REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE EUSÉBIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE EUSÉBIO"

Transcrição

1 Anexo B REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE EUSÉBIO ÍNDICE I DEFINIÇÕES Item II DISPOSIÇÕES GERAIS Itens 02 a III USOS III.1 Área Residencial... 7 III.2 Área Comercial... 8 IV APROVAÇÃO DE PROJETOS E FISCALIZAÇÃO Itens 16 a V REMEMBRAMENTO E DESDOBRO DE LOTES Item VI RECUOS VI.1 Área Residencial VI.2 Área Comercial VII RESTRIÇÕES ESPECÍFICAS DAS CONSTRUÇÕES VII.1 Área Residencial VII.2 Área Comercial VIII OBRIGAÇÕES GERAIS VIII.1 Fechamento do Perímetro da Área Residencial VIII.2 Acesso à Área Residencial VIII.3 Instalações Elétricas, Telefônicas e Similares VIII.4 Águas Pluviais e Esgoto VIII.5 Comunicação Visual VIII.6 Manutenção dos Lotes Antes da Edificação VIII.7 Levantamento Planialtimétrico e Sondagem VIII.8 Edificações Pré-Fabricadas VIII.9 Helicópteros VIII.10 Poços Artesianos

2 IX OBRAS Item X INFRAÇÕES Itens 106 a XI DISPOSIÇÕES FINAIS Itens 116 a

3 I DEFINIÇÕES 01. Para os fins deste Regulamento do Loteamento Alphaville Eusébio, os termos abaixo têm os seguintes significados: ALINHAMENTO: a linha legal que serve de limite entre o LOTE ou gleba e o LOGRADOURO PÚBLICO. ALPHAVILLE: a empresa ALPHAVILLE EUSÉBIO EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA., com sede no Município de Eusébio, Estado do Ceará, na Rodovia CE 040, km 22, Jacundá, inscrita no CNPJ/MF sob nº / ALPHAVILLE EUSÉBIO CLUBE: a ÁREA DE LAZER. ALTURA MÁXIMA DA EDIFICAÇÃO: a distância vertical tomada em meio da fachada e o ponto mais alto da cobertura, incluindo as construções auxiliares, situadas acima do teto do último PAVIMENTO (caixa d água, casa de máquinas, halls de escadas) e os elementos de composição da referida fachada (platibandas e frontões), observando-se: a) relativamente ao afastamento das construções quanto ao ALINHAMENTO com o logradouro público, a altura será contada a partir da cota altimétrica do passeio, no plano da fachada, coincidindo com o centro da mesma; b) relativamente ao afastamento das construções, quanto às DIVISAS laterais e fundos, a altura será contada a partir da cota altimétrica natural do terreno que coincidir com o centro da fachada correspondente. ALVARÁ: documento que licencia a execução de obras relativas a loteamentos, urbanização de áreas, projetos de infra-estrutura, projetos de edificações, bem como a localização e o funcionamento de atividades. ÁREA COBERTA: é a medida da superfície da projeção, em plano horizontal, de qualquer coberta da edificação, nela incluída superfícies das projeções de paredes, pilares, marquises, beirais e demais componentes das fachadas. ÁREA COMERCIAL: parte do LOTEAMENTO destinada a edificações comerciais e de serviços, composta pelas Quadras C01 a C03. ÁREA CONSTRUÍDA: a área da superfície correspondente à projeção horizontal das áreas cobertas da edificação, não sendo computado nesse cálculo as áreas pavimentadas descobertas e PISCINAS. ÁREA CONSTRUÍDA do PAVIMENTO: é a área de construção de piso do PAVIMENTO, inclusive a ocupada por paredes e pilares, incluindo-se as áreas comuns e excluindo-se os vazios de poços de ventilação e iluminação. ÁREA CONSTRUÍDA TOTAL: somatória das áreas construídas dos diversos PAVIMENTOS de toda a edificação no LOTE. ÁREA DE LAZER: área composta pelo Lote 01 da Quadra B01, em que serão implementados e mantidos, pela ASSOCIAÇÃO, edificações e equipamentos esportivos destinados à recreação dos ASSOCIADOS e de terceiros não ASSOCIADOS, na forma do disposto no respectivo estatuto social. É também designada como ALPHAVILLE EUSÉBIO CLUBE. ÁREA LIVRE do LOTE: a superfície do lote não ocupada pela projeção da edificação. ÁREA NON AEDIFICANDI : a área onde não é permitido edificar. 3

4 ÁREA OCUPADA: a superfície do lote ocupada pela projeção da edificação em plano horizontal, não sendo computados para o cálculo dessa área, elementos componentes das fachadas, tais como: brise-soleil, jardineiras, marquises, pérgolas e beirais. ÁREA PERMEÁVEL: a área desprovida de construção ou pavimentação que caracterize impermeabilização do solo, e que possibilite a infiltração das águas pluviais que incidem sobre o LOTE, assim como projeção horizontal de edificação ou avanço de PAVIMENTO SUBSOLO. ÁREAS PÚBLICAS: áreas de parcelamento destinadas à circulação, à implantação de equipamentos urbanos e comunitários bem como sistemas de lazer (SL). ÁREA RESIDENCIAL: parte do LOTEAMENTO destinada, exclusivamente, a edificações residenciais unifamiliares, composta pelas Quadras A1 a CC1 e PORTARIA (LOTES 01 e 02). ÁREA TOTAL de EDIFICAÇÃO: soma das áreas de piso de todos os PAVIMENTOS de uma edificação. ASSOCIAÇÃO: a Associação Alphaville Eusébio, sem fins econômicos, constituída com a finalidade de, entre outras, administrar o EMPREENDIMENTO, bem como de fiscalizar a observância do disposto neste REGULAMENTO, conforme o previsto no respectivo estatuto social. ASSOCIADO: todo proprietário ou promitente comprador de LOTE. BALANÇO: qualquer elemento construtivo cuja projeção horizontal situa-se fora do perímetro determinado pelos elementos estruturais ou de vedação do PAVIMENTO. BEIRAL: o prolongamento da cobertura que sobressai do perímetro determinado pelos elementos estruturais ou de vedação da edificação. CARTA DE LIBERAÇÃO: o documento expedido pela ASSOCIAÇÃO, a requerimento do ASSOCIADO quando do término da OBRA, atestando o atendimento ao disposto neste REGULAMENTO. DESDOBRO: subdivisão de lote originário de loteamento. DIVISA: a linha limítrofe de um LOTE; EDÍCULA ou INSTALAÇÃO DE APOIO À EDIFICAÇÃO PRINCIPAL: a denominação genérica para o compartimento acessório da edificação principal, separado desta e localizado na área situada entre a fachada posterior e a DIVISA de FUNDO DO LOTE. EDIFICAÇÃO MONOBLOCO: a edificação única no LOTE, sem qualquer construção acessória. EMPREENDIMENTO: empreendimento imobiliário composto pelo LOTEAMENTO e pelo ALPHAVILLE EUSÉBIO CLUBE. FAIXA DE RECUO: área do LOTE não edificável compreendida entre as DIVISAS do LOTE e o limite externo da projeção do respectivo PAVIMENTO da edificação ao qual se aplica, medida perpendicularmente à DIVISA; pode ser também à distância entre as edificações de um mesmo LOTE. FUNDO DO LOTE: é a DIVISA oposta à frente. 4

5 HABITE-SE : o ato administrativo por meio do qual a PREFEITURA concede autorização para ocupar, habitar ou utilizar a edificação. INCLINAÇÃO: a relação percentual entre a diferença das cotas altimétricas de dois pontos e a sua distância horizontal. ÍNDICE de APROVEITAMENTO (I.A.): é o quociente entre o somatório das áreas parciais de todos os PAVIMENTOS do edifício e a área total do LOTE. LOGRADOURO PÚBLICO: espaço livre reconhecido pela municipalidade, destinado ao trânsito, tráfego, comunicação ou lazer públicos. LOTE: parcela de terreno contida em uma quadra, resultante de processo de parcelamento, com pelo menos uma das DIVISAS lindeira à via pública. LOTE DA ÁREA DE LAZER: Lote 01 da Quadra B01. LOTE DE APOIO: o LOTE que faz DIVISA com o LOTE da OBRA em uma das laterais ou no fundo, e que é cedido para sua utilização por meio de autorização por escrito do proprietário cedente. LOTE DE ESQUINA: é o LOTE voltado para dois ou mais LOGRADOUROS PÚBLICOS de circulação de veículos ou de circulação de veículos e pedestres. LOTE DE EXTREMO DE QUADRA: o LOTE que tem uma das laterais voltada para sistema de lazer (SL); para definição dos RECUOS, esses LOTES são considerados LOTES de meio de quadra. LOTEAMENTO: o Loteamento Alphaville Eusébio, registrado na matrícula nº do Registro de Imóveis da Comarca de Eusébio, Estado do Ceará. MARQUISE: prolongamento da laje dos PAVIMENTOS intermediários e/ou da cobertura, sem acesso ou circulação de pessoas, coberta em balanço aplicada às fachadas de um edifício. MULTA TIPO A, B, C ou D: tipos de multa aplicável ao ASSOCIADO, conforme valores definidos no item 107 deste REGULAMENTO. MULTAS: as MULTAS TIPO A, B, C e D referidas em conjunto. MURO DE ARRIMO: o muro destinado a suportar o aterro ou corte resultante da alteração da TOPOGRAFIA ORIGINAL DO LOTE. OBRA: realização de trabalho em imóvel, independentemente do estado que estiver, ainda que paralisada ou concluída. PASSEIO: a parte da VIA PÚBLICA DE CIRCULAÇÃO destinada ao trânsito de pedestres. PATAMAR: a superfície intermediária entre dois lances de escada ou rampa. PAVIMENTO: espaço da edificação, fechado ou vazado, compreendido entre dois pisos sucessivos ou entre um piso e a cobertura. PAVIMENTO MEZANINO: laje de piso situada em nível intermediário entre o piso e o teto de um PAVIMENTO, cuja projeção ocupa no máximo 50% (cinqüenta por cento) da área do PAVIMENTO onde se situa. 5

