EMPRESA MUNICIPAL DE OBRAS E URBANIZAÇÃO COORDENADORIA DE CONTROLE URBANO ANUÊNCIA PRÉVIA PARA CONSTRUÇÃO INICIAL DE EDIFICAÇÃO NÃO RESIDENCIAL

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPRESA MUNICIPAL DE OBRAS E URBANIZAÇÃO COORDENADORIA DE CONTROLE URBANO ANUÊNCIA PRÉVIA PARA CONSTRUÇÃO INICIAL DE EDIFICAÇÃO NÃO RESIDENCIAL"

Transcrição

1 ANUÊNCIA PRÉVIA PARA CONSTRUÇÃO INICIAL DE EDIFICAÇÃO NÃO RESIDENCIAL 1. Requerimento assinado pelo proprietário ou procurador legalmente constituído. 2. Nº da inscrição cadastral do imóvel para prova de quitação do IPTU, ou respectiva declaração de 3. Escritura registrada do imóvel; 4. Cópia da carteira de identidade profissional junto ao CREA, do autor do projeto. 5. O projeto de arquitetura será entregue em uma pasta contendo 01 (um) jogo do projeto completo, com anuência da SMTT se for o caso, constando de: Planta de localização do terreno na escala 1:5000 ou outra compatível com identificação de no mínimo uma via arterial ou principal segundo classificação do PDDU; Planta baixa dos diversos pavimentos na escala 1:50 ou outra compatível: Planta de elevação das fachadas voltadas para os logradouros públicos na escala 1:50 ou outra compatível. APÓS TODAS AS ADAPTAÇÕES QUANTO À LEGISLAÇÃO VIGENTE, SERÁ EXIGIDO 02 (DOIS) JOGOS COMPLETOS DO PROJETO COM ASSINATURAS DO REQUERENTE E AUTOR DO PROJETO. A APRESENTAÇÃO DOS DOCUMENTOS E/OU PLANTA DE PROJETO, SEM ATENDER AO ACIMA RELACIONADO, PODERÁ IMPLICAR NO RETARDAMENTO DO PROCESSO, ACARRETANDO EM PREJUIZO DE ENTRGA DO TERMO. PRAZO DE ENTREGA EM 30 DIAS ÚTEIS SE A DOCUMENTAÇÃO ESTIVER COMPLETA/CORRETA E O PROJETO ATENDENDO A LEGISLAÇÃO VIGENTE.

2 OBRAS PÚBLICAS - CONSTRUÇÃO INICIAL NÃO RESIDENCIAL 1. Requerimento assinado pelo dirigente do órgão pública ou diretor/gerente da empresa contratada. 2. Nº da inscrição cadastral do imóvel para prova de quitação do IPTU, ou respectiva declaração de 3. Escritura registrada do imóvel ou caberá comprovar que integra o patrimônio publico. 4. Cópia da carteira de identidade profissional junto ao CREA, do autor do projeto. 5. Contrato dos serviços, se a obra for realizada por empresa contratada. 6. O projeto de arquitetura será entregue em uma pasta contendo 01 (um) jogo do projeto completo, com anuência da SMTT se for o caso, constando de: Planta de localização do terreno na escala 1:5000 ou outra compatível com identificação de no mínimo uma via arterial ou principal segundo classificação do PDDU; ruas e cotas dos passeios; porta, quando for o caso; Planta baixa dos diversos pavimentos na escala 1:50: Planta de elevação das fachadas voltadas para os logradouros públicos na escala 1:50 ou outra compatível: 7. Poderão ser exigidas as declarações de viabilidade das concessionárias, ENERGIPE, DESO e licença da ADEMA a depender do porte da implantação, da infra-estrutura do local e da atividade/uso. OBS.Será exigida instalação de dispositivos hidráulicos de controle de consumo de água (Lei Municipal 2786/00). APÓS TODAS AS ADAPTAÇÕES QUANTO À LEGISLAÇÃO VIGENTE, SERÁ EXIGIDO 03 (TRÊS) JOGOS COMPLETOS DO PROJETO COM ASSINATURAS DO REQUERENTE, AUTOR DO PROJETO E RESPONSÁVEL DA OBRA E LIBERAÇÃO DO CORPO DE BOMBEIRO. A APRESENTAÇÃO DOS DOCUMENTOS E/OU PLANTA DE PROJETO, SEM ATENDER AO ACIMA RELACIONADO, PODERÁ IMPLICAR NO RETARDAMENTO DO PROCESSO, ACARRETANDO EM PREJUIZO DE ENTRGA DO TERMO. COMPLETA/CORRETA E O PROJETO ATENDENDO A LEGISLAÇÃO VIGENTE.

3 OBRAS PÚBLICAS ACRESCIMO/ REFORMA NÃO RESIDENCIAL 1. Requerimento assinado pelo dirigente do órgão público ou diretor/gerente da empresa contratada. 2. Nº da inscrição cadastral do imóvel para prova de quitação do IPTU, ou respectiva declaração de 3. Escritura registrada do imóvel ou caberá comprovar que integra o patrimônio público; 4. Cópia da carteira de identidade profissional junto ao CREA, do autor do projeto; 5. Contrato dos serviços, se a obra for realizada por empresa contratada. 6. O projeto de arquitetura será entregue em uma pasta contendo 01 (um) jogo do projeto completo e anuência da SMTT se for o caso, constando de: Planta de localização do terreno na escala 1:5000 ou outra compatível com identificação de no mínimo uma via arterial ou principal segundo classificação do PDDU; Planta baixa dos diversos pavimentos na escala 1:50: Seções ou cortes longitudinal e transversal da edificação na escala 1:50 ou outra compatível, podendo ser exigido indicação do perfil do terreno, do meio fio e da referencia do nível - RN; Planta de elevação das fachadas voltadas para os logradouros públicos na escala 1:50 ou outra compatível: Convenções: amarelo para demolir, vermelho para construir e preto para conservar. Poderão ser exigidas as declarações de viabilidade das concessionárias, ENERGIPE, DESO e licença da ADEMA a depender do porte da implantação, e da infra-estrutura do local, e da atividade/uso. OBS.Será exigida instalação de dispositivos hidráulicos de controle de consumo de água (Lei Municipal 2786/00). APÓS TODAS AS ADAPTAÇÕES QUANTO À LEGISLAÇÃO VIGENTE, SERÁ EXIGIDO 03 (TRÊS) JOGO COMPLETO DO PROJETO COM ASSINATURAS DO REQUERENTE, AUTOR DO PROJETO E RESPONSÁVEL DA OBRA E LIBERAÇÃO DO CORPO DE BOMBEIRO. APRESENTAÇÃO DOS DOCUMENTOS E/OU PLANTA DE PROJETO, SEM ATENDER AO ACIMA RELACIONADO, PODERÁ IMPLICAR NO RETARDAMENTO DO PROCESSO, ACARRETANDO EM PREJUIZO DE ENTRGA DO TERMO. COMPLETA/CORRETA E O PROJETO ATENDENDO A LEGISLAÇÃO VIGENTE.

