEAMENTO NOVA PALHOÇA

REGIMENTO INTERNO LOTEAMENTO NOVA PALHOÇA REGIMENTO INTERNO LOTEAMENTO NOVA PALHOÇA Art. 1. O presente Regimento Interno é instituído com o objetivo de estabelecer normas, diretrizes e condicionantes atinentes à conservação e ordem interna do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO LEI COMPLEME TAR º 203, DE 17 DE MARÇO DE 2010 Regulamenta os usos admitidos e índices urbanísticos da Área de Urbanização de Interesse Turístico - AUIT do município de Palmas seguinte Lei: O PREFEITO

Leia mais

CAPITULO XII. DA EDIFICAÇAO DE RESIDÊNCIAS PELOS CONDÔMINOS. Seção 1. Disposições Preliminares.

CAPITULO XII. DA EDIFICAÇAO DE RESIDÊNCIAS PELOS CONDÔMINOS. Seção 1. Disposições Preliminares. CAPITULO XII. DA EDIFICAÇAO DE RESIDÊNCIAS PELOS CONDÔMINOS. Seção 1. Disposições Preliminares. Artigo 47º. O CONDOMÍNIO, uma vez instituído na conformidade das disposições constantes do respectivo Memorial

Leia mais

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5628/99 Altera disposições da Lei nº 3.377, de 23 de julho de 1984, referentes à implantação de postos de revenda de Gás Liquefeito de Petróleo GLP e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA ÍNDICE ORIENTAÇÕES PRELIMINARES IMPORTANTES pág. 02 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA pág. 03 NORMAS PARA EXECUÇÃO DE OBRAS pág. 08

Leia mais

RESPONSÁVEL TÉCNICO: Claudio Marcos Piotrowski Engenheiro Civil CREA 0601452877

RESPONSÁVEL TÉCNICO: Claudio Marcos Piotrowski Engenheiro Civil CREA 0601452877 INSTRUMENTO PARTICULAR DE INCORPORAÇÃO Condomínio Horizontal Fechado RESIDENCIAL VILLAVERDE (Identificado no Cartório de Registro Civil do Distrito de Monte Verde Camanducaia Livro 05-B 1º Traslado Fls

Leia mais

PROJETO URBANÍSTICO Normas Construtivas

PROJETO URBANÍSTICO Normas Construtivas PROJETO URBANÍSTICO Normas Construtivas Tão bom quanto um Damha. só outro Damha. Bem-vindo ao Residencial Damha II O Residencial Damha II Brasília seguirá o mesmo padrão e a mesma infraestrutura de sucesso

Leia mais

LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014

LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 DISPÕE sobre a aprovação de projetos de condomínios residenciais, horizontal e vertical, no perímetro urbano do Município de Não-Me-Toque... TEODORA BERTA SOUILLJEE

Leia mais

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I CONTRATO N.º ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO DO RESIDENCIAL SANTA MÔNICA A INFRAESTRUTURA DE IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL SANTA MONICA OBEDECERÁ

Leia mais

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito Federal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito Federal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO LEI COMPLEMENTAR Nº (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre loteamento fechado e alienação de lotes ou parcelas de terras públicas no território do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000 PROJETO DE LEI Nº 044-02/2014 Acrescenta dispositivos à Lei Municipal nº 1.621, de 28 de dezembro de 1979, que dispõe sobre os loteamentos e dá outras providências. Art. 1º Além dos dispositivos constantes

Leia mais

Condomínio Residencial Rural

Condomínio Residencial Rural Condomínio Residencial Rural CADERNO DE PROJETOS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Página 1 ÍNDICE. 1.0 PROJETOS...03 1.1 Aprovação/ Reaprovação/ Substituição...03 1.1.1 Considerações Gerais...03 1.1.2 Documentos

Leia mais

ARQUIVO MODELO PADRÃO de APRESENTAÇÃO DE PROJETOS (PDF)

ARQUIVO MODELO PADRÃO de APRESENTAÇÃO DE PROJETOS (PDF) 1. OBJETIVO... 2 2. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO DE LOTES... 2 2.1. Documentações necessárias... 2 2.2. Modelo Prancha Única Remembramento (fig. 01)... 2 2.3. Restrições para Áreas...