6 PAVIMENTO SUBSOLO: PAVIMENTO enterrado ou semi-enterrado situado abaixo do PAVIMENTO TÉRREO. PAVIMENTO SUPERIOR: o PAVIMENTO imediatamente acima do PAVIMENTO TÉRREO. PAVIMENTO TÉRREO: PAVIMENTO definido pelo projeto, cujo piso não fique acima de 1,00m(um metro) em relação ao PONTO MÉDIO. PÉ-DIREITO: distância vertical entre o piso e o teto de um compartimento. PISCINA: tanque artificial destinado à natação ou à recreação. PONTO MÉDIO: a média dos níveis do terreno na guia fronteira à TESTADA do LOTE. PREFEITURA: Prefeitura do Município de Eusébio, Estado do Ceará. PROFUNDIDADE DO LOTE: distância média entre a frente e o FUNDO DO LOTE; se a forma do LOTE for irregular, adota-se a profundidade média. RECUO: distância medida entre o limite externo da projeção da edificação no plano horizontal, e a DIVISA do lote. O RECUO de frente é medido com relação ao ALINHAMENTO ou, quando se trata de lote lindeiro a mais de um logradouro público a todos os ALINHAMENTOS. Os RECUOS são definidos por linhas paralelas às DIVISAS do lote, ressalvada a execução de balanço, marquises, beirais, e elementos componentes de fachada em edificações. REGULAMENTO: o Regulamento do Loteamento Alphaville Eusébio de que trata o presente instrumento. REMEMBRAMENTO: reagrupamento de lotes pertencentes a loteamentos para constituição de novos lotes. SERVIDÃO: a ÁREA NON AEDIFICANDI onde é executada a passagem de canalizações de esgoto sanitário e/ou drenagem de águas pluviais. SISTEMA DE LAZER (SL): percentual da área objeto de parcelamento, destinada exclusivamente a praças, parques, jardins para usufruto da população. TAXA DE APROVAÇÃO DE PROJETO: a taxa definida no estatuto social da ASSOCIAÇÃO. TAXA DE MANUTENÇÃO: a taxa definida no estatuto social da ASSOCIAÇÃO. TAXA DE OCUPAÇÃO: percentagem da área do terreno ocupada pela projeção da edificação no plano horizontal, não sendo computados nesta projeção os elementos componentes das fachadas tais como brises, jardineiras, marquises, pérgolas e beirais. TESTADA: distância horizontal, medida no ALINHAMENTO, entre as DIVISAS laterais do lote; ALINHAMENTO do LOTE lindeiro à VIA PÚBLICA DE CIRCULAÇÃO de acesso ou de maior importância viária. TOPOGRAFIA MODIFICADA DO LOTE: o perfil modificado do terreno após o recebimento do LOTE, conforme modificações realizadas pelo ASSOCIADO. TOPOGRAFIA ORIGINAL DO LOTE: o perfil natural do terreno quando da conclusão das obras do LOTEAMENTO e entrega do LOTE ao ASSOCIADO. 6

7 VENDEDORA: a empresa IMOBBILE EMPREENDIMENTOS LTDA., com sede na cidade de Eusébio, Estado do Ceará, na Av. Eusébio de Queiroz, s/nº, sala 14 Shopping Center Eusébio, inscrita no CNPJ/MF sob o nº / , proprietária da Gleba do LOTEAMENTO que será implementado pela ALPHAVILLE. VIA PÚBLICA DE CIRCULAÇÃO: é o LOGRADOURO PÚBLICO destinado a circulação de veículos ou de veículos e pedestres. VIELA SANITÁRIA: as ÁREAS NON AEDIFICANDI destinadas a receber redes públicas de esgoto sanitário ou de drenagem de águas pluviais. VISTORIA: inspeção efetuada com o objetivo de verificar as condições exigidas para uma obra, edificação ou atividade. II DISPOSIÇÕES GERAIS 02. O presente REGULAMENTO estabelece regras, limitações e restrições urbanísticas, com a finalidade de disciplinar o uso e ocupação do solo, a proteção ambiental e a aprovação de projetos no âmbito do LOTEAMENTO, e define as penalidades aplicáveis em caso de infração a tais preceitos. 03. As disposições deste REGULAMENTO são complementares, não excluindo o cumprimento do disposto nas legislações federal, estadual, municipal e nas normas técnicas aplicáveis, especialmente as determinadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT ou qualquer outra entidade que edite normas regulamentares e, no que se refere ao pessoal de OBRAS, as normas regulamentares expedidas pelo Ministério do Trabalho. 04. No caso de contraposição entre eventuais modificações na legislação aplicável e quaisquer disposições deste REGULAMENTO, tais modificações serão, quando impuserem restrições mais gravosas, automaticamente assumidas pela ASSOCIAÇÃO. 05. As disposições do presente REGULAMENTO aplicam-se indistintamente a todos os LOTES e devem ser cumpridas por todos os ASSOCIADOS, salvo disposição expressa em contrário prevista neste REGULAMENTO ou no estatuto social da ASSOCIAÇÃO. 06. Incumbe ao ASSOCIADO informar aos projetistas, empreiteiros e a todas as pessoas envolvidas, direta ou indiretamente na execução de OBRAS no LOTE, as disposições do presente REGULAMENTO. 07. O ASSOCIADO responde pelas infrações às disposições desse REGULAMENTO, ainda que cometidas por seus contratados, sujeitando-se ao cumprimento das penalidades aplicáveis, em relação à ASSOCIAÇÃO, sem prejuízo da responsabilidade civil e criminal prevista em lei. III USOS III.1 ÁREA RESIDENCIAL 08. Não é permitida a construção de mais de uma única residência e respectiva EDÍCULA por LOTE, que se destinará exclusivamente à habitação de uma única família e seus empregados. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO C. 09. Não é permitida a construção de edificação residencial multifamiliar, horizontal ou vertical, tal como prédio de apartamentos e/ou qualquer edificação em forma de condomínio edilício. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO C. 7

8 10. Não é permitida a construção de edificações para fins não residenciais ou de uso misto, sejam comerciais, hoteleiras, industriais ou de escritórios, de forma a nunca se exercerem nelas atividades como as de: comércio, indústria, todo e qualquer tipo de estabelecimento de ensino, hospital, clínica, consultório, ateliê, de prestação de serviços, templos, cinema, teatro, hotel, pousada, motel, pensão, clubes e associações ou áreas de lazer. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO C O disposto acima não se aplica em relação ao estabelecimento e funcionamento da ASSOCIAÇÃO, que poderá instalar-se em qualquer área do LOTEAMENTO ou da ÁREA DE LAZER. 11. Observado o disposto no item , não é permitida, mesmo em caráter privado (sem finalidade comercial), a criação de toda e qualquer espécie de animais que possa interferir nas relações de vizinhança. A não observância deste dispositivo e do subitem abaixo acarretará o pagamento da MULTA TIPO A Animais de estimação, desde que não interfiram nas relações de vizinhança, são permitidos, devendo permanecer nos limites do LOTE do ASSOCIADO ou, quando em área pública, ser mantidos presos em coleira e guia, devendo os condutores recolher os dejetos dos animais. 12. Os LOTES 01 e 02 da Quadra PORTARIA e o LOTE 01 da Quadra CC1 poderão ter utilização diversa daquelas mencionadas acima, razão pela qual não estão sujeitos às restrições deste REGULAMENTO, em especial as previstas no item 10 acima. O LOTE 01 da Quadra CC1 será destinado à implantação da E.E.E. Estação Elevatória de Esgoto e/ou da E.T.E. Estação de Tratamento de Esgoto. 8 III. 2 ÁREA COMERCIAL 13. É permitido o desenvolvimento de qualquer atividade permitida em Lei nas edificações a serem executadas nos LOTES da ÁREA COMERCIAL, ressalvadas as disposições em contrário previstas neste REGULAMENTO. 14. É obrigatório ao ASSOCIADO adotar as medidas necessárias para a prevenção contra odores desagradáveis, fumaças, poluentes, excesso de ruído ou qualquer tipo de poluição do meio ambiente, bem como a reparação dos danos que venham a ser causados A ASSOCIAÇÃO poderá exigir sistema diferenciado de disposição de lixo, conforme a atividade desenvolvida no LOTE. 15. São expressamente proibidos a instalação e o funcionamento, sob pena de o infrator arcar com o pagamento da MULTA TIPO C, de: a) motéis e estabelecimentos congêneres (qualquer tipo de estabelecimento hoteleiro deverá assegurar, por seu projeto e modo de funcionamento, que sua atividade não derivará para motel); b) indústrias de qualquer espécie; c) comércio de ferro velho e sucata; d) serviços de oficina, tais como: cantaria, marmoraria, carpintaria, marcenaria, funilaria, galvanoplastia, serralheria, soldagens, tanoaria e torneadores; e) serviços de manutenção de frotas, garagens de empresas de transportes, e/ou de equipamentos pesados; f) depósito de resíduos industriais; g) serviços de guarda e criação de qualquer espécie de animais; h) estabelecimentos de uso institucional, tais como: quadra de escola de samba, hospital, pronto socorro, maternidade, sanatório, albergue, asilo, orfanato, serviço funerário, igreja e locais de culto.

9 IV APROVAÇÃO DE PROJETOS E FISCALIZAÇÃO 16. Todos os projetos de construção, modificação ou acréscimo em relação à edificação já concluída, REMEMBRAMENTO e DESDOBRO DE LOTES deverão ser previamente apresentados para aprovação da ASSOCIAÇÃO, que verificará o cumprimento das disposições do presente REGULAMENTO. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 17. Para a aprovação dos projetos, o ASSOCIADO deverá fornecer à ASSOCIAÇÃO os documentos por esta julgados necessários ao perfeito entendimento e análise do projeto, conforme o caso. 18. Aprovado o projeto, a ASSOCIAÇÃO reterá uma cópia dos documentos e devolverá as demais devidamente certificadas. O ASSOCIADO deverá, então, submetê-lo à apreciação das autoridades competentes. Após a aprovação do projeto pela PREFEITURA, o ASSOCIADO deverá apresentar à ASSOCIAÇÃO cópia do projeto aprovado, certificado pelo órgão público, juntamente com o ALVARÁ, sendo, somente a partir de tal momento, permitido o início das OBRAS. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 19. O ASSOCIADO não poderá apresentar à PREFEITURA ou executar OBRA ou serviço diferente do constante de projeto anteriormente aprovado pela ASSOCIAÇÃO, sob pena de ser a OBRA ou serviço considerado irregular e sujeito às penalidades cabíveis, além das MULTAS. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 20. Caso o ASSOCIADO queira executar OBRA ou serviço diferente do constante de projeto aprovado pela ASSOCIAÇÃO, um novo projeto deverá ser apresentado a esta, com as modificações pretendidas. O ASSOCIADO deverá proceder dessa mesma forma ainda que tais modificações tenham sido necessárias em razão de lei superveniente à aprovação do projeto pela ASSOCIAÇÃO. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 21. Nas hipóteses previstas acima, o ASSOCIADO deverá comprovar, no momento da apresentação do projeto para a análise da ASSOCIAÇÃO, o recolhimento da TAXA DE APROVAÇÃO DE PROJETO, conforme o estatuto social da ASSOCIAÇÃO. 22. A ASSOCIAÇÃO poderá, a qualquer tempo, fiscalizar os LOTES, as OBRAS e as edificações, mesmo depois de concluídas, com HABITE-SE ou não, para verificar o integral cumprimento às disposições do presente REGULAMENTO, aplicando as penalidades cabíveis O ASSOCIADO deverá permitir o acesso ao LOTE e à edificação pela pessoa designada pela ASSOCIAÇÃO para a finalidade prevista no item 22 acima. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. V REMEMBRAMENTO E DESDOBRO DE LOTES 23. É permitida a REMEMBRAMENTO DE LOTES contíguos e do mesmo adquirente, de modo a formar um ou mais LOTES, bem como o DESDOBRO DE LOTES. Não serão permitidos DESDOBROS que gerem LOTES menores que a área mínima permitida abaixo. Todas as obrigações previstas neste REGULAMENTO continuarão aplicáveis a esses novos LOTES, sem prejuízo do cumprimento das restrições específicas para REMEMBRAMENTO e DESDOBRO DE LOTES previstas neste REGULAMENTO e na legislação aplicável. A não observância deste dispositivo ou de qualquer dos subitens abaixo acarretará o pagamento da MULTA TIPO C Na ÁREA RESIDENCIAL observar-se-á o seguinte: a) TESTADA mínima: 12,00m (doze metros); b) área mínima do LOTE: 450,00m² (quatrocentos e cinqüenta metros quadrados); 9