4 OBRAS PÚBLICAS ANUENCIA PREVIA PARA CONSTRUÇÃO INICIAL DE EDIFICAÇÃO NÃO RESIDENCIAL 1. Requerimento assinado pelo dirigente do órgão público ou diretor/gerente da empresa contratada. 2. Nº da inscrição cadastral do imóvel para prova de quitação do IPTU, ou respectiva declaração de 3. Escritura registrada do imóvel ou caberá comprovar que integra o patrimônio publico; 4. Cópia da carteira de identidade profissional junto ao CREA, do autor do projeto; 5. O projeto de arquitetura será entregue em uma pasta contendo 01 (um) jogodo projeto completo e anuência da SMTT se for o caso, constando de: Planta de localização do terreno na escala 1:5000 ou outra compatível com identificação de no mínimo uma via arterial ou principal segundo classificação do PDDU; a) Limites do terreno com suas cotas exatas e posições de meios-fios, cota das caixas de ruas e cotas dos passeios; porta, quando for o caso; Planta baixa dos diversos pavimentos na escala 1:50 ou outra compatível: Planta de elevação das fachadas voltadas para os logradouros públicos na escala 1:50 ou outra compatível: APÓS TODAS AS ADAPTAÇÕES QUANTO À LEGISLAÇÃO VIGENTE, SERÁ EXIGIDO 02 (DOIS) JOGOS COMPLETOS DO PROJETO COM ASSINATURAS DO REQUERENTE E DO AUTOR DO PROJETO. A APRESENTAÇÃO DOS DOCUMENTOS E/OU PLANTA DE PROJETO, SEM ATENDER AO ACIMA RELACIONADO, PODERÁ IMPLICAR NO RETARDAMENTO DO PROCESSO, ACARRETANDO EM PREJUIZO DE ENTRGA DO TERMO. PRAZO DE ENTREGA EM 30 DIAS ÚTEIS SE A DOCUMENTAÇÃO ESTIVER COMPLETA/CORRETA E O PROJETO ATENDENDO A LEGISLAÇÃO VIGENTE.

5 OBRAS PÚBLICAS ANUENCIA PREVIA PARA ACRESCIMO/REFORMA DE EDIFICAÇÃO NÃO RESIDENCIAL 1. Requerimento assinado pelo dirigente do órgão público ou diretor/gerente da empresa contratada. 2. Nº da inscrição cadastral do imóvel para prova de quitação do IPTU, ou respectiva declaração de 3. Escritura registrada do imóvel ou caberá comprovar que integra o patrimônio público. 4. Cópia da carteira de identidade profissional junto ao CREA, do autor do projeto; 5. Contrato dos serviços, se a obra for realizada por terceiros. 6. O projeto de arquitetura será entregue em uma pasta contendo 01 (um) jogo do projeto completo e anuência da SMTT se for o caso, constando de: Planta de localização do terreno na escala 1:5000 ou outra compatível com identificação de no mínimo uma via arterial ou principal segundo classificação do PDDU; Planta baixa dos diversos pavimentos na escala 1:50: Planta de elevação das fachadas voltadas para os logradouros públicos na escala 1:50 ou outra compatível: Convenções: amarelo para demolir, vermelho para construir e preto para conservar. APÓS TODAS AS ADAPTAÇÕES QUANTO À LEGISLAÇÃO VIGENTE, SERÁ EXIGIDO 02 (DOIS) JOGOS COMPLETOS DO PROJETO COM ASSINATURAS DO REQUERENTE E DO AUTOR DO PROJETO. A APRESENTAÇÃO DOS DOCUMENTOS E/OU PLANTA DE PROJETO, SEM ATENDER AO ACIMA RELACIONADO, PODERÁ IMPLICAR NO RETARDAMENTO DO PROCESSO, ACARRETANDO EM PREJUIZO DE ENTRGA DO TERMO. COMPLETA/CORRETA E O PROJETO ATENDENDO A LEGISLAÇÃO VIGENTE.

6 REGULARIZAÇÃO DE EDIFICAÇÕES ATENDENDO LEGISLAÇÃO USO NÃO RESIDENCIAL 1. Requerimento assinado pelo proprietário ou procurador legalmente constituído. 2. Nº da inscrição cadastral do imóvel para prova de quitação do IPTU, ou respectiva declaração de 3. Escritura registrada do imóvel. 4. Copia da carteira do CREA do responsável pelo levantamento cadastral; 5. Levantamento cadastral completo, constando de: Planta de localização do terreno na escala 1:5000 ou outra compatível com identificação de no mínimo uma via arterial ou principal segundo classificação do PDDU; contendo as seguintes informações: ruas e cotas dos passeios; f) Área construída averbada ou aprovada; g) Área acrescida a ser regularizada; h) Área total construída por pavimento; i) Área construída total; j) Coeficiente de aproveitamento (artigo 167, anexo IV do PDDU); k) Taxa de ocupação da construção; l) Taxa de permeabilidade do terreno (artigo 169, inciso II do PDDU); m) Gabarito de altura da edificação; Planta baixa dos diversos pavimentos na escala 1:50 ou outra compatível; Planta de elevação das fachadas voltadas para os logradouros públicos na escala 1:50 ou outra compatível; 6. Laudo de vistoria das condições de manutenção do imóvel, assinado por responsável técnico, atendendo especificação modelo estabelecido, Lei Municipal N. º 2765/99, com ART do responsável técnico. 7. Poderão ser exigidas as declarações de viabilidade das concessionárias, ENERGIPE, DESO e licença de operação da ADEMA a depender do porte da implantação, da infra-estrutura do local e da atividade/uso. 8. Laudo de Estanqueidade das instalações de gás (Lei 2580/98), se for o caso; 9. Anuência da EMSURB (acondicionamento de lixo e ruído), da SMTT (vagas /acessos) e anuência do COMAR (cone aéreo área de ruído I e II), quando for o caso. OBS.Será exigida instalação de dispositivos hidráulicos de controle de consumo de água (Lei Municipal 2786/00). APÓS TODAS AS ADAPTAÇÕES QUANTO À LEGISLAÇÃO VIGENTE, SERÁ EXIGIDO 03 (TRÊS) JOGOS COMPLETOS DO LEVANTAMENTO COM ASSINATURAS DO RESPONSÁVEL, DO REQUERENTE E LIBERAÇÃO DO CORPO DE BOMBEIRO. A APRESENTAÇÃO DOS DOCUMENTOS E/ OU PLANTAS DE PROJETOS, SEM ATENDER AO ACIMA RELACIONADO, PODERÁ IMPLICAR NO RETARDAMENTO DO PROCESSO, ACARRETANDO EM PREJUÍZO NO PRAZO DE ENTREGA DA CERTIDÃO. COMPLETA/CORRETA E O PROJETO ATENDENDO A LEGISLAÇÃO VIGENTE.