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ÁGUAS CLARAS SÃO JORGE D OESTE - PR

ANEXO I REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ÁGUAS CLARAS SÃO JORGE D OESTE - PR ANEXO I REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ÁGUAS CLARAS SÃO JORGE D OESTE - PR Página 1 de 20 ÍNDICE I DEFINIÇÕES... 3 II DISPOSIÇÕES GERAIS... 5 III USOS... 6 IV APROVAÇÃO DE PROJETOS E FISCALIZAÇÃO... 7 V UNIFICAÇÃO

Leia mais

Santo André, 26 de agosto de 2014. À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana. Ref.

Santo André, 26 de agosto de 2014. À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana. Ref. Santo André, 26 de agosto de 2014 À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana Ref.: Revisão da LUOPS O SINDUSCON-SP Sindicato da Industria da Construção Civil do Estado

Leia mais

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA É condição essencial ao Contrato de Venda e Compra de Bem Imóvel, Com Pacto Adjeto de Financiamento Com Alienação Fiduciária a observância

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA D E C R E T O N. 10.944, de 13 de agosto de 2014 EMENTA: Regulamenta dispositivos da Lei Municipal n 1.198, de 14 de setembro de 1979 Código de Obras do Município de Itabuna na parte que indica e, dá outras

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS E POSTURAS

CÓDIGO DE OBRAS E POSTURAS CÓDIGO DE OBRAS E POSTURAS EQUIPE ATUAL REGINA COSTA E SILVA COL SOCORRO LIMA COFIS SIMONE MENDES COURB ROJESTIANE NOBRE COURB METODOLOGIA DE TRABALHO 1. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELOS PROFISSIONAIS DA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO RESIDENCIAL PARQUE DOS RESEDÁS

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO RESIDENCIAL PARQUE DOS RESEDÁS ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO RESIDENCIAL PARQUE DOS RESEDÁS MANUAL DE NORMAS DE CONSTRUÇÃO O presente Manual foi elaborado em complementação ao Regulamento Interno da Associação dos Moradores do Residencial

Leia mais

REGULAMENTO DE "ALPHAVILLE CAMPINAS - ÁREA RESIDENCIAL" ( INTRA - MUROS )

REGULAMENTO DE ALPHAVILLE CAMPINAS - ÁREA RESIDENCIAL ( INTRA - MUROS ) Anexo B 01. Generalidades REGULAMENTO DE "ALPHAVILLE CAMPINAS - ÁREA RESIDENCIAL" ( INTRA - MUROS ) 01.01. Estas limitações são supletivas e prevalecem após o cumprimento das legislações federais, estaduais

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA DECRETO Nº 1401

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA DECRETO Nº 1401 DECRETO Nº 1401 Dispõe sobre o uso temporário do recuo frontal obrigatório no Município de Curitiba. O PREFEITO MUNICIPAL DE CURITIBA, CAPITAL DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições legais que lhe

Leia mais

REGULAMENTO DO ALPHAVILLE SALVADOR RESIDENCIAL

REGULAMENTO DO ALPHAVILLE SALVADOR RESIDENCIAL Anexo B REGULAMENTO DO ALPHAVILLE SALVADOR RESIDENCIAL 01. Generalidades 01.01. Estas limitações são supletivas e prevalecem após o cumprimento das legislações federal, estadual e municipal, tanto quanto

Leia mais

ÍNDICE 1. ZONEAMENTO, USO E OCUPAÇÃO DO SOLO 2 1.1 CORREDOR DE USO ESPECIAL - Z8CR 3 1.2 OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR 3

ÍNDICE 1. ZONEAMENTO, USO E OCUPAÇÃO DO SOLO 2 1.1 CORREDOR DE USO ESPECIAL - Z8CR 3 1.2 OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR 3 ÍNDICE 1. ZONEAMENTO, USO E OCUPAÇÃO DO SOLO 2 1.1 CORREDOR DE USO ESPECIAL - Z8CR 3 1.2 OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR 3 1.3 ÁREA AJARDINADA - redução da taxa de ocupação 3 1.4 LARGURA DA RUA