10 c) para LOTES contíguos por DIVISA lateral, deverá ser mantida a profundidade padrão da quadra em que estão situados, podendo a sua recomposição ser feita unicamente por TESTADA; d) para LOTES contíguos por DIVISA de fundo, somente é permitido o REMEMBRAMENTO para obtenção de um único LOTE, com duas TESTADAS, aplicando-se o RECUO frontal para ambos os ALINHAMENTOS, tendo cada TESTADA, no mínimo, o descrito na alínea a deste item; no LOTE, assim resultante, somente é permitida a construção de EDIFICAÇÃO MONOBLOCO Na ÁREA COMERCIAL observar-se-á o seguinte: a) TESTADA mínima: 20,00m (vinte metros); b) área mínima do LOTE: 700,00m² (setecentos metros quadrados); c) para LOTES contíguos por DIVISA lateral, deverá ser mantida a profundidade padrão da quadra em que estão situados, podendo a sua recomposição ser feita unicamente por TESTADA; VI RECUOS VI.1 ÁREA RESIDENCIAL 24. A edificação principal obedecerá aos seguintes RECUOS mínimos obrigatórios, sob pena de o infrator arcar com o pagamento da MULTA TIPO D: a) RECUO frontal: 5,00m (cinco metros); b) RECUO de fundo: 4,00m (quatro metros); c) RECUO lateral: 2,00m (dois metros); d) RECUO entre a edificação principal e EDÍCULA: 4,00m (quatro metros). 25. Todos os RECUOS acima definidos são contados a partir da alvenaria. A não observância deste dispositivo ou do subitem abaixo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D Sobre as FAIXAS DE RECUOS serão permitidas projeções de BEIRAL e MARQUISE de até 1,00m (um metro). Sobre a FAIXA DE RECUO frontal e de fundo, além do descrito acima, serão permitidas, também, as projeções de sacadas de no máximo 1,00m (um metro) e jardineiras de no máximo 0,50m (cinqüenta centímetros), ou conforme legislação municipal o que for mais restritivo. As projeções de outros elementos arquitetônicos não deverão avançar sobre qualquer RECUO. 26. Sobre o terreno são permitidas somente as instalações de jardineiras, floreiras e rampas nos RECUOS laterais e de fundo com altura máxima de 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros) contado da TOPOGRAFIA ORIGINAL DO LOTE ao piso modificado. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 27. LOTES unificados por DIVISA de fundo são considerados LOTES com duas TESTADAS, portanto, devem respeitar, para ambas as TESTADAS, o RECUO frontal definido no item 24. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 28. RECUOS da PISCINA, contados a partir da face interna da respectiva parede até as DIVISAS do LOTE, sob pena do infrator arcar com o pagamento da MULTA TIPO D. 10

11 a) RECUO frontal: 5,00m (cinco metros); b) RECUO lateral: 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros); c) RECUO de fundo: 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros); As casas de bombas da PISCINA, quando enterradas, com PÉ-DIREITO máximo de 1,80m (um metro e oitenta centímetros), acesso único por alçapão e desde que não sejam consideradas ÁREAS CONSTRUÍDAS pela legislação municipal, poderão atender aos mesmos RECUOS exigidos para PISCINA. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento de MULTA TIPO D As PISCINAS executadas em LOTES livres de fechamentos deverão possuir, obrigatoriamente, equipamentos de segurança que garantam a proteção e impeçam o uso da PISCINA por pessoas não autorizadas ou crianças desacompanhadas de seus responsáveis. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D Os chuveiros ou duchas de apoio da PISCINA ou área de lazer, quando executados junto ao fechamento de DIVISAS, não poderão apoiar-se neste fechamento ou exceder a altura destes. Para tal, poderá executar uma estrutura em alvenaria paralela e independente, descoberta, respeitando a altura máxima de 2,00m (dois metros) e um RECUO mínimo de 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros) de qualquer DIVISA. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 29. Nos LOTES que incluam VIELA SANITÁRIA, ainda que RECUO menor seja previsto neste REGULAMENTO, o RECUO será sempre de 3,00m (três metros) na faixa do LOTE onde a viela esteja implantada. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 30. Na aplicação dos devidos RECUOS, caso estes não se cruzem, deverão ser concordados por meio de curvas cujos raios são determinados pela expressão abaixo, sob pena de o infrator arcar com o pagamento da MULTA TIPO D: RC = R - (RF+RL) onde: 2 RC = raio de concordância; R=raio da curva que define total ou parcialmente a TESTADA, DIVISA ou ALINHAMENTO do LOTE; RF = valor do RECUO frontal ou de fundo; RL = valor do RECUO lateral. 31. A FAIXA DE RECUO frontal deverá ter a respectiva integração visual preservada, sendo mantida a TOPOGRAFIA ORIGINAL DO LOTE nas DIVISAS laterais dentro do RECUO frontal. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO C. 32. Qualquer modificação da TOPOGRAFIA ORIGINAL DO LOTE dentro da FAIXA DE RECUO frontal deverá ser corrigida por meio de talude (aterros ou cortes) com INCLINAÇÃO máxima na proporção de 1,5 : 1 (um e meio por um) = base : altura, e eventuais estruturas de contenção terão altura máxima de 0,15m (quinze centímetros), excluídas as contenções para rampas de acesso à garagem que poderão ter altura máxima inicial de 0,15m (quinze centímetros) junto ao ALINHAMENTO e altura máxima final de 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros) quando no encontro da rampa de acesso com o piso da garagem da edificação, não sendo permitida a utilização de qualquer elemento arquitetônico como espelhos d água, fontes, floreiras. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO A. 33. Na FAIXA DE RECUO frontal somente poderá ser implantado o abrigo de medidores para água, luz, telefone, tv a cabo, caixa de correio e lixeira no padrão e localização estipulados pela ASSOCIAÇÃO. O filtro de água, quando houver, deverá respeitar o RECUO frontal. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO A. 11

12 12 VI.2 ÁREA COMERCIAL 34. A edificação obedecerá aos RECUOS mínimos obrigatórios abaixo especificados ou aos RECUOS mínimos obrigatórios definidos pela legislação municipal, em conformidade com o uso da edificação e a classificação da via para a qual o LOTE possui TESTADA, o que for mais restritivo. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento de MULTA TIPO D. a) RECUO frontal: 5,00m (cinco metros); b) RECUO de fundo: 4,00m (quatro metros); c) RECUO lateral: 3,00m (três metros); 35. Todos os RECUOS acima definidos são contados a partir da alvenaria. A não observância deste dispositivo ou do subitem abaixo acarretará o pagamento de MULTA TIPO D Sobre as FAIXAS DE RECUOS serão permitidas projeções de BEIRAL e MARQUISE de até 1,00m (um metro). Sobre a FAIXA DE RECUO frontal e de fundo, além do descrito acima, serão permitidas, também, as projeções de sacadas de no máximo 1,00m (um metro) e jardineiras de no máximo 0,50m (cinqüenta centímetros), ou conforme legislação municipal, o que for mais restritivo. As projeções de outros elementos arquitetônicos não deverão avançar sobre qualquer RECUO. 36. Sobre o terreno são permitidas somente as instalações de jardineiras, floreiras e rampas nos RECUOS laterais e de fundo com altura máxima de 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros) contado da TOPOGRAFIA ORIGINAL DO LOTE ao piso modificado. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 37. No RECUO frontal e lateral é permitida a instalação de totem publicitário, cujo projeto deverá ser submetido à análise e aprovação da ASSOCIAÇÃO e da PREFEITURA. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 38. LOTES unificados por DIVISA de fundo são considerados LOTES com duas TESTADAS, portanto, devem respeitar, para ambas as TESTADAS, o RECUO frontal definido no item 34. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 39. RECUOS da PISCINA, contados a partir da face interna da respectiva parede até as DIVISAS do LOTE, sob pena do infrator arcar com o pagamento da MULTA TIPO D. a) RECUO frontal: 5,00m (cinco metros); b) RECUO lateral: 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros); c) RECUO de fundo: 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros); As casas de bombas da PISCINA, quando enterradas, com PÉ-DIREITO máximo de 1,80m (um metro e oitenta centímetros), acesso único por alçapão e desde que não sejam consideradas ÁREAS CONSTRUÍDAS pela legislação municipal, poderão atender aos mesmos RECUOS exigidos para PISCINA. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento de MULTA TIPO D As PISCINAS executadas em LOTES livres de fechamentos deverão possuir, obrigatoriamente, equipamentos de segurança que garantam a proteção e impeçam o uso da PISCINA por pessoas não autorizadas ou crianças desacompanhadas de seus responsáveis. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D Os chuveiros ou duchas de apoio da PISCINA ou área de lazer, quando executados junto ao fechamento de DIVISAS, não poderão apoiar-se neste fechamento ou exceder a altura destes. Para tal poderá executar uma estrutura em alvenaria paralela e independente, descoberta, respeitando a altura máxima de 2,00m (dois metros) e um RECUO mínimo de 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros) de qualquer DIVISA. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D.