7 CONSTRUÇÃO INICIAL PARA EDIFICAÇÃO USO NÃO RESIDENCIAL I. Requerimento assinado pelo proprietário ou procurador legalmente constituído. II. Nº da inscrição cadastral do imóvel para prova de quitação do IPTU, ou respectiva declaração de III. Escritura registrada do imóvel. IV. Cópia da carteira de identidade profissional junto ao CREA, do autor do projeto e do responsável técnico pela obra. V. O projeto de arquitetura será entregue em uma pasta contendo 01 (um) jogo do projeto completo, com anuência da SMTT, se for o caso, constando de: Planta de localização do terreno na escala 1:5000 ou outra compatível com identificação de no mínimo uma via arterial ou principal segundo classificação do PDDU; Planta baixa dos diversos pavimentos na escala 1:50 ou outra compatível; Planta de elevação das fachadas voltadas para os logradouros públicos na escala 1:50 ou outra compatível. VI- Poderão ser exigidas as declarações de viabilidade das concessionárias, ENERGIPE, DESO e licença da ADEMA a depender do porte da implantação, da infra-estrutura do local e da atividade/uso. OBS.Será exigida instalação de dispositivos hidráulicos de controle de consumo de água (Lei Municipal 2786/00). APÓS TODAS AS ADAPTAÇÕES QUANTO À LEGISLAÇÃO VIGENTE, SERÁ EXIGIDO 03 (TRÊS) JOGO COMPLETO DO PROJETO COM ASSINATURAS DO REQUERENTE, AUTOR DO PROJETO E RESPONSÁVEL DA OBRA E LIBERAÇÃO DO CORPO DE BOMBEIRO. A APRESENTAÇÃO DOS DOCUMENTOS E/OU PLANTA DE PROJETO, SEM ATENDER AO ACIMA RELACIONADO, PODERÁ IMPLICAR NO RETARDAMENTO DO PROCESSO, ACARRETANDO EM PREJUIZO DE ENTRGA DO TERMO. COMPLETA/CORRETA E O PROJETO ATENDENDO A LEGISLAÇÃO VIGENTE.

8 CONSTRUÇÃO INICIAL PARA EDIFICAÇÃO COM ANUÊNCIA PRÉVIA USO NÃO RESIDENCIAL I. Requerimento assinado pelo proprietário ou procurador legalmente constituído. II. Nº da inscrição cadastral do imóvel para prova de quitação do IPTU, ou respectiva declaração de III. Escritura registrada do imóvel. IV. Cópia da carteira de identidade profissional junto ao CREA, do autor do projeto e do responsável técnico pela obra. V. Um jogo completo da Anuência Prévia e respectivo termo. VI. Três jogos completos do projeto de acordo com a Anuência Prévia, assinados pelo autor do projeto, responsável técnico da obra e proprietário/procurador, com o carimbo aprovação do Corpo de Bombeiro para o sistema contra incêndio e pânico e da SMTT para a implantação, se for o caso. VII. Poderão ser exigidas as declarações de viabilidade das concessionárias, ENERGIPE, DESO e licença da ADEMA a depender do porte da implantação, da infra-estrutura do local e da atividade/uso. OBS.Será exigida instalação de dispositivos hidráulicos de controle de consumo de água (Lei Municipal 2786/00). A APRESENTAÇÃO DOS DOCUMENTOS E/OU PLANTA DE PROJETO, SEM ATENDER AO ACIMA RELACIONADO, PODERÁ IMPLICAR NO RETARDAMENTO DO PROCESSO, ACARRETANDO EM PREJUIZO DE ENTRGA DO TERMO. PRAZO DE ENTREGA EM 15(QUINZE) DIAS ÚTEIS SE A DOCUMENTAÇÃO ESTIVER COMPLETA/CORRETA E DE ACORDO COM A ANUÊNCIA PROJETO.

9 ACRÉSCIMO / REFORMA / MUDANÇA DE USO PARA EDIFICAÇÃO USO NÃO RESIDENCIAL 1. Requerimento assinado pelo proprietário ou procurador legalmente constituído. 2. Nº da inscrição cadastral do imóvel na PMA para fins de comprovação de quitação do IPTU, ou respectiva declaração de 3. Escritura registrada do imóvel e quando for o caso, além desta, a autorização/procuração do proprietário para que terceiros nele construa. Caso a edificação existente não esteja averbada em escritura, apresentar projeto anteriormente aprovado ou habite-se. 4. Cópia da carteira de identidade profissional junto ao CREA, do autor do projeto e do responsável técnico pela obra. 5. O projeto de arquitetura será entregue em uma pasta contendo 01 (um) jogo do projeto completo, com a anuência da SMTT se for o caso,, constando de: Planta de localização do terreno na escala 1:5000 ou outra compatível com identificação de no mínimo uma via arterial ou principal segundo classificação do PDDU; g) Área de reforma por pavimento. h) Área de acréscimo por pavimento. i) Área construída total; j) Coeficiente de aproveitamento (artigo 167, anexo IV do PDDU); k) Taxa de ocupação da construção; Taxa de permeabilidade do terreno (artigo 169, inciso II do PDDU); l) Gabarito de altura da edificação; Planta baixa dos diversos pavimentos na escala 1:50 ou outra compatível; Seções ou cortes longitudinal e transversal da edificação na escala 1:50 ou outra compatível, podendo ser exigido indicação do perfil do terreno, do meio fio e da referencia do nível - RN; Planta de elevação das fachadas voltadas para os logradouros públicos na escala 1:50 ou outra compatível. 6. Poderão ser exigidas as declarações de viabilidade das concessionárias, ENERGIPE, ADEMA E DESO a depender do porte da implantação e da infra-estrutura do local. Convenções: amarelo para demolir, vermelho para construir e preto para conservar. APÓS TODAS AS ADAPTAÇÕES QUANTO À LEGISLAÇÃO VIGENTE, SERÁ EXIGIDO 03 (TRÊS) JOGO COMPLETO DO PROJETO COM ASSINATURAS DO REQUERENTE, AUTOR DO PROJETO E RESPONSÁVEL DA OBRA E LIBERAÇÃO DO CORPO DE BOMBEIRO. A APRESENTAÇÃO DOS DOCUMENTOS E/OU PLANTA DE PROJETO, SEM ATENDER AO ACIMA RELACIONADO, PODERÁ IMPLICAR NO RETARDAMENTO DO PROCESSO, ACARRETANDO EM PREJUIZO DE ENTRGA DO TERMO. COMPLETA/CORRETA E O PROJETO ATENDENDO A LEGISLAÇÃO VIGENTE.