Leia mais

Art. 1 - O presente regulamento estabelece regras e restrições com a finalidade de disciplinar o uso e ocupação do solo, a

Art. 1 - O presente regulamento estabelece regras e restrições com a finalidade de disciplinar o uso e ocupação do solo, a REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS VILLA JARDIM É condição essencial ao Contrato de Venda e Compra de Bem Imóvel, Com Pacto Adjeto de Financiamento Com Alienação Fiduciária a observância

Leia mais

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico Manual da Construção Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico APRESENTAÇÃO A presente cartilha é uma contribuição da Prefeitura Municipal de Viana, através da Secretaria de Planejamento

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012 Altera a Lei nº 6.766, de 19 de dezembro de 1979, que dispõe sobre o parcelamento do solo urbano e dá outras providências, para alargar a faixa não

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH Projeto de Lei nº, de de de Institui o primeiro plano municipal de incentivo à construção civil, e dá outras providências. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão Faço saber a todos os seus

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA 1 TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA Termo de compromisso para aprovação de projeto e execução de obra que entre si celebram, de um lado a SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL

Leia mais

Notas: Aprovada pela Deliberação Ceca nº 868, de 08 de maio de 1986. Publicada no DOERJ de 19 de maio de 1986

Notas: Aprovada pela Deliberação Ceca nº 868, de 08 de maio de 1986. Publicada no DOERJ de 19 de maio de 1986 IT-1815.R-5 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES (PERMANENTES E TRANSITÓRIAS), GRUPAMENTOS DE EDIFICAÇÕES E CLUBES. Notas: Aprovada pela Deliberação

Leia mais

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC PLANO DE OUTORGA ANEXO V CADERNO DE ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES E APARELHAMENTO Abril/2014 Sumário

Leia mais

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar:

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar: Institui Projeto Simplificado e dispõe sobre a forma de apresentação de projetos de construção de edificações residenciais unifamiliares, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE GUARATINGUETÁ

Leia mais

ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS

ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Estas limitações são supletivas e prevalecem após o cumprimento das legislações federais, estaduais e municipais,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA 1 PROJETO Nº 013/2014 Solicitação: MEMORIAL DESCRITIVO Tipo da Obra: PINTURA MURETA, POSTES, BRINQUEDOS DO PARQUE INFANTIL E TROCA PISO SALAS DE AULA Reforma: local indicado em planta Local: EMEI CRIANÇA

Leia mais

Normas de Construção

Normas de Construção Normas de Construção As presentes normas foram elaboradas em complemento as normas e procedimentos já existentes do Residencial Granja Carneiro Viana, objetivando ampliar as disposições e regras da Prefeitura

Leia mais

DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO

DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO Art. 52 - É condição essencial e imperativa a observância dos termos deste Estatuto Social, Regimento Interno e das Normas para Construção

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012 PROJETO DE LEI Nº 051/2012 Torna obrigatória a adoção de pavimentação ecológica nas áreas que menciona e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Artigo 1º

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO LOTEAMENTO FECHADO BOSQUES DE ATLÂNTIDA

MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO LOTEAMENTO FECHADO BOSQUES DE ATLÂNTIDA LOTEAMENTO FECHADO BOSQUES DE ATLÂNTIDA 1. GENERALIDADES A gleba destinada ao condomínio horizontal de lotes possui superfície de 446.750,54 m², em Atlântida município de Xangrilá-RS, conforme plantas

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE DA CASA DE LIXO

DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE DA CASA DE LIXO DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE DA CASA DE LIXO A entrada do processo é feita no protocolo da EMSURB localizada na portaria do Parque da Sementeira. Após a análise é fornecida a DECLARAÇÃO E O PARECER TÉCNICO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo)

LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Publicado no DODF Nº 20, terça-feira, 29 de janeiro de 2008, pág. 2 a 4. LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Define critérios para ocupação de área

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS LEI Nº 3.318, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a implantação do Programa "Minha Casa, Minha Vida" - para famílias com renda entre 3 (três)e 6 (seis) salários