13 40. Nos LOTES que incluam VIELA SANITÁRIA, ainda que RECUO menor seja previsto neste REGULAMENTO, o RECUO será sempre de 3,00m (três metros) na faixa do LOTE onde a viela esteja implantada. A não observância deste dispositivo ou de qualquer dos subitens abaixo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 41. Na aplicação dos devidos RECUOS, caso estes não se cruzem, deverão ser concordados por meio de curvas cujos raios são determinados pela expressão abaixo, sob pena de o infrator arcar com o pagamento da MULTA TIPO D: RC = R - (RF+RL) onde: 2 RC = raio de concordância; R = raio da curva que define total ou parcialmente a TESTADA, DIVISA ou ALINHAMENTO do LOTE; RF = valor do RECUO frontal ou de fundo; RL = valor do RECUO lateral. 42. A FAIXA DE RECUO frontal deverá ter a respectiva integração visual preservada, sendo mantida a TOPOGRAFIA ORIGINAL DO LOTE nas DIVISAS laterais dentro do RECUO frontal. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO C. 43. Qualquer modificação da TOPOGRAFIA ORIGINAL DO LOTE dentro da FAIXA DE RECUO frontal deverá ser corrigida por meio de talude (aterros ou cortes) com INCLINAÇÃO máxima na proporção de 1,5 : 1 (um e meio por um) = base : altura, e eventuais estruturas de contenção terão altura máxima de 0,15m (quinze centímetros), excluídas as contenções para rampas de acesso à garagem que poderão ter altura máxima inicial de 0,15m (quinze centímetros) junto ao ALINHAMENTO e altura máxima final de 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros) quando no encontro da rampa de acesso com o piso da garagem da edificação, não sendo permitida a utilização de qualquer elemento arquitetônico como espelhos d água, fontes, floreiras. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO A. 44. Na FAIXA DE RECUO frontal somente poderá ser implantado o abrigo de medidores para água, luz, telefone, tv a cabo, caixa de correio e lixeira no padrão e localização estipulados pela ASSOCIAÇÃO. O filtro de água, quando houver, deverá respeitar o RECUO frontal. Não é permitida a instalação de guarita dentro do RECUO frontal. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO A. VII RESTRIÇÕES ESPECÍFICAS DAS CONSTRUÇÕES VII.1 ÁREA RESIDENCIAL 45. Os LOTES das Quadras A1, B1, C1, D1, E1, F1, G1, Q1 e R1 são obrigados à execução de EDIFICAÇÃO MONOBLOCO. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 46. A soma da área total da edificação principal e EDÍCULA ou da EDIFICAÇÃO MONOBLOCO, quando for o caso, não poderá ser inferior a 150,00m² (cento e cinqüenta metros quadrados). A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 47. O ÍNDICE DE APROVEITAMENTO (I.A.) máximo permitido, incluindo as áreas da edificação principal e EDÍCULA, é de 1 (um). A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 13

14 48. A área de projeção da edificação principal somada à área de projeção da EDÍCULA ou da EDIFICAÇÃO MONOBLOCO, quando for o caso, não poderá ultrapassar a TAXA DE OCUPAÇÃO de 50% (cinqüenta por cento). A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 49. Nenhuma edificação poderá ter mais que dois PAVIMENTOS (TÉRREO e SUPERIOR) acima do nível da rua. Poderá haver um PAVIMENTO SUBSOLO. A não observância deste dispositivo ou do subitem abaixo, acarretará o pagamento da MULTA TIPO D Para a utilização de PAVIMENTO SUBSOLO, a ocupação deverá atender ao especificado no item 48, assim como aos RECUOS definidos no item O nível da face superior do primeiro PATAMAR do PAVIMENTO TÉRREO deverá distar uma altura de, no máximo, 1,00m (um metro) acima do PONTO MÉDIO. O PATAMAR deverá ter, no mínimo, 10,00m² (dez metros quadrados) de ÁREA CONSTRUÍDA. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 51 Para soluções arquitetônicas adotadas com a implantação de escalonamento em níveis, deverá ser respeitada a diferença máxima de 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros) entre cada PATAMAR sendo que este terá área mínima construída de 10,00m² (dez metros quadrados). Deve-se, também, manter uma circulação seqüencial coberta do primeiro ao último PATAMAR determinada por ordem crescente dos níveis adotados. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 52. A ALTURA MÁXIMA DA EDIFICAÇÃO contando do piso acabado do PAVIMENTO TÉRREO ao ponto mais alto da cobertura, excluindo os volumes de caixa d água e casa de máquinas para elevadores com altura máxima de 2,00m (dois metros) e área total de 4,00m² (quatro metros quadrados), não deverá ultrapassar 10,00m (dez metros). A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 53. No caso de escalonamento de PATAMARES, as diferenças de níveis entre os patamares poderão ser adicionadas à altura da cobertura sobre o escalonamento, salvo os PATAMARES que se desenvolvem paralelamente à TESTADA, permanecendo, para este caso, a referência do primeiro nível do piso do PAVIMENTO TÉRREO. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 54. A EDÍCULA será sempre construída em um único PAVIMENTO, não podendo ultrapassar a altura de 3,80m (três metros e oitenta centímetros), contados a partir da soleira do PAVIMENTO, incluído o ponto mais alto do telhado ou qualquer elemento arquitetônico, excluindo somente dutos de ventilação com perímetro máximo de 0,80m (oitenta centímetros) x 0,80m (oitenta centímetros), ou conforme legislação municipal, o que for mais restritivo. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 55. A EDÍCULA poderá ser construída na FAIXA DE RECUO de fundo, recuada, no mínimo, 4,00m (quatro metros) conforme o item 24 letra d, respeitando-se os RECUOS laterais. Nesse caso, o fundo de EDÍCULA deverá ser revestido e pintado. Somente será permitida a utilização de acabamento com materiais aparentes mediante autorização expressa e por escrito da ASSOCIAÇÃO. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 56. O PÉ-DIREITO mínimo permitido para EDÍCULA é de 2,50m (dois metros e cinqüenta centímetros), ou conforme legislação municipal, o que for mais restritivo. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 57. A área de construção da EDÍCULA não poderá ser superior a 25% (vinte e cinco por cento) da construção principal. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 14

15 58. É permitida a construção de MUROS DE ARRIMO nas DIVISAS, exceto no trecho da DIVISA compreendido pela FAIXA DE RECUO frontal. Estes somente poderão ser erguidos (aterro ou escavação) até a altura máxima de 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros) contados da TOPOGRAFIA ORIGINAL DO LOTE, no trecho onde o mesmo for edificado. A não observância deste dispositivo ou de qualquer dos subitens abaixo acarretará o pagamento da MULTA TIPO C Para soluções de desníveis resultantes de alteração da TOPOGRAFIA ORIGINAL DO LOTE por meio de taludes (aterros ou escavações), a INCLINAÇÃO máxima destes deverá respeitar a proporção de 1,5 : 1 (um e meio por um) = base : altura Não é permitida a execução de MUROS DE ARRIMO junto ao muro, gradil ou alambrado de fechamento executado pela ALPHAVILLE, sendo obrigatório respeitar um RECUO deste de no mínimo 2,00m (dois metros). Para soluções com taludes (aterros ou escavações), estes deverão ter uma INCLINAÇÃO máxima na proporção de 1,5 : 1 (um e meio por um) = base : altura, e finalizar, junto ao referido muro, gradil ou alambrado na TOPOGRAFIA ORIGINAL DO LOTE. Para LOTES que possuam canaletas de captação de águas pluviais executadas pela ALPHAVILLE, os taludes deverão ser finalizados junto a canaleta, que não poderá ser aterrada ou alterada em sua forma original, o que venha a impedir ou prejudicar o escoamento das águas pluviais. 59. É permitida a construção de muros de DIVISAS de fundo e lateral, exceto na FAIXA DE RECUO frontal, salvo os muros de fechamento, gradil ou alambrado executado pela ALPHAVILLE. Sua altura máxima, em relação à TOPOGRAFIA MODIFICADA DO LOTE ou final do MURO DE ARRIMO, é de 2,00m (dois metros). A somatória da altura do MURO de DIVISA e MURO DE ARRIMO, quando executados um sobre o outro, não poderá exceder a 3,50m (três metros e cinqüenta centímetros). Deverá ser prevista drenagem de águas pluviais junto aos muros. A não observância deste dispositivo ou de qualquer dos subitens abaixo acarretará o pagamento da MULTA TIPO C Nos LOTES que possuem ALINHAMENTO com praças públicas ou sistemas de lazer (SL), excetuando-se os fechamentos executados pela ALPHAVILLE, somente poderá ser feito fechamento em gradil ou cerca viva, de altura máxima de 2,00m (dois metros) em relação à TOPOGRAFIA MODIFICADA DO LOTE ou final do MURO DE ARRIMO. Se o gradil estiver sobre mureta de alvenaria esta não poderá exceder a 0,50m (cinqüenta centímetros), observando-se altura máxima total de 2,00m (dois metros). Quando mureta e gradil forem executados sobre MURO DE ARRIMO, a somatória do muro, mureta e gradil não poderá exceder a 3,50m (três metros e cinqüenta centímetros) Os fechamentos de DIVISA de fundo e lateral executados pelo ASSOCIADO, quando no encontro com o muro de fechamento, gradil ou alambrado executado pela ALPHAVILLE, não podem exceder a altura destes três últimos, devendo ser chanfrados na proporção máxima de 45º (quarenta e cinco graus) a partir de no mínimo 2,00m (dois metros) de RECUO de qualquer DIVISA. Nestas condições, a somatória do fechamento de DIVISA e do MURO DE ARRIMO, quando executados um acima do outro, não poderão exceder a altura do fechamento executado pela ALPHAVILLE, sem prejuízo do disposto acima. 60. Qualquer muro ou mureta deve ser revestido e pintado. Somente é permitida a utilização de acabamento com materiais aparentes mediante autorização expressa e por escrito da ASSOCIAÇÃO. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO A. 61. A altura máxima do fechamento frontal do LOTE em relação à TOPOGRAFIA MODIFICADA DO LOTE ou final do MURO DE ARRIMO é de 2,00m (dois metros), devendo o mesmo, obrigatoriamente, obedecer ao RECUO frontal especificado no item 24. Quando executado sobre MURO DE ARRIMO, a somatória dos muros não poderá exceder a 3,50m (três metros e cinqüenta centímetros). A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO C. 62. As EDÍCULAS não podem ser edificadas antes do início da construção principal; todavia, após a expedição do ALVARÁ, será permitida a construção de um barracão provisório para depósito de 15