10 ANUÊNCIA PRÉVIA ACRÉSCIMO / REFORMA /MUDANÇA DE USO PARA EDIFICAÇÃO NÃO RESIDENCIAL 1. Requerimento (modelo fornecido pela EMURB), assinado pelo proprietário ou procurador legalmente constituído. 2. Nº da inscrição cadastral do imóvel da PMA (IPTU); ou respectiva declaração de 3. Escritura registrada do imóvel e quando for o caso, além desta, a autorização/proprietário.caso a edificação existente não esteja averbada em escritura, apresentar projeto anteriormente aprovado ou habite-se. 4. Cópia da carteira de identidade profissional junto ao CREA, do autor do projeto e do responsável técnico pela obra. 5. O projeto de arquitetura será entregue em uma pasta contendo 01 (um) jogo do projeto completo, com as convenções de acordo com art 1º, inciso I, item 13 da Lei 13/66 e anuência da SMTT se for o caso, *até sanar pendências do termo de ciências (se houver) contendo assinatura do autor do projeto, constando de: Planta de localização do terreno na escala 1:5000 ou outra compatível com identificação de no mínimo uma via arterial ou principal segundo classificação do PDDU; Planta de situação do imóvel na escala 1:200 ou outra compatível, e separada das demais g) Área de reforma por pavimento. h) Área de acréscimo por pavimento. i) Área construída total; j) Coeficiente de aproveitamento (artigo 167, anexo IV do PDDU); k) Taxa de ocupação da construção; l) Taxa de permeabilidade do terreno (artigo 169, inciso II do PDDU); m) Gabarito de altura da edificação; Planta baixa dos diversos pavimentos na escala 1:50 ou outra compatível; Seções ou cortes longitudinal e transversal da edificação na escala 1:50 ou outra compatível, podendo ser exigido indicação do perfil do terreno, do meio fio e da referencia do nível - RN; Planta de elevação das fachadas voltadas para os logradouros públicos na escala 1:50 ou outra compatível: Conversões: amarelas para demolir, vermelho para construir e pretas para conserva. APÓS TODAS AS ADAPTAÇÕES QUANTO À LEGISLAÇÃO VIGENTE, SERÁ EXIGIDO 02 (DOIS) JOGOS COMPLETOS DO PROJETO COM ASSINATURAS DO REQUERENTE E AUTOR DO PROJETO. A APRESENTAÇÃO DOS DOCUMENTOS E/OU PLANTA DE PROJETO, SEM ATENDER AO ACIMA RELACIONADO, PODERÁ IMPLICAR NO RETARDAMENTO DO PROCESSO, ACARRETANDO EM PREJUIZO DE ENTREGA DO TERMO. COMPLETA/CORRETA E O PROJETO ATENDENDO A LEGISLAÇÃO VIGENTE.

11 ADITAMENTO/SUBSTITUIÇÃO DE PROJETO DE EDIFICAÇÃO NÃO RESIDENCIAL 1. Requerimento assinado pelo proprietário ou procurador legalmente constituído. 2. Nº da inscrição cadastral do imóvel na PMA para fins de comprovação de quitação do IPTU, ou respectiva declaração de 3. Escritura registrada do imóvel. 4. Cópia da carteira de identidade profissional junto ao CREA, do autor do projeto e do responsável técnico pela obra. 5. Plantas aprovadas e o Alvará. 6. O projeto de arquitetura será entregue em uma pasta contendo 01 (um) jogodo projeto completo, com anuência da SMTT se for o caso, constando de: Planta de localização do terreno na escala 1:5000 ou outra compatível com identificação de no mínimo uma via arterial ou principal segundo classificação do PDDU; porta, quando for o caso; f) Área aprovada; g) Área total construída por pavimento; h) Área de reforma por pavimento. i) Área de acréscimo por pavimento. j) Área construída total; k) Coeficiente de aproveitamento (artigo 167, anexo IV do PDDU); l) Taxa de ocupação da construção; Taxa de permeabilidade do terreno (artigo 169, inciso II do PDDU); m) Gabarito de altura da edificação; Planta baixa dos diversos pavimentos na escala 1:50 ou outra compatível; podendo ser exigido indicação do perfil do terreno, do meio fio e da referencia do nível - RN; Planta de elevação das fachadas voltadas para os logradouros públicos na escala 1:50 ou outra compatível: Conversões: amarelas para demolir, vermelho para construir e pretas para conserva. 7. Poderão ser exigidas as declarações de viabilidade das concessionárias, ENERGIPE, ADEMA E DESO a depender do porte da implantação e da infra-estrutura do local. APÓS TODAS AS ADAPTAÇÕES QUANTO À LEGISLAÇÃO VIGENTE, SERÁ EXIGIDO 03 (TRÊS) JOGO COMPLETO DO PROJETO COM ASSINATURAS DO REQUERENTE, AUTOR DO PROJETO E RESPONSÁVEL DA OBRA E LIBERAÇÃO DO CORPO DE BOMBEIRO. A APRESENTAÇÃO DOS DOCUMENTOS E/OU PLANTA DE PROJETO, SEM ATENDER AO ACIMA RELACIONADO, PODERÁ IMPLICAR NO RETARDAMENTO DO PROCESSO, ACARRETANDO EM PREJUIZO DE ENTRGA DO TERMO. COMPLETA/CORRETA E O PROJETO ATENDENDO A LEGISLAÇÃO VIGENTE.

REGULARIZAÇÃO POSTO DE ABASTECIMENTO E SERVIÇOS DE VEÍCULOS

REGULARIZAÇÃO POSTO DE ABASTECIMENTO E SERVIÇOS DE VEÍCULOS POSTO DE ABASTECIMENTO E SERVIÇOS DE VEÍCULOS I- Requerimento (modelo fornecido pela EMURB), assinado pelo proprietário ou procurador legalmente constituído. II- Número da inscrição cadastral do imóvel

Leia mais

DIVISÃO DE LICENCIAMENTO DE USOS ESPECIAIS - DLUES POSTO DE ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS

DIVISÃO DE LICENCIAMENTO DE USOS ESPECIAIS - DLUES POSTO DE ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS DIVISÃO DE LICENCIAMENTO DE USOS ESPECIAIS - DLUES POSTO DE ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS POSTO DE ARMAZENAMENTO E REVENDA DE GLP (Gás Liquefeito de Petróleo) BANCO / CAIXAS ELETRÔNICOS SETOR DE HOSPEDAGEM

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH Documentos pessoais do requerente; Certidão Negativa do IPTU; Documento de responsabilidade técnica emitido pelo CREA ou CAU; Declaração do engenheiro ou arquiteto responsável pela obra; Aprovação do projeto

Leia mais

DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE OBRAS

DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE OBRAS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE OBRAS HABITE-SE CERTIDÃO RETIFICAÇÃO DE NÚMERO E DE ENDEREÇO CERTIDÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO PARA EMPREENDIMENTO DE USO RESIDENCIAL E NÃO RESIDENCIAL RENOVAÇÃO DE HABITE-SE/