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

EMPRESA MUNICIPAL DE OBRAS E URBANIZAÇÃO COORDENADORIA DE CONTROLE URBANO ANUÊNCIA PRÉVIA PARA CONSTRUÇÃO INICIAL DE EDIFICAÇÃO NÃO RESIDENCIAL

EMPRESA MUNICIPAL DE OBRAS E URBANIZAÇÃO COORDENADORIA DE CONTROLE URBANO ANUÊNCIA PRÉVIA PARA CONSTRUÇÃO INICIAL DE EDIFICAÇÃO NÃO RESIDENCIAL ANUÊNCIA PRÉVIA PARA CONSTRUÇÃO INICIAL DE EDIFICAÇÃO NÃO RESIDENCIAL 1. Requerimento assinado pelo proprietário ou procurador legalmente constituído. 2. Nº da inscrição cadastral do imóvel para prova

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES MEMORIAL DESCRITIVO DE IMPLANTAÇÃO Unidade de Educação Infantil Próinfância Tipo C 1. OBJETIVO: A presente especificação tem por objetivo estabelecer os critérios para a implantação da Unidade de Educação

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA LOTEAMENTO PRAIA DE JURERÊ VI ETAPA - B (AMORAEVILLE FASE 2) JURERÊ INTERNACIONAL, FLORIANÓPOLIS/SC O presente programa contempla o conjunto de normas,

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL 2013 ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL IAB ADMINISTRADORA DE BENS LTDA, CNPJ 08.111.520/0001 POMERODE/SC 03/10/2013 Dados do Projeto O projeto trata-se do empreendimento de um Centro Comercial

Leia mais

Lei Municipal N.º 1413

Lei Municipal N.º 1413 1 EMENTA: -- Disciplina o parcelamento da terra no Município de Volta Redonda, Estado do Rio de Janeiro. A Câmara Municipal Aprova e Eu Sanciono a Seguinte Lei: -- CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE

REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE Sociedade Residencial REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE Aqui a vida se renova. 1) APRESENTAÇÃO: 1.1 A filosofia deste Regulamento é apresentar limitações supletivas, ou seja, prevalecem

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANGÃO

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANGÃO LEI COMPLEMENTAR 024 de 17 de outubro de 2011 DISPÕE SOBRE O SISTEMA VIARIO DO MUNICIPIO DE SANGÃO-SC E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Antônio Mauro Eduardo, Prefeito Municipal de Sangão, faz saber a todos os

Leia mais

Viver em uma cidade que respeita o espaço urbano, o patrimônio histórico e a integridade da arquitetura das edificações é um direito de todos.

Viver em uma cidade que respeita o espaço urbano, o patrimônio histórico e a integridade da arquitetura das edificações é um direito de todos. Viver em uma cidade que respeita o espaço urbano, o patrimônio histórico e a integridade da arquitetura das edificações é um direito de todos. A Lei Descobrindo Rio Claro surgiu para melhor organizar os

Leia mais

Condomínios & Associações: principais diferenças

Condomínios & Associações: principais diferenças Condomínios & Associações: principais diferenças Por Mariangela Iamondi Machado CNPJ Despersonalizado Condomínio Associação de Proprietários em Loteamentos CNPJ idêntico a de empresas Não pode adquirir

Leia mais

O Prefeito Municipal de Joinville, no exercício de suas atribuições, e com fundamento no inciso IX, do art. 68, da Lei Orgânica do Município,

O Prefeito Municipal de Joinville, no exercício de suas atribuições, e com fundamento no inciso IX, do art. 68, da Lei Orgânica do Município, DECRETO Nº 18.250, de 15 de setembro de 2011. Regulamenta o processo administrativo de aprovação de projetos, alvará para construção, reforma, ampliação, demolição, e vistoria final de edificações, uniformizando

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

CRITÉRIOS DE EDIFICAÇÃO

CRITÉRIOS DE EDIFICAÇÃO CRITÉRIOS DE EDIFICAÇÃO São os seguintes os Critérios de Edificação para o Condomínio Quintas do Sol, aprovados na Assembléia Geral Extraordinária realizada em 08.12.2002 e complementados na AGE de 17.10.2004.

Leia mais