16 materiais de construção ou uso do vigia da OBRA. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO C. 63. É obrigatória a implantação de sanitário no barracão provisório e a sua ligação à rede de coleta de esgoto, sendo proibida a execução de fossas de qualquer tipo, salvo nos casos em que a rede de esgoto do LOTEAMENTO não estiver totalmente finalizada e/ou em funcionamento. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO A. 64. Todos os LOTES deverão manter uma ÁREA PERMEÁVEL mínima correspondente a 35% (trinta e cinco por cento) de sua área, podendo, para esse efeito, computarem-se as FAIXAS DE RECUOS previstas neste REGULAMENTO. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 65. O projeto arquitetônico da edificação deverá prever local para a guarda de veículos na proporção estipulada pela legislação municipal, sendo vedada à utilização das FAIXAS DE RECUO frontal e lateral. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 66. Deverá ser previsto o esgotamento da PISCINA com cálculo de vazão de águas pluviais até a rede pública. A implantação das saídas das tubulações deverá seguir o padrão determinado pela ASSOCIAÇÃO. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 67. As construções implantadas em LOTES DE EXTREMO DE QUADRA devem respeitar as características físicas e paisagísticas dos sistemas de lazer (SL) limítrofes, não sendo permitidas alterações na topografia original, fechamento com cerca viva, qualquer tipo de acesso ou ocupação sobre tais espaços livres, vedada, ainda, alterações na arborização e toda vegetação implantada pela ALPHAVILLE. A ASSOCIAÇÃO poderá, para os casos onde se verifique problema de segurança aos pedestres ou edificações próximas, ou a critério, retirar, substituir e/ou acrescentar as espécies. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 16 VII.2 ÁREA COMERCIAL 68. A ÁREA TOTAL CONSTRUÍDA não poderá ser inferior a 200,00 m² (duzentos metros quadrados). A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 69. O ÍNDICE DE APROVEITAMENTO (I.A.) é de 2 (dois). A não observância deste dispositivo ou do subitem abaixo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 70. A TAXA DE OCUPAÇÃO máxima para todos os PAVIMENTOS é de 50% (cinqüenta por cento). A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 71. Serão permitidos acima do nível da rua, no máximo, até 03 (três) PAVIMENTOS (TÉRREO, MEZANINO e SUPERIOR). Poderá haver PAVIMENTO SUBSOLO destinado exclusivamente a vagas de veículos cobertas. A não observância deste dispositivo ou de qualquer do subitem abaixo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D Para a utilização de PAVIMENTO SUBSOLO, a ocupação deverá atender ao especificado no item 70, assim como aos RECUOS definidos no item O nível da face superior do primeiro PATAMAR do PAVIMENTO TÉRREO deverá distar uma altura de, no máximo, 1,00m (um metro) acima do PONTO MÉDIO. O PATAMAR deverá ter, no mínimo, 10,00m² (dez metros quadrados) de ÁREA CONSTRUÍDA. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 73. Para soluções arquitetônicas adotadas com a implantação de escalonamento em níveis, deverá ser respeitada a diferença máxima de 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros) entre cada PATAMAR

17 sendo que este terá área mínima construída de 10,00m² (dez metros quadrados). Deve-se, também, manter uma circulação seqüencial coberta do primeiro ao último PATAMAR, determinada por ordem crescente dos níveis adotados. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 74. A ALTURA MÁXIMA DA EDIFICAÇÃO contando do piso acabado do PAVIMENTO TÉRREO ao ponto mais alto da cobertura, excluindo os volumes de caixa d água e casa de máquinas para elevadores com altura máxima de 2,00m (dois metros) e área total de 4,00m² (quatro metros quadrados), não deverá ultrapassar 12,00m (doze metros). A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 75. No caso de escalonamento de PATAMARES, as diferenças de níveis entre os patamares poderão ser adicionadas à altura da cobertura sobre o escalonamento, salvo os PATAMARES que se desenvolvem paralelamente à TESTADA, permanecendo, para este caso, a referência do primeiro nível do piso do PAVIMENTO TÉRREO. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 76. A utilização de vagas e rampas para estacionamentos de veículos, bem como suas implantações e dimensionamentos mínimos obrigatórios, seguirão as disposições da legislação municipal. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 77. É permitida a construção de MUROS DE ARRIMO nas DIVISAS, exceto no trecho da DIVISA compreendido pela FAIXA DE RECUO frontal. Estes somente poderão ser erguidos (aterro ou escavação) até a altura máxima de 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros) contados da TOPOGRAFIA ORIGINAL DO LOTE, no trecho onde o mesmo for edificado. A não observância deste dispositivo ou de qualquer dos subitens abaixo acarretará o pagamento da MULTA TIPO C Para soluções de desníveis resultantes de alteração da TOPOGRAFIA ORIGINAL DO LOTE por meio de taludes (aterros ou escavações), a INCLINAÇÃO máxima destes deverá respeitar a proporção de 1,5 : 1 (um e meio por um) = base : altura Não é permitida a execução de MUROS DE ARRIMO junto ao muro, gradil ou alambrado de fechamento executado pela ALPHAVILLE, sendo obrigatório respeitar um RECUO deste de no mínimo 2,00m (dois metros). Para soluções com taludes (aterros ou escavações), estes deverão ter uma INCLINAÇÃO máxima na proporção de 1,5 : 1 (um e meio por um) = base : altura, e finalizar, junto ao referido muro, gradil ou alambrado na TOPOGRAFIA ORIGINAL DO LOTE. Para LOTES que possuam canaletas de captação de águas pluviais executadas pela ALPHAVILLE, os taludes deverão ser finalizados junto a canaleta, que não poderá ser aterrada ou alterada em sua forma original, o que venha a impedir ou prejudicar o escoamento das águas pluviais. 78. É permitida a construção de muros de DIVISAS de fundo e lateral, exceto na FAIXA DE RECUO frontal, salvo os muros de fechamento, gradil ou alambrado executados pela ALPHAVILLE. Sua altura máxima, em relação à TOPOGRAFIA MODIFICADA DO LOTE ou final do MURO DE ARRIMO, é de 2,00m (dois metros). A somatória da altura do muro de DIVISA e MURO DE ARRIMO, quando executados um sobre o outro, não poderá exceder a altura de 3,50m (três metros e cinqüenta centímetros). Deverá ser prevista drenagem de águas pluviais junto aos muros. A não observância deste dispositivo ou de qualquer dos subitens abaixo acarretará o pagamento da MULTA TIPO C Nos LOTES que possuem ALINHAMENTO com praças públicas ou sistemas de lazer (SL), excetuando os fechamentos executados pela ALPHAVILLE, somente poderá ser feito fechamento com gradil ou cerca viva, de altura máxima de 2,00m (dois metros) em relação à TOPOGRAFIA MODIFICADA DO LOTE ou final do MURO DE ARRIMO. Se o gradil estiver sobre mureta de alvenaria, esta não poderá exceder a 0,50m (cinqüenta centímetros), observando-se altura máxima total de 2,00m (dois metros). Quando mureta e gradil forem executados sobre o MURO DE ARRIMO, a somatória do muro, mureta e gradil não poderá exceder 3,50m (três metros e cinqüenta centímetros). 17

18 Os fechamentos de DIVISA de fundo e lateral executados pelo ASSOCIADO, quando no encontro com o muro de fechamento, gradil ou alambrado executado pela ALPHAVILLE, não podem exceder a altura destes três últimos, devendo ser chanfrados na proporção máxima de 45º (quarenta e cinco graus) a partir de no mínimo 2,00m (dois metros) de RECUO de qualquer DIVISA. Nestas condições, a somatória do fechamento de DIVISA e do MURO DE ARRIMO, quando executados um acima do outro, não poderão exceder a altura do fechamento executado pela ALPHAVILLE, sem prejuízo do disposto acima. 79. Qualquer muro ou mureta deve ser revestido e pintado. Somente é permitida a utilização de acabamento com materiais aparentes mediante autorização expressa e por escrito da ASSOCIAÇÃO. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO A. 80. A altura máxima do fechamento frontal do LOTE em relação à TOPOGRAFIA MODIFICADA DO LOTE ou ao final do MURO DE ARRIMO é de 2,00m (dois metros), devendo o mesmo, obrigatoriamente, obedecer ao RECUO frontal especificado no item 34. Quando executado sobre MURO DE ARRIMO, a somatória do fechamento não poderá exceder 3,50m (três metros e cinqüenta centímetros). A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO C. 81. Após a expedição do ALVARÁ, será permitida a construção de um barracão provisório para depósito de materiais de construção ou uso do vigia da OBRA. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO C. 82. É obrigatória a implantação de sanitário no barracão provisório e a sua ligação à rede de coleta de esgoto, sendo proibida a execução de fossas de qualquer tipo, salvo nos casos em que a rede de esgoto do LOTEAMENTO não estiver totalmente finalizada e/ou em funcionamento. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO A. 83. Todos os LOTES deverão manter uma ÁREA PERMEÁVEL mínima correspondente a 35% (trinta e cinco por cento) de sua área, podendo, para esse efeito, computarem-se as FAIXAS DE RECUOS previstas neste REGULAMENTO. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 84. Deverá ser previsto o esgotamento da PISCINA com cálculo de vazão de águas pluviais até a rede pública. A implantação das saídas das tubulações deverá seguir o padrão determinado pela ASSOCIAÇÃO. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. 85. As construções implantadas em LOTES DE EXTREMO DE QUADRA devem respeitar as características físicas e paisagísticas dos sistemas de lazer (SL) limítrofes, não sendo permitidas alterações na topografia original, fechamento com cerca viva, qualquer tipo de acesso ou ocupação sobre tais espaços livres, vedada, ainda, alterações na arborização e toda vegetação implantada pela ALPHAVILLE. A ASSOCIAÇÃO poderá, para os casos onde se verifique problema de segurança aos pedestres ou edificações próximas, ou a critério, retirar, substituir e/ou acrescentar as espécies. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. VIII OBRIGAÇÕES GERAIS VIII.1 Fechamento do Perímetro da ÁREA RESIDENCIAL 86. O fechamento do perímetro da ÁREA RESIDENCIAL a ser executado pela ALPHAVILLE, se concedida permissão pela PREFEITURA, poderá ser de muro, gradil ou alambrado, não sendo permitida a abertura de portões ou acessos, quer pelo fundo, quer pela lateral do LOTE. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO C. 18