Leia mais

APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR

APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR 1. Formulário Padrão (fornecido pelo IMPLURB) devidamente preenchido, sendo imprescindível conter o nome do interessado, número do telefone, número do celular

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo através

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo

Leia mais

DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE LICENCIAMENTO UNIRESIDENCIAL CERTIDÃO DE EXISTÊNCIA/REGULARIZAÇÃO DE EDIFICAÇÃO UNIRESIDENCIAL EXECUTADA SEM LICENÇA

DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE LICENCIAMENTO UNIRESIDENCIAL CERTIDÃO DE EXISTÊNCIA/REGULARIZAÇÃO DE EDIFICAÇÃO UNIRESIDENCIAL EXECUTADA SEM LICENÇA DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE LICENCIAMENTO UNIRESIDENCIAL CERTIDÃO DE EXISTÊNCIA/REGULARIZAÇÃO DE EDIFICAÇÃO UNIRESIDENCIAL EXECUTADA SEM LICENÇA CERTIDÃO DE CONCESSÃO DE RECUO ESPECIAL AUTORIZAÇÃO PARA

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Secretaria Municipal de Obras e Pavimentação. Documentação para aprovação

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Secretaria Municipal de Obras e Pavimentação. Documentação para aprovação PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Secretaria Municipal de Obras e Pavimentação DIRETORIA DE APROVAÇÃO DE PROJETOS Onde requerer: Praça de Atendimento 2 - Centro Administrativo Térreo Endereço: Avenida

Leia mais

- CERTIDÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

- CERTIDÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE OBRAS - HABITE-SE - CERTIDÃO RETIFICAÇÃO DE NÚMERO E DE ENDEREÇO - CERTIDÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO 1 ÍNDICE ÍTENS Pág. 1. HABITE-SE 1.1 Relação de documentos para protocolo

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE DA CASA DE LIXO

DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE DA CASA DE LIXO DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE DA CASA DE LIXO A entrada do processo é feita no protocolo da EMSURB localizada na portaria do Parque da Sementeira. Após a análise é fornecida a DECLARAÇÃO E O PARECER TÉCNICO

Leia mais

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico Manual da Construção Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico APRESENTAÇÃO A presente cartilha é uma contribuição da Prefeitura Municipal de Viana, através da Secretaria de Planejamento

Leia mais

VISTORIA PREVIA ALVARÁ DE FUNCIONAMENTO (INICIO DE ATIVIDADE)

VISTORIA PREVIA ALVARÁ DE FUNCIONAMENTO (INICIO DE ATIVIDADE) VISTORIA PREVIA REQUERIMENTO PREENCHIDO E ASSINADO PELO REPRESENTANTE LEGAL DA EMPRESA DECLARACAO A PROPRIO PUNHO INFORMANDO O RAMO DE ATIVIDADE GUIA DE IPTU DO ULTIMO ANO QUITADA LISTA DE DOCUMENTOS DISPONIVEL

Leia mais

ANEXO I - DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INGRESSO DO PROCESSO DE ALVARÁ PROVISÓRIO

ANEXO I - DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INGRESSO DO PROCESSO DE ALVARÁ PROVISÓRIO ANEXOS AO DECRETO Nº 25.023 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009 ANEXO I - DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INGRESSO DO PROCESSO DE ALVARÁ PROVISÓRIO 2.Cópia do contrato de locação do imóvel onde funcionará a atividade,

Leia mais

I seja aprovado o projeto arquitetônico;

I seja aprovado o projeto arquitetônico; PROJETO DE LEI Nº 106/2015. INSTITUI A LICENÇA PRÉVIA PARA FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS QUE ESPECIFICA, EM IMÓVEIS E EDIFICAÇÕES QUE NÃO CUMPRAM OS REQUISITOS EXIGIDOS PELA LEGISLAÇÃO EM VIGOR PARA

Leia mais

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA DE INSTALAÇÃO (LI) LAVA JATO E SIMILARES ( ) Este documento;

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA DE INSTALAÇÃO (LI) LAVA JATO E SIMILARES ( ) Este documento; I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA DE INSTALAÇÃO (LI) LAVA JATO E SIMILARES ( ) Este documento; () () () () () Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal; deve ser preenchido

Leia mais

SUPERINTENDENCIA ADMINISTRATIVA DE CONTROLE, FISCALIZAÇÃO E OBRAS SACFO. Município de Sumaré MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROFISSIONAL

SUPERINTENDENCIA ADMINISTRATIVA DE CONTROLE, FISCALIZAÇÃO E OBRAS SACFO. Município de Sumaré MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROFISSIONAL SUPERINTENDENCIA ADMINISTRATIVA DE CONTROLE, FISCALIZAÇÃO E OBRAS SACFO. Município de Sumaré MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROFISSIONAL 1 APROVAÇÃO DE PROJETOS TRANSCRIÇÃO DE TRECHOS LEGISLAÇÃO PERTINENTE CÓDIGO

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1 AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização por

Leia mais

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar:

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar: Institui Projeto Simplificado e dispõe sobre a forma de apresentação de projetos de construção de edificações residenciais unifamiliares, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE GUARATINGUETÁ

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA DE PLANEJAMENTO -SEPLAN DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA EMISSÕES DE:

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA DE PLANEJAMENTO -SEPLAN DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA EMISSÕES DE: DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA EMISSÕES DE: 1. ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO / AMPLIAÇÃO /REFORMA / REGULARIZAÇÃO de Deve ter os dados do proprietário, dimensões do lote e ser registrada em cartório. Será aceito dimensões

Leia mais

LICENÇA DE INSTALAÇÃO LI

LICENÇA DE INSTALAÇÃO LI LICENÇA DE INSTALAÇÃO LI Autoriza o início da implementação do empreendimento ou atividade, de acordo com as especificações constantes dos planos, programas e projetos aprovados, incluindo as medidas de

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUENTAL (CHECK LIST) CONSTRUÇÃO CIVIL CÓDIGO 10.00 GRUPO/ATIVIDADES CONSTRUÇÃO CIVIL PPD 10.01 Empreendimentos ultifamiliares Sem Infra- Estrutura (Condomínios e Conjuntos Habitacionais); 10.02

Leia mais

Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007

Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007 Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007 Altera a Resolução SMU n.º 703 de 29/12/2006 que consolida, organiza e atualiza as normas, os procedimentos e a padronização para a elaboração e aprovação dos

Leia mais

O Prefeito Municipal de Joinville, no exercício de suas atribuições, e com fundamento no inciso IX, do art. 68, da Lei Orgânica do Município,

O Prefeito Municipal de Joinville, no exercício de suas atribuições, e com fundamento no inciso IX, do art. 68, da Lei Orgânica do Município, DECRETO Nº 18.250, de 15 de setembro de 2011. Regulamenta o processo administrativo de aprovação de projetos, alvará para construção, reforma, ampliação, demolição, e vistoria final de edificações, uniformizando

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 09.00 GRUPO/ATIVIDADES 09.07 Postos de Revenda de Combustíveis e Derivados de Petróleo com ou sem lavagem e ou lubrificação de veículos PPD M AGRUPAMENTO NORMATIVO

Leia mais

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Regulamenta dispositivos da Lei nº 16.050, de 31 de julho de 2014,

Leia mais

LICENCIAMENTO DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS

LICENCIAMENTO DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS LICENCIAMENTO DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS O Plano Diretor Urbano e Ambiental de Manaus através da Lei 674/2002 dispõe no art.64. A instalação de qualquer engenho publicitário depende da autorização da Prefeitura

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS 1 1. AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO: Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL Nota: Os documentos abaixo relacionados deverão ser apresentados na forma original ou por cópia autenticada em cartório. DOCUMENTOS DO COMPRADOR

Leia mais

LICENÇA DE INSTALAÇÃO LI

LICENÇA DE INSTALAÇÃO LI LICENÇA DE INSTALAÇÃO LI Autoriza o início da implementação do empreendimento ou atividade, de acordo com as especificações constantes dos planos, programas e projetos aprovados, incluindo as medidas de

Leia mais

DIVISÃO DE LICENCIAMENTO MULTIRESIDENCIAL DLM CONDOMINIO VERTICAL

DIVISÃO DE LICENCIAMENTO MULTIRESIDENCIAL DLM CONDOMINIO VERTICAL DIVISÃO DE LICENCIAMENTO MULTIRESIDENCIAL DLM CONDOMINIO VERTICAL DOCUMENTOS PARA PROTOCOLO DE PEDIDO: ANUÊNCIA PREVIA CONSTRUÇÃO INICIAL - REFORMA/ ACRESCIMO SUBSTITUIÇÃO DE PROJETO REGULARIZAÇÃO RESTRIÇÕES/

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE CÓDIGO 11.00 GRUPO/ATIVIDADES GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE PPD 11.01 Linhas de Distribuição B 11.02 Linhas de Transmissão

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto de Programação Visual Externa - Diversas Agências e Postos Bancários

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto de Programação Visual Externa - Diversas Agências e Postos Bancários MEMORIAL DESCRITIVO Projeto de Programação Visual Externa - Diversas Agências e Postos Bancários FINALIDADE O presente memorial tem por finalidade orientar a elaboração do projeto de programação visual

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) AGROPECUÁRIA CÓDIGO 01.00 GRUPO/ATIVIDADES AGROPECUÁRIA PPD AGRUPAMENTO NORMATIVO 01.01 Criação de Animais Sem Abate(avicultura,ovinocaprinocultura,suino M cultura,bovinocultura,escargot, ranicultura)

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 03.00 GRUPO/ATIVIDADES RESÍDUOS SÓLIDOS E PPD Armazenamento Temporário de Resíduos A 03.01 das Classes I Perigoso ou A Serviço de Saúde 03.02 Armazenamento Temporário

Leia mais

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Prefeitura Municipal de São Leopoldo Secretaria Municipal da Fazenda Coordenadoria Tributária Divisão de Tributos Mobiliários Seção

Leia mais

CHEK LIST DE DOCUMENTAÇÕES PARA ABERTURA DE PROCESSOS COORDENADORIA DE URBANISMO ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO - UNIFAMILIAR

CHEK LIST DE DOCUMENTAÇÕES PARA ABERTURA DE PROCESSOS COORDENADORIA DE URBANISMO ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO - UNIFAMILIAR ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE MUNICÍPIO DE PARNAMIRIM SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE E DO DESENVOLVIMENTO URBANO CHEK LIST DE DOCUMENTAÇÕES PARA ABERTURA DE PROCESSOS COORDENADORIA DE URBANISMO

Leia mais

O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE

O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE PORTARIA Nº 13/2012 Dispõe sobre a documentação necessária para abertura de processos administrativos da área de vigilância sanitária de estabelecimentos assistenciais de saúde e estabelecimentos de interesse

Leia mais

RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015

RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015 RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015 Disciplina os procedimentos referentes aos benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FAZENDA,

Leia mais

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

DOCUMENTOS SAC 1. INSCRIÇÃO NO CAU - CADASTRO ÚNICO DO MUNICÍPIO.

DOCUMENTOS SAC 1. INSCRIÇÃO NO CAU - CADASTRO ÚNICO DO MUNICÍPIO. DOCUMENTOS SAC 1. INSCRIÇÃO NO CAU - CADASTRO ÚNICO DO MUNICÍPIO. PESSOA JURÍDICA: a) instrumento de constituição primitivo e respectivas alterações, se houver, admitindo-se a Última alteração quando consolidada,

Leia mais

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA;

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA; 1 / 5 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES 4. PROCEDIMENTOS 5. REFERÊNCIAS 6. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta Norma tem como finalidade disciplinar e padronizar os procedimentos para liberação

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO

MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento Ambiental é um procedimento

Leia mais

DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE LICENCIMENTO UNIRESIDENCIAL

DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE LICENCIMENTO UNIRESIDENCIAL DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE LICENCIMENTO UNIRESIDENCIAL EXIGÊNCIAS PARA PROTOCOLO DE PEDIDO DE APROVAÇÃO/ALVARÁ RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA PEDIDO DE APROVAÇÃO/ALVARÁ: ANUÊNCIA PRÉVIA ALVARÁ PARA CONSTRUÇÃO

Leia mais

Instituto de Meio Ambiente de Alagoas IMA Diretoria da Presidência DIPRE Diretoria Técnica DIT Diretoria de Licenciamento DILIC POSTOS DE COMBUSTÍVEIS

Instituto de Meio Ambiente de Alagoas IMA Diretoria da Presidência DIPRE Diretoria Técnica DIT Diretoria de Licenciamento DILIC POSTOS DE COMBUSTÍVEIS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS LICENÇA PRÉVIA 1. Formulário de requerimento padrão dirigido à Presidência do IMA, devidamente preenchido e assinado; 2. Comprovante de pagamento da Taxa de Concessão da Licença

Leia mais

REGULARIZAÇÃO E HABITE-SE DE OBRA UNIFAMILIAR

REGULARIZAÇÃO E HABITE-SE DE OBRA UNIFAMILIAR REGULARIZAÇÃO E HABITE-SE DE OBRA UNIFAMILIAR 3. CND - Certidão Negativa de Débitos ou Guia de quitação atual do IPTU ou Documento que comprove a isenção deste. 4. Contrato de Locação se o imóvel for alugado.