19 87. Incumbe ao ASSOCIADO a manutenção ordinária da face interna do muro, gradil ou alambrado localizado na parte interna do respectivo LOTE. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO C. 88. O fechamento com muro a que se refere o item 86 terá as seguintes dimensões: largura aproximada: 0,25m (vinte e cinco centímetros), quando se tratar de alvenaria; altura mínima: 2,00m (dois metros). 89. O fechamento será feito à medida que as OBRAS de beneficiamento dos LOTES atinjam os locais onde eles se situarão. A ALPHAVILLE poderá executar fechamentos provisórios fora dos locais estabelecidos, inclusive dentro de LOTES. 90. O ASSOCIADO não poderá mudar as características do fechamento, sendo que, quando se tratar de muro, poderá alterar a cor da face voltada para o próprio LOTE. No caso de fechamento com gradil ou alambrado, deverá seguir o padrão estipulado pela ASSOCIAÇÃO. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO C. 91. A ASSOCIAÇÃO promoverá a manutenção do muro, gradil ou alambrado de fechamento, mesmo dentro do LOTE do ASSOCIADO, caso ocorram danos motivados por atos ou fatos alheios à responsabilidade do ASSOCIADO. 92. O ASSOCIADO ou morador autoriza o ingresso no LOTE do pessoal necessário à manutenção do muro, gradil ou alambrado de fechamento, quando se fizer necessário. VIII.2 Acesso à ÁREA RESIDENCIAL 93. Permitido o fechamento do perímetro da ÁREA RESIDENCIAL, a entrada de todas as pessoas e veículos ocorrerá pela portaria, sujeita à identificação e indicação do destino ao porteiro. VIII.3 Instalações Elétricas, Telefônicas e Similares 94. As instalações elétricas em geral, ligações de energia, telefone, campainha ou similares serão obrigatoriamente subterrâneas, no trecho compreendido entre os pontos de entrada e as edificações. Tais ligações devem ser efetuadas de acordo com as normas definidas pela ASSOCIAÇÃO e das concessionárias de serviços públicos. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO A.. VIII.4 Águas Pluviais e Esgoto 95. Todo ASSOCIADO é obrigado a conceder gratuitamente SERVIDÃO para passagem de canalização de águas pluviais e esgotos nas FAIXAS DE RECUO lateral e dentro de uma faixa de 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros) deste RECUO. A não observância deste dispositivo ou qualquer dos subitens abaixo acarretará o pagamento da MULTA TIPO C Os ASSOCIADOS dos LOTES envolvidos deverão fixar conjuntamente as regras para a instalação das canalizações necessárias, por meio de instrumento escrito e assinado, que deverá ser apresentado à ASSOCIAÇÃO Deverão ser previstas caixas de inspeção para a canalização de esgoto e águas pluviais, antes da ligação à rede pública Correrá por conta do usuário da SERVIDÃO toda e qualquer despesa inerente a este serviço, bem como a sua manutenção. 19

20 96. As águas pluviais serão captadas em redes independentes do esgoto e deverão ser lançadas na sarjeta, em boca de lobo, ou de leão, quando estas estiverem localizadas no limite da extensão da TESTADA do LOTE do ASSOCIADO cedente. O esgoto será lançado em rede pública existente. A não observância deste dispositivo ou de qualquer dos subitens abaixo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D É proibida a utilização inversa das redes O ASSOCIADO deverá tomar as medidas necessárias para o escoamento das águas pluviais e do esgoto de edificações implantadas abaixo do nível da rua, devendo ser observado o nível das redes existentes. 97.O abrigo para animais domésticos, quando houver, deve possuir sistema de escoamento ligado à rede pública de esgotos. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento de MULTA TIPO D. VIII.5 Comunicação Visual 98. Na ÁREA RESIDENCIAL deverá ser observado o seguinte, sob pena de o infrator arcar com o pagamento da MULTA TIPO A: Nos LOTES e nas edificações concluídas é proibida a fixação de veículos de comunicação visual de qualquer natureza, sendo que o anúncio de revenda do imóvel somente é permitido nos quadros disponibilizados pela ASSOCIAÇÃO, especificamente para essa finalidade, na portaria do LOTEAMENTO Nos LOTES em OBRA é permitida apenas a fixação das placas previstas no item , alínea d, deste REGULAMENTO. 99. Na ÁREA COMERCIAL deverá ser observado o seguinte, sob pena de o infrator arcar com o pagamento da MULTA TIPO A: Nos LOTES e nas edificações concluídas é proibida a instalação de tabuleta (out-door) ou painel, seja para publicidade própria ou de terceiros, exceto os destinados à comercialização de LOTES pela ALPHAVILLE e/ou VENDEDORA ou por empresas contratadas para esse fim Na entrada da ÁREA COMERCIAL e em outros locais determinados pela ASSOCIAÇÃO, será permitida a fixação de placa para sinalização dos edifícios, a qual deverá obedecer ao padrão único projetado pela ASSOCIAÇÃO Nos LOTES em OBRA é permitida a fixação apenas das placas previstas no item , alínea d, deste REGULAMENTO. VIII.6 Manutenção dos LOTES Antes da Edificação 100. Sem prejuízo de a ASSOCIAÇÃO manter a vegetação aparada nos LOTES não construídos, o ASSOCIADO é responsável por manter seu LOTE limpo e bem cuidado, livre de lixo ou entulho, não descaracterizando o tratamento paisagístico implantado pelo empreendedor com acréscimo ou remoção de espécies vegetais, tendo em vista o alto nível do LOTEAMENTO, a valorização dos LOTES e a manutenção de um agradável e harmônico aspecto paisagístico. A não observância deste dispositivo acarretará o pagamento da MULTA TIPO D. VIII.7 Levantamento Planialtimétrico e Sondagem 101. São de responsabilidade do ASSOCIADO os serviços de levantamento planialtimétrico e sondagem do LOTE, bem como projeto estrutural, eximindo a VENDEDORA, a ALPHAVILLE ou a 20

REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE GRAVATAÍ

REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE GRAVATAÍ Anexo B REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE GRAVATAÍ ÍNDICE I. DEFINIÇÕES...4 II. DISPOSIÇÕES GERAIS...7 III. III.1. III.2. III.2.1 PROJETOS...8 APROVAÇÃO DE PROJETOS E FISCALIZAÇÃO...8 PROJETO DE REMEMBRAMENTO

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS 1 1. AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO: Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização

Leia mais

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS 1. ROTEIRO PARA APROVAÇÃO E LIBERAÇÃO DE PROJETOS E OBRAS: PROJETOS A. Aprovação do Projetos pelo Depto. Técnico da Associação B. Aprovação do Projeto e Solicitação de Alvará de Construção na Prefeitura

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ÁGUAS CLARAS SÃO JORGE D OESTE - PR

ANEXO I REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ÁGUAS CLARAS SÃO JORGE D OESTE - PR ANEXO I REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ÁGUAS CLARAS SÃO JORGE D OESTE - PR Página 1 de 20 ÍNDICE I DEFINIÇÕES... 3 II DISPOSIÇÕES GERAIS... 5 III USOS... 6 IV APROVAÇÃO DE PROJETOS E FISCALIZAÇÃO... 7 V UNIFICAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo normatizar o direito de utilização e aproveitamento dos lotes, sendo que tais limitações são supletivas

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 )

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1 AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização por

Leia mais

REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE SERGIPE FASE 1

REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE SERGIPE FASE 1 Anexo C REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE SERGIPE FASE 1 ÍNDICE I. DEFINIÇÕES... 3 II. DISPOSIÇÕES GERAIS... 5 III. PROJETOS... 6 III.1. APROVAÇÃO DE PROJETOS E FISCALIZAÇÃO... 6 III.2. PROJETO DE REMEMBRAMENTO

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares Lei 1620/1997 - Secretaria de Urbanismo e Controle Urbano - www.urbanismo.niteroi.rj.gov.br 0 Lei

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008

LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008 LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008 Acrescenta dispositivos à Lei nº 1041, 11 de julho de 1979, que regula o loteamento de terrenos urbanos no Município de Dourados, e dá outras providências

Leia mais

ARQUIVO MODELO PADRÃO de APRESENTAÇÃO DE PROJETOS (PDF)

ARQUIVO MODELO PADRÃO de APRESENTAÇÃO DE PROJETOS (PDF) 1. OBJETIVO... 2 2. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO DE LOTES... 2 2.1. Documentações necessárias... 2 2.2. Modelo Prancha Única Remembramento (fig. 01)... 2 2.3. Restrições para Áreas...

Leia mais

Condomínio Residencial Rural

Condomínio Residencial Rural Condomínio Residencial Rural CADERNO DE PROJETOS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Página 1 ÍNDICE. 1.0 PROJETOS...03 1.1 Aprovação/ Reaprovação/ Substituição...03 1.1.1 Considerações Gerais...03 1.1.2 Documentos

Leia mais

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP CARTILHA DE CONSTRUÇÃO Seguem especificações para as construções nos lotes do Loteamento Villaggio Di Firenze: A) Conforme

Leia mais

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS DO ASSOCIAÇÃOVILLE DES LACS ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO 1. DEFINIÇÕES E PROPÓSITOS 1.1. As regras e disposições

Leia mais

REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR

REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR 1. DEFINIÇÕES E PROPÓSITOS 1.1. As regras e disposições limitativas do uso e ocupação

Leia mais

MONT BLANC RÉSIDENCE

MONT BLANC RÉSIDENCE LOTEAMENTO MONT BLANC RÉSIDENCE REGULAMENTO DE RESTRIÇÕES URBANÍSTICAS E DE CONSTRUÇÃO, 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1.1 As restrições e limitações constantes deste Regulamento constituem normas convencionais

Leia mais

REGULAMENTO DO ALPHAVILLE SALVADOR RESIDENCIAL

REGULAMENTO DO ALPHAVILLE SALVADOR RESIDENCIAL Anexo B REGULAMENTO DO ALPHAVILLE SALVADOR RESIDENCIAL 01. Generalidades 01.01. Estas limitações são supletivas e prevalecem após o cumprimento das legislações federal, estadual e municipal, tanto quanto

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul LEI Nº 4.944 DE 27 DE OUTUBRO DE 2010 DISPÕE SOBRE O ZONEAMENTO ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO CAETANO DO SUL. JOSÉ AURICCHIO JÚNIOR, Prefeito Municipal de São Caetano do Sul, no uso das atribuições que

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura via física e via digital; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e

Leia mais

ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS

ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS 1 OBJETIVO Este Manual Técnico de Projetos e Obras tem por objetivo orientar e informar aos proprietários dos lotes, bem como

Leia mais

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES.

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES. 1 CONVÊNIO Nº 002/87 TERMO DE CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM DE UM LADO A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BARUERI E, DE OUTRO, A SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL MORADA DOS PÁSSAROS, PARA A APLICAÇÃO DE

Leia mais

ALPHAVILLE GRACIOSA RESIDENCIAL CADERNO DE PROJETOS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

ALPHAVILLE GRACIOSA RESIDENCIAL CADERNO DE PROJETOS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Página 1 de 31 ALPHAVILLE GRACIOSA RESIDENCIAL CADERNO DE PROJETOS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL RATIFICADO PELA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 30 DE MAIO DE 2007 Página 2 de 31 1.0 PROJETOS...

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pelo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS COIMBRA. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento

Leia mais

SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES

SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES 1. Considerações Gerais 1.1. O presente Regulamento estabelece regras gerais para as construções e alterações que

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

REGULAMENTO DE "ALPHAVILLE GRACIOSA RESIDENCIAL"

REGULAMENTO DE ALPHAVILLE GRACIOSA RESIDENCIAL 1 Anexo B REGULAMENTO DE "ALPHAVILLE GRACIOSA RESIDENCIAL" 01. Generalidades 01.01. Estas limitações são supletivas e prevalecem após o cumprimento das legislações federal, estadual e municipal, tanto

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA Associação Alphaville Salvador Residencial 1 PROCEDIMENTOS PARA INÍCIO DE OBRA 1. Entregar uma cópia do jogo de Plantas Aprovadas pela Prefeitura Municipal de Salvador e

Leia mais

TIPO ÁREA ARQUITETÔNICO ESTRUTURAL INSTALAÇÕES HIDRÁULICA E SANITÁRIA RESIDENCIAL. qualquer x x UNIFAMILIAR RESIDENCIAL

TIPO ÁREA ARQUITETÔNICO ESTRUTURAL INSTALAÇÕES HIDRÁULICA E SANITÁRIA RESIDENCIAL. qualquer x x UNIFAMILIAR RESIDENCIAL ANEXO 1 - QUADRO DE PROJETOS COMPLEMENTARES TIPO ÁREA ARQUITETÔNICO ESTRUTURAL INSTALAÇÕES HIDRÁULICA E SANITÁRIA RESIDENCIAL qualquer x x UNIFAMILIAR RESIDENCIAL PREVENTIVA CONTRA INCÊNDIO* qualquer x

Leia mais

PROJETO URBANÍSTICO Normas Construtivas

PROJETO URBANÍSTICO Normas Construtivas PROJETO URBANÍSTICO Normas Construtivas Tão bom quanto um Damha. só outro Damha. Bem-vindo ao Residencial Damha II O Residencial Damha II Brasília seguirá o mesmo padrão e a mesma infraestrutura de sucesso

Leia mais

www.camposdeminasof.com.br

www.camposdeminasof.com.br REGULAMENTO DE RESTRIÇÕES URBANISTICAS E DE CONSTRUÇÃO, PROTEÇÃO E DE USO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL CAMPOS DE MINAS 1- Considerações Iniciais 1.1- As restrições e as limitações constantes deste regulamento

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pela Associação Jardins Ibiza. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento do canteiro

Leia mais

GLOSSÁRIO PLANO DIRETOR DE MANAUS

GLOSSÁRIO PLANO DIRETOR DE MANAUS GLOSSÁRIO PLANO DIRETOR DE MANAUS Aceitação: documento expedido por órgão público competente que reconhece a execução de obra ou serviço e autoriza o uso ou a ocupação de edificação ou de instalações de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO LEI COMPLEME TAR º 203, DE 17 DE MARÇO DE 2010 Regulamenta os usos admitidos e índices urbanísticos da Área de Urbanização de Interesse Turístico - AUIT do município de Palmas seguinte Lei: O PREFEITO

Leia mais

NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de planta)

NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de planta) 1/7 COORDENADORIA DE CONTROLE URBANO DEPARTAMENTO DE LICENCIAMENTO DIVISÃO DE LICENCIAMENTO MULTIRESIDENCIAL NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. CELSO BASSANI BARBOSA, Prefeito Municipal de Xangri-Lá, FAÇO SABER que a Câmara Municipal de Vereadores

Leia mais

DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO

DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO Art. 52 - É condição essencial e imperativa a observância dos termos deste Estatuto Social, Regimento Interno e das Normas para Construção

Leia mais

LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014

LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 DISPÕE sobre a aprovação de projetos de condomínios residenciais, horizontal e vertical, no perímetro urbano do Município de Não-Me-Toque... TEODORA BERTA SOUILLJEE

Leia mais

DECRETO N.º 212/2007

DECRETO N.º 212/2007 DECRETO N.º 212/2007 Aprova o Regulamento de Edificações do Município de Curitiba e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE CURITIBA, no uso de suas atribuições legais, com base no disposto no

Leia mais

Lei Municipal N.º 1414

Lei Municipal N.º 1414 Subseção II Dos Estacionamentos e Guarda de Veículos Art. 41 - Os locais para estacionamento ou guarda de veículos podem ser cobertos ou descobertos, podendo se destinar em ambos os casos à utilização

Leia mais

CAPITULO XII. DA EDIFICAÇAO DE RESIDÊNCIAS PELOS CONDÔMINOS. Seção 1. Disposições Preliminares.

CAPITULO XII. DA EDIFICAÇAO DE RESIDÊNCIAS PELOS CONDÔMINOS. Seção 1. Disposições Preliminares. CAPITULO XII. DA EDIFICAÇAO DE RESIDÊNCIAS PELOS CONDÔMINOS. Seção 1. Disposições Preliminares. Artigo 47º. O CONDOMÍNIO, uma vez instituído na conformidade das disposições constantes do respectivo Memorial

Leia mais

Prefeitura Municipal de Campinas. Lei de Uso e Ocupação do Solo

Prefeitura Municipal de Campinas. Lei de Uso e Ocupação do Solo Prefeitura Municipal de Campinas Lei de Uso e Ocupação do Solo 1988 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS Lei de Uso e Ocupação do Solo compilação 4º. edição de atualização 2011 concluída em Março/2011 sob

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA LOTEAMENTO PRAIA DE JURERÊ VI ETAPA- A JURERÊ INTERNACIONAL, FLORIANÓPOLIS/SC O presente programa contempla o conjunto de normas, diretrizes e condicionantes

Leia mais

End.: Avenida Florais, Bairro Ribeirão do Lipa, Cuiabá MT.

End.: Avenida Florais, Bairro Ribeirão do Lipa, Cuiabá MT. REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS e URBANÍSTICAS FLORAIS DOS LAGOS É condição essencial desta Escritura Pública de Compra e Venda a observância das disposições abaixo mencionadas, a que estão obrigados

Leia mais

ÍNDICE 1. ZONEAMENTO, USO E OCUPAÇÃO DO SOLO 2 1.1 CORREDOR DE USO ESPECIAL - Z8CR 3 1.2 OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR 3

ÍNDICE 1. ZONEAMENTO, USO E OCUPAÇÃO DO SOLO 2 1.1 CORREDOR DE USO ESPECIAL - Z8CR 3 1.2 OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR 3 ÍNDICE 1. ZONEAMENTO, USO E OCUPAÇÃO DO SOLO 2 1.1 CORREDOR DE USO ESPECIAL - Z8CR 3 1.2 OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR 3 1.3 ÁREA AJARDINADA - redução da taxa de ocupação 3 1.4 LARGURA DA RUA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS PORTARIA Nº. 24, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta o artigo 18 da Lei nº 2.863/2008 Código de Obras e dá providências para avaliação e aprovação de Projetos de Edificações. O Secretário Municipal

Leia mais

REGULAMENTO DE "ALPHAVILLE CAMPINAS - ÁREA RESIDENCIAL" ( INTRA - MUROS )

REGULAMENTO DE ALPHAVILLE CAMPINAS - ÁREA RESIDENCIAL ( INTRA - MUROS ) Anexo B 01. Generalidades REGULAMENTO DE "ALPHAVILLE CAMPINAS - ÁREA RESIDENCIAL" ( INTRA - MUROS ) 01.01. Estas limitações são supletivas e prevalecem após o cumprimento das legislações federais, estaduais

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA LOTEAMENTO PRAIA DE JURERÊ VI ETAPA - B (AMORAEVILLE FASE 2) JURERÊ INTERNACIONAL, FLORIANÓPOLIS/SC O presente programa contempla o conjunto de normas,

Leia mais

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA É condição essencial ao Contrato de Venda e Compra de Bem Imóvel, Com Pacto Adjeto de Financiamento Com Alienação Fiduciária a observância

Leia mais

LOTEAMENTO FECHADO JARDIM DA PAINEIRA DAS REGRAS E POSTURAS URBANAS (MINUTA)

LOTEAMENTO FECHADO JARDIM DA PAINEIRA DAS REGRAS E POSTURAS URBANAS (MINUTA) LOTEAMENTO FECHADO JARDIM DA PAINEIRA DAS REGRAS E POSTURAS URBANAS (MINUTA) Todo proprietário de lote do Loteamento Fechado Jardim da Paineira, ao executar, qualquer construção complementação, modificação

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA ÍNDICE ORIENTAÇÕES PRELIMINARES IMPORTANTES pág. 02 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA pág. 03 NORMAS PARA EXECUÇÃO DE OBRAS pág. 08

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA D E C R E T O N. 10.944, de 13 de agosto de 2014 EMENTA: Regulamenta dispositivos da Lei Municipal n 1.198, de 14 de setembro de 1979 Código de Obras do Município de Itabuna na parte que indica e, dá outras

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo)

LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Publicado no DODF Nº 20, terça-feira, 29 de janeiro de 2008, pág. 2 a 4. LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Define critérios para ocupação de área

Leia mais

ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS

ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Estas limitações são supletivas e prevalecem após o cumprimento das legislações federais, estaduais e municipais,

Leia mais

RESPONSÁVEL TÉCNICO: Claudio Marcos Piotrowski Engenheiro Civil CREA 0601452877

RESPONSÁVEL TÉCNICO: Claudio Marcos Piotrowski Engenheiro Civil CREA 0601452877 INSTRUMENTO PARTICULAR DE INCORPORAÇÃO Condomínio Horizontal Fechado RESIDENCIAL VILLAVERDE (Identificado no Cartório de Registro Civil do Distrito de Monte Verde Camanducaia Livro 05-B 1º Traslado Fls

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG 1 S U M Á R I O CAPÍTULO APRESENTAÇÃO PÁGINA I Disposições Preliminares 02 II Uso e Ocupação do Solo 03 III Projetos

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo através

Leia mais

LOTEAMENTO FECHADO RESIDENCIAL FLORESTA

LOTEAMENTO FECHADO RESIDENCIAL FLORESTA LOTEAMENTO FECHADO RESIDENCIAL FLORESTA DAS REGRAS E POSTURAS URBANAS Todo proprietário de lote do Loteamento Fechado RESIDENCIAL FLORESTA, ao executar, qualquer construção complementação, modificação

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 6 Central e Armazenamento de GLP Asp. Of. BM Ericka Ramos

Comando do Corpo de Bombeiros. Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 6 Central e Armazenamento de GLP Asp. Of. BM Ericka Ramos Comando do Corpo de Bombeiros Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 6 Central e Armazenamento de GLP Asp. Of. BM Ericka Ramos Central e Armazenamento de GLP Introdução Central de GLP Conceitos e Aplicações

Leia mais

Art. 1 - O presente regulamento estabelece regras e restrições com a finalidade de disciplinar o uso e ocupação do solo, a

Art. 1 - O presente regulamento estabelece regras e restrições com a finalidade de disciplinar o uso e ocupação do solo, a REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS VILLA JARDIM É condição essencial ao Contrato de Venda e Compra de Bem Imóvel, Com Pacto Adjeto de Financiamento Com Alienação Fiduciária a observância

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO LOTEAMENTO FECHADO BOSQUES DE ATLÂNTIDA

MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO LOTEAMENTO FECHADO BOSQUES DE ATLÂNTIDA LOTEAMENTO FECHADO BOSQUES DE ATLÂNTIDA 1. GENERALIDADES A gleba destinada ao condomínio horizontal de lotes possui superfície de 446.750,54 m², em Atlântida município de Xangrilá-RS, conforme plantas

Leia mais

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte,

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte, LEI Nº 399/07 DISPÕE SOBRE O PARCELAMENTO E A OCUPAÇÃO DO SOLO URBANO DO MUNICÍPIO DE MACUCO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a

Leia mais

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS DO CONDOMÍNIO FLORAIS CUIABÁ

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS DO CONDOMÍNIO FLORAIS CUIABÁ Srs. Condôminos, Arquitetos e Engenheiros. Assunto: Alterações no Regulamento de Normas Construtivas. Prezados senhores! Desde a entrada em vigor do REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS em

Leia mais

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico Manual da Construção Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico APRESENTAÇÃO A presente cartilha é uma contribuição da Prefeitura Municipal de Viana, através da Secretaria de Planejamento

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo

Leia mais

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito Federal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito Federal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO LEI COMPLEMENTAR Nº (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre loteamento fechado e alienação de lotes ou parcelas de terras públicas no território do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

REVISÃO REGULAMENTO INTERNO ABRIL/2015

REVISÃO REGULAMENTO INTERNO ABRIL/2015 REVISÃO REGULAMENTO INTERNO ABRIL/2015 ITENS REVISADOS: ARTIGO 14, alínea c c) Todos os recuos mencionados na alínea b deverão ser totalmente livres, sendo que a projeção de beirais com largura de até

Leia mais

Dispõe sobre o uso e a ocupação do solo nas Macrozonas Urbanas do Município de Porto Nacional e dá outras providências.

Dispõe sobre o uso e a ocupação do solo nas Macrozonas Urbanas do Município de Porto Nacional e dá outras providências. Lei Complementar nº 06/2006 Publicada no Placar em: Data / / Dispõe sobre o uso e a ocupação do solo nas Macrozonas Urbanas do Município de Porto Nacional e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

C. Manual Técnico. Projeto de Arquitetura VI. Universidade Presbiteriana Mackenzie Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Arquitetura e Urbanismo

C. Manual Técnico. Projeto de Arquitetura VI. Universidade Presbiteriana Mackenzie Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Arquitetura e Urbanismo Universidade Presbiteriana Mackenzie Faculdade de Projeto de Arquitetura VI 1 º Semestre 2006 Matutino / Vespertino - Estrutura do texto e seleção das imagens Arq. Augusto França Arq. Cristine Gallinaro

Leia mais

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I CONTRATO N.º ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO DO RESIDENCIAL SANTA MÔNICA A INFRAESTRUTURA DE IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL SANTA MONICA OBEDECERÁ

Leia mais

196,6 referente à habitação unifamiliar isolada e habitação multifamiliar única e isolada R$ 196,60.

196,6 referente à habitação unifamiliar isolada e habitação multifamiliar única e isolada R$ 196,60. ANEXO XII LICENÇA PARA EXECUÇÃO DE OBRAS OU SERVIÇOS DE ENGENHARIA 1.0 TERRENO R$ 1.0.1 Análise de terreno referente a desmembramento, remembramento e demarcação, com 163,89 área até 5.000m². 1.0.2 Análise

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015 I. OBRAS I.1. I.1.1 1.1. ORIENTAÇÃO PARA INÍCIO DAS OBRAS Documentos necessários Para o início da obra será necessária a apresentação ao, dos seguintes documentos que devem permanecer na obra durante sua

Leia mais

REGIMENTO INTERNO LOTEAMENTO NOVA PALHOÇA

REGIMENTO INTERNO LOTEAMENTO NOVA PALHOÇA REGIMENTO INTERNO LOTEAMENTO NOVA PALHOÇA Art. 1. O presente Regimento Interno é instituído com o objetivo de estabelecer normas, diretrizes e condicionantes atinentes à conservação e ordem interna do

Leia mais

C.O.R CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL

C.O.R CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL C.O.R CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL ANÁLISE DE PROJETOS APROVAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE OBRAS SETEMBRO DE 2011 ÍNDICE 1 OBJETIVO 3 2 - INFORMAÇÕES GERAIS 3 3 - SOBRE AS RESPONSABILIDADES E ISENÇÕES DE RESPONSABILIDADES

Leia mais

ATELIÊ DE PROJETO 2 PROGRAMA DE NECESSIDADES E INFORMAÇÕES SOBRE O TERRENO

ATELIÊ DE PROJETO 2 PROGRAMA DE NECESSIDADES E INFORMAÇÕES SOBRE O TERRENO PROGRAMA DE NECESSIDADES E INFORMAÇÕES SOBRE O TERRENO Prof: Andréa Dall Olio ANÁLISE DO ARQUITETO EXIGÊNCIAS DO USUÁRIO PROGRAMA DE NECESSIDADES Etapa destinada à determinação das exigências de caráter

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via;

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS ÍNDICE. Assunto Itens Página

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS ÍNDICE. Assunto Itens Página TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS ÍNDICE Assunto Itens Página I Principios Gerais 01 a 05 02 II Restrições da Construção e do Uso do Lote 06 a 24 03 III Inicio das Edificações,

Leia mais

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam.

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam. DODF Nº 237 de 14 de dezembro de 2000. CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 68/2002-CBMDF, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2002 Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a

Leia mais

ILMO. SR. OFICIAL MAIOR DO 18º CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS DA CAPITAL.

ILMO. SR. OFICIAL MAIOR DO 18º CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS DA CAPITAL. ILMO. SR. OFICIAL MAIOR DO 18º CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS DA CAPITAL. CONSTRUTORA PASSARELLI LTDA., com sede e foro na Capital do Estado de São Paulo, à Rua Augusta, nº 257, inscrita no CGC/MF sob

Leia mais

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN)

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN) Logradouro: Rua Francisco Manoel, 10 1ª Categoria Terreno: 1400m² Observações: PMP: SIP3 INEPAC: Conjunto XI / 3 IPHAN: 1ª categoria, tipo V Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo Taxa de ocupação 30% - 30% 30%

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 8760, DE 19 DE JANEIRO DE 2009. Regulamenta o art. 119, da Lei Complementar n.º 171, de 29 de maio de 2007 e Lei Complementar n.º 181, de 1º de outubro de 2008, que dispõe

Leia mais

Normas de Construção

Normas de Construção Normas de Construção As presentes normas foram elaboradas em complemento as normas e procedimentos já existentes do Residencial Granja Carneiro Viana, objetivando ampliar as disposições e regras da Prefeitura

Leia mais

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS PRIMOR DAS TORRES

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS PRIMOR DAS TORRES REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS PRIMOR DAS TORRES GOLD MÁLAGA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS SPE LTDA ( Incorporadora ; Ginco ) inscrita no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ)

Leia mais

AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL I - DO OBJETO REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO Artigo 1º - O presente regulamento disciplina

Leia mais

LEI Nº 311/2003. O Prefeito Municipal de Teixeira de Freitas, Estado da Bahia;

LEI Nº 311/2003. O Prefeito Municipal de Teixeira de Freitas, Estado da Bahia; LEI Nº 311/2003 Dispõe sobre Loteamentos e Parcelamento do Solo de Teixeira de Freitas BA. O Prefeito Municipal de Teixeira de Freitas, Estado da Bahia; Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE

REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE Sociedade Residencial REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE Aqui a vida se renova. 1) APRESENTAÇÃO: 1.1 A filosofia deste Regulamento é apresentar limitações supletivas, ou seja, prevalecem

Leia mais

VIII - participação da comunidade na gestão urbana.

VIII - participação da comunidade na gestão urbana. LEI COMPLEMENTAR N.º 416, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2.004 Estabelece diretrizes para ocupação do solo. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ, Estado de São Paulo, de acordo com o que decretou a Câmara Municipal

Leia mais

REGULAMENT O DE OBRAS OBRAS-001 3 1-20

REGULAMENT O DE OBRAS OBRAS-001 3 1-20 O DE OBRAS OBRAS-001 3 1-20 O DE OBRAS DO RESIDENCIAL E COMERCIAL GÊNESIS I 1 PARA APROVAÇÃO DE PROJETO 1.1 - Os proprietários e seus contratados (engenheiros e arquitetos) são obrigados a cumprir integralmente

Leia mais

CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS

CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS Que entre si celebram, de um lado, a SOCIEDADE ALPHAVILLE RESIDENCIAL 5, inscrita no C.G.C./MF, sob o n.º 51.244.861/0001-56, isenta

Leia mais

Câmara Municipal de Pinheiral

Câmara Municipal de Pinheiral LEI COMPLEMENTAR Nº 001, de 16 de outubro de 1997. Dispõe sobre as construções no Município de Pinheiral, Estado do Rio de Janeiro, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO; Faço saber que a Câmara

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA PUBLICADO NO DOM N o 80 DE 20 / OUTUBRO / 2005 DECRETO N o 1.255 Regulamenta a Lei n o 11.035/04 e dispõe sobre a instalação de Cercas Energizadas destinadas à proteção

Leia mais