Leia mais

CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM

CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM 1- ATRAVÉS DA REDESIM PORTAL REGIN 1.1 -SOLICITAÇÃO DE INSCRIÇÃO MUNICIPAL ( EMPRESA SEM REGISTRO NA JUCEB) PASSO 1: PEDIDO DE VIABILIDADE DE INSCRIÇÃO A empresa

Leia mais

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento. Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal. Cadastro Descritivo da Atividade - Geral devidamente

Leia mais

ir l Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente Manual da Construção Legal

ir l Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente Manual da Construção Legal ASCOM t ru ir l e g a legal construir cons Quero l Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente Elaboração: Lilian Márcia Neves Haddad Arquiteta Urbanista, CREA 90.776/D MG - Especialista em Planejamento

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) COLETA, TRANSPORTE, ARMAZENAMENTO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E PRODUTOS

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) COLETA, TRANSPORTE, ARMAZENAMENTO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E PRODUTOS ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 03.00 GRUPO/ATIVIDADES RESÍDUOS SÓLIDOS E PPD Armazenamento Temporário de Resíduos A 03.01 das Classes I Perigoso ou A Serviço de Saúde 03.02 Armazenamento Temporário

Leia mais

196,6 referente à habitação unifamiliar isolada e habitação multifamiliar única e isolada R$ 196,60.

196,6 referente à habitação unifamiliar isolada e habitação multifamiliar única e isolada R$ 196,60. ANEXO XII LICENÇA PARA EXECUÇÃO DE OBRAS OU SERVIÇOS DE ENGENHARIA 1.0 TERRENO R$ 1.0.1 Análise de terreno referente a desmembramento, remembramento e demarcação, com 163,89 área até 5.000m². 1.0.2 Análise

Leia mais

PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013.

PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013. PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013. Publicado no DOM n 1.528, de 14.06.2013 Dispõe sobre procedimentos para solicitações referentes ao Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU,

Leia mais

Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo

Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo Elementos instrutórios do pedido Elementos comuns aos procedimentos de controlo prévio (Licença), nos termos da Portaria n.º 113/2015, de 22/04 1) 2)

Leia mais

Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014.

Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014. Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014. O diretor-presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo - IDAF, usando das atribuições que lhe confere o artigo 48 do

Leia mais

Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo

Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo DECRETO Nº 12.693 DE 25 DE ABRIL DE 2007 Estabelece procedimentos

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) REGULARIZAÇÃO

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) REGULARIZAÇÃO ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) REGULARIZAÇÃO Regularização de Licença de Instalação (Empreendimento ou Atividade sem qualquer Licenciamento Ambiental) LICENÇA DE INSTALAÇÃO (Regularização) - Exigida nos

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS 1. ROTEIRO PARA APROVAÇÃO E LIBERAÇÃO DE PROJETOS E OBRAS: PROJETOS A. Aprovação do Projetos pelo Depto. Técnico da Associação B. Aprovação do Projeto e Solicitação de Alvará de Construção na Prefeitura

Leia mais

FEDERAÇÃO CATARINENSE DE BASKETBALL Fundada em 31 de Março de 1995 Filiada a Confederação Brasileira de Basketball

FEDERAÇÃO CATARINENSE DE BASKETBALL Fundada em 31 de Março de 1995 Filiada a Confederação Brasileira de Basketball RESOLUÇÃO DE DIRETORIA RD 007/2010 A Diretoria da Federação Catarinense de Basketball, reunida em 19 de Janeiro de 2010, por proposta do Departamento de Registros e Documentação, e no uso de suas atribuições,

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Locação de imóveis

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Locação de imóveis Pág.: 1/6 1 Objetivo Esta Norma estabelece os procedimentos referentes à celebração, renovação e rescisão dos contratos de locação de imóveis efetuados pela COPASA MG, exclusivamente para o exercício de

Leia mais

Notas: Aprovada pela Deliberação Ceca nº 868, de 08 de maio de 1986. Publicada no DOERJ de 19 de maio de 1986

Notas: Aprovada pela Deliberação Ceca nº 868, de 08 de maio de 1986. Publicada no DOERJ de 19 de maio de 1986 IT-1815.R-5 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES (PERMANENTES E TRANSITÓRIAS), GRUPAMENTOS DE EDIFICAÇÕES E CLUBES. Notas: Aprovada pela Deliberação

Leia mais

MANUAL PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS ORIENTAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS REALIZADOS E OS SERVIÇOS PRESTADOS PELA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVILVIMENTO URBANO SMDU, PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS NO MUNICÍPIO

Leia mais

II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE DO CRMV-RJ. Licenciamento Ambiental e o Controle da Comercialização de Agrotóxicos

II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE DO CRMV-RJ. Licenciamento Ambiental e o Controle da Comercialização de Agrotóxicos II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE DO CRMV-RJ Licenciamento Ambiental e o Controle da Comercialização de Agrotóxicos NOVO SISTEMA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DECRETO Nº

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) Todos os empreendimentos da área da construção civil, em operação ou a serem implantados, geradores de qualquer

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E AMBIENTAL CONDURB, REALIZADA EM 23 DE SETEMBRO DE 2003.

ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E AMBIENTAL CONDURB, REALIZADA EM 23 DE SETEMBRO DE 2003. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 Aos vinte e três dias de setembro de dois mil e três, foi realizada reunião extraordinária do Conselho Municipal de Desenvolvimento

Leia mais

DOCUMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA AMBIENTAL DE ESTAÇÃO RÁDIO-BASE (ERB) Portaria SMMA nº 002/2012 e Lei Mun. 11.535/2005

DOCUMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA AMBIENTAL DE ESTAÇÃO RÁDIO-BASE (ERB) Portaria SMMA nº 002/2012 e Lei Mun. 11.535/2005 DOCUMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA AMBIENTAL DE ESTAÇÃO RÁDIO-BASE (ERB) Portaria SMMA nº 002/2012 e Lei Mun. 11.535/2005 ***TODOS OS DOCUMENTOS E PROJETOS ENTREGUES FICARÃO RETIDOS. *** TODOS OS PROJETOS

Leia mais

Administrar uso do FGTS no consórcio de imóvel

Administrar uso do FGTS no consórcio de imóvel Administrar uso do FGTS no consórcio de imóvel Quais são as possibilidades de uso do FGTS no consórcio? Oferta de lance em consórcio de imóvel residencial O consorciado poderá utilizar até 100% do saldo

Leia mais

Guia do Requerente. Orientações de preenchimento

Guia do Requerente. Orientações de preenchimento Guia do Requerente Orientações de preenchimento Bem-vindo (a) ao nosso novo sistema on-line de atendimento Empresa Legal. Este documento é o Guia do Requerente. Ele o (a) ajudará em seu contato com o ambiente

Leia mais

O contribuinte do IPTU é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil ou o seu possuidor, a qualquer título.

O contribuinte do IPTU é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil ou o seu possuidor, a qualquer título. IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO IPTU FATO GERADOR E INCIDÊNCIA O Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU tem como fato gerador a propriedade, o domínio útil ou posse de todo e qualquer bem imóvel

Leia mais

CÓDIGO SITE: CORRETOR:

CÓDIGO SITE: CORRETOR: 1 PROPOSTA DE LOCAÇÃO CÓDIGO SITE: CORRETOR: Dados do Interessado: Nome: RG: CPF: Endereço: Fone: Endereço do Imóvel a ser Locado: Autorizo(amos) a empresa TECAD TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO LTDA, a propor

Leia mais

LEI Nº 5.196. Disciplina a cobrança do IPTU, estimula a criação de loteamentos, e dá outras providências.

LEI Nº 5.196. Disciplina a cobrança do IPTU, estimula a criação de loteamentos, e dá outras providências. LEI Nº 5.196 Disciplina a cobrança do IPTU, estimula a criação de loteamentos, e dá outras providências. O POVO DE PELOTAS, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, POR SEU PREFEITO, FAZ SABER QUE SUA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

Deliberação n.º 513/2010, de 24 de Fevereiro (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010)

Deliberação n.º 513/2010, de 24 de Fevereiro (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010) (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010) Define os requisitos de funcionamento dos postos farmacêuticos móveis (Revoga tacitamente o Anexo II, da Deliberação n.º 2473/2010, de 28 de Novembro) O

Leia mais

LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005 Dispõe sobre a regularização de parcelamentos do solo e de edificações no Município de Belo Horizonte e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte,

Leia mais

TABELA ANEXA DE TAXAS

TABELA ANEXA DE TAXAS TABELA ANEXA DE TAXAS Actualizada de acordo com o artigo 80º (De Fev. 2008 a Fev. 2009) QUADRO I Emissão de alvará de licença ou autorização de loteamento e de obras de urbanização 1. Emissão do alvará

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 2 Plano de Segurança. Maj. QOBM Fernando

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 2 Plano de Segurança. Maj. QOBM Fernando Comando do Corpo de Bombeiros Mód 2 Plano de Segurança Maj. QOBM Fernando Introdução; Plano de Segurança Contra Incêndio e Pânico SUMÁRIO Plano de Segurança Contra Incêndio e Pânico; Medidas de Segurança,

Leia mais

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA Cartiha de orientação ao cidadão Apresentação A Prefeitura Municipa de Via Veha, por intermédio da Secretaria Municipa de Desenvovimento Urbano, apresenta esta cartiha

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro

Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro Lei Municipal Nº 3.704 1 CAPÍTULO V DO LICENCIAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS Artigo 68 - Nenhum estabelecimento sediado no município e que se enquadram no presente Código Sanitário poderá funcionar sem prévia

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

Código Municipal de Obras e Edificações

Código Municipal de Obras e Edificações Código Municipal de Obras e Edificações PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 1 EQUIPE TÉCNICA COORDENAÇÃO GERAL Maria Lúcia de Oliveira Falcón COORDENADOR TÉCNICO DA PREFEITURA Fernando Antônio de Santos Souza

Leia mais

1. OBJETIVO Prestar atendimento ao cidadão de maneira rápida, eficiente e eficaz, de acordo com os requisitos especificados pelo cliente.

1. OBJETIVO Prestar atendimento ao cidadão de maneira rápida, eficiente e eficaz, de acordo com os requisitos especificados pelo cliente. Sistema de Gestão do Programa Vapt Vupt SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO INSTRUÇÃO DE TRABALHO VAPT VUPT EMPRESARIAL PREFEITURA DE GOIANIA Responsável: Rosana Mérola Martins Cópia

Leia mais

NORMA DE OUTORGA. Assunto: Instrução Documental para Requerimentos de Outorga INTERVENÇÕES E OBRAS

NORMA DE OUTORGA. Assunto: Instrução Documental para Requerimentos de Outorga INTERVENÇÕES E OBRAS Dezembro de 2010 1/... A seguir serão descritos os documentos necessários para abertura de processos administrativos de Outorga para Intervenções e Obras. Cabe salientar que o AGUASPARANÁ a seu critério

Leia mais

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN)

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN) Logradouro: Rua Francisco Manoel, 10 1ª Categoria Terreno: 1400m² Observações: PMP: SIP3 INEPAC: Conjunto XI / 3 IPHAN: 1ª categoria, tipo V Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo Taxa de ocupação 30% - 30% 30%

Leia mais

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Publicado no D.O.E. de 17 de maio de 2005. Orienta os órgãos da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à incorporação de imóveis

Leia mais

LEI N.º 1.721/2007. CAPÍTULO I. Da Aprovação do Projeto de Parcelamento. I consulta prévia por parte do interessado à Prefeitura Municipal;

LEI N.º 1.721/2007. CAPÍTULO I. Da Aprovação do Projeto de Parcelamento. I consulta prévia por parte do interessado à Prefeitura Municipal; LEI N.º 1.721/2007. Ementa: Dispõe sobre a instituição de NORMAS GERAIS QUE VISAM REGULAMENTAR A LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO URBANO, O CÓDIGO DE OBRAS E O CÓDIGO DE POSTURAS NO QUE DIZ RESPEITO À APROVAÇÃO

Leia mais

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL:

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL: O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 55202 TURISMO NO ESPAÇO RURAL NOÇÃO:

Leia mais

Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014.

Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. DECRETO Nº 39680 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2014 Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições

Leia mais

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013.

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. Disciplina a liberação, o cancelamento e a baixa de Alvará de Localização e Funcionamento no município de Erechim. O Prefeito Municipal de Erechim, Estado do

Leia mais

Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria

Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria Regulamenta a aplicação da Lei Complementar 126 de 26 de março de 2013 e da Lei 6400 de 05 de março de 2013, que instituem a obrigatoriedade de realização

Leia mais

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta a aplicação da Lei Complementar nº 126/13 e da Lei nº 6400/13, que instituem, por AUTOVISTORIA, a obrigatoriedade de realização de vistorias técnicas

Leia mais

ORDEM DO DIA FLS.394 , ESTADO DE SÃO PAULO. OFíCIO GP. N. 196/2012 Proc. n", 3194/96. Senhor Presidente,

ORDEM DO DIA FLS.394 , ESTADO DE SÃO PAULO. OFíCIO GP. N. 196/2012 Proc. n, 3194/96. Senhor Presidente, ORDEM DO DIA FLS.394 "R" U~,.-:.-L.C. _~"'''' "'-'~ (".':N,~ -..,.~:..:-.;::..-

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE 2015

DECRETO Nº, DE DE DE 2015 DECRETO Nº, DE DE DE 2015 Dispõe sobre a aplicação dos parâmetros urbanísticos relevantes na análise dos projetos que visam à obtenção de alvará de construção no Município de Fortaleza. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

O Sr. Prefeito Municipal de Volta Redonda, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei;

O Sr. Prefeito Municipal de Volta Redonda, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei; DECRETO N.º 9185 EMENTA: Institui o DCU SIMPLES, um conjunto de Programas de Ação do Departamento de Controle Urbanístico da Secretaria Municipal de Planejamento, para aprovação de projetos e licenciamento

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais